SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 56
Imunologia aplicado a doenças neurologicas Dr Rafael Higashi Médico Neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
“Por favor Doutor, me ajude, estou parando de andar!”
A importância da imunologia nas doenças neurológicas Incidência Tratamento  Prevenção Perspectivas e estudos futuros
Conceito clássico “O cerébro é um orgão imunologicamente privilegiado como os olhos,  testículo e a placenta ”.
Conceito atual Existência de drenagem linfática no SNC Passagem regular de linfócitos T e B através da BHE para o SNC O espaço liquorico do SNC é imunológicamente ativo Nova denominação: Imunoneurologia J neurol 2007
Doenças com envolvimento da mielina do SNC Esclerose Multipla Neurite óptica Milelite transversa Encefalomielite disseminada aguda (ADEM)
Constituida de camadas bimoleculares de lípides intercaladas com proteínas. Tem a mesma composição das membranas celulares, ou seja, 70% de lípides e 30% de proteínas, com alta concentração de colesterol e fosfolípedes na sua composição A mielina do SNC é produzida por células chamadas oligondendrócitos A mielina do SNP é produzida pelas células de Schwann
Esclerose Múltipla     A esclerose múltipla (EM) é uma doença desmielinizante inflamatória crônica, auto-imune, confinada ao sistema nervoso central (SNC). As proteínas da bainha de mielina constituem os alvos das agressões.
População de alto risco da EM
Tratamento da EM no surto: Metil-prednisolona ou plasmafére
G.M.S. iníciou quadro súbito incoordenação ao movimento do M.S.D pacientes doença neuroimunológicapisódio 2.MPG
Tratamento da EM preventivo:
Desmielinização isolada do SNC ,[object Object]
Milelite transversa
Encefalomielite disseminada aguda ,[object Object]
Síndrome de Guillain Barré Descrita por Guillain, Barré e Strohl em 1916. Em 1985 a plasmaférese foi introduzida como tratamento. Em 1992 o de imunoglobulinas humanas endovenosas em altas doses (IgIV). 0,16 e 2,0 casos por 100 000 habitantes/ano.
Síndrome de Guillain Barré  Precedida por doença infecciosa  2/3 casos ( 2 e 28 dias do primeiro sintoma neurológico) Infecção do trato respiratório: 30 a 45% dos casos - Cytomegalovirus, vírus de Epstein-Barr e Mycoplasma pneumoniae e Haemophilus influenzae.
Paciente ao pedir para fechar os olhos e mostrar os dentes Paciente ao pedir para mostrar os dentes HD: Paralisia facial periférica bilateral Etiologia : Síndrome de Guillain Barre
pacientes doença neuroimunológicaOV00006.MPG
Específico          Imunoglobulina humana endovenosa em altas doses (IgIV) ou          Plasmaférese  Geral         Assistência ventilatória         Tratamento da dor Prevenção de Infecções          Manejo do comprometimento autonômico          Hipertensão arterial          Hipotensão Arritmias cardíacas          Prevenção de Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar          Cuidados de Enfermagem e de Fisioterapia          Cuidados e condições para a alta hospitalar   Tratamento da SGB
Imunoglobulinas ,[object Object]
Há cinco classes de imunoglobulina com função de anticorpo: IgA, IgD, IgE, IgG e IgM. Os diferentes tipos se diferenciam pela suas propriedades biológicas, localizações funcionais e habilidade para lidar com diferentes antígenos.
As principais ações dos anticorpos são a neutralização de toxinas, opsonização (recobrimento) de antígenos, destruição celular e fagocitose auxiliada pelo sistema complemento.,[object Object]
IMUNOPATOGÊNESE DO CIDP NEJM 2005
Biópsia do nervo sural Morfologia normal com focal infiltrado linfocítico (hematoxilina e eosina)
Biópsia do nervo sural na microscopia eletrônica mostra diminuição das células de Schwann
pacientes doença neuroimunológicaIDP.MPG
Tratamento As alternativas terapêuticas, cujas eficácias foram comprovadas através de estudos prospectivos, controlados e randomizados, incluem corticosteróides e imunoglobulina humana endovenosa em altas doses, eventualmente plasmaférese . Ciclofosfamida e ciclosporina poderiam ser eficazes. IgIV é superior a corticosteróides mas, levando em consideração o alto custo, esses são considerados de primeira escolha .
Miastenia Graves Doença auto-imune que tem como alvo os receptores nicotínicos de acetilcolina na membrana pós-sináptica da junção neuromuscular A prevalência é de 2,5 a 10/100.000 hab  Tratamento a longo prazo são os imunossupressores e a timectomia
pacientes doença neuroimunológicaOV00021.MPG
Tratamento Nestas crises : plasmaférese ou a Imunoglobulina Humana IV   A longo prazo: são os imunossupressores e a timectomia
Hanseníase  Número de casos: 4,68 doentes a cada 10.000 habitantes Ainda constituí um problema se saúde publica no Brasil Alta infectividade e baixa patogenicidade Contágio através das vias aéreas superiores Tratamento PQT: rifampicina + dapsona + clofazimina Notificação compulsória
Suspeita de hanseníase   ,[object Object]
Acometimento do nervo com espessamento
Baciloscopia positivaMinistério da Saúde 2002
infiltração Nódulo placa Mancha
  Neurites  Os estados reacionais ou reações hansênicas são reações do sistema imunológico do doente ao Mycobacterium leprae. Apresentam-se através de episódios inflamatórios agudos e sub-agudos. Podem acometer tanto os casos Paucibacilares como os Multibacilares. Tratamento com prednisona
Deformidade no nervo ulnar (sequela) Neurite do nervo ulnar
Paciente da Santa Casa do Rio de Janeiro com neuropatia da Hanseníase Mal perfurante plantar
Tratamento da infecção PAUCIBACILAR MULTIBACILAR Dapsona Rifampicina Clofazimina
Alois Alzheimer (1864-1915) Clínica psiquiátrica em Munique
Auguste D., mulher de 51 anos de idade procurou auxílio psiquiátrico em Frankfurt. Examinada por Alzheimer
Em 1907, Alois Alzheimer publicou o seu famoso artigo sobre “uma rara doença do córtex cerebral” em sua paciente Frau August D., 51 anos, que havia sido sua paciente em 1901 quando ainda clinicava no Asilo Municipal de Frankfurt. “Placa senil” descoberto por Alzheimer
Alois Alzheimer e seus Médicos Estudantes
THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE 2001 –STANLEY B. PRUSINER
“  Em fato, as doenças neurodegenerativas (doença de Alzheimer, doenças do neurônio motor, doença de Parkinson e etc ) estão previstas em ultrapassar o câncer como segunda causa de morte mais freqüente  entre os idosos por volta de 2040 ”. Lilienfeld DE, Perl DP. Projected neurodegenerative disease mortality in USA ,1990-2040. Neuroepidemiology 1993;12:219-28
PREVALÊNCIA DE D. DE ALZHEIMER DE ACORDO COM A IDADE EM HOMENS E MULHERES New England Journal of Medicinne – 2003 - Genomic Medicine
APOPTOSE CONTAGIOSA E DISFUNÇÃO DA CÉLULA The New England Journal of Medicine - 2003 – Robert M. Friedlander,M.D.
FORMAÇÃO DA PLACA SENIL The New England Journal of Medicine, 1999 , Mechanisms of Disease - Joseph B. Martin, MD.
Fisiopatologia da Cascata Amilóide na D. de Alzheimer : New England Journal of Medicine – 2004 – Alzheimer Disease – Jeffrey L. Cummings , M D.
FATORES RELACIONADOS À D. DE ALZHEIMER New England Journal of Medicine – 2005 –Thomas D. Bird, M.D.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 

Mais procurados (20)

Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Intoxicações exógenas aula
Intoxicações exógenas   aulaIntoxicações exógenas   aula
Intoxicações exógenas aula
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos Farmacologia dos Analgésicos
Farmacologia dos Analgésicos
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
mapa-mental.pdf
mapa-mental.pdfmapa-mental.pdf
mapa-mental.pdf
 
Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
 
Medicamentos Fitoterápicos
Medicamentos FitoterápicosMedicamentos Fitoterápicos
Medicamentos Fitoterápicos
 
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & DistribuiçãoAula - Básica - Adsorção & Distribuição
Aula - Básica - Adsorção & Distribuição
 
Manual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição MédicaManual de Prescrição Médica
Manual de Prescrição Médica
 
Sulfas
SulfasSulfas
Sulfas
 
Antineoplásicos
AntineoplásicosAntineoplásicos
Antineoplásicos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Apostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdfApostila-calculos-1-pdf
Apostila-calculos-1-pdf
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Aines
AinesAines
Aines
 

Destaque

Destaque (20)

Líquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidianoLíquido cefalorraquidiano
Líquido cefalorraquidiano
 
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
Introdução a Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva (EMT)
 
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional  I e IISíndrome dolorosa do complexo regional  I e II
Síndrome dolorosa do complexo regional I e II
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
 
Doenças neurodegenerativas - aspectos fisiopatológicos
Doenças neurodegenerativas - aspectos fisiopatológicosDoenças neurodegenerativas - aspectos fisiopatológicos
Doenças neurodegenerativas - aspectos fisiopatológicos
 
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico NeurológicoNervos Cranianos: Exame físico Neurológico
Nervos Cranianos: Exame físico Neurológico
 
Terapia com celulas tronco nas doencas neurodegenerativas
Terapia com celulas tronco nas doencas neurodegenerativasTerapia com celulas tronco nas doencas neurodegenerativas
Terapia com celulas tronco nas doencas neurodegenerativas
 
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricas
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricasInvestigação diagnóstica das neuropatias periféricas
Investigação diagnóstica das neuropatias periféricas
 
Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal Líquido cerebrospinal
Líquido cerebrospinal
 
Neuropatias Periféricas
Neuropatias PeriféricasNeuropatias Periféricas
Neuropatias Periféricas
 
Diagnóstico e tratamento da cefaléia em salvas
Diagnóstico e tratamento da cefaléia em salvasDiagnóstico e tratamento da cefaléia em salvas
Diagnóstico e tratamento da cefaléia em salvas
 
Sumatriptano, trimebutina, meloxican e a associação das três drogas no trata...
Sumatriptano, trimebutina, meloxican  e a associação das três drogas no trata...Sumatriptano, trimebutina, meloxican  e a associação das três drogas no trata...
Sumatriptano, trimebutina, meloxican e a associação das três drogas no trata...
 
Tratamento Agudo e Profilático da Enxaqueca
Tratamento Agudo e Profilático da EnxaquecaTratamento Agudo e Profilático da Enxaqueca
Tratamento Agudo e Profilático da Enxaqueca
 
História de migranêa e risco de dissecção arterial
História de migranêa e risco de dissecção arterialHistória de migranêa e risco de dissecção arterial
História de migranêa e risco de dissecção arterial
 
Myofascial pain and fibromyalgia
Myofascial pain and fibromyalgiaMyofascial pain and fibromyalgia
Myofascial pain and fibromyalgia
 
Transcranial Magnetic Stimulation ( TMS) for Chronic Pain
Transcranial Magnetic Stimulation ( TMS) for Chronic PainTranscranial Magnetic Stimulation ( TMS) for Chronic Pain
Transcranial Magnetic Stimulation ( TMS) for Chronic Pain
 
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicaçãoEcocolordoppler Transcraniano: método e indicação
Ecocolordoppler Transcraniano: método e indicação
 
Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no
Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio noClonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no
Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no
 
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióideAbordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
 
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
Dor Lombar: Como iniciar o raciocínio médico ?
 

Semelhante a Neuroimunologia

Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
agemais
 
Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
00net
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
vitorepalmeida1
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
Cláudia Sofia
 
Imunologia trab de grupo
Imunologia  trab de grupoImunologia  trab de grupo
Imunologia trab de grupo
Mylla Marques
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
WAGNER OLIVEIRA
 

Semelhante a Neuroimunologia (20)

Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
 
Aula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos históriaAula Imunologia Geral Conceitos história
Aula Imunologia Geral Conceitos história
 
Meningite_2022.ppt MEDICINA Geral Sem fronteiras
Meningite_2022.ppt MEDICINA Geral Sem fronteirasMeningite_2022.ppt MEDICINA Geral Sem fronteiras
Meningite_2022.ppt MEDICINA Geral Sem fronteiras
 
Les
LesLes
Les
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
Imunosenescencia   Aula   Danuza EsquenaziImunosenescencia   Aula   Danuza Esquenazi
Imunosenescencia Aula Danuza Esquenazi
 
Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdfImunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
Imunidade_e_controlo_de_doencas.Parte_2.pdf
 
Imunodeficiência Combinada Grave
Imunodeficiência Combinada GraveImunodeficiência Combinada Grave
Imunodeficiência Combinada Grave
 
Imunodeficiências emc
Imunodeficiências emcImunodeficiências emc
Imunodeficiências emc
 
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptxBIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
BIBLIOTECA_3_ANO_HAB_ANALISES_CLINICAS_IMUNOLOGIA_INTRODUCAO.pptx
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
 
Sistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o bSistema imunológico 2o b
Sistema imunológico 2o b
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 
Caso clínico Furúnculo
Caso clínico FurúnculoCaso clínico Furúnculo
Caso clínico Furúnculo
 
Imunologia trab de grupo
Imunologia  trab de grupoImunologia  trab de grupo
Imunologia trab de grupo
 
Sepse
SepseSepse
Sepse
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 

Mais de Dr. Rafael Higashi

Mais de Dr. Rafael Higashi (20)

Emagrecimento rápido sem remédios na visão do nutrólogo
Emagrecimento rápido sem remédios na visão do nutrólogoEmagrecimento rápido sem remédios na visão do nutrólogo
Emagrecimento rápido sem remédios na visão do nutrólogo
 
O uso da neuromodulação cerebral não invasiva para melhora da performance esp...
O uso da neuromodulação cerebral não invasiva para melhora da performance esp...O uso da neuromodulação cerebral não invasiva para melhora da performance esp...
O uso da neuromodulação cerebral não invasiva para melhora da performance esp...
 
NUTROLOGIA E DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS
NUTROLOGIA E DOENÇAS NEURODEGENERATIVASNUTROLOGIA E DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS
NUTROLOGIA E DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS
 
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
Aplicação de Neuromodulação Cerebral Não Invasiva no tratamento da depressão,...
 
Neurofeedback como tratamento do TDAH, epilepsia, enxaqueca e dor neuropatia
Neurofeedback como tratamento do TDAH, epilepsia, enxaqueca e dor neuropatiaNeurofeedback como tratamento do TDAH, epilepsia, enxaqueca e dor neuropatia
Neurofeedback como tratamento do TDAH, epilepsia, enxaqueca e dor neuropatia
 
Tratamento da Depressão Unipolar , Depressão Bipolar e Transtorno Obsessivo C...
Tratamento da Depressão Unipolar , Depressão Bipolar e Transtorno Obsessivo C...Tratamento da Depressão Unipolar , Depressão Bipolar e Transtorno Obsessivo C...
Tratamento da Depressão Unipolar , Depressão Bipolar e Transtorno Obsessivo C...
 
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva na...
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva na...Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva na...
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva na...
 
Estudo da aplicação da Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva no Tran...
Estudo da aplicação da Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva no Tran...Estudo da aplicação da Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva no Tran...
Estudo da aplicação da Estimulação Magnética Transcraniana Repetitiva no Tran...
 
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana na Dor C...
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana na Dor C...Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana na Dor C...
Neuromodulação Cerebral com Estimulação Magnética Transcraniana na Dor C...
 
Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?Cefaléias: Quando investigar ?
Cefaléias: Quando investigar ?
 
Dor Neuropática
Dor NeuropáticaDor Neuropática
Dor Neuropática
 
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaquecaAnticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
Anticonvulsivantes na profilaxia de enxaqueca
 
Doença de Alzheimer
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
 
Distúrbios das Funções Cerebrais Superiores
Distúrbios das Funções Cerebrais SuperioresDistúrbios das Funções Cerebrais Superiores
Distúrbios das Funções Cerebrais Superiores
 
Cefaléia Cervicogênica
Cefaléia CervicogênicaCefaléia Cervicogênica
Cefaléia Cervicogênica
 
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da CefaléiasIntrodução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da Cefaléias
 
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de FisherDor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
Dor Crônica Orofacial e Tratamento com Técnica de Fisher
 
Dores trigêminais
Dores trigêminaisDores trigêminais
Dores trigêminais
 
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na EpilepsiaUso da Lamotrigina na Epilepsia
Uso da Lamotrigina na Epilepsia
 
Prevalência de fibromialgia e síndrôme dolorosa miofascial em pacientes com m...
Prevalência de fibromialgia e síndrôme dolorosa miofascial em pacientes com m...Prevalência de fibromialgia e síndrôme dolorosa miofascial em pacientes com m...
Prevalência de fibromialgia e síndrôme dolorosa miofascial em pacientes com m...
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (9)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

Neuroimunologia

  • 1. Imunologia aplicado a doenças neurologicas Dr Rafael Higashi Médico Neurologista www.estimulacaoneurologica.com.br
  • 2. “Por favor Doutor, me ajude, estou parando de andar!”
  • 3. A importância da imunologia nas doenças neurológicas Incidência Tratamento Prevenção Perspectivas e estudos futuros
  • 4. Conceito clássico “O cerébro é um orgão imunologicamente privilegiado como os olhos, testículo e a placenta ”.
  • 5. Conceito atual Existência de drenagem linfática no SNC Passagem regular de linfócitos T e B através da BHE para o SNC O espaço liquorico do SNC é imunológicamente ativo Nova denominação: Imunoneurologia J neurol 2007
  • 6. Doenças com envolvimento da mielina do SNC Esclerose Multipla Neurite óptica Milelite transversa Encefalomielite disseminada aguda (ADEM)
  • 7. Constituida de camadas bimoleculares de lípides intercaladas com proteínas. Tem a mesma composição das membranas celulares, ou seja, 70% de lípides e 30% de proteínas, com alta concentração de colesterol e fosfolípedes na sua composição A mielina do SNC é produzida por células chamadas oligondendrócitos A mielina do SNP é produzida pelas células de Schwann
  • 8. Esclerose Múltipla  A esclerose múltipla (EM) é uma doença desmielinizante inflamatória crônica, auto-imune, confinada ao sistema nervoso central (SNC). As proteínas da bainha de mielina constituem os alvos das agressões.
  • 9. População de alto risco da EM
  • 10.
  • 11. Tratamento da EM no surto: Metil-prednisolona ou plasmafére
  • 12. G.M.S. iníciou quadro súbito incoordenação ao movimento do M.S.D pacientes doença neuroimunológicapisódio 2.MPG
  • 13. Tratamento da EM preventivo:
  • 14.
  • 16.
  • 17. Síndrome de Guillain Barré Descrita por Guillain, Barré e Strohl em 1916. Em 1985 a plasmaférese foi introduzida como tratamento. Em 1992 o de imunoglobulinas humanas endovenosas em altas doses (IgIV). 0,16 e 2,0 casos por 100 000 habitantes/ano.
  • 18. Síndrome de Guillain Barré  Precedida por doença infecciosa 2/3 casos ( 2 e 28 dias do primeiro sintoma neurológico) Infecção do trato respiratório: 30 a 45% dos casos - Cytomegalovirus, vírus de Epstein-Barr e Mycoplasma pneumoniae e Haemophilus influenzae.
  • 19. Paciente ao pedir para fechar os olhos e mostrar os dentes Paciente ao pedir para mostrar os dentes HD: Paralisia facial periférica bilateral Etiologia : Síndrome de Guillain Barre
  • 21. Específico Imunoglobulina humana endovenosa em altas doses (IgIV) ou Plasmaférese Geral Assistência ventilatória Tratamento da dor Prevenção de Infecções Manejo do comprometimento autonômico Hipertensão arterial Hipotensão Arritmias cardíacas Prevenção de Trombose Venosa Profunda e Embolia Pulmonar Cuidados de Enfermagem e de Fisioterapia Cuidados e condições para a alta hospitalar   Tratamento da SGB
  • 22.
  • 23. Há cinco classes de imunoglobulina com função de anticorpo: IgA, IgD, IgE, IgG e IgM. Os diferentes tipos se diferenciam pela suas propriedades biológicas, localizações funcionais e habilidade para lidar com diferentes antígenos.
  • 24.
  • 26. Biópsia do nervo sural Morfologia normal com focal infiltrado linfocítico (hematoxilina e eosina)
  • 27. Biópsia do nervo sural na microscopia eletrônica mostra diminuição das células de Schwann
  • 28.
  • 30. Tratamento As alternativas terapêuticas, cujas eficácias foram comprovadas através de estudos prospectivos, controlados e randomizados, incluem corticosteróides e imunoglobulina humana endovenosa em altas doses, eventualmente plasmaférese . Ciclofosfamida e ciclosporina poderiam ser eficazes. IgIV é superior a corticosteróides mas, levando em consideração o alto custo, esses são considerados de primeira escolha .
  • 31. Miastenia Graves Doença auto-imune que tem como alvo os receptores nicotínicos de acetilcolina na membrana pós-sináptica da junção neuromuscular A prevalência é de 2,5 a 10/100.000 hab  Tratamento a longo prazo são os imunossupressores e a timectomia
  • 32.
  • 33.
  • 35. Tratamento Nestas crises : plasmaférese ou a Imunoglobulina Humana IV  A longo prazo: são os imunossupressores e a timectomia
  • 36. Hanseníase Número de casos: 4,68 doentes a cada 10.000 habitantes Ainda constituí um problema se saúde publica no Brasil Alta infectividade e baixa patogenicidade Contágio através das vias aéreas superiores Tratamento PQT: rifampicina + dapsona + clofazimina Notificação compulsória
  • 37.
  • 38. Acometimento do nervo com espessamento
  • 41. Neurites Os estados reacionais ou reações hansênicas são reações do sistema imunológico do doente ao Mycobacterium leprae. Apresentam-se através de episódios inflamatórios agudos e sub-agudos. Podem acometer tanto os casos Paucibacilares como os Multibacilares. Tratamento com prednisona
  • 42. Deformidade no nervo ulnar (sequela) Neurite do nervo ulnar
  • 43. Paciente da Santa Casa do Rio de Janeiro com neuropatia da Hanseníase Mal perfurante plantar
  • 44. Tratamento da infecção PAUCIBACILAR MULTIBACILAR Dapsona Rifampicina Clofazimina
  • 45. Alois Alzheimer (1864-1915) Clínica psiquiátrica em Munique
  • 46. Auguste D., mulher de 51 anos de idade procurou auxílio psiquiátrico em Frankfurt. Examinada por Alzheimer
  • 47.
  • 48. Em 1907, Alois Alzheimer publicou o seu famoso artigo sobre “uma rara doença do córtex cerebral” em sua paciente Frau August D., 51 anos, que havia sido sua paciente em 1901 quando ainda clinicava no Asilo Municipal de Frankfurt. “Placa senil” descoberto por Alzheimer
  • 49. Alois Alzheimer e seus Médicos Estudantes
  • 50. THE NEW ENGLAND JOURNAL OF MEDICINE 2001 –STANLEY B. PRUSINER
  • 51. “ Em fato, as doenças neurodegenerativas (doença de Alzheimer, doenças do neurônio motor, doença de Parkinson e etc ) estão previstas em ultrapassar o câncer como segunda causa de morte mais freqüente entre os idosos por volta de 2040 ”. Lilienfeld DE, Perl DP. Projected neurodegenerative disease mortality in USA ,1990-2040. Neuroepidemiology 1993;12:219-28
  • 52. PREVALÊNCIA DE D. DE ALZHEIMER DE ACORDO COM A IDADE EM HOMENS E MULHERES New England Journal of Medicinne – 2003 - Genomic Medicine
  • 53. APOPTOSE CONTAGIOSA E DISFUNÇÃO DA CÉLULA The New England Journal of Medicine - 2003 – Robert M. Friedlander,M.D.
  • 54. FORMAÇÃO DA PLACA SENIL The New England Journal of Medicine, 1999 , Mechanisms of Disease - Joseph B. Martin, MD.
  • 55. Fisiopatologia da Cascata Amilóide na D. de Alzheimer : New England Journal of Medicine – 2004 – Alzheimer Disease – Jeffrey L. Cummings , M D.
  • 56. FATORES RELACIONADOS À D. DE ALZHEIMER New England Journal of Medicine – 2005 –Thomas D. Bird, M.D.
  • 57. FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA D. ALZHEIMER Lancet 2002 – The dementias – KarenRitchie , Simon Lovestone
  • 59. Imunidade inata: A imunidade inata corresponde ao conjunto de ações efetoras que estão prontamente disponíveis no combate à infecção por um determinado agente patogênico. As principais células envolvidas nessa linha de frente da resposta imunológica são os neutrófilose os macrófagos, as quais exercem seu efeito protetor através do processo de fagocitose. Ex: Inclui a capacidade das secreções ácidas do estômago e enzimas digestivas de destruir germes; inclui a resistência da pele e das membranas mucosas à penetração dos germes imunidade adaptativa: O sistema imune adaptativo também chamado de sistema imune adquirido é a imunidade que um indivíduo recebe após ter tido contato com certo agente invasor. Nosso sistema imune possuem células de memória que "lembram" o contato com o determinado invasor e adquire mecanismos de defesa contra ele nos possíveis contatos posteriores. Essas reações serão mais rápidas e eficiente. É o princípio das vacinas. Existem os reforços pelas diminuição da ação dessas células de memória. A imunidade adaptativa é protagonizada pelos linfócitos, os quais estão em contínua recirculação entre o sangue, os órgãos linfóides secundários e a linfa. Independentemente do local onde tenha ocorrido uma determinada infecção, a ativação dos linfócitos de modo que se tornem efetores no combate ao antígeno ocorre nos órgãos linfóides secundários.
  • 60. Em Nova York (2008), agradecimentos a 2 grandes mestres da medicina, Professor Geller (à direita), chefe da cadeira de imunologia da UNIFESO no Brasil e Professor Dubois (à esquerda) com esposa, professor e coordenador do departamento de Pain Management da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York, EUA.