SlideShare uma empresa Scribd logo
No «Memorial»
O «Memorial do Convento»
Memorial do Convento
Em Memorial do Convento
Memorial do Convento
Em Memorial do Convento
Em Memorial
Mistificação = ‘embuste’, ‘mentira’
Mitificação = ‘tornar mito, exaltação’
Mitologia
Mito
Memorial = romance (talvez romance
histórico)
«Epopeia» é aceitável apenas como
como metáfora
Relativo caráter épico
de Memorial do Convento
tem subjacente um herói coletivo (o
povo português, os humildes);
glorifica feitos (o esforço do povo,
pelo menos);
viagem;
vários planos;
vários géneros dentro de um só;
intervenções mágicas;
história como bitola, como referência;
desmedida de certos episódios
(transporte da pedra; voo da
passarola).
in media res;
narração.
Comentário à própria peça (como reflexão
que poderia acontecer num texto que não
fosse do género dramático):
Os denunciadores valorizam os seus serviços
exagerando a gravidade da conjura.
O Principal Sousa, que só no segundo ato se
revela inteiramente, apenas pretende salvar a sua
consciência, isto é, apenas deseja ser
convencido, pelos outros, da necessidade de
tomar as medidas, que, aliás, já está inteiramente
decidido a tomar.
Esta situação é, em si mesma, uma crítica a
Portugal, que ele, como se depreende, despreza.
Beresford é um homem prático, que encara
objetivamente a realidade. [...]
• ? O público tem de entender, logo de entrada,
que tudo o que se vai passar no palco tem um
significado preciso. Mais: que os gestos, as
palavras e o cenário são apenas elementos duma
linguagem a que tem de adaptar-se.
• Esta posição é deliberada. Pretende-se criar
desde já, no público, a consciência de que
ninguém, no decorrer desta peça, vai esboçar um
gesto para o cativar ou para acamaradar com ele.
(O réu não se senta ao lado dos juízes.)
• ? Entende-se, todavia, que a personagem se
refere ao ambiente político da época.
Referência à posição das personagens em
cena (ou aos movimentos que fazem):
D. Miguel anda, no palco, de um lado para o
outro.
(Do púlpito.)
(Levanta-se e passeia de um lado para o outro)
(Avançando do fundo do palco e falando)
• Ao dizer isto, a personagem está quase de
costas para os espetadores.
• encontrando-se uma única personagem, ao
centro e à frente do palco.
• (Dá dois passos em direção ao fundo do
palco, detém-se, e continua)
• (Avança e detém-se junto de...
• O primeiro popular volta a sentar-se.
Indicação das atitudes, gestos, das
personagens (destinadas aos actores,
sobretudo, e ao encenador):
(Sorrindo.)
(Abre os braços no gesto dramático de quem
faz uma revelação importante e inesperada.)
(Para D. Miguel)
(Depois de um momento de espanto.)
(Atrapalhado. Olhando à sua volta.)
(Cumprimenta os dois)
• A pergunta é acompanhada dum gesto que
revela a impotência da personagem ...
• (Levantando-se dum salto e macaqueando as
maneiras dum fidalgo, finge tirar um relógio do
bolso dum colete inexistente)
• A pergunta não é dirigida a ninguém.
• Algumas personagens mostram certa agitação.
• (Finge levantar o relógio para ver melhor.
Desfaz o gesto com violência e continua em
tom raivoso
• # (Ouve o som dos tambores)
• (Como ninguém responde, volta a dirigir-se a
Manuel.)
Caracterização do tom de voz (e
estado de espírito) e pausas:
(Pausa)
Zombeteiro
(Rindo-se)
Estaca. A última frase é proferida no tom de
quem já pensou no assunto.
Fala lentamente. Está a lembrar-se de tudo
o que deixou atrás de si.
Impaciente.
(Irónico.)
• Muda de tom à voz. Está a imitar, com
sarcasmo, alguém que não se sabe quem seja.
• Volta ao seu tom de voz habitual
• (Pausa)
• ? O gesto é lento, deliberadamente sarcástico.
• O tom é irónico
• (Silêncio)
Indicação imprescindível a encenador
(cenógrafo, aderecista, luminotécnico):
(Começa a entrar povo pela direita e pela
esquerda do palco. Os tambores tocam sem
cessar.)
Os tambores entram em fanfarra e o palco
enche-se de soldados.
(Ilumina-se o palco. D. Miguel Forjaz,
Beresford e o principal Sousa estão sentados
em três cadeiras pesadas e ricas com
aparência de tronos.)
(O principal Sousa surge no palco,
imponentemente vestido)
• Ao abrir o pano, a cena está às escuras ...
• Esta personagem está andrajosamente vestida.
• Ilumina-se, subitamente, ...
• mulher ainda nova, que dorme, no chão, coberta
por uma saca
• Começa a ouvir-se ao longe o ruído dos
tambores.
• # (Ouve o som dos tambores)
Marcação da saída ou da entrada de
personagens (o que, no fundo, corresponde
ao limite de cada cena):
(Entram Corvo e Vicente, respetivamente pela
esquerda e pela direita do palco.)
(Corvo e Morais Sarmento saem pela esquerda
do palco.)
(Sai pela esquerda do palco.)
(Entra Vicente pela esquerda do palco.)
Didascálias laterais
Em redondo, espécie de «notas de rodapé» das
falas.
Longas.
Subjetivas.
Didascálias na mancha principal
Em itálico e entre parânteses.
Curtas.
Objetivas.
Didascálias laterais
Explicação de determinado som;
intenção do autor com a indicação de certos
gestos, movimentos, entoações;
juízos valorativos sobre personagens;
preocupação com a interpretação do público.
Didascálias na mancha principal
Indicações sobre sons, luz, gestos das
personagens, prosódia, movimentos em palco,
etc.
Outros elementos paratextuais
•Dedicatória (p. [8])
«Ao Fernando de Abranches Ferrão — amigo
de todas as horas — que quase me obrigou
a escrever esta peça.»
• Epígrafe (aliás, longa citação) — p. 11
de peça de John Osborn (A subject of
scandal and concern), com paralelismo entre
a personagem do professor inglês Holyoake
e a de Gomes Freire
• Lista de personagens — p. 13
• Nota biobibliográfica (na orelha e no
anterrosto — [p. 7])
• Lista de obras do autor (orelha e verso
da p. com o título corrente — [6])
• Apresentação do livro (contracapa)
A nota de ironia mais evidente
encontra-se na apresentação de Morais
Sarmento e Andrade Corvo — «dois
denunciantes que honraram a classe» —,
pois, independentemente da atuação das
personagens, a conotação negativa de
«denunciantes» confere ao resto da frase
uma nota dissonante. O mesmo acontece
em relação a Vicente, pois parece
estranha a relação entre «provocador» e
estar em vias de ser promovido.
Também a apresentação dos polícias
não está isenta de ironia (como se as
personagens fossem desinteressantes
logo pela sua profissão). Quanto aos
governadores, o adjectivo
«conscienciosos» é propositadamente
ambíguo, e depois de lida a peça será
decerto percebido como pejorativo.
Poder absoluto || Poder liberal
Beresford, Corvo, Antigo soldado
Morais Sarmento
Principal Sousa Frei Diogo
D. Miguel Sousa Falcão
Matilde
Vicente, [Polícias] Manuel, Rita
Populares
a. A vivência dos primeiros anos de vida
de Luís de Sttau Monteiro no estrangeiro
influenciou a sua criação literária
posterior.
b. A primeira obra do autor publicada foi
um texto do modo dramático.
Um homem não chora pertence ao modo
narrativo (é um romance).
c. A peça Felizmente Há Luar! foi escrita
em 1962.
1961
d. As obras de Sttau Monteiro
mereceram o reconhecimento do poder
político.
Sim, reconheceram-no, tendo-o posto na
prisão.
e. Durante a sua vida, Sttau Monteiro
dedicou-se apenas à escrita literária.
Escreveu também textos cronísticos (já
vimos uma das suas «Redações da
Guidinha»), textos em torno da
gastronomia, etc.
Relancear 6. (na p. 233):
6.1
modificador apositivo do nome
6.2
Subordinada adjetiva relativa restritiva
Tempo histórico vs. Tempo da
ficção/dramático
Os trechos que vimos hoje passam-
se sobretudo durante o fascismo
italiano, mas, quando o filme começa,
estamos numa época bem mais recente
(seguindo-se esse recuo no tempo).
Dentro da analepse que vamos seguindo,
há ainda um esporádico recuo no tempo
(uma analepse dentro da analepse). Vai-
se perceber que o filme é uma saga
familiar, atravessando várias gerações e
ilustrando grande parte da história do
século XX.
A ação decorre num período anterior
ao liberalismo, em 1817, e está muito
concentrada (parece passar-se em poucos
dias), mesmo se os factos históricos
(prisão, processo de acusação, execução de
Gomes Freire de Andrade) corresponderam
a um período de seis meses (de 25 de maio
a 18 de outubro). Esta época, em que já se
insinua a luta para a instauração do
liberalismo, serve de metáfora para o
presente (1961), sob a ditadura salazarista.
Espaço físico
Bagheria (Baarìa), na Sicília. O espaço
está confinado a este subúrbio de
Palermo, mesmo se vamos sabendo de
deslocações das personagens para fora
dele. Serve essa concentração, essa
unidade de espaço, talvez para melhor
evidenciar as mudanças trazidas pelo
tempo (por exemplo, veremos as
mesmas ruas ora com gado e lama ora
com asfalto e automóveis).
Lisboa (Baixa, Rato, Campo de Santana,
Serra de Santo António, avistando-se S.
Julião da Barra). A alusão aos espaços
surge em falas de personagens, sendo as
didascálias económicas quanto a cenários
(há informação sobre luz, som,
apresentação exterior das personagens,
mas pouco se caracterizam os espaços).
O cenário que abre o 1.º ato é idêntico ao
que abre o 2.º ato, o que pode simbolizar a
estagnação.
Ação dos trechos iniciais
Num tempo em que já há bastantes
automóveis (anos setenta-oitenta?)
vemos um miúdo, Pietro, que
abandonaremos pouco depois, ser
desafiado, por um grupo de «populares»,
para uma aposta.
Grupos de populares incluem-se na
pouca «cor local» da intriga (como peça
«à Brecht», como teatro épico, aposta-se
mais nos aspetos didáticos, na
«declamação» pelos atores, mais do que
no realismo naturalista).
Chegado à sala de aula, Peppino
não entra no coro de homenagem ao
Duce (o ditador Mussolini), ao contrário
da maioria dos colegas, talvez
desinformados ou com medo.
O povo é figurado como ora
receoso, pouco informado, descrente,
constrangido por ambiente opressivo (o
da Regência, em 1817; ou, por metáfora,
o do salazarismo).
As figuras secundárias da estrutura
do poder ou até parte dos próprios
oprimidos não são menos ciosos da
autoridade do que os chefes de que são
capatazes (veja-se a agressividade da
professora ou, no teatro, o zelo dos
militares).
Figuras como Vicente (do povo, mas
oportunista), Andrade Corvo e Morais
Sarmento (delatores) saem com um
retrato mais antipático até do que o dos
representantes do poder que servem.
Peppino adormece e vemos uma cena
passada antes de nascer (ainda é no tempo do
cinema mudo), em que o seu futuro pai, o
jovem Cicco Torrenuova, é o mais informado
do grupo, porque é o que sabe ler. Avançamos
no tempo, surgindo Peppino e o primo Nino
junto de trabalhadores explorados mas
submissos. E, numa cena num teatro,
representantes do poder prendem um primo de
Cicco e o pai de Peppino é dos poucos que
entendem tudo (de novo, a referência a gostar
de ler). Ao longo do filme, porém, ele mesmo
se revelará impotente para lutar contra os mais
poderosos.
A peça abre com monólogo de Manuel
(que se repetirá muito semelhantemente no
início do segundo ato), que, na lista de
personagens, é caracterizado como «o mais
consciente dos populares»; e, no entanto, este
representante do povo vai mostrando
resignação, impotência para lutar contra o
poder, apesar da confiança que mantém no
general Gomes Freire de Andrade. As suas
duplas interrogações no início dos atos («Que
posso eu fazer? Sim, que posso eu fazer?»), ao
predizerem a sorte da sua classe, lembram
intervenções do coro da tragédia grega.
TPC — Vê lista de encargos até ao
fim do ano (e vai resolvendo as tarefas
segundo o teu calendário).
Vê em Gaveta de Nuvens as
instruções para a tarefa de comentário de
filme/Felizmente há luar!).
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
luisprista
 
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
luisprista
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
Carla Ribeiro
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
jasonrplima
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
luisprista
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
Ligia Amaral
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
luisprista
 

Mais procurados (20)

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 128-129
 
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
O melhor do mundo não são as crianças (luís prista)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 16-17
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 135
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, segunda aula de cábulas
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 93-94
 
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 125-126
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 133-134
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 97-98
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 38-39
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 rApresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 153-153 r
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 60-61
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 121-122
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 35
 
Lusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_anoLusíadas_Português_12º_ano
Lusíadas_Português_12º_ano
 
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SASResolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
Resolucao 2015 pre-vestibular_literatura_l1_split - SAS
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
Apresentação para décimo primeiro ano de 2015 6, aula 113-114
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 99-100
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 11-12
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147

Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
Apresentação para décimo segundo ano, aula 56Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
luisprista
 
Felizmente há luar
Felizmente há luar Felizmente há luar
Felizmente há luar
Beatriz Xavier
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
rosangelajoao
 
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
José Galvão
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
luisprista
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
ESVieira do Minho
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
luisprista
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
estevaofernandes
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
BrunaDinis
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
Helia Coelho Mello
 
Obra para estudar
Obra para estudarObra para estudar
Obra para estudar
Roberta Savana
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
luisprista
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
guest6789389c
 
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousaOexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Christine Andrade
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
Claudia Ribeiro
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
luisprista
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
luisprista
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
VIVIAN TROMBINI
 

Semelhante a Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147 (20)

Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
Apresentação para décimo segundo ano, aula 56Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
Apresentação para décimo segundo ano, aula 56
 
Felizmente há luar
Felizmente há luar Felizmente há luar
Felizmente há luar
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
Felizmente há luar! o paralelismo histórico (1)
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 65-66
 
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...06.  Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
06. Os Ratos no Sótão de Uma Memória Rock'n'roll. Ano I, Nº 06 - Volume I - ...
 
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett) Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
Frei Luís de Sousa (Almeida Garrett)
 
Texto narrativo
Texto narrativoTexto narrativo
Texto narrativo
 
Obra para estudar
Obra para estudarObra para estudar
Obra para estudar
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulasApresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, primeira aula de cábulas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 68-69
 
Uel05 Literatura
Uel05 LiteraturaUel05 Literatura
Uel05 Literatura
 
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousaOexp11 ppt frei_luis_de_sousa
Oexp11 ppt frei_luis_de_sousa
 
Teoria literária
Teoria literáriaTeoria literária
Teoria literária
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
 
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 69-70
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Teatro brasileiro
Teatro brasileiroTeatro brasileiro
Teatro brasileiro
 

Mais de luisprista

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
luisprista
 

Mais de luisprista (20)

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 

Último

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
alphabarros2
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 

Último (20)

UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
7 ano - Rede e hierarquia urbana - Geografia - Alpha.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 146-147

  • 1.
  • 2. No «Memorial» O «Memorial do Convento» Memorial do Convento Em Memorial do Convento Memorial do Convento Em Memorial do Convento Em Memorial
  • 3. Mistificação = ‘embuste’, ‘mentira’ Mitificação = ‘tornar mito, exaltação’ Mitologia Mito
  • 4. Memorial = romance (talvez romance histórico) «Epopeia» é aceitável apenas como como metáfora
  • 5. Relativo caráter épico de Memorial do Convento tem subjacente um herói coletivo (o povo português, os humildes); glorifica feitos (o esforço do povo, pelo menos);
  • 6. viagem; vários planos; vários géneros dentro de um só; intervenções mágicas;
  • 7. história como bitola, como referência; desmedida de certos episódios (transporte da pedra; voo da passarola). in media res; narração.
  • 8.
  • 9. Comentário à própria peça (como reflexão que poderia acontecer num texto que não fosse do género dramático): Os denunciadores valorizam os seus serviços exagerando a gravidade da conjura. O Principal Sousa, que só no segundo ato se revela inteiramente, apenas pretende salvar a sua consciência, isto é, apenas deseja ser convencido, pelos outros, da necessidade de tomar as medidas, que, aliás, já está inteiramente decidido a tomar.
  • 10. Esta situação é, em si mesma, uma crítica a Portugal, que ele, como se depreende, despreza. Beresford é um homem prático, que encara objetivamente a realidade. [...]
  • 11. • ? O público tem de entender, logo de entrada, que tudo o que se vai passar no palco tem um significado preciso. Mais: que os gestos, as palavras e o cenário são apenas elementos duma linguagem a que tem de adaptar-se. • Esta posição é deliberada. Pretende-se criar desde já, no público, a consciência de que ninguém, no decorrer desta peça, vai esboçar um gesto para o cativar ou para acamaradar com ele. (O réu não se senta ao lado dos juízes.) • ? Entende-se, todavia, que a personagem se refere ao ambiente político da época.
  • 12. Referência à posição das personagens em cena (ou aos movimentos que fazem): D. Miguel anda, no palco, de um lado para o outro. (Do púlpito.) (Levanta-se e passeia de um lado para o outro) (Avançando do fundo do palco e falando)
  • 13. • Ao dizer isto, a personagem está quase de costas para os espetadores. • encontrando-se uma única personagem, ao centro e à frente do palco. • (Dá dois passos em direção ao fundo do palco, detém-se, e continua) • (Avança e detém-se junto de... • O primeiro popular volta a sentar-se.
  • 14. Indicação das atitudes, gestos, das personagens (destinadas aos actores, sobretudo, e ao encenador): (Sorrindo.) (Abre os braços no gesto dramático de quem faz uma revelação importante e inesperada.) (Para D. Miguel)
  • 15. (Depois de um momento de espanto.) (Atrapalhado. Olhando à sua volta.) (Cumprimenta os dois)
  • 16. • A pergunta é acompanhada dum gesto que revela a impotência da personagem ... • (Levantando-se dum salto e macaqueando as maneiras dum fidalgo, finge tirar um relógio do bolso dum colete inexistente) • A pergunta não é dirigida a ninguém. • Algumas personagens mostram certa agitação. • (Finge levantar o relógio para ver melhor. Desfaz o gesto com violência e continua em tom raivoso • # (Ouve o som dos tambores) • (Como ninguém responde, volta a dirigir-se a Manuel.)
  • 17. Caracterização do tom de voz (e estado de espírito) e pausas: (Pausa) Zombeteiro (Rindo-se)
  • 18. Estaca. A última frase é proferida no tom de quem já pensou no assunto. Fala lentamente. Está a lembrar-se de tudo o que deixou atrás de si. Impaciente. (Irónico.)
  • 19. • Muda de tom à voz. Está a imitar, com sarcasmo, alguém que não se sabe quem seja. • Volta ao seu tom de voz habitual • (Pausa) • ? O gesto é lento, deliberadamente sarcástico. • O tom é irónico • (Silêncio)
  • 20. Indicação imprescindível a encenador (cenógrafo, aderecista, luminotécnico): (Começa a entrar povo pela direita e pela esquerda do palco. Os tambores tocam sem cessar.) Os tambores entram em fanfarra e o palco enche-se de soldados.
  • 21. (Ilumina-se o palco. D. Miguel Forjaz, Beresford e o principal Sousa estão sentados em três cadeiras pesadas e ricas com aparência de tronos.) (O principal Sousa surge no palco, imponentemente vestido)
  • 22. • Ao abrir o pano, a cena está às escuras ... • Esta personagem está andrajosamente vestida. • Ilumina-se, subitamente, ... • mulher ainda nova, que dorme, no chão, coberta por uma saca • Começa a ouvir-se ao longe o ruído dos tambores. • # (Ouve o som dos tambores)
  • 23. Marcação da saída ou da entrada de personagens (o que, no fundo, corresponde ao limite de cada cena): (Entram Corvo e Vicente, respetivamente pela esquerda e pela direita do palco.) (Corvo e Morais Sarmento saem pela esquerda do palco.) (Sai pela esquerda do palco.) (Entra Vicente pela esquerda do palco.)
  • 24.
  • 25. Didascálias laterais Em redondo, espécie de «notas de rodapé» das falas. Longas. Subjetivas. Didascálias na mancha principal Em itálico e entre parânteses. Curtas. Objetivas.
  • 26. Didascálias laterais Explicação de determinado som; intenção do autor com a indicação de certos gestos, movimentos, entoações; juízos valorativos sobre personagens; preocupação com a interpretação do público. Didascálias na mancha principal Indicações sobre sons, luz, gestos das personagens, prosódia, movimentos em palco, etc.
  • 27. Outros elementos paratextuais •Dedicatória (p. [8]) «Ao Fernando de Abranches Ferrão — amigo de todas as horas — que quase me obrigou a escrever esta peça.»
  • 28. • Epígrafe (aliás, longa citação) — p. 11 de peça de John Osborn (A subject of scandal and concern), com paralelismo entre a personagem do professor inglês Holyoake e a de Gomes Freire
  • 29. • Lista de personagens — p. 13
  • 30.
  • 31. • Nota biobibliográfica (na orelha e no anterrosto — [p. 7])
  • 32. • Lista de obras do autor (orelha e verso da p. com o título corrente — [6])
  • 33.
  • 34.
  • 35. • Apresentação do livro (contracapa)
  • 36.
  • 37. A nota de ironia mais evidente encontra-se na apresentação de Morais Sarmento e Andrade Corvo — «dois denunciantes que honraram a classe» —, pois, independentemente da atuação das personagens, a conotação negativa de «denunciantes» confere ao resto da frase uma nota dissonante. O mesmo acontece em relação a Vicente, pois parece estranha a relação entre «provocador» e estar em vias de ser promovido.
  • 38. Também a apresentação dos polícias não está isenta de ironia (como se as personagens fossem desinteressantes logo pela sua profissão). Quanto aos governadores, o adjectivo «conscienciosos» é propositadamente ambíguo, e depois de lida a peça será decerto percebido como pejorativo.
  • 39.
  • 40. Poder absoluto || Poder liberal Beresford, Corvo, Antigo soldado Morais Sarmento Principal Sousa Frei Diogo D. Miguel Sousa Falcão Matilde Vicente, [Polícias] Manuel, Rita Populares
  • 41.
  • 42. a. A vivência dos primeiros anos de vida de Luís de Sttau Monteiro no estrangeiro influenciou a sua criação literária posterior.
  • 43. b. A primeira obra do autor publicada foi um texto do modo dramático. Um homem não chora pertence ao modo narrativo (é um romance).
  • 44. c. A peça Felizmente Há Luar! foi escrita em 1962. 1961
  • 45. d. As obras de Sttau Monteiro mereceram o reconhecimento do poder político. Sim, reconheceram-no, tendo-o posto na prisão.
  • 46. e. Durante a sua vida, Sttau Monteiro dedicou-se apenas à escrita literária. Escreveu também textos cronísticos (já vimos uma das suas «Redações da Guidinha»), textos em torno da gastronomia, etc.
  • 47. Relancear 6. (na p. 233):
  • 50.
  • 51.
  • 52. Tempo histórico vs. Tempo da ficção/dramático
  • 53. Os trechos que vimos hoje passam- se sobretudo durante o fascismo italiano, mas, quando o filme começa, estamos numa época bem mais recente (seguindo-se esse recuo no tempo). Dentro da analepse que vamos seguindo, há ainda um esporádico recuo no tempo (uma analepse dentro da analepse). Vai- se perceber que o filme é uma saga familiar, atravessando várias gerações e ilustrando grande parte da história do século XX.
  • 54. A ação decorre num período anterior ao liberalismo, em 1817, e está muito concentrada (parece passar-se em poucos dias), mesmo se os factos históricos (prisão, processo de acusação, execução de Gomes Freire de Andrade) corresponderam a um período de seis meses (de 25 de maio a 18 de outubro). Esta época, em que já se insinua a luta para a instauração do liberalismo, serve de metáfora para o presente (1961), sob a ditadura salazarista.
  • 56. Bagheria (Baarìa), na Sicília. O espaço está confinado a este subúrbio de Palermo, mesmo se vamos sabendo de deslocações das personagens para fora dele. Serve essa concentração, essa unidade de espaço, talvez para melhor evidenciar as mudanças trazidas pelo tempo (por exemplo, veremos as mesmas ruas ora com gado e lama ora com asfalto e automóveis).
  • 57. Lisboa (Baixa, Rato, Campo de Santana, Serra de Santo António, avistando-se S. Julião da Barra). A alusão aos espaços surge em falas de personagens, sendo as didascálias económicas quanto a cenários (há informação sobre luz, som, apresentação exterior das personagens, mas pouco se caracterizam os espaços). O cenário que abre o 1.º ato é idêntico ao que abre o 2.º ato, o que pode simbolizar a estagnação.
  • 58. Ação dos trechos iniciais
  • 59. Num tempo em que já há bastantes automóveis (anos setenta-oitenta?) vemos um miúdo, Pietro, que abandonaremos pouco depois, ser desafiado, por um grupo de «populares», para uma aposta.
  • 60. Grupos de populares incluem-se na pouca «cor local» da intriga (como peça «à Brecht», como teatro épico, aposta-se mais nos aspetos didáticos, na «declamação» pelos atores, mais do que no realismo naturalista).
  • 61. Chegado à sala de aula, Peppino não entra no coro de homenagem ao Duce (o ditador Mussolini), ao contrário da maioria dos colegas, talvez desinformados ou com medo.
  • 62. O povo é figurado como ora receoso, pouco informado, descrente, constrangido por ambiente opressivo (o da Regência, em 1817; ou, por metáfora, o do salazarismo).
  • 63. As figuras secundárias da estrutura do poder ou até parte dos próprios oprimidos não são menos ciosos da autoridade do que os chefes de que são capatazes (veja-se a agressividade da professora ou, no teatro, o zelo dos militares).
  • 64. Figuras como Vicente (do povo, mas oportunista), Andrade Corvo e Morais Sarmento (delatores) saem com um retrato mais antipático até do que o dos representantes do poder que servem.
  • 65. Peppino adormece e vemos uma cena passada antes de nascer (ainda é no tempo do cinema mudo), em que o seu futuro pai, o jovem Cicco Torrenuova, é o mais informado do grupo, porque é o que sabe ler. Avançamos no tempo, surgindo Peppino e o primo Nino junto de trabalhadores explorados mas submissos. E, numa cena num teatro, representantes do poder prendem um primo de Cicco e o pai de Peppino é dos poucos que entendem tudo (de novo, a referência a gostar de ler). Ao longo do filme, porém, ele mesmo se revelará impotente para lutar contra os mais poderosos.
  • 66. A peça abre com monólogo de Manuel (que se repetirá muito semelhantemente no início do segundo ato), que, na lista de personagens, é caracterizado como «o mais consciente dos populares»; e, no entanto, este representante do povo vai mostrando resignação, impotência para lutar contra o poder, apesar da confiança que mantém no general Gomes Freire de Andrade. As suas duplas interrogações no início dos atos («Que posso eu fazer? Sim, que posso eu fazer?»), ao predizerem a sorte da sua classe, lembram intervenções do coro da tragédia grega.
  • 67.
  • 68. TPC — Vê lista de encargos até ao fim do ano (e vai resolvendo as tarefas segundo o teu calendário). Vê em Gaveta de Nuvens as instruções para a tarefa de comentário de filme/Felizmente há luar!).