SlideShare uma empresa Scribd logo
Técnicas de Reportagem 
GÊNEROS JORNALÍSTICOS
- A primeira tentativa de classificação dos textos jornalísticos aconteceu no século 18, na Inglaterra. Samuel Buckeley resolveu separar o conteúdo do jornal Daily Courant em news (notícias) e comments (comentários). 
- A partir do século 19, com essa separação implantada pioneiramente nos jornais norte-americanos, vários outros países passam a tentar sistematizar o conteúdo de seu Jornalismo, classificando-o em determinados gêneros.
Hoje são várias as classificações de gêneros jornalísticos no mundo e há muita divergência entre os estudiosos da área sobre qual delas seria mais adequada. 
Vamos conhecer rapidamente cada uma delas:
CLASSIFICAÇÃO FRANCESA 
Autor: Joseph Foliet 
- Editorial 
- Artigos de fundo 
- Crônica geral (resenhas sobre acontecimentos gerais) 
- Despachos (reportagens e entrevistas) 
- Fait divers (fatos diversos do cotidiano que fogem do comum - toque de sensacionalismo) 
- Crônica especializada (crítica de assuntos específicos) 
- Folhetim (espaço em que se colocam charadas, piadas, narrativas curtas como contos, entre outros) 
- Fotos e legendas 
- Caricaturas 
-Comics (quadrinhos)
CLASSIFICAÇÃO NORTE-AMERICANA 
Autor: Fraser Bond 
- Noticiário: 
Notícia 
Reportagem 
Entrevista 
História de interesse humano 
- Página editorial: 
Editorial 
Caricatura 
Coluna 
Crítica
CLASSIFICAÇÃO ALEMÃ 
Autor: Emil Dovifat 
- Informativos: 
Notícia (Fact-Story) 
Reportagem (Act-Story) 
Entrevista (Quote-Story) 
- De Opinião: 
Editorial 
Artigos curtos 
Glosa (Crônica) 
- Amenos: 
Folhetim (Resenha cultural) 
Crítica 
Recreio e Espelho Cultural (contos, versos etc)
No Brasil, o primeiro estudioso a classificar o conteúdo do nosso Jornalismo em gêneros foi o pernambucano Luiz Beltrão. 
Depois dele, José Marques de Melo (discípulo de Beltrão), também propôs uma classificação, que é seguida hoje pela maioria de nossos veículos jornalísticos. 
Luiz Belltrão 
José Marques de Melo
-No Brasil, podemos dividir a questão do gêneros em: 
-Jornalismo Informativo 
-Jornalismo Opinativo 
-Jornalismo Interpretativo* OBS: O Jornalismo Interpretativo não está incluído na classificação original de José Marques de Melo
- Inclui os gêneros que correspondem ao universo da informação, ou seja, que descrevem ou aprofundam um fato noticiável. - Pressupõe objetividade e imparcialidade. Não deve conter a visão de mundo do jornalista que produziu o texto, tampouco da empresa jornalística. - Os textos do gênero informativo se estruturam a partir um referencial exterior à empresa jornalística, ou seja, sua formação não depende do veículo de comunicação, mas da eclosão dos acontecimentos no mundo exterior.
*Os gêneros informativos são: 
- Nota 
- Notícia 
- Reportagem 
- Entrevista (que pode ser encontrada nos formatos: relato ou pingue-pongue)
*NOTA 
-Texto curto (máximo de 10 linhas) que traz as informações básicas sobre o fato, sem aprofundamento (normalmente não traz aspas).
EXEMPLO DE NOTA: 
Aprovada MP que cria estatal do trem-bala O Senado aprovou ontem à noite a medida provisória 511, que permite o financiamento e cria a estatal que vai gerenciar o trem-bala entre Campinas, São Paulo e Rio. A MP, que vai para a sanção de Dilma Rousseff, passou por 44 a 17 e perderia a validade no fim desta semana caso não fosse aprovada. Parte da base do governo votou contra o projeto, principalmente senadores do PMDB. A oposição criticou duramente a MP, pois achava que o assunto não tem urgência e poderia ser tratado por meio de projeto de lei. Por isso, ameaça entrar com uma ação de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal). Com a MP, o governo fica autorizado a emprestar até R$ 20 bilhões (valor de 2008) para o projeto via BNDES. O leilão do trem-bala já foi adiado duas vezes, em novembro de 2010 e em abril de 2011. Agora está previsto para julho. O governo prevê que o custo dessa obra vá ser de R$ 33,1 bilhões.
*NOTÍCIA 
-É o texto-chave de qualquer veículo jornalístico. Boa parte do conteúdo dos veículos jornalísticos é formado por notícias. 
- Trata-se do relato integral do fato, de maneira objetiva e com pelo menos um aprofundamento (uma fonte entrevistada). 
-É um texto maior do que a nota. 
-Normalmente está restrita ao factual.
EXEMPLO DE NOTÍCIA: 
Com a benção do governo federal e forte patrocínio do PMDB, o prefeito Gilberto Kassab assinou ontem a ata de fundação do PSD (Partido Social Democrático) prometendo "ajudar" a presidente Dilma Rousseff. O PSD nasce com 30 deputados federais e dois senadores (15 deles saídos da oposição), um governador (Omar Aziz, do Amazonas) e cinco vice-governadores (entre eles o de São Paulo, Guilherme Afif Domingues). A filiação deles só será consumada com a criação oficial do partido. Mas, com esse tamanho, o PSD já teria a oitava bancada da Câmara, à frente de siglas como o PDT e o PTB e apenas quatro deputados atrás do PSB. A criação do novo partido provoca sangria no DEM, que, ao perder nove deputados passará de 43 para 34. "Quero que o DEM seja feliz e encontre seu caminho", disse ontem Kassab. Pela manhã, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), levou à Câmara um político do Maranhão para se filiar ao PSD. Horas depois, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), também prestigiou a criação do partido. Kassab também se reuniu com o presidente do Senado, José Sarney (MA), e falou ao telefone com a governadora Roseana Sarney (PMDB-MA). 
Kassab funda PSD com promessa de apoio a Dilma Em ato em Brasília, prefeito de SP diz esperar que DEM, ex-sigla, "seja feliz"
*REPORTAGEM 
-Vai além do factual, aprofundando o fato, trazendo declarações de todos os envolvidos nele. 
-É um texto de maior fôlego que exige que o jornalista acompanhe o fato de perto, investigando suas causas e efeitos na sociedade. 
-Pode ser dividida em diferentes textos. 
-O texto da reportagem deve ter sempre uma abertura atrativa (lead mais “solto” e criativo), e não burocrática como o de uma notícia. 
-Hoje esse gênero está mais presente nas revistas que nos jornais diários.
EXEMPLO DE REPORTAGEM – http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-reportagem
ENTREVISTA 
- É a famosa entrevista “pingue-pongue”, conhecida popularmente nas redações como “pingue”. 
- Centrada na figura de uma fonte proeminente e editada no formato pergunta-resposta. 
- Trata-se de um gênero nobre, que normalmente gera leitura.
EXEMPLO DE ENTREVISTA PINGUE-PONGUE http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-entrevista-pingue EXEMPLO DE ENTREVISTA RELATO: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/entrevista-relato
-Inclui os textos jornalísticos que trazem UMA LEITURA DA REALIDADE e não um retrato objetivo dela. 
- Os gêneros opinativos são formados por variáveis diretamente relacionadas à empresa jornalística e ao profissional que produz o texto. OU PREDOMINA A VISÃO DA EMPRESA JORNALÍSTICA OU DO AUTOR DO TEXTO.
- Os gêneros opinativos são: - Editorial - Artigo - Resenha/Crítica - Crônica - Coluna - Carta do leitor - Caricatura - Charge
EDITORIAL 
- Texto no qual a empresa jornalística expressa a sua opinião sobre fatos da realidade. Na grande imprensa não tem autoria (ninguém assina o texto). Já nas publicações empresariais costuma ser assinado. 
- Cuidado: não confundir editorial com editoria.
-Exemplo de editorial – Da Folha de S.Paulo: Oposição de fato Três de cinco ex-presidentes brasileiros se encontram no Senado, sem que se tenha notícia de contribuições relevantes suas para o debate nacional. Luiz Inácio Lula da Silva, recém-saído do cargo, mantém temporário e bem-vindo silêncio, neste início de mandato da sucessora e correligionária petista, Dilma Rousseff. Diante de tal pasmaceira, coube ao tucano Fernando Henrique Cardoso agitar a cena política. A contribuição veio com o artigo "O Papel da Oposição", publicado na revista "Interesse Nacional". O foco do texto está em provocar a oposição -PSDB à frente- para sair da letargia diante do petismo. Para isso, ela precisa de uma estratégia, de um público-alvo e de um discurso (ou programa), que FHC se põe a alinhavar. A situação atual seria análoga à do MDB no início dos anos 70, quando o "milagre econômico" angariava forte apoio popular à ditadura. Outro artigo de FHC, publicado na época com o mesmo título, apontou a necessidade de organizar uma frente antiautoritária para lutar pela redemocratização. Hoje, os êxitos do governo Lula parecem prostrar o PSDB e demais legendas oposicionistas. FHC, contudo, vislumbra uma plataforma para que superem a perplexidade, caso se mostrem capazes de transcender a política institucional e falar diretamente com a classe média em expansão. O ex-presidente dá como inócua a tentativa da oposição de disputar com o PT o apoio das "massas carentes e pouco informadas". O governo, assinala com razão, dispõe de mecanismos de concessão de benesses mais eficazes que discursos no Congresso. O trecho pode ser entendido como uma crítica velada à emulação de políticas sociais lulistas. Seria o caso de programas de renda como o do governador paulista Geraldo Alckmin, ou da defesa irresponsável, sob o ângulo fiscal, de um salário mínimo de R$ 600, na campanha eleitoral de José Serra ou por parlamentares tucanos. A alternativa FHC é priorizar a nova classe média, cerca de 20 milhões de brasileiros incorporados nos últimos anos ao mercado de consumo. Esta seria mais receptiva a críticas da oposição à hegemonia petista, sobretudo às práticas de corrupção e cooptação de grupos econômicos escolhidos para receber benesses do BNDES. Como bem lembrou o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, o acesso a uma renda um pouco mais elevada não garante adesão automática a novos valores. Além disso, quase metade da população permanece nos estratos inferiores de renda e consumo, contingente de votos que não pode ser desprezado. Em outras palavras, a estratégia delineada por FHC demanda ousadia e implica risco eleitoral. É uma aposta em discurso que, diante dos limites e contradições da política petista, pode até provar-se correto. Fazer oposição de fato, alerta o ex-presidente, seria a única chance de sobrevida para o PSDB e os poucos partidos ainda não alinhados com Dilma.
*ARTIGO 
-Texto no qual uma pessoa, geralmente um protagonista da sociedade, defende uma tese sobre um tema ou dá a sua opinião sobre um fato que teve grande repercussão no veículo jornalístico. 
-Sempre tem uma autoria (alguém assina o texto). 
-Possui a estrutura dissertativa (baseado na argumentação).
-Exemplo de artigo: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-artigo
CRÍTICA 
-Texto que avalia uma obra literária, um filme ou um trabalho artístico, um jogo ou um debate. 
-Primeiramente é feita uma apresentação da obra e, depois, o redator expõe a sua opinião (fundamentada) sobre ela. 
-É sempre assinado.
-Exemplo de CRÍTICA: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-crtica
*CRÔNICA - Texto que se inspira em assuntos pertinentes do cotidiano, mas é escrito de maneira mais literária do que jornalística. - É sempre assinado.
EXEMPLO DE CRÔNICA: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-crnica
*COLUNA 
- Espaço no qual um protagonista da sociedade dá a sua opinião, com periodicidade, sobre um ou vários assuntos. 
-Essa periodicidade pode ser semanal, quinzenal etc. 
-O formato pode ser uma coluna de notas, ou com um artigo, ou com uma crônica. Trata-se mais de um espaço gráfico que abarca um gênero.
-Exemplo de coluna: 
http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-coluna
*CARTA DO LEITOR 
-Espaço no qual o leitor expressa a sua opinião sobre notícias que já foram publicadas na imprensa. 
-Este espaço é importante para o veículo, pois mostra que ele está preocupado em se comunicar com o seu leitor, ouvindo as angústias e sugestões deste.
-Exemplo de cartas de leitores: 
Atentado no Rio O massacre em Realengo, como ficou conhecida a chacina no Rio, tirou a vida de jovens que só queriam aprender. É o fim de um sonho. O Brasil se calou diante da barbárie. EDSON RODRIGUES (Santo André, SP) É mais um triste e lamentável fato que ocorreu em uma escola no Rio, mas que, diga-se, poderia ter acontecido em qualquer parte do mundo. Acabamos por chorar mais uma vez o futuro e a esperança com a morte de jovens. Até quando poderemos suportar crueldades como essa? SONIA REGINA VALENTIM TAVEIROS (São Paulo, SP)
*CARICATURA 
-Desenho que evidencia os aspectos físicos mais marcantes de um personagem. - É assinada.
*CHARGE 
-Desenho que ironiza alguém ou uma situação. 
-Também tem autoria, ou seja, é assinada.
Apresenta como formato principal a Grande Reportagem 
É bastante comum no Jornalismo Literário e no Jornalismo Investigativo, por exemplo.
Exemplo no Jornalismo Investigativo 
Descendo aos porões da ditadura, de Antonio Carlos Fon 
http://pt.slideshare.net/aulasdejornalismo/descendo-aos-pores?qid=dd480b3b-1469-4ff0-a4a0- a44b6ae2d8b4&v=qf1&b=&from_search=1
Exemplo no Jornalismo Literário 
Frank Sinatra está resfriado, de Gay Talese 
http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/gay-talese-texto
ABRAMO, Perseu. Padrões de manipulação na grande imprensa. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004. 63p. ________________________ . Jornalismo opinativo. 3. ed. Campos do Jordão – São Paulo:Mantiqueira de Ciência e Arte Ltda, 2003. v. 1. 238 p. ________________________. Gêneros jornalísticos na folha de S.Paulo. São Paulo, SP: FDT-ECA/USP, 1987. 128p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto ImpressoCaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto Impresso
joaoventura
 
Ética Jornalística
Ética JornalísticaÉtica Jornalística
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalística
Laércio Góes
 
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Aula 2 notícia, noticiabilidade
Aula 2   notícia, noticiabilidadeAula 2   notícia, noticiabilidade
Aula 2 notícia, noticiabilidade
Edelberto Behs
 
Aula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxAula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptx
Igor71257
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
Artur Araujo
 
A Reportagem
A ReportagemA Reportagem
A Reportagem
Juliana Fernandes
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
Renally Arruda
 
Técnicas de jornalismo resumão
Técnicas de jornalismo   resumãoTécnicas de jornalismo   resumão
Técnicas de jornalismo resumão
Ana Dall'Agnol
 
Entrevistas
EntrevistasEntrevistas
Entrevistas
Laércio Góes
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
Antonio Minharro
 
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01   Teoria do Jornalismo - IntroduçãoAula 01   Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
Elizeu Nascimento Silva
 
Editorial
EditorialEditorial
Textos Jornalisticos
Textos JornalisticosTextos Jornalisticos
Textos Jornalisticos
Rosalina Simão Nunes
 
Romance
RomanceRomance
Breve história do jornalismo
Breve história do jornalismoBreve história do jornalismo
Breve história do jornalismo
Daniela Ribeiro
 
Conto
ContoConto
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
Patrícia Rabelo Goulart
 
Apresentação infográfico
Apresentação infográficoApresentação infográfico

Mais procurados (20)

CaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto ImpressoCaracteríSticas Do Texto Impresso
CaracteríSticas Do Texto Impresso
 
Ética Jornalística
Ética JornalísticaÉtica Jornalística
Ética Jornalística
 
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalística
 
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
O Radiojornalismo (Conceito, Definições e Ferramentas)
 
Aula 2 notícia, noticiabilidade
Aula 2   notícia, noticiabilidadeAula 2   notícia, noticiabilidade
Aula 2 notícia, noticiabilidade
 
Aula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxAula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptx
 
A crônica
A crônicaA crônica
A crônica
 
A Reportagem
A ReportagemA Reportagem
A Reportagem
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
Técnicas de jornalismo resumão
Técnicas de jornalismo   resumãoTécnicas de jornalismo   resumão
Técnicas de jornalismo resumão
 
Entrevistas
EntrevistasEntrevistas
Entrevistas
 
Editorial gênero
Editorial gêneroEditorial gênero
Editorial gênero
 
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01   Teoria do Jornalismo - IntroduçãoAula 01   Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
 
Editorial
EditorialEditorial
Editorial
 
Textos Jornalisticos
Textos JornalisticosTextos Jornalisticos
Textos Jornalisticos
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Breve história do jornalismo
Breve história do jornalismoBreve história do jornalismo
Breve história do jornalismo
 
Conto
ContoConto
Conto
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Apresentação infográfico
Apresentação infográficoApresentação infográfico
Apresentação infográfico
 

Destaque

Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Manuel Pinto
 
Texto jornalístico
Texto jornalísticoTexto jornalístico
Texto jornalístico
Lurdes Augusto
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
aulasdejornalismo
 
Trabalhando os gêneros jornalísticos
Trabalhando os gêneros jornalísticosTrabalhando os gêneros jornalísticos
Trabalhando os gêneros jornalísticos
Renally Arruda
 
Gêneros jornalísticos e internet
Gêneros jornalísticos e internetGêneros jornalísticos e internet
Gêneros jornalísticos e internet
Guilherme Carvalho
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
aulasdejornalismo
 
Exemplo de crítica
Exemplo de críticaExemplo de crítica
Exemplo de crítica
aulasdejornalismo
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
Jomari
 
Textos jornalisticos teresa
Textos jornalisticos teresaTextos jornalisticos teresa
Textos jornalisticos teresa
Teresa Oliveira
 
Modulo texto
Modulo textoModulo texto
Modulo texto
Andréia Mallmann
 
Jornalismo de credibilidade
Jornalismo de credibilidadeJornalismo de credibilidade
Jornalismo de credibilidade
Felipe Souza
 
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto Avaliação Da B E Nos Seus Difer...
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto  Avaliação Da  B E Nos Seus Difer...Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto  Avaliação Da  B E Nos Seus Difer...
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto Avaliação Da B E Nos Seus Difer...
andretti26
 
Ag1 Aula4 2008
Ag1 Aula4 2008Ag1 Aula4 2008
Ag1 Aula4 2008
Artur Araujo
 
Textos jornalísticos
Textos jornalísticosTextos jornalísticos
Textos jornalísticos
Filomena Claudino
 
Geracoes Jornalismo Online Famecos
Geracoes Jornalismo Online FamecosGeracoes Jornalismo Online Famecos
Geracoes Jornalismo Online Famecos
Ana Brambilla
 
Jornalismo Online II - Aula Novos Espaços
Jornalismo Online II - Aula Novos EspaçosJornalismo Online II - Aula Novos Espaços
Jornalismo Online II - Aula Novos Espaços
Pri Guimaraes
 
Geracoes Jornalismo Online
Geracoes Jornalismo OnlineGeracoes Jornalismo Online
Geracoes Jornalismo Online
Ana Brambilla
 
Ciberjornalismo
CiberjornalismoCiberjornalismo
Ciberjornalismo
Manuel Pinto
 
A coluna jornalística
A coluna jornalísticaA coluna jornalística
A coluna jornalística
Artur Araujo
 
A linguagem jornalística
A linguagem jornalísticaA linguagem jornalística
A linguagem jornalística
Sérgio Massagli
 

Destaque (20)

Conteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros JornalísticosConteúdos e Géneros Jornalísticos
Conteúdos e Géneros Jornalísticos
 
Texto jornalístico
Texto jornalísticoTexto jornalístico
Texto jornalístico
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
Trabalhando os gêneros jornalísticos
Trabalhando os gêneros jornalísticosTrabalhando os gêneros jornalísticos
Trabalhando os gêneros jornalísticos
 
Gêneros jornalísticos e internet
Gêneros jornalísticos e internetGêneros jornalísticos e internet
Gêneros jornalísticos e internet
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
 
Exemplo de crítica
Exemplo de críticaExemplo de crítica
Exemplo de crítica
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
 
Textos jornalisticos teresa
Textos jornalisticos teresaTextos jornalisticos teresa
Textos jornalisticos teresa
 
Modulo texto
Modulo textoModulo texto
Modulo texto
 
Jornalismo de credibilidade
Jornalismo de credibilidadeJornalismo de credibilidade
Jornalismo de credibilidade
 
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto Avaliação Da B E Nos Seus Difer...
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto  Avaliação Da  B E Nos Seus Difer...Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto  Avaliação Da  B E Nos Seus Difer...
Cruzamento Da Informação Resultante Da Auto Avaliação Da B E Nos Seus Difer...
 
Ag1 Aula4 2008
Ag1 Aula4 2008Ag1 Aula4 2008
Ag1 Aula4 2008
 
Textos jornalísticos
Textos jornalísticosTextos jornalísticos
Textos jornalísticos
 
Geracoes Jornalismo Online Famecos
Geracoes Jornalismo Online FamecosGeracoes Jornalismo Online Famecos
Geracoes Jornalismo Online Famecos
 
Jornalismo Online II - Aula Novos Espaços
Jornalismo Online II - Aula Novos EspaçosJornalismo Online II - Aula Novos Espaços
Jornalismo Online II - Aula Novos Espaços
 
Geracoes Jornalismo Online
Geracoes Jornalismo OnlineGeracoes Jornalismo Online
Geracoes Jornalismo Online
 
Ciberjornalismo
CiberjornalismoCiberjornalismo
Ciberjornalismo
 
A coluna jornalística
A coluna jornalísticaA coluna jornalística
A coluna jornalística
 
A linguagem jornalística
A linguagem jornalísticaA linguagem jornalística
A linguagem jornalística
 

Semelhante a Aula 1 GÊNEROS

Estudo: Quem fala de política?
Estudo: Quem fala de política?Estudo: Quem fala de política?
Estudo: Quem fala de política?
Miti Inteligência
 
20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson
Francisco Pinheiro
 
Socialismo moreno
Socialismo morenoSocialismo moreno
Socialismo moreno
jeffersonseliga
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
aulasdejornalismo
 
O Chefe - Ivo Patarra
O Chefe - Ivo PatarraO Chefe - Ivo Patarra
O Chefe - Ivo Patarra
caixapretadopt
 
Burguesia: Olavo de Carvalho.
Burguesia: Olavo de Carvalho.Burguesia: Olavo de Carvalho.
Burguesia: Olavo de Carvalho.
Professor Belinaso
 
Etica
EticaEtica
434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok
Roberto Rabat Chame
 
PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis
Paulo Franco
 
Mais Um Artigo Para Ler E Refletir
Mais Um Artigo Para Ler E RefletirMais Um Artigo Para Ler E Refletir
Mais Um Artigo Para Ler E Refletir
Priscila Angel
 
Socialismo moreno
Socialismo morenoSocialismo moreno
Socialismo moreno
jeffersonseliga
 
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Lucio Borges
 
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptxslide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
anefagunges
 
O brasil desgovernado
O brasil desgovernadoO brasil desgovernado
O brasil desgovernado
Fernando Alcoforado
 
Partidarismo na revista Carta Capital
Partidarismo na revista Carta CapitalPartidarismo na revista Carta Capital
Partidarismo na revista Carta Capital
renatoduarteplantier
 
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHOREPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
aulasdejornalismo
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalístico
Fausto Coimbra
 
CHEFE.pdf
CHEFE.pdfCHEFE.pdf
CHEFE.pdf
ELIAS OMEGA
 
O chefe lula
O chefe lula O chefe lula
O chefe lula
Emerson Silva
 
MEUS ARTIGOS POLÍTICOS
MEUS ARTIGOS POLÍTICOSMEUS ARTIGOS POLÍTICOS
MEUS ARTIGOS POLÍTICOS
Dagobah
 

Semelhante a Aula 1 GÊNEROS (20)

Estudo: Quem fala de política?
Estudo: Quem fala de política?Estudo: Quem fala de política?
Estudo: Quem fala de política?
 
20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson20160419 O fator Roberto Jefferson
20160419 O fator Roberto Jefferson
 
Socialismo moreno
Socialismo morenoSocialismo moreno
Socialismo moreno
 
Jornalismo político
Jornalismo políticoJornalismo político
Jornalismo político
 
O Chefe - Ivo Patarra
O Chefe - Ivo PatarraO Chefe - Ivo Patarra
O Chefe - Ivo Patarra
 
Burguesia: Olavo de Carvalho.
Burguesia: Olavo de Carvalho.Burguesia: Olavo de Carvalho.
Burguesia: Olavo de Carvalho.
 
Etica
EticaEtica
Etica
 
434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok434 an-03-julho-2013.ok
434 an-03-julho-2013.ok
 
PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis PIG - Os 30 Berlusconis
PIG - Os 30 Berlusconis
 
Mais Um Artigo Para Ler E Refletir
Mais Um Artigo Para Ler E RefletirMais Um Artigo Para Ler E Refletir
Mais Um Artigo Para Ler E Refletir
 
Socialismo moreno
Socialismo morenoSocialismo moreno
Socialismo moreno
 
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
Jornal Inconfidência nº 226 de 30 de abril/2016‏
 
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptxslide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
slide apresentado no xeppp sobre a dinâmica política brasileira.pptx
 
O brasil desgovernado
O brasil desgovernadoO brasil desgovernado
O brasil desgovernado
 
Partidarismo na revista Carta Capital
Partidarismo na revista Carta CapitalPartidarismo na revista Carta Capital
Partidarismo na revista Carta Capital
 
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHOREPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
REPORTAGENS INVESTIGATIVAS - RICARDO KOTSCHO
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalístico
 
CHEFE.pdf
CHEFE.pdfCHEFE.pdf
CHEFE.pdf
 
O chefe lula
O chefe lula O chefe lula
O chefe lula
 
MEUS ARTIGOS POLÍTICOS
MEUS ARTIGOS POLÍTICOSMEUS ARTIGOS POLÍTICOS
MEUS ARTIGOS POLÍTICOS
 

Mais de aulasdejornalismo

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
aulasdejornalismo
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
aulasdejornalismo
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
aulasdejornalismo
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
aulasdejornalismo
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
aulasdejornalismo
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
aulasdejornalismo
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
aulasdejornalismo
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
aulasdejornalismo
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
aulasdejornalismo
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
aulasdejornalismo
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
aulasdejornalismo
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
aulasdejornalismo
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
aulasdejornalismo
 
Paradigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológicoParadigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológico
aulasdejornalismo
 
Paradigma critico radical
Paradigma critico radicalParadigma critico radical
Paradigma critico radical
aulasdejornalismo
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
aulasdejornalismo
 

Mais de aulasdejornalismo (20)

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Paradigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológicoParadigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológico
 
Paradigma critico radical
Paradigma critico radicalParadigma critico radical
Paradigma critico radical
 
Efeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazoEfeitos a longo prazo
Efeitos a longo prazo
 

Último

socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 

Aula 1 GÊNEROS

  • 1. Técnicas de Reportagem GÊNEROS JORNALÍSTICOS
  • 2. - A primeira tentativa de classificação dos textos jornalísticos aconteceu no século 18, na Inglaterra. Samuel Buckeley resolveu separar o conteúdo do jornal Daily Courant em news (notícias) e comments (comentários). - A partir do século 19, com essa separação implantada pioneiramente nos jornais norte-americanos, vários outros países passam a tentar sistematizar o conteúdo de seu Jornalismo, classificando-o em determinados gêneros.
  • 3. Hoje são várias as classificações de gêneros jornalísticos no mundo e há muita divergência entre os estudiosos da área sobre qual delas seria mais adequada. Vamos conhecer rapidamente cada uma delas:
  • 4. CLASSIFICAÇÃO FRANCESA Autor: Joseph Foliet - Editorial - Artigos de fundo - Crônica geral (resenhas sobre acontecimentos gerais) - Despachos (reportagens e entrevistas) - Fait divers (fatos diversos do cotidiano que fogem do comum - toque de sensacionalismo) - Crônica especializada (crítica de assuntos específicos) - Folhetim (espaço em que se colocam charadas, piadas, narrativas curtas como contos, entre outros) - Fotos e legendas - Caricaturas -Comics (quadrinhos)
  • 5. CLASSIFICAÇÃO NORTE-AMERICANA Autor: Fraser Bond - Noticiário: Notícia Reportagem Entrevista História de interesse humano - Página editorial: Editorial Caricatura Coluna Crítica
  • 6. CLASSIFICAÇÃO ALEMÃ Autor: Emil Dovifat - Informativos: Notícia (Fact-Story) Reportagem (Act-Story) Entrevista (Quote-Story) - De Opinião: Editorial Artigos curtos Glosa (Crônica) - Amenos: Folhetim (Resenha cultural) Crítica Recreio e Espelho Cultural (contos, versos etc)
  • 7. No Brasil, o primeiro estudioso a classificar o conteúdo do nosso Jornalismo em gêneros foi o pernambucano Luiz Beltrão. Depois dele, José Marques de Melo (discípulo de Beltrão), também propôs uma classificação, que é seguida hoje pela maioria de nossos veículos jornalísticos. Luiz Belltrão José Marques de Melo
  • 8. -No Brasil, podemos dividir a questão do gêneros em: -Jornalismo Informativo -Jornalismo Opinativo -Jornalismo Interpretativo* OBS: O Jornalismo Interpretativo não está incluído na classificação original de José Marques de Melo
  • 9. - Inclui os gêneros que correspondem ao universo da informação, ou seja, que descrevem ou aprofundam um fato noticiável. - Pressupõe objetividade e imparcialidade. Não deve conter a visão de mundo do jornalista que produziu o texto, tampouco da empresa jornalística. - Os textos do gênero informativo se estruturam a partir um referencial exterior à empresa jornalística, ou seja, sua formação não depende do veículo de comunicação, mas da eclosão dos acontecimentos no mundo exterior.
  • 10. *Os gêneros informativos são: - Nota - Notícia - Reportagem - Entrevista (que pode ser encontrada nos formatos: relato ou pingue-pongue)
  • 11. *NOTA -Texto curto (máximo de 10 linhas) que traz as informações básicas sobre o fato, sem aprofundamento (normalmente não traz aspas).
  • 12. EXEMPLO DE NOTA: Aprovada MP que cria estatal do trem-bala O Senado aprovou ontem à noite a medida provisória 511, que permite o financiamento e cria a estatal que vai gerenciar o trem-bala entre Campinas, São Paulo e Rio. A MP, que vai para a sanção de Dilma Rousseff, passou por 44 a 17 e perderia a validade no fim desta semana caso não fosse aprovada. Parte da base do governo votou contra o projeto, principalmente senadores do PMDB. A oposição criticou duramente a MP, pois achava que o assunto não tem urgência e poderia ser tratado por meio de projeto de lei. Por isso, ameaça entrar com uma ação de inconstitucionalidade no STF (Supremo Tribunal Federal). Com a MP, o governo fica autorizado a emprestar até R$ 20 bilhões (valor de 2008) para o projeto via BNDES. O leilão do trem-bala já foi adiado duas vezes, em novembro de 2010 e em abril de 2011. Agora está previsto para julho. O governo prevê que o custo dessa obra vá ser de R$ 33,1 bilhões.
  • 13. *NOTÍCIA -É o texto-chave de qualquer veículo jornalístico. Boa parte do conteúdo dos veículos jornalísticos é formado por notícias. - Trata-se do relato integral do fato, de maneira objetiva e com pelo menos um aprofundamento (uma fonte entrevistada). -É um texto maior do que a nota. -Normalmente está restrita ao factual.
  • 14. EXEMPLO DE NOTÍCIA: Com a benção do governo federal e forte patrocínio do PMDB, o prefeito Gilberto Kassab assinou ontem a ata de fundação do PSD (Partido Social Democrático) prometendo "ajudar" a presidente Dilma Rousseff. O PSD nasce com 30 deputados federais e dois senadores (15 deles saídos da oposição), um governador (Omar Aziz, do Amazonas) e cinco vice-governadores (entre eles o de São Paulo, Guilherme Afif Domingues). A filiação deles só será consumada com a criação oficial do partido. Mas, com esse tamanho, o PSD já teria a oitava bancada da Câmara, à frente de siglas como o PDT e o PTB e apenas quatro deputados atrás do PSB. A criação do novo partido provoca sangria no DEM, que, ao perder nove deputados passará de 43 para 34. "Quero que o DEM seja feliz e encontre seu caminho", disse ontem Kassab. Pela manhã, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (RR), levou à Câmara um político do Maranhão para se filiar ao PSD. Horas depois, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), também prestigiou a criação do partido. Kassab também se reuniu com o presidente do Senado, José Sarney (MA), e falou ao telefone com a governadora Roseana Sarney (PMDB-MA). Kassab funda PSD com promessa de apoio a Dilma Em ato em Brasília, prefeito de SP diz esperar que DEM, ex-sigla, "seja feliz"
  • 15. *REPORTAGEM -Vai além do factual, aprofundando o fato, trazendo declarações de todos os envolvidos nele. -É um texto de maior fôlego que exige que o jornalista acompanhe o fato de perto, investigando suas causas e efeitos na sociedade. -Pode ser dividida em diferentes textos. -O texto da reportagem deve ter sempre uma abertura atrativa (lead mais “solto” e criativo), e não burocrática como o de uma notícia. -Hoje esse gênero está mais presente nas revistas que nos jornais diários.
  • 16. EXEMPLO DE REPORTAGEM – http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-reportagem
  • 17. ENTREVISTA - É a famosa entrevista “pingue-pongue”, conhecida popularmente nas redações como “pingue”. - Centrada na figura de uma fonte proeminente e editada no formato pergunta-resposta. - Trata-se de um gênero nobre, que normalmente gera leitura.
  • 18. EXEMPLO DE ENTREVISTA PINGUE-PONGUE http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-entrevista-pingue EXEMPLO DE ENTREVISTA RELATO: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/entrevista-relato
  • 19. -Inclui os textos jornalísticos que trazem UMA LEITURA DA REALIDADE e não um retrato objetivo dela. - Os gêneros opinativos são formados por variáveis diretamente relacionadas à empresa jornalística e ao profissional que produz o texto. OU PREDOMINA A VISÃO DA EMPRESA JORNALÍSTICA OU DO AUTOR DO TEXTO.
  • 20. - Os gêneros opinativos são: - Editorial - Artigo - Resenha/Crítica - Crônica - Coluna - Carta do leitor - Caricatura - Charge
  • 21. EDITORIAL - Texto no qual a empresa jornalística expressa a sua opinião sobre fatos da realidade. Na grande imprensa não tem autoria (ninguém assina o texto). Já nas publicações empresariais costuma ser assinado. - Cuidado: não confundir editorial com editoria.
  • 22. -Exemplo de editorial – Da Folha de S.Paulo: Oposição de fato Três de cinco ex-presidentes brasileiros se encontram no Senado, sem que se tenha notícia de contribuições relevantes suas para o debate nacional. Luiz Inácio Lula da Silva, recém-saído do cargo, mantém temporário e bem-vindo silêncio, neste início de mandato da sucessora e correligionária petista, Dilma Rousseff. Diante de tal pasmaceira, coube ao tucano Fernando Henrique Cardoso agitar a cena política. A contribuição veio com o artigo "O Papel da Oposição", publicado na revista "Interesse Nacional". O foco do texto está em provocar a oposição -PSDB à frente- para sair da letargia diante do petismo. Para isso, ela precisa de uma estratégia, de um público-alvo e de um discurso (ou programa), que FHC se põe a alinhavar. A situação atual seria análoga à do MDB no início dos anos 70, quando o "milagre econômico" angariava forte apoio popular à ditadura. Outro artigo de FHC, publicado na época com o mesmo título, apontou a necessidade de organizar uma frente antiautoritária para lutar pela redemocratização. Hoje, os êxitos do governo Lula parecem prostrar o PSDB e demais legendas oposicionistas. FHC, contudo, vislumbra uma plataforma para que superem a perplexidade, caso se mostrem capazes de transcender a política institucional e falar diretamente com a classe média em expansão. O ex-presidente dá como inócua a tentativa da oposição de disputar com o PT o apoio das "massas carentes e pouco informadas". O governo, assinala com razão, dispõe de mecanismos de concessão de benesses mais eficazes que discursos no Congresso. O trecho pode ser entendido como uma crítica velada à emulação de políticas sociais lulistas. Seria o caso de programas de renda como o do governador paulista Geraldo Alckmin, ou da defesa irresponsável, sob o ângulo fiscal, de um salário mínimo de R$ 600, na campanha eleitoral de José Serra ou por parlamentares tucanos. A alternativa FHC é priorizar a nova classe média, cerca de 20 milhões de brasileiros incorporados nos últimos anos ao mercado de consumo. Esta seria mais receptiva a críticas da oposição à hegemonia petista, sobretudo às práticas de corrupção e cooptação de grupos econômicos escolhidos para receber benesses do BNDES. Como bem lembrou o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, o acesso a uma renda um pouco mais elevada não garante adesão automática a novos valores. Além disso, quase metade da população permanece nos estratos inferiores de renda e consumo, contingente de votos que não pode ser desprezado. Em outras palavras, a estratégia delineada por FHC demanda ousadia e implica risco eleitoral. É uma aposta em discurso que, diante dos limites e contradições da política petista, pode até provar-se correto. Fazer oposição de fato, alerta o ex-presidente, seria a única chance de sobrevida para o PSDB e os poucos partidos ainda não alinhados com Dilma.
  • 23. *ARTIGO -Texto no qual uma pessoa, geralmente um protagonista da sociedade, defende uma tese sobre um tema ou dá a sua opinião sobre um fato que teve grande repercussão no veículo jornalístico. -Sempre tem uma autoria (alguém assina o texto). -Possui a estrutura dissertativa (baseado na argumentação).
  • 24. -Exemplo de artigo: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-artigo
  • 25. CRÍTICA -Texto que avalia uma obra literária, um filme ou um trabalho artístico, um jogo ou um debate. -Primeiramente é feita uma apresentação da obra e, depois, o redator expõe a sua opinião (fundamentada) sobre ela. -É sempre assinado.
  • 26. -Exemplo de CRÍTICA: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-crtica
  • 27. *CRÔNICA - Texto que se inspira em assuntos pertinentes do cotidiano, mas é escrito de maneira mais literária do que jornalística. - É sempre assinado.
  • 28. EXEMPLO DE CRÔNICA: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-crnica
  • 29. *COLUNA - Espaço no qual um protagonista da sociedade dá a sua opinião, com periodicidade, sobre um ou vários assuntos. -Essa periodicidade pode ser semanal, quinzenal etc. -O formato pode ser uma coluna de notas, ou com um artigo, ou com uma crônica. Trata-se mais de um espaço gráfico que abarca um gênero.
  • 30. -Exemplo de coluna: http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/exemplo-de-coluna
  • 31. *CARTA DO LEITOR -Espaço no qual o leitor expressa a sua opinião sobre notícias que já foram publicadas na imprensa. -Este espaço é importante para o veículo, pois mostra que ele está preocupado em se comunicar com o seu leitor, ouvindo as angústias e sugestões deste.
  • 32. -Exemplo de cartas de leitores: Atentado no Rio O massacre em Realengo, como ficou conhecida a chacina no Rio, tirou a vida de jovens que só queriam aprender. É o fim de um sonho. O Brasil se calou diante da barbárie. EDSON RODRIGUES (Santo André, SP) É mais um triste e lamentável fato que ocorreu em uma escola no Rio, mas que, diga-se, poderia ter acontecido em qualquer parte do mundo. Acabamos por chorar mais uma vez o futuro e a esperança com a morte de jovens. Até quando poderemos suportar crueldades como essa? SONIA REGINA VALENTIM TAVEIROS (São Paulo, SP)
  • 33. *CARICATURA -Desenho que evidencia os aspectos físicos mais marcantes de um personagem. - É assinada.
  • 34. *CHARGE -Desenho que ironiza alguém ou uma situação. -Também tem autoria, ou seja, é assinada.
  • 35. Apresenta como formato principal a Grande Reportagem É bastante comum no Jornalismo Literário e no Jornalismo Investigativo, por exemplo.
  • 36. Exemplo no Jornalismo Investigativo Descendo aos porões da ditadura, de Antonio Carlos Fon http://pt.slideshare.net/aulasdejornalismo/descendo-aos-pores?qid=dd480b3b-1469-4ff0-a4a0- a44b6ae2d8b4&v=qf1&b=&from_search=1
  • 37. Exemplo no Jornalismo Literário Frank Sinatra está resfriado, de Gay Talese http://www.slideshare.net/aulasdejornalismo/gay-talese-texto
  • 38. ABRAMO, Perseu. Padrões de manipulação na grande imprensa. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2004. 63p. ________________________ . Jornalismo opinativo. 3. ed. Campos do Jordão – São Paulo:Mantiqueira de Ciência e Arte Ltda, 2003. v. 1. 238 p. ________________________. Gêneros jornalísticos na folha de S.Paulo. São Paulo, SP: FDT-ECA/USP, 1987. 128p.