Jornalismo político

3.243 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.243
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
138
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornalismo político

  1. 1. prof. Ms. Eduardo Rocha
  2. 2. Especialização jornalística pautada pela cobertura de assuntos como a política em nível local, regional, nacional e internacional, as casas parlamentares e todas as esferas de poder.
  3. 3.  INFORMAR leitor, e não convencê-lo a adotar certas práticas ideológicas, como no passado
  4. 4. MANCHETES DOS JORNAIS EM 1950Consagração definitiva o comício da Esplanada do Castelo – A oração do candidato nacional (Correio da Manhã, 1/10/1950)O grande pleito da democracia brasileira. Todo o país empolgado para as eleições que se travarão amanhã (O Globo, 2/10/1950)
  5. 5. MANCHETES DOS JORNAIS EM 1950Pistoleiros getulistas prontos para atacar o povo (Tribuna da Imprensa, 3/10/1950)Os espíritas não podem votar em Getúlio (Diário Carioca, 1/10/1950)
  6. 6. MANCHETES DOS JORNAIS EM 2000Mercado tem dia otimista na véspera da eleição (O Estado de S.Paulo, 26/10/2002)Pesquisas indicam Lula presidente (O Estado de S.Paulo, 27/10/2002)Lula presidente – Metalúrgico é o primeiro líder de esqueda a ser eleito no país (Folha de S.Paulo, 28/10/2002)
  7. 7. O JORNALISMO NOS ANOS 1950- Marcado pelo partidarismo e engajamento eleitoral- Os jornais atuavam ativamente nas campanhas eleitoraisO JORNALISMO NOS ANOS 2000- O tom é praticamente neutro.- A preferência política não é explícita e demonstrada nas manchetes dos jornais, como no passado
  8. 8.  O jornalismo brasileiro até os anos 1950 seguia um modelo voltado para a opinião A partir dos anos 1950, o jornalismo brasileiro passa a ser marcadamente influenciado pelo jornalismo norte- americano, pautado pela objetividade e imparcialidade Dois elementos novos aparecem nas manchetes dos anos 2000: o mercado e as pesquisas
  9. 9.  Os jornais hoje buscam exercer um tom de neutralidade, e mesmo na cobertura política, tentam manter um tom equilibrado, procurando dar equilíbrio no espaço político dedicado aos candidatos Dois elementos novos aparecem nas manchetes dos anos 2000: o mercado e as pesquisas
  10. 10.  Não confunda Sociedade com Opinião Pública- A opinião pública é a opinião predominante na sociedade, num determinado momento. A sociedade tem suas vontades, objetivos e definições consolidados.- Não se deve ainda confundir opinião pública com vontade popular. A opinião pública é manipulável. A vontade popular é legítima.- O jornalista político deve ser leal com a sociedade
  11. 11. O jornalista político deve tomar cuidado com jantares, viagens e presentes.Ele deve receber um salário digno da empresa em que trabalha, e não do meio jornalístico que cobreAlguns jornais possuem o “Manual de Conduta”, que proíbem o recebimento de presentes acima de determinado valor, bem como vantagens na condução do trabalho
  12. 12. Quando o jornalista político faz uso de algum tipo de vantagem na cobertura política, deve citar isso na matéria.O jornalista político deve sempre se pautar pela “interesse público”, e não pelo “interesse do público”. O “interesse do público” muitas vezes passa pela invasão de privacidade de personalidades, e que nada tem a ver com o bem público.
  13. 13. O jornalista político deve se precaver com os boatos, pois em Brasília, especialmente, são 513 deputados, 81 senadores, mais de 30 ministros e 11 integrantes do STF representando o poder, com diferentes perspectivas e interesses.
  14. 14. CONVERSAS O jornalista político deve conversar com todo o tipo de indivíduo, seja lá qual for a sua ideologia Só assim é possível reunir um número mínimo de versões para começar a se trabalhar As conversas devem ser com todas as pessoas, independentemente do seu escalão (alto ou baixo) Um cuidado especial deve ser dado aos assessores, que a todo tempo tentam “plantar” notícias nos jornalistas
  15. 15. FONTESA fonte mais confiável para o jornalista político é o parlamento (Congresso Nacional, Assembleia Legislativa ou Câmara Municipal). Nada ficar refém dos releases produzidos pelas assessorias de imprensa.
  16. 16.  Eleições Votações Revoluções / Golpes Acompanhamento de projetos Conduta de instituições governamentais Dia-a-dia do Congresso, da Câmara, do Senado, da Assembleia Legislativa, da Câmara dos Vereadores Desvio de verbas
  17. 17.  Assessoria dos deputados Diário Oficial Assessoria da Câmara Assessoria dos Deputados Assessoria do Senado Especialistas (sociólogos, cientistas políticos, marqueteiros)
  18. 18.  José Arbex Rodrigo Viana Paulo Henrique Amorin Fernando Rodrigues Kennedy Alencar Eliane Cantanhêde Tereza Cruvinel Elvira Lobato Josias de Souza Cristiana Lobo Dora Kramer Arnaldo Jabor Lúcia Hipólito Ricardo Noblat
  19. 19.  O que é um Projeto de Lei Um projeto de lei ou uma proposta de lei é um conjunto de normas que deve se submeter à tramitação numa casa legislativa com o objetivo de efetivar-se e tornar-se uma lei. Os projetos de lei são feitos por membros do próprio órgão legislativo. Já as propostas de lei são feitas pelo poder executivo. Um projeto de lei (PL) pode ter sua tramitação iniciada tanto na Câmara dos Deputados como no Senado Federal, devendo ser avaliado e aprovado por ambos. O presidente da Repúblicapode vetar projetos de lei parcial ou totalmente.
  20. 20.  O que é uma PEC? Proposta de Emenda à Constituição (PEC) é uma atualização, um emendo à Constituição Federal. É uma das propostas que exige mais tempo para preparo, elaboração e votação, uma vez que modificará a Constituição Federal. Em função disso, requer quórum quase máximo e dois turnos de votação em cada uma das Casas legislativas, Câmara dos Deputados e Senado Federal.

×