SlideShare uma empresa Scribd logo
Jornalismo Econômico
- O jornalismo econômico nasce praticamente com a
origem do jornalismo (Primeiros jornais, século 16)

-Antes mesmo dos primeiros jornais impressos, as cartas
circulares (a partir do século 12) e as gazetas manuscritas
(a partir do século 15) focavam sua pauta especialmente
em notícias vinculadas ao interesse mercantil (colheitas,
chegada de navios, cotações de produtos).
Histórico e Contextualização


-No Brasil, a iniciativa pioneira ocorreu com o O Diário
do Rio de Janeiro (1821-1878), que se destacou dos
jornais do período da Independência por ir além da
temática política, cobrindo temas de interesse popular,
em especial a economia.

-Entre o final do século 19 e as primeiras décadas do
século 20, os jornais brasileiros já traziam colunas fixas
e diárias com temas exclusivamente econômicos.

-Por volta de 1920, por exemplo, O Estado de S.Paulo
publicava uma coluna assinada por Cincinato Braga,
intitulada “Magnos problemas econômicos”.
-   Até a década de 70, as notícias econômicas não “manchetavam” os jornais
    com tanta frequência. Foi com ditadura militar, que o jornalismo
    econômico brasileiro verdadeiramente floresceu, e graças à censura!

-   As páginas de Política “emagreciam” na mesma proporção em que as de
    “Economia” engordavam. Os militares queriam alardear sobre o
    “milagre econômico” (crescimento econômico espetacular – beirando
    10% ao ano- e diminuição da inflação a custa de diminuição dos salários e
    dos reajustes, concentração de renda e outras facilidades para o
    investimento estrangeiro)

    “A nossa Pátria mãe tão distraída... sem perceber que era subtraída... em
     tenebrosas transações.” Chico Buarque
Histórico e Contextualização
-Apesar de censurados, os jornais aproveitaram o momento para
investir em seus cadernos de Economia.

-O trabalho de apuração passou a ser segmentado por setores
econômicos específicos. Surgem os repórteres especializados
que cobrem exclusivamente Petrobrás, BNDES, Banco Central
(criado no período militar), Ministério da Fazenda, comércio exterior,
etc...
-O governo militar via todo esse investimento com bons olhos, mas
aos poucos, os jornais começaram a mostrar os efeitos nocivos do
milagre econômico, como por exemplo a péssima distribuição de
renda.

-Parte deste contexto a célebre frase de Delfim Netto, como
resposta às críticas: “É preciso primeiro fazer crescer o bolo para
depois dividi-lo”.
Histórico e Contextualização

-Aos poucos também os jornais passaram a oferecer aos leitores informações de
serviço e utilidade pública. A editoria de Economia começou a especializar
repórteres no segmento de economia popular. Foi uma experiência positiva que
atraiu um novo tipo de leitor, como donas de casa.

-Também destacam-se no período da ditadura os primeiros veículos especializados em
Economia.

-A Gazeta Mercantil, por exemplo, lançada em 1920 como mera divulgadora de editais,
títulos protestados, concordatas e falências, a partir de 1975 passa por uma grande
reforma e cria editorias segmentadas nos principais setores econômicos: indústria,
agricultura, negócios, etc...).

-O DCI, fundado em 1934, também reforçar suas segmentações focadas na prestação
de serviço para pequenas e médias empresas nesse período.

- A Editora Abril lança as primeiras revistas segmentadas no setor: “Química e
derivados”; “Plásticos e embalagens”; “Máquinas e metais”; “Transportes Modernos”. A
principal revista de economia do país, a Exame, nasceu como um encarte dessas
publicações em 1967.
Histórico e Contextualização
-Durante a ditadura, as emissoras de TV também começaram a
perceber no jornalismo econômico um bom filão para não bater de
frente com a censura e aumentar a audiência.

-Os telespectadores começavam a se interessar por informações e
análises de tendências que pudessem impactar em suas vidas.

-As emissoras começam a criar colunas e programas voltados ao
segmento econômico. Joelmir Betting foi um comentarista de
destaque, que começou na TV Gazeta. Vindo da área esportiva, tentava
explicar a economia com uma linguagem mais simples.
Histórico e Contextualização
-Com o fim da ditadura e a retomada da democracia, a imprensa
teve que se adaptar à nova realidade, até por exigência da
sociedade. Foi necessário estimular o debate, expor ideias
contrárias, criar espaços de opinião.

-O jornalismo econômico passou a cobrir os planos econômicos
do país de forma um pouco mais crítica, convidando economistas
de diferentes ideologias e tendências para analisá-los.

-O planos Cruzados I e II, arquitetados pelo ministro da Fazenda
Dilson Funaro no Governo Sarney, foram abordados pela mídia de
forma negativa. Primeiro tentou-se conter a inflação desindexando a
economia (desvinculando os preços e os salários do índice de
inflação, congelando-os) e depois o governo teve que reindexá-la,
sem sucesso. Moratória em 1987.
Histórico e Contextualização
- Com o crescimento e sofisticação do mercado financeiro, os
empréstimos externos constantes e a presença também constante
do Fundo Monetário Internacional, o noticiário econômico passou
a conviver com uma fartura de expressões estrangeiras
desconhecidas do público comum: overnight (na época da
hiperinflação), empresa off-shore, etc.

-Os repórteres de Economia, por entenderem esse “dialeto”,
começaram a se destacar dos demais colegas de Redação
Histórico e Contextualização
-A partir do governo Fernando Collor de Melo, a abertura para o
capital foi explícita. O mercado passou a mandar na economia e
também na imprensa. A mídia ano a ano foi se tornando porta-voz
do capital financeiro e do mercado.

-O discurso das reformas é exemplar nesse sentido. O déficit na
Previdência Social brasileira, as privatizações, a submissão ao FMI,
a necessidade de reformas estruturais (tributária, sindical,
previdenciária, trabalhista) todas voltadas a reduzir o papel do
Estado, aumentando o poder do setor privado.
Histórico e Contextualização
- Atualmente, o jornalismo econômico também se presta a ficar à
mercê da especulação praticada sem punição pelos agentes
econômicos.

•A imprensa raramente questiona, por exemplo, a especulação e
vive de previsões muitas vezes descabidas. “O Brasil vai virar
uma Argentina”; “O mercado está nervoso”, “O país fez a lição de
casa” etc...

- CONCLUSÃO SOBRE OS DIAS ATUAIS: Falta um
posicionamento crítico e independente em nosso jornalismo
econômico e a situação não parece fácil de ser resolvida tão
cedo, uma vez que a dependência dos veículos aumenta a cada
dia.
    Especialização jornalística centrada na cobertura de
    fatos econômicos.
•   Esses fatos podem estar ligados à:

   1 - MACROECONOMIA: parte “genérica” da Ciência
    Econômica, que trata da economia de um país como
    um todo.
   - Especializada na análise das variáveis agregadas de
    um país como produção nacional total, renda, emprego,
    desemprego, balança de pagamentos, câmbio, taxa de
    inflação e taxa de juros.
   - Trata das políticas de Estado para cada uma dessas
    variáveis.
   - Tem um peso grande na cobertura econômica.
   * Variáveis da macroeconomia que são acompanhadas
    incisivamente pelo jornalismo econômico:

   1.1 - Inflação: aumento de preços dos produtos num
    determinado país ou região, durante um período.
   - Na prática: diminuição do poder de compra da moeda.
-   A inflação é consequência de desequilíbrios monetários
    na economia de um país.
-    O jornalista econômico deve conhecer e acompanhar
    os principais índices de inflação:
*IPCA (Índice Geral de Preços ao Consumidor Amplo), do
 IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas): usado
 pelo Banco Central para medir as metas de inflação. Reflete
 o custo de vida para famílias com renda mensal de 1 a 40
 salários mínimos. A pesquisa é feita em 11 regiões
 metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte,
 Porto Alegre, Salvador, Recife, Curitiba, Brasília, Belém,
 Goiânia e Fortaleza.
 - Período de coleta dos preços para a pesquisa: mês cheio
 (leva em consideração o primeiro e o último dia do mês de
 referência).
 - Divulgação: até o dia 15 do mês seguinte ao de referência.
* IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), da Fundação Getúlio
   Vargas (FGV): visa a medir a variação de preços na economia,
   ponderando produção e consumo.
  - É constituído por um mix do IPA (Índice de Preços por Atacado), do
   IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e do INCC (Índice Nacional
   do Custo da Construção), com pesos de 60%, 30% e 10%,
   respectivamente.
  - Período de coleta dos preços para a pesquisa: entre o dia 21 do
   mês anterior ao dia 20 do mês de referência.
  - Criado com o objetivo de construir um indicador confiável para as
   operações financeiras, principalmente de longo prazo. É o índice
   mais usado pelo mercado.
  - Divulgação: aproximadamente no dia 29 do mês de referência.
* IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade
  Interna), da Fundação Getúlio Vargas (FGV): também
  visa a medir a variação de preços na economia,
  ponderando produção e consumo.
  - Utiliza a mesma metodologia do IGP-M, diferindo
  apenas no período de coleta dos preços para a
  pesquisa e na data de divulgação.
  - Período em que os preços são coletados: mês cheio
  (do primeiro dia ao último do mês de referência).
  - Divulgação: aproximadamente no dia 10 do mês
  subsequente ao de referência.
*IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe/USP
  (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) : mede a
  variação de preços para o consumidor na cidade de São
  Paulo com base nos gastos de quem ganha de 2 a 20
  salários mínimos.
  - Pesquisa os preços de 260 produtos.
  - Período em que os preços são coletados para a
  pesquisa: mês cheio (do primeiro dia ao último do mês
  de referência).
  - Divulgação: próximo ao dia 10 do mês subsequente ao
  da coleta.
-    1.2) Deflação: queda dos preços dos produtos num
    determinado país ou região, durante um período;
    variação negativa dos preços.
-    Significa a produção e o consumo decrescentes de
    bens e serviços produzidos num país.
-    Quando é constante, conduz à diminuição e ao
    agravamento do padrão de vida das pessoas e à
    recessão.
-   1.3) Câmbio: como, em geral, cada país possui a sua moeda, quando um agente
    econômico de uma determinada nação precisa se relacionar com um agente
    econômico de outra, torna-se necessário estabelecer o valor de sua moeda em
    relação à moeda do outro país, ou seja, é preciso haver uma taxa de câmbio.
    Traduzindo, o câmbio é a expressão em reais do valor das moedas estrangeiras no
    Brasil;
-    A taxa de câmbio é uma variável chave para o setor produtivo, pois mexe com as
    importações e as exportações.
-    Devido à influência da economia dos EUA no Brasil e no mundo, a taxa mais usada
    aqui é a que é expressa em dólar norte-americano.
-    No Brasil o câmbio é flutuante desde 1999. No regime de câmbio flutuante o Banco
    Central não intervém no câmbio, deixando a cotação da taxa de câmbio flutuar de
    acordo com as oscilações do mercado.
-   Há pelo menos cinco anos vivemos um cenário de câmbio valorizado (o real está
    mais forte que o dólar), o que facilita a importação e prejudica a exportação. Alguns
    alegam que esse cenário é bom para compra de máquinas e equipamentos
    estrangeiros que modernizam a indústria nacional. Outros, pelo contrário, dizem que
    o cenário é ruim porque a produção local está sendo substituída pela importação. A
    questão é longa e polêmica.
1.4) Produto Interno Bruno (PIB): é a soma de riquezas produzidas pelo país;
  representa os esforços de toda a cadeia produtiva. Dividido em: indústria, comércio,
  agricultura e serviços.
 - É calculado trimestralmente pelo IBGE e quando aponta geração de riqueza inferior
  à observada no levantamento anterior, indica retração econômica.
 - Quanto maior o PIB, maior a quantidade de empregos, o giro de mercadoria e a
  variedade de produtos.
  PIB brasileiro (2010) = US$ 2,2 trilhões

 1.5) Renda per capita: valor total do PIB dividido pelo total da população, chegando
  na renda média de cada brasileiro.
  Renda per capitaI = US$ 11.767
  Trata-se também de um importante indicador social que influencia o IDH (Índice de
  Desenvolvimento Humano) de um país, medido pela ONU – que revela o nível de
  bem-estar de uma população. IDH (Brasil) = 0,718 (elevado) (84.)
-   1.6) Taxa de juros: representa o “estímulo” que um agente econômico
    superavitário (com dinheiro em sobra) tem para deixar de consumir no
    presente e consumir no futuro, assim como representa também o custo
    que um agente econômico deficitário arcará para financiar seus
    investimentos.
-    Elevação na taxa de juros = retração dos investimentos e no nível da
    atividade econômica.
-    Diminuição na taxa de juros = incremento no nível de investimentos,
    crescimento econômico.
-   Há a taxa básica de juros (no Brasil representada pela taxa Selic -
    Sistema Especial de Liquidação e Custódia), que é definida pelo Comitê
    de Política Monetária (Copom) do Banco Central e que remunera os
    papéis da dívida do governo e baliza as taxas de juros cobradas pelo
    mercado; e a taxa final cobrada pelos bancos, que inclui o chamado
    spread (diferença entre o custo de captação de dinheiro dos bancos e o
    custo dos empréstimos que eles concedem às empresas e às pessoas
    físicas).
-   OBS: O Copom divulga a taxa Selic a cada 40 dias, de acordo com suas
    reuniões. É preciso acompanhar o calendário do Comitê.
-   1.7) Superávit primário: resultado positivo entre a arrecadação
    global do setor público (excluídas as receitas obtidas com
    aplicações financeiras) e o total de gastos, desconsiderando as
    despesas com juros. Na prática: governo corta gastos públicos e/ou
    aumenta arrecadação para ter receitas maior que despesas.
-   - Esse saldo positivo normalmente é utilizado para pagamento de
    juros da dívida.
-   Do ponto de vista do mercado, o superávit primário torna o Brasil
    um país “confiável” para os credores internacionais, em
    contrapartida, tem aumentado a dívida social, fazendo o país
    economizar o que não pode no setor público e arrecadar
    desenfreadamente a partir de uma estrutura tributária
    extremamente injusta, que onera excessivamente os trabalhadores
    e consumidores enquanto concede isenções ao grande capital.
-   1.8) Balança comercial: termo que representa as importações e exportações de
    bens entre os países. A balança comercial de um determinado país está favorável,
    quando este exporta (vende para outros países) mais do que importa (compra de
    outros países). Do contrário, dizemos que a balança comercial é negativa ou
    desfavorável. A balança comercial favorável apresenta vantagens para um país,
    pois atrai moeda estrangeira, além de gerar empregos dentro do país exportador.

-   1.9) Risco-país: é um indicador (criado pelo Banco americano JP Morgan) utilizado
    para orientar os investidores estrangeiros a respeito da situação financeira de um
    mercado emergente; mostra se um país será capaz de honrar ou não seus
    compromissos financeiros. Precisamente, é denominado EMBI+ (Emerging Markets
    Bond Index Plus), sendo calculado por bancos de investimento e agências de
    classificação de risco. Para calcular o índice, os bancos levam em conta vários
    fatores, como o nível do déficit fiscal, o crescimento da economia, a relação entre
    arrecadação e a dívida de um país, as turbulências políticas, etc. Aqui: Risco Brasil.
-   Risco país: 190 (02/03/2012)
-   Os fatos econômicos retratados na imprensa também podem estar ligados à:

   * MICROECONOMIA: também chamada de “teoria dos preços”, trata dos
    fatores que determinam o preço relativo de bens e insumos. Busca
    compreender de que forma o comportamento (as escolhas) de indivíduos e
    empresas determinam o preço relativo de bens e serviços; verifica como a
    demanda e a oferta de determinado bem ou serviço determinam seu preço.
    Pode ser dividida em:

-   Teoria do Consumidor: estuda a preferência do consumidor analisando seu
    comportamento, suas escolhas, as restrições quanto a valores e a demanda
    de mercado.
-   Teoria de Empresa: estuda a reunião do capital e do trabalho de uma
    empresa a fim de produzir produtos conforme a demanda do mercado e a
    oferta dos consumidores dispostos a consumi-los.
-   Teoria da Produção: Estuda o processo de transformação da matéria-prima
    adquirida pela empresa em produtos específicos para a venda no mercado. A
    teoria da produção se refere os serviços como transportes, atividades
    financeiras, comércio e outros.
   Subeditorias importantes do jornalismo econômico, que sofrem
    influência da macro ou da microeconomia:

   Finanças - mercado financeiro, bolsas de valores, mercado de ações,
    títulos públicos, bancos, bolsas de mercadorias e futuros,
    commodities.

   Negócios - cobre as empresas (estatais e iniciativa privada), fusões,
    aquisições, separações, parcerias, pesquisa e desenvolvimento e
    tecnologia.

   Infraestrutura - cobre obras públicas, investimentos e manutenção
    em energia, eletricidade, combustíveis, transportes,
    telecomunicações, telefonia, radiodifusão.

   Agronegócio - relação comercial e industrial envolvendo a cadeia
    produtiva agrícola ou pecuária.
* Um mercado cada vez mais feminino:
  Alguns nomes: Sonia Racy, Miriam Leitão, Lilian Witte
  Fibe, Suely Caldas e Leonora de Lucena.

* Ainda prevalecem os salários maiores que nas demais
  Editorias.

* Maior chance de recolocação profissional, já que
  poucos profissionais possuem expertise.
-    É preciso haver esforço para traduzir em linguagem clara e
    acessível a frieza dos números e dos termos técnicos e
    herméticos utilizados pelas fontes de informação. O leitor não tem
    o mesmo nível da fonte, é preciso ter sempre isso em mente. O
    caderno de Economia não é feito só para banqueiros!!

-   Utilizar exemplos práticos que levem o cidadão a perceber como
    determinadas variáveis econômicas afetam seu dia a dia. Esses
    exemplos também ajudarão a tornar os textos mais atrativos.

-   Utilizar infográficos que em vez de destacar números,
    demonstrem os efeitos do tema abordado na vida do cidadão
    comum.
•   Cadernos de Economia da Folha, Estadão e O Globo.

•   Cadernos de Economia do JT, Diário de S.Paulo, Agora.

•   Brasil Econômico.

•   Valor Econômico.

•   DCI.

•   Jornal do Commercio.

•   Revista Exame
•   Isto é Dinheiro.
   Joelmir Betting
   George Vidor
   Carlos Alberto Sardenberg
   Celso Ming
   Guilherme Barros
   Ivo Ribeiro
   Joaquim Castanheira
   Jornalismo Econômico, de Suely Caldas.

   Mercado Financeiro, de Gilson Oliveira e
    Marcelo Pacheco.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teorias do Jornalismo
Teorias do JornalismoTeorias do Jornalismo
Teorias do Jornalismo
Ejavorski
 
Teoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoTeoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Estudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicaçãoEstudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Newsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicaçãoNewsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicação
Laércio Góes
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Elizeu Nascimento Silva
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Elizeu Nascimento Silva
 
Jornalismo científico
Jornalismo científicoJornalismo científico
Jornalismo científico
Laércio Góes
 
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Manuel Pinto
 
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication TheoriesTeorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
Future Press, E-Press, Presentations,
 
Cap.16: Sociologia da Comunicação
Cap.16: Sociologia da ComunicaçãoCap.16: Sociologia da Comunicação
Cap.16: Sociologia da Comunicação
roberto mosca junior
 
Teorias da Comunicação
Teorias da ComunicaçãoTeorias da Comunicação
Teorias da Comunicação
José Lopes
 
Teoria Da Comunicação Revisão
Teoria Da Comunicação RevisãoTeoria Da Comunicação Revisão
Teoria Da Comunicação Revisão
Luci Bonini
 
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E GatekeeperAula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
RTimponi
 
Jornalismo cultural
Jornalismo culturalJornalismo cultural
Jornalismo cultural
Laércio Góes
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Elizeu Nascimento Silva
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
aulasdejornalismo
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Ana Dall'Agnol
 
Jornalismo investigativo
Jornalismo investigativoJornalismo investigativo
Jornalismo investigativo
aulasdejornalismo
 
Teoria hipodermica
Teoria hipodermicaTeoria hipodermica
Teoria hipodermica
Weicker Gutierrez
 
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Elizeu Nascimento Silva
 

Mais procurados (20)

Teorias do Jornalismo
Teorias do JornalismoTeorias do Jornalismo
Teorias do Jornalismo
 
Teoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicaçãoTeoria crítica - teorias da comunicação
Teoria crítica - teorias da comunicação
 
Estudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicaçãoEstudos culturais - teorias da comunicação
Estudos culturais - teorias da comunicação
 
Newsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicaçãoNewsmaking - teorias da comunicação
Newsmaking - teorias da comunicação
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
 
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneasAula 06   teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
Aula 06 teorias do jornalismo hipóteses contemporâneas
 
Jornalismo científico
Jornalismo científicoJornalismo científico
Jornalismo científico
 
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
 
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication TheoriesTeorias da Comunicacao - Communication Theories
Teorias da Comunicacao - Communication Theories
 
Cap.16: Sociologia da Comunicação
Cap.16: Sociologia da ComunicaçãoCap.16: Sociologia da Comunicação
Cap.16: Sociologia da Comunicação
 
Teorias da Comunicação
Teorias da ComunicaçãoTeorias da Comunicação
Teorias da Comunicação
 
Teoria Da Comunicação Revisão
Teoria Da Comunicação RevisãoTeoria Da Comunicação Revisão
Teoria Da Comunicação Revisão
 
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E GatekeeperAula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
Aula 3 Teoria Ii Agenda, Newsmaking E Gatekeeper
 
Jornalismo cultural
Jornalismo culturalJornalismo cultural
Jornalismo cultural
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
 
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)Teoria da comunicação (quadro-resumo)
Teoria da comunicação (quadro-resumo)
 
Jornalismo investigativo
Jornalismo investigativoJornalismo investigativo
Jornalismo investigativo
 
Teoria hipodermica
Teoria hipodermicaTeoria hipodermica
Teoria hipodermica
 
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
 

Destaque

Jornalismo econômico
Jornalismo econômico Jornalismo econômico
Jornalismo econômico
Genize
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Jornalismo econômico 97
Jornalismo econômico 97Jornalismo econômico 97
Jornalismo econômico 97
Elizabeth Rezende
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Matemática por assunto
Matemática por assuntoMatemática por assunto
Matemática por assunto
Jota Sousa
 
Planejamento de aulas jo especializado
Planejamento de aulas jo especializadoPlanejamento de aulas jo especializado
Planejamento de aulas jo especializado
Flavia Gabriela
 
Jornalismo Especializado
Jornalismo EspecializadoJornalismo Especializado
Jornalismo Especializado
ricardofontesmendes
 
Aula 2 o jornalismo na internet
Aula 2   o jornalismo na internetAula 2   o jornalismo na internet
Aula 2 o jornalismo na internet
aulasdejornalismo
 
Jornalismo literário atmosfera e descrição
Jornalismo literário   atmosfera e descriçãoJornalismo literário   atmosfera e descrição
Jornalismo literário atmosfera e descrição
aulasdejornalismo
 
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAOAULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
aulasdejornalismo
 
Fator EconôMico No Jornalismo
Fator EconôMico No JornalismoFator EconôMico No Jornalismo
Fator EconôMico No Jornalismo
Lorena Vieira
 
Jornalismo literário formas de abertura
Jornalismo literário   formas de aberturaJornalismo literário   formas de abertura
Jornalismo literário formas de abertura
aulasdejornalismo
 
Aula 3 cientifico
Aula 3   cientificoAula 3   cientifico
Aula 3 cientifico
aulasdejornalismo
 
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAOAULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
aulasdejornalismo
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - pratica
aulasdejornalismo
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
aulasdejornalismo
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
aulasdejornalismo
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Dalton Martins
 
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
UNIP-jornalismo2013
 

Destaque (20)

Jornalismo econômico
Jornalismo econômico Jornalismo econômico
Jornalismo econômico
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Jornalismo Econômico
 
Jornalismo econômico 97
Jornalismo econômico 97Jornalismo econômico 97
Jornalismo econômico 97
 
Jornalismo Econômico
Jornalismo EconômicoJornalismo Econômico
Jornalismo Econômico
 
Matemática por assunto
Matemática por assuntoMatemática por assunto
Matemática por assunto
 
Planejamento de aulas jo especializado
Planejamento de aulas jo especializadoPlanejamento de aulas jo especializado
Planejamento de aulas jo especializado
 
Jornalismo Especializado
Jornalismo EspecializadoJornalismo Especializado
Jornalismo Especializado
 
Aula 2 o jornalismo na internet
Aula 2   o jornalismo na internetAula 2   o jornalismo na internet
Aula 2 o jornalismo na internet
 
Jornalismo literário atmosfera e descrição
Jornalismo literário   atmosfera e descriçãoJornalismo literário   atmosfera e descrição
Jornalismo literário atmosfera e descrição
 
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAOAULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA I_SOCIEDADE_INFORMACAO
 
Fator EconôMico No Jornalismo
Fator EconôMico No JornalismoFator EconôMico No Jornalismo
Fator EconôMico No Jornalismo
 
Jornalismo literário formas de abertura
Jornalismo literário   formas de aberturaJornalismo literário   formas de abertura
Jornalismo literário formas de abertura
 
Aula 3 cientifico
Aula 3   cientificoAula 3   cientifico
Aula 3 cientifico
 
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAOAULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
AULA_1_SOCIEDADE_INFORMACAO
 
Jornalismo literário tecnicas - pratica
Jornalismo literário  tecnicas - praticaJornalismo literário  tecnicas - pratica
Jornalismo literário tecnicas - pratica
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
 
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
Jornalismo de Dados - Fontes de Informação para produção de Mapas Informacion...
 
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
140827 jornalismo politico-historiaeprocesso
 

Semelhante a AULA 2 - JORNALISMO ECONOMICO

A.0. funcoes fiscais
A.0. funcoes fiscaisA.0. funcoes fiscais
A.0. funcoes fiscais
Loyane Florentino
 
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
Elessandro Manuel
 
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segundaEntre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
ProfMatheusPetrolli
 
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve históricoEconomia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
Lucas Andrade
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
Kelly Ariane Buás Bráz
 
8 ano geografia 3 bim 1
8 ano geografia  3 bim 18 ano geografia  3 bim 1
8 ano geografia 3 bim 1
marcos carlos
 
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETOFundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
Diego Sampaio
 
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptx
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptxAula - Capitalismo no final do século XX.pptx
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptx
valdiroliveira69
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economia
Studiesfree
 
09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)
Mariangela Souza
 
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
A. Rui Teixeira Santos
 
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
Paulo Rubem Santiago Ferreira
 
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
Delta Economics & Finance
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
Yuri Silver
 
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
A. Rui Teixeira Santos
 
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
A. Rui Teixeira Santos
 
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
A. Rui Teixeira Santos
 
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupaçãoTEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
LAESER IE/UFRJ
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015
Salageo Cristina
 

Semelhante a AULA 2 - JORNALISMO ECONOMICO (20)

A.0. funcoes fiscais
A.0. funcoes fiscaisA.0. funcoes fiscais
A.0. funcoes fiscais
 
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
Exercícios de economia brasileira cap 5,6,7,8,9,10
 
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segundaEntre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
Entre Guerras do Mundo. A primeira e a segunda
 
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve históricoEconomia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
Economia nacional entre 1945 a 1989 - breve histórico
 
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2) SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
SLIDES DE MACROECONOMIA (AULA 2)
 
8 ano geografia 3 bim 1
8 ano geografia  3 bim 18 ano geografia  3 bim 1
8 ano geografia 3 bim 1
 
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETOFundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
Fundamentos da Economia - Slide do Primeiro Semestre COMPLETO
 
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptx
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptxAula - Capitalismo no final do século XX.pptx
Aula - Capitalismo no final do século XX.pptx
 
Introdução a economia
Introdução a economiaIntrodução a economia
Introdução a economia
 
09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)09.02.2012 economia (4)
09.02.2012 economia (4)
 
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
Organização Pública e Privada do Desporto (Direito Público Desportivo) - 1ª a...
 
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
Faculdade de Direito do recife : Os impactos da dívida pública na economia e ...
 
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
CI - 2009 - perspectivas econômicas para 2009
 
Inflação
InflaçãoInflação
Inflação
 
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17
 
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
Organização Pública e Privada do Desporto (Novembro de 2018) I Parte - Prof. ...
 
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
Finanças Públicas da República de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (I...
 
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
Curso de Finanças Publicas de Angola, Prof. Doutor Rui Teixeira Santos (ISCAD...
 
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupaçãoTEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
TEC 2010 05 - Indicadores de desemprego e de subocupação
 
Brasil economia sintese 2015
Brasil  economia sintese 2015Brasil  economia sintese 2015
Brasil economia sintese 2015
 

Mais de aulasdejornalismo

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
aulasdejornalismo
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
aulasdejornalismo
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
aulasdejornalismo
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
aulasdejornalismo
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
aulasdejornalismo
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
aulasdejornalismo
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
aulasdejornalismo
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
aulasdejornalismo
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
aulasdejornalismo
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
aulasdejornalismo
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
aulasdejornalismo
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
aulasdejornalismo
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
aulasdejornalismo
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
aulasdejornalismo
 
Paradigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológicoParadigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológico
aulasdejornalismo
 
Paradigma critico radical
Paradigma critico radicalParadigma critico radical
Paradigma critico radical
aulasdejornalismo
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
aulasdejornalismo
 

Mais de aulasdejornalismo (20)

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Paradigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológicoParadigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológico
 
Paradigma critico radical
Paradigma critico radicalParadigma critico radical
Paradigma critico radical
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
 

Último

7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 

Último (20)

7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 

AULA 2 - JORNALISMO ECONOMICO

  • 2. - O jornalismo econômico nasce praticamente com a origem do jornalismo (Primeiros jornais, século 16) -Antes mesmo dos primeiros jornais impressos, as cartas circulares (a partir do século 12) e as gazetas manuscritas (a partir do século 15) focavam sua pauta especialmente em notícias vinculadas ao interesse mercantil (colheitas, chegada de navios, cotações de produtos).
  • 3. Histórico e Contextualização -No Brasil, a iniciativa pioneira ocorreu com o O Diário do Rio de Janeiro (1821-1878), que se destacou dos jornais do período da Independência por ir além da temática política, cobrindo temas de interesse popular, em especial a economia. -Entre o final do século 19 e as primeiras décadas do século 20, os jornais brasileiros já traziam colunas fixas e diárias com temas exclusivamente econômicos. -Por volta de 1920, por exemplo, O Estado de S.Paulo publicava uma coluna assinada por Cincinato Braga, intitulada “Magnos problemas econômicos”.
  • 4. - Até a década de 70, as notícias econômicas não “manchetavam” os jornais com tanta frequência. Foi com ditadura militar, que o jornalismo econômico brasileiro verdadeiramente floresceu, e graças à censura! - As páginas de Política “emagreciam” na mesma proporção em que as de “Economia” engordavam. Os militares queriam alardear sobre o “milagre econômico” (crescimento econômico espetacular – beirando 10% ao ano- e diminuição da inflação a custa de diminuição dos salários e dos reajustes, concentração de renda e outras facilidades para o investimento estrangeiro) “A nossa Pátria mãe tão distraída... sem perceber que era subtraída... em tenebrosas transações.” Chico Buarque
  • 5. Histórico e Contextualização -Apesar de censurados, os jornais aproveitaram o momento para investir em seus cadernos de Economia. -O trabalho de apuração passou a ser segmentado por setores econômicos específicos. Surgem os repórteres especializados que cobrem exclusivamente Petrobrás, BNDES, Banco Central (criado no período militar), Ministério da Fazenda, comércio exterior, etc... -O governo militar via todo esse investimento com bons olhos, mas aos poucos, os jornais começaram a mostrar os efeitos nocivos do milagre econômico, como por exemplo a péssima distribuição de renda. -Parte deste contexto a célebre frase de Delfim Netto, como resposta às críticas: “É preciso primeiro fazer crescer o bolo para depois dividi-lo”.
  • 6. Histórico e Contextualização -Aos poucos também os jornais passaram a oferecer aos leitores informações de serviço e utilidade pública. A editoria de Economia começou a especializar repórteres no segmento de economia popular. Foi uma experiência positiva que atraiu um novo tipo de leitor, como donas de casa. -Também destacam-se no período da ditadura os primeiros veículos especializados em Economia. -A Gazeta Mercantil, por exemplo, lançada em 1920 como mera divulgadora de editais, títulos protestados, concordatas e falências, a partir de 1975 passa por uma grande reforma e cria editorias segmentadas nos principais setores econômicos: indústria, agricultura, negócios, etc...). -O DCI, fundado em 1934, também reforçar suas segmentações focadas na prestação de serviço para pequenas e médias empresas nesse período. - A Editora Abril lança as primeiras revistas segmentadas no setor: “Química e derivados”; “Plásticos e embalagens”; “Máquinas e metais”; “Transportes Modernos”. A principal revista de economia do país, a Exame, nasceu como um encarte dessas publicações em 1967.
  • 7. Histórico e Contextualização -Durante a ditadura, as emissoras de TV também começaram a perceber no jornalismo econômico um bom filão para não bater de frente com a censura e aumentar a audiência. -Os telespectadores começavam a se interessar por informações e análises de tendências que pudessem impactar em suas vidas. -As emissoras começam a criar colunas e programas voltados ao segmento econômico. Joelmir Betting foi um comentarista de destaque, que começou na TV Gazeta. Vindo da área esportiva, tentava explicar a economia com uma linguagem mais simples.
  • 8. Histórico e Contextualização -Com o fim da ditadura e a retomada da democracia, a imprensa teve que se adaptar à nova realidade, até por exigência da sociedade. Foi necessário estimular o debate, expor ideias contrárias, criar espaços de opinião. -O jornalismo econômico passou a cobrir os planos econômicos do país de forma um pouco mais crítica, convidando economistas de diferentes ideologias e tendências para analisá-los. -O planos Cruzados I e II, arquitetados pelo ministro da Fazenda Dilson Funaro no Governo Sarney, foram abordados pela mídia de forma negativa. Primeiro tentou-se conter a inflação desindexando a economia (desvinculando os preços e os salários do índice de inflação, congelando-os) e depois o governo teve que reindexá-la, sem sucesso. Moratória em 1987.
  • 9. Histórico e Contextualização - Com o crescimento e sofisticação do mercado financeiro, os empréstimos externos constantes e a presença também constante do Fundo Monetário Internacional, o noticiário econômico passou a conviver com uma fartura de expressões estrangeiras desconhecidas do público comum: overnight (na época da hiperinflação), empresa off-shore, etc. -Os repórteres de Economia, por entenderem esse “dialeto”, começaram a se destacar dos demais colegas de Redação
  • 10. Histórico e Contextualização -A partir do governo Fernando Collor de Melo, a abertura para o capital foi explícita. O mercado passou a mandar na economia e também na imprensa. A mídia ano a ano foi se tornando porta-voz do capital financeiro e do mercado. -O discurso das reformas é exemplar nesse sentido. O déficit na Previdência Social brasileira, as privatizações, a submissão ao FMI, a necessidade de reformas estruturais (tributária, sindical, previdenciária, trabalhista) todas voltadas a reduzir o papel do Estado, aumentando o poder do setor privado.
  • 11. Histórico e Contextualização - Atualmente, o jornalismo econômico também se presta a ficar à mercê da especulação praticada sem punição pelos agentes econômicos. •A imprensa raramente questiona, por exemplo, a especulação e vive de previsões muitas vezes descabidas. “O Brasil vai virar uma Argentina”; “O mercado está nervoso”, “O país fez a lição de casa” etc... - CONCLUSÃO SOBRE OS DIAS ATUAIS: Falta um posicionamento crítico e independente em nosso jornalismo econômico e a situação não parece fácil de ser resolvida tão cedo, uma vez que a dependência dos veículos aumenta a cada dia.
  • 12. Especialização jornalística centrada na cobertura de fatos econômicos.
  • 13. Esses fatos podem estar ligados à:  1 - MACROECONOMIA: parte “genérica” da Ciência Econômica, que trata da economia de um país como um todo.  - Especializada na análise das variáveis agregadas de um país como produção nacional total, renda, emprego, desemprego, balança de pagamentos, câmbio, taxa de inflação e taxa de juros.  - Trata das políticas de Estado para cada uma dessas variáveis.  - Tem um peso grande na cobertura econômica.
  • 14. * Variáveis da macroeconomia que são acompanhadas incisivamente pelo jornalismo econômico:  1.1 - Inflação: aumento de preços dos produtos num determinado país ou região, durante um período.  - Na prática: diminuição do poder de compra da moeda. - A inflação é consequência de desequilíbrios monetários na economia de um país. - O jornalista econômico deve conhecer e acompanhar os principais índices de inflação:
  • 15. *IPCA (Índice Geral de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas): usado pelo Banco Central para medir as metas de inflação. Reflete o custo de vida para famílias com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos. A pesquisa é feita em 11 regiões metropolitanas: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Recife, Curitiba, Brasília, Belém, Goiânia e Fortaleza. - Período de coleta dos preços para a pesquisa: mês cheio (leva em consideração o primeiro e o último dia do mês de referência). - Divulgação: até o dia 15 do mês seguinte ao de referência.
  • 16. * IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), da Fundação Getúlio Vargas (FGV): visa a medir a variação de preços na economia, ponderando produção e consumo. - É constituído por um mix do IPA (Índice de Preços por Atacado), do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) e do INCC (Índice Nacional do Custo da Construção), com pesos de 60%, 30% e 10%, respectivamente. - Período de coleta dos preços para a pesquisa: entre o dia 21 do mês anterior ao dia 20 do mês de referência. - Criado com o objetivo de construir um indicador confiável para as operações financeiras, principalmente de longo prazo. É o índice mais usado pelo mercado. - Divulgação: aproximadamente no dia 29 do mês de referência.
  • 17. * IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), da Fundação Getúlio Vargas (FGV): também visa a medir a variação de preços na economia, ponderando produção e consumo. - Utiliza a mesma metodologia do IGP-M, diferindo apenas no período de coleta dos preços para a pesquisa e na data de divulgação. - Período em que os preços são coletados: mês cheio (do primeiro dia ao último do mês de referência). - Divulgação: aproximadamente no dia 10 do mês subsequente ao de referência.
  • 18. *IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe/USP (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) : mede a variação de preços para o consumidor na cidade de São Paulo com base nos gastos de quem ganha de 2 a 20 salários mínimos. - Pesquisa os preços de 260 produtos. - Período em que os preços são coletados para a pesquisa: mês cheio (do primeiro dia ao último do mês de referência). - Divulgação: próximo ao dia 10 do mês subsequente ao da coleta.
  • 19. - 1.2) Deflação: queda dos preços dos produtos num determinado país ou região, durante um período; variação negativa dos preços. - Significa a produção e o consumo decrescentes de bens e serviços produzidos num país. - Quando é constante, conduz à diminuição e ao agravamento do padrão de vida das pessoas e à recessão.
  • 20. - 1.3) Câmbio: como, em geral, cada país possui a sua moeda, quando um agente econômico de uma determinada nação precisa se relacionar com um agente econômico de outra, torna-se necessário estabelecer o valor de sua moeda em relação à moeda do outro país, ou seja, é preciso haver uma taxa de câmbio. Traduzindo, o câmbio é a expressão em reais do valor das moedas estrangeiras no Brasil; - A taxa de câmbio é uma variável chave para o setor produtivo, pois mexe com as importações e as exportações. - Devido à influência da economia dos EUA no Brasil e no mundo, a taxa mais usada aqui é a que é expressa em dólar norte-americano. - No Brasil o câmbio é flutuante desde 1999. No regime de câmbio flutuante o Banco Central não intervém no câmbio, deixando a cotação da taxa de câmbio flutuar de acordo com as oscilações do mercado. - Há pelo menos cinco anos vivemos um cenário de câmbio valorizado (o real está mais forte que o dólar), o que facilita a importação e prejudica a exportação. Alguns alegam que esse cenário é bom para compra de máquinas e equipamentos estrangeiros que modernizam a indústria nacional. Outros, pelo contrário, dizem que o cenário é ruim porque a produção local está sendo substituída pela importação. A questão é longa e polêmica.
  • 21. 1.4) Produto Interno Bruno (PIB): é a soma de riquezas produzidas pelo país; representa os esforços de toda a cadeia produtiva. Dividido em: indústria, comércio, agricultura e serviços. - É calculado trimestralmente pelo IBGE e quando aponta geração de riqueza inferior à observada no levantamento anterior, indica retração econômica. - Quanto maior o PIB, maior a quantidade de empregos, o giro de mercadoria e a variedade de produtos. PIB brasileiro (2010) = US$ 2,2 trilhões 1.5) Renda per capita: valor total do PIB dividido pelo total da população, chegando na renda média de cada brasileiro. Renda per capitaI = US$ 11.767 Trata-se também de um importante indicador social que influencia o IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) de um país, medido pela ONU – que revela o nível de bem-estar de uma população. IDH (Brasil) = 0,718 (elevado) (84.)
  • 22. - 1.6) Taxa de juros: representa o “estímulo” que um agente econômico superavitário (com dinheiro em sobra) tem para deixar de consumir no presente e consumir no futuro, assim como representa também o custo que um agente econômico deficitário arcará para financiar seus investimentos. - Elevação na taxa de juros = retração dos investimentos e no nível da atividade econômica. - Diminuição na taxa de juros = incremento no nível de investimentos, crescimento econômico. - Há a taxa básica de juros (no Brasil representada pela taxa Selic - Sistema Especial de Liquidação e Custódia), que é definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e que remunera os papéis da dívida do governo e baliza as taxas de juros cobradas pelo mercado; e a taxa final cobrada pelos bancos, que inclui o chamado spread (diferença entre o custo de captação de dinheiro dos bancos e o custo dos empréstimos que eles concedem às empresas e às pessoas físicas). - OBS: O Copom divulga a taxa Selic a cada 40 dias, de acordo com suas reuniões. É preciso acompanhar o calendário do Comitê.
  • 23. - 1.7) Superávit primário: resultado positivo entre a arrecadação global do setor público (excluídas as receitas obtidas com aplicações financeiras) e o total de gastos, desconsiderando as despesas com juros. Na prática: governo corta gastos públicos e/ou aumenta arrecadação para ter receitas maior que despesas. - - Esse saldo positivo normalmente é utilizado para pagamento de juros da dívida. - Do ponto de vista do mercado, o superávit primário torna o Brasil um país “confiável” para os credores internacionais, em contrapartida, tem aumentado a dívida social, fazendo o país economizar o que não pode no setor público e arrecadar desenfreadamente a partir de uma estrutura tributária extremamente injusta, que onera excessivamente os trabalhadores e consumidores enquanto concede isenções ao grande capital.
  • 24. - 1.8) Balança comercial: termo que representa as importações e exportações de bens entre os países. A balança comercial de um determinado país está favorável, quando este exporta (vende para outros países) mais do que importa (compra de outros países). Do contrário, dizemos que a balança comercial é negativa ou desfavorável. A balança comercial favorável apresenta vantagens para um país, pois atrai moeda estrangeira, além de gerar empregos dentro do país exportador. - 1.9) Risco-país: é um indicador (criado pelo Banco americano JP Morgan) utilizado para orientar os investidores estrangeiros a respeito da situação financeira de um mercado emergente; mostra se um país será capaz de honrar ou não seus compromissos financeiros. Precisamente, é denominado EMBI+ (Emerging Markets Bond Index Plus), sendo calculado por bancos de investimento e agências de classificação de risco. Para calcular o índice, os bancos levam em conta vários fatores, como o nível do déficit fiscal, o crescimento da economia, a relação entre arrecadação e a dívida de um país, as turbulências políticas, etc. Aqui: Risco Brasil. - Risco país: 190 (02/03/2012)
  • 25. - Os fatos econômicos retratados na imprensa também podem estar ligados à:  * MICROECONOMIA: também chamada de “teoria dos preços”, trata dos fatores que determinam o preço relativo de bens e insumos. Busca compreender de que forma o comportamento (as escolhas) de indivíduos e empresas determinam o preço relativo de bens e serviços; verifica como a demanda e a oferta de determinado bem ou serviço determinam seu preço. Pode ser dividida em: - Teoria do Consumidor: estuda a preferência do consumidor analisando seu comportamento, suas escolhas, as restrições quanto a valores e a demanda de mercado. - Teoria de Empresa: estuda a reunião do capital e do trabalho de uma empresa a fim de produzir produtos conforme a demanda do mercado e a oferta dos consumidores dispostos a consumi-los. - Teoria da Produção: Estuda o processo de transformação da matéria-prima adquirida pela empresa em produtos específicos para a venda no mercado. A teoria da produção se refere os serviços como transportes, atividades financeiras, comércio e outros.
  • 26. Subeditorias importantes do jornalismo econômico, que sofrem influência da macro ou da microeconomia:  Finanças - mercado financeiro, bolsas de valores, mercado de ações, títulos públicos, bancos, bolsas de mercadorias e futuros, commodities.  Negócios - cobre as empresas (estatais e iniciativa privada), fusões, aquisições, separações, parcerias, pesquisa e desenvolvimento e tecnologia.  Infraestrutura - cobre obras públicas, investimentos e manutenção em energia, eletricidade, combustíveis, transportes, telecomunicações, telefonia, radiodifusão.  Agronegócio - relação comercial e industrial envolvendo a cadeia produtiva agrícola ou pecuária.
  • 27. * Um mercado cada vez mais feminino: Alguns nomes: Sonia Racy, Miriam Leitão, Lilian Witte Fibe, Suely Caldas e Leonora de Lucena. * Ainda prevalecem os salários maiores que nas demais Editorias. * Maior chance de recolocação profissional, já que poucos profissionais possuem expertise.
  • 28. - É preciso haver esforço para traduzir em linguagem clara e acessível a frieza dos números e dos termos técnicos e herméticos utilizados pelas fontes de informação. O leitor não tem o mesmo nível da fonte, é preciso ter sempre isso em mente. O caderno de Economia não é feito só para banqueiros!! - Utilizar exemplos práticos que levem o cidadão a perceber como determinadas variáveis econômicas afetam seu dia a dia. Esses exemplos também ajudarão a tornar os textos mais atrativos. - Utilizar infográficos que em vez de destacar números, demonstrem os efeitos do tema abordado na vida do cidadão comum.
  • 29. Cadernos de Economia da Folha, Estadão e O Globo. • Cadernos de Economia do JT, Diário de S.Paulo, Agora. • Brasil Econômico. • Valor Econômico. • DCI. • Jornal do Commercio. • Revista Exame • Isto é Dinheiro.
  • 30. Joelmir Betting  George Vidor  Carlos Alberto Sardenberg  Celso Ming  Guilherme Barros  Ivo Ribeiro  Joaquim Castanheira
  • 31. Jornalismo Econômico, de Suely Caldas.  Mercado Financeiro, de Gilson Oliveira e Marcelo Pacheco.