SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Baixar para ler offline
BIODISPONIBILIDADE DOS
NUTRIENTES
Profª. Ana Karla França
Prática dietética II
FDA termo proposto para a área de farmacologia
BIODISPONIBILIDADE
intuito de estabelecer a proporção em que determinada
substância ativa era absorvida na forma farmacêutica (no
caso, medicamento), alcançava a circulação e tornava-se
disponível no sítio de ação
esta razão dependeria do tamanho da partícula, da forma
química da substância e de sua absorção quando
introduzida por via oral
COZZOLINO, 2016
Década de 80 termo começou a ser utilizado também na
área de nutrição
• forma química do nutriente
• quantidade ingerida
• presença de ligantes e de outros nutrientes
• mecanismos homeostáticos que regulam a absorção
(micronutrientes)
simples presença do nutriente no alimento ou dieta não
garantia sua utilização pelo organismo
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
- Inicialmente, a biodisponibilidade  proporção do nutriente que é
digerido, absorvido e metabolizado pelo organismo, capaz de estar
disponível para uso ou armazenamento.
- 1984: O’ Dell (Universidade de Missouri – Columbia) propôs a
definição do termo biodisponibilidade como a proporção do
nutriente nos alimentos que é absorvida e utilizada nos
processos de transporte, assimilação e conversão à forma
biologicamente ativa
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
- O’ Dell também ressaltou a diferença entre os termos:
• absorção verdadeira (a proporção do nutriente nos alimentos que
se move do lúmen intestinal através da mucosa);
• absorção aparente (a diferença entre o conteúdo de nutriente dos
alimentos ingeridos e das fezes);
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
- A ideia da fração do nutriente absorvido para funções fisiológicas
ou de estoque se estendeu até 1997, quando, então na
Conferência Internacional de Biodisponibilidade (Holanda), foi
proposta uma redefinição para o termo biodisponibilidade:
“refere-se à fração de qualquer nutriente ingerido que tem o
potencial para suprir demandas fisiológicas em tecidos alvos”
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
- Nesta mesma Conferência adotou-se ainda a utilização do termo
SLAMANGHI,
proposto em 1996 por West e de Pee, como um mnemônico (técnica
de memorização) para representar os potenciais fatores que
afetavam a biodisponibilidade de carotenóides, cujo significado
representa todos os aspectos que devem ser considerados nos
estudos de biodisponibilidade, e cada letra tem seu significado:
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
S = Species (especificação do nutriente)
L = Linkage (ligação molecular)
A = Amount consumed in a meat (quantidade consumida na
refeição)
M = Matrix in wich the nutrient is incorporated (matriz onde o
nutriente é incorporado)
A = Attenuators of absorption and bioconversion (atenuantes da
absorção e bioconversão)
N = Nutrient status of the host (estado nutricional do hospedeiro)
G = Genetic fators (fatores genéticos)
H = Host related factors (fatores relacionados ao hospedeiro)
I = Interaction (interações)
BIODISPONIBILIDADE
- 2001: Congresso de Biodisponibilidade (Suiça)
estudos devem considerar três aspectos:
. Bioconversão,
. Bioeficácia,
. Bioeficiência
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
 BIOCONVERSÃO:
definida como a proporção do nutriente ingerido que estará
disponível para a conversão em sua forma ativa .
 BIOEFICÁCIA:
definida como a eficiência com a qual os nutrientes ingeridos são
absorvidos e convertidos à forma ativa do nutriente.
 BIOEFICIÊNCIA:
definida como a proporção da forma ativa convertida do nutriente
absorvido que atingirá o tecido alvo.
BIODISPONIBILIDADE
COZZOLINO, 2016
- Ainda hoje, a definição precisa de biodisponibilidade de nutrientes
é complicada, em particular para os micronutrientes, dadas as
diferentes concentrações endógenas (extensivo às diferentes
condições metabólicas decorrentes de doenças), e pela
potencialidade dos numerosos metabólitos bioativos.
- O suprimento das necessidades nutricionais depende da ingestão,
portanto, da dieta.
- Enfim, a alimentação adequada que permite a ingestão de todos os
nutrientes que o organismo precisa em quantidade e qualidade e um
dos principais fatores para a promoção da boa saúde (excessos e
carências).
COZZOLINO, 2016
BIODISPONIBILIDADE
FATORES QUE INTERFEREM NA
BIODISPONIBILIDADE
1. Fatores intrínsecos ou fisiológicos
- Relacionados a capacidade digestória, ou seja, integridade da
mucosa intestinal, eficiência metabólica, função renal.
- Variam: de acordo com idade, presença de desnutrição e/ou
patologias.
A má absorção pode acontecer na presença de desordens
gastrointestinais ou outras doenças especificas.
FATORES QUE INTERFEREM NA
BIODISPONIBILIDADE
2. Fatores extrínsecos ou dietéticos
- Relacionados ao alimento ingerido, à composição química e ao
estado físico no quais os nutrientes se encontram no alimento 
afetam a absorção.
- Essas propriedades podem ser influenciadas pelo efeito do
processamento do alimento, com possíveis consequências na
absorção dos nutrientes.
Alguns componentes da própria refeição podem diminuir ou
aumentar a absorção dos nutrientes; sendo assim, a composição da
dieta é um fator importante.
FATORES QUE INTERFEREM NA
BIODISPONIBILIDADE
3. Forma química/ligações moleculares no qual o nutriente
encontra-se no alimento ou dieta
FATORES QUE INTERFEREM NA
BIODISPONIBILIDADE
4. Quantidade ingerida: o excesso de um nutriente pode interferir
no absorção do outro.
5. Estado nutricional: Geralmente, absorvemos mais quando
nossas reservas estão diminuídas e absorvemos menos o nutriente
quando estamos em condições adequadas ou em excesso.
6. Fatores genéticos:
Exemplo: hemocromatose leva ao aumento na absorção do ferro;
Síndrome de Menkes leva a redução na absorção de cobre.
FATORES QUE INTERFEREM NA
BIODISPONIBILIDADE
7. Interação mineral versus mineral: alguns minerais competem
pelo mesmo sítio de absorção, por possuírem propriedades físicas e
químicas semelhantes.
Exemplo: Ferro e Zinco.
- A aplicação dos conhecimentos relacionados à
biodisponibilidade dos nutrientes no planejamento
dietético favorece o alcance de uma ingestão alimentar
equilibrada para os indivíduos saudáveis e em condições
especiais.
BIODISPONIBILIDADE DE NUTRIENTES E
PLANEJAMENTO DIETÉTICO
- Vitamina C aumenta a absorção do ferro não heme
(vegetal), causando a mudança do estado de oxidação
férrico para ferroso.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina B6 (piridoxina)
Ingestão muito elevada de proteína Absorção da B6
- Vitamina B9 (folato)
Deficiência de B12 prejudica a absorção de B9 (absorção
dependente de B12).
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina A
• Vitamina A (origem animal)
Absorção de 70 a 90%
• Pró vitamina A (carotenoide)
Absorção de 20 a 50%
Vit E
Proteínas
Gorduras Absorção de vit A
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina A
A proteína responsável pelo transporte de vitamina A
(proteína carreadora de retinol) no nosso organismo é
dependente de zinco.
Ou seja, a deficiência de zinco reduz a absorção da
vitamina A.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina D: aumenta a absorção de cálcio e fósforo.
Leite (lactoalbumina)
Ácidos graxos Absorção vit D
Etanol
Fibras absorção da vit D
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina E: absorção é dependente dos sais biliares.
Fumo
Farelo de trigo
Pectina
Excesso de vitamina A absorção da vit E
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Vitamina K: absorção é dependente dos sais biliares e
da formação de micelas.
Álcool
Fumo
Estresse absorção da vit K
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Ferro e Zinco: o aumento de ferro interfere na
biodisponibilidade do zinco, assim como o contrário
também.
- Ferro e Cálcio: o excesso de cálcio diminui a
biodisponibilidade do ferro vegetal.
- Frutose aumenta a absorção do ferro;
- Lactose aumenta a absorção do cálcio.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Zinco e Cálcio: o excesso de cálcio diminui a absorção
de zinco em 50%.
- Zinco e Cobre: o excesso de zinco diminui a
biodisponibilidade de cobre.
- Zinco e Metais pesados (Cd e Hg): metais pesados
(cádmio e mercúrio) podem se complexar ao zinco e ao
selênio no TGI, e dessa forma serem excretados:
1. Diminuindo a toxicidade dos metais pesados;
2. Menor disponibilidade de zinco e selênio;
- Cafeína e Cálcio: excesso de cafeína prejudica a
absorção de cálcio.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Taninos: são compostos fenólicos caracterizados por
sua capacidade de combinar-se com as proteínas e
polímeros como os polissacarídeos.
- Fontes: chás (principalmente mate e preto), café, vinho
tinto, romã, leguminosas (feijões, soja), oleaginosas, etc.
Taninos se ligam ao ferro, zinco, cobre e iodo, formando
compostos insolúveis, não absorvíveis.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Oxalatos (ácido oxálico): formam complexos
insolúveis com cálcio, ferro e zinco, sendo excretados
nas fezes.
- Fontes: espinafre, ruibarbo, beterraba, quiabo, salsinha e
chocolate.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Fitatos (ácido fítico): sequestram minerais como
cobre, magnésio, cálcio, ferro e zinco, formando
compostos insolúveis e não absorvíveis.
- Fontes: fibras do cereais, farelo de trigo, leguminosas,
raízes, tubérculos e castanhas, sobretudo crus.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
- Fibras x minerais: cuidado com excesso de fibras
(principalmente os farelos acrescidos na dieta), pois
diminuem o tempo de trânsito intestinal, prejudicando a
absorção dos minerais.
- Formação de quelatos entre componentes das fibras e
os minerais.
BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
Referências
DISPONIBILIZEI ESTA VERSÃO
EM PDF, NO BLACKBOARD
Leituras recomendadas
GROTTO, H.Z.W. Fisiologia e metabolismo do ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter.
2010;32(Supl. 2):8-17
FIGUEIREDO, S.M.; DIAS, V.A.R.C; RIBEIRO, L.D. Fibras alimentares: combinações
de alimentos para atingir meta de consumo de fibra solúvel/dia. e-scientia, v.2, n.1,
dezembro, 2009
DÚVIDAS???
• A turma deve dividir-se em 5 grupos (detalhes no próximo slide). Os nomes
de todos os alunos do grupo devem estar no slide;
• Cada grupo terá temas a abordar. Tudo será baseado na lista de Alegações de
propriedade funcional aprovadas – ANVISA. Este material está disponível no
Blackboard;
• De acordo com os itens presentes na lista e os temas sorteados, cada grupo
deverá também pesquisar artigos, utilização de alegações em rótulos de
alimentos (usem imagens), citar fontes alimentares dos componentes que
contém as alegações citadas no trabalho, etc;
• Apenas 1 componente do grupo deve enviar o slide até o dia 19/04, por e-
mail (anakarla.franca@unifg.edu.br);
• Ao utilizarem artigos, coloquem as referências;
• Cada grupo terá 20 minutos para se apresentar (dia 20/04);
SEMINÁRIO PARA DIA 20/04 (VALE ATÉ 7 PONTOS)
• GRUPO 1 (8 ALUNOS): ÁCIDOS GRAXOS;
• GRUPO 2 (8 ALUNOS): CAROTENOIDES;
• GRUPO 3 (12 ALUNOS): FIBRAS ALIMENTARES (BETA
GLUCANA, DEXTRINA RESISTENTE,
FRUTOOLIGOSSACARÍDEO - FOS, GOMA GUAR
PARCIALMENTE HIDROLISADA);
• GRUPO 4 (12 ALUNOS): FIBRAS ALIMENTARES (INULINA,
LACTULOSE, POLIDEXTROSE, PSYLLIUM, QUITOSANA);
• GRUPO 5 (9 ALUNOS) : POLIOIS, PROTEÍNA DE SOJA E
FITOSTEROIS.
SEMINÁRIO PARA DIA 20/04 (VALE ATÉ 7 PONTOS)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoLetícia Gonzaga
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaFabiano de Carvalho
 
Guia de nutricao
Guia de nutricaoGuia de nutricao
Guia de nutricaoElias Maman
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Jaqueline Almeida
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfAna Alves
 
Alimentação Saudável para Crianças - ESCA
Alimentação Saudável para Crianças - ESCAAlimentação Saudável para Crianças - ESCA
Alimentação Saudável para Crianças - ESCANelsonys
 
Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de IdosoKeylla Tayne
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietéticaEliane Cristina
 
Proteínas- Bromatologia
Proteínas- BromatologiaProteínas- Bromatologia
Proteínas- BromatologiaRenata Carvalho
 
Alimentos Funcionais
Alimentos FuncionaisAlimentos Funcionais
Alimentos FuncionaisPolly Mendes
 
Aula alimentos funcionais
Aula   alimentos funcionaisAula   alimentos funcionais
Aula alimentos funcionaisnivia mac
 
Macronutrientes
MacronutrientesMacronutrientes
Macronutrientesmarcossage
 
Aula fibras
Aula fibrasAula fibras
Aula fibrasUFPE
 

Mais procurados (20)

Apresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso ClínicoApresentação - Estudo de Caso Clínico
Apresentação - Estudo de Caso Clínico
 
Aulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietéticaAulas de nutrição e dietética
Aulas de nutrição e dietética
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 
Guia de nutricao
Guia de nutricaoGuia de nutricao
Guia de nutricao
 
NUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSONUTRIÇÃO NO IDOSO
NUTRIÇÃO NO IDOSO
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdfaula 3. Dietas hospitalares .pdf
aula 3. Dietas hospitalares .pdf
 
Dietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinaisDietoterapia doenças gastro intestinais
Dietoterapia doenças gastro intestinais
 
Micronutrientes
MicronutrientesMicronutrientes
Micronutrientes
 
Alimentação Saudável para Crianças - ESCA
Alimentação Saudável para Crianças - ESCAAlimentação Saudável para Crianças - ESCA
Alimentação Saudável para Crianças - ESCA
 
Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de Idoso
 
Macronutrientes
MacronutrientesMacronutrientes
Macronutrientes
 
01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética01 noções básicas de nutrição e dietética
01 noções básicas de nutrição e dietética
 
Proteínas- Bromatologia
Proteínas- BromatologiaProteínas- Bromatologia
Proteínas- Bromatologia
 
Alimentos Funcionais
Alimentos FuncionaisAlimentos Funcionais
Alimentos Funcionais
 
Tipos de dietas
Tipos de dietasTipos de dietas
Tipos de dietas
 
Aula alimentos funcionais
Aula   alimentos funcionaisAula   alimentos funcionais
Aula alimentos funcionais
 
Macronutrientes
MacronutrientesMacronutrientes
Macronutrientes
 
Aula fibras
Aula fibrasAula fibras
Aula fibras
 
DRIs
DRIsDRIs
DRIs
 

Semelhante a Fatores que influenciam a biodisponibilidade de nutrientes

A importância das fibras para o paciente diabético
A importância das fibras para o paciente diabéticoA importância das fibras para o paciente diabético
A importância das fibras para o paciente diabéticoAna Paula Lapponi
 
Educação Alimentar
Educação AlimentarEducação Alimentar
Educação Alimentarguestf1aa8e3
 
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...Dr. Benevenuto
 
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)Raphael Ribeiro
 
Nutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota IntestinalNutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota IntestinalLívea Maria Gomes
 
Apresentação bovinos aditivos e ionóforos
Apresentação bovinos   aditivos e ionóforosApresentação bovinos   aditivos e ionóforos
Apresentação bovinos aditivos e ionóforosyasmin MOura
 
A Química dos alimentos
A Química dos alimentosA Química dos alimentos
A Química dos alimentosMarcos Silveira
 
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosMarkinhusSuns
 
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosMarcos Silveira
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptMirianFernandes15
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Rossana Martins
 

Semelhante a Fatores que influenciam a biodisponibilidade de nutrientes (20)

A importância das fibras para o paciente diabético
A importância das fibras para o paciente diabéticoA importância das fibras para o paciente diabético
A importância das fibras para o paciente diabético
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
 
Fibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúdeFibras alimentares e saúde
Fibras alimentares e saúde
 
Microbiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentosMicrobiologia dos alimentos
Microbiologia dos alimentos
 
Educação Alimentar
Educação AlimentarEducação Alimentar
Educação Alimentar
 
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
Probióticos e prebióticos - Diretrizes Mundiais da Organização Mundial de Gas...
 
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)
Probióticos,prebioticos na prevenção de doenças(Grupo Allimenta)
 
Nutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota IntestinalNutrindo a Microbiota Intestinal
Nutrindo a Microbiota Intestinal
 
Mod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo AlimentarMod. 7 - Manejo Alimentar
Mod. 7 - Manejo Alimentar
 
Apresentação bovinos aditivos e ionóforos
Apresentação bovinos   aditivos e ionóforosApresentação bovinos   aditivos e ionóforos
Apresentação bovinos aditivos e ionóforos
 
A Química dos alimentos
A Química dos alimentosA Química dos alimentos
A Química dos alimentos
 
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos Alimentos
 
A Química dos Alimentos
A Química dos AlimentosA Química dos Alimentos
A Química dos Alimentos
 
Joana Mura
Joana MuraJoana Mura
Joana Mura
 
Ib ppt (1)
Ib ppt (1)Ib ppt (1)
Ib ppt (1)
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Minerais.pptx
Minerais.pptxMinerais.pptx
Minerais.pptx
 
S alimentar
S alimentarS alimentar
S alimentar
 
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
Aula 02-alimentacao-e-alteracoes-em-alimentos (1)
 
Fibras em pães
Fibras em pãesFibras em pães
Fibras em pães
 

Mais de Sandra Oliveira Oliveira (12)

Guia alimentar 2008
Guia alimentar 2008Guia alimentar 2008
Guia alimentar 2008
 
Guia alimentar 2008
Guia alimentar 2008Guia alimentar 2008
Guia alimentar 2008
 
Atividade 1 respondida
Atividade 1   respondidaAtividade 1   respondida
Atividade 1 respondida
 
Aula virus (1)
Aula virus (1)Aula virus (1)
Aula virus (1)
 
Iso 14001
Iso 14001Iso 14001
Iso 14001
 
Atividade da apostila
Atividade da apostilaAtividade da apostila
Atividade da apostila
 
Anexo xxvi memorial descritivo da rede publica de esgoto s
Anexo xxvi   memorial descritivo da rede publica de esgoto sAnexo xxvi   memorial descritivo da rede publica de esgoto s
Anexo xxvi memorial descritivo da rede publica de esgoto s
 
Ficha cadastro identificacao da empresa original
Ficha cadastro identificacao da empresa originalFicha cadastro identificacao da empresa original
Ficha cadastro identificacao da empresa original
 
Atividade em sala
Atividade em salaAtividade em sala
Atividade em sala
 
Novo panfleto s&r
Novo panfleto s&rNovo panfleto s&r
Novo panfleto s&r
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
Orçamento
 
Contrato de locação de empilhadeira de prazo determinado
Contrato de locação de empilhadeira de prazo   determinadoContrato de locação de empilhadeira de prazo   determinado
Contrato de locação de empilhadeira de prazo determinado
 

Último

Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....TharykBatatinha
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 

Último (17)

Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
ELETIVA ensino médio / corpo e saude....
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdfAULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
AULA__04_Sinais_Vitais CUIDADOR DE IDOSOS.pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 

Fatores que influenciam a biodisponibilidade de nutrientes

  • 1. BIODISPONIBILIDADE DOS NUTRIENTES Profª. Ana Karla França Prática dietética II
  • 2. FDA termo proposto para a área de farmacologia BIODISPONIBILIDADE intuito de estabelecer a proporção em que determinada substância ativa era absorvida na forma farmacêutica (no caso, medicamento), alcançava a circulação e tornava-se disponível no sítio de ação esta razão dependeria do tamanho da partícula, da forma química da substância e de sua absorção quando introduzida por via oral COZZOLINO, 2016
  • 3. Década de 80 termo começou a ser utilizado também na área de nutrição • forma química do nutriente • quantidade ingerida • presença de ligantes e de outros nutrientes • mecanismos homeostáticos que regulam a absorção (micronutrientes) simples presença do nutriente no alimento ou dieta não garantia sua utilização pelo organismo BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 4. - Inicialmente, a biodisponibilidade  proporção do nutriente que é digerido, absorvido e metabolizado pelo organismo, capaz de estar disponível para uso ou armazenamento. - 1984: O’ Dell (Universidade de Missouri – Columbia) propôs a definição do termo biodisponibilidade como a proporção do nutriente nos alimentos que é absorvida e utilizada nos processos de transporte, assimilação e conversão à forma biologicamente ativa BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 5. - O’ Dell também ressaltou a diferença entre os termos: • absorção verdadeira (a proporção do nutriente nos alimentos que se move do lúmen intestinal através da mucosa); • absorção aparente (a diferença entre o conteúdo de nutriente dos alimentos ingeridos e das fezes); BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 6. - A ideia da fração do nutriente absorvido para funções fisiológicas ou de estoque se estendeu até 1997, quando, então na Conferência Internacional de Biodisponibilidade (Holanda), foi proposta uma redefinição para o termo biodisponibilidade: “refere-se à fração de qualquer nutriente ingerido que tem o potencial para suprir demandas fisiológicas em tecidos alvos” BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 7. - Nesta mesma Conferência adotou-se ainda a utilização do termo SLAMANGHI, proposto em 1996 por West e de Pee, como um mnemônico (técnica de memorização) para representar os potenciais fatores que afetavam a biodisponibilidade de carotenóides, cujo significado representa todos os aspectos que devem ser considerados nos estudos de biodisponibilidade, e cada letra tem seu significado: BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 8. S = Species (especificação do nutriente) L = Linkage (ligação molecular) A = Amount consumed in a meat (quantidade consumida na refeição) M = Matrix in wich the nutrient is incorporated (matriz onde o nutriente é incorporado) A = Attenuators of absorption and bioconversion (atenuantes da absorção e bioconversão) N = Nutrient status of the host (estado nutricional do hospedeiro) G = Genetic fators (fatores genéticos) H = Host related factors (fatores relacionados ao hospedeiro) I = Interaction (interações) BIODISPONIBILIDADE
  • 9. - 2001: Congresso de Biodisponibilidade (Suiça) estudos devem considerar três aspectos: . Bioconversão, . Bioeficácia, . Bioeficiência BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 10.  BIOCONVERSÃO: definida como a proporção do nutriente ingerido que estará disponível para a conversão em sua forma ativa .  BIOEFICÁCIA: definida como a eficiência com a qual os nutrientes ingeridos são absorvidos e convertidos à forma ativa do nutriente.  BIOEFICIÊNCIA: definida como a proporção da forma ativa convertida do nutriente absorvido que atingirá o tecido alvo. BIODISPONIBILIDADE COZZOLINO, 2016
  • 11. - Ainda hoje, a definição precisa de biodisponibilidade de nutrientes é complicada, em particular para os micronutrientes, dadas as diferentes concentrações endógenas (extensivo às diferentes condições metabólicas decorrentes de doenças), e pela potencialidade dos numerosos metabólitos bioativos. - O suprimento das necessidades nutricionais depende da ingestão, portanto, da dieta. - Enfim, a alimentação adequada que permite a ingestão de todos os nutrientes que o organismo precisa em quantidade e qualidade e um dos principais fatores para a promoção da boa saúde (excessos e carências). COZZOLINO, 2016 BIODISPONIBILIDADE
  • 12. FATORES QUE INTERFEREM NA BIODISPONIBILIDADE 1. Fatores intrínsecos ou fisiológicos - Relacionados a capacidade digestória, ou seja, integridade da mucosa intestinal, eficiência metabólica, função renal. - Variam: de acordo com idade, presença de desnutrição e/ou patologias. A má absorção pode acontecer na presença de desordens gastrointestinais ou outras doenças especificas.
  • 13. FATORES QUE INTERFEREM NA BIODISPONIBILIDADE 2. Fatores extrínsecos ou dietéticos - Relacionados ao alimento ingerido, à composição química e ao estado físico no quais os nutrientes se encontram no alimento  afetam a absorção. - Essas propriedades podem ser influenciadas pelo efeito do processamento do alimento, com possíveis consequências na absorção dos nutrientes. Alguns componentes da própria refeição podem diminuir ou aumentar a absorção dos nutrientes; sendo assim, a composição da dieta é um fator importante.
  • 14. FATORES QUE INTERFEREM NA BIODISPONIBILIDADE 3. Forma química/ligações moleculares no qual o nutriente encontra-se no alimento ou dieta
  • 15. FATORES QUE INTERFEREM NA BIODISPONIBILIDADE 4. Quantidade ingerida: o excesso de um nutriente pode interferir no absorção do outro. 5. Estado nutricional: Geralmente, absorvemos mais quando nossas reservas estão diminuídas e absorvemos menos o nutriente quando estamos em condições adequadas ou em excesso. 6. Fatores genéticos: Exemplo: hemocromatose leva ao aumento na absorção do ferro; Síndrome de Menkes leva a redução na absorção de cobre.
  • 16. FATORES QUE INTERFEREM NA BIODISPONIBILIDADE 7. Interação mineral versus mineral: alguns minerais competem pelo mesmo sítio de absorção, por possuírem propriedades físicas e químicas semelhantes. Exemplo: Ferro e Zinco.
  • 17. - A aplicação dos conhecimentos relacionados à biodisponibilidade dos nutrientes no planejamento dietético favorece o alcance de uma ingestão alimentar equilibrada para os indivíduos saudáveis e em condições especiais. BIODISPONIBILIDADE DE NUTRIENTES E PLANEJAMENTO DIETÉTICO
  • 18. - Vitamina C aumenta a absorção do ferro não heme (vegetal), causando a mudança do estado de oxidação férrico para ferroso. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 19. - Vitamina B6 (piridoxina) Ingestão muito elevada de proteína Absorção da B6 - Vitamina B9 (folato) Deficiência de B12 prejudica a absorção de B9 (absorção dependente de B12). BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 20. - Vitamina A • Vitamina A (origem animal) Absorção de 70 a 90% • Pró vitamina A (carotenoide) Absorção de 20 a 50% Vit E Proteínas Gorduras Absorção de vit A BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 21. - Vitamina A A proteína responsável pelo transporte de vitamina A (proteína carreadora de retinol) no nosso organismo é dependente de zinco. Ou seja, a deficiência de zinco reduz a absorção da vitamina A. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 22. - Vitamina D: aumenta a absorção de cálcio e fósforo. Leite (lactoalbumina) Ácidos graxos Absorção vit D Etanol Fibras absorção da vit D BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 23. - Vitamina E: absorção é dependente dos sais biliares. Fumo Farelo de trigo Pectina Excesso de vitamina A absorção da vit E BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 24. - Vitamina K: absorção é dependente dos sais biliares e da formação de micelas. Álcool Fumo Estresse absorção da vit K BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 25. - Ferro e Zinco: o aumento de ferro interfere na biodisponibilidade do zinco, assim como o contrário também. - Ferro e Cálcio: o excesso de cálcio diminui a biodisponibilidade do ferro vegetal. - Frutose aumenta a absorção do ferro; - Lactose aumenta a absorção do cálcio. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 26. - Zinco e Cálcio: o excesso de cálcio diminui a absorção de zinco em 50%. - Zinco e Cobre: o excesso de zinco diminui a biodisponibilidade de cobre. - Zinco e Metais pesados (Cd e Hg): metais pesados (cádmio e mercúrio) podem se complexar ao zinco e ao selênio no TGI, e dessa forma serem excretados: 1. Diminuindo a toxicidade dos metais pesados; 2. Menor disponibilidade de zinco e selênio; - Cafeína e Cálcio: excesso de cafeína prejudica a absorção de cálcio. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 27. - Taninos: são compostos fenólicos caracterizados por sua capacidade de combinar-se com as proteínas e polímeros como os polissacarídeos. - Fontes: chás (principalmente mate e preto), café, vinho tinto, romã, leguminosas (feijões, soja), oleaginosas, etc. Taninos se ligam ao ferro, zinco, cobre e iodo, formando compostos insolúveis, não absorvíveis. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 28. - Oxalatos (ácido oxálico): formam complexos insolúveis com cálcio, ferro e zinco, sendo excretados nas fezes. - Fontes: espinafre, ruibarbo, beterraba, quiabo, salsinha e chocolate. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 29. - Fitatos (ácido fítico): sequestram minerais como cobre, magnésio, cálcio, ferro e zinco, formando compostos insolúveis e não absorvíveis. - Fontes: fibras do cereais, farelo de trigo, leguminosas, raízes, tubérculos e castanhas, sobretudo crus. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 30. - Fibras x minerais: cuidado com excesso de fibras (principalmente os farelos acrescidos na dieta), pois diminuem o tempo de trânsito intestinal, prejudicando a absorção dos minerais. - Formação de quelatos entre componentes das fibras e os minerais. BIODISPONIBILIDADE DOS MICRONUTRIENTES
  • 32. Leituras recomendadas GROTTO, H.Z.W. Fisiologia e metabolismo do ferro. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. 2010;32(Supl. 2):8-17 FIGUEIREDO, S.M.; DIAS, V.A.R.C; RIBEIRO, L.D. Fibras alimentares: combinações de alimentos para atingir meta de consumo de fibra solúvel/dia. e-scientia, v.2, n.1, dezembro, 2009
  • 34. • A turma deve dividir-se em 5 grupos (detalhes no próximo slide). Os nomes de todos os alunos do grupo devem estar no slide; • Cada grupo terá temas a abordar. Tudo será baseado na lista de Alegações de propriedade funcional aprovadas – ANVISA. Este material está disponível no Blackboard; • De acordo com os itens presentes na lista e os temas sorteados, cada grupo deverá também pesquisar artigos, utilização de alegações em rótulos de alimentos (usem imagens), citar fontes alimentares dos componentes que contém as alegações citadas no trabalho, etc; • Apenas 1 componente do grupo deve enviar o slide até o dia 19/04, por e- mail (anakarla.franca@unifg.edu.br); • Ao utilizarem artigos, coloquem as referências; • Cada grupo terá 20 minutos para se apresentar (dia 20/04); SEMINÁRIO PARA DIA 20/04 (VALE ATÉ 7 PONTOS)
  • 35. • GRUPO 1 (8 ALUNOS): ÁCIDOS GRAXOS; • GRUPO 2 (8 ALUNOS): CAROTENOIDES; • GRUPO 3 (12 ALUNOS): FIBRAS ALIMENTARES (BETA GLUCANA, DEXTRINA RESISTENTE, FRUTOOLIGOSSACARÍDEO - FOS, GOMA GUAR PARCIALMENTE HIDROLISADA); • GRUPO 4 (12 ALUNOS): FIBRAS ALIMENTARES (INULINA, LACTULOSE, POLIDEXTROSE, PSYLLIUM, QUITOSANA); • GRUPO 5 (9 ALUNOS) : POLIOIS, PROTEÍNA DE SOJA E FITOSTEROIS. SEMINÁRIO PARA DIA 20/04 (VALE ATÉ 7 PONTOS)