SlideShare uma empresa Scribd logo
GESTÃO DO CONHECIMENTO
CAPACITAÇÃO EM EGC
Conhecer parte dos fundamentos da GC, de modo a
compreender suas bases conceituais e identificar
oportunidades de melhoria efetiva em sua organização; e
Conhecer um elenco de práticas, técnicas e ferramentas de
GC aplicáveis nos diversos processos de conhecimento, de
modo a saber identificar e aplicar as mais apropriadas aos
desafios organizacionais que você enfrenta como líder ou
gestor.
ROTEIRO DE CURSO GC
O que é GC?
Objetivo de GC
Questões Estratégicas para os
processos de GC.
Como GC na ORGANIZAÇÃO?
Quais práticas, técnicas e
ferramentas de GC?
Governança do Conhecimento.
O QUE É GC?
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Há um excesso de informações
(internas e externas)
não estruturadas e não confiáveis
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
As decisão estão
mais complexas
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Não há tempo para uma busca e
análise mais cuidadosa.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
E, neste contexto...
O mundo percebeu a importância da GC...
Principalmente para a retenção de conhecimentos essenciais,
compartilhamento de boas práticas e lições aprendidas
diminuição dos erros nas tomadas de decisão solitárias;
reaproveitamento dos conhecimentos criados,
e para a inovação!
E, assim... Surge a GC
Surge para gerenciar:
 Muito além da disponibilização de dados ....
 e a simples disseminação de informações.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
individual Grupos
ORGA
NIZA
CIONAL
Para o gerenciamento de conhecimento
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Desafios organizacionais em GC
• Quais são os Conhecimento geradorores
de valor organizacional?
• Como tratar dos processos para gerar
ativos do conhecimento?
• Como tratar o Conhecimento como
conteúdo da engenharia, da gestão e da
mídia?
• Como reconhecer valor dos ativos
intangíveis tanto quanto dos ativos
tangíveis?
• Quais experiências em GC caberá institucionalizar
respeitando os elementos da cultura, da estratégia e
da sustentabilidade?
• Qual o papel estratégico da Comunicação, da TI e
do RH?
• Como gerar valor a partir da Universidade
Corporativa e do Programa de competências?
• Como selecionar ideias e gerenciar conhecimentos
para promoção da inovação?
• Como formar um Centro de Memória para
armazenar e dinamicamente compartilhar os ativos
do conhecimento?
GC na Administração Pública
 Organizações de maior eficiência são as que gerenciam de modo
mais eficiente os processos de GC para aquisição,
compartilhamento e utilização de conhecimentos a qualquer
tempo por (e para) qualquer pessoa.
Para ser eficiente em gestão são necessárias:
estruturas, práticas, técnicas e
ferramentas de GIC que apoiem a
identificação, mapeamento, inventário
e tratamento dos conhecimentos
criados durante as rotinas e projetos
para que possam ser armazenados,
compartilhados, e aplicados em
desafios e projetos futuros de maneira
mais ágil e confiável.
• apoiar a aquisição e o compartilhamento de conhecimentos intra e inter
rotinas, projetos e departamentos;
• Dar suporte para a agilização sem aumentar risco da tomada de decisão;
• ter sistemas inteligentes eliminando dispersão e entropias;
• reduzir os custos e retrabalhos com o armazenamento dinâmico de boas
praticas e lições aprendidas;
• estimular a socialização e o compartilhamento de conhecimentos individuais
e de grupos;
• potencializar resultados a partir de uma memoria institucionalizada.
Assim, estar maduro em GC significa
estar pronto para:
DEFINIÇÃO DE GC
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Macro Conceito
Uso e combinação de fontes
(humanas e não humanas) e de tipos de
conhecimentos (tácitos, implícitos e
explícitos) nas tomadas de decisão
(estratégicas, táticas e operacionais) com
o objetivo maior de agregar valor
aos produtos (bens e serviços) de
maneira a criar riqueza e aumentar a
competitividade e sustentabilidade
de todo o sistema organizacional.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Nonaka eTakeuchi, 2005; Terra, 2010; Freire, 2013
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
São processos de GC:
adquirir,
Compartilhar,
Institucionalizar,
armazenar, e
aplicar
conhecimento!
A Gestão do
Conhecimento é a adm.
de uma ‘(...) ampla coleção
de práticas organizacionais
relacionadas à geração, à
captura, à disseminação de
know-how para promover o
compartilhamento do
conhecimento na organização e
com o mundo exterior (OCDE*,
2003).
Organização para a Cooperação e
Desenvolvimento Econômico
O que é GC?
Combinamos as visões de processos e conteúdos
GC é uma disciplina que estabelece meios para a organização gerir seus
ativos intangíveis, percebidos tanto como resultados de suas atividades
(Conteúdo) como nas atividades exercidas por seus indivíduos (Processos).
Fonte: Freire e Spanhol, 2013; Pacheco, 2013
conhecimento organizacional e sua
relação com os conhecimentos individuais e
coletivos, observados tanto nas dimensões
de processo como de conteúdo
GC se relaciona com a estratégia da
organização e prevê meios e práticas
de colocar o conhecimento como fator
de produção organizacional
GC focaliza processos e as atividades
desempenhadas por indivíduos para buscar meios
de melhorar a performance organizacional
GC se relaciona com gestão da informação, quando
focaliza a dimensão conteúdo e quando prevê as TIC
como instrumentos de apoio às suas práticas
Fonte: Pacheco, 2013
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Aprendizagem
Organizacional
Organizações que
Aprendem
Gestão de Dados,
Informações e
Conhecimentos
Organizacionais
Engenharia e Mídias
do Conhecimento
GCTeoria Prática
Processo
Produto
Temas relacionados a GC
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Pacheco e Neri, 2015
CAPITAL
HUMANO
CAPITAL
ORGANIZACIONAL
CAPITAL
TECNOLÓGICO
CAPITAL
NEGÓCIO
CAPITAL
SOCIAL
ELEMENTOS
Valores e
atitudes
Cultura
Investimento em
P,D&I
Relação com o
Cliente
Relação com
acionistas,
instituições
Atitudes Estrutura
Capacidade
Tecnologica
Relação com
fornecedores
Relações com
administradores
públicos
Capacidades
Aprendizado
Organizacional
Propriedade
Intelectual e
Tecnológica
Relações com
parceiros
Relaçoes com a
defesa do meio
ambiente
Processos
Relações com
concorrentes
Relações sociais
Relação com
meios de
comunicação e
imagem
corporativa
Reputação
corporativa
Relação com
Instituições de
Outras relações
com a sociedade
Freire, 2013
Temas relacionados a GC
CapitalIntelectual
CONCEITOS BÁSICOS DADOS –INFORMAÇÕES -
CONHECIMENTOS
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Conceitos básicos
 Dados são elementos simples como fatos, ocorrências e
números armazenados nos sistemas que estão em sua forma
bruta. Sozinhos não oferecem a compreensão da situação
analisada, ou seja, não se pode tomar decisões efetivas com
base apenas em dados, mas estes são indispensáveis para a
criação de informações e conhecimentos.
 Por exemplo, são dados os nomes dos contribuintes de ICMS
armazenados no sistema, bem como a data que ele
efetivamente pagou os impostos. Também são dados o valor
total de ICMS pago no mês e, a data do mês com o maior
valor de arrecadação. É dado a lei publicada.
 Informações são dados brutos relacionados. As informações são
geradas através da análise e inter-relação dos dados brutos
armazenados.
 Por exemplo, é preciso relacionar dados brutos para responder
perguntas como: Quantos contribuintes pagaram o ICMS antes
do vencimento no mês de janeiro? Ou, quais os contribuintes
que pagaram o ICMS em janeiro e quais estão devendo – por
região e setor? As respostas que o COLABORADOR oferece a
estas questões dependerá da relação de dados armazenados
em bancos diferentes para criar informações que o apoiarão
em sua rotina e estratégia de trabalho.
 É informação – a resposta oferecida pelo COLABORADOR ao
contribuinte de como irá aplicar a lei.
Conceitos básicos
Conceitos básicos
 Conhecimento é a informação aplicada em tomadas de
decisões essenciais ao alcance de objetivos estratégicos. O
conhecimento que deve ser gerenciado, é o conhecimento
essencial a cadeia de valor da organização. É o conhecimento
que não pode faltar para que a tarefa seja eficaz, para que o
processo seja eficiente, e, por fim, para que a área alcance os
resultados pretendidos. Ou seja, quando o COLABORADOR
relaciona dados transformando-os em informação e, desta
informação toma decisões que impactam sua rotina de trabalho,
muda processos ou gera estratégias para a organização, ele está
criando conhecimentos essenciais que devem ser gerenciados
pela organização.
 Exemplo: Lei interpretada corretamente, consensada pela área
responsável na ORGANIZAÇÃO que dará uma interpretação
segura ao contribuinte sobre a aplicação da lei.
Conceitos Básicos
 Dados
 Informações
 Conhecimento
 Disponibilização
 Disseminação
 Compartilhamento
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Ações relacionadas aos elementos
BASE DE DADOS
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
disponibiliza
BEM RABUGENTO:
VEM ME BUSCAR
QUEM QUISER!
DADOS
BASE DE INFORMAÇÕES
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
dissemina
MAIS SIMPÁTICO:
ME LEVO ATÉ VOCÊ!
INFORMAÇÕES
DADOS
BASE DO CONHECIMENTO
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
CONHECIMENTO
INFORMAÇÕES
DADOS
compartilha
MAIS
COLABORATIVO:
RECEBO SUAS IDÉIAS
E PERCEBO O QUE
VOCÊ QUER!
BASE DO CONHECIMENTO
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
REPRESENTAÇÃO
DO
CONHECIMENTO
CONHECIMENTO
INFORMAÇÕES
DADOS
interrelaciona
MAIS INTELIGENTE:
ASSIM FICA BEM MAIS
RÁPIDO
TOMAR DECISÕES!
BASE DO CONHECIMENTO
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
REPRESENTAÇÃO
DO
CONHECIMENTO
CONHECIMENTO
INFORMAÇÕES
DADOS
retroalimenta
MAIS INOVAÇÃO:
APRENDIZADO E
PROSPECÇÃO!!!
A GC INFLUENCIA OS RESULTADOS DAS
TAREFAS DOS COLABORADORES.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
IDENTIFICAR
Conhecimentos
MAPEAR
Stakeholder
APOIAR
Processos de GC
DEFINIR
Estratégia de TIC
para a GC
ORIENTAR
COMUNICAÇÃO
INRA E INTER
ESTABELECER
SISTEMAS DE
CONHECIENTO
IMPLANTAR
GOVERNANÇA
APRENDIZAGEM
E DA LIDERANÇA
Desenvolvimento
da TAREFA com
COMPETÊNCIA
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
D.I.C.
ESSENCIAIS para que o
funcionário desenvolva
suas tarefas.
D.I.C.
RESULTANTES
GESTÃO DO CONHECIMENTOS ESSENCIAIS AO FLUXO
DA CADEIA DE VALOR ORGANIZACIONAL
Resumo, a importância da implantação da
Gestão da Informação e do Conhecimento...
Construir uma base dinâmica e retroalimentável de informações e conhecimentos para
aprimorar processos, reduzir custos, aumentar oportunidades de
faturamento e gerar valor distintivo, consolidando e disseminando o
conhecimento.
 Aproximar pessoas para fazer acontecer as ideias,
 Reaproveitar informação e conhecimento gerados durante as rotinas e “projetos
presentes” em valor para as rotinas e “projetos futuros”.
 Eliminar retrabalho e desperdícios de conhecimentos.
MAS COMO FAZER GC NA
ORGANIZAÇÃO?
DIAGNÓSTICO
MATURIDADE EM GESTÃO DO CONHECIMENTO
DIAGNÓSTICO DE MATURIDADE DE GIC
• Análise de 7 DIMENSÕES ORGANIZACIONAIS que, de alguma maneira influenciam e
determinam os resultados da GIC:
1. Estratégia
2. liderança,
3. processos organizacionais e de conhecimento,
4. gestão de pessoas e os comportamentos individuais para a colaboração e o
compartilhamento,
5. existência e uso de tecnologias interativas, integrativas e inclusivas,
6. aprendizagem e inovação e, por fim
7. resultados da própria GC.
1. Qual o grau de utilização da GIC?
2. Qual a maturidade para implementar e manter de forma
sistemática os processos de GC?
Gráfico Exemplo: Resultado do Diagnóstico da Maturidade da GIC
Fonte: ENGIN/EGC/UFSC (2016)
Gráfico Exemplo : Validação dos resultados da avaliação da Maturidade de GC
Legenda:
•Linha vermelha = média das respostas dos participantes do Grupo GC
•Linha azul = média das respostas dos servidores
Resumidamente, as iniciativas de GC ainda são insipientes e confirmam a demanda por a
implantação de um Modelo de Gestão do Conhecimento para a coordenação de ações
dispersas.
Figura 3: Grau de Maturidade de GC
Fonte: APO (2009)
EXEMPLO
94,5 pontos
Qual o grau de utilização da GC?
Figura 2: Régua do Grau de Utilização de GC
0
não reconhece
a necessidade
de implantação
da GC
1
já reconhece a
necessidade da
implantação da
GC e existem
algumas
práticas na
gestão (ou em
processo)
2
Já iniciou a
implantação da
GC e a
coordenação
das diversas
práticas,
técnicas e
ferramentas de
GC em entropia
na organização
3
Coordenada
com qualidade
alguns dos
processos de
GC
4
Coordenada
com qualidade
todos os
processos de
GC
5
Mensura
sistêmica-
mente os
Resultados de
GC
Fonte: ENGIN/EGC/UFSC (2016).
MATURIDADE NÍVEL 1 EXEMPLO DE DEPOIMENTO
• “Estou [...] dependendo exclusivamente do meu interesse em
adquirir conhecimento, sinto falta de um suporte, de uma
informação precisa do que devo fazer e o que esperam de mim.
Entrei para substituir um servidor aposentado que fazia o mesmo
serviço há 10 anos e todo seu conhecimento foi embora com ele. Tive
apenas 2 semanas para tentar aprender o serviço que ele fazia. Ele se
foi e eu fiquei totalmente por conta. Graças a Deus, encontrei um
colega que teve boa vontade de me ajudar em alguns momentos,
mas, aprendi o serviço por tentativa, erros e acertos. “
As respostas ...
confirmam ou não a
necessidade de
implantação de práticas,
técnicas e ferramentas
de GC que possibilitem a
gestão de informações e
conhecimentos do
ecossistema onde a
ORGANIZAÇÃO se insere.
Exemplos de pontos críticos possíveis de serem identificados
1. A ORGANIZAÇÃO já pontua uma forte trajetória em TI, mas ainda está
iniciando na gestão da informação e conhecimento (GIC).
2. As diferentes iniciativas de GIC são pontuais e setoriais, não sendo
gerenciadas coordenadamente.
3. as ações que poderiam apoiar a GIC estão em entropia, espalhadas pelo
extenso ambiente que soma mais de “n” COLABORADORES, “n” sistemas de
informação e tantos outros milhares de stakeholders e processos de
negócios.
4. Enfrenta-se conflitos internos, resistências culturais e desconhecimento
quanto os esforços necessários para a implantação da GIC.
5. Não há capacitação continua nem sistemas para incentivo de redes de
aprendizagem.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
PLANO DE AÇÕES COORDENADAS PARA
ELIMINAÇÃO DE BARREIRAS E IMPLANTAÇÃO DA GC.
 O Plano de Ações propõe a implantação no prazo de “x” anos, de “x”
ações de GC, divididas em “x” categoriais, por
exemplo:
Implantação de GC;
Processos;
Sistemas Inteligentes de GC;
Gestão Estratégica de Pessoas;
Modelo de Comunicação Organizacional;
Universidade Corporativa em Rede.
Necessidade de implantação da Governança da GC
Diagnóstico de
Maturidade de
GC
Auditoria dos
Conhecimentos
Essenciais
Estratégia
de GC
Conselho
Estratégico de
GC e Grupo
Multidisciplinar
de GC
Seleção de PTF
de Auditoria de
conhecimentos
essenciais
Monitorar e
avaliar a
Gestão dos
processo de
GC
DAR SUPORTE PARA QUE A GC ACONTEÇA.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Tipo Local Característica Exemplos
Tácito
Mente de seres
humanos
(colaboradores,
clientes,
fornecedores,
consultores, etc.)
Know how – habilidades e
experiências.
(Saber fazer o cálculo)
Conhecimento dos profissionais
que desenvolveram um sistema.
Know why e Know when –
importância e consequências
das ações, compreensão do
momento indicado para agir.
Pode ser explicado e
documentado
(Saber ensinar a fazer o cálculo)
Forma pela qual os especialistas
fazem alterações no sistema e a
noção de como o sistema pode
atender às necessidades do
usuário da organização.
Implícito
Explícito
Bases de
conhecimento,
Mapas de
conhecimento,
Ontologias
Know what – conhecimento
descritivo e identificado,
representado (codificado) e
registrado (armazenado)
(O manual de normas que ensina a
fazer o cálculo)
O sistema, com suas regras de
atualização e ampliação e,
especialmente, aplicação e uso
nas tarefas, atividades e
estratégias.
GC apoia a Identificação de:
Boas Práticas
 Quais conhecimentos
tácitos, implícitos e
explícitos podem ser
considerados boas práticas
e por isso devem ser
gerenciados para serem
institucionalizados?
Lições Aprendidas
 Quais conhecimentos
tácitos, implícitos e
explícitos podem ser
considerados lições
aprendidas e por isso
devem ser gerenciados
para não serem repetidos?
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
IDENTIFICAR
Conhecimentos
MAPEAR
Stakeholder
APOIAR
Processos de GC
DEFINIR
Estratégia de TIC
para a GC
ORIENTAR
COMUNICAÇÃO
INRA E INTER
ESTABELECER
SISTEMAS DE
CONHECIENTO
IMPLANTAR
GOVERNANÇA
APRENDIZAGEM
E DA LIDERANÇA
PRINCIPALMENTE, A GC APOIA:
Desenvolvimento
da TAREFA com
COMPETÊNCIA
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
D.I.C.
ESSENCIAIS para que o
funcionário desenvolva
suas tarefas.
D.I.C.
RESULTANTES
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Identificar o
conhecimento
Mapear os
processos de
construção
Inventariar as
interrelações
Tratar os
conhecimentos
Armazenar
Compartilhar
Institucionalizar
Criar novos
conhecimentos
resgatar,
organizar
disponibilizar
GI
GC
D.I.C.
ESSENCIAIS
de entrada
D.I.C.
RESULTANTES
Governança de
Conhecimento
Sistemas de
Autoridade
sistemas de
incentivo formais
Clima e Cultura
contratos
psicológicos
Confiança
construção social
de sentido
Estruturas e Fluxos
informacionais
Comunicação
Influência e
liderança
D.I.C.
ESSENCIAIS
de entrada
D.I.C.
RESULTANTES
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Processo de
conhecimento
Questão estratégica possíveis
Criação
Quais são as prioridades para a capacitação?
Como desenvolver conhecimento crítico?
Como evitar a reinvenção da roda?
Identificação
Que conhecimentos estão ameaçados?
Quais são os conhecimentos críticos?
Quem são as pessoas que conhecem sobre um determinado assunto?
Como encontrar rapidamente informações relevantes?
Aquisição
Como capturar experiências e boas práticas existentes na organização?
Como modelar conhecimentos estratégicos à organização?
Como adquirir conhecimentos fora da organização?
Armazenamento
Como preservar o conhecimento que será perdido com aposentadorias?
Como promover a cultura da organização do conhecimento?
Como gerenciar o centro de memória organizacional de maneira a estar
dinamicamente atualizado?Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Processo de
conhecimento
Questão estratégica
Compartilhamento
Como promover a troca e oferta de conhecimento?
Como compartilhar conhecimento alinhando operação e estratégia organizacional?
Como promover uma cultura global de compartilhamento do conhecimento, inclusive de lições
aprendidas?
Como evitar a reinvenção da roda?
Disseminação
Como tornar mais ágil a disseminação de nossos conhecimentos?
Quais são as mídias mais adequadas para a entrega do conhecimento nos níveis operacional,
tático e estratégico da organização?
Quais são as mídias e os conteúdos mais efetivos na relação da organização com seus parceiros
e com a sociedade?
Avaliação
Como acompanhar o desempenho dos indivíduos?
Como analisar o desempenho de cada unidade da organização?
Como gerenciar a contribuição dos indivíduos e de cada equipe para o alcance das metas
organizacionais?
Qual é o papel do conhecimento nos resultados da organização?
Como os investimentos em GC estão impactando os resultados da organização?
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
20 QUESTÕES ESTRATÉGICAS
Sugestão de questões básicas de analise da maturidade de GC
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.
CAMINHO NA ORGANIZAÇÃO.MT
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Falta de apropriação de
problemas de GC
Dificuldade em codificar
conhecimento tácito
Expetise em GC insuficiente
Excesso de informação
Saída de colaboradores Aposentadoria dos
colaboradores
Falta de treinamento
Falta de motivação e
recompensas
Falta de
compromisso dos
colaboradores
Falta de respeito e
confiança entre
colaboradores
Medo de perder importância ao
compartilhar o conhecimento
Falta de tempo e prioridade por parte
dos envolvidos
Cultura organizacional
Falta de
infraestrutura
tecnológica
Falta de estrutura
organizacional
Falta de metodologia
Falta de recursos financeiros GC não integrada aos processos de
negócio
Falta de comprometimento da alta
gestão
Incompreensão acerca do que é GC
Hierarquia e relação das barreiras na implementação de GC
.
Fonte: Traduzido de Kant e Singh (2008)
IDENTIFICADAS AS 18 BARREIRAS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Falta de apropriação de
problemas de GC
Dificuldade em codificar
conhecimento tácito
Expetise em GC insuficiente
Excesso de informação
Saída de colaboradores Aposentadoria dos
colaboradores
Falta de treinamento
Falta de motivação e
recompensas
Falta de
compromisso dos
colaboradores
Falta de respeito e
confiança entre
colaboradores
Medo de perder importância ao
compartilhar o conhecimento
Falta de tempo e prioridade por parte
dos envolvidos
Cultura organizacional
Falta de
infraestrutura
tecnológica
Falta de estrutura
organizacional
Falta de metodologia
Falta de recursos financeiros GC não integrada aos processos de
negócio
Falta de comprometimento da alta
gestão
Incompreensão acerca do que é GC
ENFRENTAMENTO das barreiras na implementação de GC
.
Fonte: Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Com base em Kant e Singh (2008)
Devem ser levadas em consideração cada uma das barreiras
identificadas e criadas ações de GC para eliminá-las.
> “x” AÇÕES COORDENADAS
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Exemplos...
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM BARREIRAS PASSOS PARA DESATIVAR AS BARREIRAS À IMPLANTAÇÃO DA GC NA
ORGANIZAÇÃO
1 Incompreensão acerca
do que é GC.
Aquisição de conhecimentos externos - Consultoria
Capacitação para GC.
2 GC não integrada aos
processos de negócio
Analisar o Mapa Estratégico da ORGANIZAÇÃO identificando
objetivos estratégicos a serem alcançados.
Mapear os processos da cadeia de valor da organização.
Identificar os conhecimentos essenciais a fluidez efetiva da cadeia de
valor e caso não seja possível, identifique os conhecimentos essenciais
às atividades das áreas para alcance das suas metas.
3 Falta de metodologia. Criação de metodologia adaptada às limitações e bloqueios da
ORGANIZAÇÃO.
4 Falta de Estrutura
Organizacional
Implantação e respeito a uma nova Governança do Conhecimento
5 Falta de Infraestrutura
Tecnológica para GC
Avaliação dos Sistemas existentes e releitura perante o paradigma de
GC – atualização, dinamicidade, colaboração e compartilhamento.
Priorização das necessidades de TI para GC.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO
6 Cultura organizacional Realização do Diagnóstico de Maturidade para GC
7 Falta de tempo e
prioridade por parte dos
envolvidos
Apoio das lideranças diretas
Consolidação do Grupo Colaborativo – tempo e perseverança.
Aumento do nível de consciência do papel e da auto importância
para os resultados
Feed Back positivos pela participação
8 Medo de perder
importância ao
compartilhar o
conhecimento
9 Falta de compromisso dos
colaboradores
10 Falta de respeito e
confiança entre
colaboradores
11 Falta de motivação e
recompensas
Análise de incentivos possíveis para os participantes do Grupo, os
instrutores, os mentores, os COLABORADORES que explicitam
formalmente os conhecimentos críticos.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO
12 Falta de treinamento Capacitação continuada para a GC, incluindo para cada prática,
técnica e ferramenta que será utilizada ao longo dos processos de
GC.
13 Aposentadoria dos
colaboradores.
Auditoria dos conhecimentos essenciais.
Identificação dos conhecimentos essenciais que serão perdidos com
as aposentadorias.
Aquisição. Tratamento e armazenamento dos conhecimentos
essenciais antes da aposentadoria.
14 Saída de colaboradores. Auditoria dos conhecimentos essenciais.
Identificação dos conhecimentos essenciais que serão perdidos caso
haja mudanças do quadro funcional.
Aquisição. Tratamento e armazenamento dos conhecimentos
essenciais antes que ocorra as mudanças.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM BARREIRAS PASSOS PARA DESATIVAR AS BARREIRAS À IMPLANTAÇÃO DA GC NA
ORGANIZAÇÃO
15 Expetise em GC
insuficiente
Mapeamento das lacunas de competências para GC.
Capacitação para a GC.
16 Dificuldade em
codificar conhecimento
tácito
Mapeamento das lacunas de competências para codificar
conhecimentos tácitos – quais e em que estado bruto
Capacitação para a aquisição, tratamento e codificação dos
conhecimentos tácitos.
17 Falta de apropriação
de problemas de GC
Capacitação dos lideres das áreas para a GC.
Apoiar os lideres no mapeamento dos problemas principais de GC em
suas áreas.
Convidar os lideres para palestrar no Grupo Colaborativo sobre os
principais problemas de GC em suas áreas e sobre os conhecimentos
essenciais que não podem ser perdidos.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO
18 Excesso de
informação
Listar os conhecimentos essenciais apontados pelos líderes de áreas, de
maneira a reconhecer os que deverão ser gerenciados.
Classificar os conhecimentos essenciais de maneira a identificar os mais
recorrentes – Aplicar a Técnica de Pareto.
Priorizar os conhecimentos essenciais mais recorrentes, de maneira a
identificar os mais graves, urgentes e com tendência negativa caso não
sejam gerenciados – Aplicar a Técnica GUTI.
Criar uma figura auto explicativa para fácil entendimento dos participantes
do Grupo e dos lideres das áreas envolvidas – utilizar a ferramenta de Mapa
de Conhecimentos.
Desenvolver uma ferramenta de gestão compartilhada dos processos de GC
– utilizar ferramentas de gestão de projetos.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
 Desenvolver a consciência
do papel de cada UM
individuais e de grupos
sobre a importância de
seu papel para o alcance
do sucesso da GC
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Pacheco, Freire e Fialho, 2017
 Escolher e implementar
COORDENADAMENTE
práticas, técnicas e
ferramentas (PTF)
relacionadas ao objetivo
de cada processo de GC.
O que são Práticas (P), Técnicas (T) e
Ferramentas (F)
 Práticas: podem ser entendidas como rotinas e
experiências da organização;
 Técnicas: podem ser entendidas como práticas
documentadas e estruturadas para serem repetidas
em diferentes unidades da organização;
 Ferramentas: artefatos manuais ou tecnológicos que
instrumentalizam as técnicas e/ou apoiam as práticas
organizacionais.
Pacheco, Freire e Fialho, 2017
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Técnicas e
práticas
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
PTF para Criação, Identificação e
Aquisição de Conhecimento
 Criar conhecimento (produzir novos
conhecimentos individuais e coletivos na própria
organização);
 Identificar conhecimento (reconhecer e
caracterizar o conhecimento já existente na
organização ou que ainda é necessário adquirir
ou criar, em função de suas demandas para
efetividade);
 Adquirir conhecimento (obter conhecimento de
outras fontes para ser agregado ao
conhecimento já identificado na organização).
Pacheco, Freire e Fialho, 2017
PTF para Criação, Identificação e
Aquisição de Conhecimento
 1 - BRAINSTORMING
 2 - STORYTELLING
 3 - COMUNIDADES DE PRÁTICA
 4 - ESPAÇOS FÍSICOS COLABORATIVOS
 5 - LIÇÕES APRENDIDAS
 6 - SEIS CHAPÉUS DO PENSAMENTO
 7 - LOCALIZADOR DE EXPERTISE (“QUEM É QUEM” OU “PÁGINAS AMARELAS”)
 8 - CAFÉ DO CONHECIMENTO
 9 - PENSAMENTO A3
 10 - MINERAÇÃO DE DADOS
 11 - KDD - KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASES - DESCOBERTA DE
CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS
 12 - KDT - DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM TEXTOS
 13 - BIG DATA ANALYTICS
exemplos
Pacheco, Freire e Fialho, 2017
PTF para Armazenamento e
Codificação de Conhecimento
 Armazenar conhecimento (guardar informações e
conhecimentos em repositórios que facilitem o acesso
efetivo futuramente); e
 Codificar conhecimento (explicitar e organizar o
conhecimento e a informação na organização, visando
torna-los acessíveis);
Pacheco, Freire e Fialho, 2017
PTF para Armazenamento e
Codificação de Conhecimento
 14 - TAXONOMIAS
 15 - SISTEMA DE GESTÃO DE IDEIAS - IDEA MANAGEMENT SYSTEM (IMS)
 16 - BANCO DE DADOS
 17 - BLOGS
 18 - BUSINESS INTELLIGENCE (BI)
 19 - FÓRUM
 20 – GESTÃO ELETRÔNICA DE DOCUMENTOS (GED)
 21 - SISTEMAS DE GROUPWARE
 22 - SISTEMAS DE MAPAS DO CONHECIMENTO
 23 – SISTEMAS DE MEMÓRIA ORGANIZACIONAL
 24 - SISTEMAS DE WORKFLOW
 25 - WIKI
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
exemplos
PTF para Compartilhamento e
Disseminação de Conhecimento
 Compartilhar conhecimento (promover oferta e
demanda por conhecimentos na forma de troca
de ideias, dados, informações e demais insumos
ao conhecimento); e
 Disseminar conhecimento (distribuir e transferir
informações e conhecimento, tornando-os
acessíveis a quem deles necessita para executar
suas atividades)
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
PTF para Compartilhamento e
Disseminação de Conhecimento
 26 - AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVA)
 27 - INTRANET
 28 - PORTAIS
 29 - VISUALIZAÇÃO DE DADOS (DATAVIZ)
 30 - PROTOTIPAGEM
 31 - UNIVERSIDADE CORPORATIVA EM REDE (UCR)
 32 - OBSERVATÓRIO DE CONHECIMENTO
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
exemplos
ATENÇÃO
Muitas das PTF de GC são dinâmicas e,
exatamente por isso, são utilizadas tanto para
criar, como para tratar e armazenar e, por fim,
compartilhar e disseminar o conhecimento
essencial.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
MANUAL BASICO DE GESTÃO DE
CONHECIMENTO Um exemplo
PATRICIA DE SÁ FREIRE, DRA.ENG.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Item PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO
1 Identificar o
conhecimento
Integrar a GC ao negócio – Analisar o Mapa Estratégico da ORGANIZAÇÃO
identificando objetivos estratégicos a serem alcançados e, Identificar os
conhecimentos essenciais às atividades das áreas para alcance das metas
Aplicar a técnica de Análise de Conteúdo nos documentos de Planejamento
Estratégico da Organização
Aplicar questionário para auditoria do conhecimento essencial às áreas.
Aplicar a técnica de análise de discurso às respostas abertas e análise
quantitativa às respostas fechadas.
Conquistar apoio dos líderes da áreas
Capacitação os lideres das áreas para a GC.
Apoiar os lideres no mapeamento dos problemas principais de GC em suas
áreas.
Convidar os lideres para palestrar no Grupo Colaborativo sobre os principais
problemas de GC em suas áreas e sobre os conhecimentos essenciais que
não podem ser perdidos.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO
2 Mapear os processos
de Construção dos
conhecimentos
essenciais.
Listar os conhecimentos essenciais levantados pelas pesquisas e
apontados pelos líderes de áreas, de maneira a reconhecer os que
deverão ser gerenciados.
Compreender o seu processo de construção:
Onde estão estes conhecimento?
Quem são os responsáveis por sua produção e recepção? Aplicar a
Técnica de mapeamento de Fluxo Informacional
Em que nível – individual, de grupo ou institucionalizado?
Em que estágio de explicitação – tácito, implícito ou já explicitado
em documentos?
3 Inventariar as inter-
relações
Tratar o mapeamento dos processos de construção do conhecimento
de maneira a compreender quais dados e informações são utilizados
para criar os conhecimentos essenciais – Aplicar a Técnica de Espinha
de Peixe.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO
4 Tratar os
Conhecimentos
Classificar os conhecimentos essenciais de maneira a identificar os mais
recorrentes – Aplicar a Técnica de Pareto.
Priorizar os conhecimentos essenciais mais recorrentes, de maneira a
identificar os mais graves, urgentes e com tendência negativa caso
não sejam gerenciados – Aplicar a Técnica GUTI.
Criar uma figura auto explicativa para fácil entendimento dos
participantes do Grupo e dos lideres das áreas envolvidas – utilizar a
ferramenta de Mapa de Conhecimentos.
Desenvolver uma ferramenta de gestão compartilhada dos processos
de GC – utilizar ferramentas de gestão de projetos.
Utilizar técnicas de criação, aquisição e tratamento dos conhecimentos
essenciais para explicitá-los e deixa-los prontos para o armazenamento
em sistemas.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO
5 Armazenar Definição do ambiente para o armazenamento dos conhecimentos
explicitados.
Definição do Grau de Sigilo de cada Conhecimento a ser armazenado –
Aplicação da Escala de Segurança da Informação.
Criação do Centro de Memórias Organizacional que atenda as
exigências de GC – retroalimentável, dinâmico, colaborativo e
compartilhado.
6 Compartilhar Criar ambientes para compartilhamento de conhecimentos – Aplicar
Práticas, Técnicas e Ferramentas de compartilhamento de
conhecimentos.
7 Institucionalizar Disseminar o Conhecimento tratado e armazenado de maneira que
este se incorpore às práticas dos COLABORADORES e do negocio.
8 Criar Novos
Conhecimentos
Criação de sistemas de conhecimentos que sejam capazes de leitura
semântica dos textos dos fóruns e outros sistemas de gestão da
organização. – Aplicar Práticas, Técnicas e Ferramentas para
institucionalização de conhecimentos
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
GRUPO MUTIDISCIPLINAR PLANO DE AÇÕES
COORDENADAS
PATRICIA DE SÁ FREIRE, DRA.ENG.
Grupo Multidisciplinar de GC
responsabilidades
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Responsabilidades para o planejamento,
desenvolvimento e execução das ações de GC.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Processo de Planejamento de ações
de GC.
 Durante o
planejamento, o Grupo
Multidisciplinar de
Gestão do
Conhecimento será o
responsável pela
criação, planejamento,
coordenação, análise
de demanda e
priorização de ofertas.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Processo de Desenvolvimento de
ações de GC
 No desenvolvimento das
práticas, técnicas e
ferramentas de GC, o Grupo
Multidisciplinar de GC deve
se responsabilizar pelo
acompanhamento,
cumprimento do prazo,
escopo e custos de
produção das ações de GC,
bem como pela aprovação
dos resultados obtidos em
cada atividade dos
processos de GC.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Processo de Execução das ações de
GC
 Uma das responsabilidades
do Grupo Multidisciplinar
de GC é levantar recursos
humanos, tecnológicos,
materiais e financeiros para
a disseminação,
motivação, participação,
monitoramento e
aplicação na organização
dos conhecimentos
essenciais identificados
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Interface de um Observatório do Conhecimento com
as ações de GC.
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
MAS GC DEPENDE DE CADA
COLABORADOR
É PRECISO QUE CADA COLABORADOR FAÇA
GC:
Colabore com os processos de GC;
Compartilhe Boas Práticas e Lições
Aprendidas;
Responda os questionários de GC
para que os DIC sejam identificados;
...
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
IDENTIFICAR
Conhecimentos
MAPEAR
Stakeholder
APOIAR
Processos de GC
DEFINIR
Estratégia de TIC
para a GC
ORIENTAR
COMUNICAÇÃO
INRA E INTER
ESTABELECER
SISTEMAS DE
CONHECIENTO
IMPLANTAR
GOVERNANÇA
APRENDIZAGEM
E DA LIDERANÇA
Se cada COLABORADOR não fizer
GC, a GC não acontecerá.
Desenvolvimento
da TAREFA com
COMPETÊNCIA
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
D.I.C.
ESSENCIAIS para que o
funcionário desenvolva
suas tarefas.
D.I.C.
RESULTANTES
Boa GC, bons Resultados.
patriciadesafreire@gmail.com
Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
Mini Currículo
PATRICIA DE SÁ FREIRE, Dra. EGC
 Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento
pela Programa de Pós Graduação EGC/ UFSC.
 Autora de dois livros e mais de 60 artigos científicos
publicados em congressos nacionais e internacionais,
periódicos e capítulos de livros, destacando a
coautoria de dois capítulos da obra
Interdisciplinaridade em Ciência Tecnologia &
Inovação contemplada com 2º lugar no Prêmio Jabuti,
na categoria Educação no ano de 2011.
 Por dois anos seguidos 2011 e 2012 foi escolhida como
um dos cinco executivos de excelência em gestão do
conhecimento no Brasil pelo MAKE Award Brasil.Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
Gestao do Conhecimento - Praticas de GestaoGestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
Gestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
Kenneth Corrêa
 
Liderança de equipes
Liderança de equipesLiderança de equipes
Liderança de equipes
Alessandro Lunardon
 
Gestão por Competência
Gestão por CompetênciaGestão por Competência
Gestão por Competência
guest65dc90
 
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por CompetênciasGestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Marcos Alves
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
Wandick Rocha de Aquino
 
Apresentação cultura organizacional
Apresentação cultura organizacionalApresentação cultura organizacional
Apresentação cultura organizacional
Hugo Ferreira
 
Treinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - EmbaliTreinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - Embali
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão de pessoas por competências
Gestão de pessoas por competênciasGestão de pessoas por competências
Gestão de pessoas por competências
henrique42
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Prof. Randes Enes, M.Sc.
 
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício AndradeLiderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
Maurício Andrade
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecao
admcontabil
 
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio PereiraTreinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Hélder Emiliano de Souza
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
elimarmelo
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competências
Cicero Feitosa
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
Fillipe Lobo
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
Larissa Estevão
 
Liderança Para Alta Performance
Liderança Para Alta PerformanceLiderança Para Alta Performance
Liderança Para Alta Performance
fernandorafa
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
Priscila Cembranel
 
Cultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima OrganizacionaisCultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima Organizacionais
Fábio Nogueira, PhD
 

Mais procurados (20)

Gestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
Gestao do Conhecimento - Praticas de GestaoGestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
Gestao do Conhecimento - Praticas de Gestao
 
Liderança de equipes
Liderança de equipesLiderança de equipes
Liderança de equipes
 
Gestão por Competência
Gestão por CompetênciaGestão por Competência
Gestão por Competência
 
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por CompetênciasGestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 3 e 4
 
Apresentação cultura organizacional
Apresentação cultura organizacionalApresentação cultura organizacional
Apresentação cultura organizacional
 
Treinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - EmbaliTreinamento Liderança - Embali
Treinamento Liderança - Embali
 
Gestão de pessoas por competências
Gestão de pessoas por competênciasGestão de pessoas por competências
Gestão de pessoas por competências
 
Gestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. RandesGestão e Liderança_Prof. Randes
Gestão e Liderança_Prof. Randes
 
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício AndradeLiderança e Comunicação - Maurício Andrade
Liderança e Comunicação - Maurício Andrade
 
Rh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecaoRh recrutamento e selecao
Rh recrutamento e selecao
 
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio PereiraTreinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
Treinamento de liderança desenvolvido por Jorge Antonio Pereira
 
Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4Cultura e clima organizacionais 4
Cultura e clima organizacionais 4
 
Gestão por competência
Gestão por competênciaGestão por competência
Gestão por competência
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competências
 
Gestão de pessoas
Gestão de pessoasGestão de pessoas
Gestão de pessoas
 
Clima organizacional
Clima organizacionalClima organizacional
Clima organizacional
 
Liderança Para Alta Performance
Liderança Para Alta PerformanceLiderança Para Alta Performance
Liderança Para Alta Performance
 
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃOTÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
TÉCNICAS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO
 
Cultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima OrganizacionaisCultura e Clima Organizacionais
Cultura e Clima Organizacionais
 

Semelhante a Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.

Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passosFreire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdfFREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Apresentação Capacitação Gsi2009
Apresentação Capacitação Gsi2009Apresentação Capacitação Gsi2009
Apresentação Capacitação Gsi2009
inovaDay .
 
Gestão estratégica do conhecimento
Gestão estratégica do conhecimentoGestão estratégica do conhecimento
Gestão estratégica do conhecimento
Francisco Geraldo Freitas Carvalho
 
atps Basico Gs Conhecimento
atps Basico Gs Conhecimentoatps Basico Gs Conhecimento
atps Basico Gs Conhecimento
arthfesta
 
Gestão do Conhecimento e Tecnologia
Gestão do Conhecimento e TecnologiaGestão do Conhecimento e Tecnologia
Gestão do Conhecimento e Tecnologia
Marcelo Ramos
 
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Gestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
Gestao do conhecimento: Produtividade e CompetitividadeGestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
Gestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
Jose Claudio Terra
 
GESTÃO DO CONHECIMENTO
GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO
GESTÃO DO CONHECIMENTO
Sabrina Mariana
 
Gestão da informacão e do Conhecimento
Gestão da informacão e do ConhecimentoGestão da informacão e do Conhecimento
Gestão da informacão e do Conhecimento
Adeildo Caboclo
 
Gestão do Conhecimento e Centro de Memórias
Gestão do Conhecimento e Centro de MemóriasGestão do Conhecimento e Centro de Memórias
Gestão do Conhecimento e Centro de Memórias
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Gestão do conhecimento
Gestão do conhecimentoGestão do conhecimento
Gestão do conhecimento
B&R Consultoria Empresarial
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
Cleidiane Barbosa
 
Gestão do Conhecimento Organizacional - Contexto, Abordagens e Soluções
Gestão do Conhecimento Organizacional -  Contexto, Abordagens e SoluçõesGestão do Conhecimento Organizacional -  Contexto, Abordagens e Soluções
Gestão do Conhecimento Organizacional - Contexto, Abordagens e Soluções
Alexandre Dargains, PMP
 
Gestao do conhecimento e inteligencia competitiva
Gestao do conhecimento e inteligencia competitivaGestao do conhecimento e inteligencia competitiva
Gestao do conhecimento e inteligencia competitiva
Jose Claudio Terra
 
Palestra gc ulbra
Palestra gc ulbraPalestra gc ulbra
Palestra gc ulbra
Bayardo Morales
 
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdfebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
Willian Sian Herzog
 
Gestao do conhecimento
Gestao do conhecimentoGestao do conhecimento
Gestao do conhecimento
Charlley Luz
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e CasesEngenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Congresso Catarinense de Ciências da Computação
 
Gestão estratégica
Gestão estratégicaGestão estratégica
Gestão estratégica
Eder Nogueira
 

Semelhante a Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento. (20)

Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passosFreire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
Freire, p.s. 2021 gestão do conhecimento primeiros passos
 
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdfFREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
FREIRE, P.S. 2021_Gestão do Conhecimento_primeiros passos.pdf
 
Apresentação Capacitação Gsi2009
Apresentação Capacitação Gsi2009Apresentação Capacitação Gsi2009
Apresentação Capacitação Gsi2009
 
Gestão estratégica do conhecimento
Gestão estratégica do conhecimentoGestão estratégica do conhecimento
Gestão estratégica do conhecimento
 
atps Basico Gs Conhecimento
atps Basico Gs Conhecimentoatps Basico Gs Conhecimento
atps Basico Gs Conhecimento
 
Gestão do Conhecimento e Tecnologia
Gestão do Conhecimento e TecnologiaGestão do Conhecimento e Tecnologia
Gestão do Conhecimento e Tecnologia
 
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
GOVERNANÇA DO CONHECIMENTO_implemente a gestão do conhecimento._patricia de s...
 
Gestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
Gestao do conhecimento: Produtividade e CompetitividadeGestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
Gestao do conhecimento: Produtividade e Competitividade
 
GESTÃO DO CONHECIMENTO
GESTÃO DO CONHECIMENTO GESTÃO DO CONHECIMENTO
GESTÃO DO CONHECIMENTO
 
Gestão da informacão e do Conhecimento
Gestão da informacão e do ConhecimentoGestão da informacão e do Conhecimento
Gestão da informacão e do Conhecimento
 
Gestão do Conhecimento e Centro de Memórias
Gestão do Conhecimento e Centro de MemóriasGestão do Conhecimento e Centro de Memórias
Gestão do Conhecimento e Centro de Memórias
 
Gestão do conhecimento
Gestão do conhecimentoGestão do conhecimento
Gestão do conhecimento
 
Gestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento
Gestão do Conhecimento
 
Gestão do Conhecimento Organizacional - Contexto, Abordagens e Soluções
Gestão do Conhecimento Organizacional -  Contexto, Abordagens e SoluçõesGestão do Conhecimento Organizacional -  Contexto, Abordagens e Soluções
Gestão do Conhecimento Organizacional - Contexto, Abordagens e Soluções
 
Gestao do conhecimento e inteligencia competitiva
Gestao do conhecimento e inteligencia competitivaGestao do conhecimento e inteligencia competitiva
Gestao do conhecimento e inteligencia competitiva
 
Palestra gc ulbra
Palestra gc ulbraPalestra gc ulbra
Palestra gc ulbra
 
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdfebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
ebook-Gestao-do-Conhecimento super util.pdf
 
Gestao do conhecimento
Gestao do conhecimentoGestao do conhecimento
Gestao do conhecimento
 
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e CasesEngenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
Engenharia e Gestão do Conhecimento: Conceitos e Cases
 
Gestão estratégica
Gestão estratégicaGestão estratégica
Gestão estratégica
 

Mais de Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.

Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comumUniversidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
 inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Resumo universidade corporativa em rede - 2019
Resumo  universidade corporativa em rede - 2019Resumo  universidade corporativa em rede - 2019
Resumo universidade corporativa em rede - 2019
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Engenharia da Integração em Fusões e Aquisições - Patricia de Sá Freire
Engenharia da Integração em  Fusões e Aquisições -  Patricia de Sá FreireEngenharia da Integração em  Fusões e Aquisições -  Patricia de Sá Freire
Engenharia da Integração em Fusões e Aquisições - Patricia de Sá Freire
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freireGestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Vendas Modelo Responsabilidades DireçãO De OperaçãO De Vendas
Vendas Modelo  Responsabilidades   DireçãO De OperaçãO De VendasVendas Modelo  Responsabilidades   DireçãO De OperaçãO De Vendas
Vendas Modelo Responsabilidades DireçãO De OperaçãO De Vendas
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebxConhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA OrganizacionalCultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno Compartilhamento De Boas PráTicas.
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno  Compartilhamento De Boas PráTicas.Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno  Compartilhamento De Boas PráTicas.
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno Compartilhamento De Boas PráTicas.
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação PatriciasafreireCurso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Pdv. Operador Logístico
Pdv. Operador LogísticoPdv. Operador Logístico
Pdv. Operador Logístico
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 
Planejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da InovaçãoPlanejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da Inovação
Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng.
 

Mais de Patrícia de Sá Freire, PhD. Eng. (17)

Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comumUniversidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
Universidade Empreendedora como uma Plataforma para o Bem comum
 
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
Universidade Corporativa em Rede_Apresentação inicial deste mais evoluido mod...
 
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
Governança Multinível em Redes Organizacionais, um novo modelo de governança ...
 
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
Modelo UCR como inovação em Gestão de Pessoas. Palestra ABRH.2020
 
inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
 inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
inteligência_emocional_e_Iinovação em gestão_de_pessoas
 
Resumo universidade corporativa em rede - 2019
Resumo  universidade corporativa em rede - 2019Resumo  universidade corporativa em rede - 2019
Resumo universidade corporativa em rede - 2019
 
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
Modelo de avaliação multinivel da universidade corporativa em rede. patricia ...
 
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
Universidade Corporativa em Rede. Patricia de Sá freire. Suceg2017
 
Engenharia da Integração em Fusões e Aquisições - Patricia de Sá Freire
Engenharia da Integração em  Fusões e Aquisições -  Patricia de Sá FreireEngenharia da Integração em  Fusões e Aquisições -  Patricia de Sá Freire
Engenharia da Integração em Fusões e Aquisições - Patricia de Sá Freire
 
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freireGestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
Gestão de Mudanças Organizacionais_patricia de sá freire
 
Vendas Modelo Responsabilidades DireçãO De OperaçãO De Vendas
Vendas Modelo  Responsabilidades   DireçãO De OperaçãO De VendasVendas Modelo  Responsabilidades   DireçãO De OperaçãO De Vendas
Vendas Modelo Responsabilidades DireçãO De OperaçãO De Vendas
 
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebxConhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
Conhecimento como gerador de valor ao negócio patricia.de.sá.freire.ebx
 
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA OrganizacionalCultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
Cultura Organizacional Grupos Colaborativos MudançA Organizacional
 
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno Compartilhamento De Boas PráTicas.
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno  Compartilhamento De Boas PráTicas.Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno  Compartilhamento De Boas PráTicas.
Ambiente Colaborativo Benchmarking Interno Compartilhamento De Boas PráTicas.
 
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação PatriciasafreireCurso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
Curso Liderança para a Inovação Patriciasafreire
 
Pdv. Operador Logístico
Pdv. Operador LogísticoPdv. Operador Logístico
Pdv. Operador Logístico
 
Planejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da InovaçãoPlanejamento Estratégico da Inovação
Planejamento Estratégico da Inovação
 

Diagnósticos de Maturidade e plano de ação de Gestão do Conhecimento.

  • 2. CAPACITAÇÃO EM EGC Conhecer parte dos fundamentos da GC, de modo a compreender suas bases conceituais e identificar oportunidades de melhoria efetiva em sua organização; e Conhecer um elenco de práticas, técnicas e ferramentas de GC aplicáveis nos diversos processos de conhecimento, de modo a saber identificar e aplicar as mais apropriadas aos desafios organizacionais que você enfrenta como líder ou gestor.
  • 3. ROTEIRO DE CURSO GC O que é GC? Objetivo de GC Questões Estratégicas para os processos de GC. Como GC na ORGANIZAÇÃO? Quais práticas, técnicas e ferramentas de GC? Governança do Conhecimento.
  • 4. O QUE É GC? Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 5. Há um excesso de informações (internas e externas) não estruturadas e não confiáveis Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 6. As decisão estão mais complexas Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 7. Não há tempo para uma busca e análise mais cuidadosa. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 8. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. E, neste contexto... O mundo percebeu a importância da GC... Principalmente para a retenção de conhecimentos essenciais, compartilhamento de boas práticas e lições aprendidas diminuição dos erros nas tomadas de decisão solitárias; reaproveitamento dos conhecimentos criados, e para a inovação!
  • 9. E, assim... Surge a GC Surge para gerenciar:  Muito além da disponibilização de dados ....  e a simples disseminação de informações. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. individual Grupos ORGA NIZA CIONAL Para o gerenciamento de conhecimento Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 10. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 11. Desafios organizacionais em GC • Quais são os Conhecimento geradorores de valor organizacional? • Como tratar dos processos para gerar ativos do conhecimento? • Como tratar o Conhecimento como conteúdo da engenharia, da gestão e da mídia? • Como reconhecer valor dos ativos intangíveis tanto quanto dos ativos tangíveis? • Quais experiências em GC caberá institucionalizar respeitando os elementos da cultura, da estratégia e da sustentabilidade? • Qual o papel estratégico da Comunicação, da TI e do RH? • Como gerar valor a partir da Universidade Corporativa e do Programa de competências? • Como selecionar ideias e gerenciar conhecimentos para promoção da inovação? • Como formar um Centro de Memória para armazenar e dinamicamente compartilhar os ativos do conhecimento?
  • 12. GC na Administração Pública  Organizações de maior eficiência são as que gerenciam de modo mais eficiente os processos de GC para aquisição, compartilhamento e utilização de conhecimentos a qualquer tempo por (e para) qualquer pessoa.
  • 13. Para ser eficiente em gestão são necessárias: estruturas, práticas, técnicas e ferramentas de GIC que apoiem a identificação, mapeamento, inventário e tratamento dos conhecimentos criados durante as rotinas e projetos para que possam ser armazenados, compartilhados, e aplicados em desafios e projetos futuros de maneira mais ágil e confiável.
  • 14. • apoiar a aquisição e o compartilhamento de conhecimentos intra e inter rotinas, projetos e departamentos; • Dar suporte para a agilização sem aumentar risco da tomada de decisão; • ter sistemas inteligentes eliminando dispersão e entropias; • reduzir os custos e retrabalhos com o armazenamento dinâmico de boas praticas e lições aprendidas; • estimular a socialização e o compartilhamento de conhecimentos individuais e de grupos; • potencializar resultados a partir de uma memoria institucionalizada. Assim, estar maduro em GC significa estar pronto para:
  • 15. DEFINIÇÃO DE GC Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 16. Macro Conceito Uso e combinação de fontes (humanas e não humanas) e de tipos de conhecimentos (tácitos, implícitos e explícitos) nas tomadas de decisão (estratégicas, táticas e operacionais) com o objetivo maior de agregar valor aos produtos (bens e serviços) de maneira a criar riqueza e aumentar a competitividade e sustentabilidade de todo o sistema organizacional. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Nonaka eTakeuchi, 2005; Terra, 2010; Freire, 2013
  • 17. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. São processos de GC: adquirir, Compartilhar, Institucionalizar, armazenar, e aplicar conhecimento! A Gestão do Conhecimento é a adm. de uma ‘(...) ampla coleção de práticas organizacionais relacionadas à geração, à captura, à disseminação de know-how para promover o compartilhamento do conhecimento na organização e com o mundo exterior (OCDE*, 2003). Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico
  • 18. O que é GC? Combinamos as visões de processos e conteúdos GC é uma disciplina que estabelece meios para a organização gerir seus ativos intangíveis, percebidos tanto como resultados de suas atividades (Conteúdo) como nas atividades exercidas por seus indivíduos (Processos). Fonte: Freire e Spanhol, 2013; Pacheco, 2013
  • 19. conhecimento organizacional e sua relação com os conhecimentos individuais e coletivos, observados tanto nas dimensões de processo como de conteúdo GC se relaciona com a estratégia da organização e prevê meios e práticas de colocar o conhecimento como fator de produção organizacional GC focaliza processos e as atividades desempenhadas por indivíduos para buscar meios de melhorar a performance organizacional GC se relaciona com gestão da informação, quando focaliza a dimensão conteúdo e quando prevê as TIC como instrumentos de apoio às suas práticas Fonte: Pacheco, 2013
  • 20. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Aprendizagem Organizacional Organizações que Aprendem Gestão de Dados, Informações e Conhecimentos Organizacionais Engenharia e Mídias do Conhecimento GCTeoria Prática Processo Produto
  • 21. Temas relacionados a GC Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Pacheco e Neri, 2015
  • 22. CAPITAL HUMANO CAPITAL ORGANIZACIONAL CAPITAL TECNOLÓGICO CAPITAL NEGÓCIO CAPITAL SOCIAL ELEMENTOS Valores e atitudes Cultura Investimento em P,D&I Relação com o Cliente Relação com acionistas, instituições Atitudes Estrutura Capacidade Tecnologica Relação com fornecedores Relações com administradores públicos Capacidades Aprendizado Organizacional Propriedade Intelectual e Tecnológica Relações com parceiros Relaçoes com a defesa do meio ambiente Processos Relações com concorrentes Relações sociais Relação com meios de comunicação e imagem corporativa Reputação corporativa Relação com Instituições de Outras relações com a sociedade Freire, 2013 Temas relacionados a GC CapitalIntelectual
  • 23. CONCEITOS BÁSICOS DADOS –INFORMAÇÕES - CONHECIMENTOS Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 24. Conceitos básicos  Dados são elementos simples como fatos, ocorrências e números armazenados nos sistemas que estão em sua forma bruta. Sozinhos não oferecem a compreensão da situação analisada, ou seja, não se pode tomar decisões efetivas com base apenas em dados, mas estes são indispensáveis para a criação de informações e conhecimentos.  Por exemplo, são dados os nomes dos contribuintes de ICMS armazenados no sistema, bem como a data que ele efetivamente pagou os impostos. Também são dados o valor total de ICMS pago no mês e, a data do mês com o maior valor de arrecadação. É dado a lei publicada.
  • 25.  Informações são dados brutos relacionados. As informações são geradas através da análise e inter-relação dos dados brutos armazenados.  Por exemplo, é preciso relacionar dados brutos para responder perguntas como: Quantos contribuintes pagaram o ICMS antes do vencimento no mês de janeiro? Ou, quais os contribuintes que pagaram o ICMS em janeiro e quais estão devendo – por região e setor? As respostas que o COLABORADOR oferece a estas questões dependerá da relação de dados armazenados em bancos diferentes para criar informações que o apoiarão em sua rotina e estratégia de trabalho.  É informação – a resposta oferecida pelo COLABORADOR ao contribuinte de como irá aplicar a lei. Conceitos básicos
  • 26. Conceitos básicos  Conhecimento é a informação aplicada em tomadas de decisões essenciais ao alcance de objetivos estratégicos. O conhecimento que deve ser gerenciado, é o conhecimento essencial a cadeia de valor da organização. É o conhecimento que não pode faltar para que a tarefa seja eficaz, para que o processo seja eficiente, e, por fim, para que a área alcance os resultados pretendidos. Ou seja, quando o COLABORADOR relaciona dados transformando-os em informação e, desta informação toma decisões que impactam sua rotina de trabalho, muda processos ou gera estratégias para a organização, ele está criando conhecimentos essenciais que devem ser gerenciados pela organização.  Exemplo: Lei interpretada corretamente, consensada pela área responsável na ORGANIZAÇÃO que dará uma interpretação segura ao contribuinte sobre a aplicação da lei.
  • 27. Conceitos Básicos  Dados  Informações  Conhecimento  Disponibilização  Disseminação  Compartilhamento Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Ações relacionadas aos elementos
  • 28. BASE DE DADOS Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. disponibiliza BEM RABUGENTO: VEM ME BUSCAR QUEM QUISER! DADOS
  • 29. BASE DE INFORMAÇÕES Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. dissemina MAIS SIMPÁTICO: ME LEVO ATÉ VOCÊ! INFORMAÇÕES DADOS
  • 30. BASE DO CONHECIMENTO Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. CONHECIMENTO INFORMAÇÕES DADOS compartilha MAIS COLABORATIVO: RECEBO SUAS IDÉIAS E PERCEBO O QUE VOCÊ QUER!
  • 31. BASE DO CONHECIMENTO Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO CONHECIMENTO INFORMAÇÕES DADOS interrelaciona MAIS INTELIGENTE: ASSIM FICA BEM MAIS RÁPIDO TOMAR DECISÕES!
  • 32. BASE DO CONHECIMENTO Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. REPRESENTAÇÃO DO CONHECIMENTO CONHECIMENTO INFORMAÇÕES DADOS retroalimenta MAIS INOVAÇÃO: APRENDIZADO E PROSPECÇÃO!!!
  • 33. A GC INFLUENCIA OS RESULTADOS DAS TAREFAS DOS COLABORADORES. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 34. IDENTIFICAR Conhecimentos MAPEAR Stakeholder APOIAR Processos de GC DEFINIR Estratégia de TIC para a GC ORIENTAR COMUNICAÇÃO INRA E INTER ESTABELECER SISTEMAS DE CONHECIENTO IMPLANTAR GOVERNANÇA APRENDIZAGEM E DA LIDERANÇA Desenvolvimento da TAREFA com COMPETÊNCIA Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. D.I.C. ESSENCIAIS para que o funcionário desenvolva suas tarefas. D.I.C. RESULTANTES GESTÃO DO CONHECIMENTOS ESSENCIAIS AO FLUXO DA CADEIA DE VALOR ORGANIZACIONAL
  • 35. Resumo, a importância da implantação da Gestão da Informação e do Conhecimento... Construir uma base dinâmica e retroalimentável de informações e conhecimentos para aprimorar processos, reduzir custos, aumentar oportunidades de faturamento e gerar valor distintivo, consolidando e disseminando o conhecimento.  Aproximar pessoas para fazer acontecer as ideias,  Reaproveitar informação e conhecimento gerados durante as rotinas e “projetos presentes” em valor para as rotinas e “projetos futuros”.  Eliminar retrabalho e desperdícios de conhecimentos.
  • 36. MAS COMO FAZER GC NA ORGANIZAÇÃO?
  • 38. DIAGNÓSTICO DE MATURIDADE DE GIC • Análise de 7 DIMENSÕES ORGANIZACIONAIS que, de alguma maneira influenciam e determinam os resultados da GIC: 1. Estratégia 2. liderança, 3. processos organizacionais e de conhecimento, 4. gestão de pessoas e os comportamentos individuais para a colaboração e o compartilhamento, 5. existência e uso de tecnologias interativas, integrativas e inclusivas, 6. aprendizagem e inovação e, por fim 7. resultados da própria GC.
  • 39. 1. Qual o grau de utilização da GIC? 2. Qual a maturidade para implementar e manter de forma sistemática os processos de GC?
  • 40. Gráfico Exemplo: Resultado do Diagnóstico da Maturidade da GIC Fonte: ENGIN/EGC/UFSC (2016)
  • 41. Gráfico Exemplo : Validação dos resultados da avaliação da Maturidade de GC Legenda: •Linha vermelha = média das respostas dos participantes do Grupo GC •Linha azul = média das respostas dos servidores
  • 42. Resumidamente, as iniciativas de GC ainda são insipientes e confirmam a demanda por a implantação de um Modelo de Gestão do Conhecimento para a coordenação de ações dispersas. Figura 3: Grau de Maturidade de GC Fonte: APO (2009) EXEMPLO 94,5 pontos
  • 43. Qual o grau de utilização da GC? Figura 2: Régua do Grau de Utilização de GC 0 não reconhece a necessidade de implantação da GC 1 já reconhece a necessidade da implantação da GC e existem algumas práticas na gestão (ou em processo) 2 Já iniciou a implantação da GC e a coordenação das diversas práticas, técnicas e ferramentas de GC em entropia na organização 3 Coordenada com qualidade alguns dos processos de GC 4 Coordenada com qualidade todos os processos de GC 5 Mensura sistêmica- mente os Resultados de GC Fonte: ENGIN/EGC/UFSC (2016).
  • 44. MATURIDADE NÍVEL 1 EXEMPLO DE DEPOIMENTO • “Estou [...] dependendo exclusivamente do meu interesse em adquirir conhecimento, sinto falta de um suporte, de uma informação precisa do que devo fazer e o que esperam de mim. Entrei para substituir um servidor aposentado que fazia o mesmo serviço há 10 anos e todo seu conhecimento foi embora com ele. Tive apenas 2 semanas para tentar aprender o serviço que ele fazia. Ele se foi e eu fiquei totalmente por conta. Graças a Deus, encontrei um colega que teve boa vontade de me ajudar em alguns momentos, mas, aprendi o serviço por tentativa, erros e acertos. “
  • 45. As respostas ... confirmam ou não a necessidade de implantação de práticas, técnicas e ferramentas de GC que possibilitem a gestão de informações e conhecimentos do ecossistema onde a ORGANIZAÇÃO se insere.
  • 46. Exemplos de pontos críticos possíveis de serem identificados 1. A ORGANIZAÇÃO já pontua uma forte trajetória em TI, mas ainda está iniciando na gestão da informação e conhecimento (GIC). 2. As diferentes iniciativas de GIC são pontuais e setoriais, não sendo gerenciadas coordenadamente. 3. as ações que poderiam apoiar a GIC estão em entropia, espalhadas pelo extenso ambiente que soma mais de “n” COLABORADORES, “n” sistemas de informação e tantos outros milhares de stakeholders e processos de negócios. 4. Enfrenta-se conflitos internos, resistências culturais e desconhecimento quanto os esforços necessários para a implantação da GIC. 5. Não há capacitação continua nem sistemas para incentivo de redes de aprendizagem.
  • 48. PLANO DE AÇÕES COORDENADAS PARA ELIMINAÇÃO DE BARREIRAS E IMPLANTAÇÃO DA GC.  O Plano de Ações propõe a implantação no prazo de “x” anos, de “x” ações de GC, divididas em “x” categoriais, por exemplo: Implantação de GC; Processos; Sistemas Inteligentes de GC; Gestão Estratégica de Pessoas; Modelo de Comunicação Organizacional; Universidade Corporativa em Rede.
  • 49. Necessidade de implantação da Governança da GC Diagnóstico de Maturidade de GC Auditoria dos Conhecimentos Essenciais Estratégia de GC Conselho Estratégico de GC e Grupo Multidisciplinar de GC Seleção de PTF de Auditoria de conhecimentos essenciais Monitorar e avaliar a Gestão dos processo de GC DAR SUPORTE PARA QUE A GC ACONTEÇA.
  • 51. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Tipo Local Característica Exemplos Tácito Mente de seres humanos (colaboradores, clientes, fornecedores, consultores, etc.) Know how – habilidades e experiências. (Saber fazer o cálculo) Conhecimento dos profissionais que desenvolveram um sistema. Know why e Know when – importância e consequências das ações, compreensão do momento indicado para agir. Pode ser explicado e documentado (Saber ensinar a fazer o cálculo) Forma pela qual os especialistas fazem alterações no sistema e a noção de como o sistema pode atender às necessidades do usuário da organização. Implícito Explícito Bases de conhecimento, Mapas de conhecimento, Ontologias Know what – conhecimento descritivo e identificado, representado (codificado) e registrado (armazenado) (O manual de normas que ensina a fazer o cálculo) O sistema, com suas regras de atualização e ampliação e, especialmente, aplicação e uso nas tarefas, atividades e estratégias.
  • 52. GC apoia a Identificação de: Boas Práticas  Quais conhecimentos tácitos, implícitos e explícitos podem ser considerados boas práticas e por isso devem ser gerenciados para serem institucionalizados? Lições Aprendidas  Quais conhecimentos tácitos, implícitos e explícitos podem ser considerados lições aprendidas e por isso devem ser gerenciados para não serem repetidos? Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 53. IDENTIFICAR Conhecimentos MAPEAR Stakeholder APOIAR Processos de GC DEFINIR Estratégia de TIC para a GC ORIENTAR COMUNICAÇÃO INRA E INTER ESTABELECER SISTEMAS DE CONHECIENTO IMPLANTAR GOVERNANÇA APRENDIZAGEM E DA LIDERANÇA PRINCIPALMENTE, A GC APOIA: Desenvolvimento da TAREFA com COMPETÊNCIA Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. D.I.C. ESSENCIAIS para que o funcionário desenvolva suas tarefas. D.I.C. RESULTANTES
  • 54. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Identificar o conhecimento Mapear os processos de construção Inventariar as interrelações Tratar os conhecimentos Armazenar Compartilhar Institucionalizar Criar novos conhecimentos resgatar, organizar disponibilizar GI GC D.I.C. ESSENCIAIS de entrada D.I.C. RESULTANTES
  • 55. Governança de Conhecimento Sistemas de Autoridade sistemas de incentivo formais Clima e Cultura contratos psicológicos Confiança construção social de sentido Estruturas e Fluxos informacionais Comunicação Influência e liderança D.I.C. ESSENCIAIS de entrada D.I.C. RESULTANTES Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 56. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Processo de conhecimento Questão estratégica possíveis Criação Quais são as prioridades para a capacitação? Como desenvolver conhecimento crítico? Como evitar a reinvenção da roda? Identificação Que conhecimentos estão ameaçados? Quais são os conhecimentos críticos? Quem são as pessoas que conhecem sobre um determinado assunto? Como encontrar rapidamente informações relevantes? Aquisição Como capturar experiências e boas práticas existentes na organização? Como modelar conhecimentos estratégicos à organização? Como adquirir conhecimentos fora da organização? Armazenamento Como preservar o conhecimento que será perdido com aposentadorias? Como promover a cultura da organização do conhecimento? Como gerenciar o centro de memória organizacional de maneira a estar dinamicamente atualizado?Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 57. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Processo de conhecimento Questão estratégica Compartilhamento Como promover a troca e oferta de conhecimento? Como compartilhar conhecimento alinhando operação e estratégia organizacional? Como promover uma cultura global de compartilhamento do conhecimento, inclusive de lições aprendidas? Como evitar a reinvenção da roda? Disseminação Como tornar mais ágil a disseminação de nossos conhecimentos? Quais são as mídias mais adequadas para a entrega do conhecimento nos níveis operacional, tático e estratégico da organização? Quais são as mídias e os conteúdos mais efetivos na relação da organização com seus parceiros e com a sociedade? Avaliação Como acompanhar o desempenho dos indivíduos? Como analisar o desempenho de cada unidade da organização? Como gerenciar a contribuição dos indivíduos e de cada equipe para o alcance das metas organizacionais? Qual é o papel do conhecimento nos resultados da organização? Como os investimentos em GC estão impactando os resultados da organização? Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 58. 20 QUESTÕES ESTRATÉGICAS Sugestão de questões básicas de analise da maturidade de GC Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 64. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Falta de apropriação de problemas de GC Dificuldade em codificar conhecimento tácito Expetise em GC insuficiente Excesso de informação Saída de colaboradores Aposentadoria dos colaboradores Falta de treinamento Falta de motivação e recompensas Falta de compromisso dos colaboradores Falta de respeito e confiança entre colaboradores Medo de perder importância ao compartilhar o conhecimento Falta de tempo e prioridade por parte dos envolvidos Cultura organizacional Falta de infraestrutura tecnológica Falta de estrutura organizacional Falta de metodologia Falta de recursos financeiros GC não integrada aos processos de negócio Falta de comprometimento da alta gestão Incompreensão acerca do que é GC Hierarquia e relação das barreiras na implementação de GC . Fonte: Traduzido de Kant e Singh (2008) IDENTIFICADAS AS 18 BARREIRAS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 65. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Falta de apropriação de problemas de GC Dificuldade em codificar conhecimento tácito Expetise em GC insuficiente Excesso de informação Saída de colaboradores Aposentadoria dos colaboradores Falta de treinamento Falta de motivação e recompensas Falta de compromisso dos colaboradores Falta de respeito e confiança entre colaboradores Medo de perder importância ao compartilhar o conhecimento Falta de tempo e prioridade por parte dos envolvidos Cultura organizacional Falta de infraestrutura tecnológica Falta de estrutura organizacional Falta de metodologia Falta de recursos financeiros GC não integrada aos processos de negócio Falta de comprometimento da alta gestão Incompreensão acerca do que é GC ENFRENTAMENTO das barreiras na implementação de GC . Fonte: Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Com base em Kant e Singh (2008)
  • 66. Devem ser levadas em consideração cada uma das barreiras identificadas e criadas ações de GC para eliminá-las. > “x” AÇÕES COORDENADAS Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 67. Exemplos... Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 68. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM BARREIRAS PASSOS PARA DESATIVAR AS BARREIRAS À IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO 1 Incompreensão acerca do que é GC. Aquisição de conhecimentos externos - Consultoria Capacitação para GC. 2 GC não integrada aos processos de negócio Analisar o Mapa Estratégico da ORGANIZAÇÃO identificando objetivos estratégicos a serem alcançados. Mapear os processos da cadeia de valor da organização. Identificar os conhecimentos essenciais a fluidez efetiva da cadeia de valor e caso não seja possível, identifique os conhecimentos essenciais às atividades das áreas para alcance das suas metas. 3 Falta de metodologia. Criação de metodologia adaptada às limitações e bloqueios da ORGANIZAÇÃO. 4 Falta de Estrutura Organizacional Implantação e respeito a uma nova Governança do Conhecimento 5 Falta de Infraestrutura Tecnológica para GC Avaliação dos Sistemas existentes e releitura perante o paradigma de GC – atualização, dinamicidade, colaboração e compartilhamento. Priorização das necessidades de TI para GC. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 69. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO 6 Cultura organizacional Realização do Diagnóstico de Maturidade para GC 7 Falta de tempo e prioridade por parte dos envolvidos Apoio das lideranças diretas Consolidação do Grupo Colaborativo – tempo e perseverança. Aumento do nível de consciência do papel e da auto importância para os resultados Feed Back positivos pela participação 8 Medo de perder importância ao compartilhar o conhecimento 9 Falta de compromisso dos colaboradores 10 Falta de respeito e confiança entre colaboradores 11 Falta de motivação e recompensas Análise de incentivos possíveis para os participantes do Grupo, os instrutores, os mentores, os COLABORADORES que explicitam formalmente os conhecimentos críticos. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 70. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO 12 Falta de treinamento Capacitação continuada para a GC, incluindo para cada prática, técnica e ferramenta que será utilizada ao longo dos processos de GC. 13 Aposentadoria dos colaboradores. Auditoria dos conhecimentos essenciais. Identificação dos conhecimentos essenciais que serão perdidos com as aposentadorias. Aquisição. Tratamento e armazenamento dos conhecimentos essenciais antes da aposentadoria. 14 Saída de colaboradores. Auditoria dos conhecimentos essenciais. Identificação dos conhecimentos essenciais que serão perdidos caso haja mudanças do quadro funcional. Aquisição. Tratamento e armazenamento dos conhecimentos essenciais antes que ocorra as mudanças. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 71. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM BARREIRAS PASSOS PARA DESATIVAR AS BARREIRAS À IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO 15 Expetise em GC insuficiente Mapeamento das lacunas de competências para GC. Capacitação para a GC. 16 Dificuldade em codificar conhecimento tácito Mapeamento das lacunas de competências para codificar conhecimentos tácitos – quais e em que estado bruto Capacitação para a aquisição, tratamento e codificação dos conhecimentos tácitos. 17 Falta de apropriação de problemas de GC Capacitação dos lideres das áreas para a GC. Apoiar os lideres no mapeamento dos problemas principais de GC em suas áreas. Convidar os lideres para palestrar no Grupo Colaborativo sobre os principais problemas de GC em suas áreas e sobre os conhecimentos essenciais que não podem ser perdidos. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 72. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM BARREIRAS PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA GC NA ORGANIZAÇÃO 18 Excesso de informação Listar os conhecimentos essenciais apontados pelos líderes de áreas, de maneira a reconhecer os que deverão ser gerenciados. Classificar os conhecimentos essenciais de maneira a identificar os mais recorrentes – Aplicar a Técnica de Pareto. Priorizar os conhecimentos essenciais mais recorrentes, de maneira a identificar os mais graves, urgentes e com tendência negativa caso não sejam gerenciados – Aplicar a Técnica GUTI. Criar uma figura auto explicativa para fácil entendimento dos participantes do Grupo e dos lideres das áreas envolvidas – utilizar a ferramenta de Mapa de Conhecimentos. Desenvolver uma ferramenta de gestão compartilhada dos processos de GC – utilizar ferramentas de gestão de projetos. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 73.  Desenvolver a consciência do papel de cada UM individuais e de grupos sobre a importância de seu papel para o alcance do sucesso da GC Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 74. Pacheco, Freire e Fialho, 2017  Escolher e implementar COORDENADAMENTE práticas, técnicas e ferramentas (PTF) relacionadas ao objetivo de cada processo de GC.
  • 75. O que são Práticas (P), Técnicas (T) e Ferramentas (F)  Práticas: podem ser entendidas como rotinas e experiências da organização;  Técnicas: podem ser entendidas como práticas documentadas e estruturadas para serem repetidas em diferentes unidades da organização;  Ferramentas: artefatos manuais ou tecnológicos que instrumentalizam as técnicas e/ou apoiam as práticas organizacionais. Pacheco, Freire e Fialho, 2017
  • 76. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Técnicas e práticas Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 77. PTF para Criação, Identificação e Aquisição de Conhecimento  Criar conhecimento (produzir novos conhecimentos individuais e coletivos na própria organização);  Identificar conhecimento (reconhecer e caracterizar o conhecimento já existente na organização ou que ainda é necessário adquirir ou criar, em função de suas demandas para efetividade);  Adquirir conhecimento (obter conhecimento de outras fontes para ser agregado ao conhecimento já identificado na organização). Pacheco, Freire e Fialho, 2017
  • 78. PTF para Criação, Identificação e Aquisição de Conhecimento  1 - BRAINSTORMING  2 - STORYTELLING  3 - COMUNIDADES DE PRÁTICA  4 - ESPAÇOS FÍSICOS COLABORATIVOS  5 - LIÇÕES APRENDIDAS  6 - SEIS CHAPÉUS DO PENSAMENTO  7 - LOCALIZADOR DE EXPERTISE (“QUEM É QUEM” OU “PÁGINAS AMARELAS”)  8 - CAFÉ DO CONHECIMENTO  9 - PENSAMENTO A3  10 - MINERAÇÃO DE DADOS  11 - KDD - KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASES - DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM BASE DE DADOS  12 - KDT - DESCOBERTA DE CONHECIMENTO EM TEXTOS  13 - BIG DATA ANALYTICS exemplos Pacheco, Freire e Fialho, 2017
  • 79. PTF para Armazenamento e Codificação de Conhecimento  Armazenar conhecimento (guardar informações e conhecimentos em repositórios que facilitem o acesso efetivo futuramente); e  Codificar conhecimento (explicitar e organizar o conhecimento e a informação na organização, visando torna-los acessíveis); Pacheco, Freire e Fialho, 2017
  • 80. PTF para Armazenamento e Codificação de Conhecimento  14 - TAXONOMIAS  15 - SISTEMA DE GESTÃO DE IDEIAS - IDEA MANAGEMENT SYSTEM (IMS)  16 - BANCO DE DADOS  17 - BLOGS  18 - BUSINESS INTELLIGENCE (BI)  19 - FÓRUM  20 – GESTÃO ELETRÔNICA DE DOCUMENTOS (GED)  21 - SISTEMAS DE GROUPWARE  22 - SISTEMAS DE MAPAS DO CONHECIMENTO  23 – SISTEMAS DE MEMÓRIA ORGANIZACIONAL  24 - SISTEMAS DE WORKFLOW  25 - WIKI Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. exemplos
  • 81. PTF para Compartilhamento e Disseminação de Conhecimento  Compartilhar conhecimento (promover oferta e demanda por conhecimentos na forma de troca de ideias, dados, informações e demais insumos ao conhecimento); e  Disseminar conhecimento (distribuir e transferir informações e conhecimento, tornando-os acessíveis a quem deles necessita para executar suas atividades) Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 82. PTF para Compartilhamento e Disseminação de Conhecimento  26 - AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM (AVA)  27 - INTRANET  28 - PORTAIS  29 - VISUALIZAÇÃO DE DADOS (DATAVIZ)  30 - PROTOTIPAGEM  31 - UNIVERSIDADE CORPORATIVA EM REDE (UCR)  32 - OBSERVATÓRIO DE CONHECIMENTO Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. exemplos
  • 83. ATENÇÃO Muitas das PTF de GC são dinâmicas e, exatamente por isso, são utilizadas tanto para criar, como para tratar e armazenar e, por fim, compartilhar e disseminar o conhecimento essencial. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 84. MANUAL BASICO DE GESTÃO DE CONHECIMENTO Um exemplo PATRICIA DE SÁ FREIRE, DRA.ENG.
  • 85. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. Item PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO 1 Identificar o conhecimento Integrar a GC ao negócio – Analisar o Mapa Estratégico da ORGANIZAÇÃO identificando objetivos estratégicos a serem alcançados e, Identificar os conhecimentos essenciais às atividades das áreas para alcance das metas Aplicar a técnica de Análise de Conteúdo nos documentos de Planejamento Estratégico da Organização Aplicar questionário para auditoria do conhecimento essencial às áreas. Aplicar a técnica de análise de discurso às respostas abertas e análise quantitativa às respostas fechadas. Conquistar apoio dos líderes da áreas Capacitação os lideres das áreas para a GC. Apoiar os lideres no mapeamento dos problemas principais de GC em suas áreas. Convidar os lideres para palestrar no Grupo Colaborativo sobre os principais problemas de GC em suas áreas e sobre os conhecimentos essenciais que não podem ser perdidos. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 86. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO 2 Mapear os processos de Construção dos conhecimentos essenciais. Listar os conhecimentos essenciais levantados pelas pesquisas e apontados pelos líderes de áreas, de maneira a reconhecer os que deverão ser gerenciados. Compreender o seu processo de construção: Onde estão estes conhecimento? Quem são os responsáveis por sua produção e recepção? Aplicar a Técnica de mapeamento de Fluxo Informacional Em que nível – individual, de grupo ou institucionalizado? Em que estágio de explicitação – tácito, implícito ou já explicitado em documentos? 3 Inventariar as inter- relações Tratar o mapeamento dos processos de construção do conhecimento de maneira a compreender quais dados e informações são utilizados para criar os conhecimentos essenciais – Aplicar a Técnica de Espinha de Peixe. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 87. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO 4 Tratar os Conhecimentos Classificar os conhecimentos essenciais de maneira a identificar os mais recorrentes – Aplicar a Técnica de Pareto. Priorizar os conhecimentos essenciais mais recorrentes, de maneira a identificar os mais graves, urgentes e com tendência negativa caso não sejam gerenciados – Aplicar a Técnica GUTI. Criar uma figura auto explicativa para fácil entendimento dos participantes do Grupo e dos lideres das áreas envolvidas – utilizar a ferramenta de Mapa de Conhecimentos. Desenvolver uma ferramenta de gestão compartilhada dos processos de GC – utilizar ferramentas de gestão de projetos. Utilizar técnicas de criação, aquisição e tratamento dos conhecimentos essenciais para explicitá-los e deixa-los prontos para o armazenamento em sistemas. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 88. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. ITEM PROCESSOS PASSOS PARA GESTÃO DOS PROCESSOS NA ORGANIZAÇÃO 5 Armazenar Definição do ambiente para o armazenamento dos conhecimentos explicitados. Definição do Grau de Sigilo de cada Conhecimento a ser armazenado – Aplicação da Escala de Segurança da Informação. Criação do Centro de Memórias Organizacional que atenda as exigências de GC – retroalimentável, dinâmico, colaborativo e compartilhado. 6 Compartilhar Criar ambientes para compartilhamento de conhecimentos – Aplicar Práticas, Técnicas e Ferramentas de compartilhamento de conhecimentos. 7 Institucionalizar Disseminar o Conhecimento tratado e armazenado de maneira que este se incorpore às práticas dos COLABORADORES e do negocio. 8 Criar Novos Conhecimentos Criação de sistemas de conhecimentos que sejam capazes de leitura semântica dos textos dos fóruns e outros sistemas de gestão da organização. – Aplicar Práticas, Técnicas e Ferramentas para institucionalização de conhecimentos Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 89. GRUPO MUTIDISCIPLINAR PLANO DE AÇÕES COORDENADAS PATRICIA DE SÁ FREIRE, DRA.ENG.
  • 90. Grupo Multidisciplinar de GC responsabilidades Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 91. Responsabilidades para o planejamento, desenvolvimento e execução das ações de GC. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 92. Processo de Planejamento de ações de GC.  Durante o planejamento, o Grupo Multidisciplinar de Gestão do Conhecimento será o responsável pela criação, planejamento, coordenação, análise de demanda e priorização de ofertas. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 93. Processo de Desenvolvimento de ações de GC  No desenvolvimento das práticas, técnicas e ferramentas de GC, o Grupo Multidisciplinar de GC deve se responsabilizar pelo acompanhamento, cumprimento do prazo, escopo e custos de produção das ações de GC, bem como pela aprovação dos resultados obtidos em cada atividade dos processos de GC. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 94. Processo de Execução das ações de GC  Uma das responsabilidades do Grupo Multidisciplinar de GC é levantar recursos humanos, tecnológicos, materiais e financeiros para a disseminação, motivação, participação, monitoramento e aplicação na organização dos conhecimentos essenciais identificados Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 95. Interface de um Observatório do Conhecimento com as ações de GC. Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 96. MAS GC DEPENDE DE CADA COLABORADOR
  • 97. É PRECISO QUE CADA COLABORADOR FAÇA GC: Colabore com os processos de GC; Compartilhe Boas Práticas e Lições Aprendidas; Responda os questionários de GC para que os DIC sejam identificados; ... Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 98. IDENTIFICAR Conhecimentos MAPEAR Stakeholder APOIAR Processos de GC DEFINIR Estratégia de TIC para a GC ORIENTAR COMUNICAÇÃO INRA E INTER ESTABELECER SISTEMAS DE CONHECIENTO IMPLANTAR GOVERNANÇA APRENDIZAGEM E DA LIDERANÇA Se cada COLABORADOR não fizer GC, a GC não acontecerá. Desenvolvimento da TAREFA com COMPETÊNCIA Patricia de Sá Freire, Dra.Eng. D.I.C. ESSENCIAIS para que o funcionário desenvolva suas tarefas. D.I.C. RESULTANTES
  • 99. Boa GC, bons Resultados. patriciadesafreire@gmail.com Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.
  • 100. Mini Currículo PATRICIA DE SÁ FREIRE, Dra. EGC  Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Programa de Pós Graduação EGC/ UFSC.  Autora de dois livros e mais de 60 artigos científicos publicados em congressos nacionais e internacionais, periódicos e capítulos de livros, destacando a coautoria de dois capítulos da obra Interdisciplinaridade em Ciência Tecnologia & Inovação contemplada com 2º lugar no Prêmio Jabuti, na categoria Educação no ano de 2011.  Por dois anos seguidos 2011 e 2012 foi escolhida como um dos cinco executivos de excelência em gestão do conhecimento no Brasil pelo MAKE Award Brasil.Patricia de Sá Freire, Dra.Eng.