SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

Questão 1
Um lote de prata 950 estava sob suspeita de contaminação. Desta forma, um químico retirou uma amostra
de 10 g para análise da porcentagem de prata. A amostra foi tratada com solução aquosa de ácido nítrico,
de modo a transformar toda a prata presente em íons Ag +(aq). Em seguida, foi adicionado excesso de
cloreto (Cℓ–) para precipitar o Ag+(aq) na forma de cloreto de prata, AgCℓ(s), conforme equação:
Ag+(aq) + Cℓ–(aq) → AgCℓ(s)
Sendo a massa de cloreto de prata (AgCℓ) igual a 2,87 g, após filtração e secagem, o químico concluiu
que a porcentagem de prata era de;
a) 10%.
b) 22%.
c) 48%.
d) 75%.
e) 99%.
Questão 2
A pirolusita, um minério que possui o dióxido de manganês (MnO2) como principal componente, é
utilizado para obtenção do metal manganês (Mn), muito utilizado em diversos tipos de aços resistentes.
Para se obter o manganês metálico com elevada pureza, utiliza-se a aluminotermia, processo no qual o
óxido reage com o alumínio metálico, segundo a equação:
3 MnO2(s) + 4 Al(s) → 2 Al2O3(s) + 3 Mn(s)
Considerando que determinado lote de pirolusita apresenta teor de 80% de dióxido de manganês (MnO 2),
a massa mínima deste minério necessária para se obter 1,10 t de manganês metálico é:
a)
b)
c)
d)
e)

1,09 t.
1,39 t.
1,74 t.
2,18 t.
2,61 t.

Questão 03
A bauxita é um minério de alumínio que apresenta alto teor de óxido de alumínio, além de impurezas de
óxidos de ferro (responsáveis pela tonalidade avermelhada do mineral) e óxidos de silício. A bauxita é
purificada, obtendo-se a alumina (Aℓ2O3) de alto teor de pureza que, posteriormente, por eletrólise ígnea
resulta no metal alumínio, representada pela equação abaixo;
2 Aℓ2O3  4 Aℓ + 3 O2
A partir de 5,00 t de bauxita com grau de pureza em alumina de 81,6%, é possível produzir;
a)
b)
c)
d)
e)

2,16 t de alumínio
0,04 t de alumínio
2,65 t de alumínio
1,08 t de alumínio
4,32 t de alumínio

Questão 04
O gás cloro, descoberto em 1774 pelo sueco Carl Wilhelm Scheele, pode ser obtido através de eletrólise
da solução aquosa de cloreto de sódio cuja reação global ocorre de acordo com a equação:
2 NaCℓ (aq) + 2 H2O(ℓ) → 2 NaOH(ℓ) + H2(g) + Cℓ2(g)

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

1
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

Considerando que a solução de sal apresenta 45% em massa de NaCℓ, a partir de cada 100 kg da
mencionada solução, as massas de hidróxido de sódio (NaOH) e cloro obtidas serão, aproximadamente,
a)
b)
c)
d)
e)

36,00 kg e 31,95 kg.
36,00 kg e 63,00 kg.
30,77 kg e 27,30 kg.
30,77 kg e 54,60 kg.
36,00 kg e 27,30 kg

Questão 05
A análise de combustíveis é fundamental para redução na adulteração nos postos, que prejudica o
funcionamento de veículos. Um dos métodos de análise para o etanol combustível, além do densímetro, é
a sua combustão. Para se conhecer a pureza do etanol (C2H5OH), queima-se uma determinada massa
desta substância e mede-se o volume de gás carbônico produzido. Supondo que a queima de 92 g do
combustível gerou 73,4 L de dióxido de carbono (CO2) nas condições normais de temperatura e pressão,
admitindo combustão completa e que as impurezas não produzam CO2, a pureza desse álcool, em % v/v,
é aproximadamente:
a)
b)
c)
d)
e)

41
94
82
98
100

Questão 06
O carbonato de cálcio (CaCO3), quando sofre reação de decomposição, forma óxido de cálcio (CaO) e gás
carbônico (CO2). Com o objetivo de determinar a pureza de um carregamento de CaCO 3, adquirido para
uso industrial, uma amostra de 5,00 gramas do produto foi coletada e após ser submetida à decomposição
térmica total produziu 2,24 gramas de CaO.
Qual é o grau de pureza da amostra?
a)
b)
c)
d)
e)

80%
20%
22,4%
44,8%
56 %

Questão 7
O calcário encontrado na natureza é o carbonato de cálcio impuro e constitui importante matéria-prima
para obtenção de cal viva. Ao determinar a massa de carbonato de cálcio presente em uma amostra de
calcário, verificou-se que o grau de pureza da amostra de calcário era de 80% de carbonato de cálcio.
Ao submeter 200 g de amostra de calcário à decomposição por aquecimento, a massa de óxido de cálcio
produzida será de;
CaCO3(s) → CaO(s) + CO2(g)
a)

223,2 g

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

2
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

b)
c)
d)
e)

112 g
89,6 g
156 g
179,2 g

Questão 8
A geração de lixo é inerente à nossa existência, mas a destinação do lixo deve ser motivo de preocupação
de todos. Uma forma de diminuir a grande produção de lixo é aplicar os três R (Reduzir, Reutilizar e
Reciclar). Dentro dessa premissa, o Brasil lidera a reciclagem do alumínio, permitindo economia de 95%
no consumo de energia e redução na extração da bauxita (minério do qual se extrai o óxido de alumínio),
já que para cada kg de alumínio (Aℓ) são necessários 5 kg de bauxita. A porcentagem do óxido de
alumínio (Aℓ2O3) extraído da bauxita para produção de alumínio é aproximadamente igual a
2 Aℓ2O3 4 Aℓ + 3 O2
a)
b)
c)
d)
e)

20,0%.
25,0%.
37,8%.
42,7%.
52,9%.

Questão 9
Foi divulgado nos jornais de São Paulo um acidente envolvendo o tombamento de um caminhão tanque
que transportava 20 toneladas (2.107 gramas) de ácido sulfúrico (H2SO4). Uma equipe de atendimento de
acidentes usou cal viva (CaO) para neutralizar o ácido. Admitindo-se que o H2SO4 tem uma pureza de
98%, a massa mínima necessária para a neutralização total do ácido derramado é:
1 H2SO4 + 1 CaO 1 CaSO4 + 1 H2O
a)
b)
c)
d)
e)

19,6 t
7,2 t
14,4 t
2,8 t
11,2 t

Questão 10
O acetileno (C2H2), gás utilizado em maçaricos, pode ser obtido a partir do carbeto de cálcio (carbureto –
CaC2) conforme a reação abaixo, Utilizando-se 1 kg de carbureto com 36 % de impurezas, qual será o
volume, em litros, de acetileno obtido nas CNTP.
CaC2 + 2 H2O Ca(OH)2 + C2H2
a)
b)
c)
d)
e)

22,4 L
224 L
44,8 L
448 L
67,2 L

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

3
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

Questão 11

Uma indústria adquire hidróxido de sódio impuro como matéria prima para o seu processo. Segundo as
normas da empresa, devem ser recusadas as remessas com teor de NaOH inferior a 80%. Três amostras
designadas por I, II e III, contendo cada uma 5 gramas do produto são analisadas com H2SO4, sendo as
massas de ácido consumidas na neutralização, respectivamente:

Amostra

H2SO4 em g

I

4,90 g

II

4,63 g

III

4,52g

A reação de neutralização completa do hidróxido de sódio com ácido sulfúrico encontra-se representada
abaixo:
2 NaOH +1 H2SO4  1 Na2SO4 + 2 H2O
Com base nos resultados analíticos acima, qual(is) amostra(s) foi(foram) aprovada(s)?
a)

I

b) II
c)

III

d) I e II
e)

II e III

Questão 12

A reação de calcinação do calcário é basicamente a decomposição do carbonato de cálcio para a formação
de óxido de cálcio e gás carbônico. A composição do calcário depende do tipo de composição geológica
do local em que se encontra a mina, mas, basicamente, para se obter óxido de cálcio em quantidade
suficiente para produção comercial é necessário um minério com pelo menos 85 % em carbonato de
cálcio.
CaCO3(s) → CaO(s) + CO2(g)
Considerando-se que a reação de calcinação de um calcário com esta composição em carbonato de cálcio,
calcular a massa (aproximada) de calcário necessário para se obter 5,6 toneladas de óxido de cálcio.
a) 11,80 t

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

4
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

b) 5,40 t
c)

23,60 t

d) 2,70 t
e)

17,20 t

Questão 13
O medicamento “Leite de Magnésia” é uma suspensão de hidróxido de magnésio. Esse medicamento é
utilizado para combater a acidez estomacal provocada pelo ácido clorídrico, encontrado no estômago.
Sabe-se que, quando utilizarmos 12,2g desse medicamento, neutraliza-se certa quantidade do ácido
clorídrico, produzindo 16g de cloreto de magnésio.
2 HCℓ + 1 Mg(OH)2  1 MgCℓ2 + 2 H2O
O grau de pureza desse medicamento, em termos do hidróxido de magnésio, é igual a:
a) 90%.
b) 80%.
c) 60%.
d) 40%.
e) 30%.

Questão 14
“O químico francês Antoine Laurent de Lavoisier ficaria surpreso se conhecesse o município de Resende,
a 160 km do Rio. É lá, às margens da Via Dutra, que moradores, empresários e o poder público seguem à
risca a máxima do cientista que revolucionou o século XVIII ao provar que, na natureza, tudo se
transforma. Graças a uma campanha que já reúne boa parte da população, Resende é forte concorrente ao
título de capital nacional da reciclagem. Ao mesmo tempo em que diminui a quantidade de lixo jogado no
aterro sanitário, a comunidade faz virar sucata objeto de consumo. Nada se perde.”
Assim, com base na equação:
2 Aℓ2O3 (s) 4 Aℓ (s) + 3 O2 (g)
e supondo-se um rendimento de 100% no processo, a massa de alumínio que pode ser obtida na
reciclagem de 255 kg de sucata contendo 80% de Aℓ2O3 em massa é:
a) 540 kg.
b) 270 kg.
c) 135 kg.
d) 108 kg.
e) 96 kg.

Questão 15

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

5
ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA!

O clorato de potássio, KCℓO3, é uma substância bastante utilizada nos laboratórios didáticos para
obtenção de gás oxigênio, a partir da sua decomposição térmica, gerando ainda como resíduo sólido o
cloreto de potássio. Uma amostra de 12,26 g de uma mistura de sais de clorato e cloreto de potássio foi
aquecida obtendo-se 9,86 g de resíduo sólido (KCℓ).
KCℓO3 → KCℓ + 3/2 O2
Considerando-se que todo o clorato de potássio contido na amostra de mistura de sais foi decomposto,
então a porcentagem em massa de KCℓO3 na amostra era inicialmente igual a
a)

20%.

b) 40%.
c)

50%.

d) 60%.
e)

80%.

Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica

6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
Rodrigo Sampaio
 
Revisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 anoRevisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 ano
Rodrigo Sampaio
 
mol, massa molar,etc
mol, massa molar,etcmol, massa molar,etc
mol, massa molar,etc
Fábio Oisiovici
 
Lista 2 recuperacao
Lista 2   recuperacaoLista 2   recuperacao
Lista 2 recuperacao
Rodrigo Sampaio
 
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEMELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
Fábio Oisiovici
 
Revisão de mol 3 ano solução
Revisão de mol 3 ano   soluçãoRevisão de mol 3 ano   solução
Revisão de mol 3 ano solução
Rodrigo Sampaio
 
cáculos com mol
cáculos com molcáculos com mol
cáculos com mol
Fábio Oisiovici
 
Lista de Exercícios: Solucões
Lista de Exercícios: SolucõesLista de Exercícios: Solucões
Lista de Exercícios: Solucões
Hebertty Dantas
 
Entalpia de formaçao combustao 3 questoes
Entalpia de formaçao combustao 3 questoesEntalpia de formaçao combustao 3 questoes
Entalpia de formaçao combustao 3 questoes
Rodrigo Sampaio
 
Eletrolise exercícios
Eletrolise exercíciosEletrolise exercícios
Eletrolise exercícios
Fábio Oisiovici
 
Termoquimicaparte01 supermed
Termoquimicaparte01 supermedTermoquimicaparte01 supermed
Termoquimicaparte01 supermed
Fábio Oisiovici
 
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEMEQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
Fábio Oisiovici
 
Quim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostosQuim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostos
Fábio Oisiovici
 
Atividade Cálculos estequiométricos
Atividade Cálculos estequiométricosAtividade Cálculos estequiométricos
Atividade Cálculos estequiométricos
Escola Pública/Particular
 
revisão enem radioatividade
revisão enem radioatividaderevisão enem radioatividade
revisão enem radioatividade
Fábio Oisiovici
 
Progressão Parcial 3º Ano
Progressão Parcial 3º AnoProgressão Parcial 3º Ano
Progressão Parcial 3º Ano
Escola Pública/Particular
 
pH e pOH_Martha Reis
pH e pOH_Martha ReispH e pOH_Martha Reis
pH e pOH_Martha Reis
Escola Pública/Particular
 
Radioatividade - Exerícicios
Radioatividade - ExeríciciosRadioatividade - Exerícicios
Radioatividade - Exerícicios
Rodrigo Sampaio
 
Questões revisão - Prova
Questões revisão - ProvaQuestões revisão - Prova
Questões revisão - Prova
Rodrigo Sampaio
 

Mais procurados (19)

Cinética química
Cinética químicaCinética química
Cinética química
 
Revisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 anoRevisão de mol 3 ano
Revisão de mol 3 ano
 
mol, massa molar,etc
mol, massa molar,etcmol, massa molar,etc
mol, massa molar,etc
 
Lista 2 recuperacao
Lista 2   recuperacaoLista 2   recuperacao
Lista 2 recuperacao
 
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEMELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
ELETROQUIMICA REVISÃO ENEM
 
Revisão de mol 3 ano solução
Revisão de mol 3 ano   soluçãoRevisão de mol 3 ano   solução
Revisão de mol 3 ano solução
 
cáculos com mol
cáculos com molcáculos com mol
cáculos com mol
 
Lista de Exercícios: Solucões
Lista de Exercícios: SolucõesLista de Exercícios: Solucões
Lista de Exercícios: Solucões
 
Entalpia de formaçao combustao 3 questoes
Entalpia de formaçao combustao 3 questoesEntalpia de formaçao combustao 3 questoes
Entalpia de formaçao combustao 3 questoes
 
Eletrolise exercícios
Eletrolise exercíciosEletrolise exercícios
Eletrolise exercícios
 
Termoquimicaparte01 supermed
Termoquimicaparte01 supermedTermoquimicaparte01 supermed
Termoquimicaparte01 supermed
 
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEMEQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
EQUILÍBRIO REVISÃO ENEM
 
Quim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostosQuim04 livro-propostos
Quim04 livro-propostos
 
Atividade Cálculos estequiométricos
Atividade Cálculos estequiométricosAtividade Cálculos estequiométricos
Atividade Cálculos estequiométricos
 
revisão enem radioatividade
revisão enem radioatividaderevisão enem radioatividade
revisão enem radioatividade
 
Progressão Parcial 3º Ano
Progressão Parcial 3º AnoProgressão Parcial 3º Ano
Progressão Parcial 3º Ano
 
pH e pOH_Martha Reis
pH e pOH_Martha ReispH e pOH_Martha Reis
pH e pOH_Martha Reis
 
Radioatividade - Exerícicios
Radioatividade - ExeríciciosRadioatividade - Exerícicios
Radioatividade - Exerícicios
 
Questões revisão - Prova
Questões revisão - ProvaQuestões revisão - Prova
Questões revisão - Prova
 

Destaque

Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Rodrigo Sampaio
 
Revisão prova 1 unidade 1 ano
Revisão prova 1 unidade 1 anoRevisão prova 1 unidade 1 ano
Revisão prova 1 unidade 1 ano
Rodrigo Sampaio
 
Bioquimica revisão
Bioquimica revisãoBioquimica revisão
Bioquimica revisão
Rodrigo Sampaio
 
Lista de exercícios - cálculo estequiométrico
Lista de exercícios - cálculo estequiométricoLista de exercícios - cálculo estequiométrico
Lista de exercícios - cálculo estequiométrico
semestraltardetotem
 
Termoquímica ex da aula parte I
Termoquímica ex da aula parte ITermoquímica ex da aula parte I
Termoquímica ex da aula parte I
Rodrigo Sampaio
 
Revisao vieira
Revisao vieiraRevisao vieira
Revisao vieira
Rodrigo Sampaio
 
Resumo separação de misturas heterogêneas
Resumo separação de misturas heterogêneasResumo separação de misturas heterogêneas
Resumo separação de misturas heterogêneas
Rodrigo Sampaio
 
Estequiometria simples
Estequiometria simplesEstequiometria simples
Estequiometria simples
Rodrigo Sampaio
 
Passo a passo ftool
Passo a passo ftoolPasso a passo ftool
Passo a passo ftool
Rodrigo Sampaio
 
Modelo artigo para Maratona Científica
Modelo artigo para Maratona CientíficaModelo artigo para Maratona Científica
Modelo artigo para Maratona Científica
Rodrigo Sampaio
 
Modelo de anteprojeto cultural
Modelo de anteprojeto culturalModelo de anteprojeto cultural
Modelo de anteprojeto cultural
Rodrigo Sampaio
 
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
Rodrigo Sampaio
 
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
Rodrigo Sampaio
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Rodrigo Sampaio
 
Lista equilíbrio
Lista equilíbrioLista equilíbrio
Lista equilíbrio
Rodrigo Sampaio
 
Quimica 002 estequiometria
Quimica  002 estequiometriaQuimica  002 estequiometria
Quimica 002 estequiometria
con_seguir
 

Destaque (16)

Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKSModelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
Modelo analise _ MARATONA CIENTÍFICA QUARKS
 
Revisão prova 1 unidade 1 ano
Revisão prova 1 unidade 1 anoRevisão prova 1 unidade 1 ano
Revisão prova 1 unidade 1 ano
 
Bioquimica revisão
Bioquimica revisãoBioquimica revisão
Bioquimica revisão
 
Lista de exercícios - cálculo estequiométrico
Lista de exercícios - cálculo estequiométricoLista de exercícios - cálculo estequiométrico
Lista de exercícios - cálculo estequiométrico
 
Termoquímica ex da aula parte I
Termoquímica ex da aula parte ITermoquímica ex da aula parte I
Termoquímica ex da aula parte I
 
Revisao vieira
Revisao vieiraRevisao vieira
Revisao vieira
 
Resumo separação de misturas heterogêneas
Resumo separação de misturas heterogêneasResumo separação de misturas heterogêneas
Resumo separação de misturas heterogêneas
 
Estequiometria simples
Estequiometria simplesEstequiometria simples
Estequiometria simples
 
Passo a passo ftool
Passo a passo ftoolPasso a passo ftool
Passo a passo ftool
 
Modelo artigo para Maratona Científica
Modelo artigo para Maratona CientíficaModelo artigo para Maratona Científica
Modelo artigo para Maratona Científica
 
Modelo de anteprojeto cultural
Modelo de anteprojeto culturalModelo de anteprojeto cultural
Modelo de anteprojeto cultural
 
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
Treinamento Balanceamento pelo método da tentativa
 
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
Lista geometria polaridade TERCEIRÃO SARTRE
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Lista equilíbrio
Lista equilíbrioLista equilíbrio
Lista equilíbrio
 
Quimica 002 estequiometria
Quimica  002 estequiometriaQuimica  002 estequiometria
Quimica 002 estequiometria
 

Semelhante a Estequiometria pureza e impureza

Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
Aninha Felix Vieira Dias
 
Cálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricosCálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricos
Rogeria Gregio
 
Lista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
Lista de exercícios IV Cálculos EstequiométricosLista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
Lista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
Carlos Priante
 
Lista 5 estequiometria
Lista 5   estequiometriaLista 5   estequiometria
Lista 5 estequiometria
Colegio CMC
 
Cálculos estequiométricos - Exercícios.
Cálculos estequiométricos - Exercícios.Cálculos estequiométricos - Exercícios.
Cálculos estequiométricos - Exercícios.
Mara Farias
 
Cálculos químicos
Cálculos químicosCálculos químicos
Cálculos químicos
Kaleb Reis
 
Lista 50 estequiometria
Lista 50   estequiometriaLista 50   estequiometria
Lista 50 estequiometria
Colegio CMC
 
Cálculo Ezquiziométrico
 Cálculo Ezquiziométrico Cálculo Ezquiziométrico
Cálculo Ezquiziométrico
Captando
 
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdfATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
Escola Pública/Particular
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
Concurseiro De Plantão
 
1 ficha qumica
1 ficha qumica1 ficha qumica
1 ficha qumica
anacdalves
 
Psa 17 cálculos estequimétricos
Psa 17   cálculos estequimétricosPsa 17   cálculos estequimétricos
Psa 17 cálculos estequimétricos
Fisica-Quimica
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
Hugo Cruz Rangel
 
2016 aulas 6 a 9 - progressao ext noite
2016   aulas 6 a 9 - progressao ext noite2016   aulas 6 a 9 - progressao ext noite
2016 aulas 6 a 9 - progressao ext noite
paulomigoto
 
Lista 9 2014
Lista 9   2014Lista 9   2014
Lista 9 2014
profNICODEMOS
 
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
Maiquel Vieira
 
Estequiometria enem
Estequiometria enemEstequiometria enem
Estequiometria enem
Escola Pública/Particular
 
Leis ponderais 2
Leis ponderais 2Leis ponderais 2
Leis ponderais 2
Charles Qmc
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométrico
Colegio CMC
 
Exercicio de estequiometria
Exercicio de estequiometriaExercicio de estequiometria
Exercicio de estequiometria
Estude Mais
 

Semelhante a Estequiometria pureza e impureza (20)

Estequiometria
EstequiometriaEstequiometria
Estequiometria
 
Cálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricosCálculo estequiométricos
Cálculo estequiométricos
 
Lista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
Lista de exercícios IV Cálculos EstequiométricosLista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
Lista de exercícios IV Cálculos Estequiométricos
 
Lista 5 estequiometria
Lista 5   estequiometriaLista 5   estequiometria
Lista 5 estequiometria
 
Cálculos estequiométricos - Exercícios.
Cálculos estequiométricos - Exercícios.Cálculos estequiométricos - Exercícios.
Cálculos estequiométricos - Exercícios.
 
Cálculos químicos
Cálculos químicosCálculos químicos
Cálculos químicos
 
Lista 50 estequiometria
Lista 50   estequiometriaLista 50   estequiometria
Lista 50 estequiometria
 
Cálculo Ezquiziométrico
 Cálculo Ezquiziométrico Cálculo Ezquiziométrico
Cálculo Ezquiziométrico
 
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdfATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
ATIVIDADE ESTEQUIOMETRIA.pdf
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
 
1 ficha qumica
1 ficha qumica1 ficha qumica
1 ficha qumica
 
Psa 17 cálculos estequimétricos
Psa 17   cálculos estequimétricosPsa 17   cálculos estequimétricos
Psa 17 cálculos estequimétricos
 
Calculo estequiometrico
Calculo estequiometricoCalculo estequiometrico
Calculo estequiometrico
 
2016 aulas 6 a 9 - progressao ext noite
2016   aulas 6 a 9 - progressao ext noite2016   aulas 6 a 9 - progressao ext noite
2016 aulas 6 a 9 - progressao ext noite
 
Lista 9 2014
Lista 9   2014Lista 9   2014
Lista 9 2014
 
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
Exercícios Enem Química - Treinamento aulas 7, 8 e 9
 
Estequiometria enem
Estequiometria enemEstequiometria enem
Estequiometria enem
 
Leis ponderais 2
Leis ponderais 2Leis ponderais 2
Leis ponderais 2
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométrico
 
Exercicio de estequiometria
Exercicio de estequiometriaExercicio de estequiometria
Exercicio de estequiometria
 

Mais de Rodrigo Sampaio

Gases ideais - Questões com gabarito
Gases ideais - Questões com gabaritoGases ideais - Questões com gabarito
Gases ideais - Questões com gabarito
Rodrigo Sampaio
 
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemasConceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
Rodrigo Sampaio
 
Expressoes de concentração
Expressoes de concentraçãoExpressoes de concentração
Expressoes de concentração
Rodrigo Sampaio
 
lista de questões - Volta são joão - COC
lista de questões - Volta são joão - COClista de questões - Volta são joão - COC
lista de questões - Volta são joão - COC
Rodrigo Sampaio
 
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARESREVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
Rodrigo Sampaio
 
Cinética química questoes
Cinética química questoesCinética química questoes
Cinética química questoes
Rodrigo Sampaio
 

Mais de Rodrigo Sampaio (6)

Gases ideais - Questões com gabarito
Gases ideais - Questões com gabaritoGases ideais - Questões com gabarito
Gases ideais - Questões com gabarito
 
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemasConceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
Conceitos básicos de química - estados, mudanças, fenômenos e sistemas
 
Expressoes de concentração
Expressoes de concentraçãoExpressoes de concentração
Expressoes de concentração
 
lista de questões - Volta são joão - COC
lista de questões - Volta são joão - COClista de questões - Volta são joão - COC
lista de questões - Volta são joão - COC
 
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARESREVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
REVISÃO COC POLARIDADE E FORÇAS INTERMOLECULARES
 
Cinética química questoes
Cinética química questoesCinética química questoes
Cinética química questoes
 

Último

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Estequiometria pureza e impureza

  • 1. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! Questão 1 Um lote de prata 950 estava sob suspeita de contaminação. Desta forma, um químico retirou uma amostra de 10 g para análise da porcentagem de prata. A amostra foi tratada com solução aquosa de ácido nítrico, de modo a transformar toda a prata presente em íons Ag +(aq). Em seguida, foi adicionado excesso de cloreto (Cℓ–) para precipitar o Ag+(aq) na forma de cloreto de prata, AgCℓ(s), conforme equação: Ag+(aq) + Cℓ–(aq) → AgCℓ(s) Sendo a massa de cloreto de prata (AgCℓ) igual a 2,87 g, após filtração e secagem, o químico concluiu que a porcentagem de prata era de; a) 10%. b) 22%. c) 48%. d) 75%. e) 99%. Questão 2 A pirolusita, um minério que possui o dióxido de manganês (MnO2) como principal componente, é utilizado para obtenção do metal manganês (Mn), muito utilizado em diversos tipos de aços resistentes. Para se obter o manganês metálico com elevada pureza, utiliza-se a aluminotermia, processo no qual o óxido reage com o alumínio metálico, segundo a equação: 3 MnO2(s) + 4 Al(s) → 2 Al2O3(s) + 3 Mn(s) Considerando que determinado lote de pirolusita apresenta teor de 80% de dióxido de manganês (MnO 2), a massa mínima deste minério necessária para se obter 1,10 t de manganês metálico é: a) b) c) d) e) 1,09 t. 1,39 t. 1,74 t. 2,18 t. 2,61 t. Questão 03 A bauxita é um minério de alumínio que apresenta alto teor de óxido de alumínio, além de impurezas de óxidos de ferro (responsáveis pela tonalidade avermelhada do mineral) e óxidos de silício. A bauxita é purificada, obtendo-se a alumina (Aℓ2O3) de alto teor de pureza que, posteriormente, por eletrólise ígnea resulta no metal alumínio, representada pela equação abaixo; 2 Aℓ2O3  4 Aℓ + 3 O2 A partir de 5,00 t de bauxita com grau de pureza em alumina de 81,6%, é possível produzir; a) b) c) d) e) 2,16 t de alumínio 0,04 t de alumínio 2,65 t de alumínio 1,08 t de alumínio 4,32 t de alumínio Questão 04 O gás cloro, descoberto em 1774 pelo sueco Carl Wilhelm Scheele, pode ser obtido através de eletrólise da solução aquosa de cloreto de sódio cuja reação global ocorre de acordo com a equação: 2 NaCℓ (aq) + 2 H2O(ℓ) → 2 NaOH(ℓ) + H2(g) + Cℓ2(g) Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 1
  • 2. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! Considerando que a solução de sal apresenta 45% em massa de NaCℓ, a partir de cada 100 kg da mencionada solução, as massas de hidróxido de sódio (NaOH) e cloro obtidas serão, aproximadamente, a) b) c) d) e) 36,00 kg e 31,95 kg. 36,00 kg e 63,00 kg. 30,77 kg e 27,30 kg. 30,77 kg e 54,60 kg. 36,00 kg e 27,30 kg Questão 05 A análise de combustíveis é fundamental para redução na adulteração nos postos, que prejudica o funcionamento de veículos. Um dos métodos de análise para o etanol combustível, além do densímetro, é a sua combustão. Para se conhecer a pureza do etanol (C2H5OH), queima-se uma determinada massa desta substância e mede-se o volume de gás carbônico produzido. Supondo que a queima de 92 g do combustível gerou 73,4 L de dióxido de carbono (CO2) nas condições normais de temperatura e pressão, admitindo combustão completa e que as impurezas não produzam CO2, a pureza desse álcool, em % v/v, é aproximadamente: a) b) c) d) e) 41 94 82 98 100 Questão 06 O carbonato de cálcio (CaCO3), quando sofre reação de decomposição, forma óxido de cálcio (CaO) e gás carbônico (CO2). Com o objetivo de determinar a pureza de um carregamento de CaCO 3, adquirido para uso industrial, uma amostra de 5,00 gramas do produto foi coletada e após ser submetida à decomposição térmica total produziu 2,24 gramas de CaO. Qual é o grau de pureza da amostra? a) b) c) d) e) 80% 20% 22,4% 44,8% 56 % Questão 7 O calcário encontrado na natureza é o carbonato de cálcio impuro e constitui importante matéria-prima para obtenção de cal viva. Ao determinar a massa de carbonato de cálcio presente em uma amostra de calcário, verificou-se que o grau de pureza da amostra de calcário era de 80% de carbonato de cálcio. Ao submeter 200 g de amostra de calcário à decomposição por aquecimento, a massa de óxido de cálcio produzida será de; CaCO3(s) → CaO(s) + CO2(g) a) 223,2 g Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 2
  • 3. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! b) c) d) e) 112 g 89,6 g 156 g 179,2 g Questão 8 A geração de lixo é inerente à nossa existência, mas a destinação do lixo deve ser motivo de preocupação de todos. Uma forma de diminuir a grande produção de lixo é aplicar os três R (Reduzir, Reutilizar e Reciclar). Dentro dessa premissa, o Brasil lidera a reciclagem do alumínio, permitindo economia de 95% no consumo de energia e redução na extração da bauxita (minério do qual se extrai o óxido de alumínio), já que para cada kg de alumínio (Aℓ) são necessários 5 kg de bauxita. A porcentagem do óxido de alumínio (Aℓ2O3) extraído da bauxita para produção de alumínio é aproximadamente igual a 2 Aℓ2O3 4 Aℓ + 3 O2 a) b) c) d) e) 20,0%. 25,0%. 37,8%. 42,7%. 52,9%. Questão 9 Foi divulgado nos jornais de São Paulo um acidente envolvendo o tombamento de um caminhão tanque que transportava 20 toneladas (2.107 gramas) de ácido sulfúrico (H2SO4). Uma equipe de atendimento de acidentes usou cal viva (CaO) para neutralizar o ácido. Admitindo-se que o H2SO4 tem uma pureza de 98%, a massa mínima necessária para a neutralização total do ácido derramado é: 1 H2SO4 + 1 CaO 1 CaSO4 + 1 H2O a) b) c) d) e) 19,6 t 7,2 t 14,4 t 2,8 t 11,2 t Questão 10 O acetileno (C2H2), gás utilizado em maçaricos, pode ser obtido a partir do carbeto de cálcio (carbureto – CaC2) conforme a reação abaixo, Utilizando-se 1 kg de carbureto com 36 % de impurezas, qual será o volume, em litros, de acetileno obtido nas CNTP. CaC2 + 2 H2O Ca(OH)2 + C2H2 a) b) c) d) e) 22,4 L 224 L 44,8 L 448 L 67,2 L Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 3
  • 4. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! Questão 11 Uma indústria adquire hidróxido de sódio impuro como matéria prima para o seu processo. Segundo as normas da empresa, devem ser recusadas as remessas com teor de NaOH inferior a 80%. Três amostras designadas por I, II e III, contendo cada uma 5 gramas do produto são analisadas com H2SO4, sendo as massas de ácido consumidas na neutralização, respectivamente: Amostra H2SO4 em g I 4,90 g II 4,63 g III 4,52g A reação de neutralização completa do hidróxido de sódio com ácido sulfúrico encontra-se representada abaixo: 2 NaOH +1 H2SO4  1 Na2SO4 + 2 H2O Com base nos resultados analíticos acima, qual(is) amostra(s) foi(foram) aprovada(s)? a) I b) II c) III d) I e II e) II e III Questão 12 A reação de calcinação do calcário é basicamente a decomposição do carbonato de cálcio para a formação de óxido de cálcio e gás carbônico. A composição do calcário depende do tipo de composição geológica do local em que se encontra a mina, mas, basicamente, para se obter óxido de cálcio em quantidade suficiente para produção comercial é necessário um minério com pelo menos 85 % em carbonato de cálcio. CaCO3(s) → CaO(s) + CO2(g) Considerando-se que a reação de calcinação de um calcário com esta composição em carbonato de cálcio, calcular a massa (aproximada) de calcário necessário para se obter 5,6 toneladas de óxido de cálcio. a) 11,80 t Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 4
  • 5. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! b) 5,40 t c) 23,60 t d) 2,70 t e) 17,20 t Questão 13 O medicamento “Leite de Magnésia” é uma suspensão de hidróxido de magnésio. Esse medicamento é utilizado para combater a acidez estomacal provocada pelo ácido clorídrico, encontrado no estômago. Sabe-se que, quando utilizarmos 12,2g desse medicamento, neutraliza-se certa quantidade do ácido clorídrico, produzindo 16g de cloreto de magnésio. 2 HCℓ + 1 Mg(OH)2  1 MgCℓ2 + 2 H2O O grau de pureza desse medicamento, em termos do hidróxido de magnésio, é igual a: a) 90%. b) 80%. c) 60%. d) 40%. e) 30%. Questão 14 “O químico francês Antoine Laurent de Lavoisier ficaria surpreso se conhecesse o município de Resende, a 160 km do Rio. É lá, às margens da Via Dutra, que moradores, empresários e o poder público seguem à risca a máxima do cientista que revolucionou o século XVIII ao provar que, na natureza, tudo se transforma. Graças a uma campanha que já reúne boa parte da população, Resende é forte concorrente ao título de capital nacional da reciclagem. Ao mesmo tempo em que diminui a quantidade de lixo jogado no aterro sanitário, a comunidade faz virar sucata objeto de consumo. Nada se perde.” Assim, com base na equação: 2 Aℓ2O3 (s) 4 Aℓ (s) + 3 O2 (g) e supondo-se um rendimento de 100% no processo, a massa de alumínio que pode ser obtida na reciclagem de 255 kg de sucata contendo 80% de Aℓ2O3 em massa é: a) 540 kg. b) 270 kg. c) 135 kg. d) 108 kg. e) 96 kg. Questão 15 Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 5
  • 6. ESTEQUIO. PUREZA E IMPUREZA DE BOA! O clorato de potássio, KCℓO3, é uma substância bastante utilizada nos laboratórios didáticos para obtenção de gás oxigênio, a partir da sua decomposição térmica, gerando ainda como resíduo sólido o cloreto de potássio. Uma amostra de 12,26 g de uma mistura de sais de clorato e cloreto de potássio foi aquecida obtendo-se 9,86 g de resíduo sólido (KCℓ). KCℓO3 → KCℓ + 3/2 O2 Considerando-se que todo o clorato de potássio contido na amostra de mistura de sais foi decomposto, então a porcentagem em massa de KCℓO3 na amostra era inicialmente igual a a) 20%. b) 40%. c) 50%. d) 60%. e) 80%. Prof. Rodriguinho facebook.com/rodriguinhoquimica 6