SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso - Cronoanálise
www.betagama.com.br
Curso
Cronoanálise
www.dunamath.com
“Material disponibilizado
para livre utilização.
Pedimos apenas que cite
os websites abaixo como
fonte de referencia.”
Índice - Cronometragem
2
Tópico
6 - Materiais
7 - Método
8 - Equipamento
9 - Máquinas
10 - Local de trabalho
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
11- Condições de trabalho
12 - O operador
13 - A operação
14 - Controle
3
6 – Materiais
➢O tipo de material sobre o tempo da operação são fatores de
influência decisiva.
➢O grau de dureza do material, o tipo e o tamanho, o peso e as
condições externas com que ele se apresenta na operação são
fatores que irão determinar maior desgaste de ferramentas,
perda de tempo e outras condições indesejáveis.
➢As perguntas sistematizadas a seguir procuram trazer a
evidência os vários pontos relacionados com o material em uso
na operação.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
4
1) Está sendo usado outro tipo de material?
2) Está sendo usado o melhor material?
3) É possível substituir este material por outro mais barato e
que corresponda às necessidades funcionais?
4) Quando recebido, o material vem em condições favoráveis
para o uso imediato?
5) Seria possível melhorar a usinabilidade do material por meio
de recozimento ou decapagem?
6) Os fundidos ou forjados foram limpos convenientemente?
7) O material é fornecido em lotes econômicos?
8) Estão sendo usados os materiais indiretos adequados?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
5
9) Há um controle adequado para o uso de materiais como
gasolina, óleo combustível, carvão, ar comprimido, água, etc...?
10)Quais são as possíveis causas de rejeição do material?
11)Uma substituição de material eliminaria alguma operação?
12)As características e propriedades físicas do material
correspondem às especificações? Existe quantidade suficiente
de material para o andamento da operação?
13)A qualidade do produto fabricado deve ser verificada para
que as exigências da qualidade sejam mantidas?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
6
14)Antes de fazer uma observação, os seguintes fatores
devem ser verificados:
▪ Material está de acordo coma especificação?
▪ Quais as exigências da inspeção?
▪ O material chega no lugar de trabalho com facilidades de
manejo?
▪ Operações anteriores afetam as condições da operação
em observação?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
7
7 – Método
➢Deve ser elaborado um método satisfatório para executar o
trabalho. Fatores como: sequencia de operações, economia em
movimentos, disposição do local de trabalho e divisão correta
de trabalho, devem ser estudadas e fixadas antes de se fazer
um estudo de tempo.
Características a serem verificadas:
A. O operador está trabalhando conforme instruções e na
sequencia certa?
B. O método usado é o melhor possível?
C. O operador está fazendo movimentos desnecessários?
D. Existem interrupções ou paradas desnecessárias nos
movimentos do operário?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
8
E. Enquanto a máquina está funcionando automaticamente, o
operador pode aproveitar o tempo para rebarbar, verificar
medidas, preposicionar ou transportar material ou outras
operações?
F. O operador é obrigado a andar desnecessariamente
durante a operação?
G. A iluminação, temperatura e ventilação são adequadas?
H. Há objetos desnecessários que atrapalham a operação?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
9
8 – Equipamento
➢Do mesmo modo que o uso de ferramentas ou dispositivos
inadequados de materiais fora da especificação contribuem
para aumentar o tempo da fabricação, assim também o uso de
máquinas não apropriadas pode determinar grandes perdas de
tempo.
Características a serem verificadas:
1) Qual a máquina usada nesta operação?
2) Esta máquina pode ser usada para mais de uma operação?
3) Esta máquina é a mais indicada para este serviço?
4) Seria possível usar várias máquinas deste tipo numa
operação em linha?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
10
5. As máquinas foram colocadas de modo a permitir o fluxo
das peças num só sentido de operação para operação?
6. Que avanço está sendo usado: manual ou mecânico?
7. Ao invés de uma máquina operada manualmente, poder-
se-ia uma máquina automática ou semi-automática?
8. Um aumento de velocidade da máquina alteraria a
qualidade do produto?
9. Que tipo de corte é usado? Como é entregue ao operador?
Este procedimento pode ser melhorado?
10.Como se retiram os cavacos e as rejeições?
11.Como se faz funcionar a máquina: por meio de pedal ou de
botão manual? Pode-se mudar? Como?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
11
12.Como se coloca a peça na máquina?
13.Como se retira a peça da máquina?
14.A máquina está bem protegida para evitar acidentes?
15.Usa-se ar comprimido para prender a peça? E para
remover cavacos?
16.Qual é o número de peças produzidas em cada ciclo?
17.É possível usar dois dispositivos nesta máquina, de modo a
permitir a carga de um enquanto a máquina está usinando a
peça montada no outro?
18.Na remoção das peças utiliza-se a queda por gravidade?
19.A máquina está operando com velocidades e avanços
adequados?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
12
20.Quantas máquinas são usadas nesta operação?
21.As velocidades de corte e os cavacos são os mesmos em
todas as máquinas usadas nesta operação?
22.As velocidades de corte e os cavacos são os mesmos em
todas as máquinas usadas nesta operação?
23.O operador pode operar mais de uma máquina ao mesmo
tempo? Quantas?
24.Estão sendo usadas luvas sem necessidades? Caso
contrário, seria aconselhável o seu uso?
25.É empregado algum processo mecânico ou pneumático
para rebarbar?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
13
26.O equipamento de modo geral, máquinas, ferramentas,
acessórios, etc., estão em condições de funcionamento para
executar o serviço?
27.As ferramentas, os dispositivos e outro equipamento estão
sendo utilizados de acordo com o especificado?
28.A velocidade de corte e os avanços da máquina, velocidade
da esteira de montagem, temperatura do forno e qualquer
outra condição necessária para a execução correta do
trabalho, devem ser mantidas durante o estudo?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
14
9 – Máquinas
Características a serem verificadas:
1) A máquina que está sendo usada é a apropriada?
2) As velocidades e os avanços são corretos?
3) A montagem da máquina e as ferramentas estão corretas?
4) Os arrastes (stops) estão colocados certos?
5) As máquinas e as ferramentas funcionam normalmente
sem defeitos?
6) As alavancas e os botões de operação estão colocados no
lugar mais vantajoso ou a disposição das mesmas pode ser
melhorada?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
15
10 – Local de Trabalho
➢O operador passa muito tempo em seu posto de trabalho.
➢O ambiente pode tornar o trabalho desagradável,
ocasionando perda de eficiência.
Características a serem verificadas:
1) O arranjo do local de trabalho foi feito de modo a eliminar
todos os movimentos desnecessários?
2) Existem armários adequados para armazenar todas as
ferramentas manuais?
3) O nível do trabalho está ligeiramente abaixo do nível do
cotovelo? A altura da cadeira ou do posto pode ser alterada ou
regulada?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
16
4. Nesta operação é possível o operador trabalhar em
posições alternadas - sentado, de pé - se o desejar?
5. Os controles da máquina, tanto quanto possível, estão bem
à frente do operador?
6. As ferramentas e os materiais foram arranjados na
sequencia, de modo a permitir redução de movimentos das
mãos?
7. A iluminação é adequada?
8. Há possibilidades do operador controlar a máquina
sentado?
9. Há possibilidade de cansaço visual resultante do brilho
intenso ou refluxo de superfícies polidas?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
17
10.As bancadas são mantidas limpas e em boa ordem?
11.Há recipientes adequados para os vários materiais em
uso?
12.É necessário fazer alguma modificação no local de
trabalho? Qual?
13.A posição das máquinas e das bancadas permitem um
fluxo contínuo do material e das peças numa só direção? Ou
há necessidade de retrocessos no fluxo? Por quê?
14.O local de trabalho está arrumado segundo os princípios de
economia de movimentos?
15.As condições ambientes são boas para o operário
(temperatura, umidade, ventilação, etc...)?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
18
11 – Condições de Trabalho
Características a serem verificadas:
1) A temperatura ambiente é de natureza uniforme? É
adequada?
2) A ventilação é boa?
3) Foram instalados exaustores de fumaça, gases e pó?
4) Os bebedouros estão convenientemente localizados?
5) É possível eliminar a inclinação do corpo por meio de uma
bancada especialmente desenhada para a operação?
6) Há apoio para o braço do operador?
7) Existe o máximo conforto possível para o operador?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
19
12 – Operador
➢Através das perguntas que se seguem, é possível verificar o
estado do treinamento do operador, se a operação não é
excessivamente difícil para ele ou se ele se adapta à operação
de modo regular e conveniente.
1) O operador foi cuidadosamente selecionado e
adequadamente treinado?
2) A carga de trabalho está distribuída entre a equipe de
maneira equitativa e eficiente?
3) Qual é a posição do operador em relação às peças,
materiais e equipamentos?
4) Quais os fatores desta operação que poderiam determinar
cansaço excessivo para o operador?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
20
5. O operador trabalha com a mão esquerda? Com a direita?
6. Podem ser eliminados movimentos de corpo exigidos por
esta operação? Quais?
7. Há movimentos desnecessários que possam ser
eliminados/
8. Há movimentos inúteis ou falsos?
9. O método em uso é apropriado?
10.Os movimentos usados são adequados?
11.Todos os operadores de equipe estão usando o mesmo
método?
12.O operador usa ambas as mãos o tempo todo? Os
movimentos das mãos são simétricos?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
21
13.O operador tem altura adequada para a operação?
14.Deve ser escolhido um operador qualificado para executar
normalmente a operação, o operador deve possuir habilidade,
características físicas e outros requisitos especiais,
necessários à execução eficiente do trabalho.
15.O operador deve ser treinado no uso da máquina,
ferramentas e outro equipamento para que seja eficiente no
trabalho. Deve ter trabalhado bastante tempo para desenvolver
uma habilidade média normal.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
22
16.Detalhes a serem verificados:
a. As características do operador – altura, vista, ouvido,
mãos, pés, etc., são adequadas para o trabalho?
b. O operador possui o treinamento necessário?
c. Pode-se observar nos movimentos do operador,
embaraço, hesitação ou incerteza?
d. O operador demonstra a habilidade e esforço
necessário?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
23
13 – Operação
➢As perguntas e os roteiros apresentados até aqui, de modo
geral, cobrem as fases da operação referentes ao ambiente, às
condições da operação, por assim dizer. Entretanto, há ainda
muitos outros fatores a serem considerados, referentes às
condições gerais da operação, bem como a operação em
função de outras ou do produto final.
1) Qual é a finalidade desta operação? É necessária?
2) Esta operação pode ser eliminada? Por quê?
3) Esta operação não será consequência de uma operação
anterior mal feita?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
24
4. Esta operação apenas melhora a aparência do produto ou
é realmente necessária?
5. Seria possível obter o mesmo resultado desta operação de
outro modo? Qual?
6. Esta operação, ou parte dela, não poderia ser feita pelo
fornecedor de material? Quanto custa?
7. Esta operação é absolutamente necessária ou está sendo
feita apenas por tradição?
8. A operação é padronizada ou de natureza especial?
9. Esta operação é necessária por causa de ferramentas de
qualidade inferior ou ferramentas mal afiadas de operações
anteriores?
10.Há tempo improdutivo ou inutilizado durante a realização
desta operação?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
25
11.A montagem das várias peças está sendo feita na
sequencia adequada?
12.Os vários materiais usados na operação de montagem final
(pregos, pasta de solda, arame de solda, parafusos, arruelas,
etc...) são de natureza adequada?
13.Este é o melhor método de se fazer esta peça?
14.A operação de montagem pode ser dividida em várias
operações de submontagem?
15.Há algum serviço realizado em outro departamento que
poderia ser feito com maiores vantagens neste departamento?
16.Esta peça ou esta montagem pode ser feita durante o ciclo
de outra peça ou montagem?
17.É possível eliminar ou combinar elementos pelo uso de um
método eficiente?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
26
18.É possível eliminar ou combinar elementos com o uso de
ferramentas especiais?
19.É possível reduzir a diversidade de tamanhos dos furos
para simplificar a operação?
20.É possível reduzir o tempo de fazer esta operação?
21.É possível reduzir em uma só operação várias
submontagens com o uso de ferramentas especiais?
22.Seria mais econômico fazer esta operação em outra
máquina?
23.Seria prático especificar para o fornecedor os tipos de
embalagem que permitisse usar as peças com mais rapidez e
eficiência?
24.As operações da linha de montagem estão devidamente
balanceadas?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
27
25.É possível substituir a operação de rebitar por um pingo de
solda?
26.Prisioneiros por parafusos e porcas comuns?
27.É possível modificar o método da operação para se obter
melhor qualidade?
28.É possível modificar o método da operação para se obter
produção mais rápida?
29.Mudar a operação de uma máquina para uma bancada
seria mais rápido?
30.Existe um método menos dispendioso?
31.Pode-se criar um método mais econômico?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
28
32.Que tipo de demora ocorre durante esta operação?
33.Qual é a porcentagem das paradas inevitáveis? E das
evitáveis?
34.Pode ser alterada a sequencia das operações?
35.As tolerâncias, especificações de acabamento da peça são
realmente necessárias de acordo com a finalidade a que esta
peça deve satisfazer no produto acabado?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
29
14 – Controle
1) Como são contadas as peças processadas?
2) Poderia ser usado um contador automático?
3) Estão sendo separadas as peças defeituosas das peças
boas?
4) Como poderiam ser eliminadas ou reduzidas as demoras
ou atrasos encontrados neste trabalho?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
30
Curso - Cronoanálise
www.betagama.com.br
www.dunamath.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
Alexandre Bonifacio Silva
 
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustradoGuia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Sidonio Guerreiro
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
Amanda Ponciano Pereira
 
Troca Rápida de Ferramentas
Troca Rápida de FerramentasTroca Rápida de Ferramentas
Troca Rápida de Ferramentas
Marcel Gois
 
Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
Flavio Oliveira
 
Manutenção de sistemas de climatização aula 1
Manutenção de sistemas de climatização   aula 1Manutenção de sistemas de climatização   aula 1
Manutenção de sistemas de climatização aula 1
izaudaMonteiro
 
Tempometodos
TempometodosTempometodos
Tempometodos
Gilcenir Nicolau
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
izaudaMonteiro
 
OEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCOEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCC
Marcos Valle
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Implantação da troca rápida de ferramenta
Implantação da troca rápida de ferramentaImplantação da troca rápida de ferramenta
Implantação da troca rápida de ferramenta
Daisy Marschalk
 
Senai metrologia
Senai   metrologiaSenai   metrologia
Senai metrologia
Everton Costa
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Renan Guerra
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Fernando Oliveira
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
Michel Silva
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Aula 01   definição análise de falhas-técnicasAula 01   definição análise de falhas-técnicas
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Fernando Oliveira
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
mendes007
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Erick Luiz Coutinho dos Santos
 
SMED
SMEDSMED
SMED
Funais
 

Mais procurados (20)

Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustradoGuia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
Guia pratico-para-o-calculo-do-oee-illustrado
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
 
Troca Rápida de Ferramentas
Troca Rápida de FerramentasTroca Rápida de Ferramentas
Troca Rápida de Ferramentas
 
Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
 
Manutenção de sistemas de climatização aula 1
Manutenção de sistemas de climatização   aula 1Manutenção de sistemas de climatização   aula 1
Manutenção de sistemas de climatização aula 1
 
Tempometodos
TempometodosTempometodos
Tempometodos
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
 
OEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCCOEE Apresentação TCC
OEE Apresentação TCC
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Implantação da troca rápida de ferramenta
Implantação da troca rápida de ferramentaImplantação da troca rápida de ferramenta
Implantação da troca rápida de ferramenta
 
Senai metrologia
Senai   metrologiaSenai   metrologia
Senai metrologia
 
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentosManutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
Manutenc3a7c3a3o de-mc3a1quinas-e-equipamentos
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
Aula 01   definição análise de falhas-técnicasAula 01   definição análise de falhas-técnicas
Aula 01 definição análise de falhas-técnicas
 
Manutenção
ManutençãoManutenção
Manutenção
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
 
SMED
SMEDSMED
SMED
 

Semelhante a Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6

Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
Daniel Moura
 
Estudo de tempo
Estudo de tempoEstudo de tempo
Estudo de tempo
MateusCastilho6
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
Roberta Araujo do Amorim
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
KEILAMAYUMI
 
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
eugeniorocha
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
VanessaGomes644650
 
planner_710_canavieira gts.pdf
planner_710_canavieira gts.pdfplanner_710_canavieira gts.pdf
planner_710_canavieira gts.pdf
CristianoReichert1
 
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
RAONNEBRAZ1
 

Semelhante a Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6 (9)

Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 3 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Unidade 3 planejamento de espaços
Unidade 3   planejamento de espaçosUnidade 3   planejamento de espaços
Unidade 3 planejamento de espaços
 
Estudo de tempo
Estudo de tempoEstudo de tempo
Estudo de tempo
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
 
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
Roteiro para Auditoria Técnica em Içamento de Cargas.
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
 
planner_710_canavieira gts.pdf
planner_710_canavieira gts.pdfplanner_710_canavieira gts.pdf
planner_710_canavieira gts.pdf
 
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
389686414-Mini-Carregadeira-Honorato.ppt
 

Mais de douglas

Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
douglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
douglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
douglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 

Mais de douglas (12)

Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 

Último

AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Tronicline Automatismos
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
JosAtila
 
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 

Último (6)

AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
AE02 - SINAIS E SISTEMAS LINEARES UNICESUMAR 52/2024
 
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60AManual de Instalação para Placa Proteco Q60A
Manual de Instalação para Placa Proteco Q60A
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenhariaAula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
Aula 4 - 3D laser scanning para bim em engenharia
 
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE02 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 

Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6

  • 1. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.br Curso Cronoanálise www.dunamath.com “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.”
  • 2. Índice - Cronometragem 2 Tópico 6 - Materiais 7 - Método 8 - Equipamento 9 - Máquinas 10 - Local de trabalho Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com 11- Condições de trabalho 12 - O operador 13 - A operação 14 - Controle
  • 3. 3 6 – Materiais ➢O tipo de material sobre o tempo da operação são fatores de influência decisiva. ➢O grau de dureza do material, o tipo e o tamanho, o peso e as condições externas com que ele se apresenta na operação são fatores que irão determinar maior desgaste de ferramentas, perda de tempo e outras condições indesejáveis. ➢As perguntas sistematizadas a seguir procuram trazer a evidência os vários pontos relacionados com o material em uso na operação. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 4. 4 1) Está sendo usado outro tipo de material? 2) Está sendo usado o melhor material? 3) É possível substituir este material por outro mais barato e que corresponda às necessidades funcionais? 4) Quando recebido, o material vem em condições favoráveis para o uso imediato? 5) Seria possível melhorar a usinabilidade do material por meio de recozimento ou decapagem? 6) Os fundidos ou forjados foram limpos convenientemente? 7) O material é fornecido em lotes econômicos? 8) Estão sendo usados os materiais indiretos adequados? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 5. 5 9) Há um controle adequado para o uso de materiais como gasolina, óleo combustível, carvão, ar comprimido, água, etc...? 10)Quais são as possíveis causas de rejeição do material? 11)Uma substituição de material eliminaria alguma operação? 12)As características e propriedades físicas do material correspondem às especificações? Existe quantidade suficiente de material para o andamento da operação? 13)A qualidade do produto fabricado deve ser verificada para que as exigências da qualidade sejam mantidas? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 6. 6 14)Antes de fazer uma observação, os seguintes fatores devem ser verificados: ▪ Material está de acordo coma especificação? ▪ Quais as exigências da inspeção? ▪ O material chega no lugar de trabalho com facilidades de manejo? ▪ Operações anteriores afetam as condições da operação em observação? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 7. 7 7 – Método ➢Deve ser elaborado um método satisfatório para executar o trabalho. Fatores como: sequencia de operações, economia em movimentos, disposição do local de trabalho e divisão correta de trabalho, devem ser estudadas e fixadas antes de se fazer um estudo de tempo. Características a serem verificadas: A. O operador está trabalhando conforme instruções e na sequencia certa? B. O método usado é o melhor possível? C. O operador está fazendo movimentos desnecessários? D. Existem interrupções ou paradas desnecessárias nos movimentos do operário? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 8. 8 E. Enquanto a máquina está funcionando automaticamente, o operador pode aproveitar o tempo para rebarbar, verificar medidas, preposicionar ou transportar material ou outras operações? F. O operador é obrigado a andar desnecessariamente durante a operação? G. A iluminação, temperatura e ventilação são adequadas? H. Há objetos desnecessários que atrapalham a operação? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 9. 9 8 – Equipamento ➢Do mesmo modo que o uso de ferramentas ou dispositivos inadequados de materiais fora da especificação contribuem para aumentar o tempo da fabricação, assim também o uso de máquinas não apropriadas pode determinar grandes perdas de tempo. Características a serem verificadas: 1) Qual a máquina usada nesta operação? 2) Esta máquina pode ser usada para mais de uma operação? 3) Esta máquina é a mais indicada para este serviço? 4) Seria possível usar várias máquinas deste tipo numa operação em linha? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 10. 10 5. As máquinas foram colocadas de modo a permitir o fluxo das peças num só sentido de operação para operação? 6. Que avanço está sendo usado: manual ou mecânico? 7. Ao invés de uma máquina operada manualmente, poder- se-ia uma máquina automática ou semi-automática? 8. Um aumento de velocidade da máquina alteraria a qualidade do produto? 9. Que tipo de corte é usado? Como é entregue ao operador? Este procedimento pode ser melhorado? 10.Como se retiram os cavacos e as rejeições? 11.Como se faz funcionar a máquina: por meio de pedal ou de botão manual? Pode-se mudar? Como? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 11. 11 12.Como se coloca a peça na máquina? 13.Como se retira a peça da máquina? 14.A máquina está bem protegida para evitar acidentes? 15.Usa-se ar comprimido para prender a peça? E para remover cavacos? 16.Qual é o número de peças produzidas em cada ciclo? 17.É possível usar dois dispositivos nesta máquina, de modo a permitir a carga de um enquanto a máquina está usinando a peça montada no outro? 18.Na remoção das peças utiliza-se a queda por gravidade? 19.A máquina está operando com velocidades e avanços adequados? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 12. 12 20.Quantas máquinas são usadas nesta operação? 21.As velocidades de corte e os cavacos são os mesmos em todas as máquinas usadas nesta operação? 22.As velocidades de corte e os cavacos são os mesmos em todas as máquinas usadas nesta operação? 23.O operador pode operar mais de uma máquina ao mesmo tempo? Quantas? 24.Estão sendo usadas luvas sem necessidades? Caso contrário, seria aconselhável o seu uso? 25.É empregado algum processo mecânico ou pneumático para rebarbar? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 13. 13 26.O equipamento de modo geral, máquinas, ferramentas, acessórios, etc., estão em condições de funcionamento para executar o serviço? 27.As ferramentas, os dispositivos e outro equipamento estão sendo utilizados de acordo com o especificado? 28.A velocidade de corte e os avanços da máquina, velocidade da esteira de montagem, temperatura do forno e qualquer outra condição necessária para a execução correta do trabalho, devem ser mantidas durante o estudo? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 14. 14 9 – Máquinas Características a serem verificadas: 1) A máquina que está sendo usada é a apropriada? 2) As velocidades e os avanços são corretos? 3) A montagem da máquina e as ferramentas estão corretas? 4) Os arrastes (stops) estão colocados certos? 5) As máquinas e as ferramentas funcionam normalmente sem defeitos? 6) As alavancas e os botões de operação estão colocados no lugar mais vantajoso ou a disposição das mesmas pode ser melhorada? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 15. 15 10 – Local de Trabalho ➢O operador passa muito tempo em seu posto de trabalho. ➢O ambiente pode tornar o trabalho desagradável, ocasionando perda de eficiência. Características a serem verificadas: 1) O arranjo do local de trabalho foi feito de modo a eliminar todos os movimentos desnecessários? 2) Existem armários adequados para armazenar todas as ferramentas manuais? 3) O nível do trabalho está ligeiramente abaixo do nível do cotovelo? A altura da cadeira ou do posto pode ser alterada ou regulada? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 16. 16 4. Nesta operação é possível o operador trabalhar em posições alternadas - sentado, de pé - se o desejar? 5. Os controles da máquina, tanto quanto possível, estão bem à frente do operador? 6. As ferramentas e os materiais foram arranjados na sequencia, de modo a permitir redução de movimentos das mãos? 7. A iluminação é adequada? 8. Há possibilidades do operador controlar a máquina sentado? 9. Há possibilidade de cansaço visual resultante do brilho intenso ou refluxo de superfícies polidas? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 17. 17 10.As bancadas são mantidas limpas e em boa ordem? 11.Há recipientes adequados para os vários materiais em uso? 12.É necessário fazer alguma modificação no local de trabalho? Qual? 13.A posição das máquinas e das bancadas permitem um fluxo contínuo do material e das peças numa só direção? Ou há necessidade de retrocessos no fluxo? Por quê? 14.O local de trabalho está arrumado segundo os princípios de economia de movimentos? 15.As condições ambientes são boas para o operário (temperatura, umidade, ventilação, etc...)? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 18. 18 11 – Condições de Trabalho Características a serem verificadas: 1) A temperatura ambiente é de natureza uniforme? É adequada? 2) A ventilação é boa? 3) Foram instalados exaustores de fumaça, gases e pó? 4) Os bebedouros estão convenientemente localizados? 5) É possível eliminar a inclinação do corpo por meio de uma bancada especialmente desenhada para a operação? 6) Há apoio para o braço do operador? 7) Existe o máximo conforto possível para o operador? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 19. 19 12 – Operador ➢Através das perguntas que se seguem, é possível verificar o estado do treinamento do operador, se a operação não é excessivamente difícil para ele ou se ele se adapta à operação de modo regular e conveniente. 1) O operador foi cuidadosamente selecionado e adequadamente treinado? 2) A carga de trabalho está distribuída entre a equipe de maneira equitativa e eficiente? 3) Qual é a posição do operador em relação às peças, materiais e equipamentos? 4) Quais os fatores desta operação que poderiam determinar cansaço excessivo para o operador? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 20. 20 5. O operador trabalha com a mão esquerda? Com a direita? 6. Podem ser eliminados movimentos de corpo exigidos por esta operação? Quais? 7. Há movimentos desnecessários que possam ser eliminados/ 8. Há movimentos inúteis ou falsos? 9. O método em uso é apropriado? 10.Os movimentos usados são adequados? 11.Todos os operadores de equipe estão usando o mesmo método? 12.O operador usa ambas as mãos o tempo todo? Os movimentos das mãos são simétricos? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 21. 21 13.O operador tem altura adequada para a operação? 14.Deve ser escolhido um operador qualificado para executar normalmente a operação, o operador deve possuir habilidade, características físicas e outros requisitos especiais, necessários à execução eficiente do trabalho. 15.O operador deve ser treinado no uso da máquina, ferramentas e outro equipamento para que seja eficiente no trabalho. Deve ter trabalhado bastante tempo para desenvolver uma habilidade média normal. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 22. 22 16.Detalhes a serem verificados: a. As características do operador – altura, vista, ouvido, mãos, pés, etc., são adequadas para o trabalho? b. O operador possui o treinamento necessário? c. Pode-se observar nos movimentos do operador, embaraço, hesitação ou incerteza? d. O operador demonstra a habilidade e esforço necessário? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 23. 23 13 – Operação ➢As perguntas e os roteiros apresentados até aqui, de modo geral, cobrem as fases da operação referentes ao ambiente, às condições da operação, por assim dizer. Entretanto, há ainda muitos outros fatores a serem considerados, referentes às condições gerais da operação, bem como a operação em função de outras ou do produto final. 1) Qual é a finalidade desta operação? É necessária? 2) Esta operação pode ser eliminada? Por quê? 3) Esta operação não será consequência de uma operação anterior mal feita? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 24. 24 4. Esta operação apenas melhora a aparência do produto ou é realmente necessária? 5. Seria possível obter o mesmo resultado desta operação de outro modo? Qual? 6. Esta operação, ou parte dela, não poderia ser feita pelo fornecedor de material? Quanto custa? 7. Esta operação é absolutamente necessária ou está sendo feita apenas por tradição? 8. A operação é padronizada ou de natureza especial? 9. Esta operação é necessária por causa de ferramentas de qualidade inferior ou ferramentas mal afiadas de operações anteriores? 10.Há tempo improdutivo ou inutilizado durante a realização desta operação? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 25. 25 11.A montagem das várias peças está sendo feita na sequencia adequada? 12.Os vários materiais usados na operação de montagem final (pregos, pasta de solda, arame de solda, parafusos, arruelas, etc...) são de natureza adequada? 13.Este é o melhor método de se fazer esta peça? 14.A operação de montagem pode ser dividida em várias operações de submontagem? 15.Há algum serviço realizado em outro departamento que poderia ser feito com maiores vantagens neste departamento? 16.Esta peça ou esta montagem pode ser feita durante o ciclo de outra peça ou montagem? 17.É possível eliminar ou combinar elementos pelo uso de um método eficiente? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 26. 26 18.É possível eliminar ou combinar elementos com o uso de ferramentas especiais? 19.É possível reduzir a diversidade de tamanhos dos furos para simplificar a operação? 20.É possível reduzir o tempo de fazer esta operação? 21.É possível reduzir em uma só operação várias submontagens com o uso de ferramentas especiais? 22.Seria mais econômico fazer esta operação em outra máquina? 23.Seria prático especificar para o fornecedor os tipos de embalagem que permitisse usar as peças com mais rapidez e eficiência? 24.As operações da linha de montagem estão devidamente balanceadas? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 27. 27 25.É possível substituir a operação de rebitar por um pingo de solda? 26.Prisioneiros por parafusos e porcas comuns? 27.É possível modificar o método da operação para se obter melhor qualidade? 28.É possível modificar o método da operação para se obter produção mais rápida? 29.Mudar a operação de uma máquina para uma bancada seria mais rápido? 30.Existe um método menos dispendioso? 31.Pode-se criar um método mais econômico? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 28. 28 32.Que tipo de demora ocorre durante esta operação? 33.Qual é a porcentagem das paradas inevitáveis? E das evitáveis? 34.Pode ser alterada a sequencia das operações? 35.As tolerâncias, especificações de acabamento da peça são realmente necessárias de acordo com a finalidade a que esta peça deve satisfazer no produto acabado? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 29. 29 14 – Controle 1) Como são contadas as peças processadas? 2) Poderia ser usado um contador automático? 3) Estão sendo separadas as peças defeituosas das peças boas? 4) Como poderiam ser eliminadas ou reduzidas as demoras ou atrasos encontrados neste trabalho? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com