SlideShare uma empresa Scribd logo
Administração de Produção
Projeto da Rede e Localização de
Empresas
Ref. Bibliográfica:
Martins, Petrônio G.Administração da Produção, Editora Saraiva, Capítulo 2.
Slack, Nigel, Administração da Produção, Editora Atlas, 2º Ed., 2002, Cap. 6
“Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que
cite os websites abaixo como fonte de referencia.”
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Questões chaves
�Por que uma empresa deve considerar uma perspectiva
de rede de suprimento total?
�O que está implícito na configuração da rede de
suprimentos?
�Onde deve ser a localização das operações produtivas?
�Qual a capacidade que uma operação deve planejar ter?
Projeto da Rede de Operações
Produtivas
2 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Perspectiva da Rede
3 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Perspectiva da Rede
4 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Projeto da Rede
5
1) Extensão/ Configuração: quão abrangente deve ser a
operação produtiva na rede? -integração vertical
2) Localização: Onde deve ser localizada as operações
produtivas na rede?-localizada as operações produtivas
3) Expansão: quão grande deve ser as instalações?
Decisões de gestão da capacidade produtiva a longo prazo
OBS: São todas decisões de nível estratégico (longo prazo).
Configurando a Rede
6
Integração Vertical
Integração vertical significa a atuação de uma empresa em
mais de um estágio do processo produtivo.
Esse procedimento pode se tornar rentável, na
medida em que resulte em economia de combustível, fretes,
coordenação da produção e na eliminação de intermediários
Fusão vertical é quando duas empresas se unem e estas
produzem produtos que pertencem a diferentes etapas do
processo produtivo.
Integração Vertical
Integração Vertical
Integração Vertical
∗Afeta a qualidade: melhor controle / rastreabilidade
∗Afeta a rapidez: melhor sincronização da progr. da produção
∗Afeta a confiabilidade: promessas de entrega mais
confiáveis
∗Afeta a flexibilidade: desenvolvimento tecnológico
∗Afeta os custos: compartilhamento de custos como P&D e
logística.
Integração Horizontal
Obtido com a aquisição de empresas na
mesma linha de negócios.
Motivado principalmente para obter mais
poder para lidar com seus fornecedores e
clientes e diminuir custos, maior acesso aos
canais de distribuição e maior flexibilidade
operacional
Integração Horizontal
Reduz a concorrência no setor onde ocorre
Precisam ser validadas pelas organizações
anti-truste
Integração Horizontal/ Vertical
13
Vertical
Horizontal
douglasmiranda@ufmg.br FACE-UFMG 14
Localização
A decisão de onde instalar uma fábrica ou um
depósito de distribuição é uma decisão estratégica.
Por que na década de 60 a indústria automobilística
foi impalntada no ABC Paulista? Por que, desde a década
de 90, houve uma mudança nesta tendência?
Introdução
Multinacionais / transnacionais
Globalização
Mercados Cativos
Centros de Excelência
Regionalização dos Produtos
Não apenas empresas industriais, mas empresas de
serviço também (McDonalds, Pizza Hut, Carrefour...).
O cenário da localização
Para uma decisão adequada quanto à localização,
deve-se determinar qual capacidade, onde e quando
necessária.
Forma de medir a capacidade.
Demanda para os próximos anos.
Capacidade a ser instalada.
Seleção da Alternativa.
Medida da Capacidade
O conceito de capacidade pode mudar conforme
algumas características da empresa.
Empresa é monoproduto ou multiprodutos?
Deve-se considerar a sua capacidade nominal ou de pico?
•Tipos de Capacidade:
o Capacidade do projeto
o Capacidade efetiva (real)
o Capacidade nominal
Qual a capacidade de um cinema com 400 assentos?
Medida da Capacidade
Dados:
400 lugares.
5 sessões por dia.
Capacidade:
2000 pessoas/dia.
Significa que a capacidade máxima de processamento
é de 2000 pessoas por dia. Este é o fluxo máximo de clientes
que o cinema é capaz de processar, de dar vazão.
Capacidade de Produção
Definição:
1) A quantidade máxima de produtos e serviços
que podem ser produzidos numa unidade produtiva, num dado
intervalo de tempo.
2) A vazão máxima de materiais da empresa.
vazão: metros cúbicos/hora
capacidade produtiva: unidades/hora
Capacidade de Produção
EMPRESA INSUMOS
Capacidade Estática
MEDIDA DA CAPACIDADE DE
VOLUME DE PRODUÇÃO
Fábrica de refrigerantes Horas.máquinas disponíveis Número de unidades/ano
Hotel Leitos disponíveis Número de hóspedes/dia
Cinema Número de assentos
Número de espectadores/
semana
Fábrica de cimento Volume do forno de clinquer Toneladas/dia
Empresa de transportes Número de poltronas Número de passageiros/ano
Usina hidroelétrica Tamanho das turbinas Potência gerada (MWh)
Loja Área da loja Vendas/mês
Escola Número de alunos Número de formados/ano
Capacidade de Produção
PROCESSO
A
60 unid/h
PROCESSO
B
40 unid/h
PROCESSO
C
51 unid/h
PROCESSO
D
66 unid/h
CAPACIDADE PRODUTIVA DO
SISTEMA?
QUAL A CAPACIDADE PRODUTIVA DO
SISTEMA?
40 unid/h
QUAL O GARGALO DO SISTEMA?
PROCESSO B
Determinação da Demanda
A decisão de localização é uma decisão de longo
prazo. Para saber o tamanho da facilidade a ser localizada, é
preciso conhecer a demanda que esta facilidade terá ao longo
dos anos seguintes.
Técnicas de previsão de vendas são importantes para
esta decisão.
ANO 1 2 3 4 5
PRODUTO (unidades) 100.000 110.000 123.000 138.000 155.000
ANO 1 2 3 4 5
CAPACIDADE MÁXIMA 38.500 42.350 51.660 57.960 65.100
CAPACIDADE MÍNIMA 31.500 34.650 34.440 38.640 43.400
Sabe-se que a precisão da estimativa é de 10% (para mais ou
para menos) para os anos 1 e 2, e de 20% para os demais
anos. Portanto, o cenário de capacidade para a empresa é:
Determinação da Capacidade a Instalar
Qual capacidade a empresa vai considerar?
35% de Market-Share
Selecionar alternativa mais adequada
Definir objetivos:
Obrigatórios
Desejáveis
Considerar também fatores subjetivos:
Caso a demanda aumente mais que o previsto, é possível
ampliar a planta no local escolhido?
A empresa continuará a contar com as facilidades fiscais?
Haverá uma ampliação da malha de transportes na região?
Selecionar alternativa mais adequada
Robustez do projeto, análise de sensibilidade
Opções de Localização quando
capacidade adicional é necessária:
o Realizar apenas um ajuste interno.
o Expandir a atual instalação.
o Adicionar nova fábrica.
o Fechar a instalação existente e mudar-se
para outra maior.
o Disponibilidade de Mão de Obra;
o Nível salarial e sindicatos;
o Disponibilidade de transporte;
o Suprimento de eletricidade, gás, telefones,
água, esgoto, etc.
o Incentivos fiscais
Exemplos de Fatores Determinantes na
Localização
o Proximidade dos mercados
o Tendências de crescimento populacional
o Fornecedores e serviços de apoio
o Restrições ambientais
o Disponibilidade e custos dos terrenos
Exemplos de Fatores Determinantes na
Localização
o Leis de zoneamento urbano;
o Proximidade de universidades;
o Hospitais;
o Nível de vida;
o Preferências da gerência
Exemplos de Fatores Determinantes na
Localização
Cluster: agrupamento natural de empresas similares em
determinada região geográfica.
Ex: Rua Santa Efigênia em São Paulo (produtos
eletrônicos), região de Montes Claros - MG (área
bioquímica), Vale do Silício - EUA (informática).
Vantagens: existência de instituições de apoio e pesquisa,
fornecedores qualificados, reciclagem em conjunto com
outras empresas.
Tipos de localização / agrupamentos
Condomínio Industrial: Comum na indústria
automobilística. Localização de fornecedores dentro da
planta da montadora ou adjacente a ela.
Montadora é o “líder” do condomínio, definindo
fornecedores e orientando-os.
Vantagens:
Favorece fornecimento JIT.
Reduz custo de transporte de peças “frágeis”.
Tipos de localização / agrupamentos
Consórcio Modular: Ampliação do conceito de
“Condomínio Industrial”. Além de se localizar dentro da
planta, o próprio fornecedor é responsáveis pela
montagem de seus itens no veículo.
Volkswagen de Resende foi o primeiro no mundo.
Tipos de localização / agrupamentos
Keiretsu: é um tipo de “cartel” autorizado pelo governo
do país.
Empresas são independentes mas possuem relação
permanente, a ponto de executivos fazerem parte das
diretorias umas das outras.
Ex: Mitsubishi
Artigo
Cooperativas: comuns na indústria agrícula.
Diversas propriedades de uma mesma região geográfica
se unem para:
Ter maior “poder de barganha” tanto na compra dos
insumos como na venda dos produtos.
Ter maior “know-how”.
Agregar maior valor ao produto.
Tipos de localização / agrupamentos
Empresa Virtual: normalmente sem um escritório central,
pode ser composta por pessoas em diversos locais do
globo e muitas vezes são temporárias.
Ex: Power PC (composta pela IBM, Apple e
Motorola) : projetar e lançar um produto específico no
mercado. Início dos anos 90. Objetivo de criar um processador
para ser utilizado nos computadores da Apple.
Tipos de localização / agrupamentos
Métodos de Localização Industrial
o Centro de Gravidade
o Momentos
o Ponto de Equilíbrio
o Avaliação de Fatores
Quantitativos:
Qualitativos:
Método do Centro de Gravidade
A Transbrás é um operador logístico do estado do Paraná, responsável pela
distribuição dos produtos de várias empresas. De todos os seus clientes produtores,
três representam mais de 80% do faturamento. Da mesma forma, 80% das entregas
destes três grandes fabricantes são feitas para cinco clientes varejistas comuns aos
três. Assim a Transbrás decidiu montar um depósito. Qual a melhor localização
deste depósito, utilizando-se o modelo do centro de gravidade? As quantidades que
se espera coletar em cada fabricante e entregar em cada varejista a cada semana
foram estimadas:
Método do Centro de Gravidade
Método do Centro de Gravidade
Método dos Momentos
41 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Método do Ponto de Equilíbrio
42 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Métodos Qualitativos de Localização
Industrial
Avaliação de Fatores:
Exemplo: Uma empresa está avaliando quatro alternativas para a localização de
nova instalação. Segundo a gerência, os fatores determinantes na localização estão
relacionados abaixo, com os respectivos pesos e notas (de 1 a 5, onde o 5 é o mais
favorável):
Fator Peso A B C D
Restrições ambientais 15 5 4 4 3
Disp de mão de obra 12 2 3 4 2
Sist de transporte 18 3 4 4 4
Prox. de mercados 20 2 3 4 3
Qualidade de vida 25 3 3 4 4
Prox. Matérias primas 10 5 2 1 5
NOTAS
NOTAS
FATOR Peso(%) A B C D
Restrições ambientais 15 5 4 4 3
Disponibilidade de mão de obra 12 2 3 4 2
Sistema de transportes 18 3 4 4 4
Proximidade a mercados 20 2 3 4 3
Qualidade de vida 25 3 3 4 4
Proximidade de matérias primas 10 5 2 1 5
100 3,18 3,23 3,70 3,51
Escolher C
NOTAS
FATOR Peso(%) A B C D
Disponibilidade de pessoal 10 7,5 8 6,5 5
Aspcetos sindicais 15 10 5 7 9,5
Restrições ambientais 20 5 7,5 9 6,5
Qualidade de vida 15 9 8 9,5 8,5
Suprimento de materiais 15 6,5 6 7,5 8,5
Isenção de impostos 15 5 8 8 8,5
Desenvolvimento regional 10 5 6 8 6,5
100 6,83 6,95 8,05 7,70
Escolher C
UMA EMPRESA DESEJA PONDERAR OS FATORES QUALITATIVOS DE QUATRO CIDADES
CANDIDATAS A SEDIAR A SUA NOVA UNIDADE. A EMPRESA INICIALMENTE DEFINIU OS
FATORES A SEREM CONSIDERADOS E ATRIBUIU A CADA UM DELES UM PESO.
POSTERIORMENTE PEDIU A CADA UM DE SEUS PRINCIPAIS EXECUTIVOS QUE
ATRIBUÍSSEM A CADA UMA DAS CIDADES UMA NOTA, ENTRE 0 E 10, PARA CADA UM
DOS FATORES. OS DADOS OBTIDOS ESTÃO ABAIXO:
EXERCÍCIO
Defina as necessidades:
(a) Tamanho da empresa;
(b) Objetivos
(c) Nichos de mercado
(d) Número/tamanho de fábricas/
depósitos
Determine as Estratégias:
(a) Fatores dominantes de localização
(b) Ênfase nos produtos/mercados
(c) Competências da empresa
(d) Orientação ao risco
Procura por região viável
Desenvolva alternativas de localização
Avalie as alternativas de localização
Selecione local específico
Abordagens Gerais para se tomar
decisões sobre localização
Estudo de Caso 1
“O surgimento de um cluster e a influência da localização”
Entregar na P1
Fazer em dupla (opcional)
Resolver manualmente.
Expansão
Uma vez definido a configuração da cadeia
produtivo e localizada as facilidades, deve-se tratar da
gestão da capacidade produtiva a longo prazo.
Nível Ótimo de Capacidade
A maioria das organizações precisa decidir sobre o
tamanho (em termos de capacidade produtiva) de cada uma
de suas instalações.
Convém ter 1 fábrica com capacidade de 800
peças/semana ou 2 fábricas com capacidade de 400 peças
por semana?
Custo fixo: existe independentemente da quantidade
produzida. Ex: manutenção do prédio, sal. pessaol administr.
Custo variável: custos para cada unidade produzida.
Ex: matéria-prima
Nível Ótimo de Capacidade
Trabalhar em níveis pouco acima da capacidade
nominal gera custos extras (Ex: horas extras, quebras
causadas por descumprimento do plano de preventivas). A
linha pontilhada mostra o efeito destes custos extras.
∗Custo médio para uma fábrica maior (economia de escala).
O custo fixo não aumenta proporcionalmente.
O custo para construir uma fábrica maior não aumenta
proporcionalmente.
∗Fabricas muito grande pode ter o custo unitário aumentado
(deseconomiade escala).
 Custo de transporte + Custo da complexidade
Nível Ótimo de Capacidade
Suponha que a empresa faça uma previsão de
demanda crescente para os próximos 3 anos, quando a
demanda deve atingir 2400 unidades.
A empresa deve optar por construir 3 fábricas com
capacidade de 800 unidades ou 6 fábricas com capacidade de
400 unidades ao longo dos 3 anos?
Nível Ótimo de Capacidade
Se a empresa procurar satisfazer toda a demanda construindo
3 plantas, a empresa terá maior sobre capacidade durante a
maior parte do período de 3 anos.
54 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Balanceamento de Capacidade
55
Artigo: Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais
sobre a rentabilidade empresarial. Dentro do escopo da prova 1.
55 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Momento de Alteração da Capacidade
56 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
www.betagama.com.br
www.dunamath.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
Luiz Carlos Oliveira
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
Mauro Enrique
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
Luís Carlos Braz
 
Logística empresarial
Logística empresarialLogística empresarial
Logística empresarial
Cristiano Ferreira Cesarino
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviços
Marcel Gois
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
Melquiades Pereira
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
alemartins10
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
Daniela Brauner
 
Enterprise resource planning (ERP)
Enterprise resource planning (ERP)Enterprise resource planning (ERP)
Enterprise resource planning (ERP)
Alexsandro Prado
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
José Gomes
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
douglas
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
CLT Valuebased Services
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
Fernanda Paola Butarelli
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
Juliane Aparecida Alves
 
Aula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de ProduçãoAula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 

Mais procurados (20)

Gestão da produção
Gestão da produçãoGestão da produção
Gestão da produção
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Capacidade de produção
Capacidade de produçãoCapacidade de produção
Capacidade de produção
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
Logística empresarial
Logística empresarialLogística empresarial
Logística empresarial
 
Aula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de ProduçãoAula 2 - Sistemas de Produção
Aula 2 - Sistemas de Produção
 
Apresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviçosApresentação - Gestão de serviços
Apresentação - Gestão de serviços
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
 
Aula 02 introducao adm da produção - db
Aula 02   introducao adm da produção - dbAula 02   introducao adm da produção - db
Aula 02 introducao adm da produção - db
 
Enterprise resource planning (ERP)
Enterprise resource planning (ERP)Enterprise resource planning (ERP)
Enterprise resource planning (ERP)
 
Organização do trabalho
Organização do trabalhoOrganização do trabalho
Organização do trabalho
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
 
Produtividade e Qualidade
Produtividade e QualidadeProdutividade e Qualidade
Produtividade e Qualidade
 
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIALORÇAMENTO EMPRESARIAL
ORÇAMENTO EMPRESARIAL
 
Aula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de ProduçãoAula 1 - Sistemas de Produção
Aula 1 - Sistemas de Produção
 

Semelhante a Administração da Produção - Projeto da rede e Localização

Linear - Softwares Matemáticos
Linear - Softwares Matemáticos Linear - Softwares Matemáticos
Linear - Softwares Matemáticos
Linear Softwares Matematicos
 
Conduzindo Vendas como Projeto
Conduzindo Vendas como ProjetoConduzindo Vendas como Projeto
Conduzindo Vendas como Projeto
Ricardo Lima
 
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
Instituto da Transformação Digital
 
Instalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoesInstalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoes
Wanderson Santos
 
CV Ednaldo José Pinheiro - TI - Vendas
CV Ednaldo José Pinheiro - TI -  VendasCV Ednaldo José Pinheiro - TI -  Vendas
CV Ednaldo José Pinheiro - TI - Vendas
Ednaldo Pinheiro, CSM, PMI-ACP, PMP
 
Sumario executivo BP - ERP outsourcing
Sumario executivo BP - ERP outsourcingSumario executivo BP - ERP outsourcing
Sumario executivo BP - ERP outsourcing
Paulo Henrique Pinhão
 
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSASUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
Paulo Roberto Bertaglia
 
Empresa de assistência técnica em informática
Empresa de assistência técnica em informáticaEmpresa de assistência técnica em informática
Empresa de assistência técnica em informática
Clebson Romano Cardozo
 
Institucional Evolution IT Services
Institucional Evolution IT ServicesInstitucional Evolution IT Services
Institucional Evolution IT Services
Rafael Gomez
 
Gestor de cobrança
Gestor de cobrançaGestor de cobrança
Gestor de cobrança
Bruna Assis
 
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdfImpulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
EdnilsonBoni
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
CADWARE-TECHNOLOGY
 
Aula 2 - SCM.pdf
Aula 2 - SCM.pdfAula 2 - SCM.pdf
Aula 2 - SCM.pdf
julianocorrea17
 
White Paper Frost & Sullivan Portugues
White Paper Frost & Sullivan PortuguesWhite Paper Frost & Sullivan Portugues
White Paper Frost & Sullivan Portugues
Felipe Lamus
 
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
Cisco do Brasil
 
Estudo caso Walmart lean supply
Estudo caso Walmart lean supplyEstudo caso Walmart lean supply
Estudo caso Walmart lean supply
CLT Valuebased Services
 
Microsoft e Telecentros
Microsoft e TelecentrosMicrosoft e Telecentros
Microsoft e Telecentros
Hudson Augusto
 
Cultura de informacao.v0
Cultura de informacao.v0Cultura de informacao.v0
Cultura de informacao.v0
paulocsm
 
Cimento para todo o Brasil
Cimento para todo o BrasilCimento para todo o Brasil
Cimento para todo o Brasil
NataliadeOliveira
 
Apresentação Decatron
Apresentação DecatronApresentação Decatron
Apresentação Decatron
Em transição
 

Semelhante a Administração da Produção - Projeto da rede e Localização (20)

Linear - Softwares Matemáticos
Linear - Softwares Matemáticos Linear - Softwares Matemáticos
Linear - Softwares Matemáticos
 
Conduzindo Vendas como Projeto
Conduzindo Vendas como ProjetoConduzindo Vendas como Projeto
Conduzindo Vendas como Projeto
 
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
1º Congresso da Transformação Digital & ExpoTD - Anderson de Andrade
 
Instalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoesInstalacao em-producao-e-operacoes
Instalacao em-producao-e-operacoes
 
CV Ednaldo José Pinheiro - TI - Vendas
CV Ednaldo José Pinheiro - TI -  VendasCV Ednaldo José Pinheiro - TI -  Vendas
CV Ednaldo José Pinheiro - TI - Vendas
 
Sumario executivo BP - ERP outsourcing
Sumario executivo BP - ERP outsourcingSumario executivo BP - ERP outsourcing
Sumario executivo BP - ERP outsourcing
 
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSASUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
SUPPLY CHAIN, INTERNET E UMA LOGISTICA PRA LA DE NERVOSA
 
Empresa de assistência técnica em informática
Empresa de assistência técnica em informáticaEmpresa de assistência técnica em informática
Empresa de assistência técnica em informática
 
Institucional Evolution IT Services
Institucional Evolution IT ServicesInstitucional Evolution IT Services
Institucional Evolution IT Services
 
Gestor de cobrança
Gestor de cobrançaGestor de cobrança
Gestor de cobrança
 
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdfImpulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
Impulsionando a conectividade na indústria_Marilia_parte 1.pdf
 
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW BrasilPLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
PLM-Summit 2014 | 8-9 abril | Apresentação 02/14 | Sandra Zimmermann | VW Brasil
 
Aula 2 - SCM.pdf
Aula 2 - SCM.pdfAula 2 - SCM.pdf
Aula 2 - SCM.pdf
 
White Paper Frost & Sullivan Portugues
White Paper Frost & Sullivan PortuguesWhite Paper Frost & Sullivan Portugues
White Paper Frost & Sullivan Portugues
 
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
Por que tudo que você achava que sabia sobre implementar novas tecnologias mu...
 
Estudo caso Walmart lean supply
Estudo caso Walmart lean supplyEstudo caso Walmart lean supply
Estudo caso Walmart lean supply
 
Microsoft e Telecentros
Microsoft e TelecentrosMicrosoft e Telecentros
Microsoft e Telecentros
 
Cultura de informacao.v0
Cultura de informacao.v0Cultura de informacao.v0
Cultura de informacao.v0
 
Cimento para todo o Brasil
Cimento para todo o BrasilCimento para todo o Brasil
Cimento para todo o Brasil
 
Apresentação Decatron
Apresentação DecatronApresentação Decatron
Apresentação Decatron
 

Mais de douglas

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
douglas
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
douglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
douglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 

Mais de douglas (17)

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 

Último

Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

Administração da Produção - Projeto da rede e Localização

  • 1. Administração de Produção Projeto da Rede e Localização de Empresas Ref. Bibliográfica: Martins, Petrônio G.Administração da Produção, Editora Saraiva, Capítulo 2. Slack, Nigel, Administração da Produção, Editora Atlas, 2º Ed., 2002, Cap. 6 “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.” www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 2. Questões chaves �Por que uma empresa deve considerar uma perspectiva de rede de suprimento total? �O que está implícito na configuração da rede de suprimentos? �Onde deve ser a localização das operações produtivas? �Qual a capacidade que uma operação deve planejar ter? Projeto da Rede de Operações Produtivas 2 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 3. Perspectiva da Rede 3 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 4. Perspectiva da Rede 4 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 5. Projeto da Rede 5 1) Extensão/ Configuração: quão abrangente deve ser a operação produtiva na rede? -integração vertical 2) Localização: Onde deve ser localizada as operações produtivas na rede?-localizada as operações produtivas 3) Expansão: quão grande deve ser as instalações? Decisões de gestão da capacidade produtiva a longo prazo OBS: São todas decisões de nível estratégico (longo prazo).
  • 7. Integração Vertical Integração vertical significa a atuação de uma empresa em mais de um estágio do processo produtivo. Esse procedimento pode se tornar rentável, na medida em que resulte em economia de combustível, fretes, coordenação da produção e na eliminação de intermediários Fusão vertical é quando duas empresas se unem e estas produzem produtos que pertencem a diferentes etapas do processo produtivo.
  • 10. Integração Vertical ∗Afeta a qualidade: melhor controle / rastreabilidade ∗Afeta a rapidez: melhor sincronização da progr. da produção ∗Afeta a confiabilidade: promessas de entrega mais confiáveis ∗Afeta a flexibilidade: desenvolvimento tecnológico ∗Afeta os custos: compartilhamento de custos como P&D e logística.
  • 11. Integração Horizontal Obtido com a aquisição de empresas na mesma linha de negócios. Motivado principalmente para obter mais poder para lidar com seus fornecedores e clientes e diminuir custos, maior acesso aos canais de distribuição e maior flexibilidade operacional
  • 12. Integração Horizontal Reduz a concorrência no setor onde ocorre Precisam ser validadas pelas organizações anti-truste
  • 15. Localização A decisão de onde instalar uma fábrica ou um depósito de distribuição é uma decisão estratégica. Por que na década de 60 a indústria automobilística foi impalntada no ABC Paulista? Por que, desde a década de 90, houve uma mudança nesta tendência?
  • 16. Introdução Multinacionais / transnacionais Globalização Mercados Cativos Centros de Excelência Regionalização dos Produtos Não apenas empresas industriais, mas empresas de serviço também (McDonalds, Pizza Hut, Carrefour...).
  • 17. O cenário da localização Para uma decisão adequada quanto à localização, deve-se determinar qual capacidade, onde e quando necessária. Forma de medir a capacidade. Demanda para os próximos anos. Capacidade a ser instalada. Seleção da Alternativa.
  • 18. Medida da Capacidade O conceito de capacidade pode mudar conforme algumas características da empresa. Empresa é monoproduto ou multiprodutos? Deve-se considerar a sua capacidade nominal ou de pico? •Tipos de Capacidade: o Capacidade do projeto o Capacidade efetiva (real) o Capacidade nominal
  • 19. Qual a capacidade de um cinema com 400 assentos? Medida da Capacidade Dados: 400 lugares. 5 sessões por dia. Capacidade: 2000 pessoas/dia. Significa que a capacidade máxima de processamento é de 2000 pessoas por dia. Este é o fluxo máximo de clientes que o cinema é capaz de processar, de dar vazão.
  • 20. Capacidade de Produção Definição: 1) A quantidade máxima de produtos e serviços que podem ser produzidos numa unidade produtiva, num dado intervalo de tempo. 2) A vazão máxima de materiais da empresa. vazão: metros cúbicos/hora capacidade produtiva: unidades/hora
  • 21. Capacidade de Produção EMPRESA INSUMOS Capacidade Estática MEDIDA DA CAPACIDADE DE VOLUME DE PRODUÇÃO Fábrica de refrigerantes Horas.máquinas disponíveis Número de unidades/ano Hotel Leitos disponíveis Número de hóspedes/dia Cinema Número de assentos Número de espectadores/ semana Fábrica de cimento Volume do forno de clinquer Toneladas/dia Empresa de transportes Número de poltronas Número de passageiros/ano Usina hidroelétrica Tamanho das turbinas Potência gerada (MWh) Loja Área da loja Vendas/mês Escola Número de alunos Número de formados/ano
  • 23. PROCESSO A 60 unid/h PROCESSO B 40 unid/h PROCESSO C 51 unid/h PROCESSO D 66 unid/h CAPACIDADE PRODUTIVA DO SISTEMA? QUAL A CAPACIDADE PRODUTIVA DO SISTEMA? 40 unid/h QUAL O GARGALO DO SISTEMA? PROCESSO B
  • 24. Determinação da Demanda A decisão de localização é uma decisão de longo prazo. Para saber o tamanho da facilidade a ser localizada, é preciso conhecer a demanda que esta facilidade terá ao longo dos anos seguintes. Técnicas de previsão de vendas são importantes para esta decisão.
  • 25. ANO 1 2 3 4 5 PRODUTO (unidades) 100.000 110.000 123.000 138.000 155.000 ANO 1 2 3 4 5 CAPACIDADE MÁXIMA 38.500 42.350 51.660 57.960 65.100 CAPACIDADE MÍNIMA 31.500 34.650 34.440 38.640 43.400 Sabe-se que a precisão da estimativa é de 10% (para mais ou para menos) para os anos 1 e 2, e de 20% para os demais anos. Portanto, o cenário de capacidade para a empresa é: Determinação da Capacidade a Instalar Qual capacidade a empresa vai considerar? 35% de Market-Share
  • 26. Selecionar alternativa mais adequada Definir objetivos: Obrigatórios Desejáveis Considerar também fatores subjetivos: Caso a demanda aumente mais que o previsto, é possível ampliar a planta no local escolhido? A empresa continuará a contar com as facilidades fiscais? Haverá uma ampliação da malha de transportes na região?
  • 27. Selecionar alternativa mais adequada Robustez do projeto, análise de sensibilidade
  • 28. Opções de Localização quando capacidade adicional é necessária: o Realizar apenas um ajuste interno. o Expandir a atual instalação. o Adicionar nova fábrica. o Fechar a instalação existente e mudar-se para outra maior.
  • 29. o Disponibilidade de Mão de Obra; o Nível salarial e sindicatos; o Disponibilidade de transporte; o Suprimento de eletricidade, gás, telefones, água, esgoto, etc. o Incentivos fiscais Exemplos de Fatores Determinantes na Localização
  • 30. o Proximidade dos mercados o Tendências de crescimento populacional o Fornecedores e serviços de apoio o Restrições ambientais o Disponibilidade e custos dos terrenos Exemplos de Fatores Determinantes na Localização
  • 31. o Leis de zoneamento urbano; o Proximidade de universidades; o Hospitais; o Nível de vida; o Preferências da gerência Exemplos de Fatores Determinantes na Localização
  • 32. Cluster: agrupamento natural de empresas similares em determinada região geográfica. Ex: Rua Santa Efigênia em São Paulo (produtos eletrônicos), região de Montes Claros - MG (área bioquímica), Vale do Silício - EUA (informática). Vantagens: existência de instituições de apoio e pesquisa, fornecedores qualificados, reciclagem em conjunto com outras empresas. Tipos de localização / agrupamentos
  • 33. Condomínio Industrial: Comum na indústria automobilística. Localização de fornecedores dentro da planta da montadora ou adjacente a ela. Montadora é o “líder” do condomínio, definindo fornecedores e orientando-os. Vantagens: Favorece fornecimento JIT. Reduz custo de transporte de peças “frágeis”. Tipos de localização / agrupamentos
  • 34. Consórcio Modular: Ampliação do conceito de “Condomínio Industrial”. Além de se localizar dentro da planta, o próprio fornecedor é responsáveis pela montagem de seus itens no veículo. Volkswagen de Resende foi o primeiro no mundo. Tipos de localização / agrupamentos Keiretsu: é um tipo de “cartel” autorizado pelo governo do país. Empresas são independentes mas possuem relação permanente, a ponto de executivos fazerem parte das diretorias umas das outras. Ex: Mitsubishi Artigo
  • 35. Cooperativas: comuns na indústria agrícula. Diversas propriedades de uma mesma região geográfica se unem para: Ter maior “poder de barganha” tanto na compra dos insumos como na venda dos produtos. Ter maior “know-how”. Agregar maior valor ao produto. Tipos de localização / agrupamentos
  • 36. Empresa Virtual: normalmente sem um escritório central, pode ser composta por pessoas em diversos locais do globo e muitas vezes são temporárias. Ex: Power PC (composta pela IBM, Apple e Motorola) : projetar e lançar um produto específico no mercado. Início dos anos 90. Objetivo de criar um processador para ser utilizado nos computadores da Apple. Tipos de localização / agrupamentos
  • 37. Métodos de Localização Industrial o Centro de Gravidade o Momentos o Ponto de Equilíbrio o Avaliação de Fatores Quantitativos: Qualitativos:
  • 38. Método do Centro de Gravidade A Transbrás é um operador logístico do estado do Paraná, responsável pela distribuição dos produtos de várias empresas. De todos os seus clientes produtores, três representam mais de 80% do faturamento. Da mesma forma, 80% das entregas destes três grandes fabricantes são feitas para cinco clientes varejistas comuns aos três. Assim a Transbrás decidiu montar um depósito. Qual a melhor localização deste depósito, utilizando-se o modelo do centro de gravidade? As quantidades que se espera coletar em cada fabricante e entregar em cada varejista a cada semana foram estimadas:
  • 39. Método do Centro de Gravidade
  • 40. Método do Centro de Gravidade
  • 41. Método dos Momentos 41 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 42. Método do Ponto de Equilíbrio 42 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 43. Métodos Qualitativos de Localização Industrial Avaliação de Fatores: Exemplo: Uma empresa está avaliando quatro alternativas para a localização de nova instalação. Segundo a gerência, os fatores determinantes na localização estão relacionados abaixo, com os respectivos pesos e notas (de 1 a 5, onde o 5 é o mais favorável): Fator Peso A B C D Restrições ambientais 15 5 4 4 3 Disp de mão de obra 12 2 3 4 2 Sist de transporte 18 3 4 4 4 Prox. de mercados 20 2 3 4 3 Qualidade de vida 25 3 3 4 4 Prox. Matérias primas 10 5 2 1 5 NOTAS
  • 44. NOTAS FATOR Peso(%) A B C D Restrições ambientais 15 5 4 4 3 Disponibilidade de mão de obra 12 2 3 4 2 Sistema de transportes 18 3 4 4 4 Proximidade a mercados 20 2 3 4 3 Qualidade de vida 25 3 3 4 4 Proximidade de matérias primas 10 5 2 1 5 100 3,18 3,23 3,70 3,51 Escolher C
  • 45. NOTAS FATOR Peso(%) A B C D Disponibilidade de pessoal 10 7,5 8 6,5 5 Aspcetos sindicais 15 10 5 7 9,5 Restrições ambientais 20 5 7,5 9 6,5 Qualidade de vida 15 9 8 9,5 8,5 Suprimento de materiais 15 6,5 6 7,5 8,5 Isenção de impostos 15 5 8 8 8,5 Desenvolvimento regional 10 5 6 8 6,5 100 6,83 6,95 8,05 7,70 Escolher C UMA EMPRESA DESEJA PONDERAR OS FATORES QUALITATIVOS DE QUATRO CIDADES CANDIDATAS A SEDIAR A SUA NOVA UNIDADE. A EMPRESA INICIALMENTE DEFINIU OS FATORES A SEREM CONSIDERADOS E ATRIBUIU A CADA UM DELES UM PESO. POSTERIORMENTE PEDIU A CADA UM DE SEUS PRINCIPAIS EXECUTIVOS QUE ATRIBUÍSSEM A CADA UMA DAS CIDADES UMA NOTA, ENTRE 0 E 10, PARA CADA UM DOS FATORES. OS DADOS OBTIDOS ESTÃO ABAIXO: EXERCÍCIO
  • 46. Defina as necessidades: (a) Tamanho da empresa; (b) Objetivos (c) Nichos de mercado (d) Número/tamanho de fábricas/ depósitos Determine as Estratégias: (a) Fatores dominantes de localização (b) Ênfase nos produtos/mercados (c) Competências da empresa (d) Orientação ao risco Procura por região viável Desenvolva alternativas de localização Avalie as alternativas de localização Selecione local específico Abordagens Gerais para se tomar decisões sobre localização
  • 47. Estudo de Caso 1 “O surgimento de um cluster e a influência da localização” Entregar na P1 Fazer em dupla (opcional) Resolver manualmente.
  • 48. Expansão Uma vez definido a configuração da cadeia produtivo e localizada as facilidades, deve-se tratar da gestão da capacidade produtiva a longo prazo.
  • 49. Nível Ótimo de Capacidade A maioria das organizações precisa decidir sobre o tamanho (em termos de capacidade produtiva) de cada uma de suas instalações. Convém ter 1 fábrica com capacidade de 800 peças/semana ou 2 fábricas com capacidade de 400 peças por semana? Custo fixo: existe independentemente da quantidade produzida. Ex: manutenção do prédio, sal. pessaol administr. Custo variável: custos para cada unidade produzida. Ex: matéria-prima
  • 50. Nível Ótimo de Capacidade Trabalhar em níveis pouco acima da capacidade nominal gera custos extras (Ex: horas extras, quebras causadas por descumprimento do plano de preventivas). A linha pontilhada mostra o efeito destes custos extras. ∗Custo médio para uma fábrica maior (economia de escala). O custo fixo não aumenta proporcionalmente. O custo para construir uma fábrica maior não aumenta proporcionalmente. ∗Fabricas muito grande pode ter o custo unitário aumentado (deseconomiade escala).  Custo de transporte + Custo da complexidade
  • 51. Nível Ótimo de Capacidade Suponha que a empresa faça uma previsão de demanda crescente para os próximos 3 anos, quando a demanda deve atingir 2400 unidades. A empresa deve optar por construir 3 fábricas com capacidade de 800 unidades ou 6 fábricas com capacidade de 400 unidades ao longo dos 3 anos?
  • 52. Nível Ótimo de Capacidade Se a empresa procurar satisfazer toda a demanda construindo 3 plantas, a empresa terá maior sobre capacidade durante a maior parte do período de 3 anos. 54 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 53. Balanceamento de Capacidade 55 Artigo: Identificação e análise de gargalos produtivos: impactos potenciais sobre a rentabilidade empresarial. Dentro do escopo da prova 1. 55 www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 54. Momento de Alteração da Capacidade 56 www.betagama.com.brwww.dunamath.com

Notas do Editor

  1. Começar perguntando e explicando “o que é rede de suprimentos”. Assim, eles podem tentar responder as demais questões.
  2. Compreender a competitividade: ao invés de confiar nos consumidores e fornecedores convém tomar para si o entendimento destes relacionados para não ser apenas reativo aos problemas. //Analise a jusante até o consumidor final para entender as necessidades do cliente imediato. // Substituição ou apoio ao elo mas fraco da rede.
  3. Organizar para reduzir o numero de fornecedores diretos de modo a melhorar a qualidade deste relacionamento.
  4. Reduz número de camadas, reduz o numero de camadas entre montante e jusante.
  5. Ex: ao adquirir um fornecedor, os processod dele podem suprir apenas a empresa ou também outras empresas. Ex: vende mais caro para o concorrente.
  6. Ex: Sensata Technologies e empresas concorrentes chinesas.
  7. Vertical: une diferentes camadas. Conceito de camada é vertical. Por isto parece que os conceitos são trocados, mas está correto.
  8. Multinacionais: totalmente presas às matrizes (foco apenas em execução para enviar os lucros para exterior)// Transnacionais: mais autonomia para as filiais no Brasil, lealdade à empresa e não ao país de origem // Mercados Cativos: mercados estáveis com baixa competicao // Globalização=> competividade, centros de excelência//Centros de excelência: detém o conhecimento técnico do produto e processo de fabricação. //Regionalização: adaptar o produto “global” as necessidades especificas do mercado local.
  9. Capacidade Estática: sem unidade de tempo
  10. 35% de 100k = 3.5k => 35 + 3.5 = 38.5 // Decisão não é simples e envolve vários fatores, sendo assim gerado uma lista de alternativas para selecionar-se uma.
  11. Análise de sensibilidade => como há incertezas, algumas possuem “ações corretivas” menos custosas que outras.
  12. BH: Av. Silviano Brandão: móveis
  13. Se localizar em A: Custo A + B + C + D = (dist x custo unitário x quantidade) = (0x2x10)+(100*2*3)+(400x2x5) ...
  14. 0) traçar retas chutando 2 pontos para cada reta 1)Calcular interseções=> Ex: 120 + 64q = 300 + 25 q 2)dado quantidade, escolhe a faixa mais adequada para segmentos de reta “inferiores” (de menor custo) (casca convexa)
  15. Qualitativa na determinação dos parâmetros, mas o cálculo é quantitativo
  16. Cuidado para casos que métricas/fatores não possuem o mesmo sentido...Uso de interpolação linear.
  17. Observe que em cada um dos 3 cenarios, quando a quantidade produzida atinge o limite para o qual a fabrica foi dimensionada, os custos sobem rapidamente. A curva preta é apenas uma aproximação (média) dos 3 cenários.
  18. O custo fixo de uma fabrica de 800 unidades é menor que a soma do custo fixo de 2 fábricas de 400 unidades. O custo de construir uma fábrica de 800 unidades é menor que a soma do custo de construção de 2 fábricas de 400 unidades.
  19. Suponha que a empresa faça uma previsão de demanda crescente para os próximos 3 anos, quando a demanda deve atingor 2400 unidades. Se a empresa optar por construir
  20. Se a empresa procurar satisfazer toda a demanda construindo 3 plantas, a empresa terá maior sobre capacidade durante a maior parte do período de 3 anos. Sobrecapacidade significa baixa utilização de capacidade, portanto maiores custos unitários.