SlideShare uma empresa Scribd logo
Após a morte do Conde Andeiro, D. Leonor
Teles viu-se obrigada a fugir para Santarém, com
o intuito de, posteriormente, pedir ajuda aos reis
de Castela, D. João I e D. Beatriz, sua filha.
Receando uma invasão do exército castelha-
no, o povo de Lisboa reconheceu o Mestre de
Avis, D. João, como «Regedor e Defensor do
Reino».
No início de 1384, o rei castelhano invadiu
Portugal para reclamar o trono. Em abril travou-se
a Batalha dos Atoleiros, da qual o rei invasor saiu
derrotado. Pouco tempo depois, em maio, o rei
castelhano regressou e cercou a cidade de
Lisboa.
Na p. 93, resolve o item
8. Identifica os recursos expressivos
utilizados nas seguintes expressões.
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo
aos pães» (ll.19-20);
b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer»
(ll. 21-22);
c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado»
(ll. 17-18);
d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l.79).
 
cfr. Recursos expressivos, pp. 334-335
{F,L,I} Estando a cidade assim cercada, na
maneira que já ouvistes, gastavam-se os mantimentos
cada vez mais, por as muitas gentes que nela havia,
assim dos que se colheram dentro, do termo [área do
concelho], de homens aldeãos com mulheres e filhos,
como dos que vieram na frota do Porto. E alguns se
tremetiam [metiam] às vezes em batéis e passavam de
noite escusamente [em segredo] contra as partes do
Ribatejo; e, metendo-se em alguns esteiros [braços do
rio], ali carregavam de trigo/bolo-rei que já
achavam prestes, por recados que antes mandavam. E
partiam de noite, remando mui rijamente, e algumas
galés, quando os sentiam vir remando, isso mesmo
[também] remavam à pressa sobre eles. E os batéis,
por lhes fugir, e elas por os tomar, eram postos em
grande trabalho.
{A} Os que esperavam por tal trigo andavam pela
ribeira, da parte de Enxobregas [Xabregas], aguardando
quando viesse; e os que velavam, se viam as galés remar
contra lá, repicavam [faziam tocar os sinos] logo para
lhes acorrerem. Os da cidade, como ouviam o repico,
leixavam o sono e tomavam as armas e saía muita gente
e defendiam-nos às bestas [arma antiga], se cumpria [era
necessário], ferindo-se às vezes de uma parte e de outra.
Porém nunca foi vez que tomassem algum, salvo uma
que certos batéis estavam em Ribatejo com trigo e foram
descobertos por um homem natural de Almada, e
tomados pelos castelhanos; e ele foi depois tomado e
preso e arrastado e decepado e enforcado/beijado.
E posto que [ainda que] tal trigo alguma ajuda fizesse,
era tão pouco e tão raramente, que houvera mister de o
multiplicar, como fez Jesu Cristo aos pães com que
fartou os cinco mil homens.
{G} Em isto, gastou-se a cidade assim [tão]
apertadamente que as púbricas [públicas] esmolas
começaram desfalecer e nenhuma geração de pobres
achava quem lhe desse pão; de guisa que a perda comum
vencendo de todo a piedade, e vendo a grã míngua dos
mantimentos, estabeleceram deitar fora as gentes
minguadas e não pertencentes para defensão [úteis à
defesa]. E isto foi feito duas ou três vezes, até lançarem
fora as mancebas mundairas [prostitutas] e judeus, e
outras semelhantes, dizendo que, pois tais pessoas não
eram para pelejar [lutar], que não gastassem os
mantimentos aos defensores / defesas centrais;
mas isto não aproveitava coisa que muito prestasse.
{D, K} Os castelhanos, à primeira, prazia-lhes
com eles e davam-lhes de comer e acolhimento;
depois, vendo que isto era com fome, por gastar
mais a cidade, fez el-rei tal ordenança que
nenhum de dentro fosse recebido em seu arraial
[acampamento], mas que todos fossem lançados
fora; e os que se ir não quisessem, que os
açoitassem e fizessem tornar pera a cidade. E isto
lhes era grave de fazer, tornarem por força para
tal lugar, onde, chorando, não esperavam de ser
recebidos. E tais havia que de seu grado saíam da
cidade/escola, e se iam para o arraial, querendo
antes de tudo ser cativos, que assim perecerem
morrendo de fome.
{H} Como não lançariam fora a gente minguada
e sem proveito, que o Mestre mandou saber em
certo pela cidade que pão/bolo-rei havia por
todo em ela, assim em covas como por outra
maneira, e acharam que era tão pouco que bem
havia mister [necessidade] sobre elo [acerca
disso] conselho.
{C} Na cidade não havia trigo para vender e, se o
havia, era mui pouco e tão caro que as pobres gentes
não podiam chegar a ele [...]. E começaram de comer
pão de bagaço de azeitona, e dos queijos das malvas e
das raízes de ervas e de outras desacostumadas
coisas, pouco amigas da natureza; e tais havia que se
mantinham em alféloa [melaço]. No lugar onde
costumavam vender o trigo, andavam homens e moços
esgaravatando a terra; e, se achavam alguns grãos de
trigo, metiam- -nos na boca, sem tendo outro
mantimento; outros se fartavam de ervas e bebiam
tanta água/coca-cola que achavam mortos
homens e cachopos jazer inchados nas praças e em
outros lugares.
{J} Andavam os moços de três e quatro /
oitenta anos pedindo pão pela cidade, por amor
de Deus, como lhes ensinavam suas madres
[mães]; e muitos não tinham outra coisa que
lhes dar senão lágrimas que com eles choravam,
que era triste coisa de ver; e, se lhes davam
tamanho pão como uma noz, haviam-no por
grande bem. Desfalecia o leite àquelas que
tinham crianças a seus peitos, por míngua de
mantimentos; e, vendo lazerar [sofrer] seus
filhos, a que acorrer não podiam, choravam
amiúde [frequentemente] sobre eles a morte,
antes que os a morte privasse da vida [...].
Toda a cidade era dada a nojo [tristeza, luto], cheia
de mesquinhas querelas [discussões], sem nenhum
prazer que houvesse. Uns, com grã míngua do que
padeciam; outros havendo dó dos atribulados. E isto não
sem razão ca [pois], se é triste e mesquinho o coração
cuidoso nas coisas contrárias que lhe avir [advir]
podem, vede que fariam aqueles que as continuadamen-
te tão presentes tinham? Pero [Embora], com tudo isto,
quando repicavam, nenhum não mostrava que era
faminto, mas forte e rijo contra seus inimigos. Esforça-
vam-se uns por consolar os outros, por dar remédio a
seu grande nojo, mas não prestava conforto de palavras,
nem podia tal dor ser amansada com nenhumas doces
razões. E, assim como é natural coisa a mão ir amiúde
onde é a dor, assim uns homens, falando com outros,
não podiam em al [outra coisa] departir [falar] senão na
míngua que cada um padecia/escarrava.
Oh, quantas vezes encomendavam nas
missas e pregações que rogassem a Deus/Messi
devotamente pelo estado da cidade! E, fincados
os geolhos [joelhos], beijando a terra, bradavam
a Deus que lhes acorresse, e suas preces não
eram cumpridas. Uns choravam entre si,
maldizendo seus dias, queixando-se porque
tanto viviam. [...] Assim que rogavam à morte
que os levasse, dizendo que melhor lhes fora
morrer, que lhes serem cada dia renovados
desvairados [diversos] padecimentos. [...]
Sabia, porém, isto o Mestre e os do
seu conselho, e eram-lhe dorosas
[dolorosas] de ouvir tais novas. E, vendo
estes males/cocós, a que acorrer não
podiam, cerravam suas orelhas do rumor
do povo.
Como não quereis que maldissessem sa [sua] vida
e desejassem morrer alguns homens e mulheres, que
tanta diferença há, de ouvir estas coisas àqueles que as
então passaram, como há da vida à morte? Os padres
[pais] e madres [mães] viam estalar de fome os filhos
que muito amavam, rompiam as faces e peitos /
umbigos sobre eles, não tendo com que lhes acorrer
senão pranto e espargimento de lágrimas; e, sobre tudo
isto, medo grande da cruel vingança que entendiam que
el-rei de Castela deles havia de tomar. Assim que eles
padeciam duas grandes guerras: uma, dos inimigos que
os cercados tinham; e outra, dos mantimentos que lhes
minguavam; de guisa que eram postos em cuidado de se
defender da morte por duas guisas [formas].
{B} Para que é dizer mais de tais falecimentos
[provações]? Foi tamanho o gasto das coisas que mister
haviam [de que tinham necessidade], que soou um dia
pela cidade que o Mestre mandava deitar fora todos os
que não tivessem pão/bife à Império que comer, e
que somente os que o tivessem ficassem em ela. Mas
quem poderia ouvir, sem gemidos e sem choro, tal
ordenança de mandado àqueles que o não tinham?
Porém, sabendo que não era assim, foi-lhes já quanto de
[bastante] conforto. Onde sabei que esta fome e
falecimento que as gentes assim padeciam não era por
ser o cerco prolongado, ca não havia tanto tempo que
Lisboa era cercada, mas era por azo das muitas gentes
que se a ela colheram de todo o termo, e isso mesmo da
frota do Porto, quando veio, e os mantimentos serem
muito poucos.
{E} Ora esguardai [olhai], como se fôsseis
presente, uma tal cidade assim desconfortada e
sem nenhuma certa fiúza [confiança] de seu
livramento [libertação], como viveriam em
desvairados cuidados quem sofria ondas de tais
aflições! Ó geração que depois veio, povo bem-
aventurado, que não soube parte de tantos males
nem foi quinhoeiro [participante] de tais
padecimentos/hérnias umbilicais! Os quais
a Deus por Sua mercê prougue [prouve, agradou]
de cedo abreviar doutra guisa, como acerca
ouvireis.
F — Os mantimentos de bolo-rei gastam-
se cada vez mais depressa.
L — O número de habitantes da cidade
aumenta cada vez mais.
I — Os castelhanos atacam as galés que
tentam abastecer Lisboa de bolo-rei.
A — Os portugueses vão em socorro das
galés após o repicar dos sinos.
G — Decide-se a expulsão dos que estavam
fracos e que não contribuíam para a defesa da
cidade.
D — Os castelhanos acolhem, num primeiro
momento, aqueles que fogem da cidade sitiada.
K — O rei de Castela ordena que os fugitivos
sejam devolvidos à cidade.
H — O Mestre ordena que se faça o levantamento
do bolo-rei existente em Lisboa.
C — As pessoas procuram
desesperadamente bolo-rei no chão.
J — As crianças mendigam pela cidade,
pedindo bolo-rei.
B — Corre o boato sobre a decisão do
Mestre de expulsar gente da cidade.
E — O cronista reflete sobre a situação.
Na p. 93, resolve o item
8. Identifica os recursos expressivos
utilizados nas seguintes expressões.
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo
aos pães» (ll.19-20);
b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer»
(ll. 21-22);
c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado»
(ll. 17-18);
d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l.79).
 
cfr. Recursos expressivos, pp. 334-335
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu
Cristo aos pães» (ll.19-20) —
comparação
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos
pães» (ll.19-20) — comparação
b) «as pubricas esmolas começarom
desfalecer» (ll. 21-22) — personificação
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos
pães» (ll.19-20) — comparação
b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21-
22) — personificação
c) «preso e arrastado, e decepado e
enforcado» (ll. 17-18) — enumeração /
polissíndeto
a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo
aos pães» (ll.19-20) — comparação
b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer»
(ll. 21-22) — personificação
c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado»
(ll. 17-18) — enumeração / polissíndeto
d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l. 79)
— metáfora / ? hipérbole
 
Glossário de narratologia, p. 317
Ação
Sequências narrativas
encadeamento / encaixe / alternância
Personagens
Processos de caracterização
direta / indireta
Construção da intriga
(organização das sequências
narrativas)
• por encadeamento
• por encaixe
• por alternância
informais, espontâneos
Barros vem abrir a porta em camisola
interior; não hesita em confiar em
desconhecido; chama a filha de
imediato.
grosseiros, rudes, vulgares
Barros diz a Sofia que até pagava para se
desenvencilhar dela.
indelicados, descorteses
Sofia Barros trata o pai por «estúpido».
prestáveis, diligentes
Pai e filha tentam resolver o pedido do
estrangeiro.
desbragados, desbocados
Pai e filha vão pelas ruas a contar a
todos o que se está passar.
exagerados, levianos
«O meu pai vai vender a Aurélia como
escrava!».
egoístas, apegados, insensatos
«É a minha melhor empregada. Não se
pode casar!».
indiscretos, inconvenientes,
intrometidos, curiosos
Assistem, sem desviar olhar, à
declaração de amor; na rua não se
coibiram de engrossar o pelotão da
demanda de Aurélia.
ambiciosos, irrealistas
Diz Sofia: «casa-te mas é com o príncipe
William».
boçais, simples
Não percebem as mais elementares
palavras inglesas (por isso ficam calados
durante o assentimento de Aurélia).
comunicativos, sociáveis
Barros e Sofia beijam genro e cunhado.
românticos, generosos
Todo o restaurante fica eufórico com o
sucesso da declaração de amor.
Caracterização direta
– Autocaracterização
– Heterocaracterização
Caracterização indireta
Personagem
–redonda
–plana
–dinâmica
–estática
Escreve exposição sobre «Os
portugueses» (120-150 palavras).
Incluirás uma alusão a portugueses em
Fernão Lopes e uma alusão a O amor
acontece.
A caneta
O Amor Acontece (e Crónica de D. João I)
está sublinhado? (Sublinhar)
Parágrafos têm margem? (Pôr)
Há casos de e… e… e…? (Refazer.)
Haverá repetições escusadas?
(Pronominalizar. Elidir.)
Como, por exemplo, / Entre outros / etc.
TPC — Em Gaveta de Nuvens vê o
que escrevi em «Para escolher livros
para ler»; vê comentários a tarefas.
Quem não fez tarefa de gravação do 1.º
período deve fazê-la quanto antes (envio
ainda durante a próxima semana).
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54

Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Jose Barroco
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Cynthia Funchal
 
Poema medieval.docx
Poema medieval.docxPoema medieval.docx
Poema medieval.docx
Prefeitura de São Paulo
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
maariane27
 
A queda dum anjo camilo castelo branco
A queda dum anjo   camilo castelo brancoA queda dum anjo   camilo castelo branco
A queda dum anjo camilo castelo branco
AnaRibeiro968038
 
A queda dum anjo camilo castelo branco
A queda dum anjo   camilo castelo brancoA queda dum anjo   camilo castelo branco
A queda dum anjo camilo castelo branco
AnaRibeiro968038
 
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da GamaBreve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
APS - Administração dos Portos de Sines e do Algarve, S.A.
 
Teste fernao lopes_site
Teste fernao lopes_siteTeste fernao lopes_site
Teste fernao lopes_site
Madalena Barbosa
 
Cartas da peste
Cartas da pesteCartas da peste
Cartas da peste
Mardoniogastronomia
 
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdfHistória dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
paulo viana
 
A Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
A Morte de D. Sebastião e a Questão da SucessãoA Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
A Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
guestc43874e
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
Caio Melo
 
A cidade e as serras, de eça de queirós
A cidade e as serras, de eça de queirósA cidade e as serras, de eça de queirós
A cidade e as serras, de eça de queirós
Lucas Freire
 
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
FabsVitti
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as SerrasA Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
Mateus Lemos
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
Jairo Valenti
 
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
Leandro Montino
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
Flávio Mello
 
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonialGarrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Sindique
 
Porto Liberal
Porto LiberalPorto Liberal
Porto Liberal
Maria Gomes
 

Semelhante a Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54 (20)

Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostasSantillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
Santillana p10 ficha_avaliacaooslusiadascomrespostas
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Poema medieval.docx
Poema medieval.docxPoema medieval.docx
Poema medieval.docx
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
A queda dum anjo camilo castelo branco
A queda dum anjo   camilo castelo brancoA queda dum anjo   camilo castelo branco
A queda dum anjo camilo castelo branco
 
A queda dum anjo camilo castelo branco
A queda dum anjo   camilo castelo brancoA queda dum anjo   camilo castelo branco
A queda dum anjo camilo castelo branco
 
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da GamaBreve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
Breve Notícia de Sines, Pátria de Vasco da Gama
 
Teste fernao lopes_site
Teste fernao lopes_siteTeste fernao lopes_site
Teste fernao lopes_site
 
Cartas da peste
Cartas da pesteCartas da peste
Cartas da peste
 
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdfHistória dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
História dos Bretões (c. 800) Idade Média - Prof. Dr. Ricardo da Costa.pdf
 
A Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
A Morte de D. Sebastião e a Questão da SucessãoA Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
A Morte de D. Sebastião e a Questão da Sucessão
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
 
A cidade e as serras, de eça de queirós
A cidade e as serras, de eça de queirósA cidade e as serras, de eça de queirós
A cidade e as serras, de eça de queirós
 
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
A Cidade e as Serras - Eça de Queirós
 
A Cidade e as Serras
A Cidade e as SerrasA Cidade e as Serras
A Cidade e as Serras
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
 
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
As Cidades & as Serras | Eça de Queiróz
 
A cidade e as serras
A cidade e as serrasA cidade e as serras
A cidade e as serras
 
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonialGarrett, thomaz de almeida. administracao colonial
Garrett, thomaz de almeida. administracao colonial
 
Porto Liberal
Porto LiberalPorto Liberal
Porto Liberal
 

Mais de luisprista

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
luisprista
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
luisprista
 

Mais de luisprista (20)

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 73-74
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 71-72
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 69-70
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 67-68
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 65-66
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 61-62
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 63-64
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 57-58
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 59-60
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 55-56
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 49-50
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 51-52
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 47-48
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 45-46
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 41-42
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 43-44
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 37-38
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 39-40
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 33-34
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 53-54

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. Após a morte do Conde Andeiro, D. Leonor Teles viu-se obrigada a fugir para Santarém, com o intuito de, posteriormente, pedir ajuda aos reis de Castela, D. João I e D. Beatriz, sua filha. Receando uma invasão do exército castelha- no, o povo de Lisboa reconheceu o Mestre de Avis, D. João, como «Regedor e Defensor do Reino». No início de 1384, o rei castelhano invadiu Portugal para reclamar o trono. Em abril travou-se a Batalha dos Atoleiros, da qual o rei invasor saiu derrotado. Pouco tempo depois, em maio, o rei castelhano regressou e cercou a cidade de Lisboa.
  • 8.
  • 9. Na p. 93, resolve o item 8. Identifica os recursos expressivos utilizados nas seguintes expressões. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20); b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21-22); c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado» (ll. 17-18); d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l.79).   cfr. Recursos expressivos, pp. 334-335
  • 10.
  • 11. {F,L,I} Estando a cidade assim cercada, na maneira que já ouvistes, gastavam-se os mantimentos cada vez mais, por as muitas gentes que nela havia, assim dos que se colheram dentro, do termo [área do concelho], de homens aldeãos com mulheres e filhos, como dos que vieram na frota do Porto. E alguns se tremetiam [metiam] às vezes em batéis e passavam de noite escusamente [em segredo] contra as partes do Ribatejo; e, metendo-se em alguns esteiros [braços do rio], ali carregavam de trigo/bolo-rei que já achavam prestes, por recados que antes mandavam. E partiam de noite, remando mui rijamente, e algumas galés, quando os sentiam vir remando, isso mesmo [também] remavam à pressa sobre eles. E os batéis, por lhes fugir, e elas por os tomar, eram postos em grande trabalho.
  • 12. {A} Os que esperavam por tal trigo andavam pela ribeira, da parte de Enxobregas [Xabregas], aguardando quando viesse; e os que velavam, se viam as galés remar contra lá, repicavam [faziam tocar os sinos] logo para lhes acorrerem. Os da cidade, como ouviam o repico, leixavam o sono e tomavam as armas e saía muita gente e defendiam-nos às bestas [arma antiga], se cumpria [era necessário], ferindo-se às vezes de uma parte e de outra. Porém nunca foi vez que tomassem algum, salvo uma que certos batéis estavam em Ribatejo com trigo e foram descobertos por um homem natural de Almada, e tomados pelos castelhanos; e ele foi depois tomado e preso e arrastado e decepado e enforcado/beijado. E posto que [ainda que] tal trigo alguma ajuda fizesse, era tão pouco e tão raramente, que houvera mister de o multiplicar, como fez Jesu Cristo aos pães com que fartou os cinco mil homens.
  • 13. {G} Em isto, gastou-se a cidade assim [tão] apertadamente que as púbricas [públicas] esmolas começaram desfalecer e nenhuma geração de pobres achava quem lhe desse pão; de guisa que a perda comum vencendo de todo a piedade, e vendo a grã míngua dos mantimentos, estabeleceram deitar fora as gentes minguadas e não pertencentes para defensão [úteis à defesa]. E isto foi feito duas ou três vezes, até lançarem fora as mancebas mundairas [prostitutas] e judeus, e outras semelhantes, dizendo que, pois tais pessoas não eram para pelejar [lutar], que não gastassem os mantimentos aos defensores / defesas centrais; mas isto não aproveitava coisa que muito prestasse.
  • 14. {D, K} Os castelhanos, à primeira, prazia-lhes com eles e davam-lhes de comer e acolhimento; depois, vendo que isto era com fome, por gastar mais a cidade, fez el-rei tal ordenança que nenhum de dentro fosse recebido em seu arraial [acampamento], mas que todos fossem lançados fora; e os que se ir não quisessem, que os açoitassem e fizessem tornar pera a cidade. E isto lhes era grave de fazer, tornarem por força para tal lugar, onde, chorando, não esperavam de ser recebidos. E tais havia que de seu grado saíam da cidade/escola, e se iam para o arraial, querendo antes de tudo ser cativos, que assim perecerem morrendo de fome.
  • 15. {H} Como não lançariam fora a gente minguada e sem proveito, que o Mestre mandou saber em certo pela cidade que pão/bolo-rei havia por todo em ela, assim em covas como por outra maneira, e acharam que era tão pouco que bem havia mister [necessidade] sobre elo [acerca disso] conselho.
  • 16. {C} Na cidade não havia trigo para vender e, se o havia, era mui pouco e tão caro que as pobres gentes não podiam chegar a ele [...]. E começaram de comer pão de bagaço de azeitona, e dos queijos das malvas e das raízes de ervas e de outras desacostumadas coisas, pouco amigas da natureza; e tais havia que se mantinham em alféloa [melaço]. No lugar onde costumavam vender o trigo, andavam homens e moços esgaravatando a terra; e, se achavam alguns grãos de trigo, metiam- -nos na boca, sem tendo outro mantimento; outros se fartavam de ervas e bebiam tanta água/coca-cola que achavam mortos homens e cachopos jazer inchados nas praças e em outros lugares.
  • 17. {J} Andavam os moços de três e quatro / oitenta anos pedindo pão pela cidade, por amor de Deus, como lhes ensinavam suas madres [mães]; e muitos não tinham outra coisa que lhes dar senão lágrimas que com eles choravam, que era triste coisa de ver; e, se lhes davam tamanho pão como uma noz, haviam-no por grande bem. Desfalecia o leite àquelas que tinham crianças a seus peitos, por míngua de mantimentos; e, vendo lazerar [sofrer] seus filhos, a que acorrer não podiam, choravam amiúde [frequentemente] sobre eles a morte, antes que os a morte privasse da vida [...].
  • 18. Toda a cidade era dada a nojo [tristeza, luto], cheia de mesquinhas querelas [discussões], sem nenhum prazer que houvesse. Uns, com grã míngua do que padeciam; outros havendo dó dos atribulados. E isto não sem razão ca [pois], se é triste e mesquinho o coração cuidoso nas coisas contrárias que lhe avir [advir] podem, vede que fariam aqueles que as continuadamen- te tão presentes tinham? Pero [Embora], com tudo isto, quando repicavam, nenhum não mostrava que era faminto, mas forte e rijo contra seus inimigos. Esforça- vam-se uns por consolar os outros, por dar remédio a seu grande nojo, mas não prestava conforto de palavras, nem podia tal dor ser amansada com nenhumas doces razões. E, assim como é natural coisa a mão ir amiúde onde é a dor, assim uns homens, falando com outros, não podiam em al [outra coisa] departir [falar] senão na míngua que cada um padecia/escarrava.
  • 19. Oh, quantas vezes encomendavam nas missas e pregações que rogassem a Deus/Messi devotamente pelo estado da cidade! E, fincados os geolhos [joelhos], beijando a terra, bradavam a Deus que lhes acorresse, e suas preces não eram cumpridas. Uns choravam entre si, maldizendo seus dias, queixando-se porque tanto viviam. [...] Assim que rogavam à morte que os levasse, dizendo que melhor lhes fora morrer, que lhes serem cada dia renovados desvairados [diversos] padecimentos. [...]
  • 20. Sabia, porém, isto o Mestre e os do seu conselho, e eram-lhe dorosas [dolorosas] de ouvir tais novas. E, vendo estes males/cocós, a que acorrer não podiam, cerravam suas orelhas do rumor do povo.
  • 21. Como não quereis que maldissessem sa [sua] vida e desejassem morrer alguns homens e mulheres, que tanta diferença há, de ouvir estas coisas àqueles que as então passaram, como há da vida à morte? Os padres [pais] e madres [mães] viam estalar de fome os filhos que muito amavam, rompiam as faces e peitos / umbigos sobre eles, não tendo com que lhes acorrer senão pranto e espargimento de lágrimas; e, sobre tudo isto, medo grande da cruel vingança que entendiam que el-rei de Castela deles havia de tomar. Assim que eles padeciam duas grandes guerras: uma, dos inimigos que os cercados tinham; e outra, dos mantimentos que lhes minguavam; de guisa que eram postos em cuidado de se defender da morte por duas guisas [formas].
  • 22. {B} Para que é dizer mais de tais falecimentos [provações]? Foi tamanho o gasto das coisas que mister haviam [de que tinham necessidade], que soou um dia pela cidade que o Mestre mandava deitar fora todos os que não tivessem pão/bife à Império que comer, e que somente os que o tivessem ficassem em ela. Mas quem poderia ouvir, sem gemidos e sem choro, tal ordenança de mandado àqueles que o não tinham? Porém, sabendo que não era assim, foi-lhes já quanto de [bastante] conforto. Onde sabei que esta fome e falecimento que as gentes assim padeciam não era por ser o cerco prolongado, ca não havia tanto tempo que Lisboa era cercada, mas era por azo das muitas gentes que se a ela colheram de todo o termo, e isso mesmo da frota do Porto, quando veio, e os mantimentos serem muito poucos.
  • 23. {E} Ora esguardai [olhai], como se fôsseis presente, uma tal cidade assim desconfortada e sem nenhuma certa fiúza [confiança] de seu livramento [libertação], como viveriam em desvairados cuidados quem sofria ondas de tais aflições! Ó geração que depois veio, povo bem- aventurado, que não soube parte de tantos males nem foi quinhoeiro [participante] de tais padecimentos/hérnias umbilicais! Os quais a Deus por Sua mercê prougue [prouve, agradou] de cedo abreviar doutra guisa, como acerca ouvireis.
  • 24.
  • 25. F — Os mantimentos de bolo-rei gastam- se cada vez mais depressa. L — O número de habitantes da cidade aumenta cada vez mais. I — Os castelhanos atacam as galés que tentam abastecer Lisboa de bolo-rei. A — Os portugueses vão em socorro das galés após o repicar dos sinos.
  • 26. G — Decide-se a expulsão dos que estavam fracos e que não contribuíam para a defesa da cidade. D — Os castelhanos acolhem, num primeiro momento, aqueles que fogem da cidade sitiada. K — O rei de Castela ordena que os fugitivos sejam devolvidos à cidade. H — O Mestre ordena que se faça o levantamento do bolo-rei existente em Lisboa.
  • 27. C — As pessoas procuram desesperadamente bolo-rei no chão. J — As crianças mendigam pela cidade, pedindo bolo-rei. B — Corre o boato sobre a decisão do Mestre de expulsar gente da cidade. E — O cronista reflete sobre a situação.
  • 28.
  • 29. Na p. 93, resolve o item 8. Identifica os recursos expressivos utilizados nas seguintes expressões. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20); b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21-22); c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado» (ll. 17-18); d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l.79).   cfr. Recursos expressivos, pp. 334-335
  • 30. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20) — comparação
  • 31. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20) — comparação b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21-22) — personificação
  • 32. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20) — comparação b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21- 22) — personificação c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado» (ll. 17-18) — enumeração / polissíndeto
  • 33. a) «mester de o multiplicar como fez Jesu Cristo aos pães» (ll.19-20) — comparação b) «as pubricas esmolas começarom desfalecer» (ll. 21-22) — personificação c) «preso e arrastado, e decepado e enforcado» (ll. 17-18) — enumeração / polissíndeto d) « Viiam estalar de fame os filhos» (l. 79) — metáfora / ? hipérbole  
  • 34.
  • 35. Glossário de narratologia, p. 317 Ação Sequências narrativas encadeamento / encaixe / alternância Personagens Processos de caracterização direta / indireta
  • 36. Construção da intriga (organização das sequências narrativas) • por encadeamento • por encaixe • por alternância
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. informais, espontâneos Barros vem abrir a porta em camisola interior; não hesita em confiar em desconhecido; chama a filha de imediato.
  • 45. grosseiros, rudes, vulgares Barros diz a Sofia que até pagava para se desenvencilhar dela.
  • 46. indelicados, descorteses Sofia Barros trata o pai por «estúpido».
  • 47. prestáveis, diligentes Pai e filha tentam resolver o pedido do estrangeiro.
  • 48. desbragados, desbocados Pai e filha vão pelas ruas a contar a todos o que se está passar.
  • 49. exagerados, levianos «O meu pai vai vender a Aurélia como escrava!».
  • 50. egoístas, apegados, insensatos «É a minha melhor empregada. Não se pode casar!».
  • 51. indiscretos, inconvenientes, intrometidos, curiosos Assistem, sem desviar olhar, à declaração de amor; na rua não se coibiram de engrossar o pelotão da demanda de Aurélia.
  • 52. ambiciosos, irrealistas Diz Sofia: «casa-te mas é com o príncipe William».
  • 53. boçais, simples Não percebem as mais elementares palavras inglesas (por isso ficam calados durante o assentimento de Aurélia).
  • 54. comunicativos, sociáveis Barros e Sofia beijam genro e cunhado.
  • 55. românticos, generosos Todo o restaurante fica eufórico com o sucesso da declaração de amor.
  • 56. Caracterização direta – Autocaracterização – Heterocaracterização Caracterização indireta
  • 58.
  • 59.
  • 60. Escreve exposição sobre «Os portugueses» (120-150 palavras). Incluirás uma alusão a portugueses em Fernão Lopes e uma alusão a O amor acontece. A caneta
  • 61. O Amor Acontece (e Crónica de D. João I) está sublinhado? (Sublinhar) Parágrafos têm margem? (Pôr) Há casos de e… e… e…? (Refazer.) Haverá repetições escusadas? (Pronominalizar. Elidir.) Como, por exemplo, / Entre outros / etc.
  • 62. TPC — Em Gaveta de Nuvens vê o que escrevi em «Para escolher livros para ler»; vê comentários a tarefas. Quem não fez tarefa de gravação do 1.º período deve fazê-la quanto antes (envio ainda durante a próxima semana).