SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
Baixar para ler offline
Saúde do Idoso
Alterações Fisiológicas e
Anatômicas do Envelhecimento
Universidade Mogi das Cruzes – UMC
Profª Andrea Siqueira
Composição e Forma do Corpo
Estatura
• Redução de 1cm por década a partir dos 40 anos
Etiologias:
-Redução dos arcos dos pés;
-Aumento da curvatura da coluna;
-Alteração dos discos intervertebrais;
-Não há alterações no tamanho dos ossos longos.
Aumento dos diâmetros da caixa torácica e do
crânio
Aumento da pavilhão auditivo
Aumento do Nariz
PELE
-Atrofia em grau variável, com adelgaçamento difuso, secura e
pregueamento (aspecto de papel de seda);
-Tonalidade ligeiramente amarelada, com perda de elasticidade e do
turgor.
EPIDERME
-Redução da espessura por diminuição do nº de células, podendo
ocorrer  do nº de camadas celulares do estrato espinhoso;
-Células da camada basal e espinhosa com alterações do volume e
forma e por vezes com disposição desordenada;
-Redução do ¨turn-over celular¨:  no tempo para substituição do estrato
córneo e portanto  no tempo de reepitelização;
-Perda da função da barreira por redução dos lipídios do estrato córneo
(aspecto de pele seca, opaca e descamativa);
-Menores traumas causam equimoses, manchas vermelhas ou púrpuras;
-Manhas senis: hiperpigmentadas, marrons, lisas e achatadas.
DERME
-Perda da elasticidade (elastina fica mais fina / ¨porosa¨);
-Redução da espessura: atrofia;
-Surgimento de rugas ( modificação de gorduras subcutâneas e a perda
da elasticidade);
-Redução de glândulas sudoríparas e sebáceas: pele seca e áspera,
mais sujeita a infecções e mais sensível a mudanças de temperatura;
-Redução do tecido subcutâneo: diminuição de fibroblastos e da
vascularização.
Consequências: redução da elasticidade, da resistência e do
turgor da pele; enrugamento, pele frouxa e pendente;  da
sensibilidade; fluxo sanguíneo  e termorregulação prejudicada.
PÊLOS
-Redução geral em todo corpo, exceto: narinas, sobrancelhas e orelhas;
-Sexo feminino: surgimento de pêlos em mento e lábio superior:
hiperandrogenismo;
-Perda da pigmentação dos pêlos (¨cabelos brancos¨);
-Inativação de células do bulbo capilar: queda de pêlos, calvície;
-Os pêlos do corpo são os primeiros que diminuem e a seguir os
pubianos e axilares.
UNHAS
-Tornam-se frágeis com perda de brilho e surgimento de estriações
longitudinais e descolamento;
-Unhas dos pés com alterações de espessura e opacificação e/ou áreas
de escurecimento da lâmina são frequentes por anormalidades
ortopédicas que se agravam com a idade;
-O grau de crescimento das unhas diminui progressivamente e se torna
igual em ambos os sexos.
TEMPERATURA CORPORAL
-Regulação Homeostática da temperatura corporal e habilidade de
adaptar a diferentes ambientes térmicos deteriora com a idade
avançada;
-Prejuízo de manter a temperatura corporal;
-Sudorese é também prejudicada no idoso;
-Aumento da temperatura em resposta a pirógenos é alterada.
ALTERAÇÕES HÍDRICAS
-Redução dos reflexos de sede e fome;
-Redução da água corporal total;
-Perda de água intracelular;
-Importância deste conhecimento na administração de drogas hidro e
lipossolúveis.
ALTERAÇÕES DE MÚSCULOS OSSOS E
ARTICULAÇÕES
ALTERAÇÕES DE MÚSCULOS, OSSOS E
ARTICULAÇÕES
-As alterações aparecem mais rapidamente;
-Todos os músculos do organismo em especial a dos troncos e das extremidades se
atrofiam com o tempo, o que leva a uma deterioração do tônus muscular e a uma
perda da potência, força e agilidade;
-O peso total dos músculos diminui para a metade entre 30 e70 anos (o
envelhecimento muscular é o resultado da atrofia das fibras musculares e do
aumento do tecido gordo no interior dos músculos;
-As articulações sofrem alterações, os ligamentos calcificam-se, ossificam-se e as
articulações tornam-se menores devido a erosão das superfícies articulares;
-Mesmo conservando sua aparência os ossos sofrem modificações, o processo de
reabsorção do cálcio sofre um desequilíbrio e o tecido ósseo se torna mais poroso e
frágil por uma desminerilização constante de massa e densidade óssea (este
fenômeno ligado a senescência é denominado osteoporose; também responsável
pela perda de dentes;
O  da reabsorção óssea dos maxilares e da mandíbula acentua-se com a queda dos
dentes. Reduz-se a distância entre o queixo e o nariz e os dentes migram para trás,
modificando com o tempo a fisionomia do idoso.
-A redução de altura também ocorre devido a diminuição dos espaços
intervertebrais, que começa a partir dos 50 anos, e ocorre, também,a acentuação da
curva natural da coluna vertebral denominada cifose (equilíbrio para o idoso). Nas
mulheres os seios tornam-se pendentes, atrofiam-se e os mamilos ficam
umbilicados.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E ANATÔMICAS DO
ENVELHECIMENTO DO SNC
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E ANATÔMICAS DO
ENVELHECIMENTO DO SNC
• Capacidade reparadora do SNC
-Neurônios: células altamente diferenciadas e especializadas,
estáveis estruturalmente.
-SNC não dispõe de capacidade reparadora (neurônios não
podem se reproduzir, não se remielinizam-se e os vasos
sanguíneos cerebrais apresentam capacidade limitada para
recuperação estrutural).
• Alterações anatômicas do SNC
-Atrofia cerebral (com redução de 5% à 10% do peso cerebral).
-Aumento dos sulcos em detrimentos dos giros.
-Aumento do tamanho dos ventrículos cerebrais.
Aspectos clínicos: atrofia cerebral e redução do volume
encefálico. Maior risco de hemorragias subdurais em traumas
encefálicos direto ou indiretos.
• Alterações estruturais do SNC
-Depósito de lipofucsina (lipocromo ou pigmento de desgaste)
-Placas senis.
•Alterações Morfofuncionais
-Acúmulo de lipofucsina.
-Redução de neurônio.
-Retração do corpo celular dos grandes neurônios.
•Sensibilidade
-Alteram sensibilidade tátil e dolorosa.
-Limiar para a dor aumenta e a sensibilidade dolorosa
cutânea e visceral diminui.
-Perda de sensação vibratória
• Alterações bioquímicas:
-Redução de níveis de acetilcolamina, receptores
colinérgicos, ácido gama-aminobutírico; serotonina,
catecolaminas, dopaminas......
-Declínio da função sináptica.
Memória
•Memória:
-Campo de controvérsia;
-Aquisição e retenção de novas informações em indivíduos  60
anos, tornam-se mais difíceis???
-O fluxo de informação é dificultado, principalmente a
transferência de novas informações para a memória secundária;
-Alterações das conexões do hipocampo com as áreas de
aprendizagem;
-Esquecimento senescente benigno X fase inicial de Alzheimer
(Alteração patológica ou fisiológica????)
. Diagnóstico diferencial das queixas da memória
-Quadros demenciais
-Delirium
-Quadros depressivos
-Deficiência de Vitamina (B12, ácido fólico e tiamina)
-Desatenção
-Esquecimento senil benigno ou fisiológico
. Alterações Fisiológicas do sono
-Alteração da qualidade e quantidade
-Maior fragmentação
-Latência prolongada
-Redução do estágio 4
-Redução do sono REM
-Sono mais superficial
. Causas mais frequentes de insônia no idoso
-Ambientais
-Depressão
-Delirium
-Demências
-Apnéia do sono
-Dor crônica
-DPOC
-ICC
-Noctúria
-Drogas
-Distúrbios Dispépticos
-Fecaloma
-Distúrbios do ritmo circadiano
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA CARDIOVASCULARES
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA CARDIOVASCULARES
. Aspectos Gerais
-Nº de células miocárdicas não aumenta após desenvolvimento
neonatal;
-Alterações bioquímicas e anatômicas com o envelhecimento, mas
podem ser por doenças ou relacionadas ao estilo de vida;
-Elevada incidência de doenças cardiovasculares.
. Miocárdio
-Depósito intracelular de lipofucsina;
-Degeneração muscular, com substituição de células miocárdicas por
tecido fibroso, que podem ser semelhantes às alterações decorrentes de
isquemia;
-Aumento da resistência vascular periférica pode levar a moderada
hipertrofia miocárdica concêntrica, sobretudo de câmara ventricular
esquerda.
. Alterações valvulares
-Tecido valvar é predominantemente colágeno;
-Envelhecimento: degenerações, espessamento, calcificações.
. Alterações da valva aórtica
-Mais frequentes: calcificação;
-Menos frequente: acúmulo de lípides, fibrose e degeneração colágena.
. Alterações vasculares
Aorta
-Arteriosclerose;
-Aumento de colágeno;
-Atrofia, descontinuidade e desorganização das fibras elásticas;
-Deposição do cálcio;
-Redução de elasticidade, rigidez na parede aórtica.
. Alterações de artérias coronárias
-Arteriosclerose;
-Perda de tecido elástico;
-Aumento de colágeno;
-Depósitos de lípides com espessamento de camada média;
-Tortuosidade dos vasos;
-Calcificações.
. Alterações funcionais
-Limitação da performance durante atividades físicas;
-Redução do débito cardíaco em repouso e esforço;
-Redução do aumento da frequência cardíaca;
-Maior risco de hipotensão ortostática.
. Hipotensão ortostática
Importância em geriatria
-Causa frequente de tonteiras e quedas no idoso;
-Prevalência em torno de 6% nos idosos saudáveis e de 11% a 33%
em pacientes com múltiplas doenças e/ou medicações;
-Associação a perda funcional, redução da reabilitação e da qualidade
de vida.
Etiologia
-Medicamentos (hipotensores, levodopa, fenotiazinas, álcool,
sedativos, antidepressivos, vasodilatadores.......);
-Desidratação;
-Anemia;
-Desnutrição;
-Distúrbios hidroeletrolítico;
-Descondicionamento físico.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA RESPIRATÓRIO
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA RESPIRATÓRIO
. Aspectos Gerais
-Frequente associação a patologias;
-Vários fatores associados agravam o processo de envelhecimento:
tabagismo, poluição ambiental, exposição ocupacional, doenças
pulmonares, diferenças socioeconômicas, constitucionais e raciais.
. Principais alterações fisiológicas
-Redução da elasticidade pulmonar;
-Enrijecimento da parede torácica;
-Redução da potência motora e muscular;
-Redução do peso pulmonar em cerca de 21%;
-Estreitamento dos bronquíolos;
-Achatamento de sacos alveolares.
. Alterações estruturais da parede torácica
-Enrijecimento do gradeado costal;
-Redução da complacência e distensibilidade pulmonar (pior nos idosos
acamados, com alterações posturais e inatividade física);
-Hipercifose torácica pode estar associada.
. Alterações estruturais musculares
-Substituição adiposa do tecido muscular;
-Redução da massa e potência muscular (sobretudo no idoso inativo ou
imóvel);
-Atrofia muscular e redução da força muscular;
-Rigidez do gradeado costal determina maior participação do diafragma
e musculatura abdominal;
-Fatores de risco piora da função respiratória e risco de infecção:
imobilidade, desnutrição ou obesidade, doenças pulmonares associadas,
doenças cardiovasculares associadas, doenças neuromusculares.
Importância de medidas de reabilitação: fisioterapia
respiratória, programas de atividades físicas e
mobilização no leito, nutrição adequada
. Atividades físicas
-Redução da capacidade para atividades físicas: aumento do consumo
de oxigênio, redução da capacidade ventilatório, redução do débito
cardíaco.
. Alterações fisiológicas ao exame físico
-Redução da expansão torácica, levando a aumento do volume residual
e da pressão intratorácica;
-Aumenta a cifose torácica;
-Pode haver redução do murmúrio vesicular;
-Crepitações bibasais podem ser fisiológicas;
-Aumento de frequência respiratória (taquipnéia) é um grande sinal do
idoso.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA DIGESTÓRIO
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO SISTEMA DIGESTÓRIO
. Envelhecimento do sistema digestório
-De maneira geral: redução da motilidade, na secreção e capacidade de absorção;
- Felizmente, a reserva destes órgãos é tão grande que as reduções nos parâmetros
fisiológicos não costumam resultar em deficiência real da função.
. Alterações fisiológicas da cavidade oral
-Mucosa oral: atrófica (tênue), lisa e ressecada, menos elástica e mais suceptível a
lesões.
-Língua: redução das papilas filiformes, redução do paladar;
-Dentes: a perda dos dentes depende, além do envelhecimento, de fatores
extrínsecos: hábitos, ocupação, dieta, oclusão dentária e composição dos dentes.
. Aspectos clínicos
Cavidade Oral
-Redução da massa muscular: pode comprometer a mastigação e deglutição;
-Redução do paladar: pode reduzir a ingesão de alimentos e contribuir para
perda de peso e desnutrição;
-Estomatites, monilíase oral;
-Carcinoma.
Disfagia orofaríngea
-Sinais: regurgitação nasal de alimentos, engasgos frequentes, aspirações;
-Sintomas mais severos com líquidos;
-Etiologias:
-Carcinoma faríngeo
-Dças do SNC (Parkinson, demências, AVC, tumores)
-Dças endócrinas: DM, hipotiredoidismo
-Laringectomia
-Medicamentos
-Alterações do esfíncter superior do esôfago.
. Aspectos clínicos
Alterações do estômago
-Discreta a moderada redução do esvaziamento gástrico;
-Pode haver prejuízo e efeitos dedrogas, que permanecem mais tempo no meio
ácido;
-Redução da secreção de ácido clorídrico (hipo ou acloridria), provavelmente
por redução de células parietais;
-Redução da secreção da pepsina;
- prevalência de colonização pelo H. pylori (75%).
Alterações do pâncreas
-Redução do peso;
-Proliferação do epitélio ductal e formação de cistos;
-Redução de secreção de lipase e bicarbonato.
Envelhecimento do pâncreas endócrino
-Os níveis séricos de insulina aumentam com a idade, mas a sensibilidade a
esta diminui, podendo resultar em testes de tolerância à glicosa anormais;
-Diminui a degradação da insulina;
-Redução do nº de receptores da insulina na membrana celular de tecidos
alvos;
-Redução da velocidade de liberação da insulina.
Alterações do Intestino Delgado
-Estudos escassos e controversos;
-Redução da altura das vilosidades da mucosa.
Alterações do cólon
-Atrofia da mucosa;
-Anormalidades morfológicas das glândulas
-Redução da distensibilidade (redução de colágeno e elastina).
Alterações do reto e ânus
-Espessamento e alterações estruturais do tecido colágeno;
-Redução da força muscular e esfincter anal esterno;
-Redução da elasticidade e sensibilidade retal.
Aspectos clínicos:
-Redução da capacidade de retenção fecal (risco de incontinência fecal) por
fatores extrínsecos e intrínsecos;
-Intrínsecos: alterações fisiológicas
-Extrínsecos: déficit cognitivo, impactação fecal, AVC, neuropatias (diabética,
alcoólica...), imobilidade, etc.
Alterações hepáticas:
-Redução do fluxo sanguíneo hepático;
-Depósitos de lipofucsina;
Aspectos clínicos:
-Alteração da metabolização de drogas;
-Alteração do metabolismo de primeira passagem.
Vesícula Biliar:
-A incidência de doença biliar e cálculos aumenta com o avançar da idade;
-A sensibilidade da vesícula diminui.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO APARELHO GENITO-URINÁRIO
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS
DO APARELHO GENITO-URINÁRIO
. Alterações renais:
-Redução do peso renal (cerca de 30%);
-Redução do nº de glomérulos;
-Espessamento da membrana basal ;
-Redução da filtração glomerular;
-Esclerose dos vasos renais.
-Repercussões clínicas:
-Torna o idoso mais suscetível à Insuficiência Renal aguda caso ocorra qualquer
insulto nefrotóxico ou isquêmico;
Redução da excreção de drogas, com necessidades de ajustes posológicos: menores
doses e intervalos maiores;
-Evitar drogas nefrotóxicas.
. Alterações ureterais:
- Alterações da motilidade;
-Alterações vesicais:
-Aumento do volume residual;
-Redução da capacidade de armazenar urina.
-Aspectos clínicos das alterações vesicais:
-Maior risco de infecções urinárias (que aumentam também no sexo masculino);
-Risco de incontinência urinária (existem várias etiologias associadas);
-No homem: aumento de próstata eleva riscos de infecção e incontinência.
-Aspectos uretrais:
-Homens: compressão extrínseca pela próstata aumentada;
-Mulheres: atrofia uretral : risco de algúria, hematúria microcóspica, ITU.
. Alterações sexuais:
Sexo masculino
-Maior tempo para atingir ereção completa;
-Maior necessidade de estimulação direta do pênis;
-Retardo da ejaculação;
-Perda rápida da ereção após a ejaculação;
-Maior dificuldade em manter a ereção durante a relação;
-Redução da libido;
-Redução da frequência sexual.
-Aspectos clínicos:
-Arterosclerose é principal causa obstrutiva vascular no idoso;
-Redução da elasticidade do tecido dos corpos cavernosos;
-Neuropatias periféricas: diabetes, alcóolismo...
-HAS;
-Cirurgias pélvicas: sobretudo cirurgia radical de próstata;
-Depressão, déficits cognitivos, distúrbios emocionais, co-morbidades, drogas.
. Alterações sexuais:
Sexo feminino
-Redução da lubrificação vaginal;
-Redução da libido;
-Atrofia vaginal e uretral;
-Pode haver dor, desconforto e sangramento nas relações;
-Redução da frequência sexual.
-Aspectos clínicos:
-Reposição hormonal;
-Lufrificação artificial;
-Co-morbidades levam a maior limitação da sexualidade;
-Aspectos psicológicos, dependência e submissão marital, herança familiar e
criação: grandes repercussões na sexualidade feminina.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS
RELACIONADAS À FARMACOLOGIA
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS
RELACIONADAS À FARMACOLOGIA
FARMACOCINÉTICA x FARMACODINÂMICA
• Farmacocinética
- Absorção, distribuição, metabolismo e excreção das drogas;
- Conjunto de alterações sofridas pelas drogas.
• Farmacodinâmica
- Mecanismos implicados na ação das drogas.
ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS
- Interferências na Absorção:
. Redução da secreção de ácido gástrico (hipocloridria,
acloridria);
.  esvaziamento gástrico  retarda a absorção e/ou aumenta
degradação da droga pode determinar a inativação de algumas
drogas;
. Alteração da absorção decorrentes de administração
concomitante de medicações.
Ex.: antiácidos  cimetidina e derivados imidazólicos
- Alterações Intestinais:
. Aceleração do trânsito intestinal (reduz absorção);
. Lentificação d trânsito intestinal (aumento absorção);
. Controvérsias: influências da redução das vilosidades intestinais, com
redução da área da superfície da mucosa.
- Interferência na Absorção:
. Redução da circulação êntero-hepática (sobretudo nas reduções do
débito cardíaco),  de absorção dos medicamentos que precisam do
metabolismo de primeira passagem no fígado;
. Aterosclerose associada reduz mais ainda o fluxo sanguíneo.
Alterações patológicas
Interferências na Absorção:
. Edema Intestinal.
. Doenças Agudas (ex. infecções).
. Gastrectomia, enterites, síndromes de má absorção: redução na
absorção de ferro, ácido fólico, vitamina B12, corticosteróides, digoxia.
Interferência na Distribuição:
. Redução da massa muscular.
. Aumento do tecido adiposo.
. Redução do líquido corporal.
. Redução da albumina sérica.
Interferência no Metabolismo
. Redução da função hepática (oxidação, metabolismo de primeira
passagem).
.  fase I metabolismo: drogas que inibem ou induzem a atividade
hepática.
. Redução da função renal.
Interferências na Excreção
. Drogas lipossolúveis: maior reabsorção renal.
. Redução da filtração glomerular em 35% à 50% (redução do nº de
néfrons, redução do fluxo plasmático, redução do peso renal).
. Creatinina não é um bom marcador da função renal no idoso.
. Redução da massa muscular, que reduz a produção de creatinina.
Principais Patologias que interferem na Farmacocinética:
-Desnutrição
-ICC
-Insuficiência renal e hepática
-Infecções
-Uso de múltiplas drogas
Farmacodinâmica - Interferências:
-Não tão bem estudada como a Farmacocinética
-Maior sensibilidade do SNC à ação de drogas Benzodiazepínicas
-Maior sensibilidade a anticoagulantes
-Maior sensibilidade a várias drogas decorrentes de:  da hipotensão
ortostática, maior disfunção vesical e intestinal, menor controle postural
(alteração da barorregulação), dificuldade de termorregulação,  da
intolerância a glicose, alteração de sensibilidade à ação enzimática,
resposta imunitária, particularmente a celular.
-Devido às alterações fisiológicas, farmacocinéticas e farmacodinâmicas:
redução da janela terapêutica do idoso; Dose terapêutica  Dose tóxica.
Dúvidas????

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.luzienne moraes
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMERilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)Tania Jesus
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idosoidaval_1
 
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idade
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idadeVelhice, idoso, envelhecimento e terceira idade
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idadeAbraão França
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaCarla Couto
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do IdosoMaria Dias
 
Prevenção de-quedas-no-idoso
Prevenção de-quedas-no-idosoPrevenção de-quedas-no-idoso
Prevenção de-quedas-no-idosopatyrosa
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Ana Hollanders
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"Tainá Martins
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoCíntia Monique
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoAnabelazita
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idososNome Sobrenome
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia Stefane Rayane
 

Mais procurados (20)

Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Saúde do Idoso
Saúde do IdosoSaúde do Idoso
Saúde do Idoso
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)Aula 2   cuidados de saúde do idoso (2)
Aula 2 cuidados de saúde do idoso (2)
 
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
56987304 alteracoes-fisiologicas-e-anatomic-as-do-idoso
 
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idade
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idadeVelhice, idoso, envelhecimento e terceira idade
Velhice, idoso, envelhecimento e terceira idade
 
Epidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimentoEpidemiologia do envelhecimento
Epidemiologia do envelhecimento
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1Fundamentos De Gerontologia Parte 1
Fundamentos De Gerontologia Parte 1
 
Alterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimentoAlterações fisiológicas do envelhecimento
Alterações fisiológicas do envelhecimento
 
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria   Saúde do IdosoEnfermagem em Geriatria   Saúde do Idoso
Enfermagem em Geriatria Saúde do Idoso
 
Prevenção de-quedas-no-idoso
Prevenção de-quedas-no-idosoPrevenção de-quedas-no-idoso
Prevenção de-quedas-no-idoso
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico""Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
"Atenção à Saúde do Idoso: Exame Físico"
 
Enfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idosoEnfermagem atencao saude idoso
Enfermagem atencao saude idoso
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Causas e consequências de quedas de idosos
Causas e consequências de  quedas de idososCausas e consequências de  quedas de idosos
Causas e consequências de quedas de idosos
 
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia  QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
QUALIDADE DE VIDA geriatria e gerontologia
 

Destaque

Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marceloSione Leiras
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceLigia Coppetti
 
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui GriloSexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui GriloRui Grilo
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimentoagemais
 
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarFisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarwinniciuz
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeGreicy Kapisch
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadelucia_nunes
 
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 0223433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02Sander Santiago
 
Doenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idososDoenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idososAdrianaCurtinaz
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidAna Paula Oliveira
 

Destaque (18)

Fisiologia do envelhecimento marcelo
Fisiologia do envelhecimento  marceloFisiologia do envelhecimento  marcelo
Fisiologia do envelhecimento marcelo
 
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - VelhiceFases do desenvolvimento humano - Velhice
Fases do desenvolvimento humano - Velhice
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
Terceira Idade
Terceira IdadeTerceira Idade
Terceira Idade
 
Trabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do IdosoTrabalho sobre Saúde do Idoso
Trabalho sobre Saúde do Idoso
 
Idoso
IdosoIdoso
Idoso
 
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui GriloSexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
Sexualidade e Envelhecimento - Rui Grilo
 
O CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSOO CORAÇÃO DO IDOSO
O CORAÇÃO DO IDOSO
 
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do EnvelhecimentoTeorias Biologicas Do Envelhecimento
Teorias Biologicas Do Envelhecimento
 
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonarFisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
Fisiologia do envelhecimento cárdio pulmonar
 
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTOSEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
SEXUALIDADE E ENVELHECIMENTO
 
Envelhecimento
EnvelhecimentoEnvelhecimento
Envelhecimento
 
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira IdadeO Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
O Idoso, Suas Teorias e as Principais Modificações da Terceira Idade
 
Os idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedadeOs idosos na nossa sociedade
Os idosos na nossa sociedade
 
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 0223433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
23433882 aula-fisiologia-do-envelhecimento-pos-gerontologia 02
 
Doenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idososDoenças respiratórias nos idosos
Doenças respiratórias nos idosos
 
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slidEnfermagem na assistencia ao idoso slid
Enfermagem na assistencia ao idoso slid
 
Enfermagem do idoso
Enfermagem do idosoEnfermagem do idoso
Enfermagem do idoso
 

Semelhante a Alterações do corpo e saúde do idoso

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4Gustavo Henrique
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptjudsonzaidan
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptmarciaenfermagem27
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptValdimiro Cardoso
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.pptprofigorcursos
 
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Dani Drp
 
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdfAULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptxPRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptxnagelasouza1
 
Pé Diabético- Neuropatia
Pé Diabético- NeuropatiaPé Diabético- Neuropatia
Pé Diabético- NeuropatiaBrunno Rosique
 
Sistema urinario Profa Fabiana Elias
Sistema urinario Profa Fabiana EliasSistema urinario Profa Fabiana Elias
Sistema urinario Profa Fabiana EliasFabiana Elias
 
Oa ipemed parte i junho 2019
Oa  ipemed parte i   junho 2019Oa  ipemed parte i   junho 2019
Oa ipemed parte i junho 2019Maria Pippa
 
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdf
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdfSistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdf
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdfAmandaSilva997038
 

Semelhante a Alterações do corpo e saúde do idoso (20)

SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
SAÚDE DO IDOSO ENFERMAGEM 4
 
Radiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica PediátricaRadiologia Ortópédica Pediátrica
Radiologia Ortópédica Pediátrica
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppta saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
a saude do idoso e o processo de envelhecimento.ppt
 
Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) . Acidente vascular encefálico (ave) .
Acidente vascular encefálico (ave) .
 
Doenças ósseas metabólicas
Doenças ósseas metabólicasDoenças ósseas metabólicas
Doenças ósseas metabólicas
 
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdfAULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
AULA_09_e_10 ALTERAÇÕES SISTÊMICAS DO IDOSO.pdf
 
RAQUI e PERI.pptx
RAQUI e PERI.pptxRAQUI e PERI.pptx
RAQUI e PERI.pptx
 
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptxPRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
PRINCIPAIS PATOLOGIAS DO ENVELHECIMENTO.pptx
 
Doença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa ArticularDoença Degenerativa Articular
Doença Degenerativa Articular
 
Pé Diabético- Neuropatia
Pé Diabético- NeuropatiaPé Diabético- Neuropatia
Pé Diabético- Neuropatia
 
Sistema urinario Profa Fabiana Elias
Sistema urinario Profa Fabiana EliasSistema urinario Profa Fabiana Elias
Sistema urinario Profa Fabiana Elias
 
Tecido osseo
Tecido osseoTecido osseo
Tecido osseo
 
Oa ipemed parte i junho 2019
Oa  ipemed parte i   junho 2019Oa  ipemed parte i   junho 2019
Oa ipemed parte i junho 2019
 
Sistema esquelético
Sistema esqueléticoSistema esquelético
Sistema esquelético
 
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdf
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdfSistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdf
Sistema Esquelético 09.03.2020.pdf ossos.pdf
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
 
Legg calve perthers
Legg calve perthersLegg calve perthers
Legg calve perthers
 

Mais de Keylla Tayne

Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de IdosoKeylla Tayne
 
Alimentos organicos
Alimentos organicos Alimentos organicos
Alimentos organicos Keylla Tayne
 
Cartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasCartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasKeylla Tayne
 
Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Keylla Tayne
 
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoQuestionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoKeylla Tayne
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavelKeylla Tayne
 
Habitos alimentares no shopping
  Habitos alimentares no shopping  Habitos alimentares no shopping
Habitos alimentares no shoppingKeylla Tayne
 

Mais de Keylla Tayne (9)

Avaliação Nutricional de Idoso
 Avaliação Nutricional de Idoso Avaliação Nutricional de Idoso
Avaliação Nutricional de Idoso
 
Alimentos organicos
Alimentos organicos Alimentos organicos
Alimentos organicos
 
Cartilha hortaliças
Cartilha hortaliçasCartilha hortaliças
Cartilha hortaliças
 
Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo Cartilha de ziraldo
Cartilha de ziraldo
 
Publi alimentos
Publi alimentos Publi alimentos
Publi alimentos
 
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adultoQuestionario de Frequencia Alimentar de adulto
Questionario de Frequencia Alimentar de adulto
 
Qfa adulto
Qfa adultoQfa adulto
Qfa adulto
 
Alimentação saudavel
Alimentação saudavelAlimentação saudavel
Alimentação saudavel
 
Habitos alimentares no shopping
  Habitos alimentares no shopping  Habitos alimentares no shopping
Habitos alimentares no shopping
 

Último

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 

Último (20)

Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 

Alterações do corpo e saúde do idoso

  • 1. Saúde do Idoso Alterações Fisiológicas e Anatômicas do Envelhecimento Universidade Mogi das Cruzes – UMC Profª Andrea Siqueira
  • 2. Composição e Forma do Corpo Estatura • Redução de 1cm por década a partir dos 40 anos Etiologias: -Redução dos arcos dos pés; -Aumento da curvatura da coluna; -Alteração dos discos intervertebrais; -Não há alterações no tamanho dos ossos longos. Aumento dos diâmetros da caixa torácica e do crânio Aumento da pavilhão auditivo Aumento do Nariz
  • 3.
  • 4. PELE -Atrofia em grau variável, com adelgaçamento difuso, secura e pregueamento (aspecto de papel de seda); -Tonalidade ligeiramente amarelada, com perda de elasticidade e do turgor. EPIDERME -Redução da espessura por diminuição do nº de células, podendo ocorrer  do nº de camadas celulares do estrato espinhoso; -Células da camada basal e espinhosa com alterações do volume e forma e por vezes com disposição desordenada; -Redução do ¨turn-over celular¨:  no tempo para substituição do estrato córneo e portanto  no tempo de reepitelização;
  • 5. -Perda da função da barreira por redução dos lipídios do estrato córneo (aspecto de pele seca, opaca e descamativa); -Menores traumas causam equimoses, manchas vermelhas ou púrpuras; -Manhas senis: hiperpigmentadas, marrons, lisas e achatadas.
  • 6. DERME -Perda da elasticidade (elastina fica mais fina / ¨porosa¨); -Redução da espessura: atrofia; -Surgimento de rugas ( modificação de gorduras subcutâneas e a perda da elasticidade); -Redução de glândulas sudoríparas e sebáceas: pele seca e áspera, mais sujeita a infecções e mais sensível a mudanças de temperatura; -Redução do tecido subcutâneo: diminuição de fibroblastos e da vascularização. Consequências: redução da elasticidade, da resistência e do turgor da pele; enrugamento, pele frouxa e pendente;  da sensibilidade; fluxo sanguíneo  e termorregulação prejudicada.
  • 7. PÊLOS -Redução geral em todo corpo, exceto: narinas, sobrancelhas e orelhas; -Sexo feminino: surgimento de pêlos em mento e lábio superior: hiperandrogenismo; -Perda da pigmentação dos pêlos (¨cabelos brancos¨); -Inativação de células do bulbo capilar: queda de pêlos, calvície; -Os pêlos do corpo são os primeiros que diminuem e a seguir os pubianos e axilares.
  • 8. UNHAS -Tornam-se frágeis com perda de brilho e surgimento de estriações longitudinais e descolamento; -Unhas dos pés com alterações de espessura e opacificação e/ou áreas de escurecimento da lâmina são frequentes por anormalidades ortopédicas que se agravam com a idade; -O grau de crescimento das unhas diminui progressivamente e se torna igual em ambos os sexos.
  • 9. TEMPERATURA CORPORAL -Regulação Homeostática da temperatura corporal e habilidade de adaptar a diferentes ambientes térmicos deteriora com a idade avançada; -Prejuízo de manter a temperatura corporal; -Sudorese é também prejudicada no idoso; -Aumento da temperatura em resposta a pirógenos é alterada.
  • 10. ALTERAÇÕES HÍDRICAS -Redução dos reflexos de sede e fome; -Redução da água corporal total; -Perda de água intracelular; -Importância deste conhecimento na administração de drogas hidro e lipossolúveis.
  • 11. ALTERAÇÕES DE MÚSCULOS OSSOS E ARTICULAÇÕES
  • 12. ALTERAÇÕES DE MÚSCULOS, OSSOS E ARTICULAÇÕES -As alterações aparecem mais rapidamente; -Todos os músculos do organismo em especial a dos troncos e das extremidades se atrofiam com o tempo, o que leva a uma deterioração do tônus muscular e a uma perda da potência, força e agilidade; -O peso total dos músculos diminui para a metade entre 30 e70 anos (o envelhecimento muscular é o resultado da atrofia das fibras musculares e do aumento do tecido gordo no interior dos músculos; -As articulações sofrem alterações, os ligamentos calcificam-se, ossificam-se e as articulações tornam-se menores devido a erosão das superfícies articulares;
  • 13. -Mesmo conservando sua aparência os ossos sofrem modificações, o processo de reabsorção do cálcio sofre um desequilíbrio e o tecido ósseo se torna mais poroso e frágil por uma desminerilização constante de massa e densidade óssea (este fenômeno ligado a senescência é denominado osteoporose; também responsável pela perda de dentes; O  da reabsorção óssea dos maxilares e da mandíbula acentua-se com a queda dos dentes. Reduz-se a distância entre o queixo e o nariz e os dentes migram para trás, modificando com o tempo a fisionomia do idoso.
  • 14. -A redução de altura também ocorre devido a diminuição dos espaços intervertebrais, que começa a partir dos 50 anos, e ocorre, também,a acentuação da curva natural da coluna vertebral denominada cifose (equilíbrio para o idoso). Nas mulheres os seios tornam-se pendentes, atrofiam-se e os mamilos ficam umbilicados.
  • 15.
  • 16. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E ANATÔMICAS DO ENVELHECIMENTO DO SNC
  • 17. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS E ANATÔMICAS DO ENVELHECIMENTO DO SNC • Capacidade reparadora do SNC -Neurônios: células altamente diferenciadas e especializadas, estáveis estruturalmente. -SNC não dispõe de capacidade reparadora (neurônios não podem se reproduzir, não se remielinizam-se e os vasos sanguíneos cerebrais apresentam capacidade limitada para recuperação estrutural). • Alterações anatômicas do SNC -Atrofia cerebral (com redução de 5% à 10% do peso cerebral). -Aumento dos sulcos em detrimentos dos giros. -Aumento do tamanho dos ventrículos cerebrais.
  • 18. Aspectos clínicos: atrofia cerebral e redução do volume encefálico. Maior risco de hemorragias subdurais em traumas encefálicos direto ou indiretos. • Alterações estruturais do SNC -Depósito de lipofucsina (lipocromo ou pigmento de desgaste) -Placas senis. •Alterações Morfofuncionais -Acúmulo de lipofucsina. -Redução de neurônio. -Retração do corpo celular dos grandes neurônios.
  • 19. •Sensibilidade -Alteram sensibilidade tátil e dolorosa. -Limiar para a dor aumenta e a sensibilidade dolorosa cutânea e visceral diminui. -Perda de sensação vibratória • Alterações bioquímicas: -Redução de níveis de acetilcolamina, receptores colinérgicos, ácido gama-aminobutírico; serotonina, catecolaminas, dopaminas...... -Declínio da função sináptica.
  • 21. •Memória: -Campo de controvérsia; -Aquisição e retenção de novas informações em indivíduos  60 anos, tornam-se mais difíceis??? -O fluxo de informação é dificultado, principalmente a transferência de novas informações para a memória secundária; -Alterações das conexões do hipocampo com as áreas de aprendizagem; -Esquecimento senescente benigno X fase inicial de Alzheimer (Alteração patológica ou fisiológica????)
  • 22.
  • 23. . Diagnóstico diferencial das queixas da memória -Quadros demenciais -Delirium -Quadros depressivos -Deficiência de Vitamina (B12, ácido fólico e tiamina) -Desatenção -Esquecimento senil benigno ou fisiológico . Alterações Fisiológicas do sono -Alteração da qualidade e quantidade -Maior fragmentação -Latência prolongada -Redução do estágio 4 -Redução do sono REM -Sono mais superficial
  • 24. . Causas mais frequentes de insônia no idoso -Ambientais -Depressão -Delirium -Demências -Apnéia do sono -Dor crônica -DPOC -ICC -Noctúria -Drogas -Distúrbios Dispépticos -Fecaloma -Distúrbios do ritmo circadiano
  • 25. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA CARDIOVASCULARES
  • 26. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA CARDIOVASCULARES . Aspectos Gerais -Nº de células miocárdicas não aumenta após desenvolvimento neonatal; -Alterações bioquímicas e anatômicas com o envelhecimento, mas podem ser por doenças ou relacionadas ao estilo de vida; -Elevada incidência de doenças cardiovasculares. . Miocárdio -Depósito intracelular de lipofucsina; -Degeneração muscular, com substituição de células miocárdicas por tecido fibroso, que podem ser semelhantes às alterações decorrentes de isquemia; -Aumento da resistência vascular periférica pode levar a moderada hipertrofia miocárdica concêntrica, sobretudo de câmara ventricular esquerda.
  • 27. . Alterações valvulares -Tecido valvar é predominantemente colágeno; -Envelhecimento: degenerações, espessamento, calcificações. . Alterações da valva aórtica -Mais frequentes: calcificação; -Menos frequente: acúmulo de lípides, fibrose e degeneração colágena. . Alterações vasculares Aorta -Arteriosclerose; -Aumento de colágeno; -Atrofia, descontinuidade e desorganização das fibras elásticas; -Deposição do cálcio; -Redução de elasticidade, rigidez na parede aórtica.
  • 28. . Alterações de artérias coronárias -Arteriosclerose; -Perda de tecido elástico; -Aumento de colágeno; -Depósitos de lípides com espessamento de camada média; -Tortuosidade dos vasos; -Calcificações. . Alterações funcionais -Limitação da performance durante atividades físicas; -Redução do débito cardíaco em repouso e esforço; -Redução do aumento da frequência cardíaca; -Maior risco de hipotensão ortostática.
  • 29. . Hipotensão ortostática Importância em geriatria -Causa frequente de tonteiras e quedas no idoso; -Prevalência em torno de 6% nos idosos saudáveis e de 11% a 33% em pacientes com múltiplas doenças e/ou medicações; -Associação a perda funcional, redução da reabilitação e da qualidade de vida. Etiologia -Medicamentos (hipotensores, levodopa, fenotiazinas, álcool, sedativos, antidepressivos, vasodilatadores.......); -Desidratação; -Anemia; -Desnutrição; -Distúrbios hidroeletrolítico; -Descondicionamento físico.
  • 30. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO
  • 31. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO . Aspectos Gerais -Frequente associação a patologias; -Vários fatores associados agravam o processo de envelhecimento: tabagismo, poluição ambiental, exposição ocupacional, doenças pulmonares, diferenças socioeconômicas, constitucionais e raciais. . Principais alterações fisiológicas -Redução da elasticidade pulmonar; -Enrijecimento da parede torácica; -Redução da potência motora e muscular; -Redução do peso pulmonar em cerca de 21%; -Estreitamento dos bronquíolos; -Achatamento de sacos alveolares.
  • 32. . Alterações estruturais da parede torácica -Enrijecimento do gradeado costal; -Redução da complacência e distensibilidade pulmonar (pior nos idosos acamados, com alterações posturais e inatividade física); -Hipercifose torácica pode estar associada. . Alterações estruturais musculares -Substituição adiposa do tecido muscular; -Redução da massa e potência muscular (sobretudo no idoso inativo ou imóvel); -Atrofia muscular e redução da força muscular; -Rigidez do gradeado costal determina maior participação do diafragma e musculatura abdominal; -Fatores de risco piora da função respiratória e risco de infecção: imobilidade, desnutrição ou obesidade, doenças pulmonares associadas, doenças cardiovasculares associadas, doenças neuromusculares.
  • 33. Importância de medidas de reabilitação: fisioterapia respiratória, programas de atividades físicas e mobilização no leito, nutrição adequada . Atividades físicas -Redução da capacidade para atividades físicas: aumento do consumo de oxigênio, redução da capacidade ventilatório, redução do débito cardíaco. . Alterações fisiológicas ao exame físico -Redução da expansão torácica, levando a aumento do volume residual e da pressão intratorácica; -Aumenta a cifose torácica; -Pode haver redução do murmúrio vesicular; -Crepitações bibasais podem ser fisiológicas; -Aumento de frequência respiratória (taquipnéia) é um grande sinal do idoso.
  • 34. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO
  • 35. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO . Envelhecimento do sistema digestório -De maneira geral: redução da motilidade, na secreção e capacidade de absorção; - Felizmente, a reserva destes órgãos é tão grande que as reduções nos parâmetros fisiológicos não costumam resultar em deficiência real da função. . Alterações fisiológicas da cavidade oral -Mucosa oral: atrófica (tênue), lisa e ressecada, menos elástica e mais suceptível a lesões. -Língua: redução das papilas filiformes, redução do paladar; -Dentes: a perda dos dentes depende, além do envelhecimento, de fatores extrínsecos: hábitos, ocupação, dieta, oclusão dentária e composição dos dentes.
  • 36. . Aspectos clínicos Cavidade Oral -Redução da massa muscular: pode comprometer a mastigação e deglutição; -Redução do paladar: pode reduzir a ingesão de alimentos e contribuir para perda de peso e desnutrição; -Estomatites, monilíase oral; -Carcinoma. Disfagia orofaríngea -Sinais: regurgitação nasal de alimentos, engasgos frequentes, aspirações; -Sintomas mais severos com líquidos; -Etiologias: -Carcinoma faríngeo -Dças do SNC (Parkinson, demências, AVC, tumores) -Dças endócrinas: DM, hipotiredoidismo -Laringectomia -Medicamentos -Alterações do esfíncter superior do esôfago.
  • 37. . Aspectos clínicos Alterações do estômago -Discreta a moderada redução do esvaziamento gástrico; -Pode haver prejuízo e efeitos dedrogas, que permanecem mais tempo no meio ácido; -Redução da secreção de ácido clorídrico (hipo ou acloridria), provavelmente por redução de células parietais; -Redução da secreção da pepsina; - prevalência de colonização pelo H. pylori (75%). Alterações do pâncreas -Redução do peso; -Proliferação do epitélio ductal e formação de cistos; -Redução de secreção de lipase e bicarbonato.
  • 38. Envelhecimento do pâncreas endócrino -Os níveis séricos de insulina aumentam com a idade, mas a sensibilidade a esta diminui, podendo resultar em testes de tolerância à glicosa anormais; -Diminui a degradação da insulina; -Redução do nº de receptores da insulina na membrana celular de tecidos alvos; -Redução da velocidade de liberação da insulina. Alterações do Intestino Delgado -Estudos escassos e controversos; -Redução da altura das vilosidades da mucosa. Alterações do cólon -Atrofia da mucosa; -Anormalidades morfológicas das glândulas -Redução da distensibilidade (redução de colágeno e elastina).
  • 39. Alterações do reto e ânus -Espessamento e alterações estruturais do tecido colágeno; -Redução da força muscular e esfincter anal esterno; -Redução da elasticidade e sensibilidade retal. Aspectos clínicos: -Redução da capacidade de retenção fecal (risco de incontinência fecal) por fatores extrínsecos e intrínsecos; -Intrínsecos: alterações fisiológicas -Extrínsecos: déficit cognitivo, impactação fecal, AVC, neuropatias (diabética, alcoólica...), imobilidade, etc.
  • 40. Alterações hepáticas: -Redução do fluxo sanguíneo hepático; -Depósitos de lipofucsina; Aspectos clínicos: -Alteração da metabolização de drogas; -Alteração do metabolismo de primeira passagem. Vesícula Biliar: -A incidência de doença biliar e cálculos aumenta com o avançar da idade; -A sensibilidade da vesícula diminui.
  • 41. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO APARELHO GENITO-URINÁRIO
  • 42. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICOS E ANATÔMICAS DO APARELHO GENITO-URINÁRIO . Alterações renais: -Redução do peso renal (cerca de 30%); -Redução do nº de glomérulos; -Espessamento da membrana basal ; -Redução da filtração glomerular; -Esclerose dos vasos renais. -Repercussões clínicas: -Torna o idoso mais suscetível à Insuficiência Renal aguda caso ocorra qualquer insulto nefrotóxico ou isquêmico; Redução da excreção de drogas, com necessidades de ajustes posológicos: menores doses e intervalos maiores; -Evitar drogas nefrotóxicas.
  • 43. . Alterações ureterais: - Alterações da motilidade; -Alterações vesicais: -Aumento do volume residual; -Redução da capacidade de armazenar urina. -Aspectos clínicos das alterações vesicais: -Maior risco de infecções urinárias (que aumentam também no sexo masculino); -Risco de incontinência urinária (existem várias etiologias associadas); -No homem: aumento de próstata eleva riscos de infecção e incontinência. -Aspectos uretrais: -Homens: compressão extrínseca pela próstata aumentada; -Mulheres: atrofia uretral : risco de algúria, hematúria microcóspica, ITU.
  • 44. . Alterações sexuais: Sexo masculino -Maior tempo para atingir ereção completa; -Maior necessidade de estimulação direta do pênis; -Retardo da ejaculação; -Perda rápida da ereção após a ejaculação; -Maior dificuldade em manter a ereção durante a relação; -Redução da libido; -Redução da frequência sexual. -Aspectos clínicos: -Arterosclerose é principal causa obstrutiva vascular no idoso; -Redução da elasticidade do tecido dos corpos cavernosos; -Neuropatias periféricas: diabetes, alcóolismo... -HAS; -Cirurgias pélvicas: sobretudo cirurgia radical de próstata; -Depressão, déficits cognitivos, distúrbios emocionais, co-morbidades, drogas.
  • 45. . Alterações sexuais: Sexo feminino -Redução da lubrificação vaginal; -Redução da libido; -Atrofia vaginal e uretral; -Pode haver dor, desconforto e sangramento nas relações; -Redução da frequência sexual. -Aspectos clínicos: -Reposição hormonal; -Lufrificação artificial; -Co-morbidades levam a maior limitação da sexualidade; -Aspectos psicológicos, dependência e submissão marital, herança familiar e criação: grandes repercussões na sexualidade feminina.
  • 47. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS RELACIONADAS À FARMACOLOGIA FARMACOCINÉTICA x FARMACODINÂMICA • Farmacocinética - Absorção, distribuição, metabolismo e excreção das drogas; - Conjunto de alterações sofridas pelas drogas. • Farmacodinâmica - Mecanismos implicados na ação das drogas.
  • 48. ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS - Interferências na Absorção: . Redução da secreção de ácido gástrico (hipocloridria, acloridria); .  esvaziamento gástrico  retarda a absorção e/ou aumenta degradação da droga pode determinar a inativação de algumas drogas; . Alteração da absorção decorrentes de administração concomitante de medicações. Ex.: antiácidos  cimetidina e derivados imidazólicos - Alterações Intestinais: . Aceleração do trânsito intestinal (reduz absorção); . Lentificação d trânsito intestinal (aumento absorção); . Controvérsias: influências da redução das vilosidades intestinais, com redução da área da superfície da mucosa.
  • 49. - Interferência na Absorção: . Redução da circulação êntero-hepática (sobretudo nas reduções do débito cardíaco),  de absorção dos medicamentos que precisam do metabolismo de primeira passagem no fígado; . Aterosclerose associada reduz mais ainda o fluxo sanguíneo. Alterações patológicas Interferências na Absorção: . Edema Intestinal. . Doenças Agudas (ex. infecções). . Gastrectomia, enterites, síndromes de má absorção: redução na absorção de ferro, ácido fólico, vitamina B12, corticosteróides, digoxia. Interferência na Distribuição: . Redução da massa muscular. . Aumento do tecido adiposo. . Redução do líquido corporal. . Redução da albumina sérica.
  • 50. Interferência no Metabolismo . Redução da função hepática (oxidação, metabolismo de primeira passagem). .  fase I metabolismo: drogas que inibem ou induzem a atividade hepática. . Redução da função renal. Interferências na Excreção . Drogas lipossolúveis: maior reabsorção renal. . Redução da filtração glomerular em 35% à 50% (redução do nº de néfrons, redução do fluxo plasmático, redução do peso renal). . Creatinina não é um bom marcador da função renal no idoso. . Redução da massa muscular, que reduz a produção de creatinina.
  • 51. Principais Patologias que interferem na Farmacocinética: -Desnutrição -ICC -Insuficiência renal e hepática -Infecções -Uso de múltiplas drogas
  • 52. Farmacodinâmica - Interferências: -Não tão bem estudada como a Farmacocinética -Maior sensibilidade do SNC à ação de drogas Benzodiazepínicas -Maior sensibilidade a anticoagulantes -Maior sensibilidade a várias drogas decorrentes de:  da hipotensão ortostática, maior disfunção vesical e intestinal, menor controle postural (alteração da barorregulação), dificuldade de termorregulação,  da intolerância a glicose, alteração de sensibilidade à ação enzimática, resposta imunitária, particularmente a celular. -Devido às alterações fisiológicas, farmacocinéticas e farmacodinâmicas: redução da janela terapêutica do idoso; Dose terapêutica  Dose tóxica.