SlideShare uma empresa Scribd logo
JULIO CESAR S. SANTOS
Professor, Escritor e Palestrante. Colunista de
Vários Jornais no Brasil. Autor de Dez (10) Livros
Sobre Marketing, Estratégias de Vendas, Logística,
Liderança, Gestão Empresarial, Petróleo e Gás.
Por Mais de 25 Anos
Treinou Equipes de
Atendentes, Supervisores
e Gerentes de Vendas, de
Marketing e Administração
em Empresas
Multinacionais de Bens de
Consumo e Serviços
Mestre em Economia
Empresarial, Especialista em
Educação à Distância, Pós-
Graduado em Marketing,
Gestão Empresarial e
Graduado em Administração
de Empresas
A DIDÁTICA do ENSINO SUPERIOR
1. INTRODUÇÃO À REALIDADE DO ENSINO SUPERIOR
2. Perfil do Professor
Universitário
3. A LDB e as Universidades Brasileiras
4. O Que é Didática? 5. O “Aluno Passivo” e a “Escola Nova”
6. Professores Especialistas
e Suas Disciplinas
7. Como Abordar o Processo de Ensino
8. A Tradicional
Abordagem do Ensino
9. Abordagem Comportamentalista (ou Behaviorista)
10. A Abordagem
Humanista
11. A Abordagem
Cognitivista
12. A Abordagem
Sociocultural
INTRODUÇÃOAté o Advento da LDB em l961, o Ensino Superior Estava
Estruturado em Suas Bases Fundamentais, Decorrentes
da Reforma Francisco Campos. Tal Diretriz Ressaltava
Que o Papel da Universidade Não Podia Ser Restrito ao
Aspecto Didático, Mas Deveria Englobar Também o
Aspecto Social
Os objetivos eram muito amplos e otimistas para
uma época em que havia poucas escolas, para
atender uma minoria privilegiada de forma
adequada. A escola de nível superior era
altamente hierarquizada, rígida, elitista e pouco se
comunicava com a sociedade de que fazia parte
Conclui-se Então Que o Ensino Superior Deveria Assumir a Forma de
“Universidade” (Previa a Existência de Pelo Menos 3 Estabelecimentos
de Ensino Superior Para a Constituição de Uma Universidade), Podendo
Ainda Ser Ministrado em Estabelecimentos Isolados
A LDB Confirmou a Possibilidade de o
Ensino Superior Efetivar-se em
Estabelecimentos Isolados, o Que,
Segundo Alguns Autores, Representou
um Retrocesso Para o Desenvolvimento
do Sistema Universitário Brasileiro de
Forma Integrada
Tais Orientações Legais Trouxeram Como Consequência o Fato de Que, Cada Vez
Mais, Escolas Isoladas, Cuja Existência Deveria Ser Transitória, Tornaram-se Regra
Comum Dentro da Nossa Estrutura de Ensino de 3º Grau
Entretanto, Esses Projetos Não Conseguiram Concretizar Seus
Propósitos, de Forma Que o Nosso Ensino de 3º Grau Ainda Manteve a
Sua Característica de Um Aglomerado de Escolas Superiores
Independentes
A DIDÁTICA no ENSINO SUPERIORO termo “Didática” Deriva do Grego
“Didaktiké”, o Qual Tem o Significado de Arte
do Ensinar; ou Seja, a Arte Universal de Ensinar
Tudo a Todos
Nos Dias Atuais, Deparamo-nos Com Muitas
Definições Diferentes de Didática, Mas
Quase Todas Apresentam-se Como Ciência,
Técnica ou Arte de Ensinar
Uma Definição De Um Dicionário a Vê Como
“Parte da Pedagogia Que Trata dos Preceitos
Científicos Que Orientam a Atividade Educativa de
Modo a Torná-la Mais Eficiente”
Para Alguns Autores, Didática Seria o Estudo do Processo de
Ensino-Aprendizagem em Sala de Aula e de Seus Resultados
Até o Final do Século XIX, a Didática Se Baseou
Quase Que Exclusivamente na Filosofia e, a
Partir do Final do Século XIX, a Didática Passou
a Buscar Fundamentos Também Nas Ciências,
Especialmente na Biologia e na Psicologia,
Graças às Pesquisas de Cunho Experimental
Mas, no Início do Século XX Surgiram Numerosos
Movimentos de Reforma Escolar na Europa e Na América
Esses Movimentos Reconheciam a Insuficiência da Didática Tradicional
e Aspiravam a Uma Educação Que Levasse Mais em Conta os Aspectos
Psicológicos Envolvidos no Processo de Ensino
Costuma-se Denominar Essas Tendências Pedagógicas Com o
Nome de “Escola Nova” ou “Escola Ativa”. Esse Movimento Surgiu
Como Uma Nova Forma de Tratar os Problemas da Educação,
Procurando Fornecer Princípios Para Rever as Formas Tradicionais
de Ensino
A partir da 2ª Década do Século XX, a Didática
Passou a Seguir os Postulados da Escola Nova. Como
Essa Perspectiva Afirmava a Necessidade de Partir
dos Interesses Espontâneos e Naturais da Criança,
Passou-se Então a Valorizar os Princípios de
Atividades, Liberdade e Individualização
Abandonou-se a Visão da Criança Como um Adulto em Miniatura Para Centrar-se Nela
Como um Ser Capaz de Adaptar-se a Cada Uma das Fases de Sua Evolução
Assim, do Aluno
Passivo Ante os
Conhecimentos
Transmitidos Pelo
Professor, Passou-se
ao Aluno Que se Auto
Educa num Processo
Sustentado Pelas
Ações Concretas de
Seus Colegas
A ideia da Escola Nova
é a de que o aluno
aprende melhor por si
próprio. A atenção às
diferenças individuais e
a utilização de jogos
educativos passaram,
portanto, a ter maior
destaque
Daí a Didática da Escola Nova
Passou a Considerar o Aluno
Como Sujeito da
Aprendizagem, Cabendo ao
Professor Induzir o Aluno a
Manifestar-se em Suas
Atividades Verbais, Escritas,
Plásticas ou de Qualquer Outro
Tipo
ENSINO OU APRENDIZAGEM? Ao Se Colocarem à Frente de Uma Classe, Muitos
Professores se Veem Como Especialistas na
Disciplina Que Lecionam a Um Grupo de Alunos,
Interessados em Assistir às Suas Aulas
Dessa forma, as ações que desenvolvem em sala de
aula podem ser expressas pelo
verbo ensinar, ou por correlatos como instruir,
orientar, apontar, guiar, dirigir, treinar, formar,
amoldar, preparar, doutrinar ou instrumentar
A Atividade Desses Professores
Que, na Maioria das Vezes
Reproduz os Processos Pelos
Quais Passaram ao Longo da Sua
Formação, Centraliza-se em Sua
Própria Pessoa, em Suas
Qualidades e Suas Habilidades
Assim, Esses Professores
Acabam Demonstrando Que
Fizeram Uma Inequívoca
Opção Pelo Ensino
Esses Professores Percebem-se Como Especialista em
Determinada Área do Conhecimento e Cuidam Para Que
Seu Conteúdo Seja Conhecido Pelos Seus Alunos
Por Sua Vez, Seus Alunos Recebem a Informação, a
Qual é Transmitida Coletivamente e Demonstram a
Receptividade e a Assimilação Correta Por Meio de
“Deveres”, “Tarefas” ou “Provas Individuais”
Mas Há
Professores
Que Veem
os Alunos
Como os
Principais
Agentes
dos
Processos
Educativos
Eles se Preocupam em Identificar Suas Aptidões, Necessidade e
Interesses Com Vistas a Auxiliá-los na Coleta Das Informações
de Que Necessitam no Desenvolvimento de Novas Habilidades,
na Modificação de Atitudes e Comportamentos e na Busca de
Novos Significados Nas Pessoas, Nas Coisas e Nos Fatos
As Atividades Desses Profissionais Estão Centradas na
Figura do Aluno, em Suas Aptidões, Capacidades,
Expectativas, Interesses, Possibilidades, Oportunidades e
Condições Para Aprender
À Medida Que a Ênfase é Colocada na
Aprendizagem, o Papel Predominante do Professor
Deixa de Ser o de Ensinar, e Passa a Ser o de Ajudar
o Aluno a Aprender. Por Sua Vez, as Preocupações
Básicas Desses Professores São Expressas em
Indagações Como;
Quais as expectativas dos alunos?
Em Que Medida Determinado
Aprendizado Poderá Ser
Significativo Para Eles?
Quais as Estratégias Mais Adequadas
Para Facilitar Seu Aprendizado?
Mas a Ênfase na
Aprendizagem, a Despeito de
Seus Méritos Humanistas e do
Embasamento Nas Modernas
Teorias e Pesquisas
Educacionais, Também Tem
Gerado Equívocos
Há Professores Que Exageram o Peso a Ser
Atribuído às Qualidades Pessoais de
Amizade, Carinho, Compreensão, Amor,
Tolerância e Abnegação e Simplesmente
Incluem a Tarefa de Ensinar de Suas
Cogitações Funcionais
Alicerçados no Princípio de Que “Ninguém Ensina
Ninguém”, Muitos Professores se Eximem da
Obrigação de Ensinar. Na Verdade, o Que Passam
a Fazer Nada Mais é Que, Mediante o Argumento
da Autoridade, Dissimular Sua Competência
Técnica
Para Muitos Professores Universitários Essa Polemica Não Existe e, Boa Parte Deles,
Aprendeu Seu Oficio Como os Antigos Aprendiam; Ou Seja, Fazendo
Muitos Professores
Universitários Não Recebem
Preparação Pedagógica e, ao
Longo da Sua Vida Profissional,
Raramente Têm a Oportunidade
de Participar em Cursos,
Seminários ou Reuniões Sobre
os Métodos de Ensino e
Avaliação da Aprendizagem
A Pedagogia Fica, Portanto, ao Sabor Dos Dotes
Naturais de Cada Professor
O Que de Fato Ocorre é Que a Grande
Maioria dos Professores Universitários
Ainda Vê o Ensino, Principalmente
Como Transmissão de Conhecimentos,
Através das Aulas Expositivas
Durante Muito Tempo Prevaleceu a Ideia de Que, Para Que um Bom
Professor Universitário se Capacitasse, Seria Necessário Uma Fluente
Comunicação e um Vasto Conhecimento da Disciplina Que Fosse Lecionar
Essa Afirmativa Fundamentava-se no Fato de os
Alunos dos Cursos Superiores Serem Adultos e,
o Corpo Discente do Ensino Básico, Ser
Constituído Por Crianças e Adolescentes
O Termo Pedagogia Tem Sua Origem Na Palavra Criança
(Grego: Paidos = Criança; Gogein = Conduzir). Os
Estudantes Universitários já Possuem Uma
“Personalidade Formada” e, Por Saberem o Que
Pretendem, Só Exigiriam de Seus Professores
Competência Para Transmitir os Conhecimentos e Para
Sanar Suas Dúvidas
Por Isso é Que, Até Recentemente, Ninguém se Preocupava Com a Preparação de Professores para
o Ensino Superior. Só Existia Preocupação Com a Preparação Dos Pesquisadores, Ficando
Subentendido Que, Quanto Melhor Pesquisador Fosse, Mais Competente Seria o Professor
“Esses Alunos Não
Necessitariam do Auxílio
Pedagógico”
Atualmente, o Professor Universitário,
Assim Como o de Qualquer Outro Nível,
Necessita de Sólidos Conhecimentos na
Área a Lecionar, Mas Também Precisa de
Habilidades Pedagógicas Que Sejam
Suficientes Para Tornar o Aprendizado Mais
Eficaz
Além disso, o professor
universitário precisa ter uma visão
de mundo, de ser humano, de
ciência e de educação compatível
com as características de sua
função
Mas há professores que veem os alunos como os
principais agentes dos processos educativos.
Preocupam-se em identificar suas aptidões,
necessidade e interesses com vistas a auxiliá-los na
coleta das informações de que necessitam no
desenvolvimento de novas habilidades, na modificação
de atitudes e comportamentos e na busca de novos
significados nas pessoas, nas coisas e nos fatos
Como Abordar o Processo de Ensino
O Fenômeno Educativo Não é Uma Realidade
Acabada, Capaz de Ser Identificada Clara e
Precisamente em Seus Múltiplos Aspectos
E, Por Ser Um Fenômeno Humano e
Histórico, Tende a Ser Abordado Sob
Cinco (5) Diferentes Óticas
1. Abordagem Tradicional
_________________________________________________________________________________________________
Esta Abordagem Privilegia
o Professor Como
Especialista – o Elemento
Fundamental na
Transmissão dos Conteúdos
O Aluno é Considerado um Receptor, Até Que, de Posse
dos Conhecimentos Necessários, Torna-se Capaz de
Ensiná-los a Outros e a Exercer Uma Profissão
Essa Abordagem Denota Uma Visão Individualista do
Processo Educativo e do Caráter Cumulativo do
Conhecimento. O Ensino é Caracterizado Pelo
Verbalismo do Professor e Pela Memorização do Aluno
2. Abordagem Comportamentalista (ou Behaviorista)
Para Eles, o Conhecimento é Resultado da
Experiência. Essa Escola é Reconhecida Como a
Agência Que Educa Formalmente e, os Modelos
Educativos, São Desenvolvidos Baseados na
Análise dos Processos (Através Dos Quais o
Comportamento é Modelado e Reforçado)
Para Skinner (Principal Teórico
Dessa Abordagem), a Realidade
é Um Fenômeno Objetivo, o Ser
Humano é um Produto do Meio
e, Portanto, Precisa Ser
Controlado e Manipulado
Dessa Forma, o Ensino Ocorre
Num Processo Que Tem Como
Modelo o Trabalho do Professor,
Não Interessando Tanto a
Atividade Mais Autônoma do
Estudante
O Professor é Visto Como um Planejador Educacional Que Transmite
Conteúdos Objetivando o Desenvolvimento de Competências
3. Abordagem
Humanista
Foca o Desenvolvimento da Personalidade dos
Indivíduos (Carl Rogers é Seu Principal Teórico).
O Professor Não Transmite Conteúdos, Mas Dá
Assistência Aos Estudantes, Atuando Como
“Facilitador da Aprendizagem”
4. Abordagem Cognitivista
___________________________________________________________________
Esta Abordagem é Interacionista, Onde o
Conhecimento é Produto das Interações Entre Sujeito
e Objeto e Não Enfatiza Aluno ou Professor (Como
Ocorre na Abordagem Comportamentalista)
O Cognitivismo Considera o Individuo Um Sistema Aberto, Que Passa Por
Reestruturações em Busca de Um Estágio Nunca Alcançado Completamente
A Estratégia é Ajudar o Estudante no Desenvolvimento de um Pensamento
Autônomo, Crítico e Criativo. Aos Professores Cabe Proporcionar a Orientação
Necessária Para Que os Objetos Possam Ser Explorados Pelos Estudantes, Sem o
Oferecimento de “Soluções Prontas”
5. Abordagem Sociocultural
Enfatiza os Aspectos Socioculturais Que
Envolvem a Aprendizagem e, Assim Como o
Construtivismo, Esta Abordagem Pode Ser
Considerada Interacionista. No Entanto,
Confere Ênfase ao Sujeito Como Elaborador e
Criador do Conhecimento
Considera o ser humano sujeito de sua
própria educação e as ações educativas
devem ter como principal objetivo promovê-
lo, e não ajustá-lo à sociedade
Seu Principal Representante é Paulo
Freire, Para Quem a Verdadeira
Educação é a “Educação
Problematizadora” Que Auxilia na
Superação da Relação Opressor-Oprimido
Nessa Abordagem, o Conhecimento
Deve ser Entendido Como Uma
Transformação Contínua, e Não
Apenas a Transmissão de Conteúdos
Programados
A NECESSIDADE DOS
ESTUDOS DIDÁTICOS
DIRIGIDOS AO ENSINO DE 3º
GRAU
Alguns Autores
Apontam a
Necessidade de Haver
um Estudo
Sistemático dos
Problemas Didáticos
em Nível Superior
Em Muitas Iniciativas –
Que Buscam Fornecer
Algumas Orientações ao
Professor Universitário,
Quanto ao Aspecto
Didático-Pedagógico –
Sente-se Esta Questão
Pretende-se Transferir Regras Desenvolvidas a Partir
do Estudo dos Problemas Didáticos de 1º e 2º graus,
Para o Ensino Superior
Carecemos de Estudos Sistemáticos dos Problemas Didáticos em Nível do Ensino
Superior (Pesquisas Educacionais, Por Exemplo) Que Nos Conduzam à Formação
de Regras Apropriadas a Este Nível do Ensino
Entretanto, a Carência de Pesquisas Nesta Área Não Implica Uma Falta de
Material Para a Análise das Questões de Natureza Didática Dirigida ao 3º Grau
CONCLUSÃO
Diante do Exposto
Consideramos Ser de
Utilidade aos
Docentes o Estudo da
Didática, na Medida
em Que Ela Pode
Auxiliá-los, Tanto no
Conhecimento das
Propostas Existentes
(no Que se Refere à
Atuação do
Professor), Quanto na
Reflexão Sobre a
Efetivação Dessas
Mesmas Propostas
Considerar a Didática Como “Arte e a Ciência do Ensino”
é Entendê-la Como um Estudo Dinâmico Que Envolve, ao
Mesmo Tempo, a Busca de um Conjunto de
Conhecimentos Sobre o Ensino e a Utilização Desses
Conhecimentos, em Nível da Prática Docente,
Envolvendo a Análise da Maneira “Artística” Com Que o
Professor Desempenha Sua Ação em Sala de Aula
Nesta perspectiva, considerar o ensino como arte
não lhe retira o caráter científico. Se tomarmos o
termo ciência em sua acepção mais ampla – como
uma “forma especial de conhecimento da
realidade” ou como um “esforço honesto para
inquirir sobre a natureza” – podemos detectar
que este tipo de esforço vem sendo desenvolvido
pelos pesquisadores da área educacional

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
Estratégias de intervenção pedagógica
Estratégias de intervenção pedagógicaEstratégias de intervenção pedagógica
Estratégias de intervenção pedagógica
CNA
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
Jamille Araújo
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Prof. Antônio Martins de Almeida Filho
 
4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno
Alba Mate Mate
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
guest1c37d0
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
Antonio Jose Chalegre
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
Cursos Profissionalizantes
 
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Andre Silva
 
Didática relação professor /aluno
Didática relação professor /alunoDidática relação professor /aluno
Didática relação professor /aluno
taniaamorim23
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
Raquel Pereira
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Adilson P Motta Motta
 
Apostila disturbios de aprendizagem
Apostila disturbios de aprendizagemApostila disturbios de aprendizagem
Apostila disturbios de aprendizagem
fabisena
 
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogiaO pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
Colégio Municipal Profª Enedina Costa De Macêdo
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
Marcos2rr
 
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolarMotivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Luiz Magnavita
 
Andragogia
AndragogiaAndragogia
Andragogia
Betânia Rocha
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Nanci Barillo
 
Gestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicasGestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicas
pso2510
 

Mais procurados (20)

Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
Gestão da Aprendizagem
 
Estratégias de intervenção pedagógica
Estratégias de intervenção pedagógicaEstratégias de intervenção pedagógica
Estratégias de intervenção pedagógica
 
A trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogiaA trajetória da psicopedagogia
A trajetória da psicopedagogia
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
 
Estudo de intervençao
Estudo de intervençaoEstudo de intervençao
Estudo de intervençao
 
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNORELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
RELAÇÃO PROFESSOR X ALUNO
 
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinicaLivro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
Livro o processo de avaliação em psicopedagogia clinica
 
Didática relação professor /aluno
Didática relação professor /alunoDidática relação professor /aluno
Didática relação professor /aluno
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
 
Apostila disturbios de aprendizagem
Apostila disturbios de aprendizagemApostila disturbios de aprendizagem
Apostila disturbios de aprendizagem
 
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogiaO pensamento lógico matemático e psicopedagogia
O pensamento lógico matemático e psicopedagogia
 
Aprendizagem
AprendizagemAprendizagem
Aprendizagem
 
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolarMotivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
 
Andragogia
AndragogiaAndragogia
Andragogia
 
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
Avaliação psicopedagógica   protocolo breveAvaliação psicopedagógica   protocolo breve
Avaliação psicopedagógica protocolo breve
 
Gestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicasGestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicas
 

Semelhante a Didática do Ensino Superior

Desafios educacionais para a docencia superior
Desafios educacionais para a docencia superiorDesafios educacionais para a docencia superior
Desafios educacionais para a docencia superior
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
Alexsandro Prates
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
EMEI VICTOR NOGAROTO KEUSSEYAN
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
Edneusa Souza
 
Apostila didatica
Apostila didaticaApostila didatica
Apostila didatica
Sandra Costa
 
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptxHTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
joaquinajenifersoare
 
Aprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliaçãoAprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliação
weldcarlos
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
Leniomar Morais
 
Portfólio Marília Alves
Portfólio Marília AlvesPortfólio Marília Alves
Portfólio Marília Alves
Marília Alves
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Sussy De La Lumier
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
Agâta Dourado
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
angelafrc
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
Caroll Lima
 
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
RYCSEIXAS2
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
pedagogianh
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
vidalmelo
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
vidalmelo
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
vidalmelo
 
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Marcelo Saraiva
 

Semelhante a Didática do Ensino Superior (20)

Desafios educacionais para a docencia superior
Desafios educacionais para a docencia superiorDesafios educacionais para a docencia superior
Desafios educacionais para a docencia superior
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
 
Tcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão finalTcc ana cristina versão final
Tcc ana cristina versão final
 
Apostila didatica
Apostila didaticaApostila didatica
Apostila didatica
 
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptxHTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
HTPC - METODOLOGIAS PARA O APOIO PEDAGOGICO.pptx
 
Aprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliaçãoAprendizagem autoria avaliação
Aprendizagem autoria avaliação
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
 
Portfólio Marília Alves
Portfólio Marília AlvesPortfólio Marília Alves
Portfólio Marília Alves
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Trablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusãoTrablho pnaic inclusão
Trablho pnaic inclusão
 
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
Qual o significado da avaliação de crianças nas creches e pré-escolas Jussara...
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
 
Apresentação slideshare
Apresentação slideshareApresentação slideshare
Apresentação slideshare
 
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
Avaliação da aprendizagem - AVA 2012
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 

Último

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 

Didática do Ensino Superior

  • 1. JULIO CESAR S. SANTOS Professor, Escritor e Palestrante. Colunista de Vários Jornais no Brasil. Autor de Dez (10) Livros Sobre Marketing, Estratégias de Vendas, Logística, Liderança, Gestão Empresarial, Petróleo e Gás. Por Mais de 25 Anos Treinou Equipes de Atendentes, Supervisores e Gerentes de Vendas, de Marketing e Administração em Empresas Multinacionais de Bens de Consumo e Serviços Mestre em Economia Empresarial, Especialista em Educação à Distância, Pós- Graduado em Marketing, Gestão Empresarial e Graduado em Administração de Empresas
  • 2. A DIDÁTICA do ENSINO SUPERIOR 1. INTRODUÇÃO À REALIDADE DO ENSINO SUPERIOR 2. Perfil do Professor Universitário 3. A LDB e as Universidades Brasileiras 4. O Que é Didática? 5. O “Aluno Passivo” e a “Escola Nova” 6. Professores Especialistas e Suas Disciplinas 7. Como Abordar o Processo de Ensino 8. A Tradicional Abordagem do Ensino 9. Abordagem Comportamentalista (ou Behaviorista) 10. A Abordagem Humanista 11. A Abordagem Cognitivista 12. A Abordagem Sociocultural
  • 3. INTRODUÇÃOAté o Advento da LDB em l961, o Ensino Superior Estava Estruturado em Suas Bases Fundamentais, Decorrentes da Reforma Francisco Campos. Tal Diretriz Ressaltava Que o Papel da Universidade Não Podia Ser Restrito ao Aspecto Didático, Mas Deveria Englobar Também o Aspecto Social Os objetivos eram muito amplos e otimistas para uma época em que havia poucas escolas, para atender uma minoria privilegiada de forma adequada. A escola de nível superior era altamente hierarquizada, rígida, elitista e pouco se comunicava com a sociedade de que fazia parte Conclui-se Então Que o Ensino Superior Deveria Assumir a Forma de “Universidade” (Previa a Existência de Pelo Menos 3 Estabelecimentos de Ensino Superior Para a Constituição de Uma Universidade), Podendo Ainda Ser Ministrado em Estabelecimentos Isolados
  • 4. A LDB Confirmou a Possibilidade de o Ensino Superior Efetivar-se em Estabelecimentos Isolados, o Que, Segundo Alguns Autores, Representou um Retrocesso Para o Desenvolvimento do Sistema Universitário Brasileiro de Forma Integrada Tais Orientações Legais Trouxeram Como Consequência o Fato de Que, Cada Vez Mais, Escolas Isoladas, Cuja Existência Deveria Ser Transitória, Tornaram-se Regra Comum Dentro da Nossa Estrutura de Ensino de 3º Grau Entretanto, Esses Projetos Não Conseguiram Concretizar Seus Propósitos, de Forma Que o Nosso Ensino de 3º Grau Ainda Manteve a Sua Característica de Um Aglomerado de Escolas Superiores Independentes
  • 5. A DIDÁTICA no ENSINO SUPERIORO termo “Didática” Deriva do Grego “Didaktiké”, o Qual Tem o Significado de Arte do Ensinar; ou Seja, a Arte Universal de Ensinar Tudo a Todos Nos Dias Atuais, Deparamo-nos Com Muitas Definições Diferentes de Didática, Mas Quase Todas Apresentam-se Como Ciência, Técnica ou Arte de Ensinar Uma Definição De Um Dicionário a Vê Como “Parte da Pedagogia Que Trata dos Preceitos Científicos Que Orientam a Atividade Educativa de Modo a Torná-la Mais Eficiente” Para Alguns Autores, Didática Seria o Estudo do Processo de Ensino-Aprendizagem em Sala de Aula e de Seus Resultados
  • 6. Até o Final do Século XIX, a Didática Se Baseou Quase Que Exclusivamente na Filosofia e, a Partir do Final do Século XIX, a Didática Passou a Buscar Fundamentos Também Nas Ciências, Especialmente na Biologia e na Psicologia, Graças às Pesquisas de Cunho Experimental Mas, no Início do Século XX Surgiram Numerosos Movimentos de Reforma Escolar na Europa e Na América Esses Movimentos Reconheciam a Insuficiência da Didática Tradicional e Aspiravam a Uma Educação Que Levasse Mais em Conta os Aspectos Psicológicos Envolvidos no Processo de Ensino Costuma-se Denominar Essas Tendências Pedagógicas Com o Nome de “Escola Nova” ou “Escola Ativa”. Esse Movimento Surgiu Como Uma Nova Forma de Tratar os Problemas da Educação, Procurando Fornecer Princípios Para Rever as Formas Tradicionais de Ensino
  • 7. A partir da 2ª Década do Século XX, a Didática Passou a Seguir os Postulados da Escola Nova. Como Essa Perspectiva Afirmava a Necessidade de Partir dos Interesses Espontâneos e Naturais da Criança, Passou-se Então a Valorizar os Princípios de Atividades, Liberdade e Individualização Abandonou-se a Visão da Criança Como um Adulto em Miniatura Para Centrar-se Nela Como um Ser Capaz de Adaptar-se a Cada Uma das Fases de Sua Evolução Assim, do Aluno Passivo Ante os Conhecimentos Transmitidos Pelo Professor, Passou-se ao Aluno Que se Auto Educa num Processo Sustentado Pelas Ações Concretas de Seus Colegas A ideia da Escola Nova é a de que o aluno aprende melhor por si próprio. A atenção às diferenças individuais e a utilização de jogos educativos passaram, portanto, a ter maior destaque Daí a Didática da Escola Nova Passou a Considerar o Aluno Como Sujeito da Aprendizagem, Cabendo ao Professor Induzir o Aluno a Manifestar-se em Suas Atividades Verbais, Escritas, Plásticas ou de Qualquer Outro Tipo
  • 8. ENSINO OU APRENDIZAGEM? Ao Se Colocarem à Frente de Uma Classe, Muitos Professores se Veem Como Especialistas na Disciplina Que Lecionam a Um Grupo de Alunos, Interessados em Assistir às Suas Aulas Dessa forma, as ações que desenvolvem em sala de aula podem ser expressas pelo verbo ensinar, ou por correlatos como instruir, orientar, apontar, guiar, dirigir, treinar, formar, amoldar, preparar, doutrinar ou instrumentar A Atividade Desses Professores Que, na Maioria das Vezes Reproduz os Processos Pelos Quais Passaram ao Longo da Sua Formação, Centraliza-se em Sua Própria Pessoa, em Suas Qualidades e Suas Habilidades Assim, Esses Professores Acabam Demonstrando Que Fizeram Uma Inequívoca Opção Pelo Ensino
  • 9. Esses Professores Percebem-se Como Especialista em Determinada Área do Conhecimento e Cuidam Para Que Seu Conteúdo Seja Conhecido Pelos Seus Alunos Por Sua Vez, Seus Alunos Recebem a Informação, a Qual é Transmitida Coletivamente e Demonstram a Receptividade e a Assimilação Correta Por Meio de “Deveres”, “Tarefas” ou “Provas Individuais” Mas Há Professores Que Veem os Alunos Como os Principais Agentes dos Processos Educativos Eles se Preocupam em Identificar Suas Aptidões, Necessidade e Interesses Com Vistas a Auxiliá-los na Coleta Das Informações de Que Necessitam no Desenvolvimento de Novas Habilidades, na Modificação de Atitudes e Comportamentos e na Busca de Novos Significados Nas Pessoas, Nas Coisas e Nos Fatos As Atividades Desses Profissionais Estão Centradas na Figura do Aluno, em Suas Aptidões, Capacidades, Expectativas, Interesses, Possibilidades, Oportunidades e Condições Para Aprender
  • 10. À Medida Que a Ênfase é Colocada na Aprendizagem, o Papel Predominante do Professor Deixa de Ser o de Ensinar, e Passa a Ser o de Ajudar o Aluno a Aprender. Por Sua Vez, as Preocupações Básicas Desses Professores São Expressas em Indagações Como; Quais as expectativas dos alunos? Em Que Medida Determinado Aprendizado Poderá Ser Significativo Para Eles? Quais as Estratégias Mais Adequadas Para Facilitar Seu Aprendizado? Mas a Ênfase na Aprendizagem, a Despeito de Seus Méritos Humanistas e do Embasamento Nas Modernas Teorias e Pesquisas Educacionais, Também Tem Gerado Equívocos Há Professores Que Exageram o Peso a Ser Atribuído às Qualidades Pessoais de Amizade, Carinho, Compreensão, Amor, Tolerância e Abnegação e Simplesmente Incluem a Tarefa de Ensinar de Suas Cogitações Funcionais
  • 11. Alicerçados no Princípio de Que “Ninguém Ensina Ninguém”, Muitos Professores se Eximem da Obrigação de Ensinar. Na Verdade, o Que Passam a Fazer Nada Mais é Que, Mediante o Argumento da Autoridade, Dissimular Sua Competência Técnica Para Muitos Professores Universitários Essa Polemica Não Existe e, Boa Parte Deles, Aprendeu Seu Oficio Como os Antigos Aprendiam; Ou Seja, Fazendo Muitos Professores Universitários Não Recebem Preparação Pedagógica e, ao Longo da Sua Vida Profissional, Raramente Têm a Oportunidade de Participar em Cursos, Seminários ou Reuniões Sobre os Métodos de Ensino e Avaliação da Aprendizagem A Pedagogia Fica, Portanto, ao Sabor Dos Dotes Naturais de Cada Professor O Que de Fato Ocorre é Que a Grande Maioria dos Professores Universitários Ainda Vê o Ensino, Principalmente Como Transmissão de Conhecimentos, Através das Aulas Expositivas
  • 12. Durante Muito Tempo Prevaleceu a Ideia de Que, Para Que um Bom Professor Universitário se Capacitasse, Seria Necessário Uma Fluente Comunicação e um Vasto Conhecimento da Disciplina Que Fosse Lecionar Essa Afirmativa Fundamentava-se no Fato de os Alunos dos Cursos Superiores Serem Adultos e, o Corpo Discente do Ensino Básico, Ser Constituído Por Crianças e Adolescentes O Termo Pedagogia Tem Sua Origem Na Palavra Criança (Grego: Paidos = Criança; Gogein = Conduzir). Os Estudantes Universitários já Possuem Uma “Personalidade Formada” e, Por Saberem o Que Pretendem, Só Exigiriam de Seus Professores Competência Para Transmitir os Conhecimentos e Para Sanar Suas Dúvidas Por Isso é Que, Até Recentemente, Ninguém se Preocupava Com a Preparação de Professores para o Ensino Superior. Só Existia Preocupação Com a Preparação Dos Pesquisadores, Ficando Subentendido Que, Quanto Melhor Pesquisador Fosse, Mais Competente Seria o Professor “Esses Alunos Não Necessitariam do Auxílio Pedagógico”
  • 13. Atualmente, o Professor Universitário, Assim Como o de Qualquer Outro Nível, Necessita de Sólidos Conhecimentos na Área a Lecionar, Mas Também Precisa de Habilidades Pedagógicas Que Sejam Suficientes Para Tornar o Aprendizado Mais Eficaz Além disso, o professor universitário precisa ter uma visão de mundo, de ser humano, de ciência e de educação compatível com as características de sua função Mas há professores que veem os alunos como os principais agentes dos processos educativos. Preocupam-se em identificar suas aptidões, necessidade e interesses com vistas a auxiliá-los na coleta das informações de que necessitam no desenvolvimento de novas habilidades, na modificação de atitudes e comportamentos e na busca de novos significados nas pessoas, nas coisas e nos fatos
  • 14. Como Abordar o Processo de Ensino O Fenômeno Educativo Não é Uma Realidade Acabada, Capaz de Ser Identificada Clara e Precisamente em Seus Múltiplos Aspectos E, Por Ser Um Fenômeno Humano e Histórico, Tende a Ser Abordado Sob Cinco (5) Diferentes Óticas 1. Abordagem Tradicional _________________________________________________________________________________________________ Esta Abordagem Privilegia o Professor Como Especialista – o Elemento Fundamental na Transmissão dos Conteúdos O Aluno é Considerado um Receptor, Até Que, de Posse dos Conhecimentos Necessários, Torna-se Capaz de Ensiná-los a Outros e a Exercer Uma Profissão Essa Abordagem Denota Uma Visão Individualista do Processo Educativo e do Caráter Cumulativo do Conhecimento. O Ensino é Caracterizado Pelo Verbalismo do Professor e Pela Memorização do Aluno
  • 15. 2. Abordagem Comportamentalista (ou Behaviorista) Para Eles, o Conhecimento é Resultado da Experiência. Essa Escola é Reconhecida Como a Agência Que Educa Formalmente e, os Modelos Educativos, São Desenvolvidos Baseados na Análise dos Processos (Através Dos Quais o Comportamento é Modelado e Reforçado) Para Skinner (Principal Teórico Dessa Abordagem), a Realidade é Um Fenômeno Objetivo, o Ser Humano é um Produto do Meio e, Portanto, Precisa Ser Controlado e Manipulado Dessa Forma, o Ensino Ocorre Num Processo Que Tem Como Modelo o Trabalho do Professor, Não Interessando Tanto a Atividade Mais Autônoma do Estudante O Professor é Visto Como um Planejador Educacional Que Transmite Conteúdos Objetivando o Desenvolvimento de Competências
  • 16. 3. Abordagem Humanista Foca o Desenvolvimento da Personalidade dos Indivíduos (Carl Rogers é Seu Principal Teórico). O Professor Não Transmite Conteúdos, Mas Dá Assistência Aos Estudantes, Atuando Como “Facilitador da Aprendizagem” 4. Abordagem Cognitivista ___________________________________________________________________ Esta Abordagem é Interacionista, Onde o Conhecimento é Produto das Interações Entre Sujeito e Objeto e Não Enfatiza Aluno ou Professor (Como Ocorre na Abordagem Comportamentalista) O Cognitivismo Considera o Individuo Um Sistema Aberto, Que Passa Por Reestruturações em Busca de Um Estágio Nunca Alcançado Completamente A Estratégia é Ajudar o Estudante no Desenvolvimento de um Pensamento Autônomo, Crítico e Criativo. Aos Professores Cabe Proporcionar a Orientação Necessária Para Que os Objetos Possam Ser Explorados Pelos Estudantes, Sem o Oferecimento de “Soluções Prontas”
  • 17. 5. Abordagem Sociocultural Enfatiza os Aspectos Socioculturais Que Envolvem a Aprendizagem e, Assim Como o Construtivismo, Esta Abordagem Pode Ser Considerada Interacionista. No Entanto, Confere Ênfase ao Sujeito Como Elaborador e Criador do Conhecimento Considera o ser humano sujeito de sua própria educação e as ações educativas devem ter como principal objetivo promovê- lo, e não ajustá-lo à sociedade Seu Principal Representante é Paulo Freire, Para Quem a Verdadeira Educação é a “Educação Problematizadora” Que Auxilia na Superação da Relação Opressor-Oprimido Nessa Abordagem, o Conhecimento Deve ser Entendido Como Uma Transformação Contínua, e Não Apenas a Transmissão de Conteúdos Programados
  • 18. A NECESSIDADE DOS ESTUDOS DIDÁTICOS DIRIGIDOS AO ENSINO DE 3º GRAU Alguns Autores Apontam a Necessidade de Haver um Estudo Sistemático dos Problemas Didáticos em Nível Superior Em Muitas Iniciativas – Que Buscam Fornecer Algumas Orientações ao Professor Universitário, Quanto ao Aspecto Didático-Pedagógico – Sente-se Esta Questão Pretende-se Transferir Regras Desenvolvidas a Partir do Estudo dos Problemas Didáticos de 1º e 2º graus, Para o Ensino Superior Carecemos de Estudos Sistemáticos dos Problemas Didáticos em Nível do Ensino Superior (Pesquisas Educacionais, Por Exemplo) Que Nos Conduzam à Formação de Regras Apropriadas a Este Nível do Ensino Entretanto, a Carência de Pesquisas Nesta Área Não Implica Uma Falta de Material Para a Análise das Questões de Natureza Didática Dirigida ao 3º Grau
  • 19. CONCLUSÃO Diante do Exposto Consideramos Ser de Utilidade aos Docentes o Estudo da Didática, na Medida em Que Ela Pode Auxiliá-los, Tanto no Conhecimento das Propostas Existentes (no Que se Refere à Atuação do Professor), Quanto na Reflexão Sobre a Efetivação Dessas Mesmas Propostas Considerar a Didática Como “Arte e a Ciência do Ensino” é Entendê-la Como um Estudo Dinâmico Que Envolve, ao Mesmo Tempo, a Busca de um Conjunto de Conhecimentos Sobre o Ensino e a Utilização Desses Conhecimentos, em Nível da Prática Docente, Envolvendo a Análise da Maneira “Artística” Com Que o Professor Desempenha Sua Ação em Sala de Aula Nesta perspectiva, considerar o ensino como arte não lhe retira o caráter científico. Se tomarmos o termo ciência em sua acepção mais ampla – como uma “forma especial de conhecimento da realidade” ou como um “esforço honesto para inquirir sobre a natureza” – podemos detectar que este tipo de esforço vem sendo desenvolvido pelos pesquisadores da área educacional