SlideShare uma empresa Scribd logo
Planejamento e Necessidade
de Materiais
(MRP)
“Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas
que cite os websites abaixo como fonte de referencia.”
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Introdução - MRP
Como admistrar os ciclos de ressuprimento de uma
grande quantidades de itens? O que? Quando? Quanto?
E quando a demanda de um item depende de outro
item?
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Introdução
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
O que é MRP?
Imagine você planejando um churrasco para 40 amigos –
você sai às compras...
O churrasco foi um sucesso e agora você e mais dois
amigos resolveram montar uma churrascaria com capacidade
de 100 clientes –e você sai às compras...
O MRP I é um sistema que ajuda empresas a fazer cálculo
de quantidades de materiais a comprar e tempos...
Agora você quer controlar além de materiais: pessoal,
dinheiro, equipamentos, serviços fornecedores... é hora do
MRP II
MRP
MATERIALS REQUEREMENTS PLANNING
Martins e Campos (2000) definem MRP como sendo
uma técnica que permite determinar as necessidades de
compras dos materiais que serão utilizados na fabricação de
um certo produto.
Slack et al (2002) comentam que o MRP permite que
as empresas calculem quanto material de determinado tipo é
necessário e em que momento. Para fazer isso, ele utiliza os
pedidos em carteira, assim como uma previsão dos pedidos
que a empresa acha que irá receber. O MRP verifica, então,
todos os ingredientes ou componentes que são necessários
para completar estes pedidos, garantindo que sejam
providenciados a tempo.
Visão Geral - MRP
BOM – Bill of Materials
Definições
Conhecendo-se a quantidade de bicicletas que
se pretende produzir, esta informação alimenta o
“plano mestre de produção”, a partir do qual se
determinam quantidades e prazos para a obtenção
dos materiais necessários à produção.
O plano mestre de produção (MPS) informa ao
sistema quais produtos acabados devem ser
produzidos, em que quantidade e quando devem
estar prontos.
Programas mestre podem: acompanhar a demanda ou
nivelar a produção.
Linha “MPS” (Master Production Schedule): mostra quantos itens devem ser
completados e estar disponíveis em cada semana, de modo a satisfazer a
demanda.
Definições
10
O produto final, é denominado “item de
demanda independente” e os seus componentes,
que dependem da quantidade de produtos acabados
a serem produzidos, são chamados de “itens de
demanda dependente”.
Quando a demanda de um item depende
apenas e diretamente das forças de mercado, é dito
que o item possui demanda independente.
Quando, ao contrário, a demanda de um item
depende diretamente da demanda de outro item, diz-
se que o item possui demanda dependente.
Definições
Demanda independente: Deve ser prevista. É
a demanda do mercado consumidor e não pode ser
determinada com precisão absoluta.
Demanda dependente: pode ser calculada. É
a demanda de partes utilizadas na produção de
produtos finais e é normalmente uma demanda
interna à empresa ou à sua cadeia de suprimento,
relacionada com os programas de produção dos itens
de nível superior.
Funções Básicas do MRP
 calcular as necessidades brutas e líquidas dos
itens de demanda dependente ao longo do tempo;
 calcular os lotes de fabricação e aquisição dos
itens de demanda dependente;
 recomendar revisão de ordens em aberto (já
liberadas);
 recomendar emissão de novas ordens
(planejadas).
MRP
A partir da observação dessas funções,
constata-se que o MRP é simplesmente uma
ferramenta de planejamento de materiais e
prioridades.
Ele não permite a verificação da exeqüibilidade
do Programa Mestre de Produção, pelo fato de não
ser sensível à capacidade.
O MRP não é uma ferramenta de execução.
Ele apenas recomenda ações que os planejadores
humanos podem ignorar ou seguir, a seu critério.
REPORTE DE PRODUÇÃO:
Operação de entrada no estoque de produtos
acabados no sistema, disponibilizando-os para venda
e faturamento.
BAIXA AUTOMÁTICA DE ESTOQUE - BACK FLUSH
No momento em que o reporte de produção é
realizado, o sistema dá entrada no estoque dos
produtos acabados e, ao mesmo tempo, realiza a
baixa dos componentes e matérias-primas dos
estoques de WIP (work in progress) contabilizados
pelos almoxarifados. A baixa dos materiais ocorre de
acordo com a estrutura do produto reportado.
BOM – Estrutra/Lista de Materiais
Algoritmo do Sistema MRP
Os termos “Explodir a necessidade de
materiais” e “rodar o MRP” referem-se aos cálculos
executados pelo sistema.
Utiliza-se do conceito de “Programação p/ trás”.
Algoritmo do Sistema MRP
Se for admitida uma necessidade de produção
hipotética de um lote de 1.000 canetas, que precisam
estar prontas dentro de 8 dias, o formulário a seguir
apresenta a indicação do que precisa ser fabricado
ou comprado, em termos de quantidades e prazos.
Este formulário contém as informações que os
sistemas MRP apresentam em tela ou em relatórios
impressos.
Ex: Excel
Algoritmo do Sistema MRP
1
5
2
3
4
19
Algoritmo do Sistema MRP
Algoritmo do Sistema MRP
douglasmiranda@gmail.com FACE-UFMG Adm. De Materiais maio/2010
Algoritmo do Sistema MRP
x
x
22
Cálculo MRP: Exemplo 2
Planejamento
Plano Mestre
x 2
Algumas características do MRP
Sistemas de abastecimento que adotam o MRP
no seu planejamento são fortemente baseados em
previsões de demanda e nos níveis de estoque
disponíveis para funcionar.
Concluída cada etapa, a produção é,
normalmente, “empurrada”, sequencialmente, do
primeiro ao último estágio produtivo, ou seja, quando
o processamento é concluído em um determinado
posto de trabalho, o item em produção é enviado
imediatamente ao posto seguinte,
independentemente de qualquer solicitação.
O problema é que a execução do plano
raramente funciona exatamente como planejado, na
prática. O plano precisaria ser perfeito, porém, a
previsão de vendas é aproximada, o lead time de
entrega pode variar, máquinas podem quebrar,
funcionários podem faltar ao trabalho e, em função
disto, o número de produtos fabricados varia de um
dia para o outro, fazendo com que o resultado obtido
seja diferente do planejado.
Algumas características do MRP
A incerteza gerada pela imprevisibilidade com
relação ao resultado obtido do planejamento faz
muitas empresas optarem por manter estoques, que
possam ser utilizados para compensar as diferenças
entre o que foi planejado e o que foi executado,
garantindo que o cliente não deixe de ser atendido.
Algumas características do MRP
Os gerentes de produção e os programadores de
produção vêem os estoques, utilizando a expressão popular,
como uma “faca de dois gumes”.
Por um lado, são custosos, retêm um considerável
volume de capital, apresentam riscos (obsolescência,
perecibilidade, furto etc.), além de ocuparem espaço físico
valioso na produção.
Por outro lado, representam uma garantia reconfortante
contra o inesperado. Os estoques existem somente porque o
fornecimento e a demanda não estão em harmonia um com o
outro.
Algumas características do MRP
Necessidade de :
 organização
 precisão
 atualização
Algumas características do MRP
Dep. Planej. E Contr. Produção
(PCP)
Em um sistema produtivo, depois de definidas as
quantidades e os modelos de produtos a serem fabricados e
formulado o plano mestre de produção (fase de
planejamento), faz-se necessário acompanhar as etapas da
produção (fase de controle), para utilizar de forma eficiente os
recursos de transformação (máquinas e mão-de-obra), sobre
os recursos a serem transformados (matérias-primas e
componentes).
Tanto o planejamento da produção quanto o
acompanhamento das ações planejadas, de modo a permitir a
correção de possíveis desvios, são realizados pelo setor de
planejamento e controle da produção, por meio de
profissionais especializados, quando este existe na empresa.
MRP
SOP: Sales and Operations MPS: Master Production Scheduling
MRP
MPS
SOP
Estoques (PA, MP,
WIP)
BOM
Mercado
Demanda agregada (famílias)
Demanda desagregada (PA)
Demanda desagregada (MP e SA)
ManufaturaCompras
LEFLEC
MRP II : Manuf. Resources Planning
MRP
MPS
SOP
Estoques (PA, MP,
WIP)
BOM
Mercado
Demanda agregada (famílias)
Demanda desagregada (PA)
Demanda desagregada (MP e SA)
ManufaturaCompras
RCCP
CRP
SFC
LEFLEC
Capacidade
da linha de PA
Capacidade das
linhas de SA
Tempos e
Máquinas
PA: Produto Acabado; MP: matéria prima
SA: SubAssembly (subconjuntos)
Estampar
Soldar Cont.
Trefilar
Dobrar
Soldar
Resistencia
Montar
Tampar
Soldar
Formar
A B
C RCCP
CRP
Para onde o MRP destina
suas ordens de fabricação?
MP MP
PA
Qual a capacidade PA?
Qual a capacidade de cada linha
de SA?
Ordem
SA1
Ordem
PA
Ordem
SA2
(Analisar setor gargalo.)
(Analisar operação gargalo.)
Resistência Elétrica
Disco
Terminais Cabo Elétrico
Tampa
Pino; Arruela; Base
Estampar
Soldar Cont.
Trefilar
Dobrar
Soldar
Resistencia
Montar
Tampar
Soldar
Ordens SA
(Disco)
Ordens SA
(Resistencia)
Contatos Fita
Conj. Resistencia
Protetor
MP
SA
PA
Conj. Protetor
Operação
Ordens PA
(Protetor)
Terminais
fio
Setor
Produtivo
Formar
BOM
M
R
P
II
MRP II : Manuf. Resources Planning
CRP (Capacity Requirements Plans)
O módulo CRP calcula, com base nos roteiros de fabricação, a
capacidade necessária de cada centro produtivo, permitindo
assim a identificação de ociosidade ou excesso de capacidade
(no caso da necessidade calculada estar muito abaixo da
capacidade disponível) e possíveis insuficiências (no caso das
necessidade calculadas estarem acima da capacidade
disponível de determinados recursos). Com base nestas
informações, um novo MPS será confeccionado ou algumas
prioridades serão mudadas.
RCCP (Rough-Cut Capacity Plans)
Análogo ao CRP, porém foca o produto acabado, atentando-se
à produtividade da operação mais lenta.
MRP II : Manuf. Resources Planning
SFC(shop floor control)
O módulo SFC é responsável pelo
sequenciamento das ordens de fabricação nos centros
produtivos e pelo controle da produção, no nível da
fábrica. O SFC busca garantir às prioridades
calculadas e fornecer feedback do andamento da
produção para os demais módulos do MRP II.
ERP: Enterprise Resource Plannig
ERP: Enterprise Resource Plannig
Alguns fornecedores de sistemas
MRP
BAAN – http://www.baan.com
DATASUL - http://www2.datasul.com.br/
JD EDWARDS - http://www.jdedwards.com/
MICROSIGA - http://www.microsiga.com.br/
MKGROUP (Computer Associates) -
http://www.mkgroup.com/
ORACLE - http://www.oracle.com/applications/
PEOPLESOFT - http://www.peoplesoft.com/
SAP - http://www.sap.com/
SENIOR SISTEMAS - http://www.senior.com.br/
Exercícios
1) Faça a correspondência entre a coluna A e a coluna B
1) Continuação...
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
1) Continuação...
www.betagama.com.brwww.dunamath.com
www.betagama.com.br
www.dunamath.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mrp
MrpMrp
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
Luís Carlos Braz
 
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdfAulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Giancarlo Alves Simões
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
Hélio Diniz
 
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
3   slides - planejamento mestre da produção (mps)3   slides - planejamento mestre da produção (mps)
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
Moises Ribeiro
 
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
Enock Viana
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
Geovana Pires Lima
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
Adilson Paradella
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
Robson Costa
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Mauro Enrique
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Correios
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
IntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
IntroduçãO à AdministraçãO De MateriaisIntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
IntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
lvalini
 
MRP II
MRP II MRP II
Previsão de demanda
Previsão de demandaPrevisão de demanda
Previsão de demanda
clilson
 

Mais procurados (20)

Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 2 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdfAulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
Aulas - Gestão da Produção II_sala.pdf
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
3   slides - planejamento mestre da produção (mps)3   slides - planejamento mestre da produção (mps)
3 slides - planejamento mestre da produção (mps)
 
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
2º e 3ºaula de pcp, mrp i e mrp-ii (1)
 
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
102571136 planejamento-e-controle-de-processos-e-producao
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
 
Pcp aula1
Pcp aula1Pcp aula1
Pcp aula1
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
Aula 1   Administração da Produção - definições básicasAula 1   Administração da Produção - definições básicas
Aula 1 Administração da Produção - definições básicas
 
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 1 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Administração da producao
Administração da producaoAdministração da producao
Administração da producao
 
IntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
IntroduçãO à AdministraçãO De MateriaisIntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
IntroduçãO à AdministraçãO De Materiais
 
MRP II
MRP II MRP II
MRP II
 
Previsão de demanda
Previsão de demandaPrevisão de demanda
Previsão de demanda
 

Semelhante a Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)

Mrp
MrpMrp
Artigo Mrp, mrpi e mrpii
Artigo Mrp, mrpi e mrpiiArtigo Mrp, mrpi e mrpii
Artigo Mrp, mrpi e mrpii
Anderson Schultz Ribeiro
 
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
Alexandre Bento
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Mauricio Mascarenhas Machado
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Daniel Moura
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Mrp lucas
Mrp lucasMrp lucas
Mrp lucas
Lucas Souza
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
luiz0807
 
Comércio Eletrônico - Notas de Aula
Comércio Eletrônico - Notas de AulaComércio Eletrônico - Notas de Aula
Comércio Eletrônico - Notas de Aula
antonio sérgio nogueira
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Rafael Santos Adriano
 
ERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptxERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptx
AmarildoJosMorett
 
Palestra senai MRP II e a Indústria da Moda
Palestra senai MRP II e a Indústria da ModaPalestra senai MRP II e a Indústria da Moda
Palestra senai MRP II e a Indústria da Moda
Samuel Gonsales
 
Producao.pdf
Producao.pdfProducao.pdf
Producao.pdf
LiviaLopesdeOliveira2
 
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
ElsMoreira
 
Planeamento e Controlo da Producao
Planeamento e Controlo da ProducaoPlaneamento e Controlo da Producao
Planeamento e Controlo da Producao
Manuel Alberto
 
Mrp1
Mrp1Mrp1
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
Giuseppe Aita
 
PCP - Glossário de Termos Técnicos
PCP - Glossário de Termos TécnicosPCP - Glossário de Termos Técnicos
PCP - Glossário de Termos Técnicos
Roberto de Paula Lico Junior
 
Pcp aula8
Pcp aula8Pcp aula8
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
Ângelo Xavier
 

Semelhante a Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP) (20)

Mrp
MrpMrp
Mrp
 
Artigo Mrp, mrpi e mrpii
Artigo Mrp, mrpi e mrpiiArtigo Mrp, mrpi e mrpii
Artigo Mrp, mrpi e mrpii
 
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
Utilização da tecnologia mrp como melhoria no planejamento da produção em uma...
 
Porque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcpPorque devo devo ter um setor de ppcp
Porque devo devo ter um setor de ppcp
 
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
Unidade 7  - novas ferramentas de gestãoUnidade 7  - novas ferramentas de gestão
Unidade 7 - novas ferramentas de gestão
 
Aula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de ProduçãoAula 8 - Sistemas de Produção
Aula 8 - Sistemas de Produção
 
Mrp lucas
Mrp lucasMrp lucas
Mrp lucas
 
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cimUnidade i   mrp, mrpii, opt, cam, cim
Unidade i mrp, mrpii, opt, cam, cim
 
Comércio Eletrônico - Notas de Aula
Comércio Eletrônico - Notas de AulaComércio Eletrônico - Notas de Aula
Comércio Eletrônico - Notas de Aula
 
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
Apresentação PCP - Produção Puxada - Manufatura Enxuta ( Lean Manufacturing )
 
ERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptxERP E MRP.pptx
ERP E MRP.pptx
 
Palestra senai MRP II e a Indústria da Moda
Palestra senai MRP II e a Indústria da ModaPalestra senai MRP II e a Indústria da Moda
Palestra senai MRP II e a Indústria da Moda
 
Producao.pdf
Producao.pdfProducao.pdf
Producao.pdf
 
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
426403065-Parametros-MRP-Completo.doc
 
Planeamento e Controlo da Producao
Planeamento e Controlo da ProducaoPlaneamento e Controlo da Producao
Planeamento e Controlo da Producao
 
Mrp1
Mrp1Mrp1
Mrp1
 
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
APS - ADVANCED PLANNING & SCHEDULING.
 
PCP - Glossário de Termos Técnicos
PCP - Glossário de Termos TécnicosPCP - Glossário de Termos Técnicos
PCP - Glossário de Termos Técnicos
 
Pcp aula8
Pcp aula8Pcp aula8
Pcp aula8
 
Gestão de estoque
Gestão de estoqueGestão de estoque
Gestão de estoque
 

Mais de douglas

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
douglas
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
douglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
douglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
douglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 

Mais de douglas (17)

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 6 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 1 de 6
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 

Último

Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptxAula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
RafaelRocha658505
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMPORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
Fabricio Rodrigues Falcão
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMCERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
Fabricio Rodrigues Falcão
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (11)

Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptxAula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMPORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMCERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 

Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)

  • 1. Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP) “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.” www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 2. Introdução - MRP Como admistrar os ciclos de ressuprimento de uma grande quantidades de itens? O que? Quando? Quanto? E quando a demanda de um item depende de outro item? www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 4. O que é MRP? Imagine você planejando um churrasco para 40 amigos – você sai às compras... O churrasco foi um sucesso e agora você e mais dois amigos resolveram montar uma churrascaria com capacidade de 100 clientes –e você sai às compras... O MRP I é um sistema que ajuda empresas a fazer cálculo de quantidades de materiais a comprar e tempos... Agora você quer controlar além de materiais: pessoal, dinheiro, equipamentos, serviços fornecedores... é hora do MRP II
  • 5. MRP MATERIALS REQUEREMENTS PLANNING Martins e Campos (2000) definem MRP como sendo uma técnica que permite determinar as necessidades de compras dos materiais que serão utilizados na fabricação de um certo produto. Slack et al (2002) comentam que o MRP permite que as empresas calculem quanto material de determinado tipo é necessário e em que momento. Para fazer isso, ele utiliza os pedidos em carteira, assim como uma previsão dos pedidos que a empresa acha que irá receber. O MRP verifica, então, todos os ingredientes ou componentes que são necessários para completar estes pedidos, garantindo que sejam providenciados a tempo.
  • 7. BOM – Bill of Materials
  • 8. Definições Conhecendo-se a quantidade de bicicletas que se pretende produzir, esta informação alimenta o “plano mestre de produção”, a partir do qual se determinam quantidades e prazos para a obtenção dos materiais necessários à produção. O plano mestre de produção (MPS) informa ao sistema quais produtos acabados devem ser produzidos, em que quantidade e quando devem estar prontos.
  • 9. Programas mestre podem: acompanhar a demanda ou nivelar a produção. Linha “MPS” (Master Production Schedule): mostra quantos itens devem ser completados e estar disponíveis em cada semana, de modo a satisfazer a demanda.
  • 10. Definições 10 O produto final, é denominado “item de demanda independente” e os seus componentes, que dependem da quantidade de produtos acabados a serem produzidos, são chamados de “itens de demanda dependente”. Quando a demanda de um item depende apenas e diretamente das forças de mercado, é dito que o item possui demanda independente. Quando, ao contrário, a demanda de um item depende diretamente da demanda de outro item, diz- se que o item possui demanda dependente.
  • 11. Definições Demanda independente: Deve ser prevista. É a demanda do mercado consumidor e não pode ser determinada com precisão absoluta. Demanda dependente: pode ser calculada. É a demanda de partes utilizadas na produção de produtos finais e é normalmente uma demanda interna à empresa ou à sua cadeia de suprimento, relacionada com os programas de produção dos itens de nível superior.
  • 12. Funções Básicas do MRP  calcular as necessidades brutas e líquidas dos itens de demanda dependente ao longo do tempo;  calcular os lotes de fabricação e aquisição dos itens de demanda dependente;  recomendar revisão de ordens em aberto (já liberadas);  recomendar emissão de novas ordens (planejadas).
  • 13. MRP A partir da observação dessas funções, constata-se que o MRP é simplesmente uma ferramenta de planejamento de materiais e prioridades. Ele não permite a verificação da exeqüibilidade do Programa Mestre de Produção, pelo fato de não ser sensível à capacidade. O MRP não é uma ferramenta de execução. Ele apenas recomenda ações que os planejadores humanos podem ignorar ou seguir, a seu critério.
  • 14. REPORTE DE PRODUÇÃO: Operação de entrada no estoque de produtos acabados no sistema, disponibilizando-os para venda e faturamento. BAIXA AUTOMÁTICA DE ESTOQUE - BACK FLUSH No momento em que o reporte de produção é realizado, o sistema dá entrada no estoque dos produtos acabados e, ao mesmo tempo, realiza a baixa dos componentes e matérias-primas dos estoques de WIP (work in progress) contabilizados pelos almoxarifados. A baixa dos materiais ocorre de acordo com a estrutura do produto reportado.
  • 15. BOM – Estrutra/Lista de Materiais
  • 16. Algoritmo do Sistema MRP Os termos “Explodir a necessidade de materiais” e “rodar o MRP” referem-se aos cálculos executados pelo sistema. Utiliza-se do conceito de “Programação p/ trás”.
  • 17. Algoritmo do Sistema MRP Se for admitida uma necessidade de produção hipotética de um lote de 1.000 canetas, que precisam estar prontas dentro de 8 dias, o formulário a seguir apresenta a indicação do que precisa ser fabricado ou comprado, em termos de quantidades e prazos. Este formulário contém as informações que os sistemas MRP apresentam em tela ou em relatórios impressos. Ex: Excel
  • 18. Algoritmo do Sistema MRP 1 5 2 3 4
  • 21. douglasmiranda@gmail.com FACE-UFMG Adm. De Materiais maio/2010 Algoritmo do Sistema MRP x x
  • 22. 22 Cálculo MRP: Exemplo 2 Planejamento Plano Mestre
  • 23. x 2
  • 24.
  • 25. Algumas características do MRP Sistemas de abastecimento que adotam o MRP no seu planejamento são fortemente baseados em previsões de demanda e nos níveis de estoque disponíveis para funcionar. Concluída cada etapa, a produção é, normalmente, “empurrada”, sequencialmente, do primeiro ao último estágio produtivo, ou seja, quando o processamento é concluído em um determinado posto de trabalho, o item em produção é enviado imediatamente ao posto seguinte, independentemente de qualquer solicitação.
  • 26. O problema é que a execução do plano raramente funciona exatamente como planejado, na prática. O plano precisaria ser perfeito, porém, a previsão de vendas é aproximada, o lead time de entrega pode variar, máquinas podem quebrar, funcionários podem faltar ao trabalho e, em função disto, o número de produtos fabricados varia de um dia para o outro, fazendo com que o resultado obtido seja diferente do planejado. Algumas características do MRP
  • 27. A incerteza gerada pela imprevisibilidade com relação ao resultado obtido do planejamento faz muitas empresas optarem por manter estoques, que possam ser utilizados para compensar as diferenças entre o que foi planejado e o que foi executado, garantindo que o cliente não deixe de ser atendido. Algumas características do MRP
  • 28. Os gerentes de produção e os programadores de produção vêem os estoques, utilizando a expressão popular, como uma “faca de dois gumes”. Por um lado, são custosos, retêm um considerável volume de capital, apresentam riscos (obsolescência, perecibilidade, furto etc.), além de ocuparem espaço físico valioso na produção. Por outro lado, representam uma garantia reconfortante contra o inesperado. Os estoques existem somente porque o fornecimento e a demanda não estão em harmonia um com o outro. Algumas características do MRP
  • 29. Necessidade de :  organização  precisão  atualização Algumas características do MRP
  • 30. Dep. Planej. E Contr. Produção (PCP) Em um sistema produtivo, depois de definidas as quantidades e os modelos de produtos a serem fabricados e formulado o plano mestre de produção (fase de planejamento), faz-se necessário acompanhar as etapas da produção (fase de controle), para utilizar de forma eficiente os recursos de transformação (máquinas e mão-de-obra), sobre os recursos a serem transformados (matérias-primas e componentes). Tanto o planejamento da produção quanto o acompanhamento das ações planejadas, de modo a permitir a correção de possíveis desvios, são realizados pelo setor de planejamento e controle da produção, por meio de profissionais especializados, quando este existe na empresa.
  • 31. MRP SOP: Sales and Operations MPS: Master Production Scheduling MRP MPS SOP Estoques (PA, MP, WIP) BOM Mercado Demanda agregada (famílias) Demanda desagregada (PA) Demanda desagregada (MP e SA) ManufaturaCompras LEFLEC
  • 32. MRP II : Manuf. Resources Planning MRP MPS SOP Estoques (PA, MP, WIP) BOM Mercado Demanda agregada (famílias) Demanda desagregada (PA) Demanda desagregada (MP e SA) ManufaturaCompras RCCP CRP SFC LEFLEC Capacidade da linha de PA Capacidade das linhas de SA Tempos e Máquinas PA: Produto Acabado; MP: matéria prima SA: SubAssembly (subconjuntos)
  • 33. Estampar Soldar Cont. Trefilar Dobrar Soldar Resistencia Montar Tampar Soldar Formar A B C RCCP CRP Para onde o MRP destina suas ordens de fabricação? MP MP PA Qual a capacidade PA? Qual a capacidade de cada linha de SA? Ordem SA1 Ordem PA Ordem SA2 (Analisar setor gargalo.) (Analisar operação gargalo.)
  • 34. Resistência Elétrica Disco Terminais Cabo Elétrico Tampa Pino; Arruela; Base Estampar Soldar Cont. Trefilar Dobrar Soldar Resistencia Montar Tampar Soldar Ordens SA (Disco) Ordens SA (Resistencia) Contatos Fita Conj. Resistencia Protetor MP SA PA Conj. Protetor Operação Ordens PA (Protetor) Terminais fio Setor Produtivo Formar BOM
  • 36. MRP II : Manuf. Resources Planning CRP (Capacity Requirements Plans) O módulo CRP calcula, com base nos roteiros de fabricação, a capacidade necessária de cada centro produtivo, permitindo assim a identificação de ociosidade ou excesso de capacidade (no caso da necessidade calculada estar muito abaixo da capacidade disponível) e possíveis insuficiências (no caso das necessidade calculadas estarem acima da capacidade disponível de determinados recursos). Com base nestas informações, um novo MPS será confeccionado ou algumas prioridades serão mudadas. RCCP (Rough-Cut Capacity Plans) Análogo ao CRP, porém foca o produto acabado, atentando-se à produtividade da operação mais lenta.
  • 37. MRP II : Manuf. Resources Planning SFC(shop floor control) O módulo SFC é responsável pelo sequenciamento das ordens de fabricação nos centros produtivos e pelo controle da produção, no nível da fábrica. O SFC busca garantir às prioridades calculadas e fornecer feedback do andamento da produção para os demais módulos do MRP II.
  • 40. Alguns fornecedores de sistemas MRP BAAN – http://www.baan.com DATASUL - http://www2.datasul.com.br/ JD EDWARDS - http://www.jdedwards.com/ MICROSIGA - http://www.microsiga.com.br/ MKGROUP (Computer Associates) - http://www.mkgroup.com/ ORACLE - http://www.oracle.com/applications/ PEOPLESOFT - http://www.peoplesoft.com/ SAP - http://www.sap.com/ SENIOR SISTEMAS - http://www.senior.com.br/
  • 41. Exercícios 1) Faça a correspondência entre a coluna A e a coluna B

Notas do Editor

  1. Acompanha a demanda: estoque baixo e produção varia Nivelado: estoque varia e produção fixa.
  2. LL: lote a lote: não existe lote mínimo lote livre M25: lote é múltiplo de 25
  3. Plano mestre está fornecendo a necessidade mensal de cada um dos produtos.
  4. CRP (Capacity Requirements Plans) RCCP (Rough-Cut Capacity Plans) SFC(shop floor control)
  5. Página 34