SlideShare uma empresa Scribd logo
Os Lusíadas são uma obra de glorificação e
confiança ou de desalento e descrença?
Por um lado, na sua aparência mais visível,
apresentam uma história em que a aventura
chega a bom termo, obtém as finalidades
propostas, em que os inimigos ficam vencidos e
os heróis reconhecidos e recompensados. [...]
Porém, o lado sombrio, que encontrámos no
Velho do Restelo e noutros passos de deceção e
cansaço, também adquire expressão nítida.
MATOS, Maria Vitalina Leal de, «Lusíadas (Os)», in SILVA,
Vítor Aguiar e (coord.), 2011. Dicionário de Luís de Camões.
Alfragide: Caminho
Reflete sobre a questão levantada no
início do excerto acima transcrito,
considerando as ver­tentes laudatória e
crítica d’Os Lusíadas. Apoia a tua reflexão
em alusões pertinentes à obra. Escreve
um texto de oitenta a cento e trinta
palavras.
[Tópicos de resposta:]
i. Os Lusíadas enquanto texto épico, que
relata as façanhas gloriosas dos
portugueses, os quais, em diferentes
momentos dos vários planos narrativos, se
mostram corajosos e determinados: as
adversidades superadas durante a viagem,
os exemplos heroicos da História de
Portugal, as lutas com os deuses, que mais
salientam a sua superioridade. Há, pois, a
manifestação do «entusiasmo heroico»
pelos feitos alcançados, imbuída de «fé»
nas capacidades do Homem;
ii. Os Lusíadas como exemplo de texto
antiépico, que desvenda o «avesso» da
realidade eufórica cantada: apesar de
dignos de louvor pelas concretizações
alcançadas, os portugueses são também
frequentemente analisados do ponto de
vista moral. Dessa análise, resulta um
conjunto de reflexões em que o poeta
critica vícios e defeitos do povo lusitano,
numa expressão de «melancolia
desalentada» face ao seu povo.
Os Lusíadas transmitem, por vezes,
uma visão contraditória dos portu­gueses e
dos seus feitos, ao conjugar momentos de
elogio e de crítica.
O tom geral do poema é de enalte­
cimento dos lusitanos, apresentados como
heróis superadores das mais diversas
provas (os perigos marítimos, as doenças, a
separação da família) e capazes, inclusiva­
mente, de dividir os deuses (ganhando a
inimizade de Baco que, continuamente, lhes
arma ciladas).
Contudo, o poeta não abdica de uma
posição interventiva e, particular­mente no
final dos cantos e na sequência dos
acontecimentos relatados, manifesta
grande tristeza face à perda de valores dos
portugueses e ao seu desinteresse pelas
artes.
Deste modo, alia­se à exaltação épica
da nação lusa o tom disfórico de um poeta­
narrador que avalia lúcida e criticamente
os efeitos da mesma expansão que canta.
perfectivo = perfetivo
sujeiro = sujeito
Entre as linhas 21 e 24 («Quem são, perguntou a uma
mulher que levava uma criança ao colo, De três não sei
eu, aquele além e aquela são pai e filha que vieram por
culpas de judaísmo, e o outro, o da ponta, é um que
fazia comédias de bonifrates e se chamava António
José da Silva, dos mais não ouvi falar») há
Escreve umas linhas finais
alternativas (a partir de «parece mais
novo.», l. 27) à conclusão de Saramago
(de 40 a 100 palavras).
Não optes por finais estapafúrdios
fora do restante registo, embora possas
criar um desfecho igualmente mágico.
Em «Durante nove anos, Blimunda
procurou Baltasar» (l. 5), o valor aspetual
durativo, imperfetivo, resulta, sobretudo,
do
a) modificador «Durante nove anos».
b) tempo de «procurou» e do valor de
«durante nove anos».
c) sentido de ‘procurar’.
d) tempo verbal de «procurou».
Em «e andando e buscando» (l. 8), o
polissíndeto transmite-nos
a) a ideia de hesitação.
b) o valor de acumulação obsessiva.
c) um matiz aspectual perfectivo.
d) o sentido denotativo de enumeração.
O segmento sublinhado em «veio a
descobrir como é pequeno este país onde
nasceu» (ll. 8-9) corresponde a uma
oração subordinada
a) adverbial temporal.
b) adjetiva relativa explicativa.
c) adjetiva relativa restritiva.
d) substantiva completiva.
Em «dava com rostos que reconhecia» (l.
9), «chamavam-me voadora» (10), o
tempo verbal (traduzindo uma marca
aspetual relacionável com a persistência
e duração das buscas de Blimunda) é o
a) Perfeito do Indicativo.
b) Mais-que-perfeito do Indicativo.
c) Imperfeito do Indicativo.
d) Presente do Indicativo.
oração relativa adjetiva restritiva
Em «achou o homem que procurava» (ll.
10-11), o segmento sublinhado é um
a) modificador apositivo do nome.
b) modificador restritivo do nome.
c) complemento direto.
d) modificador do grupo verbal.
[ = porque o tempo é chegado]
Em «Não comas, que o tempo é chegado»
(l. 18), a oração subordinada é
a) adverbial causal.
b) adjetiva relativa restritiva.
c) adjetiva relativa explicativa.
d) substantiva completiva.
 
Entre as linhas 21 e 24 («Quem são, perguntou a
uma mulher que levava uma criança ao colo, De
três não sei eu, aquele além e aquela são pai e
filha que vieram por culpas de judaísmo, e o
outro, o da ponta, é um que fazia comédias de
bonifrates e se chamava António José da Silva,
dos mais não ouvi falar») há
a) discurso direto, apenas.
b) discurso direto livre, apenas.
c) discurso direto, primeiro, seguido de discurso
direto livre.
d) discurso indireto livre.
Na linha 22, são deíticos espaciais
a) «aquele», «além», «aquela».
b) «aquele», «além», «aquela», «vieram»,
«o outro».
c) «eu», «aquele», «além», «aquela»,
«vieram», «o outro».
d) «aquele», «aquela».
São onze os supliciados.
(= Os supliciados são onze)
sujeito predicativo do sujeito
Na linha 25, o constituinte «os
supliciados» tem a função sintática de
a) sujeito composto.
b) sujeito simples.
c) predicativo do complemento direto.
d) predicativo do sujeito.
parece mais novo
Na linha 27, «mais novo» desempenha a
função sintática de
a) complemento direto.
b) predicativo do sujeiro.
c) complemento indireto.
d) predicativo do complemento indireto.
Em «Então Blimunda disse, Vem» (l. 28) há
a) discurso direto.
b) discurso direto livre.
c) discurso indireto.
d) discurso indireto livre.
Em 1992, o governo decidiu afastar
Evangelho segundo Jorge Jesus, de José
Saramago, da candidatura ao Prémio
Literário Europeu.
O Evangelho segundo Jesus Cristo
José Saramago confirma usar, como
sinais de pontuação, apenas duas
sinalefas: vírgula e ponto.
O estilo de Saramago incomodava o
Beato Jacinto (brevemente, Santo
Jacinto).
Padre Jacinto Farias
O primeiro romance de Saramago
publicado depois de Memorial do
Convento aproveitava a figura de um
heterónimo de Pessoa, Ricardo Caeiro.
Ricardo Reis
Para Zeferino Coelho, foi ousadia
Saramago ter tratado de um dos
heterónimos de Pessoa, já que, assim,
invadia um território considerado privativo
dos pessoanos.
Em Jangada de Ferro, Portugal separa-se
da Península Ibérica.
A Jangada de Pedra
A Península Ibérica separa-se da Europa
Saramago reagiu com veemência à
discriminação de que fora objeto
Evangelho segundo Rui Vitória.
O Evangelho segundo Jesus Cristo
Saramago dizia escrever para
desassossegar.
Entre os nomes da lista de trabalhadores
de Mafra estão nomes de três professores
da Escola Secundária José Gomes
Ferreira: «Brás», «Horácio», «Luís».
Senhor Brás não era professor.
«Tadeu» é que já sria seria outro nome de
professor.
O Nobel de 1998 foi atribuído a Saramago,
sendo o primeiro concedido a um escritor
de língua portuguesa.
Já antes de receber o Prémio Nobel
Saramago vivia em Laçarote, com a sua
futura viúva Pilar del Mar.
Lanzarote
Pilar del Rio
Entre as adaptações ao cinema de livros
de Saramago estão Ruibarbo, Cacilheiro
de pedra, Ensaio sobre a miopia, O
homem duplicado.
Embargo
A Jangada de Pedra
Ensaio sobre a Cegueira
Fernando Meirelles, conceituado
realizador brasileiro, beija Saramarago
na boca.
beija na testa
Para Miguel Real, um dos méritos dos
livros de Saramago é tratarem temas
universais (em livros seus há novas
teorias do poder, do sagrado, da
Península Ibérica, da história de
Portugal).
Harold Bloom considera nove romances
de Saramago impressionantes (por
serem péssimos).
oito
por serem muito bons
Zeferino Coelho diz que as obras mais
vendidas de Saramago são Memorial do
Convento e, talvez, Ensaio sobre a
cegueira.
José Saramago é uma planta comestível
(mistura-se bem em saladas, com um
nico de azeite).
saramago
[Não sei se é bom em saladas.]
«Saramago» era alcunha de família, mas,
por erro do funcionário do registo civil, foi
assumido como apelido do futuro
escritor.
Segundo Kafka (apud Saramago), o
romance deve ser uma acha capaz de
romper o mar gelado da nossa
consciência.
Saramago dizia não ser pessimista e que
era o mundo que era péssimo.
TPC — Em Gaveta de Nuvens
relanceia «Itens com Lusíadas em
provas de exame». (Vai vendo também
os cenários de resposta oficiais — que,
nota, não são exatamente modelos de
respostas, mas sínteses-guias para o
corretor.)
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
home
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
InesTeixeiraDuarte
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
Catarina Castro
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
Lojinha da Flor
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidade
Carla Teixeira
 
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptxO modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
Cecília Gomes
 
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneo
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneoColonizaçao e influencia grega no mediterraneo
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneo
Tetyana Nascimento
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
Susana Simões
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
Vítor Santos
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
cattonia
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Claudia Martinho
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
Isaque Tomé
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
VeraJesus14
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
Vítor Santos
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
Patricia .
 

Mais procurados (20)

Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
Filosofia 10º Ano - O Problema do Livre-Arbítrio
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Resumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo AtenienseResumos História - O Modelo Ateniense
Resumos História - O Modelo Ateniense
 
Uma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidadeUma cultura aberta à cidade
Uma cultura aberta à cidade
 
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptxO modelo ateniense (síntese) (1).pptx
O modelo ateniense (síntese) (1).pptx
 
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneo
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneoColonizaçao e influencia grega no mediterraneo
Colonizaçao e influencia grega no mediterraneo
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
03 a producao cultural
03 a producao cultural03 a producao cultural
03 a producao cultural
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofiaFilosofia 10. ano - o que é a filosofia
Filosofia 10. ano - o que é a filosofia
 
Acção humana - Filosofia
Acção humana -  FilosofiaAcção humana -  Filosofia
Acção humana - Filosofia
 
Filosofia da Arte
Filosofia da Arte Filosofia da Arte
Filosofia da Arte
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
Romanização da Península Ibérica
Romanização da Península IbéricaRomanização da Península Ibérica
Romanização da Península Ibérica
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
luisprista
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
professorakathia
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
luisprista
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
Shislaine Mary Carvalho
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
SAMARASILVANOGUEIRAP
 
Português julho 2017
Português julho 2017Português julho 2017
Português julho 2017
Val Valença
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
jasonrplima
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
luisprista
 
1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf
TniaSilva266809
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
luisprista
 
5ºteste 10ºc v1
5ºteste 10ºc v15ºteste 10ºc v1
5ºteste 10ºc v1
Paula Angelo
 
Prova 1 Em Simulado I 2009
Prova 1 Em Simulado I 2009Prova 1 Em Simulado I 2009
Prova 1 Em Simulado I 2009
Pitnews65
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
luisprista
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
luisprista
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
ma.no.el.ne.ves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
luisprista
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139 (20)

ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 36
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 143-144
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 26
 
Simulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 okSimulado lit-prise 3 ok
Simulado lit-prise 3 ok
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docxAvaliação 1 - formatada para o aluno.docx
Avaliação 1 - formatada para o aluno.docx
 
Português julho 2017
Português julho 2017Português julho 2017
Português julho 2017
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
 
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 33
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 125-126
 
1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf1º teste 12ºAd2.pdf
1º teste 12ºAd2.pdf
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 91-92
 
5ºteste 10ºc v1
5ºteste 10ºc v15ºteste 10ºc v1
5ºteste 10ºc v1
 
Prova 1 Em Simulado I 2009
Prova 1 Em Simulado I 2009Prova 1 Em Simulado I 2009
Prova 1 Em Simulado I 2009
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, primeira aula de cábulas
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 19
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2012
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
 

Mais de luisprista

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
luisprista
 

Mais de luisprista (20)

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 

Último

PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
dataprovider
 

Último (20)

PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdfO livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
O livro O Corpo Fala, a linguagem da comunicação não verbal.pdf
 

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 138-139

  • 1.
  • 2. Os Lusíadas são uma obra de glorificação e confiança ou de desalento e descrença? Por um lado, na sua aparência mais visível, apresentam uma história em que a aventura chega a bom termo, obtém as finalidades propostas, em que os inimigos ficam vencidos e os heróis reconhecidos e recompensados. [...] Porém, o lado sombrio, que encontrámos no Velho do Restelo e noutros passos de deceção e cansaço, também adquire expressão nítida. MATOS, Maria Vitalina Leal de, «Lusíadas (Os)», in SILVA, Vítor Aguiar e (coord.), 2011. Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho
  • 3. Reflete sobre a questão levantada no início do excerto acima transcrito, considerando as ver­tentes laudatória e crítica d’Os Lusíadas. Apoia a tua reflexão em alusões pertinentes à obra. Escreve um texto de oitenta a cento e trinta palavras.
  • 4. [Tópicos de resposta:] i. Os Lusíadas enquanto texto épico, que relata as façanhas gloriosas dos portugueses, os quais, em diferentes momentos dos vários planos narrativos, se mostram corajosos e determinados: as adversidades superadas durante a viagem, os exemplos heroicos da História de Portugal, as lutas com os deuses, que mais salientam a sua superioridade. Há, pois, a manifestação do «entusiasmo heroico» pelos feitos alcançados, imbuída de «fé» nas capacidades do Homem;
  • 5. ii. Os Lusíadas como exemplo de texto antiépico, que desvenda o «avesso» da realidade eufórica cantada: apesar de dignos de louvor pelas concretizações alcançadas, os portugueses são também frequentemente analisados do ponto de vista moral. Dessa análise, resulta um conjunto de reflexões em que o poeta critica vícios e defeitos do povo lusitano, numa expressão de «melancolia desalentada» face ao seu povo.
  • 6. Os Lusíadas transmitem, por vezes, uma visão contraditória dos portu­gueses e dos seus feitos, ao conjugar momentos de elogio e de crítica. O tom geral do poema é de enalte­ cimento dos lusitanos, apresentados como heróis superadores das mais diversas provas (os perigos marítimos, as doenças, a separação da família) e capazes, inclusiva­ mente, de dividir os deuses (ganhando a inimizade de Baco que, continuamente, lhes arma ciladas).
  • 7. Contudo, o poeta não abdica de uma posição interventiva e, particular­mente no final dos cantos e na sequência dos acontecimentos relatados, manifesta grande tristeza face à perda de valores dos portugueses e ao seu desinteresse pelas artes. Deste modo, alia­se à exaltação épica da nação lusa o tom disfórico de um poeta­ narrador que avalia lúcida e criticamente os efeitos da mesma expansão que canta.
  • 8.
  • 9.
  • 10. perfectivo = perfetivo sujeiro = sujeito Entre as linhas 21 e 24 («Quem são, perguntou a uma mulher que levava uma criança ao colo, De três não sei eu, aquele além e aquela são pai e filha que vieram por culpas de judaísmo, e o outro, o da ponta, é um que fazia comédias de bonifrates e se chamava António José da Silva, dos mais não ouvi falar») há
  • 11.
  • 12. Escreve umas linhas finais alternativas (a partir de «parece mais novo.», l. 27) à conclusão de Saramago (de 40 a 100 palavras). Não optes por finais estapafúrdios fora do restante registo, embora possas criar um desfecho igualmente mágico.
  • 13.
  • 14. Em «Durante nove anos, Blimunda procurou Baltasar» (l. 5), o valor aspetual durativo, imperfetivo, resulta, sobretudo, do a) modificador «Durante nove anos». b) tempo de «procurou» e do valor de «durante nove anos». c) sentido de ‘procurar’. d) tempo verbal de «procurou».
  • 15. Em «e andando e buscando» (l. 8), o polissíndeto transmite-nos a) a ideia de hesitação. b) o valor de acumulação obsessiva. c) um matiz aspectual perfectivo. d) o sentido denotativo de enumeração.
  • 16. O segmento sublinhado em «veio a descobrir como é pequeno este país onde nasceu» (ll. 8-9) corresponde a uma oração subordinada a) adverbial temporal. b) adjetiva relativa explicativa. c) adjetiva relativa restritiva. d) substantiva completiva.
  • 17. Em «dava com rostos que reconhecia» (l. 9), «chamavam-me voadora» (10), o tempo verbal (traduzindo uma marca aspetual relacionável com a persistência e duração das buscas de Blimunda) é o a) Perfeito do Indicativo. b) Mais-que-perfeito do Indicativo. c) Imperfeito do Indicativo. d) Presente do Indicativo.
  • 18. oração relativa adjetiva restritiva Em «achou o homem que procurava» (ll. 10-11), o segmento sublinhado é um a) modificador apositivo do nome. b) modificador restritivo do nome. c) complemento direto. d) modificador do grupo verbal.
  • 19. [ = porque o tempo é chegado] Em «Não comas, que o tempo é chegado» (l. 18), a oração subordinada é a) adverbial causal. b) adjetiva relativa restritiva. c) adjetiva relativa explicativa. d) substantiva completiva.  
  • 20. Entre as linhas 21 e 24 («Quem são, perguntou a uma mulher que levava uma criança ao colo, De três não sei eu, aquele além e aquela são pai e filha que vieram por culpas de judaísmo, e o outro, o da ponta, é um que fazia comédias de bonifrates e se chamava António José da Silva, dos mais não ouvi falar») há a) discurso direto, apenas. b) discurso direto livre, apenas. c) discurso direto, primeiro, seguido de discurso direto livre. d) discurso indireto livre.
  • 21. Na linha 22, são deíticos espaciais a) «aquele», «além», «aquela». b) «aquele», «além», «aquela», «vieram», «o outro». c) «eu», «aquele», «além», «aquela», «vieram», «o outro». d) «aquele», «aquela».
  • 22. São onze os supliciados. (= Os supliciados são onze) sujeito predicativo do sujeito Na linha 25, o constituinte «os supliciados» tem a função sintática de a) sujeito composto. b) sujeito simples. c) predicativo do complemento direto. d) predicativo do sujeito.
  • 23. parece mais novo Na linha 27, «mais novo» desempenha a função sintática de a) complemento direto. b) predicativo do sujeiro. c) complemento indireto. d) predicativo do complemento indireto.
  • 24. Em «Então Blimunda disse, Vem» (l. 28) há a) discurso direto. b) discurso direto livre. c) discurso indireto. d) discurso indireto livre.
  • 25.
  • 26. Em 1992, o governo decidiu afastar Evangelho segundo Jorge Jesus, de José Saramago, da candidatura ao Prémio Literário Europeu. O Evangelho segundo Jesus Cristo
  • 27. José Saramago confirma usar, como sinais de pontuação, apenas duas sinalefas: vírgula e ponto.
  • 28. O estilo de Saramago incomodava o Beato Jacinto (brevemente, Santo Jacinto). Padre Jacinto Farias
  • 29. O primeiro romance de Saramago publicado depois de Memorial do Convento aproveitava a figura de um heterónimo de Pessoa, Ricardo Caeiro. Ricardo Reis
  • 30. Para Zeferino Coelho, foi ousadia Saramago ter tratado de um dos heterónimos de Pessoa, já que, assim, invadia um território considerado privativo dos pessoanos.
  • 31. Em Jangada de Ferro, Portugal separa-se da Península Ibérica. A Jangada de Pedra A Península Ibérica separa-se da Europa
  • 32. Saramago reagiu com veemência à discriminação de que fora objeto Evangelho segundo Rui Vitória. O Evangelho segundo Jesus Cristo
  • 33. Saramago dizia escrever para desassossegar.
  • 34. Entre os nomes da lista de trabalhadores de Mafra estão nomes de três professores da Escola Secundária José Gomes Ferreira: «Brás», «Horácio», «Luís». Senhor Brás não era professor. «Tadeu» é que já sria seria outro nome de professor.
  • 35. O Nobel de 1998 foi atribuído a Saramago, sendo o primeiro concedido a um escritor de língua portuguesa.
  • 36. Já antes de receber o Prémio Nobel Saramago vivia em Laçarote, com a sua futura viúva Pilar del Mar. Lanzarote Pilar del Rio
  • 37. Entre as adaptações ao cinema de livros de Saramago estão Ruibarbo, Cacilheiro de pedra, Ensaio sobre a miopia, O homem duplicado. Embargo A Jangada de Pedra Ensaio sobre a Cegueira
  • 38. Fernando Meirelles, conceituado realizador brasileiro, beija Saramarago na boca. beija na testa
  • 39. Para Miguel Real, um dos méritos dos livros de Saramago é tratarem temas universais (em livros seus há novas teorias do poder, do sagrado, da Península Ibérica, da história de Portugal).
  • 40. Harold Bloom considera nove romances de Saramago impressionantes (por serem péssimos). oito por serem muito bons
  • 41. Zeferino Coelho diz que as obras mais vendidas de Saramago são Memorial do Convento e, talvez, Ensaio sobre a cegueira.
  • 42. José Saramago é uma planta comestível (mistura-se bem em saladas, com um nico de azeite). saramago [Não sei se é bom em saladas.]
  • 43. «Saramago» era alcunha de família, mas, por erro do funcionário do registo civil, foi assumido como apelido do futuro escritor.
  • 44. Segundo Kafka (apud Saramago), o romance deve ser uma acha capaz de romper o mar gelado da nossa consciência.
  • 45. Saramago dizia não ser pessimista e que era o mundo que era péssimo.
  • 46.
  • 47. TPC — Em Gaveta de Nuvens relanceia «Itens com Lusíadas em provas de exame». (Vai vendo também os cenários de resposta oficiais — que, nota, não são exatamente modelos de respostas, mas sínteses-guias para o corretor.)