SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Diagnóstico e tratamento
HANSENÍASEHANSENÍASE
Hanseníase
Agente Etíológico
• Doença infecciosa crônica causada por
Mycobacterium leprae
• G. Hansen (1873) identificou o agente
• Bacilo álcool-ácido resistente (BAAR)
• Parasita intracelular obrigatório
• Geralmente invade as células de Schwann,
macrófagos e células do sistema
reticuloendotelial
• O bacilo permanece viável até 36 hs no
meio ambiente ou 9 dias à temperatura de
36o
C e 77% de umidade média
• Longo período de incubação (2 - 7 anos)
• Alta infectividade / baixa patogenicidade
Hanseníase - Infecção
O homem única fonte de infecção.
A infecção com M. leprae envolve:
Transmissão para um hospedeiro
Entrada em um hospedeiro
Multiplicação em um hospedeiro
O contato é principalmente pelas vias aéreas
superiores.
A multiplicação se faz por divisão binária a
cada 12 a 21 dias.
Atinge pessoas de todas as idades, ambos os
sexos, e raramente em crianças.
Condições sócio-econômicas desfavoráveis.
Hanseníase
Aspectos
Imunológicos
Hanseníase
Aspectos Imunológicos
Hanseníase - Aspectos
Imunológicos
Hanseníase
Aspectos Imunológicos
Hanseníase -
Classificação
Classificação
Operacional
Manchas na pele com perda de sensibilidade
HANSENÍASE
até 5 lesões defesa eficaz PB
mais que 5 lesões defesa ineficaz MB
baciloscopia positiva MB
Classificação
Operacional
Diagnóstico Clínico
1) SINAIS E SINTOMAS DERMATOLÓGICOS:
lesões de pele com alteração de sensibilidade
Mácula
Placa
Infiltração
Nódulo
2) SINAIS E SINTOMAS NEUROLÓGICOS:
lesões nos nervos periféricos
trigêmeo, facial, ulnar, mediano, radial, fibular, tibial
Dor e espessamento dos nervos periféricos
Perda de sensibilidade - olhos, mãos, pés
Perda de força muscular - pálpebras, membros superiores e inferiores
Aspectos Clínicos
Diagnóstico Clínico
Exame de toda superfície corporal
Teste de sensibilidade térmica = tubo
ensaio
Teste de sensibilidade tátil =
algodão, caneta, monofilamento
Teste de sensibilidade dolorosa =
agulha
Exame de troncos nervosos periféricos
Hanseníase
Diagnóstico
laboratorialO M. leprae apresenta-se sob forma de bastonete,
reto ou ligeiramente encurvado de 1,5 a 8 mc
Cora-se vermelho pela fuccina ácida e não se
descora pela lavagem no álcool e ácido
Os bacilos pode se apresentar isolados ou em
globias.
Coleta de material - esfregaços em 4 sítios
Freqüência dos exames
Fixação - Coloração
Leitura da baciloscopia - índice baciloscópico IB
Hanseníase - Nervos
Acometidos
DEFORMIDADES
Face: triquíase, ectropio,
lagoftalmo, úlcera de
córnea
Mãos:garras, amiotrofias,
úlceras, reabsorção de
falanges, mão caída
Pés:garra dos artelhos,
úlceras tróficas, reabsorção,
pé de charchot
Hanseníase - Forma
Clínica
INDETERMINADAHANSENÍASE PAUCIBACILAR
• INDETERMINADA (HI)
Áreas de hipo ou anestesia
Manchas hipocrômicas e/ou
eritêmato-hipocrômicas
Pode apresentar diminuição de
sudorese
Pode haver rarefação de pelos
Baciloscopia negativa
Hanseníase - Forma
Clínica
TUBERCULÓIDEHANSENÍASE PAUCIBACILAR
• TUBERCULOIDE (HT)
Áreas de hipo ou anestesia
Placas eritematosas e/ou eritêmato-
hipocrômicas
Placas bem definidas
Comprometimento de nervo
Baciloscopia negativa
Hanseníase - Forma
Clínica
DIMORFAHANSENÍASE MULTIBACILAR
• DIMORFA (HD)
Lesões pré-foveolares (eritematosas,
planas com o centro claro)
Lesões foveolares (eritêmato-
pigmentares, de tonalidade
ferruginosa ou pardacenta)
Alteração de sensibilidade
Baciloscopia:
positiva
negativa
Hanseníase - Forma
Clínica
VIRCHOWIANAHANSENÍASE MULTIBACILAR
• VIRCHOWIANA (HV)
Eritema e infiltração difusas
Placas eritematosas, infiltradas e
de bordas mal definidas
Tubérculos e nódulos
Madarose
Lesões nas mucosas
Baciloscopia:
positiva (bacilos abundantes e
globias )
Diagnóstico Diferencial
MÁCULAS
MHI NEVO ECZEMÁTIDE
VITILIGO PITIRIASE VERSICOLOR
Diagnóstico Diferencial
PLACAS
GRANULOMA ANULAR LUPUS VULGAR MHT
SARCOIDOSE TINEA CORPORIS PSORÍASE
Diagnóstico Diferencial
NÓDULOS
LEISHMANIOSE CUTÂNEA MHV
NEUROFIBROMATOSE MOLUSCO
Hanseníase - Tratamento
PQTMETAS:
1. Eliminar o M. leprae do indivíduo cura
2. Interromper a cadeia de transmissão
3. Prevenir incapacidades
ASPECTOS IMPORTANTES:
1. Esclarecer sobre a doença, o tratamento,
efeitos colaterais das drogas e complicações
2. Atenção à saúde geral do paciente
3. Prevenção e reabilitação das incapacidades físicas
4. Redução do estigma
Hanseníase - Tratamento
PQT
PAUCIBACILAR
Mensal supervisionado:
• Rifampicina 600mg
• Dapsona 100 mg
Diário auto-administrado:
• Dapsona 100 mg
Duração:
6 blisters – em até 9 meses
Hanseníase - Tratamento
PQT
MULTIBACILARMensal supervisionado:
• Rifampicina 600mg
• Dapsona 100 mg
• Clofazimina 300 mg
Diário auto-administrado:
• Dapsona 100 mg
• Clofazimina 50 mg
Duração:
12 blisters – em até 18 meses
Tratamento PQT
forma virchowiana e infiltrada da hanseníase
após 12 meses de tratamento
Efeitos Colaterais da
PQT
Rifampicina: hepatotoxicidade, síndrome pseudo gripal,
coloração de secreções naturais, cefaléia, fadiga
Clofazimina: pigmentação da pele, xerodermia,
deposição em alças intestinal
Dapsona: anemia leve, leucopenia, anemia hemolítica,
metahemoglobinemia, dermatite esfoliativa, sintomas
gastrointestinais, hepatotoxicidade
Reações Hansênicas
 Mudança repentina na atividade da doença
 Secundárias a mudança no estado imunológico do paciente
 Principal causa de danos neurais e incapacidades
 Geralmente secundárias ao início da PQT
 Podem ocorrer espontaneamente
 Fator mais importante associado gravidez/parto
 Outros fatores: infecção intercorrente
anemia
stress mental/físico
cirurgias
 Necessitam de pronta intervenção
Reações Hansênicas
SINAIS E SINTOMAS:
 antigas lesões que se tornam avermelhadas e/ou
aumentam de tamanho
 Aparecimento de nódulos avermelhados e dolorosos
 os nervos periféricos tornam-se dolorosos e espessados
 sinais de dano neural, como perda de sensibilidade e
fraqueza muscular
 febre e mal-estar
 edema nas mãos e pés
Reações Hansênicas
TIPO 1
(reversa)
TIPO 2
(eritema nodoso)
Formas clínicas
mais envolvidas
BB, BT, BL
Pode ocorrer em T
LL, BL
início 6 primeiros meses PQT Tardio
causa
Alterações (↑) da
imunidade celular
Sd. Imune-complexo por
precipitação de complexo
antígeno-anticorpo
Clínica
Sinais de inflamação
aguda em lesões pre-
existentes; novas lesões
podem aparecer
As lesões pré-existentes
não mostram agravamento
Aparecimento súbito de
nódulos ou placas
Manifestações
sistêmicas nenhuma Febre, calafrios, artrite, etc
Achados associados
Espessamento de troncos
neurais, com dor e calor
Edema de mãos/pés
Danos neurais súbitos
Edema de mãos/pés
Dano neural + insidioso
Irite, epistaxe, orquite, dor
muscular, proteinúria
Reações Hansênicas
Reação tipo I ou reação reversa
Tuberculóide e Dimorfa
Tratamento da Reação
tipo I ou Reação
ReversaPREDNISONA: 1 a 2 mg/kg, em dose única diária
Obs: Neurite, Ulceração das lesões, Proximidade de
troncos nervosos, Localização na face
• é preciso retirar o corticóide lentamente
• desmame bem programado a intervalos fixos
• reavaliar clinicamente a cada redução da dose anterior
e reprogramar o desmame mais lentamente
• acompanhar efeitos colaterais do medicamento
• na neurite, imobilizar o membro
Reações Hansênicas
Eritema nodoso ou reação tipo II:
Dimorfa, Virchowiana
Tratamento do Eritema
Nodoso
TALIDOMIDA: 100 a 400 mg/ dia, ( portaria 354 -MS)
PREDNISONA: 1 a 2 mg/ kg, em dose única diária
• mulheres idade fértil
• associação neurite, orquite, comprometimento ocular
(iridociclite, episclerite)
PREDNISONA + CLOFAZIMINA:
• redução mais rápida corticóide
• dose máxima de clofazimina (400mg dia)
PENTOXIFILINA:400 mg 8 x 8hs
• desmame de 2 a 3 meses dependendo da evolução
Reações Hansênicas
O que funciona:
• Diagnóstico correto da reação
• Escolha adequada da droga
• Orientação adequada ao paciente
• Relação equipe - paciente
• Desmame bem programado
• Acompanhamento rigoroso
• Profissionais comprometidos
Prevenção de
IncapacidadesDiagnóstico tardio e tratamento inadequado levam
a incapacidades e deformidades
Vigilância dos Contatos
• Exame
dermatoneurológico das
pessoas que residam ou
tenham residido nos
últimos 5 anos
• aplicação do BCG em
duas doses com intervalo
mínimo de 6 meses

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Modelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagemModelo de evolução técnico de enfermagem
Modelo de evolução técnico de enfermagem
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 
Apresentação caso clínico
Apresentação caso clínicoApresentação caso clínico
Apresentação caso clínico
 
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
TABELA de Sinais Vitais - EEEP WALFRIDO 2017
 
Aula de feridas e curativos - Completa
Aula de feridas e curativos -  CompletaAula de feridas e curativos -  Completa
Aula de feridas e curativos - Completa
 
Diabetes mellitus
Diabetes mellitusDiabetes mellitus
Diabetes mellitus
 
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de EnfermagemEstudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
Estudo de Caso - Diagnóstico de Enfermagem
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
HanseníAse Pronto
HanseníAse ProntoHanseníAse Pronto
HanseníAse Pronto
 
Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Sífilis Congênita
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Infecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes molesInfecção de pele e partes moles
Infecção de pele e partes moles
 
Choque
Choque Choque
Choque
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
DST-SÍFILIS
DST-SÍFILISDST-SÍFILIS
DST-SÍFILIS
 
Caso clínico sífilis
Caso clínico sífilisCaso clínico sífilis
Caso clínico sífilis
 
Anamnese
AnamneseAnamnese
Anamnese
 

Destaque

Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasAdriana Mércia
 
Epidemiologia das doenas infecciosas
Epidemiologia das doenas infecciosasEpidemiologia das doenas infecciosas
Epidemiologia das doenas infecciosasFernando Henrique
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagasfnanda
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisRicardo Alanís
 
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisAspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisMaria Luiza
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaNathy Oliveira
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagasKROLZITA
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de ChagasITPAC PORTO
 

Destaque (17)

Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Epidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosasEpidemiologia das doenças infecciosas
Epidemiologia das doenças infecciosas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Epidemiologia das doenas infecciosas
Epidemiologia das doenas infecciosasEpidemiologia das doenas infecciosas
Epidemiologia das doenas infecciosas
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Aula leishmaniose
Aula leishmanioseAula leishmaniose
Aula leishmaniose
 
Aula DoençA De Chagas
 Aula DoençA De Chagas Aula DoençA De Chagas
Aula DoençA De Chagas
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveisAspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
Aspectos epidemiológicos das doenças transmissiveis
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Doença de Chagas
Doença de ChagasDoença de Chagas
Doença de Chagas
 
Malária
MaláriaMalária
Malária
 
O Estudo De Caso
O Estudo De CasoO Estudo De Caso
O Estudo De Caso
 

Semelhante a Aula Hanseníase

Aula de hanseníase
Aula de hanseníaseAula de hanseníase
Aula de hanseníaseIsmael Costa
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista EgonSimpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egonlascounic
 
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.pptAul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.pptjosechagas8
 
Acidentes por animais peçonhentos.ppt
Acidentes por animais peçonhentos.pptAcidentes por animais peçonhentos.ppt
Acidentes por animais peçonhentos.ppteduardosilva480139
 
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]Ismael Costa
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxPedroNabarrete
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaProfessor Robson
 
Doenca falciforme
Doenca falciformeDoenca falciforme
Doenca falciformedapab
 
IVAS TEORIA 2022.pptx
IVAS TEORIA 2022.pptxIVAS TEORIA 2022.pptx
IVAS TEORIA 2022.pptxThiagoHenrick
 
leishmaniose-visceral.ppt
leishmaniose-visceral.pptleishmaniose-visceral.ppt
leishmaniose-visceral.pptMarcelaTessalia
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso luzienne moraes
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptxFilipeBezerra15
 
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.pptAula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.pptGabrielMartinsCabral
 

Semelhante a Aula Hanseníase (20)

Hanseníase laderm
Hanseníase ladermHanseníase laderm
Hanseníase laderm
 
Aula de hanseníase
Aula de hanseníaseAula de hanseníase
Aula de hanseníase
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseníase.pptx
Hanseníase.pptxHanseníase.pptx
Hanseníase.pptx
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista EgonSimpósio Hanseníase -  Tratamento padrão - dermatologista Egon
Simpósio Hanseníase - Tratamento padrão - dermatologista Egon
 
Animaispeconhentos.ppt
Animaispeconhentos.pptAnimaispeconhentos.ppt
Animaispeconhentos.ppt
 
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.pptAul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
Aul-o HansenÃ-ase 2019.1.ppt
 
Acidentes por animais peçonhentos.ppt
Acidentes por animais peçonhentos.pptAcidentes por animais peçonhentos.ppt
Acidentes por animais peçonhentos.ppt
 
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]
Sp3 hupe-doenças transmissíveis [modo de compatibilidade]
 
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptxaula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
aula 4 - Dispensação e prescrição de medicamentos.pptx
 
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na InfânciaManejo da Meningite Bacteriana na Infância
Manejo da Meningite Bacteriana na Infância
 
Doenca falciforme
Doenca falciformeDoenca falciforme
Doenca falciforme
 
Pse hanseniase
Pse hanseniasePse hanseniase
Pse hanseniase
 
IVAS TEORIA 2022.pptx
IVAS TEORIA 2022.pptxIVAS TEORIA 2022.pptx
IVAS TEORIA 2022.pptx
 
leishmaniose-visceral.ppt
leishmaniose-visceral.pptleishmaniose-visceral.ppt
leishmaniose-visceral.ppt
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
Leptospirose Rodrigo.pptx
Leptospirose  Rodrigo.pptxLeptospirose  Rodrigo.pptx
Leptospirose Rodrigo.pptx
 
Exame físico geral
Exame físico geralExame físico geral
Exame físico geral
 
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.pptAula sobre Leishmaniose visceral.ppt
Aula sobre Leishmaniose visceral.ppt
 
Sindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdfSindromes-Exantematicas.pdf
Sindromes-Exantematicas.pdf
 

Mais de Alinebrauna Brauna (20)

Pnab
PnabPnab
Pnab
 
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricosOrientacoes coleta analise_dados_antropometricos
Orientacoes coleta analise_dados_antropometricos
 
Livro completo senad5
Livro completo senad5Livro completo senad5
Livro completo senad5
 
Radis 131 web
Radis 131 webRadis 131 web
Radis 131 web
 
Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013Copia de radis_129_23maio2013
Copia de radis_129_23maio2013
 
O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012O que são conferências 21.05.2012
O que são conferências 21.05.2012
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Pmaq
PmaqPmaq
Pmaq
 
Violência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentesViolência sexual contra crianças e adolescentes
Violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Todo sentimento
Todo sentimentoTodo sentimento
Todo sentimento
 
Suas os desafios da assistencia social
Suas   os desafios da assistencia socialSuas   os desafios da assistencia social
Suas os desafios da assistencia social
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Saúde mental
Saúde mentalSaúde mental
Saúde mental
 
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociaisO papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
O papel do cuidador e seus aspectos psicossociais
 
Mpcda
MpcdaMpcda
Mpcda
 
Histórico sobre o eca
Histórico sobre o ecaHistórico sobre o eca
Histórico sobre o eca
 
Politica de ad
Politica de adPolitica de ad
Politica de ad
 
Perguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crackPerguntas e-respostas-crack
Perguntas e-respostas-crack
 
Palestra álcool
Palestra álcoolPalestra álcool
Palestra álcool
 
O que é violência sexual
O que é violência sexualO que é violência sexual
O que é violência sexual
 

Aula Hanseníase

  • 2. Hanseníase Agente Etíológico • Doença infecciosa crônica causada por Mycobacterium leprae • G. Hansen (1873) identificou o agente • Bacilo álcool-ácido resistente (BAAR) • Parasita intracelular obrigatório • Geralmente invade as células de Schwann, macrófagos e células do sistema reticuloendotelial • O bacilo permanece viável até 36 hs no meio ambiente ou 9 dias à temperatura de 36o C e 77% de umidade média • Longo período de incubação (2 - 7 anos) • Alta infectividade / baixa patogenicidade
  • 3. Hanseníase - Infecção O homem única fonte de infecção. A infecção com M. leprae envolve: Transmissão para um hospedeiro Entrada em um hospedeiro Multiplicação em um hospedeiro O contato é principalmente pelas vias aéreas superiores. A multiplicação se faz por divisão binária a cada 12 a 21 dias. Atinge pessoas de todas as idades, ambos os sexos, e raramente em crianças. Condições sócio-econômicas desfavoráveis.
  • 9. Classificação Operacional Manchas na pele com perda de sensibilidade HANSENÍASE até 5 lesões defesa eficaz PB mais que 5 lesões defesa ineficaz MB baciloscopia positiva MB
  • 11. Diagnóstico Clínico 1) SINAIS E SINTOMAS DERMATOLÓGICOS: lesões de pele com alteração de sensibilidade Mácula Placa Infiltração Nódulo 2) SINAIS E SINTOMAS NEUROLÓGICOS: lesões nos nervos periféricos trigêmeo, facial, ulnar, mediano, radial, fibular, tibial Dor e espessamento dos nervos periféricos Perda de sensibilidade - olhos, mãos, pés Perda de força muscular - pálpebras, membros superiores e inferiores
  • 13. Diagnóstico Clínico Exame de toda superfície corporal Teste de sensibilidade térmica = tubo ensaio Teste de sensibilidade tátil = algodão, caneta, monofilamento Teste de sensibilidade dolorosa = agulha Exame de troncos nervosos periféricos
  • 14. Hanseníase Diagnóstico laboratorialO M. leprae apresenta-se sob forma de bastonete, reto ou ligeiramente encurvado de 1,5 a 8 mc Cora-se vermelho pela fuccina ácida e não se descora pela lavagem no álcool e ácido Os bacilos pode se apresentar isolados ou em globias. Coleta de material - esfregaços em 4 sítios Freqüência dos exames Fixação - Coloração Leitura da baciloscopia - índice baciloscópico IB
  • 15. Hanseníase - Nervos Acometidos DEFORMIDADES Face: triquíase, ectropio, lagoftalmo, úlcera de córnea Mãos:garras, amiotrofias, úlceras, reabsorção de falanges, mão caída Pés:garra dos artelhos, úlceras tróficas, reabsorção, pé de charchot
  • 16. Hanseníase - Forma Clínica INDETERMINADAHANSENÍASE PAUCIBACILAR • INDETERMINADA (HI) Áreas de hipo ou anestesia Manchas hipocrômicas e/ou eritêmato-hipocrômicas Pode apresentar diminuição de sudorese Pode haver rarefação de pelos Baciloscopia negativa
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. Hanseníase - Forma Clínica TUBERCULÓIDEHANSENÍASE PAUCIBACILAR • TUBERCULOIDE (HT) Áreas de hipo ou anestesia Placas eritematosas e/ou eritêmato- hipocrômicas Placas bem definidas Comprometimento de nervo Baciloscopia negativa
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Hanseníase - Forma Clínica DIMORFAHANSENÍASE MULTIBACILAR • DIMORFA (HD) Lesões pré-foveolares (eritematosas, planas com o centro claro) Lesões foveolares (eritêmato- pigmentares, de tonalidade ferruginosa ou pardacenta) Alteração de sensibilidade Baciloscopia: positiva negativa
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. Hanseníase - Forma Clínica VIRCHOWIANAHANSENÍASE MULTIBACILAR • VIRCHOWIANA (HV) Eritema e infiltração difusas Placas eritematosas, infiltradas e de bordas mal definidas Tubérculos e nódulos Madarose Lesões nas mucosas Baciloscopia: positiva (bacilos abundantes e globias )
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Diagnóstico Diferencial MÁCULAS MHI NEVO ECZEMÁTIDE VITILIGO PITIRIASE VERSICOLOR
  • 39. Diagnóstico Diferencial PLACAS GRANULOMA ANULAR LUPUS VULGAR MHT SARCOIDOSE TINEA CORPORIS PSORÍASE
  • 41. Hanseníase - Tratamento PQTMETAS: 1. Eliminar o M. leprae do indivíduo cura 2. Interromper a cadeia de transmissão 3. Prevenir incapacidades ASPECTOS IMPORTANTES: 1. Esclarecer sobre a doença, o tratamento, efeitos colaterais das drogas e complicações 2. Atenção à saúde geral do paciente 3. Prevenção e reabilitação das incapacidades físicas 4. Redução do estigma
  • 42. Hanseníase - Tratamento PQT PAUCIBACILAR Mensal supervisionado: • Rifampicina 600mg • Dapsona 100 mg Diário auto-administrado: • Dapsona 100 mg Duração: 6 blisters – em até 9 meses
  • 43. Hanseníase - Tratamento PQT MULTIBACILARMensal supervisionado: • Rifampicina 600mg • Dapsona 100 mg • Clofazimina 300 mg Diário auto-administrado: • Dapsona 100 mg • Clofazimina 50 mg Duração: 12 blisters – em até 18 meses
  • 44. Tratamento PQT forma virchowiana e infiltrada da hanseníase após 12 meses de tratamento
  • 45. Efeitos Colaterais da PQT Rifampicina: hepatotoxicidade, síndrome pseudo gripal, coloração de secreções naturais, cefaléia, fadiga Clofazimina: pigmentação da pele, xerodermia, deposição em alças intestinal Dapsona: anemia leve, leucopenia, anemia hemolítica, metahemoglobinemia, dermatite esfoliativa, sintomas gastrointestinais, hepatotoxicidade
  • 46. Reações Hansênicas  Mudança repentina na atividade da doença  Secundárias a mudança no estado imunológico do paciente  Principal causa de danos neurais e incapacidades  Geralmente secundárias ao início da PQT  Podem ocorrer espontaneamente  Fator mais importante associado gravidez/parto  Outros fatores: infecção intercorrente anemia stress mental/físico cirurgias  Necessitam de pronta intervenção
  • 47. Reações Hansênicas SINAIS E SINTOMAS:  antigas lesões que se tornam avermelhadas e/ou aumentam de tamanho  Aparecimento de nódulos avermelhados e dolorosos  os nervos periféricos tornam-se dolorosos e espessados  sinais de dano neural, como perda de sensibilidade e fraqueza muscular  febre e mal-estar  edema nas mãos e pés
  • 48. Reações Hansênicas TIPO 1 (reversa) TIPO 2 (eritema nodoso) Formas clínicas mais envolvidas BB, BT, BL Pode ocorrer em T LL, BL início 6 primeiros meses PQT Tardio causa Alterações (↑) da imunidade celular Sd. Imune-complexo por precipitação de complexo antígeno-anticorpo Clínica Sinais de inflamação aguda em lesões pre- existentes; novas lesões podem aparecer As lesões pré-existentes não mostram agravamento Aparecimento súbito de nódulos ou placas Manifestações sistêmicas nenhuma Febre, calafrios, artrite, etc Achados associados Espessamento de troncos neurais, com dor e calor Edema de mãos/pés Danos neurais súbitos Edema de mãos/pés Dano neural + insidioso Irite, epistaxe, orquite, dor muscular, proteinúria
  • 49. Reações Hansênicas Reação tipo I ou reação reversa Tuberculóide e Dimorfa
  • 50. Tratamento da Reação tipo I ou Reação ReversaPREDNISONA: 1 a 2 mg/kg, em dose única diária Obs: Neurite, Ulceração das lesões, Proximidade de troncos nervosos, Localização na face • é preciso retirar o corticóide lentamente • desmame bem programado a intervalos fixos • reavaliar clinicamente a cada redução da dose anterior e reprogramar o desmame mais lentamente • acompanhar efeitos colaterais do medicamento • na neurite, imobilizar o membro
  • 51. Reações Hansênicas Eritema nodoso ou reação tipo II: Dimorfa, Virchowiana
  • 52. Tratamento do Eritema Nodoso TALIDOMIDA: 100 a 400 mg/ dia, ( portaria 354 -MS) PREDNISONA: 1 a 2 mg/ kg, em dose única diária • mulheres idade fértil • associação neurite, orquite, comprometimento ocular (iridociclite, episclerite) PREDNISONA + CLOFAZIMINA: • redução mais rápida corticóide • dose máxima de clofazimina (400mg dia) PENTOXIFILINA:400 mg 8 x 8hs • desmame de 2 a 3 meses dependendo da evolução
  • 53. Reações Hansênicas O que funciona: • Diagnóstico correto da reação • Escolha adequada da droga • Orientação adequada ao paciente • Relação equipe - paciente • Desmame bem programado • Acompanhamento rigoroso • Profissionais comprometidos
  • 54. Prevenção de IncapacidadesDiagnóstico tardio e tratamento inadequado levam a incapacidades e deformidades
  • 55. Vigilância dos Contatos • Exame dermatoneurológico das pessoas que residam ou tenham residido nos últimos 5 anos • aplicação do BCG em duas doses com intervalo mínimo de 6 meses