SlideShare uma empresa Scribd logo
UPE 2013 - Considerando a escola literária Realismo, assinale as afirmativas a seguir: 
I. Na prosa realista, diferentemente da estética literária que a antecedeu, uma das características mais evidentes é o desejo e a necessidade do autor de buscar e encontrar, na linguagem verbal, representação fiel à realidade na sua concretude mais exata. 
II. Memórias de um Sargento de Milícias é um romance considerado de transição entre a estética romântica e a estética realista, todavia as características da estética realista, no desenvolvimento da história, em sua totalidade, são predominantes. 
III. No romance O Cortiço, Aluísio Azevedo inaugura no Brasil, as linhas diretrizes que irão nortear toda a escola literária realista, fazendo notar que o subjetivismo, o nacionalismo ufanista, o sentimentalismo e o Mal do século são questões pouco relevantes. 
IV. Memórias Póstumas de Brás Cubas, também em razão de sua temática e da maneira como é narrado, ilustra as pretensões de Machado de Assis no que diz respeito à crítica social que é feita aos costumes e ao comportamento da época. 
V. O Realismo emerge no Brasil, sob o seguinte lema: A linguagem romântica consegue retratar a realidade da vida tal qual a vida é. Isso implica dizer que o Realismo precisa se aproximar da estética romântica, visando alcançar seus objetivos literários. 
Estão CORRETAS 
a) I, II e IV. 
b) I, III e IV. 
c) I, III e V. 
d) II, III e IV. 
e) III, IV e V. 
Língua Portuguesa 
Última flor do Lácio, inculta e bela, 
És, a um tempo, esplendor e sepultura: 
Ouro nativo, que na ganga impura 
A bruta mina entre os cascalhos vela... 
Amo-te assim, desconhecida e obscura, 
Tuba de alto clangor, lira singela, 
Que tens o trom e o silvo da procela 
E o arrolo da saudade e da ternura! 
Amo o teu viço agreste e o teu aroma 
De virgens selvas e de oceano largo! 
Amo-te, ó rude e doloroso idioma, 
Em que da voz materna ouvi: "meu filho!" 
E em que Camões chorou, no exílio amargo, 
O gênio sem ventura e o amor sem brilho! 
BILAC, Olavo. Antologia Poética. São Paulo, 1990. 
Considerando o texto, assinale a alternativa CORRETA. 
a) O soneto, nas suas quatro estrofes, traduz um sentimento subjetivo e uma métrica despreocupada com a forma comum aos textos de Olavo Bilac e de outros autores parnasianos, como Alberto de Oliveira. 
b) “Última flor do Lácio” é uma expressão que demonstra o quanto a poesia de Bilac, claramente de natureza parnasiana, cuidadosamente metrificada, apresenta a mesma atenção no trato com o vocabulário erudito. 
c) O eu lírico, em todas as estrofes, por meio de versos pouco metrificados e linguagem desatenta à sintaxe lusitana, faz uma ode à língua portuguesa, enfocando o amor à pátria. 
d) No poema de Olavo Bilac, a língua portuguesa é homenageada. Da mesma maneira, em quase todos os seus poemas, Cruz e Sousa também tece homenagens à língua portuguesa e à maneira europeia de ver a vida. 
e) O eu lírico, em vários versos do poema, adjetiva o idioma português com palavras que deixam transparecer a despreocupação da estética parnasiana em relação à métrica poética. 
UPE 2014 
Muito Romântico 
Não tenho nada com isso nem vem falar 
Eu não consigo entender sua lógica 
Minha palavra cantada pode espantar 
E a seus ouvidos parecer exótica 
Mas acontece que eu não posso me deixar 
Levar por um papo que já não deu, não deu 
Acho que nada restou pra guardar ou lembrar 
Do muito ou pouco que houve entre você e eu 
Nenhuma força virá lhe fazer calar 
Faço no tempo soar minha sílaba 
Canto somente o que pede pra se cantar 
Sou o que soa, eu não douro pílula 
Tudo o que eu quero é um acorde perfeito maior 
Com todo mundo podendo brilhar num cântico 
Canto somente o que não pode mais se calar 
Noutras palavras sou muito romântico. 
(Caetano Veloso, gravada por Roberto Carlos, Amigo, 1977) 
No século XIX, identificamos, na Europa, uma forte tendência ao racionalismo exacerbado, ou seja, a utilização da razão humana como única e legítima forma de compreender e explicar a realidade. De certo modo, a letra da música acima apresentada não se coaduna com essa ideologia. Se observarmos atentamente, o texto propõe uma predominância da subjetividade e do subjetivismo em oposição ao ideário de objetividade 
e objetivismo dos pensamentos racionalistas do século XIX. 
Nesse sentido, refletindo sobre o que se disse acima e sobre o texto em análise, assinale a alternativa CORRETA. 
a) “Noutras palavras sou muito romântico” é um verso no qual percebemos que o eu lírico explicita sua opinião contrária à chamada estética 
LÍNGUA PORTUGUESA
3 
ultrarromântica, presente nos textos de poetas brasileiros como Álvares de Azevedo e Fagundes Varela. 
b) O título da música é Muito Romântico: quer dizer necessariamente que o egocentrismo, o sentimentalismo, o indianismo, o nacionalismo, o escapismo, o pessimismo são nuances presentes no texto. 
c) O eu lírico afirma “Sou o que soa, eu não douro pílula”. Em outras palavras, o eu lírico se distancia de uma ideologia presente nos textos de cunho social, escritos pelo poeta baiano Castro Alves e pelo romancista Bernardo Guimarães. 
d) Embora o texto Muito Romântico seja de um compositor contemporâneo, seus versos possuem características que também podem ser encontradas em texto literário identificado, muitas vezes, como subjetivista. 
e) Assim como vimos na prosa romântica de José de Alencar, a letra da música analisada apresenta explícita crítica ao comportamento social dos cidadãos brasileiros do século XXI. 
Memórias póstumas de Brás Cubas, livro que marcou o início da estética realista no Brasil, quando adaptado para o cinema, assumiu ares de comédia por ter sido escrito “com a pena da galhofa e a tinta da melancolia”. Considerando a leitura do romance, analise as afirmativas e assinale V para as Verdadeiras e F para as Falsas. 
[ ] 
O romance é fragmentado em decorrência das frequentes digressões realizadas pelo narrador onisciente quando, comentando sua própria escrita, dirige‐se ao leitor e alude a escritores anteriores, entre eles Shakespeare. 
[ ] 
Em Memórias póstumas de Brás Cubas, existe um narrador‐personagem, que relata sua história de além‐túmulo, contrariando a ordem natural e a linearidade até então em vigor na ficção brasileira. Esse artifício é comentado pelo próprio narrador já no início do romance. 
[ ] 
Em Memórias póstumas de Brás Cubas, o narrador‐personagem goza de isenção, a que lhe é concedida pelo fato de se tratar de um relato proferido por um “defunto‐ autor”, legado que lhe permite expressar‐se, de forma sarcástica e crítica, sobre si mesmo, uma vez que nada mais poderá afetá‐lo. 
[ ] 
Ao parodiar o discurso bíblico afirmando “Não só de fé vive o homem, mas também de pão e seus compostos e similares”, Brás Cubas impõe ao romance uma visão materialista, característica do Realismo. 
[ ] 
“Marcela amou‐me durante quinze meses e onze contos de réis” são palavras que sugerem ao leitor ser o gênero comédia imposto ao filme resultante do discurso irônico, marca registrada da linguagem do “bruxo do Cosme Velho”. 
Assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA. 
a) F, V, V, V, V 
b) V, V, V, F, F 
c) V, F, V, F, V 
d) V, V, F, F, F 
e) V, V, V, V, V 
EAD/ UPE 
A Boneca (Olavo Bilac) 
Deixando a bola e a peteca, 
Com que inda há pouco brincavam, 
Por causa de uma boneca, 
Duas meninas brigavam. 
Dizia a primeira: "É minha!" 
— "É minha!" a outra gritava; 
E nenhuma se continha, 
Nem a boneca largava. 
Quem mais sofria (coitada!) 
Era a boneca. Já tinha 
Toda a roupa estraçalhada, 
E amarrotada a carinha. 
Tanto puxaram por ela, 
Que a pobre rasgou-se ao meio, 
Perdendo a estopa amarela 
Que lhe formava o recheio. 
E, ao fim de tanta fadiga, 
Voltando à bola e à peteca, 
Ambas, por causa da briga, 
Ficaram sem a boneca ... 
Considerando o poema composto por Olavo Bilac, é CORRETO afirmar que 
a) o poema “A boneca” possui traços explicitamente árcades, visto que Bilac, na sua extensa obra, ora oscila entre os parnasianos, ora oscila entre os simbolistas, ora oscila entre os adeptos de Tomás Antônio Gonzaga. 
b) na estética barroca literária, assim como no texto de Olavo Bilac, existe uma clara intenção de promover oposições e contradições ideológicas e linguísticas, fazendo notar que a estética barroca é também parnasiana. 
c) no poema de Bilac em análise, assim como na grande maioria dos poemas parnasianos, o esquema de rimas obedece a uma métrica organizada, de modo que a forma esteja em evidência o tempo todo, todo o tempo. 
d) as duas “meninas” retratadas pelo eu lírico são certamente alusões a traços biográficos do autor e anunciam o pensamento sobre as mulheres e suas ideias de emancipação e feminismo. 
e) na estética romântica de José de Alencar, assim como no poema de Bilac, a problemática central do que se discute está fundamentada nos pensamentos positivistas de August Comte e de Herbert Spencer.
4 
ENEM 
Cárcere das almas 
Ah! Toda a alma num cárcere anda presa, 
Soluçando nas trevas, entre as grades 
Do calabouço olhando imensidades, 
Mares, estrelas, tardes, natureza. 
Tudo se veste de uma igual grandeza 
Quando a alma entre grilhões as liberdades 
Sonha e, sonhando, as imortalidades 
Rasga no etéreo o Espaço da Pureza. 
Ó almas presas, mudas e fechadas 
Nas prisões colossais e abandonadas, 
Da Dor no calabouço, atroz, funéreo! 
Nesses silêncios solitários, graves, 
que chaveiro do Céu possui as chaves 
para abrir-vos as portas do Mistério?! 
CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura / Fundação Banco do Brasil, 1993. 
Os elementos formais e temáticos relacionados ao contexto cultural do Simbolismo encontrados no poema Cárcere das almas, de Cruz e Sousa, são: 
a) a opção pela abordagem, em linguagem simples e direta, de temas filosóficos. 
b) a prevalência do lirismo amoroso e intimista em relação à temática nacionalista. 
c) o refinamento estético da forma poética e o tratamento metafísico de temas universais. 
d) a evidente preocupação do eu lírico com a realidade social expressa em imagens poéticas inovadoras. 
e) a liberdade formal da estrutura poética que dispensa a rima e a métrica tradicionais em favor de temas do cotidiano. 
Compare os textos I e II a seguir, que tratam de aspectos ligados a variedades da língua portuguesa no mundo e no Brasil. 
Texto I 
Acompanhando os navegadores, colonizadores e comerciantes portugueses em todas as suas incríveis viagens, a partir do século XV, o português se transformou na língua de um império. Nesse processo, entrou em contato — forçado, o mais das vezes; amigável, em alguns casos — com as mais diversas línguas, passando por processos de variação e de mudança linguística. Assim, contar a história do português do Brasil é mergulhar na sua história colonial e de país independente, já que as línguas não são mecanismos desgarrados dos povos que as utilizam. Nesse cenário, são muitos os aspectos da estrutura linguística que não só expressam a diferença entre Portugal e Brasil como também definem, no Brasil, diferenças regionais e sociais. - PAGOTTO, E. P. Línguas do Brasil. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br. Acesso em: 5 jul. 2009 (adaptado). 
Texto II 
Barbarismo é vício que se comete na escritura de cada uma das partes da construção ou na pronunciação. E em nenhuma parte da Terra se comete mais essa figura da pronunciação que nestes reinos, por causa das muitas nações que trouxemos ao jugo do nosso serviço. Porque bem como os Gregos e Romanos haviam por bárbaras todas as outras nações estranhas a eles, por não poderem formar sua linguagem, assim nós podemos dizer que as nações de África, Guiné, Ásia, Brasil barbarizam quando querem imitar a nossa. - BARROS, J. Gramática da língua portuguesa. Porto: Porto Editora, 1957 (adaptado). 
Os textos abordam o contato da língua portuguesa com outras línguas e processos de variação e de mudança decorridos desse contato. Da comparação entre os textos, conclui-se que a posição de João de Barros (Texto II), em relação aos usos sociais da linguagem, revela 
a) atitude crítica do autor quanto à gramática que as nações a serviço de Portugal possuíam e, ao mesmo tempo, de benevolência quanto ao conhecimento que os povos tinham de suas línguas. 
b) atitude preconceituosa relativa a vícios culturais das nações sob domínio português, dado o interesse dos falantes dessa línguas em copiar a língua do império, o que implicou a falência do idioma falado em Portugal. 
c) o desejo de conservar, em Portugal, as estruturas da variante padrão da língua grega — em oposição às consideradas bárbaras —, em vista da necessidade de preservação do padrão de correção dessa língua à época. 
d) adesão à concepção de língua como entidade homogênea e invariável, e negação da ideia de que a língua portuguesa pertence a outros povos. 
e) atitude crítica, que se estende à própria língua portuguesa, por se tratar de sistema que não disporia de elementos necessários para a plena inserção sociocultural de falantes não nativos do português. 
ENEM 2009 
Cuitelinho 
Cheguei na bera do porto 
Onde as onda se espaia. 
As garça dá meia volta, 
Senta na bera da praia. 
E o cuitelinho não gosta 
Que o botão da rosa caia. 
Quando eu vim da minha terra, 
Despedi da parentaia. 
Eu entrei em Mato Grosso, 
Dei em terras paraguaia. 
Lá tinha revolução, 
Enfrentei fortes bataia. 
A tua saudade corta
5 
Como o aço de navaia. 
O coração fica aflito, 
Bate uma e outra faia. 
E os oio se enche d´água 
Que até a vista se atrapaia. 
Folclore recolhido por Paulo Vanzolini e Antônio Xandó. BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola, 2004. 
Transmitida por gerações, a canção Cuitelinho manifesta aspectos culturais de um povo, nos quais se inclui sua forma de falar, além de registrar um momento histórico. Depreende-se disso que a importância em preservar a produção cultural de uma nação consiste no fato de que produções como a canção Cuitelinho evidenciam a 
a) recriação da realidade brasileira de forma ficcional. 
b) criação neológica na língua portuguesa. 
c) formação da identidade nacional por meio da tradição oral. 
d) incorreção da língua portuguesa que é falada por pessoas do interior do Brasil. 
e) padronização de palavras que variam regionalmente, mas possuem mesmo significado. 
ENEM 
Abatidos pelo fadinho harmonioso e nostálgico dos desterrados, iam todos, até mesmo os brasileiros, se concentrando e caindo em tristeza; mas, de repente, o cavaquinho de Porfiro, acompanhado pelo violão do Firmo, romperam vibrantemente com um chorado baiano. Nada mais que os primeiros acordes da música crioula para que o sangue de toda aquela gente despertasse logo, como se alguém lhe fustigasse o corpo com urtigas bravas. E seguiram-se outra notas, e outras, cada vez mais ardentes e mais delirantes. Já não eram dois instrumentos que soavam, eram lúbricos gemidos e suspiros soltos em torrente, a correrem serpenteando, como cobras numa floresta incendiada; eram ais convulsos, chorados em frenesi de amor: música feita de beijos e soluços gostosos; carícia de fera, carícia de doer, fazendo estalar de gozo. - AZEVEDO, A. O Cortiço. São Paulo: Ática, 1983 (fragmento). 
No romance O Cortiço (1890), de Aluísio Azevedo, as personagens são observadas como elementos coletivos caracterizados por condicionantes de origem social, sexo e etnia. Na passagem transcrita, o confronto entre brasileiros e portugueses revela prevalência do elemento brasileiro, pois 
a) destaca o nome de personagens brasileiras e omite o de personagens portuguesas. 
b) exalta a força do cenário natural brasileiro e considera o do português inexpressivo. 
c) mostra o poder envolvente da música brasileira, que cala o fado português. 
d) destaca o sentimentalismo brasileiro, contrário à tristeza dos portugueses. 
e) atribui aos brasileiros uma habilidade maior com instrumentos musicais. 
O folclore é o retrato da cultura de um povo. A dança popular e folclórica é uma forma de representar a cultura regional, pois retrata seus valores, crenças, trabalho e significado. Dançar a cultura de outras regiões é conhece-la , é de alguma forma se apropriar dela, é enriquecer a própria cultura. - BREGOLATO, R. A. Cultura Corporal da Dança. São Paulo: Ícone, 2007. 
As manifestações folclóricas perpetuam uma tradição cultural, é obra de um povo que a cria, recria e a perpetua. Sob esta abordagem deixa-se de identificar como dança folclórica brasileira 
a) o Bumba-meu-boi, que é uma dança teatral onde personagens contam uma história envolvendo crítica social, morte e ressurreição. 
b) a Quadrilha das festas juninas, que associam festejos religiosos a celebrações de origens pagãs envolvendo as colheitas e a fogueira. 
c) o Congado, que é uma representação de um reinado africano onde se homenageia santos através de música, cantos e dança. 
d) o Balé, em que se utilizam músicos, bailarinos e Vários outros profissionais para contar uma história em forma de espetáculo. 
e) o Carnaval, em que o samba derivado do batuque africano é utilizado com o objetivo de contar ou recriar uma história nos desfiles. 
ENEM 
Soneto 
Já da morte o palor me cobre o rosto, 
Nos lábios meus o alento desfalece, 
Surda agonia o coração fenece, 
E devora meu ser mortal desgosto! 
Do leito embalde no macio encosto 
Tento o sono reter!... já esmorece 
O corpo exausto que o repouso esquece... 
Eis o estado em que a mágoa me tem posto! 
O adeus, o teu adeus, minha saudade, 
Fazem que insano do viver me prive 
E tenha os olhos meus na escuridade. 
Dá-me a esperança com que o ser mantive! 
Volve ao amante os olhos por piedade, 
Olhos por quem viveu quem já não vive! 
AZEVEDO, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000. 
O núcleo temático do soneto citado é típico da segunda geração romântica, porém configura um lirismo que o projeta para além desse momento específico. O fundamento desse lirismo é 
a) a angústia alimentada pela constatação da irreversibilidade da morte. 
b) a melancolia que frustra a possibilidade de reação diante da perda. 
c) o descontrole das emoções provocado pela autopiedade. 
d) o desejo de morrer como alívio para a desilusão amorosa. 
e) o gosto pela escuridão como solução para o sofrimento.
ENEM 
A partir dos efeitos fisiológicos do exercício físico no organismo, apresentados na figura, são adaptações 
benéficas à saúde de um indivíduo: 
a) Diminuição da frequência cardíaca em repouso e aumento da oxigenação do sangue. 
b) Diminuição da oxigenação do sangue e aumento da frequência cardíaca em repouso. 
c) Diminuição da frequência cardíaca em repouso e aumento da gordura corporal. 
d) Diminuição do tônus muscular e aumento do percentual de gordura corporal. 
e) Diminuição da gordura corporal e aumento da frequência cardíaca em repouso. 
________________________________________________ 
TEXTO 1 
1 Muitos pensam que a pesquisa científica é uma atividade puramente racional, na qual o objetivo lógico é o único 
mecanismo capaz de gerar conhecimento. Como resultado, os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um 
grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente. Essa generalização, como a 
maioria das generalizações, me parece profundamente injusta, já que ela não incorpora a motivação mais importante do 
cientista, o seu fascínio pela Natureza e seus mistérios. Que outro motivo justificaria a dedicação de toda uma vida ao 
estudo dos fenômenos naturais, senão uma profunda veneração pela beleza? A ciência vai muito além da sua mera 
prática. Por trás das fórmulas complicadas, das tabelas de dados experimentais e da linguagem técnica, encontra-se 
uma pessoa tentando transcender as barreiras imediatas da vida diária, guiada por um insaciável desejo de adquirir um 
nível mais profundo de conhecimento e de realização própria. Sob esse prisma, o processo criativo científico não é 
assim tão diferente do processo criativo nas artes, isto é, um veículo de autodescoberta que se manifesta ao tentarmos 
capturar a nossa essência e lugar no Universo. 
2 Para a maioria dos cientistas, o estudo da Natureza é encarado como desafio intelectual. Sua motivação para 
enfrentar esse desafio vem de uma profunda fé na capacidade da razão humana de poder entender o mundo a sua 
volta. A física se transforma em uma ferramenta desenhada para decifrar os enigmas da Natureza, a encarnação desse 
processo racional de descoberta. Como escreveu Richard Feynman (...), 
3 Imagine que o mundo seja algo como uma gigantesca partida de xadrez sendo disputada pelos deuses, e que 
nós fazemos parte da audiência. Não sabemos quais são as regras do jogo; podemos apenas observar seu 
desenrolar. Em princípio, se observarmos por tempo suficiente, iremos descobrir algumas das regras. As regras 
do jogo é o que chamamos de física fundamental. (FEYNMAN, v. 1, p. 2) 
4 Podemos interpretar esse texto de dois modos diversos. Um é dizer que a física é apenas um modo racional de 
estudar a Natureza; outro é dizer que a física é mais que um mero desafio intelectual, que a física é a linguagem dos 
deuses. 
5 A maioria dos cientistas modernos opta pela primeira interpretação. Mas alguns não. Para estes, a busca do 
conhecimento científico possui elementos essencialmente místicos, uma espécie de conexão com uma fonte de 
inteligência superior. Talvez isso venha a chocar muita gente, incluindo vários cientistas. Contudo, se voltarmos um 
pouco no tempo, veremos que alguns dos cientistas responsáveis pelo desenvolvimento de nossa visão do Universo 
eram profundamente religiosos. Acredito que o misticismo, se interpretado como a incorporação da nossa irresistível 
atração pelo desconhecido, tem um papel fundamental no processo criativo de vários cientistas tanto do passado como 
do presente. Negar esse fato é fechar os olhos para a história e para um aspecto fundamental da ciência. (...)
7 
GLEISER, Marcelo. A dança do universo: dos mitos da Criação ao Big-Bang. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 17; 19- 20. (com adaptações) 
Considerando a leitura e a compreensão do texto 1, assinale a alternativa que contém o título que representa o seu conteúdo global, isto é, que integra as informações do texto na sua totalidade. 
a) Os mistérios da Natureza. 
b) A complexidade das pesquisas científicas. 
c) A importância da física para a humanidade. 
d) Fascínio, criatividade e misticismo na ciência. 
e) A precisão da linguagem técnica na pesquisa científica. 
Na construção do texto 1, o autor emprega diferentes recursos linguísticos e expressivos os quais produzem certos efeitos de sentido. Sobre esse aspecto, analise as afirmativas a seguir: 
I. A ironia está presente no questionamento: “Que outro motivo justificaria a dedicação de toda uma vida ao estudo dos fenômenos naturais, senão uma profunda veneração pela beleza?” (1º parágrafo) 
II. Um ponto de vista discordante é introduzido pela expressão “isto é”: “o processo criativo científico não é assim tão diferente do processo criativo nas artes, isto é, um veículo de autodescoberta que se manifesta (...)”. (1º parágrafo) 
III. A citação de texto alheio, uma das marcas do texto expositivo de caráter científico, é introduzida em “Como escreveu Richard Feynman, (...)”. (2º parágrafo) 
IV. O contraste entre posicionamentos distintos aparece por meio de paralelismo, como em “um é dizer que a física é apenas um modo racional de estudar a natureza; outro é dizer que a física é mais que um mero desafio intelectual (...)”. (4º parágrafo) 
V. A adesão a uma ideia pode ser perceptível em construções como “Acredito que o misticismo (...) tem um papel fundamental no processo criativo de vários cientistas (...)”. (5º parágrafo) 
Está CORRETO o que se afirma em 
a) I, II e III. 
b) I, III e IV. 
c) II, III e V. 
d) II, IV e V. 
e) III, IV e V. 
No texto 1, o autor se manifesta ora na primeira pessoa do singular ora na primeira pessoa do plural. Essa mudança tem relação com 
a) a alternância de papéis assumidos pelo autor, que se apresenta ora como pessoa comum ora como grande cientista. 
b) o grau de envolvimento com o tema, em que um ponto de vista é defendido de modo pessoal ou com a inclusão do leitor. 
c) a inobservância da norma-padrão, aceitável em prol de uma maior aproximação com o leitor. 
d) a neutralidade própria do conhecimento científico que permite uma maior ou menor aproximação do objeto de estudo. 
e) a rigidez da linguagem científica, tendo em vista certas especificidades técnicas. 
Quanto à norma-padrão de concordância verbal, analise as afirmativas a seguir: 
I. No trecho “os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza” (1º parágrafo), o verbo sublinhado também poderia ficar no plural, concordando com “pessoas”. 
II. No trecho “Essa generalização, como a maioria das generalizações, me parece profundamente injusta” (1º parágrafo), por se tratar de um caso de duplo sujeito, recomenda-se a pluralização da forma verbal. 
III. No trecho “Por trás das fórmulas complicadas, das tabelas de dados experimentais e da linguagem técnica, encontra-se uma pessoa tentando transcender as barreiras imediatas da vida diária” (1º parágrafo), o verbo sublinhado também poderia estar no plural, concordando com o sujeito composto que o antecede. 
IV. No trecho “A maioria dos cientistas modernos opta pela primeira interpretação” (5º parágrafo), o verbo também poderia ficar no plural, concordando com “cientistas”. 
V. No trecho “se voltarmos um pouco no tempo, veremos que alguns dos cientistas responsáveis pelo desenvolvimento de nossa visão do Universo eram profundamente religiosos” (5º parágrafo), a expressão partitiva sublinhada torna facultativa a concordância verbal no plural. 
Está CORRETO somente o que se afirma em 
a) I, II e V. 
b) I, III e IV. 
c) I e IV. 
d) III e V. 
e) III, IV e V. 
De acordo com a norma-padrão, o uso do acento grave indicativo da crase é facultativo em algumas construções. Assinale o trecho no qual, sem comprometer o sentido, o referido acento também poderia ser utilizado. 
a) “um grupo de pessoas que corrompe à beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente”. (1º parágrafo) 
b) “ela não incorpora à motivação mais importante do cientista”. (1º parágrafo) 
c) “encontra-se uma pessoa tentando transcender às barreiras imediatas da vida diária”. (1º parágrafo) 
d) “capacidade da razão humana de poder entender o mundo à sua volta”. (2º parágrafo)
8 
e) “Talvez isso venha à chocar muita gente”. (5º parágrafo) 
TEXTO 2 
Gosto de olhar as capas das revistas populares no supermercado nestes tempos de corrida do ouro da classe C. A classe C é uma versão sem neve e de biquíni do Yukon do tio Patinhas quando jovem pato. Lembro do futuro milionário disneyano enfrentando a nevasca para obter suas primeiras patacas. Era preciso conquistar aquele território com a mesma sofreguidão com que se busca, agora, fincar a bandeira do consumo no seio dos emergentes brasileiros. 
Em termos jornalísticos, é sempre aquela concepção de não oferecer o biscoito fino para a massa. É preciso dar o que a classe C quer ler – ou o que se convencionou a pensar que ela quer ler. Daí as políticas de didatismo nas redações, com o objetivo de deixar o texto mastigado para o leitor e tornar estanque a informação dada ali. Como se não fosse interessante que, ao não compreender algo, ele fosse beber em outras fontes. Hoje, com a Internet, é facílimo, está ao alcance da vista de quase todo mundo. 
Outro aspecto é seguir ao pé da letra o que dizem as pesquisas na hora de confeccionar uma revista popular. Tomemos como exemplo a pesquisa feita por uma grande editora sobre “a mulher da classe C” ou “nova classe média”. Lá, ficamos sabendo que: a mulher da classe C vai consumir cada vez mais artigos de decoração e vai investir na reforma de casa; que ela gasta muito com beleza, sobretudo o cabelo; que está preocupada com a alimentação; e que quer ascender social e profissionalmente. É com base nestes números que a editora oferece o produto – a revista – ao mercado de anunciantes. Normal. 
Mas no que se transformam, para o leitor, estes dados? Preocupação com alimentação? Dietas amalucadas? A principal chamada de capa destas revistas é alguma coisa esdrúxula como: “perdi 30 kg com fibras naturais”, “sequei 22 quilos com cápsulas de centelha asiática”, “emagreci 27 kg com florais de Bach e colágeno”, “fiquei magra com a dieta da aveia” ou “perdi 20 quilos só comendo linhaça”. Pelo amor de Deus, quem é que vai passar o dia comendo linhaça? Estão confundindo a classe C com passarinho, só pode. 
Quer reformar a casa? Nada de dicas de decoração baratas e de bom gosto. O objetivo é ensinar como tomar empréstimo e comprar móveis em parcelas. Ou então alguma coisa “criativa” que ninguém vai fazer, tipo uma parede toda de filtros de café usados. Juro que li isso. A parte de ascensão profissional vem em matérias como “fiquei famosa vendendo bombons de chocolate feitos em casa” ou “lucro 2500 reais por mês com meus doces”. Falar das possibilidades de voltar a estudar, de ter uma carreira ou se especializar para ser promovido no trabalho? Nada. Dicas culturais de leitura, filmes, música, então, nem pensar. 
Cada vez que vejo pesquisas dizendo que a mídia impressa está em baixa penso nestas revistas. A internet oferece grátis à classe C um cardápio ainda pobre, mas bem mais farto. Será que a nova classe média quer realmente ler estas revistas? A vendagem delas é razoável, mas nada impressionante. São todas inspiradas nas revistas populares inglesas, cuja campeã é a “Take a Break”. A fórmula é a mesma de uma “Sou + Eu”: dietas, histórias reais de sucesso ou escabrosas e distribuição de prêmios. Além deste tipo de abordagem também fazem sucesso as publicações de fofocas de celebridades ou sobre programas de TV – aqui, as novelas. 
Sei que deve ser utopia, mas gostaria de ver publicações para a classe C que ensinassem as pessoas a se alimentar melhor, que mostrassem como a obesidade anda perigosa no Brasil porque se come mal. Atacando, inclusive, refrigerantes, redes de fast food e guloseimas, sem se preocupar em perder anunciantes. Que priorizassem não as dietas, mas a educação alimentar e a importância de fazer exercícios e de levar uma vida saudável. Gostaria de ver reportagens ensinando as mulheres da classe C a se sentirem bem com seu próprio cabelo, muitas vezes cacheado, em vez de simplesmente copiarem as famosas. Que mostrassem como é possível se vestir bem gastando pouco, sem se importar com marcas. 
Gostaria de ler reportagens nas revistas para a classe C alertando os pais para que vejam menos televisão e convivam mais com os filhos. Que falassem da necessidade de tirar as crianças do computador e de levá-las para passear ao ar livre. Que tivessem dicas de livros, notícias sobre o mundo, ciências, artes – é possível transformar tudo isso em informação acessível e não apenas para conhecedores, como se a cultura fosse patrimônio das classes A e B. Gostaria, enfim, de ver revistas populares que fossem feitas para ler de verdade, e que fizessem refletir. Mas a quem interessa que a classe C tenha suas próprias ideias? 
(Cynara Menezes, 15/07/2011, em: http://www.cartacapital.com.br/politica/o-que-quer-a-classe-c) 
Embora todas as opções estejam respaldadas no texto, a crítica mais abrangente da autora às revistas dirigidas às mulheres da classe C deve-se ao fato de tais revistas 
a) sugerirem dietas amalucadas. 
b) fornecerem soluções equivocadas para os anseios das mulheres da classe C. 
c) levarem muito a sério as pesquisas sobre as mulheres da classe C. 
d) sugerirem às possíveis leitoras terem seus próprios negócios. 
e) terem como principal preocupação o consumo. 
Para a autora, um bom texto é aquele que
9 
I. explicita ao máximo as informações para o leitor. 
II. leva o leitor a procurar outras fontes de informação. 
III. possibilita a reflexão do leitor. 
IV. necessita de pouco tempo para ser lido e compreendido. 
Está correto o que se afirma apenas em 
a) I e II. 
b) I e III. 
c) II e III. 
d) II e IV. 
e) III e IV. 
Das opções abaixo, a única que NÃO apresenta linguagem informal é 
a) Hoje, com a Internet, é facílimo, está ao alcance da vista de quase todo mundo. (linhas 9 e 10) 
b) [...] a editora oferece o produto – a revista – ao mercado de anunciantes. Normal. (linha 14 e 15) 
c) Estão confundindo a classe C com passarinho, só pode. (linha 20) 
d) [...] tipo uma parede toda de filtros de café usados. [...]. (linhas 21 e 22) 
e) Dicas culturais de leitura, filmes, música, então, nem pensar. (linha 26) 
Considere as seguintes afirmações relativas a aspectos sintático-semânticos do texto 
I. A chamada “perdi 20 quilos só comendo linhaça” foi interpretada como “perdi 20 quilos comendo só linhaça”. 
II. Nos dois últimos parágrafos, há recorrência de períodos fragmentados em que faltam as orações principais. 
III. Devido à estrutura da frase “Que mostrassem como é possível se vestir bem gastando pouco, sem se importar com marcas”, o segundo período ficaria melhor se fosse assim: “sem se importassem com marcas”. 
Está correto o que se afirma apenas em 
a) I. 
b) I e II. 
c) II. 
d) II e III. 
e) III. 
According to the comics, answer questions 22, 23 and 24. 
Is it the first time the man is going to sleep in the doghouse? 
a) No, it’s not the first time the man is going to sleep in the doghouse. 
b) Yes, it’s the first time the man’s going to sleep in the doghouse. 
c) Yes, the dog is the owner of the man. 
d) Yes, for the first time the the man does’t have a house to live in. 
e) No, the man and the woman are just married. 
Why is the man going to sleep in the doghouse? 
a) Because he’s celebrating his wedding’s anniversary. 
b) Because he’s planning on being a guest. 
c) Because he wants to live in the doghouse. 
d) Maybe he’s in a good relationship with his wife. 
e) Probably because he had an argument with his wife. 
INGLÊS
10 
The sentence “Are you planning on being our guest for one night only?” is in the: 
a) simple present tense. 
b) present continuous tense. 
c) simple future tense. 
d) past continuous tense. 
e) present perfect tense. 
1 
2 
3 
According to the comics above, 
a) the man is paying very much attention to the woman. 
b) the man is listening carefully to the woman. 
c) the man didn`t pay any attention to the woman. 
d) the woman is agreeing with the man. 
e) the man and the woman are taking to each other. 
The word “ago” means something that 
a) has happened. 
b) would happen. 
c) will happen. 
d) is going to happen. 
e) happened. 
When someone agrees with someone else, it means: 
A) none of them is interested in agreeing to each other. 
B) they both are interested in different things. 
C) someone speaks but the other one doesn’t listen to. 
D) both people have the same idea. 
E) they are fighting because of different ideas. 
ENEM 
O Zé Pereira chegou de caravela E preguntou pro guarani da mata virgem – Sois cristão? – Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! O negro zonzo saído da fornalha Tomou a palavra e respondeu – Sim pela graça de Deus – Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum! E fizeram o Carnaval 
(Oswald de Andrade) 
Este texto apresenta uma versão humorística da formação do Brasil, mostrando-a como uma junção de elementos diferentes. Considerando-se esse aspecto, é correto afirmar que a visão apresentada pelo texto é 
a) ambígua, pois tanto aponta o caráter desconjuntado da formação nacional, quanto parece sugerir que esse processo, apesar de tudo, acaba bem. 
b) inovadora, pois mostra que as três raças formadoras – portugueses, negros e índios – pouco contribuíram para a formação da identidade brasileira. 
c) moralizante, na medida em que aponta a precariedade da formação cristã do Brasil como causa da predominância de elementos primitivos e pagãos. 
d) preconceituosa, pois critica tanto índios quanto negros, representando de modo positivo apenas o elemento europeu, vindo com as caravelas. 
e) negativa, pois retrata a formação do Brasil como incoerente e defeituosa, resultando em anarquia e falta de seriedade. 
ENEM 
O movimento hip-hop é tão urbano quanto as grandes construções de concreto e as estações de metrô, e cada dia se torna mais presente nas grandes metrópoles mundiais. Nasceu na periferia dos bairros pobres de Nova lorque. É formado por três elementos: a música (o rap), as artes plásticas (o grafite) e a dança (o break). No hip-hop os jovens usam as expressões artísticas como uma 
HISTÓRIA
11 
forma de resistência política. Enraizado nas camadas populares urbanas, o hip-hop afirmou-se no Brasil e no mundo com um discurso político a favor dos excluídos, sobretudo dos negros. Apesar de ser um movimento originário das periferias norte-americanas, não encontrou barreiras no Brasil, onde se instalou com certa naturalidade – o que, no entanto, não significa que o hip-hop brasileiro não tenha sofrido influências locais. O movimento no Brasil é híbrido: rap com um pouco de samba, break parecido com capoeira e grafite de cores muito vivas. (Adaptado de Ciência e Cultura, 2004) 
De acordo com o texto, o hip-hop é uma manifestação artística tipicamente urbana, que tem como principais características. 
a) a ênfase nas artes visuais e a defesa do caráter nacionalista. 
b) a alienação política e a preocupação com o conflito de gerações. 
c) a afirmação dos socialmente excluídos e a combinação de linguagens. 
d) a integração de diferentes classes sociais e a exaltação do progresso. 
e) a valorização da natureza e o compromisso com os ideais norte-americanos. 
ENEM 
Constituição de 1824: 
“Art. 98. O Poder Moderador é a chave de toda a organização política, e é delegado privativamente ao Imperador. (...) para que incessantemente vele sobre a manutenção da Independência, equilíbrio, e harmonia dos demais poderes políticos (...) dissolvendo a Câmara dos Deputados nos casos em que o exigir a salvação do Estado.” 
Frei Caneca: 
“O Poder Moderador da nova invenção maquiavélica é a chave mestra da opressão da nação brasileira e o garrote mais forte da liberdade dos povos. Por ele, o imperador pode dissolver a Câmara dos Deputados, que é a representante do povo, ficando sempre no gozo de seus direitos o Senado, que é o representante dos apaniguados do imperador.” (Voto sobre o juramento do projeto de Constituição) 
Para Frei Caneca, o Poder Moderador definido pela Constituição outorgada pelo Imperador em 1824 era 
a) adequado ao funcionamento de uma monarquia constitucional, pois os senadores eram escolhidos pelo Imperador. 
b) eficaz e responsável pela liberdade dos povos, porque garantia a representação da sociedade nas duas esferas do poder legislativo. 
c) arbitrário, porque permitia ao Imperador dissolver a Câmara dos Deputados, o poder representativo da sociedade. 
d) neutro e fraco, especialmente nos momentos de crise, pois era incapaz de controlar os deputados representantes da Nação. 
e) capaz de responder às exigências políticas da nação, pois supria as deficiências da representação política. 
(UPE) O Pensamento iluminista foi uma das críticas mais intensas, que recaíram sobre o chamado Antigo Regime europeu. Com forte apoio da burguesia, o Iluminismo, por meio de seus principais pensadores, lançou as bases teóricas do mundo contemporâneo. Sobre essas contribuições, analise as afirmações abaixo: 
I. A Enciclopédia de Diderot e D’Alambert foi editada em vários países da Europa, difundindo o liberalismo político; 
II. O conceito de Contrato Social apresentado por Rousseau possibilitou a materialização da noção de representação política; 
III. As críticas de Voltaire e de Diderot à Igreja Católica defendiam uma sociedade laica; 
IV. A condenação da propriedade privada por Rousseau foi adotada nos países capitalistas do século XX; 
V. A tripartição do poder, defendida por Montesquieu, foi adotada pelos países democráticos do Ocidente. 
Estão CORRETAS 
a) I, III e V. 
b) II, IV e V. 
c) II, III e V. 
d) III, IV e V. 
e) II, III e IV. 
ENEM 
O que se entende por Corte do antigo regime é, em primeiro lugar, a casa de habitação dos reis de França, de suas famílias, de todas as pessoas que, de perto ou de longe, dela fazem parte. As despesas da Corte, da imensa casa dos reis, são consignadas no registro das despesas do reino da França sob a rubrica significativa de Casas Reais. - ELIAS, N. A sociedade de corte. Lisboa: Estampa, 1987. 
Algumas casas de habitação dos reis tiveram grande efetividade política e terminaram por se transformar em patrimônio artístico e cultural, cujo exemplo é: 
a) o palácio de Versalhes. 
b) o Museu Britânico. 
c) a catedral de Colônia. 
d) a Casa Branca. 
e) a pirâmide do faraó Quéops.
12 
ENEM- Algumas transformações que antecederam a Revolução Francesa podem ser exemplificadas pela mudança de significado da palavra "restaurante". Desde o final da Idade Média, a palavra 'restaurant' designava caldos ricos, com carne de aves e de boi, legumes, raízes e ervas. Em 1765 surgiu, em Paris, um local onde se vendiam esses caldos, usados para restaurar as forças dos trabalhadores. Nos anos que precederam a Revolução, em 1789, multiplicaram-se diversos 'restaurateurs', que serviam pratos requintados, descritos em páginas emolduradas e servidos não mais em mesas coletivas e mal cuidadas, mas individuais e com toalhas limpas. Com a Revolução, cozinheiros da corte e da nobreza perderam seus patrões, refugiados no exterior ou guilhotinados, e abriram seus restaurantes por conta própria. Apenas em 1835, o Dicionário da Academia Francesa oficializou a utilização da palavra restaurante com o sentido atual. A mudança do significado da palavra restaurante ilustra 
a) a ascensão das classes populares aos mesmos padrões de vida da burguesia e da nobreza. 
b) a apropriação e a transformação, pela burguesia, de hábitos populares e dos valores da nobreza. 
c) a incorporação e a transformação, pela nobreza, dos ideais e da visão de mundo da burguesia. 
d) a consolidação das práticas coletivas e dos ideais revolucionários, cujas origens remontam à Idade Média. 
e) a institucionalização, pela nobreza, de práticas coletivas e de uma visão de mundo igualitária. 
Homens da Inglaterra, por que arar para os senhores que vos mantêm na miséria? Por que tecer com esforços e cuidado as ricas roupas que vossos tiranos vestem? Por que alimentar, vestir e poupar do berço até o túmulo esses parasitas ingratos que exploram vosso suor — ah, que bebem vosso sangue? 
SHELLEY. Os homens da Inglaterra Apud HUBERMAN, L. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. 
A análise do trecho permite identificar que o poeta romântico Shelley (1792-1822) registrou uma contradição nas condições socioeconômicas da nascente classe trabalhadora inglesa durante a Revolução Industrial. Tal contradição está identificada 
a) na pobreza dos empregados, que estava dissociada na riqueza dos patrões. 
b) no salário dos operários, que era proporcional aos seus esforços nas indústrias. 
c) na burguesia, que tinha seus negócios financiados pelo proletariado. 
d) no trabalho, que era considerado uma garantia de liberdade. 
e) na riqueza, que não era usufruída por aqueles que a produziam. 
(UFMG) Marx, em A Sagrada Família, afirmou que o Golpe de 18 Brumário de 1799 instaurou um regime que "concluiu o Terror, pondo no lugar da revolução permanente, a guerra permanente". Todas as alternativas contêm referências corretas relativas à afirmação acima, exceto: 
a) A concentração de um poder ditatorial nas mãos de Napoleão Bonaparte. b) A repressão interna desencadeada pelo novo regime sobre os opositores do golpe. c) As constantes campanhas militares empreendidas por Napoleão. d) As proibições impostas à burguesia no campo associativo. e) As severas interdições que limitaram a liberdade da imprensa francesa. 
A criança deve ser protegida contra as práticas que possam levar à discriminação racial, à discriminação religiosa ou a qualquer outra forma de discriminação. Fonte: Quino, TODA A MAFALDA, 1989, Lisboa, Publicações Don Quixote, p.420 Sabemos que, assim como na charge da Mafalda, também durante as diversas fases da Revolução Francesa discutiu-se a questão dos direitos humanos. Foi na Era Napoleônica (1799-1815) que alguns desses direitos foram assegurados e vêm até os dias de hoje, como, por exemplo, a(o): a) propriedade privada. b) organização sindical em todos os trabalhos urbanos. c) jornada de trabalho de 8 horas diárias. d) greve por parte de todos trabalhadores. e) voto universal, incluindo o direito de voto das mulheres.
13 
ENEM 
É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente o que é independência e o que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os outros também teriam tal poder. - MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis. 
A característica de democracia ressaltada por Montesquieu diz respeito 
a) ao status de cidadania que o indivíduo adquire ao tomar as decisões por si mesmo. 
b) ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis. 
c) à possibilidade de o cidadão participar no poder e, nesse caso, livre da submissão às leis. 
d) ao livre-arbítrio do cidadão em relação àquilo que é proibido, desde que ciente das consequências. 
e) ao direito do cidadão exercer sua vontade de acordo com seus valores pessoais. 
ENEM 
"Quando se diz que a liberdade de um acaba quando começa a liberdade do outro, o que se procura no fundo é evitar o questionamento do que deva ser a liberdade. A posição limita-se a considerar o seu exercício, sem maiores especulações sobre o que efetivamente possa ser considerado como liberdade. Nestas condições, admite-se como direito de liberdade de um indivíduo ele realizar tudo quanto queira desde que suas ações não venham interferir na vida do outro." 
Com base no texto acima, escolha a alternativa INCORRETA: 
a) O ditado popular sobre os limites da liberdade, citado acima, longe de a explicar, foge do questionamento sobre ela. 
b) A afirmação de que a liberdade de um termina na liberdade do outro diz respeito apenas ao exercício concreto da liberdade, sem no entanto preocupar- se com seu verdadeiro sentido. 
c) O verdadeiro conceito sobre o que seja a liberdade reside no ditado popular que afirma que "a minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro." 
d) Quando pensamos apenas na prática da liberdade, toda a ação é possível para o indivíduo, desde que não interfira com o outro. 
e) Em geral, os indivíduos estão mais preocupados com o exercício concreto da liberdade do que com seu conceito. 
ENEM 
“Quando Édipo nasceu, seus pais, Laio e Jocasta, os reis de Tebas, foram informados de uma profecia na qual o filho mataria o pai e se casaria com a mãe. Para evitá-la, ordenaram a um criado que matasse o menino. Porém, penalizado com a sorte de Édipo, ele o entregou a um casal de camponeses que morava longe de Tebas para que o criasse. Édipo soube da profecia quando se tornou adulto. Saiu então da casa de seus pais para evitar a tragédia. Eis que, perambulando pelos caminhos da Grécia, encontrou-se com Laio e seu séquito, que,insolentemente, ordenou que saísse da estrada. Édipo reagiu e matou todos os integrantes do grupo, sem saber que entre eles estava seu verdadeiro pai. Continuou a viagem até chegar em Tebas, dominada por uma Esfinge. Ele decifrou o enigma da Esfinge, tornou-se rei de Tebas e casou-se com a rainha, Jocasta, a mãe que desconhecia”. Disponível em: http://www.culturabrasil.org. Acesso em: 28/08/2010 (adaptado). 
No mito Édipo Rei, são dignos de destaque os temas do destino e do determinismo. Ambos são características do mito grego e abordam a relação entre liberdade humana e providência divina. A expressão filosófica que toma como pressuposta a tese do determinismo é: 
a) “Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo.” (Jean Paul Sartre) 
b) “Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser.” (Santo Agostinho) 
c) “Quem não tem medo da vida também não tem medo da morte.” (Arthur Schopenhauer) 
d) “Não me pergunte quem sou eu e não me diga para permanecer o mesmo.” (Michel Foucault) 
e) “O homem, em seu orgulho, criou a Deus a sua imagem e semelhança.” (Friedrich Nietzsche) 
FILOSOFIA
14 
Leia a tirinha de Mafalda abaixo: 
Nela, observa-se, a exaltação de Mafalda à Pátria, chamando a atenção para amá-la todos os dias. A reflexão de Mafalda faz referência a um conceito sociológico importante para compreender a participação dos membros de uma sociedade na vida pública: a cidadania. Acerca desse assunto, assinale a alternativa CORRETA. 
a) A cidadania é um conjunto de leis e de normas construídas pelo Estado para organizar a estrutura social, em que os indivíduos contribuem com a obediência a elas. 
b) Viver a cidadania diariamente é ser capaz de usufruir dos benefícios legais garantidos pelo Estado aos seus membros. 
c) A cidadania plena é a capacidade que o indivíduo possui de tomar decisões, sendo representado por um advogado diante das autoridades públicas. 
d) Os direitos civis, na cidadania, se referem à liberdade vivida coletivamente. 
e) No Brasil, a cidadania é conquistada pelos movimentos sociais, e a Constituição brasileira de 1988 funciona como um apaziguador de conflitos. 
A Revolução Industrial marcou fortemente o surgimento do capitalismo como modo de produção dominante nas sociedades modernas. Todavia, para que vigorasse como predominante, foram instituídas algumas características. Com base nesse contexto, assinale a alternativa que indica um desses aspectos do capitalismo industrial. 
a) A propriedade privada dos meios de produção. 
b) Inexistência de classes. 
c) O objetivo da economia como bem coletivo. 
d) Controle dos preços mantidos estáveis pelo governo por vários anos. 
e) Planificação e centralização da economia. 
Karl Marx (1818-1883) analisou o trabalho na sociedade capitalista, procurando demonstrar a existência de conflitos entre trabalhadores e capitalistas (burgueses detentores dos meios de produção). Essa abordagem teórica demonstrou como ocorre a acumulação do capital nesse tipo de relação social. MAIS-VALIA é uma expressão marxista, cujo conceito explica como se constituem as relações entre trabalhadores e patrões. Sobre o conceito de MAIS-VALIA, é CORRETO afirmar que é 
a) A distribuição igualitária dos lucros produzidos pela força de trabalho. 
b) O ganho real do trabalhador, baseado na acumulação de capital, por parte do capitalista. 
c) O valor-trabalho produzido pelos operários para ganhar o salário adequado a suas atividades. 
d) Toda hora de trabalho a mais que o capitalista aliena do trabalhador para obter mais lucros. 
e) A substituição do trabalho manual pelo trabalho assalariado como divisão igualitária dos lucros obtidos pelo processo produtivo. 
ENEM - A formação dos Estados foi certamente distinta na Europa, na América Latina, na África e na Ásia. Os Estados atuais, em especial na América Latina — onde as instituições das populações locais existentes à época da conquista ou foram eliminadas, como no caso do México e do Peru, ou eram frágeis, como no caso do Brasil —, são o resultado, em geral, da evolução do transplante de instituições europeias feito pelas metrópoles para suas colônias. Na África, as colônias tiveram fronteiras arbitrariamente traçadas, separando etnias, idiomas e tradições, que, mais tarde, sobreviveram ao processo de descolonização, dando razão para conflitos que, muitas vezes, têm sua verdadeira origem em disputas pela exploração de recursos naturais. Na Ásia, a colonização europeia se fez de forma mais indireta e encontrou sistemas políticos e administrativos mais sofisticados, aos quais se superpôs. Hoje, aquelas formas anteriores de organização, ou pelo menos seu espírito, sobrevivem nas organizações políticas do Estado asiático. 
GUIMARÃES, S. P. Nação, nacionalismo, Estado. Estudos Avançados. São Paulo: EdUSP, v. 22, n.º 62, jan.- abr. 2008 (adaptado). 
SOCIOLOGIA 
GEOGRAFIA
15 
Relacionando as informações ao contexto histórico e geográfico por elas evocado, assinale a opção correta acerca do processo de formação socioeconômica dos continentes mencionados no texto. 
a) Devido à falta de recursos naturais a serem explorados no Brasil, conflitos étnicos e culturais como os ocorridos na África estiveram ausentes no período da independência e formação do Estado brasileiro 
b) A maior distinção entre os processos histórico formativos dos continentes citados é a que se estabelece entre colonizador e colonizado, ou seja, entre a Europa e os demais. 
c) À época das conquistas, a América Latina, a África e a Ásia tinham sistemas políticos e administrativos muito mais sofisticados que aqueles que lhes foram impostos pelo colonizador. 
d) Comparadas ao México e ao Peru, as instituições brasileiras, por terem sido eliminadas à época da conquista, sofreram mais influência dos modelos institucionais europeus. 
e) O modelo histórico da formação do Estado asiático equipara-se ao brasileiro, pois em ambos se manteve o espírito das formas de organização anteriores à conquista. 
ENEM - Cândido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas brasileiros do século XX, tratou de diferentes aspectos da nossa realidade em seus quadros. 
Sobre a temática dos “Retirantes”, Portinari também escreveu o seguinte poema: 
(....) 
Os retirantes vêm vindo com trouxas e embrulhos 
Vêm das terras secas e escuras; pedregulhos 
Doloridos como fagulhas de carvão aceso 
Corpos disformes, uns panos sujos, 
Rasgados e sem cor, dependurados 
Homens de enorme ventre bojudo 
Mulheres com trouxas caídas para o lado 
Pançudas, carregando ao colo um garoto 
Choramingando, remelento 
(....) 
(Cândido Portinari. Poemas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1964.) 
Das quatro obras reproduzidas, assinale aquelas que abordam a problemática que é tema do poema. 
a) 1 e 2 
b) 1 e 3 
c) 2 e 3 
d) 3 e 4 
e) 2 e 4 
É correto afirmar que as regiões destacadas em preto no mapa representam os países que 
a) formam os BRICS, conjunto de países emergentes, que possuem características comuns como, por exemplo, relevante crescimento econômico. 
b) priorizam a energia nuclear como matriz energética e, por esse motivo, investem no enriquecimento de urânio para abastecer suas usinas. 
c) são os maiores exportadores de produtos primários, como a cana-de-açúcar, banana e soja, por serem países de solo fértil. 
d) formam o bloco econômico NAFTA, que tem como finalidade eliminar as barreiras alfandegárias entre sues membros. 
e) formam o bloco denominado G5, que se caracteriza pela desaceleração da industrialização e pela crise econômica. 
No século XXI, a participação do Produto Interno Bruto (PIB) do Nordeste no PIB brasileiro vem aumentando paulatinamente, o que indica que a região passa por um ciclo de crescimento econômico. Os principais fatores responsáveis por esse fenômeno são: 
a) investimentos de grandes empresas em empreendimentos voltados para a promoção de economias solidárias e para o desenvolvimento de atividades de pequenos produtores agroextrativistas.
16 
b) investimentos públicos em infraestrutura, concessões estatais de créditos e incentivos fiscais a empresas, e o aumento do consumo da população mais pobre, que passa a ter acesso ao crédito. 
c) investimentos de bancos privados em grandes obras de infraestrutura direcionadas para a transposição do Rio São Francisco e para a melhoria dos sistemas de transportes rodoviário e ferroviário da região. 
d) investimentos de bancos estrangeiros em empreendimentos voltados para a aquisição de grandes extensões de terras e para a instalação de rede hoteleira nas áreas litorâneas da região. 
e) Investimento dos Estados Unidos e União Europeia preocupados com a estagnação econômica do Estado de Pernambuco. 
ENEM - Ao longo do século XX, as características da população brasileira mudaram muito. Os gráficos mostram as alterações na distribuição da população da cidade e do campo e na taxa de fecundidade (número de filhos por mulher) no período entre 1940 e 2000. 
Comparando-se os dados dos gráficos, pode-se concluir que 
a) o aumento relativo da população rural é acompanhado pela redução da taxa de fecundidade. 
b) quando predominava a população rural, as mulheres tinham em média três vezes menos filhos do que hoje. 
c) a diminuição relativa da população rural coincide com o aumento do número de filhos por mulher. 
d) quanto mais aumenta o número de pessoas morando em cidades, maior passa a ser a taxa de fecundidade. 
e) com a intensificação do processo de urbanização, o número de filhos por mulher tende a ser menor. 
(UDESC) A década de 90, sobretudo a primeira metade, é reconhecida como um período de estabilidade da economia e de avanços sociais importantes, no Brasil. Analise as proposições sobre a década de 90 e as questões correlatas. I. De maneira geral pode-se inferir que a implantação da nova moeda – o Real, e o controle da inflação permitiram aumento do consumo e dos índices de desenvolvimento humano, diminuição da pobreza, melhor distribuição de renda. II. Certamente, pode-se afirmar que houve avanços sociais importantes no Brasil, mas a década de 90 também foi marcada por conflitos e lutas travadas em prol de direitos e ampliação de conquistas sociais. A exemplo, foram as lutas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), dos movimentos em defesa dos indígenas, movimentos negros, feministas, afrodescendentes e ecologistas. III. A década de 90 também foi marcada por crises. A exemplo, a crise econômica internacional no final da década que colocou a economia brasileira em dificuldades; a ocorrência de privatizações controversas e o crescimento do défict público. IV. Na década de 90, inserção do país na ordem política internacional, os principais pontos da política externa pautavam-se no cultivo de relacionamento pacífico com os países vizinhos e na política de fortalecimento das relações regionais e conjuntas, como as voltadas ao Mercosul e à União Europeia, dentre outras. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras. b) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. c) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras. d) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras. e) Todas as afirmativas são verdadeiras. 
(MACK) Segundo Wallerstein (1991), o capitalismo “... foi, desde o início, um elemento da economia mundial e não dos estados-nação. O capital nunca permitiu que suas aspirações fossem determinadas por fronteiras nacionais.” Considere as afirmações a respeito do modo de produção capitalista abaixo. I. O capitalismo comercial marca o período dos estados absolutos e do intervencionismo estatal na economia, o que denominamos de mercantilismo. II. O capitalismo financeiro globalizado acelera a concentração de capitais, gerando grandes
17 
conglomerados econômicos; mas, em 
contrapartida ao avanço capitalista mundial, 
ampliou-se a exclusão social e a marginalização 
dos países periféricos. 
III. Tanto o capitalismo comercial quanto o 
capitalismo financeiro aplicam as diretrizes do 
liberalismo econômico, especialmente no que 
diz respeito ao livre comércio e ao fim dos 
monopólios comerciais. 
É correto assinalar que 
a) somente a afirmativa I está correta. 
b) somente a afirmativa III está correta. 
c) somente as afirmativas II e III estão corretas. 
d) somente as afirmativas I e III estão corretas. 
e) somente as afirmativas I e II estão corretas. 
(PUCRS) Resolver a questão com base nas 
informações a seguir, que tratam da atividade industrial. 
Os fatores locais variam ao longo do tempo e 
em função do tipo de indústria que se quer 
implantar. Atualmente podemos dizer que 
ocorre uma descentralização industrial em 
escala mundial, mas também em escala 
nacional e local, graças ao desenvolvi- mento 
dos setores de transportes, telecomunicações 
e informações. 
Como outros fatores a considerar na atividade industrial, 
citam-se: 
1. fontes de energia 
2. mercado consumidor 
3. matérias primas 
4. mão de obra 
Estão corretamente identificados os fatores 
a) 1 e 3, apenas. 
b) 2 e 4, apenas. 
c) 1, 2 e 4, apenas. 
d) 2, 3 e 4, apenas. 
e) 1, 2, 3 e 4. 
(UFPA) A apropriação antrópica dos recursos naturais 
renováveis e não renováveis como fontes energéticas 
tem aumentado consideravelmente nas últimas 
décadas, trazendo consequências socioambientais 
desastrosas para grande parte das populações da 
Terra. Neste contexto, é correto afirmar que (o) (a)(s): 
a) biocombustíveis obtidos do aproveitamento de 
matérias primas diversas têm sido a esperança de 
uma obtenção mais limpa de energia oriunda de 
recursos naturais renováveis. O Brasil é um dos 
países que tem investido na tecnologia de sua 
fabricação com aproveitamento de vegetais como a 
cana-de-açúcar para fabricação do etanol e da 
mamona e outros para o biodiesel. 
b) hidroeletricidade constitui a matriz energética da 
maioria dos países desenvolvidos industrializados, 
sendo considerada uma forma de energia não 
poluente, de baixo custo de aquisição e renovável, 
por estes motivos é largamente utilizada. 
c) carvão mineral é um dos combustíveis fósseis de 
recente utilização pelo setor fabril com um 
aproveitamento energético expressivo, em razão 
das insignificantes consequências ambientais que 
sua exploração acarreta, quase sempre pouco 
danosas no que diz respeito ao meio ambiente. 
d) petróleo é a principal fonte energética do planeta, 
sendo matéria prima fundamental para vários tipos 
de indústrias, é um combustível bastante nocivo 
para a saúde humana. Nos últimos anos, sua 
utilização tem diminuído de forma significativa em 
função do aumento do uso dos biocombustíveis. 
e) gás natural é pouco utilizado como fonte energética 
devido aos elevados custos de exploração e 
comercialização, pois seu transporte é 
extremamente difícil e dispendioso, além de 
apresentar uma forma de aproveitamento bastante 
poluente se comparada à de outros recursos 
energéticos como o petróleo e o carvão. 
Os cnidários são animais exclusivamente aquáticos de 
corpo mole ou gelatinoso, na sua maioria marinho, de 
vida livre ou fixa, podendo viver em colônias ou 
isolados. A parede corporal desses animais apresenta 
uma série de células especializadas e responsáveis por 
diversas funções. Na figura, abaixo, temos a 
representação esquemática da estrutura celular de um 
pólipo de uma Hydra onde observamos os diversos 
tipos de células com funções as mais diversas, entre 
outras: protetora, digestiva e sensitiva. Baseado nos 
textos, em seus conhecimentos, indique corretamente 
os nomes das células identificadas por números. 
a) 1(célula glandular) –2(célula sensorial) –3(célula 
nervosa) –4(cnidoblasto) –5(célula digestiva) 
b) 1(célula glandular) –2(célula nervosa) –3(célula 
sensorial) –4(célula digestiva) –5(cnidoblasto) 
BIOLOGIA
18 
c) 1(célula nervosa) –2(cnidoblasto) –3(célula 
glandular) –4(célula digestiva) –5(célula sensorial) 
d) 1(célula nervosa) –2(cnidoblasto) –3(célula 
glandular) –4(célula sensorial) –5(célula digestiva) 
e) 1(célula sensorial) –2(célula glandular) – 
3(cnidoblasto) –4(célula digestiva) –5(célula 
sensorial) 
(UNIFESP-SP) O termo “vermes” é aplicado 
indistintamente para designar invertebrados alongados 
e de corpo mole, principalmente do grupo dos 
anelídeos. 
Na charge, os “vermes” desenhados provavelmente são 
larvas de insetos. Sobre esses dois grupos, anelídeos e 
insetos, podemos afirmar corretamente que 
a) ambos apresentam o corpo segmentado e 
revestido por um exoesqueleto. Nos anelídeos 
terrestres esse exoesqueleto é bastante fino e 
flexível e nos insetos é quitinoso e rígido, 
conferindo proteção e sustentação. 
b) o padrão vermiforme das larvas de insetos é a 
principal evidência de que os artrópodes, grupo ao 
qual os insetos pertencem, surgiram a partir dos 
anelídeos, pois reproduzem um estágio anterior da 
evolução. 
c) observamos mais insetos, o que nos dá a falsa 
impressão de um maior número de espécies desse 
grupo. Porém, o número de espécies de anelídeos 
conhecidas é superior, pois inclui muitos grupos 
marinhos e terrestres. 
d) a segmentação do corpo está presente em ambos 
e a organização do sistema nervoso é semelhante. 
Os insetos,porém, possuem exoesqueleto, caráter 
evolutivo de importância fundamental no grupo. 
e) os anelídeos são terrestres e aquáticos e a maioria 
das espécies alimenta-se de detritos, estando no 
final da cadeia alimentar. Já os insetos são aéreos 
e terrestres e a maioria é herbívora, sendo, 
portanto, consumidores primários. 
(UEL-PR) A região cefálica de um caranguejo difere 
daquela de um besouro porque a do caranguejo possui 
a) dois pares de antenas, enquanto a do besouro 
possui só um par. 
b) um par de antenas, enquanto a do besouro possui 
dois pares. 
c) olhos compostos, enquanto a do besouro possui 
ocelos simples. 
d) ocelos simples, enquanto a do besouro possui 
olhos compostos. 
e) um par de mandíbulas, enquanto a do besouro 
possui dois pares. 
(UFPEL-RS) O Filo Arthropoda reúne mais de um 
milhão de espécies, sendo dividido em 3 subfilos: 
Crustacea (ex. siri),Chelicerata (ex.: aranha) e Uniramia 
(ex.: insetos). O mecanismo de crescimento destes 
animais é bastante diferenciado dos outros animais, 
como mostra o gráfico. 
AMABIS, J.M.; MARTHO, G.R. 
Fundamentos da Biologia Moderna. São 
Paulo: Ed.Moderna, 2001. [adapt.]. 
Com base nos textos e em seus conhecimentos sobre 
os artrópodes, é correto afirmar que 
a) o novo exoesqueleto recém-formado do artrópode 
após a muda é rígido e por isso muito importante 
para a proteção dos órgãos internos. Nesse 
momento ocorre uma parada de crescimento, o que 
é visualizado nas etapas II e V. 
b) o animal retoma o crescimento (etapas IV e VII) 
após as ecdises, em que o exoesqueleto cresce 
junto com o restante do corpo do artrópode até 
ocorrer uma parada do crescimento e uma nova 
ecdise. 
c) os artrópodes dos três subfilos apresentam 
reprodução interna. Durante a cópula, o macho 
introduz o pênis na vagina da fêmea e elimina os 
espermatozóides, que serão armazenados na 
espermateca da fêmea. 
d) o sistema digestório dos artrópodes é completo, 
sendo a digestão intracelular. As enzimas que 
atuam na cavidade intestinal são secretadas pela 
parede do tubo digestivo e pelos órgãos anexos 
hepatopâncreas e cecos gástricos. 
e) os artrópodes –animais que apresentam apêndices 
corporais articulados –apresentam um 
exoesqueleto de quitina, o qual se rompe ao longo 
do dorso do animal, que o abandona, cada vez que 
cresce. Esse fenômeno é denominado ecdise e é 
mostrado nas etapas III e VI. 
(UFJF-MG) Em uma aula de ciências, os alunos 
buscaram informações em jornais e revistas sobre a 
importância de espécies animais para o homem. Ao final 
da aula, entregaram um exercício no qual classificaram 
como corretas ou incorretas as informações
19 
encontradas. Algumas dessas informações são 
apresentadas a seguir. 
I. Cnidários possuem células especializadas, os 
cnidoblastos, capazes de causar queimaduras e 
irritações dolorosas na pele de pessoas que os 
tocam. 
II. Algumas espécies de moluscos gastrópodes 
podem formar pérola a partir de algas raspadas 
pela rádula (dentes raspadores). 
III. Protozoários flagelados causam a inflamação 
dos ossos das pernas, tornando-as deformadas 
e provocando uma doença conhecida como 
elefantíase. 
IV. Devido ao seu hábito alimentar, as 
sanguessugas foram muito utilizadas no 
passado na prática de sangrias, em pacientes 
com pressão alta. 
Assinale a opção que apresenta somente afirmativas 
CORRETAS. 
a) I e II 
b) I, II e III 
c) I e IV 
d) II e IV 
e) III e IV 
Quando um macho do besouro-da-cana localiza uma 
plantacao de cana-de-acucar, ele libera uma substancia 
para que outros besouros tambem localizem essa 
plantacao, o que causa serios prejuizos ao agricultor. 
A substancia liberada pelo besouro foi sintetizada em 
laboratorio por um quimico brasileiro. Com essa 
substancia sintetica, o agricultor pode fazer o feitiço 
virar contra o feiticeiro: usar a substancia como isca e 
atrair os besouros para longe das plantacoes de cana. - 
Folha Ciência. In: Folha de S. Paulo, 25/5/2004 (com adaptações). 
Assinale a opcao que apresenta corretamente tanto a 
finalidade quanto a vantagem ambiental da utilizacao da 
substancia sintetica mencionada. 
“... Os moluscos constituem um grupo muito bem 
sucedido na natureza. Ocupam vários ambientes e 
exibem hábitos de vida bastante diversificados” - Trecho 
extraído do livro “Biologia”, de Amabis e colaboradores, 1974, p.294. 
Em relação a esse filo e baseado na observação dos 
diferentes hábitos mostrados na figura, assinale a(s) 
proposição(ões) verdadeira(s). 
01 
A respiração é branquial nos animais 
aquáticos e pulmonar nos terrestres. 
02 
Os gastrópodos possuem no assoalho da 
faringe a rádula que utilizam para raspar o 
alimento. 
04 
A figura representa o grupo dos bivalvos, que 
se caracterizam por apresentar uma concha 
formada por duas partes chamadas valvas, no 
interior das quais se encontra a cabeça, 
diferenciada, o pé e a massa visceral. 
08 
O grupo dos bivalvos compreende muitos 
animais comestíveis e importantes 
economicamente, como os mexilhões, as 
ostras e os “escargots”. 
16 
Como características embrionárias são 
celomados, deuterostômios e apresentam 
simetria radial. 
32 
A lula é um decápodo com o corpo afilado em 
forma de cone e a cabeça com oito 
tentáculos. 
64 
Baseado na figura podemos constatar que 
enquanto o Pecten é um animal de vida livre, 
a ostra e o Mytilus são fixos. 
Dê como resposta a soma das alternativas corretas 
Assinale o que for correto: 
01 
Corpo dividido em cabeça, tórax e abdômem, 
três pares de pernas e um par de antenas são 
características da classe Chilopoda. 
02 
Os insetos com desenvolvimento do tipo 
holometábolo (metamorfose completa) 
passam pelos estágios de larva e pupa; 
borboletas e moscas apresentam esse tipo de 
desenvolvimento. 
04 
O exoesqueleto dos Arthropoda é uma das 
características que permitiu que alguns 
grupos desse filo ocupassem com sucesso o 
ambiente terrestre, pois ele reduz a perda de 
água, que é um dos principais problemas que 
os animais enfrentam no meio terrestre. 
08 
Os insetos apresentam olhos compostos, 
aparelhos bucais modificados de acordo com 
o hábito alimentar, e os órgãos excretores são 
os tubos de Malpighi. 
16 
Os integrantes da classe Crustacea são 
exclusivamente aquáticos, e a principal 
adaptação que apresentam a esse meio é a 
respiração traqueal.
20 
32 
As principais características dos Arachnida 
são quatro pares de pernas, um par de 
antenas, um par de mandíbulas e olhos 
compostos. 
Dê como resposta a soma das alternativas corretas. 
Observe a tira abaixo: 
O invertebrado, observado por Mafalda, pertence ao filo 
que, evolutivamente, é o mais próximo dos cordados, 
por apresentarem 
a) hábitat marinho. 
b) mesoderme. 
c) deuterostomia. 
d) fecundação externa. 
e) simetria radial 
“As aparências enganam.” Uma aranha pode ser 
confundida com uma borboleta? 
Sobre as diferenças e/ou as semelhanças entre esses 
animais, analise as afirmativas a seguir. 
I. Tanto as borboletas como as aranhas são 
Artrópodes, animais de corpo metamerizado, 
pernas articuladas, exoesqueleto de quitina, 
que, por ser rígido, os obriga à muda ou ecdise. 
São triblásticos, celomados e de simetria 
bilateral. 
II. As borboletas pertencem à Classe Insecta, 
animais de corpo dividido em cabeça, tórax e 
abdome. Na cabeça, apresentam 1 par de 
antenas, 1 par de olhos compostos, 3 olhos 
simples e apêndices bucais, adaptados ao tipo 
de alimentação. Possuem 3 pares de pernas 
torácicas. 
III. As aranhas pertencem à classe Arachnida e 
apresentam o prosoma (cefalotórax) ligado ao 
opistosoma (abdome). No prosoma, existem 
entre 5 a 8 olhos simples, um par de quelíceras, 
que inocula o veneno, e 1 par de pedipalpos ao 
redor da boca. Elas não possuem antenas, nem 
mandíbulas nem asas, possuindo 4 pares de 
pernas. 
IV. As aranhas e as borboletas são insetos dióicos, 
de sexos separados e de fecundação externa. 
No entanto, nas aranhas, o desenvolvimento é 
direto; já nas borboletas, o desenvolvimento é 
indireto com metamorfose completa. 
V. Tanto nas aranhas como nas borboletas, a 
excreção é realizada pelos túbulos de Malpighi 
e pelas glândulas coxais localizadas próximas à 
base da perna. Essas estruturas filtram as 
excretas nitrogenadas que são lançadas no 
intestino, sendo eliminadas junto com as fezes. 
Assinale a alternativa correta. 
a) Apenas I, II e III estão corretas. 
b) Apenas I, III e V estão corretas. 
c) Apenas II, III e V estão corretas. 
d) Apenas IV e V estão corretas. 
e) Apenas a V está correta. 
(UPE-2013) Foram mergulhados, num mesmo líquido, 
dois termômetros: um graduado na escala Celsius, e o 
outro, na escala Fahrenheit. A leitura em Fahrenheit 
supera em 100 unidades a leitura em Celsius. Qual era 
a temperatura desse líquido? 
a) 85°F 
b) 100°F 
c) 130°F 
d) 165°F 
e) 185°F 
(UPE-2013) Qual massa de gelo a 0°C deve ser 
misturada com 100 g de água a 80°C, para que a 
FÍSICA
21 
temperatura de equilíbrio seja de 20°C, sabendo-se que o calor específico da água vale 1 cal/g°C e que o calor latente de fusão da água vale 80 cal/g? 
a) 30 g 
b) 60 g 
c) 72 g 
d) 120 g 
e) 180 g 
(UPE-2012) Em um recipiente, existem 500 g de água a 80°C, e nele é colocada uma certa quantidade de gelo a -10°C. Qual a massa de gelo, em gramas, necessária para que a temperatura final seja 25°C? 
Dados: 
Lfgelo= 80cal/g,cágua= 1cal/g°C, cgelo= 0,5 cal/g°C 
a) 250 
b) 262 
c) 239 
d) 200 
e) 300 
(UPE-2012) Considere dois corpos A e B com temperaturas diferentes. A temperatura do corpo A é menor que a temperatura do corpo B. A temperatura inicial do corpo B é TB. A massa do corpo A é mA, e a do corpo B, mB. Os dois corpos trocam calor até atingirem uma temperatura de equilíbrio T. Considerando que o corpo A dilata-se linearmente com coeficiente de dilatação linear a, assinale a alternativa que apresenta a variação do comprimento do corpo A se, antes da troca de calor, ele possuía comprimento L0. (Considere que não houve mudança de fase). 
Dados: o calor específico do corpo A vale cA, e o do corpo B, cB. 
(UPE-2011) Um trem do metrô com massa igual a 24.000kg, viajando inicialmente a 12m/s, diminui sua velocidade e para em uma estação, lá permanecendo o tempo suficiente, para que seus freios esfriem. As dimensões da estação são 60m de comprimento, por 20m de largura, por 10m de altura. Considere que todo o trabalho realizado pelos freios para parar o trem seja transferido como calor uniformemente para todo o ar. 
Dados: 
densidade do ar = 1,2 kg / m3; calor específico do ar = 1.000 J / kg . K 
Nessas condições, o aumento da temperatura do ar na estação vale: 
a) 1,0 x 10-2 ºC 
b) 1,2 x 10-1 ºC 
c) 1,5 x 10-3 ºC 
d) 1,4 x 10-2 ºC 
e) 1,6 x 10-4 ºC 
(UPE-2013) Em virtude de as moléculas de água no estado líquido estarem unidas por um tipo especial de ligação denominada ponte de hidrogênio, a água apresenta um comportamento excepcional quando aquecida. Quando se aquece uma amostra de água de 0°C a 100°C, ela: 
a) se dilata sempre. 
b) se contrai sempre. 
c) se dilata e depois se contrai. 
d) se contrai e depois se dilata. 
e) mantém volume constante. 
(UPE-2012) Sabendo-se que a temperatura crítica da água é TC = 374°C e a pressão crítica da água é PC = 218 atm, analise as afirmativas a seguir: 
I. O par de valores temperatura e pressão (374°C ; 218 atm) corresponde ao ponto crítico da água, no qual existe o equilíbrio entre as três fases: sólida, líquida e gasosa. 
II. Em temperaturas superiores a 374°C, a água sempre se encontra sob forma de gás. 
III. Em pressões superiores a 218 atm, a água sempre se encontra sob forma de gás. 
IV. Em temperaturas superiores a 374°C, uma massa de água pode ser liquefeita por compressão isotérmica. 
Está CORRETO o que se afirma em: 
a) I. 
b) II e III. 
c) II, III e IV. 
d) II. 
(UPE-2012) A respeito dos espelhos planos, analise as afirmações a seguir: 
I. Nos espelhos planos, o ângulo de reflexão é igual ao ângulo de incidência. 
II. Para um espelho plano, pontos-objetos e pontos-imagens, têm-se naturezas contrárias: se o objeto é real, a imagem é virtual e vice- versa.
22 
III. São formadas três imagens de um objeto, quando este é colocado entre dois espelhos planos, que formam entre si um ângulo de 90°. 
Está CORRETO o que se afirma em: 
a) I e II, apenas. 
b) I e III, apenas. 
c) I, II e III. 
d) I, apenas. 
e) II e III, apenas. 
(UPE-2013) Um raio luminoso reflete-se em um espelho plano. O ângulo entre os raios incidente e refletido mede 60º. Qual é o ângulo que o raio refletido forma com a superfície do espelho? 
a) 15° 
b) 30° 
c) 45° 
d) 60° 
e) 75° 
(PUC-RIO) A figura representa um raio luminoso incidido sobre um espelho plano A e, em seguida, refletido pelo espelho plano B. O ângulo que a direção do raio refletido faz com a direção perpendicular ao espelho B é: 
a) 0° b) 90° c) 20° d) 65° e) 70° 
(UERJ) Uma garota, para observar seu penteado, coloca-se em frente a um espelho plano de parede, situado a 40 cm de uma flor presa na parte de trás dos seus cabelos. 
Buscando uma visão melhor do arranjo da flor no cabelo, ela segura, com uma das mãos, um pequeno espelho plano atrás da cabeça, a 15 cm da flor. A menor distância entre a flor e sua imagem, vista pela garota no espelho de parede, está próxima de: 
a) 55 cm b) 70 cm 
c) 95 cm d) 110 cm 
(UPE-2011) Um ponto objeto está a 12cm de um espelho côncavo e a 3cm acima do eixo do espelho. O raio de curvatura do espelho é 6cm. A distância da imagem ao espelho vale em centímetro: 
a) 2 
b) 5 
c) 3 
d) 1 
e) 4 
(Unicamp) A figura abaixo mostra um espelho retrovisor plano na lateral esquerda de um carro. O espelho está disposto verticalmente e a altura do seu centro coincide com a altura dos olhos do motorista. Os pontos da figura pertencem a um plano horizontal que passa pelo centro do espelho. Nesse caso, os pontos que podem ser vistos pelo motorista são: 
a) 1, 4, 5 e 9 b) 4, 7, 8 e 9 
c) 1, 2, 5 e 9. d) 2, 5, 6 e 9 
(Upe) Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 
1 
A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. 
3 
O ponto de encontro dos raios refletidos ou de seus prolongamentos, devido aos raios incidentes paralelos ao eixo principal, é denominado de foco principal. 
5 
O espelho côncavo tem foco virtual, e o espelho convexo, foco real. 
7 
Todo raio de luz que incide passando pelo foco, ao atingir o espelho, é refletido paralelo ao eixo principal. 
9 
Quando o objeto é posicionado entre o centro de curvatura e o foco do espelho côncavo, conclui-se que a imagem é real, invertida e maior do que o objeto. 
A soma dos números entre parênteses que correspondem aos itens corretos é igual a: 
a) 25 b) 18 c) 19 d) 10 e) 9
23 
É possível usar água ou comida para atrair as aves e observá-las. Muitas pessoas costumam usar água com açúcar, por exemplo, para atrair beija-flores, Mas é importante saber que, na hora de fazer a mistura, você deve sempre usar uma parte de açúcar para cinco partes de água. Além disso, em dias quentes, precisa trocar a água de duas a três vezes, pois com o calor ela pode fermentar e, se for ingerida pela ave, pode deixá-la doente. O excesso de açúcar, ao cristalizar, também pode manter o bico da ave fechado, impedindo-a de se alimentar. Isso pode até matá-la. - (ciência Hoje das crianças. FNDE; Instituto Ciência Hoje, ano 19, n. 166, mar. 1996.) 
Pretende-se encher completamente um copo com a mistura para atrair beija-flores. O copo tem formato cilíndrico, e suas medidas são 10 cm de altura e 4 cm de diâmetro, A quantidade de água que deve ser utilizada na mistura é cerca de? 
(utilize π = 3 e 1cm³ = 1ml) 
a) 20 mL. b) 24 mL. 
c) 100 mL. d) 120 mL. e) 600 mL. 
Dona Maria, diarista na casa da família Teixeira, precisa fazer café para servir as vinte pessoas que se encontram numa reunião na sala. Para fazer o café, Dona Maria dispõe de uma leiteira cilíndrica e copinhos plásticos, também cilíndricos. 
Com o objetivo de não desperdiçar café, a diarista deseja colocar a quantidade mínima de água na leiteira para encher os vinte copinhos pela metade. Para que isso ocorra, Dona Maria deverá: 
a) encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. 
b) encher a leiteira toda de água, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. 
c) encher a leiteira toda de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. 
d) encher duas leiteiras de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. 
e) encher cinco leiteiras de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. 
Para construir uma manilha de esgoto, um cilindro com 2 m de diâmetro e 4 m de altura (de espessura desprezível), foi envolvido homogeneamente por uma camada de concreto, contendo 20 cm de espessura. Supondo que cada metro cúbico de concreto custe R$ 10,00 e tomando π =3,1 como valor aproximado , então o preço dessa manilha é igual a? 
a) R$ 230,40. 
b) R$ 124,00. 
c) R$ 104,16. 
d) R$ 54,56. 
e) R$ 49,60. 
A área do triângulo ABC cujos vértices estão indicados na figura abaixo, assim como a medida do lado BC, são: 
a) 6 e 2 √13 
b) 12 e 5 √2 
c) 12 e 5 √13 
d) 24 e √13 
Considere um paralelepípedo retângulo de volume V . Aumentando-se o comprimento desse paralelepípedo em 10%, aumentando-se a sua largura em 20% e diminuindo-se a sua altura em 25% , obtém-se um novo paralelepípedo, cujo volume é: 
a) 
5% maior que o anterior. 
b) 
5% menor que o anterior. 
c) 
1% maior que o anterior. 
d) 
1% menor que o anterior. 
A figura seguinte representa uma pirâmide regular de base quadrada. Nessa figura podem ser identificados os seguintes elementos da pirâmide: 
V:Vértice; 
h: altura; 
ab: apótema da base; 
ap: apótema da pirâmide; 
H: centro da base; 
MATEMÁTICA
24 
M: ponto médio da aresta da base. 
Se a aresta da base da pirâmide mede 8 cm e altura mede 3 cm, quanto mede a área total dessa pirâmide? 
a) 
64 cm2 
b) 
80 cm2 
c) 
120 cm2 
d) 
144 cm2 
A vazão do rio Tietê, em São Paulo, constitui preocupação constante nos períodos chuvosos. Em alguns trechos, são construídas canaletas para controlar o fluxo de água. Uma dessas canaletas, cujo corte vertical determina a forma de um trapézio isósceles, tem as medidas especificadas na figura 1. Neste caso, a vazão da água é de 1.050 m3/s. O cálculo da vazão, Q em m3/s, envolve o produto da área A do setor transversal (por onde passa a água), em m2, pela velocidade da água no local, v, em m/s, ou seja, Q = Av. Planeja-se uma reforma na canaleta, com as dimensões especificadas na figura 2, para evitar a ocorrência de enchentes. 
Na suposição de que a velocidade da água não se alterará, qual a vazão esperada para depois da reforma na canaleta? 
a) 90 m3/s. 
b) 750 m3/s. . 
c) 1.050 m3/s. 
d) 1.512 m3/s. 
e) 2.009 m3/s. 
Nas últimas eleições presidenciais de um determinado país, onde 9% dos eleitores votaram em branco e 11% anularam o voto, o vencedor obteve 51% dos votos válidos. Não são considerados válidos os votos em branco e nulos. Pode-se afirmar que o vencedor, de fato, obteve de todos os eleitores um percentual de votos da ordem de: 
a) 38%. b) 41%. c) 44%. 
d) 47%. e) 50%. 
Sabendo-se que 1111101=11, quanto vale a soma 
2222101+ 3333101+⋯+ 9999101? 
a) 99 b) 176 c) 448 d) 484 e) 792

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
Ligia Amaral
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
stjamesmkt
 
Gênero dramático no enem
Gênero dramático no enemGênero dramático no enem
Gênero dramático no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
ma.no.el.ne.ves
 
Prova: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagemProva: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagem
Marilza Fuentes
 
Gêneros textuais no enem 2012
Gêneros textuais no enem 2012Gêneros textuais no enem 2012
Gêneros textuais no enem 2012
ma.no.el.ne.ves
 
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
ma.no.el.ne.ves
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3
PATRICIA VIANA
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
ma.no.el.ne.ves
 
Enem 2012, literatura
Enem 2012, literaturaEnem 2012, literatura
Enem 2012, literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
ma.no.el.ne.ves
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2
Fabricio Souza
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
Ligia Amaral
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
ma.no.el.ne.ves
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
Seduc/AM
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Valéria Alves de Arantes
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
Estude Mais
 
2 def (1)
2 def (1)2 def (1)
2 def (1)
Dalva Lima
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 

Mais procurados (20)

Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
 
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bimGabarito 3o. ano   língua portuguesa 1 - 2o. bim
Gabarito 3o. ano língua portuguesa 1 - 2o. bim
 
Gênero dramático no enem
Gênero dramático no enemGênero dramático no enem
Gênero dramático no enem
 
Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010Aspectos gramaticais no enem 2010
Aspectos gramaticais no enem 2010
 
Prova: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagemProva: funçoes da linguagem
Prova: funçoes da linguagem
 
Gêneros textuais no enem 2012
Gêneros textuais no enem 2012Gêneros textuais no enem 2012
Gêneros textuais no enem 2012
 
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
Prova aberta de língua portuguesa ufmg 2012
 
linguagens para o enem n 3
   linguagens para o  enem n  3   linguagens para o  enem n  3
linguagens para o enem n 3
 
Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
 
Enem 2012, literatura
Enem 2012, literaturaEnem 2012, literatura
Enem 2012, literatura
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Interpretação textual 2
Interpretação textual 2Interpretação textual 2
Interpretação textual 2
 
Gabarito 1o. bim português ii
Gabarito 1o. bim   português iiGabarito 1o. bim   português ii
Gabarito 1o. bim português ii
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
 
Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011Gêneros textuais no enem 2011
Gêneros textuais no enem 2011
 
Exercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textualExercícios comentados de interpretação textual
Exercícios comentados de interpretação textual
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Funcoes da linguagem enem
Funcoes da linguagem   enemFuncoes da linguagem   enem
Funcoes da linguagem enem
 
2 def (1)
2 def (1)2 def (1)
2 def (1)
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 

Semelhante a SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO

VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
Isaquel Silva
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
Carol Monteiro
 
Literatura Tipo B
Literatura Tipo BLiteratura Tipo B
Literatura Tipo B
Carol Monteiro
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
pibidletrasifpa
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
BiancaBatista53
 
Literatura Tipo C
Literatura Tipo CLiteratura Tipo C
Literatura Tipo C
Carol Monteiro
 
Simulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 okSimulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 ok
Shislaine Mary Carvalho
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
ma.no.el.ne.ves
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
ma.no.el.ne.ves
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
Angeli Nascimento
 
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
Carla Ribeiro
 
Teste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 anoTeste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 ano
Ronaldo Figo
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
tamandarealfamanha
 
2º literatura
2º literatura2º literatura
2º literatura
newtonbonfim
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Pablo Rodrigues
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
Brenda Tacchelli
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
Vitor Morais
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
teresakashino
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
ProfessoraTiciana
 

Semelhante a SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO (20)

VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOSVESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
VESTIBULAR UFPE 2014 - PROVA DE LITERATURA - TODOS OS TIPOS
 
Literatura Tipo A
Literatura Tipo ALiteratura Tipo A
Literatura Tipo A
 
Literatura Tipo B
Literatura Tipo BLiteratura Tipo B
Literatura Tipo B
 
Caderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibularCaderno de atividades das leituras do vestibular
Caderno de atividades das leituras do vestibular
 
questoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdfquestoes-romantismo-enem.pdf
questoes-romantismo-enem.pdf
 
Literatura Tipo C
Literatura Tipo CLiteratura Tipo C
Literatura Tipo C
 
Simulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 okSimulado lit-prise 2.1 ok
Simulado lit-prise 2.1 ok
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
 
Unidade ii
Unidade iiUnidade ii
Unidade ii
 
O médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigoO médico e o monstro artigo
O médico e o monstro artigo
 
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora8   teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
8 teste poesia-trovadoresca_asa_porto_editora
 
Teste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 anoTeste poesia trovadoresca 10 ano
Teste poesia trovadoresca 10 ano
 
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏Questoes literatura   prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
Questoes literatura prof. carlos alexandre(reformado por aluno felipe)‏
 
2º literatura
2º literatura2º literatura
2º literatura
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
RecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 EmRecuperaçãO Final 2 Em
RecuperaçãO Final 2 Em
 
Parnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo BilacParnasianismo de Olavo Bilac
Parnasianismo de Olavo Bilac
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
eletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdfeletiva 25_09 (1).pdf
eletiva 25_09 (1).pdf
 

Mais de Paulo Alexandre

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Paulo Alexandre
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
Paulo Alexandre
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
Paulo Alexandre
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
Paulo Alexandre
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
Paulo Alexandre
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
Paulo Alexandre
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
Paulo Alexandre
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
Paulo Alexandre
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
Paulo Alexandre
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
Paulo Alexandre
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
Paulo Alexandre
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
Paulo Alexandre
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
Paulo Alexandre
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
Paulo Alexandre
 

Mais de Paulo Alexandre (20)

Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1Calendário escolar 2021.xlsx - 1
Calendário escolar 2021.xlsx - 1
 
El idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de BrasilEl idioma de los indígenas de Brasil
El idioma de los indígenas de Brasil
 
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
LA LENGUA NATIVA DE LOS PUEBLOS ANDINOS
 
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBESNATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
NATIVE AMERICANS CHEROKEE TRIBES
 
Saludos en Quéchua
Saludos en QuéchuaSaludos en Quéchua
Saludos en Quéchua
 
El Guarani en Paraguay
El Guarani en ParaguayEl Guarani en Paraguay
El Guarani en Paraguay
 
Espelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricosEspelhos planos e esféricos
Espelhos planos e esféricos
 
Conectaaí
ConectaaíConectaaí
Conectaaí
 
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 1 (JAMBOARD)
 
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 2 (jAMBOARD)
 
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
FILOSOFIA 1 (jAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 3 (JAMBOARD)
 
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
SOCIOLOGIA 2 (JAMBOARD)
 
Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2Citoplasma - parte 2
Citoplasma - parte 2
 
Geometria molecular
Geometria molecularGeometria molecular
Geometria molecular
 
Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2Citoplasma parte 2
Citoplasma parte 2
 
Responsabilidade social
Responsabilidade socialResponsabilidade social
Responsabilidade social
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Comunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadaniaComunidade sociedade e cidadania
Comunidade sociedade e cidadania
 

Último

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 

Último (20)

Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 

SEMANA DO FERA 2014 - SEGUNDO ANO

  • 1.
  • 2. UPE 2013 - Considerando a escola literária Realismo, assinale as afirmativas a seguir: I. Na prosa realista, diferentemente da estética literária que a antecedeu, uma das características mais evidentes é o desejo e a necessidade do autor de buscar e encontrar, na linguagem verbal, representação fiel à realidade na sua concretude mais exata. II. Memórias de um Sargento de Milícias é um romance considerado de transição entre a estética romântica e a estética realista, todavia as características da estética realista, no desenvolvimento da história, em sua totalidade, são predominantes. III. No romance O Cortiço, Aluísio Azevedo inaugura no Brasil, as linhas diretrizes que irão nortear toda a escola literária realista, fazendo notar que o subjetivismo, o nacionalismo ufanista, o sentimentalismo e o Mal do século são questões pouco relevantes. IV. Memórias Póstumas de Brás Cubas, também em razão de sua temática e da maneira como é narrado, ilustra as pretensões de Machado de Assis no que diz respeito à crítica social que é feita aos costumes e ao comportamento da época. V. O Realismo emerge no Brasil, sob o seguinte lema: A linguagem romântica consegue retratar a realidade da vida tal qual a vida é. Isso implica dizer que o Realismo precisa se aproximar da estética romântica, visando alcançar seus objetivos literários. Estão CORRETAS a) I, II e IV. b) I, III e IV. c) I, III e V. d) II, III e IV. e) III, IV e V. Língua Portuguesa Última flor do Lácio, inculta e bela, És, a um tempo, esplendor e sepultura: Ouro nativo, que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela... Amo-te assim, desconhecida e obscura, Tuba de alto clangor, lira singela, Que tens o trom e o silvo da procela E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te, ó rude e doloroso idioma, Em que da voz materna ouvi: "meu filho!" E em que Camões chorou, no exílio amargo, O gênio sem ventura e o amor sem brilho! BILAC, Olavo. Antologia Poética. São Paulo, 1990. Considerando o texto, assinale a alternativa CORRETA. a) O soneto, nas suas quatro estrofes, traduz um sentimento subjetivo e uma métrica despreocupada com a forma comum aos textos de Olavo Bilac e de outros autores parnasianos, como Alberto de Oliveira. b) “Última flor do Lácio” é uma expressão que demonstra o quanto a poesia de Bilac, claramente de natureza parnasiana, cuidadosamente metrificada, apresenta a mesma atenção no trato com o vocabulário erudito. c) O eu lírico, em todas as estrofes, por meio de versos pouco metrificados e linguagem desatenta à sintaxe lusitana, faz uma ode à língua portuguesa, enfocando o amor à pátria. d) No poema de Olavo Bilac, a língua portuguesa é homenageada. Da mesma maneira, em quase todos os seus poemas, Cruz e Sousa também tece homenagens à língua portuguesa e à maneira europeia de ver a vida. e) O eu lírico, em vários versos do poema, adjetiva o idioma português com palavras que deixam transparecer a despreocupação da estética parnasiana em relação à métrica poética. UPE 2014 Muito Romântico Não tenho nada com isso nem vem falar Eu não consigo entender sua lógica Minha palavra cantada pode espantar E a seus ouvidos parecer exótica Mas acontece que eu não posso me deixar Levar por um papo que já não deu, não deu Acho que nada restou pra guardar ou lembrar Do muito ou pouco que houve entre você e eu Nenhuma força virá lhe fazer calar Faço no tempo soar minha sílaba Canto somente o que pede pra se cantar Sou o que soa, eu não douro pílula Tudo o que eu quero é um acorde perfeito maior Com todo mundo podendo brilhar num cântico Canto somente o que não pode mais se calar Noutras palavras sou muito romântico. (Caetano Veloso, gravada por Roberto Carlos, Amigo, 1977) No século XIX, identificamos, na Europa, uma forte tendência ao racionalismo exacerbado, ou seja, a utilização da razão humana como única e legítima forma de compreender e explicar a realidade. De certo modo, a letra da música acima apresentada não se coaduna com essa ideologia. Se observarmos atentamente, o texto propõe uma predominância da subjetividade e do subjetivismo em oposição ao ideário de objetividade e objetivismo dos pensamentos racionalistas do século XIX. Nesse sentido, refletindo sobre o que se disse acima e sobre o texto em análise, assinale a alternativa CORRETA. a) “Noutras palavras sou muito romântico” é um verso no qual percebemos que o eu lírico explicita sua opinião contrária à chamada estética LÍNGUA PORTUGUESA
  • 3. 3 ultrarromântica, presente nos textos de poetas brasileiros como Álvares de Azevedo e Fagundes Varela. b) O título da música é Muito Romântico: quer dizer necessariamente que o egocentrismo, o sentimentalismo, o indianismo, o nacionalismo, o escapismo, o pessimismo são nuances presentes no texto. c) O eu lírico afirma “Sou o que soa, eu não douro pílula”. Em outras palavras, o eu lírico se distancia de uma ideologia presente nos textos de cunho social, escritos pelo poeta baiano Castro Alves e pelo romancista Bernardo Guimarães. d) Embora o texto Muito Romântico seja de um compositor contemporâneo, seus versos possuem características que também podem ser encontradas em texto literário identificado, muitas vezes, como subjetivista. e) Assim como vimos na prosa romântica de José de Alencar, a letra da música analisada apresenta explícita crítica ao comportamento social dos cidadãos brasileiros do século XXI. Memórias póstumas de Brás Cubas, livro que marcou o início da estética realista no Brasil, quando adaptado para o cinema, assumiu ares de comédia por ter sido escrito “com a pena da galhofa e a tinta da melancolia”. Considerando a leitura do romance, analise as afirmativas e assinale V para as Verdadeiras e F para as Falsas. [ ] O romance é fragmentado em decorrência das frequentes digressões realizadas pelo narrador onisciente quando, comentando sua própria escrita, dirige‐se ao leitor e alude a escritores anteriores, entre eles Shakespeare. [ ] Em Memórias póstumas de Brás Cubas, existe um narrador‐personagem, que relata sua história de além‐túmulo, contrariando a ordem natural e a linearidade até então em vigor na ficção brasileira. Esse artifício é comentado pelo próprio narrador já no início do romance. [ ] Em Memórias póstumas de Brás Cubas, o narrador‐personagem goza de isenção, a que lhe é concedida pelo fato de se tratar de um relato proferido por um “defunto‐ autor”, legado que lhe permite expressar‐se, de forma sarcástica e crítica, sobre si mesmo, uma vez que nada mais poderá afetá‐lo. [ ] Ao parodiar o discurso bíblico afirmando “Não só de fé vive o homem, mas também de pão e seus compostos e similares”, Brás Cubas impõe ao romance uma visão materialista, característica do Realismo. [ ] “Marcela amou‐me durante quinze meses e onze contos de réis” são palavras que sugerem ao leitor ser o gênero comédia imposto ao filme resultante do discurso irônico, marca registrada da linguagem do “bruxo do Cosme Velho”. Assinale a alternativa que contém a sequência CORRETA. a) F, V, V, V, V b) V, V, V, F, F c) V, F, V, F, V d) V, V, F, F, F e) V, V, V, V, V EAD/ UPE A Boneca (Olavo Bilac) Deixando a bola e a peteca, Com que inda há pouco brincavam, Por causa de uma boneca, Duas meninas brigavam. Dizia a primeira: "É minha!" — "É minha!" a outra gritava; E nenhuma se continha, Nem a boneca largava. Quem mais sofria (coitada!) Era a boneca. Já tinha Toda a roupa estraçalhada, E amarrotada a carinha. Tanto puxaram por ela, Que a pobre rasgou-se ao meio, Perdendo a estopa amarela Que lhe formava o recheio. E, ao fim de tanta fadiga, Voltando à bola e à peteca, Ambas, por causa da briga, Ficaram sem a boneca ... Considerando o poema composto por Olavo Bilac, é CORRETO afirmar que a) o poema “A boneca” possui traços explicitamente árcades, visto que Bilac, na sua extensa obra, ora oscila entre os parnasianos, ora oscila entre os simbolistas, ora oscila entre os adeptos de Tomás Antônio Gonzaga. b) na estética barroca literária, assim como no texto de Olavo Bilac, existe uma clara intenção de promover oposições e contradições ideológicas e linguísticas, fazendo notar que a estética barroca é também parnasiana. c) no poema de Bilac em análise, assim como na grande maioria dos poemas parnasianos, o esquema de rimas obedece a uma métrica organizada, de modo que a forma esteja em evidência o tempo todo, todo o tempo. d) as duas “meninas” retratadas pelo eu lírico são certamente alusões a traços biográficos do autor e anunciam o pensamento sobre as mulheres e suas ideias de emancipação e feminismo. e) na estética romântica de José de Alencar, assim como no poema de Bilac, a problemática central do que se discute está fundamentada nos pensamentos positivistas de August Comte e de Herbert Spencer.
  • 4. 4 ENEM Cárcere das almas Ah! Toda a alma num cárcere anda presa, Soluçando nas trevas, entre as grades Do calabouço olhando imensidades, Mares, estrelas, tardes, natureza. Tudo se veste de uma igual grandeza Quando a alma entre grilhões as liberdades Sonha e, sonhando, as imortalidades Rasga no etéreo o Espaço da Pureza. Ó almas presas, mudas e fechadas Nas prisões colossais e abandonadas, Da Dor no calabouço, atroz, funéreo! Nesses silêncios solitários, graves, que chaveiro do Céu possui as chaves para abrir-vos as portas do Mistério?! CRUZ E SOUSA, J. Poesia completa. Florianópolis: Fundação Catarinense de Cultura / Fundação Banco do Brasil, 1993. Os elementos formais e temáticos relacionados ao contexto cultural do Simbolismo encontrados no poema Cárcere das almas, de Cruz e Sousa, são: a) a opção pela abordagem, em linguagem simples e direta, de temas filosóficos. b) a prevalência do lirismo amoroso e intimista em relação à temática nacionalista. c) o refinamento estético da forma poética e o tratamento metafísico de temas universais. d) a evidente preocupação do eu lírico com a realidade social expressa em imagens poéticas inovadoras. e) a liberdade formal da estrutura poética que dispensa a rima e a métrica tradicionais em favor de temas do cotidiano. Compare os textos I e II a seguir, que tratam de aspectos ligados a variedades da língua portuguesa no mundo e no Brasil. Texto I Acompanhando os navegadores, colonizadores e comerciantes portugueses em todas as suas incríveis viagens, a partir do século XV, o português se transformou na língua de um império. Nesse processo, entrou em contato — forçado, o mais das vezes; amigável, em alguns casos — com as mais diversas línguas, passando por processos de variação e de mudança linguística. Assim, contar a história do português do Brasil é mergulhar na sua história colonial e de país independente, já que as línguas não são mecanismos desgarrados dos povos que as utilizam. Nesse cenário, são muitos os aspectos da estrutura linguística que não só expressam a diferença entre Portugal e Brasil como também definem, no Brasil, diferenças regionais e sociais. - PAGOTTO, E. P. Línguas do Brasil. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br. Acesso em: 5 jul. 2009 (adaptado). Texto II Barbarismo é vício que se comete na escritura de cada uma das partes da construção ou na pronunciação. E em nenhuma parte da Terra se comete mais essa figura da pronunciação que nestes reinos, por causa das muitas nações que trouxemos ao jugo do nosso serviço. Porque bem como os Gregos e Romanos haviam por bárbaras todas as outras nações estranhas a eles, por não poderem formar sua linguagem, assim nós podemos dizer que as nações de África, Guiné, Ásia, Brasil barbarizam quando querem imitar a nossa. - BARROS, J. Gramática da língua portuguesa. Porto: Porto Editora, 1957 (adaptado). Os textos abordam o contato da língua portuguesa com outras línguas e processos de variação e de mudança decorridos desse contato. Da comparação entre os textos, conclui-se que a posição de João de Barros (Texto II), em relação aos usos sociais da linguagem, revela a) atitude crítica do autor quanto à gramática que as nações a serviço de Portugal possuíam e, ao mesmo tempo, de benevolência quanto ao conhecimento que os povos tinham de suas línguas. b) atitude preconceituosa relativa a vícios culturais das nações sob domínio português, dado o interesse dos falantes dessa línguas em copiar a língua do império, o que implicou a falência do idioma falado em Portugal. c) o desejo de conservar, em Portugal, as estruturas da variante padrão da língua grega — em oposição às consideradas bárbaras —, em vista da necessidade de preservação do padrão de correção dessa língua à época. d) adesão à concepção de língua como entidade homogênea e invariável, e negação da ideia de que a língua portuguesa pertence a outros povos. e) atitude crítica, que se estende à própria língua portuguesa, por se tratar de sistema que não disporia de elementos necessários para a plena inserção sociocultural de falantes não nativos do português. ENEM 2009 Cuitelinho Cheguei na bera do porto Onde as onda se espaia. As garça dá meia volta, Senta na bera da praia. E o cuitelinho não gosta Que o botão da rosa caia. Quando eu vim da minha terra, Despedi da parentaia. Eu entrei em Mato Grosso, Dei em terras paraguaia. Lá tinha revolução, Enfrentei fortes bataia. A tua saudade corta
  • 5. 5 Como o aço de navaia. O coração fica aflito, Bate uma e outra faia. E os oio se enche d´água Que até a vista se atrapaia. Folclore recolhido por Paulo Vanzolini e Antônio Xandó. BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna. São Paulo: Parábola, 2004. Transmitida por gerações, a canção Cuitelinho manifesta aspectos culturais de um povo, nos quais se inclui sua forma de falar, além de registrar um momento histórico. Depreende-se disso que a importância em preservar a produção cultural de uma nação consiste no fato de que produções como a canção Cuitelinho evidenciam a a) recriação da realidade brasileira de forma ficcional. b) criação neológica na língua portuguesa. c) formação da identidade nacional por meio da tradição oral. d) incorreção da língua portuguesa que é falada por pessoas do interior do Brasil. e) padronização de palavras que variam regionalmente, mas possuem mesmo significado. ENEM Abatidos pelo fadinho harmonioso e nostálgico dos desterrados, iam todos, até mesmo os brasileiros, se concentrando e caindo em tristeza; mas, de repente, o cavaquinho de Porfiro, acompanhado pelo violão do Firmo, romperam vibrantemente com um chorado baiano. Nada mais que os primeiros acordes da música crioula para que o sangue de toda aquela gente despertasse logo, como se alguém lhe fustigasse o corpo com urtigas bravas. E seguiram-se outra notas, e outras, cada vez mais ardentes e mais delirantes. Já não eram dois instrumentos que soavam, eram lúbricos gemidos e suspiros soltos em torrente, a correrem serpenteando, como cobras numa floresta incendiada; eram ais convulsos, chorados em frenesi de amor: música feita de beijos e soluços gostosos; carícia de fera, carícia de doer, fazendo estalar de gozo. - AZEVEDO, A. O Cortiço. São Paulo: Ática, 1983 (fragmento). No romance O Cortiço (1890), de Aluísio Azevedo, as personagens são observadas como elementos coletivos caracterizados por condicionantes de origem social, sexo e etnia. Na passagem transcrita, o confronto entre brasileiros e portugueses revela prevalência do elemento brasileiro, pois a) destaca o nome de personagens brasileiras e omite o de personagens portuguesas. b) exalta a força do cenário natural brasileiro e considera o do português inexpressivo. c) mostra o poder envolvente da música brasileira, que cala o fado português. d) destaca o sentimentalismo brasileiro, contrário à tristeza dos portugueses. e) atribui aos brasileiros uma habilidade maior com instrumentos musicais. O folclore é o retrato da cultura de um povo. A dança popular e folclórica é uma forma de representar a cultura regional, pois retrata seus valores, crenças, trabalho e significado. Dançar a cultura de outras regiões é conhece-la , é de alguma forma se apropriar dela, é enriquecer a própria cultura. - BREGOLATO, R. A. Cultura Corporal da Dança. São Paulo: Ícone, 2007. As manifestações folclóricas perpetuam uma tradição cultural, é obra de um povo que a cria, recria e a perpetua. Sob esta abordagem deixa-se de identificar como dança folclórica brasileira a) o Bumba-meu-boi, que é uma dança teatral onde personagens contam uma história envolvendo crítica social, morte e ressurreição. b) a Quadrilha das festas juninas, que associam festejos religiosos a celebrações de origens pagãs envolvendo as colheitas e a fogueira. c) o Congado, que é uma representação de um reinado africano onde se homenageia santos através de música, cantos e dança. d) o Balé, em que se utilizam músicos, bailarinos e Vários outros profissionais para contar uma história em forma de espetáculo. e) o Carnaval, em que o samba derivado do batuque africano é utilizado com o objetivo de contar ou recriar uma história nos desfiles. ENEM Soneto Já da morte o palor me cobre o rosto, Nos lábios meus o alento desfalece, Surda agonia o coração fenece, E devora meu ser mortal desgosto! Do leito embalde no macio encosto Tento o sono reter!... já esmorece O corpo exausto que o repouso esquece... Eis o estado em que a mágoa me tem posto! O adeus, o teu adeus, minha saudade, Fazem que insano do viver me prive E tenha os olhos meus na escuridade. Dá-me a esperança com que o ser mantive! Volve ao amante os olhos por piedade, Olhos por quem viveu quem já não vive! AZEVEDO, A. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2000. O núcleo temático do soneto citado é típico da segunda geração romântica, porém configura um lirismo que o projeta para além desse momento específico. O fundamento desse lirismo é a) a angústia alimentada pela constatação da irreversibilidade da morte. b) a melancolia que frustra a possibilidade de reação diante da perda. c) o descontrole das emoções provocado pela autopiedade. d) o desejo de morrer como alívio para a desilusão amorosa. e) o gosto pela escuridão como solução para o sofrimento.
  • 6. ENEM A partir dos efeitos fisiológicos do exercício físico no organismo, apresentados na figura, são adaptações benéficas à saúde de um indivíduo: a) Diminuição da frequência cardíaca em repouso e aumento da oxigenação do sangue. b) Diminuição da oxigenação do sangue e aumento da frequência cardíaca em repouso. c) Diminuição da frequência cardíaca em repouso e aumento da gordura corporal. d) Diminuição do tônus muscular e aumento do percentual de gordura corporal. e) Diminuição da gordura corporal e aumento da frequência cardíaca em repouso. ________________________________________________ TEXTO 1 1 Muitos pensam que a pesquisa científica é uma atividade puramente racional, na qual o objetivo lógico é o único mecanismo capaz de gerar conhecimento. Como resultado, os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente. Essa generalização, como a maioria das generalizações, me parece profundamente injusta, já que ela não incorpora a motivação mais importante do cientista, o seu fascínio pela Natureza e seus mistérios. Que outro motivo justificaria a dedicação de toda uma vida ao estudo dos fenômenos naturais, senão uma profunda veneração pela beleza? A ciência vai muito além da sua mera prática. Por trás das fórmulas complicadas, das tabelas de dados experimentais e da linguagem técnica, encontra-se uma pessoa tentando transcender as barreiras imediatas da vida diária, guiada por um insaciável desejo de adquirir um nível mais profundo de conhecimento e de realização própria. Sob esse prisma, o processo criativo científico não é assim tão diferente do processo criativo nas artes, isto é, um veículo de autodescoberta que se manifesta ao tentarmos capturar a nossa essência e lugar no Universo. 2 Para a maioria dos cientistas, o estudo da Natureza é encarado como desafio intelectual. Sua motivação para enfrentar esse desafio vem de uma profunda fé na capacidade da razão humana de poder entender o mundo a sua volta. A física se transforma em uma ferramenta desenhada para decifrar os enigmas da Natureza, a encarnação desse processo racional de descoberta. Como escreveu Richard Feynman (...), 3 Imagine que o mundo seja algo como uma gigantesca partida de xadrez sendo disputada pelos deuses, e que nós fazemos parte da audiência. Não sabemos quais são as regras do jogo; podemos apenas observar seu desenrolar. Em princípio, se observarmos por tempo suficiente, iremos descobrir algumas das regras. As regras do jogo é o que chamamos de física fundamental. (FEYNMAN, v. 1, p. 2) 4 Podemos interpretar esse texto de dois modos diversos. Um é dizer que a física é apenas um modo racional de estudar a Natureza; outro é dizer que a física é mais que um mero desafio intelectual, que a física é a linguagem dos deuses. 5 A maioria dos cientistas modernos opta pela primeira interpretação. Mas alguns não. Para estes, a busca do conhecimento científico possui elementos essencialmente místicos, uma espécie de conexão com uma fonte de inteligência superior. Talvez isso venha a chocar muita gente, incluindo vários cientistas. Contudo, se voltarmos um pouco no tempo, veremos que alguns dos cientistas responsáveis pelo desenvolvimento de nossa visão do Universo eram profundamente religiosos. Acredito que o misticismo, se interpretado como a incorporação da nossa irresistível atração pelo desconhecido, tem um papel fundamental no processo criativo de vários cientistas tanto do passado como do presente. Negar esse fato é fechar os olhos para a história e para um aspecto fundamental da ciência. (...)
  • 7. 7 GLEISER, Marcelo. A dança do universo: dos mitos da Criação ao Big-Bang. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. p. 17; 19- 20. (com adaptações) Considerando a leitura e a compreensão do texto 1, assinale a alternativa que contém o título que representa o seu conteúdo global, isto é, que integra as informações do texto na sua totalidade. a) Os mistérios da Natureza. b) A complexidade das pesquisas científicas. c) A importância da física para a humanidade. d) Fascínio, criatividade e misticismo na ciência. e) A precisão da linguagem técnica na pesquisa científica. Na construção do texto 1, o autor emprega diferentes recursos linguísticos e expressivos os quais produzem certos efeitos de sentido. Sobre esse aspecto, analise as afirmativas a seguir: I. A ironia está presente no questionamento: “Que outro motivo justificaria a dedicação de toda uma vida ao estudo dos fenômenos naturais, senão uma profunda veneração pela beleza?” (1º parágrafo) II. Um ponto de vista discordante é introduzido pela expressão “isto é”: “o processo criativo científico não é assim tão diferente do processo criativo nas artes, isto é, um veículo de autodescoberta que se manifesta (...)”. (1º parágrafo) III. A citação de texto alheio, uma das marcas do texto expositivo de caráter científico, é introduzida em “Como escreveu Richard Feynman, (...)”. (2º parágrafo) IV. O contraste entre posicionamentos distintos aparece por meio de paralelismo, como em “um é dizer que a física é apenas um modo racional de estudar a natureza; outro é dizer que a física é mais que um mero desafio intelectual (...)”. (4º parágrafo) V. A adesão a uma ideia pode ser perceptível em construções como “Acredito que o misticismo (...) tem um papel fundamental no processo criativo de vários cientistas (...)”. (5º parágrafo) Está CORRETO o que se afirma em a) I, II e III. b) I, III e IV. c) II, III e V. d) II, IV e V. e) III, IV e V. No texto 1, o autor se manifesta ora na primeira pessoa do singular ora na primeira pessoa do plural. Essa mudança tem relação com a) a alternância de papéis assumidos pelo autor, que se apresenta ora como pessoa comum ora como grande cientista. b) o grau de envolvimento com o tema, em que um ponto de vista é defendido de modo pessoal ou com a inclusão do leitor. c) a inobservância da norma-padrão, aceitável em prol de uma maior aproximação com o leitor. d) a neutralidade própria do conhecimento científico que permite uma maior ou menor aproximação do objeto de estudo. e) a rigidez da linguagem científica, tendo em vista certas especificidades técnicas. Quanto à norma-padrão de concordância verbal, analise as afirmativas a seguir: I. No trecho “os cientistas são vistos como insensíveis e limitados, um grupo de pessoas que corrompe a beleza da Natureza” (1º parágrafo), o verbo sublinhado também poderia ficar no plural, concordando com “pessoas”. II. No trecho “Essa generalização, como a maioria das generalizações, me parece profundamente injusta” (1º parágrafo), por se tratar de um caso de duplo sujeito, recomenda-se a pluralização da forma verbal. III. No trecho “Por trás das fórmulas complicadas, das tabelas de dados experimentais e da linguagem técnica, encontra-se uma pessoa tentando transcender as barreiras imediatas da vida diária” (1º parágrafo), o verbo sublinhado também poderia estar no plural, concordando com o sujeito composto que o antecede. IV. No trecho “A maioria dos cientistas modernos opta pela primeira interpretação” (5º parágrafo), o verbo também poderia ficar no plural, concordando com “cientistas”. V. No trecho “se voltarmos um pouco no tempo, veremos que alguns dos cientistas responsáveis pelo desenvolvimento de nossa visão do Universo eram profundamente religiosos” (5º parágrafo), a expressão partitiva sublinhada torna facultativa a concordância verbal no plural. Está CORRETO somente o que se afirma em a) I, II e V. b) I, III e IV. c) I e IV. d) III e V. e) III, IV e V. De acordo com a norma-padrão, o uso do acento grave indicativo da crase é facultativo em algumas construções. Assinale o trecho no qual, sem comprometer o sentido, o referido acento também poderia ser utilizado. a) “um grupo de pessoas que corrompe à beleza da Natureza ao analisá-la matematicamente”. (1º parágrafo) b) “ela não incorpora à motivação mais importante do cientista”. (1º parágrafo) c) “encontra-se uma pessoa tentando transcender às barreiras imediatas da vida diária”. (1º parágrafo) d) “capacidade da razão humana de poder entender o mundo à sua volta”. (2º parágrafo)
  • 8. 8 e) “Talvez isso venha à chocar muita gente”. (5º parágrafo) TEXTO 2 Gosto de olhar as capas das revistas populares no supermercado nestes tempos de corrida do ouro da classe C. A classe C é uma versão sem neve e de biquíni do Yukon do tio Patinhas quando jovem pato. Lembro do futuro milionário disneyano enfrentando a nevasca para obter suas primeiras patacas. Era preciso conquistar aquele território com a mesma sofreguidão com que se busca, agora, fincar a bandeira do consumo no seio dos emergentes brasileiros. Em termos jornalísticos, é sempre aquela concepção de não oferecer o biscoito fino para a massa. É preciso dar o que a classe C quer ler – ou o que se convencionou a pensar que ela quer ler. Daí as políticas de didatismo nas redações, com o objetivo de deixar o texto mastigado para o leitor e tornar estanque a informação dada ali. Como se não fosse interessante que, ao não compreender algo, ele fosse beber em outras fontes. Hoje, com a Internet, é facílimo, está ao alcance da vista de quase todo mundo. Outro aspecto é seguir ao pé da letra o que dizem as pesquisas na hora de confeccionar uma revista popular. Tomemos como exemplo a pesquisa feita por uma grande editora sobre “a mulher da classe C” ou “nova classe média”. Lá, ficamos sabendo que: a mulher da classe C vai consumir cada vez mais artigos de decoração e vai investir na reforma de casa; que ela gasta muito com beleza, sobretudo o cabelo; que está preocupada com a alimentação; e que quer ascender social e profissionalmente. É com base nestes números que a editora oferece o produto – a revista – ao mercado de anunciantes. Normal. Mas no que se transformam, para o leitor, estes dados? Preocupação com alimentação? Dietas amalucadas? A principal chamada de capa destas revistas é alguma coisa esdrúxula como: “perdi 30 kg com fibras naturais”, “sequei 22 quilos com cápsulas de centelha asiática”, “emagreci 27 kg com florais de Bach e colágeno”, “fiquei magra com a dieta da aveia” ou “perdi 20 quilos só comendo linhaça”. Pelo amor de Deus, quem é que vai passar o dia comendo linhaça? Estão confundindo a classe C com passarinho, só pode. Quer reformar a casa? Nada de dicas de decoração baratas e de bom gosto. O objetivo é ensinar como tomar empréstimo e comprar móveis em parcelas. Ou então alguma coisa “criativa” que ninguém vai fazer, tipo uma parede toda de filtros de café usados. Juro que li isso. A parte de ascensão profissional vem em matérias como “fiquei famosa vendendo bombons de chocolate feitos em casa” ou “lucro 2500 reais por mês com meus doces”. Falar das possibilidades de voltar a estudar, de ter uma carreira ou se especializar para ser promovido no trabalho? Nada. Dicas culturais de leitura, filmes, música, então, nem pensar. Cada vez que vejo pesquisas dizendo que a mídia impressa está em baixa penso nestas revistas. A internet oferece grátis à classe C um cardápio ainda pobre, mas bem mais farto. Será que a nova classe média quer realmente ler estas revistas? A vendagem delas é razoável, mas nada impressionante. São todas inspiradas nas revistas populares inglesas, cuja campeã é a “Take a Break”. A fórmula é a mesma de uma “Sou + Eu”: dietas, histórias reais de sucesso ou escabrosas e distribuição de prêmios. Além deste tipo de abordagem também fazem sucesso as publicações de fofocas de celebridades ou sobre programas de TV – aqui, as novelas. Sei que deve ser utopia, mas gostaria de ver publicações para a classe C que ensinassem as pessoas a se alimentar melhor, que mostrassem como a obesidade anda perigosa no Brasil porque se come mal. Atacando, inclusive, refrigerantes, redes de fast food e guloseimas, sem se preocupar em perder anunciantes. Que priorizassem não as dietas, mas a educação alimentar e a importância de fazer exercícios e de levar uma vida saudável. Gostaria de ver reportagens ensinando as mulheres da classe C a se sentirem bem com seu próprio cabelo, muitas vezes cacheado, em vez de simplesmente copiarem as famosas. Que mostrassem como é possível se vestir bem gastando pouco, sem se importar com marcas. Gostaria de ler reportagens nas revistas para a classe C alertando os pais para que vejam menos televisão e convivam mais com os filhos. Que falassem da necessidade de tirar as crianças do computador e de levá-las para passear ao ar livre. Que tivessem dicas de livros, notícias sobre o mundo, ciências, artes – é possível transformar tudo isso em informação acessível e não apenas para conhecedores, como se a cultura fosse patrimônio das classes A e B. Gostaria, enfim, de ver revistas populares que fossem feitas para ler de verdade, e que fizessem refletir. Mas a quem interessa que a classe C tenha suas próprias ideias? (Cynara Menezes, 15/07/2011, em: http://www.cartacapital.com.br/politica/o-que-quer-a-classe-c) Embora todas as opções estejam respaldadas no texto, a crítica mais abrangente da autora às revistas dirigidas às mulheres da classe C deve-se ao fato de tais revistas a) sugerirem dietas amalucadas. b) fornecerem soluções equivocadas para os anseios das mulheres da classe C. c) levarem muito a sério as pesquisas sobre as mulheres da classe C. d) sugerirem às possíveis leitoras terem seus próprios negócios. e) terem como principal preocupação o consumo. Para a autora, um bom texto é aquele que
  • 9. 9 I. explicita ao máximo as informações para o leitor. II. leva o leitor a procurar outras fontes de informação. III. possibilita a reflexão do leitor. IV. necessita de pouco tempo para ser lido e compreendido. Está correto o que se afirma apenas em a) I e II. b) I e III. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV. Das opções abaixo, a única que NÃO apresenta linguagem informal é a) Hoje, com a Internet, é facílimo, está ao alcance da vista de quase todo mundo. (linhas 9 e 10) b) [...] a editora oferece o produto – a revista – ao mercado de anunciantes. Normal. (linha 14 e 15) c) Estão confundindo a classe C com passarinho, só pode. (linha 20) d) [...] tipo uma parede toda de filtros de café usados. [...]. (linhas 21 e 22) e) Dicas culturais de leitura, filmes, música, então, nem pensar. (linha 26) Considere as seguintes afirmações relativas a aspectos sintático-semânticos do texto I. A chamada “perdi 20 quilos só comendo linhaça” foi interpretada como “perdi 20 quilos comendo só linhaça”. II. Nos dois últimos parágrafos, há recorrência de períodos fragmentados em que faltam as orações principais. III. Devido à estrutura da frase “Que mostrassem como é possível se vestir bem gastando pouco, sem se importar com marcas”, o segundo período ficaria melhor se fosse assim: “sem se importassem com marcas”. Está correto o que se afirma apenas em a) I. b) I e II. c) II. d) II e III. e) III. According to the comics, answer questions 22, 23 and 24. Is it the first time the man is going to sleep in the doghouse? a) No, it’s not the first time the man is going to sleep in the doghouse. b) Yes, it’s the first time the man’s going to sleep in the doghouse. c) Yes, the dog is the owner of the man. d) Yes, for the first time the the man does’t have a house to live in. e) No, the man and the woman are just married. Why is the man going to sleep in the doghouse? a) Because he’s celebrating his wedding’s anniversary. b) Because he’s planning on being a guest. c) Because he wants to live in the doghouse. d) Maybe he’s in a good relationship with his wife. e) Probably because he had an argument with his wife. INGLÊS
  • 10. 10 The sentence “Are you planning on being our guest for one night only?” is in the: a) simple present tense. b) present continuous tense. c) simple future tense. d) past continuous tense. e) present perfect tense. 1 2 3 According to the comics above, a) the man is paying very much attention to the woman. b) the man is listening carefully to the woman. c) the man didn`t pay any attention to the woman. d) the woman is agreeing with the man. e) the man and the woman are taking to each other. The word “ago” means something that a) has happened. b) would happen. c) will happen. d) is going to happen. e) happened. When someone agrees with someone else, it means: A) none of them is interested in agreeing to each other. B) they both are interested in different things. C) someone speaks but the other one doesn’t listen to. D) both people have the same idea. E) they are fighting because of different ideas. ENEM O Zé Pereira chegou de caravela E preguntou pro guarani da mata virgem – Sois cristão? – Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte Teterê tetê Quizá Quizá Quecê! Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu! O negro zonzo saído da fornalha Tomou a palavra e respondeu – Sim pela graça de Deus – Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum! E fizeram o Carnaval (Oswald de Andrade) Este texto apresenta uma versão humorística da formação do Brasil, mostrando-a como uma junção de elementos diferentes. Considerando-se esse aspecto, é correto afirmar que a visão apresentada pelo texto é a) ambígua, pois tanto aponta o caráter desconjuntado da formação nacional, quanto parece sugerir que esse processo, apesar de tudo, acaba bem. b) inovadora, pois mostra que as três raças formadoras – portugueses, negros e índios – pouco contribuíram para a formação da identidade brasileira. c) moralizante, na medida em que aponta a precariedade da formação cristã do Brasil como causa da predominância de elementos primitivos e pagãos. d) preconceituosa, pois critica tanto índios quanto negros, representando de modo positivo apenas o elemento europeu, vindo com as caravelas. e) negativa, pois retrata a formação do Brasil como incoerente e defeituosa, resultando em anarquia e falta de seriedade. ENEM O movimento hip-hop é tão urbano quanto as grandes construções de concreto e as estações de metrô, e cada dia se torna mais presente nas grandes metrópoles mundiais. Nasceu na periferia dos bairros pobres de Nova lorque. É formado por três elementos: a música (o rap), as artes plásticas (o grafite) e a dança (o break). No hip-hop os jovens usam as expressões artísticas como uma HISTÓRIA
  • 11. 11 forma de resistência política. Enraizado nas camadas populares urbanas, o hip-hop afirmou-se no Brasil e no mundo com um discurso político a favor dos excluídos, sobretudo dos negros. Apesar de ser um movimento originário das periferias norte-americanas, não encontrou barreiras no Brasil, onde se instalou com certa naturalidade – o que, no entanto, não significa que o hip-hop brasileiro não tenha sofrido influências locais. O movimento no Brasil é híbrido: rap com um pouco de samba, break parecido com capoeira e grafite de cores muito vivas. (Adaptado de Ciência e Cultura, 2004) De acordo com o texto, o hip-hop é uma manifestação artística tipicamente urbana, que tem como principais características. a) a ênfase nas artes visuais e a defesa do caráter nacionalista. b) a alienação política e a preocupação com o conflito de gerações. c) a afirmação dos socialmente excluídos e a combinação de linguagens. d) a integração de diferentes classes sociais e a exaltação do progresso. e) a valorização da natureza e o compromisso com os ideais norte-americanos. ENEM Constituição de 1824: “Art. 98. O Poder Moderador é a chave de toda a organização política, e é delegado privativamente ao Imperador. (...) para que incessantemente vele sobre a manutenção da Independência, equilíbrio, e harmonia dos demais poderes políticos (...) dissolvendo a Câmara dos Deputados nos casos em que o exigir a salvação do Estado.” Frei Caneca: “O Poder Moderador da nova invenção maquiavélica é a chave mestra da opressão da nação brasileira e o garrote mais forte da liberdade dos povos. Por ele, o imperador pode dissolver a Câmara dos Deputados, que é a representante do povo, ficando sempre no gozo de seus direitos o Senado, que é o representante dos apaniguados do imperador.” (Voto sobre o juramento do projeto de Constituição) Para Frei Caneca, o Poder Moderador definido pela Constituição outorgada pelo Imperador em 1824 era a) adequado ao funcionamento de uma monarquia constitucional, pois os senadores eram escolhidos pelo Imperador. b) eficaz e responsável pela liberdade dos povos, porque garantia a representação da sociedade nas duas esferas do poder legislativo. c) arbitrário, porque permitia ao Imperador dissolver a Câmara dos Deputados, o poder representativo da sociedade. d) neutro e fraco, especialmente nos momentos de crise, pois era incapaz de controlar os deputados representantes da Nação. e) capaz de responder às exigências políticas da nação, pois supria as deficiências da representação política. (UPE) O Pensamento iluminista foi uma das críticas mais intensas, que recaíram sobre o chamado Antigo Regime europeu. Com forte apoio da burguesia, o Iluminismo, por meio de seus principais pensadores, lançou as bases teóricas do mundo contemporâneo. Sobre essas contribuições, analise as afirmações abaixo: I. A Enciclopédia de Diderot e D’Alambert foi editada em vários países da Europa, difundindo o liberalismo político; II. O conceito de Contrato Social apresentado por Rousseau possibilitou a materialização da noção de representação política; III. As críticas de Voltaire e de Diderot à Igreja Católica defendiam uma sociedade laica; IV. A condenação da propriedade privada por Rousseau foi adotada nos países capitalistas do século XX; V. A tripartição do poder, defendida por Montesquieu, foi adotada pelos países democráticos do Ocidente. Estão CORRETAS a) I, III e V. b) II, IV e V. c) II, III e V. d) III, IV e V. e) II, III e IV. ENEM O que se entende por Corte do antigo regime é, em primeiro lugar, a casa de habitação dos reis de França, de suas famílias, de todas as pessoas que, de perto ou de longe, dela fazem parte. As despesas da Corte, da imensa casa dos reis, são consignadas no registro das despesas do reino da França sob a rubrica significativa de Casas Reais. - ELIAS, N. A sociedade de corte. Lisboa: Estampa, 1987. Algumas casas de habitação dos reis tiveram grande efetividade política e terminaram por se transformar em patrimônio artístico e cultural, cujo exemplo é: a) o palácio de Versalhes. b) o Museu Britânico. c) a catedral de Colônia. d) a Casa Branca. e) a pirâmide do faraó Quéops.
  • 12. 12 ENEM- Algumas transformações que antecederam a Revolução Francesa podem ser exemplificadas pela mudança de significado da palavra "restaurante". Desde o final da Idade Média, a palavra 'restaurant' designava caldos ricos, com carne de aves e de boi, legumes, raízes e ervas. Em 1765 surgiu, em Paris, um local onde se vendiam esses caldos, usados para restaurar as forças dos trabalhadores. Nos anos que precederam a Revolução, em 1789, multiplicaram-se diversos 'restaurateurs', que serviam pratos requintados, descritos em páginas emolduradas e servidos não mais em mesas coletivas e mal cuidadas, mas individuais e com toalhas limpas. Com a Revolução, cozinheiros da corte e da nobreza perderam seus patrões, refugiados no exterior ou guilhotinados, e abriram seus restaurantes por conta própria. Apenas em 1835, o Dicionário da Academia Francesa oficializou a utilização da palavra restaurante com o sentido atual. A mudança do significado da palavra restaurante ilustra a) a ascensão das classes populares aos mesmos padrões de vida da burguesia e da nobreza. b) a apropriação e a transformação, pela burguesia, de hábitos populares e dos valores da nobreza. c) a incorporação e a transformação, pela nobreza, dos ideais e da visão de mundo da burguesia. d) a consolidação das práticas coletivas e dos ideais revolucionários, cujas origens remontam à Idade Média. e) a institucionalização, pela nobreza, de práticas coletivas e de uma visão de mundo igualitária. Homens da Inglaterra, por que arar para os senhores que vos mantêm na miséria? Por que tecer com esforços e cuidado as ricas roupas que vossos tiranos vestem? Por que alimentar, vestir e poupar do berço até o túmulo esses parasitas ingratos que exploram vosso suor — ah, que bebem vosso sangue? SHELLEY. Os homens da Inglaterra Apud HUBERMAN, L. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: Zahar, 1982. A análise do trecho permite identificar que o poeta romântico Shelley (1792-1822) registrou uma contradição nas condições socioeconômicas da nascente classe trabalhadora inglesa durante a Revolução Industrial. Tal contradição está identificada a) na pobreza dos empregados, que estava dissociada na riqueza dos patrões. b) no salário dos operários, que era proporcional aos seus esforços nas indústrias. c) na burguesia, que tinha seus negócios financiados pelo proletariado. d) no trabalho, que era considerado uma garantia de liberdade. e) na riqueza, que não era usufruída por aqueles que a produziam. (UFMG) Marx, em A Sagrada Família, afirmou que o Golpe de 18 Brumário de 1799 instaurou um regime que "concluiu o Terror, pondo no lugar da revolução permanente, a guerra permanente". Todas as alternativas contêm referências corretas relativas à afirmação acima, exceto: a) A concentração de um poder ditatorial nas mãos de Napoleão Bonaparte. b) A repressão interna desencadeada pelo novo regime sobre os opositores do golpe. c) As constantes campanhas militares empreendidas por Napoleão. d) As proibições impostas à burguesia no campo associativo. e) As severas interdições que limitaram a liberdade da imprensa francesa. A criança deve ser protegida contra as práticas que possam levar à discriminação racial, à discriminação religiosa ou a qualquer outra forma de discriminação. Fonte: Quino, TODA A MAFALDA, 1989, Lisboa, Publicações Don Quixote, p.420 Sabemos que, assim como na charge da Mafalda, também durante as diversas fases da Revolução Francesa discutiu-se a questão dos direitos humanos. Foi na Era Napoleônica (1799-1815) que alguns desses direitos foram assegurados e vêm até os dias de hoje, como, por exemplo, a(o): a) propriedade privada. b) organização sindical em todos os trabalhos urbanos. c) jornada de trabalho de 8 horas diárias. d) greve por parte de todos trabalhadores. e) voto universal, incluindo o direito de voto das mulheres.
  • 13. 13 ENEM É verdade que nas democracias o povo parece fazer o que quer; mas a liberdade política não consiste nisso. Deve-se ter sempre presente em mente o que é independência e o que é liberdade. A liberdade é o direito de fazer tudo o que as leis permitem; se um cidadão pudesse fazer tudo o que elas proíbem, não teria mais liberdade, porque os outros também teriam tal poder. - MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis. A característica de democracia ressaltada por Montesquieu diz respeito a) ao status de cidadania que o indivíduo adquire ao tomar as decisões por si mesmo. b) ao condicionamento da liberdade dos cidadãos à conformidade às leis. c) à possibilidade de o cidadão participar no poder e, nesse caso, livre da submissão às leis. d) ao livre-arbítrio do cidadão em relação àquilo que é proibido, desde que ciente das consequências. e) ao direito do cidadão exercer sua vontade de acordo com seus valores pessoais. ENEM "Quando se diz que a liberdade de um acaba quando começa a liberdade do outro, o que se procura no fundo é evitar o questionamento do que deva ser a liberdade. A posição limita-se a considerar o seu exercício, sem maiores especulações sobre o que efetivamente possa ser considerado como liberdade. Nestas condições, admite-se como direito de liberdade de um indivíduo ele realizar tudo quanto queira desde que suas ações não venham interferir na vida do outro." Com base no texto acima, escolha a alternativa INCORRETA: a) O ditado popular sobre os limites da liberdade, citado acima, longe de a explicar, foge do questionamento sobre ela. b) A afirmação de que a liberdade de um termina na liberdade do outro diz respeito apenas ao exercício concreto da liberdade, sem no entanto preocupar- se com seu verdadeiro sentido. c) O verdadeiro conceito sobre o que seja a liberdade reside no ditado popular que afirma que "a minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro." d) Quando pensamos apenas na prática da liberdade, toda a ação é possível para o indivíduo, desde que não interfira com o outro. e) Em geral, os indivíduos estão mais preocupados com o exercício concreto da liberdade do que com seu conceito. ENEM “Quando Édipo nasceu, seus pais, Laio e Jocasta, os reis de Tebas, foram informados de uma profecia na qual o filho mataria o pai e se casaria com a mãe. Para evitá-la, ordenaram a um criado que matasse o menino. Porém, penalizado com a sorte de Édipo, ele o entregou a um casal de camponeses que morava longe de Tebas para que o criasse. Édipo soube da profecia quando se tornou adulto. Saiu então da casa de seus pais para evitar a tragédia. Eis que, perambulando pelos caminhos da Grécia, encontrou-se com Laio e seu séquito, que,insolentemente, ordenou que saísse da estrada. Édipo reagiu e matou todos os integrantes do grupo, sem saber que entre eles estava seu verdadeiro pai. Continuou a viagem até chegar em Tebas, dominada por uma Esfinge. Ele decifrou o enigma da Esfinge, tornou-se rei de Tebas e casou-se com a rainha, Jocasta, a mãe que desconhecia”. Disponível em: http://www.culturabrasil.org. Acesso em: 28/08/2010 (adaptado). No mito Édipo Rei, são dignos de destaque os temas do destino e do determinismo. Ambos são características do mito grego e abordam a relação entre liberdade humana e providência divina. A expressão filosófica que toma como pressuposta a tese do determinismo é: a) “Nasci para satisfazer a grande necessidade que eu tinha de mim mesmo.” (Jean Paul Sartre) b) “Ter fé é assinar uma folha em branco e deixar que Deus nela escreva o que quiser.” (Santo Agostinho) c) “Quem não tem medo da vida também não tem medo da morte.” (Arthur Schopenhauer) d) “Não me pergunte quem sou eu e não me diga para permanecer o mesmo.” (Michel Foucault) e) “O homem, em seu orgulho, criou a Deus a sua imagem e semelhança.” (Friedrich Nietzsche) FILOSOFIA
  • 14. 14 Leia a tirinha de Mafalda abaixo: Nela, observa-se, a exaltação de Mafalda à Pátria, chamando a atenção para amá-la todos os dias. A reflexão de Mafalda faz referência a um conceito sociológico importante para compreender a participação dos membros de uma sociedade na vida pública: a cidadania. Acerca desse assunto, assinale a alternativa CORRETA. a) A cidadania é um conjunto de leis e de normas construídas pelo Estado para organizar a estrutura social, em que os indivíduos contribuem com a obediência a elas. b) Viver a cidadania diariamente é ser capaz de usufruir dos benefícios legais garantidos pelo Estado aos seus membros. c) A cidadania plena é a capacidade que o indivíduo possui de tomar decisões, sendo representado por um advogado diante das autoridades públicas. d) Os direitos civis, na cidadania, se referem à liberdade vivida coletivamente. e) No Brasil, a cidadania é conquistada pelos movimentos sociais, e a Constituição brasileira de 1988 funciona como um apaziguador de conflitos. A Revolução Industrial marcou fortemente o surgimento do capitalismo como modo de produção dominante nas sociedades modernas. Todavia, para que vigorasse como predominante, foram instituídas algumas características. Com base nesse contexto, assinale a alternativa que indica um desses aspectos do capitalismo industrial. a) A propriedade privada dos meios de produção. b) Inexistência de classes. c) O objetivo da economia como bem coletivo. d) Controle dos preços mantidos estáveis pelo governo por vários anos. e) Planificação e centralização da economia. Karl Marx (1818-1883) analisou o trabalho na sociedade capitalista, procurando demonstrar a existência de conflitos entre trabalhadores e capitalistas (burgueses detentores dos meios de produção). Essa abordagem teórica demonstrou como ocorre a acumulação do capital nesse tipo de relação social. MAIS-VALIA é uma expressão marxista, cujo conceito explica como se constituem as relações entre trabalhadores e patrões. Sobre o conceito de MAIS-VALIA, é CORRETO afirmar que é a) A distribuição igualitária dos lucros produzidos pela força de trabalho. b) O ganho real do trabalhador, baseado na acumulação de capital, por parte do capitalista. c) O valor-trabalho produzido pelos operários para ganhar o salário adequado a suas atividades. d) Toda hora de trabalho a mais que o capitalista aliena do trabalhador para obter mais lucros. e) A substituição do trabalho manual pelo trabalho assalariado como divisão igualitária dos lucros obtidos pelo processo produtivo. ENEM - A formação dos Estados foi certamente distinta na Europa, na América Latina, na África e na Ásia. Os Estados atuais, em especial na América Latina — onde as instituições das populações locais existentes à época da conquista ou foram eliminadas, como no caso do México e do Peru, ou eram frágeis, como no caso do Brasil —, são o resultado, em geral, da evolução do transplante de instituições europeias feito pelas metrópoles para suas colônias. Na África, as colônias tiveram fronteiras arbitrariamente traçadas, separando etnias, idiomas e tradições, que, mais tarde, sobreviveram ao processo de descolonização, dando razão para conflitos que, muitas vezes, têm sua verdadeira origem em disputas pela exploração de recursos naturais. Na Ásia, a colonização europeia se fez de forma mais indireta e encontrou sistemas políticos e administrativos mais sofisticados, aos quais se superpôs. Hoje, aquelas formas anteriores de organização, ou pelo menos seu espírito, sobrevivem nas organizações políticas do Estado asiático. GUIMARÃES, S. P. Nação, nacionalismo, Estado. Estudos Avançados. São Paulo: EdUSP, v. 22, n.º 62, jan.- abr. 2008 (adaptado). SOCIOLOGIA GEOGRAFIA
  • 15. 15 Relacionando as informações ao contexto histórico e geográfico por elas evocado, assinale a opção correta acerca do processo de formação socioeconômica dos continentes mencionados no texto. a) Devido à falta de recursos naturais a serem explorados no Brasil, conflitos étnicos e culturais como os ocorridos na África estiveram ausentes no período da independência e formação do Estado brasileiro b) A maior distinção entre os processos histórico formativos dos continentes citados é a que se estabelece entre colonizador e colonizado, ou seja, entre a Europa e os demais. c) À época das conquistas, a América Latina, a África e a Ásia tinham sistemas políticos e administrativos muito mais sofisticados que aqueles que lhes foram impostos pelo colonizador. d) Comparadas ao México e ao Peru, as instituições brasileiras, por terem sido eliminadas à época da conquista, sofreram mais influência dos modelos institucionais europeus. e) O modelo histórico da formação do Estado asiático equipara-se ao brasileiro, pois em ambos se manteve o espírito das formas de organização anteriores à conquista. ENEM - Cândido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas brasileiros do século XX, tratou de diferentes aspectos da nossa realidade em seus quadros. Sobre a temática dos “Retirantes”, Portinari também escreveu o seguinte poema: (....) Os retirantes vêm vindo com trouxas e embrulhos Vêm das terras secas e escuras; pedregulhos Doloridos como fagulhas de carvão aceso Corpos disformes, uns panos sujos, Rasgados e sem cor, dependurados Homens de enorme ventre bojudo Mulheres com trouxas caídas para o lado Pançudas, carregando ao colo um garoto Choramingando, remelento (....) (Cândido Portinari. Poemas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1964.) Das quatro obras reproduzidas, assinale aquelas que abordam a problemática que é tema do poema. a) 1 e 2 b) 1 e 3 c) 2 e 3 d) 3 e 4 e) 2 e 4 É correto afirmar que as regiões destacadas em preto no mapa representam os países que a) formam os BRICS, conjunto de países emergentes, que possuem características comuns como, por exemplo, relevante crescimento econômico. b) priorizam a energia nuclear como matriz energética e, por esse motivo, investem no enriquecimento de urânio para abastecer suas usinas. c) são os maiores exportadores de produtos primários, como a cana-de-açúcar, banana e soja, por serem países de solo fértil. d) formam o bloco econômico NAFTA, que tem como finalidade eliminar as barreiras alfandegárias entre sues membros. e) formam o bloco denominado G5, que se caracteriza pela desaceleração da industrialização e pela crise econômica. No século XXI, a participação do Produto Interno Bruto (PIB) do Nordeste no PIB brasileiro vem aumentando paulatinamente, o que indica que a região passa por um ciclo de crescimento econômico. Os principais fatores responsáveis por esse fenômeno são: a) investimentos de grandes empresas em empreendimentos voltados para a promoção de economias solidárias e para o desenvolvimento de atividades de pequenos produtores agroextrativistas.
  • 16. 16 b) investimentos públicos em infraestrutura, concessões estatais de créditos e incentivos fiscais a empresas, e o aumento do consumo da população mais pobre, que passa a ter acesso ao crédito. c) investimentos de bancos privados em grandes obras de infraestrutura direcionadas para a transposição do Rio São Francisco e para a melhoria dos sistemas de transportes rodoviário e ferroviário da região. d) investimentos de bancos estrangeiros em empreendimentos voltados para a aquisição de grandes extensões de terras e para a instalação de rede hoteleira nas áreas litorâneas da região. e) Investimento dos Estados Unidos e União Europeia preocupados com a estagnação econômica do Estado de Pernambuco. ENEM - Ao longo do século XX, as características da população brasileira mudaram muito. Os gráficos mostram as alterações na distribuição da população da cidade e do campo e na taxa de fecundidade (número de filhos por mulher) no período entre 1940 e 2000. Comparando-se os dados dos gráficos, pode-se concluir que a) o aumento relativo da população rural é acompanhado pela redução da taxa de fecundidade. b) quando predominava a população rural, as mulheres tinham em média três vezes menos filhos do que hoje. c) a diminuição relativa da população rural coincide com o aumento do número de filhos por mulher. d) quanto mais aumenta o número de pessoas morando em cidades, maior passa a ser a taxa de fecundidade. e) com a intensificação do processo de urbanização, o número de filhos por mulher tende a ser menor. (UDESC) A década de 90, sobretudo a primeira metade, é reconhecida como um período de estabilidade da economia e de avanços sociais importantes, no Brasil. Analise as proposições sobre a década de 90 e as questões correlatas. I. De maneira geral pode-se inferir que a implantação da nova moeda – o Real, e o controle da inflação permitiram aumento do consumo e dos índices de desenvolvimento humano, diminuição da pobreza, melhor distribuição de renda. II. Certamente, pode-se afirmar que houve avanços sociais importantes no Brasil, mas a década de 90 também foi marcada por conflitos e lutas travadas em prol de direitos e ampliação de conquistas sociais. A exemplo, foram as lutas do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), dos movimentos em defesa dos indígenas, movimentos negros, feministas, afrodescendentes e ecologistas. III. A década de 90 também foi marcada por crises. A exemplo, a crise econômica internacional no final da década que colocou a economia brasileira em dificuldades; a ocorrência de privatizações controversas e o crescimento do défict público. IV. Na década de 90, inserção do país na ordem política internacional, os principais pontos da política externa pautavam-se no cultivo de relacionamento pacífico com os países vizinhos e na política de fortalecimento das relações regionais e conjuntas, como as voltadas ao Mercosul e à União Europeia, dentre outras. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas I e IV são verdadeiras. b) Somente as afirmativas II e III são verdadeiras. c) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras. d) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras. e) Todas as afirmativas são verdadeiras. (MACK) Segundo Wallerstein (1991), o capitalismo “... foi, desde o início, um elemento da economia mundial e não dos estados-nação. O capital nunca permitiu que suas aspirações fossem determinadas por fronteiras nacionais.” Considere as afirmações a respeito do modo de produção capitalista abaixo. I. O capitalismo comercial marca o período dos estados absolutos e do intervencionismo estatal na economia, o que denominamos de mercantilismo. II. O capitalismo financeiro globalizado acelera a concentração de capitais, gerando grandes
  • 17. 17 conglomerados econômicos; mas, em contrapartida ao avanço capitalista mundial, ampliou-se a exclusão social e a marginalização dos países periféricos. III. Tanto o capitalismo comercial quanto o capitalismo financeiro aplicam as diretrizes do liberalismo econômico, especialmente no que diz respeito ao livre comércio e ao fim dos monopólios comerciais. É correto assinalar que a) somente a afirmativa I está correta. b) somente a afirmativa III está correta. c) somente as afirmativas II e III estão corretas. d) somente as afirmativas I e III estão corretas. e) somente as afirmativas I e II estão corretas. (PUCRS) Resolver a questão com base nas informações a seguir, que tratam da atividade industrial. Os fatores locais variam ao longo do tempo e em função do tipo de indústria que se quer implantar. Atualmente podemos dizer que ocorre uma descentralização industrial em escala mundial, mas também em escala nacional e local, graças ao desenvolvi- mento dos setores de transportes, telecomunicações e informações. Como outros fatores a considerar na atividade industrial, citam-se: 1. fontes de energia 2. mercado consumidor 3. matérias primas 4. mão de obra Estão corretamente identificados os fatores a) 1 e 3, apenas. b) 2 e 4, apenas. c) 1, 2 e 4, apenas. d) 2, 3 e 4, apenas. e) 1, 2, 3 e 4. (UFPA) A apropriação antrópica dos recursos naturais renováveis e não renováveis como fontes energéticas tem aumentado consideravelmente nas últimas décadas, trazendo consequências socioambientais desastrosas para grande parte das populações da Terra. Neste contexto, é correto afirmar que (o) (a)(s): a) biocombustíveis obtidos do aproveitamento de matérias primas diversas têm sido a esperança de uma obtenção mais limpa de energia oriunda de recursos naturais renováveis. O Brasil é um dos países que tem investido na tecnologia de sua fabricação com aproveitamento de vegetais como a cana-de-açúcar para fabricação do etanol e da mamona e outros para o biodiesel. b) hidroeletricidade constitui a matriz energética da maioria dos países desenvolvidos industrializados, sendo considerada uma forma de energia não poluente, de baixo custo de aquisição e renovável, por estes motivos é largamente utilizada. c) carvão mineral é um dos combustíveis fósseis de recente utilização pelo setor fabril com um aproveitamento energético expressivo, em razão das insignificantes consequências ambientais que sua exploração acarreta, quase sempre pouco danosas no que diz respeito ao meio ambiente. d) petróleo é a principal fonte energética do planeta, sendo matéria prima fundamental para vários tipos de indústrias, é um combustível bastante nocivo para a saúde humana. Nos últimos anos, sua utilização tem diminuído de forma significativa em função do aumento do uso dos biocombustíveis. e) gás natural é pouco utilizado como fonte energética devido aos elevados custos de exploração e comercialização, pois seu transporte é extremamente difícil e dispendioso, além de apresentar uma forma de aproveitamento bastante poluente se comparada à de outros recursos energéticos como o petróleo e o carvão. Os cnidários são animais exclusivamente aquáticos de corpo mole ou gelatinoso, na sua maioria marinho, de vida livre ou fixa, podendo viver em colônias ou isolados. A parede corporal desses animais apresenta uma série de células especializadas e responsáveis por diversas funções. Na figura, abaixo, temos a representação esquemática da estrutura celular de um pólipo de uma Hydra onde observamos os diversos tipos de células com funções as mais diversas, entre outras: protetora, digestiva e sensitiva. Baseado nos textos, em seus conhecimentos, indique corretamente os nomes das células identificadas por números. a) 1(célula glandular) –2(célula sensorial) –3(célula nervosa) –4(cnidoblasto) –5(célula digestiva) b) 1(célula glandular) –2(célula nervosa) –3(célula sensorial) –4(célula digestiva) –5(cnidoblasto) BIOLOGIA
  • 18. 18 c) 1(célula nervosa) –2(cnidoblasto) –3(célula glandular) –4(célula digestiva) –5(célula sensorial) d) 1(célula nervosa) –2(cnidoblasto) –3(célula glandular) –4(célula sensorial) –5(célula digestiva) e) 1(célula sensorial) –2(célula glandular) – 3(cnidoblasto) –4(célula digestiva) –5(célula sensorial) (UNIFESP-SP) O termo “vermes” é aplicado indistintamente para designar invertebrados alongados e de corpo mole, principalmente do grupo dos anelídeos. Na charge, os “vermes” desenhados provavelmente são larvas de insetos. Sobre esses dois grupos, anelídeos e insetos, podemos afirmar corretamente que a) ambos apresentam o corpo segmentado e revestido por um exoesqueleto. Nos anelídeos terrestres esse exoesqueleto é bastante fino e flexível e nos insetos é quitinoso e rígido, conferindo proteção e sustentação. b) o padrão vermiforme das larvas de insetos é a principal evidência de que os artrópodes, grupo ao qual os insetos pertencem, surgiram a partir dos anelídeos, pois reproduzem um estágio anterior da evolução. c) observamos mais insetos, o que nos dá a falsa impressão de um maior número de espécies desse grupo. Porém, o número de espécies de anelídeos conhecidas é superior, pois inclui muitos grupos marinhos e terrestres. d) a segmentação do corpo está presente em ambos e a organização do sistema nervoso é semelhante. Os insetos,porém, possuem exoesqueleto, caráter evolutivo de importância fundamental no grupo. e) os anelídeos são terrestres e aquáticos e a maioria das espécies alimenta-se de detritos, estando no final da cadeia alimentar. Já os insetos são aéreos e terrestres e a maioria é herbívora, sendo, portanto, consumidores primários. (UEL-PR) A região cefálica de um caranguejo difere daquela de um besouro porque a do caranguejo possui a) dois pares de antenas, enquanto a do besouro possui só um par. b) um par de antenas, enquanto a do besouro possui dois pares. c) olhos compostos, enquanto a do besouro possui ocelos simples. d) ocelos simples, enquanto a do besouro possui olhos compostos. e) um par de mandíbulas, enquanto a do besouro possui dois pares. (UFPEL-RS) O Filo Arthropoda reúne mais de um milhão de espécies, sendo dividido em 3 subfilos: Crustacea (ex. siri),Chelicerata (ex.: aranha) e Uniramia (ex.: insetos). O mecanismo de crescimento destes animais é bastante diferenciado dos outros animais, como mostra o gráfico. AMABIS, J.M.; MARTHO, G.R. Fundamentos da Biologia Moderna. São Paulo: Ed.Moderna, 2001. [adapt.]. Com base nos textos e em seus conhecimentos sobre os artrópodes, é correto afirmar que a) o novo exoesqueleto recém-formado do artrópode após a muda é rígido e por isso muito importante para a proteção dos órgãos internos. Nesse momento ocorre uma parada de crescimento, o que é visualizado nas etapas II e V. b) o animal retoma o crescimento (etapas IV e VII) após as ecdises, em que o exoesqueleto cresce junto com o restante do corpo do artrópode até ocorrer uma parada do crescimento e uma nova ecdise. c) os artrópodes dos três subfilos apresentam reprodução interna. Durante a cópula, o macho introduz o pênis na vagina da fêmea e elimina os espermatozóides, que serão armazenados na espermateca da fêmea. d) o sistema digestório dos artrópodes é completo, sendo a digestão intracelular. As enzimas que atuam na cavidade intestinal são secretadas pela parede do tubo digestivo e pelos órgãos anexos hepatopâncreas e cecos gástricos. e) os artrópodes –animais que apresentam apêndices corporais articulados –apresentam um exoesqueleto de quitina, o qual se rompe ao longo do dorso do animal, que o abandona, cada vez que cresce. Esse fenômeno é denominado ecdise e é mostrado nas etapas III e VI. (UFJF-MG) Em uma aula de ciências, os alunos buscaram informações em jornais e revistas sobre a importância de espécies animais para o homem. Ao final da aula, entregaram um exercício no qual classificaram como corretas ou incorretas as informações
  • 19. 19 encontradas. Algumas dessas informações são apresentadas a seguir. I. Cnidários possuem células especializadas, os cnidoblastos, capazes de causar queimaduras e irritações dolorosas na pele de pessoas que os tocam. II. Algumas espécies de moluscos gastrópodes podem formar pérola a partir de algas raspadas pela rádula (dentes raspadores). III. Protozoários flagelados causam a inflamação dos ossos das pernas, tornando-as deformadas e provocando uma doença conhecida como elefantíase. IV. Devido ao seu hábito alimentar, as sanguessugas foram muito utilizadas no passado na prática de sangrias, em pacientes com pressão alta. Assinale a opção que apresenta somente afirmativas CORRETAS. a) I e II b) I, II e III c) I e IV d) II e IV e) III e IV Quando um macho do besouro-da-cana localiza uma plantacao de cana-de-acucar, ele libera uma substancia para que outros besouros tambem localizem essa plantacao, o que causa serios prejuizos ao agricultor. A substancia liberada pelo besouro foi sintetizada em laboratorio por um quimico brasileiro. Com essa substancia sintetica, o agricultor pode fazer o feitiço virar contra o feiticeiro: usar a substancia como isca e atrair os besouros para longe das plantacoes de cana. - Folha Ciência. In: Folha de S. Paulo, 25/5/2004 (com adaptações). Assinale a opcao que apresenta corretamente tanto a finalidade quanto a vantagem ambiental da utilizacao da substancia sintetica mencionada. “... Os moluscos constituem um grupo muito bem sucedido na natureza. Ocupam vários ambientes e exibem hábitos de vida bastante diversificados” - Trecho extraído do livro “Biologia”, de Amabis e colaboradores, 1974, p.294. Em relação a esse filo e baseado na observação dos diferentes hábitos mostrados na figura, assinale a(s) proposição(ões) verdadeira(s). 01 A respiração é branquial nos animais aquáticos e pulmonar nos terrestres. 02 Os gastrópodos possuem no assoalho da faringe a rádula que utilizam para raspar o alimento. 04 A figura representa o grupo dos bivalvos, que se caracterizam por apresentar uma concha formada por duas partes chamadas valvas, no interior das quais se encontra a cabeça, diferenciada, o pé e a massa visceral. 08 O grupo dos bivalvos compreende muitos animais comestíveis e importantes economicamente, como os mexilhões, as ostras e os “escargots”. 16 Como características embrionárias são celomados, deuterostômios e apresentam simetria radial. 32 A lula é um decápodo com o corpo afilado em forma de cone e a cabeça com oito tentáculos. 64 Baseado na figura podemos constatar que enquanto o Pecten é um animal de vida livre, a ostra e o Mytilus são fixos. Dê como resposta a soma das alternativas corretas Assinale o que for correto: 01 Corpo dividido em cabeça, tórax e abdômem, três pares de pernas e um par de antenas são características da classe Chilopoda. 02 Os insetos com desenvolvimento do tipo holometábolo (metamorfose completa) passam pelos estágios de larva e pupa; borboletas e moscas apresentam esse tipo de desenvolvimento. 04 O exoesqueleto dos Arthropoda é uma das características que permitiu que alguns grupos desse filo ocupassem com sucesso o ambiente terrestre, pois ele reduz a perda de água, que é um dos principais problemas que os animais enfrentam no meio terrestre. 08 Os insetos apresentam olhos compostos, aparelhos bucais modificados de acordo com o hábito alimentar, e os órgãos excretores são os tubos de Malpighi. 16 Os integrantes da classe Crustacea são exclusivamente aquáticos, e a principal adaptação que apresentam a esse meio é a respiração traqueal.
  • 20. 20 32 As principais características dos Arachnida são quatro pares de pernas, um par de antenas, um par de mandíbulas e olhos compostos. Dê como resposta a soma das alternativas corretas. Observe a tira abaixo: O invertebrado, observado por Mafalda, pertence ao filo que, evolutivamente, é o mais próximo dos cordados, por apresentarem a) hábitat marinho. b) mesoderme. c) deuterostomia. d) fecundação externa. e) simetria radial “As aparências enganam.” Uma aranha pode ser confundida com uma borboleta? Sobre as diferenças e/ou as semelhanças entre esses animais, analise as afirmativas a seguir. I. Tanto as borboletas como as aranhas são Artrópodes, animais de corpo metamerizado, pernas articuladas, exoesqueleto de quitina, que, por ser rígido, os obriga à muda ou ecdise. São triblásticos, celomados e de simetria bilateral. II. As borboletas pertencem à Classe Insecta, animais de corpo dividido em cabeça, tórax e abdome. Na cabeça, apresentam 1 par de antenas, 1 par de olhos compostos, 3 olhos simples e apêndices bucais, adaptados ao tipo de alimentação. Possuem 3 pares de pernas torácicas. III. As aranhas pertencem à classe Arachnida e apresentam o prosoma (cefalotórax) ligado ao opistosoma (abdome). No prosoma, existem entre 5 a 8 olhos simples, um par de quelíceras, que inocula o veneno, e 1 par de pedipalpos ao redor da boca. Elas não possuem antenas, nem mandíbulas nem asas, possuindo 4 pares de pernas. IV. As aranhas e as borboletas são insetos dióicos, de sexos separados e de fecundação externa. No entanto, nas aranhas, o desenvolvimento é direto; já nas borboletas, o desenvolvimento é indireto com metamorfose completa. V. Tanto nas aranhas como nas borboletas, a excreção é realizada pelos túbulos de Malpighi e pelas glândulas coxais localizadas próximas à base da perna. Essas estruturas filtram as excretas nitrogenadas que são lançadas no intestino, sendo eliminadas junto com as fezes. Assinale a alternativa correta. a) Apenas I, II e III estão corretas. b) Apenas I, III e V estão corretas. c) Apenas II, III e V estão corretas. d) Apenas IV e V estão corretas. e) Apenas a V está correta. (UPE-2013) Foram mergulhados, num mesmo líquido, dois termômetros: um graduado na escala Celsius, e o outro, na escala Fahrenheit. A leitura em Fahrenheit supera em 100 unidades a leitura em Celsius. Qual era a temperatura desse líquido? a) 85°F b) 100°F c) 130°F d) 165°F e) 185°F (UPE-2013) Qual massa de gelo a 0°C deve ser misturada com 100 g de água a 80°C, para que a FÍSICA
  • 21. 21 temperatura de equilíbrio seja de 20°C, sabendo-se que o calor específico da água vale 1 cal/g°C e que o calor latente de fusão da água vale 80 cal/g? a) 30 g b) 60 g c) 72 g d) 120 g e) 180 g (UPE-2012) Em um recipiente, existem 500 g de água a 80°C, e nele é colocada uma certa quantidade de gelo a -10°C. Qual a massa de gelo, em gramas, necessária para que a temperatura final seja 25°C? Dados: Lfgelo= 80cal/g,cágua= 1cal/g°C, cgelo= 0,5 cal/g°C a) 250 b) 262 c) 239 d) 200 e) 300 (UPE-2012) Considere dois corpos A e B com temperaturas diferentes. A temperatura do corpo A é menor que a temperatura do corpo B. A temperatura inicial do corpo B é TB. A massa do corpo A é mA, e a do corpo B, mB. Os dois corpos trocam calor até atingirem uma temperatura de equilíbrio T. Considerando que o corpo A dilata-se linearmente com coeficiente de dilatação linear a, assinale a alternativa que apresenta a variação do comprimento do corpo A se, antes da troca de calor, ele possuía comprimento L0. (Considere que não houve mudança de fase). Dados: o calor específico do corpo A vale cA, e o do corpo B, cB. (UPE-2011) Um trem do metrô com massa igual a 24.000kg, viajando inicialmente a 12m/s, diminui sua velocidade e para em uma estação, lá permanecendo o tempo suficiente, para que seus freios esfriem. As dimensões da estação são 60m de comprimento, por 20m de largura, por 10m de altura. Considere que todo o trabalho realizado pelos freios para parar o trem seja transferido como calor uniformemente para todo o ar. Dados: densidade do ar = 1,2 kg / m3; calor específico do ar = 1.000 J / kg . K Nessas condições, o aumento da temperatura do ar na estação vale: a) 1,0 x 10-2 ºC b) 1,2 x 10-1 ºC c) 1,5 x 10-3 ºC d) 1,4 x 10-2 ºC e) 1,6 x 10-4 ºC (UPE-2013) Em virtude de as moléculas de água no estado líquido estarem unidas por um tipo especial de ligação denominada ponte de hidrogênio, a água apresenta um comportamento excepcional quando aquecida. Quando se aquece uma amostra de água de 0°C a 100°C, ela: a) se dilata sempre. b) se contrai sempre. c) se dilata e depois se contrai. d) se contrai e depois se dilata. e) mantém volume constante. (UPE-2012) Sabendo-se que a temperatura crítica da água é TC = 374°C e a pressão crítica da água é PC = 218 atm, analise as afirmativas a seguir: I. O par de valores temperatura e pressão (374°C ; 218 atm) corresponde ao ponto crítico da água, no qual existe o equilíbrio entre as três fases: sólida, líquida e gasosa. II. Em temperaturas superiores a 374°C, a água sempre se encontra sob forma de gás. III. Em pressões superiores a 218 atm, a água sempre se encontra sob forma de gás. IV. Em temperaturas superiores a 374°C, uma massa de água pode ser liquefeita por compressão isotérmica. Está CORRETO o que se afirma em: a) I. b) II e III. c) II, III e IV. d) II. (UPE-2012) A respeito dos espelhos planos, analise as afirmações a seguir: I. Nos espelhos planos, o ângulo de reflexão é igual ao ângulo de incidência. II. Para um espelho plano, pontos-objetos e pontos-imagens, têm-se naturezas contrárias: se o objeto é real, a imagem é virtual e vice- versa.
  • 22. 22 III. São formadas três imagens de um objeto, quando este é colocado entre dois espelhos planos, que formam entre si um ângulo de 90°. Está CORRETO o que se afirma em: a) I e II, apenas. b) I e III, apenas. c) I, II e III. d) I, apenas. e) II e III, apenas. (UPE-2013) Um raio luminoso reflete-se em um espelho plano. O ângulo entre os raios incidente e refletido mede 60º. Qual é o ângulo que o raio refletido forma com a superfície do espelho? a) 15° b) 30° c) 45° d) 60° e) 75° (PUC-RIO) A figura representa um raio luminoso incidido sobre um espelho plano A e, em seguida, refletido pelo espelho plano B. O ângulo que a direção do raio refletido faz com a direção perpendicular ao espelho B é: a) 0° b) 90° c) 20° d) 65° e) 70° (UERJ) Uma garota, para observar seu penteado, coloca-se em frente a um espelho plano de parede, situado a 40 cm de uma flor presa na parte de trás dos seus cabelos. Buscando uma visão melhor do arranjo da flor no cabelo, ela segura, com uma das mãos, um pequeno espelho plano atrás da cabeça, a 15 cm da flor. A menor distância entre a flor e sua imagem, vista pela garota no espelho de parede, está próxima de: a) 55 cm b) 70 cm c) 95 cm d) 110 cm (UPE-2011) Um ponto objeto está a 12cm de um espelho côncavo e a 3cm acima do eixo do espelho. O raio de curvatura do espelho é 6cm. A distância da imagem ao espelho vale em centímetro: a) 2 b) 5 c) 3 d) 1 e) 4 (Unicamp) A figura abaixo mostra um espelho retrovisor plano na lateral esquerda de um carro. O espelho está disposto verticalmente e a altura do seu centro coincide com a altura dos olhos do motorista. Os pontos da figura pertencem a um plano horizontal que passa pelo centro do espelho. Nesse caso, os pontos que podem ser vistos pelo motorista são: a) 1, 4, 5 e 9 b) 4, 7, 8 e 9 c) 1, 2, 5 e 9. d) 2, 5, 6 e 9 (Upe) Em relação aos espelhos esféricos, analise as proposições que se seguem: 1 A reta definida pelo centro de curvatura e pelo vértice do espelho é denominada de eixo secundário. 3 O ponto de encontro dos raios refletidos ou de seus prolongamentos, devido aos raios incidentes paralelos ao eixo principal, é denominado de foco principal. 5 O espelho côncavo tem foco virtual, e o espelho convexo, foco real. 7 Todo raio de luz que incide passando pelo foco, ao atingir o espelho, é refletido paralelo ao eixo principal. 9 Quando o objeto é posicionado entre o centro de curvatura e o foco do espelho côncavo, conclui-se que a imagem é real, invertida e maior do que o objeto. A soma dos números entre parênteses que correspondem aos itens corretos é igual a: a) 25 b) 18 c) 19 d) 10 e) 9
  • 23. 23 É possível usar água ou comida para atrair as aves e observá-las. Muitas pessoas costumam usar água com açúcar, por exemplo, para atrair beija-flores, Mas é importante saber que, na hora de fazer a mistura, você deve sempre usar uma parte de açúcar para cinco partes de água. Além disso, em dias quentes, precisa trocar a água de duas a três vezes, pois com o calor ela pode fermentar e, se for ingerida pela ave, pode deixá-la doente. O excesso de açúcar, ao cristalizar, também pode manter o bico da ave fechado, impedindo-a de se alimentar. Isso pode até matá-la. - (ciência Hoje das crianças. FNDE; Instituto Ciência Hoje, ano 19, n. 166, mar. 1996.) Pretende-se encher completamente um copo com a mistura para atrair beija-flores. O copo tem formato cilíndrico, e suas medidas são 10 cm de altura e 4 cm de diâmetro, A quantidade de água que deve ser utilizada na mistura é cerca de? (utilize π = 3 e 1cm³ = 1ml) a) 20 mL. b) 24 mL. c) 100 mL. d) 120 mL. e) 600 mL. Dona Maria, diarista na casa da família Teixeira, precisa fazer café para servir as vinte pessoas que se encontram numa reunião na sala. Para fazer o café, Dona Maria dispõe de uma leiteira cilíndrica e copinhos plásticos, também cilíndricos. Com o objetivo de não desperdiçar café, a diarista deseja colocar a quantidade mínima de água na leiteira para encher os vinte copinhos pela metade. Para que isso ocorra, Dona Maria deverá: a) encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. b) encher a leiteira toda de água, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. c) encher a leiteira toda de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. d) encher duas leiteiras de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. e) encher cinco leiteiras de água, pois ela tem um volume 10 vezes maior que o volume do copo. Para construir uma manilha de esgoto, um cilindro com 2 m de diâmetro e 4 m de altura (de espessura desprezível), foi envolvido homogeneamente por uma camada de concreto, contendo 20 cm de espessura. Supondo que cada metro cúbico de concreto custe R$ 10,00 e tomando π =3,1 como valor aproximado , então o preço dessa manilha é igual a? a) R$ 230,40. b) R$ 124,00. c) R$ 104,16. d) R$ 54,56. e) R$ 49,60. A área do triângulo ABC cujos vértices estão indicados na figura abaixo, assim como a medida do lado BC, são: a) 6 e 2 √13 b) 12 e 5 √2 c) 12 e 5 √13 d) 24 e √13 Considere um paralelepípedo retângulo de volume V . Aumentando-se o comprimento desse paralelepípedo em 10%, aumentando-se a sua largura em 20% e diminuindo-se a sua altura em 25% , obtém-se um novo paralelepípedo, cujo volume é: a) 5% maior que o anterior. b) 5% menor que o anterior. c) 1% maior que o anterior. d) 1% menor que o anterior. A figura seguinte representa uma pirâmide regular de base quadrada. Nessa figura podem ser identificados os seguintes elementos da pirâmide: V:Vértice; h: altura; ab: apótema da base; ap: apótema da pirâmide; H: centro da base; MATEMÁTICA
  • 24. 24 M: ponto médio da aresta da base. Se a aresta da base da pirâmide mede 8 cm e altura mede 3 cm, quanto mede a área total dessa pirâmide? a) 64 cm2 b) 80 cm2 c) 120 cm2 d) 144 cm2 A vazão do rio Tietê, em São Paulo, constitui preocupação constante nos períodos chuvosos. Em alguns trechos, são construídas canaletas para controlar o fluxo de água. Uma dessas canaletas, cujo corte vertical determina a forma de um trapézio isósceles, tem as medidas especificadas na figura 1. Neste caso, a vazão da água é de 1.050 m3/s. O cálculo da vazão, Q em m3/s, envolve o produto da área A do setor transversal (por onde passa a água), em m2, pela velocidade da água no local, v, em m/s, ou seja, Q = Av. Planeja-se uma reforma na canaleta, com as dimensões especificadas na figura 2, para evitar a ocorrência de enchentes. Na suposição de que a velocidade da água não se alterará, qual a vazão esperada para depois da reforma na canaleta? a) 90 m3/s. b) 750 m3/s. . c) 1.050 m3/s. d) 1.512 m3/s. e) 2.009 m3/s. Nas últimas eleições presidenciais de um determinado país, onde 9% dos eleitores votaram em branco e 11% anularam o voto, o vencedor obteve 51% dos votos válidos. Não são considerados válidos os votos em branco e nulos. Pode-se afirmar que o vencedor, de fato, obteve de todos os eleitores um percentual de votos da ordem de: a) 38%. b) 41%. c) 44%. d) 47%. e) 50%. Sabendo-se que 1111101=11, quanto vale a soma 2222101+ 3333101+⋯+ 9999101? a) 99 b) 176 c) 448 d) 484 e) 792