SlideShare uma empresa Scribd logo
IV Conhecimento
  e Racionalidade
  Científica e Tecnológica




      1. Descrição e Interpretação
         da Actividade Cognoscitiva
1.2 Teorias Explicativas do Conhecimento
     David Hume




 Sumário
 David Hume.
  A sensação como origem
  do conhecimento
Qual a origem
e qual a validade
do conhecimento?


 David Hume responde a esta pergunta
 em Investigação sobre o Entendimento
 Humano, Secção XII, Parte I.

                                        HUME
                                        1711-1776
Refutação
de Descartes

David Hume recusa a dúvida metódica cartesiana por:
 a considerar muito radical e inultrapassável
 pôr em causa os sentidos
Reconhece que os sentidos podem
enganar e que, por isso, a sua informação
deve ser apoiada com a razão.
Reconhece que o cepticismo moderado
é necessário à filosofia.
Sensação e razão

Hume argumenta que:

  a confiança nos sentidos é uma
  espécie de instinto natural,            quando somos forçados pelo
  que nos leva a admitir a                raciocínio a afastar-nos dos instintos
  existência                              da natureza, ficamos numa situação
  de um mundo exterior à nossa            embaraçosa
  mente (caso das casas e das árvores)

                                         as representações existentes na mente
   as nossas representações              são fornecidas pelas sensações obtidas
   mentais têm origem nas                através da experiência, não podendo
   sensações                             ser produzidas pela mente ou sugeridas
                                         por outro espírito (Deus, por exemplo)
Recusa
do racionalismo

Hume argumenta que:


    justificar a veracidade dos sentidos a partir
    de Deus conduziria a uma conclusão contrária
                                                    a fonte das ideias
    ao que se queria demonstrar
                                                    reside nos
                                                    sentidos
     se adoptarmos a opinião racionalista,
     apartamo-nos das nossas inclinações
     naturais e não conseguimos satisfazer
     a nossa própria exigência racional
O empirismo

É habitual incluir a filosofia de David Hume
no chamado empirismo.
O empirismo afirma que todo o conhecimento
tem origem na experiência, nas impressões
acerca dos objectos do mundo externo,
fornecidas pelos sentidos. Há impressões
simples e impressões complexas.
As ideias têm origem em impressões sensoriais
(são cópias enfraquecidas das impressões sensoriais)
e também podem ser simples ou complexas.
Qualquer ideia tem origem numa impressão e deve
poder relacionar-se com a impressão correspondente.
Limites
do conhecimento

As nossas ideias e opiniões acerca da realidade provêm
dos sentidos, sendo associações de ideias simples.
Exemplos:

  A ideia de Deus: haverá alguma
  impressão / sensação
                                            A ideia de cavalo alado: esta ideia
  correspondente? Se não há, então a
                                            resulta da combinação da ideia
  ideia de Deus é uma criação da razão
                                            de cavalo com a ideia de animais com
  a partir de ideias como «inteligência»,
                                            asas. Há impressões correspondentes
  «sabedoria», «bondade», etc.
                                            às ideias de cavalo e de animal com
                                            asas, mas não há nenhuma impressão
                                            correspondente à ideia de cavalo alado
Limites
do conhecimento


  todas as nossas ideias provêm dos sentidos
  não há impressões acerca de leis universais ou de relações
   necessárias entre dois fenómenos (relações de causalidade)

não podemos considerar o conhecimento
como absolutamente verdadeiro.
Por esta razão, Hume assume uma
perspectiva de cepticismo moderado,
rejeitando a atitude dogmática (própria
do realismo ingénuo do senso comum).
exercício              1


Afirmações                                                                V/F

 David Hume aceita a dúvida metódica cartesiana por a considerar
 necessária à filosofia.                                                  ?
                                                                          F


 David Hume recusa o cepticismo moderado.
                                                                          ?
                                                                          F

 A principal crítica de Hume à dúvida metódica consiste em ela pôr
 em causa os sentidos.                                                    ?
                                                                          V

 Para Hume, a confiança nos sentidos é uma espécie de instinto natural.
                                                                          ?
                                                                          V
exercício            2



Afirmações                                                        V/F

Para Hume, as representações existentes na mente são fornecidas
por Deus.                                                         ?
                                                                  F

Dada a definição de empirismo, Hume é um autor racionalista.
                                                                  ?
                                                                  F

Para Hume, a fonte das ideias reside nos sentidos.                ?
                                                                  V

Segundo Hume, a ideia de Deus provém da experiência sensorial.
                                                                  ?
                                                                  F
GLOSSÁRIO


Dúvida metódica

Utilização, feita por Descartes, da dúvida como
estratégia metodológica até encontrar uma certeza
indubitável. Consiste em considerar, provisoriamente,
todos os conhecimentos passíveis de dúvida, até
encontrar um que seja absolutamente seguro e
irrefutável. Para Descartes, essa primeira
e indubitável certeza é o Penso, logo existo.
GLOSSÁRIO


 Relações de causalidade

 Em geral, a relação de geração entre
 um fenómeno antecedente e um fenómeno
 consequente. Diz-se que dois fenómenos
 têm entre si uma relação de causalidade
 (ou de causa-efeito) quando se considera que
 um deles (causa) é gerador do outro (efeito).
GLOSSÁRIO

   Cepticismo moderado

   Teoria que admite a possibilidade de
   conhecer, mas não de forma absoluta.
   Defendido, por exemplo, por David Hume,
   para o qual o nosso conhecimento do mundo
   exterior é limitado, pois só é possível
   conhecer aquilo de que temos impressões ou
   o que delas pode ser inferido.
GLOSSÁRIO

   Atitude dogmática

   Designa, no pensamento filosófico antigo,
   um princípio que serve de explicação para
   a ocorrência de algo ou para alguém se
   orientar na acção. Actualmente, designa
   uma atitude rígida e não aberta à discussão
   − recusa sistemática da abertura à
   mudança, à transformação ou ao debate de
   tudo o que seja novo e diferente.
GLOSSÁRIO

   Realismo ingénuo

   Designa a tendência para considerar que o
   aparelho perceptivo humano é capaz de
   captar a realidade tal como ela é
   efectivamente.
   O realismo ingénuo tem muita dificuldade
   em aceitar as explicações científicas que
   põem em causa o chamado «conhecimento»
   do senso comum, baseado numa leitura não
   crítica dos resultados da experiência sensível.
GLOSSÁRIO


   Senso comum
   Conhecimento vulgar, espontânea
   e assistematicamente construído a partir
   da transmissão social, das informações
   sensoriais e da experiência acumulada,
   com base no qual agimos e resolvemos
   os problemas do nosso quotidiano.
GLOSSÁRIO

   Cepticismo moderado

   Teoria que admite a possibilidade de
   conhecer, mas não de forma absoluta.
   Defendido, por exemplo, por David Hume,
   para o qual o nosso conhecimento do mundo
   exterior é limitado, pois só é possível
   conhecer aquilo de que temos impressões ou
   o que delas pode ser inferido.
GLOSSÁRIO

   Racionalismo

   Teoria acerca da origem e validade
   do conhecimento, que considera a razão
   humana uma faculdade criadora, origem
   e justificação do conhecimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
Joana Filipa Rodrigues
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
InesTeixeiraDuarte
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
Luis De Sousa Rodrigues
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
Filazambuja
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
Paulo Gomes
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
Isabel Moura
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
Joana Filipa Rodrigues
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
Francis Mary Rosa
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
Jorge Barbosa
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
AnaKlein1
 

Mais procurados (20)

O empirismo de david hume
O empirismo de david humeO empirismo de david hume
O empirismo de david hume
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
Ética, Direito e Política (Teoria da Justiça de Rawls)
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
O ceticismo de hume
O ceticismo de humeO ceticismo de hume
O ceticismo de hume
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart millA filosofia moral utilitarista de stuart mill
A filosofia moral utilitarista de stuart mill
 
Cepticismo
CepticismoCepticismo
Cepticismo
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj3_contraexemplos_cvj
3_contraexemplos_cvj
 
Cógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de DescartesCógito cartesiano de Descartes
Cógito cartesiano de Descartes
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
As relações de ideias
As relações de ideiasAs relações de ideias
As relações de ideias
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
 

Destaque

Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Jorge Barbosa
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
guest9578d1
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
Helena Serrão
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
Jorge Barbosa
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
Joaquim Melro
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Jorge Barbosa
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Jorge Barbosa
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
Joel Nóbrega
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Helena Serrão
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
rodrigomagarinus
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Ana Catarina
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
mluisavalente
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
Elisabete Silva
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Carson Souza
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
guest9578d1
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 

Destaque (17)

Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - DescartesTeorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
Teorias Explicativas do Conhecimento - Descartes
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
David hume
David humeDavid hume
David hume
 
Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1Filosofia e Conhecimento 1
Filosofia e Conhecimento 1
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. DescartesTeoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
Teoria Explicativa do Conhecimento - R. Descartes
 
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - KantTeorias Explicativas do Conhecimento - Kant
Teorias Explicativas do Conhecimento - Kant
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
Como Descartes ultrapassao cepticismo 120217104847-phpapp02-130130123609-phpa...
 
Teoria Do Conhecimento
Teoria Do ConhecimentoTeoria Do Conhecimento
Teoria Do Conhecimento
 
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e EmpirismoResumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
Resumos de Filosofia- Racionalismo e Empirismo
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Descartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo IIIDescartes - Trab grupo III
Descartes - Trab grupo III
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 

Semelhante a Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume

David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
pyteroliva
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
EfaSucesso
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
Turma Olímpica
 
Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1
AnaKlein1
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
AnaKlein1
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Jorge Barbosa
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
AssunoCristinaBolota
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Vanúcia Moreira
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
juliomatheusaquino1
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
AnaKlein1
 
Mapa conceitual empiristas_2
Mapa conceitual empiristas_2Mapa conceitual empiristas_2
Mapa conceitual empiristas_2
Isabella Silva
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Sofia Yuna
 
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
AurelianoFerreirades2
 
David Hume (Iluminismo).pptx
David Hume (Iluminismo).pptxDavid Hume (Iluminismo).pptx
David Hume (Iluminismo).pptx
JlioDobicz
 
Comparação_Descartes_Hume
Comparação_Descartes_HumeComparação_Descartes_Hume
Comparação_Descartes_Hume
Isabel Moura
 
Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino
Hugo Bmac
 

Semelhante a Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume (20)

David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Sentidos, Razão, Realidade, Ex...
 
Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Hume.pptx
 
Ppt david hume a
Ppt david hume aPpt david hume a
Ppt david hume a
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
 
Comparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.docComparando Descartes e Hume.doc
Comparando Descartes e Hume.doc
 
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristasProfessora Vanúcia: Hume e os empiristas
Professora Vanúcia: Hume e os empiristas
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
 
Mapa conceitual empiristas_2
Mapa conceitual empiristas_2Mapa conceitual empiristas_2
Mapa conceitual empiristas_2
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
 
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICAFILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
FILOSOFIA EMPIRISMO MÉTODO DE ANÁLISE FILOSÓFICA
 
David Hume (Iluminismo).pptx
David Hume (Iluminismo).pptxDavid Hume (Iluminismo).pptx
David Hume (Iluminismo).pptx
 
Comparação_Descartes_Hume
Comparação_Descartes_HumeComparação_Descartes_Hume
Comparação_Descartes_Hume
 
Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino Filosofia david hume hugoseverino
Filosofia david hume hugoseverino
 

Mais de Jorge Barbosa

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Jorge Barbosa
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
Jorge Barbosa
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
Jorge Barbosa
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Jorge Barbosa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Jorge Barbosa
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
Jorge Barbosa
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Jorge Barbosa
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Jorge Barbosa
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
Jorge Barbosa
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
Jorge Barbosa
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
Jorge Barbosa
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
Jorge Barbosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
Jorge Barbosa
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
Jorge Barbosa
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
Jorge Barbosa
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
Jorge Barbosa
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Jorge Barbosa
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Jorge Barbosa
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
Jorge Barbosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
Jorge Barbosa
 

Mais de Jorge Barbosa (20)

Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação PrioritáriaIdeias em Debate sobre Educação Prioritária
Ideias em Debate sobre Educação Prioritária
 
Assuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na EducaçãoAssuntos para Debate na Educação
Assuntos para Debate na Educação
 
Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14Rapport cn num_education_oct14
Rapport cn num_education_oct14
 
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida PortuguesaProposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
Proposta Honesta e Concreta de Reestruturação da Dívida Portuguesa
 
Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015Organização do Ano Letivo 2014/2015
Organização do Ano Letivo 2014/2015
 
Relatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao EspecialRelatorio Educacao Especial
Relatorio Educacao Especial
 
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e AutoconsciênciaSentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
Sentimentos Acráticos, Empatia e Autoconsciência
 
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos AparentadosAfetos, Emoções e Conceitos Aparentados
Afetos, Emoções e Conceitos Aparentados
 
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
regime de seleção, recrutamento e mobilidade do pessoal docente dos ensinos b...
 
Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014Despacho Normativo 6/2014
Despacho Normativo 6/2014
 
guião reforma estado
guião reforma estadoguião reforma estado
guião reforma estado
 
A Ética - Espinosa
A Ética - EspinosaA Ética - Espinosa
A Ética - Espinosa
 
A Cidade
A CidadeA Cidade
A Cidade
 
Velha do Postigo
Velha do PostigoVelha do Postigo
Velha do Postigo
 
Revolução kantiana
Revolução kantianaRevolução kantiana
Revolução kantiana
 
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de SócratesO Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
O Teeteto de Platão e a Apologia de Sócrates
 
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recenteEstado Crítico da Democracia - Publicação recente
Estado Crítico da Democracia - Publicação recente
 
Comunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MECComunicacão associacões CSH ao MEC
Comunicacão associacões CSH ao MEC
 
Introdução a Espinosa
Introdução a EspinosaIntrodução a Espinosa
Introdução a Espinosa
 
Comunicacão do Presidente
Comunicacão do PresidenteComunicacão do Presidente
Comunicacão do Presidente
 

Último

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

Teorias Explicativas do Conhecimento - Hume

  • 1. IV Conhecimento e Racionalidade Científica e Tecnológica 1. Descrição e Interpretação da Actividade Cognoscitiva
  • 2. 1.2 Teorias Explicativas do Conhecimento David Hume Sumário David Hume. A sensação como origem do conhecimento
  • 3. Qual a origem e qual a validade do conhecimento? David Hume responde a esta pergunta em Investigação sobre o Entendimento Humano, Secção XII, Parte I. HUME 1711-1776
  • 4. Refutação de Descartes David Hume recusa a dúvida metódica cartesiana por:  a considerar muito radical e inultrapassável  pôr em causa os sentidos Reconhece que os sentidos podem enganar e que, por isso, a sua informação deve ser apoiada com a razão. Reconhece que o cepticismo moderado é necessário à filosofia.
  • 5. Sensação e razão Hume argumenta que: a confiança nos sentidos é uma espécie de instinto natural, quando somos forçados pelo que nos leva a admitir a raciocínio a afastar-nos dos instintos existência da natureza, ficamos numa situação de um mundo exterior à nossa embaraçosa mente (caso das casas e das árvores) as representações existentes na mente as nossas representações são fornecidas pelas sensações obtidas mentais têm origem nas através da experiência, não podendo sensações ser produzidas pela mente ou sugeridas por outro espírito (Deus, por exemplo)
  • 6. Recusa do racionalismo Hume argumenta que: justificar a veracidade dos sentidos a partir de Deus conduziria a uma conclusão contrária a fonte das ideias ao que se queria demonstrar reside nos sentidos se adoptarmos a opinião racionalista, apartamo-nos das nossas inclinações naturais e não conseguimos satisfazer a nossa própria exigência racional
  • 7. O empirismo É habitual incluir a filosofia de David Hume no chamado empirismo. O empirismo afirma que todo o conhecimento tem origem na experiência, nas impressões acerca dos objectos do mundo externo, fornecidas pelos sentidos. Há impressões simples e impressões complexas. As ideias têm origem em impressões sensoriais (são cópias enfraquecidas das impressões sensoriais) e também podem ser simples ou complexas. Qualquer ideia tem origem numa impressão e deve poder relacionar-se com a impressão correspondente.
  • 8. Limites do conhecimento As nossas ideias e opiniões acerca da realidade provêm dos sentidos, sendo associações de ideias simples. Exemplos: A ideia de Deus: haverá alguma impressão / sensação A ideia de cavalo alado: esta ideia correspondente? Se não há, então a resulta da combinação da ideia ideia de Deus é uma criação da razão de cavalo com a ideia de animais com a partir de ideias como «inteligência», asas. Há impressões correspondentes «sabedoria», «bondade», etc. às ideias de cavalo e de animal com asas, mas não há nenhuma impressão correspondente à ideia de cavalo alado
  • 9. Limites do conhecimento  todas as nossas ideias provêm dos sentidos  não há impressões acerca de leis universais ou de relações necessárias entre dois fenómenos (relações de causalidade) não podemos considerar o conhecimento como absolutamente verdadeiro. Por esta razão, Hume assume uma perspectiva de cepticismo moderado, rejeitando a atitude dogmática (própria do realismo ingénuo do senso comum).
  • 10. exercício 1 Afirmações V/F David Hume aceita a dúvida metódica cartesiana por a considerar necessária à filosofia. ? F David Hume recusa o cepticismo moderado. ? F A principal crítica de Hume à dúvida metódica consiste em ela pôr em causa os sentidos. ? V Para Hume, a confiança nos sentidos é uma espécie de instinto natural. ? V
  • 11. exercício 2 Afirmações V/F Para Hume, as representações existentes na mente são fornecidas por Deus. ? F Dada a definição de empirismo, Hume é um autor racionalista. ? F Para Hume, a fonte das ideias reside nos sentidos. ? V Segundo Hume, a ideia de Deus provém da experiência sensorial. ? F
  • 12. GLOSSÁRIO Dúvida metódica Utilização, feita por Descartes, da dúvida como estratégia metodológica até encontrar uma certeza indubitável. Consiste em considerar, provisoriamente, todos os conhecimentos passíveis de dúvida, até encontrar um que seja absolutamente seguro e irrefutável. Para Descartes, essa primeira e indubitável certeza é o Penso, logo existo.
  • 13. GLOSSÁRIO Relações de causalidade Em geral, a relação de geração entre um fenómeno antecedente e um fenómeno consequente. Diz-se que dois fenómenos têm entre si uma relação de causalidade (ou de causa-efeito) quando se considera que um deles (causa) é gerador do outro (efeito).
  • 14. GLOSSÁRIO Cepticismo moderado Teoria que admite a possibilidade de conhecer, mas não de forma absoluta. Defendido, por exemplo, por David Hume, para o qual o nosso conhecimento do mundo exterior é limitado, pois só é possível conhecer aquilo de que temos impressões ou o que delas pode ser inferido.
  • 15. GLOSSÁRIO Atitude dogmática Designa, no pensamento filosófico antigo, um princípio que serve de explicação para a ocorrência de algo ou para alguém se orientar na acção. Actualmente, designa uma atitude rígida e não aberta à discussão − recusa sistemática da abertura à mudança, à transformação ou ao debate de tudo o que seja novo e diferente.
  • 16. GLOSSÁRIO Realismo ingénuo Designa a tendência para considerar que o aparelho perceptivo humano é capaz de captar a realidade tal como ela é efectivamente. O realismo ingénuo tem muita dificuldade em aceitar as explicações científicas que põem em causa o chamado «conhecimento» do senso comum, baseado numa leitura não crítica dos resultados da experiência sensível.
  • 17. GLOSSÁRIO Senso comum Conhecimento vulgar, espontânea e assistematicamente construído a partir da transmissão social, das informações sensoriais e da experiência acumulada, com base no qual agimos e resolvemos os problemas do nosso quotidiano.
  • 18. GLOSSÁRIO Cepticismo moderado Teoria que admite a possibilidade de conhecer, mas não de forma absoluta. Defendido, por exemplo, por David Hume, para o qual o nosso conhecimento do mundo exterior é limitado, pois só é possível conhecer aquilo de que temos impressões ou o que delas pode ser inferido.
  • 19. GLOSSÁRIO Racionalismo Teoria acerca da origem e validade do conhecimento, que considera a razão humana uma faculdade criadora, origem e justificação do conhecimento.