SlideShare uma empresa Scribd logo
Colégio Polivalente Edivaldo Boaventura
Disciplina: Microbiologia e Parasitologia
Docente: Virgínia
Série: 2º Enfermagem A
Discentes: Caroline Adimarães, Caroline Santana,
Fausto Barros, Íris Layline, João Pedro e Roberta Souza
Meninge
 A meninge é uma membrana que
envolve o cérebro e a medula,
que serve como barreira contra
agentes infecciosos e células
neoplásicas compostas por 3
camadas:
 Pia Mater;
 Aracnóide;
 Dura Mater;
Meninges
Cérebro
1. O que é?
 A meningite bacteriana é a infecção
que provoca a inflamação das três
membranas que envolvem e protegem o
encéfalo, a medula espinhal e outras
partes do sistema nervoso central.
 Ela tem cura, mas o paciente deve ser
levado para o hospital assim que os
primeiros sintomas aparecerem, pois que
pode colocar em risco a vida do
paciente, caso não seja tratada
adequadamente.
 Dos 22.106 casos confirmados de
meningite bacteriana no Brasil em 2006,
2.578 (12%) morreram.
Meningite bacteriana
2. Agente Etiológico
 As bactérias que são causa mais
frequente de meningite são
os Streptococcys pneumoniae (pneu
mococos), Haemophilus
influenzae (hemófilos) ou Neisseria
meningitidis (meningococos).
 Os hemófilos causam meningite
principalmente nas crianças, mas
hoje em dia, há vacinas disponíveis
na rede pública para evitar a
doença.
Hemófilos Pneumococos Meningococos
3. Sinais e Sintomas
 Febre acima de 38º C;
 Mal-estar e Vômito;
 Dor de cabeça e no pescoço intensa;
 Rigidez muscular no pescoço
(meningismo);
 Manchas roxas (púrpura) na pele;
 Erupções, pontos vermelhos (petéquias);
 Cansaço e apatia;
 Inapetência e Alto Grau de Irritabilidade;
 Sensibilidade à luz (fotofobia) ou ao som;
 Confusão mental.
Meningite bacteriana
4. Transmissão
 A meningite bacteriana pode acontecer
quando a bactéria, a partir de um foco (saliva
de um paciente infectado) em alguma parte
do corpo, atinge a circulação sanguínea e a
partir daí o sistema nervoso central; outro modo
é a partir de sinusites, infecções de ouvido
atingindo o sistema nervoso central próximo aos
focos.
 Depois que as bactérias atingem o sistema
nervoso central, é mais difícil para o nosso corpo
eliminá-las porque a chegada
dos anticorpos nas meninges é mais difícil do
que em outros locais do corpo. Nas meninges,
as bactérias causam uma inflamação que leva
ao inchaço (edema) do cérebro.
Meningite bacteriana
5. Diagnóstico
 O diagnóstico baseia-se na avaliação clínica do
paciente e no exame do líquor, líquido que envolve o
sistema nervoso, para identificar o tipo do agente
infeccioso envolvido.
 Outros exames podem auxiliar no diagnóstico, como
um hemograma que apresenta aumento do número
de neutrófilos. Também podem ser colhidas amostras
de sangue que são cultivadas para identificar o tipo de
bactéria que causou a doença (hemoculturas). A
bactéria consegue crescer na hemocultura em mais de
70% dos casos.
 Se houver suspeita de meningite bacteriana, é
fundamental introduzir os medicamentos adequados,
antes mesmo de saírem os resultados do exame
laboratorial. O risco de sequelas graves cresce à
medida que se retarda o diagnóstico e o início do
tratamento. As lesões neurológicas que a doença
provoca nesses casos podem ser irreversíveis.
Meningite bacteriana
Meningite bacteriana
6. Tratamento
 O tratamento da meningite bacteriana é
feito com antibióticos de acordo com
tipo de bactérias que causou a
infecção.
 A ceftriaxona é um dos antibióticos mais
usados para a meningite
meningocócica. A penicilina em altas
doses também é sempre eficiente.
 Se o antibiótico não estiver funcionando
e seu médico suspeitar de resistência ao
antibiótico, o cloranfenicol pode até ser
usado. Alguns cortocosteroides podem
ser usados, especialmente em crianças.
Meningite bacteriana
7. Sequelas
 Alterações cerebrais;
 Surdez;
 Paralisia motora;
 Epilepsia;
 Dificuldade na aprendizagem.
 Normalmente, as sequelas de
meningite bacteriana surgem
quando o tratamento não é feito de
forma adequada, especialmente,
em indivíduos com mais de 50 anos
ou crianças.
Meningite bacteriana
8. Profilaxia
 Para a meningite, as vacinas mais utilizadas são a
bivalente, a tetravalente e a monovalente, em
menores de 2 anos. Entretanto, não existe ainda vacina
para alguns sorotipos da doença.
 Evitar o uso de talheres e copos utilizados por outras
pessoas ou mal lavados e ambientes abafados são
formas de se diminuir as chances de adquirir a doença.
 Manter o sistema imunológico fortalecido e seguir
corretamente as orientações médicas, caso tenha tido
contato com alguém acometido pela doença são,
também, medidas importantes.
 A partir de 2011, a vacina conjugada contra meningite
por meningococo C faz parte do Calendário Básico de
Imunização. O esquema de vacinação obedece aos
seguintes critérios: uma dose deve ser aplicada aos três
meses; outra, aos cinco meses e a dose de reforço, aos
doze meses.
Meningite bacteriana
meningococo C
(Vacina Gratuita)
Referencial Bibliográfico
 http://drauziovarella.com.br/letras/m/menin
gite/ acessado em 05 de agosto de 2014
 http://www.tuasaude.com/meningite-
bacteriana/ acessado em 05 de agosto de
2014
 http://saude.hsw.uol.com.br/meningite3.htm
acessado em 05 de agosto de 2014
 http://www.brasilescola.com/doencas/meni
ngite.htm acessado em 05 de agosto de
2014
 http://www.minhavida.com.br/saude/temas
/meningite-bacteriana#tratamento-e-
cuidados acessado em 05 de agosto de
2014

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
Laboratório Sérgio Franco
 
Meningite - Vacinas
Meningite - VacinasMeningite - Vacinas
Meningite - Vacinas
Fabricio Batistoni
 
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
Alinebrauna Brauna
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
Nathy Oliveira
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
Wanderson Oliveira
 
Difteria
DifteriaDifteria
Herpes
HerpesHerpes
Meningite
MeningiteMeningite
Oftalmia neonatal
Oftalmia neonatalOftalmia neonatal
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
Berenice Damasceno
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
Valeria Zampronha
 
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Alexandre Naime Barbosa
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Professor Robson
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
Cintia da Cruz Silva
 
Microbiologia04
Microbiologia04Microbiologia04
Microbiologia04
Sheilla Sandes
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbiana
Proqualis
 
O Herpes
O HerpesO Herpes
O Herpes
Lucas Lucinger
 

Mais procurados (20)

Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Apresentação meningite
Apresentação meningiteApresentação meningite
Apresentação meningite
 
Meningite - Vacinas
Meningite - VacinasMeningite - Vacinas
Meningite - Vacinas
 
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
1 aspectos clinicos-meningites dionne bezerra
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Difteria
DifteriaDifteria
Difteria
 
Herpes
HerpesHerpes
Herpes
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Oftalmia neonatal
Oftalmia neonatalOftalmia neonatal
Oftalmia neonatal
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Infeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinalInfeccoes trato-gastrintestinal
Infeccoes trato-gastrintestinal
 
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
 
Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.Doenças comuns em crianças.
Doenças comuns em crianças.
 
Microbiologia04
Microbiologia04Microbiologia04
Microbiologia04
 
Aula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbianaAula sobre resistência microbiana
Aula sobre resistência microbiana
 
O Herpes
O HerpesO Herpes
O Herpes
 

Semelhante a Meningite bacteriana

Meningite Bacteriana - 2 Ano médio
Meningite Bacteriana - 2 Ano médioMeningite Bacteriana - 2 Ano médio
Meningite Bacteriana - 2 Ano médio
José Pereira
 
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Hosana maniero
 
Bactérias.
Bactérias.Bactérias.
Bactérias.
Raquell Lopes
 
Infecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso CentralInfecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso Central
marianagusmao39
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
floripa-lucas
 
Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]
Gabriela Bruno
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
João Pereira
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
WAGNER OLIVEIRA
 
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdfAtendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
Muniza Alfredo
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
EZEQUIELALMEIDABARRO1
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
CBPortfolio
 
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
Alexandre Naime Barbosa
 
Meningite viral
Meningite viral Meningite viral
Meningite viral
Natália Lima
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Maria Eliane Santos
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Isabel Lopes
 
Revista atualidades-em-saude
Revista atualidades-em-saudeRevista atualidades-em-saude
Revista atualidades-em-saude
CRISTIANE SILVA
 
Meni sobre
Meni sobreMeni sobre
Meni sobre
saudefieb
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Aline Cristina
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
Dr. Rafael Higashi
 

Semelhante a Meningite bacteriana (20)

Meningite Bacteriana - 2 Ano médio
Meningite Bacteriana - 2 Ano médioMeningite Bacteriana - 2 Ano médio
Meningite Bacteriana - 2 Ano médio
 
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
 
Bactérias.
Bactérias.Bactérias.
Bactérias.
 
Infecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso CentralInfecções do Sistema Nervoso Central
Infecções do Sistema Nervoso Central
 
Bactérias patogênicas
Bactérias patogênicasBactérias patogênicas
Bactérias patogênicas
 
Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]Meningococo catia rodrigues_final[1]
Meningococo catia rodrigues_final[1]
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
 
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdfAtendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
Atendi. Odontol á Pacientes Imunodeficientes - Grupo 03.pdf
 
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitosSlide de tubeculose: apresentando conceitos
Slide de tubeculose: apresentando conceitos
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
Revista Unesp Ciência Especial HIV Aids 2011
 
Meningite viral
Meningite viral Meningite viral
Meningite viral
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Imunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquiridaImunodeficiencia congénita e adquirida
Imunodeficiencia congénita e adquirida
 
Revista atualidades-em-saude
Revista atualidades-em-saudeRevista atualidades-em-saude
Revista atualidades-em-saude
 
Meni sobre
Meni sobreMeni sobre
Meni sobre
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Neuroimunologia
NeuroimunologiaNeuroimunologia
Neuroimunologia
 

Meningite bacteriana

  • 1. Colégio Polivalente Edivaldo Boaventura Disciplina: Microbiologia e Parasitologia Docente: Virgínia Série: 2º Enfermagem A Discentes: Caroline Adimarães, Caroline Santana, Fausto Barros, Íris Layline, João Pedro e Roberta Souza
  • 2. Meninge  A meninge é uma membrana que envolve o cérebro e a medula, que serve como barreira contra agentes infecciosos e células neoplásicas compostas por 3 camadas:  Pia Mater;  Aracnóide;  Dura Mater;
  • 4. 1. O que é?  A meningite bacteriana é a infecção que provoca a inflamação das três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central.  Ela tem cura, mas o paciente deve ser levado para o hospital assim que os primeiros sintomas aparecerem, pois que pode colocar em risco a vida do paciente, caso não seja tratada adequadamente.  Dos 22.106 casos confirmados de meningite bacteriana no Brasil em 2006, 2.578 (12%) morreram.
  • 6. 2. Agente Etiológico  As bactérias que são causa mais frequente de meningite são os Streptococcys pneumoniae (pneu mococos), Haemophilus influenzae (hemófilos) ou Neisseria meningitidis (meningococos).  Os hemófilos causam meningite principalmente nas crianças, mas hoje em dia, há vacinas disponíveis na rede pública para evitar a doença.
  • 8. 3. Sinais e Sintomas  Febre acima de 38º C;  Mal-estar e Vômito;  Dor de cabeça e no pescoço intensa;  Rigidez muscular no pescoço (meningismo);  Manchas roxas (púrpura) na pele;  Erupções, pontos vermelhos (petéquias);  Cansaço e apatia;  Inapetência e Alto Grau de Irritabilidade;  Sensibilidade à luz (fotofobia) ou ao som;  Confusão mental.
  • 10. 4. Transmissão  A meningite bacteriana pode acontecer quando a bactéria, a partir de um foco (saliva de um paciente infectado) em alguma parte do corpo, atinge a circulação sanguínea e a partir daí o sistema nervoso central; outro modo é a partir de sinusites, infecções de ouvido atingindo o sistema nervoso central próximo aos focos.  Depois que as bactérias atingem o sistema nervoso central, é mais difícil para o nosso corpo eliminá-las porque a chegada dos anticorpos nas meninges é mais difícil do que em outros locais do corpo. Nas meninges, as bactérias causam uma inflamação que leva ao inchaço (edema) do cérebro.
  • 12. 5. Diagnóstico  O diagnóstico baseia-se na avaliação clínica do paciente e no exame do líquor, líquido que envolve o sistema nervoso, para identificar o tipo do agente infeccioso envolvido.  Outros exames podem auxiliar no diagnóstico, como um hemograma que apresenta aumento do número de neutrófilos. Também podem ser colhidas amostras de sangue que são cultivadas para identificar o tipo de bactéria que causou a doença (hemoculturas). A bactéria consegue crescer na hemocultura em mais de 70% dos casos.  Se houver suspeita de meningite bacteriana, é fundamental introduzir os medicamentos adequados, antes mesmo de saírem os resultados do exame laboratorial. O risco de sequelas graves cresce à medida que se retarda o diagnóstico e o início do tratamento. As lesões neurológicas que a doença provoca nesses casos podem ser irreversíveis.
  • 15. 6. Tratamento  O tratamento da meningite bacteriana é feito com antibióticos de acordo com tipo de bactérias que causou a infecção.  A ceftriaxona é um dos antibióticos mais usados para a meningite meningocócica. A penicilina em altas doses também é sempre eficiente.  Se o antibiótico não estiver funcionando e seu médico suspeitar de resistência ao antibiótico, o cloranfenicol pode até ser usado. Alguns cortocosteroides podem ser usados, especialmente em crianças.
  • 17. 7. Sequelas  Alterações cerebrais;  Surdez;  Paralisia motora;  Epilepsia;  Dificuldade na aprendizagem.  Normalmente, as sequelas de meningite bacteriana surgem quando o tratamento não é feito de forma adequada, especialmente, em indivíduos com mais de 50 anos ou crianças.
  • 19. 8. Profilaxia  Para a meningite, as vacinas mais utilizadas são a bivalente, a tetravalente e a monovalente, em menores de 2 anos. Entretanto, não existe ainda vacina para alguns sorotipos da doença.  Evitar o uso de talheres e copos utilizados por outras pessoas ou mal lavados e ambientes abafados são formas de se diminuir as chances de adquirir a doença.  Manter o sistema imunológico fortalecido e seguir corretamente as orientações médicas, caso tenha tido contato com alguém acometido pela doença são, também, medidas importantes.  A partir de 2011, a vacina conjugada contra meningite por meningococo C faz parte do Calendário Básico de Imunização. O esquema de vacinação obedece aos seguintes critérios: uma dose deve ser aplicada aos três meses; outra, aos cinco meses e a dose de reforço, aos doze meses.
  • 22. Referencial Bibliográfico  http://drauziovarella.com.br/letras/m/menin gite/ acessado em 05 de agosto de 2014  http://www.tuasaude.com/meningite- bacteriana/ acessado em 05 de agosto de 2014  http://saude.hsw.uol.com.br/meningite3.htm acessado em 05 de agosto de 2014  http://www.brasilescola.com/doencas/meni ngite.htm acessado em 05 de agosto de 2014  http://www.minhavida.com.br/saude/temas /meningite-bacteriana#tratamento-e- cuidados acessado em 05 de agosto de 2014