SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 4 - BIOMAS MUNDIAIS
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO
COMUNIDADES II:
• O que é Biodiversidade? Quais os aspectos envolvidos?
• Como podemos comparar biodiversidade entre áreas?
• Quais os principais índices de biodiversidade?
• É possível prever o estágio final ou mesmo a trajetória de uma sucessão ecológica?
• Explique o conceito de Clímax em ecologia.
• Como se explica o padrão espacial observado de biodiversidade em ecossistemas
terrestres na Terra?
• O que diz a Teoria de Biogeografia de Ilhas?
• Como podemos aplicar a Teoria de Biogeografia de Ilhas para áreas de
conservação?
• Quais fatores afetam negativamente a biodiversidade? E quais afetam de maneira
positiva?
• O que é Sucessão Ecológica?
• Onde/como podemos aplicar o conhecimento em Sucessão Ecológica?
PADRÃO GLOBAL DE TEMPERATURA
ESTAÇÕES DO ANO
PADRÕES DE CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA
DISTRIBUIÇÃO DO CALOR
DISTRIBUIÇÃO DOS DESERTOS
DETALHES DE UM CLIMOGRAMA
CONHECENDO-SE O CLIMA PODEMOS PREVER
O BIOMA
Climogramas
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
500
C mm
Bioma I :________
27.4C 2307 mm
33.0
23.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma III :________
26.5C 922 mm
33.0
18.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma V :________
27.1C 579 mm
34.0
20.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma IV :________
21.4C 1542 mm
28.0
13.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
500
C mm
Bioma II :________
22.1C 2599 mm
30.0
13.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma VI :________
19.6C 1616 mm
30.0
9.0
J A S O N D J F M A M J
Exercício
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
500
C mm
Bioma I :________
27.4C 2307 mm
33.0
23.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma III :________
26.5C 922 mm
33.0
18.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma V :________
27.1C 579 mm
34.0
20.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma IV :________
21.4C 1542 mm
28.0
13.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
500
C mm
Bioma II :________
22.1C 2599 mm
30.0
13.0
J A S O N D J F M A M J
0
10
20
30
40
50
0
20
40
60
80
100
300
C mm
Bioma VI :________
19.6C 1616 mm
30.0
9.0
J A S O N D J F M A M J
Exercício
Manaus Corumbá Sta Maria
Ubatuba Brasília Petrolina
CLASSIFICAÇÃO CLIMÁTICA DE KÖPPEN (1884)
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
ESQUEMA DE WHITTAKER (1962)
BIOMAS
BIOMAS
Biomas = Comunidades bióticas recobrindo áreas extensas
onde o clima e a geografia propiciaram a evolução de
comunidades específicas (análogas).
São as principais comunidades da Terra, caracterizadas por
adaptações de organismos a um determinado clima.
QUAIS SÃO OS BIOMAS?
01. Tundra
02. Taiga/Floresta boreal
03. Floresta temperada de coníferas
04. Floresta decídua temperada
05. Pradarias
06. Pastagens, savanas e matagais tropicais e subtropicais
07. Floresta mediterrânea de bosques e arbustos
08. Desertos e matagais xéricos
09. Florestas tropicais e subtropicais secas
10. Florestas tropicais e subtropicais húmidas
11. Florestas tropicais e subtropicais de coníferas
12. Savanas e campos inundados
13. Pastagens e matagais de montanha
14. Manguezais
(De acordo com a WWF)
QUANTOS BIOMAS EXISTEM?
CONCEITOS
• Bioma: Unidade biológica de relativa homogeneidade.
• Formação: Similar a Bioma, mas restrito a vegetação.
• Fitofisionomia: Aparência física (visual).
• Bioma-Tipo e Formação-Tipo (eg, florestas tropicais pan-tropicais).
ADAPTAÇÃO: PADRÕES
• Em ambientes semelhantes, soluções para problemas comuns levam a adaptações
Análogas ou Homólogas
CACTUS
VS.
EUFORBIA
FATORES LIMITANTES
• Disponibilidade de energia (calor e luz)
• Água
• Entretanto, nutrientes também são importantes
QUAIS SÃO?
01. Tundra
02. Taiga/Floresta boreal
03. Floresta temperada de coníferas
04. Floresta decídua temperada
05. Campos e savanas temperados
06. Campos e savanas tropicais e subtropicais
07. Floresta mediterrânea de bosques e arbustos
08. Desertos e matagais xéricos
09. Florestas tropicais e subtropicais secas
10. Florestas tropicais e subtropicais húmidas
11. Florestas tropicais e subtropicais de coníferas
12. Savanas e campos inundados
13. Campos e matagais de montanha
14. Manguezais
(De acordo com a WWF)
Temperatura
TUNDRA (16 MILHÕES KM2)
• Ausência de árvores (baixa temperatura, estação de crescimento curta).
• Solos permanentemente congelados.
Meses com temperatura
média abaixo de zero
Meses com temperatura
abaixo de zero.
TUNDRA
TUNDRA
• 1500 espécies de plantas vasculares
• 48 mamíferos
• Muitas aves migratórias
• Ausência de répteis e anfíbios
TUNDRA
• Mudanças globais
• 1/3 do estoque mundial de carbono orgânico do solo
• O fogo é um elemento recorrente.
TUNDRA
• Antártica é muito fria e seca para suportar uma vegetação expressiva.
TAIGA (OU FLORESTA BOREAL) – 19 MILHÕES KM2
• Dominada por coníferas (pinheiros e companhia).
• 29% das áreas florestadas do mundo.
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
TAIGA
• Solos recentes (glaciações), pobres em nutrientes, ácidos, mas com muita
matéria orgânica.
TAIGA
• 85 espécies de mamíferos (eg. lobo, alce, urso, lince, lebre, etc)
• 32,000 espécies de insetos.
TAIGA
• Alguns peixes, anfíbios e répteis
FLORESTAS TEMPERADAS DE CONÍFERAS
4.5 MILHÕES KM2
• Suporta grande biomassa.
• Geralmente 2 camadas (dossel e sub-bosque) bem definidas.
FLORESTAS TEMPERADAS DE CONÍFERAS
• Matas de araucária (floresta ombrófila mista).
FLORESTA
TEMPERADA ÚMIDA
• Precipitação anual
> 1400 mm
• Temperatura
média entre 4 e
12°
• Dominadas por
coníferas ou
angiospermas
• Fogo ausente
FLORESTA TEMPERADA ÚMIDA
• Árvores de grande porte
• Fitzroya cupressoides – Bosque Valdiviano
• 40-60 m (média)- 4.2 m diâmetro
• 3622 anos
• Sequoiadendron giganteum – Califórnia
• 50-85 m (média) – 98m recorde
• 3500 anos
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• 13 mi km2
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Todos os invernos com temperaturas abaixo de zero.
• Precipitação anual entre 750 e 2000 mm.
• Maiores extensões se encontram no hemisfério Norte.
• De 3-4 espécies de árvores por km2.
• Polinização anemófila
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Gêneros comumente dominantes:
• Carvalhos do gênero Quercus - (oaks),
• Nogueiras do gênero Carya - (hickories),
• Bordos do gênero Acer - (maples).
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Carvalhos (oaks):
• ~600 espécies
• Madeiras densas, com muito tanino.
• Hibridiza com facilidade.
• Decíduas ou não.
• Centro de endemismo – México.
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Nogueiras (hickories):
• 17-19 espécies.
• Decíduas.
• Centro de endemismo : América do Norte.
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Bordos (maples).
• ~128 espécies.
• Decíduas.
• Centro de endemismo – Ásia.
FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS
• Poucos répteis e anfíbios.
• Migração, hibernação e diapausa.
• Pouquíssimos fragmentos em estado original.
• Muitas espécies ameaçadas de extinção.
CAMPOS
(TEMPERATE
GRASSLANDS)
• 9.8 mi km2
CAMPOS TEMPERADOS
• América do sul – Pampas
• América do Norte – Pradarias (prairies)
• África do Sul – Velds
• Rússia – Estepes
CAMPOS TEMPERADOS
• Inverno frio (frequentemente abaixo de zero).
• Verão relativamente quente (20-30 °C) e frequentemente sujeito a secas.
• Precipitação anual entre 250 e 1000 mm.
• Incêndios recorrentes.
• Estação de crescimento: 120-300 dias.
CAMPOS TEMPERADOS
• Plantas:
• Domínio de gramíneas C3 e C4.
• Gênero Andropogon, Panicum
• Inúmeras outras espécies herbáceas com flores muito vistosas.
ALTO INVESTIMENTO EM SISTEMA RADICULAR
CAMPOS TEMPERADOS
• Animais:
• Grandes mamíferos (perissodactyla, artiodactyla, cangurus, etc).
• Pequenos mamíferos que vivem em tocas.
CAMPOS TEMPERADOS
• Animais:
• Megafauna extinta
CAMPOS TEMPERADOS
• Alta taxa de mudança do uso da terra
• Conversão para agricultura e uso como pastagem
• Paisagens naturais deste bioma são raríssimas.
Cortaderia selloana
QUAIS SÃO?
01. Tundra
02. Taiga/Floresta Boreal
03. Floresta Temperada de Coníferas
03.1. Floresta Temperada Úmida
04. Floresta Decídua Temperada
05. Campos Temperados
06. Vegetação Mediterrânea
07. Desertos e Matagais Xéricos
08. Savanas Tropicais e Subtropicais
09. Florestas Tropicais e Subtropicais Secas
10. Florestas Tropicais e Subtropicais Úmidas
11. Florestas Tropicais e Subtropicais de Coníferas
12. Savanas e Campos Inundados
13. Pastagens e Matagais de Montanha
14. Manguezais
Energia
Sazonalidade
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA – 3 MI KM2
• Verão quente e seco.
• Inverno moderado.
• Precipitação anual:
• 500 a 1000 mm
• Costa oeste dos continentes associadas a correntes oceânicas frias.
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
• Arbustos, arboretas e árvores
• Cactos e eufórbias
• Alta diversidade (habitats e espécies)
• Suculência e esclerofilia
• Fogo recorrente
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
• Formações que variam de florestas (Eucalyptus na Austrália e Notophagus no
Chile), savanas (chaparal na Califórnia) até formações similares a um campo
sujo.
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
• Oliveiras (Olea europaea)
• Sobreiro (Quercus suber)
• Alecrim (Rosmarinus officinalis)
• Tomilho, sálvia, orégano, etc.
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
• Equinos, caprinos e ovinos
• Porcos selvagens, coelhos, lince e alguns lagartos.
VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
• São regiões semiáridas, com alto grau de alteração por atividades humanas.
DESERTOS E MATAGAIS XÉRICOS
• 25.2 milhões de km2
• Desertos quentes e frios
• Desertos Quentes
• De 0° a noite
a ~50°
durante o dia
• Precipitação
< 300 mm
• 20% da
superfície
terrestre.
DESERTOS QUENTES
• Vegetação depende da quantidade de chuva
• Espécies anuais (fotossíntese C3) e espécies suculentas (fotossíntese CAM)
FAUNA - DESERTOS QUENTES
• Répteis são importantes predadores
FAUNA - DESERTOS QUENTES
• Herbívoros especializados em alimentação baseada em sementes
• Répteis são importantes predadores
• Insetos com exoesqueletos com camada extra de quitina
• Excreção por ácido úrico.
DESERTOS QUENTES
• Ameaças
• Crosta biológica (cianobactérias, musgos e liquens)
• Salinização
• Desertos Frios
• Poucas espécies
• Suculentas são
ausentes
DESERTOS FRIOS
DESERTOS FRIOS
• Como para desertos quentes, plantas são geralmente anuais e produzem
muitas sementes, o que sustenta uma gama de organismos granívoros
(formigas, ratos, aves, etc).
Pinus longaeva, Great Basin bristlecone pine
5063 anos
DESERTOS QUENTES OU FRIOS
• Folhas pubescentes (tricomas)
• Diminui radiação absorvida
• Aumenta a resistência a perda de água
• Dificulta a herbivoria
SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS
Chuva anual
De 500 a 1500 mm
16.3 mi km2
Sazonalidade
marcante em
precipitação
(estação seca
longa).
As temperaturas
médias são altas.
Solos geralmente
pobres em
nutrientes
(distróficos)
SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS
• Gramíneas (C3 e C4)
• Arbustos e arvoretas
• Decíduas ou não; esclerofilia
• Grande investimento em sistema radicular
• (aquisição e reserva de recursos)
• Fustes tortuosos
SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS
• Fisionomias muito variadas
ADAPTAÇÕES DE GRAMÍNEAS A HERBIVORIA
Fitólitos Meristema protegido
SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS
• Sistemas savana-floresta podem ocorrer sob o mesmo clima, sendo dois
estados alternativos.
LIVRO RECOMENDADO
• Stiling, Peter D.
• Ecology : global insights & investigations
• ISBN 978-0-07-353247-9 — ISBN 0-07-353247-9 (hard copy : alk. paper)
• QH541.S6738 2012

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx

Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
Carolina Lisboa
 
Biomas
BiomasBiomas
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptxClimas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
JOOMARCOSALVESDESOUS
 
Biomas Tropicais
Biomas TropicaisBiomas Tropicais
Biomas Tropicais
geochp
 
A Geografia dos biomas tropicais
A Geografia dos biomas tropicaisA Geografia dos biomas tropicais
A Geografia dos biomas tropicais
Francicléa Avelino Ribeiro
 
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
KarinaSousa66
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
URCA
 
Copy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
Copy_of_08._Geo_I_-_VegetabbbbhhhhhhhhhhhCopy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
Copy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
a1084566
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Fábio Oliveira
 
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
LucianoPrado15
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
eunamahcado
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
Euna Machado
 
Biodiversidade e ambientes biomas
Biodiversidade e ambientes biomasBiodiversidade e ambientes biomas
Biodiversidade e ambientes biomas
Célia Figueiredo
 
DESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIASDESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIAS
Conceição Fontolan
 
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terraSexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
Sarah Lemes
 
O clima
O climaO clima
O clima
Diogo Reis
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Judson Malta
 
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileirosTéc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
Rafael Anaisce
 
Cap 4 ecossistemas brasileiros
Cap 4 ecossistemas brasileirosCap 4 ecossistemas brasileiros
Cap 4 ecossistemas brasileiros
Sarah Lemes
 

Semelhante a 2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx (20)

Aula6 biomas
Aula6 biomasAula6 biomas
Aula6 biomas
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptxClimas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
Climas e Formações Vegetais no Mundo.pptx
 
Biomas Tropicais
Biomas TropicaisBiomas Tropicais
Biomas Tropicais
 
A Geografia dos biomas tropicais
A Geografia dos biomas tropicaisA Geografia dos biomas tropicais
A Geografia dos biomas tropicais
 
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
41806_18b3f9c83563c1cc0abc496eb90ae0a8.pptx
 
Biomas
BiomasBiomas
Biomas
 
Copy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
Copy_of_08._Geo_I_-_VegetabbbbhhhhhhhhhhhCopy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
Copy_of_08._Geo_I_-_Vegetabbbbhhhhhhhhhhh
 
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticosOs grandes biomas terrestres e aquáticos
Os grandes biomas terrestres e aquáticos
 
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
608802261-Europa-Asia-Oceania-dominios-morfoclimaticos.pptx
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-Biomas brasileiros-
Biomas brasileiros-
 
Biodiversidade e ambientes biomas
Biodiversidade e ambientes biomasBiodiversidade e ambientes biomas
Biodiversidade e ambientes biomas
 
DESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIASDESERTOS E PRADARIAS
DESERTOS E PRADARIAS
 
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terraSexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
Sexto ano cap 6 os diferentes ambientes da terra
 
O clima
O climaO clima
O clima
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
Os biomas terrestres e seus impactos socioambientais
 
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileirosTéc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
Téc. Meio Ambiente: Aula 9 - Biomas brasileiros
 
Cap 4 ecossistemas brasileiros
Cap 4 ecossistemas brasileirosCap 4 ecossistemas brasileiros
Cap 4 ecossistemas brasileiros
 

Mais de PatriciaZanoli

sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......pptsexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
PatriciaZanoli
 
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
PatriciaZanoli
 
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.pptsexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
PatriciaZanoli
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).pptalimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
PatriciaZanoli
 
caracteristicas basicas dos anfibios para crianças
caracteristicas basicas dos anfibios para criançascaracteristicas basicas dos anfibios para crianças
caracteristicas basicas dos anfibios para crianças
PatriciaZanoli
 
anfibios - introdução ao reino simples..
anfibios - introdução ao reino simples..anfibios - introdução ao reino simples..
anfibios - introdução ao reino simples..
PatriciaZanoli
 
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamentalA eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
PatriciaZanoli
 
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptxtabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
PatriciaZanoli
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
PatriciaZanoli
 
QUIZ fundamental.pptx
QUIZ fundamental.pptxQUIZ fundamental.pptx
QUIZ fundamental.pptx
PatriciaZanoli
 

Mais de PatriciaZanoli (12)

sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......pptsexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
sexualidade_e_DST_-_Cavalcante. .......ppt
 
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
8anosistemareprodutormasculinoefeminino.ppt
 
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.pptsexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
sexualidade_e_DST_-_......Cavalcante.ppt
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).pptalimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
alimentos-e-nutrientes-170809132813 (1).ppt
 
caracteristicas basicas dos anfibios para crianças
caracteristicas basicas dos anfibios para criançascaracteristicas basicas dos anfibios para crianças
caracteristicas basicas dos anfibios para crianças
 
anfibios - introdução ao reino simples..
anfibios - introdução ao reino simples..anfibios - introdução ao reino simples..
anfibios - introdução ao reino simples..
 
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamentalA eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
A eletricidade trabalhada no oitavo ano fundamental
 
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptxtabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
tabela-periodica-e-propriedades-periodicas.pptx
 
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.pptBloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
Bloco_17_e_18_Platelmintos_e_Nematelmintos.ppt
 
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
 
QUIZ fundamental.pptx
QUIZ fundamental.pptxQUIZ fundamental.pptx
QUIZ fundamental.pptx
 

Último

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 

2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx

  • 1. AULA 4 - BIOMAS MUNDIAIS
  • 2. QUESTÕES PARA DISCUSSÃO COMUNIDADES II: • O que é Biodiversidade? Quais os aspectos envolvidos? • Como podemos comparar biodiversidade entre áreas? • Quais os principais índices de biodiversidade? • É possível prever o estágio final ou mesmo a trajetória de uma sucessão ecológica? • Explique o conceito de Clímax em ecologia. • Como se explica o padrão espacial observado de biodiversidade em ecossistemas terrestres na Terra? • O que diz a Teoria de Biogeografia de Ilhas? • Como podemos aplicar a Teoria de Biogeografia de Ilhas para áreas de conservação? • Quais fatores afetam negativamente a biodiversidade? E quais afetam de maneira positiva? • O que é Sucessão Ecológica? • Onde/como podemos aplicar o conhecimento em Sucessão Ecológica?
  • 3. PADRÃO GLOBAL DE TEMPERATURA
  • 5. PADRÕES DE CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA DISTRIBUIÇÃO DO CALOR
  • 7. DETALHES DE UM CLIMOGRAMA
  • 8. CONHECENDO-SE O CLIMA PODEMOS PREVER O BIOMA Climogramas
  • 9. 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 500 C mm Bioma I :________ 27.4C 2307 mm 33.0 23.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma III :________ 26.5C 922 mm 33.0 18.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma V :________ 27.1C 579 mm 34.0 20.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma IV :________ 21.4C 1542 mm 28.0 13.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 500 C mm Bioma II :________ 22.1C 2599 mm 30.0 13.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma VI :________ 19.6C 1616 mm 30.0 9.0 J A S O N D J F M A M J Exercício
  • 10. 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 500 C mm Bioma I :________ 27.4C 2307 mm 33.0 23.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma III :________ 26.5C 922 mm 33.0 18.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma V :________ 27.1C 579 mm 34.0 20.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma IV :________ 21.4C 1542 mm 28.0 13.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 500 C mm Bioma II :________ 22.1C 2599 mm 30.0 13.0 J A S O N D J F M A M J 0 10 20 30 40 50 0 20 40 60 80 100 300 C mm Bioma VI :________ 19.6C 1616 mm 30.0 9.0 J A S O N D J F M A M J Exercício Manaus Corumbá Sta Maria Ubatuba Brasília Petrolina
  • 15. BIOMAS Biomas = Comunidades bióticas recobrindo áreas extensas onde o clima e a geografia propiciaram a evolução de comunidades específicas (análogas). São as principais comunidades da Terra, caracterizadas por adaptações de organismos a um determinado clima.
  • 16. QUAIS SÃO OS BIOMAS? 01. Tundra 02. Taiga/Floresta boreal 03. Floresta temperada de coníferas 04. Floresta decídua temperada 05. Pradarias 06. Pastagens, savanas e matagais tropicais e subtropicais 07. Floresta mediterrânea de bosques e arbustos 08. Desertos e matagais xéricos 09. Florestas tropicais e subtropicais secas 10. Florestas tropicais e subtropicais húmidas 11. Florestas tropicais e subtropicais de coníferas 12. Savanas e campos inundados 13. Pastagens e matagais de montanha 14. Manguezais (De acordo com a WWF)
  • 18. CONCEITOS • Bioma: Unidade biológica de relativa homogeneidade. • Formação: Similar a Bioma, mas restrito a vegetação. • Fitofisionomia: Aparência física (visual). • Bioma-Tipo e Formação-Tipo (eg, florestas tropicais pan-tropicais).
  • 19. ADAPTAÇÃO: PADRÕES • Em ambientes semelhantes, soluções para problemas comuns levam a adaptações Análogas ou Homólogas
  • 21. FATORES LIMITANTES • Disponibilidade de energia (calor e luz) • Água • Entretanto, nutrientes também são importantes
  • 22. QUAIS SÃO? 01. Tundra 02. Taiga/Floresta boreal 03. Floresta temperada de coníferas 04. Floresta decídua temperada 05. Campos e savanas temperados 06. Campos e savanas tropicais e subtropicais 07. Floresta mediterrânea de bosques e arbustos 08. Desertos e matagais xéricos 09. Florestas tropicais e subtropicais secas 10. Florestas tropicais e subtropicais húmidas 11. Florestas tropicais e subtropicais de coníferas 12. Savanas e campos inundados 13. Campos e matagais de montanha 14. Manguezais (De acordo com a WWF) Temperatura
  • 23. TUNDRA (16 MILHÕES KM2) • Ausência de árvores (baixa temperatura, estação de crescimento curta). • Solos permanentemente congelados.
  • 24. Meses com temperatura média abaixo de zero Meses com temperatura abaixo de zero.
  • 26. TUNDRA • 1500 espécies de plantas vasculares • 48 mamíferos • Muitas aves migratórias • Ausência de répteis e anfíbios
  • 27. TUNDRA • Mudanças globais • 1/3 do estoque mundial de carbono orgânico do solo • O fogo é um elemento recorrente.
  • 28. TUNDRA • Antártica é muito fria e seca para suportar uma vegetação expressiva.
  • 29. TAIGA (OU FLORESTA BOREAL) – 19 MILHÕES KM2 • Dominada por coníferas (pinheiros e companhia). • 29% das áreas florestadas do mundo.
  • 31. TAIGA • Solos recentes (glaciações), pobres em nutrientes, ácidos, mas com muita matéria orgânica.
  • 32. TAIGA • 85 espécies de mamíferos (eg. lobo, alce, urso, lince, lebre, etc) • 32,000 espécies de insetos.
  • 33. TAIGA • Alguns peixes, anfíbios e répteis
  • 34. FLORESTAS TEMPERADAS DE CONÍFERAS 4.5 MILHÕES KM2 • Suporta grande biomassa. • Geralmente 2 camadas (dossel e sub-bosque) bem definidas.
  • 35. FLORESTAS TEMPERADAS DE CONÍFERAS • Matas de araucária (floresta ombrófila mista).
  • 36. FLORESTA TEMPERADA ÚMIDA • Precipitação anual > 1400 mm • Temperatura média entre 4 e 12° • Dominadas por coníferas ou angiospermas • Fogo ausente
  • 37. FLORESTA TEMPERADA ÚMIDA • Árvores de grande porte • Fitzroya cupressoides – Bosque Valdiviano • 40-60 m (média)- 4.2 m diâmetro • 3622 anos • Sequoiadendron giganteum – Califórnia • 50-85 m (média) – 98m recorde • 3500 anos
  • 39. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Todos os invernos com temperaturas abaixo de zero. • Precipitação anual entre 750 e 2000 mm. • Maiores extensões se encontram no hemisfério Norte. • De 3-4 espécies de árvores por km2. • Polinização anemófila
  • 40. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Gêneros comumente dominantes: • Carvalhos do gênero Quercus - (oaks), • Nogueiras do gênero Carya - (hickories), • Bordos do gênero Acer - (maples).
  • 41. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Carvalhos (oaks): • ~600 espécies • Madeiras densas, com muito tanino. • Hibridiza com facilidade. • Decíduas ou não. • Centro de endemismo – México.
  • 42. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Nogueiras (hickories): • 17-19 espécies. • Decíduas. • Centro de endemismo : América do Norte.
  • 43. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Bordos (maples). • ~128 espécies. • Decíduas. • Centro de endemismo – Ásia.
  • 44. FLORESTAS TEMPERADAS DECÍDUAS • Poucos répteis e anfíbios. • Migração, hibernação e diapausa. • Pouquíssimos fragmentos em estado original. • Muitas espécies ameaçadas de extinção.
  • 46. CAMPOS TEMPERADOS • América do sul – Pampas • América do Norte – Pradarias (prairies) • África do Sul – Velds • Rússia – Estepes
  • 47. CAMPOS TEMPERADOS • Inverno frio (frequentemente abaixo de zero). • Verão relativamente quente (20-30 °C) e frequentemente sujeito a secas. • Precipitação anual entre 250 e 1000 mm. • Incêndios recorrentes. • Estação de crescimento: 120-300 dias.
  • 48. CAMPOS TEMPERADOS • Plantas: • Domínio de gramíneas C3 e C4. • Gênero Andropogon, Panicum • Inúmeras outras espécies herbáceas com flores muito vistosas.
  • 49. ALTO INVESTIMENTO EM SISTEMA RADICULAR
  • 50. CAMPOS TEMPERADOS • Animais: • Grandes mamíferos (perissodactyla, artiodactyla, cangurus, etc). • Pequenos mamíferos que vivem em tocas.
  • 52. CAMPOS TEMPERADOS • Alta taxa de mudança do uso da terra • Conversão para agricultura e uso como pastagem • Paisagens naturais deste bioma são raríssimas. Cortaderia selloana
  • 53. QUAIS SÃO? 01. Tundra 02. Taiga/Floresta Boreal 03. Floresta Temperada de Coníferas 03.1. Floresta Temperada Úmida 04. Floresta Decídua Temperada 05. Campos Temperados 06. Vegetação Mediterrânea 07. Desertos e Matagais Xéricos 08. Savanas Tropicais e Subtropicais 09. Florestas Tropicais e Subtropicais Secas 10. Florestas Tropicais e Subtropicais Úmidas 11. Florestas Tropicais e Subtropicais de Coníferas 12. Savanas e Campos Inundados 13. Pastagens e Matagais de Montanha 14. Manguezais Energia Sazonalidade
  • 54. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA – 3 MI KM2 • Verão quente e seco. • Inverno moderado. • Precipitação anual: • 500 a 1000 mm • Costa oeste dos continentes associadas a correntes oceânicas frias.
  • 55. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA • Arbustos, arboretas e árvores • Cactos e eufórbias • Alta diversidade (habitats e espécies) • Suculência e esclerofilia • Fogo recorrente
  • 56. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA • Formações que variam de florestas (Eucalyptus na Austrália e Notophagus no Chile), savanas (chaparal na Califórnia) até formações similares a um campo sujo.
  • 57. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA • Oliveiras (Olea europaea) • Sobreiro (Quercus suber) • Alecrim (Rosmarinus officinalis) • Tomilho, sálvia, orégano, etc.
  • 58. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA • Equinos, caprinos e ovinos • Porcos selvagens, coelhos, lince e alguns lagartos.
  • 59. VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA • São regiões semiáridas, com alto grau de alteração por atividades humanas.
  • 60. DESERTOS E MATAGAIS XÉRICOS • 25.2 milhões de km2 • Desertos quentes e frios
  • 61. • Desertos Quentes • De 0° a noite a ~50° durante o dia • Precipitação < 300 mm • 20% da superfície terrestre.
  • 62. DESERTOS QUENTES • Vegetação depende da quantidade de chuva • Espécies anuais (fotossíntese C3) e espécies suculentas (fotossíntese CAM)
  • 63. FAUNA - DESERTOS QUENTES • Répteis são importantes predadores
  • 64. FAUNA - DESERTOS QUENTES • Herbívoros especializados em alimentação baseada em sementes • Répteis são importantes predadores • Insetos com exoesqueletos com camada extra de quitina • Excreção por ácido úrico.
  • 65. DESERTOS QUENTES • Ameaças • Crosta biológica (cianobactérias, musgos e liquens) • Salinização
  • 66. • Desertos Frios • Poucas espécies • Suculentas são ausentes
  • 68. DESERTOS FRIOS • Como para desertos quentes, plantas são geralmente anuais e produzem muitas sementes, o que sustenta uma gama de organismos granívoros (formigas, ratos, aves, etc). Pinus longaeva, Great Basin bristlecone pine 5063 anos
  • 69. DESERTOS QUENTES OU FRIOS • Folhas pubescentes (tricomas) • Diminui radiação absorvida • Aumenta a resistência a perda de água • Dificulta a herbivoria
  • 70. SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS Chuva anual De 500 a 1500 mm
  • 71. 16.3 mi km2 Sazonalidade marcante em precipitação (estação seca longa). As temperaturas médias são altas. Solos geralmente pobres em nutrientes (distróficos)
  • 72. SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS • Gramíneas (C3 e C4) • Arbustos e arvoretas • Decíduas ou não; esclerofilia • Grande investimento em sistema radicular • (aquisição e reserva de recursos) • Fustes tortuosos
  • 73. SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS • Fisionomias muito variadas
  • 74. ADAPTAÇÕES DE GRAMÍNEAS A HERBIVORIA Fitólitos Meristema protegido
  • 75. SAVANAS TROPICAIS E SUBTROPICAIS • Sistemas savana-floresta podem ocorrer sob o mesmo clima, sendo dois estados alternativos.
  • 76. LIVRO RECOMENDADO • Stiling, Peter D. • Ecology : global insights & investigations • ISBN 978-0-07-353247-9 — ISBN 0-07-353247-9 (hard copy : alk. paper) • QH541.S6738 2012