SlideShare uma empresa Scribd logo
PsicodiagnosticoPsicodiagnostico
Implicacoes Praticas: Curriculo,Implicacoes Praticas: Curriculo,
Adaptacoes curriculares eAdaptacoes curriculares e
intervencao precoceintervencao precoce
narciachauque@gmail.com
Conceito do CurriculoConceito do Curriculo
Conceito
O Currículo prescreve ou indica aquilo que
deve ser transmitido e proposto as novas
gerações, para que estas recolham as
experiências culturais acumuladas dos seus pais
e desenvolvam todas as suas capacidades e
potencialidades. Este deve ser dinâmico, flexível
para qualquer tipo de adaptação que for
necessário(Miranda, 1999)
narciachauque@gmail.com
AdapatacaoAdapatacao CurricularCurricular
CONCEITOS
• Adaptações Currículares – são , antes de mais,
procedimento de ajuste paulatino da resposta educativa, que
poderá desembocar, ou não, conforme o caso, num programa
individual (BAUTISTA 1997:61)
• Adaptações Curriculares - são todas as alterações,
modificações ou transformações que a escola e os professores
introduzem nas propostas currículares dimanadas do Ministério
da Educação, com vista à sua adequação ao contexto local e às
necessidades dos seus alunos (MIRANDA1999:111
 
narciachauque@gmail.com
Adaptações Currículares – são referidas às
alterações ou modificações do currículo
regular, realizadas para dar resposta aos alunos
com NEE.
narciachauque@gmail.com
Adaptacao CurricularAdaptacao Curricular
Numa adaptação curricular deve-se ter em consideração
as seguintes necessidades:
 
• Meios didácticos disponíveis em quantidade e qualidade
necessária;
 
• Partir de experiências e vivências dos alunos e ser
conduzida de maneira pedagógica e metodologicamente
adequada;
 
• Utilizar os meios e os recursos disponíveis no
ambiente em que decorre;
narciachauque@gmail.com
Factores de Adaptacao CurricularFactores de Adaptacao Curricular
Um dos factores a ter em conta na adaptacao
curricular esta relacionada com:
• O percurso escolar da turma;
• O atraso na afectacao dos professores que
se verifica no inicio do ano lectivo e
nalgumas escolas se prolonga por semanas e
meses;
• Tempo de aulas reduzido em algumas
disciplinas e muita materia dada
apressadamente;
narciachauque@gmail.com
Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações
curricularescurriculares
I. Nível da Escola
Na escola a adaptação curricular é realizado ao nivel do:
• Conselho Pedagógico;
• Componente Curricular do projecto Educativo da
Escola;
• Grupos disciplinares do ciclo e do ano;
• Planificação a nível das disciplinas (ciclo, ano).
 - Antes de tudo é necessário fazer-se análise das
características, necessidades e possibilidades da região
tendo em conta os Recursos humanos, físicos,
financeiros e didácticos da escola. Expectativas,
interesses, motivacoes de pais e alunos,
narciachauque@gmail.com
Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações
curricularescurriculares
II.Nível da Turma
 
• Conselho da Turma;
• Professor de cada disciplina.
• Neste nível, são mais patentes as
características socio-economicas e culturais
dos alunos da turma e as motivações,
interesses específicos dos alunos, percurso
escolar da turma, alunos com NEE.
 
narciachauque@gmail.com
Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações
curricularescurriculares
III . Nível do aluno
•  Planificação da disciplina;
• Adaptação curricular individualizada;
• Apoio especializado;
• Recursos específicos;
• Situações educativas específicas
Realizar relatórios psicopedagogicos, conhecer o
percurso escolar do aluno, registo/relatórios de
anos anteriores, avaliação de diagnóstico pelo
professor da disciplina, incidência dos problemas
nas aprendizagens escolares e avaliação
especializada.
narciachauque@gmail.com
Tipos de CurrículosTipos de Currículos
 
1) Currículo Regular;
2) Currículo Especial
1) No Currículo Regular encontramos:
 
• Currículo regular com ou sem apoio;
• Currículo regular com algumas modificações;
• Currículo regular com reduções significativas;
 
narciachauque@gmail.com
Tipo do CurriculoTipo do Curriculo
Currículo Especial
 Currículo especial com acréscimos;
Currículo especial.
 
 
narciachauque@gmail.com
Curriculo RegularCurriculo Regular
O curriculo regular e feito dentro do
horario normal, com recursos
esporadicos a pequenos apoios e
pequenas adaptacoes: por exemplo os
alunos ambliopes com surdez ligeira,
deficientes motores sem lesao
cerebral ou com problemas de
aprendizagem ligeiros podem incluir-
se neste grupo;
narciachauque@gmail.com
• Propor e possibilitar diferentes alternativas
didácticas e metodológicas para o desenvolvimento
de actividades de ensino-aprendizagem de
avaliação, especialmente para aqueles blocos de
conteúdos que tradicionalmente oferecem maiores
dificuldades aos alunos;
 
• Vir acompanhado de documentação complementar
a cada uma das áreas curriculares, sob a forma de
anexos, na qual se indiquem as características
fundamentais dos diferentes tipos de défices e quais
as abordagens educativas que são mais apropriadas.
 
narciachauque@gmail.com
Curriculo Regular c/ algumasCurriculo Regular c/ algumas
modificacoesmodificacoes
Os alunos com NEE, realizam a actividade
que os seus pares, mas com objectivos
mais apropriados. A resposta a certos
aspectos especificos de algumas NEE
podera exigir que se proceda a
pequenos cortes, acrescimos ou
alteracoes no curriculo decorrentes
de problemas especificos e que se
organizam algumas actividades
suplementares ou alternativas.
narciachauque@gmail.com
• As actividades ou apoio suplementares
devem ser organizados e geridos de
modo a nao perturbar a presenca no
curriculo regular;
Neste tipo de curriculo o professor de
educacao especial so e chamado a
colaborar quando o professor do ensino
regular ja nao consegue elaborar
intervencoes que levem ao sucesso
escolar do aluno com NEE.
narciachauque@gmail.com
A colaboracao entre professor do ensino
regular e do ensino especial tem o
seguinte objectivo: Identificacao de
areas de intervencao especificas
com o intuito de se introduzirem
adaptacoes ou modificacoes
curriculares apropriados.
narciachauque@gmail.com
Curriculo Regular c/ reducaoCurriculo Regular c/ reducao
significativasignificativa
Este tipo de curriculo sofre cortes e
modificacoes substanciais(em termos do
conjunto das disciplinas do curriculo ou
a disciplinas especificas); Organizando-se
em torno das aptidoes basicas (leitura,
escrita, calculo);
• Quanto maior forem as dificuldades do
aluno nas disciplinas basicas, maior sera
o abandono das outras disciplinas
narciachauque@gmail.com
Curriculo EspecialCurriculo Especial
Curriculo Especial: Antes os curriculos
eram desenhados essencialmente em torno
das habilidades de autonomia social e
pessoal, nao havendo qualquer
preocupacao com a referencia ao curriculo
regular;
• Era dada mais importancia no
desenvolvimento das capacidades minimas
necessarias para viver e trabalhar em
ambientes protegidos, ou seja autonomia,
socializacao, comunicacao oral.
narciachauque@gmail.com
Curriculo Especial c/ acrescimosCurriculo Especial c/ acrescimos
Incluem a integracao social, a preocupacao
em centrar esforcos numa integracao nas
areas academicas essenciais (pelo menos
em areas de linguagem e calculo). Em
funcao dos recursos disponiveis, as
actividades sao orientadas com a
colaboracao e o apoio de tecnicos
especializados (professores de
educacao especial, terapeutas,
professores de educacao fisica …)
narciachauque@gmail.com
Elementos de acesso ao curriculoElementos de acesso ao curriculo
Entende-se tudo aquilo que e
necessario para que um curriculo
possa ser implementado: Recursos
Humanos, Recursos materiais,
financeiros, fisicos e a organizacao etc..
narciachauque@gmail.com
INTERVENCAO PRECOCEINTERVENCAO PRECOCE
narciachauque@gmail.com
Definicoes de intervencao precoceDefinicoes de intervencao precoce
Referem que a intervencao precoce e o
conjunto de servicos e recursos que
sao necessarios para responder, quer as
necessidades especificas de cada crianca,
quer as necessidades das suas familias no
que respeita a promocao do
desenvolvimento da crianca;
narciachauque@gmail.com
Definicoes(continuacao)Definicoes(continuacao)
A intervencao precoce inclui todo o tipo
de actividades, oportunidades e
procedimentos destinados a promover
o desenvolvimento e aprendizagem da
crianca, assim como o conjunto de
oportunidades para que as familias
possam promover esse mesmo
desenvolvimento e aprendizagem.
narciachauque@gmail.com
Definicoes (continuacao)Definicoes (continuacao)
A intervencao precoce, consiste na
prestacao de servicos educativos,
terapeuticos e sociais para as criancas
em idade escolar que estejam em risco de
atraso de desenvolvimento e manifestam
deficiencia ou NEE e as suas familias com
o objectivo de minimizar efeitos nefastos
ao seu desenvolvimento.
narciachauque@gmail.com
Objectivos de I.PObjectivos de I.P
1. O objectivo primordial da I.P
consiste em:
 Assistir e acompanhar a crianca no seu
processo de desenvolvimento, e dos
seus pais, seguindo regularmente o
desenvolvimento psico-afectivo-social
desta crianca e sua familia, acreditando
que esta oferecera suporte para o
melhor desenvolvimento da crianca.
narciachauque@gmail.com
Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao)
2. Melhorar a qualidade de vida das
criancas e das Familias atraves de:
a)Promcao de desenvolvimento de forma
geral em todas as areas da crianca;
Para que estes objectivos se concretizem e
necessario que exista:
• Redes de apoio eficazes;
• Utilizacao dos Recursos da Comunidade;
narciachauque@gmail.com
Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao)
Desenvolvimento do sentido de pertenca
a comunidade;
Autonomia da familia;
3. Criar condicoes facilitadoras do
desenvolvimento global da crianca,
minimizando problemas de deficiencias ou
de risco de atraso de desenvolvimento e
prevenindo eventuais secuelas;
narciachauque@gmail.com
Objectivos I.P(continuacao)Objectivos I.P(continuacao)
4. Utilizar as condicoes da interaccao
crianca/familia, mediante a informacao
sobre a problematica em causa, reforco
das respectivas capacidades, e
competencias, designadamente na
identificacao e utilizacao dos seus
recursos e dos da comunidade e ainda da
capacidade de decidir e controlar a sua
dinamica familiar;
narciachauque@gmail.com
Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao)
5. Envolver a comunidade no processo de
intervencao, de forma continua e
articulada utilizando os recursos
existentes e as redes formais e informais
de inter-ajuda;
narciachauque@gmail.com
Modelos de IntervencaoModelos de Intervencao
a) Abordagem Centrada na Familia;
b) Abordagem Centrada nos Recursos;e
c) Abordagem Centrada nos Profissionais;
a) Abordagem Centrada na Familia: Previlegia a
participacao dos pais e profissionais em conjunto e
que devem individualizar e adaptar as praticas para
cada crianca com base na informacao que tem relativa
as suas necessidades especifica(que vao mudando ao
longo do tempo), e usar procedimentos de
avaliacao/intervencao especificos no contexto dos
ambientes, actividades e rotinas que fazem parte do
dia a dia da crianca;
narciachauque@gmail.com
Modelos de IntervencaoModelos de Intervencao
O trabalho com a crianca deve
previlegiar: a utilizacao de praticas de
atendimento e de um curriculo em
desenvolvimento e funcional aplicado nos
locais naturais de aprendizagem que para
Briker – (2001) e Bruder (2002) citado
por Correia (2010), sao a casa, a
comunidade os contextos de creche e
jardim de infancia e quaisquer outros
locais;
narciachauque@gmail.com
Modelos de Intervencao(abordagemModelos de Intervencao(abordagem
C. Familia)C. Familia)
Numa prespectiva de Intervencao
Precoce centrada na familia: Cabera
a este decidir quais os contextos naturais
da sua vida e da vida do seu filho em que
devem ocorrer experiencias de
aprendizagem que sejam ricas e
significativas e que, simultaneamente
promovam ao maximo o
desenvolvimento com CNEE;
narciachauque@gmail.com
Modelos de Intervencao(abordagemModelos de Intervencao(abordagem
C. Familia)C. Familia)
• A participacao dos pais e essencial no
trabalho de intervencao precoce,
recomendando que estes e os tecnicos
estabelecam uma relacao de parceria quer
nos momentos de avaliacao quer no
planeamento da intervencao e avaliacao da
sua eficacia. A plena participacao dos pais na
equipa requer que estes e os profissionais
construam uma relacao de confianca,
baseado no respeito pelas diferentes
prespectivas e competencia;
narciachauque@gmail.com
Abordagem baseada nos RecursosAbordagem baseada nos Recursos
Esta abordagem esta centrada nos
recursos existentes na comunidade
(servicos de apoio as pessoas com NEE),
de igual enfase as redes formais e
informais de apoio (Hospitais, escolas
especiais, classes comuns com sala de
recursos, etc) e tem subjacente um
modelo de fortalecimento das
competencias da familia.
narciachauque@gmail.com
Causas para uma IntervencaoCausas para uma Intervencao
PrecocePrecoce
Quanto mais cedo se inciar a intervencao
maior e o potencial de desenvolvimento
de cada crianca;
Para proporcionar apoio e assistencia a
familia nos momentos mais criticos;
Para maximizar os beneficios sociais da
crianca e da familia;
narciachauque@gmail.com
Factores importantes e comunsFactores importantes e comuns
para uma intervencao precocepara uma intervencao precoce
Idade da crianca e data do incio da
intervencao;
O envolvimento dos pais desde o inicio
da intervencao:
A intensidade ou estruturacao do
modelo e do programa de intervencao
precoce adoptado;
narciachauque@gmail.com
BibliografiaBibliografia
BAUTISTA,R., et al. Necessidades Educativas
Especiais; 1a Edição; Lisboa: Dina livro;
1997,
CORREIA, L. Necessidades Educativas
Especiais. Porto: Porto Editora. 2010
KIRK, S., GALLAGHER, J; A Educação da
criança Excepcional; 3a Edição; S. Paulo:
Editora Martins Fontes; 1996
narciachauque@gmail.com
OBRIGADA
narciachauque@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O curriculo adaptado e ou flexibilizado
O curriculo adaptado e ou flexibilizadoO curriculo adaptado e ou flexibilizado
O curriculo adaptado e ou flexibilizado
Francisca Sousa
 
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagemEducação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Maria João Silva
 
Planificação
PlanificaçãoPlanificação
Planificação
Joao Papelo
 
Pauta
PautaPauta
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
Ana Lúcia M. Benício
 
As metas ..[1]
As metas ..[1]As metas ..[1]
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docenteO planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
PROIDDBahiana
 
Aula13 abril planejamentomag3dida
Aula13 abril planejamentomag3didaAula13 abril planejamentomag3dida
Aula13 abril planejamentomag3dida
Eliane Pellizzaro
 
2197414 planificar
2197414 planificar2197414 planificar
2197414 planificar
Pedro Rufino
 
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porte
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porteAdaptacoes curriculares de_pequeno_porte
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porte
*Ü*PEDAGOARTE *Ü*
 
Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303
sedf
 
Apresentação metas de aprendizagem - pré-escolar
Apresentação   metas de aprendizagem - pré-escolarApresentação   metas de aprendizagem - pré-escolar
Apresentação metas de aprendizagem - pré-escolar
jubarbosarafael
 
Flexibilizações curriculares
Flexibilizações curricularesFlexibilizações curriculares
Flexibilizações curriculares
rejane1966
 
S I L V I A[1]
S I L V I A[1]S I L V I A[1]
S I L V I A[1]
JulianaB
 
Inclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesInclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdades
osorioramos
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Pedro França
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
gindri
 
Apresentação objetivos
Apresentação objetivosApresentação objetivos
Apresentação objetivos
Suênia Izabel Lino Molin
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
familiaestagio
 
Registro
RegistroRegistro

Mais procurados (20)

O curriculo adaptado e ou flexibilizado
O curriculo adaptado e ou flexibilizadoO curriculo adaptado e ou flexibilizado
O curriculo adaptado e ou flexibilizado
 
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagemEducação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
Educação pré escolar avaliação das crianças e as metas de aprendizagem
 
Planificação
PlanificaçãoPlanificação
Planificação
 
Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Apresentação planejamento e avaliação
Apresentação   planejamento e avaliaçãoApresentação   planejamento e avaliação
Apresentação planejamento e avaliação
 
As metas ..[1]
As metas ..[1]As metas ..[1]
As metas ..[1]
 
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docenteO planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
O planejamento-como-necessidade-avaliacao-docente
 
Aula13 abril planejamentomag3dida
Aula13 abril planejamentomag3didaAula13 abril planejamentomag3dida
Aula13 abril planejamentomag3dida
 
2197414 planificar
2197414 planificar2197414 planificar
2197414 planificar
 
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porte
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porteAdaptacoes curriculares de_pequeno_porte
Adaptacoes curriculares de_pequeno_porte
 
Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303Adequação curricular ec 303
Adequação curricular ec 303
 
Apresentação metas de aprendizagem - pré-escolar
Apresentação   metas de aprendizagem - pré-escolarApresentação   metas de aprendizagem - pré-escolar
Apresentação metas de aprendizagem - pré-escolar
 
Flexibilizações curriculares
Flexibilizações curricularesFlexibilizações curriculares
Flexibilizações curriculares
 
S I L V I A[1]
S I L V I A[1]S I L V I A[1]
S I L V I A[1]
 
Inclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdadesInclusão na escola avancos e difivculdades
Inclusão na escola avancos e difivculdades
 
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...Projecto curricular de turma   uma perspectiva ...
Projecto curricular de turma uma perspectiva ...
 
Planejamento na escola
Planejamento na escolaPlanejamento na escola
Planejamento na escola
 
Apresentação objetivos
Apresentação objetivosApresentação objetivos
Apresentação objetivos
 
Slides sobre planejamento
Slides sobre planejamentoSlides sobre planejamento
Slides sobre planejamento
 
Registro
RegistroRegistro
Registro
 

Semelhante a Adapatac

Formul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais ejaFormul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais eja
Carlos Junior
 
Formul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais ejaFormul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais eja
Carlos Junior
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
osorioramos
 
Planejamento - Reflexões e Subsídios
Planejamento - Reflexões e SubsídiosPlanejamento - Reflexões e Subsídios
Planejamento - Reflexões e Subsídios
CÉSAR TAVARES
 
Capítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedasCapítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedas
Vera Lúcia Fialho Capellini
 
Adaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porteAdaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porte
Solange Das Graças Seno
 
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
Centro Neurológico de Teresópolis
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
Luciene Chagas
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
Luciene Chagas
 
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptxAdaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
WilsonGomes53
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Ribeiro
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
Claudio Roberto Ribeiro Junior
 
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAICOrganização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
Rosilane
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
leisiv
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
leisiv
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slides
gindri
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
Elisete Nunes
 
78751989 planejamento-escolar
78751989 planejamento-escolar78751989 planejamento-escolar
78751989 planejamento-escolar
MariGiopato
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013
vivianelima
 
Aula 09
Aula 09Aula 09

Semelhante a Adapatac (20)

Formul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais ejaFormul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais eja
 
Formul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais ejaFormul adequa iniciais eja
Formul adequa iniciais eja
 
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular1.formação inclusão 2016 adaptação  curricular
1.formação inclusão 2016 adaptação curricular
 
Planejamento - Reflexões e Subsídios
Planejamento - Reflexões e SubsídiosPlanejamento - Reflexões e Subsídios
Planejamento - Reflexões e Subsídios
 
Capítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedasCapítulo 3 bassedas
Capítulo 3 bassedas
 
Adaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porteAdaptação curricular de pequeno porte
Adaptação curricular de pequeno porte
 
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
Adaptaescurriculares 110729101049-phpapp02
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
 
Os desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógicoOs desafios do coordenador pedagógico
Os desafios do coordenador pedagógico
 
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptxAdaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
Adaptação Curricular na Inclusão so aluno com NEE na escolapptx
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Formador de formadores
Formador de formadoresFormador de formadores
Formador de formadores
 
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAICOrganização do trabalho pedagógico - PNAIC
Organização do trabalho pedagógico - PNAIC
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
 
Educação especial escola inclusiva slides
Educação especial  escola inclusiva slidesEducação especial  escola inclusiva slides
Educação especial escola inclusiva slides
 
Adaptações curriculares
Adaptações curricularesAdaptações curriculares
Adaptações curriculares
 
78751989 planejamento-escolar
78751989 planejamento-escolar78751989 planejamento-escolar
78751989 planejamento-escolar
 
Organização inicial 2013
Organização inicial 2013Organização inicial 2013
Organização inicial 2013
 
Aula 09
Aula 09Aula 09
Aula 09
 

Mais de Ivaristo Americo

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
Ivaristo Americo
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
Ivaristo Americo
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
Ivaristo Americo
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
Ivaristo Americo
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
Ivaristo Americo
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
Ivaristo Americo
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
Ivaristo Americo
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
Ivaristo Americo
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
Ivaristo Americo
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Ivaristo Americo
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
Ivaristo Americo
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
Ivaristo Americo
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
Ivaristo Americo
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 

Último

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Adapatac

  • 1. PsicodiagnosticoPsicodiagnostico Implicacoes Praticas: Curriculo,Implicacoes Praticas: Curriculo, Adaptacoes curriculares eAdaptacoes curriculares e intervencao precoceintervencao precoce narciachauque@gmail.com
  • 2. Conceito do CurriculoConceito do Curriculo Conceito O Currículo prescreve ou indica aquilo que deve ser transmitido e proposto as novas gerações, para que estas recolham as experiências culturais acumuladas dos seus pais e desenvolvam todas as suas capacidades e potencialidades. Este deve ser dinâmico, flexível para qualquer tipo de adaptação que for necessário(Miranda, 1999) narciachauque@gmail.com
  • 3. AdapatacaoAdapatacao CurricularCurricular CONCEITOS • Adaptações Currículares – são , antes de mais, procedimento de ajuste paulatino da resposta educativa, que poderá desembocar, ou não, conforme o caso, num programa individual (BAUTISTA 1997:61) • Adaptações Curriculares - são todas as alterações, modificações ou transformações que a escola e os professores introduzem nas propostas currículares dimanadas do Ministério da Educação, com vista à sua adequação ao contexto local e às necessidades dos seus alunos (MIRANDA1999:111   narciachauque@gmail.com
  • 4. Adaptações Currículares – são referidas às alterações ou modificações do currículo regular, realizadas para dar resposta aos alunos com NEE. narciachauque@gmail.com
  • 5. Adaptacao CurricularAdaptacao Curricular Numa adaptação curricular deve-se ter em consideração as seguintes necessidades:   • Meios didácticos disponíveis em quantidade e qualidade necessária;   • Partir de experiências e vivências dos alunos e ser conduzida de maneira pedagógica e metodologicamente adequada;   • Utilizar os meios e os recursos disponíveis no ambiente em que decorre; narciachauque@gmail.com
  • 6. Factores de Adaptacao CurricularFactores de Adaptacao Curricular Um dos factores a ter em conta na adaptacao curricular esta relacionada com: • O percurso escolar da turma; • O atraso na afectacao dos professores que se verifica no inicio do ano lectivo e nalgumas escolas se prolonga por semanas e meses; • Tempo de aulas reduzido em algumas disciplinas e muita materia dada apressadamente; narciachauque@gmail.com
  • 7. Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações curricularescurriculares I. Nível da Escola Na escola a adaptação curricular é realizado ao nivel do: • Conselho Pedagógico; • Componente Curricular do projecto Educativo da Escola; • Grupos disciplinares do ciclo e do ano; • Planificação a nível das disciplinas (ciclo, ano).  - Antes de tudo é necessário fazer-se análise das características, necessidades e possibilidades da região tendo em conta os Recursos humanos, físicos, financeiros e didácticos da escola. Expectativas, interesses, motivacoes de pais e alunos, narciachauque@gmail.com
  • 8. Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações curricularescurriculares II.Nível da Turma   • Conselho da Turma; • Professor de cada disciplina. • Neste nível, são mais patentes as características socio-economicas e culturais dos alunos da turma e as motivações, interesses específicos dos alunos, percurso escolar da turma, alunos com NEE.   narciachauque@gmail.com
  • 9. Níveis de concretização de adaptaçõesNíveis de concretização de adaptações curricularescurriculares III . Nível do aluno •  Planificação da disciplina; • Adaptação curricular individualizada; • Apoio especializado; • Recursos específicos; • Situações educativas específicas Realizar relatórios psicopedagogicos, conhecer o percurso escolar do aluno, registo/relatórios de anos anteriores, avaliação de diagnóstico pelo professor da disciplina, incidência dos problemas nas aprendizagens escolares e avaliação especializada. narciachauque@gmail.com
  • 10. Tipos de CurrículosTipos de Currículos   1) Currículo Regular; 2) Currículo Especial 1) No Currículo Regular encontramos:   • Currículo regular com ou sem apoio; • Currículo regular com algumas modificações; • Currículo regular com reduções significativas;   narciachauque@gmail.com
  • 11. Tipo do CurriculoTipo do Curriculo Currículo Especial  Currículo especial com acréscimos; Currículo especial.     narciachauque@gmail.com
  • 12. Curriculo RegularCurriculo Regular O curriculo regular e feito dentro do horario normal, com recursos esporadicos a pequenos apoios e pequenas adaptacoes: por exemplo os alunos ambliopes com surdez ligeira, deficientes motores sem lesao cerebral ou com problemas de aprendizagem ligeiros podem incluir- se neste grupo; narciachauque@gmail.com
  • 13. • Propor e possibilitar diferentes alternativas didácticas e metodológicas para o desenvolvimento de actividades de ensino-aprendizagem de avaliação, especialmente para aqueles blocos de conteúdos que tradicionalmente oferecem maiores dificuldades aos alunos;   • Vir acompanhado de documentação complementar a cada uma das áreas curriculares, sob a forma de anexos, na qual se indiquem as características fundamentais dos diferentes tipos de défices e quais as abordagens educativas que são mais apropriadas.   narciachauque@gmail.com
  • 14. Curriculo Regular c/ algumasCurriculo Regular c/ algumas modificacoesmodificacoes Os alunos com NEE, realizam a actividade que os seus pares, mas com objectivos mais apropriados. A resposta a certos aspectos especificos de algumas NEE podera exigir que se proceda a pequenos cortes, acrescimos ou alteracoes no curriculo decorrentes de problemas especificos e que se organizam algumas actividades suplementares ou alternativas. narciachauque@gmail.com
  • 15. • As actividades ou apoio suplementares devem ser organizados e geridos de modo a nao perturbar a presenca no curriculo regular; Neste tipo de curriculo o professor de educacao especial so e chamado a colaborar quando o professor do ensino regular ja nao consegue elaborar intervencoes que levem ao sucesso escolar do aluno com NEE. narciachauque@gmail.com
  • 16. A colaboracao entre professor do ensino regular e do ensino especial tem o seguinte objectivo: Identificacao de areas de intervencao especificas com o intuito de se introduzirem adaptacoes ou modificacoes curriculares apropriados. narciachauque@gmail.com
  • 17. Curriculo Regular c/ reducaoCurriculo Regular c/ reducao significativasignificativa Este tipo de curriculo sofre cortes e modificacoes substanciais(em termos do conjunto das disciplinas do curriculo ou a disciplinas especificas); Organizando-se em torno das aptidoes basicas (leitura, escrita, calculo); • Quanto maior forem as dificuldades do aluno nas disciplinas basicas, maior sera o abandono das outras disciplinas narciachauque@gmail.com
  • 18. Curriculo EspecialCurriculo Especial Curriculo Especial: Antes os curriculos eram desenhados essencialmente em torno das habilidades de autonomia social e pessoal, nao havendo qualquer preocupacao com a referencia ao curriculo regular; • Era dada mais importancia no desenvolvimento das capacidades minimas necessarias para viver e trabalhar em ambientes protegidos, ou seja autonomia, socializacao, comunicacao oral. narciachauque@gmail.com
  • 19. Curriculo Especial c/ acrescimosCurriculo Especial c/ acrescimos Incluem a integracao social, a preocupacao em centrar esforcos numa integracao nas areas academicas essenciais (pelo menos em areas de linguagem e calculo). Em funcao dos recursos disponiveis, as actividades sao orientadas com a colaboracao e o apoio de tecnicos especializados (professores de educacao especial, terapeutas, professores de educacao fisica …) narciachauque@gmail.com
  • 20. Elementos de acesso ao curriculoElementos de acesso ao curriculo Entende-se tudo aquilo que e necessario para que um curriculo possa ser implementado: Recursos Humanos, Recursos materiais, financeiros, fisicos e a organizacao etc.. narciachauque@gmail.com
  • 22. Definicoes de intervencao precoceDefinicoes de intervencao precoce Referem que a intervencao precoce e o conjunto de servicos e recursos que sao necessarios para responder, quer as necessidades especificas de cada crianca, quer as necessidades das suas familias no que respeita a promocao do desenvolvimento da crianca; narciachauque@gmail.com
  • 23. Definicoes(continuacao)Definicoes(continuacao) A intervencao precoce inclui todo o tipo de actividades, oportunidades e procedimentos destinados a promover o desenvolvimento e aprendizagem da crianca, assim como o conjunto de oportunidades para que as familias possam promover esse mesmo desenvolvimento e aprendizagem. narciachauque@gmail.com
  • 24. Definicoes (continuacao)Definicoes (continuacao) A intervencao precoce, consiste na prestacao de servicos educativos, terapeuticos e sociais para as criancas em idade escolar que estejam em risco de atraso de desenvolvimento e manifestam deficiencia ou NEE e as suas familias com o objectivo de minimizar efeitos nefastos ao seu desenvolvimento. narciachauque@gmail.com
  • 25. Objectivos de I.PObjectivos de I.P 1. O objectivo primordial da I.P consiste em:  Assistir e acompanhar a crianca no seu processo de desenvolvimento, e dos seus pais, seguindo regularmente o desenvolvimento psico-afectivo-social desta crianca e sua familia, acreditando que esta oferecera suporte para o melhor desenvolvimento da crianca. narciachauque@gmail.com
  • 26. Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao) 2. Melhorar a qualidade de vida das criancas e das Familias atraves de: a)Promcao de desenvolvimento de forma geral em todas as areas da crianca; Para que estes objectivos se concretizem e necessario que exista: • Redes de apoio eficazes; • Utilizacao dos Recursos da Comunidade; narciachauque@gmail.com
  • 27. Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao) Desenvolvimento do sentido de pertenca a comunidade; Autonomia da familia; 3. Criar condicoes facilitadoras do desenvolvimento global da crianca, minimizando problemas de deficiencias ou de risco de atraso de desenvolvimento e prevenindo eventuais secuelas; narciachauque@gmail.com
  • 28. Objectivos I.P(continuacao)Objectivos I.P(continuacao) 4. Utilizar as condicoes da interaccao crianca/familia, mediante a informacao sobre a problematica em causa, reforco das respectivas capacidades, e competencias, designadamente na identificacao e utilizacao dos seus recursos e dos da comunidade e ainda da capacidade de decidir e controlar a sua dinamica familiar; narciachauque@gmail.com
  • 29. Objectivos (continuacao)Objectivos (continuacao) 5. Envolver a comunidade no processo de intervencao, de forma continua e articulada utilizando os recursos existentes e as redes formais e informais de inter-ajuda; narciachauque@gmail.com
  • 30. Modelos de IntervencaoModelos de Intervencao a) Abordagem Centrada na Familia; b) Abordagem Centrada nos Recursos;e c) Abordagem Centrada nos Profissionais; a) Abordagem Centrada na Familia: Previlegia a participacao dos pais e profissionais em conjunto e que devem individualizar e adaptar as praticas para cada crianca com base na informacao que tem relativa as suas necessidades especifica(que vao mudando ao longo do tempo), e usar procedimentos de avaliacao/intervencao especificos no contexto dos ambientes, actividades e rotinas que fazem parte do dia a dia da crianca; narciachauque@gmail.com
  • 31. Modelos de IntervencaoModelos de Intervencao O trabalho com a crianca deve previlegiar: a utilizacao de praticas de atendimento e de um curriculo em desenvolvimento e funcional aplicado nos locais naturais de aprendizagem que para Briker – (2001) e Bruder (2002) citado por Correia (2010), sao a casa, a comunidade os contextos de creche e jardim de infancia e quaisquer outros locais; narciachauque@gmail.com
  • 32. Modelos de Intervencao(abordagemModelos de Intervencao(abordagem C. Familia)C. Familia) Numa prespectiva de Intervencao Precoce centrada na familia: Cabera a este decidir quais os contextos naturais da sua vida e da vida do seu filho em que devem ocorrer experiencias de aprendizagem que sejam ricas e significativas e que, simultaneamente promovam ao maximo o desenvolvimento com CNEE; narciachauque@gmail.com
  • 33. Modelos de Intervencao(abordagemModelos de Intervencao(abordagem C. Familia)C. Familia) • A participacao dos pais e essencial no trabalho de intervencao precoce, recomendando que estes e os tecnicos estabelecam uma relacao de parceria quer nos momentos de avaliacao quer no planeamento da intervencao e avaliacao da sua eficacia. A plena participacao dos pais na equipa requer que estes e os profissionais construam uma relacao de confianca, baseado no respeito pelas diferentes prespectivas e competencia; narciachauque@gmail.com
  • 34. Abordagem baseada nos RecursosAbordagem baseada nos Recursos Esta abordagem esta centrada nos recursos existentes na comunidade (servicos de apoio as pessoas com NEE), de igual enfase as redes formais e informais de apoio (Hospitais, escolas especiais, classes comuns com sala de recursos, etc) e tem subjacente um modelo de fortalecimento das competencias da familia. narciachauque@gmail.com
  • 35. Causas para uma IntervencaoCausas para uma Intervencao PrecocePrecoce Quanto mais cedo se inciar a intervencao maior e o potencial de desenvolvimento de cada crianca; Para proporcionar apoio e assistencia a familia nos momentos mais criticos; Para maximizar os beneficios sociais da crianca e da familia; narciachauque@gmail.com
  • 36. Factores importantes e comunsFactores importantes e comuns para uma intervencao precocepara uma intervencao precoce Idade da crianca e data do incio da intervencao; O envolvimento dos pais desde o inicio da intervencao: A intensidade ou estruturacao do modelo e do programa de intervencao precoce adoptado; narciachauque@gmail.com
  • 37. BibliografiaBibliografia BAUTISTA,R., et al. Necessidades Educativas Especiais; 1a Edição; Lisboa: Dina livro; 1997, CORREIA, L. Necessidades Educativas Especiais. Porto: Porto Editora. 2010 KIRK, S., GALLAGHER, J; A Educação da criança Excepcional; 3a Edição; S. Paulo: Editora Martins Fontes; 1996 narciachauque@gmail.com