Sentido da existência humana
Trabalho realizado por:
Andreia Domingues N.º1 11ºB
Catarina Carvalho N.º4 11ºB
Mariana Ramos...
1
Índice
Introdução..........................................................................................................
2
Introdução
No âmbito da disciplina de Filosofia, a professora Maria Luísa Valente propôs-
nos fazer uma breve dissertaçã...
3
1 - O sentido da vida ou da existência humana
Este tema que é, em si mesmo, uma questão filosófica, e é uma preocupação
...
4
Consideramos que para alcançar algum propósito na vida é necessário “viver” ,
mais do que “existir”. Então, “qual será a...
5
faz referência ao mito de Sísifo1
, e por Peter Singer, que defende que “uma vida
exclusivamente dedicada à satisfação p...
6
O Hinduísmo abrange diferentes denominações religiosas, sem um ser criador
comum ou escritura sagrada universal. As opin...
7
Como podemos verificar no subtítulo, Peter Singer não apresenta propriamente
um argumento ético sobre como devemos viver...
8
fazer, viver eticamente é refletir de uma forma particular sobre o modo como vivemos
e tentar agir de acordo com as conc...
9
Conclusão
Ao longo deste trabalho procuramos explicitar algumas noções que concernem
à temática do sentido da existência...
10
para a nossa sobrevivência como espécie. Singer diz-nos que se vivermos uma vida
ética passaremos a integrar uma vasta ...
11
Webgrafia
http://pt.slideshare.net/mluisavalente/sentido-da-existncia-humana
http://www.inteligenciaoperacional.com/ind...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sentido da existência humana 11º b andreia

4.394 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
103
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
71
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sentido da existência humana 11º b andreia

  1. 1. Sentido da existência humana Trabalho realizado por: Andreia Domingues N.º1 11ºB Catarina Carvalho N.º4 11ºB Mariana Ramos N.º9 11ºB Miguel Pacheco N.º10 11ºB Rita Costa N.º13 11ºB Escola Básica e Secundária do Levante da Maia Professora: Maria Luísa Valente Disciplina: Filosofia
  2. 2. 1 Índice Introdução..............................................................................................................2 1 - O sentido da vida ou da existência humana .....................................................3 2 - Diferenças entre existir e viver..........................................................................3 3 - Sentido da vida segundo a religião...................................................................4 4 - A Perspetiva de Peter Singer............................................................................6 5 - A nossa perspetiva ...........................................................................................8 Conclusão..............................................................................................................9 Webgrafia ............................................................................................................11
  3. 3. 2 Introdução No âmbito da disciplina de Filosofia, a professora Maria Luísa Valente propôs- nos fazer uma breve dissertação filosófica sobre o tema “Sentido da existência humana”. Deste modo, iremos abordar o que é o sentido da vida procurando explicitar, igualmente, a diferença entre viver e existir. Num primeiro momento, iremos procurar desenvolver o tema “o sentido da vida segundo a religião”, falando das perspetivas existentes e de algumas pessoas que as defendem, explorando o mito de Sísifo e particularizando a opinião de algumas religiões, nomeadamente: o Judaísmo, o Cristianismo, o Budismo e o Hinduísmo. Terminaremos com o sentido da existência humana para a Cultura Racional. Posto isto, apresentaremos a perspetiva de Peter Singer e, por fim, a nossa perspetiva. A metodologia utilizada neste trabalho foi a pesquisa, sobretudo na internet.
  4. 4. 3 1 - O sentido da vida ou da existência humana Este tema que é, em si mesmo, uma questão filosófica, e é uma preocupação para todos os seres humanos, sendo, portanto, um problema universal. Um tema subjetivo dificulta a possível resposta a este problema porque, para uns, existe um sentido na vida e para outros, não. O sentido (da vida) pode ter três significados diferentes: razão de, direção, ou ainda objetivo. 1. A expressão “razão de”, significa que existe algo ou alguém que justifique a nossa existência como seres vivos. Por exemplo, para as pessoas religiosos, a razão de existir é “graças a Deus”, independentemente de ser bom ou mau. As pessoas justificam o sentido da vida a partir da existência de Deus. Acreditam que ele é a justificação da nossa existência e que tudo o que existe no mundo é obra de Deus, considerando-o como um herói. 2. Por seu turno, a palavra “direção” explica que o sentido da vida indica-nos para que lado devemos “caminhar”, pressupõe que vivemos a partir das consequências das nossas escolhas, quer elas sejam boas ou más. 3. Enquanto que ver na vida o “objetivo” parte do princípio que a nossa existência deriva das metas que queremos alcançar, isto é, implica que acreditemos num propósito ou motivo para a vida. Há quem tenha como principal objetivo ser feliz ou até mesmo a carreira profissional, de modo a atingir aquilo que quer obter na vida. 2 - Diferenças entre existir e viver “A maioria das pessoas não vive, apenas existe.” Esta citação demonstra, de facto, muitas pessoas têm dúvidas entre se a vida significará: viver ou existir. Para esclarecermos esta duplicidade é necessário responder à pergunta: “qual é o propósito da vida?”.
  5. 5. 4 Consideramos que para alcançar algum propósito na vida é necessário “viver” , mais do que “existir”. Então, “qual será a diferença entre viver e existir?”. Existir parece ser encarado como nascer, crescer e morrer. Durante esse percurso podemos estudar, brincar, ter uma família, ter amores e desilusões. Viver é diferente. Viver implica existir, mas sobretudo lutar, porque “viver é lutar”. E luta-se por um propósito. Consideremos o dilema: “ser ou não ser, eis a questão”. Ser é viver, é acontecer, ou seja, para viver, para fazer acontecer, é necessário lutar para que algo aconteça – arriscam-se coisas grandiosas, alcançam-se triunfos mas correm-se riscos. Viver não ser é ser nada, neste caso não se arrisca, não se conhece a vitória nem a derrota. “Qual a melhor?”. Na verdade, a resposta parece depender da escolha de cada um e de como será que aceita ou convive com ela, pois será a sua vida que está em jogo. 3 – O Sentido da vida segundo a religião Existem duas perspetivas: uma que defende que a vida tem sentido, considerada otimista, e uma outra que defende que a vida não tem sentido, considerada pessimista. Em relação à primeira perspetiva, Swinburne defende que se Deus existe, a vida tem sentido, já Susan Wolf considera que, quer exista ou não Deus, a vida tem sentido, mas já Baier afirma que se Deus não existe, a vida não tem sentido. Relativamente à segunda perspetiva, Charles Taylor e Thomas Nagel defendem que a vida tem sentido subjetivamente, algo que é refutado por Susan Wolf, que Fig. 1 O mito de Sísifo
  6. 6. 5 faz referência ao mito de Sísifo1 , e por Peter Singer, que defende que “uma vida exclusivamente dedicada à satisfação pessoal é destituída de sentido”. Judaísmo O sentido da vida no Judaísmo consiste na observação das leis divinas, e na reverência perante Deus e a sua vontade. As leis e ordens divinas estão reunidas na Tanakh, além da Talmud e Midrash. Cristianismo O sentido da vida para o Cristianismo baseia-se na comunhão com Deus, na vida, bem como na vida após a morte. A confissão e o arrependimento são pré- requisitos para tal, assim como a libertação dos pecados através de Jesus Cristo, como é descrito na Bíblia. Budismo No Budismo, é dito claramente que o objetivo da vida para todos os seres humanos é único. Por meio da Lei da Causa e Efeito (um princípio fundamental e imutável do Universo, válido em qualquer lugar e em qualquer época, que diz que: boas ações levam a boas consequências; más ações levam a infelicidades e somente as ações que uma pessoa comete são responsáveis por todo e qualquer destino que ela tiver), também conhecida como lei carmica, uma pessoa consegue, ao praticar o bem e ouvindo o Budismo, se aproximar da Felicidade Absoluta. Hinduísmo 1 O mito de Sísifo é um ensaio filosófico escrito por Albert Camus, em 1941, onde este introduz a filosofia do absurdo: o homem em busca de sentido, unidade e clareza no rosto de um mundo ininteligível desprovido de Deus e eternidade. Será que a realização do absurdo exige o suicídio? Camus responde: "Não. Exige revolta". Então descreve várias abordagens do absurdo na vida. O último capítulo compara o absurdo da vida do homem com a situação de Sísifo, uma personagem da mitologia grega, condenado a repetir sempre a mesma tarefa de empurrar uma pedra até o topo de uma montanha, sendo que, todas as vezes que estava quase a alcançar o topo, a pedra rolava novamente montanha abaixo até ao ponto de partida por meio de uma força irresistível, invalidando completamente o duro esforço despendido.
  7. 7. 6 O Hinduísmo abrange diferentes denominações religiosas, sem um ser criador comum ou escritura sagrada universal. As opiniões filosóficas individuais têm conceitos parcialmente diferentes em relação ao ensino da vida, morte e libertação. Os conceitos relacionados ao sentido da vida são da mesma maneira diferentes. Para muitos, significa uma vida após o tradicional "quatro objetivos da vida", isto é, Artha (poder), Kama (desejo), Dharma (harmonia moral) e Moksha (a libertação). Para os partidários dos ensinamentos de Advaita-Lehre, Moksha significa elevação da "consciência cósmica" no brâmane. Para os defensores do Dvaita-Lehre, o Bhakti possui um estado central, e a libertação significa comunhão eterna e paz com Deus. Cultura Racional O sentido da vida é conhecer-se e saber que é um animal Racional, sofredor e mortal. 4 - A Perspetiva de Peter Singer Peter Albert David Singer é um filósofo e professor2 na Universidade de Princeton. Atua na área da ética prática, tratando questões de Ética segundo uma perspetiva utilitarista. Singer pretende mostrar que uma vida conduzida segundo padrões éticos é compensadora. Singer questiona-se sobre se ainda há alguma coisa pela qual viver, ou se haverá algo a que valha a pena dedicarmo-nos, além do dinheiro, do amor e da atenção à nossa família. O autor pretende desfazer equívocos que resultam de se associar a ética a um conjunto de preceitos religiosos mais ou menos sem fundamento ou, pelo menos, de fundamento duvidoso. Ele considera que a ética filosófica não é constituída por um conjunto de preceitos religiosos indiscutíveis e geralmente acriticamente aceites, mas antes pela tentativa racional e crítica de estabelecer os princípios da ação correta e da vida boa. Ao longo da sua obra “Como Havemos de Viver? A Ética numa Época de Individualismo” abordam-se os vários aspetos da questão "Como havemos de viver?" 2 Melbourne, 6 de julho de 1946.
  8. 8. 7 Como podemos verificar no subtítulo, Peter Singer não apresenta propriamente um argumento ético sobre como devemos viver, mas antes qualquer coisa como um argumento prático sobre como é mais provável que vivamos felizes. A ansiedade que algumas pessoas sentem quanto ao sentido das suas vidas não é desprezível: é uma reação natural que as pessoas inteligentes costumam ter quando se confrontam com a sua própria vida. Mas se o argumento razoável e o pensamento claro não oferecerem respostas a esta questão, as pessoas terão a tendência para acreditar, erradamente, que o pensamento disciplinado e preciso só serve para conferir o troco do jornal e para descobrir vacinas, ficando a questão do sentido da vida relegado para formas de "pensamento" irracionais ou de tendência irracional. Singer defende que devemos ser altruístas e considera mesmo que, o altruísmo é uma das características fundamentais para a nossa sobrevivência como espécie. Assim, os membros da nossa espécie incapazes de comportamentos altruístas seriam expulsos da sociedade e não sobreviveriam; e se não fossem expulsos, por conseguirem dissimular-se, não conseguiriam deixar muita descendência, uma vez que cuidar da sua própria descendência é uma atitude altruísta. Sendo assim, chegamos à conclusão que podemos viver uma vida ética. Ao fazê-lo, passaremos a integrar uma vasta tradição que atravessa culturas. Além disso, descobriremos que viver uma vida ética não constitui um sacrifício pessoal, mas uma realização pessoal. O problema é que a maior parte das pessoas tem somente uma vaga ideia do que poderá ser viver uma vida ética, ou seja, apenas compreendem a ética como um sistema de regras que nos proíbem de fazer coisas e, não a entendem como base para pensar acerca do modo como havemos de viver. Essas pessoas levam vidas eminentemente centradas nos seus interesses, não por terem nascido egoístas, mas porque as alternativas parecem inaptas, embaraçosas ou simplesmente inúteis. Mas, viver uma vida eticamente refletida não é uma questão de observar estritamente um conjunto de regras que determinam o que devemos e não devemos Fig. 2 - Filósofo Peter Singer
  9. 9. 8 fazer, viver eticamente é refletir de uma forma particular sobre o modo como vivemos e tentar agir de acordo com as conclusões dessa reflexão. É inacreditável esperar que um número relativamente pequeno de pessoas que vivem de uma forma refletida e ética, possa revelar-se uma massa crítica capaz de alterar o clima de opinião acerca da natureza do interesse próprio e da sua relação com a ética, porém quando olhamos para o mundo e vemos a confusão que nele se propaga, parece valer a pena pensar numa hipótese de sucesso. 5 - A nossa perspetiva Para nós não basta dizer que a vida tem um sentido, temos que perceber que sentido é esse. Para isso temos que saber o que é viver. Não só viver naturalmente o dia-a-dia, mas pensar como o vivemos. Devemos fazê-lo de acordo connosco e com os outros, ou seja, atingir a nossa felicidade sem comprometer a dos que nos rodeiam. Não basta EXISTIR, é preciso VIVER e viver é muito mais que existir. Para existir, basta estar. Para viver é preciso sermos nós por inteiro, e para isso, ainda que existindo, é preciso ser e estar num ser único. Existir é o mesmo que estar parado. Por outro lado, viver implica progredir, ir adiante, avançar. Para viver, não basta ter os sentidos inatos, pois estas são manifestações da existência. Para viver, é preciso sentir o inexistente, isto é, ir mais além do que os nossos ditos sentidos inatos nos proporcionam. Viver é assumir responsabilidade pelos próprios atos. Viver é muito mais que existir, mas ninguém aprende a viver plenamente sem existir. Viver implica aprender e, para ser aprendiz, é preciso humildade para reconhecer a própria ignorância. Viver implica acreditar-se imortal e eterno, implica arriscar-se, sabendo que, o maior risco é errar.
  10. 10. 9 Conclusão Ao longo deste trabalho procuramos explicitar algumas noções que concernem à temática do sentido da existência humana. O sentido da vida pode ter três significados - razão de, direção ou ainda objetivo. A razão de significa que existe algo ou alguém que justifica a nossa existência – por exemplo Deus; a direção tem por base as escolhas que fazemos independentemente das consequências; o objetivo explica-se através das metas que estabelecemos na vida e que pretendamos alcançar. Neste trabalho foi importante perceber quais as diferenças entre viver e existir. Viver implica lutar por um propósito, aprender, fazer acontecer e errar quando é preciso, enquanto existir é estar parado, deixar que a vida aconteça sem interferir nela – nascer, crescer e morrer. Perante o tema “o sentido da vida segundo a religião”, percebemos que existem duas perspetivas, uma que defende que a vida tem sentido, considerada optimista – perspetiva defendida por Swinburne, Susan Wolf e Baier , e uma outra que defende que a vida não tem sentido, considerada pessimista – defendida por Charles Taylor e Thomas Nagel. Susan Wolf refuta a perspetivas destes últimos filósofos através do mito do Sísifo - que se traduz na filosofia do absurdo: o homem em busca de sentido, unidade e clareza no rosto de um mundo ininteligível desprovido de Deus e eternidade. Depois da análise das diferentes religiões, concluímos que o sentido da vida difere de religião para religião, sendo, para o Cristianismo, a comunhão com Deus na vida e, até, depois da morte. Analisámos, também, a perspetiva de um filósofo, Peter Singer que, atua na área de ética prática, tratando questões de Ética segundo uma perspetiva utilitarista. Percebemos também que considera o altruísmo uma das características fundamentais
  11. 11. 10 para a nossa sobrevivência como espécie. Singer diz-nos que se vivermos uma vida ética passaremos a integrar uma vasta tradição que atravessa culturas, isto é, realizar- nos-emos pessoalmente e perante os outros. Peter Singer mostra-nos ainda que maior parte das pessoas não vivem uma vida ética, ou têm uma vaga ideia do que poderá ser viver uma vida ética. Para nós, o sentido da vida tem que ter um propósito, não basta apenas existir, temos que viver. Por isso, é necessário errar para se aprender e só assim é que se vive, aprendendo com os erros.
  12. 12. 11 Webgrafia http://pt.slideshare.net/mluisavalente/sentido-da-existncia-humana http://www.inteligenciaoperacional.com/index.php?option=com_content&view=article&i d=115&Itemid=203 http://www.ippb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=3783:nao- basta-existir-e-preciso-viver&catid=53:maisaintelisano&Itemid=165 www.wikipedia.com

×