SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA - FASI
4° PERÍODO DE NUTRIÇÃO
DISCIPLINA: AVALIAÇÃO NUTRICIONAL
PROFESSOR(A): BRUNA
Avaliação nutricional e
envelhecimento
Dezembro,2013
ACADÊMICOS:
 Andreia Lima
 Fernando
 Keylla Tayne
 Milene Naianny
 Ruth Jessica
INTRODUÇÃO
Tem-se registrado envelhecimento mundial das populações1. Este fato
gera maior necessidade em aprofundar a compreensão sobre o papel da
nutrição na promoção e manutenção da independência e autonomia dos
idosos.
A determinação do diagnóstico nutricional e a identificação dos fatores
que contribuem para tal diagnóstico no indivíduo idoso são, portanto,
processos fundamentais, mas complexos. A complexidade se deve à
ocorrência de diversas alterações, tanto fisiológicas quanto patológicas,
além de modificações de aspectos econômicos e de estilo de vida, entre
outros, com o avançar da idade.
OBJETIVO
Contribuir para o estudo nutricional do indivíduo
idoso, discutindo os principais aspectos
relacionados à avaliação do seu estado
nutricional, dando ênfase aos indicadores e
critérios de avaliação mais apropriados para esse
grupo etário, considerando as modificações
inerentes ao processo de envelhecimento.
I N D I C A D O R E S D E D I A G N Ó S T I
C O N U T R I C I O N A L
Exames bioquímicos
 albumina,
 transferrina,
 hematócrito,
 hemoglobina,
 contagem total de linfócitos,
 colesterol total e frações
I N D I C A D O R E S D E D I A G N Ó S T I
C O N U T R I C I O N A L
Sinais clínicos nutricionais
 A púrpura senil
 cegueira noturna
Arco senil
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
Antropométrica:
 Peso
Equações para estimativa do peso a partir de medidas
corporais:
Homem: (0,98 x CP) + (1.16 x comprimento da perna) + (1,73 x CB) +
(0,37 x PCSE) - 81,69
Mulher: (1,27 x CP) + (0,87 x comprimento da perna) + (0,98 x CB) +
(0,4 x PCSE) - 62,35
 Altura (decréscimo de 2cm a 3cm/década)
As razões para este declínio são: achatamento das vértebras, redução
dos discos intervertebrais, cifose dorsal, escoliose, arqueamento dos
membros inferiores e/ou achatamento do arco plantar.
Equações para estimar estatura de idosos a partir do comprimento da
perna:
Homem: [2,02 x comprimento da perna] – [0,04 x idade] + 64,19
Mulher: [1,83 x comprimento da perna] – [0,24 x idade] + 84,88
 Circunferências
Circunferência de braço
Circunferência de panturrilha
 Dobras cutâneas
Prega cutânea subescapular
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
 Composição corporal
Com o envelhecimento ,ocorre aumento na gordura
total e redução de tecido muscular.essas
modificações no tecido muscular
ocorram,principalmente,em virtude da
alimentação da atividade física e da taxa
metabólica basal.
 Circunferência Muscular do Braço
Equação para estimar tecido muscular
 Prega cutânea subescapular
INDICADORES DE DIAGNÓST ICO
NUTRICIONAL
 Distribuição de gordura corporal
Com o envelhecimento,alem do aumento da
gordura corporal,observa-se redistribuição desse
tecido,havendo diminuição nos membro e acumulo
preferencialmente na região abdominal.
 Circunferência da cintura
A medida da circunferência da cintura
tem sido proposta como um dos
melhores preditores antropométricos
de gordura visceral.
Razão Cintura-Quadril (RCQ)
 Outro indicador bastante utilizado na avaliação
do tipo de distribuição de gordura corporal é a
razão cintura-quadril (RCQ); entretanto, estudos
têm encontrado associação moderada entre este
indicador e o acúmulo abdominal de gordura.
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
 Massa corporal
Tem como finalidade avaliar a massa corporal em
relação à altura.
IMC= Peso
(H)2
 A OMS propõe a utilização de pontos de corte propostos pra
o adulto jovem.
o IMC<20kg/m2 é o ponto de corte adotado para
classificar o idoso como apresentando magreza.
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
 Alterações nos tecidos de elasticidade e
compressibilidade
Com a perda de água corporal, redução do tecido muscular
e diminuição da gordura nos membros, ocorre perda da
elasticidade e maior compressibilidade dos tecidos,
interferindo na verificação das pregas cutâneas, levando
a uma dificuldade de separar tecido adiposo do muscular.
Então o uso de fita métrica e medidas de circunferência e
recomendado desde que se leve em consideração os
limites citados anteriormente.
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
 Dados de referência não muito específicos para
população idosa
 A avaliação nutricional do idoso apresenta limitações também em
relação aos dados e padrões de referência para as medidas
antropométricas. Atualmente, a OMS recomenda para a avaliação
nutricional do indivíduo idoso, inclusive nas nações em
desenvolvimento, a utilização dos dados de referência do NHANES
III (Tabelas 3 e 4), sem limite superior de idade (60 e mais) e com
metodologia padronizada
INDICADORES QUE EXPLICAM O DIAGNÓSTICO
NUTRICIONAL
 É fundamental que, além da identificação do
diagnóstico nutricional, sejam investigados os
fatores que podem explicar o diagnóstico
encontrado. Isto permitirá uma intervenção
nutricional adequado.
PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO
ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.
 Relacionados à idade:
 Sensibilidade olfativa diminuída
 Sensibilidade gustativa diminuída
 Supressão do apetite
 Dietéticos:
 Ingestão inadequada de alimentos
PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO
ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.
 Médicos:
 Doenças
 Efeitos farmacológicos
 Problemas na cavidade oral
 Incapacidade funcional
 Psiquiátricos:
 Demência
 Depressão
 Distúrbio de comportamento
 Anorexia nervosa
 Alcoolismo
PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO
ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.
 Sociais: Pobreza Isolamento emocional Viver só
Conhecimento nutricional insuficiente
 Estilo de vida:
Redução da atividade física
Tabagismo
CONCLUSÃO
A avaliação nutricional do idoso necessita ser
realizada a partir de uma associação de
indicadores, tendo em vista que cada um apresenta
limitações, as quais devem ser complementadas.
Os critérios de diagnóstico e dados de referência
devem ser bastante específicos em razão das
alterações que geralmente acompanham o
processo de envelhecimento.
''que teu alimento seja seu
remédio,e que sue remédio
seja seu alimento''
OBRIGADO!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vidaMarcelo Silva
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionale.ferreira
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteKetlenBatista
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxmauromaumau
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionale.ferreira
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarErly Batista Neto
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoAmanda Thomé
 
Nutricao na atencao basica
Nutricao na atencao basicaNutricao na atencao basica
Nutricao na atencao basicaFilipe Mello
 
Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososIsabela Fernandez
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaLuis Dantas
 
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamentoNutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamentoPharmavie Manipulação
 
Nutrição na terceira idade workshop
Nutrição na terceira idade workshopNutrição na terceira idade workshop
Nutrição na terceira idade workshopSil Metelo
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricionalApostila avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricionalJairina Chaves
 

Mais procurados (20)

Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes  ciclos da vidaNutrientes nos diferentes  ciclos da vida
Nutrientes nos diferentes ciclos da vida
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
 
Desnutrição Infantil
Desnutrição InfantilDesnutrição Infantil
Desnutrição Infantil
 
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestanteNutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
Nutrição normal e dietética: alimentação do adolescente é da gestante
 
Estado nutricional
Estado nutricionalEstado nutricional
Estado nutricional
 
DIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptxDIETOTERAPIA.pptx
DIETOTERAPIA.pptx
 
Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil Crescimento e desenvolvimento Infantil
Crescimento e desenvolvimento Infantil
 
Avaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricionalAvaliação do estado nutricional
Avaliação do estado nutricional
 
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentarNutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
Nutrição Infantil - Leito Materno e Complementação alimentar
 
Necessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no IdosoNecessidades Nutricionais no Idoso
Necessidades Nutricionais no Idoso
 
Nutricao na atencao basica
Nutricao na atencao basicaNutricao na atencao basica
Nutricao na atencao basica
 
Allimentacao saudavel idoso
Allimentacao saudavel idosoAllimentacao saudavel idoso
Allimentacao saudavel idoso
 
Nutriçao
NutriçaoNutriçao
Nutriçao
 
Manual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para IdososManual de Nutrição para Idosos
Manual de Nutrição para Idosos
 
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção BásicaA Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
A Importância da Atuação do Nutricionista na Atenção Básica
 
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamentoNutrição com foco na terceira idade e tratamento
Nutrição com foco na terceira idade e tratamento
 
Nutrição na terceira idade workshop
Nutrição na terceira idade workshopNutrição na terceira idade workshop
Nutrição na terceira idade workshop
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricionalApostila avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricional
 
Nutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da EnfermagemNutrição no Ensino da Enfermagem
Nutrição no Ensino da Enfermagem
 

Destaque

Apostila avaliação nutricional 2013
Apostila avaliação nutricional   2013Apostila avaliação nutricional   2013
Apostila avaliação nutricional 2013Keythiane Gomes
 
Avalliação do-estado-nutricional-de-idosos
Avalliação do-estado-nutricional-de-idososAvalliação do-estado-nutricional-de-idosos
Avalliação do-estado-nutricional-de-idososNara Barros
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriaisA importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriaisUNIME
 
Cuidados na alimentação da pessoa idosa
Cuidados na alimentação da pessoa idosaCuidados na alimentação da pessoa idosa
Cuidados na alimentação da pessoa idosaandreia27
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadouhgeri
 
Questionário de Frequência Alimentar
Questionário de Frequência Alimentar Questionário de Frequência Alimentar
Questionário de Frequência Alimentar Bárbara Marcelly
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutriçãocristiane1981
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutriçãomelodilva
 
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoQuestionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoKeylla Tayne
 
Formando alimentacao2
Formando alimentacao2Formando alimentacao2
Formando alimentacao2Rita Cardoso
 
Iatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idososIatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idososEli Oliveira
 
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentaresPolíticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentaresYngrid Bandeira
 
Livro cuidado paliativo_cremesp
Livro cuidado paliativo_cremespLivro cuidado paliativo_cremesp
Livro cuidado paliativo_cremespLaryssasampaio
 

Destaque (20)

Apostila avaliação nutricional 2013
Apostila avaliação nutricional   2013Apostila avaliação nutricional   2013
Apostila avaliação nutricional 2013
 
Avalliação do-estado-nutricional-de-idosos
Avalliação do-estado-nutricional-de-idososAvalliação do-estado-nutricional-de-idosos
Avalliação do-estado-nutricional-de-idosos
 
Avaliação do Idoso
Avaliação do IdosoAvaliação do Idoso
Avaliação do Idoso
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriaisA importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
A importância da avaliação nutricional e exames laboratoriais
 
Cuidados na alimentação da pessoa idosa
Cuidados na alimentação da pessoa idosaCuidados na alimentação da pessoa idosa
Cuidados na alimentação da pessoa idosa
 
00003 e18
00003 e1800003 e18
00003 e18
 
Nutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internadoNutrição no idoso internado
Nutrição no idoso internado
 
Questionário de Frequência Alimentar
Questionário de Frequência Alimentar Questionário de Frequência Alimentar
Questionário de Frequência Alimentar
 
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
 
Relatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica NutriçãoRelatório Clinica Nutrição
Relatório Clinica Nutrição
 
Slides nutrição
Slides nutriçãoSlides nutrição
Slides nutrição
 
Obesidade
ObesidadeObesidade
Obesidade
 
Composição corporal
Composição corporalComposição corporal
Composição corporal
 
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoQuestionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
 
Formando alimentacao2
Formando alimentacao2Formando alimentacao2
Formando alimentacao2
 
Iatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idososIatrogenia nos idosos
Iatrogenia nos idosos
 
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentaresPolíticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
Políticas públicas para obesidade e transtornos alimentares
 
Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso Atenção à Saúde do Idoso
Atenção à Saúde do Idoso
 
Livro cuidado paliativo_cremesp
Livro cuidado paliativo_cremespLivro cuidado paliativo_cremesp
Livro cuidado paliativo_cremesp
 

Semelhante a Avaliação Nutricional de Idoso

Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptx
Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptxApresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptx
Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptxandrielymoraes5
 
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptx
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptxObesidade e Fisiologia do Exercício.pptx
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptxErickDiegodosSantos1
 
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinar
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinarObesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinar
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinarVan Der Häägen Brazil
 
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento Multidisciplinar
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento MultidisciplinarObesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento Multidisciplinar
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento MultidisciplinarVan Der Häägen Brazil
 
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...Van Der Häägen Brazil
 
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptxAvaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptxKellenscopel1
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila  avaliação nutricionalApostila  avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricionalBruna Bellini
 
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptx
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptxPrograma de Prevenção e controle a obsidade.pptx
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptxJefferson Tst
 
Atividade fisica e suas bases nutricionais
Atividade fisica e suas bases nutricionaisAtividade fisica e suas bases nutricionais
Atividade fisica e suas bases nutricionaisBenedito Barcelos
 
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida MudadoA Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida MudadoVan Der Häägen Brazil
 
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERESLopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERESMariana Menezes
 
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...Van Der Häägen Brazil
 

Semelhante a Avaliação Nutricional de Idoso (20)

ASPECTOS NUTRICIONAIS NO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS NUTRICIONAIS NO ENVELHECIMENTOASPECTOS NUTRICIONAIS NO ENVELHECIMENTO
ASPECTOS NUTRICIONAIS NO ENVELHECIMENTO
 
Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptx
Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptxApresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptx
Apresentação Projeto de Pesquisa Andriely.pptx
 
Envelhecimento folhetos
Envelhecimento folhetosEnvelhecimento folhetos
Envelhecimento folhetos
 
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptx
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptxObesidade e Fisiologia do Exercício.pptx
Obesidade e Fisiologia do Exercício.pptx
 
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinar
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinarObesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinar
Obesidade é uma doença multifatorial e exige tratamento multidisciplinar
 
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento Multidisciplinar
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento MultidisciplinarObesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento Multidisciplinar
Obesidade é uma Doença Multifatorial e exige Tratamento Multidisciplinar
 
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...
A casualidade da obesidade interfere na saúde,índice de morbidade mortalidade...
 
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptxAvaliação Do Estado Nutricional.pptx
Avaliação Do Estado Nutricional.pptx
 
av nutri ED 2019.pdf
av nutri ED 2019.pdfav nutri ED 2019.pdf
av nutri ED 2019.pdf
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila   avaliação nutricionalApostila   avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricional
 
Apostila avaliação nutricional
Apostila  avaliação nutricionalApostila  avaliação nutricional
Apostila avaliação nutricional
 
Dietas da Moda: Uma Análise Qualitativa
Dietas da Moda: Uma Análise QualitativaDietas da Moda: Uma Análise Qualitativa
Dietas da Moda: Uma Análise Qualitativa
 
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptx
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptxPrograma de Prevenção e controle a obsidade.pptx
Programa de Prevenção e controle a obsidade.pptx
 
Atividade fisica e suas bases nutricionais
Atividade fisica e suas bases nutricionaisAtividade fisica e suas bases nutricionais
Atividade fisica e suas bases nutricionais
 
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida MudadoA Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
A Obesidade devem ser Evitada e Tratada e o Estilo de Vida Mudado
 
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERESLopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
Lopes, 2012 - FATORES ASSOCIADOS AO EXCESSO DE PESO ENTRE MULHERES
 
Sobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e ObesidadeSobrepeso e Obesidade
Sobrepeso e Obesidade
 
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso CorpoAgressão da Obesidade em Nosso Corpo
Agressão da Obesidade em Nosso Corpo
 
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...
AUMENTO DE PESO É COMUM A ANALOGIA COM FORMATOS CLÁSSICOS COMO: DISTRIBUIÇÃO ...
 
A Obesidade
A ObesidadeA Obesidade
A Obesidade
 

Mais de Keylla Tayne

Alimentos organicos
Alimentos organicos Alimentos organicos
Alimentos organicos Keylla Tayne
 
Cartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasCartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasKeylla Tayne
 
Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Keylla Tayne
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavelKeylla Tayne
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idosoKeylla Tayne
 
Habitos alimentares no shopping
  Habitos alimentares no shopping  Habitos alimentares no shopping
Habitos alimentares no shoppingKeylla Tayne
 

Mais de Keylla Tayne (8)

Alimentos organicos
Alimentos organicos Alimentos organicos
Alimentos organicos
 
Cartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasCartilha hortaliças
Cartilha hortaliças
 
Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo
 
Publi alimentos
Publi alimentos Publi alimentos
Publi alimentos
 
Qfa adulto
Qfa adultoQfa adulto
Qfa adulto
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavel
 
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
Alteracoes fisiologicas e anatomicas do idoso
 
Habitos alimentares no shopping
  Habitos alimentares no shopping  Habitos alimentares no shopping
Habitos alimentares no shopping
 

Último

INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Centro Jacques Delors
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfbragamoysesaline
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................mariagrave
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreLeandroLima265595
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 

Último (20)

INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João EudesNovena de Pentecostes com textos de São João Eudes
Novena de Pentecostes com textos de São João Eudes
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdfVIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
VIDA E OBRA , PRINCIPAIS ESTUDOS ARISTOTELES.pdf
 
12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................12_mch9_nervoso.pptx...........................
12_mch9_nervoso.pptx...........................
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 

Avaliação Nutricional de Idoso

  • 1. FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA - FASI 4° PERÍODO DE NUTRIÇÃO DISCIPLINA: AVALIAÇÃO NUTRICIONAL PROFESSOR(A): BRUNA Avaliação nutricional e envelhecimento Dezembro,2013
  • 2. ACADÊMICOS:  Andreia Lima  Fernando  Keylla Tayne  Milene Naianny  Ruth Jessica
  • 3. INTRODUÇÃO Tem-se registrado envelhecimento mundial das populações1. Este fato gera maior necessidade em aprofundar a compreensão sobre o papel da nutrição na promoção e manutenção da independência e autonomia dos idosos. A determinação do diagnóstico nutricional e a identificação dos fatores que contribuem para tal diagnóstico no indivíduo idoso são, portanto, processos fundamentais, mas complexos. A complexidade se deve à ocorrência de diversas alterações, tanto fisiológicas quanto patológicas, além de modificações de aspectos econômicos e de estilo de vida, entre outros, com o avançar da idade.
  • 4. OBJETIVO Contribuir para o estudo nutricional do indivíduo idoso, discutindo os principais aspectos relacionados à avaliação do seu estado nutricional, dando ênfase aos indicadores e critérios de avaliação mais apropriados para esse grupo etário, considerando as modificações inerentes ao processo de envelhecimento.
  • 5. I N D I C A D O R E S D E D I A G N Ó S T I C O N U T R I C I O N A L Exames bioquímicos  albumina,  transferrina,  hematócrito,  hemoglobina,  contagem total de linfócitos,  colesterol total e frações
  • 6. I N D I C A D O R E S D E D I A G N Ó S T I C O N U T R I C I O N A L Sinais clínicos nutricionais  A púrpura senil  cegueira noturna
  • 8. INDICADORES DE DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL Antropométrica:  Peso Equações para estimativa do peso a partir de medidas corporais: Homem: (0,98 x CP) + (1.16 x comprimento da perna) + (1,73 x CB) + (0,37 x PCSE) - 81,69 Mulher: (1,27 x CP) + (0,87 x comprimento da perna) + (0,98 x CB) + (0,4 x PCSE) - 62,35
  • 9.  Altura (decréscimo de 2cm a 3cm/década) As razões para este declínio são: achatamento das vértebras, redução dos discos intervertebrais, cifose dorsal, escoliose, arqueamento dos membros inferiores e/ou achatamento do arco plantar. Equações para estimar estatura de idosos a partir do comprimento da perna: Homem: [2,02 x comprimento da perna] – [0,04 x idade] + 64,19 Mulher: [1,83 x comprimento da perna] – [0,24 x idade] + 84,88
  • 10.  Circunferências Circunferência de braço Circunferência de panturrilha  Dobras cutâneas Prega cutânea subescapular
  • 11. INDICADORES DE DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL  Composição corporal Com o envelhecimento ,ocorre aumento na gordura total e redução de tecido muscular.essas modificações no tecido muscular ocorram,principalmente,em virtude da alimentação da atividade física e da taxa metabólica basal.
  • 12.  Circunferência Muscular do Braço Equação para estimar tecido muscular  Prega cutânea subescapular
  • 13. INDICADORES DE DIAGNÓST ICO NUTRICIONAL  Distribuição de gordura corporal Com o envelhecimento,alem do aumento da gordura corporal,observa-se redistribuição desse tecido,havendo diminuição nos membro e acumulo preferencialmente na região abdominal.
  • 14.  Circunferência da cintura A medida da circunferência da cintura tem sido proposta como um dos melhores preditores antropométricos de gordura visceral. Razão Cintura-Quadril (RCQ)  Outro indicador bastante utilizado na avaliação do tipo de distribuição de gordura corporal é a razão cintura-quadril (RCQ); entretanto, estudos têm encontrado associação moderada entre este indicador e o acúmulo abdominal de gordura.
  • 15.
  • 16. INDICADORES DE DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL  Massa corporal Tem como finalidade avaliar a massa corporal em relação à altura. IMC= Peso (H)2  A OMS propõe a utilização de pontos de corte propostos pra o adulto jovem. o IMC<20kg/m2 é o ponto de corte adotado para classificar o idoso como apresentando magreza.
  • 17. INDICADORES DE DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL  Alterações nos tecidos de elasticidade e compressibilidade Com a perda de água corporal, redução do tecido muscular e diminuição da gordura nos membros, ocorre perda da elasticidade e maior compressibilidade dos tecidos, interferindo na verificação das pregas cutâneas, levando a uma dificuldade de separar tecido adiposo do muscular. Então o uso de fita métrica e medidas de circunferência e recomendado desde que se leve em consideração os limites citados anteriormente.
  • 18. INDICADORES DE DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL  Dados de referência não muito específicos para população idosa  A avaliação nutricional do idoso apresenta limitações também em relação aos dados e padrões de referência para as medidas antropométricas. Atualmente, a OMS recomenda para a avaliação nutricional do indivíduo idoso, inclusive nas nações em desenvolvimento, a utilização dos dados de referência do NHANES III (Tabelas 3 e 4), sem limite superior de idade (60 e mais) e com metodologia padronizada
  • 19.
  • 20.
  • 21. INDICADORES QUE EXPLICAM O DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL  É fundamental que, além da identificação do diagnóstico nutricional, sejam investigados os fatores que podem explicar o diagnóstico encontrado. Isto permitirá uma intervenção nutricional adequado.
  • 22. PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.  Relacionados à idade:  Sensibilidade olfativa diminuída  Sensibilidade gustativa diminuída  Supressão do apetite  Dietéticos:  Ingestão inadequada de alimentos
  • 23. PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.  Médicos:  Doenças  Efeitos farmacológicos  Problemas na cavidade oral  Incapacidade funcional  Psiquiátricos:  Demência  Depressão  Distúrbio de comportamento  Anorexia nervosa  Alcoolismo
  • 24. PRINCIPAIS FATORES QUE INTERFEREM NO ESTADO NUTRICIONAL DO IDOSO.  Sociais: Pobreza Isolamento emocional Viver só Conhecimento nutricional insuficiente  Estilo de vida: Redução da atividade física Tabagismo
  • 25. CONCLUSÃO A avaliação nutricional do idoso necessita ser realizada a partir de uma associação de indicadores, tendo em vista que cada um apresenta limitações, as quais devem ser complementadas. Os critérios de diagnóstico e dados de referência devem ser bastante específicos em razão das alterações que geralmente acompanham o processo de envelhecimento.
  • 26. ''que teu alimento seja seu remédio,e que sue remédio seja seu alimento''