SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
TÉCNICAS DE REPORTAGEM


   AULA 1 - O FLUXO DA NOTÍCIA


   Para entender como é o fluxo de trabalho no jornalismo devemos iniciar a abordagem
   mostrando como é feita a notícia:


   As etapas básicas que envolvem a produção da notícia são:


             Pauta
             Apuração
             Estruturação textual
             Redação




   Na fase inicial é preciso estar atento para o cotidiano, para a observação do mundo com um
   olhar crítico e estar com o nível de atenção redobrada para o que pode e o que não pode virar
   notícia.
   Definida a pauta, que a grosso modo é a anotação e o planejamento de uma ideia, o
   jornalista passa para a fase de apuração, a partir das fontes que foram previstas durante a fase
   de planejamento (pauta).
   Após as entrevistas e a pesquisa de dados, o repórter começa a estruturar o seu texto,
   hierarquizando as informações, definindo o lide e quais serão as informações que serão
   tratadas de maneira secundária.
   Por último, o repórter redige o texto, tendo em mente o número de caracteres que lhe foi
   pautado, a correlação com fotos, gráficos e infográficos (quando for o caso).




   AS FUNÇÕES JORNALÍSTICAS


   Dentre as principais funções jornalísticas podemos destacar:


1) Pauteiro – é o profissional responsável por definir quais os assuntos que serão abordados na
   edição. Faz parte de sua rotina estar bem informado. Portanto, é obrigatório que ele leia as
   notícias do veículo em que trabalha, dos concorrentes e estar ciente do noticiário em geral
   (incluindo rádio, televisão, sites etc). O pauteiro é um dos primeiros a chegar numa redação
   jornalística. Além de definir quais os assuntos que serão tratados naquele dia ele deve planejar
   a cobertura, indicando fontes de pesquisa para o repórteres, entrevistados, a cobertura
   fotográfica e as artes.
2) Repórter – é o profissional que vai apurar a notícia. Talvez seja a função mais nobre do
   jornalismo, pois é quem de fato vai extrair da realidade as informações que serão levadas a
   conhecimento do leitor a partir do formato da notícia. Dentre as funções do repórter estão o
   levantamento de uma “história”, pesquisa com fontes e redação da reportagem.
3) Redator – é o profissional que vai pegar o texto bruto do repórter e dar o formato final a ele,
   editando e fazendo o texto caber dentro da edição. Além disso, faz textos de apoio e checa
   informações para a edição final.
4) Chefe de Reportagem – é o jornalista que dialoga com o repórter sobre a condução da notícia.
   O chefe de reportagem define se há necessidade de mais apuração e quais os rumos que a
   reportagem vai tomar. Serve como um orientador do repórter.
5) Editor – é o profissional que define o que entra na edição, em qual lugar da página, quais os
   assuntos abordados, onde entrarão os anúncios, enfim, é o responsável pela palavra final
   dentro da edição.
6) Fechador – são redatores que desempenham funções específicas dentro do processo de
   fechamento do jornal (desenham páginas no jornal, checam informações de última hora, fazem
   títulos e melhoram textos)


   A HIERARQUIA DENTRO DO JORNALISMO


   Vamos abordar agora a estrutura hieráquica dentro de uma redação jornalística.
   No topo da pirâmide encontra-se o Publisher, que é o responsável e dono da publicação.


   Abaixo dele vem o diretor de redação, que responde diretamente ao Publisher. Em seguida
   temos a figura do editor-executivo, que é quem faz a publicação acontecer, funcionar. Todos
   estes fazem parte da Direção de Redação.


   Vinculada à Direção de redação está a Secretaria de Redação. Diferentemente do que o termo
   pode sugerir, a Secretaria de Redação é um posto alto dentro da hierarquia jornalística. É
   formada por um diretor-adjunto e pelos secretários de redação.


   Subordinadas à Secretaria de Redação estão outros departamentos (Sucursais, Editorias e
   Agência),   que     funcionam   com   uma     estrutura   parecida   (repórteres,   redatores   e
   correspondentes).
   Veja o quadro (1) abaixo:


                                               Publisher


                                      DIREÇÃO DE REDAÇÃO
Diretor de Redação
                                          Editor-executivo


                                   SECRETARIA DE REDAÇÃO
                                          Diretor-adjunto
                                      Secretários de Redação


            SUCURSAIS                       EDITORIAS                    AGÊNCIA
      Repórteres, redatores e         Repórteres, redatores e     Repórteres, redatores e
          correspondentes                correspondentes              correspondentes
(1) Extraído de: Jornalismo Diário (Sousa, 2009)

   As Sucursais são redações de apoio localizadas em outras cidades consideradas estratégicas
   para a cobertura jornalística da publicação. Nela trabalham repórteres, redatores e
   correspondentes.


   O correspondente também é o profissional localizado num ponto estratégico de interesse do
   veículo de comunicação. Já o enviado especial é aquele que se desloca extraordinariamente
   para a cobertura de um fato.
AULA 2 - A PAUTA E A NOTÍCIA


     O tema da aula de hoje é a pauta e a sua função dentro da rotina de trabalho de um jornalista.
     Com ela é possível se prever os temas as os formatos jornalísticos que estarão presentes
     dentro de uma edição.


     Mais que isso, a pauta pode ser resumida como o planejamento da reportagem. Uma pauta
     bem planejada proporciona, por conseqüência, uma reportagem bem apurada e rica em
     informações para o leitor.


     O profissional responsável pela pauta dentro de uma redação de jornal é o pauteiro. Cabe a
     ele a tarefa de redigir a pauta. Para tanto, ele deve ter pleno conhecimento do que é a notícia,
     a sua hierarquização, o formato que ela será publicada e possíveis fontes de informação para
     direcionar o caminho do repórter.




     Notícia
     Devemos lembrar de uma máxima dentro do jornalismo de que “Toda notícia é um fato, mas
     nem todo fato é uma notícia”. Se por exemplo você, aluno, tropeça, cai e se machuca, apesar
     de ser um acontecimento negativo, faz parte da rotina das pessoas e dos imprevistos possíveis
     de ocorrerem. É portanto um fato, mas não é uma notícia, pois isso pode acontecer com várias
     pessoas iguais a você.
     Agora, se o presidente da República tropeça, cai e se machuca em público, isso vira notícia,
     pois a capacidade de atrair a atenção das pessoas, dada a importância da pessoa em
     consideração, é enorme. É um fato, mas mais que um fato, é algo passível de se tornar notícia.


     CRITÉRIOS DE NOTICIABILIDADE


     Dentro dos estudos do Jornalismo, existem alguns fatores catalogados como fatos geradores
     de notícias, conforme a listagem abaixo:
1)   Ineditismo – uma informação inédita. Por exemplo: a cura do câncer
2)   Improbabilidade – quando o fato tem pequenas chances de ocorrer. Por exemplo: o time de
     futebol Ibis ser campeão mundial interclubes
3)   Utilidade – quando é ligado à prestação de serviços. Por exemplo: dicas para o correto
     preenchimento do Imposto de Renda
4)   Apelo – quando causa curiosidade. Por exemplo: A morte do homem mais velho do mundo
5)   Empatia – quando várias pessoas se identificam com a notícia. Por exemplo: a luta de uma
     personalidade contra uma algum tipo de doença, que pode ser um mal comum a várias
     pessoas
6)   Conflito – quando existe uma disputa de interesses, seja qual for o nível (corporativo, entre
     países, classes diferentes etc.) Por exemplo: A ocupação de uma fazenda por parte do MST
7)   Proeminência: a importância da pessoa envolvida no fato. Por exemplo: Uma noitada do
     atacante Ronaldo
8)   Oportunidade: Antecipação de um fato exclusivo.


     Formato da pauta


     Não existe uma padronização de como a pauta deve ser feita. Basicamente ela deve conter
     alguns elementos:
1)   Retranca
2)   Desmembramento da idéia do que é a pauta (sobre o que ela vai tratar)
3)   Indicação de possíveis fontes
4)   Tamanho
5)   Possíveis detalhes (com foto, ou não)




     Exemplo de pauta


     Juros (1)
     O Banco Central divulga amanhã a nova taxa de juros do país. A taxa atual é de 8,75% e,
     segundo especialistas do mercado, ela deve se manter inalterada.(2) Além do factual,
     repercutiremos com a Fiesp, a Força Sindical e com os economistas Delfim Netto e Raul
     Velloso.(3). 2.500 toques (4)Acompanha foto dos dois economistas. (5)




     ELEMENTOS BÁSICOS DA APURAÇÃO


     Nesta aula você terá noções de como transformar uma pauta numa reportagem. Aprenderá
     sobre os requisitos básicos da apuração, fontes de pesquisas e um pouco sobre bancos de
     dados. Esses elementos são indispensáveis na produção de uma reportagem jornalística de
     qualidade.
     A primeira ideia que tem que ficar clara neste quesito é a diferenciação entre reportagem e
     entrevista. Atualmente, devido ao acumulo de serviço dentro das redações, virou comum o
     repórter escrever sua matéria baseado apenas em entrevistas. Isto não é aconselhável, pois
muitas vezes o repórter nem percebe que está sendo usado pela fonte. Ou seja, a fonte tem
   seus interesses próprios e por isso, é preciso estar atendo ao conteúdo das declarações que
   ela fornece. Em outras palavras, é preciso muita pesquisa antes de sair para a rua ou ligar para
   uma fonte com o intuito de entrevistá-la.
   A boa reportagem deve estar ancorada em cinco elementos básicos do bom jornalismo:
1) Pesquisa
2) Observação
3) Entrevista
4) Documentação
5) Checagem


   Vamos agora nos aprofundar sobre o primeiro item que é a pesquisa jornalística.


   1) PESQUISA


   Inicialmente é necessário que façamos um relato básico sobre a necessidade de se pesquisar.
   Ao pesquisarmos o tema de uma pauta estamos fazendo:
   - o levantamento de matérias sobre o mesmo assunto e os diferentes tipos de enfoque que já
   foram publicados
   - levantamento de fontes e de personalidades que detém um saber notório sobre aquele
   assunto
   - levantamento de aspectos técnicos relativos ao tema
   - conhecer melhor o tema tratado e seus subtemas relacionados
   - reconhecer intelectualmente e fisicamente o entrevistado


   FONTES DE PESQUISA


   Em primeiro lugar, deve-se citar o mais fácil e mais acessível meio, que certamente
   revolucionou o “fazer-jornalístico” neste quesito: a internet.
   E quando lembramos da internet o que vem logo à mente é o Google. Mas, esse é o tipo de
   pesquisa básica, elementar, que qualquer estudante secundarista faria. Um jornalista
   profissional pode e deve ir além dessa ferramenta eletrônica. Para isso ele dispõe de outros
   meios:
   - arquivo de jornal
   - dicionários biográficos, temáticos, enciclopédias, almanaques, anuários e livros
   - especialistas na área
   - repórteres que cobrem o assunto
   - suas próprias anotações e seu banco de dados particular
USANDO A INTERNET


Dentre os dados possíveis de serem captados numa busca pela internet podemos destacar:
- contatos com fontes (telefones, emails etc)
- endereços ou mapas
- personagens
- especialistas
- dados e informações oficiais
- estatísticas e pesquisas de órgãos oficiais (Ipea, FGV, Seade, por exemplo)
- ter uma ideia de como o concorrente abordou o tema


Usando as redes sociais
Também é possível utilizar as redes sociais como aliadas no jornalismo. Elas são úteis na
busca por fontes e personagens


Sites oficiais
Devem ser vistos sempre com reserva. Às vezes, até eles mesmos grafam o nome de
secretários ou ministros com erros.


2) OBSERVAÇÃO


Vamos agora ao segundo item dos cinco elementos básicos para a produção de uma boa
reportagem (pesquisa, observação, entrevista, documentação e checagem).


Este é um requisito indispensável, mas que não é um bem de consumo à venda num
estabelecimento. O jornalista precisa aprender a desenvolvê-lo. E como faz isso? Comparando
dados e procurando contradições entre números, cifras, discursos; propondo novas formas de
abordagem de um assunto.


Talvez o episódio mais conhecido sobre o exercício de observação seja o exemplo do Caso
Watergate, quando o repórter desconfia que os criminosos que haviam invadido a sede do
Partido Democrata já possuíam advogado indicado pelo Estado. Esse é um belo exemplo de
observação.




3) ENTREVISTA
Agora você terá uma série de dicas sobre como conduzir uma entrevista. Não se trata de um
manual de como fazer uma entrevista, mas as dicas dispostas abaixo ajudam e muito a
melhorar a qualidade de um a entrevista.


Técnicas de Entrevista


Antes da entrevista
- é imprescindível que o jornalista leia o máximo possível de textos sobre o que já foi publicado
sobre o assunto
- pesquise sobre o entrevistado e o que ele já disse sobre o assunto
- formule as perguntas com antecedência. Se o tempo da entrevista for curto edite as principais
perguntas
- anote em tópicos os principais temas que serão abordados na entrevista
- a entrevista deve ser feita com o espírito desarmado


Perguntas
Durante uma entrevista o jornalista dispõe de duas técnicas na formulação de perguntas: as
perguntas abertas e as perguntas fechadas.


Perguntas abertas são aquelas genéricas, em que o entrevistado tem a possibilidade de
discorrer sobre um assunto tangenciando a informação principal.
Exemplo: Qual a sua opinião sobre um eventual terceiro mandato presidencial?


Perguntas fechadas são mais objetivas. O entrevistado não tem espaço para rodeios e tem que
responder diretamente às questões formuladas.
Exemplo: O senhor será candidato ao governo do Estado?


As duas são muito úteis no jornalismo e dependendo da situação o jornalista faz o uso mais
adequado de cada uma delas. Às vezes, uma pergunta aberta é interessante de ser usada
para descontrair o ambiente e deixar o entrevistado mais solto, sendo precedida de uma
pergunta objetiva. Mas, isso não é uma regra e o uso de cada uma delas depende de cada
situação e do bom senso do interlocutor.


DURANTE A ENTREVISTA


A seguir, alguns conselhos básicos sobre o desenvolvimento da entrevista:
- grave a entrevista, mediante autorização do entrevistado. Isso é imprescindível quando se
deseja publicar as aspas do entrevistado
- cheque sempre como se soletra o nome do entrevistado, sua idade e seu cargo
- Contextualização: a entrevista deve ser iniciada colocando o entrevistado a par do que se
pretende com a entrevista, explicando a ele qual é a pauta.
- Faça uma pergunta de cada vez
- no caso de uma coletiva, fique atento para as perguntas dos outros entrevistados, para não
correr o risco de repetir uma pergunta
- O repórter é o responsável por conduzir a entrevista e não deixar que ela perca o seu foco
- Quando o entrevistado fugir de uma pergunta, a refaça de outra forma
- Não deixe dúvidas sobre os temas abordados
- não interprete as respostas do entrevistado
- ser crítico numa entrevista não é sinônimo de ser agressivo
- não se deixe levar pelo tom emocional.
- ao desligar o gravador ou fechar o bloco de anotações continue perguntando. Boas repostas
podem surgir nessas horas
- sempre agradeça ao entrevistado pela entrevista.
- perguntas delicadas devem ser deixadas por último, a menos que não se tenha muito tempo
para fazê-las


Dando retorno
Faz parte da rotina do entrevistado dar um retorno ao chefe de reportagem ou editor sobre o
que conseguiu apurar e o que eventualmente não conseguiu.


Escrevendo
- O repórter deve escrever a matéria o quanto antes, se possível logo depois dela ter sido
apurada. A memória é traiçoeira.
- Quando for necessário reproduzir aspas literalmente e não tiver certeza delas, volte a entrar
em contato com o entrevistado. É melhor gastar tempo numa nova ligação do que produzindo
uma errata.


Depois da entrevista
Isto é uma recomendação e não uma praxe. É interessante para o jornalista construir
relacionamento. Após publicada a entrevista, ligue para o entrevistado para ver o que ele
achou da entrevista.


ENTREVISTAS NO ESTILO PINGUE-PONGUE
As regras vistas anteriormente se aplicam plenamente quando se faz uma entrevista pingue-
pongue. Mas, no caso de uma pingue, que é tratada como uma matéria especial dentro da
edição, os cuidados devem ser redobrados:


- é imprescindível uma pesquisa detalhada sobre o entrevistado e os temas que serão
abordados na entrevista (conhecer seu posicionamento ideológico, sua trajetória, seus
posicionamentos etc)
- ler artigos e livros referentes ao entrevistado
- ao agendar a entrevista, explique ao entrevistado os rumos que a pauta segue
- leve uma relação de perguntas para servir como roteiro
- não esqueça o tom dialogal que a entrevista requer
- no caso de lançamento de um disco ou livro, os detalhes técnicos podem ser obtidos com a
assessoria de imprensa. Reserve perguntas interessantes para a entrevista
- a gravação de uma entrevista é indispensável no caso de uma pingue
- durante a entrevista, anote os pontos principais para facilitar a hora da edição
- não é necessário transcrever toda a entrevista. Transcreva apenas o que for relevante, tanto
na parte das perguntas como na das respostas.


Cobrindo coletivas
- se o repórter for a um evento em que não conhece o entrevistado é recomendável que
pesquise imagens dele para saber de quem se trata
- no caso de cobrir um congresso ou seminário em que várias pessoas terão de ser ouvidas,
procure um folder informativo sobre os participantes
- ouça a pergunta dos outros colegas de profissão
- se não conseguir se aproximar do entrevistado, passe o gravador para um colega de
profissão mais próximo da fonte
- em determinadas situações, o discurso do entrevistado é liberado pela assessoria antes da
coletiva. Isso facilita o trabalho do repórter
- fique atento à platéia: dimensão do público, personalidades presentes etc.


Perguntas que jamais devem ser feitas:
- Como o senhor vê tal questão? (ele tem todo direito de responder: “- Com os olhos”)
- Como você se sente (após ganhar uma medalha, após a morte de uma pessoa)
- Quando o senhor foi eleito prefeito? (não demonstre ignorância em público)
- Para crianças, não formule perguntas cuja resposta esperada é um sim ou não.
- O que você acha... (é muito amplo e genérico. Pergunte ao entrevistado o que ele pensa
sobre o assunto)
4) DOCUMENTAÇÃO


Sempre que possível grave as entrevistas
Tenha todas as declarações por escrito
Guarde num arquivo os documentos administrativos ou legais utilizados em reportagem
(certificados de imóveis, registros de empresas, processos, contratos, balanços, prestações de
contas, notas fiscais, recibos, relatórios oficiais, atas de reuniões, fotos, vídeos, auditorias.




5) CHECAGEM


As respostas do entrevistado devem ser minuciosamente anotadas.
Em caso de dúvidas, pela para o entrevistado repetir o que ele disse.
Cruze sempre dados numéricos com duas ou mais fontes.
Recheque tudo o que foi produzido sempre.
AULA 3 - FONTES

Acompanhe a seguir, a classificação das fontes, segundo Nilson Lage.


NATUREZA DAS FONTES

   a) Oficiais, oficiosas e independentes
      Oficiais - aqui podemos definir em oficiais dados divulgados pelo governo em coletivas
      ou documentos; são as mais confiáveis e é costume não citá-las no texto
      Oficiosas - de funcionários do governo que falam em off;
      Independentes - quando a fonte não tem interesse direto com a notícia. ONGs, por
      exemplo

   b) Primárias e secundárias
      Primárias – fornecem informações oficiais, versões e fatos.
      Secundárias – são fontes consultadas para se aprofundar a pauta, numa entrevista
      com uma fonte primária

   c) Testemunhais e experts
      Testemunhais – aquelas que presenciam o fato. Geralmente são dotadas de grande
      emoção.
      Experts – são os especialistas



TIPOS DE FONTES (FOLHA DE S.PAULO)

   1) FONTES TIPO ZERO: escrita ou gravada com exatidão. Não deixa margem para dúvidas
      (enciclopédia, documentos oficiais, vídeos). Prescindem de cruzamento para não
      repetir erros já publicados

   2) FON TES TIPO UM – é a mais confiável quando se trata de uma pessoa. Tem um
      histórico de confiabilidade. As informações por ela passadas sempre são corretas. Em
      algumas ocasiões, dispensa cruzamento

   3) FONTES TIPO DOIS – não é confiável. As informações por ela fornecidas prescindem de
      um ou mais cruzamentos

   4) FONTES TIPO TRÊS – é a de menor confiabilidade. É bem informada, mas tem
      interesses que tornam suas informações menos confiáveis. Pode funcionar como um
      ponto de partida .
OFF (segundo o Manual de Redação da Folha de S.Paulo)

(off the Record) (fora dos registros) – informação que se mantém anônima

O oposto do on é off

1) Off Simples – obtido pelo jornalista e não cruzado com outras fontes. Provém de fonte
   muito confiável, que dispensa cruzamento

2) Off Checado – informação “off” que requer cruzamento. Geralmente aparece no texto
   como O jornal Contraponto apurou... Este “apurou” significa que o jornal checou a
   fonte de infornação.

3) Off total – informação que, a pedido da fonte, não deve ser publicada em nenhuma
   hipótese.O off total serve apenas para nortear o trabalho jornalístico.
AULA 4 - ENTREVISTA
A entrevista é o procedimento clássico de apuração de informações em jornalismo. [E uma
expansão da consulta à fontes, objetivando, geralmente, a coleta e interpretações e
reconstituição de fatos (Nilson Lage).

TIPOS DE ENTREVISTA

- Quanto aos objetivos:

a) Ritual – geralmente é breve. O ponto de interesse está mais centrado na figura do
entrevistado do que no que ele tem a dizer. Ex. entrevistas de jogadores de futebol.

b) temática – feita com um especialista, quando o foco é um tema específico

c) Testemunhal – relata o testemunho de algo presenciado pelo entrevistado.

d) Profundidade – quando o objetivo da entrevista é aprofundar a igura do entrevistado



- Quanto às circunstâncias

a) Ocasional – não é programada e nem combinada

b) Confronto – quando o repórter assume o papel de inquisidor do entrevistado

c) Coletiva – é a entrevista clássica. Marcada com antecipação, num ambiente
   controlado, que é iniciada em tom de conversa e evolui para a parte de questões feitas
   pelos repórteres.

d) Individual – é a chamada entrevista exclusiva
AULA 5 - CONSTRUINDO PERFIS


Primeiro é necessário fazer uma distinção entre biografia e um perfil. As biografias são
completas e tendem a ser mais duradouras. Elas mostram passo a passo a trajetória de uma
pessoa. Já o perfil é um retrato do momento. Não carrega o arsenal de informações de uma
biografia, além de ter um caráter mais efêmero.


Os perfis servem para ilustrar como aquela pessoa é no seu dia a dia, revelando faces de seu
cotidiano e de sua forma de pensar. Como exemplo na construção de perfis, deixamos como
dica o livro “O Segredo de Joe Gould”, de Joseph MItchel. MItchel foi considerado um dos
maiores construtores de perfis jornalísticos do século 20.



  Diferenças básicas entre Perfil e Biografia

  PERFIL

  - retrata momentos da vida da pessoa
  - perece com o tempo
  - é de natureza autoral

  BIOGRAFIA

  - retrata a vida integral da pessoa
  - é atemporal
  - é de natureza impessoal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingElizeu Nascimento Silva
 
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalísticaLaércio Góes
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoFausto Coimbra
 
Reportagem Assistida por Computador
Reportagem Assistida por ComputadorReportagem Assistida por Computador
Reportagem Assistida por Computadortrasel
 
Redação jornalística como funciona pdf
Redação jornalística como funciona pdfRedação jornalística como funciona pdf
Redação jornalística como funciona pdfThais De Mendonça Jorge
 
O que é notícia
O que é notíciaO que é notícia
O que é notíciaCláudia
 
Manual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaManual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaMúsicaParaense.Org
 
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01   Teoria do Jornalismo - IntroduçãoAula 01   Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01 Teoria do Jornalismo - IntroduçãoElizeu Nascimento Silva
 
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)Luis Lacerda
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dadosElizeu Nascimento Silva
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosRenally Arruda
 
Jornalismo Institucional
Jornalismo InstitucionalJornalismo Institucional
Jornalismo Institucionalanakabbach
 
Jornalismo especializado
Jornalismo especializadoJornalismo especializado
Jornalismo especializadoLaércio Góes
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingElizeu Nascimento Silva
 
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Revista Curinga Ufop
 

Mais procurados (20)

Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda SettingAula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
Aula 02 Teorias do Jornalismo_Agenda Setting
 
Redação jornalística
Redação jornalísticaRedação jornalística
Redação jornalística
 
Oficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalísticoOficina de texto jornalístico
Oficina de texto jornalístico
 
Reportagem Assistida por Computador
Reportagem Assistida por ComputadorReportagem Assistida por Computador
Reportagem Assistida por Computador
 
Redação jornalística como funciona pdf
Redação jornalística como funciona pdfRedação jornalística como funciona pdf
Redação jornalística como funciona pdf
 
AULA 4 - ENTREVISTA
AULA 4 - ENTREVISTAAULA 4 - ENTREVISTA
AULA 4 - ENTREVISTA
 
O que é notícia
O que é notíciaO que é notícia
O que é notícia
 
Manual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De ImprensaManual De Assessoria De Imprensa
Manual De Assessoria De Imprensa
 
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01   Teoria do Jornalismo - IntroduçãoAula 01   Teoria do Jornalismo - Introdução
Aula 01 Teoria do Jornalismo - Introdução
 
Aula 2 jornalismo impresso
Aula 2   jornalismo impressoAula 2   jornalismo impresso
Aula 2 jornalismo impresso
 
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
Reportagem ( Gênero textual - conceitos)
 
A pauta
A pautaA pauta
A pauta
 
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dadosAula 07   teorias do jornalismo jornalismo de dados
Aula 07 teorias do jornalismo jornalismo de dados
 
Gêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticosGêneros jornalísticos
Gêneros jornalísticos
 
Jornalismo Institucional
Jornalismo InstitucionalJornalismo Institucional
Jornalismo Institucional
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 
Jornalismo especializado
Jornalismo especializadoJornalismo especializado
Jornalismo especializado
 
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_GatekeepingAula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
Aula 03 – Teorias do Jornalismo_Gatekeeping
 
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
Aula: Jornalismo de revista - Laboratório de Jornalismo Impresso II - Revista...
 
Newsmaking
NewsmakingNewsmaking
Newsmaking
 

Destaque (8)

Modelo de sugestão de pauta cedimmm
Modelo de sugestão de pauta cedimmmModelo de sugestão de pauta cedimmm
Modelo de sugestão de pauta cedimmm
 
Pauta 1
Pauta 1Pauta 1
Pauta 1
 
Pauta da reunião 19
Pauta da reunião 19Pauta da reunião 19
Pauta da reunião 19
 
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagemPlano de aula / Produção de textos: reportagem
Plano de aula / Produção de textos: reportagem
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
 
Entrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturadaEntrevista semi estruturada
Entrevista semi estruturada
 
Notícia e reportagem
Notícia e reportagemNotícia e reportagem
Notícia e reportagem
 
A reportagem
A reportagemA reportagem
A reportagem
 

Semelhante a Tecnicas de reportagem

Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Diedro Barros
 
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃO
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃOO GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃO
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃOFabiana Seferin
 
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfAula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfIgor71257
 
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfAula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfIgor71257
 
Jardim paraíso
Jardim paraísoJardim paraíso
Jardim paraísoEliete
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdfNivea Neves
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdfNivea Neves
 
Texto jornalístico
Texto jornalístico Texto jornalístico
Texto jornalístico escrevermais
 
Análise Conteúdo Jornal "A Semana"
Análise Conteúdo Jornal "A Semana" Análise Conteúdo Jornal "A Semana"
Análise Conteúdo Jornal "A Semana" Dunia Goncalves
 
Aula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxAula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxIgor71257
 
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornalAula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornalArtur Araujo
 
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalEf lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalElenita Torres
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA  22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA  22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICOGoisBemnoEnem
 
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalEf lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalDilma Maria Lucena Álvares
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5Diedro Barros
 

Semelhante a Tecnicas de reportagem (20)

Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 2
 
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃO
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃOO GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃO
O GÊNERO DISCURSIVO NOTÍCIA E SEU PRINCIPAL PROCESSO DE CONSTRUÇÃO
 
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfAula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
 
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdfAula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
Aula - Reportagem (Língua Portugues).pdf
 
Jardim paraíso
Jardim paraísoJardim paraíso
Jardim paraíso
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
 
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf1 BIMESTRE - BLOCO 2 -  19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
1 BIMESTRE - BLOCO 2 - 19-04 a 07-05 7° ANO B.pdf
 
4
44
4
 
Texto jornalístico
Texto jornalístico Texto jornalístico
Texto jornalístico
 
Análise Conteúdo Jornal "A Semana"
Análise Conteúdo Jornal "A Semana" Análise Conteúdo Jornal "A Semana"
Análise Conteúdo Jornal "A Semana"
 
4
44
4
 
Aula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptxAula - Reportagem.pptx
Aula - Reportagem.pptx
 
Notícia.pdf
Notícia.pdfNotícia.pdf
Notícia.pdf
 
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornalAula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
Aula 5 (26/2/2009): As funções na redação de um jornal
 
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalEf lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA  22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICOLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA  22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICO
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 22 | 1ª SÉRIE | REPORTAGEM / INFOGRÁFICO
 
Jornalismo digital e rotinas de trabalho
Jornalismo digital e rotinas de trabalhoJornalismo digital e rotinas de trabalho
Jornalismo digital e rotinas de trabalho
 
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornalEf lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
Ef lendo e_compreendendo_os_generos_textuais_do_suporte_jornal
 
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5
Laboratório de Comunicação Popular - Aula 5
 
Textos Jornalisticos - Versão2
Textos Jornalisticos - Versão2Textos Jornalisticos - Versão2
Textos Jornalisticos - Versão2
 

Mais de aulasdejornalismo

Mais de aulasdejornalismo (20)

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 
Paradigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológicoParadigma midiológico tecnológico
Paradigma midiológico tecnológico
 

Tecnicas de reportagem

  • 1. TÉCNICAS DE REPORTAGEM AULA 1 - O FLUXO DA NOTÍCIA Para entender como é o fluxo de trabalho no jornalismo devemos iniciar a abordagem mostrando como é feita a notícia: As etapas básicas que envolvem a produção da notícia são:  Pauta  Apuração  Estruturação textual  Redação Na fase inicial é preciso estar atento para o cotidiano, para a observação do mundo com um olhar crítico e estar com o nível de atenção redobrada para o que pode e o que não pode virar notícia. Definida a pauta, que a grosso modo é a anotação e o planejamento de uma ideia, o jornalista passa para a fase de apuração, a partir das fontes que foram previstas durante a fase de planejamento (pauta). Após as entrevistas e a pesquisa de dados, o repórter começa a estruturar o seu texto, hierarquizando as informações, definindo o lide e quais serão as informações que serão tratadas de maneira secundária. Por último, o repórter redige o texto, tendo em mente o número de caracteres que lhe foi pautado, a correlação com fotos, gráficos e infográficos (quando for o caso). AS FUNÇÕES JORNALÍSTICAS Dentre as principais funções jornalísticas podemos destacar: 1) Pauteiro – é o profissional responsável por definir quais os assuntos que serão abordados na edição. Faz parte de sua rotina estar bem informado. Portanto, é obrigatório que ele leia as notícias do veículo em que trabalha, dos concorrentes e estar ciente do noticiário em geral (incluindo rádio, televisão, sites etc). O pauteiro é um dos primeiros a chegar numa redação jornalística. Além de definir quais os assuntos que serão tratados naquele dia ele deve planejar a cobertura, indicando fontes de pesquisa para o repórteres, entrevistados, a cobertura fotográfica e as artes.
  • 2. 2) Repórter – é o profissional que vai apurar a notícia. Talvez seja a função mais nobre do jornalismo, pois é quem de fato vai extrair da realidade as informações que serão levadas a conhecimento do leitor a partir do formato da notícia. Dentre as funções do repórter estão o levantamento de uma “história”, pesquisa com fontes e redação da reportagem. 3) Redator – é o profissional que vai pegar o texto bruto do repórter e dar o formato final a ele, editando e fazendo o texto caber dentro da edição. Além disso, faz textos de apoio e checa informações para a edição final. 4) Chefe de Reportagem – é o jornalista que dialoga com o repórter sobre a condução da notícia. O chefe de reportagem define se há necessidade de mais apuração e quais os rumos que a reportagem vai tomar. Serve como um orientador do repórter. 5) Editor – é o profissional que define o que entra na edição, em qual lugar da página, quais os assuntos abordados, onde entrarão os anúncios, enfim, é o responsável pela palavra final dentro da edição. 6) Fechador – são redatores que desempenham funções específicas dentro do processo de fechamento do jornal (desenham páginas no jornal, checam informações de última hora, fazem títulos e melhoram textos) A HIERARQUIA DENTRO DO JORNALISMO Vamos abordar agora a estrutura hieráquica dentro de uma redação jornalística. No topo da pirâmide encontra-se o Publisher, que é o responsável e dono da publicação. Abaixo dele vem o diretor de redação, que responde diretamente ao Publisher. Em seguida temos a figura do editor-executivo, que é quem faz a publicação acontecer, funcionar. Todos estes fazem parte da Direção de Redação. Vinculada à Direção de redação está a Secretaria de Redação. Diferentemente do que o termo pode sugerir, a Secretaria de Redação é um posto alto dentro da hierarquia jornalística. É formada por um diretor-adjunto e pelos secretários de redação. Subordinadas à Secretaria de Redação estão outros departamentos (Sucursais, Editorias e Agência), que funcionam com uma estrutura parecida (repórteres, redatores e correspondentes). Veja o quadro (1) abaixo: Publisher DIREÇÃO DE REDAÇÃO
  • 3. Diretor de Redação Editor-executivo SECRETARIA DE REDAÇÃO Diretor-adjunto Secretários de Redação SUCURSAIS EDITORIAS AGÊNCIA Repórteres, redatores e Repórteres, redatores e Repórteres, redatores e correspondentes correspondentes correspondentes (1) Extraído de: Jornalismo Diário (Sousa, 2009) As Sucursais são redações de apoio localizadas em outras cidades consideradas estratégicas para a cobertura jornalística da publicação. Nela trabalham repórteres, redatores e correspondentes. O correspondente também é o profissional localizado num ponto estratégico de interesse do veículo de comunicação. Já o enviado especial é aquele que se desloca extraordinariamente para a cobertura de um fato.
  • 4. AULA 2 - A PAUTA E A NOTÍCIA O tema da aula de hoje é a pauta e a sua função dentro da rotina de trabalho de um jornalista. Com ela é possível se prever os temas as os formatos jornalísticos que estarão presentes dentro de uma edição. Mais que isso, a pauta pode ser resumida como o planejamento da reportagem. Uma pauta bem planejada proporciona, por conseqüência, uma reportagem bem apurada e rica em informações para o leitor. O profissional responsável pela pauta dentro de uma redação de jornal é o pauteiro. Cabe a ele a tarefa de redigir a pauta. Para tanto, ele deve ter pleno conhecimento do que é a notícia, a sua hierarquização, o formato que ela será publicada e possíveis fontes de informação para direcionar o caminho do repórter. Notícia Devemos lembrar de uma máxima dentro do jornalismo de que “Toda notícia é um fato, mas nem todo fato é uma notícia”. Se por exemplo você, aluno, tropeça, cai e se machuca, apesar de ser um acontecimento negativo, faz parte da rotina das pessoas e dos imprevistos possíveis de ocorrerem. É portanto um fato, mas não é uma notícia, pois isso pode acontecer com várias pessoas iguais a você. Agora, se o presidente da República tropeça, cai e se machuca em público, isso vira notícia, pois a capacidade de atrair a atenção das pessoas, dada a importância da pessoa em consideração, é enorme. É um fato, mas mais que um fato, é algo passível de se tornar notícia. CRITÉRIOS DE NOTICIABILIDADE Dentro dos estudos do Jornalismo, existem alguns fatores catalogados como fatos geradores de notícias, conforme a listagem abaixo: 1) Ineditismo – uma informação inédita. Por exemplo: a cura do câncer 2) Improbabilidade – quando o fato tem pequenas chances de ocorrer. Por exemplo: o time de futebol Ibis ser campeão mundial interclubes 3) Utilidade – quando é ligado à prestação de serviços. Por exemplo: dicas para o correto preenchimento do Imposto de Renda 4) Apelo – quando causa curiosidade. Por exemplo: A morte do homem mais velho do mundo
  • 5. 5) Empatia – quando várias pessoas se identificam com a notícia. Por exemplo: a luta de uma personalidade contra uma algum tipo de doença, que pode ser um mal comum a várias pessoas 6) Conflito – quando existe uma disputa de interesses, seja qual for o nível (corporativo, entre países, classes diferentes etc.) Por exemplo: A ocupação de uma fazenda por parte do MST 7) Proeminência: a importância da pessoa envolvida no fato. Por exemplo: Uma noitada do atacante Ronaldo 8) Oportunidade: Antecipação de um fato exclusivo. Formato da pauta Não existe uma padronização de como a pauta deve ser feita. Basicamente ela deve conter alguns elementos: 1) Retranca 2) Desmembramento da idéia do que é a pauta (sobre o que ela vai tratar) 3) Indicação de possíveis fontes 4) Tamanho 5) Possíveis detalhes (com foto, ou não) Exemplo de pauta Juros (1) O Banco Central divulga amanhã a nova taxa de juros do país. A taxa atual é de 8,75% e, segundo especialistas do mercado, ela deve se manter inalterada.(2) Além do factual, repercutiremos com a Fiesp, a Força Sindical e com os economistas Delfim Netto e Raul Velloso.(3). 2.500 toques (4)Acompanha foto dos dois economistas. (5) ELEMENTOS BÁSICOS DA APURAÇÃO Nesta aula você terá noções de como transformar uma pauta numa reportagem. Aprenderá sobre os requisitos básicos da apuração, fontes de pesquisas e um pouco sobre bancos de dados. Esses elementos são indispensáveis na produção de uma reportagem jornalística de qualidade. A primeira ideia que tem que ficar clara neste quesito é a diferenciação entre reportagem e entrevista. Atualmente, devido ao acumulo de serviço dentro das redações, virou comum o repórter escrever sua matéria baseado apenas em entrevistas. Isto não é aconselhável, pois
  • 6. muitas vezes o repórter nem percebe que está sendo usado pela fonte. Ou seja, a fonte tem seus interesses próprios e por isso, é preciso estar atendo ao conteúdo das declarações que ela fornece. Em outras palavras, é preciso muita pesquisa antes de sair para a rua ou ligar para uma fonte com o intuito de entrevistá-la. A boa reportagem deve estar ancorada em cinco elementos básicos do bom jornalismo: 1) Pesquisa 2) Observação 3) Entrevista 4) Documentação 5) Checagem Vamos agora nos aprofundar sobre o primeiro item que é a pesquisa jornalística. 1) PESQUISA Inicialmente é necessário que façamos um relato básico sobre a necessidade de se pesquisar. Ao pesquisarmos o tema de uma pauta estamos fazendo: - o levantamento de matérias sobre o mesmo assunto e os diferentes tipos de enfoque que já foram publicados - levantamento de fontes e de personalidades que detém um saber notório sobre aquele assunto - levantamento de aspectos técnicos relativos ao tema - conhecer melhor o tema tratado e seus subtemas relacionados - reconhecer intelectualmente e fisicamente o entrevistado FONTES DE PESQUISA Em primeiro lugar, deve-se citar o mais fácil e mais acessível meio, que certamente revolucionou o “fazer-jornalístico” neste quesito: a internet. E quando lembramos da internet o que vem logo à mente é o Google. Mas, esse é o tipo de pesquisa básica, elementar, que qualquer estudante secundarista faria. Um jornalista profissional pode e deve ir além dessa ferramenta eletrônica. Para isso ele dispõe de outros meios: - arquivo de jornal - dicionários biográficos, temáticos, enciclopédias, almanaques, anuários e livros - especialistas na área - repórteres que cobrem o assunto - suas próprias anotações e seu banco de dados particular
  • 7. USANDO A INTERNET Dentre os dados possíveis de serem captados numa busca pela internet podemos destacar: - contatos com fontes (telefones, emails etc) - endereços ou mapas - personagens - especialistas - dados e informações oficiais - estatísticas e pesquisas de órgãos oficiais (Ipea, FGV, Seade, por exemplo) - ter uma ideia de como o concorrente abordou o tema Usando as redes sociais Também é possível utilizar as redes sociais como aliadas no jornalismo. Elas são úteis na busca por fontes e personagens Sites oficiais Devem ser vistos sempre com reserva. Às vezes, até eles mesmos grafam o nome de secretários ou ministros com erros. 2) OBSERVAÇÃO Vamos agora ao segundo item dos cinco elementos básicos para a produção de uma boa reportagem (pesquisa, observação, entrevista, documentação e checagem). Este é um requisito indispensável, mas que não é um bem de consumo à venda num estabelecimento. O jornalista precisa aprender a desenvolvê-lo. E como faz isso? Comparando dados e procurando contradições entre números, cifras, discursos; propondo novas formas de abordagem de um assunto. Talvez o episódio mais conhecido sobre o exercício de observação seja o exemplo do Caso Watergate, quando o repórter desconfia que os criminosos que haviam invadido a sede do Partido Democrata já possuíam advogado indicado pelo Estado. Esse é um belo exemplo de observação. 3) ENTREVISTA
  • 8. Agora você terá uma série de dicas sobre como conduzir uma entrevista. Não se trata de um manual de como fazer uma entrevista, mas as dicas dispostas abaixo ajudam e muito a melhorar a qualidade de um a entrevista. Técnicas de Entrevista Antes da entrevista - é imprescindível que o jornalista leia o máximo possível de textos sobre o que já foi publicado sobre o assunto - pesquise sobre o entrevistado e o que ele já disse sobre o assunto - formule as perguntas com antecedência. Se o tempo da entrevista for curto edite as principais perguntas - anote em tópicos os principais temas que serão abordados na entrevista - a entrevista deve ser feita com o espírito desarmado Perguntas Durante uma entrevista o jornalista dispõe de duas técnicas na formulação de perguntas: as perguntas abertas e as perguntas fechadas. Perguntas abertas são aquelas genéricas, em que o entrevistado tem a possibilidade de discorrer sobre um assunto tangenciando a informação principal. Exemplo: Qual a sua opinião sobre um eventual terceiro mandato presidencial? Perguntas fechadas são mais objetivas. O entrevistado não tem espaço para rodeios e tem que responder diretamente às questões formuladas. Exemplo: O senhor será candidato ao governo do Estado? As duas são muito úteis no jornalismo e dependendo da situação o jornalista faz o uso mais adequado de cada uma delas. Às vezes, uma pergunta aberta é interessante de ser usada para descontrair o ambiente e deixar o entrevistado mais solto, sendo precedida de uma pergunta objetiva. Mas, isso não é uma regra e o uso de cada uma delas depende de cada situação e do bom senso do interlocutor. DURANTE A ENTREVISTA A seguir, alguns conselhos básicos sobre o desenvolvimento da entrevista: - grave a entrevista, mediante autorização do entrevistado. Isso é imprescindível quando se deseja publicar as aspas do entrevistado
  • 9. - cheque sempre como se soletra o nome do entrevistado, sua idade e seu cargo - Contextualização: a entrevista deve ser iniciada colocando o entrevistado a par do que se pretende com a entrevista, explicando a ele qual é a pauta. - Faça uma pergunta de cada vez - no caso de uma coletiva, fique atento para as perguntas dos outros entrevistados, para não correr o risco de repetir uma pergunta - O repórter é o responsável por conduzir a entrevista e não deixar que ela perca o seu foco - Quando o entrevistado fugir de uma pergunta, a refaça de outra forma - Não deixe dúvidas sobre os temas abordados - não interprete as respostas do entrevistado - ser crítico numa entrevista não é sinônimo de ser agressivo - não se deixe levar pelo tom emocional. - ao desligar o gravador ou fechar o bloco de anotações continue perguntando. Boas repostas podem surgir nessas horas - sempre agradeça ao entrevistado pela entrevista. - perguntas delicadas devem ser deixadas por último, a menos que não se tenha muito tempo para fazê-las Dando retorno Faz parte da rotina do entrevistado dar um retorno ao chefe de reportagem ou editor sobre o que conseguiu apurar e o que eventualmente não conseguiu. Escrevendo - O repórter deve escrever a matéria o quanto antes, se possível logo depois dela ter sido apurada. A memória é traiçoeira. - Quando for necessário reproduzir aspas literalmente e não tiver certeza delas, volte a entrar em contato com o entrevistado. É melhor gastar tempo numa nova ligação do que produzindo uma errata. Depois da entrevista Isto é uma recomendação e não uma praxe. É interessante para o jornalista construir relacionamento. Após publicada a entrevista, ligue para o entrevistado para ver o que ele achou da entrevista. ENTREVISTAS NO ESTILO PINGUE-PONGUE
  • 10. As regras vistas anteriormente se aplicam plenamente quando se faz uma entrevista pingue- pongue. Mas, no caso de uma pingue, que é tratada como uma matéria especial dentro da edição, os cuidados devem ser redobrados: - é imprescindível uma pesquisa detalhada sobre o entrevistado e os temas que serão abordados na entrevista (conhecer seu posicionamento ideológico, sua trajetória, seus posicionamentos etc) - ler artigos e livros referentes ao entrevistado - ao agendar a entrevista, explique ao entrevistado os rumos que a pauta segue - leve uma relação de perguntas para servir como roteiro - não esqueça o tom dialogal que a entrevista requer - no caso de lançamento de um disco ou livro, os detalhes técnicos podem ser obtidos com a assessoria de imprensa. Reserve perguntas interessantes para a entrevista - a gravação de uma entrevista é indispensável no caso de uma pingue - durante a entrevista, anote os pontos principais para facilitar a hora da edição - não é necessário transcrever toda a entrevista. Transcreva apenas o que for relevante, tanto na parte das perguntas como na das respostas. Cobrindo coletivas - se o repórter for a um evento em que não conhece o entrevistado é recomendável que pesquise imagens dele para saber de quem se trata - no caso de cobrir um congresso ou seminário em que várias pessoas terão de ser ouvidas, procure um folder informativo sobre os participantes - ouça a pergunta dos outros colegas de profissão - se não conseguir se aproximar do entrevistado, passe o gravador para um colega de profissão mais próximo da fonte - em determinadas situações, o discurso do entrevistado é liberado pela assessoria antes da coletiva. Isso facilita o trabalho do repórter - fique atento à platéia: dimensão do público, personalidades presentes etc. Perguntas que jamais devem ser feitas: - Como o senhor vê tal questão? (ele tem todo direito de responder: “- Com os olhos”) - Como você se sente (após ganhar uma medalha, após a morte de uma pessoa) - Quando o senhor foi eleito prefeito? (não demonstre ignorância em público) - Para crianças, não formule perguntas cuja resposta esperada é um sim ou não. - O que você acha... (é muito amplo e genérico. Pergunte ao entrevistado o que ele pensa sobre o assunto)
  • 11. 4) DOCUMENTAÇÃO Sempre que possível grave as entrevistas Tenha todas as declarações por escrito Guarde num arquivo os documentos administrativos ou legais utilizados em reportagem (certificados de imóveis, registros de empresas, processos, contratos, balanços, prestações de contas, notas fiscais, recibos, relatórios oficiais, atas de reuniões, fotos, vídeos, auditorias. 5) CHECAGEM As respostas do entrevistado devem ser minuciosamente anotadas. Em caso de dúvidas, pela para o entrevistado repetir o que ele disse. Cruze sempre dados numéricos com duas ou mais fontes. Recheque tudo o que foi produzido sempre.
  • 12. AULA 3 - FONTES Acompanhe a seguir, a classificação das fontes, segundo Nilson Lage. NATUREZA DAS FONTES a) Oficiais, oficiosas e independentes Oficiais - aqui podemos definir em oficiais dados divulgados pelo governo em coletivas ou documentos; são as mais confiáveis e é costume não citá-las no texto Oficiosas - de funcionários do governo que falam em off; Independentes - quando a fonte não tem interesse direto com a notícia. ONGs, por exemplo b) Primárias e secundárias Primárias – fornecem informações oficiais, versões e fatos. Secundárias – são fontes consultadas para se aprofundar a pauta, numa entrevista com uma fonte primária c) Testemunhais e experts Testemunhais – aquelas que presenciam o fato. Geralmente são dotadas de grande emoção. Experts – são os especialistas TIPOS DE FONTES (FOLHA DE S.PAULO) 1) FONTES TIPO ZERO: escrita ou gravada com exatidão. Não deixa margem para dúvidas (enciclopédia, documentos oficiais, vídeos). Prescindem de cruzamento para não repetir erros já publicados 2) FON TES TIPO UM – é a mais confiável quando se trata de uma pessoa. Tem um histórico de confiabilidade. As informações por ela passadas sempre são corretas. Em algumas ocasiões, dispensa cruzamento 3) FONTES TIPO DOIS – não é confiável. As informações por ela fornecidas prescindem de um ou mais cruzamentos 4) FONTES TIPO TRÊS – é a de menor confiabilidade. É bem informada, mas tem interesses que tornam suas informações menos confiáveis. Pode funcionar como um ponto de partida .
  • 13. OFF (segundo o Manual de Redação da Folha de S.Paulo) (off the Record) (fora dos registros) – informação que se mantém anônima O oposto do on é off 1) Off Simples – obtido pelo jornalista e não cruzado com outras fontes. Provém de fonte muito confiável, que dispensa cruzamento 2) Off Checado – informação “off” que requer cruzamento. Geralmente aparece no texto como O jornal Contraponto apurou... Este “apurou” significa que o jornal checou a fonte de infornação. 3) Off total – informação que, a pedido da fonte, não deve ser publicada em nenhuma hipótese.O off total serve apenas para nortear o trabalho jornalístico.
  • 14. AULA 4 - ENTREVISTA A entrevista é o procedimento clássico de apuração de informações em jornalismo. [E uma expansão da consulta à fontes, objetivando, geralmente, a coleta e interpretações e reconstituição de fatos (Nilson Lage). TIPOS DE ENTREVISTA - Quanto aos objetivos: a) Ritual – geralmente é breve. O ponto de interesse está mais centrado na figura do entrevistado do que no que ele tem a dizer. Ex. entrevistas de jogadores de futebol. b) temática – feita com um especialista, quando o foco é um tema específico c) Testemunhal – relata o testemunho de algo presenciado pelo entrevistado. d) Profundidade – quando o objetivo da entrevista é aprofundar a igura do entrevistado - Quanto às circunstâncias a) Ocasional – não é programada e nem combinada b) Confronto – quando o repórter assume o papel de inquisidor do entrevistado c) Coletiva – é a entrevista clássica. Marcada com antecipação, num ambiente controlado, que é iniciada em tom de conversa e evolui para a parte de questões feitas pelos repórteres. d) Individual – é a chamada entrevista exclusiva
  • 15. AULA 5 - CONSTRUINDO PERFIS Primeiro é necessário fazer uma distinção entre biografia e um perfil. As biografias são completas e tendem a ser mais duradouras. Elas mostram passo a passo a trajetória de uma pessoa. Já o perfil é um retrato do momento. Não carrega o arsenal de informações de uma biografia, além de ter um caráter mais efêmero. Os perfis servem para ilustrar como aquela pessoa é no seu dia a dia, revelando faces de seu cotidiano e de sua forma de pensar. Como exemplo na construção de perfis, deixamos como dica o livro “O Segredo de Joe Gould”, de Joseph MItchel. MItchel foi considerado um dos maiores construtores de perfis jornalísticos do século 20. Diferenças básicas entre Perfil e Biografia PERFIL - retrata momentos da vida da pessoa - perece com o tempo - é de natureza autoral BIOGRAFIA - retrata a vida integral da pessoa - é atemporal - é de natureza impessoal