SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso - Cronoanálise
www.betagama.com.br
Curso
Cronoanálise
www.dunamath.com
“Material disponibilizado
para livre utilização.
Pedimos apenas que cite
os websites abaixo como
fonte de referencia.”
Parte 2 de 6
Índice
2
Tópicos
Estudo Geral dos Movimentos
Procedimentos para Cronometragem
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
3
Medida do Desempenho
➢Fraco: usualmente um operador em que o trabalho é novo
ou é um desajustado por natureza ao trabalho que faz.
➢Regular: um homem comparativamente novo, porém que
faz o trabalho suficientemente bem para acompanhar a
sequencia certa de operações sem um número indevido de
erros.
➢Médio: com o qual todos os outros são comparados. Ele
está no serviço há um tempo suficiente para ser considerado
eficiente no trabalho, mas não tempo bastante para aumentar
a eficiência que vem somente através de longa prática. Em
geral possui o ponto de 100% de eficiência.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
4
Curso - Cronoanálise Centro Integrado de Produtividade Industrial
➢Bom: o homem cuja habilidade pode ser considerada boa. É
notavelmente melhor em desempenho que outro homem que
faz a mesma classe de trabalho.
➢Excelente: distingue-se pela precisão, certeza de ação,
velocidade, lisura no desempenho e autoconfiança.
➢Extraordinário: tem todas as características do operador de
habilidade excelente, desenvolvidas tão perto da perfeição
quanto seja possível a um humano chegar. Ele se sobressai
dentre todos os outros operadores.
5
Procedimentos para Cronometragem
CONTATO COM O ENCARREGADO
▪Antes de iniciar o estudo, o cronometrista deve se familiarizar com
as exigências do trabalho, verificando a máquina, as ferramentas e
o material de acordo com o desenho e a descrição do método.
▪O cronometrista deve entrar em contato com o encarregado, para
verificar o trabalho e a certeza de que tudo está em ordem para ser
observado.
CONTATO COM O OPERADOR
▪O cronometrista deverá verificar se o operador escolhido é um
operador bem treinado e familiarizado com a operação e trabalho
em ritmo normal, com movimentos e sequencia corretos e esforço
normal para trabalhar o dia todo.
▪O operador deve ser informado que será feito estudo de tempos
naquele posto.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
6
VERIFICAR OPERAÇÃO QUANTO AO MÉTODO
▪Deverá ser analisado os diversos ciclos da operação para
verificar se está de acordo com as especificações do método
e processo, e se necessário modificá-los.
ANOTAÇÕES
▪Todos os detalhes da folha de métodos e processos devem
ser anotadas na folha de cronometragem nos campos
específicos.
▪Caso tenha algum detalhe que não consta na folha de
métodos e processos ou campo específico deverá ser anotado
no campo de observações.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
7
Divisão da Operação em elementos
➢O cronometrista, após todas as verificações preliminares,
deverá dividir a operação em elementos seguindo os
princípios:
❖Individualizar as ações, tais como: apanhar, transportar,
montar, fixar, etc.
❖Cada elemento deverá ter o tempo mais curto possível.
❖A descrição do elemento deverá ser clara, para que seja
facilmente reconhecível em seu início e fim.
❖Os elementos invariáveis (máquina) devem ser separados
dos variáveis (manual).
❖Deverão ser descritas todas as ocorrências (verificar
medidas, alimentação da máquina, buscar materiais,
lubrificação, etc..) anotando-se a frequência com que ocorrem.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
8
Técnicas de Cronometragem
➢Ponto inicial do elemento – é aquele ponto que o cronometrista
mentalmente determinou para iniciar o elemento e quando o
cronômetro é acionado.
➢Ponto final do elemento – é aquele ponto que o cronometrista
mentalmente determinou para finalizar o elemento e que coincide
com o início do próximo elemento, e assim sucessivamente até o
final da operação.
➢Cronometrar ciclos de 10, 20 ou 30 peças, de acordo com
especificações preliminares ou determinadas pelo departamento
de estudo de tempos.
➢Para cada ciclo deverá ser efetuada a avaliação de ritmo
(velocidade).
➢O cronometrista deverá cronometrar a operação em pé e com
visão ampla da operação a ser cronometrada.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
9
➢O cronometrista deverá levar em consideração todos os pontos
influenciáveis no tempo, como:
oTransporte a manuseio das peças.
oAtrasos evitáveis ou não.
oTempo de suprimento.
oTroca de ferramentas.
oControle de qualidade (medidas, carta de CEP, orientações de
encarregados, etc..).
oEsperas (tempos mortos) causados pela máquina ou pelo
operador.
oRitmo determinado pela máquina ou operador da operação
anterior.
➢O ideal seria que a cronometragem fosse realizada pelo menos
três vezes, em horários e com cronometrista diferentes.
➢Determinar o número de ciclos a serem cronometrados:
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
10
➢Outros 2 métodos para realizar estudos
de tempo são:
❑Tempo Sintéticos ou Pré-determinados
(MTM)
❑Amostragem de Trabalho (Work
Sampling)
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
Unidade de medida → TMU
1 TMU = 0,0006 min ou 0,00001 h
11
Os tempos sintéticos permitem calcular o tempo
padrão para um trabalho ainda não iniciado.
Existem dois sistemas principais de tempos
sintéticos: o work-factor ou fator de trabalho e
sistema methods-time measurement (MTM) ou
métodos e medidas de tempo.
Tempos Predeterminados ou Sintéticos
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
12
Exemplo p/ movimento “alcançar”
Tempos Predeterminados ou Sintéticos
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
13
Amostragem do Trabalho
➢Consiste em fazer observações intermitentes em
um período consideravelmente maior que o utilizado
pelo método da cronometragem.
oObservações instantâneas
oEspaçadas ao acaso
➢Existem equações estatísticas para calcular o
número de amostras a serem realizadas. Muitas
vezes, o valor teórico calculado por estas
equações é impraticável.
➢Na prática, em geral, n=100 é um bom número.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
14
Exemplo Real
Amostragem do Trabalho
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
15
Amostragem do Trabalho: vantagens e desvantagens em
relação aos tempos cronometrados.
Vantagens Desvantagens
- Operações cuja medição por
cronômetro é cara;
- Estudos simultâneos de equipes
- Custo do cronometrista é alto
- Observações longas diminuem
influência de variações ocasio-
nais
- O operador não se sente obser-
vado de perto
- Não é bom para operações de ciclo
restrito;
- Não pode ser detalhada como
estudo com cronômetro;
- A configuração do trabalho pode
mudar no período;
- A administração não entende tão
bem;
- Às vezes se esquece de registrar o
método de trabalho.
Em geral, a Amostragem de Trabalho pode ser mais conveniente para
atividades administrativas que geralmente não são tão rotineiras.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
16
Departamento de “Tempos, Métodos e
Movimentos
NECESSIDADES
➢Compreende as funções de estudar, racionalizar e controlar
a eficiência de todas as áreas produtivas,
➢Deve ser considerada a criação de um departamento em
virtude da complexidade do estudo de tempos, métodos e
movimentos.
➢Esta seção deverá centralizar as pessoas que atualmente
desempenham na empresa funções ligadas a racionalização.
➢O estudo da racionalização abrange todo o processo fabril,
desde a matéria-prima e todos os recursos produtivos
empregados, até a expedição do produto.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
17
PRINCIPAIS FUNÇÕES DA SEÇÃO
➢Elaborar estudos de processo, visando a qualidade do
produto, melhor utilização do equipamento, menor tempo de
processamento e melhor aproveitamento da matéria-prima;
➢Acompanhar o desenvolvimento do trabalho em todos os
setores e manter as folhas de processo atualizadas.
➢Analisar os problemas da produção e descobrir soluções
adequadas dentro das condições existentes na empresa.
➢Estabelecer os padrões de produção, publicar e manter
controle sobre os mesmos, após sua aprovação e
implantação.
➢Determinar os coeficientes de tolerâncias e os intervalos
necessários ao descanso periódico para alívio de fadigas
(principalmente aos homens da forjaria).
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
18
DESENVOLVIMENTO DOS ESTUDOS
➢Os estudos da racionalização deverão ser
desenvolvidos conforme a sequencia abaixo:
1) Levantamento completo das condições atuais.
2) Análise dos dados obtidos.
3) Estudo de novos métodos (proposta).
4) Exposição às críticas.
5) Correção e proposta final.
6) Implantação (após aprovação) e treinamento dos
operários.
7) Manutenção dos sistemas e controle dos
resultados.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
19
Todo esforço para redução dos desperdícios…
• World Class Manufacturing (WCM)
• Total Productive Maintenance (TPM)
• Total Quality Management (TQM)
• Lean Manufacturing
• Just In Time (JIT)
• Six-Sigma (6-sigma)
• Kaizen
• ……
Todos estes
métodos tem
foco de eliminar
desperdícios.
“Desperdício é a diferença
entre ideal e a realidade”
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
20
“Não podemos melhorar algo,
que não podemos medir”
Todo esforço para redução dos desperdícios…
Onde entra a Cronoanálise
neste contexto?
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
21
Cronoanálise “no coração” do Lean
Manufacturing
A produção Lean tem elevado muito a competitividade
de muitas empresas de manufatura e o valor que elas
entregam a seus clientes.
Apesar de triunfos, muitas empresas têm enfrentado
problemas ainda na primeira etapa de seus esforços Lean.
Estão tentando criar “fluxo” mas não conseguem “tração”
suficiente. Frequentemente, o motivo é a falta de “estabilidade
básica” nas operações de manufatura. Muito simples: não há
fluxo porque as operações estão desbalanceadas.
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
22
Convém ao Cronoanalista também analisar:
❖5S
❖Administração Visual
❖Setup Rápido (SMED)
❖Arranjo Físico (Layout)
❖Ergonomia
❖Segurança do Trabalho
❖Poka-Yokes
Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
23
Curso - Cronoanálise
www.betagama.com.br
www.dunamath.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
Flavio Oliveira
 
Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time
Engenharia Produção
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Wilian Gatti Jr
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
Engenharia Produção
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
Alexandre Bonifacio Silva
 
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de MétodosAulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
douglas
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
marcioemorais
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
douglas
 
Associação MTM Portugal
Associação MTM PortugalAssociação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
douglas
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
Jose Donizetti Moraes
 
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodosRespostas exercícios para fixação de tempos e métodos
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos
ENGENHARIA PRODUÇÃO 10º SEMESTRE
 
Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregado
Moises Ribeiro
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
Mário Lucas
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção
Nara Oliveira
 
Apostila cronoanálise
Apostila cronoanáliseApostila cronoanálise
Apostila cronoanálise
jhouomelhor
 
Mrp
MrpMrp

Mais procurados (20)

Chão de fábrica
Chão de fábricaChão de fábrica
Chão de fábrica
 
Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time Apresentação Takt Time
Apresentação Takt Time
 
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
Aula 2.1 - Projeto de Fábrica e Layout
 
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade ProdutivaGestão da Produção e logística   Projeto da Capacidade Produtiva
Gestão da Produção e logística Projeto da Capacidade Produtiva
 
Takt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliaçõesTakt time calculo e avaliações
Takt time calculo e avaliações
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de MétodosAulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
 
Administração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - CronoanaliseAdministração da Produção - Cronoanalise
Administração da Produção - Cronoanalise
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
 
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo FisicoAdministração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
Administração de Produção - Layout/Arranjo Fisico
 
Associação MTM Portugal
Associação MTM PortugalAssociação MTM Portugal
Associação MTM Portugal
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de CapacidadeAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Capacidade
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodosRespostas exercícios para fixação de tempos e métodos
Respostas exercícios para fixação de tempos e métodos
 
Introdução planejamento agregado
Introdução planejamento agregadoIntrodução planejamento agregado
Introdução planejamento agregado
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção MRP na prática - gerenciamento da produção
MRP na prática - gerenciamento da produção
 
Apostila cronoanálise
Apostila cronoanáliseApostila cronoanálise
Apostila cronoanálise
 
Mrp
MrpMrp
Mrp
 

Semelhante a Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6

Estudo de tempo
Estudo de tempoEstudo de tempo
Estudo de tempo
MateusCastilho6
 
Site mtm-1
Site mtm-1Site mtm-1
Site mtm-1
marcio cerqueira
 
checklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdfchecklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdf
MrciaJorge5
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
Amanda Ponciano Pereira
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção
Marcos Abreu
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Anderson Silvestre
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençao
Moacy2014
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
ArlanFN2
 
Palestra melhorar a produtividade
Palestra   melhorar a produtividadePalestra   melhorar a produtividade
Palestra melhorar a produtividade
Maisgestao
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
Jean Leão
 
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GOMétodo de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
Marcos Abreu
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
William Mazotti
 
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada TecnicaWM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
Denesio Carvalho
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
KEILAMAYUMI
 
Apostila cep douglas c. ferreira
Apostila cep   douglas c. ferreiraApostila cep   douglas c. ferreira
Apostila cep douglas c. ferreira
Fransley França
 
Indicador OEE
Indicador OEEIndicador OEE
Indicador OEE
Shark Engenharia
 
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutençãoConteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
Ítalo Silva Cano
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
VanessaGomes644650
 
Fmea
FmeaFmea
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
JanainaGomes68
 

Semelhante a Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6 (20)

Estudo de tempo
Estudo de tempoEstudo de tempo
Estudo de tempo
 
Site mtm-1
Site mtm-1Site mtm-1
Site mtm-1
 
checklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdfchecklist-roteiro.pdf
checklist-roteiro.pdf
 
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok1930799415 capitulo 04   adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
1930799415 capitulo 04 adm produção tempos e métodos aulas 01 - 02 - 03 ok
 
Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção Engenharia de Manutenção
Engenharia de Manutenção
 
Manutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na ConfiabilidadeManutencao Centrada na Confiabilidade
Manutencao Centrada na Confiabilidade
 
05 capítulo 3 tipos de manutençao
05   capítulo 3 tipos de manutençao05   capítulo 3 tipos de manutençao
05 capítulo 3 tipos de manutençao
 
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptxAula 01 - Tipos de manutenção.pptx
Aula 01 - Tipos de manutenção.pptx
 
Palestra melhorar a produtividade
Palestra   melhorar a produtividadePalestra   melhorar a produtividade
Palestra melhorar a produtividade
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GOMétodo de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
Método de Analise e Solução de Problemas Básico - Usina Goiasa/GO
 
Estudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SPEstudo de tempo - SENAI SP
Estudo de tempo - SENAI SP
 
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada TecnicaWM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
WM_Gestão do Trabalho_AES Elpa_Jornada Tecnica
 
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
1-Plano de Manutenção Industrial 2023.pptx
 
Apostila cep douglas c. ferreira
Apostila cep   douglas c. ferreiraApostila cep   douglas c. ferreira
Apostila cep douglas c. ferreira
 
Indicador OEE
Indicador OEEIndicador OEE
Indicador OEE
 
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutençãoConteudo em texto praticas básicas de manutenção
Conteudo em texto praticas básicas de manutenção
 
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.pptCapitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
Capitulo 2A - Estudo de tempos cronoanalise.ppt
 
Fmea
FmeaFmea
Fmea
 
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
adequação-da-instrucao-de-trabalho-em-uma-empresa-de-transformação-de-polimer...
 

Mais de douglas

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
douglas
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
douglas
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
douglas
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
douglas
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
douglas
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
douglas
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
douglas
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
douglas
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
douglas
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
douglas
 

Mais de douglas (14)

TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 5 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 4 de 6
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 3 de 6
 
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e LogisticaAdministração da Produção - Supply Chain e Logistica
Administração da Produção - Supply Chain e Logistica
 
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e LocalizaçãoAdministração da Produção - Projeto da rede e Localização
Administração da Produção - Projeto da rede e Localização
 
Administração da Produção - Produto
Administração da Produção - ProdutoAdministração da Produção - Produto
Administração da Produção - Produto
 
Administração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de DemandaAdministração da Produção - Previsão de Demanda
Administração da Produção - Previsão de Demanda
 
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de EstoquesAdministração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
Administração da Produção - Planejamento e Controle de Estoques
 
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
Administração da Produção - Planejamento e Necessidade de Materiais (MRP)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 2 de 2)
 
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
Melhoria continua - Six Sigma - Melhoria de processos (Parte 1 de 2)
 
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)Administração de Produção - Just in Time (JIT)
Administração de Produção - Just in Time (JIT)
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 

Último

Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
ClaudioArez
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
RoemirPeres
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
RafaelDantas32562
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 

Último (11)

Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SSTSegurança nos trabalhos em altura, normas SST
Segurança nos trabalhos em altura, normas SST
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdfÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
ÁREAS DE ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO CIVIL.pdf
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Incêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptxIncêndios em correia transportadora.pptx
Incêndios em correia transportadora.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 

Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6

  • 1. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.br Curso Cronoanálise www.dunamath.com “Material disponibilizado para livre utilização. Pedimos apenas que cite os websites abaixo como fonte de referencia.” Parte 2 de 6
  • 2. Índice 2 Tópicos Estudo Geral dos Movimentos Procedimentos para Cronometragem Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 3. 3 Medida do Desempenho ➢Fraco: usualmente um operador em que o trabalho é novo ou é um desajustado por natureza ao trabalho que faz. ➢Regular: um homem comparativamente novo, porém que faz o trabalho suficientemente bem para acompanhar a sequencia certa de operações sem um número indevido de erros. ➢Médio: com o qual todos os outros são comparados. Ele está no serviço há um tempo suficiente para ser considerado eficiente no trabalho, mas não tempo bastante para aumentar a eficiência que vem somente através de longa prática. Em geral possui o ponto de 100% de eficiência. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 4. 4 Curso - Cronoanálise Centro Integrado de Produtividade Industrial ➢Bom: o homem cuja habilidade pode ser considerada boa. É notavelmente melhor em desempenho que outro homem que faz a mesma classe de trabalho. ➢Excelente: distingue-se pela precisão, certeza de ação, velocidade, lisura no desempenho e autoconfiança. ➢Extraordinário: tem todas as características do operador de habilidade excelente, desenvolvidas tão perto da perfeição quanto seja possível a um humano chegar. Ele se sobressai dentre todos os outros operadores.
  • 5. 5 Procedimentos para Cronometragem CONTATO COM O ENCARREGADO ▪Antes de iniciar o estudo, o cronometrista deve se familiarizar com as exigências do trabalho, verificando a máquina, as ferramentas e o material de acordo com o desenho e a descrição do método. ▪O cronometrista deve entrar em contato com o encarregado, para verificar o trabalho e a certeza de que tudo está em ordem para ser observado. CONTATO COM O OPERADOR ▪O cronometrista deverá verificar se o operador escolhido é um operador bem treinado e familiarizado com a operação e trabalho em ritmo normal, com movimentos e sequencia corretos e esforço normal para trabalhar o dia todo. ▪O operador deve ser informado que será feito estudo de tempos naquele posto. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 6. 6 VERIFICAR OPERAÇÃO QUANTO AO MÉTODO ▪Deverá ser analisado os diversos ciclos da operação para verificar se está de acordo com as especificações do método e processo, e se necessário modificá-los. ANOTAÇÕES ▪Todos os detalhes da folha de métodos e processos devem ser anotadas na folha de cronometragem nos campos específicos. ▪Caso tenha algum detalhe que não consta na folha de métodos e processos ou campo específico deverá ser anotado no campo de observações. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 7. 7 Divisão da Operação em elementos ➢O cronometrista, após todas as verificações preliminares, deverá dividir a operação em elementos seguindo os princípios: ❖Individualizar as ações, tais como: apanhar, transportar, montar, fixar, etc. ❖Cada elemento deverá ter o tempo mais curto possível. ❖A descrição do elemento deverá ser clara, para que seja facilmente reconhecível em seu início e fim. ❖Os elementos invariáveis (máquina) devem ser separados dos variáveis (manual). ❖Deverão ser descritas todas as ocorrências (verificar medidas, alimentação da máquina, buscar materiais, lubrificação, etc..) anotando-se a frequência com que ocorrem. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 8. 8 Técnicas de Cronometragem ➢Ponto inicial do elemento – é aquele ponto que o cronometrista mentalmente determinou para iniciar o elemento e quando o cronômetro é acionado. ➢Ponto final do elemento – é aquele ponto que o cronometrista mentalmente determinou para finalizar o elemento e que coincide com o início do próximo elemento, e assim sucessivamente até o final da operação. ➢Cronometrar ciclos de 10, 20 ou 30 peças, de acordo com especificações preliminares ou determinadas pelo departamento de estudo de tempos. ➢Para cada ciclo deverá ser efetuada a avaliação de ritmo (velocidade). ➢O cronometrista deverá cronometrar a operação em pé e com visão ampla da operação a ser cronometrada. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 9. 9 ➢O cronometrista deverá levar em consideração todos os pontos influenciáveis no tempo, como: oTransporte a manuseio das peças. oAtrasos evitáveis ou não. oTempo de suprimento. oTroca de ferramentas. oControle de qualidade (medidas, carta de CEP, orientações de encarregados, etc..). oEsperas (tempos mortos) causados pela máquina ou pelo operador. oRitmo determinado pela máquina ou operador da operação anterior. ➢O ideal seria que a cronometragem fosse realizada pelo menos três vezes, em horários e com cronometrista diferentes. ➢Determinar o número de ciclos a serem cronometrados: Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 10. 10 ➢Outros 2 métodos para realizar estudos de tempo são: ❑Tempo Sintéticos ou Pré-determinados (MTM) ❑Amostragem de Trabalho (Work Sampling) Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 11. Unidade de medida → TMU 1 TMU = 0,0006 min ou 0,00001 h 11 Os tempos sintéticos permitem calcular o tempo padrão para um trabalho ainda não iniciado. Existem dois sistemas principais de tempos sintéticos: o work-factor ou fator de trabalho e sistema methods-time measurement (MTM) ou métodos e medidas de tempo. Tempos Predeterminados ou Sintéticos Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 12. 12 Exemplo p/ movimento “alcançar” Tempos Predeterminados ou Sintéticos Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 13. 13 Amostragem do Trabalho ➢Consiste em fazer observações intermitentes em um período consideravelmente maior que o utilizado pelo método da cronometragem. oObservações instantâneas oEspaçadas ao acaso ➢Existem equações estatísticas para calcular o número de amostras a serem realizadas. Muitas vezes, o valor teórico calculado por estas equações é impraticável. ➢Na prática, em geral, n=100 é um bom número. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 14. 14 Exemplo Real Amostragem do Trabalho Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 15. 15 Amostragem do Trabalho: vantagens e desvantagens em relação aos tempos cronometrados. Vantagens Desvantagens - Operações cuja medição por cronômetro é cara; - Estudos simultâneos de equipes - Custo do cronometrista é alto - Observações longas diminuem influência de variações ocasio- nais - O operador não se sente obser- vado de perto - Não é bom para operações de ciclo restrito; - Não pode ser detalhada como estudo com cronômetro; - A configuração do trabalho pode mudar no período; - A administração não entende tão bem; - Às vezes se esquece de registrar o método de trabalho. Em geral, a Amostragem de Trabalho pode ser mais conveniente para atividades administrativas que geralmente não são tão rotineiras. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 16. 16 Departamento de “Tempos, Métodos e Movimentos NECESSIDADES ➢Compreende as funções de estudar, racionalizar e controlar a eficiência de todas as áreas produtivas, ➢Deve ser considerada a criação de um departamento em virtude da complexidade do estudo de tempos, métodos e movimentos. ➢Esta seção deverá centralizar as pessoas que atualmente desempenham na empresa funções ligadas a racionalização. ➢O estudo da racionalização abrange todo o processo fabril, desde a matéria-prima e todos os recursos produtivos empregados, até a expedição do produto. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 17. 17 PRINCIPAIS FUNÇÕES DA SEÇÃO ➢Elaborar estudos de processo, visando a qualidade do produto, melhor utilização do equipamento, menor tempo de processamento e melhor aproveitamento da matéria-prima; ➢Acompanhar o desenvolvimento do trabalho em todos os setores e manter as folhas de processo atualizadas. ➢Analisar os problemas da produção e descobrir soluções adequadas dentro das condições existentes na empresa. ➢Estabelecer os padrões de produção, publicar e manter controle sobre os mesmos, após sua aprovação e implantação. ➢Determinar os coeficientes de tolerâncias e os intervalos necessários ao descanso periódico para alívio de fadigas (principalmente aos homens da forjaria). Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 18. 18 DESENVOLVIMENTO DOS ESTUDOS ➢Os estudos da racionalização deverão ser desenvolvidos conforme a sequencia abaixo: 1) Levantamento completo das condições atuais. 2) Análise dos dados obtidos. 3) Estudo de novos métodos (proposta). 4) Exposição às críticas. 5) Correção e proposta final. 6) Implantação (após aprovação) e treinamento dos operários. 7) Manutenção dos sistemas e controle dos resultados. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 19. 19 Todo esforço para redução dos desperdícios… • World Class Manufacturing (WCM) • Total Productive Maintenance (TPM) • Total Quality Management (TQM) • Lean Manufacturing • Just In Time (JIT) • Six-Sigma (6-sigma) • Kaizen • …… Todos estes métodos tem foco de eliminar desperdícios. “Desperdício é a diferença entre ideal e a realidade” Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 20. 20 “Não podemos melhorar algo, que não podemos medir” Todo esforço para redução dos desperdícios… Onde entra a Cronoanálise neste contexto? Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 21. 21 Cronoanálise “no coração” do Lean Manufacturing A produção Lean tem elevado muito a competitividade de muitas empresas de manufatura e o valor que elas entregam a seus clientes. Apesar de triunfos, muitas empresas têm enfrentado problemas ainda na primeira etapa de seus esforços Lean. Estão tentando criar “fluxo” mas não conseguem “tração” suficiente. Frequentemente, o motivo é a falta de “estabilidade básica” nas operações de manufatura. Muito simples: não há fluxo porque as operações estão desbalanceadas. Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com
  • 22. 22 Convém ao Cronoanalista também analisar: ❖5S ❖Administração Visual ❖Setup Rápido (SMED) ❖Arranjo Físico (Layout) ❖Ergonomia ❖Segurança do Trabalho ❖Poka-Yokes Curso - Cronoanálise www.betagama.com.brwww.dunamath.com