O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Genero  noticia
Genero noticia
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 2 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Anúncio

Mais de aulasdejornalismo (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Aula 4 FONTES

  1. 1. AULA 4 - NATUREZA DAS FONTES a) Oficiais, oficiosas e independentes Oficiais – são mantidas ou ligadas ao Estado. São tidas como as mais confiáveis. Muitas vezes não são nem citadas na matéria. Apesar de serem confiáveis, não devem ser a única fonte de uma pauta. Exemplo: dados divulgados pelo IBGE, divulgação do PIB. Oficiosas – ligadas à pessoas que não estão autorizadas a falar em nome de uma instituição. Devem ser vistas com cautela, pois são reveladas por um filtro que muitas vezes pode ter interesses específicos na divulgação de uma informação. No entanto, também são essas fontes que são a origem de grandes reportagens. São protegidas pelo off the record, ou seja, são fontes anônimas. Exemplo: Garganta Profunda (Mark Felt), no caso Watergate Pedro Collor, na divulgação do esquema de corrupção envolvendo o ex-presidente Collor Marco Aurélio de Oliveira, genro do juiz Nicolau dos Santos Neto, que denunciou o esquema de corrupção do ex-juiz. Independentes – são aquelas desvinculadas de uma relação de poder ou interesse específico em cada caso. Em tese, são fontes confiáveis, mas cada caso é um caso. Na verdade são fontes de notória credibilidade. Ex. Anistia Internacional Cruz Vermelha b) Primárias e Secundárias Primárias – são aquelas que fornecem ao jornalista a matéria prima de seu trabalho, ou seja, informações, versões, números Secundárias – são aquelas fontes que são consultadas para a preparação de uma pauta. Ele serve de aprofundamento num assunto, para que uma outra entrevista futura seja realizada, com maior propriedade. Exemplo: Um repórter é pautado para cobrir a coletiva de imprensa do secretário de Segurança Pública do Estado, que falará sobre os número da violência. O repórter, antes da coletiva, faz uma entrevista com um especialista/estudioso em violência, para levantar dados, se aprofundar sobre o assunto, e aí sim, participar da coletiva mais qualificado. c) Testemunhais e experts
  2. 2. Testemunhais – são as fontes que presenciaram ou participaram de um fato. Devem ser vistas com reservas, pois estão sob forte emoção, e por isso, não são tão confiáveis. Ex. testemunha do acidente de avião que matou Eduardo Campos Experts – são os especialistas. Pessoas de reconhecido saber na sociedade e que são invariavelmente procurados como fonte de informação sobre determinado assunto. Experts geralmente são fontes secundárias Ex. Sérgio Adorno, coordenador do Núcleo de Estudos da Violência da USP

×