SlideShare uma empresa Scribd logo
FENÔMENOS VASCULARES DA INFLAMAÇÃO
CASO CLÍNICO
Igor Rodrigues Coelho
Jhonathan Marinho
Kenia Rezende Honda
Maurivan Carneiro Santos
Sara Patrícia dos Santos Torres
Thiago Henrique de Deus e Silva
 APRESENTAR CASO CLÍNICO DE PACIENTE COM EDEMA
PURULENTO;
 DESCREVER SOBRE A FISIOPATOLOGIA DA DOENÇA;
 DISCUTIR APENAS SOBRE OS FENÔMENOS VASCULARES DA
INFLAMAÇÃO PRESENTES NO CASO CLÍNICO.
2. INTRODUÇÃO
“A Inflamação é uma reação complexa a vários agentes
nocivos, como os microorganismos e células danificadas,
geralmente necróticas, que consiste de respostas
vasculares, migração e ativação de leucócitos e reações
sistêmicas.”
“A Principal característica do processo inflamatório é a
reação dos vasos sanguíneos, que leva ao acúmulo de
fluído e leucócitos nos tecidos extra vasculares”
ABBAS,Abul k et al,Robbins e Cotran,bases patológicas das
doenças,Oitava edição.Rio de Janeiro : Elsevier, 2010
 CASO CLÍNICO:
Paciente E.A.D., Feminino, Branca, 1,62m, 80kg, 54 anos,
nascida em Caraguatatuba - SP.
“Dor em perna direita, recorrente”
Deu entrada no Hospital do Servidor Público Municipal,em São
Paulo no dia 01/02/2012 (tarde),
Ao exame: BEG, Corada, Hidratada, Eupnéica, Acianótica,
Anictérica, Ativa, com lesão endurecida acompanhada
de edema com secreção purulenta, calor e rubor em 1/3
inferior da perna direita. Febre de 39 graus Celsius.
P.A: 120x80 mmHg , FC: 80 bpm.
Exames:
Glicemia:120 mg/dl
Normal até 110 mg/dl

Recomendado para você

Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite

O documento descreve a Neisseria meningitidis, agente causador da meningite meningocócica. Transmite-se de pessoa a pessoa por gotículas respiratórias. Crianças menores de 5 anos e maiores de 60 anos são mais suscetíveis. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça e rigidez de nuca. O diagnóstico é feito por exame do líquido cefalorraquidiano. O tratamento envolve antibióticos e cuidados de suporte. A prevenção inclui quimioprofil

Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos

O documento discute os principais parâmetros farmacocinéticos, incluindo biodisponibilidade, volume de distribuição, depuração e meia-vida. A biodisponibilidade descreve a fração de um fármaco que atinge a circulação sistêmica, enquanto o volume de distribuição mede o espaço onde o fármaco se distribui no corpo. A depuração quantifica a eficiência com que o corpo elimina o fármaco e a meia-vida é o tempo para a concentração do fármaco cair pela metade

farmacologíafarmacocinética
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia

[1] O documento descreve a evolução histórica das práticas de assepsia, antissepsia e esterilização desde o século XIX, incluindo as contribuições de Semmelweis, Lister, Pasteur, Neuber e Halsted. [2] É feita uma classificação dos produtos para saúde em não críticos, semicríticos e críticos com base no risco de contaminação. [3] São descritos métodos físicos, químicos e físico-químicos para a desinfecção e

assepsialuvascirurgia
Antecedentes: paciente portadora do diabetes
tipo ll, toma medicamento a cerca de 1 ano.
Há aproximadamente 6 meses, comparece ao
HSPM ocasionalmente com queixas de edemas
purulentos em diversas partes do corpo.
Antecedentes familiares: Pai diabético desde 70
anos, atualmente com 82 anos em tratamento
apenas com Dieta. Mãe falecida por acidente
automobilístico. Irmãos aparentemente
saudáveis.
Medicamentos: Metformina 850mg v.o. 2x ao dia
após refeições.
Dr. Rafael Granner Vaz, Médico
Residente em Dermatologia do
Hospital do Servidor Público
Municipal . CRM-SP: 151484
 Grupo 7: Mediante a situação clínica da paciente,
qual seria o tratamento mais indicado a este
nódulo eritematoso, pustuloso e recorrente?
 Dr Rafael Granner Vaz: O que poderíamos
fazer,neste caso, após varias inflamações
recorrentes em um paciente com imunidade
comprometida, seria solicitar uma cultura e um
antibiograma, daí então,iríamos ter do
laboratório o resultado confirmando qual
bactéria está infectando a paciente e
principalmente a qual antibiótico o
microorganismo é sensível e a qual ele é
resistente, para então começar a se pensar em
um fármaco para o tratamento. Deve-se salientar
a importância da escolha de um bom fármaco, já
que a paciente tem imunidade limitada pela
condição diabética.
 http://atlas.microu
mftgm.ro/bacteriol
ogie/bactgen/abg/
pic/137-2.JPG
 http://www.blogsa
bermedico.com.br/
wp-
content/uploads/c
ol%C3%B4nia-
isolada.png

Recomendado para você

Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas

O documento discute lesões de pele, úlceras de pressão e curativos ideais. Ele fornece detalhes sobre tipos de lesões de pele, fatores de risco, classificações e estágios de úlceras de pressão. Além disso, descreve características desejáveis de curativos como absorção de exsudato e promoção da cicatrização. Finalmente, apresenta vários produtos de curativos da linha Braun com suas indicações e benefícios.

helpstaraskinaenfermagem
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas

O documento resume as principais informações sobre a epidemiologia de doenças transmissíveis como difteria, AIDS e tuberculose, incluindo definições, modos de transmissão, propriedades dos agentes causadores, medidas de prevenção e bases epidemiológicas.

odontologia
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico

O documento resume os principais aspectos do trauma torácico, incluindo anatomia, fisiologia, avaliação e tratamento de lesões específicas como fraturas de costelas, pneumotórax, hemotórax e contusão cardíaca. Aborda os mecanismos de lesão, sinais e sintomas, exame físico e condutas iniciais para cada tipo de trauma.

Resultados:
 Hemocultura: S.aureus (CONFIRMATÓRIO)
 Antibiograma:
Resistência: Metilciclina, Betalactâmicos
Sensível: Vancomicina, Eritromicina
CID-10: L02.04
L02.4 - Abscesso cutâneo, furúnculo e antraz
do(s) membro(s)
 http://www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10.htm
 Paciente E.A.D. é orientada a tratar-se com
Eritromicina na dose de 30 a 40 mg/kg/dia,
dividida de 6 em 6 horas por 7 dias. Paciente
foi também orientada a práticas de
exercícios físicos,dieta e continuidade do uso
do medicamento para Diabetes.
 Paciente é submetida ao tratamento e se
recuperou bem.
 Bactéria gram-positiva
 Encontrada na pele e nas fossas nasais de
pessoas saudáveis
 Descrito pela primeira vez em 1880, em pus
de abscessos cirúrgicos, pelo cirurgião
escocês Alexandre Ogston e atualmente é um
dos microorganismos mais comuns nas
infecções piogênicas em todo o mundo.

Recomendado para você

TSA
TSATSA
TSA

O documento discute os métodos para teste de sensibilidade a antimicrobianos (antibiograma), incluindo disco difusão em ágar, diluição em caldo, Etest e sistemas automatizados. Detalha etapas como preparo do inóculo bacteriano, escolha de meios de cultura, incubação, leitura e interpretação de resultados de acordo com padrões do CLSI. Aponta a importância desses testes para orientação terapêutica e monitoramento da resistência bacteriana.

Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral

O documento apresenta um resumo de um livro-texto de Patologia Geral, com dez capítulos abordando tópicos como adaptação, dano e morte celular; inflamação aguda e crônica; regeneração e cicatrização; doenças hemodinâmicas e choque; doenças genéticas; imunidade; neoplasia; doenças infecciosas; patologia nutricional e ambiental; e doenças da infância. Apresenta também uma bibliografia básica sobre o assunto.

Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade

O documento resume os 4 tipos de hipersensibilidade segundo a classificação de Coombs e Gell de 1963: Tipo I é mediada por IgE e causa reações alérgicas imediatas; Tipo II envolve anticorpos citotóxicos e causa danos em tecidos; Tipo III é mediada por imunocomplexos e causa danos em órgãos; Tipo IV é mediada por células T e causa reações retardadas como a hipersensibilidade à tuberculina.

 Pode causar diversos processos
infecciosos,que variam desde infecções
cutâneas crônicas (relativamente benignas)
até infecções sistêmicas (potencialmente
fatais) (5,6)
 As doenças provocadas pelo S. aureus podem
ser decorrentes da invasão direta dos tecidos
de bacteremia primária ou exclusivamente,
ser devidas as toxinas que ele produz (3,4)
Microorganismo
libera
Toxinas
Esfoliativas
A
B
Destrói
Desmogleina 1
Destruição da
Barreira
Deslocamento
do
Queratinócito
S. Aureus
tem acesso
a derme
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico Furúnculo

Recomendado para você

Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico

O documento discute o balanço hídrico, definindo-o como o registro diário dos líquidos administrados e eliminados por um paciente. Explica a importância de monitorar o peso corporal e balanço hídrico para avaliar alterações na água total do organismo. Também fornece detalhes sobre como realizar corretamente o cálculo e registro do balanço hídrico.

balanço hídrico
Feridas
FeridasFeridas
Feridas

O documento discute as características e classificação de feridas, incluindo sua causa, presença de infecção, evolução e comprometimento tecidual. Também aborda a avaliação, semiologia, tratamento e recomendações para diferentes tipos de feridas.

Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado

Aula sobre assistência ao grande queimado que fez parte do CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM QUANTO AO ATENDIMENTO DO PACIENTE GRANDE QUEIMADO

assistência de enfermagemgrande queimadoqueimado
 Resposta a uma agressão biológica →leucócitos e proteinas
plasmáticas
 Componentes da I.A: (1) Alterações no calibre vascular;(2) Alt.
Estruturais na microcirculação; (3) emigração dos leucócitos e
ativação
http://1.bp.blogspot.com/_z_P5FO1c3
zY/S8JLKfTLN7I/AAAAAAAAAGk/aw3ai
Ag9IDo/s1600/Sem+t%C3%ADtulo.jpg
1.Fase irritativa: Alt. Morfológicas e funcionais dos tecidos
agredidos → mediadores químicos →outras fases
2.Fase vascular: Alt. Hemodinâmicas e permeabilidade
vascular no local da agressão
3. Fase exsudativa: Exsudato celular e plasmático
4. Fase reparativa
Obs: PAPEL IMPORTANTE DA FASE VASCULAR
http://143.107.23.2454/lido/patoarteger
al/inflamaçaovideo.htm
http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoarteinfl6.htm
 MECANISMOS DE AUMENTO DA PERMEABILIDADE VASCULAR:
1.Formação de fendas no endotélio venular ( med.quim)

Recomendado para você

Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos

O documento fornece diretrizes para a avaliação inicial e cuidados de feridas, incluindo investigar a causa, duração, histórico de infecção, tamanho, localização, profundidade e características da ferida. Ele também discute procedimentos como limpeza, desbridamento e curativos para promover a cicatrização.

avaliação de feridas; técnica de curativo; troc
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles

Este documento discute vários tipos de infecções de pele e partes moles, incluindo erisipela, celulite, fasceite necrotizante, úlceras crônicas, pé diabético e infecção após mordeduras. Ele fornece informações sobre a etiologia, sinais e sintomas, diagnóstico e opções de tratamento para cada condição.

piodermitescremespprofessor robson
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01

O documento apresenta uma introdução sobre feridas, descrevendo a anatomia da pele, as classificações de feridas de acordo com a causa, evolução, presença de infecção e comprometimento tecidual, além de exercícios sobre o conteúdo apresentado.

epidermeferidasferida limpa
2. Lesão endotelial direta → necrose e separação da células
endoteliais
3. Extravasamento retardado prolongado( ↑ permeabilidade )
4. Lesão endotelial mediada por leucócitos
5. Transcitose aumentada através do citoplasma das células
endoteliais. Ocorre por canais compostos de grupos de
vesículas e vacúolos interconectados ( organelas
vesiculovasculares )
6. Extravasamento de vasos sanguíneos recém-criados
 Foi apresentado um Caso Clínico de uma
paciente com abscesso purulento;
 Apresentou-se a Fisiopatologia, bem como
seus mecanismos;
 Discutiu-se os fenômenos celulares e
moleculares, gerados pela inflamação em
resposta a patologia do Caso Clínico citado;
 Ao Dr. Rafael Granner Vaz, pela colaboração
com o trabalho acadêmico, pela paciência
empregada na construção do enriquecedor
conhecimento. Nosso muito obrigado!
1. ABBAS,Abul k et al,Robbins e Cotran,bases patológicas das doenças,Oitava
edição.Rio de Janeiro : Elsevier, 2010. 1458p
2. ANDRIOLO, A. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar. São Paulo:
Editora Manole, 2005
3. BALABAN, N. et al. Auto inducer of virulence as a target for vaccine and
therapy against S. aureus. Science, v. 280, p. 438-40, 1998
4. CARVALHO, C. et al. Monitoramento microbiológico seqüencial da secreção
traqueal em pacientes intubados internados em unidade de terapia
intensiva pediátrica. J Pediatr, v. 81, n. 1, p. 29-33, 2005
5. KINDT,Thomas J.;GOLDSBY,Richard A;OSBORNE,Barbara A. Imunologia de
kuby. Sexta edição. Porto Alegre: Artmed,2008.704p
6. PEREIRA,Fausto Eduardo Lima. Inflamações . In: FILHO,Geraldo Brasileiro.
Bagliolo Patologia GERAL .Terceira edição. Rio de Janeiro:Guanabara
Koogan, 2004.
7. SANTOS,André Luis et al. Staphylococcus aureus: visitando uma cepa de
importância hospitalar. Bras Patol Med Lab.Rio de Janeiro, volume 43,
número 6, página 413-423,Dezembro.2007
8. W,Michael Dunne,Jr. Inflamation. In: Porth,Carol Mattson. Pathophysiology
concepts of altered health stares. Sixth Edition. Lippincott Williams &
Wilkins; Eighth, North American Edition

Recomendado para você

Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico

O documento discute o lúpus eritematoso sistêmico (LES), incluindo sua definição como uma doença autoimune crônica, os diversos sintomas e manifestações que pode apresentar em diferentes órgãos, e os critérios para seu diagnóstico e classificação da gravidade da doença.

sle lúpus eritematoso sistêmico unilussleles
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas

apresentação voltada para a aula de cuidado domiciliar sobre convulsões e quedas apresentados pelas alunas camila kelly,expedita paloma silveira e Natalia Mikaele Vasconcellos.

convulsoescuidado domicliartrabalho
Casos clínicos patologia geral
Casos clínicos   patologia geralCasos clínicos   patologia geral
Casos clínicos patologia geral

PATOLOGIA SISTEMICAS

 http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoa
rteinfl5.htm
 http://143.107.23.2454/lido/patoartegeral/.htm
 http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoa
rteinfl6.htm
 http://1.bp.blogspot.com/_z_P5FO1c3zY/S8JLKf
TLN7I/AAAAAAAAAGk/aw3aiAg9IDo/s1600/Sem
+t%C3%ADtulo.jpg
 http://143.107.23.2454/lido/patoartegeral/infla
maçaovideo.htm
 Acessados em 20 de março de 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
Eduardo Santana Cordeiro
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
Alexandre Donha
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
Fernanda Marinho
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
Fernando de Oliveira Dutra
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
Gilson Betta Sevilha
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
Adriana Mércia
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
Guilherme Sicuto
 
TSA
TSATSA
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
Gildo Crispim
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
Kelton Silva Sena
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
Nelio Dinis
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Janaína Lassala
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
Viviane da Silva
 
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
Professor Robson
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
SMS - Petrópolis
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
Paulo Alambert
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
Natalia Mikaele Vasconcellos
 

Mais procurados (20)

Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 
Assepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsiaAssepsia e antissepsia
Assepsia e antissepsia
 
Tratamento de feridas
Tratamento de feridasTratamento de feridas
Tratamento de feridas
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Trauma torácico
Trauma torácicoTrauma torácico
Trauma torácico
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Patologia geral
Patologia geralPatologia geral
Patologia geral
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Feridas
FeridasFeridas
Feridas
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Aula feridas e curativos
Aula feridas e curativosAula feridas e curativos
Aula feridas e curativos
 
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
 
Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01Tratamento de feridas - Aula 01
Tratamento de feridas - Aula 01
 
Lupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso SistêmicoLupus Eritematoso Sistêmico
Lupus Eritematoso Sistêmico
 
Crise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedasCrise convulsiva e quedas
Crise convulsiva e quedas
 

Destaque

Casos clínicos patologia geral
Casos clínicos   patologia geralCasos clínicos   patologia geral
Casos clínicos patologia geral
Dr.João Calais.:
 
Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
Jumooca
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
janinemagalhaes
 
Exercício 01 Patologia Geral 2009 2
Exercício 01   Patologia Geral 2009 2Exercício 01   Patologia Geral 2009 2
Exercício 01 Patologia Geral 2009 2
UFPEL
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Letícia Gonzaga
 
02 cmf4-atividade lesão celular
02 cmf4-atividade lesão celular02 cmf4-atividade lesão celular
02 cmf4-atividade lesão celular
ÁreadaSaúde
 
Patologia aula 1
Patologia aula 1Patologia aula 1
Patologia aula 1
Anhanguera Enfermagem A/B
 
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
Raimundo Tostes
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Ghiordanno Bruno
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Yasmin Casini
 
Questões patologia ii
Questões patologia iiQuestões patologia ii
Questões patologia ii
Jumooca
 
patologia oral - perguntas e respostas
patologia oral - perguntas e respostaspatologia oral - perguntas e respostas
patologia oral - perguntas e respostas
lauana santos
 
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
LarissaComparini
 
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
Katherine Mejía
 
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08   degenerações - med resumos - arlindo nettoPatologia 08   degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
Jucie Vasconcelos
 
Caso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
Caso clínico Osteoporose e Doença CelíacaCaso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
Caso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
Esther Botelho Soares
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
Dr. Mauricio Ferrufino Sequeiros
 

Destaque (20)

Casos clínicos patologia geral
Casos clínicos   patologia geralCasos clínicos   patologia geral
Casos clínicos patologia geral
 
Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)Apostilas completas.doc patologia (1)
Apostilas completas.doc patologia (1)
 
Questões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestreQuestões patologia geral 1º semestre
Questões patologia geral 1º semestre
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
Exercício 01 Patologia Geral 2009 2
Exercício 01   Patologia Geral 2009 2Exercício 01   Patologia Geral 2009 2
Exercício 01 Patologia Geral 2009 2
 
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
02 cmf4-atividade lesão celular
02 cmf4-atividade lesão celular02 cmf4-atividade lesão celular
02 cmf4-atividade lesão celular
 
Patologia aula 1
Patologia aula 1Patologia aula 1
Patologia aula 1
 
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo nettoPatologia 03   inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
Patologia 03 inflamação aguda - med resumos - arlindo netto
 
Aula de Inflamacao
Aula de InflamacaoAula de Inflamacao
Aula de Inflamacao
 
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo nettoPatologia 04   inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
Patologia 04 inflamação crônica - med resumos - arlindo netto
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Questões patologia ii
Questões patologia iiQuestões patologia ii
Questões patologia ii
 
patologia oral - perguntas e respostas
patologia oral - perguntas e respostaspatologia oral - perguntas e respostas
patologia oral - perguntas e respostas
 
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
 
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
CASOS CLINICOS DE BACTERIAS GRAM +
 
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08   degenerações - med resumos - arlindo nettoPatologia 08   degenerações - med resumos - arlindo netto
Patologia 08 degenerações - med resumos - arlindo netto
 
Caso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
Caso clínico Osteoporose e Doença CelíacaCaso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
Caso clínico Osteoporose e Doença Celíaca
 
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICAINFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
INFLAMAÇÃO AGUDA E CRÔNICA
 

Semelhante a Caso clínico Furúnculo

Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
vitorepalmeida1
 
Febre, Inflamação e Infecção
Febre, Inflamação e Infecção Febre, Inflamação e Infecção
Febre, Inflamação e Infecção
StefanyTeles3
 
Sepse
SepseSepse
Revisão bahiana 2
Revisão bahiana 2Revisão bahiana 2
Revisão bahiana 2
bioemanuel
 
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdfImunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
Wilmara Carvalho
 
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdfAbbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
André Tomaz Terra Júnior
 
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptxApresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
IngridEvelyn4
 
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Leandro Carvalho
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
Eman Lemine
 
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio RoqueAntibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
Barbara Queiroz
 
Les
LesLes
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Fabiano Muniz
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
rafaelportopr
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
Fernando V. Ennes
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
Fausto Barros
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
Dr. Rafael Higashi
 
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
mfernandamb
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
Ana Claudia Rodrigues
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Euripedes A Barbosa
 

Semelhante a Caso clínico Furúnculo (20)

Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
 
Febre, Inflamação e Infecção
Febre, Inflamação e Infecção Febre, Inflamação e Infecção
Febre, Inflamação e Infecção
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Revisão bahiana 2
Revisão bahiana 2Revisão bahiana 2
Revisão bahiana 2
 
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdfImunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
Imunologia celular e molecular 9. ed. - Abbas.pdf
 
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdfAbbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
Abbas - Imunologia- 9ª Edição.pdf
 
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptxApresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
Apresentação SLIDES DE - Staphylococcus.pptx
 
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos Princípios do uso racional dos antimicrobianos
Princípios do uso racional dos antimicrobianos
 
Manual controle_bacterias
Manual  controle_bacteriasManual  controle_bacterias
Manual controle_bacterias
 
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio RoqueAntibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
Antibióticos - Seminario UFPB - Prof Evanizio Roque
 
Les
LesLes
Les
 
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
Aula - Paciente Séptico e os protocolos de atendimendo da sepse em UTI - Enfa...
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
 
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
Aula 3 imunidade_inata-_enf-2_2011[1]
 
Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1Prova microbiologia b1
Prova microbiologia b1
 
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
 

Mais de Thiago Henrique

Clube de revista
Clube de revistaClube de revista
Clube de revista
Thiago Henrique
 
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarctionCoronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Thiago Henrique
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Thiago Henrique
 
Oncologia ginecologica
Oncologia ginecologicaOncologia ginecologica
Oncologia ginecologica
Thiago Henrique
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internato
Thiago Henrique
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
Thiago Henrique
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
Thiago Henrique
 
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Thiago Henrique
 
Trabalho clipping ca utero (2)
Trabalho clipping ca utero (2)Trabalho clipping ca utero (2)
Trabalho clipping ca utero (2)
Thiago Henrique
 
Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)
Thiago Henrique
 
Imunocancer
ImunocancerImunocancer
Imunocancer
Thiago Henrique
 
Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)
Thiago Henrique
 
Morfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushingMorfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushing
Thiago Henrique
 
Rcu
RcuRcu
Osteossarcoma
OsteossarcomaOsteossarcoma
Osteossarcoma
Thiago Henrique
 

Mais de Thiago Henrique (15)

Clube de revista
Clube de revistaClube de revista
Clube de revista
 
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarctionCoronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
Coronary intervention for persistent occlusion after myocardial infarction
 
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve inTranscatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
Transcatheter aortic valve replacement with a self-expanding valve in
 
Oncologia ginecologica
Oncologia ginecologicaOncologia ginecologica
Oncologia ginecologica
 
Métodos contraceptivos trabalho internato
Métodos contraceptivos   trabalho internatoMétodos contraceptivos   trabalho internato
Métodos contraceptivos trabalho internato
 
Prenhez tubária
Prenhez tubáriaPrenhez tubária
Prenhez tubária
 
Mola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completaMola Hidatiforme completa
Mola Hidatiforme completa
 
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
Autoimunidade na oftalmopatia de graves (2)
 
Trabalho clipping ca utero (2)
Trabalho clipping ca utero (2)Trabalho clipping ca utero (2)
Trabalho clipping ca utero (2)
 
Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)Seminario pato ca esofago (1)
Seminario pato ca esofago (1)
 
Imunocancer
ImunocancerImunocancer
Imunocancer
 
Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)Obesidadecerto (1)
Obesidadecerto (1)
 
Morfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushingMorfologia da síndrome de cushing
Morfologia da síndrome de cushing
 
Rcu
RcuRcu
Rcu
 
Osteossarcoma
OsteossarcomaOsteossarcoma
Osteossarcoma
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Caso clínico Furúnculo

  • 1. FENÔMENOS VASCULARES DA INFLAMAÇÃO CASO CLÍNICO Igor Rodrigues Coelho Jhonathan Marinho Kenia Rezende Honda Maurivan Carneiro Santos Sara Patrícia dos Santos Torres Thiago Henrique de Deus e Silva
  • 2.  APRESENTAR CASO CLÍNICO DE PACIENTE COM EDEMA PURULENTO;  DESCREVER SOBRE A FISIOPATOLOGIA DA DOENÇA;  DISCUTIR APENAS SOBRE OS FENÔMENOS VASCULARES DA INFLAMAÇÃO PRESENTES NO CASO CLÍNICO.
  • 3. 2. INTRODUÇÃO “A Inflamação é uma reação complexa a vários agentes nocivos, como os microorganismos e células danificadas, geralmente necróticas, que consiste de respostas vasculares, migração e ativação de leucócitos e reações sistêmicas.” “A Principal característica do processo inflamatório é a reação dos vasos sanguíneos, que leva ao acúmulo de fluído e leucócitos nos tecidos extra vasculares” ABBAS,Abul k et al,Robbins e Cotran,bases patológicas das doenças,Oitava edição.Rio de Janeiro : Elsevier, 2010
  • 4.  CASO CLÍNICO: Paciente E.A.D., Feminino, Branca, 1,62m, 80kg, 54 anos, nascida em Caraguatatuba - SP. “Dor em perna direita, recorrente” Deu entrada no Hospital do Servidor Público Municipal,em São Paulo no dia 01/02/2012 (tarde), Ao exame: BEG, Corada, Hidratada, Eupnéica, Acianótica, Anictérica, Ativa, com lesão endurecida acompanhada de edema com secreção purulenta, calor e rubor em 1/3 inferior da perna direita. Febre de 39 graus Celsius. P.A: 120x80 mmHg , FC: 80 bpm. Exames: Glicemia:120 mg/dl Normal até 110 mg/dl
  • 5. Antecedentes: paciente portadora do diabetes tipo ll, toma medicamento a cerca de 1 ano. Há aproximadamente 6 meses, comparece ao HSPM ocasionalmente com queixas de edemas purulentos em diversas partes do corpo. Antecedentes familiares: Pai diabético desde 70 anos, atualmente com 82 anos em tratamento apenas com Dieta. Mãe falecida por acidente automobilístico. Irmãos aparentemente saudáveis. Medicamentos: Metformina 850mg v.o. 2x ao dia após refeições.
  • 6. Dr. Rafael Granner Vaz, Médico Residente em Dermatologia do Hospital do Servidor Público Municipal . CRM-SP: 151484
  • 7.  Grupo 7: Mediante a situação clínica da paciente, qual seria o tratamento mais indicado a este nódulo eritematoso, pustuloso e recorrente?  Dr Rafael Granner Vaz: O que poderíamos fazer,neste caso, após varias inflamações recorrentes em um paciente com imunidade comprometida, seria solicitar uma cultura e um antibiograma, daí então,iríamos ter do laboratório o resultado confirmando qual bactéria está infectando a paciente e principalmente a qual antibiótico o microorganismo é sensível e a qual ele é resistente, para então começar a se pensar em um fármaco para o tratamento. Deve-se salientar a importância da escolha de um bom fármaco, já que a paciente tem imunidade limitada pela condição diabética.
  • 9. Resultados:  Hemocultura: S.aureus (CONFIRMATÓRIO)  Antibiograma: Resistência: Metilciclina, Betalactâmicos Sensível: Vancomicina, Eritromicina
  • 10. CID-10: L02.04 L02.4 - Abscesso cutâneo, furúnculo e antraz do(s) membro(s)  http://www.datasus.gov.br/cid10/v2008/cid10.htm
  • 11.  Paciente E.A.D. é orientada a tratar-se com Eritromicina na dose de 30 a 40 mg/kg/dia, dividida de 6 em 6 horas por 7 dias. Paciente foi também orientada a práticas de exercícios físicos,dieta e continuidade do uso do medicamento para Diabetes.  Paciente é submetida ao tratamento e se recuperou bem.
  • 12.  Bactéria gram-positiva  Encontrada na pele e nas fossas nasais de pessoas saudáveis  Descrito pela primeira vez em 1880, em pus de abscessos cirúrgicos, pelo cirurgião escocês Alexandre Ogston e atualmente é um dos microorganismos mais comuns nas infecções piogênicas em todo o mundo.
  • 13.  Pode causar diversos processos infecciosos,que variam desde infecções cutâneas crônicas (relativamente benignas) até infecções sistêmicas (potencialmente fatais) (5,6)  As doenças provocadas pelo S. aureus podem ser decorrentes da invasão direta dos tecidos de bacteremia primária ou exclusivamente, ser devidas as toxinas que ele produz (3,4)
  • 17.  Resposta a uma agressão biológica →leucócitos e proteinas plasmáticas  Componentes da I.A: (1) Alterações no calibre vascular;(2) Alt. Estruturais na microcirculação; (3) emigração dos leucócitos e ativação http://1.bp.blogspot.com/_z_P5FO1c3 zY/S8JLKfTLN7I/AAAAAAAAAGk/aw3ai Ag9IDo/s1600/Sem+t%C3%ADtulo.jpg
  • 18. 1.Fase irritativa: Alt. Morfológicas e funcionais dos tecidos agredidos → mediadores químicos →outras fases 2.Fase vascular: Alt. Hemodinâmicas e permeabilidade vascular no local da agressão 3. Fase exsudativa: Exsudato celular e plasmático 4. Fase reparativa Obs: PAPEL IMPORTANTE DA FASE VASCULAR
  • 20. http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoarteinfl6.htm  MECANISMOS DE AUMENTO DA PERMEABILIDADE VASCULAR: 1.Formação de fendas no endotélio venular ( med.quim)
  • 21. 2. Lesão endotelial direta → necrose e separação da células endoteliais 3. Extravasamento retardado prolongado( ↑ permeabilidade ) 4. Lesão endotelial mediada por leucócitos 5. Transcitose aumentada através do citoplasma das células endoteliais. Ocorre por canais compostos de grupos de vesículas e vacúolos interconectados ( organelas vesiculovasculares ) 6. Extravasamento de vasos sanguíneos recém-criados
  • 22.  Foi apresentado um Caso Clínico de uma paciente com abscesso purulento;  Apresentou-se a Fisiopatologia, bem como seus mecanismos;  Discutiu-se os fenômenos celulares e moleculares, gerados pela inflamação em resposta a patologia do Caso Clínico citado;
  • 23.  Ao Dr. Rafael Granner Vaz, pela colaboração com o trabalho acadêmico, pela paciência empregada na construção do enriquecedor conhecimento. Nosso muito obrigado!
  • 24. 1. ABBAS,Abul k et al,Robbins e Cotran,bases patológicas das doenças,Oitava edição.Rio de Janeiro : Elsevier, 2010. 1458p 2. ANDRIOLO, A. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar. São Paulo: Editora Manole, 2005 3. BALABAN, N. et al. Auto inducer of virulence as a target for vaccine and therapy against S. aureus. Science, v. 280, p. 438-40, 1998 4. CARVALHO, C. et al. Monitoramento microbiológico seqüencial da secreção traqueal em pacientes intubados internados em unidade de terapia intensiva pediátrica. J Pediatr, v. 81, n. 1, p. 29-33, 2005 5. KINDT,Thomas J.;GOLDSBY,Richard A;OSBORNE,Barbara A. Imunologia de kuby. Sexta edição. Porto Alegre: Artmed,2008.704p 6. PEREIRA,Fausto Eduardo Lima. Inflamações . In: FILHO,Geraldo Brasileiro. Bagliolo Patologia GERAL .Terceira edição. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2004. 7. SANTOS,André Luis et al. Staphylococcus aureus: visitando uma cepa de importância hospitalar. Bras Patol Med Lab.Rio de Janeiro, volume 43, número 6, página 413-423,Dezembro.2007 8. W,Michael Dunne,Jr. Inflamation. In: Porth,Carol Mattson. Pathophysiology concepts of altered health stares. Sixth Edition. Lippincott Williams & Wilkins; Eighth, North American Edition
  • 25.  http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoa rteinfl5.htm  http://143.107.23.2454/lido/patoartegeral/.htm  http://143.107.23.244/lido/patoartegeral/patoa rteinfl6.htm  http://1.bp.blogspot.com/_z_P5FO1c3zY/S8JLKf TLN7I/AAAAAAAAAGk/aw3aiAg9IDo/s1600/Sem +t%C3%ADtulo.jpg  http://143.107.23.2454/lido/patoartegeral/infla maçaovideo.htm  Acessados em 20 de março de 2012.