SlideShare uma empresa Scribd logo
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Nas dissertações
– Fazer sempre três parágrafos pelo menos
(talvez mesmo quatro, subdividindo o
«desenvolvimento)
– Verificar se há mesmo argumentos e os
exemplos respetivos (planificar?)
– Atentar no tópico pedido no enunciado
(poema interventivo, pedagogia, crítica);
evitar «palha»
derivado a
devido a
por causa de
as críticas
o poeta critica
o que é criticado
O facto da poesia ser épica
O facto de a poesia ser épica
oração (infinitiva)
são vistos como sendo cultos
são vistos como cultos
Cuidado com a citação do trecho no
enunciado (neste caso, o excerto
transcrito estava incluído em Didática de
«Os Lusíadas», obra editada pelo
Ministério da Educação).
Maria Matos
Maria Vitalina Leal de Matos
Rui Mateus
Rui Cardoso Martins
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
1.2.
No poema de Pessoa, a loucura é
entrevista numa perspetiva positiva e
produtiva semelhante à abordada no
editorial. É ela que, como afirma Sofia
Barro­cas, apresenta «alguma coisa que
não sabemos definir bem» e que o poema
concretiza como o traço humano distintivo
dos seres humanos face aos restan­tes
animais. D. Sebastião surge no poema de
Mensagem como um dos «símbolos vivos»
que, pelo seu exemplo, levanta «questões»
(l. 23) aos nossos outros «eus» (l. 24).
1.
Segundo o sujeito poético, a sua
loucura é produto da sua ambição, do
seu sonho de «grandeza» que a «Sorte»,
ou destino, não dá sem que se empenhe
algum esforço na sua concretização.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
a. Com a repetição do adjetivo «louco» e o
uso do advérbio de afirmação no primeiro
verso [«Louco, sim, louco»],
2. o sujeito poético reforça
orgulhosamente a sua autocaracterização.
b. Com o jogo de tempos verbais presente
no verso 5 [«Ficou meu ser que houve,
não o que há»]
5. o sujeito enunciador distingue a sua
figura histórica da sua personalidade
mítica.
c. Com a afirmação dos versos 6 e 7
[«Minha loucura, outros que me a tomem
/ Com o que nela ia»],
1. o eu enunciador salienta o carácter
exemplar da sua personalidade e
estimula a sua reprodução.
d. Com a interrogação retórica (vv. 8-10
[«Sem a loucura que é o homem / Mais
que a besta sadia, / Cadáver adiado que
procria?»]),
3. o eu lírico chama a atenção para os
traços distintivos do ser humano.
e. Com o uso da primeira pessoa,
4. o sujeito poético serve-se do seu caso
particular para refletir sobre o valor da
loucura.
a = 2; b = 5; c = 1; d = 3; e = 4
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
3.1.
D. Sebastião adquire em Mensagem
um valor simbólico que ultrapassa a sua
figura histórica. São os valores da
determinação e da coragem que ele
corporiza que funcionam como mito
inspirador e, nessa aceção, «fecundam a
realidade»: "É Esse que regressarei». O
Sebastianismo em Mensagem não se liga,
pois, ao caso específico e concreto de D.
Sebastião, que não poderá, obviamente,
voltar, mas à ideologia que lhe está
subjacente. Depois do «ser que houve» e
que ficou no «areal» com a «morte»,
regressará a força inspiradora de D.
Sebastião necessária ao ressurgimento
anímico da nação.
1.ª parte (Brasão)
•«D. Sebastião, rei de Portugal» (p. 33)
3.ª parte (O Encoberto)
•«D. Sebastião» (p. 71)
•«O Desejado» (p. 74)
•«O Encoberto» (p. 76)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Os Loucos Estão Certos
(Diabo na Cruz)
Os loucos estão certos
Os certos estão fartos
Os fartos são modernos com os pés no chão
Os sogros estão pobres
Os pobres estão mortos
Os mortos são vivos em preservação
O bairro está cheio
As cheias estão à porta
O António das chamuças mudou de canal
Os loucos estão certos
É preciso ouvi-los
Foram avisados não nos querem mal
Os loucos estão parvos
Os parvos estão no trono
O trono que era bênção fez-se maldição
Os trilhos estão cruzados
A fome aí à espera
O tio veio ao casório para insultar o irmão
Os padres comem putos
Os putos comem ratos
Na igreja de São Torpes hoje há bacanal
Os loucos estão certos
É preciso ouvi-los
Foram avisados não nos querem mal
Ai, ai, ai
Já que a gente se habitua ao ai
Ai, ai, ai
Já que a borga continua
Já que o ritmo não recua
Seja o filho avô do pai
Os loucos estão certos
Os certos estão fartos
Os fartos são modernos com os pés no chão
Os trilhos estão cruzados
A fome aí à espera
O tio veio ao casório para insultar o irmão
Os padres comem putos
Os putos comem ratos
Na igreja de São Torpes hoje há bacanal
Os loucos estão certos
É preciso ouvi-los
Foram avisados não nos querem mal
Ai, ai, ai
Já que a gente se habitua ao ai
Ai, ai, ai
Já que a borga continua
Já que o ritmo não recua
Seja o filho avô do pai.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
TPC — Resolve o ponto 1 / Escrita da
p. 215 (dissertação sobre loucura).
A tinta,
indicando no final o número de palavras.
Afirmação
«Todos os homens são doidos e, apesar das
precauções, só diferem entre si em virtude das
proporções. Este mundo está cheio de loucos e quem
não os queira ver deve fechar-se e partir o espelho.»
Instrução
Partindo da citação de Nicolas Boileau, redige
um texto […] no qual apresentes uma reflexão sobre a
loucura.
Introdução (1.º parágrafo)
Na citação apresentada, Boileau defende
que todos são loucos: veríamos um, assim que
nos olhássemos ao espelho.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Lembro ainda a necessidade de ler
(ainda nesta primeira quinzena de maio)
Felizmente há luar! (pus reprodução,
dividida pelos dois atos, na secção
«Infelizmente não há sol!»).
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Vou também pôr em Gaveta de
Nuvens — proximamente — uma lista de
encargos até ao fim do ano letivo.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Canto VII, est. 79
Olhai que há tanto tempo que, cantando
O vosso Tejo e os vossos Lusitanos,
A fortuna me traz peregrinando,
Novos trabalhos vendo e novos danos:
Agora o mar, agora esprimentando
Os perigos Mavórcios inumanos,
Qual Cánace, que à morte se condena,
Nũa mão sempre a espada e noutra a
pena;
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
4.
Através deste excerto [da Cena I do
Ato 2], Maria pode ser caracterizada como
uma jovem culta, na medida em que conhe-
ce figuras históricas e da literatura (vejam-
se os dados que aponta acerca do
«querido e amado rei D. Sebastião», nas
linhas 3-8, bem como, na segunda fala, o
reconheci-mento do retrato de Luís de
Camões e até a citação de um verso dos
Lusíadas — «Numa mão sempre a espada
e noutra a pena»). Mostra-se também
curiosa, pois
insiste em saber a identidade de uma das
figuras, a de D. João de Portugal («Mas,
então, vamos tu não me dizes do
retrato?»). Revela-se ainda idealista,
porque perspetiva a pátria a partir
daqueles heróis (citaremos a admiração
com que recorda a ousadia de Sebastião,
que tomara «a sério o cargo de reinar» e
jurara «cobrir de glória o seu reino», ou
com que refere Camões).
– mística, pois acredita no regresso de D.
Sebastião;
– crente, na medida em que evoca Deus.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
4.
20 pontos
Aspetos de conteúdo (C)
12 pontos
Explicita, adequadamente, três dos
traços que caracterizam Maria,
justificando a resposta com elementos
do texto.
12
Explicita, com pequenas imprecisões,
três dos traços que caracterizam Maria,
justificando a resposta com elementos
do texto.
9
Explicita, adequadamente, dois dos
traços que caracterizam Maria,
justificando a resposta com elementos
do texto.
OU
Explicita, com imprecisões, três dos
traços que caracterizam Maria,
justificando a resposta com elementos
do texto.
6
Explicita, adequadamente, um dos traços
que caracterizam Maria, justificando a
resposta com elementos do texto.
OU
Explicita, com pequenas imprecisões,
dois dos traços que caracterizam Maria,
justificando a resposta com elementos do
texto.
3
Nota 1 – São classificadas com zero
pontos as respostas em que apenas se
refere uma lista de características de
Maria, sem apresentar qualquer
justificação com base em elementos do
texto.
Nota 2 – A justificação solicitada no item
pode consistir na apresentação de
citações que, inequivocamente,
comprovem os traços referidos.
Aspetos de estruturação do discurso e
correção linguística (F)
8 pontos
– Estruturação do discurso (E)
– 4 pontos
– Correção linguística* (CL)
– 4 pontos
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
4.
Através deste excerto [da Cena I do
Ato 2], Maria pode ser caracterizada como
uma jovem culta, na medida em que conhe-
ce figuras históricas e da literatura (vejam-
se os dados que aponta acerca do
«querido e amado rei D. Sebastião», nas
linhas 3-8, bem como, na segunda fala, o
reconheci-mento do retrato de Luís de
Camões e até a citação de um verso dos
Lusíadas — «Numa mão sempre a espada
e noutra a pena»). Mostra-se também
curiosa, pois
insiste em saber a identidade de uma das
figuras, a de D. João de Portugal («Mas,
então, vamos tu não me dizes do
retrato?»). Revela-se ainda idealista,
porque perspetiva a pátria a partir
daqueles heróis (citaremos a admiração
com que recorda a ousadia de Sebastião,
que tomara «a sério o cargo de reinar» e
jurara «cobrir de glória o seu reino», ou
com que refere Camões).
– mística, pois acredita no regresso de D.
Sebastião;
– crente, na medida em que evoca Deus.
5.
Para Maria, as duas figuras
simbolizam a grandeza de Portugal e, por
conseguinte, a recusa de um presente de
submissão. D. Sebastião simboliza a
esperança, pois é o rei, querido e
admirado, cujo regresso haveria de
conduzir Portugal à grandeza perdida.
Camões simboliza o herói aventureiro,
representante do ideal de poeta e
guerreiro.
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r
Frei Luís de Sousa
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
Carla Ribeiro
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
luisprista
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
jasonrplima
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
luisprista
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Carla Ribeiro
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
luisprista
 

Mais procurados (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 140
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, segunda aula de cábulas
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 152
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
 
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_LusíadasNarrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
Narrativa épica texto_de_apoio_Lusíadas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 102-103
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 101-101 r
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 118-118 r
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 92-93
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, terceira aula de cábulas
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r

Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
luisprista
 
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares MartinsDos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Edson Soares Martins, URCA
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
emilia1966
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
Ferreira09
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
luisprista
 
1º literatura
1º literatura1º literatura
1º literatura
newtonbonfim
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
BiancaBatista53
 
Pm memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
Pm   memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...Pm   memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
Pm memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
Paula Marçal
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
Jesrayne Nascimento
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
Seduc/AM
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
Paulo Alexandre
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
pibidletrasifpa
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
Revisão literatura - realismo - naturalismo
Revisão   literatura - realismo - naturalismoRevisão   literatura - realismo - naturalismo
Revisão literatura - realismo - naturalismo
jasonrplima
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
luisprista
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3
PATRICIA VIANA
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
Isaquel Silva
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
Carol Monteiro
 
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
Carla Ribeiro
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r (20)

Simulado 2
Simulado 2Simulado 2
Simulado 2
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
 
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares MartinsDos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
Dos Engenhos Da Poesia Edson Soares Martins
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
 
Os Maias(1)
Os Maias(1)Os Maias(1)
Os Maias(1)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 145-146
 
1º literatura
1º literatura1º literatura
1º literatura
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Pm memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
Pm   memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...Pm   memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
Pm memorial (padre bartolomeu) e camões (sete anos de pastor) - grupo ii (...
 
Simulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileiraSimulado de literatura brasileira
Simulado de literatura brasileira
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANOSEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
 
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasilAula 27   produções contemporâneas em portugal e no brasil
Aula 27 produções contemporâneas em portugal e no brasil
 
Revisão literatura - realismo - naturalismo
Revisão   literatura - realismo - naturalismoRevisão   literatura - realismo - naturalismo
Revisão literatura - realismo - naturalismo
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 89-90
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3
 
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
 
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
 

Mais de luisprista

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
luisprista
 

Mais de luisprista (20)

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 

Último

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 145-145 r

  • 2. Nas dissertações – Fazer sempre três parágrafos pelo menos (talvez mesmo quatro, subdividindo o «desenvolvimento) – Verificar se há mesmo argumentos e os exemplos respetivos (planificar?) – Atentar no tópico pedido no enunciado (poema interventivo, pedagogia, crítica); evitar «palha»
  • 4. as críticas o poeta critica o que é criticado
  • 5. O facto da poesia ser épica O facto de a poesia ser épica oração (infinitiva)
  • 6. são vistos como sendo cultos são vistos como cultos
  • 7. Cuidado com a citação do trecho no enunciado (neste caso, o excerto transcrito estava incluído em Didática de «Os Lusíadas», obra editada pelo Ministério da Educação). Maria Matos Maria Vitalina Leal de Matos Rui Mateus Rui Cardoso Martins
  • 11. 1.2. No poema de Pessoa, a loucura é entrevista numa perspetiva positiva e produtiva semelhante à abordada no editorial. É ela que, como afirma Sofia Barro­cas, apresenta «alguma coisa que não sabemos definir bem» e que o poema concretiza como o traço humano distintivo dos seres humanos face aos restan­tes animais. D. Sebastião surge no poema de Mensagem como um dos «símbolos vivos» que, pelo seu exemplo, levanta «questões» (l. 23) aos nossos outros «eus» (l. 24).
  • 12. 1. Segundo o sujeito poético, a sua loucura é produto da sua ambição, do seu sonho de «grandeza» que a «Sorte», ou destino, não dá sem que se empenhe algum esforço na sua concretização.
  • 14. a. Com a repetição do adjetivo «louco» e o uso do advérbio de afirmação no primeiro verso [«Louco, sim, louco»], 2. o sujeito poético reforça orgulhosamente a sua autocaracterização.
  • 15. b. Com o jogo de tempos verbais presente no verso 5 [«Ficou meu ser que houve, não o que há»] 5. o sujeito enunciador distingue a sua figura histórica da sua personalidade mítica.
  • 16. c. Com a afirmação dos versos 6 e 7 [«Minha loucura, outros que me a tomem / Com o que nela ia»], 1. o eu enunciador salienta o carácter exemplar da sua personalidade e estimula a sua reprodução.
  • 17. d. Com a interrogação retórica (vv. 8-10 [«Sem a loucura que é o homem / Mais que a besta sadia, / Cadáver adiado que procria?»]), 3. o eu lírico chama a atenção para os traços distintivos do ser humano.
  • 18. e. Com o uso da primeira pessoa, 4. o sujeito poético serve-se do seu caso particular para refletir sobre o valor da loucura.
  • 19. a = 2; b = 5; c = 1; d = 3; e = 4
  • 21. 3.1. D. Sebastião adquire em Mensagem um valor simbólico que ultrapassa a sua figura histórica. São os valores da determinação e da coragem que ele corporiza que funcionam como mito inspirador e, nessa aceção, «fecundam a realidade»: "É Esse que regressarei». O Sebastianismo em Mensagem não se liga, pois, ao caso específico e concreto de D.
  • 22. Sebastião, que não poderá, obviamente, voltar, mas à ideologia que lhe está subjacente. Depois do «ser que houve» e que ficou no «areal» com a «morte», regressará a força inspiradora de D. Sebastião necessária ao ressurgimento anímico da nação.
  • 23. 1.ª parte (Brasão) •«D. Sebastião, rei de Portugal» (p. 33) 3.ª parte (O Encoberto) •«D. Sebastião» (p. 71) •«O Desejado» (p. 74) •«O Encoberto» (p. 76)
  • 25. Os Loucos Estão Certos (Diabo na Cruz)
  • 26. Os loucos estão certos Os certos estão fartos Os fartos são modernos com os pés no chão Os sogros estão pobres Os pobres estão mortos Os mortos são vivos em preservação O bairro está cheio As cheias estão à porta O António das chamuças mudou de canal
  • 27. Os loucos estão certos É preciso ouvi-los Foram avisados não nos querem mal Os loucos estão parvos Os parvos estão no trono O trono que era bênção fez-se maldição Os trilhos estão cruzados A fome aí à espera O tio veio ao casório para insultar o irmão
  • 28. Os padres comem putos Os putos comem ratos Na igreja de São Torpes hoje há bacanal Os loucos estão certos É preciso ouvi-los Foram avisados não nos querem mal Ai, ai, ai Já que a gente se habitua ao ai Ai, ai, ai
  • 29. Já que a borga continua Já que o ritmo não recua Seja o filho avô do pai Os loucos estão certos Os certos estão fartos Os fartos são modernos com os pés no chão Os trilhos estão cruzados A fome aí à espera O tio veio ao casório para insultar o irmão
  • 30. Os padres comem putos Os putos comem ratos Na igreja de São Torpes hoje há bacanal Os loucos estão certos É preciso ouvi-los Foram avisados não nos querem mal
  • 31. Ai, ai, ai Já que a gente se habitua ao ai Ai, ai, ai Já que a borga continua Já que o ritmo não recua Seja o filho avô do pai.
  • 33. TPC — Resolve o ponto 1 / Escrita da p. 215 (dissertação sobre loucura). A tinta, indicando no final o número de palavras.
  • 34. Afirmação «Todos os homens são doidos e, apesar das precauções, só diferem entre si em virtude das proporções. Este mundo está cheio de loucos e quem não os queira ver deve fechar-se e partir o espelho.» Instrução Partindo da citação de Nicolas Boileau, redige um texto […] no qual apresentes uma reflexão sobre a loucura. Introdução (1.º parágrafo) Na citação apresentada, Boileau defende que todos são loucos: veríamos um, assim que nos olhássemos ao espelho.
  • 36. Lembro ainda a necessidade de ler (ainda nesta primeira quinzena de maio) Felizmente há luar! (pus reprodução, dividida pelos dois atos, na secção «Infelizmente não há sol!»).
  • 38. Vou também pôr em Gaveta de Nuvens — proximamente — uma lista de encargos até ao fim do ano letivo.
  • 43. Canto VII, est. 79 Olhai que há tanto tempo que, cantando O vosso Tejo e os vossos Lusitanos, A fortuna me traz peregrinando, Novos trabalhos vendo e novos danos: Agora o mar, agora esprimentando Os perigos Mavórcios inumanos, Qual Cánace, que à morte se condena, Nũa mão sempre a espada e noutra a pena;
  • 45. 4. Através deste excerto [da Cena I do Ato 2], Maria pode ser caracterizada como uma jovem culta, na medida em que conhe- ce figuras históricas e da literatura (vejam- se os dados que aponta acerca do «querido e amado rei D. Sebastião», nas linhas 3-8, bem como, na segunda fala, o reconheci-mento do retrato de Luís de Camões e até a citação de um verso dos Lusíadas — «Numa mão sempre a espada e noutra a pena»). Mostra-se também curiosa, pois
  • 46. insiste em saber a identidade de uma das figuras, a de D. João de Portugal («Mas, então, vamos tu não me dizes do retrato?»). Revela-se ainda idealista, porque perspetiva a pátria a partir daqueles heróis (citaremos a admiração com que recorda a ousadia de Sebastião, que tomara «a sério o cargo de reinar» e jurara «cobrir de glória o seu reino», ou com que refere Camões).
  • 47. – mística, pois acredita no regresso de D. Sebastião; – crente, na medida em que evoca Deus.
  • 49. 4. 20 pontos Aspetos de conteúdo (C) 12 pontos
  • 50. Explicita, adequadamente, três dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. 12 Explicita, com pequenas imprecisões, três dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. 9
  • 51. Explicita, adequadamente, dois dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. OU Explicita, com imprecisões, três dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. 6
  • 52. Explicita, adequadamente, um dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. OU Explicita, com pequenas imprecisões, dois dos traços que caracterizam Maria, justificando a resposta com elementos do texto. 3
  • 53. Nota 1 – São classificadas com zero pontos as respostas em que apenas se refere uma lista de características de Maria, sem apresentar qualquer justificação com base em elementos do texto. Nota 2 – A justificação solicitada no item pode consistir na apresentação de citações que, inequivocamente, comprovem os traços referidos.
  • 54. Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) 8 pontos – Estruturação do discurso (E) – 4 pontos – Correção linguística* (CL) – 4 pontos
  • 56. 4. Através deste excerto [da Cena I do Ato 2], Maria pode ser caracterizada como uma jovem culta, na medida em que conhe- ce figuras históricas e da literatura (vejam- se os dados que aponta acerca do «querido e amado rei D. Sebastião», nas linhas 3-8, bem como, na segunda fala, o reconheci-mento do retrato de Luís de Camões e até a citação de um verso dos Lusíadas — «Numa mão sempre a espada e noutra a pena»). Mostra-se também curiosa, pois
  • 57. insiste em saber a identidade de uma das figuras, a de D. João de Portugal («Mas, então, vamos tu não me dizes do retrato?»). Revela-se ainda idealista, porque perspetiva a pátria a partir daqueles heróis (citaremos a admiração com que recorda a ousadia de Sebastião, que tomara «a sério o cargo de reinar» e jurara «cobrir de glória o seu reino», ou com que refere Camões).
  • 58. – mística, pois acredita no regresso de D. Sebastião; – crente, na medida em que evoca Deus.
  • 59. 5. Para Maria, as duas figuras simbolizam a grandeza de Portugal e, por conseguinte, a recusa de um presente de submissão. D. Sebastião simboliza a esperança, pois é o rei, querido e admirado, cujo regresso haveria de conduzir Portugal à grandeza perdida. Camões simboliza o herói aventureiro, representante do ideal de poeta e guerreiro.
  • 61. Frei Luís de Sousa