SlideShare uma empresa Scribd logo
Administração de Produção
Layout – Arranjo Físico
Ref. Bibliográfica: Martins, Petrônio G.
Administração da Produção, Editora Saraiva, 2º Ed, Cap. 5
“Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas
que cite os websites abaixo como fonte de referencia.”
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
LOCALIZAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL
DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE
LAYOUT DA EMPRESA
LAYOUT DE EMPRESAS INDUSTRIAIS
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
douglasmiranda@ufmg.br FACE-UFMG 3 2010
Exemplo
de
Layout
Layout é basicamente o arranjo físico de máquinas e
postos de trabalho.
Portanto faz-se importante conhecer o número de
máquinas que devem ser organizadas.
Para isto é preciso calcular o número de máquinas
necessárias para atender a demanda.
Naturalmente, a capacidade produtiva da máquina já é
previamente conhecida.
LAYOUT
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE
EQUIPAMENTOS
Tempo p/ atender a demanda
Tempo disponível de 1 máquina
DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE
EQUIPAMENTOS
Uma fábrica de rodas estampadas deseja instalar um
número de prensas que seja suficiente para produzir um milhão
de rodas por ano. Cada prensa deve trabalhar em dois turnos
de 8 horas por dia, com um trabalho útil de 6,9 horas por turno,
e produzir uma roda a cada 0,8 minuto. Considerando que
existe uma perda de 1% na produção e que o ano tem 300 dias
úteis, quantas prensas são necessárias para atender à
demanda estipulada?
DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE
EQUIPAMENTOS
Aqui, escolheu-se usar como “período”, tempo
disponível para 1 dia. Mas poderia ter sido usado, o tempo
disponível para 1 ano.
O importante é que todos os dados sejam
“normalizados” para o mesmo período de tempo.
TIPOS DE LAYOUT
o PROCESSO (OU FUNCIONAL OU JOB SHOP)
o EM LINHA (OU POR PRODUTO OU FLOW SHOP)
o CELULAR
o POSIÇÃO FIXA
o COMBINADOS
Pintura
Embalagem
Jateamento
Usinagem
Colagem
Corte Furadeiras
Plaina
Layout Orientado por Processo /
Job Shops
Layout Orientado por Processo /
Job Shops
FIG. 5.2 pag 138
Layout Orientado por Processo /
Job Shops
2 3
4 5
Job Shop
1
Máquina
Produto A
Produto B
Centro de Maq.
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
A Vestebrás é uma indústria de confecções em fase de
ampliação que pretende se mudar do seu prédio atual para um
novo prédio maior. A nova planta industrial consiste em um
prédio de formato retangular de 60m de comprimento por 30m
de largura.
Passo 1: identificar o fluxo dos materiais e operações:
A Vestebrás fabrica cinco famílias de produtos:
camisetas, camisas, calças, jaquetas e macacões. O gerente
de produção preparou uma carta multiprocesso para estes
cinco produtos conforme a Figura a seguir:
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Carta multiprocesso da Vestebrás
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
operação
transporte
espera
inspeção
armazenagem
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Continuação...
operação
transporte
espera
inspeção
armazenagem
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Passo 2: levantar a área necessária para cada agrupamento
de trabalho
Superfície ou área de operação (So)
Superfície ou área de circulação (Sc):
Superfície ou área projetada (Sp)
Sp
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Passo 2: levantar a área necessária para cada agrupamento
de trabalho
Superfície de operação (So) Superfície de circulação (Sc):Superfície projetada (Sp)
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Identificação das arestas vivas:
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Com estes levantamentos o gerente de produção chega à
conclusão que as seguintes áreas por setor são necessárias:
1,10
2,3,4,5
6,7,8,9
11,12
13,14
15,16,17,18,19,20
21,22
Processo
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Passo 3: identificar o relacionamento entre os setores:
Para este terceiro passo o gerente de produção elaborou um
diagrama de relacionamento, conforme indicado na Figura.
Elaboração de Arranjo Físico por Processo
Passo 4: elaborar o arranjo físico
Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo
Em algumas atividades produtivas, o custo gerado pela
movimentação do material pode ser significativo no custo total
da operação.
O aspecto possível de ser quantificado de um arranjo
físico referente ao custo de transporte dos materiais é avaliado
por meio da fórmula.
Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo
Exemplo: um estudo de arranjo físico desenvolveu duas
alternativas para localizar seis setores produtivos A, B, C, D, E
e F, dentro de uma determinada área, conforme croqui abaixo.
Conhecendo-se as quantidades que devem ser transportadas
por mês entre os setores produtivos e os custos unitários de
transporte, calcular a melhor alternativa.
Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo
Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo
Resposta: Alternativa 1 tem o menor custo.
LAYOUT EM LINHA (OU POR PRODUTO OU
FLOW SHOP)
Linha de Montagem Seriada (Layout
por produto)
Estação 1
Minutos
por
Unidade
6
Estação 2
7
Estação 3
3
O que vai acontecer?
Exemplo--Balanceamento de Linha Seriada (por produto)
o Você acabou de ser nomeado para implantar uma
linha de montagem seriada de um ventilador, com
as seguintes operações:
Tarefa Duração (min) Descrição Precedência
A 2 Montagem do corpo
B 1 Montagem das botoeiras A
C 3,25 Montagem do compartimento do motor
D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C
E 0,5 Colocar pás D
F 1 Montar e colocar protetor de segurança E
G 1 Colocar o cabo de força B
H 1,4 Testar F, G
Diagrama de Precedências
o Qual dos processos define a capacidade máxima de
produção?
A
C
B
D E F
G
H
2
3.25
1
1.2 .5
1
1.4
1
O Gargalo
Produção máxima = -------------------------------- = ------------------------ = 129 unid/dia
Tempo disponível
TCgargalo
420 min/dia
3,25 min/unid
Tarefa Duração (min) Descrição Precedência
A 2 Montagem do corpo
B 1 Montagem das botoeiras A
C 3,25 Montagem do compartimento do motor
D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C
E 0,5 Colocar pás D
F 1 Montar e colocar protetor de segurança E
G 1 Colocar o cabo de força B
H 1,4 Testar F, G
Queremos montar 100 ventiladores
por dia
Portanto, deve-se produzir 1 peça a cada 4.2 min
para atender a demanda.
Duração do ciclo, TC = ----------------------------------------------
Tempo disponível no período
Produção requerida
TC = --------------------- = 4,2 min/unid
420 min/dia
100 unid/dia
(Takt Time)
Por que devemos arredondar?
Número teórico de Estações (ou Postos)
de Trabalho, Nt
Nt = ---------------------------------------------------------------------
Somatório das durações das operações (∑ ti)
Duração do Ciclo (TC)
Nt = --------------------------------- = 2,702 --> Nr = 3
11,35 min/unid
4,2 min/unid
Regra básica para agrupamento das
operações
AGRUPAR AS OPERAÇÕES DE TAL FORMA
QUE O SOMATÓRIO DAS SUAS RESPECTIVAS
DURAÇÕES MAIS SE APROXIME DA DURAÇÃO
DO CICLO DE MONTAGEM E NÃO SEJA
QUEBRADA A SEQÜÊNCIA LÓGICA DA
MONTAGEM
A
C
B
D E F
G
H
2
3.25
1
1.2 .5
1
1.4
1
Diagrama de Precedência
C (4.2-3.25)=.95
Folga = .95
Qual Posto é o Gargalo? Qual a duração real do
ciclo?
A
C
B
D E F
G
H
2
3.25
1
1.2 .5
1
1.4
1
D (4.2-1.2)=3
E (3-.5)=2.5
F (2.5-1)=1.5
H (1.5-1.4)=.1
Folga = .1
Tarefa Sucessor Tempo (min)
A 6 2
C 4 3.25
D 3 1.2
B 2 1
E 2 0.5
F 1 1
G 1 1
H 0 1.4
A (4.2-2=2.2)
B (2.2-1=1.2)
G (1.2-1= .2)
Folga = .2
Estação 1 Estação 2 Estação 3
Eficiência do Balanceamento
Eficiência = --------------------------------------------------------------------------------------------
Somatório das durações das operações (∑ ti)
Número real de Postos (Nr)xDuração do Ciclo de Montagem (TC)
Eficiência = ------------------------------ = 0,901 ou 90,1%
11,35 unid/min
(3)(4,2 min/unid)
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
A Compobrás é um fornecedor de bombas d’água
para grandes montadoras de máquinas de lavar e
pretende instalar uma linha de montagem para um
novo tipo de bomba d’água, a pedido de um cliente.
A demanda estimada para este produto é de 150 a
200 peças por dia. O analista de processos dividiu o
processo de montagem e estimou os tempos de
trabalho conforme o quadro a seguir. Deve-se levar
em conta que a empresa trabalha um turno de oito
horas por dia.
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Exemplo de Balanceamento
Solução do
Exemplo
LAYOUT CELULAR
50
Processo (Job Shop)Celular
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
LAYOUT POR POSIÇÃO FIXA
Os recursos transformados não se
movem entre os recursos transformadores .
Ex.: construção de uma rodovia, cirurgia de
coração, estaleiro, etc.transformadores.
LAYOUTS
COMBINADOS
53
É possível que diversos
tipos de arranjo físico
sejam utilizados em
conjunto
Ex: Complexo de Restaurantes
douglasmiranda@ufmg.br FACE-UFMG 54 2010
Que tipo de
layout é
usado neste
fábrica?
Volume-variedade e tipo de Arranjo
Aumentando-se o volume, aumenta-se a importância de
gerenciar os fluxos e, reduzindo-se a variedade, aumenta-se
a viabilidade de um arranjo físico baseado num fluxo regular.
Por produto
Volume-variedade e tipo de Arranjo
Características de um bom Arranjo
1. Segurança inerente:
�Saídas de emergência sinalizadas e desimpedidas
�Passagens marcadas e livres
2.Extensão do fluxo:
�Canalização do fluxo de materiais, clientes ou informações
�Minimização das distâncias percorridas pelos recursos transformados
3.Clareza de fluxo:
�Fluxo de materiais e clientes sinalizado clara e evidentemente para
clientes e para a mão-de-obra
4.Conforto da mão-de-obra
�Alocação da mão-de-obra em locais menos desconfortáveis.
5.Coordenação gerencial
6.Acesso
7.Uso do espaço
8.Flexibilidade de longo prazo
�Alterações no arranjo físico à medida que as necessidades da operação
mudarem.
Estudo de Caso
Layout Volkswagen.
Martins, Petrônio G.
Administração da Produção, Editora Saraiva,
Cap. 5, Pag 167
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Anexo
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
www.betagama.com.brwww.dunamath.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
Moises Ribeiro
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
Faculdade Cidade Verde
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
Kris Podovec
 
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFOO que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
Interlogis Planejamento das Operações Logísticas Ltda.
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
Mauro Enrique
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
Hélio Diniz
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
Willian dos Santos Abreu
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
Geovana Pires Lima
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2   papel estratégico e objetivos da produçãoUnidade 2   papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Daniel Moura
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
Mauricio de Castro
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
Henrique Ferreira
 
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .pptAPRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
Agnaldo26
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
Mário Lucas
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico
Antonio Tadeu Meneses
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Wilian Gatti Jr
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
 
Exercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABCExercício - Análise Curva ABC
Exercício - Análise Curva ABC
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
 
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFOO que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
O que você precisa saber sobre FIFO e LIFO
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
Sistemas de Produção
Sistemas de ProduçãoSistemas de Produção
Sistemas de Produção
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2   papel estratégico e objetivos da produçãoUnidade 2   papel estratégico e objetivos da produção
Unidade 2 papel estratégico e objetivos da produção
 
Gestão da produção aula 01
Gestão da produção   aula 01Gestão da produção   aula 01
Gestão da produção aula 01
 
Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.Gestão/Administração da produção.
Gestão/Administração da produção.
 
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .pptAPRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
APRESENTAÇÃO DE GESTÃO INDUSTRIAL .ppt
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico8862194 apostila-arranjo-fisico
8862194 apostila-arranjo-fisico
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 

Semelhante a Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico

Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time
Engenharia Produção
 
checklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdfchecklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdf
MrciaJorge5
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
Engenharia Produção
 
5 lista atividades - equipamentos e mão de obra
5   lista atividades - equipamentos e mão de obra5   lista atividades - equipamentos e mão de obra
5 lista atividades - equipamentos e mão de obra
Wander Santos
 
Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
Flavio Oliveira
 
Atividade 1 estatística aplicada ao data sciense
Atividade 1 estatística aplicada ao data scienseAtividade 1 estatística aplicada ao data sciense
Atividade 1 estatística aplicada ao data sciense
Charles Anderson Silva Costa
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
CADWARE-TECHNOLOGY
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
marcioemorais
 
Mecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção PerdasMecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção Perdas
University
 
Mod 4 planeamento controlo operacoes
Mod 4 planeamento controlo operacoesMod 4 planeamento controlo operacoes
Mod 4 planeamento controlo operacoes
Maria Santos
 
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábricaConexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
PLMX -Soluções para Negocios
 
STP - SHIGEO SHINGO
STP - SHIGEO SHINGOSTP - SHIGEO SHINGO
STP - SHIGEO SHINGO
Sandro Marques Solidario
 
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
Rogerio Riedo Picilli
 
Controle de produção.pdf
Controle de produção.pdfControle de produção.pdf
Controle de produção.pdf
Concee
 
Just in time 1
Just in time 1Just in time 1
Just in time 1
jucimario
 
5 fenicia pcp
 5 fenicia pcp 5 fenicia pcp
5 fenicia pcp
Artsoft sistemas
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
luiz0807
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
Mauro Enrique
 
Case - Programação Otimizada de Aciaria
Case - Programação Otimizada de AciariaCase - Programação Otimizada de Aciaria
Case - Programação Otimizada de Aciaria
Gapso Tecnologia da Decisão
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Daniel Moura
 

Semelhante a Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico (20)

Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time
 
checklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdfchecklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdf
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
 
5 lista atividades - equipamentos e mão de obra
5   lista atividades - equipamentos e mão de obra5   lista atividades - equipamentos e mão de obra
5 lista atividades - equipamentos e mão de obra
 
Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
 
Atividade 1 estatística aplicada ao data sciense
Atividade 1 estatística aplicada ao data scienseAtividade 1 estatística aplicada ao data sciense
Atividade 1 estatística aplicada ao data sciense
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
 
Mecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção PerdasMecanismo da Função Produção Perdas
Mecanismo da Função Produção Perdas
 
Mod 4 planeamento controlo operacoes
Mod 4 planeamento controlo operacoesMod 4 planeamento controlo operacoes
Mod 4 planeamento controlo operacoes
 
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábricaConexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
Conexão entre a engenharia de manufatura e o chão de fábrica
 
STP - SHIGEO SHINGO
STP - SHIGEO SHINGOSTP - SHIGEO SHINGO
STP - SHIGEO SHINGO
 
JIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULARJIT KANBAN - CALCULAR
JIT KANBAN - CALCULAR
 
Controle de produção.pdf
Controle de produção.pdfControle de produção.pdf
Controle de produção.pdf
 
Just in time 1
Just in time 1Just in time 1
Just in time 1
 
5 fenicia pcp
 5 fenicia pcp 5 fenicia pcp
5 fenicia pcp
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
 
MRP e JIT
MRP e JITMRP e JIT
MRP e JIT
 
Case - Programação Otimizada de Aciaria
Case - Programação Otimizada de AciariaCase - Programação Otimizada de Aciaria
Case - Programação Otimizada de Aciaria
 
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1   planejamento t+ítico do layoutUnidade 2.1   planejamento t+ítico do layout
Unidade 2.1 planejamento t+ítico do layout
 

Mais de douglas

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
douglas
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
douglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
douglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 

Mais de douglas (19)

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 

Último

Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 

Último (7)

Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 

Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico

  • 1. Administração de Produção Layout – Arranjo Físico Ref. Bibliográfica: Martins, Petrônio G. Administração da Produção, Editora Saraiva, 2º Ed, Cap. 5 “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.” www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 2. LOCALIZAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE LAYOUT DA EMPRESA LAYOUT DE EMPRESAS INDUSTRIAIS www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 3. douglasmiranda@ufmg.br FACE-UFMG 3 2010 Exemplo de Layout
  • 4. Layout é basicamente o arranjo físico de máquinas e postos de trabalho. Portanto faz-se importante conhecer o número de máquinas que devem ser organizadas. Para isto é preciso calcular o número de máquinas necessárias para atender a demanda. Naturalmente, a capacidade produtiva da máquina já é previamente conhecida. LAYOUT www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 5. DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE EQUIPAMENTOS Tempo p/ atender a demanda Tempo disponível de 1 máquina
  • 6. DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE EQUIPAMENTOS Uma fábrica de rodas estampadas deseja instalar um número de prensas que seja suficiente para produzir um milhão de rodas por ano. Cada prensa deve trabalhar em dois turnos de 8 horas por dia, com um trabalho útil de 6,9 horas por turno, e produzir uma roda a cada 0,8 minuto. Considerando que existe uma perda de 1% na produção e que o ano tem 300 dias úteis, quantas prensas são necessárias para atender à demanda estipulada?
  • 7. DETERMINAÇÃO DO NÚMERO DE EQUIPAMENTOS Aqui, escolheu-se usar como “período”, tempo disponível para 1 dia. Mas poderia ter sido usado, o tempo disponível para 1 ano. O importante é que todos os dados sejam “normalizados” para o mesmo período de tempo.
  • 8. TIPOS DE LAYOUT o PROCESSO (OU FUNCIONAL OU JOB SHOP) o EM LINHA (OU POR PRODUTO OU FLOW SHOP) o CELULAR o POSIÇÃO FIXA o COMBINADOS
  • 10. Layout Orientado por Processo / Job Shops
  • 11. FIG. 5.2 pag 138 Layout Orientado por Processo / Job Shops
  • 12. 2 3 4 5 Job Shop 1 Máquina Produto A Produto B Centro de Maq.
  • 13. Elaboração de Arranjo Físico por Processo A Vestebrás é uma indústria de confecções em fase de ampliação que pretende se mudar do seu prédio atual para um novo prédio maior. A nova planta industrial consiste em um prédio de formato retangular de 60m de comprimento por 30m de largura. Passo 1: identificar o fluxo dos materiais e operações: A Vestebrás fabrica cinco famílias de produtos: camisetas, camisas, calças, jaquetas e macacões. O gerente de produção preparou uma carta multiprocesso para estes cinco produtos conforme a Figura a seguir:
  • 14. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Carta multiprocesso da Vestebrás
  • 15. Elaboração de Arranjo Físico por Processo operação transporte espera inspeção armazenagem
  • 16. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Continuação... operação transporte espera inspeção armazenagem
  • 17. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Passo 2: levantar a área necessária para cada agrupamento de trabalho Superfície ou área de operação (So) Superfície ou área de circulação (Sc): Superfície ou área projetada (Sp) Sp
  • 18. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Passo 2: levantar a área necessária para cada agrupamento de trabalho Superfície de operação (So) Superfície de circulação (Sc):Superfície projetada (Sp)
  • 19. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Identificação das arestas vivas:
  • 20. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Com estes levantamentos o gerente de produção chega à conclusão que as seguintes áreas por setor são necessárias: 1,10 2,3,4,5 6,7,8,9 11,12 13,14 15,16,17,18,19,20 21,22 Processo
  • 21. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Passo 3: identificar o relacionamento entre os setores: Para este terceiro passo o gerente de produção elaborou um diagrama de relacionamento, conforme indicado na Figura.
  • 22. Elaboração de Arranjo Físico por Processo Passo 4: elaborar o arranjo físico
  • 23. Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo Em algumas atividades produtivas, o custo gerado pela movimentação do material pode ser significativo no custo total da operação. O aspecto possível de ser quantificado de um arranjo físico referente ao custo de transporte dos materiais é avaliado por meio da fórmula.
  • 24. Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo Exemplo: um estudo de arranjo físico desenvolveu duas alternativas para localizar seis setores produtivos A, B, C, D, E e F, dentro de uma determinada área, conforme croqui abaixo. Conhecendo-se as quantidades que devem ser transportadas por mês entre os setores produtivos e os custos unitários de transporte, calcular a melhor alternativa.
  • 25. Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo
  • 26. Avaliação Quantitativa do Arranjo Físico por Processo Resposta: Alternativa 1 tem o menor custo.
  • 27. LAYOUT EM LINHA (OU POR PRODUTO OU FLOW SHOP)
  • 28. Linha de Montagem Seriada (Layout por produto) Estação 1 Minutos por Unidade 6 Estação 2 7 Estação 3 3 O que vai acontecer?
  • 29. Exemplo--Balanceamento de Linha Seriada (por produto) o Você acabou de ser nomeado para implantar uma linha de montagem seriada de um ventilador, com as seguintes operações: Tarefa Duração (min) Descrição Precedência A 2 Montagem do corpo B 1 Montagem das botoeiras A C 3,25 Montagem do compartimento do motor D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C E 0,5 Colocar pás D F 1 Montar e colocar protetor de segurança E G 1 Colocar o cabo de força B H 1,4 Testar F, G
  • 30. Diagrama de Precedências o Qual dos processos define a capacidade máxima de produção? A C B D E F G H 2 3.25 1 1.2 .5 1 1.4 1
  • 31. O Gargalo Produção máxima = -------------------------------- = ------------------------ = 129 unid/dia Tempo disponível TCgargalo 420 min/dia 3,25 min/unid Tarefa Duração (min) Descrição Precedência A 2 Montagem do corpo B 1 Montagem das botoeiras A C 3,25 Montagem do compartimento do motor D 1,2 Montagem do suporte do compartimento A, C E 0,5 Colocar pás D F 1 Montar e colocar protetor de segurança E G 1 Colocar o cabo de força B H 1,4 Testar F, G
  • 32. Queremos montar 100 ventiladores por dia Portanto, deve-se produzir 1 peça a cada 4.2 min para atender a demanda. Duração do ciclo, TC = ---------------------------------------------- Tempo disponível no período Produção requerida TC = --------------------- = 4,2 min/unid 420 min/dia 100 unid/dia (Takt Time)
  • 33. Por que devemos arredondar? Número teórico de Estações (ou Postos) de Trabalho, Nt Nt = --------------------------------------------------------------------- Somatório das durações das operações (∑ ti) Duração do Ciclo (TC) Nt = --------------------------------- = 2,702 --> Nr = 3 11,35 min/unid 4,2 min/unid
  • 34. Regra básica para agrupamento das operações AGRUPAR AS OPERAÇÕES DE TAL FORMA QUE O SOMATÓRIO DAS SUAS RESPECTIVAS DURAÇÕES MAIS SE APROXIME DA DURAÇÃO DO CICLO DE MONTAGEM E NÃO SEJA QUEBRADA A SEQÜÊNCIA LÓGICA DA MONTAGEM
  • 35. A C B D E F G H 2 3.25 1 1.2 .5 1 1.4 1 Diagrama de Precedência
  • 36. C (4.2-3.25)=.95 Folga = .95 Qual Posto é o Gargalo? Qual a duração real do ciclo? A C B D E F G H 2 3.25 1 1.2 .5 1 1.4 1 D (4.2-1.2)=3 E (3-.5)=2.5 F (2.5-1)=1.5 H (1.5-1.4)=.1 Folga = .1 Tarefa Sucessor Tempo (min) A 6 2 C 4 3.25 D 3 1.2 B 2 1 E 2 0.5 F 1 1 G 1 1 H 0 1.4 A (4.2-2=2.2) B (2.2-1=1.2) G (1.2-1= .2) Folga = .2 Estação 1 Estação 2 Estação 3
  • 37. Eficiência do Balanceamento Eficiência = -------------------------------------------------------------------------------------------- Somatório das durações das operações (∑ ti) Número real de Postos (Nr)xDuração do Ciclo de Montagem (TC) Eficiência = ------------------------------ = 0,901 ou 90,1% 11,35 unid/min (3)(4,2 min/unid)
  • 39. A Compobrás é um fornecedor de bombas d’água para grandes montadoras de máquinas de lavar e pretende instalar uma linha de montagem para um novo tipo de bomba d’água, a pedido de um cliente. A demanda estimada para este produto é de 150 a 200 peças por dia. O analista de processos dividiu o processo de montagem e estimou os tempos de trabalho conforme o quadro a seguir. Deve-se levar em conta que a empresa trabalha um turno de oito horas por dia. Exemplo de Balanceamento
  • 52. LAYOUT POR POSIÇÃO FIXA Os recursos transformados não se movem entre os recursos transformadores . Ex.: construção de uma rodovia, cirurgia de coração, estaleiro, etc.transformadores.
  • 53. LAYOUTS COMBINADOS 53 É possível que diversos tipos de arranjo físico sejam utilizados em conjunto Ex: Complexo de Restaurantes
  • 54. douglasmiranda@ufmg.br FACE-UFMG 54 2010 Que tipo de layout é usado neste fábrica?
  • 55. Volume-variedade e tipo de Arranjo Aumentando-se o volume, aumenta-se a importância de gerenciar os fluxos e, reduzindo-se a variedade, aumenta-se a viabilidade de um arranjo físico baseado num fluxo regular. Por produto
  • 57. Características de um bom Arranjo 1. Segurança inerente: �Saídas de emergência sinalizadas e desimpedidas �Passagens marcadas e livres 2.Extensão do fluxo: �Canalização do fluxo de materiais, clientes ou informações �Minimização das distâncias percorridas pelos recursos transformados 3.Clareza de fluxo: �Fluxo de materiais e clientes sinalizado clara e evidentemente para clientes e para a mão-de-obra 4.Conforto da mão-de-obra �Alocação da mão-de-obra em locais menos desconfortáveis. 5.Coordenação gerencial 6.Acesso 7.Uso do espaço 8.Flexibilidade de longo prazo �Alterações no arranjo físico à medida que as necessidades da operação mudarem.
  • 58. Estudo de Caso Layout Volkswagen. Martins, Petrônio G. Administração da Produção, Editora Saraiva, Cap. 5, Pag 167 www.betagama.com.brwww.dunamath.com

Notas do Editor

  1. Papel do abastecedor no contexto JIT com kanban de 2 cartões mostrando o supermercado central. Ele faz rota visitando quadros kanbans das células de montagem e troca cartões de produção por movimentação.
  2. Muitos tipos de produtos diferentes, com baixa demanda. Entao baixa demanda não justifica ter uma linha só para ele. Vantagem: manutenção (especialização de MO/ flexibilidade caso 1 maquina esteja com problemas) Desvantagem: fluxo confuso
  3. Gargalo. // Cuidado com tempo ou PPH
  4. Num primeiro momento, cobrir a coluna precedência para perguntar se o dado anteriormente é suficiente...
  5. Ponte com PO / SALB ... Problemas de otimização relacionados a balanceamento de linhas de montagem
  6. Melhoria: TNP ou TP. Se Tprod, focar no gargalo.
  7. Relação com Lei de Little / Takt time: em função da demanda.
  8. Apenas ordenou em ordem decrescente de numero de sucessores. Introduzir estratégias . Ex: estação termina mais cedo e vai para outra atividade produtiva (e não “inventada”) Se operação for JIT, trabalhando conforme tempo takt, folga vira ociosidade (se estratégia adotada for esta). Se não, ociosidade é em relação a operação gargalo, produzindo mais que o necessário e gerando estoque.
  9. Ideal seriam 2.7 postos, mas usou-se 3, portanto há ineficiencia.
  10. Coluna: tarefas possiveis Quais são as tarefas que já tiveram seus predecesores alocados?
  11. Não é “ocioso” e sim “folga” em relação ao tempo de ciclo teórico (takt). Ociosidade é (folga da atividade i menos a folga do gargalo), pois o tempo de ciclo do gargalo será o tempo de ciclo real.
  12. OBS: se atividade da tabela de precedência mais lenta tiver tempo maior que o TC takt, tem que alocar 2 colaboradores para o posto que tiver tal atividade.
  13. Diferença nos grupamentos
  14. Figura, b e c invertidos
  15. “a la carte”: cliente parado // cliente é o recurso transformado, garçom é parte do recurso transformador