SlideShare uma empresa Scribd logo
A G R U PA M E N T O D E E S C O L A S A U R É L I A D E S O U S A –
A N O L E T I V O 2 0 1 5 / 2 0 1 6
11ºano
 O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica
 Ciência e construção – validade e verificabilidade das hipóteses
O CRITÉRIO DA VERIFICABILIDADE
Responde ao problema da demarcação, da seguinte forma:
O critério para distinguir o que é científico do que não o é prende-
se com a verificação empírica;
VERIFICABILIDADE
Tomando o lugar de teoria científica
quando é possível verificar
empiricamente, ou seja, através da
experiência, aquilo que ela propõe.
Se for possível
determina-la
pela
observação
empírica.
PRINCIPAIS CRÍTICAS AO INDUTIVISMO
Críticas ao indutivismo
A observação não é o
ponto de partida do
método científico e,
ainda que o cientista
recorra à observação,
ela não é totalmente
neutra e insenta.
O raciocínio indutivo
não confere o rigor
lógico necessário às
teorias cientificas
A observação dos
fenómenos é
limitativa.
A indução constitui, em termos
lógicos, uma operação que
obriga a um salto do
conhecido(de proposições
particulares) para o
desconhecido (para
proposições gerais).
O MÉTODO CIENTÍFICO:
O FALSIFICACIONISMO E A CRÍTICA DE KARL POPPER AO
MÉTODO INDUTIVO
Métodos de abordagem
Indutivo Hipotético Dedutivo
Através de
observações
particulares,
chega-se à
afirmação de um
pincípio geral
As teorias são
testadas
através de
hipóteses
alternativas e
falsificáveis
Francis Bacon – Séc. XVII Karl Popper – Séc. XX
DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE CIENTÍFICA -
O CRITÉRIO DA FALSIFICABILIDADE
• Para Karl Popper, o critério que permite distinguir o conhecimento científico
(ciência) de outras formas de conhecimento (pseudociência – Ex: teoria do
inconsciente de Freud ou o marxismo) é o critério de falsificabilidade.
• O problema da demarcação entre ciências e pseudociências é resolvido através
deste critério.
• Para Popper, o trabalho dos cientistas não se deve centrar na verificação e
confirmação das consequências da hipótese. Em vez disso, o cientista deve
trabalhar no sentido de falsificar/refutar a hipótese.
• O trabalho do cientista deve servir para testar a resistência da hipótese à
falsificação. A teoria será tanto mais válida quanto mais resistir à sua
falsificação.
GRAUS DE FALSIFICABILIDADE
• Quanto mais informação uma teoria ou proposição tiver (conteúdo
empírico), maior será o seu grau de falsificabilidade.
• Conteúdo empírico de uma teoria ou proposição é a informação que ela
dá sobre o mundo que observamos.
Exemplos:
1. Amanhã vai ou não vai chover. (X)
2. Amanhã vai chover.
3. Amanhã vai chover de manhã.
4. Amanhã vai chover entre as dez e as onze horas da manhã.
 A TER EM CONTA SOBRE O CRITÉRIO DA
FALSIFICABILIDADE:
FALSIFICABLIDADE
Propriedade do que é
falsificável. Uma teoria ou
proposição é falsificável quando
pode ser submetida a testes
empíricos que
a possam refutar. E uma teoria
está falsificada quando é
realmente refutada por dados
empíricos quando se mostra que
é falsa.
FALSIFICAÇÃO
Não se pode confundir a noção
de falsificado com a
de falsificável. Se uma teoria foi
falsificada, então é falsa. Todas
as boas teorias científicas são
falsificáveis, mas não são, claro
está, todas falsas.
Critério da falsificabilidade
Uma teoria que não é
falsificável nada diz de
significativo sobre os
factos
Permite a Popper responder ao problema da demarcação
As teorias científicas são diferentes
das não cientificas (ou das
pesudocientificas), na medida em
que são falsificáveis
Mais possibilidades de a ciência
progredir
• Não pode ser
falsificado
• Pode ser
falsificado
Constitui um
enunciado
de caráter
científico
Não constitui
um enunciado
de caráter
científico
«Como exemplo de uma teoria não científica podemos tomar a astrologia. É claro
que se trata de uma teoria não falsificável. As previsões astrológicas são
suficientemente vagas para nunca admitirem um teste de falsificabilidade (“este
ano tenha atenção à sua saúde” ou “em março morrerá uma figura mundialmente
conhecida”, em vez de “a 15 de abril vai partir uma perna” ou “o papa vai morrer
entre 10 e 17 de março”). No caso (altamente improvável) de alguma vez algum
astrólogo emitir uma previsão falsificável não verificada, ouve-se um coro de
explicações ad hoc [...]. As mais comuns são observações como “a astrologia
funciona nalguns casos”. Em que casos não funciona? Ninguém sabe. Em que
casos funciona? Ninguém sabe. O que os distingue [...]? Ninguém sabe. Assim, a
astrologia está legitimada, quer acerte quer falhe as previsões. Ou seja, não é
falsificável. Portanto, não é científica. É uma pseudociência.»
Jorge Buescu, O Mistério do Bilhete de Identidade e Outras Histórias, Lisboa, Gradiva, 2004,
9.ª edição, p. 13.
Caso prático de uma teoria não científica:
ETAPAS DO MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO:
Acerca do presente exemplo Popper diria:
Acredito que todos os gansos são brancos, mas numa visita à Nova Zelândia,
vejo um ganso negro. A minha observação de que existe um ganso negro
falsifica, torna falsa a minha teoria original de que “todos os gansos são
brancos”.
Problema
Hipótese
(conjetura)
Testes (refutação)
Dedução das
consequências
Exemplo:
Se observo mil gansos e se todos eles são brancos, concluo que todos
os gansos são brancos.
CRITÉRIO VERIFICACIONISTA CRITÉRIO
FALSIFICACIONISTA
• Para o verificacionismo, a
experiência científica deverá
servir para verificar e
confirmar a hipótese. A
tónica é colocada na
verificação e confirmação.
• Segundo o critério
verificacionista, basta um
número de casos
particulares para validar a
hipótese. Um conjunto de
casos particulares leva à
generalização. A hipótese
“transforma-se” em lei
científica.
• Para o falsificacionismo, a
experiência científica deverá
servir para falsificar/tornar
falsas as hipóteses.
• Um enunciado será científico
se for passível de ser
empiricamente falsificável.
• Segundo o critério
falsificacionista, uma teoria
será tanto mais válida
quanto mais resistir à
falsificação.
VS
DIZ-NOS KARL POPPER:
“O método da ciência é o método de conjeturas audazes e
engenhosas seguidas de tentativas rigorosas de falseá-
las. Só sobrevivem as teorias mais aptas. Nunca se pode
dizer licitamente que uma teoria é verdadeira, pode-se dizer
com otimismo que é a melhor disponível, que é melhor do
que qualquer das que existiam antes.”
K. Popper, Conhecimento Objetivo (1975)
CRÍTICAS A POPPER
1.
• O PROCESSO DE REFUTAÇÃO OU
FALSIFICAÇÃO NÃO É O
PROCEDIMENTO MAIS COMUM ENTRE
OS CIENTISTAS.
2.
• CONSIDERANDO A HISTÓRIA DA
CIÊNCIA, NÃO PARECE QUE ELA POSSA
EVOLUIR POR UM PROCESSO ASSENTE
NAS REFUTAÇÕES.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
Beatriz Cruz
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
Hume
HumeHume
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
Joana Filipa Rodrigues
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
Maria Teresa Soveral
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
Helena Coutinho
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
Filazambuja
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
António Fernandes
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
Isabel Moura
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 

Mais procurados (20)

DESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANODESCARTES 11ANO
DESCARTES 11ANO
 
Provas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo DescartesProvas da existência de Deus segundo Descartes
Provas da existência de Deus segundo Descartes
 
Hume
HumeHume
Hume
 
O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
David hume e o Empirismo
David hume e o EmpirismoDavid hume e o Empirismo
David hume e o Empirismo
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Canto viii 96_99
Canto viii 96_99Canto viii 96_99
Canto viii 96_99
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Cap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geralCap iv repreensões geral
Cap iv repreensões geral
 
Teoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawlsTeoria da justiça rawls
Teoria da justiça rawls
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
Os Maias - análise
Os Maias - análiseOs Maias - análise
Os Maias - análise
 
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo V Sermão Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 

Semelhante a 11º b final

Popper
PopperPopper
Popper
PopperPopper
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
Lurdes Sousa
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
MnicaMatos22
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
guestbdb4ab6
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Marcelo Knobel
 
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docxREA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
ElianeMacedo22
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
Thiago Xavier
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
MariaSantos508206
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
pyteroliva
 
Indução e confirmação
Indução e confirmaçãoIndução e confirmação
Indução e confirmação
guest1d16fd
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
BolachinhaMaria1
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
Arlindo Picoli
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
j_sdias
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
j_sdias
 
Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6
Luiz Miranda-Sá
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
Ivo Mai
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
TixaAlmeida
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
GustavoArouche2
 
Popper -11ºL
Popper -11ºLPopper -11ºL
Popper -11ºL
Joaquim Melro
 

Semelhante a 11º b final (20)

Popper
PopperPopper
Popper
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptxeqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
eqt11_estatuto_conhecimento_cientifico.pptx
 
Karl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o FalsificacionismoKarl Popper e o Falsificacionismo
Karl Popper e o Falsificacionismo
 
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
Fontes de Info em C&T - Labjor/Unicamp - Aula 4
 
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docxREA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
REA_DOSSIE SOBRE A FILOSOFIA DA CIENCIA DE KARL POPPER.docx
 
Método Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passosMétodo Científico em 6 passos
Método Científico em 6 passos
 
Construção da ciência
Construção da ciênciaConstrução da ciência
Construção da ciência
 
Verificab..
Verificab..Verificab..
Verificab..
 
Indução e confirmação
Indução e confirmaçãoIndução e confirmação
Indução e confirmação
 
filosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docxfilosofia cartazes.docx
filosofia cartazes.docx
 
O conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógicaO conhecimento e a lógica
O conhecimento e a lógica
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Metodo cientifico
Metodo cientificoMetodo cientifico
Metodo cientifico
 
Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6Curso de Epistemologia 5/6
Curso de Epistemologia 5/6
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
 
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptxMÉTODO CIENTÍFICO.pptx
MÉTODO CIENTÍFICO.pptx
 
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptxAula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
Aula 3 - método científico e tipos de pesquisa 2020.pptx
 
Popper -11ºL
Popper -11ºLPopper -11ºL
Popper -11ºL
 

Mais de j_sdias

Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
j_sdias
 
Joana ribeiro
Joana ribeiroJoana ribeiro
Joana ribeiro
j_sdias
 
Francisca cardoso
Francisca cardosoFrancisca cardoso
Francisca cardoso
j_sdias
 
Maria pontes
Maria pontesMaria pontes
Maria pontes
j_sdias
 
Assistências rafaela francisca cardoso
Assistências rafaela francisca cardosoAssistências rafaela francisca cardoso
Assistências rafaela francisca cardoso
j_sdias
 
Regência 18 francisca cardoso
Regência 18 francisca cardosoRegência 18 francisca cardoso
Regência 18 francisca cardoso
j_sdias
 
Regência 16 e 17 francisca cardoso
Regência 16 e 17 francisca cardosoRegência 16 e 17 francisca cardoso
Regência 16 e 17 francisca cardoso
j_sdias
 
Regência 14 e 15 francisca cardoso
Regência 14 e 15 francisca cardosoRegência 14 e 15 francisca cardoso
Regência 14 e 15 francisca cardoso
j_sdias
 
Heteroavaliação regência-18
Heteroavaliação regência-18Heteroavaliação regência-18
Heteroavaliação regência-18
j_sdias
 
Heteroavaliação regência-14-e-15
Heteroavaliação regência-14-e-15Heteroavaliação regência-14-e-15
Heteroavaliação regência-14-e-15
j_sdias
 
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
j_sdias
 
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
j_sdias
 
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 1
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro   1Ficha de heteroavaliação joana ribeiro   1
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 1
j_sdias
 
Heteroavaliação maria pontes 2.
Heteroavaliação maria pontes 2.Heteroavaliação maria pontes 2.
Heteroavaliação maria pontes 2.
j_sdias
 
Heteroavaliação maria pontes 3.
Heteroavaliação maria pontes 3.Heteroavaliação maria pontes 3.
Heteroavaliação maria pontes 3.
j_sdias
 
Heteroavaliação maria pontes 1
Heteroavaliação maria pontes   1Heteroavaliação maria pontes   1
Heteroavaliação maria pontes 1
j_sdias
 
Auto avaliação 3
Auto avaliação 3Auto avaliação 3
Auto avaliação 3
j_sdias
 
Auto avaliação 2
Auto avaliação 2Auto avaliação 2
Auto avaliação 2
j_sdias
 
Auto avaliação 1
Auto avaliação  1Auto avaliação  1
Auto avaliação 1
j_sdias
 
Nota nº de aulas lecionadas
Nota   nº de aulas lecionadasNota   nº de aulas lecionadas
Nota nº de aulas lecionadas
j_sdias
 

Mais de j_sdias (20)

Ppt 11º c
Ppt 11º cPpt 11º c
Ppt 11º c
 
Joana ribeiro
Joana ribeiroJoana ribeiro
Joana ribeiro
 
Francisca cardoso
Francisca cardosoFrancisca cardoso
Francisca cardoso
 
Maria pontes
Maria pontesMaria pontes
Maria pontes
 
Assistências rafaela francisca cardoso
Assistências rafaela francisca cardosoAssistências rafaela francisca cardoso
Assistências rafaela francisca cardoso
 
Regência 18 francisca cardoso
Regência 18 francisca cardosoRegência 18 francisca cardoso
Regência 18 francisca cardoso
 
Regência 16 e 17 francisca cardoso
Regência 16 e 17 francisca cardosoRegência 16 e 17 francisca cardoso
Regência 16 e 17 francisca cardoso
 
Regência 14 e 15 francisca cardoso
Regência 14 e 15 francisca cardosoRegência 14 e 15 francisca cardoso
Regência 14 e 15 francisca cardoso
 
Heteroavaliação regência-18
Heteroavaliação regência-18Heteroavaliação regência-18
Heteroavaliação regência-18
 
Heteroavaliação regência-14-e-15
Heteroavaliação regência-14-e-15Heteroavaliação regência-14-e-15
Heteroavaliação regência-14-e-15
 
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
Ficha de heteroavaliação joana r ibeiro 3.
 
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 2.
 
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 1
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro   1Ficha de heteroavaliação joana ribeiro   1
Ficha de heteroavaliação joana ribeiro 1
 
Heteroavaliação maria pontes 2.
Heteroavaliação maria pontes 2.Heteroavaliação maria pontes 2.
Heteroavaliação maria pontes 2.
 
Heteroavaliação maria pontes 3.
Heteroavaliação maria pontes 3.Heteroavaliação maria pontes 3.
Heteroavaliação maria pontes 3.
 
Heteroavaliação maria pontes 1
Heteroavaliação maria pontes   1Heteroavaliação maria pontes   1
Heteroavaliação maria pontes 1
 
Auto avaliação 3
Auto avaliação 3Auto avaliação 3
Auto avaliação 3
 
Auto avaliação 2
Auto avaliação 2Auto avaliação 2
Auto avaliação 2
 
Auto avaliação 1
Auto avaliação  1Auto avaliação  1
Auto avaliação 1
 
Nota nº de aulas lecionadas
Nota   nº de aulas lecionadasNota   nº de aulas lecionadas
Nota nº de aulas lecionadas
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 

11º b final

  • 1. A G R U PA M E N T O D E E S C O L A S A U R É L I A D E S O U S A – A N O L E T I V O 2 0 1 5 / 2 0 1 6 11ºano  O conhecimento e a racionalidade científica e tecnológica  Ciência e construção – validade e verificabilidade das hipóteses
  • 2. O CRITÉRIO DA VERIFICABILIDADE Responde ao problema da demarcação, da seguinte forma: O critério para distinguir o que é científico do que não o é prende- se com a verificação empírica; VERIFICABILIDADE Tomando o lugar de teoria científica quando é possível verificar empiricamente, ou seja, através da experiência, aquilo que ela propõe. Se for possível determina-la pela observação empírica.
  • 3. PRINCIPAIS CRÍTICAS AO INDUTIVISMO Críticas ao indutivismo A observação não é o ponto de partida do método científico e, ainda que o cientista recorra à observação, ela não é totalmente neutra e insenta. O raciocínio indutivo não confere o rigor lógico necessário às teorias cientificas A observação dos fenómenos é limitativa. A indução constitui, em termos lógicos, uma operação que obriga a um salto do conhecido(de proposições particulares) para o desconhecido (para proposições gerais).
  • 4. O MÉTODO CIENTÍFICO: O FALSIFICACIONISMO E A CRÍTICA DE KARL POPPER AO MÉTODO INDUTIVO Métodos de abordagem Indutivo Hipotético Dedutivo Através de observações particulares, chega-se à afirmação de um pincípio geral As teorias são testadas através de hipóteses alternativas e falsificáveis Francis Bacon – Séc. XVII Karl Popper – Séc. XX
  • 5. DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE CIENTÍFICA - O CRITÉRIO DA FALSIFICABILIDADE • Para Karl Popper, o critério que permite distinguir o conhecimento científico (ciência) de outras formas de conhecimento (pseudociência – Ex: teoria do inconsciente de Freud ou o marxismo) é o critério de falsificabilidade. • O problema da demarcação entre ciências e pseudociências é resolvido através deste critério. • Para Popper, o trabalho dos cientistas não se deve centrar na verificação e confirmação das consequências da hipótese. Em vez disso, o cientista deve trabalhar no sentido de falsificar/refutar a hipótese. • O trabalho do cientista deve servir para testar a resistência da hipótese à falsificação. A teoria será tanto mais válida quanto mais resistir à sua falsificação.
  • 6. GRAUS DE FALSIFICABILIDADE • Quanto mais informação uma teoria ou proposição tiver (conteúdo empírico), maior será o seu grau de falsificabilidade. • Conteúdo empírico de uma teoria ou proposição é a informação que ela dá sobre o mundo que observamos. Exemplos: 1. Amanhã vai ou não vai chover. (X) 2. Amanhã vai chover. 3. Amanhã vai chover de manhã. 4. Amanhã vai chover entre as dez e as onze horas da manhã.
  • 7.  A TER EM CONTA SOBRE O CRITÉRIO DA FALSIFICABILIDADE: FALSIFICABLIDADE Propriedade do que é falsificável. Uma teoria ou proposição é falsificável quando pode ser submetida a testes empíricos que a possam refutar. E uma teoria está falsificada quando é realmente refutada por dados empíricos quando se mostra que é falsa. FALSIFICAÇÃO Não se pode confundir a noção de falsificado com a de falsificável. Se uma teoria foi falsificada, então é falsa. Todas as boas teorias científicas são falsificáveis, mas não são, claro está, todas falsas.
  • 8. Critério da falsificabilidade Uma teoria que não é falsificável nada diz de significativo sobre os factos Permite a Popper responder ao problema da demarcação As teorias científicas são diferentes das não cientificas (ou das pesudocientificas), na medida em que são falsificáveis Mais possibilidades de a ciência progredir • Não pode ser falsificado • Pode ser falsificado Constitui um enunciado de caráter científico Não constitui um enunciado de caráter científico
  • 9. «Como exemplo de uma teoria não científica podemos tomar a astrologia. É claro que se trata de uma teoria não falsificável. As previsões astrológicas são suficientemente vagas para nunca admitirem um teste de falsificabilidade (“este ano tenha atenção à sua saúde” ou “em março morrerá uma figura mundialmente conhecida”, em vez de “a 15 de abril vai partir uma perna” ou “o papa vai morrer entre 10 e 17 de março”). No caso (altamente improvável) de alguma vez algum astrólogo emitir uma previsão falsificável não verificada, ouve-se um coro de explicações ad hoc [...]. As mais comuns são observações como “a astrologia funciona nalguns casos”. Em que casos não funciona? Ninguém sabe. Em que casos funciona? Ninguém sabe. O que os distingue [...]? Ninguém sabe. Assim, a astrologia está legitimada, quer acerte quer falhe as previsões. Ou seja, não é falsificável. Portanto, não é científica. É uma pseudociência.» Jorge Buescu, O Mistério do Bilhete de Identidade e Outras Histórias, Lisboa, Gradiva, 2004, 9.ª edição, p. 13. Caso prático de uma teoria não científica:
  • 10. ETAPAS DO MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO: Acerca do presente exemplo Popper diria: Acredito que todos os gansos são brancos, mas numa visita à Nova Zelândia, vejo um ganso negro. A minha observação de que existe um ganso negro falsifica, torna falsa a minha teoria original de que “todos os gansos são brancos”. Problema Hipótese (conjetura) Testes (refutação) Dedução das consequências Exemplo: Se observo mil gansos e se todos eles são brancos, concluo que todos os gansos são brancos.
  • 11. CRITÉRIO VERIFICACIONISTA CRITÉRIO FALSIFICACIONISTA • Para o verificacionismo, a experiência científica deverá servir para verificar e confirmar a hipótese. A tónica é colocada na verificação e confirmação. • Segundo o critério verificacionista, basta um número de casos particulares para validar a hipótese. Um conjunto de casos particulares leva à generalização. A hipótese “transforma-se” em lei científica. • Para o falsificacionismo, a experiência científica deverá servir para falsificar/tornar falsas as hipóteses. • Um enunciado será científico se for passível de ser empiricamente falsificável. • Segundo o critério falsificacionista, uma teoria será tanto mais válida quanto mais resistir à falsificação. VS
  • 12. DIZ-NOS KARL POPPER: “O método da ciência é o método de conjeturas audazes e engenhosas seguidas de tentativas rigorosas de falseá- las. Só sobrevivem as teorias mais aptas. Nunca se pode dizer licitamente que uma teoria é verdadeira, pode-se dizer com otimismo que é a melhor disponível, que é melhor do que qualquer das que existiam antes.” K. Popper, Conhecimento Objetivo (1975)
  • 13. CRÍTICAS A POPPER 1. • O PROCESSO DE REFUTAÇÃO OU FALSIFICAÇÃO NÃO É O PROCEDIMENTO MAIS COMUM ENTRE OS CIENTISTAS. 2. • CONSIDERANDO A HISTÓRIA DA CIÊNCIA, NÃO PARECE QUE ELA POSSA EVOLUIR POR UM PROCESSO ASSENTE NAS REFUTAÇÕES.