SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Anhanguera –UniderpUnidade Agrárias<br />NOME : ________________________________________________________________________________<br />CURSO: _________________________________________________________________SEM:__________<br />AVALIAÇÃO DE MICROBIOLOGIA<br />Instruções para resolução da prova:<br />Todas as questões devem ser respondidas a caneta.<br />Os valores entre parênteses são valores de referência<br />Se não houver espaço para resolução das questões abertas resolver no verso da folha.<br />1. (1,0) Os fungos são seres eucarióticos amplamente distribuídos na natureza. Assinale a alternativa incorreta:<br />I.  As dermatofitoses ou tineas atingem pele, pelo ou unhas (onicomicoses) e são causadas por fungos queratinofílicos.<br />II. Fungos dismórficos são aqueles capazes de crescer em forma de levedura ou filamento dependendo da temperatura ou condições ambientais.<br />III. As dermatomicoses (infecções cutâneas) são causadas pelos fungos Epidermophyton, Microsporum eTrichopyton<br />IV. Fungos possuem quitina em sua parede bacteriana e sempre realizam fotossíntese.<br />Leveduras são fungos redondos unicelulares que se reproduzem por brotamento e filamentos são multicelulares e formam grandes estruturas ao microscópio.<br />2. (1,0) Considerando as partículas virais, assinale a alternativa incorreta.<br />a.  A gripe humana é causada pelo vírus Influenzae e causa infecções respiratórias que podem evoluir para pneumonia.<br />b.  O vírus do sarampo é um morbilivírus com genoma de RNA simples e envelopado que causa essa doença <br />c.  A Rubéola é uma doença causada pelo vírus da família Togaviridae, transmitida por via respiratória, causa uma doença que pode causar deformações permanentes  nas extremidades.<br />d.  A varíola é uma doença infecto-contagiosa. É causada por um Orthopoxvirus, um dos maiores vírus que infectam os seres humanos.<br />e.  Os vírus podem ser classificados de acordo com a simetria da cápside, em vírions icosaédricos, vírions helicoidas e víruins de estrutura complexa.<br />3. (1,0) As bactérias possuem plasmídeos que estão relacionadas à resistência aos antibióticos. Essas moléculas são transferidas de uma bactéria a outra por:<br />a. ( ) Conjugação, transmutação e transdução<br />b. ( ) Conjugamento, transdução e mutação<br />c. ( ) Conjugação, transdução e transformação<br />d. ( ) RNA replicase, transcriptase reversa e mutação<br />4. (1,0) Paciente internado na UTI do hospital A fez urocultura e o resultado foram cocobacilos Gram negativos, não fermentadores com oxidase e motilidade negativa. Em uma úlcera da perna que eliminava um pus verde com cheiro de fruta houve crescimento na cultura de Bacilo Gram negativo não fermentador, oxidase e motilidade positiva com brilho metálico no meio TSI e cor verde no meio MacConkey. O resultado mais provável dessas duas culturas respectivamente é:<br />a.  Staphylococcus saprophyticus e Pseudomonas aeruginosa<br />b. Pseudomonas aeruginosa e Stenotrophomonas maltophyla<br />c. Escherichia coli e Acinetobacter baumanii<br />d. Acinetobacter baumanii e Pseudomonas aeruginosa.<br />5.  (1,0) Explique passo a passo como deve ser feito o antibiograma:<br />6.  (1,0) Assinale a incorreta:<br />a.  A sífilis é causada pela espiroqueta Treponema pallidum e forma um cancro duro no local de entrada da lesão (sífilis primária)<br />b.  A leptospirose ou doença de Lyme é causada pela espiroqueta Borrelia burgdorferi caracterizada por febre recorrente após o período de inclubação (2 a 15 dias).<br />c. Leptospirose é  doença que pode ser contraída nas enxurradas devido a contaminação com urina de ratos, penetrando em mucosas intactas ou pequenos cortes na pele e alcançando o sistema nervoso central.<br />d. Vibrio cholerae são bacilos curvos que causam diarréia e podem ser transmitidas por urina contaminada.<br />e. Espiroquetas e vibriões são diagnosticados principalmente por técnicas imunológicas devido ao seu difícil cultivo.<br />7.  (1,0) Paciente relata corrimento amarelo com forte odor de peixe há 5 dias. O médico detecta que o pH está acima dos valores normais (5,0) e o microbiologista vê na lâmina de Gram cocobacilos Gram variáveis, pleomórficos com presença de Clue Cells (células superficiais recobertas de bactérias). A DST aqui relatada é:<br />Neisseria gonorrhoeae<br />Haemophylus ducreye<br />Stapylococcus aureus<br />Candida albicans<br />Gardnerela vaginalis<br />8.  (1,0) A Hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, crônica, curável, causada pelo bacilo de Hansen. Em relação a seus aspectos clínicos e laboratoriais, assinale as duas afirmativas corretas. <br />A) É causada pelo Bacilo Mycobacterium tuberculosis e é diagnosticada por baciloscopia (contagem de bacilos – BAAR)  com ajuda da coloração de Bacilo álcool ácido resistente (Ziehl Nielsen).<br />B) No exame de Gram  os resultados são liberados conforme a Escala Logarítmica de Ridley, a qual fornece o índice baciloscópico. <br />C) O agente etiológico é a Mycobacterium leprae, bacilo álcool resistente e extracelular obrigatório. <br />D) Na ausência de lesão cutânea, os sítios de escolha para realização da coleta são: orelha direita e esquerda, cotovelo esquerdo e joelho direito e esquerdo.<br />E) No exame podem ser vistos aglomerados de M. leprae com formas indefinidas com vários bacilos entrelaçados que são chamados de globias. <br />9. (1,0) A Tuberculose, doença milenar que aflige a humanidade, tornou-se grande problema de saúde pública, pois constitui uma das principais causas de morbidade e mortalidade. Em relação aos aspectos clínicos e laboratoriais dessa doença, analise verdadeiro ou falso <br />I  - A propriedade Álcool Ácido Resistente é a capacidade das micobactérias de reter corantes devido à presença de lipídios (ácido micólico) na parede celular. (   )<br />II  - São espécies capazes de causar tuberculose humana:  Mycobacterium tuberculosis,  Mycobacterium africanum <br />III  - Essa doença pode causar astenia, emagrecimento, febre vespertina, suor noturno e tosse seca que se tornará produtiva com o tempo, pois afeta principalmente os pulmões. (   )<br />IV  - O meio de cultura indicado para este microrganismo é Lowestein-jenssen, porém pode demorar de 30 a 40 dias para se ter o resultado da cultura. (   )<br />V  - A baciloscopia (contagem de bacilos – BAAR) de material de origem pulmonar (escarro) é um método mais acurado e possibilita diagnosticar mais precocemente os casos de tuberculose. (   )<br />10. (0,5) Qual é o microrganismo causador da Tosse comprida e que meio é utilizado para sua cultura? <br />11. (0,5) Qual DST é causada pelo Haemophylus ducreyi? ________________________________________________________<br />12. (0,5) No antibiograma podem ser utilizadas as técnicas de macrodiluição, microdiluição em caldo e ágar difusão. O que você entende por MIC? Explique.<br />_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________<br />(0,5)Questão extra - Hanseníase é doença crônica, granulomatosa afetando pele, sistema nervoso periférico e, ocasionalmente, outros órgãos e sistemas. São quatro formas clínicas: Indeterminada, Tuberculóide, Boderline e Lepromatosa. A reação intradérmica de Mitsuda auxilia muito o diagnóstico, pois a quantidade de bacilos é determinante para se detectar a doença pelo método da baciloscopia e cultura. O que você entende por formas paucibacilares?<br />
Prova microbiologia b1

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
Thiago Paulino
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
Erik Macedo
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Introdução microbiologia
Introdução microbiologiaIntrodução microbiologia
Introdução microbiologia
Jefferson Queiroz da Silva
 
Quimioluminescencia
QuimioluminescenciaQuimioluminescencia
Quimioluminescencia
LABIMUNO UFBA
 
Imunologia - Vacinas
Imunologia - VacinasImunologia - Vacinas
Imunologia - Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
alforreca567
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
João Marcos
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Hemilly Rayanne
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativa
Silas Gouveia
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
profsempre
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 

Mais procurados (20)

Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2Prova microbiologia b2
Prova microbiologia b2
 
Aula bactérias
Aula bactériasAula bactérias
Aula bactérias
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Introdução microbiologia
Introdução microbiologiaIntrodução microbiologia
Introdução microbiologia
 
Quimioluminescencia
QuimioluminescenciaQuimioluminescencia
Quimioluminescencia
 
Imunologia - Vacinas
Imunologia - VacinasImunologia - Vacinas
Imunologia - Vacinas
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Doenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentesDoenças emergentes e reemergentes
Doenças emergentes e reemergentes
 
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificaçãoMicrobiologia: meios de cultura e provas de identificação
Microbiologia: meios de cultura e provas de identificação
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIAMeios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
Meios de cultura e Técnicas de semeio- MICROBIOLOGIA
 
Vacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdadesVacinas: mitos e verdades
Vacinas: mitos e verdades
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Imunidade adaptativa
Imunidade adaptativaImunidade adaptativa
Imunidade adaptativa
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 

Destaque

Questionário microbiologia
Questionário microbiologiaQuestionário microbiologia
Questionário microbiologia
Inês Santos
 
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia 2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
Tiago da Silva
 
Questionário microbiologia
Questionário microbiologiaQuestionário microbiologia
Questionário microbiologia
Inês Santos
 
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
Tiago da Silva
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Exercícios 1 10-1
Exercícios 1 10-1Exercícios 1 10-1
Exercícios 1 10-1
Silvana
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Gildo Crispim
 
Questoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidasQuestoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidas
Ionara Urrutia Moura
 
Prova enfermagem primeiro semestre 2014
Prova enfermagem primeiro semestre 2014Prova enfermagem primeiro semestre 2014
Prova enfermagem primeiro semestre 2014
Rodrigo Luciano
 
Micro apostila1
Micro apostila1Micro apostila1
Micro apostila1
Deuseny Nascimento
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Ana Paula Alves
 
7229 9 microbiologia dos alimentos 2011.1
7229 9   microbiologia dos alimentos 2011.17229 9   microbiologia dos alimentos 2011.1
7229 9 microbiologia dos alimentos 2011.1
goretypuente
 
Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
Clelia Picinin
 
Modelo de prova
Modelo de prova Modelo de prova
Modelo de prova
Rogério Cardoso
 
Questões de virologia
Questões de virologiaQuestões de virologia
Questões de virologia
Camila Sales
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Carlos Priante
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
Franciele Marcela
 
Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
Ana Claudia Rodrigues
 
Questões 1 s 2° bimestre _com gabarito
Questões  1 s  2° bimestre _com gabaritoQuestões  1 s  2° bimestre _com gabarito
Questões 1 s 2° bimestre _com gabarito
Ionara Urrutia Moura
 
Microbiología
MicrobiologíaMicrobiología
Microbiología
degarden
 

Destaque (20)

Questionário microbiologia
Questionário microbiologiaQuestionário microbiologia
Questionário microbiologia
 
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia 2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
 
Questionário microbiologia
Questionário microbiologiaQuestionário microbiologia
Questionário microbiologia
 
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia2ª Lista de Exercícios Microbiologia
2ª Lista de Exercícios Microbiologia
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
 
Exercícios 1 10-1
Exercícios 1 10-1Exercícios 1 10-1
Exercícios 1 10-1
 
Controle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilizaçãoControle crescimento-microbiano . esterilização
Controle crescimento-microbiano . esterilização
 
Questoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidasQuestoes para 1 s respondidas
Questoes para 1 s respondidas
 
Prova enfermagem primeiro semestre 2014
Prova enfermagem primeiro semestre 2014Prova enfermagem primeiro semestre 2014
Prova enfermagem primeiro semestre 2014
 
Micro apostila1
Micro apostila1Micro apostila1
Micro apostila1
 
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos netMicrobiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
Microbiologia dos alimentos fatores intrinsecos e extrinsecos net
 
7229 9 microbiologia dos alimentos 2011.1
7229 9   microbiologia dos alimentos 2011.17229 9   microbiologia dos alimentos 2011.1
7229 9 microbiologia dos alimentos 2011.1
 
Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1Microbiologia dos alimentos aula 1
Microbiologia dos alimentos aula 1
 
Modelo de prova
Modelo de prova Modelo de prova
Modelo de prova
 
Questões de virologia
Questões de virologiaQuestões de virologia
Questões de virologia
 
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungiLista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
Lista de exercícios vii reinos monera, protista e fungi
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
 
Questões para estudar
Questões para estudarQuestões para estudar
Questões para estudar
 
Questões 1 s 2° bimestre _com gabarito
Questões  1 s  2° bimestre _com gabaritoQuestões  1 s  2° bimestre _com gabarito
Questões 1 s 2° bimestre _com gabarito
 
Microbiología
MicrobiologíaMicrobiología
Microbiología
 

Semelhante a Prova microbiologia b1

Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Euripedes A Barbosa
 
monerasprotistasfungos______________.pdf
monerasprotistasfungos______________.pdfmonerasprotistasfungos______________.pdf
monerasprotistasfungos______________.pdf
MayaraLaun1
 
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Fabiano Muniz
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Douglas Lício
 
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoCaso clínico Furúnculo
Caso clínico Furúnculo
Thiago Henrique
 
Artigo higienização das mãos karina prince
Artigo higienização das mãos   karina princeArtigo higienização das mãos   karina prince
Artigo higienização das mãos karina prince
Felipe Ferraz
 
Parasitologia Fungos
Parasitologia FungosParasitologia Fungos
Parasitologia Fungos
Ludmila Alem
 
Questões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptxQuestões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptx
DeividPereiradeSouza1
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cássia Silva
 
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIM
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIMAvaliação mensal - 2o ANO - I BIM
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIM
Eldon Clayton
 
Apostila microbiologia i
Apostila microbiologia iApostila microbiologia i
Apostila microbiologia i
FredericoMMN
 
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
AlexAnjos11
 
Bio específica lista 7.pdf
Bio específica lista 7.pdfBio específica lista 7.pdf
Bio específica lista 7.pdf
José Ricardo Pereira
 
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
mauriciocoelhomicrobio
 
Coloração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsenColoração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsen
Liana Leuck
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
Ana Claudia Rodrigues
 
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdfProva e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
FranciscoSallas1
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
Tamara Garcia
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
Ivson Cassiano
 
Apresentação de Rubem
Apresentação de RubemApresentação de Rubem
Apresentação de Rubem
RubemCrisneySalgadod
 

Semelhante a Prova microbiologia b1 (20)

Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosaMicobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
Micobactérias Atípicas, de Crescimento Rápido, Não tuberculosa
 
monerasprotistasfungos______________.pdf
monerasprotistasfungos______________.pdfmonerasprotistasfungos______________.pdf
monerasprotistasfungos______________.pdf
 
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08Introdução   metodologia- pibic-joyce 30-08
Introdução metodologia- pibic-joyce 30-08
 
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novoCurso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
Curso tuberculose, hanseníase e sífilis novo
 
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoCaso clínico Furúnculo
Caso clínico Furúnculo
 
Artigo higienização das mãos karina prince
Artigo higienização das mãos   karina princeArtigo higienização das mãos   karina prince
Artigo higienização das mãos karina prince
 
Parasitologia Fungos
Parasitologia FungosParasitologia Fungos
Parasitologia Fungos
 
Questões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptxQuestões ENEM.pptx
Questões ENEM.pptx
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIM
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIMAvaliação mensal - 2o ANO - I BIM
Avaliação mensal - 2o ANO - I BIM
 
Apostila microbiologia i
Apostila microbiologia iApostila microbiologia i
Apostila microbiologia i
 
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
17 WEBINAR INTERPRETAÇÃO LABORATORIAL E ANTIBIOTICOTERAPIA (1).ppt
 
Bio específica lista 7.pdf
Bio específica lista 7.pdfBio específica lista 7.pdf
Bio específica lista 7.pdf
 
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
Isolamento ambiental, identificação bioquímica e drogas antifúngicas suscetí...
 
Coloração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsenColoração de ziehl neelsen
Coloração de ziehl neelsen
 
Aula introdução aos atb 1
Aula introdução aos atb   1Aula introdução aos atb   1
Aula introdução aos atb 1
 
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdfProva e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
Prova e gabarito - Seletiva internacional_v_final-2.pdf
 
Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2Resumo de micro clinica 2
Resumo de micro clinica 2
 
Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
Apresentação de Rubem
Apresentação de RubemApresentação de Rubem
Apresentação de Rubem
 

Mais de Ana Claudia Rodrigues

Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
Ana Claudia Rodrigues
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
CQ
CQCQ
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
Ana Claudia Rodrigues
 
fung
fungfung
Espiroq
EspiroqEspiroq
TSA
TSATSA
TSA
TSATSA
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
tsa
tsatsa
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
Ana Claudia Rodrigues
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
Ana Claudia Rodrigues
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Ana Claudia Rodrigues
 
Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4
Ana Claudia Rodrigues
 
Avaliação de micro a3
Avaliação de micro a3Avaliação de micro a3
Avaliação de micro a3
Ana Claudia Rodrigues
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B

Mais de Ana Claudia Rodrigues (20)

Atb mecanismos de ação 2
Atb mecanismos de ação   2Atb mecanismos de ação   2
Atb mecanismos de ação 2
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Aula 2 prm
Aula 2   prmAula 2   prm
Aula 2 prm
 
CQ
CQCQ
CQ
 
Aula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido baseAula equilíbrio ácido base
Aula equilíbrio ácido base
 
fung
fungfung
fung
 
Espiroq
EspiroqEspiroq
Espiroq
 
TSA
TSATSA
TSA
 
TSA
TSATSA
TSA
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Antibiograma aula
Antibiograma aulaAntibiograma aula
Antibiograma aula
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
tsa
tsatsa
tsa
 
Função panc e hepat alunos
Função panc e hepat   alunosFunção panc e hepat   alunos
Função panc e hepat alunos
 
íOns alunos
íOns   alunosíOns   alunos
íOns alunos
 
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
Prova bioquímica a3 2011   gabaritoProva bioquímica a3 2011   gabarito
Prova bioquímica a3 2011 gabarito
 
Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4Avaliação de micro a4
Avaliação de micro a4
 
Avaliação de micro a3
Avaliação de micro a3Avaliação de micro a3
Avaliação de micro a3
 
Aula 5 - B
Aula 5 - BAula 5 - B
Aula 5 - B
 

Prova microbiologia b1

  • 1. Universidade Anhanguera –UniderpUnidade Agrárias<br />NOME : ________________________________________________________________________________<br />CURSO: _________________________________________________________________SEM:__________<br />AVALIAÇÃO DE MICROBIOLOGIA<br />Instruções para resolução da prova:<br />Todas as questões devem ser respondidas a caneta.<br />Os valores entre parênteses são valores de referência<br />Se não houver espaço para resolução das questões abertas resolver no verso da folha.<br />1. (1,0) Os fungos são seres eucarióticos amplamente distribuídos na natureza. Assinale a alternativa incorreta:<br />I. As dermatofitoses ou tineas atingem pele, pelo ou unhas (onicomicoses) e são causadas por fungos queratinofílicos.<br />II. Fungos dismórficos são aqueles capazes de crescer em forma de levedura ou filamento dependendo da temperatura ou condições ambientais.<br />III. As dermatomicoses (infecções cutâneas) são causadas pelos fungos Epidermophyton, Microsporum eTrichopyton<br />IV. Fungos possuem quitina em sua parede bacteriana e sempre realizam fotossíntese.<br />Leveduras são fungos redondos unicelulares que se reproduzem por brotamento e filamentos são multicelulares e formam grandes estruturas ao microscópio.<br />2. (1,0) Considerando as partículas virais, assinale a alternativa incorreta.<br />a. A gripe humana é causada pelo vírus Influenzae e causa infecções respiratórias que podem evoluir para pneumonia.<br />b. O vírus do sarampo é um morbilivírus com genoma de RNA simples e envelopado que causa essa doença <br />c. A Rubéola é uma doença causada pelo vírus da família Togaviridae, transmitida por via respiratória, causa uma doença que pode causar deformações permanentes nas extremidades.<br />d.  A varíola é uma doença infecto-contagiosa. É causada por um Orthopoxvirus, um dos maiores vírus que infectam os seres humanos.<br />e. Os vírus podem ser classificados de acordo com a simetria da cápside, em vírions icosaédricos, vírions helicoidas e víruins de estrutura complexa.<br />3. (1,0) As bactérias possuem plasmídeos que estão relacionadas à resistência aos antibióticos. Essas moléculas são transferidas de uma bactéria a outra por:<br />a. ( ) Conjugação, transmutação e transdução<br />b. ( ) Conjugamento, transdução e mutação<br />c. ( ) Conjugação, transdução e transformação<br />d. ( ) RNA replicase, transcriptase reversa e mutação<br />4. (1,0) Paciente internado na UTI do hospital A fez urocultura e o resultado foram cocobacilos Gram negativos, não fermentadores com oxidase e motilidade negativa. Em uma úlcera da perna que eliminava um pus verde com cheiro de fruta houve crescimento na cultura de Bacilo Gram negativo não fermentador, oxidase e motilidade positiva com brilho metálico no meio TSI e cor verde no meio MacConkey. O resultado mais provável dessas duas culturas respectivamente é:<br />a. Staphylococcus saprophyticus e Pseudomonas aeruginosa<br />b. Pseudomonas aeruginosa e Stenotrophomonas maltophyla<br />c. Escherichia coli e Acinetobacter baumanii<br />d. Acinetobacter baumanii e Pseudomonas aeruginosa.<br />5. (1,0) Explique passo a passo como deve ser feito o antibiograma:<br />6. (1,0) Assinale a incorreta:<br />a. A sífilis é causada pela espiroqueta Treponema pallidum e forma um cancro duro no local de entrada da lesão (sífilis primária)<br />b. A leptospirose ou doença de Lyme é causada pela espiroqueta Borrelia burgdorferi caracterizada por febre recorrente após o período de inclubação (2 a 15 dias).<br />c. Leptospirose é doença que pode ser contraída nas enxurradas devido a contaminação com urina de ratos, penetrando em mucosas intactas ou pequenos cortes na pele e alcançando o sistema nervoso central.<br />d. Vibrio cholerae são bacilos curvos que causam diarréia e podem ser transmitidas por urina contaminada.<br />e. Espiroquetas e vibriões são diagnosticados principalmente por técnicas imunológicas devido ao seu difícil cultivo.<br />7. (1,0) Paciente relata corrimento amarelo com forte odor de peixe há 5 dias. O médico detecta que o pH está acima dos valores normais (5,0) e o microbiologista vê na lâmina de Gram cocobacilos Gram variáveis, pleomórficos com presença de Clue Cells (células superficiais recobertas de bactérias). A DST aqui relatada é:<br />Neisseria gonorrhoeae<br />Haemophylus ducreye<br />Stapylococcus aureus<br />Candida albicans<br />Gardnerela vaginalis<br />8. (1,0) A Hanseníase é uma doença infecto-contagiosa, crônica, curável, causada pelo bacilo de Hansen. Em relação a seus aspectos clínicos e laboratoriais, assinale as duas afirmativas corretas. <br />A) É causada pelo Bacilo Mycobacterium tuberculosis e é diagnosticada por baciloscopia (contagem de bacilos – BAAR) com ajuda da coloração de Bacilo álcool ácido resistente (Ziehl Nielsen).<br />B) No exame de Gram os resultados são liberados conforme a Escala Logarítmica de Ridley, a qual fornece o índice baciloscópico. <br />C) O agente etiológico é a Mycobacterium leprae, bacilo álcool resistente e extracelular obrigatório. <br />D) Na ausência de lesão cutânea, os sítios de escolha para realização da coleta são: orelha direita e esquerda, cotovelo esquerdo e joelho direito e esquerdo.<br />E) No exame podem ser vistos aglomerados de M. leprae com formas indefinidas com vários bacilos entrelaçados que são chamados de globias. <br />9. (1,0) A Tuberculose, doença milenar que aflige a humanidade, tornou-se grande problema de saúde pública, pois constitui uma das principais causas de morbidade e mortalidade. Em relação aos aspectos clínicos e laboratoriais dessa doença, analise verdadeiro ou falso <br />I - A propriedade Álcool Ácido Resistente é a capacidade das micobactérias de reter corantes devido à presença de lipídios (ácido micólico) na parede celular. ( )<br />II - São espécies capazes de causar tuberculose humana: Mycobacterium tuberculosis, Mycobacterium africanum <br />III - Essa doença pode causar astenia, emagrecimento, febre vespertina, suor noturno e tosse seca que se tornará produtiva com o tempo, pois afeta principalmente os pulmões. ( )<br />IV - O meio de cultura indicado para este microrganismo é Lowestein-jenssen, porém pode demorar de 30 a 40 dias para se ter o resultado da cultura. ( )<br />V - A baciloscopia (contagem de bacilos – BAAR) de material de origem pulmonar (escarro) é um método mais acurado e possibilita diagnosticar mais precocemente os casos de tuberculose. ( )<br />10. (0,5) Qual é o microrganismo causador da Tosse comprida e que meio é utilizado para sua cultura? <br />11. (0,5) Qual DST é causada pelo Haemophylus ducreyi? ________________________________________________________<br />12. (0,5) No antibiograma podem ser utilizadas as técnicas de macrodiluição, microdiluição em caldo e ágar difusão. O que você entende por MIC? Explique.<br />_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________<br />(0,5)Questão extra - Hanseníase é doença crônica, granulomatosa afetando pele, sistema nervoso periférico e, ocasionalmente, outros órgãos e sistemas. São quatro formas clínicas: Indeterminada, Tuberculóide, Boderline e Lepromatosa. A reação intradérmica de Mitsuda auxilia muito o diagnóstico, pois a quantidade de bacilos é determinante para se detectar a doença pelo método da baciloscopia e cultura. O que você entende por formas paucibacilares?<br />