SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia 1º teste
Por: Joana Pinto
Verdade e Validade Dedutiva
• Uma proposição é um pensamento literalmente expresso
por uma frase declarativa com valor de verdade (pode
ser verdadeira ou falsa);
• Um argumento pode ser válido ou inválido mas nunca
verdadeiro ou falso; as proposições que constituem o
argumento é que são verdadeiras ou falsas;
• A validade dedutiva é uma propriedade exclusiva dos
argumentos; a validade de um argumento dedutivo
depende exclusivamente da forma lógica (relação e
conexão entre premissas e conclusão) – se esta faz
sentido ou não;
• É logicamente impossível que as premissas do
argumento sejam verdadeiras e a conclusão seja
falsa.
Argumento válido/sólido/cogente
Argumento válido – quando existe
coerência/conexão e relação entre as premissas e
a conclusão (podem ter proposições falsas);
Argumento sólido – quando, para além de ser
válido, todas as proposições (premissas e
conclusão) são verdadeiras;
Argumento cogentes – as premissas têm de ser
mais plausíveis (convincentes) do que a própria
conclusão. São constituídos por várias
premissas, são muito dificilmente refutáveis e
estão presentes nas teorias filosóficas.
Exemplos
Exemplo A – Argumento inválido
Exemplo B – Argumento válido e sólido
Premissa maior Todos os homens são mortais.
Premissa menor Fred é mortal.
Conclusão Logo, Fred é homem.
Premissa maior Todos os homens são mortais
Premissa menor Fred é homem.
Conclusão Logo, Fred é mortal.
Forma Lógica
( Relação, conexão)
O objeto da lógica formal
a) Clarificar o nosso pensamento;
b) Ajudar a evitar erros de raciocínio;
c) Distinguir os argumentos corretos dos
incorretos;
d) Explicar porque razão esses argumentos são
corretos ou incorretos;
e) Aprender a argumentar corretamente e a
avaliar argumentos.
Lógia Silogística
Todos os americanos são gordos. Proposição universal afirmativa A
Nenhum americano é gordo. Proposição universal negativa E
Alguns americanos são gordos. Proposição particular afirmativa I
Alguns americanos não são gordos. Proposição particular negativa O
A F I R M O N E G O
Classificação
das proposições
Quantidade
e
Qualidade
A E I O
Silogismos Categóricos
O silogismo categórico é um argumento dedutivo válido
constituído por três proposições categóricas (duas
premissas e uma conclusão);
A lógica aristotélica ou silogística só reconhece quatro
formas lógicas – A, E, I e O;
O silogismo categórico possui sempre três termos –
termo maior, médio e menor;
O termo maior é sempre o termo predicado da
conclusão e ocorre uma única vez na premissa maior;
O termo menor é o termo sujeito da conclusão e
ocorre uma vez na premissa menor;
O termo médio é o termo que surge em ambas as
premissas mas nunca na conclusão.
Silogismos Categóricos
Termo geral – é um item linguístico que designa os
membros de uma dada classe. Os termos possuem duas
propriedades, podendo estas ser de maior ou menor
grau:
▫ Extensão – é as coisas às quais o termo se aplica;
▫ Intenção – é a propriedade que determina a extensão
de um termo
Partes constituintes de uma proposição pertencente a um
silogismo:
Todos os homens são mortais.
Quantificador | Sujeito | Cópula | Predicado
Silogismo 1ª figura
Lisboetas/portugueses/seres vivos
Termo menos
extenso – termo
menor
Termo mais
extenso – termo
maior
Todos os portugueses são seres
vivos.
Premissa maior
(A)
Todos os lisboetas são
portugueses.
Premissa menor
(A)
Todos os lisboetas são seres vivos. Conclusão (A)
Termo médio
Regras do silogismo
 1 - Um Silogismo só pode conter três termos.
▫ Ex: Todas as margaridas são flores.
Algumas mulheres são Margaridas.
Algumas mulheres são flores.
▫ Este raciocínio utiliza o termo “margaridas” em
dois sentidos diferentes e sempre que um termo
é ambíguo é como se estivéssemos a usar um
quarto termo.
 2 - Nenhuma conclusão de segue de duas
premissas negativas.
 3 - Nenhuma conclusão se segue de duas
premissas particulares.
Regras do silogismo
 4 - Se as duas premissas forem afirmativas, a
conclusão não pode ser negativa
 5 - A conclusão tem de seguir a parte ou premissa
mais fraca. A parte mais fraca é a negativa ou a
particular:
Se uma premissa for negativa, a conclusão tem de ser
negativa;
Se uma premissa for particular, a conclusão tem de ser
particular;
Se houver uma premissa negativa e outra particular, a
conclusão será negativa particular.
Exemplo: A E E
I A I
I E O
 6 – O termo médio tem de estar distribuído
pelo menos uma vez.
 7 – Se um termo está distribuído na conclusão,
tem também de o estar nas premissas.
Regras do silogismo
Distribuição de Termos
Tipos de proposições Termos distribuídos Exemplos
A Sujeito Todas as canetas são pretas.
E Ambos Nenhuma caneta é preta.
I Nenhum Algumas canetas são pretas.
O
Predicado Algumas canetas não são
pretas.
Falácias Silogísticas ou Formais
Uma falácia é um argumento mau que parece bom.
o Falácia dos quatro termos (ocorre quando um silogismo
tem mais de três termos);
o Falácia do médio não distribuído (ocorre quando o termo
médio não está distribuído);
o Falácia da ilícita maior (ocorre quando o termo maior está
distribuído na conclusão mas não o está na premissa
maior);
o Falácia da ilícita menor (ocorre quando o termo menor está
distribuído na conclusão mas não o está na premissa
menor).
Existe ainda a condição das classes vazias, ou seja, classes
sem elementos. Estas classes compreendem tudo o que seja
produto da imaginação ou que torne o raciocínio pouco
objetivo e racional.
Figuras do Silogismo
1ª Figura Modos
Premissa > Termo médio + termo maior A E A E
Premissa < Termo menor + termo médio A A I I
Conclusão Termo menor + termo maior A E I O
2ª Figura Modos
Premissa > Termo maior + termo médio E A A E
Premissa < Termo menor + termo médio A E O I
Conclusão Termo menor + termo maior E E O O
3ª Figura Modos
Premissa > Termo médio+ termo maior A I A E O E
Premissa < Termo médio + termo menor A A I A A I
Conclusão Termo menor + termo maior I I I O O O
4ª Figura Modos
Premissa > Termo maior+ termo médio A A I E E
Premissa < Termo médio + termo menor A E A A I
Conclusão Termo menor + termo maior I E I O O
Inferências
Podem ser:
• Mediatas (Silogismos);
• Imediatas
▫ Conversão
▫ Obversão
Conversão simples:
Mantemos a quantidade na conclusão e trocamos
o sujeito pelo predicado. Apenas pode ser com
proposições E e I.
Ex: Alguns homens são inteligentes.
Logo, alguns inteligentes são homens.
Outras Definições Importantes
• Forma lógica – relação e conexão entre premissas e
conclusão;
• Proposição – enunciado ou pensamento literalmente expresso
por uma frase declarativa que possui valor de verdade;
• Termo geral – item linguístico que designa os constituintes de
uma classe. Possui extensão e intensão.
▫ Extensão – é as coisas às quais o termo se aplica;
▫ Intenção – é a propriedade que determina a extensão de um
termo.
• Argumento dedutivamente válido – é um argumento
constituído por três proposições (premissa maior, premissa
menor e conclusão) que apenas são dos tipos A, E, I ou O,
possuem um termo maior, um termo menor e um termo
médio, em que existe forma lógica (relação e coesão entre
premissas e conclusão) que, por sua vez, é garantida
através do cumprimento das regas do silogismo (incluindo
as referentes à distribuição de termos).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
Formas de Inferência Válida e Falácias Formais slFormas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
Formas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
Joaquim Duarte
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
Joaquim Duarte
 
Argumentos por analogia
Argumentos por analogiaArgumentos por analogia
Argumentos por analogia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Ii lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
Ii   lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)Ii   lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
Ii lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
AidaCunha73
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
Isabel Moura
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
Alan
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
Isabel Moura
 
Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
Joaquim Melro
 
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivos
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivosAp.06.01.argumentos.nao.dedutivos
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivos
jtorrescosta
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
Isabel Moura
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
InesTeixeiraDuarte
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
Domingos Inácio Inácio
 
Cap01.3 Teses, proposições e negação
Cap01.3 Teses, proposições e negaçãoCap01.3 Teses, proposições e negação
Cap01.3 Teses, proposições e negação
António Padrão
 

Mais procurados (20)

Formas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
Formas de Inferência Válida e Falácias Formais slFormas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
Formas de Inferência Válida e Falácias Formais sl
 
Lógica Proposicional
Lógica ProposicionalLógica Proposicional
Lógica Proposicional
 
Argumentos por analogia
Argumentos por analogiaArgumentos por analogia
Argumentos por analogia
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Ii lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
Ii   lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)Ii   lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
Ii lógica proposicional - formalização de proposições e argumentos (7)
 
Tipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivosTipos de argumentos indutivos
Tipos de argumentos indutivos
 
Objeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismoObjeções_falsificacionismo
Objeções_falsificacionismo
 
Lógica formal
Lógica formalLógica formal
Lógica formal
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos moraisDiversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
Diversas respostas ao problema da natureza dos juízos morais
 
Libertismo
Libertismo Libertismo
Libertismo
 
Argumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formalArgumentação e lógica formal
Argumentação e lógica formal
 
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivos
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivosAp.06.01.argumentos.nao.dedutivos
Ap.06.01.argumentos.nao.dedutivos
 
Determinismo_radical
Determinismo_radicalDeterminismo_radical
Determinismo_radical
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
Dimensões da Ação Humana e dos Valores (Kant e Mill)
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Logica formal e_informal
Logica formal e_informalLogica formal e_informal
Logica formal e_informal
 
Cap01.3 Teses, proposições e negação
Cap01.3 Teses, proposições e negaçãoCap01.3 Teses, proposições e negação
Cap01.3 Teses, proposições e negação
 

Destaque

Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Joana Pinto
 
Lógica silogística II parte
Lógica silogística II parteLógica silogística II parte
Lógica silogística II parte
AnaKlein1
 
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científicoT 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
mluisavalente
 
T 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliaçãoT 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliação
mluisavalente
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
mluisavalente
 
Ficha de trabalho lógica silogística1
Ficha de trabalho lógica silogística1Ficha de trabalho lógica silogística1
Ficha de trabalho lógica silogística1
AnaKlein1
 
Ficha de trabalho2 silogismos
Ficha de trabalho2  silogismosFicha de trabalho2  silogismos
Ficha de trabalho2 silogismos
AnaKlein1
 
T 2004
T 2004T 2004
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
mluisavalente
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
mluisavalente
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
mluisavalente
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
mluisavalente
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
Helena Serrão
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
Jorge Barbosa
 
Ficha de revisões 1 teste 11
Ficha de revisões 1 teste 11Ficha de revisões 1 teste 11
Ficha de revisões 1 teste 11
Isabel Moura
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
mluisavalente
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Isabel Moura
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Isabel Moura
 
Ficha Formativa- Lógica silogística
Ficha Formativa- Lógica silogísticaFicha Formativa- Lógica silogística
Ficha Formativa- Lógica silogística
AnaKlein1
 

Destaque (20)

Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
Filosofia 2º teste - argumentação e retórica, lógica informal, falácias infor...
 
Lógica silogística II parte
Lógica silogística II parteLógica silogística II parte
Lógica silogística II parte
 
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científicoT 2003   teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
T 2003 teste de avaliação - 11º ano - conhecimento científico
 
T 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliaçãoT 2002 teste de avaliação
T 2002 teste de avaliação
 
Ficha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º anoFicha trab. 10º ano
Ficha trab. 10º ano
 
Ficha de trabalho lógica silogística1
Ficha de trabalho lógica silogística1Ficha de trabalho lógica silogística1
Ficha de trabalho lógica silogística1
 
Ficha de trabalho2 silogismos
Ficha de trabalho2  silogismosFicha de trabalho2  silogismos
Ficha de trabalho2 silogismos
 
T 2004
T 2004T 2004
T 2004
 
Síntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficasSíntese as questões filosóficas
Síntese as questões filosóficas
 
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho   módulo inicialF 2007 ficha de trabalho   módulo inicial
F 2007 ficha de trabalho módulo inicial
 
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valoresF 2007 ficha de trabalho  módulo ii -  a acção humana e os valores
F 2007 ficha de trabalho módulo ii - a acção humana e os valores
 
Fichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º anoFichas de trabalho 10º ano
Fichas de trabalho 10º ano
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Filosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações IniciaisFilosofia - Orientações Iniciais
Filosofia - Orientações Iniciais
 
Ficha de revisões 1 teste 11
Ficha de revisões 1 teste 11Ficha de revisões 1 teste 11
Ficha de revisões 1 teste 11
 
Ficha de trab + correção descartes
Ficha de trab + correção   descartesFicha de trab + correção   descartes
Ficha de trab + correção descartes
 
Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11Correção ficha de revisões 1 teste 11
Correção ficha de revisões 1 teste 11
 
Filosofia 4
Filosofia 4Filosofia 4
Filosofia 4
 
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11Correção da ficha de revisões 2 teste 11
Correção da ficha de revisões 2 teste 11
 
Ficha Formativa- Lógica silogística
Ficha Formativa- Lógica silogísticaFicha Formativa- Lógica silogística
Ficha Formativa- Lógica silogística
 

Semelhante a Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias

Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
pcls66
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
Fátima Teixeira Kika
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
DanielaMoreira84
 
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGicaApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
Heitor de M Quintella, DSc
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
Adriana Cahongo
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
Helena Serrão
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
Italo Colares
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
Inês Mota
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
Munis Pedro
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Freiheit Ribeiro
 
Power point reformulacao (1)
Power point   reformulacao (1)Power point   reformulacao (1)
Power point reformulacao (1)
j_sdias
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
almada76
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
Lilliane Renata Defante
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
BerlaPaiva
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Raciocínio lógico
Jeferson S. J.
 
interpretacao.pptx
interpretacao.pptxinterpretacao.pptx
interpretacao.pptx
ClarissaFeder2
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
Mateus Ferraz
 
Filosofia 10. ano
Filosofia   10. anoFilosofia   10. ano
Filosofia 10. ano
Claudia Martinho
 

Semelhante a Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias (20)

Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência validaSilogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
Silogismo: Termo, modo figura e regras da inferência valida
 
Filosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano agFilosofia 11ºano ag
Filosofia 11ºano ag
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGicaApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
 
Breve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofiaBreve resumo da matéria de filosofia
Breve resumo da matéria de filosofia
 
A estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptxA estrutura lógica do discurso.pptx
A estrutura lógica do discurso.pptx
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
Resumo 2º teste
Resumo 2º testeResumo 2º teste
Resumo 2º teste
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Raciocínio lógico
 
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptxLógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
Lógia Powerpoint 10ºA ano.pptx
 
Power point reformulacao (1)
Power point   reformulacao (1)Power point   reformulacao (1)
Power point reformulacao (1)
 
Lógica
LógicaLógica
Lógica
 
Raciocinio logico
Raciocinio logicoRaciocinio logico
Raciocinio logico
 
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptxDissertação argumentativa - TJ.pptx
Dissertação argumentativa - TJ.pptx
 
Raciocínio lógico
Raciocínio lógicoRaciocínio lógico
Raciocínio lógico
 
interpretacao.pptx
interpretacao.pptxinterpretacao.pptx
interpretacao.pptx
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
 
Filosofia 10. ano
Filosofia   10. anoFilosofia   10. ano
Filosofia 10. ano
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 

Filosofia 1º teste - Lógica formal, Silogismos e Falácias

  • 2. Verdade e Validade Dedutiva • Uma proposição é um pensamento literalmente expresso por uma frase declarativa com valor de verdade (pode ser verdadeira ou falsa); • Um argumento pode ser válido ou inválido mas nunca verdadeiro ou falso; as proposições que constituem o argumento é que são verdadeiras ou falsas; • A validade dedutiva é uma propriedade exclusiva dos argumentos; a validade de um argumento dedutivo depende exclusivamente da forma lógica (relação e conexão entre premissas e conclusão) – se esta faz sentido ou não; • É logicamente impossível que as premissas do argumento sejam verdadeiras e a conclusão seja falsa.
  • 3. Argumento válido/sólido/cogente Argumento válido – quando existe coerência/conexão e relação entre as premissas e a conclusão (podem ter proposições falsas); Argumento sólido – quando, para além de ser válido, todas as proposições (premissas e conclusão) são verdadeiras; Argumento cogentes – as premissas têm de ser mais plausíveis (convincentes) do que a própria conclusão. São constituídos por várias premissas, são muito dificilmente refutáveis e estão presentes nas teorias filosóficas.
  • 4. Exemplos Exemplo A – Argumento inválido Exemplo B – Argumento válido e sólido Premissa maior Todos os homens são mortais. Premissa menor Fred é mortal. Conclusão Logo, Fred é homem. Premissa maior Todos os homens são mortais Premissa menor Fred é homem. Conclusão Logo, Fred é mortal. Forma Lógica ( Relação, conexão)
  • 5. O objeto da lógica formal a) Clarificar o nosso pensamento; b) Ajudar a evitar erros de raciocínio; c) Distinguir os argumentos corretos dos incorretos; d) Explicar porque razão esses argumentos são corretos ou incorretos; e) Aprender a argumentar corretamente e a avaliar argumentos.
  • 6. Lógia Silogística Todos os americanos são gordos. Proposição universal afirmativa A Nenhum americano é gordo. Proposição universal negativa E Alguns americanos são gordos. Proposição particular afirmativa I Alguns americanos não são gordos. Proposição particular negativa O A F I R M O N E G O Classificação das proposições Quantidade e Qualidade A E I O
  • 7. Silogismos Categóricos O silogismo categórico é um argumento dedutivo válido constituído por três proposições categóricas (duas premissas e uma conclusão); A lógica aristotélica ou silogística só reconhece quatro formas lógicas – A, E, I e O; O silogismo categórico possui sempre três termos – termo maior, médio e menor; O termo maior é sempre o termo predicado da conclusão e ocorre uma única vez na premissa maior; O termo menor é o termo sujeito da conclusão e ocorre uma vez na premissa menor; O termo médio é o termo que surge em ambas as premissas mas nunca na conclusão.
  • 8. Silogismos Categóricos Termo geral – é um item linguístico que designa os membros de uma dada classe. Os termos possuem duas propriedades, podendo estas ser de maior ou menor grau: ▫ Extensão – é as coisas às quais o termo se aplica; ▫ Intenção – é a propriedade que determina a extensão de um termo Partes constituintes de uma proposição pertencente a um silogismo: Todos os homens são mortais. Quantificador | Sujeito | Cópula | Predicado
  • 9. Silogismo 1ª figura Lisboetas/portugueses/seres vivos Termo menos extenso – termo menor Termo mais extenso – termo maior Todos os portugueses são seres vivos. Premissa maior (A) Todos os lisboetas são portugueses. Premissa menor (A) Todos os lisboetas são seres vivos. Conclusão (A) Termo médio
  • 10. Regras do silogismo  1 - Um Silogismo só pode conter três termos. ▫ Ex: Todas as margaridas são flores. Algumas mulheres são Margaridas. Algumas mulheres são flores. ▫ Este raciocínio utiliza o termo “margaridas” em dois sentidos diferentes e sempre que um termo é ambíguo é como se estivéssemos a usar um quarto termo.  2 - Nenhuma conclusão de segue de duas premissas negativas.  3 - Nenhuma conclusão se segue de duas premissas particulares.
  • 11. Regras do silogismo  4 - Se as duas premissas forem afirmativas, a conclusão não pode ser negativa  5 - A conclusão tem de seguir a parte ou premissa mais fraca. A parte mais fraca é a negativa ou a particular: Se uma premissa for negativa, a conclusão tem de ser negativa; Se uma premissa for particular, a conclusão tem de ser particular; Se houver uma premissa negativa e outra particular, a conclusão será negativa particular. Exemplo: A E E I A I I E O
  • 12.  6 – O termo médio tem de estar distribuído pelo menos uma vez.  7 – Se um termo está distribuído na conclusão, tem também de o estar nas premissas. Regras do silogismo Distribuição de Termos Tipos de proposições Termos distribuídos Exemplos A Sujeito Todas as canetas são pretas. E Ambos Nenhuma caneta é preta. I Nenhum Algumas canetas são pretas. O Predicado Algumas canetas não são pretas.
  • 13. Falácias Silogísticas ou Formais Uma falácia é um argumento mau que parece bom. o Falácia dos quatro termos (ocorre quando um silogismo tem mais de três termos); o Falácia do médio não distribuído (ocorre quando o termo médio não está distribuído); o Falácia da ilícita maior (ocorre quando o termo maior está distribuído na conclusão mas não o está na premissa maior); o Falácia da ilícita menor (ocorre quando o termo menor está distribuído na conclusão mas não o está na premissa menor). Existe ainda a condição das classes vazias, ou seja, classes sem elementos. Estas classes compreendem tudo o que seja produto da imaginação ou que torne o raciocínio pouco objetivo e racional.
  • 14. Figuras do Silogismo 1ª Figura Modos Premissa > Termo médio + termo maior A E A E Premissa < Termo menor + termo médio A A I I Conclusão Termo menor + termo maior A E I O 2ª Figura Modos Premissa > Termo maior + termo médio E A A E Premissa < Termo menor + termo médio A E O I Conclusão Termo menor + termo maior E E O O 3ª Figura Modos Premissa > Termo médio+ termo maior A I A E O E Premissa < Termo médio + termo menor A A I A A I Conclusão Termo menor + termo maior I I I O O O 4ª Figura Modos Premissa > Termo maior+ termo médio A A I E E Premissa < Termo médio + termo menor A E A A I Conclusão Termo menor + termo maior I E I O O
  • 15. Inferências Podem ser: • Mediatas (Silogismos); • Imediatas ▫ Conversão ▫ Obversão Conversão simples: Mantemos a quantidade na conclusão e trocamos o sujeito pelo predicado. Apenas pode ser com proposições E e I. Ex: Alguns homens são inteligentes. Logo, alguns inteligentes são homens.
  • 16. Outras Definições Importantes • Forma lógica – relação e conexão entre premissas e conclusão; • Proposição – enunciado ou pensamento literalmente expresso por uma frase declarativa que possui valor de verdade; • Termo geral – item linguístico que designa os constituintes de uma classe. Possui extensão e intensão. ▫ Extensão – é as coisas às quais o termo se aplica; ▫ Intenção – é a propriedade que determina a extensão de um termo. • Argumento dedutivamente válido – é um argumento constituído por três proposições (premissa maior, premissa menor e conclusão) que apenas são dos tipos A, E, I ou O, possuem um termo maior, um termo menor e um termo médio, em que existe forma lógica (relação e coesão entre premissas e conclusão) que, por sua vez, é garantida através do cumprimento das regas do silogismo (incluindo as referentes à distribuição de termos).