SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA
Professora Erica Frau
MÉTODO CIENTÍFICO
VÍDEO MÉTODO CIENTÍFICO DE
O MUNDO DE BEAKMAN
HTTPS://WWW.YOUTUBE.COM/WATCH?V=FLM
BSQDBIP0
O MÉTODO CIENTÍFICO
• A ciência moderna pode ser caracterizada por dois
aspectos principais:
• A utilização do método experimental, ou método
científico, e;
• Sua aplicação a um objeto específico, ou seja, a
especialização
• Temos portanto, tantas ciências quantos são os objetos –
por exemplo, a física, que estuda as leis que regem a
natureza; a química, que investiga os elementos que
compõem a natureza; a biologia, que se dedica ao
fenômeno da vida; entre vários outros.
• Todas essas ciências usam o mesmo método, ainda que
ele possa sofrer algumas adaptações.
O MÉTODO CIENTÍFICO PODE SER
CARACTERIZADO POR CINCO PASSOS:
MÉTODO
CIENTÍFICO
Experimentação
Observação
Formulação
de uma
hipótese
Elaboração de
teorias
Generalização
OBSERVAÇÃO
• Primeiro é necessário observar o
objeto de estudo.
• Mas não se trata de uma
observação qualquer.
• Ela precisa ser rigorosa, precisa ser
metódica, seguindo procedimentos
e protocolos específicos, definidos
pelo método científico.
FORMULAÇÃO DE UMA HIPÓTESE
• Com base nos fatos observados, faz-se
uma reorganização dos dados obtidos , de
modo a explicar aquilo que foi visto.
• Elabora-se uma hipótese a ser
comprovada.
• Por exemplo: se observamos que durante o
dia o Sol parece mover-se pelo céu, então
podemos formular a hipótese de que esse
astro está girando ao redor da Terra.
• Trata-se de uma interpretação do fato
observado, que precisa ser verificada.
EXPERIMENTAÇÃO
• Nesta etapa, verifica-se a hipótese
construída, que pode ser ou não
comprovada.
• A experimentação é uma nova
observação, mas desta vez feita em
condições privilegiadas, geralmente em
um laboratório, simulando aquilo que
acontece na natureza.
• Caso a hipótese não seja comprovada, é
necessário elaborar outra hipótese,
seguindo-se uma nova etapa de
verificação.
GENERALIZAÇÃO
• Encontrados na experimentação
resultados que se repetem, é possível
elaborar “leis” gerais ou particulares
que expliquem os fenômenos
observados.
• Por exemplo, comprovada a hipótese
de que todo corpo que tem massa
atrai outros corpos que também têm
massa, podemos generalizar o fato de
que todo corpo que tem massa é
atraído pela grande massa do planeta
e, portanto, tende a cair ao chão, e
afirmar, com certeza, que, em dadas
condições materiais, todo corpo cai.
ELABORAÇÃO DE TEORIAS
(MODELOS)
• Pelos dados obtidos, é possível criar modelos
teóricos de aplicação mais geral, capazes de
explicar realidades mais complexas.
• É o que fez por exemplo Isaac Newton, ao criar
a teoria da gravitação universal, capaz de
explicar os processos de atração dos corpos
que têm massa, sejam aqueles que
observamos no dia a dia, sejam os planetas e
demais astros no céu.
• Para Gilles Deluze e Félix Guattari, só a filosofia produz
conceitos; a ciência como potencia do pensamento, cria
funções.
• Eles definem por função a forma de proceder da ciência,
que por meio da experiência relaciona determinados
aspectos, tomando um em função do outro.
• É o que ocorre, por exemplo, quando definimos a
velocidade em função do tempo e do espaço (um objeto
é mais veloz que outro quando percorre o mesmo espaço
em menor tempo).
Baseando-se na aplicação do
método científico, podemos afirmar
que a ciência produz conceitos?
Quanta
Gilberto Gil
Quanta do latim
Plural de quantum
Quando quase não há
Quantidade que se medir
Qualidade que se expressar
Fragmento infinitésimo
Quase que apenas mental
Quantum granulado no mel
Quantum ondulado no sal
Mel de urânio, sal de rádio
Qualquer coisa quase ideal
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos
Canto de louvor
De amor ao vento
Vento, arte do ar
Balançando o corpo da flor
Levando o veleiro pro mar
Vento de calor
De pensamento em chamas
Inspiração
Arte de criar o saber
Arte, descoberta, invenção
Theoría em grego quer dizer
O ser em contemplação
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos
Sei que a arte é irmã da ciência
Ambas filhas de um deus fugaz
Que faz num momento e no mesmo momento desfaz
Esse vago deus por trás do mundo
Por detrás do detrás
Cântico dos cânticos
Quântico dos quânticos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
Lucila Pesce
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
Net Viva
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
Cláudia Moura
 

Mais procurados (20)

Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento Científico
 
Conhecimento cientifico
Conhecimento cientificoConhecimento cientifico
Conhecimento cientifico
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
 
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICOCONHECIMENTO CIENTÍFICO
CONHECIMENTO CIENTÍFICO
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Breve História da Ciência
Breve História da CiênciaBreve História da Ciência
Breve História da Ciência
 
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivoMétodo indutivo vs hipotetico dedutivo
Método indutivo vs hipotetico dedutivo
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
Ciência e Método científico
Ciência e Método científicoCiência e Método científico
Ciência e Método científico
 
Ciência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedadeCiência, tecnologia e sociedade
Ciência, tecnologia e sociedade
 
Atividade racional
Atividade racionalAtividade racional
Atividade racional
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 

Destaque

5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
Erica Frau
 
Tutorial slide share
Tutorial slide shareTutorial slide share
Tutorial slide share
Erica Frau
 
Questoes globalizantes fisica
Questoes globalizantes fisicaQuestoes globalizantes fisica
Questoes globalizantes fisica
jomadeira
 

Destaque (20)

2 ética
2 ética2 ética
2 ética
 
5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral 5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral
 
4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
 
Estratégias de leitura
Estratégias de leituraEstratégias de leitura
Estratégias de leitura
 
Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15
 
Tutorial slide share
Tutorial slide shareTutorial slide share
Tutorial slide share
 
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
Física 3º ano ensino médio   associação de resistoresFísica 3º ano ensino médio   associação de resistores
Física 3º ano ensino médio associação de resistores
 
Diferenca entre projetos de ensino e projetos de aprendizagem
Diferenca entre projetos de ensino e projetos de aprendizagemDiferenca entre projetos de ensino e projetos de aprendizagem
Diferenca entre projetos de ensino e projetos de aprendizagem
 
Aula 1 gravitação universal
Aula 1   gravitação universalAula 1   gravitação universal
Aula 1 gravitação universal
 
Ondas Gravitacionais - Uma introdução para 2o grau
Ondas Gravitacionais - Uma introdução para 2o grauOndas Gravitacionais - Uma introdução para 2o grau
Ondas Gravitacionais - Uma introdução para 2o grau
 
Questoes globalizantes fisica
Questoes globalizantes fisicaQuestoes globalizantes fisica
Questoes globalizantes fisica
 
2016229 11144 capitulo+1
2016229 11144 capitulo+12016229 11144 capitulo+1
2016229 11144 capitulo+1
 
Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22
 
Curso de física i
Curso de física iCurso de física i
Curso de física i
 
Física 3º ano ensino médio diferença de potencial
Física 3º ano ensino médio   diferença de potencialFísica 3º ano ensino médio   diferença de potencial
Física 3º ano ensino médio diferença de potencial
 
Ilusão de óptica trabalho de física
Ilusão de óptica  trabalho de físicaIlusão de óptica  trabalho de física
Ilusão de óptica trabalho de física
 

Semelhante a 6 metodo cientifico

Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Leonardo Kaplan
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
Aln2
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
ClaudislaneLima
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
Ivo Mai
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
Joao Balbi
 
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Leonardo Kaplan
 
Algumas características do método científico
Algumas características do método científicoAlgumas características do método científico
Algumas características do método científico
WaleskaSampaio
 
power point de química professor Vinicius
power point de química professor Vinicius power point de química professor Vinicius
power point de química professor Vinicius
Fortunato Fortunato
 

Semelhante a 6 metodo cientifico (20)

O método das ciencias da natureza
O método das ciencias da naturezaO método das ciencias da natureza
O método das ciencias da natureza
 
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
 
Introdução a ciencia
Introdução a cienciaIntrodução a ciencia
Introdução a ciencia
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docxAPOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
APOSTILA DAS DISCIPLINA DE BIOLOGIA.docx
 
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
A Evolução da Ciência.pdf. Resumo do tema "A evolução da Ciência" .
 
Aula método científico
Aula método científicoAula método científico
Aula método científico
 
Aula método cientifico
Aula método cientificoAula método cientifico
Aula método cientifico
 
Metodo científico
Metodo científicoMetodo científico
Metodo científico
 
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptxaulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
aulamtodocientifico-130213204339-phpapp01.pptx
 
fc.pptx
fc.pptxfc.pptx
fc.pptx
 
IFG História da Ciência - Introdução à Filosofia da Ciência Parte I
IFG História da Ciência - Introdução à Filosofia da Ciência Parte IIFG História da Ciência - Introdução à Filosofia da Ciência Parte I
IFG História da Ciência - Introdução à Filosofia da Ciência Parte I
 
O que e ciencia afinal
O que e ciencia afinalO que e ciencia afinal
O que e ciencia afinal
 
Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)Cap 01(qualitativa)
Cap 01(qualitativa)
 
16 o método científico
16 o método científico16 o método científico
16 o método científico
 
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)
 
Algumas características do método científico
Algumas características do método científicoAlgumas características do método científico
Algumas características do método científico
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
Método científico
Método científicoMétodo científico
Método científico
 
power point de química professor Vinicius
power point de química professor Vinicius power point de química professor Vinicius
power point de química professor Vinicius
 

Mais de Erica Frau

6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
Erica Frau
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
Erica Frau
 
Situações de Aprendizagens
Situações de AprendizagensSituações de Aprendizagens
Situações de Aprendizagens
Erica Frau
 
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu finalOk minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Erica Frau
 

Mais de Erica Frau (20)

7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado 7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao 3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao
 
2 o que é filosofia
2 o que é filosofia2 o que é filosofia
2 o que é filosofia
 
As mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofiaAs mulheres e a filosofia
As mulheres e a filosofia
 
1 - Ética
1 - Ética1 - Ética
1 - Ética
 
1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Plano de ensino 2
Plano de ensino 2Plano de ensino 2
Plano de ensino 2
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
 
Situações de Aprendizagens
Situações de AprendizagensSituações de Aprendizagens
Situações de Aprendizagens
 
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu finalOk minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
 
Teatro p
Teatro pTeatro p
Teatro p
 

Último

INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
rarakey779
 

Último (20)

AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 

6 metodo cientifico

  • 3. VÍDEO MÉTODO CIENTÍFICO DE O MUNDO DE BEAKMAN HTTPS://WWW.YOUTUBE.COM/WATCH?V=FLM BSQDBIP0
  • 4. O MÉTODO CIENTÍFICO • A ciência moderna pode ser caracterizada por dois aspectos principais: • A utilização do método experimental, ou método científico, e; • Sua aplicação a um objeto específico, ou seja, a especialização • Temos portanto, tantas ciências quantos são os objetos – por exemplo, a física, que estuda as leis que regem a natureza; a química, que investiga os elementos que compõem a natureza; a biologia, que se dedica ao fenômeno da vida; entre vários outros. • Todas essas ciências usam o mesmo método, ainda que ele possa sofrer algumas adaptações.
  • 5. O MÉTODO CIENTÍFICO PODE SER CARACTERIZADO POR CINCO PASSOS: MÉTODO CIENTÍFICO Experimentação Observação Formulação de uma hipótese Elaboração de teorias Generalização
  • 6. OBSERVAÇÃO • Primeiro é necessário observar o objeto de estudo. • Mas não se trata de uma observação qualquer. • Ela precisa ser rigorosa, precisa ser metódica, seguindo procedimentos e protocolos específicos, definidos pelo método científico.
  • 7. FORMULAÇÃO DE UMA HIPÓTESE • Com base nos fatos observados, faz-se uma reorganização dos dados obtidos , de modo a explicar aquilo que foi visto. • Elabora-se uma hipótese a ser comprovada. • Por exemplo: se observamos que durante o dia o Sol parece mover-se pelo céu, então podemos formular a hipótese de que esse astro está girando ao redor da Terra. • Trata-se de uma interpretação do fato observado, que precisa ser verificada.
  • 8. EXPERIMENTAÇÃO • Nesta etapa, verifica-se a hipótese construída, que pode ser ou não comprovada. • A experimentação é uma nova observação, mas desta vez feita em condições privilegiadas, geralmente em um laboratório, simulando aquilo que acontece na natureza. • Caso a hipótese não seja comprovada, é necessário elaborar outra hipótese, seguindo-se uma nova etapa de verificação.
  • 9. GENERALIZAÇÃO • Encontrados na experimentação resultados que se repetem, é possível elaborar “leis” gerais ou particulares que expliquem os fenômenos observados. • Por exemplo, comprovada a hipótese de que todo corpo que tem massa atrai outros corpos que também têm massa, podemos generalizar o fato de que todo corpo que tem massa é atraído pela grande massa do planeta e, portanto, tende a cair ao chão, e afirmar, com certeza, que, em dadas condições materiais, todo corpo cai.
  • 10. ELABORAÇÃO DE TEORIAS (MODELOS) • Pelos dados obtidos, é possível criar modelos teóricos de aplicação mais geral, capazes de explicar realidades mais complexas. • É o que fez por exemplo Isaac Newton, ao criar a teoria da gravitação universal, capaz de explicar os processos de atração dos corpos que têm massa, sejam aqueles que observamos no dia a dia, sejam os planetas e demais astros no céu.
  • 11. • Para Gilles Deluze e Félix Guattari, só a filosofia produz conceitos; a ciência como potencia do pensamento, cria funções. • Eles definem por função a forma de proceder da ciência, que por meio da experiência relaciona determinados aspectos, tomando um em função do outro. • É o que ocorre, por exemplo, quando definimos a velocidade em função do tempo e do espaço (um objeto é mais veloz que outro quando percorre o mesmo espaço em menor tempo). Baseando-se na aplicação do método científico, podemos afirmar que a ciência produz conceitos?
  • 12. Quanta Gilberto Gil Quanta do latim Plural de quantum Quando quase não há Quantidade que se medir Qualidade que se expressar Fragmento infinitésimo Quase que apenas mental Quantum granulado no mel Quantum ondulado no sal Mel de urânio, sal de rádio Qualquer coisa quase ideal Cântico dos cânticos Quântico dos quânticos Canto de louvor De amor ao vento Vento, arte do ar Balançando o corpo da flor Levando o veleiro pro mar Vento de calor De pensamento em chamas Inspiração Arte de criar o saber Arte, descoberta, invenção Theoría em grego quer dizer O ser em contemplação Cântico dos cânticos Quântico dos quânticos Sei que a arte é irmã da ciência Ambas filhas de um deus fugaz Que faz num momento e no mesmo momento desfaz Esse vago deus por trás do mundo Por detrás do detrás Cântico dos cânticos Quântico dos quânticos