Filósofos Pré socráticos

1.242 visualizações

Publicada em

A filosofia pré socrática, também conhecida como período cosmológico, diz respeito ao primeiro período da filosofia grega, quando o homem "rompe" com o saber mitológico e passa a buscar um saber racional.
Os principais filósofos pré socráticos foram Tales de Mileto, Pitágoras, Anaximandro, Heráclito e Parmênides.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.242
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filósofos Pré socráticos

  1. 1. Prof. Ju Corvino
  2. 2. Podemos dizer que a filosofia surge quando os seres humanos começam a exigir provas e justificações racionais que validasse ou invalidasse as crenças cotidianas. A primeira atitude filosófica é negativa, isto é, dizer não aos preconceitos. A segunda é positiva, ou seja, é uma interrogação sobre o porquê das coisas.
  3. 3. Atribui-se ao filósofo Pitágoras a invenção da palavra filosofia. Philo dizer “aquele que tem sentimento amigável”. Sophia quer dizer “sabedoria”. Nasceu na Grécia, no fim do séc. VII a. C. Cosmologia: a filosofia nasce como conhecimento racional da ordem do mundo. O Mito e a filosofia.
  4. 4. RUPTURA Para Friedrich Hegel (1770-1831) há uma diferença entre filosofia e mitologia: Na filosofia oriental, dizia-se que a verdade é um absoluto indeterminável. -> A verdade não pode ser conhecida. A filosofia ocidental, que nasce na Grécia, diz que não há uma coisa indefinida, todas as coisas são reais. Assim, para Hegel é impossível dissociar a filosofia de fatos históricos, como a criação da democracia.
  5. 5. John Brunet (1863-1928) dizia que a filosofia tinha sua fundamentação na lógica e na razão. Para ele, a mitologia não fazia questão de esconder suas contradições desprovidas de lógica. Se utilizava de fatos passados para explicar o presente. A atitude da filosofia não se assemelha com a da mitologia: ela busca o conhecimento independentemente do tempo e espera encontrar respostas por causas e não por crenças.
  6. 6. CONTINUIDADE Para Werner Jaeger (1888-1961), a filosofia nasce do mito. Diz que os textos afirmavam que os deuses tinham forma humana e que este era o primeiro sinal de que o grego quer transformar o divino em algo familiar. No mesmo rumo, Conford (1874-1943) dizia que a filosofia somente tirou o fantástico da mitologia, colocando frases e pensamentos mais racionais e menos metafóricos.
  7. 7. Corrente que diz que a filosofia toma emprestado alguns temas da mitologia para transformá-lo em algo novo. Então, o que é mitologia? É uma história, que por meio de alegorias, metáforas, tenta compreender o universo. Para fazer sentido, é necessário que se aceite o mito, que acredite nele como algo certo. É uma doutrina. Por outro lado... A linguagem filosófica tenta adquirir um conhecimento de caráter mais lógico.
  8. 8. Logos: pensamento, inteligência, razão, faculdade de raciocinar, princípio, motivo... A filosofia antiga(grega) buscava encontrar o logos do universo, a causa racional de tudo. Physis: quer dizer natureza. Responsável pelo nascimento e morte de todos os seres. Arkhé: aquilo que está à frente; o princípio de todas as coisas.
  9. 9. Caráter Crítico: diferente do senso comum. Racionalidade: busca comprovar empiricamente. Conclusão: a razão nunca deve ser imposta, mas explicada. Respeito: respeitar a opinião alheia mesmo que não concorde. Sem preconceitos: nada pode ser colocado como verdade antes que se faça uma investigação racional. Generalização: busca por uma verdade geral, que sirva para o todo.
  10. 10. Viagens marítimas Invenção do calendário Invenção da moeda Invenção da escrita Invenção da política Surgimento das Pólis
  11. 11. São quatro: 1) Período Pré Socrático ou Cosmológico 2) Período Socrático ou Antropológico 3) Período Sistemático 4) Período Helenístico
  12. 12. Principais filósofos: Tales de Mileto e Pitágoras. Principais ideias: busca explicação racional e sistemática sobre a origem, ordem e transformação da natureza; Não admite a criação a partir do nada: acredita na transformação. “Nada se cria, tudo se transforma”;.
  13. 13. A Physis (natureza) não pode ser conhecida pelo sensorial, mas sim pelo pensamento; A physis é imortal, mas os seres são mortais A physis está em constante kinésis, que acontece de forma regrada, concreta.
  14. 14. Tales de Mileto “Tudo é água” Foi o primeiro a querer tentar entender o Universo e seus fenômenos. ÁGUA = UNIVERSO Apesar de mudar de aparência, permanece a mesma em sua essência. A água é associada também à vida: um cadáver é seco. Permite o processo de mudança de todas as coisas -> DEVIR. A multiplicidade do universo tem uma causa comum.
  15. 15. Criou um dos primeiros mapa mundi que temos conhecimento, dizendo que a Terra não era sustentada por nada. Para este autor é impossível determinar o princípio gerador da physis, pois acredita ser a união de todos os elementos. A essência da physis é indeterminada (ápeiron). Portanto, o princípio, a realidade, só pode ser infinita (eterna). Judaísmo, Cristianismo, Islamismo.
  16. 16. Pitágoras acreditava que a tudo na physis estava relacionado com os números. Portanto, as fenômenos naturais poderiam ser traduzidos por equações matemáticas. Não consideram os números como coisas abstratas. Atomistas Já os atomistas diziam que não havia um elemento único formador do universo, mas que este era composto pela ligação de vários átomos.
  17. 17. O universo está em constante mudança, e tudo se transforma em seu contrário. “Nos mesmos rios entramos e não entramos. Somos e não somos.” Os nossos sentidos nos enganam porque enxergamos as coisas imóveis. O mundo faz sentido em seus pares contrários, e é nessa multiplicidade que temos a formação da unidade que permite o conhecimento.
  18. 18. A guerra entre os opostos gera harmonia, fazendo com que todas as coisas entrem em ordem. Os contrários geram uma unidade fundamental para o bem estar da sociedade, ou seja, a concepção de doença é que torna importante a noção de saúde. Os opostos não vivem uns sem os outros. TUDO É UM. Necessidade do logos para compreender essa guerra entre os opostos.
  19. 19. Filósofo do Ser e do Não Ser. Considerava que as transformações do universo não revelavam a verdade. O que é verdadeiro nunca muda. ONTOLOGIA “Estudo do ser”. A palavra é formada através dos termos gregos “ontos” (ser) e “logos” (estudo, discurso). Parte da filosofia que estuda a natureza do ser, a existência e a realidade, procurando determinar as categorias fundamentais e as relações do “ser enquanto ser”.
  20. 20. Conta sua visão de mundo através de um poema filosófico de nome “Sobre a natureza”. Personagem: Deusa -> é ela que revela a verdade. Partes: Via da Verdade; Via da opinião ou Via do Erro.
  21. 21. Com os nossos sentidos, podemos viver no mundo das coisas, do cotidiano, onde todas as coisas nascem, crescem e morrem. Por meio dos nossos sentidos podemos perceber que nada permanece igual, isto é, tudo muda. A esse universo que muda o tempo todo ele deu o nome de não-ser, isto é, uma ilusão.
  22. 22. Além dos sentidos há o intelecto ( o logos). Por meio do pensamento podemos enxergar outro mundo, e conhecemos um ser perfeito, que nunca muda por já estar completo. Pra ele o universo não nasce, pois sempre existiu! O universo só tem presente porque passado e futuro são impossíveis. A esse universo pleno ele deu o nome de Ser. Discordava das ideias de Heráclito. Nós não devemos confiar em nossos sentidos, mas devemos usar a razão para compreender o mundo de verdade.
  23. 23. “ O Ser é e não pode não ser; o Não Ser não é e não pode ser de modo algum.”
  24. 24. O que se vê no mundo é uma sucessão de acontecimentos que não devem ser confundidos com o verdadeiro Ser. 1) O ser é todo inteiro - se o ser tivesse partes, algo nele seria separado, não fazendo parte do ser, mas isso seria não-ser. Consequentemente, o ser, sendo uno e indivisível, não pode ter partes. 2) O ser é imutável - o ser não pode ter surgido do não-ser ou tornar-se não-ser, já que o ser só pode ser idêntico a si mesmo - e não pode ser e não-ser ao mesmo tempo. Acreditar que o ser foi gerado significa dizer que houve um tempo em que o ser era não-ser, o que é contraditório. Logo, o ser é eterno, sem começo nem fim.

×