SlideShare uma empresa Scribd logo
Ginástica Artística de Solo
Universidade Federal do Acre - UFAC
Ginástica Geral
Disciplina: Ginástica Geral
Professor: JUNIOR, Miguel
Ano Letivo 2014 – N1
Discentes: LIMA, Anderson; OLIVEIRA, Eridhonson; MELO, Daiane;
ANDRADE, Wiliam; SANTOS, Thalita;
HISTÓRIA DA GINÁSTICA DE SOLO E
APARELHOS
 Foram os antigos gregos, os primeiros a praticar a ginástica
como atividade desportiva e não apenas como forma de
treino militar.
 No Império Romano e durante toda a Idade Média, os
exercícios físicos ficaram restritos à função militar, aí
incluídos à caça e os torneios.
 Só com o Renascimento os exercícios físicos, beneficiados
pela redescoberta dos valores gregos, voltaram a despertar
interesse maior.
 No século XVIII, a ginástica era vista com um carisma
artístico, sendo vulgares as exibições de escolas e
associações desportivas, desenvolvendo também a sua
vertente competitiva.
HISTÓRIA DA GINÁSTICA DE SOLO E APARELHOS
 A organização da ginástica nos moldes atuais e a criação das
regras e aparelhos de ginástica aconteceu em 1811 na
Alemanha, através da intervenção do professor Friedrick
Ludwig Jahn. Este abriu o primeiro campo de ginástica de
Berlim e rapidamente a ideia passou para outras cidades
alemãs. O número de praticantes deste desporto aumentou
exponencialmente, potenciando a exportação da ginástica para
outros países.
 A criação da Federação Internacional de Ginástica em 1881,
abriu caminho para a realização das primeiras provas
internacionais da modalidade, que foram os Jogos Olímpicos
de 1896. A primeira edição dos campeonatos mundiais
realizou-se em Antuérpia em 1903. A complexidade dos
aparelhos e das modalidades foi aumentando ao longo do
tempo, nomeadamente a introdução da competição olímpica
feminina em 1928.
ALGUNS CONCEITOS:
 A Ginástica Artística também conhecida como Ginástica
Olímpica (antiga denominação), como é praticada atualmente,
teve seu início nos fins do século XVIII, por causa do
renascimento da prática da educação física nos meios escolares
(SANTOS, 2002).
 No entanto, o verdadeiro pai da ginástica é o professor alemão,
Frederick Ludwig Jahn (1778-1852). Ele foi o responsável pelo
desenvolvimento da ginástica na Alemanha, onde fundou o
primeiro ginásio ao ar livre, em 1811, exatamente como os
ginásios da Grécia antiga (GUTMAN,p.6,1996).
 Este esporte envolve a prática de evoluções especiais em
aparelhos, um combinação de elementos de força, equilíbrio e
precisão.
 Inclui também apresentações no solo, com exercícios
executados em uma espécie de tablado em que o atleta
apresenta uma série de movimentos acrobáticos, atrelados à
coreografias.
PROVAS
 Esta condição, varia muito de acordo com o nível de cada competição
(categorias dos atletas); porém em geral, em cada prova se realizam
dois conjuntos de exercícios: um chamado de obrigatório, que é igual
para todos os competidores e definido pelo órgão responsável pela
competição; e outro criado pelo atleta, chamado de livre, composto por
pelo menos onze partes.
 O primeiro conjunto é julgado exclusivamente do ponto de vista de sua
execução, ou seja, a figura do ginasta, a fluência do desempenho e a
harmonia entre as partes dos exercícios. No segundo conjunto, avalia-
se o grau de dificuldade dos movimentos, bem como a originalidade e
a beleza da composição.
 Cada modalidade de exercício tem regras e regulamentos próprios para
a contagem dos pontos, que são distribuídos entre as notas de
Dificuldade, Combinações/Ligações, Execução e Originalidade.
 O ginasta comete falta ao cair do aparelho, perder o equilíbrio, manter
as pernas e/ou os braços encurvados, executar movimentos com pouca
extensão ou desenvoltura, fazer uma manobra extra para se equilibrar
ou concluir subitamente um movimento.
PROVAS
 O exercício de solo é realizado em um tablado plano que
tem 12 metros de largura por 12 metros de comprimento
e é recoberto com material acolchoado.
PROVAS
 A prova de solo no masculino tem duração de 70
segundos para a prova masculina e de 90 segundos para
a prova feminina.
REGRAS
 Pontuação
 O juiz deve atribuir uma nota final entre 0 e 10. Para determinar a
pontuação, utiliza-se uma base de 9 pontos para as mulheres e de
8,6 para os homens aos quais serão deduzidos os pontos
correspondentes às faltas cometidas e aos exercícios obrigatórios
não executados. Serão acrescentados os pontos correspondentes
aos bônus que podem ser no total 1 para as mulheres e 1,4 para os
homens. A exigência das provas está dividida em 5 níveis, sendo
A o mais simples até E o mais exigente.
 Ordem dos aparelhos
 Nas competições internacionais, a ordem da execução das
provas é fixada pela Federação Internacional de Ginástica.
Nas provas femininas ela deve ser: salto sobre o cavalo,
paralelas assimétricas, trave e solo. Para as provas
masculinas a ordem deverá ser: solo, cavalo com alças,
argolas, salto sobre o cavalo, paralelas e barra fixa.
REGRAS
 Faltas
 Existem diversos erros que podem ser cometidos ao longo da
realização de um exercício e que darão origem a deduções na
pontuação final. Alguns exemplos são:
 No final da execução na chegada ao solo o ginasta dá um passo à
frente para se equilibrar;
 Qualquer desequilíbrio resultante de uma má colocação das mãos
no aparelho;
 Tocar nos aparelhos com qualquer parte do corpo durante a
execução deum elemento ou de uma saída, exceto quando isso é
necessário - muitas vezes estes erros devem-se a faltas de balanço
ou cálculos das distâncias errados;
 Falta de altura na execução de um elemento;
 Queda de um aparelho durante a execução de um exercício.
 Estes são apenas alguns exemplos, pois cada aparelho e exercício tem
também regulamentações muito específicas, que poderão condicionar a
nota final se não forem cumpridas.
 "A natureza incita o homem ao movimento,
portanto, ao domínio de seu corpo, o que o leva
e o conduz à Ginástica Natural. Por isso,
ninguém se espanta com as origens longínquas
e universais dos historiadores"
(PUBLIO,p.21,1998).
MOVIMENTOS E POSIÇÕES:
 “O solo é considerado a base de todas outras as provas da
Ginástica Artística. Os rolamentos são os primeiros elementos
a se aprender, seguidos da parada de dois apoios, estrela,... Mas
e os demais? Conhecer os movimentos é o primeiro passo para
o professor poder informar-se sobre qual deles deve ser
aprendido primeiro, qual depois, como facilitar sua
aprendizagem, etc. Uma das formas de entender o movimento
é pela sua descrição técnica, que, é claro, não substituirá nunca
uma vivência. A soma das suas experiências é que deverá ser
nosso objetivo.[...] ”
Retirado de www.birafitness.com/ginastica_olimpica/solo.htm as 16:40, 02/06/014
ROLAMENTO PARA FRENTE
Aspectos técnicos importantes:
 Mãos no solo na largura dos
ombros e viradas para frente;
Forte impulsão de MMII;
ROLAMENTO PARA FRENTE
 Elevação da pelve;
ROLAMENTO PARA FRENTE
 Manutenção do corpo bem
fechado sobre si próprio durante
o rolamento;
ROLAMENTO PARA FRENTE
 Repulsão efetiva das mãos no
solo na parte final.
ROLAMENTO PARA FRENTE
ROLAMENTO PARA TRÁS
Aspectos técnicos importantes:
 Fechar bem os MMII, fletidos sobre o
tronco (“Joelhos no peito”);
 Flexionar a cabeça para frente de
forma a encostar o queixo no
peito;
ROLAMENTO PARA TRÁS
 Colocar as mãos no solo na
largura do ombros e viradas
para frente;
 Manutenção do corpo bem
fechado sobre si mesmo
durante o rolamento;
ROLAMENTO PARA TRÁS
 Fazer a repulsão das mãos no solo na parte final com vigor, de forma a elevar
a cabeça e não bater com ela no solo.
ROLAMENTO PARA TRÁS
ROLAMENTO PARA FRENTE
CARPADO
Aspectos técnicos importantes:
 Mãos no solo na largura dos ombros viradas para frente
 Forte impulso de MMII;
 Apoio das mãos longe do apoio dos pés;
ROLAMENTO PARA FRENTE CARPADO
 MMII estendidos e sempre
unidos, e os pés em flexão
plantar;
 Boa flexão de tronco para frente
para permitir a repulsação de
MMSS efetuadas “por fora” dos
MMII;
 Levantar um pouco a cabeça
(olhar para os pés) no momento
da máxima flexão de tronco;
tentar chegar com o peito ás
coxas;
ROLAMENTO PARA FRENTE CARPADO
ROLAMENTO PARA TRÁS
FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
Aspectos técnicos
importantes:
 Fase inicial com
extensão completa dos
MMII e com os MMSS
no prolongamento do
corpo;
 flexionar o tronco para a
frente ( para ajudar a
sentar);
 Abertura enérgica das
pernas em relação ao
tronco para facilitar a
subida para apoio invertido
(movimento da báscula);
ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
 Repulsão forte de braços no
solo em coordenação com a
abertura (báscula);
ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
 “Encaixe de ombros para
facilitar o equilíbrio em
apoio invertido;
ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
 Tonicidade geral;
ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
PARADA DE CABEÇA
Aspectos técnicos importantes:
 Partir da posição deitado em decúbito ventral;
 Apoiar a testa (cujo ponto de apoio no solo faz um triangulo com os apoios dos
mãos);
 Subir os quadris (noção de “puxar” as pontas dos pés para o nariz) e, quando esses
estiverem por cima dos apoios, deixar subir os MMII para a vertical;
 Impulsionar-se no solo com os MMSS de forma a levantar a cabeça antes do
rolamento;
 Tonicidade geral, MMII e pés bem estendidos;
REFERÊNCIAS
 As imagens sem referências foram retirados dos sites
http://correrparaummortalfazer.blogspot.com.br/ e
http://jogapedro.webnode.pt/products/ginastica-de-solo-/ as 16:30 de
02/06/2014.
 ARAÚJO, C. Manual de ajudas em Ginástica Artística. Canoas: Ulbra,
2003.
 http://www.ginasticario.com.br/modalidades/ginastica-artistica-
masculina/historia.php
 http://www.travinha.com.br/outros-esportes-oficiais/79-ginastica-
artistica/145-ginastica-artistica-as-modalidades
 http://infoef.files.wordpress.com/2010/11/historia-e-regras-da-
ginastica-de-solo-e-aparelhos.pdf
 http://profhugogranjaef.blogspot.com/2010/10/ginastica-
artistica-solo-elementos.html
 http://www.g-sat.net/tenis-2655/taca-mundo-ginastica-gustavo-
simoes-garante-bronze-nas-argolas-291920.html
REFERÊNCIAS
 http://www.play-
gym.com/design/aparelhos_detalhe.php?conteudo_id=14
 http://www.einstein.br/ESPACO-SAUDE/BOA-
FOMA/Paginas/ginastica-artistica-une-beleza-e-saude.aspx
 http://mashpedia.com.br/Barras_paralelas
 http://www.fotolog.com/mulher_borracha/86092799
 http://amaral1d.blogspot.com/2008/09/ginstica-rtmica-ginstica-rtmica-
uma_643.html
 http://nathaliaginastagr.blogspot.com/2011/01/as-macas.html
 http://www.esportesite.com.br/2009/07/04/ginastica-ritmica-curso-na-
bulgaria/
 http://www.paranaesporte.pr.gov.br/modules/noticias/print.php?storyid
=2000
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Gin%C3%A1stica_aer%C3%B3bica
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Gin%C3%A1stica_art%C3%ADstica
 http://neefeb23vizela.no.sapo.pt/index_ficheiros/Page528.htm
 http://ginasticaartisticabrasilemundo.blogspot.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Salto aparelhos
Salto aparelhosSalto aparelhos
Salto aparelhos
aly pereira
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
luis reis
 
Ginástica de solo
Ginástica de soloGinástica de solo
Ginástica de solo
Lorredana Pereira
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
gltrindade
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
Escola Secundaria Moura
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
Hugo Ferreira
 
Ginastica acrobática
Ginastica acrobáticaGinastica acrobática
Ginastica acrobática
Paulo Lopes
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
Luh Fernandes
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Maria João Vasconcelos
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Escola Secundaria Moura
 
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - AconsaTrabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Ana Carolina
 
Aptidão física
Aptidão físicaAptidão física
Aptidão física
sirgmoraes
 
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Margarida Ferreira
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
Profissional de Educação Física
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ana Gomes
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
Bernardo Matos
 
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicasFatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Soraya Filipa
 
Educação Física
Educação Física   Educação Física
Educação Física
kyzinha
 
Badminton
Badminton Badminton
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
JoanaMartins7
 

Mais procurados (20)

Salto aparelhos
Salto aparelhosSalto aparelhos
Salto aparelhos
 
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática   e.f. - 12ºcGinástica acrobática   e.f. - 12ºc
Ginástica acrobática e.f. - 12ºc
 
Ginástica de solo
Ginástica de soloGinástica de solo
Ginástica de solo
 
Educação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobáticaEducação fisica ginástica acrobática
Educação fisica ginástica acrobática
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
 
Basquetebol
BasquetebolBasquetebol
Basquetebol
 
Ginastica acrobática
Ginastica acrobáticaGinastica acrobática
Ginastica acrobática
 
Ginástica Acrobática
Ginástica AcrobáticaGinástica Acrobática
Ginástica Acrobática
 
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de AparelhosTrave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
Trave - Esquemas de Ginástica de Aparelhos
 
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
Ginastica acrobatica [modo de compatibilidade]
 
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - AconsaTrabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
Trabalho de ginástica e aparelhos - Aconsa
 
Aptidão física
Aptidão físicaAptidão física
Aptidão física
 
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
Badminton gestos técnicos, história, sinais de arbitragem etc...
 
Ginástica - Educação Física
Ginástica - Educação FísicaGinástica - Educação Física
Ginástica - Educação Física
 
Ginástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º anoGinástica de aparelhos 6.º ano
Ginástica de aparelhos 6.º ano
 
Voleibol
VoleibolVoleibol
Voleibol
 
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicasFatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
 
Educação Física
Educação Física   Educação Física
Educação Física
 
Badminton
Badminton Badminton
Badminton
 
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
 

Semelhante a Ginastica de Solo - UFAC

Ginastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de TrampolimGinastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de Trampolim
teratici
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
Aldrin Eldrin
 
Trabalho sobre ginástica.pptx
Trabalho sobre ginástica.pptxTrabalho sobre ginástica.pptx
Trabalho sobre ginástica.pptx
DiogoDias69558
 
8º arremesso de peso
8º arremesso de peso8º arremesso de peso
8º arremesso de peso
Prof. Dr. Tadeu Cardoso de Almeida
 
Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
Ana Carolina
 
The brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlonThe brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlon
Claudio Pereira
 
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcionalPower Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Marilia Coutinho
 
Marcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptxMarcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptx
LEYDIANNEPERCILIABOR
 
trabalho educação fisica.pdf
trabalho educação fisica.pdftrabalho educação fisica.pdf
trabalho educação fisica.pdf
JulianaRochaPaulucci
 
Peso
PesoPeso
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
Universidade Norte do Paraná
 
Apostila ensino médio ginastica
Apostila ensino médio ginasticaApostila ensino médio ginastica
Apostila ensino médio ginastica
Reginaldo Pazinatto
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
CATEUS
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
Felipe Mago
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
Felipe Mago
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
Felipe Mago
 
Convict conditioning 01 flexões
Convict conditioning 01 flexõesConvict conditioning 01 flexões
Convict conditioning 01 flexões
Thi Ago
 
Power Point Das Aulas De Ed. FíSica
Power Point Das Aulas De Ed. FíSicaPower Point Das Aulas De Ed. FíSica
Power Point Das Aulas De Ed. FíSica
guest344be9
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Ana Rita Barbosa
 

Semelhante a Ginastica de Solo - UFAC (20)

Ginastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de TrampolimGinastica Acrobática e de Trampolim
Ginastica Acrobática e de Trampolim
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
 
Trabalho sobre ginástica.pptx
Trabalho sobre ginástica.pptxTrabalho sobre ginástica.pptx
Trabalho sobre ginástica.pptx
 
8º arremesso de peso
8º arremesso de peso8º arremesso de peso
8º arremesso de peso
 
Atletismo saltos
Atletismo saltosAtletismo saltos
Atletismo saltos
 
The brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlonThe brazilian strength insanity decathlon
The brazilian strength insanity decathlon
 
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcionalPower Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
Power Funcional - um sistema racional de treinamento funcional
 
Marcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptxMarcha atlética.pptx
Marcha atlética.pptx
 
trabalho educação fisica.pdf
trabalho educação fisica.pdftrabalho educação fisica.pdf
trabalho educação fisica.pdf
 
Peso
PesoPeso
Peso
 
SALTO EM Altura
SALTO EM AlturaSALTO EM Altura
SALTO EM Altura
 
Ginástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parteGinástica rítmica 1. parte
Ginástica rítmica 1. parte
 
Apostila ensino médio ginastica
Apostila ensino médio ginasticaApostila ensino médio ginastica
Apostila ensino médio ginastica
 
Ginástica acrobática
Ginástica acrobáticaGinástica acrobática
Ginástica acrobática
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
 
Aula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artísticaAula 2 ginástica artística
Aula 2 ginástica artística
 
Convict conditioning 01 flexões
Convict conditioning 01 flexõesConvict conditioning 01 flexões
Convict conditioning 01 flexões
 
Power Point Das Aulas De Ed. FíSica
Power Point Das Aulas De Ed. FíSicaPower Point Das Aulas De Ed. FíSica
Power Point Das Aulas De Ed. FíSica
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 

Último

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

Ginastica de Solo - UFAC

  • 1. Ginástica Artística de Solo Universidade Federal do Acre - UFAC Ginástica Geral
  • 2. Disciplina: Ginástica Geral Professor: JUNIOR, Miguel Ano Letivo 2014 – N1 Discentes: LIMA, Anderson; OLIVEIRA, Eridhonson; MELO, Daiane; ANDRADE, Wiliam; SANTOS, Thalita;
  • 3. HISTÓRIA DA GINÁSTICA DE SOLO E APARELHOS  Foram os antigos gregos, os primeiros a praticar a ginástica como atividade desportiva e não apenas como forma de treino militar.  No Império Romano e durante toda a Idade Média, os exercícios físicos ficaram restritos à função militar, aí incluídos à caça e os torneios.  Só com o Renascimento os exercícios físicos, beneficiados pela redescoberta dos valores gregos, voltaram a despertar interesse maior.  No século XVIII, a ginástica era vista com um carisma artístico, sendo vulgares as exibições de escolas e associações desportivas, desenvolvendo também a sua vertente competitiva.
  • 4. HISTÓRIA DA GINÁSTICA DE SOLO E APARELHOS  A organização da ginástica nos moldes atuais e a criação das regras e aparelhos de ginástica aconteceu em 1811 na Alemanha, através da intervenção do professor Friedrick Ludwig Jahn. Este abriu o primeiro campo de ginástica de Berlim e rapidamente a ideia passou para outras cidades alemãs. O número de praticantes deste desporto aumentou exponencialmente, potenciando a exportação da ginástica para outros países.  A criação da Federação Internacional de Ginástica em 1881, abriu caminho para a realização das primeiras provas internacionais da modalidade, que foram os Jogos Olímpicos de 1896. A primeira edição dos campeonatos mundiais realizou-se em Antuérpia em 1903. A complexidade dos aparelhos e das modalidades foi aumentando ao longo do tempo, nomeadamente a introdução da competição olímpica feminina em 1928.
  • 5. ALGUNS CONCEITOS:  A Ginástica Artística também conhecida como Ginástica Olímpica (antiga denominação), como é praticada atualmente, teve seu início nos fins do século XVIII, por causa do renascimento da prática da educação física nos meios escolares (SANTOS, 2002).  No entanto, o verdadeiro pai da ginástica é o professor alemão, Frederick Ludwig Jahn (1778-1852). Ele foi o responsável pelo desenvolvimento da ginástica na Alemanha, onde fundou o primeiro ginásio ao ar livre, em 1811, exatamente como os ginásios da Grécia antiga (GUTMAN,p.6,1996).  Este esporte envolve a prática de evoluções especiais em aparelhos, um combinação de elementos de força, equilíbrio e precisão.  Inclui também apresentações no solo, com exercícios executados em uma espécie de tablado em que o atleta apresenta uma série de movimentos acrobáticos, atrelados à coreografias.
  • 6. PROVAS  Esta condição, varia muito de acordo com o nível de cada competição (categorias dos atletas); porém em geral, em cada prova se realizam dois conjuntos de exercícios: um chamado de obrigatório, que é igual para todos os competidores e definido pelo órgão responsável pela competição; e outro criado pelo atleta, chamado de livre, composto por pelo menos onze partes.  O primeiro conjunto é julgado exclusivamente do ponto de vista de sua execução, ou seja, a figura do ginasta, a fluência do desempenho e a harmonia entre as partes dos exercícios. No segundo conjunto, avalia- se o grau de dificuldade dos movimentos, bem como a originalidade e a beleza da composição.  Cada modalidade de exercício tem regras e regulamentos próprios para a contagem dos pontos, que são distribuídos entre as notas de Dificuldade, Combinações/Ligações, Execução e Originalidade.  O ginasta comete falta ao cair do aparelho, perder o equilíbrio, manter as pernas e/ou os braços encurvados, executar movimentos com pouca extensão ou desenvoltura, fazer uma manobra extra para se equilibrar ou concluir subitamente um movimento.
  • 7. PROVAS  O exercício de solo é realizado em um tablado plano que tem 12 metros de largura por 12 metros de comprimento e é recoberto com material acolchoado.
  • 8. PROVAS  A prova de solo no masculino tem duração de 70 segundos para a prova masculina e de 90 segundos para a prova feminina.
  • 9. REGRAS  Pontuação  O juiz deve atribuir uma nota final entre 0 e 10. Para determinar a pontuação, utiliza-se uma base de 9 pontos para as mulheres e de 8,6 para os homens aos quais serão deduzidos os pontos correspondentes às faltas cometidas e aos exercícios obrigatórios não executados. Serão acrescentados os pontos correspondentes aos bônus que podem ser no total 1 para as mulheres e 1,4 para os homens. A exigência das provas está dividida em 5 níveis, sendo A o mais simples até E o mais exigente.  Ordem dos aparelhos  Nas competições internacionais, a ordem da execução das provas é fixada pela Federação Internacional de Ginástica. Nas provas femininas ela deve ser: salto sobre o cavalo, paralelas assimétricas, trave e solo. Para as provas masculinas a ordem deverá ser: solo, cavalo com alças, argolas, salto sobre o cavalo, paralelas e barra fixa.
  • 10. REGRAS  Faltas  Existem diversos erros que podem ser cometidos ao longo da realização de um exercício e que darão origem a deduções na pontuação final. Alguns exemplos são:  No final da execução na chegada ao solo o ginasta dá um passo à frente para se equilibrar;  Qualquer desequilíbrio resultante de uma má colocação das mãos no aparelho;  Tocar nos aparelhos com qualquer parte do corpo durante a execução deum elemento ou de uma saída, exceto quando isso é necessário - muitas vezes estes erros devem-se a faltas de balanço ou cálculos das distâncias errados;  Falta de altura na execução de um elemento;  Queda de um aparelho durante a execução de um exercício.  Estes são apenas alguns exemplos, pois cada aparelho e exercício tem também regulamentações muito específicas, que poderão condicionar a nota final se não forem cumpridas.
  • 11.  "A natureza incita o homem ao movimento, portanto, ao domínio de seu corpo, o que o leva e o conduz à Ginástica Natural. Por isso, ninguém se espanta com as origens longínquas e universais dos historiadores" (PUBLIO,p.21,1998).
  • 12. MOVIMENTOS E POSIÇÕES:  “O solo é considerado a base de todas outras as provas da Ginástica Artística. Os rolamentos são os primeiros elementos a se aprender, seguidos da parada de dois apoios, estrela,... Mas e os demais? Conhecer os movimentos é o primeiro passo para o professor poder informar-se sobre qual deles deve ser aprendido primeiro, qual depois, como facilitar sua aprendizagem, etc. Uma das formas de entender o movimento é pela sua descrição técnica, que, é claro, não substituirá nunca uma vivência. A soma das suas experiências é que deverá ser nosso objetivo.[...] ” Retirado de www.birafitness.com/ginastica_olimpica/solo.htm as 16:40, 02/06/014
  • 13. ROLAMENTO PARA FRENTE Aspectos técnicos importantes:  Mãos no solo na largura dos ombros e viradas para frente;
  • 14. Forte impulsão de MMII; ROLAMENTO PARA FRENTE
  • 15.  Elevação da pelve; ROLAMENTO PARA FRENTE
  • 16.  Manutenção do corpo bem fechado sobre si próprio durante o rolamento; ROLAMENTO PARA FRENTE
  • 17.  Repulsão efetiva das mãos no solo na parte final. ROLAMENTO PARA FRENTE
  • 18. ROLAMENTO PARA TRÁS Aspectos técnicos importantes:  Fechar bem os MMII, fletidos sobre o tronco (“Joelhos no peito”);
  • 19.  Flexionar a cabeça para frente de forma a encostar o queixo no peito; ROLAMENTO PARA TRÁS
  • 20.  Colocar as mãos no solo na largura do ombros e viradas para frente;  Manutenção do corpo bem fechado sobre si mesmo durante o rolamento; ROLAMENTO PARA TRÁS
  • 21.  Fazer a repulsão das mãos no solo na parte final com vigor, de forma a elevar a cabeça e não bater com ela no solo. ROLAMENTO PARA TRÁS
  • 22. ROLAMENTO PARA FRENTE CARPADO Aspectos técnicos importantes:  Mãos no solo na largura dos ombros viradas para frente
  • 23.  Forte impulso de MMII;  Apoio das mãos longe do apoio dos pés; ROLAMENTO PARA FRENTE CARPADO
  • 24.  MMII estendidos e sempre unidos, e os pés em flexão plantar;  Boa flexão de tronco para frente para permitir a repulsação de MMSS efetuadas “por fora” dos MMII;  Levantar um pouco a cabeça (olhar para os pés) no momento da máxima flexão de tronco; tentar chegar com o peito ás coxas; ROLAMENTO PARA FRENTE CARPADO
  • 25. ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO Aspectos técnicos importantes:  Fase inicial com extensão completa dos MMII e com os MMSS no prolongamento do corpo;  flexionar o tronco para a frente ( para ajudar a sentar);
  • 26.  Abertura enérgica das pernas em relação ao tronco para facilitar a subida para apoio invertido (movimento da báscula); ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
  • 27.  Repulsão forte de braços no solo em coordenação com a abertura (báscula); ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
  • 28.  “Encaixe de ombros para facilitar o equilíbrio em apoio invertido; ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
  • 29.  Tonicidade geral; ROLAMENTO PARA TRÁS FINALIZADO EM APOIO INVERTIDO
  • 30. PARADA DE CABEÇA Aspectos técnicos importantes:  Partir da posição deitado em decúbito ventral;  Apoiar a testa (cujo ponto de apoio no solo faz um triangulo com os apoios dos mãos);  Subir os quadris (noção de “puxar” as pontas dos pés para o nariz) e, quando esses estiverem por cima dos apoios, deixar subir os MMII para a vertical;  Impulsionar-se no solo com os MMSS de forma a levantar a cabeça antes do rolamento;  Tonicidade geral, MMII e pés bem estendidos;
  • 31. REFERÊNCIAS  As imagens sem referências foram retirados dos sites http://correrparaummortalfazer.blogspot.com.br/ e http://jogapedro.webnode.pt/products/ginastica-de-solo-/ as 16:30 de 02/06/2014.  ARAÚJO, C. Manual de ajudas em Ginástica Artística. Canoas: Ulbra, 2003.  http://www.ginasticario.com.br/modalidades/ginastica-artistica- masculina/historia.php  http://www.travinha.com.br/outros-esportes-oficiais/79-ginastica- artistica/145-ginastica-artistica-as-modalidades  http://infoef.files.wordpress.com/2010/11/historia-e-regras-da- ginastica-de-solo-e-aparelhos.pdf  http://profhugogranjaef.blogspot.com/2010/10/ginastica- artistica-solo-elementos.html  http://www.g-sat.net/tenis-2655/taca-mundo-ginastica-gustavo- simoes-garante-bronze-nas-argolas-291920.html
  • 32. REFERÊNCIAS  http://www.play- gym.com/design/aparelhos_detalhe.php?conteudo_id=14  http://www.einstein.br/ESPACO-SAUDE/BOA- FOMA/Paginas/ginastica-artistica-une-beleza-e-saude.aspx  http://mashpedia.com.br/Barras_paralelas  http://www.fotolog.com/mulher_borracha/86092799  http://amaral1d.blogspot.com/2008/09/ginstica-rtmica-ginstica-rtmica- uma_643.html  http://nathaliaginastagr.blogspot.com/2011/01/as-macas.html  http://www.esportesite.com.br/2009/07/04/ginastica-ritmica-curso-na- bulgaria/  http://www.paranaesporte.pr.gov.br/modules/noticias/print.php?storyid =2000  http://pt.wikipedia.org/wiki/Gin%C3%A1stica_aer%C3%B3bica  http://pt.wikipedia.org/wiki/Gin%C3%A1stica_art%C3%ADstica  http://neefeb23vizela.no.sapo.pt/index_ficheiros/Page528.htm  http://ginasticaartisticabrasilemundo.blogspot.com