SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPANSÃO MARÍTIMA
Ao final desta aula será importante entender:
 O pioneirismo português;
 A expansão dos espanhóis;
 O Tratado de Tordesilhas;
 As Políticas Mercantilistas.
FATOS QUE VIABILIZARAM A EXPANSÃO
- Fim da crise do século XIV → crescimento da população sem crescimento da
oferta de alimentos.
- Reabertura do Mediterrâneo ao livre comércio.
- 1453 → Tomada de Constantinopla – um dos principais entrepostos
comerciais do mediterrâneo. Por ser um importante entreposto os turcos
aumentam os impostos sobre o comércio de especiarias, aumentando também
os preços destes produtos na Europa.
- Escoamento de Moedas da Europa para o Oriente.
- Monarquias Nacionais buscam alternativas a esta conjuntura, patrocinando
projetos de abertura de novas rotas comerciais – evitando intermediários.
ROTAS MARÍTIMAS
Constantinopla
PORTUGAL - O PIONEIRO
- Primeiro a iniciar sua expansão ultramarina, privilegiada pela sua posição
geográfica. Portugal era ponto de escala obrigatória das rotas marítimas de
comércio entre o mediterrâneo e o Mar do Norte.
- Conquistou precocemente sua centralização monárquica, século XIV.
- Mesmo antes da consolidação da unificação nacional Portugal já vinha
aprimorando técnicas de navegação.
- O comércio entre Portugal e a península Itálica e o norte da Europa favoreceu o
desenvolvimento de atividades mercantis e da arte de navegar, fortalecendo a
burguesia e atraindo homens de negócios e capitais o que possibilitava novos
empreendimentos econômicos.
- Conquista de Ceuta (1415) → início da expansão portuguesa.
- Objetivos desta conquista:
• Reduzir a influência muçulmana no Marrocos.
• Combater a pirataria.
• Interesses comerciais; Ceuta era ponto de confluência das rotas
terrestres de especiarias orientais, de ouro e de escravos.
Ceuta
- Resultados desta conquista:
• Com o acesso às reservas de ouro foi afastado momentaneamente o
problema da escassez de metais preciosos.
• A rota de uro sudanês, controlada pelos muçulmanos, foi desviada de Ceuta
para o interior da África. Obrigando os portugueses a continuar sua busca por
um local que interceptasse os carregamentos de metais (pirataria), favorecendo,
portanto, a continuação da expansão marítima.
• Périplo Africano → domínio de zonas litorâneas, fundando entrepostos
comerciais (feitorias), o que permitiu o desenvolvimento do comércio com a
aquisição de ouro, de escravos e de especiarias.
• Desenvolvimento da Caravela – típica para mar aberto – e começaram a
esboçar um plano de contornar a África para se chegar às Índias.
- 1488 – Contorno do Cabo da Boa Esperança por Bartolomeu Dias,
abrindo a rota marítima para a Ásia, concretizada em 1498 por Vasco
da Gama com sua viagem para às Índias.
- 1500 – Chegada à América, consequência da expansão marítima,
no entanto a exploração da nova terra foi deixada de lado por Portugal
que estava mais interessado no lucrativo comércio com o Oriente.
Questão 01: (FUVEST) - A que se pode atribuir a
primazia portuguesa nos descobrimentos e na expansão
marítima moderna?
Resposta:
• Aprimoramento das técnicas de navegação.
• Centralização política precoce.
• O monarca já estava legitimado como coordenador (líder)
dos grupos sociais envolvidos no empreendimento das
grandes navegações.
• Já era capaz de atrair capitais para colocar a expansão
em prática – aliança com a burguesia.
OS ESPANHÓIS CHEGAM À AMÉRICA
- Começa a participar da expansão marítima assim que completa sua
centralização política.
- 1492 → primeira viagem a serviço dos Reis católicos Cristóvão Colombo
aportou em terras desconhecidas acreditando ter chegado às Índias.
- Tratado de Tordesilhas – 1494 → acordo entre Portugal e Espanha que
dividia o globo entre eles.
- A descoberta de ouro da América pelos espanhóis atraiu a atenção de outras
nações européias.
- Uti possidetis (usucapião) → princípio jurídico utilizado pela França para
questionar a divisão entre Portugal e Espanha no Tratado de Tordesilhas.
Questão 02: O Tratado de Tordesilhas, assinado em 7 de junho de
1494 e confirmado nos seus termos pelo Papa Júlio II em 1506,
representou para o século XVI um marco importante nas dinâmicas
européias de expansão marítima. O tratado visava:
a) Demarcar os direitos de exploração dos países ibéricos, tendo como
elemento propulsor o desenvolvimento da expansão comercial marítima.
b) Estimular a consolidação do reino português, por meio da exploração das
especiarias africanas e da formação do exército nacional.
c) Impor a reserva de mercado metropolitano espanhol, por meio da criação de
um sistema de monopólio que atingia todas as riquezas coloniais.
d) Reconhecer a transferência do eixo do comércio mundial do Mediterrâneo
para o Atlântico, depois das expedições de Vasco da Gama às Índias.
e) Reconhecer a hegemonia anglo-francesa sobre a exploração colonial, após
a destruição da Invencível Armada de Filipe II, da Espanha.
Resposta:
a)Resposta certa.
b)O objetivo não era estimular a consolidação do reino português e
sim acabar com o conflito diplomático entre Portugal e Espanha.
c)Novamente o objetivo não era esse como citado acima. O
monopólio do comércio colonial era característica da política
mercantilista.
d)A expedição de Vasco da Gama acontece depois do Tratado.
e)O tratado de Tordesilhas foi um acordo entre Portugal e Espanha.
A EXPANSÃO DE OUTROS PAÍSES
- Inglaterra:
• 1497 – João Caboto chega à Terra Nova (América do Norte)
• 1558-1603 – Francis Drake e John Hawkins promovem ações de pirataria
apoiados por Elizabeth Tudor, contra galeões espanhóis. Entre 1577 e 1580,
Drake faz uma viagem de circum-navegação.
• 1585 – Walter Raleigh funda a primeira colônia inglesa na América do Norte,
denominando-a Virgínia.
- França:
• 1524 – Verrazzano chega à América do Norte.
• 1534 – Jacques Cartier explora a região do Canadá atual.
• 1555 – Uma esquadra comandada por Nicolau Durand de Villegalgnon invade a
baía do Rio de Janeiro, onde o navegador funda um núcleo de povoamento: a
França Antártica.
OURO E ESPECIARIAS
- Portugal → com o périplo africano e com a busca de um caminho para a Índia
Portugal estabeleceu os primeiros contatos comerciais com fontes de
especiarias da África e da Ásia. Assim, as mercadorias eram compradas e
redistribuídas na Europa gerando bons lucros ao grupo mercantil português.
- O comércio aquecido com o Oriente → as terras americanas eram, neste
momento, fontes de extração de Pau-Brasil. Alguns países começaram a
concorrer com Portugal no comércio de especiarias. Os preços destes produtos
ficam mais baixos.
- Déficit da Balança Comercial.
- 1530 → Portugal passa a ocupar terras americanas efetivamente, onde
começaram a exploração produtiva de açúcar.
- Espanha → favorecida por ter encontrado na América povos que
conheciam e trabalhavam a prata e o ouro. Com sua superioridade
militar foi fácil subjugar estes povos e começar a saqueá-los. Assim
como, a explorar minas de metais preciosos.
- Entesouramento → governo de Madri – o acumulo de metais
preciosos, o metalismo, era o melhor método para fortalecer o Estado.
- Com a utilização desta riqueza de forma improdutiva a Espanha sofreu
com uma crise que ocorreu por não ter incentivado a produção de
manufaturados e por ter atraído, para a América, pessoas que antes
trabalhavam para a produção do mercado interno.
MERCANTILISMO
- Variou de país para país mas tiveram algumas características em comum como
a intervenção do Estado na economia.
- Objetivo: fortalecimento e enriquecimento do Estado diante de outras potências.
- Duas fases:
• Metalismo ou Bulionismo – acreditava-se que a riqueza de uma nação era
medida pelo acúmulo de metais preciosos em seu território. A Espanha mantém
este processo mesmo com o aparecimento de outras concepções mercantilistas.
• Balança Comercial Favorável – o país que quisesse se tornar rico deveria
abandonar os intermediários na circulação de mercadorias e passar a produzir
internamente manufaturas para a exportação. Com o objetivo de importar menos
e exportar mais.
PRÁTICAS MERCANTILISTAS
• Exclusivo Comercial: monopólio do comércio era da coroa ou de uma
empresa escolhida por ela.
• Pacto Colonial: relação de dominação imposta pela metrópole à
colônia. Isto acontecia através do caráter complementar da economia
colonial em relação a da metrópole, produzindo matéria prima; era
vedada à colônia a produção de artigos manufaturados ou gêneros
agrícolas cultivados na metrópole; e a colônia deveria manter relações
comerciais exclusivas com a metrópole.
• Protecionismo: proteção à industria nacional com a cobrança de
altas taxas alfandegárias sobre produtos importados de outros países.
• Desenvolvimento da Marinha: com o objetivo de evitar gastos com
transportes de mercadorias e nacionalizar o comércio foi estimulado o
desenvolvimento da frota mercante. Assim como desenvolveram a
marinha de guerra para proteger as colônias e evitar contrabandos.
Questão 03: (PUC- PR) - As práticas mercantilistas, ocorridas na Idade
Moderna, estiveram relacionadas com:
a) A exploração de impérios coloniais e a regulamentação do comércio
exterior.
b) O surgimento das corporações de ofício.
c) A idéia de liberdade de produção, de concorrência e de circulação de
mercadorias.
d) O surgimento de doutrinas iluministas.
e) O final dos regimes absolutistas e os princípios liberais surgidos nas
chamadas revoluções burguesas.
Resposta:
a)Resposta certa.
b)As corporações de ofício surgem durante a Idade Média.
c)Não havia a liberdade de produção, as colônias não podiam produzir
livremente, e nem de concorrência, como já vimos com o pacto
colonial.
d)Doutrinas iluministas surgem depois.
e)Este período é marcado pela política absolutista.
A EUROPA MERCANTILISTA
- Política Mercantilista → acumulação primitiva do capital, processo que dá
origem ao sistema capitalista.
- A Espanha como já foi visto mantém-se na fase metalista.
- Portugal teve dificuldades de manter a balança comercial favorável. Sua
economia havia sido estruturada em função das colônias e o capital controlado
pelo Estado não se destinaram a estimular o mercado interno. Com o tempo
sua balança comercial tornou-se deficitária.
- A França optou pelo industrialismo desenvolvendo a produção interna de
artigos de luxo. Iniciou também a exploração de algumas colônias para garantir
matérias-primas (colbertismo).
- A Inglaterra procurou manter a balança comercial favorável –
comercialismo e industrialismo – política que desejava promover o
enriquecimento nacional pelo grande número de transações
comerciais lucrativas e pelo desenvolvimento manufatureiro. Devido à
complexidade do modelo inglês foi necessário proteger seu comércio.
Isto se deu com a declaração dos Atos de Navegação (1651) que
determinava que somente navios ingleses, ou do país de origem,
poderiam transportar mercadorias para a Inglaterra.
Questão 04: (CESGRANRIO - RJ) - As práticas mercantilistas nas
sociedades da Europa Ocidental assumiram características
diferenciadas ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII. Assinale a única
opção que não associa corretamente as características mais
importantes do mercantilismo ao século e à sociedade em que cada
uma delas veio a predominar.
a) O entesouramento dos metais preciosos (bulionismo). Espanha
b) O estímulo às exportações e o controle das importações (aplicação
do princípio da balança comercial). Inglaterra
c) A política protecionista e manufatureira, aliada à aplicação de uma
legislação tarifária (colbertismo). França
d) O monopólio comercial, concretizado na prática do exclusivo
colonial. Portugal
e) O controle das cartas de corso e da pirataria no Atlântico Sul,
estimulando a indústria naval e consagrando a expressão
carreteiros do mar. Holanda
Resposta:
a)Certo
b)Certo
c)Certo
d)Certo
e)A Holanda não tinha o controle das Cartas de Corso, este documento
podia ser emitido por qualquer Nação. Ele tinha como objetivo autorizar
o ataque a navios inimigos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
Nilton Sá
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
danielafirmino3
 
Expansão marítima/ antecedentes
Expansão marítima/ antecedentesExpansão marítima/ antecedentes
Expansão marítima/ antecedentes
Edenilson Morais
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
Niela Tuani
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Henrique Tobal Jr.
 
Expansão marítima
Expansão marítima Expansão marítima
Expansão marítima
Max22Rodrigues
 
Expansão marítima.ativ.slide
Expansão marítima.ativ.slideExpansão marítima.ativ.slide
Expansão marítima.ativ.slide
edna2
 
2014 grandes navegações
2014  grandes navegações2014  grandes navegações
2014 grandes navegações
MARIANO C7S
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
Catarina Sequeira
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
anabelasilvasobral
 
Expansão maritima
Expansão maritimaExpansão maritima
Expansão maritima
Vinicius Oliveira Amaral
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.comExpansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Carlos Zaranza
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
Carlos Vieira
 
Grandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xviGrandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xvi
Izaac Erder
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
allexso
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia
Ajudar Pessoas
 
Mercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes NavegaçõesMercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes Navegações
Edenilson Morais
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
Jean Carlos Nunes Paixão
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Claudenilson da Silva
 

Mais procurados (20)

Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
 
Expansão marítima/ antecedentes
Expansão marítima/ antecedentesExpansão marítima/ antecedentes
Expansão marítima/ antecedentes
 
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVIIA Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
A Expansão Marítima Europeia nos séculos XV e XVII
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Expansão marítima
Expansão marítima Expansão marítima
Expansão marítima
 
Expansão marítima.ativ.slide
Expansão marítima.ativ.slideExpansão marítima.ativ.slide
Expansão marítima.ativ.slide
 
2014 grandes navegações
2014  grandes navegações2014  grandes navegações
2014 grandes navegações
 
Século XIV até século XVI
Século XIV até século XVISéculo XIV até século XVI
Século XIV até século XVI
 
O império português do oriente parte 5
O império português do oriente  parte 5O império português do oriente  parte 5
O império português do oriente parte 5
 
Expansão maritima
Expansão maritimaExpansão maritima
Expansão maritima
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
 
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.comExpansão comercial  marítima Europeia - www.carloszaranza.com
Expansão comercial marítima Europeia - www.carloszaranza.com
 
Expansionismo Europeu
Expansionismo EuropeuExpansionismo Europeu
Expansionismo Europeu
 
Grandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xviGrandes navegações século xv e xvi
Grandes navegações século xv e xvi
 
Expansão marítima
Expansão marítimaExpansão marítima
Expansão marítima
 
15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia15° expansão marítima e comercial europeia
15° expansão marítima e comercial europeia
 
Mercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes NavegaçõesMercantilismo e Grandes Navegações
Mercantilismo e Grandes Navegações
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
 

Destaque

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
betepa
 
Aula expansão marítima
Aula expansão marítimaAula expansão marítima
Aula expansão marítima
seixasmarianas
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
Aulas de História
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
Fátima da História
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
Nila Michele Bastos Santos
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 

Destaque (8)

Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Aula expansão marítima
Aula expansão marítimaAula expansão marítima
Aula expansão marítima
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Africa Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos EuropeusAfrica Antes Dos Europeus
Africa Antes Dos Europeus
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 

Semelhante a www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Expansão Marítima

As grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismoAs grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismo
Nilton Silva Jardim Junior
 
Expansões Européias
Expansões EuropéiasExpansões Européias
Expansões Européias
IsabellyViana
 
Expansão
ExpansãoExpansão
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
RobsonCamposdeAbreu
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
Gabriela Vasconcelos
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
Carlos Zaranza
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade ModernaCap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
vbrizante
 
Idade moderna i
Idade moderna iIdade moderna i
Idade moderna i
Julia Selistre
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdfAS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
MariaAparecidaFerrei84
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Marcela Marangon Ribeiro
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
DanielaPereira423586
 
Em comércio e navegações
Em comércio e navegaçõesEm comércio e navegações
Em comércio e navegações
Kerol Brombal
 
Aula 07 expansão marítima européia
Aula 07   expansão marítima européiaAula 07   expansão marítima européia
Aula 07 expansão marítima européia
Jonatas Carlos
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
cattonia
 
Mercantilismo Navegacoes
Mercantilismo NavegacoesMercantilismo Navegacoes
Mercantilismo Navegacoes
dmflores21
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
Daniel Alves Bronstrup
 
Navegações portuguesas
Navegações portuguesasNavegações portuguesas
Navegações portuguesas
LuizRobertodosSantos
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
Péricles Penuel
 

Semelhante a www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Expansão Marítima (20)

As grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismoAs grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismo
 
Expansões Européias
Expansões EuropéiasExpansões Européias
Expansões Européias
 
Expansão
ExpansãoExpansão
Expansão
 
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
1ano-expansomartimaeuropiaeabsolutismo-121025211657-phpapp01.pptx
 
História o expansionismo europeu
História o expansionismo europeuHistória o expansionismo europeu
História o expansionismo europeu
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
 
Apresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmpApresentação grandes navegações tmp
Apresentação grandes navegações tmp
 
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade ModernaCap. 15 - Navegações na Idade Moderna
Cap. 15 - Navegações na Idade Moderna
 
Idade moderna i
Idade moderna iIdade moderna i
Idade moderna i
 
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdfAS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
AS GRANDES NAVEGAÇÕES..pdf
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
286811943-A-Expansao-Maritima-Portuguesa.pdf
 
Em comércio e navegações
Em comércio e navegaçõesEm comércio e navegações
Em comércio e navegações
 
Aula 07 expansão marítima européia
Aula 07   expansão marítima européiaAula 07   expansão marítima européia
Aula 07 expansão marítima européia
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Mercantilismo Navegacoes
Mercantilismo NavegacoesMercantilismo Navegacoes
Mercantilismo Navegacoes
 
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia3ão -  aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
3ão - aulas 1 e 2 - 1 C - Brasil Colônia
 
Navegações portuguesas
Navegações portuguesasNavegações portuguesas
Navegações portuguesas
 
Plano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmpPlano grandes navegações tmp
Plano grandes navegações tmp
 

Mais de AulasEnsinoMedio

www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newtonwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetriawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimentowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genéticawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evoluçãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográficowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidadewww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
AulasEnsinoMedio
 
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricasCiclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindroswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
AulasEnsinoMedio
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexoswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
AulasEnsinoMedio
 

Mais de AulasEnsinoMedio (20)

www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
www.AulasEnsinoMedio.com.br- Física - Exercícios Reslvidos de Equilíbrio de u...
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Lentes Esféricas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newtonwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercícios resolvidos de Leis de Newton
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetriawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Exercício calorimetria
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Trabalho e Energia Mecânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Trabalho e Energia Mecânica
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimentowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Dinâmica e Movimento
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Dinâmica e Movimento
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Física -  Colisão
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Física - Colisão
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vidawww.AulasEnsinoMedio.com.br -  Biologia – Origem da Vida
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia – Origem da Vida
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genéticawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Genética
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evoluçãowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Evolução
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Evolução
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentarwww.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Biologia - Teia Alimentar e Cadeia Alimentar
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânicawww.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Química Orgânica
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Química Orgânica
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química -  Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Química - Cálculo Estequimétrico (Parte 1)
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Sujeito e Vozes do Verbo
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Sujeito e Vozes do Verbo
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográficowww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Novo Acordo Ortográfico
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Novo Acordo Ortográfico
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicaswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Português -  Contos e Crônicas
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Português - Contos e Crônicas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidadewww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Probabilidade
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Probabilidade
 
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricasCiclo trigonométrico e razões trigonométricas
Ciclo trigonométrico e razões trigonométricas
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindroswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Prismas e Cilindros
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Prismas e Cilindros
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexoswww.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática -  Números Complexos
www.AulasEnsinoMedio.com.br - Matemática - Números Complexos
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 

www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Expansão Marítima

  • 2. Ao final desta aula será importante entender:  O pioneirismo português;  A expansão dos espanhóis;  O Tratado de Tordesilhas;  As Políticas Mercantilistas.
  • 3. FATOS QUE VIABILIZARAM A EXPANSÃO - Fim da crise do século XIV → crescimento da população sem crescimento da oferta de alimentos. - Reabertura do Mediterrâneo ao livre comércio. - 1453 → Tomada de Constantinopla – um dos principais entrepostos comerciais do mediterrâneo. Por ser um importante entreposto os turcos aumentam os impostos sobre o comércio de especiarias, aumentando também os preços destes produtos na Europa. - Escoamento de Moedas da Europa para o Oriente. - Monarquias Nacionais buscam alternativas a esta conjuntura, patrocinando projetos de abertura de novas rotas comerciais – evitando intermediários.
  • 5. PORTUGAL - O PIONEIRO - Primeiro a iniciar sua expansão ultramarina, privilegiada pela sua posição geográfica. Portugal era ponto de escala obrigatória das rotas marítimas de comércio entre o mediterrâneo e o Mar do Norte. - Conquistou precocemente sua centralização monárquica, século XIV. - Mesmo antes da consolidação da unificação nacional Portugal já vinha aprimorando técnicas de navegação. - O comércio entre Portugal e a península Itálica e o norte da Europa favoreceu o desenvolvimento de atividades mercantis e da arte de navegar, fortalecendo a burguesia e atraindo homens de negócios e capitais o que possibilitava novos empreendimentos econômicos.
  • 6. - Conquista de Ceuta (1415) → início da expansão portuguesa. - Objetivos desta conquista: • Reduzir a influência muçulmana no Marrocos. • Combater a pirataria. • Interesses comerciais; Ceuta era ponto de confluência das rotas terrestres de especiarias orientais, de ouro e de escravos. Ceuta
  • 7. - Resultados desta conquista: • Com o acesso às reservas de ouro foi afastado momentaneamente o problema da escassez de metais preciosos. • A rota de uro sudanês, controlada pelos muçulmanos, foi desviada de Ceuta para o interior da África. Obrigando os portugueses a continuar sua busca por um local que interceptasse os carregamentos de metais (pirataria), favorecendo, portanto, a continuação da expansão marítima. • Périplo Africano → domínio de zonas litorâneas, fundando entrepostos comerciais (feitorias), o que permitiu o desenvolvimento do comércio com a aquisição de ouro, de escravos e de especiarias. • Desenvolvimento da Caravela – típica para mar aberto – e começaram a esboçar um plano de contornar a África para se chegar às Índias.
  • 8.
  • 9. - 1488 – Contorno do Cabo da Boa Esperança por Bartolomeu Dias, abrindo a rota marítima para a Ásia, concretizada em 1498 por Vasco da Gama com sua viagem para às Índias. - 1500 – Chegada à América, consequência da expansão marítima, no entanto a exploração da nova terra foi deixada de lado por Portugal que estava mais interessado no lucrativo comércio com o Oriente.
  • 10. Questão 01: (FUVEST) - A que se pode atribuir a primazia portuguesa nos descobrimentos e na expansão marítima moderna?
  • 11. Resposta: • Aprimoramento das técnicas de navegação. • Centralização política precoce. • O monarca já estava legitimado como coordenador (líder) dos grupos sociais envolvidos no empreendimento das grandes navegações. • Já era capaz de atrair capitais para colocar a expansão em prática – aliança com a burguesia.
  • 12. OS ESPANHÓIS CHEGAM À AMÉRICA - Começa a participar da expansão marítima assim que completa sua centralização política. - 1492 → primeira viagem a serviço dos Reis católicos Cristóvão Colombo aportou em terras desconhecidas acreditando ter chegado às Índias. - Tratado de Tordesilhas – 1494 → acordo entre Portugal e Espanha que dividia o globo entre eles. - A descoberta de ouro da América pelos espanhóis atraiu a atenção de outras nações européias. - Uti possidetis (usucapião) → princípio jurídico utilizado pela França para questionar a divisão entre Portugal e Espanha no Tratado de Tordesilhas.
  • 13. Questão 02: O Tratado de Tordesilhas, assinado em 7 de junho de 1494 e confirmado nos seus termos pelo Papa Júlio II em 1506, representou para o século XVI um marco importante nas dinâmicas européias de expansão marítima. O tratado visava:
  • 14. a) Demarcar os direitos de exploração dos países ibéricos, tendo como elemento propulsor o desenvolvimento da expansão comercial marítima. b) Estimular a consolidação do reino português, por meio da exploração das especiarias africanas e da formação do exército nacional. c) Impor a reserva de mercado metropolitano espanhol, por meio da criação de um sistema de monopólio que atingia todas as riquezas coloniais. d) Reconhecer a transferência do eixo do comércio mundial do Mediterrâneo para o Atlântico, depois das expedições de Vasco da Gama às Índias. e) Reconhecer a hegemonia anglo-francesa sobre a exploração colonial, após a destruição da Invencível Armada de Filipe II, da Espanha.
  • 15. Resposta: a)Resposta certa. b)O objetivo não era estimular a consolidação do reino português e sim acabar com o conflito diplomático entre Portugal e Espanha. c)Novamente o objetivo não era esse como citado acima. O monopólio do comércio colonial era característica da política mercantilista. d)A expedição de Vasco da Gama acontece depois do Tratado. e)O tratado de Tordesilhas foi um acordo entre Portugal e Espanha.
  • 16. A EXPANSÃO DE OUTROS PAÍSES - Inglaterra: • 1497 – João Caboto chega à Terra Nova (América do Norte) • 1558-1603 – Francis Drake e John Hawkins promovem ações de pirataria apoiados por Elizabeth Tudor, contra galeões espanhóis. Entre 1577 e 1580, Drake faz uma viagem de circum-navegação. • 1585 – Walter Raleigh funda a primeira colônia inglesa na América do Norte, denominando-a Virgínia. - França: • 1524 – Verrazzano chega à América do Norte. • 1534 – Jacques Cartier explora a região do Canadá atual. • 1555 – Uma esquadra comandada por Nicolau Durand de Villegalgnon invade a baía do Rio de Janeiro, onde o navegador funda um núcleo de povoamento: a França Antártica.
  • 17. OURO E ESPECIARIAS - Portugal → com o périplo africano e com a busca de um caminho para a Índia Portugal estabeleceu os primeiros contatos comerciais com fontes de especiarias da África e da Ásia. Assim, as mercadorias eram compradas e redistribuídas na Europa gerando bons lucros ao grupo mercantil português. - O comércio aquecido com o Oriente → as terras americanas eram, neste momento, fontes de extração de Pau-Brasil. Alguns países começaram a concorrer com Portugal no comércio de especiarias. Os preços destes produtos ficam mais baixos. - Déficit da Balança Comercial. - 1530 → Portugal passa a ocupar terras americanas efetivamente, onde começaram a exploração produtiva de açúcar.
  • 18. - Espanha → favorecida por ter encontrado na América povos que conheciam e trabalhavam a prata e o ouro. Com sua superioridade militar foi fácil subjugar estes povos e começar a saqueá-los. Assim como, a explorar minas de metais preciosos. - Entesouramento → governo de Madri – o acumulo de metais preciosos, o metalismo, era o melhor método para fortalecer o Estado. - Com a utilização desta riqueza de forma improdutiva a Espanha sofreu com uma crise que ocorreu por não ter incentivado a produção de manufaturados e por ter atraído, para a América, pessoas que antes trabalhavam para a produção do mercado interno.
  • 19. MERCANTILISMO - Variou de país para país mas tiveram algumas características em comum como a intervenção do Estado na economia. - Objetivo: fortalecimento e enriquecimento do Estado diante de outras potências. - Duas fases: • Metalismo ou Bulionismo – acreditava-se que a riqueza de uma nação era medida pelo acúmulo de metais preciosos em seu território. A Espanha mantém este processo mesmo com o aparecimento de outras concepções mercantilistas. • Balança Comercial Favorável – o país que quisesse se tornar rico deveria abandonar os intermediários na circulação de mercadorias e passar a produzir internamente manufaturas para a exportação. Com o objetivo de importar menos e exportar mais.
  • 20. PRÁTICAS MERCANTILISTAS • Exclusivo Comercial: monopólio do comércio era da coroa ou de uma empresa escolhida por ela. • Pacto Colonial: relação de dominação imposta pela metrópole à colônia. Isto acontecia através do caráter complementar da economia colonial em relação a da metrópole, produzindo matéria prima; era vedada à colônia a produção de artigos manufaturados ou gêneros agrícolas cultivados na metrópole; e a colônia deveria manter relações comerciais exclusivas com a metrópole.
  • 21. • Protecionismo: proteção à industria nacional com a cobrança de altas taxas alfandegárias sobre produtos importados de outros países. • Desenvolvimento da Marinha: com o objetivo de evitar gastos com transportes de mercadorias e nacionalizar o comércio foi estimulado o desenvolvimento da frota mercante. Assim como desenvolveram a marinha de guerra para proteger as colônias e evitar contrabandos.
  • 22. Questão 03: (PUC- PR) - As práticas mercantilistas, ocorridas na Idade Moderna, estiveram relacionadas com: a) A exploração de impérios coloniais e a regulamentação do comércio exterior. b) O surgimento das corporações de ofício. c) A idéia de liberdade de produção, de concorrência e de circulação de mercadorias. d) O surgimento de doutrinas iluministas. e) O final dos regimes absolutistas e os princípios liberais surgidos nas chamadas revoluções burguesas.
  • 23. Resposta: a)Resposta certa. b)As corporações de ofício surgem durante a Idade Média. c)Não havia a liberdade de produção, as colônias não podiam produzir livremente, e nem de concorrência, como já vimos com o pacto colonial. d)Doutrinas iluministas surgem depois. e)Este período é marcado pela política absolutista.
  • 24. A EUROPA MERCANTILISTA - Política Mercantilista → acumulação primitiva do capital, processo que dá origem ao sistema capitalista. - A Espanha como já foi visto mantém-se na fase metalista. - Portugal teve dificuldades de manter a balança comercial favorável. Sua economia havia sido estruturada em função das colônias e o capital controlado pelo Estado não se destinaram a estimular o mercado interno. Com o tempo sua balança comercial tornou-se deficitária. - A França optou pelo industrialismo desenvolvendo a produção interna de artigos de luxo. Iniciou também a exploração de algumas colônias para garantir matérias-primas (colbertismo).
  • 25. - A Inglaterra procurou manter a balança comercial favorável – comercialismo e industrialismo – política que desejava promover o enriquecimento nacional pelo grande número de transações comerciais lucrativas e pelo desenvolvimento manufatureiro. Devido à complexidade do modelo inglês foi necessário proteger seu comércio. Isto se deu com a declaração dos Atos de Navegação (1651) que determinava que somente navios ingleses, ou do país de origem, poderiam transportar mercadorias para a Inglaterra.
  • 26. Questão 04: (CESGRANRIO - RJ) - As práticas mercantilistas nas sociedades da Europa Ocidental assumiram características diferenciadas ao longo dos séculos XVI, XVII e XVIII. Assinale a única opção que não associa corretamente as características mais importantes do mercantilismo ao século e à sociedade em que cada uma delas veio a predominar.
  • 27. a) O entesouramento dos metais preciosos (bulionismo). Espanha b) O estímulo às exportações e o controle das importações (aplicação do princípio da balança comercial). Inglaterra c) A política protecionista e manufatureira, aliada à aplicação de uma legislação tarifária (colbertismo). França d) O monopólio comercial, concretizado na prática do exclusivo colonial. Portugal e) O controle das cartas de corso e da pirataria no Atlântico Sul, estimulando a indústria naval e consagrando a expressão carreteiros do mar. Holanda
  • 28. Resposta: a)Certo b)Certo c)Certo d)Certo e)A Holanda não tinha o controle das Cartas de Corso, este documento podia ser emitido por qualquer Nação. Ele tinha como objetivo autorizar o ataque a navios inimigos.