SlideShare uma empresa Scribd logo
FILOSOFIA
Professora Erica Frau
08 DE MARÇO
Dia Internacional da Mulher
O dia 08 de março lembra uma data emblemática
para as mulheres. Foi neste dia, em 1857, que
dezenas de mulheres que trabalhavam em uma
fábrica têxtil, em Nova Iorque, participaram de um
ato em protesto contra os abusos trabalhistas
voltados à elas. Em retaliação ao manifesto, cerca
de 130 mulheres que participavam da greve foram
trancadas na fábrica e incineradas.
Fonte: http://nogueirense.com.br/homenagem-reune-400-mulheres-em-artur-nogueira/
QUAIS ERAM AS REIVINDICAÇÕES???
redução na carga diária de trabalho para dez horas (as
fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário),
equiparação de salários com os homens (as mulheres
chegavam a receber até um terço do salário de um
homem, para executar o mesmo tipo de trabalho)
tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
Desde quando se comemora o
dia Internacional da mulher???
...somente no ano de 1910, durante uma
conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8
de março passaria a ser o "Dia Internacional da
Mulher", em homenagem as mulheres que
morreram na fábrica em 1857. Mas somente no
ano de 1975, através de um decreto, a data foi
oficializada pela ONU (Organização das Nações
Unidas).
Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
OBJETIVO DA DATA
Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas
comemorar. Na maioria dos países, realizam-se
conferências, debates e reuniões cujo objetivo é
discutir o papel da mulher na sociedade atual. O
esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia
terminar, com o preconceito e a desvalorização da
mulher.
Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
OBJETIVO DA DATA
Mesmo com todos os avanços, elas ainda
sofrem, em muitos locais, com salários baixos,
violência masculina, jornada excessiva de
trabalho e desvantagens na carreira profissional.
Muito foi conquistado, mas muito ainda há para
ser modificado nesta história.
Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
CONQUISTAS DAS MULHERES
BRASILEIRAS
Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932
foi um marco na história da mulher brasileira.
Nesta data foi instituído o voto feminino. As
mulheres conquistavam, depois de muitos anos
de reivindicações e discussões, o direito de votar
e serem eleitas para cargos no executivo e
legislativo.
Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
Você sabia que no Brasil
comemoramos o Dia
Nacional da Mulher em 30
de abril.
ONDE E COMO NASCEU O FEMINISMO?
Movimento
surgiu na
Revolução
Francesa
É possível encontrar na historiografia dos
séculos 15 e 18 o aparecimento de temas
dedicados à denúncia da condição de
opressão das mulheres, tendo como
principais fatores a superioridade e a
dominação imposta pelos homens.
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
Porém, ainda não se pode atribuir aos mais
variados escritos que surgiram nesse período o
rótulo ou o conceito de "feminista". Por outro
lado, os estudiosos do tema creditam ao
contexto social e político da Revolução
Francesa (1789) - e, portanto, do Iluminismo -
o surgimento do feminismo moderno.
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
Em 1791, por exemplo, a revolucionária
Olímpia de Gouges compôs uma célebre
declaração, proclamando que a mulher possuía
direitos naturais idênticos aos dos homens e
que, por essa razão, tinha o direito de
participar, direta ou indiretamente, da
formulação das leis e da política em geral.
Embora tenha sido rejeitada pela Convenção, a
declaração de Gouges é o símbolo mais
representativo do feminismo racionalista e
democrático que reivindicava igualdade política
entre os gêneros masculino e feminino.
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
FEMINISMO EMANCIPACIONISTA
No século 19, o feminismo teve um novo
recomeço, em um contexto diferente: o da
sociedade liberal europeia que emergia.
O núcleo irradiador do feminismo
emancipacionista foi a Inglaterra, e a luta centrava-
se na obtenção de igualdade jurídica (direito de
voto, de instrução, de exercer uma profissão ou
poder trabalhar).
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
FEMINISMO CONTEMPORÂNEO
O movimento feminista
contemporâneo surgiu nos
Estados Unidos, na segunda
metade da década de 1960, e
se alastrou para diversos
países industrializados entre
1968 e 1977.
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
O episódio conhecido com
Bra-Burning, ou em português
‘a queima dos sutiãs’, foi um
protesto com cerca de 400
ativistas do WLM (Women’s
Liberation Movement) na
realização do concurso de
Miss America em 7 de
setembro de 1968, em
Atlantic City, EUA.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Queima_de_suti%C3%A3s
A reivindicação central do movimento
feminista contemporâneo é a luta pela
"libertação" da mulher. O termo "libertação"
deve ser entendido como uma afirmação da
diferença da mulher, sobretudo em termos
de alteridade.
Com base nessa ideia, o movimento feminista
busca novos valores, que possam auxiliar ou
promover a transformação das relações
sociais ou da sociedade como um todo.
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
Portanto, o surgimento do movimento feminista
contemporâneo representou um divisor de águas e, ao
mesmo tempo, a própria superação dos movimentos
sociais emancipatórios, cuja reivindicação central
estava baseada na luta pela igualdade (jurídica, política
e econômica).
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
A luta pela "libertação" da mulher, que
constitui o núcleo da doutrina feminista
contemporânea, está baseada na denúncia da
existência de uma opressão característica,
com raízes profundas, que atinge todas as
mulheres, pertencentes a diversas culturas,
classes sociais, sistemas econômicos e
políticos. E, também, na ideia de que essa
opressão persiste, apesar da conquista dos
direitos de igualdade (jurídicos, políticos e
econômicos).
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
Desse modo, o movimento feminista
contemporâneo atua com base numa
perspectiva de superação das relações
conflituosas entre os gêneros masculino e
feminino, recusando, portanto, o estigma ou
noção de "inferioridade" (ou desigualdade
natural).
http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
AS MULHERES
E A FILOSOFIA
ROSA LUXEMBURGO
Filósofa, Economista e Marxista.
Foi uma militante revolucionária ligada à Social Democracia da
Polônia (SDKP), ao Partido Social Democrata da Alemanha (SPD)
e ao Partido Social Democrata Independente da Alemanha
(USPD).
Participou da fundação do grupo de tendência marxista do SPD,
que viria a se tornar mais tarde o Partido Comunista da
Alemanha (KPD).
Durante toda sua vida pertenceu às minorias
discriminadas.
(mulher, judia, polonesa vivendo na Alemanha e
comunista)
Nasceu na
Polônia em 5 de
março de 1871
e morreu
assassinada na
Alemanha no
dia 15 de
janeiro de 1919.
Realizou seu doutorado numa época em que raríssimas
mulheres iam para a universidade. Ela foi uma das poucas
mulheres politicamente ativas.
O destino de Rosa Luxemburgo está ligado de forma inseparável
ao desenvolvimento do movimento dos trabalhadores alemães e
às lutas entre suas várias tendências.
De temperamento caloroso e apaixonado, era capaz de
conquistar todos que se aproximassem dela sem preconceitos,
intimidando, entretanto, aqueles que não se sentiam à sua
altura.
A luta implacável de Rosa Luxemburgo contra a guerra, e o
radicalismo com que insistia no vínculo entre liberdade política e
igualdade social não perderam sua força até hoje.
HANNAH ARENDT
Nasceu na
Alemanha em
14 de outubro
de 1906 e
faleceu em
Nova Iorque
EUA no dia 4
de dezembro
de 1975.
Filósofa política alemã de origem judaica.
Foi perseguida pelo nazismo e em 1951 conseguiu a nacionalidade norte americana.
Defendia o conceito de “pluralismo” no âmbito político.
(o potencial de uma liberdade e igualdade política gerado entre as pessoas).
Defendeu a perspectiva da Inclusão do Outro.
Arendt se situava de forma crítica ante a democracia representativa e preferia um
sistema de conselhos ou formas de democracia direta.
Seus trabalhos relacionados a teoria do totalitarismo, a filosofia existencial e suas
reivindicação da discussão da política livre a tornaram central nos debates
contemporâneos.
Estudou a formação dos regimes autoritários (totalitários) instalados nesse
período - o nazismo e o comunismo - e defendeu os direitos individuais e a
família, contra as "sociedades de massas" e os crimes contra a pessoa.
Foi Hannah Arendt quem formulou o célebre conceito da "banalidade do
mal“.
Embora fosse de família hebraica, não teve a educação religiosa tradicional
judia e sempre professou sua fé em Deus de forma livre e não-convencional.
É importante saber desse aspecto porque Hannah dedicou toda sua vida a
compreender o destino do povo judeu perseguido por Hitler.
Foi aluna do filósofo Heidegger - com quem teve um relacionamento
amoroso - na universidade alemã de Marburgo, e formou-se em filosofia
em Heidelberg.
SIMONE DE BEAUVOIR
Nasceu na
França em 9 de
janeiro de 1908,
morrendo em
Paris em 14 de
abril de 1986.
Escritora, Intelectual, filósofa existencialista, ativista politica,
feminista e teórica social francesa.
Ela estudou filosofia na Universidade de Paris (Sorbonne),
onde conheceu outros jovens intelectuais, como Merleau-
Ponty e Jean Paul Sartre com quem manteve um
relacionamento por toda a vida.
Escreveu o tratado O Segundo Sexo em 1949 onde realizou
uma análise detalhada da opressão das mulheres e um tratado
fundamental do feminismo contemporâneo.
A autora revela certa inquietação diante do envelhecimento
e da morte em livros como Uma Morte Suave, de 1964. Em A
Cerimônia do Adeus, de 1981, ela narra o fim da existência
de seu companheiro Sartre, que havia morrido em 15 de
abril do ano anterior.
Seus livros enfocavam os elementos mais importantes da
filosofia existencialista, revelando sua crença no
comprometimento do intelectual com o tempo no qual ele
vive.
Simone publica diversos livros filosóficos e ensaios. Ela se
dedica também a registrar suas experiências em extensas
obras autobiográficas, que compõem igualmente um retrato
da época na qual ela viveu.
JUDITH BUTLER
Filosofa pós estruturalista e uma das principais teóricas da questão
contemporânea do feminismo, teoria queer (questão de GENÊRO), filosofia
politica e ética.
Butler obteve seu Ph.D. em filosofia na Yale University em 1984.
É bem possível que aquele que se disponha a conhecer a obra de Judith Butler a
receba, em um primeiro momento, como uma provocação. Os livros publicados
até agora pela filósofa norte-americana, não são fáceis de ler.
Verdade que o tema central da obra de Butler é o “gênero”, mas, olhando de
perto, gênero não é um problema do campo da “sexualidade”, é um problema
político e, mais perigosamente, um problema ontológico. Isso quer dizer que o
seu feminismo é, de todos os que surgiram até agora, o que levou mais a sério as
potencialidades críticas do próprio feminismo.
Nasceu em
24 de
fevereiro de
1956 nos
Estados
Unidos.
Seus trabalhos mais recentes focam a filosofia judaica.
Nas mãos da pensadora, o feminismo é, sem dúvida, uma luta pelos direitos das
mulheres, como sempre foi, mas é também uma desmontagem do que chamamos
de “mulheres”.
A filósofa norte-americana, que também é judia e lésbica, vem, portanto,
provocando uma mudança radical no cenário dos estudos de gênero, e no
feminismo de um modo geral. Sem deixar de ser feminista, Butler é uma teórica
crítica que critica justamente certos aspectos do feminismo ao qual se filia.
O feminismo de Butler é a defesa de uma desmontagem de todo tipo de identidade
de gênero que oprime as singularidades humanas que não se encaixam, que não
são “adequadas” ou “corretas” no cenário da bipolaridade no qual acostumamo-nos
a entender as relações entre pessoas concretas.
VIVIANE MOSÉ
Filósofa, poetisa, psicóloga, psicanalista e especialista
em elaboração e implementação de políticas públicas.
Mestre e doutora em Filosofia pelo Instituto de
Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ.
Publicou sua tese de doutorado sobre Nietzsche e a
grande política da linguagem no ano de 2005.
Nasceu em 16
de janeiro de
1964 na cidade
de Vitória no
Espirito Santo.
Em 2005 e 2006, desenvolveu e escreveu com Daniel Duarte o quadro
Ser ou Não Ser, onde apresentou no Fantástico da TV Globo, temas da
filosofia em uma linguagem cotidiana. Em 2007 os 24 episódios foram
reapresentados no canal GNT da Globosat.
Em 2008 escreveu e apresentou, no canal Futura, também da Globosat,
oito episódios da série, agora com foco em Educação.
De 2007 a 2009, foi consultora sênior da comissão de reformulação
curricular do Estado do Espírito Santo.
É palestrante e consultora, com grandes empresas como clientes: Rede
Globo de televisão, Editora Abril, Petrobrás, Banco do Brasil, Banco de
Desenvolvimento do Espírito Santo, O Boticário, Governo do Estado do
Espírito Santo, Rede Pitágoras de Ensino, entre outros.
As mulheres e a filosofia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
Douglas Gregorio
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
professorleo1989
 
Platão
PlatãoPlatão
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Turma Olímpica
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
Marcelo Freitas
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
Euza Raquel
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
Edirlene Fraga
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
Italo Colares
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
roberto mosca junior
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
Erica Frau
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
A ciência e a arte
A ciência e a arteA ciência e a arte
A ciência e a arte
Arlindo Picoli
 

Mais procurados (20)

Ideologia
IdeologiaIdeologia
Ideologia
 
Aula 21 filosofia da ciência
Aula 21   filosofia da ciênciaAula 21   filosofia da ciência
Aula 21 filosofia da ciência
 
Platão
PlatãoPlatão
Platão
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
 
Estética
EstéticaEstética
Estética
 
Platão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideiasPlatão e a teoria das ideias
Platão e a teoria das ideias
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
Direitos e cidadania
Direitos e cidadaniaDireitos e cidadania
Direitos e cidadania
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
A ciência e a arte
A ciência e a arteA ciência e a arte
A ciência e a arte
 

Destaque

1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/PiauíMovimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
Carol Alves
 
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - SociologiaMaterial completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Ana Maciel
 
Celebrating women in business
Celebrating women in businessCelebrating women in business
Celebrating women in business
Nadine Kater
 
Judaísmo contemporâneo.
Judaísmo contemporâneo.Judaísmo contemporâneo.
Judaísmo contemporâneo.
Antonio Miranda Pereira
 
COMM 308 Project
COMM 308 Project COMM 308 Project
COMM 308 Project
Elizabeth Hennen
 
Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15
Filosofia
 
Tutorial slide share
Tutorial slide shareTutorial slide share
Tutorial slide share
Erica Frau
 
Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22
Filosofia
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
Erica Frau
 
Filosofia Questão Judaica
Filosofia Questão Judaica Filosofia Questão Judaica
Filosofia Questão Judaica
Jessica Pellegrini Meinerz
 
6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
Erica Frau
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
Erica Frau
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
Erica Frau
 
5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral 5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral
Erica Frau
 
7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado 7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado
Erica Frau
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
Erica Frau
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Maira Conde
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
Erica Frau
 
Cartilha - Representante de Turma
Cartilha - Representante de TurmaCartilha - Representante de Turma
Cartilha - Representante de Turma
claudia
 

Destaque (20)

1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento1 teoria do conhecimento
1 teoria do conhecimento
 
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/PiauíMovimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
Movimento de Mulheres (Feminismo) Brasil/Piauí
 
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - SociologiaMaterial completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
Material completo sobre o FEMINISMO - Sociologia
 
Celebrating women in business
Celebrating women in businessCelebrating women in business
Celebrating women in business
 
Judaísmo contemporâneo.
Judaísmo contemporâneo.Judaísmo contemporâneo.
Judaísmo contemporâneo.
 
COMM 308 Project
COMM 308 Project COMM 308 Project
COMM 308 Project
 
Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15Alegoria da Caverna 15
Alegoria da Caverna 15
 
Tutorial slide share
Tutorial slide shareTutorial slide share
Tutorial slide share
 
Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22Alegoria da Caverna 22
Alegoria da Caverna 22
 
3 Descartes
3 Descartes 3 Descartes
3 Descartes
 
Filosofia Questão Judaica
Filosofia Questão Judaica Filosofia Questão Judaica
Filosofia Questão Judaica
 
6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide6 idealismo dialetico hegel slide
6 idealismo dialetico hegel slide
 
6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia 6 liberdade e autonomia
6 liberdade e autonomia
 
4 Hume
4 Hume 4 Hume
4 Hume
 
5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral 5 construção do sujeito moral
5 construção do sujeito moral
 
7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado 7 cidadania publico e privado
7 cidadania publico e privado
 
5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia 5 filosofia e ciencia
5 filosofia e ciencia
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles3 ética em aristóteles
3 ética em aristóteles
 
Cartilha - Representante de Turma
Cartilha - Representante de TurmaCartilha - Representante de Turma
Cartilha - Representante de Turma
 

Semelhante a As mulheres e a filosofia

Sociologia feminismo
Sociologia  feminismoSociologia  feminismo
Sociologia feminismo
Edwin Juan
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Claudio Henrique Ramos Sales
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário político
Danillo Rodrigues
 
MULHERES NA FILOSOFIA
MULHERES NA FILOSOFIAMULHERES NA FILOSOFIA
MULHERES NA FILOSOFIA
Zilrene
 
O Feminismo
O FeminismoO Feminismo
O Feminismo
DaviLucasOliveira
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
Danillo Rodrigues
 
Femina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquioFemina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquio
Maria da Graça Costa
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
alinesantana1422
 
A marca do batom
A marca do batomA marca do batom
A marca do batom
Juliana Sarieddine
 
Mulher cópia
Mulher   cópiaMulher   cópia
Mulher cópia
Vera Moreira
 
Movimento feminista
Movimento feministaMovimento feminista
Movimento feminista
Milena Marçal
 
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURALCONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CoordTic
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
Turmacef201617
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
Turmacef201617
 
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentosA luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
Mariana Brito
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
Maira Conde
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
Maira Conde
 
Os movimentos contestatários
Os movimentos contestatáriosOs movimentos contestatários
Os movimentos contestatários
Zequinha8
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
Helena Caboclo
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docx
Daiani Wagner
 

Semelhante a As mulheres e a filosofia (20)

Sociologia feminismo
Sociologia  feminismoSociologia  feminismo
Sociologia feminismo
 
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedadeFeminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
Feminismo - Problematizando o espaço da mulher na sociedade
 
A evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário políticoA evolução da mulher no cenário político
A evolução da mulher no cenário político
 
MULHERES NA FILOSOFIA
MULHERES NA FILOSOFIAMULHERES NA FILOSOFIA
MULHERES NA FILOSOFIA
 
O Feminismo
O FeminismoO Feminismo
O Feminismo
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
 
Femina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquioFemina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquio
 
O anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistasO anarquismo, as ideias anarquistas
O anarquismo, as ideias anarquistas
 
A marca do batom
A marca do batomA marca do batom
A marca do batom
 
Mulher cópia
Mulher   cópiaMulher   cópia
Mulher cópia
 
Movimento feminista
Movimento feministaMovimento feminista
Movimento feminista
 
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURALCONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
 
Feminismo (2)
Feminismo (2)Feminismo (2)
Feminismo (2)
 
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentosA luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
A luta pela democracia e feminismos aluns apontamentos
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Cidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamentoCidadania feminina e empoderamento
Cidadania feminina e empoderamento
 
Os movimentos contestatários
Os movimentos contestatáriosOs movimentos contestatários
Os movimentos contestatários
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
A mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docxA mulher no mercado de trabalho.docx
A mulher no mercado de trabalho.docx
 

Mais de Erica Frau

4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica
Erica Frau
 
2 ética
2 ética2 ética
2 ética
Erica Frau
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
Erica Frau
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
Erica Frau
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
Erica Frau
 
7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei
Erica Frau
 
6 metodo cientifico
6 metodo cientifico 6 metodo cientifico
6 metodo cientifico
Erica Frau
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao 3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao
Erica Frau
 
2 o que é filosofia
2 o que é filosofia2 o que é filosofia
2 o que é filosofia
Erica Frau
 
1 - Ética
1 - Ética1 - Ética
1 - Ética
Erica Frau
 
1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?
Erica Frau
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
Erica Frau
 
Plano de ensino 2
Plano de ensino 2Plano de ensino 2
Plano de ensino 2
Erica Frau
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
Erica Frau
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
Erica Frau
 
Situações de Aprendizagens
Situações de AprendizagensSituações de Aprendizagens
Situações de Aprendizagens
Erica Frau
 
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu finalOk minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Erica Frau
 
Teatro p
Teatro pTeatro p
Teatro p
Erica Frau
 
Orientações e estrutura da sa marco aurelio
Orientações e estrutura da sa marco aurelioOrientações e estrutura da sa marco aurelio
Orientações e estrutura da sa marco aurelio
Erica Frau
 

Mais de Erica Frau (20)

4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica4 relacao entre moral e politica
4 relacao entre moral e politica
 
2 ética
2 ética2 ética
2 ética
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide5 criticismo kantiano slide
5 criticismo kantiano slide
 
2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento 2 teoria do conhecimento
2 teoria do conhecimento
 
7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei7 Galileu Galilei
7 Galileu Galilei
 
6 metodo cientifico
6 metodo cientifico 6 metodo cientifico
6 metodo cientifico
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao 3 Filosofia mito e religiao
3 Filosofia mito e religiao
 
2 o que é filosofia
2 o que é filosofia2 o que é filosofia
2 o que é filosofia
 
1 - Ética
1 - Ética1 - Ética
1 - Ética
 
1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?1 - O que é filosofia?
1 - O que é filosofia?
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Plano de ensino 2
Plano de ensino 2Plano de ensino 2
Plano de ensino 2
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Slides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofiaSlides da Orientação técnica filosofia
Slides da Orientação técnica filosofia
 
Situações de Aprendizagens
Situações de AprendizagensSituações de Aprendizagens
Situações de Aprendizagens
 
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu finalOk minha escola na câmara de vereadores – eu final
Ok minha escola na câmara de vereadores – eu final
 
Teatro p
Teatro pTeatro p
Teatro p
 
Orientações e estrutura da sa marco aurelio
Orientações e estrutura da sa marco aurelioOrientações e estrutura da sa marco aurelio
Orientações e estrutura da sa marco aurelio
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
IslanderAndrade
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
.Template .padrao .slides .TCC .2024 ppt
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 

As mulheres e a filosofia

  • 2. 08 DE MARÇO Dia Internacional da Mulher
  • 3.
  • 4. O dia 08 de março lembra uma data emblemática para as mulheres. Foi neste dia, em 1857, que dezenas de mulheres que trabalhavam em uma fábrica têxtil, em Nova Iorque, participaram de um ato em protesto contra os abusos trabalhistas voltados à elas. Em retaliação ao manifesto, cerca de 130 mulheres que participavam da greve foram trancadas na fábrica e incineradas. Fonte: http://nogueirense.com.br/homenagem-reune-400-mulheres-em-artur-nogueira/
  • 5.
  • 6. QUAIS ERAM AS REIVINDICAÇÕES??? redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
  • 7. Desde quando se comemora o dia Internacional da mulher???
  • 8. ...somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas). Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
  • 9. OBJETIVO DA DATA Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
  • 10. OBJETIVO DA DATA Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história. Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
  • 11. CONQUISTAS DAS MULHERES BRASILEIRAS Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo. Fonte: http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm
  • 12. Você sabia que no Brasil comemoramos o Dia Nacional da Mulher em 30 de abril.
  • 13. ONDE E COMO NASCEU O FEMINISMO? Movimento surgiu na Revolução Francesa
  • 14. É possível encontrar na historiografia dos séculos 15 e 18 o aparecimento de temas dedicados à denúncia da condição de opressão das mulheres, tendo como principais fatores a superioridade e a dominação imposta pelos homens. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 15. Porém, ainda não se pode atribuir aos mais variados escritos que surgiram nesse período o rótulo ou o conceito de "feminista". Por outro lado, os estudiosos do tema creditam ao contexto social e político da Revolução Francesa (1789) - e, portanto, do Iluminismo - o surgimento do feminismo moderno. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 16. Em 1791, por exemplo, a revolucionária Olímpia de Gouges compôs uma célebre declaração, proclamando que a mulher possuía direitos naturais idênticos aos dos homens e que, por essa razão, tinha o direito de participar, direta ou indiretamente, da formulação das leis e da política em geral. Embora tenha sido rejeitada pela Convenção, a declaração de Gouges é o símbolo mais representativo do feminismo racionalista e democrático que reivindicava igualdade política entre os gêneros masculino e feminino. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 17. FEMINISMO EMANCIPACIONISTA No século 19, o feminismo teve um novo recomeço, em um contexto diferente: o da sociedade liberal europeia que emergia. O núcleo irradiador do feminismo emancipacionista foi a Inglaterra, e a luta centrava- se na obtenção de igualdade jurídica (direito de voto, de instrução, de exercer uma profissão ou poder trabalhar). http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 18. FEMINISMO CONTEMPORÂNEO O movimento feminista contemporâneo surgiu nos Estados Unidos, na segunda metade da década de 1960, e se alastrou para diversos países industrializados entre 1968 e 1977. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 19. O episódio conhecido com Bra-Burning, ou em português ‘a queima dos sutiãs’, foi um protesto com cerca de 400 ativistas do WLM (Women’s Liberation Movement) na realização do concurso de Miss America em 7 de setembro de 1968, em Atlantic City, EUA. https://pt.wikipedia.org/wiki/Queima_de_suti%C3%A3s
  • 20. A reivindicação central do movimento feminista contemporâneo é a luta pela "libertação" da mulher. O termo "libertação" deve ser entendido como uma afirmação da diferença da mulher, sobretudo em termos de alteridade. Com base nessa ideia, o movimento feminista busca novos valores, que possam auxiliar ou promover a transformação das relações sociais ou da sociedade como um todo. http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 21. Portanto, o surgimento do movimento feminista contemporâneo representou um divisor de águas e, ao mesmo tempo, a própria superação dos movimentos sociais emancipatórios, cuja reivindicação central estava baseada na luta pela igualdade (jurídica, política e econômica). http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 22. A luta pela "libertação" da mulher, que constitui o núcleo da doutrina feminista contemporânea, está baseada na denúncia da existência de uma opressão característica, com raízes profundas, que atinge todas as mulheres, pertencentes a diversas culturas, classes sociais, sistemas econômicos e políticos. E, também, na ideia de que essa opressão persiste, apesar da conquista dos direitos de igualdade (jurídicos, políticos e econômicos). http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 23. Desse modo, o movimento feminista contemporâneo atua com base numa perspectiva de superação das relações conflituosas entre os gêneros masculino e feminino, recusando, portanto, o estigma ou noção de "inferioridade" (ou desigualdade natural). http://educacao.uol.com.br/disciplinas/sociologia/feminismo-movimento-surgiu-na-revolucao-francesa.htm
  • 24.
  • 25. AS MULHERES E A FILOSOFIA
  • 26. ROSA LUXEMBURGO Filósofa, Economista e Marxista. Foi uma militante revolucionária ligada à Social Democracia da Polônia (SDKP), ao Partido Social Democrata da Alemanha (SPD) e ao Partido Social Democrata Independente da Alemanha (USPD). Participou da fundação do grupo de tendência marxista do SPD, que viria a se tornar mais tarde o Partido Comunista da Alemanha (KPD). Durante toda sua vida pertenceu às minorias discriminadas. (mulher, judia, polonesa vivendo na Alemanha e comunista) Nasceu na Polônia em 5 de março de 1871 e morreu assassinada na Alemanha no dia 15 de janeiro de 1919.
  • 27. Realizou seu doutorado numa época em que raríssimas mulheres iam para a universidade. Ela foi uma das poucas mulheres politicamente ativas. O destino de Rosa Luxemburgo está ligado de forma inseparável ao desenvolvimento do movimento dos trabalhadores alemães e às lutas entre suas várias tendências. De temperamento caloroso e apaixonado, era capaz de conquistar todos que se aproximassem dela sem preconceitos, intimidando, entretanto, aqueles que não se sentiam à sua altura. A luta implacável de Rosa Luxemburgo contra a guerra, e o radicalismo com que insistia no vínculo entre liberdade política e igualdade social não perderam sua força até hoje.
  • 28.
  • 29. HANNAH ARENDT Nasceu na Alemanha em 14 de outubro de 1906 e faleceu em Nova Iorque EUA no dia 4 de dezembro de 1975. Filósofa política alemã de origem judaica. Foi perseguida pelo nazismo e em 1951 conseguiu a nacionalidade norte americana. Defendia o conceito de “pluralismo” no âmbito político. (o potencial de uma liberdade e igualdade política gerado entre as pessoas). Defendeu a perspectiva da Inclusão do Outro. Arendt se situava de forma crítica ante a democracia representativa e preferia um sistema de conselhos ou formas de democracia direta. Seus trabalhos relacionados a teoria do totalitarismo, a filosofia existencial e suas reivindicação da discussão da política livre a tornaram central nos debates contemporâneos.
  • 30. Estudou a formação dos regimes autoritários (totalitários) instalados nesse período - o nazismo e o comunismo - e defendeu os direitos individuais e a família, contra as "sociedades de massas" e os crimes contra a pessoa. Foi Hannah Arendt quem formulou o célebre conceito da "banalidade do mal“. Embora fosse de família hebraica, não teve a educação religiosa tradicional judia e sempre professou sua fé em Deus de forma livre e não-convencional. É importante saber desse aspecto porque Hannah dedicou toda sua vida a compreender o destino do povo judeu perseguido por Hitler. Foi aluna do filósofo Heidegger - com quem teve um relacionamento amoroso - na universidade alemã de Marburgo, e formou-se em filosofia em Heidelberg.
  • 31.
  • 32. SIMONE DE BEAUVOIR Nasceu na França em 9 de janeiro de 1908, morrendo em Paris em 14 de abril de 1986. Escritora, Intelectual, filósofa existencialista, ativista politica, feminista e teórica social francesa. Ela estudou filosofia na Universidade de Paris (Sorbonne), onde conheceu outros jovens intelectuais, como Merleau- Ponty e Jean Paul Sartre com quem manteve um relacionamento por toda a vida. Escreveu o tratado O Segundo Sexo em 1949 onde realizou uma análise detalhada da opressão das mulheres e um tratado fundamental do feminismo contemporâneo.
  • 33. A autora revela certa inquietação diante do envelhecimento e da morte em livros como Uma Morte Suave, de 1964. Em A Cerimônia do Adeus, de 1981, ela narra o fim da existência de seu companheiro Sartre, que havia morrido em 15 de abril do ano anterior. Seus livros enfocavam os elementos mais importantes da filosofia existencialista, revelando sua crença no comprometimento do intelectual com o tempo no qual ele vive. Simone publica diversos livros filosóficos e ensaios. Ela se dedica também a registrar suas experiências em extensas obras autobiográficas, que compõem igualmente um retrato da época na qual ela viveu.
  • 34.
  • 35. JUDITH BUTLER Filosofa pós estruturalista e uma das principais teóricas da questão contemporânea do feminismo, teoria queer (questão de GENÊRO), filosofia politica e ética. Butler obteve seu Ph.D. em filosofia na Yale University em 1984. É bem possível que aquele que se disponha a conhecer a obra de Judith Butler a receba, em um primeiro momento, como uma provocação. Os livros publicados até agora pela filósofa norte-americana, não são fáceis de ler. Verdade que o tema central da obra de Butler é o “gênero”, mas, olhando de perto, gênero não é um problema do campo da “sexualidade”, é um problema político e, mais perigosamente, um problema ontológico. Isso quer dizer que o seu feminismo é, de todos os que surgiram até agora, o que levou mais a sério as potencialidades críticas do próprio feminismo. Nasceu em 24 de fevereiro de 1956 nos Estados Unidos.
  • 36. Seus trabalhos mais recentes focam a filosofia judaica. Nas mãos da pensadora, o feminismo é, sem dúvida, uma luta pelos direitos das mulheres, como sempre foi, mas é também uma desmontagem do que chamamos de “mulheres”. A filósofa norte-americana, que também é judia e lésbica, vem, portanto, provocando uma mudança radical no cenário dos estudos de gênero, e no feminismo de um modo geral. Sem deixar de ser feminista, Butler é uma teórica crítica que critica justamente certos aspectos do feminismo ao qual se filia. O feminismo de Butler é a defesa de uma desmontagem de todo tipo de identidade de gênero que oprime as singularidades humanas que não se encaixam, que não são “adequadas” ou “corretas” no cenário da bipolaridade no qual acostumamo-nos a entender as relações entre pessoas concretas.
  • 37.
  • 38. VIVIANE MOSÉ Filósofa, poetisa, psicóloga, psicanalista e especialista em elaboração e implementação de políticas públicas. Mestre e doutora em Filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Publicou sua tese de doutorado sobre Nietzsche e a grande política da linguagem no ano de 2005. Nasceu em 16 de janeiro de 1964 na cidade de Vitória no Espirito Santo.
  • 39. Em 2005 e 2006, desenvolveu e escreveu com Daniel Duarte o quadro Ser ou Não Ser, onde apresentou no Fantástico da TV Globo, temas da filosofia em uma linguagem cotidiana. Em 2007 os 24 episódios foram reapresentados no canal GNT da Globosat. Em 2008 escreveu e apresentou, no canal Futura, também da Globosat, oito episódios da série, agora com foco em Educação. De 2007 a 2009, foi consultora sênior da comissão de reformulação curricular do Estado do Espírito Santo. É palestrante e consultora, com grandes empresas como clientes: Rede Globo de televisão, Editora Abril, Petrobrás, Banco do Brasil, Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo, O Boticário, Governo do Estado do Espírito Santo, Rede Pitágoras de Ensino, entre outros.