SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA 11.º ano
FILOSOFIA 11.º ano
Luís Rodrigues
A crença na ideia de conexão
necessária não é justificável
ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS
TEORIAS DO CONHECIMENTO:
O EMPIRISMO DE HUME
FILOSOFIA 11.º ano
Os diversos tipos de conhecimento
FILOSOFIA 11.º ano
A relação de causalidade como como conexão necessária entre
acontecimentos
O que é uma conexão necessária
É uma relação em que se afirma que um dos acontecimentos é sempre causa do
outro.
Ex.: Um determinado aumento de temperatura é a causa da dilatação de certos
corpos.
Os dois acontecimentos estão conetados. Se há um certo aumento de temperatura
(A), acontece necessariamente a dilatação de um corpo (B). Esta relação é uma
conexão necessária porque acreditamos que, acontecendo A, sempre acontecerá B
ou que este não ocorre nunca sem aquele.
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
«Quando olhamos para os objetos exteriores à nossa volta e
consideramos a operação das causas, nunca somos capazes de
identificar, num caso singular, qualquer poder ou conexão necessária,
qualquer qualidade que ligue o efeito à causa e torne o primeiro uma
consequência infalível da segunda. Constatamos apenas que um efeito
realmente se segue à causa. O impulso da primeira bola de bilhar é
seguido pelo movimento da segunda, e isso é tudo o que é dado aos
nossos sentidos. […] Em consequência, em nenhum caso singular,
particular de causa e efeito, há alguma coisa capaz de sugerir a ideia de
poder ou conexão necessária.»
David Hume, Investigação sobre o Entendimento Humano, Lisboa, INCM,
2002, pp. 77-78.
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A nossa crença na ideia de que há uma conexão necessária entre
determinados acontecimentos não pode ser justificada.
O Princípio da Cópia decide.
As ideias são cópias das impressões.
À ideia de conexão necessária corresponde alguma impressão
sensível?
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
Resposta de Hume
Não.
Porquê?
Dizer que A causa sempre B não é simplesmente afirmar que A causa B
agora e causou B antes. É dizer que A causará B no futuro. É aqui que
Hume diz que «perdemos o pé». A experiência não justifica esse «salto»
porque se reduz às impressões atuais e passadas. Não podemos ter
experiência do que ainda não aconteceu.
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
1. Não tem fundamento (ou justificação) racional. É impossível pela
mera análise de um acontecimento, tido como causa, descobrir os
supostos efeitos a que dá origem (Adão nunca poderia a priori, isto é,
anteriormente à experiência, saber que a água afoga) e, portanto, a
ideia de conexão necessária não tem um fundamento racional e não
pode ser necessária.
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
2. Não tem justificação empírica. À ideia de causa ou de conexão
necessária não corresponde qualquer impressão sensível. Por mais que
observemos a ocorrência conjunta de dois acontecimentos (por
exemplo, o impacto de uma bola de bilhar numa outra bola e o
consequente movimento desta), nunca encontraremos aí qualquer
impressão que corresponda à ideia de relação causal, isto é, de conexão
necessária e que a possa justificar.
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
Não temos legitimidade para falar de uma relação causal ou conexão
necessária entre os dados da nossa experiência.
A ideia de causalidade exprime uma conexão que não podemos
mostrar nem demonstrar que existe na realidade.
FILOSOFIA 11.º ano
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
A ideia de conexão necessária
FILOSOFIA 11.º ano
A RELAÇÃO CAUSA-EFEITO
IMPORTÂNCIA
É a base dos nossos supostos conhecimentos sobre o
mundo.
NATUREZA
A relação causa-efeito exprime uma conexão necessária e
não acidental entre acontecimentos. Traduzimos essa
conexão dizendo que o facto de A produzir B acontece
sempre.
JUSTIFICAÇÃO
Não pode ser justificada a priori porque da análise do
conceito de causa não se deduz que seja um
acontecimento que tenha o poder de produzir outro.
Não pode ser justificada a posteriori porque o facto de
duas coisas aconteçam sempre ligadas, uma como causa e
a outra como efeito, não corresponde a qualquer
impressão sensível.
A crença na ideia de conexão necessária não é justificável

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
Luis De Sousa Rodrigues
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
vermar2010
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
norberto faria
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Claudia Ribeiro
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
Jorge Barbosa
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Alexandra Madail
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
Isabel Moura
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 

Mais procurados (20)

Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
Da dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogitoDa dúvida ao cogito
Da dúvida ao cogito
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo BrancoAmor de Perdição - Camilo Castelo Branco
Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
Popper e a Ciência
Popper e a CiênciaPopper e a Ciência
Popper e a Ciência
 
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António VieiraCapítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
Capítulo III Sermão de Santo António aos Peixes Padre António Vieira
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 

Semelhante a A crença na ideia de conexão necessária

PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
rinogaetano
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
celio correa
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
EfaSucesso
 
O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
Luis De Sousa Rodrigues
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
Luis De Sousa Rodrigues
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
AnaKlein1
 
Texto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidadeTexto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidade
Isabel Moura
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
Helena Serrão
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
Luis De Sousa Rodrigues
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
Helena Serrão
 
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theorydavid HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
FbioBrs3
 
Ana suely
Ana suelyAna suely

Semelhante a A crença na ideia de conexão necessária (17)

PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptxPowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
PowerPoint 9_Causalidade e indução.pptx
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
O conhecimento do mundo
O conhecimento do mundoO conhecimento do mundo
O conhecimento do mundo
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
Conhecimento de factos
Conhecimento de factosConhecimento de factos
Conhecimento de factos
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
 
Texto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidadeTexto_Hume_problema_causalidade
Texto_Hume_problema_causalidade
 
Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01Davidhume 120409163812-phpapp01
Davidhume 120409163812-phpapp01
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
David hume2
David hume2David hume2
David hume2
 
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theorydavid HUMEpresentation. quick of david hume theory
david HUMEpresentation. quick of david hume theory
 
Ana suely
Ana suelyAna suely
Ana suely
 

Mais de Luis De Sousa Rodrigues

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
Luis De Sousa Rodrigues
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
Luis De Sousa Rodrigues
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
Luis De Sousa Rodrigues
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
Luis De Sousa Rodrigues
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
Luis De Sousa Rodrigues
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
Luis De Sousa Rodrigues
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
Luis De Sousa Rodrigues
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 6
Freud 6Freud 6

Mais de Luis De Sousa Rodrigues (20)

O essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofiaO essencial para os exames de filosofia
O essencial para os exames de filosofia
 
Unidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebroUnidade funcional do cérebro
Unidade funcional do cérebro
 
Tipos de vinculação
Tipos de vinculaçãoTipos de vinculação
Tipos de vinculação
 
Tipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagemTipos de aprendizagem
Tipos de aprendizagem
 
Teorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoçõesTeorias sobre as emoções
Teorias sobre as emoções
 
Relações precoces
Relações precocesRelações precoces
Relações precoces
 
Raízes da vinculação
Raízes da vinculaçãoRaízes da vinculação
Raízes da vinculação
 
Processos conativos
Processos conativosProcessos conativos
Processos conativos
 
Perturbações da vinculação
Perturbações da vinculaçãoPerturbações da vinculação
Perturbações da vinculação
 
Perceção e gestalt
Perceção e gestaltPerceção e gestalt
Perceção e gestalt
 
Os processos emocionais
Os processos emocionaisOs processos emocionais
Os processos emocionais
 
Os grupos
Os gruposOs grupos
Os grupos
 
O sistema nervoso
O sistema nervosoO sistema nervoso
O sistema nervoso
 
O que nos torna humanos
O que nos torna humanosO que nos torna humanos
O que nos torna humanos
 
Maslow e a motivação
Maslow e a motivaçãoMaslow e a motivação
Maslow e a motivação
 
Lateralidade cerebral
Lateralidade cerebralLateralidade cerebral
Lateralidade cerebral
 
Freud 9
Freud 9Freud 9
Freud 9
 
Freud 8
Freud 8Freud 8
Freud 8
 
Freud 7
Freud 7Freud 7
Freud 7
 
Freud 6
Freud 6Freud 6
Freud 6
 

A crença na ideia de conexão necessária

  • 1. FILOSOFIA 11.º ano FILOSOFIA 11.º ano Luís Rodrigues A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
  • 2. ANÁLISE COMPARATIVA DE DUAS TEORIAS DO CONHECIMENTO: O EMPIRISMO DE HUME FILOSOFIA 11.º ano Os diversos tipos de conhecimento
  • 3. FILOSOFIA 11.º ano A relação de causalidade como como conexão necessária entre acontecimentos O que é uma conexão necessária É uma relação em que se afirma que um dos acontecimentos é sempre causa do outro. Ex.: Um determinado aumento de temperatura é a causa da dilatação de certos corpos. Os dois acontecimentos estão conetados. Se há um certo aumento de temperatura (A), acontece necessariamente a dilatação de um corpo (B). Esta relação é uma conexão necessária porque acreditamos que, acontecendo A, sempre acontecerá B ou que este não ocorre nunca sem aquele. A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
  • 4. A ideia de conexão necessária «Quando olhamos para os objetos exteriores à nossa volta e consideramos a operação das causas, nunca somos capazes de identificar, num caso singular, qualquer poder ou conexão necessária, qualquer qualidade que ligue o efeito à causa e torne o primeiro uma consequência infalível da segunda. Constatamos apenas que um efeito realmente se segue à causa. O impulso da primeira bola de bilhar é seguido pelo movimento da segunda, e isso é tudo o que é dado aos nossos sentidos. […] Em consequência, em nenhum caso singular, particular de causa e efeito, há alguma coisa capaz de sugerir a ideia de poder ou conexão necessária.» David Hume, Investigação sobre o Entendimento Humano, Lisboa, INCM, 2002, pp. 77-78. FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável
  • 5. A nossa crença na ideia de que há uma conexão necessária entre determinados acontecimentos não pode ser justificada. O Princípio da Cópia decide. As ideias são cópias das impressões. À ideia de conexão necessária corresponde alguma impressão sensível? FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável A ideia de conexão necessária
  • 6. Resposta de Hume Não. Porquê? Dizer que A causa sempre B não é simplesmente afirmar que A causa B agora e causou B antes. É dizer que A causará B no futuro. É aqui que Hume diz que «perdemos o pé». A experiência não justifica esse «salto» porque se reduz às impressões atuais e passadas. Não podemos ter experiência do que ainda não aconteceu. FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável A ideia de conexão necessária
  • 7. 1. Não tem fundamento (ou justificação) racional. É impossível pela mera análise de um acontecimento, tido como causa, descobrir os supostos efeitos a que dá origem (Adão nunca poderia a priori, isto é, anteriormente à experiência, saber que a água afoga) e, portanto, a ideia de conexão necessária não tem um fundamento racional e não pode ser necessária. FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável A ideia de conexão necessária
  • 8. 2. Não tem justificação empírica. À ideia de causa ou de conexão necessária não corresponde qualquer impressão sensível. Por mais que observemos a ocorrência conjunta de dois acontecimentos (por exemplo, o impacto de uma bola de bilhar numa outra bola e o consequente movimento desta), nunca encontraremos aí qualquer impressão que corresponda à ideia de relação causal, isto é, de conexão necessária e que a possa justificar. FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável A ideia de conexão necessária
  • 9. Não temos legitimidade para falar de uma relação causal ou conexão necessária entre os dados da nossa experiência. A ideia de causalidade exprime uma conexão que não podemos mostrar nem demonstrar que existe na realidade. FILOSOFIA 11.º ano A crença na ideia de conexão necessária não é justificável A ideia de conexão necessária
  • 10. FILOSOFIA 11.º ano A RELAÇÃO CAUSA-EFEITO IMPORTÂNCIA É a base dos nossos supostos conhecimentos sobre o mundo. NATUREZA A relação causa-efeito exprime uma conexão necessária e não acidental entre acontecimentos. Traduzimos essa conexão dizendo que o facto de A produzir B acontece sempre. JUSTIFICAÇÃO Não pode ser justificada a priori porque da análise do conceito de causa não se deduz que seja um acontecimento que tenha o poder de produzir outro. Não pode ser justificada a posteriori porque o facto de duas coisas aconteçam sempre ligadas, uma como causa e a outra como efeito, não corresponde a qualquer impressão sensível. A crença na ideia de conexão necessária não é justificável