SlideShare uma empresa Scribd logo
Para a Promoção de um
Comportamento Positivo e de um
Bom Aproveitamento Escolar
Devemos:
A – Investir na tarefa
organizando adequadamente o
trabalho:
30/01/2015 1Professor: Osmar da Silva Pereira
Uma vez iniciada a aula ...
1. Pôr a turma rapidamente ativa
2. Manter a atenção dos alunos durante a
aula
3. Estar alerta para o que está a acontecer
na turma
4. Analisar o que está a suceder na turma
5. Fazer com que a lição corra num bom
andamento
6. Assegurar efetivas oportunidades de
atividade prática
30/01/2015 2Professor: Osmar da Silva Pereira
7. Delegar responsabilidades nos
alunos
8. Ser capaz de lidar ao mesmo tempo
com mais do que uma tarefa
9. Usar a voz com eficácia.
10. Não demorar na entrega das
avaliações
11. Concluir adequadamente a lição
30/01/2015 3Professor: Osmar da Silva Pereira
B - INVESTIR NA RELAÇÃO
I. Promovendo comportamentos
positivos e bom aproveitamento
II. Reconhecendo a importância e
criando relações de alta qualidade
III. Desenvolvendo competências para
uma gestão eficaz dos
comportamentos
IV. Gerindo adequadamente as
situações difíceis
30/01/2015 4Professor: Osmar da Silva Pereira
 C - Princípios Fundamentais
- Os alunos fazem escolhas acerca do seu próprio
Comportamento
- É muito importante usar a linguagem da escolha
- As conseqüências positivas são centrais na
promoção do bom comportamento
- As conseqüências negativas, por si próprias, não
mudam o comportamento
- Sanções eficazes são as que incomodam o
aluno e o ajudam a tornar-se mais bem sucedido
30/01/2015 5Professor: Osmar da Silva Pereira
 I. Promovendo comportamentos
positivos e bom aproveitamento
 Conhecer e respeitar a política geral
da
escola no domínio da gestão dos
comportamentos
 Reconhecer que os comportamentos
se aprendem e ensinam e que os
professores têm um importante papel
neste processo
30/01/2015 6Professor: Osmar da Silva Pereira
 Princípios Chave
 O comportamento positivo deriva de
boas relações, de modelos positivos e
de uma comunicação clara
 A promoção de bom comportamento
e bom
aproveitamento requer que se
trabalhe na escola no quadro de uma
estrutura clara
 Não podemos controlar os alunos.
Podemos controlar-nos a nós próprios
30/01/2015 7Professor: Osmar da Silva Pereira
 Uma cultura não assente na culpa e
na censura proporciona apoio e
encorajamento à aprendizagem de
novos comportamentos
 O modo como os profs. e alunos se
sentem acerca de si próprios e da
escola afeta o modo como se
comportam
30/01/2015 8Professor: Osmar da Silva Pereira
 No ensino e promoção de bom
comportamento, é fundamental
reconhecer...
 ... a importância da existência e do respeito
por uma
 política geral de escola que guie o
trabalho de todos os professores
 A existência de uma política clara permite
que:
 Os alunos prevejam as conseqüências dos
seus atos mais facilmente
 Os adultos trabalhem em conjunto
 As conseqüências sejam aplicadas com
consistência
30/01/2015 9Professor: Osmar da Silva Pereira
 Política Geral da Escola no Domínio dos
Comportamentos
 Visa:
 Explicar princípios e objetivos
 Clarificar as expectativas de comportamento
 Indicar como o bom comportamento deve ser
encorajado
 Expor como o comportamento inadequado deve
ser corrigido
 Promover uma atuação consistente e partilhada
pelo conjunto da escola
30/01/2015 10Professor: Osmar da Silva Pereira
 Aspectos que uma política geral da escola no
domínio dos comportamentos deve
estabelecer:
 Direitos e Responsabilidade
 Regras e Rotinas
 Conseqüências
 Onde se encontra consubstanciada a política da
Escola no domínio dos direitos e deveres e da
regulação da vida social na escola?
 Regimento Escolar Padrão
 Estatuto da Carreira Docente
 Regulamento Interno da Escola
30/01/2015 11Professor: Osmar da Silva Pereira
É fundamental que todos
conheçam e orientam a sua
atuação no quadro estabelecidos
por estas normativas por forma a
assegurar um ambiente social
claro e consistente.
30/01/2015 12Professor: Osmar da Silva Pereira
No ensino e promoção de bom
comportamento, é fundamental
saber que...
... os alunos precisam aprender e
ser ensinados sobre o
comportamento apropriado;
... os professores ajudam os alunos
a aprender como se devem
comportar
30/01/2015 13Professor: Osmar da Silva Pereira
 Como aprendem os alunos a comportar-se bem?
 Por demonstração
 Por explicação
 Com prêmios pelo bom comportamento
 Por modelagem dos adultos e dos pares
 Praticando
Sendo-lhes dito e lembrado Por imitação dos outros
(adultos/pares)
 Por imitação dos outros (adultos/pares)
 Na escola, com os professores,
outros adultos e colegas
30/01/2015 14Professor: Osmar da Silva Pereira
 Reconhecendo a importância e criando
relações de alta qualidade para a promoção de
comportamentos positivos
 As relações são importantes no encorajamento do
bom comportamento
 Ser positivo encoraja o bom comportamento
 Princípios Chave
 O stress, a ansiedade, uma má gestão de conflitos
inibe a aprendizagem
 Ensinar a criança a criar relações bem sucedidas
é o papel dos adultos e é fundamental neste
processo
30/01/2015 15Professor: Osmar da Silva Pereira
O papel dos adultos é fundamental neste processo.
Como?
 Modelando o comportamento esperado dos alunos
 Gerindo adequadamente as suas próprias emoções
 Gerindo adequadamente os conflitos
 Importa criar relações bem sucedidas
 A primeira função de apoio à aprendizagem consiste em
criar,
deliberadamente, um clima no qual os alunos se sintam ..
valorizados enquanto indivíduos, confiantes, respeitados,
confortáveis seguros (física e emocionalmente) fazendo
parte do grupo
... e onde acreditem na possibilidade de poder ser bem
sucedidos
... é assim que todos nós sentimos em relações bem
conseguidas
30/01/2015 16Professor: Osmar da Silva Pereira
 Relações bem sucedidas são caracterizadas
por ...
 Compreensão, Simpatia, Respeito genuíno,
Ponderação, Saber o nome, Ser bom ouvinte, Ser
atencioso, Saber manter a calma, a tranqüilidade,
Ser amistoso, Ser digno de confiança, Ser digno
de confiança, Usar o bom humor, Mostrar
interesse,
Guardar as confidências,
 O modo como os professores se comportam,
falam, lidam com os alunos influi, modela o
comportamento destes
30/01/2015 17Professor: Osmar da Silva Pereira
 Para a promoção de relações bem sucedidas,
use as suas competências sociais ...
 Sorria, Mantenha contato visual, Use os nomes
próprios dos alunos, Leia a linguagem corporal e
a expressão facial.
 Pergunte e responda as questões formuladas
por eles.
 Use linguagem e tom de voz apropriados.
 Escute e responda adequadamente.
 Aceite pedido de desculpas.
 Dê-se a conhecer, fale de si próprio
30/01/2015 18Professor: Osmar da Silva Pereira
 Para a promoção de relações bem sucedidas,
mobilize atitudes, tais como ...
 Gaste tempo com os seus alunos e colegas de
profissão.
 Acredite que todas as pessoas são merecedoras de
respeito
Acredite que toda a relação envolve dar e receber.
 Esteja preparado para falar aberta, mas
apropriadamente, acerca de si próprio.
 Perceba a importância de obter e dar feedback.
 Seja capaz de pedir e de conseguir ajuda.
 Acredite que as pessoas têm uma mistura de
qualidades, forças e fraquezas.
30/01/2015 19Professor: Osmar da Silva Pereira
 Acredite que a maioria das pessoas
responde positivamente quando é
abordada positivamente
 Reconheça que as outras pessoas
nem sempre se comportam ou são
como gostaríamos que fossem
 Aceite que não somos obrigados a
gostar de toda a gente e que nem
toda a gente é obrigada a gostar de
nós
30/01/2015 20Professor: Osmar da Silva Pereira
 Para adotar uma atitude positiva na relação com
os seus alunos, como fazer? Algumas sugestões
...
 Notifique os alunos que estão a portar-se bem -
diga-lhes porque está satisfeito.
 Use descritivamente os elogios – “Gosto quando tu
...”
 Reconheça os alunos como indivíduos - use os
nomes próprios, cumprimente-os.
 Seja caloroso e positivo – distribua sorrisos e
exprima satisfação (Ótimo!
Viva!)
30/01/2015 21Professor: Osmar da Silva Pereira
 Trate os seus alunos como gosta que os
seus próprios filhos ou netos sejam
tratados na escola e como gostaria de ter
sido tratado quando foi aluno
 Procure conhecer os seus alunos, indague
sobre as suas famílias, férias, animais de
estimação, ...
 Dê tempo aos seus alunos, escute os seus
aborrecimentos e preocupações, desfrute
da conversa com eles
 Indique pelo nome os alunos que
merecem uma recompensa especial30/01/2015 22Professor: Osmar da Silva Pereira
 Para a promoção de comportamentos positivos,
use os elogios com eficácia
 Como fazer?
 O elogio eficaz é:
 Pessoal – usa o nome da pessoa
 Específico – diz exatamente o que lhe está a agradar
 Genuíno – não é excessivo no uso de superlativos
Desenvolvendo competências para uma gestão
eficaz dos comportamentos
 O poder das palavras ...
 Usar uma linguagem positiva.
 Dar eficazmente instruções.
 Fazer pedidos com clareza
30/01/2015 23Professor: Osmar da Silva Pereira
 Princípios Chave
 As palavras que usamos e o modo como as
usamos afetam muito o comportamento dos
que nos rodeiam
 A linguagem que usamos pode motivar e
encorajar os outros ou diminuí-los e magoá-
los
 A ling. positiva ajuda a perceber como
pretendemos que os alunos se comportem e
evita a confrontação e a discussão.
30/01/2015 24Professor: Osmar da Silva Pereira
 Linguagem que pode levar a situações difíceis
 Etiquetando
Pessoas como tu ... Os adolescentes hoje ...
 Psicologizando
És mesmo preguiçoso
O que ela está tentando dizer é ...
 Criando distância
Nem estou a ouvir-te... Desisti
 Comparando
O teu irmão sempre fez ---
A turma x ...
30/01/2015 25Professor: Osmar da Silva Pereira
 Exagerando
Tu sempre ... Tu nunca ...
 Usando a idade como um insulto
Ninguém diria que tens mais dois anos
Que idade tens mesmo?
 Sendo Sarcástico
Nasceste numa capoeira?
Mas quem é que tu julgas que és?
 Induzindo sentimentos de culpa
Os teus colegas não aprendem por tua causa
Perco metade da aula contigo
 Profetizando
Nunca irás conseguir nada
Uma dia irás lamentar tudo o que fizeste
30/01/2015 26Professor: Osmar da Silva Pereira
 Como fazer um pedido ou dar uma instrução de
modo eficaz:
 Oriente a atenção
 Nomeie ou use outra indicação verbal- use o nome
da pessoa ou do grupo ou “por favor” ou “hey” ...
 Pausa - para conseguir que a comunicação funcione
e, que o destinatário perceba que a instrução se lhe
dirige
 Dê a instrução ou faça o pedido com clareza – tão
simples quanto possível
 Pausa – dê tempo para a acomodação ao pedido
 Agradeça – implica que a instrução foi levada a sério
 Repita a instrução – um lembrete
30/01/2015 27Professor: Osmar da Silva Pereira
 GERINDO ADEQUADAMENTE AS SITUAÇÕES
DIFÍCEIS
 As competências de gestão dos comportamentos
podem ser desenvolvidas
 Princípios Chave
 Não podemos gerir o comportamento dos outros,
mas podemos gerir o nosso próprio comportamento e,
por vezes, as situações
 Confrontamo-nos, freqüentemente, com situações
difíceis e com conflitos
 A questão central é acalmar a situação e orientar
os outros para comportamentos mais apropriados
 As escolas devem dispor de um sistema claro de
comunicar e registrar incidentes e isso deve ser
seguido por todos
30/01/2015 28Professor: Osmar da Silva Pereira
 Como gerir situações difíceis ...
a) Modele o comportamento que pretende ver respeitado
b) Sublinhe o comportamento inaceitável, mas não a
pessoa, Isto é muito importante: pôr a tônica no
comportamento e não na pessoa. Isto permite que a
pessoa mude e use um melhor comportamento na
próxima vez.
c) Permaneça calmo
d) Use a linguagem da “escolha”
e) Não se deixe arrastar para a reação aos
comportamentos secundários
f) Saiba quando e como pedir ajuda
g) Se puder, tenha um plano, pense no que fará se ...
Deve evitar-se que o aluno construa de si a imagem de
uma pessoa má ou indelicada ou perversa. Como
todos queremos ser bons em alguma coisa, alguns
alunos podem, então, desejar ser “os melhores maus”
30/01/2015 29Professor: Osmar da Silva Pereira
 Exemplo:
 Luís, mas tu és mesmo muito mal educado!
versus
 Luís, se falarem comigo desse modo
incomoda-me; quero que fales
delicadamente
 Consiga que os outros saibam o que
podem esperar de ti.
Escute o ponto de vista do outro
Dê ao outro o direito de resposta
 Isto baixa a tensão de uma a situação
30/01/2015 30Professor: Osmar da Silva Pereira
 Peça desculpa, se for o caso
 Evite deixar-se arrastar para
discussões inúteis
 Evite envolver-se em competição pela
última palavra na contenda
 Isto reduz rapidamente a temperatura
de uma situação
 Não esqueça:
30/01/2015 31Professor: Osmar da Silva Pereira
 É preciso mais do que uma pessoa, para que
haja uma discussão
 Como permanecer calmo:
 Quebre o registro
 Seja claro sobre as suas necessidades, evitando
ficar zangado, desconfortável ou irritado. Para isso:
1. Assegure-se que o outro o escutou (Preciso que me
escutes)
2. Identifique com clareza o que pretende
3. Diga mesmo o que pretende dizer: atente na sua
linguagem corporal, na sua expressão verbal ...
4. Centre-se na questão, no essencial
5. Ignore as questões laterais
6. Se lhe parece que não o estão a perceber, peça
que repitam o que disse
30/01/2015 32Professor: Osmar da Silva Pereira
 Deite água na fervura
 Use a técnica do “acordo parcial”
 Concorde com uma qualquer verdade que surja na
discussão (Sim, é verdade, ontem estava muito
zangado(a))
 Reconheça o ponto de vista ou os sentimentos da outra
pessoa (Vejo que estás zangado(a)/Talvez isto te pareça
injusto)
 Exprima os seus sentimentos
 Pode ser útil dizer o que está a sentir, sem fazer grande
alarido: pode dizer que se sente zangado, sem se pôr
aos gritos
 Em vez de censurar ou condenar a outra pessoa, diga-
lhe como se está a sentir:
 Ex.: Sinto-me incomodado(a) sempre que chegas tarde
à aula, pois isso interrompe o que estou fazendo30/01/2015 33Professor: Osmar da Silva Pereira
 Procure uma solução que permita a ambos
salvar a face
 Pode ser útil propor uma escolha
 Ex.: Gostaria que tu ...; contudo vejo que
isto constitui para ti um problema. Que tal
se ...?
 Defira para mais tarde, se necessário
 Por vezes pode ser útil “comprar” tempo, a
fim de que a temperatura da situação
possa arrefecer ou de modo a conseguir-
se que ninguém perca a face
30/01/2015 34Professor: Osmar da Silva Pereira
Ex.: Preciso de pensar no que
disseste. Falaremos sobre isso
amanhã/Espera aí um pouco, por
favor. Preciso falar com.... Estarei
contigo dentro de poucos minutos/
Manifestamente não podemos
sair disto neste momento. Vamo-
nos dar um tempo para falarmos
sobre o assunto.
30/01/2015 35Professor: Osmar da Silva Pereira
 Use a palavra ESCOLHA com freqüência, quando
elogia ou corrige os seus alunos
 Reconheça que os alunos fazem escolhas sobre o
seu próprio comportamento, pois isso é:
 Saudável – esbate a luta pelo poder, pois os alunos
desafiantes, por vezes, querem sentir que têm o
controlo da situação ou que são importantes.
 Dar-lhes a oportunidade de escolher o seu
comportamento dá resposta a esta
necessidade, mas de um modo positivo
 Realista – os professores não podem fazer com que
os outros façam coisas que realmente não querem;
não podem controlar os alunos, mas apenas a si
próprios
30/01/2015 36Professor: Osmar da Silva Pereira
 Responsabilizante - favorece a assunção de
responsabilidade do aluno pelo
 seu comportamento e a auto -regulação. O
professor não tem que pensar que tem que os fazer
obedecer todo o tempo
 Não vá atrás dos comportamentos secundários
 Freqüentemente, os comportamentos secundários ...
não são uma forma de chamar os adultos de cegos
ou estúpidos ou de lhes dizer que estão errados;
 São uma forma de o aluno se afastar do sentimento
de mau estar provocado pelo fato de ter sido
apanhado a fazer algo de errado.
30/01/2015 37Professor: Osmar da Silva Pereira
Se puder, tenha um plano sobre o que seria bom que
fizesse nas situações difíceis
 Tome bem conta de si próprio quando lida com
situações/comportamentos difíceis ...
 Permaneça calmo e dê instruções claras e simples.
 Dê aos alunos tempo para executar as instruções.
 Mantenha distância. Não aponte dedos ou abane com
os dedos, não empurre ...
 Seja justo e consistente.
 Use adequadamente o humor.
 Diga aos alunos como quer que eles se comportem.
 Separe o comportamento da pessoa.
 Nunca catalogue os seus alunos ou lhes chame
nomes; refira-se, antes, ao seu comportamento30/01/2015 38Professor: Osmar da Silva Pereira
 Se puder, distrai-os antes que a perturbação comece
(converse com eles, proponha uma atividade, ...)
 Sublinhe o seu bom comportamento e diga-lhes como
está satisfeito(a).
 Não os diminua, não use o sarcasmo ou a humilhação.
 Fale aos outros do bom comportamento dos alunos.
 Encoraje a responsabilidade – distribua tarefas e papéis
pelos alunos.
 Peça desculpa, quando errar. Isso modela respeito e
aproxima-nos.
 Evite o confronto com alunos ou adultos zangados.
Permaneça calmo e sossegado e fale com eles mais
tarde, quando todos estiverem calmos.
 Saiba onde pedir ajuda e peça-a se for preciso. Use a
linguagem da escolha
Use o acordo parcial quando adequado.
 Quebre o registro da conversa, quando isso for
apropriado
30/01/2015 39Professor: Osmar da Silva Pereira
 EM SÍNTESE ...
 Invista em relações positivas
 Centre-se no que é realmente importante, nas questões
que verdadeiramente contam
 Conheça as políticas da escola e trabalhe de acordo com
elas
 Saiba quando e onde pedir ajuda
 Criar relações de qualidade:
 Veja e fale das coisas boas das pessoas
 Promova a confiança
 Permaneça calmo. Use a linguagem da escolha
 Promova a auto-estima
 Usar linguagem apropriada.
 Prever e planear a sua ação para situações difíceis.
 Prever como se gere a si próprio nessas situações
30/01/2015 40Professor: Osmar da Silva Pereira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
Claudia Elisabete Silva
 
Dicas de gestão da sala de aula
Dicas de gestão da sala de aulaDicas de gestão da sala de aula
Dicas de gestão da sala de aula
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
Gestão da sala de aula 2
Gestão da sala de aula 2Gestão da sala de aula 2
Gestão da sala de aula 2
Elsa Videira
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
Ananda Lima
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
Joao Balbi
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
Luciene Vales
 
Gestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptxGestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptx
IsabelaRibeiroBrosco
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
Carla Choffe
 
1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação
PNAIC UFSCar
 
Ot pautas de atpc
Ot   pautas de atpcOt   pautas de atpc
Ot pautas de atpc
Erica Frau
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
Magda Marques
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
Rosemary Batista
 
Aula nota 10
Aula nota 10Aula nota 10
Aula nota 10
Janaina Lopes
 
Acompanhamento de sala de aula
Acompanhamento de sala de aulaAcompanhamento de sala de aula
Acompanhamento de sala de aula
Escola Estadual Deputado Emílio Justo
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
Eliana Zati
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
Vadeilza Castilho
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Adilson P Motta Motta
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
Natália Lopes
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
Lilian Moreira
 
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTROAdaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
eejadyr
 

Mais procurados (20)

ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de AulaATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
ATPC Como Espaço de Formação - Gestão da Sala de Aula
 
Dicas de gestão da sala de aula
Dicas de gestão da sala de aulaDicas de gestão da sala de aula
Dicas de gestão da sala de aula
 
Gestão da sala de aula 2
Gestão da sala de aula 2Gestão da sala de aula 2
Gestão da sala de aula 2
 
Slides planejamento escolar
Slides planejamento escolarSlides planejamento escolar
Slides planejamento escolar
 
Planejamento escolar
Planejamento escolarPlanejamento escolar
Planejamento escolar
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Gestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptxGestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptx
 
Indisciplina escolar
Indisciplina escolarIndisciplina escolar
Indisciplina escolar
 
1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação1ª formação - Avaliação
1ª formação - Avaliação
 
Ot pautas de atpc
Ot   pautas de atpcOt   pautas de atpc
Ot pautas de atpc
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
 
Aula nota 10
Aula nota 10Aula nota 10
Aula nota 10
 
Acompanhamento de sala de aula
Acompanhamento de sala de aulaAcompanhamento de sala de aula
Acompanhamento de sala de aula
 
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade daA avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
A avaliação da aprendizagem e o princípio da continuidade da
 
Conselho de classe
Conselho de classeConselho de classe
Conselho de classe
 
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos DesmotivadosComo Lidar Com os Alunos Desmotivados
Como Lidar Com os Alunos Desmotivados
 
Indisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aulaIndisciplina na sala de aula
Indisciplina na sala de aula
 
4. avaliação
4. avaliação4. avaliação
4. avaliação
 
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTROAdaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
Adaptação curricular - EE PROFESSORA JADYR G. CASTRO
 

Semelhante a Gestão de sala de aula – dicas

Indisciplina
IndisciplinaIndisciplina
Indisciplina
guest1c37d0
 
25 atitudes-tornar-excelente-professor
25 atitudes-tornar-excelente-professor25 atitudes-tornar-excelente-professor
25 atitudes-tornar-excelente-professor
Lucio José Braga dos Santos
 
Incentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.docIncentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.doc
Ana Esteves
 
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado PositivoUsando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
nicholasraphael2
 
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de AprendizadoUsando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
nicholasraphael2
 
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitáriasUma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
Adilson P Motta Motta
 
4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno
Alba Mate Mate
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
Roselene Rocha
 
Etapa Motivação
Etapa MotivaçãoEtapa Motivação
Etapa Motivação
Clécio Bubela
 
Boas Práticas Para Uma Aula Envolvente
Boas Práticas Para Uma Aula EnvolventeBoas Práticas Para Uma Aula Envolvente
Boas Práticas Para Uma Aula Envolvente
Taís Cordeiro
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
Maria Bárbara Floriano
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
jeconiaseandreia
 
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de MoraesPerfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
heder oliveira silva
 
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativaEducação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
wilkerfilipel
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
Romes Heriberto
 
Estilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagemEstilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagem
Trevisan Escola de Negócios
 
Estilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagemEstilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagem
leticiabechara
 
Aec auto estima
Aec auto estimaAec auto estima
Aec auto estima
Teresa Vasconcelos
 
Incentivos pedagógicos
Incentivos pedagógicosIncentivos pedagógicos
Incentivos pedagógicos
firminiana
 

Semelhante a Gestão de sala de aula – dicas (20)

Indisciplina
IndisciplinaIndisciplina
Indisciplina
 
25 atitudes-tornar-excelente-professor
25 atitudes-tornar-excelente-professor25 atitudes-tornar-excelente-professor
25 atitudes-tornar-excelente-professor
 
Incentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.docIncentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.doc
 
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado PositivoUsando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
Usando a Autoridade para Criar um Ambiente de Aprendizado Positivo
 
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de AprendizadoUsando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
Usando a Autoridade em qualquer Ambiente de Aprendizado
 
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitáriasUma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
Uma educação consciente e transforamadora nas escolas comunitárias
 
4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno4.relacao professor aluno
4.relacao professor aluno
 
Gestão da sala de aula
Gestão da sala de aulaGestão da sala de aula
Gestão da sala de aula
 
Motivação em sala de aula
Motivação em sala de aulaMotivação em sala de aula
Motivação em sala de aula
 
Etapa Motivação
Etapa MotivaçãoEtapa Motivação
Etapa Motivação
 
Boas Práticas Para Uma Aula Envolvente
Boas Práticas Para Uma Aula EnvolventeBoas Práticas Para Uma Aula Envolvente
Boas Práticas Para Uma Aula Envolvente
 
Avaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolarAvaliação da aprendizagem escolar
Avaliação da aprendizagem escolar
 
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultosComo potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
Como potencializar e_dinamizar_o_ensino_para_adultos
 
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de MoraesPerfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
Perfil dos professores participantes Escola Estadual Adolfo Augusto de Moraes
 
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativaEducação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
Educação para a vida :os formadores e a estrutura educativa
 
Relação professor aluno
Relação professor alunoRelação professor aluno
Relação professor aluno
 
Estilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagemEstilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagem
 
Estilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagemEstilos de aprendizagem
Estilos de aprendizagem
 
Aec auto estima
Aec auto estimaAec auto estima
Aec auto estima
 
Incentivos pedagógicos
Incentivos pedagógicosIncentivos pedagógicos
Incentivos pedagógicos
 

Mais de pso2510

Números índices
Números índicesNúmeros índices
Números índices
pso2510
 
Estatistica aula 02
Estatistica aula 02Estatistica aula 02
Estatistica aula 02
pso2510
 
Mensagem a águia
Mensagem   a águiaMensagem   a águia
Mensagem a águia
pso2510
 
A riqueza da terceira idade
A riqueza da terceira idadeA riqueza da terceira idade
A riqueza da terceira idade
pso2510
 
Poligono concavos
Poligono concavosPoligono concavos
Poligono concavos
pso2510
 
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classe
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classeObesrvações importantes sobre os diásrios de classe
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classe
pso2510
 
Gestar ii matematica
Gestar ii    matematicaGestar ii    matematica
Gestar ii matematica
pso2510
 
Ler e escrever matemática osmar
Ler e escrever matemática   osmarLer e escrever matemática   osmar
Ler e escrever matemática osmar
pso2510
 
A beleza da_matematica
A beleza da_matematicaA beleza da_matematica
A beleza da_matematica
pso2510
 
10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir
pso2510
 
Matematica função.ppt [salvo automaticamente]
Matematica   função.ppt [salvo automaticamente]Matematica   função.ppt [salvo automaticamente]
Matematica função.ppt [salvo automaticamente]
pso2510
 
10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir
pso2510
 

Mais de pso2510 (12)

Números índices
Números índicesNúmeros índices
Números índices
 
Estatistica aula 02
Estatistica aula 02Estatistica aula 02
Estatistica aula 02
 
Mensagem a águia
Mensagem   a águiaMensagem   a águia
Mensagem a águia
 
A riqueza da terceira idade
A riqueza da terceira idadeA riqueza da terceira idade
A riqueza da terceira idade
 
Poligono concavos
Poligono concavosPoligono concavos
Poligono concavos
 
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classe
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classeObesrvações importantes sobre os diásrios de classe
Obesrvações importantes sobre os diásrios de classe
 
Gestar ii matematica
Gestar ii    matematicaGestar ii    matematica
Gestar ii matematica
 
Ler e escrever matemática osmar
Ler e escrever matemática   osmarLer e escrever matemática   osmar
Ler e escrever matemática osmar
 
A beleza da_matematica
A beleza da_matematicaA beleza da_matematica
A beleza da_matematica
 
10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir
 
Matematica função.ppt [salvo automaticamente]
Matematica   função.ppt [salvo automaticamente]Matematica   função.ppt [salvo automaticamente]
Matematica função.ppt [salvo automaticamente]
 
10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir10 motivos para sorrir
10 motivos para sorrir
 

Gestão de sala de aula – dicas

  • 1. Para a Promoção de um Comportamento Positivo e de um Bom Aproveitamento Escolar Devemos: A – Investir na tarefa organizando adequadamente o trabalho: 30/01/2015 1Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 2. Uma vez iniciada a aula ... 1. Pôr a turma rapidamente ativa 2. Manter a atenção dos alunos durante a aula 3. Estar alerta para o que está a acontecer na turma 4. Analisar o que está a suceder na turma 5. Fazer com que a lição corra num bom andamento 6. Assegurar efetivas oportunidades de atividade prática 30/01/2015 2Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 3. 7. Delegar responsabilidades nos alunos 8. Ser capaz de lidar ao mesmo tempo com mais do que uma tarefa 9. Usar a voz com eficácia. 10. Não demorar na entrega das avaliações 11. Concluir adequadamente a lição 30/01/2015 3Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 4. B - INVESTIR NA RELAÇÃO I. Promovendo comportamentos positivos e bom aproveitamento II. Reconhecendo a importância e criando relações de alta qualidade III. Desenvolvendo competências para uma gestão eficaz dos comportamentos IV. Gerindo adequadamente as situações difíceis 30/01/2015 4Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 5.  C - Princípios Fundamentais - Os alunos fazem escolhas acerca do seu próprio Comportamento - É muito importante usar a linguagem da escolha - As conseqüências positivas são centrais na promoção do bom comportamento - As conseqüências negativas, por si próprias, não mudam o comportamento - Sanções eficazes são as que incomodam o aluno e o ajudam a tornar-se mais bem sucedido 30/01/2015 5Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 6.  I. Promovendo comportamentos positivos e bom aproveitamento  Conhecer e respeitar a política geral da escola no domínio da gestão dos comportamentos  Reconhecer que os comportamentos se aprendem e ensinam e que os professores têm um importante papel neste processo 30/01/2015 6Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 7.  Princípios Chave  O comportamento positivo deriva de boas relações, de modelos positivos e de uma comunicação clara  A promoção de bom comportamento e bom aproveitamento requer que se trabalhe na escola no quadro de uma estrutura clara  Não podemos controlar os alunos. Podemos controlar-nos a nós próprios 30/01/2015 7Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 8.  Uma cultura não assente na culpa e na censura proporciona apoio e encorajamento à aprendizagem de novos comportamentos  O modo como os profs. e alunos se sentem acerca de si próprios e da escola afeta o modo como se comportam 30/01/2015 8Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 9.  No ensino e promoção de bom comportamento, é fundamental reconhecer...  ... a importância da existência e do respeito por uma  política geral de escola que guie o trabalho de todos os professores  A existência de uma política clara permite que:  Os alunos prevejam as conseqüências dos seus atos mais facilmente  Os adultos trabalhem em conjunto  As conseqüências sejam aplicadas com consistência 30/01/2015 9Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 10.  Política Geral da Escola no Domínio dos Comportamentos  Visa:  Explicar princípios e objetivos  Clarificar as expectativas de comportamento  Indicar como o bom comportamento deve ser encorajado  Expor como o comportamento inadequado deve ser corrigido  Promover uma atuação consistente e partilhada pelo conjunto da escola 30/01/2015 10Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 11.  Aspectos que uma política geral da escola no domínio dos comportamentos deve estabelecer:  Direitos e Responsabilidade  Regras e Rotinas  Conseqüências  Onde se encontra consubstanciada a política da Escola no domínio dos direitos e deveres e da regulação da vida social na escola?  Regimento Escolar Padrão  Estatuto da Carreira Docente  Regulamento Interno da Escola 30/01/2015 11Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 12. É fundamental que todos conheçam e orientam a sua atuação no quadro estabelecidos por estas normativas por forma a assegurar um ambiente social claro e consistente. 30/01/2015 12Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 13. No ensino e promoção de bom comportamento, é fundamental saber que... ... os alunos precisam aprender e ser ensinados sobre o comportamento apropriado; ... os professores ajudam os alunos a aprender como se devem comportar 30/01/2015 13Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 14.  Como aprendem os alunos a comportar-se bem?  Por demonstração  Por explicação  Com prêmios pelo bom comportamento  Por modelagem dos adultos e dos pares  Praticando Sendo-lhes dito e lembrado Por imitação dos outros (adultos/pares)  Por imitação dos outros (adultos/pares)  Na escola, com os professores, outros adultos e colegas 30/01/2015 14Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 15.  Reconhecendo a importância e criando relações de alta qualidade para a promoção de comportamentos positivos  As relações são importantes no encorajamento do bom comportamento  Ser positivo encoraja o bom comportamento  Princípios Chave  O stress, a ansiedade, uma má gestão de conflitos inibe a aprendizagem  Ensinar a criança a criar relações bem sucedidas é o papel dos adultos e é fundamental neste processo 30/01/2015 15Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 16. O papel dos adultos é fundamental neste processo. Como?  Modelando o comportamento esperado dos alunos  Gerindo adequadamente as suas próprias emoções  Gerindo adequadamente os conflitos  Importa criar relações bem sucedidas  A primeira função de apoio à aprendizagem consiste em criar, deliberadamente, um clima no qual os alunos se sintam .. valorizados enquanto indivíduos, confiantes, respeitados, confortáveis seguros (física e emocionalmente) fazendo parte do grupo ... e onde acreditem na possibilidade de poder ser bem sucedidos ... é assim que todos nós sentimos em relações bem conseguidas 30/01/2015 16Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 17.  Relações bem sucedidas são caracterizadas por ...  Compreensão, Simpatia, Respeito genuíno, Ponderação, Saber o nome, Ser bom ouvinte, Ser atencioso, Saber manter a calma, a tranqüilidade, Ser amistoso, Ser digno de confiança, Ser digno de confiança, Usar o bom humor, Mostrar interesse, Guardar as confidências,  O modo como os professores se comportam, falam, lidam com os alunos influi, modela o comportamento destes 30/01/2015 17Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 18.  Para a promoção de relações bem sucedidas, use as suas competências sociais ...  Sorria, Mantenha contato visual, Use os nomes próprios dos alunos, Leia a linguagem corporal e a expressão facial.  Pergunte e responda as questões formuladas por eles.  Use linguagem e tom de voz apropriados.  Escute e responda adequadamente.  Aceite pedido de desculpas.  Dê-se a conhecer, fale de si próprio 30/01/2015 18Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 19.  Para a promoção de relações bem sucedidas, mobilize atitudes, tais como ...  Gaste tempo com os seus alunos e colegas de profissão.  Acredite que todas as pessoas são merecedoras de respeito Acredite que toda a relação envolve dar e receber.  Esteja preparado para falar aberta, mas apropriadamente, acerca de si próprio.  Perceba a importância de obter e dar feedback.  Seja capaz de pedir e de conseguir ajuda.  Acredite que as pessoas têm uma mistura de qualidades, forças e fraquezas. 30/01/2015 19Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 20.  Acredite que a maioria das pessoas responde positivamente quando é abordada positivamente  Reconheça que as outras pessoas nem sempre se comportam ou são como gostaríamos que fossem  Aceite que não somos obrigados a gostar de toda a gente e que nem toda a gente é obrigada a gostar de nós 30/01/2015 20Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 21.  Para adotar uma atitude positiva na relação com os seus alunos, como fazer? Algumas sugestões ...  Notifique os alunos que estão a portar-se bem - diga-lhes porque está satisfeito.  Use descritivamente os elogios – “Gosto quando tu ...”  Reconheça os alunos como indivíduos - use os nomes próprios, cumprimente-os.  Seja caloroso e positivo – distribua sorrisos e exprima satisfação (Ótimo! Viva!) 30/01/2015 21Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 22.  Trate os seus alunos como gosta que os seus próprios filhos ou netos sejam tratados na escola e como gostaria de ter sido tratado quando foi aluno  Procure conhecer os seus alunos, indague sobre as suas famílias, férias, animais de estimação, ...  Dê tempo aos seus alunos, escute os seus aborrecimentos e preocupações, desfrute da conversa com eles  Indique pelo nome os alunos que merecem uma recompensa especial30/01/2015 22Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 23.  Para a promoção de comportamentos positivos, use os elogios com eficácia  Como fazer?  O elogio eficaz é:  Pessoal – usa o nome da pessoa  Específico – diz exatamente o que lhe está a agradar  Genuíno – não é excessivo no uso de superlativos Desenvolvendo competências para uma gestão eficaz dos comportamentos  O poder das palavras ...  Usar uma linguagem positiva.  Dar eficazmente instruções.  Fazer pedidos com clareza 30/01/2015 23Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 24.  Princípios Chave  As palavras que usamos e o modo como as usamos afetam muito o comportamento dos que nos rodeiam  A linguagem que usamos pode motivar e encorajar os outros ou diminuí-los e magoá- los  A ling. positiva ajuda a perceber como pretendemos que os alunos se comportem e evita a confrontação e a discussão. 30/01/2015 24Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 25.  Linguagem que pode levar a situações difíceis  Etiquetando Pessoas como tu ... Os adolescentes hoje ...  Psicologizando És mesmo preguiçoso O que ela está tentando dizer é ...  Criando distância Nem estou a ouvir-te... Desisti  Comparando O teu irmão sempre fez --- A turma x ... 30/01/2015 25Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 26.  Exagerando Tu sempre ... Tu nunca ...  Usando a idade como um insulto Ninguém diria que tens mais dois anos Que idade tens mesmo?  Sendo Sarcástico Nasceste numa capoeira? Mas quem é que tu julgas que és?  Induzindo sentimentos de culpa Os teus colegas não aprendem por tua causa Perco metade da aula contigo  Profetizando Nunca irás conseguir nada Uma dia irás lamentar tudo o que fizeste 30/01/2015 26Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 27.  Como fazer um pedido ou dar uma instrução de modo eficaz:  Oriente a atenção  Nomeie ou use outra indicação verbal- use o nome da pessoa ou do grupo ou “por favor” ou “hey” ...  Pausa - para conseguir que a comunicação funcione e, que o destinatário perceba que a instrução se lhe dirige  Dê a instrução ou faça o pedido com clareza – tão simples quanto possível  Pausa – dê tempo para a acomodação ao pedido  Agradeça – implica que a instrução foi levada a sério  Repita a instrução – um lembrete 30/01/2015 27Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 28.  GERINDO ADEQUADAMENTE AS SITUAÇÕES DIFÍCEIS  As competências de gestão dos comportamentos podem ser desenvolvidas  Princípios Chave  Não podemos gerir o comportamento dos outros, mas podemos gerir o nosso próprio comportamento e, por vezes, as situações  Confrontamo-nos, freqüentemente, com situações difíceis e com conflitos  A questão central é acalmar a situação e orientar os outros para comportamentos mais apropriados  As escolas devem dispor de um sistema claro de comunicar e registrar incidentes e isso deve ser seguido por todos 30/01/2015 28Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 29.  Como gerir situações difíceis ... a) Modele o comportamento que pretende ver respeitado b) Sublinhe o comportamento inaceitável, mas não a pessoa, Isto é muito importante: pôr a tônica no comportamento e não na pessoa. Isto permite que a pessoa mude e use um melhor comportamento na próxima vez. c) Permaneça calmo d) Use a linguagem da “escolha” e) Não se deixe arrastar para a reação aos comportamentos secundários f) Saiba quando e como pedir ajuda g) Se puder, tenha um plano, pense no que fará se ... Deve evitar-se que o aluno construa de si a imagem de uma pessoa má ou indelicada ou perversa. Como todos queremos ser bons em alguma coisa, alguns alunos podem, então, desejar ser “os melhores maus” 30/01/2015 29Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 30.  Exemplo:  Luís, mas tu és mesmo muito mal educado! versus  Luís, se falarem comigo desse modo incomoda-me; quero que fales delicadamente  Consiga que os outros saibam o que podem esperar de ti. Escute o ponto de vista do outro Dê ao outro o direito de resposta  Isto baixa a tensão de uma a situação 30/01/2015 30Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 31.  Peça desculpa, se for o caso  Evite deixar-se arrastar para discussões inúteis  Evite envolver-se em competição pela última palavra na contenda  Isto reduz rapidamente a temperatura de uma situação  Não esqueça: 30/01/2015 31Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 32.  É preciso mais do que uma pessoa, para que haja uma discussão  Como permanecer calmo:  Quebre o registro  Seja claro sobre as suas necessidades, evitando ficar zangado, desconfortável ou irritado. Para isso: 1. Assegure-se que o outro o escutou (Preciso que me escutes) 2. Identifique com clareza o que pretende 3. Diga mesmo o que pretende dizer: atente na sua linguagem corporal, na sua expressão verbal ... 4. Centre-se na questão, no essencial 5. Ignore as questões laterais 6. Se lhe parece que não o estão a perceber, peça que repitam o que disse 30/01/2015 32Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 33.  Deite água na fervura  Use a técnica do “acordo parcial”  Concorde com uma qualquer verdade que surja na discussão (Sim, é verdade, ontem estava muito zangado(a))  Reconheça o ponto de vista ou os sentimentos da outra pessoa (Vejo que estás zangado(a)/Talvez isto te pareça injusto)  Exprima os seus sentimentos  Pode ser útil dizer o que está a sentir, sem fazer grande alarido: pode dizer que se sente zangado, sem se pôr aos gritos  Em vez de censurar ou condenar a outra pessoa, diga- lhe como se está a sentir:  Ex.: Sinto-me incomodado(a) sempre que chegas tarde à aula, pois isso interrompe o que estou fazendo30/01/2015 33Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 34.  Procure uma solução que permita a ambos salvar a face  Pode ser útil propor uma escolha  Ex.: Gostaria que tu ...; contudo vejo que isto constitui para ti um problema. Que tal se ...?  Defira para mais tarde, se necessário  Por vezes pode ser útil “comprar” tempo, a fim de que a temperatura da situação possa arrefecer ou de modo a conseguir- se que ninguém perca a face 30/01/2015 34Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 35. Ex.: Preciso de pensar no que disseste. Falaremos sobre isso amanhã/Espera aí um pouco, por favor. Preciso falar com.... Estarei contigo dentro de poucos minutos/ Manifestamente não podemos sair disto neste momento. Vamo- nos dar um tempo para falarmos sobre o assunto. 30/01/2015 35Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 36.  Use a palavra ESCOLHA com freqüência, quando elogia ou corrige os seus alunos  Reconheça que os alunos fazem escolhas sobre o seu próprio comportamento, pois isso é:  Saudável – esbate a luta pelo poder, pois os alunos desafiantes, por vezes, querem sentir que têm o controlo da situação ou que são importantes.  Dar-lhes a oportunidade de escolher o seu comportamento dá resposta a esta necessidade, mas de um modo positivo  Realista – os professores não podem fazer com que os outros façam coisas que realmente não querem; não podem controlar os alunos, mas apenas a si próprios 30/01/2015 36Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 37.  Responsabilizante - favorece a assunção de responsabilidade do aluno pelo  seu comportamento e a auto -regulação. O professor não tem que pensar que tem que os fazer obedecer todo o tempo  Não vá atrás dos comportamentos secundários  Freqüentemente, os comportamentos secundários ... não são uma forma de chamar os adultos de cegos ou estúpidos ou de lhes dizer que estão errados;  São uma forma de o aluno se afastar do sentimento de mau estar provocado pelo fato de ter sido apanhado a fazer algo de errado. 30/01/2015 37Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 38. Se puder, tenha um plano sobre o que seria bom que fizesse nas situações difíceis  Tome bem conta de si próprio quando lida com situações/comportamentos difíceis ...  Permaneça calmo e dê instruções claras e simples.  Dê aos alunos tempo para executar as instruções.  Mantenha distância. Não aponte dedos ou abane com os dedos, não empurre ...  Seja justo e consistente.  Use adequadamente o humor.  Diga aos alunos como quer que eles se comportem.  Separe o comportamento da pessoa.  Nunca catalogue os seus alunos ou lhes chame nomes; refira-se, antes, ao seu comportamento30/01/2015 38Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 39.  Se puder, distrai-os antes que a perturbação comece (converse com eles, proponha uma atividade, ...)  Sublinhe o seu bom comportamento e diga-lhes como está satisfeito(a).  Não os diminua, não use o sarcasmo ou a humilhação.  Fale aos outros do bom comportamento dos alunos.  Encoraje a responsabilidade – distribua tarefas e papéis pelos alunos.  Peça desculpa, quando errar. Isso modela respeito e aproxima-nos.  Evite o confronto com alunos ou adultos zangados. Permaneça calmo e sossegado e fale com eles mais tarde, quando todos estiverem calmos.  Saiba onde pedir ajuda e peça-a se for preciso. Use a linguagem da escolha Use o acordo parcial quando adequado.  Quebre o registro da conversa, quando isso for apropriado 30/01/2015 39Professor: Osmar da Silva Pereira
  • 40.  EM SÍNTESE ...  Invista em relações positivas  Centre-se no que é realmente importante, nas questões que verdadeiramente contam  Conheça as políticas da escola e trabalhe de acordo com elas  Saiba quando e onde pedir ajuda  Criar relações de qualidade:  Veja e fale das coisas boas das pessoas  Promova a confiança  Permaneça calmo. Use a linguagem da escolha  Promova a auto-estima  Usar linguagem apropriada.  Prever e planear a sua ação para situações difíceis.  Prever como se gere a si próprio nessas situações 30/01/2015 40Professor: Osmar da Silva Pereira