SlideShare uma empresa Scribd logo
EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL SÉC. XV Profª: Daniela Torres
ROTAS DAS ESPECIARIAS
DOMÍNIOS ÁRABES
PORTUGAL
FORMAÇÃO DE PORTUGAL Portugal foi governado por mais de 200 anos pelos reis da dinastia de Borgonha; no reinado de D. Dinis (1279-1325) iniciou-se um período de organização interna do país. Em 1383, com a morte do Rei D. Fernando, que não deixou um sucessor do sexo masculino, a dinastia de Borgonha chegou ao final. A rainha, D. Leonor Teles, assumiu o poder como regente e estava disposta a entregar o trono português a sua filha Beatriz, casada com o rei de Castela. Assim, apoiado por comerciantes e banqueiros, D. João, filho bastardo de D. Fernando, saiu-se vitorioso, preservando a independência política de Portugal, dando início à  Dinastia de Avis.  Esse evento ficou conhecido como Revolução de Avis.
MOTIVOS PARA A EXPANSÃO: Conquista de CONSTANTINOPLA (1453) Necessidade de NOVOS MERCADOS Falta de METAIS PRECIOSOS INTERESSE dos Estados nacionais Propagação da FÉ CRISTÃ AMBIÇÃO material PROGRESSO tecnológico
NOVAS INVENÇÕES
PIONEIRISMO PORTUGUÊS Centralização  administrativa Mercantilismo Ausência de Guerras Escola de Sagres Posição Geográfica   Favorável
PORTUGUESES CHEGARAM À ÍNDIA Em 1498, Vasco da Gama chega às Índias e retorna em 1499, com um carregamento que superou em 60 vezes o custo da expedição.
Em 9 de março de 1500, Pedro Álvares Cabral partiu de Lisboa com destino à Calicute (Índia) com uma tripulação de 1500 pessoas. Acabou “descobrindo” o Brasil em 22 de abril de 1500. PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL
Carta de Pero Vaz DE Caminha “ Esta terra, senhor, é muito chã e muito formosa. Nela até agora não podemos saber se haja ouro, nem prata, nem nenhuma coisa de metal...; porém a terra em si é de muito bons ares; as águas são muitas, infindas; em tal maneira é graciosa, que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto, que nela se pode fazer, me parece que será salvar esta gente...”
NAVEGAÇÕES PORTUGUESAS
ESPANHA
ESPANHA A Espanha  se atrasou no processo de Expansão Marítima  graças a sua Guerra de Reconquista. No mesmo ano da expulsão definitiva dos muçulmanos do último território espanhol ainda ocupado (Granada)  Colombo alcança a América .
DESCOBRIMENTO DA AMÉRICA Com três caravelas (Santa Maria, Pinta e Nina) concedidas pelos reis espanhóis,  Colombo e sua tripulação partiram do porto de Palos em 3 de agosto de 1492 . Em 12 de outubro, chegaram à América, mas pensavam ter alcançado a Índia. Por isso, os habitantes da nova terra foram chamados de índios.
NAVEGAÇÕES ESPANHOLAS
DIVISÃO DO MUNDO
INGLESES, FRANCESES E ESPANHÓIS Tentando descobrir novos caminhos para as Índias esses países procuravam uma passagem noroeste para a Ásia. Não acharam a “tal passagem” e dedicaram-se a ocupar e explorar as terras da América do Norte, além de praticarem pirataria, inclusive com a ajuda dos corsários.
MERCANTILISMO ATENÇÃO  Poderíamos conceituar mercantilismo, como política econômica do Estado Absolutista ou doutrina econômica estabelecida pelos países da Europa nos séculos XVI e XVII (16 e 17). Mas,  quando estamos estudando para o vestibular o conceito é o que menos interessa .
 
SE LIGUE NO MERCANTILISMO. As formas de mercantilismo: Mercantilismo metalístico ou bulionista, a  Espanha  viveu essa experiência. Mercantilismo industrial - a  França  é o seu melhor representante; também chamado de Golbertismo. Mercantilismo comercial, tendo a  Inglaterra  seu expoente. Mercantilismo industrial e comercial- experiência  Holandesa . Mercantilismo de plantagem- experiência  Portuguesa  baseada na produção tropical.
CARACTERÍSTICAS DO MERCANTILISMO É a sua engrenagem, seu funcionamento, que você não deve esquecer. É assim que aparece nas questões de vestibular:  balança comercial favorável, protecionismo, monopólio e o  intervencionismo estatal ; não esquecer que no mercantilismo o ESTADO controla a economia. A ocupação portuguesa estruturou-se nos termos da política econômica mercantilista.
O mercantilismo não foi um sistema econômico e, portanto, não pode ser considerado um modo de produção, terminologia que se aplica ao feudalismo. O mercantilismo é a lógica econômica da transição do feudalismo para o capitalismo.
TRATADOS E LIMITES E EXPANSÃO PORTUGUESA Portugal depois do domínio espanhol.  Depois de 60 anos os espanhóis deixaram o reino português uma herança desastrosa. Portugal passou a ser dependente da economia inglesa; isso se agravou a partir de 1642 quando o país concede à Inglaterra o tratamento de nação mais favorecida. o  Tratado de Methuen  estabelecia a redução de impostos sobre os vinhos portugueses e sobre os tecidos ingleses, conhecidos também como  Tratado de Panos e Vinhos.
ABSOLUTISMO Fundi-se com o mercantilismo, é normal encontrarmos uma fusão entre eles.  Podemos aplicar um conceito de mercantilismo: como política econômica do absolutismo , ou ABSOLUTISMO, como doutrina política da economia mercantil. Veja os exemplos nas características do mercantilismo: O intervencionismo estatal, o estado e o rei são praticamente as mesmas coisas;  o monopólio que é concedido pelo rei.
 
Tem o seu principal expoente Luis XVI,  “o Estado sou eu ou o Estado é meu”. O rei era o dono da vida e da morte na sociedade francesa, ocupante dos cargos mais importante de seu  governo. O rei acumulava funções como: Chefe Supremo do Exército, O supremo mandatário do Tribunal de Justiça.
Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre. Esta tinha pouco poder político para exigir ou negociar. Os reis usavam a força e a violência de seus exércitos para reprimir, prender ou até mesmo matar qualquer pessoa que fosse contrária aos interesses ou leis definidas pelos monarcas.
Exemplos de alguns reis deste período : Henrique VIII  - Dinastia Tudor : governou a  Inglaterra  no século XVII  Elizabeth I  - Dinastia Stuart - rainha da  Inglaterra  no século XVII  Luis XIV  - Dinastia dos Bourbons - conhecido como Rei Sol - governou a  França  entre 1643 e 1715.  Fernando e Isabel  - governaram a  Espanha  no século XVI.
ETAPAS DE FORMAÇÃO DO ABSOLUTISMO Insurreições camponesas – enfraquecem a nobreza. Insurreições urbanas – reduz o poder da nobreza e corrompe a burguesia. Desenvolvimento do comércio – Gera a centralização do poder nas mãos do Rei. Guerras – Exigiram disciplina e comando centralizado.
EVOLUÇÃO DO ABSOLUTISMO Expansão marítima e desenvolvimento do comércio internacional. Reforma Protestante. Exploração das colônias
Maquiavel - escreveu a obra: O príncipe, nele o autor reconhece que o chefe de estado pode tudo para se manter no poder ( os fins justificam o meio). Jacques Bossuet -  escreveu a origem da sagrada escritura, nela o rei tem a autoridade dada por Deus Thomas Hobbes  – escreveu Leviatã, a obra define a sociedade como um caos, e para regular,administrar esse “ monstro”, o rei aparece com todas suas potencialidades. AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
Jean Bodin   - autor de “A República” defende a idéia da soberania não partilhada. Para ele o poder também emana de Deus e o príncipe tem o poder de legislar sem precisar do consentimento de quem quer que seja.  Hugo Grotius   -   defende o governo despótico, o poder ilimitado do estado, afirmando que sem ele estabeleceria o caos e a turbulência política.  AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
Não podemos esquecer que: O governo absolutista interferia muito na economia dos países. O objetivo principal destes governos era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico, através do acúmulo de riquezas. Quanto maior a quantidade de riquezas dentro de um reino, maior seria seu prestígio, poder e respeito internacional.  Podemos citar como principais características do sistema econômico mercantilista: Metalismo, Industrialização, Protecionismo Alfandegário, Pacto Colonial, Balança Comercial Favorável.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
Nuno Faustino
 
História resumos
História resumosHistória resumos
História resumos
meggytoscano
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
cattonia
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
inessalgado
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
Celso Firmino História, Filosofia, Sociologia
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Giana Araujo
 
Expansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeiaExpansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeia
Adriana Gomes Messias
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
Carlos Vieira
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
Álvaro Maurício
 
Expansão Portuguesa
Expansão PortuguesaExpansão Portuguesa
Expansão Portuguesa
Ana Barreiros
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
E1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeuE1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
pdalvares
 
A consolidação das monarquias na europa moderna
A consolidação das monarquias na europa modernaA consolidação das monarquias na europa moderna
A consolidação das monarquias na europa moderna
Dione Pereira
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
Carla Freitas
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
Wilton Moretto
 
E1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeuE1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeu
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Unidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeuUnidade 1 o expansionismo europeu
Unidade 1 o expansionismo europeu
 
Revisões para teste 8º
Revisões para teste 8ºRevisões para teste 8º
Revisões para teste 8º
 
História resumos
História resumosHistória resumos
História resumos
 
O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIIIPortugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
Portugal no contexto europeu: século XVII a XVIII
 
Expansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdfExpansão marítima e comercial pdf
Expansão marítima e comercial pdf
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Expansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeiaExpansão maritima e comercial europeia
Expansão maritima e comercial europeia
 
A Crise Do Império Português
A Crise Do Império PortuguêsA Crise Do Império Português
A Crise Do Império Português
 
A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01A expansao portuguesa 01
A expansao portuguesa 01
 
Expansão Portuguesa
Expansão PortuguesaExpansão Portuguesa
Expansão Portuguesa
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
E1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeuE1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeu
 
O Expansionismo Europeu
O Expansionismo EuropeuO Expansionismo Europeu
O Expansionismo Europeu
 
A consolidação das monarquias na europa moderna
A consolidação das monarquias na europa modernaA consolidação das monarquias na europa moderna
A consolidação das monarquias na europa moderna
 
29 crise, união ibérica, restauração
29   crise, união ibérica, restauração29   crise, união ibérica, restauração
29 crise, união ibérica, restauração
 
Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)Formação das monarquias nacionais (faag)
Formação das monarquias nacionais (faag)
 
E1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeuE1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeu
 

Destaque

Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
Claudenilson da Silva
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Mercantilismo e Expansão Ultramarina
Mercantilismo e Expansão UltramarinaMercantilismo e Expansão Ultramarina
Mercantilismo e Expansão Ultramarina
Auxiliadora
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
vr1a2011
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
victorjunio82
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
Jacqueline Matilde
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Beth Paes
 
As grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismoAs grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismo
Nilton Silva Jardim Junior
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
cattonia
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
samuelbaiano
 
Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações
baianinhohistoriador
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
Gilmar Rodrigues
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
marcos ursi
 
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
Marco Aurélio Gondim
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
Douglas Barraqui
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
Alê Maldonado
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
Aulas de História
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Expansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do territórioExpansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do território
blognetotudo
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Ana Carolina Martins
 

Destaque (20)

Resumo mercantilismo e expansão marítima
Resumo   mercantilismo e expansão marítimaResumo   mercantilismo e expansão marítima
Resumo mercantilismo e expansão marítima
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Mercantilismo e Expansão Ultramarina
Mercantilismo e Expansão UltramarinaMercantilismo e Expansão Ultramarina
Mercantilismo e Expansão Ultramarina
 
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismoEstados nacionais absolutismo-mercantilismo
Estados nacionais absolutismo-mercantilismo
 
Expansão Marítima Europeia
Expansão Marítima EuropeiaExpansão Marítima Europeia
Expansão Marítima Europeia
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVIGrandes navegações dos séculos XV e XVI
Grandes navegações dos séculos XV e XVI
 
As grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismoAs grandes navegações e o mercantilismo
As grandes navegações e o mercantilismo
 
A Expansão marítima
A Expansão marítimaA Expansão marítima
A Expansão marítima
 
Expansão Marítima
Expansão MarítimaExpansão Marítima
Expansão Marítima
 
Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações Slides Grandes Navegações
Slides Grandes Navegações
 
As Grandes Navegações
As Grandes NavegaçõesAs Grandes Navegações
As Grandes Navegações
 
Formação do estado moderno
Formação do estado modernoFormação do estado moderno
Formação do estado moderno
 
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
História Geral - Idade Moderna - Absolutismo, Mercantilismo, Reforma Protesta...
 
A Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados NacionaisA Formação dos Estados Nacionais
A Formação dos Estados Nacionais
 
Estado moderno
Estado modernoEstado moderno
Estado moderno
 
O Estado Moderno
O Estado ModernoO Estado Moderno
O Estado Moderno
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
Expansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do territórioExpansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do território
 
Formação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais ModernosFormação dos Estados Nacionais Modernos
Formação dos Estados Nacionais Modernos
 

Semelhante a Expansão marítima e comercial absolutismo-mercantilismo

Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Gustavo Cuin
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Maria Gomes
 
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
cristianoperinpissolato
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
helenacompleto
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Maria Gomes
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
Maria Gomes
 
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptxResumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
Érica Santos
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
filipe913355
 
Historia vol2
Historia vol2Historia vol2
Historia vol2
Blaunier Matheus
 
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Aline Hesley
 
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugal
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugalSaraiva, josé hermano. história consisa de portugal
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugal
Allan Diego Souza
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
Luan Furtado
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
Pedro Henrique
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
Valeria Kosicki
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
Rodrigo HistóriaGeografia
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
sabinachourico
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
Maria Luiza
 
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptxCOMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
CamilaAmorim64
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
Ana Barreiros
 
Fortalecimento poder reis
Fortalecimento poder reisFortalecimento poder reis
Fortalecimento poder reis
Murilo Lima Nogueira
 

Semelhante a Expansão marítima e comercial absolutismo-mercantilismo (20)

Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10   1º ano 2013 - política e economia na idade modernaCap10   1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
Cap10 1º ano 2013 - política e economia na idade moderna
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
157 abcde caracteristicas absolutismo e mercantilismo
 
O imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacionalO imp.port. e a concorrência internacional
O imp.port. e a concorrência internacional
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
União Ibérica
União IbéricaUnião Ibérica
União Ibérica
 
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptxResumo aula 19 Absolutismo.pptx
Resumo aula 19 Absolutismo.pptx
 
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
# RESUMO PPT - A Disputa Mares e a Afirmação Capitalismo Comercial.pdf
 
Historia vol2
Historia vol2Historia vol2
Historia vol2
 
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
Quem manda-agora-sao-os-reis (1)
 
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugal
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugalSaraiva, josé hermano. história consisa de portugal
Saraiva, josé hermano. história consisa de portugal
 
Revisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_anoRevisão per. transição-2°_ano
Revisão per. transição-2°_ano
 
União ibérica
União ibéricaUnião ibérica
União ibérica
 
Absolutismo europeu
Absolutismo europeuAbsolutismo europeu
Absolutismo europeu
 
Monarquias nacionais
Monarquias nacionaisMonarquias nacionais
Monarquias nacionais
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptxCOMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
COMANDO DA MADRUGADA 2 HISTÓRIA DO BRASIL.pptx
 
Preparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédiaPreparação para a prova intermédia
Preparação para a prova intermédia
 
Fortalecimento poder reis
Fortalecimento poder reisFortalecimento poder reis
Fortalecimento poder reis
 

Expansão marítima e comercial absolutismo-mercantilismo

  • 1. EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL SÉC. XV Profª: Daniela Torres
  • 5. FORMAÇÃO DE PORTUGAL Portugal foi governado por mais de 200 anos pelos reis da dinastia de Borgonha; no reinado de D. Dinis (1279-1325) iniciou-se um período de organização interna do país. Em 1383, com a morte do Rei D. Fernando, que não deixou um sucessor do sexo masculino, a dinastia de Borgonha chegou ao final. A rainha, D. Leonor Teles, assumiu o poder como regente e estava disposta a entregar o trono português a sua filha Beatriz, casada com o rei de Castela. Assim, apoiado por comerciantes e banqueiros, D. João, filho bastardo de D. Fernando, saiu-se vitorioso, preservando a independência política de Portugal, dando início à Dinastia de Avis. Esse evento ficou conhecido como Revolução de Avis.
  • 6. MOTIVOS PARA A EXPANSÃO: Conquista de CONSTANTINOPLA (1453) Necessidade de NOVOS MERCADOS Falta de METAIS PRECIOSOS INTERESSE dos Estados nacionais Propagação da FÉ CRISTÃ AMBIÇÃO material PROGRESSO tecnológico
  • 8. PIONEIRISMO PORTUGUÊS Centralização administrativa Mercantilismo Ausência de Guerras Escola de Sagres Posição Geográfica Favorável
  • 9. PORTUGUESES CHEGARAM À ÍNDIA Em 1498, Vasco da Gama chega às Índias e retorna em 1499, com um carregamento que superou em 60 vezes o custo da expedição.
  • 10. Em 9 de março de 1500, Pedro Álvares Cabral partiu de Lisboa com destino à Calicute (Índia) com uma tripulação de 1500 pessoas. Acabou “descobrindo” o Brasil em 22 de abril de 1500. PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL
  • 11. Carta de Pero Vaz DE Caminha “ Esta terra, senhor, é muito chã e muito formosa. Nela até agora não podemos saber se haja ouro, nem prata, nem nenhuma coisa de metal...; porém a terra em si é de muito bons ares; as águas são muitas, infindas; em tal maneira é graciosa, que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto, que nela se pode fazer, me parece que será salvar esta gente...”
  • 14. ESPANHA A Espanha se atrasou no processo de Expansão Marítima graças a sua Guerra de Reconquista. No mesmo ano da expulsão definitiva dos muçulmanos do último território espanhol ainda ocupado (Granada) Colombo alcança a América .
  • 15. DESCOBRIMENTO DA AMÉRICA Com três caravelas (Santa Maria, Pinta e Nina) concedidas pelos reis espanhóis, Colombo e sua tripulação partiram do porto de Palos em 3 de agosto de 1492 . Em 12 de outubro, chegaram à América, mas pensavam ter alcançado a Índia. Por isso, os habitantes da nova terra foram chamados de índios.
  • 18. INGLESES, FRANCESES E ESPANHÓIS Tentando descobrir novos caminhos para as Índias esses países procuravam uma passagem noroeste para a Ásia. Não acharam a “tal passagem” e dedicaram-se a ocupar e explorar as terras da América do Norte, além de praticarem pirataria, inclusive com a ajuda dos corsários.
  • 19. MERCANTILISMO ATENÇÃO Poderíamos conceituar mercantilismo, como política econômica do Estado Absolutista ou doutrina econômica estabelecida pelos países da Europa nos séculos XVI e XVII (16 e 17). Mas, quando estamos estudando para o vestibular o conceito é o que menos interessa .
  • 20.  
  • 21. SE LIGUE NO MERCANTILISMO. As formas de mercantilismo: Mercantilismo metalístico ou bulionista, a Espanha viveu essa experiência. Mercantilismo industrial - a França é o seu melhor representante; também chamado de Golbertismo. Mercantilismo comercial, tendo a Inglaterra seu expoente. Mercantilismo industrial e comercial- experiência Holandesa . Mercantilismo de plantagem- experiência Portuguesa baseada na produção tropical.
  • 22. CARACTERÍSTICAS DO MERCANTILISMO É a sua engrenagem, seu funcionamento, que você não deve esquecer. É assim que aparece nas questões de vestibular: balança comercial favorável, protecionismo, monopólio e o intervencionismo estatal ; não esquecer que no mercantilismo o ESTADO controla a economia. A ocupação portuguesa estruturou-se nos termos da política econômica mercantilista.
  • 23. O mercantilismo não foi um sistema econômico e, portanto, não pode ser considerado um modo de produção, terminologia que se aplica ao feudalismo. O mercantilismo é a lógica econômica da transição do feudalismo para o capitalismo.
  • 24. TRATADOS E LIMITES E EXPANSÃO PORTUGUESA Portugal depois do domínio espanhol. Depois de 60 anos os espanhóis deixaram o reino português uma herança desastrosa. Portugal passou a ser dependente da economia inglesa; isso se agravou a partir de 1642 quando o país concede à Inglaterra o tratamento de nação mais favorecida. o Tratado de Methuen estabelecia a redução de impostos sobre os vinhos portugueses e sobre os tecidos ingleses, conhecidos também como Tratado de Panos e Vinhos.
  • 25. ABSOLUTISMO Fundi-se com o mercantilismo, é normal encontrarmos uma fusão entre eles. Podemos aplicar um conceito de mercantilismo: como política econômica do absolutismo , ou ABSOLUTISMO, como doutrina política da economia mercantil. Veja os exemplos nas características do mercantilismo: O intervencionismo estatal, o estado e o rei são praticamente as mesmas coisas; o monopólio que é concedido pelo rei.
  • 26.  
  • 27. Tem o seu principal expoente Luis XVI, “o Estado sou eu ou o Estado é meu”. O rei era o dono da vida e da morte na sociedade francesa, ocupante dos cargos mais importante de seu governo. O rei acumulava funções como: Chefe Supremo do Exército, O supremo mandatário do Tribunal de Justiça.
  • 28. Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre. Esta tinha pouco poder político para exigir ou negociar. Os reis usavam a força e a violência de seus exércitos para reprimir, prender ou até mesmo matar qualquer pessoa que fosse contrária aos interesses ou leis definidas pelos monarcas.
  • 29. Exemplos de alguns reis deste período : Henrique VIII - Dinastia Tudor : governou a Inglaterra no século XVII Elizabeth I - Dinastia Stuart - rainha da Inglaterra no século XVII Luis XIV - Dinastia dos Bourbons - conhecido como Rei Sol - governou a França entre 1643 e 1715. Fernando e Isabel - governaram a Espanha no século XVI.
  • 30. ETAPAS DE FORMAÇÃO DO ABSOLUTISMO Insurreições camponesas – enfraquecem a nobreza. Insurreições urbanas – reduz o poder da nobreza e corrompe a burguesia. Desenvolvimento do comércio – Gera a centralização do poder nas mãos do Rei. Guerras – Exigiram disciplina e comando centralizado.
  • 31. EVOLUÇÃO DO ABSOLUTISMO Expansão marítima e desenvolvimento do comércio internacional. Reforma Protestante. Exploração das colônias
  • 32. Maquiavel - escreveu a obra: O príncipe, nele o autor reconhece que o chefe de estado pode tudo para se manter no poder ( os fins justificam o meio). Jacques Bossuet - escreveu a origem da sagrada escritura, nela o rei tem a autoridade dada por Deus Thomas Hobbes – escreveu Leviatã, a obra define a sociedade como um caos, e para regular,administrar esse “ monstro”, o rei aparece com todas suas potencialidades. AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
  • 33. Jean Bodin - autor de “A República” defende a idéia da soberania não partilhada. Para ele o poder também emana de Deus e o príncipe tem o poder de legislar sem precisar do consentimento de quem quer que seja. Hugo Grotius - defende o governo despótico, o poder ilimitado do estado, afirmando que sem ele estabeleceria o caos e a turbulência política. AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
  • 34. Não podemos esquecer que: O governo absolutista interferia muito na economia dos países. O objetivo principal destes governos era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico, através do acúmulo de riquezas. Quanto maior a quantidade de riquezas dentro de um reino, maior seria seu prestígio, poder e respeito internacional.  Podemos citar como principais características do sistema econômico mercantilista: Metalismo, Industrialização, Protecionismo Alfandegário, Pacto Colonial, Balança Comercial Favorável.