SlideShare uma empresa Scribd logo
COMO POTENCIALIZAR E DINAMIZAR O ENSINO PARA ADULTOS
O que significa potencializar e dinamizar o ensino? A natureza do ensino não é dinâmica em si
mesmo? Haveria algo a fazer que o tornasse mais interessante?
Tornar o ensino potente e dinâmico significa atribuir-lhe força para produzir ou transformar alguma
coisa. No âmbito da educação significa modificar o comportamento na maneira de pensar, sentir e
agir.
O ensino deve ser atuante, vibrante e instigador. Ensinar não significa simplesmente transmitir
conhecimentos, como se a mente do aluno fosse um insignificante receptáculo do conhecimento
alheio, ou uma folha em branco, na qual o professor poderia gravar o que desejasse. Muitos
professores acham que é dever comunicar o máximo do que eles sabem aos alunos, na forma melhor
estruturada possível, mesmo sem medir ou avaliar o resultado, em termos de quantidade e qualidade
de conteúdo assimilado. Ensinar entretanto, não é somente transmitir, não é somente transferir
conhecimentos de uma cabeça a outra, não é somente comunicar. Ensinar é fazer pensar; é ajudar o
aluno a criar novos hábitos de pensamento e de ação. Isto não significa que a exposição da aula não
deva ter estrutura alguma, ou que seja melhor o professor ser um mal comunicador. Significa, sim, que
a estrutura da exposição deve conduzir ao raciocínio e não a absorção passiva de idéias e informações
do professor.
O ensino pode ser potencializado, direcionado e adaptado a qualquer faixa-etária. Porém, sua
adequação baseia-se sempre no conhecimento das particularidades de cada fase da vida humana.
Quem é o adulto? Quais são suas necessidades, interesses e expectativas?
Estas e tantas outras interrogações sobre as peculiaridades dos adultos devem ser respondidas e
refletidas por todos quantos se engajam no magistério específico para a denominada “idade vigorosa”.
Segundo o dicionarista Aurélio, o termo “adulto” diz respeito ao “indivíduo que atingiu o completo
desenvolvimento e chegou à idade vigorosa; que atingiu a maioridade.”
No âmbito psicológico diz-se do “indivíduo que atingiu plena maturidade, expressa em termos de
adequada integração social e adequado controle das funções intelectuais e emocionais.”
Além dos aspectos físicos e psicológicos, podemos também observá-lo pelo prisma social e espiritual.
A maioria dos adultos está estabilizada na área financeira, familiar e social. Buscam coisas concretas e
reais. Suas expectativas estão calcadas e fundamentadas em aspectos reais da vida. Época da mais
completa manifestação da vida; tempo de grande produtividade, período em que se manifesta a maior
P ágina | 2
capacidade de discernimento; sérias responsabilidades, amizades estáveis, grande ambição e força de
vontade. Também de comodismo espiritual, no sentido de imaginar que já sabem tudo que diz respeito
às coisas espirituais. Como atingi-los com o ensino bíblico? Como motivá-los ao estudo da Palavra?
Como reverter o quadro de estagnação e rotina?
Para melhorarmos a qualidade do ensino ajustado aos adultos, precisamos conhecer suas necessidades,
preferências, expectativas e, principalmente, de que modo se disponibilizam à aprendizagem.
Vejamos:
O adulto precisa envolver-se totalmente no processo ensino-aprendizagem
Qualquer tempo gasto sem que o aluno esteja profundamente envolvido na lição é tempo perdido. O
que se pensa, geralmente, é que somente as classes infantis e de adolescentes necessitam de elementos
incentivadores para captar e cativar a atenção dos alunos para o estudo. Esse pensamento não traduz a
verdade no âmbito da prática docente. Muitos recursos educativos normalmente aplicados à infância e
à adolescência, podem ser potencializados e redimensionados para o ensino de adultos. Temos que
fazer o aluno envolver-se na lição. Torná-los cooperadores engajados na aprendizagem.
A participação ativa dos alunos constitui fator essencial à aquisição e principalmente a retenção do
conteúdo da lição. O professor deve “abrir espaço” para seus alunos contarem suas próprias
experiências relacionadas aos aspectos essenciais da lição.
Todo ensino tem de ser ativo, e toda aprendizagem não pode deixar de ser ativa, pois ela somente se
efetiva pelo esforço pessoal do aprendiz, visto que ninguém pode aprender por alguém. O professor
deve solicitar, quer no início, quer no decurso de qualquer aula, a opinião, a colaboração, a iniciativa,
o trabalho do próprio aluno.
O adulto também requer métodos flexíveis e variados
Não devemos tornar nossos métodos tão rígidos a ponto de não admitirmos meios de comunicação
mais práticos e flexíveis. Por exemplo, o método de preleção ou exposição oral, embora muito
criticado, é o preferido, principalmente pelos professores de adultos. Neste método, o professor fala o
tempo todo e as vezes responde algumas poucas perguntas. Dentre as desvantagens do uso exclusivo
deste método, destacam-se duas: primeira, a preleção “centraliza o ensino na figura do professor,
exigindo pouco ou nenhum preparo da lição por parte dos alunos”. Segunda, este método, “não
permite que o professor dê atenção especial a todos os alunos, obrigando-o, em alguns casos, a nivelar
a aula, por mera suposição.” (Como tornar o ensino eficaz, CPAD)
Precisamos diversificar nossos métodos e adequá-los eficientemente às novas circunstâncias. Ou seja,
mudar a maneira de comunicar uma verdade sem alterá-la.
P ágina | 3
Um dos maiores problemas do ensino nas Escolas Dominicais, atualmente, independente de faixa-
etária, é a inadequação dos métodos de ensino. Os métodos (quando são usados) são escolhidos sem
objetivar o aluno e a transformação de sua vida.
O professor deve ser criterioso ao escolher o método que irá usar em sua classe. Cada situação
especifica requer um método apropriado. Devem ser avaliadas todas as vantagens e desvantagens antes
de aplicá-lo.
O professor deve adotar outros métodos e técnicas de ensino atuais tais como: debates, discussão em
grupo, perguntas e respostas, dramatizações e tantas outros dinamizadores do ensino.
O adulto também precisa de novidades
O professor deve cultivar sempre o senso de “novidade”. Deve criar um ambiente de constante
expectativa do “novo”, do atraente, da curiosidade. O adulto quer livrar-se do tédio e da monotonia.
Ele deseja entrar em atividade e demonstrar que é habilidoso e criativo.
O conteúdo da revista (informações e aplicações) por mais enriquecedor e profundo que seja, não é
suficiente, até mesmo em função do pouco espaço para desenvolvê-lo. Os alunos sempre esperam que
o professor transmita à classe informações complementares.
O professor que simplesmente reproduz, enfadonha e rotineiramente o conteúdo da revista, sem
empreender o esforço da pesquisa, está irremediavelmente fadado ao fracasso.
Muitos professores por não dominarem o conteúdo, chegam até ser intransigentes, acolhendo com
olhar de desagrado a mínima participação da classe, ou interrupção de sua preleção. Temem, na
verdade, que o aluno faça perguntas que não estejam atreladas direta ou indiretamente às suas idéias
pré-concebidas ou estruturas mentais arrumadas. Isto evidencia, indubitavelmente, total despreparo e
descuidado com o ministério de ensino. “O professor deve conhecer muito bem o assunto que está
ensinando. Um fraco domínio do conteúdo resulta num ensino deficiente” (John Milton Gregory).
A Palavra de Deus diz que aqueles que possuem o dom de ensinar devem esmerar-se em fazê-lo:
“…se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Romanos 12:7).
O adulto rejeita a improvisação
Outra questão relevante no ensino para adultos é a famigerada comodidade, que gera a improvisação.
É de se admirar o que ouvimos por aí nos “bastidores” da Educação Cristã: “Planejar aula para
adultos? Que nada! É só ler a revista e reproduzir o comentário com outras palavras.”
O planejamento é imprescindível em qualquer atividade humana. Que dirá num empreendimento
educacional! Pelo planejamento, o homem evita ser vencido pelas circunstâncias, e aprende a
aproveitar as novas oportunidades. Um bom plano de aula promove a eficiência do ensino, economiza
P ágina | 4
tempo e energia, contribui para a realização dos objetivos visados e, acima de tudo, evita a corroedora
rotina e a improvisação. Todo o planejamento se concretiza em um programa de ação, que constitui
um roteiro seguro que conduz progressivamente os alunos aos resultados desejados.
Antes de planejar sua aula, todo professor deveria fazer a si mesmo as seguintes perguntas: Qual a
melhor maneira de introduzir esta aula? Como posso transmitir o conteúdo desta lição de maneira
atraente e interessante? Que tipo de aplicação seria mais eficaz para esta aula? Como concluir essa
lição eficazmente a ponto de suscitar no meu aluno o desejo de retornar a aula no próximo Domingo?
O adulto precisa ser incentivado
Antes de iniciar a lição, o professor deve propiciar a seus alunos boas razões para continuarem
assistindo suas aulas. Contar antes uma história interessante, uma ilustração curiosa, uma notícia de
última hora ou uma experiência vivenciada por ele mesmo, constituem excelentes formas de incentivar
o aluno.
Ao escolher o elemento incentivador, o professor deve sempre levar em conta os interesses reais de
seus alunos. Quais são as coisas que mais lhes interessam? Sobre que gostam de falar?
Às vezes é bom usar algum acontecimento do momento como ilustração, e assim relacionar a lição
com eventos e atividades que estejam interessando os alunos na ocasião.
Qualquer que seja essa incentivação, ela deve conduzir o pensamento, de maneira lógica e fácil, para a
lição propriamente dita, relacionando o assunto à aspectos reais da vida.
O relato de um acontecimento; a leitura de um texto paralelo da Bíblia; citações de outros
comentaristas; apresentação de uma gravura, objeto etc. Estes são alguns dos variados recursos de que
o professor de adultos pode dispor para vivificar o ensino e a aprendizagem, mediante sua
aproximação com a realidade e com a atualidade.
Na verdade, o professor não motiva, ele pode apenas incentivar, embora a incentivação só seja
eficiente se repercutir no aluno a ponto de criar ou dinamizar motivos; ele apenas pode incentivar a
aprendizagem, isto é, fornecer estímulos que despertam, no aluno, um ou vários motivos. Em outras
palavras, o aluno pode ficar motivado para o estudo a partir de incentivos do professor. Exemplo: O
professor leva para a sala de aula recortes de revistas e jornais com notícias atuais com o objetivo de
ilustrar ou elucidar um fato histórico da Bíblia.
O adulto precisa ser compreendido, respeitado e valorizado
O professor deve ouvir e dialogar com seus alunos, levantando as suas necessidades, procurando
atendê-las dentro do possível, dedicando-lhes tempo fora da classe da Escola Dominical.
P ágina | 5
Há professores que se colocam num pedestal julgando-se “donos do saber”. Tais professores esquecem
que seus alunos, independente da “escolarização”, possuem experiências de vida dignas de serem
compartilhadas. O conhecimento que possuem, embora, às vezes assistemático, constitui matéria
indispensável para o enriquecimento do conteúdo da aula.
O professor jamais pode subestimar seus alunos. Deve tratá-los com respeito, valorizando sempre suas
participações e compartilhamento de idéias. Todo o professor deve conhecer e praticar o princípio do
respeito e igualdade. Quando o aluno percebe que seu professor o respeita, sente-se aceito e
desenvolve um relacionamento de respeito e admiração com aquele professor. Vendo-se no mesmo
nível de igualdade que ele, o aluno expressa-se com mais facilidade, fica à vontade para expor suas
dúvidas, fazer perguntas e conversar sobre suas idéias. Sente-se valorizado. Ele acredita que o
professor não irá censurá-lo ou constrangê-lo com julgamentos sobre sua capacidade intelectual, mas
irá ajudá-lo a se expressar melhor.
O adulto precisa sentir que faz parte de um grupo
Dentre as muitas funções do professor, destaca-se a de “socializador”. Inclusive, a própria educação e
o ensino são fenômenos de interação psicológica e comunicação social. O professor de temperamento
egocêntrico, fechado, incapaz de manter contatos sociais com certo entusiasmo, não está talhado para
as funções do magistério cristão; estas, além do “amor pedagógico” e genuína espiritualidade, exigem
comunicabilidade, interesse e dedicação à pessoa dos educandos e aos seus problemas.
A possibilidade de uma pessoa relacionar-se bem com a sua família ou com um grupo de amigos lhe
dá segurança, ajuda a combater a solidão e favorece o crescimento espiritual.
Às vezes, imaginamos tendenciosamente, que os alunos da classe de adultos só precisam do
conhecimento bíblico para o pronto ingresso na obra do Mestre. Olvidamos de suas carências sociais e
afetivas, dificuldades de relacionamento e a necessidade de cultivar amizades sinceras.
Isto é um erro crasso! O professor deve propiciar um clima de amizade entre os alunos. Não é
suficiente o contato que o professor tem com o aluno durante a aula na Escola Dominical. Ele deve
proporcionar um meio-ambiente propício para um inter-relacionamento com outros crentes onde
compartilham idéias, verdades aprendidas na Palavra, aspirações, e onde haja compreensão.
Observando as palavras de Paulo em Efésios 4.3 “Até que todos cheguemos…” verificamos que o
meio-ambiente propício ao crescimento espiritual é encontrado no contexto da comunhão cristã.
Lecionar para adultos pode ser um interessante desafio! Depende do professor.
Ao contrário do que se pensa, lecionar para adultos pode ser um grande desafio. Basta ser criativo,
dinâmico e empreendedor. Um bom professor nunca fica satisfeito com seu trabalho. Procura sempre
P ágina | 6
melhorar seu desempenho. Vive na busca constante do novo, de como criar novas expectativas em
seus alunos. O ensino dinâmico é aquele que provoca nos alunos uma sensação de intensa vontade de
aprender.
Os adultos precisam saber que são produtivos e podem compartilhar suas idéias e experiências. Essas
experiências, consideradas conteúdo dinâmico, podem até influenciar positivamente no
amadurecimento de outras pessoas. Isto porque, geralmente, o adulto aprende, quando suas
necessidades são satisfeitas ou quando o objeto de estudo tem significado pessoal para ele. Caso
contrário, se vier a freqüentar as aulas, será, simplesmente para cumprir um protocolo eclesiástico. Ou,
quem sabe, arranjar uma boa ocupação para as manhãs de domingo.
Você sente a chamada de Deus para essa obra? Reconhece a importância de sua tarefa? Esforça-se
para seguir o exemplo de Jesus, o Mestre dos mestres?
Os professores da EBD são freqüentemente escolhidos pelos líderes. Será que são vocacionados? Os
vocacionados têm esmero. “…se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Romanos 12:7b). O que
significa esmero? Esmero significa integralidade de tempo no ministério – estar com a mente, o
coração e a vida nesse ministério. Ser professor é diferente de simplesmente ocupar o cargo de
professor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
Roselene Rocha
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
Universidade Federal do Ceará
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Cristina Ferreira
 
Gestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicasGestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicas
pso2510
 
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolarMotivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Luiz Magnavita
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Profª Fabi Sobrenome
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
jairdeoliveirajunior
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
pedagogianh
 
Andragogia
AndragogiaAndragogia
Andragogia
Betânia Rocha
 
Relação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolarRelação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolar
Ana Paula Azevedo
 
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosAndragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Vicentana
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Dalila Melo
 
Metodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superiorMetodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superior
JOSUE DIAS
 
A dinamica na sala de aula e a relação professor aluno
A dinamica na sala de aula e a relação professor  alunoA dinamica na sala de aula e a relação professor  aluno
A dinamica na sala de aula e a relação professor aluno
familiaestagio
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
guest1c37d0
 
Liderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e alunoLiderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e aluno
Rosa Paollucci
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
EMEI VICTOR NOGAROTO KEUSSEYAN
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Adilson P Motta Motta
 
Orientaçõs para período diagnóstico
Orientaçõs para período diagnósticoOrientaçõs para período diagnóstico
Orientaçõs para período diagnóstico
josivaldopassos
 
Andragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formaçãoAndragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formação
Isabel Cunha
 

Mais procurados (20)

Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
 
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __   Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
Psicopedagogia on line __ portal da educação e saúde mental __
 
Gestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicasGestão de sala de aula – dicas
Gestão de sala de aula – dicas
 
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolarMotivação e aprendizagem em contexto escolar
Motivação e aprendizagem em contexto escolar
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3didatica no ensino superios 3
didatica no ensino superios 3
 
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreiraUniversidade federal de pelotas    artigo quétlin morgana ferreira
Universidade federal de pelotas artigo quétlin morgana ferreira
 
Andragogia
AndragogiaAndragogia
Andragogia
 
Relação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolarRelação professor/aluno no contexto escolar
Relação professor/aluno no contexto escolar
 
Andragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultosAndragogia a aprendizagem nos adultos
Andragogia a aprendizagem nos adultos
 
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagemEstímulo e motivação no processo de aprendizagem
Estímulo e motivação no processo de aprendizagem
 
Metodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superiorMetodologia do ensino superior
Metodologia do ensino superior
 
A dinamica na sala de aula e a relação professor aluno
A dinamica na sala de aula e a relação professor  alunoA dinamica na sala de aula e a relação professor  aluno
A dinamica na sala de aula e a relação professor aluno
 
RelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor AlunoRelaçãO Professor Aluno
RelaçãO Professor Aluno
 
Liderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e alunoLiderança – relação professor e aluno
Liderança – relação professor e aluno
 
aprender e ensinar
aprender e ensinaraprender e ensinar
aprender e ensinar
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
 
Orientaçõs para período diagnóstico
Orientaçõs para período diagnósticoOrientaçõs para período diagnóstico
Orientaçõs para período diagnóstico
 
Andragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formaçãoAndragogia: nova arte de formação
Andragogia: nova arte de formação
 

Destaque

Desarrolo del tema 2
Desarrolo del tema 2Desarrolo del tema 2
Desarrolo del tema 2
Jezzuz Angelito
 
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim AquáriusAlpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
EXP IMÓVEIS SJC
 
Mushke ilham
Mushke ilhamMushke ilham
Mushke ilham
Muhammad Naqi
 
Ramky Estates
Ramky EstatesRamky Estates
Ramky Estates
ramkygroups
 
9 things you didn't know you could do with your blog
9 things you didn't know you could do with your blog9 things you didn't know you could do with your blog
9 things you didn't know you could do with your blog
Chris Reynolds
 
Pueblos con encanto
Pueblos con encantoPueblos con encanto
Pueblos con encanto
Maria Jesus Gil Torre
 
I want a hippopotamus for christmas!
I want a hippopotamus for christmas!I want a hippopotamus for christmas!
I want a hippopotamus for christmas!
hoffmannl
 
Marsia zahoorjarchwi
Marsia zahoorjarchwiMarsia zahoorjarchwi
Marsia zahoorjarchwiMuhammad Naqi
 
Exprime la Red
Exprime la RedExprime la Red
Exprime la Red
Alfonso Rodriguez
 
España 1902 1939
España 1902 1939España 1902 1939
España 1902 1939
4ABRodrigocaro
 
Ciencia y tecnolgia
Ciencia y tecnolgiaCiencia y tecnolgia
Ciencia y tecnolgia
Jezzuz Angelito
 
Redes sociales
Redes socialesRedes sociales
Redes sociales
Patriciapresentations
 
Saving user last login time in grails
Saving user last login time in grailsSaving user last login time in grails
Saving user last login time in grails
Oodles Technologies Pvt. Ltd.
 
Sawal tumharejawabhamare
Sawal tumharejawabhamareSawal tumharejawabhamare
Sawal tumharejawabhamare
Muhammad Naqi
 
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, azNew 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
mixchalina
 
Presentacion del mundial 2014 santi 1
Presentacion del mundial 2014 santi 1Presentacion del mundial 2014 santi 1
Presentacion del mundial 2014 santi 1
santimunozclaret
 
Colegio la salle acapulco
Colegio la salle acapulcoColegio la salle acapulco
Colegio la salle acapulco
KiaraSthefany
 
Contaminacion.
Contaminacion.Contaminacion.
Contaminacion.
eperezgarcia
 

Destaque (20)

Desarrolo del tema 2
Desarrolo del tema 2Desarrolo del tema 2
Desarrolo del tema 2
 
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim AquáriusAlpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
Alpha Office Place - Salas comerciais no Jardim Aquárius
 
Mushke ilham
Mushke ilhamMushke ilham
Mushke ilham
 
Ramky Estates
Ramky EstatesRamky Estates
Ramky Estates
 
9 things you didn't know you could do with your blog
9 things you didn't know you could do with your blog9 things you didn't know you could do with your blog
9 things you didn't know you could do with your blog
 
Pueblos con encanto
Pueblos con encantoPueblos con encanto
Pueblos con encanto
 
I want a hippopotamus for christmas!
I want a hippopotamus for christmas!I want a hippopotamus for christmas!
I want a hippopotamus for christmas!
 
tammy resume
tammy resumetammy resume
tammy resume
 
Peshkash bidaat
Peshkash bidaatPeshkash bidaat
Peshkash bidaat
 
Marsia zahoorjarchwi
Marsia zahoorjarchwiMarsia zahoorjarchwi
Marsia zahoorjarchwi
 
Exprime la Red
Exprime la RedExprime la Red
Exprime la Red
 
España 1902 1939
España 1902 1939España 1902 1939
España 1902 1939
 
Ciencia y tecnolgia
Ciencia y tecnolgiaCiencia y tecnolgia
Ciencia y tecnolgia
 
Redes sociales
Redes socialesRedes sociales
Redes sociales
 
Saving user last login time in grails
Saving user last login time in grailsSaving user last login time in grails
Saving user last login time in grails
 
Sawal tumharejawabhamare
Sawal tumharejawabhamareSawal tumharejawabhamare
Sawal tumharejawabhamare
 
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, azNew 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
New 2014 subaru forester 2.0 xt premium for sale in chandler, az
 
Presentacion del mundial 2014 santi 1
Presentacion del mundial 2014 santi 1Presentacion del mundial 2014 santi 1
Presentacion del mundial 2014 santi 1
 
Colegio la salle acapulco
Colegio la salle acapulcoColegio la salle acapulco
Colegio la salle acapulco
 
Contaminacion.
Contaminacion.Contaminacion.
Contaminacion.
 

Semelhante a Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos

Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
Vania Mendes
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
marcaocampos
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Diego Garcia
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
Romes Heriberto
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
PROIDDBahiana
 
Aula De Pedagogia
Aula De PedagogiaAula De Pedagogia
Aula De Pedagogia
Silas Duarte Jr
 
Eronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo ivEronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo iv
Vania Mendes
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
Benedito32
 
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógicaEducação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
Adriana Melo
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
Leandro Pereira
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
Mariana Dias
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Marciafaria13
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
Leniomar Morais
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
luciana curi erthal
 
O brincar e a aprendizagem
O brincar e a aprendizagemO brincar e a aprendizagem
O brincar e a aprendizagem
Educação Infantil
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
Agâta Dourado
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
Sussy De La Lumier
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
Alexsandro Prates
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
Cibele Fonseca
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
cefaprodematupa
 

Semelhante a Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos (20)

Ensaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo ivEnsaio hermivania modulo iv
Ensaio hermivania modulo iv
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara   o jogo em avaliaçãoHoffmann, jussara   o jogo em avaliação
Hoffmann, jussara o jogo em avaliação
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
 
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
O papel-do-professor-na-promocao-da-aprendizagem-significativa-julio-cesar-fu...
 
Aula De Pedagogia
Aula De PedagogiaAula De Pedagogia
Aula De Pedagogia
 
Eronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo ivEronilde ensaio modulo iv
Eronilde ensaio modulo iv
 
Andragogia.pptx
Andragogia.pptxAndragogia.pptx
Andragogia.pptx
 
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógicaEducação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
Educação no Ensino Médio_uma abordagem andragógica
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Resumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomiaResumo do livro pedagogia de autonomia
Resumo do livro pedagogia de autonomia
 
Metodos pres.pptx
Metodos pres.pptxMetodos pres.pptx
Metodos pres.pptx
 
Apresentação1.pptx
Apresentação1.pptxApresentação1.pptx
Apresentação1.pptx
 
O brincar e a aprendizagem
O brincar e a aprendizagemO brincar e a aprendizagem
O brincar e a aprendizagem
 
Professor x Educador
Professor x EducadorProfessor x Educador
Professor x Educador
 
Apresenta..
Apresenta..Apresenta..
Apresenta..
 
Módulo especifico iii
Módulo especifico iiiMódulo especifico iii
Módulo especifico iii
 
Para aprender matematica
Para aprender matematicaPara aprender matematica
Para aprender matematica
 
Ensinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escolaEnsinar e aprender na escola
Ensinar e aprender na escola
 

Mais de jeconiaseandreia

Eyshila fiel a mim cifra club
Eyshila   fiel a mim   cifra clubEyshila   fiel a mim   cifra club
Eyshila fiel a mim cifra club
jeconiaseandreia
 
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesusVida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
jeconiaseandreia
 
Quadro cronologico do_novo_testamento
Quadro cronologico do_novo_testamentoQuadro cronologico do_novo_testamento
Quadro cronologico do_novo_testamento
jeconiaseandreia
 
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_iiFotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
jeconiaseandreia
 
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_iFotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
jeconiaseandreia
 
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteoDesafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatiraAs sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardesAs sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamoAs sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceiaAs sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfiaAs sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
As sete cidades_do_apocalipse_-_efesoAs sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
As sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
jeconiaseandreia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirnaAs sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
jeconiaseandreia
 
Caracteristicas de um professor
Caracteristicas de um professorCaracteristicas de um professor
Caracteristicas de um professor
jeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
jeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
jeconiaseandreia
 

Mais de jeconiaseandreia (16)

Eyshila fiel a mim cifra club
Eyshila   fiel a mim   cifra clubEyshila   fiel a mim   cifra club
Eyshila fiel a mim cifra club
 
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesusVida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
Vida politica e religiosa_em_israel_nos_dias_de_jesus
 
Quadro cronologico do_novo_testamento
Quadro cronologico do_novo_testamentoQuadro cronologico do_novo_testamento
Quadro cronologico do_novo_testamento
 
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_iiFotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_ii
 
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_iFotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
Fotos da cidade_de_corinto_grecia_-_parte_i
 
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteoDesafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
Desafio biblico nas_cartas_de_paulo_a_timoteo
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatiraAs sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
As sete cidades_do_apocalipse_-_tiatira
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardesAs sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
As sete cidades_do_apocalipse_-_sardes
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamoAs sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
As sete cidades_do_apocalipse_-_pergamo
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceiaAs sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
As sete cidades_do_apocalipse_-_laodiceia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfiaAs sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
As sete cidades_do_apocalipse_-_filadelfia
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
As sete cidades_do_apocalipse_-_efesoAs sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
As sete cidades_do_apocalipse_-_efeso
 
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirnaAs sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
As sete cidades_do_apocalipse_-_esmirna
 
Caracteristicas de um professor
Caracteristicas de um professorCaracteristicas de um professor
Caracteristicas de um professor
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 

Último

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
Mary Alvarenga
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
WelidaFreitas1
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
GiselaAlves15
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 

Último (20)

iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Acróstico - Reciclar é preciso
Acróstico   -  Reciclar é preciso Acróstico   -  Reciclar é preciso
Acróstico - Reciclar é preciso
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptxLIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
LIÇÃO 9 - ORDENANÇAS PARA UMA VIDA DE SANTIFICAÇÃO.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdfos-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
os-lusiadas-resumo-os-lusiadas-10-ano.pdf
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 

Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos

  • 1. COMO POTENCIALIZAR E DINAMIZAR O ENSINO PARA ADULTOS O que significa potencializar e dinamizar o ensino? A natureza do ensino não é dinâmica em si mesmo? Haveria algo a fazer que o tornasse mais interessante? Tornar o ensino potente e dinâmico significa atribuir-lhe força para produzir ou transformar alguma coisa. No âmbito da educação significa modificar o comportamento na maneira de pensar, sentir e agir. O ensino deve ser atuante, vibrante e instigador. Ensinar não significa simplesmente transmitir conhecimentos, como se a mente do aluno fosse um insignificante receptáculo do conhecimento alheio, ou uma folha em branco, na qual o professor poderia gravar o que desejasse. Muitos professores acham que é dever comunicar o máximo do que eles sabem aos alunos, na forma melhor estruturada possível, mesmo sem medir ou avaliar o resultado, em termos de quantidade e qualidade de conteúdo assimilado. Ensinar entretanto, não é somente transmitir, não é somente transferir conhecimentos de uma cabeça a outra, não é somente comunicar. Ensinar é fazer pensar; é ajudar o aluno a criar novos hábitos de pensamento e de ação. Isto não significa que a exposição da aula não deva ter estrutura alguma, ou que seja melhor o professor ser um mal comunicador. Significa, sim, que a estrutura da exposição deve conduzir ao raciocínio e não a absorção passiva de idéias e informações do professor. O ensino pode ser potencializado, direcionado e adaptado a qualquer faixa-etária. Porém, sua adequação baseia-se sempre no conhecimento das particularidades de cada fase da vida humana. Quem é o adulto? Quais são suas necessidades, interesses e expectativas? Estas e tantas outras interrogações sobre as peculiaridades dos adultos devem ser respondidas e refletidas por todos quantos se engajam no magistério específico para a denominada “idade vigorosa”. Segundo o dicionarista Aurélio, o termo “adulto” diz respeito ao “indivíduo que atingiu o completo desenvolvimento e chegou à idade vigorosa; que atingiu a maioridade.” No âmbito psicológico diz-se do “indivíduo que atingiu plena maturidade, expressa em termos de adequada integração social e adequado controle das funções intelectuais e emocionais.” Além dos aspectos físicos e psicológicos, podemos também observá-lo pelo prisma social e espiritual. A maioria dos adultos está estabilizada na área financeira, familiar e social. Buscam coisas concretas e reais. Suas expectativas estão calcadas e fundamentadas em aspectos reais da vida. Época da mais completa manifestação da vida; tempo de grande produtividade, período em que se manifesta a maior
  • 2. P ágina | 2 capacidade de discernimento; sérias responsabilidades, amizades estáveis, grande ambição e força de vontade. Também de comodismo espiritual, no sentido de imaginar que já sabem tudo que diz respeito às coisas espirituais. Como atingi-los com o ensino bíblico? Como motivá-los ao estudo da Palavra? Como reverter o quadro de estagnação e rotina? Para melhorarmos a qualidade do ensino ajustado aos adultos, precisamos conhecer suas necessidades, preferências, expectativas e, principalmente, de que modo se disponibilizam à aprendizagem. Vejamos: O adulto precisa envolver-se totalmente no processo ensino-aprendizagem Qualquer tempo gasto sem que o aluno esteja profundamente envolvido na lição é tempo perdido. O que se pensa, geralmente, é que somente as classes infantis e de adolescentes necessitam de elementos incentivadores para captar e cativar a atenção dos alunos para o estudo. Esse pensamento não traduz a verdade no âmbito da prática docente. Muitos recursos educativos normalmente aplicados à infância e à adolescência, podem ser potencializados e redimensionados para o ensino de adultos. Temos que fazer o aluno envolver-se na lição. Torná-los cooperadores engajados na aprendizagem. A participação ativa dos alunos constitui fator essencial à aquisição e principalmente a retenção do conteúdo da lição. O professor deve “abrir espaço” para seus alunos contarem suas próprias experiências relacionadas aos aspectos essenciais da lição. Todo ensino tem de ser ativo, e toda aprendizagem não pode deixar de ser ativa, pois ela somente se efetiva pelo esforço pessoal do aprendiz, visto que ninguém pode aprender por alguém. O professor deve solicitar, quer no início, quer no decurso de qualquer aula, a opinião, a colaboração, a iniciativa, o trabalho do próprio aluno. O adulto também requer métodos flexíveis e variados Não devemos tornar nossos métodos tão rígidos a ponto de não admitirmos meios de comunicação mais práticos e flexíveis. Por exemplo, o método de preleção ou exposição oral, embora muito criticado, é o preferido, principalmente pelos professores de adultos. Neste método, o professor fala o tempo todo e as vezes responde algumas poucas perguntas. Dentre as desvantagens do uso exclusivo deste método, destacam-se duas: primeira, a preleção “centraliza o ensino na figura do professor, exigindo pouco ou nenhum preparo da lição por parte dos alunos”. Segunda, este método, “não permite que o professor dê atenção especial a todos os alunos, obrigando-o, em alguns casos, a nivelar a aula, por mera suposição.” (Como tornar o ensino eficaz, CPAD) Precisamos diversificar nossos métodos e adequá-los eficientemente às novas circunstâncias. Ou seja, mudar a maneira de comunicar uma verdade sem alterá-la.
  • 3. P ágina | 3 Um dos maiores problemas do ensino nas Escolas Dominicais, atualmente, independente de faixa- etária, é a inadequação dos métodos de ensino. Os métodos (quando são usados) são escolhidos sem objetivar o aluno e a transformação de sua vida. O professor deve ser criterioso ao escolher o método que irá usar em sua classe. Cada situação especifica requer um método apropriado. Devem ser avaliadas todas as vantagens e desvantagens antes de aplicá-lo. O professor deve adotar outros métodos e técnicas de ensino atuais tais como: debates, discussão em grupo, perguntas e respostas, dramatizações e tantas outros dinamizadores do ensino. O adulto também precisa de novidades O professor deve cultivar sempre o senso de “novidade”. Deve criar um ambiente de constante expectativa do “novo”, do atraente, da curiosidade. O adulto quer livrar-se do tédio e da monotonia. Ele deseja entrar em atividade e demonstrar que é habilidoso e criativo. O conteúdo da revista (informações e aplicações) por mais enriquecedor e profundo que seja, não é suficiente, até mesmo em função do pouco espaço para desenvolvê-lo. Os alunos sempre esperam que o professor transmita à classe informações complementares. O professor que simplesmente reproduz, enfadonha e rotineiramente o conteúdo da revista, sem empreender o esforço da pesquisa, está irremediavelmente fadado ao fracasso. Muitos professores por não dominarem o conteúdo, chegam até ser intransigentes, acolhendo com olhar de desagrado a mínima participação da classe, ou interrupção de sua preleção. Temem, na verdade, que o aluno faça perguntas que não estejam atreladas direta ou indiretamente às suas idéias pré-concebidas ou estruturas mentais arrumadas. Isto evidencia, indubitavelmente, total despreparo e descuidado com o ministério de ensino. “O professor deve conhecer muito bem o assunto que está ensinando. Um fraco domínio do conteúdo resulta num ensino deficiente” (John Milton Gregory). A Palavra de Deus diz que aqueles que possuem o dom de ensinar devem esmerar-se em fazê-lo: “…se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Romanos 12:7). O adulto rejeita a improvisação Outra questão relevante no ensino para adultos é a famigerada comodidade, que gera a improvisação. É de se admirar o que ouvimos por aí nos “bastidores” da Educação Cristã: “Planejar aula para adultos? Que nada! É só ler a revista e reproduzir o comentário com outras palavras.” O planejamento é imprescindível em qualquer atividade humana. Que dirá num empreendimento educacional! Pelo planejamento, o homem evita ser vencido pelas circunstâncias, e aprende a aproveitar as novas oportunidades. Um bom plano de aula promove a eficiência do ensino, economiza
  • 4. P ágina | 4 tempo e energia, contribui para a realização dos objetivos visados e, acima de tudo, evita a corroedora rotina e a improvisação. Todo o planejamento se concretiza em um programa de ação, que constitui um roteiro seguro que conduz progressivamente os alunos aos resultados desejados. Antes de planejar sua aula, todo professor deveria fazer a si mesmo as seguintes perguntas: Qual a melhor maneira de introduzir esta aula? Como posso transmitir o conteúdo desta lição de maneira atraente e interessante? Que tipo de aplicação seria mais eficaz para esta aula? Como concluir essa lição eficazmente a ponto de suscitar no meu aluno o desejo de retornar a aula no próximo Domingo? O adulto precisa ser incentivado Antes de iniciar a lição, o professor deve propiciar a seus alunos boas razões para continuarem assistindo suas aulas. Contar antes uma história interessante, uma ilustração curiosa, uma notícia de última hora ou uma experiência vivenciada por ele mesmo, constituem excelentes formas de incentivar o aluno. Ao escolher o elemento incentivador, o professor deve sempre levar em conta os interesses reais de seus alunos. Quais são as coisas que mais lhes interessam? Sobre que gostam de falar? Às vezes é bom usar algum acontecimento do momento como ilustração, e assim relacionar a lição com eventos e atividades que estejam interessando os alunos na ocasião. Qualquer que seja essa incentivação, ela deve conduzir o pensamento, de maneira lógica e fácil, para a lição propriamente dita, relacionando o assunto à aspectos reais da vida. O relato de um acontecimento; a leitura de um texto paralelo da Bíblia; citações de outros comentaristas; apresentação de uma gravura, objeto etc. Estes são alguns dos variados recursos de que o professor de adultos pode dispor para vivificar o ensino e a aprendizagem, mediante sua aproximação com a realidade e com a atualidade. Na verdade, o professor não motiva, ele pode apenas incentivar, embora a incentivação só seja eficiente se repercutir no aluno a ponto de criar ou dinamizar motivos; ele apenas pode incentivar a aprendizagem, isto é, fornecer estímulos que despertam, no aluno, um ou vários motivos. Em outras palavras, o aluno pode ficar motivado para o estudo a partir de incentivos do professor. Exemplo: O professor leva para a sala de aula recortes de revistas e jornais com notícias atuais com o objetivo de ilustrar ou elucidar um fato histórico da Bíblia. O adulto precisa ser compreendido, respeitado e valorizado O professor deve ouvir e dialogar com seus alunos, levantando as suas necessidades, procurando atendê-las dentro do possível, dedicando-lhes tempo fora da classe da Escola Dominical.
  • 5. P ágina | 5 Há professores que se colocam num pedestal julgando-se “donos do saber”. Tais professores esquecem que seus alunos, independente da “escolarização”, possuem experiências de vida dignas de serem compartilhadas. O conhecimento que possuem, embora, às vezes assistemático, constitui matéria indispensável para o enriquecimento do conteúdo da aula. O professor jamais pode subestimar seus alunos. Deve tratá-los com respeito, valorizando sempre suas participações e compartilhamento de idéias. Todo o professor deve conhecer e praticar o princípio do respeito e igualdade. Quando o aluno percebe que seu professor o respeita, sente-se aceito e desenvolve um relacionamento de respeito e admiração com aquele professor. Vendo-se no mesmo nível de igualdade que ele, o aluno expressa-se com mais facilidade, fica à vontade para expor suas dúvidas, fazer perguntas e conversar sobre suas idéias. Sente-se valorizado. Ele acredita que o professor não irá censurá-lo ou constrangê-lo com julgamentos sobre sua capacidade intelectual, mas irá ajudá-lo a se expressar melhor. O adulto precisa sentir que faz parte de um grupo Dentre as muitas funções do professor, destaca-se a de “socializador”. Inclusive, a própria educação e o ensino são fenômenos de interação psicológica e comunicação social. O professor de temperamento egocêntrico, fechado, incapaz de manter contatos sociais com certo entusiasmo, não está talhado para as funções do magistério cristão; estas, além do “amor pedagógico” e genuína espiritualidade, exigem comunicabilidade, interesse e dedicação à pessoa dos educandos e aos seus problemas. A possibilidade de uma pessoa relacionar-se bem com a sua família ou com um grupo de amigos lhe dá segurança, ajuda a combater a solidão e favorece o crescimento espiritual. Às vezes, imaginamos tendenciosamente, que os alunos da classe de adultos só precisam do conhecimento bíblico para o pronto ingresso na obra do Mestre. Olvidamos de suas carências sociais e afetivas, dificuldades de relacionamento e a necessidade de cultivar amizades sinceras. Isto é um erro crasso! O professor deve propiciar um clima de amizade entre os alunos. Não é suficiente o contato que o professor tem com o aluno durante a aula na Escola Dominical. Ele deve proporcionar um meio-ambiente propício para um inter-relacionamento com outros crentes onde compartilham idéias, verdades aprendidas na Palavra, aspirações, e onde haja compreensão. Observando as palavras de Paulo em Efésios 4.3 “Até que todos cheguemos…” verificamos que o meio-ambiente propício ao crescimento espiritual é encontrado no contexto da comunhão cristã. Lecionar para adultos pode ser um interessante desafio! Depende do professor. Ao contrário do que se pensa, lecionar para adultos pode ser um grande desafio. Basta ser criativo, dinâmico e empreendedor. Um bom professor nunca fica satisfeito com seu trabalho. Procura sempre
  • 6. P ágina | 6 melhorar seu desempenho. Vive na busca constante do novo, de como criar novas expectativas em seus alunos. O ensino dinâmico é aquele que provoca nos alunos uma sensação de intensa vontade de aprender. Os adultos precisam saber que são produtivos e podem compartilhar suas idéias e experiências. Essas experiências, consideradas conteúdo dinâmico, podem até influenciar positivamente no amadurecimento de outras pessoas. Isto porque, geralmente, o adulto aprende, quando suas necessidades são satisfeitas ou quando o objeto de estudo tem significado pessoal para ele. Caso contrário, se vier a freqüentar as aulas, será, simplesmente para cumprir um protocolo eclesiástico. Ou, quem sabe, arranjar uma boa ocupação para as manhãs de domingo. Você sente a chamada de Deus para essa obra? Reconhece a importância de sua tarefa? Esforça-se para seguir o exemplo de Jesus, o Mestre dos mestres? Os professores da EBD são freqüentemente escolhidos pelos líderes. Será que são vocacionados? Os vocacionados têm esmero. “…se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Romanos 12:7b). O que significa esmero? Esmero significa integralidade de tempo no ministério – estar com a mente, o coração e a vida nesse ministério. Ser professor é diferente de simplesmente ocupar o cargo de professor.