SlideShare uma empresa Scribd logo
Pacto Nacional pela Alfabetização
na Idade Certa
Américo de Campos
3º Encontro – 1º momento
10/11/15(4 horas)
Pauta:
• Leitura deleite: Kabá Darebu de Daniel Munduruku;
• Vídeo: Você sabe quem é Daniel Munduruku?
• Socialização da Seção Compartilhando e da
tarefa( situação-problema);
• Retomada do Caderno 1, Texto: Diversidade linguística no
ciclo de alfabetização;
• Vídeo: Norma culta e variedade linguística;
• Vídeo: Poema – “Infância”, de Carlos Drummond de
Andrade;
• Música: “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo
Tatit);
• Discussão sobre o poema e a música;
• Produção escrita;
Leitura deleite
Sobre o livro:
Cultura é o conjunto de manifestações de um povo, nos âmbitos
artístico, social e linguístico. Conhecer outras culturas é ampliar
horizontes e descobrir que outros povos se comportam de
forma diversa, sob o efeito de outras perspectivas.
E no livro de Daniel Munduruku, o indiozinho Kabá Darebu, da
tribo Munduruku, tem 7 anos e nos ensina um pouco sobre sua
cultura. O pequeno relata seu dia-a-dia, os costumes herdados
de seus ancestrais, o amor de seus pais, e de como os índios
lidam com as interferências do “homem branco”, como as
roupas e as doenças. Ele explica, também, como as crianças
vivem na aldeia, aprendendo sempre e se divertindo prá valer.
As ilustrações são lindas. Maté utilizou aquarela, guache e
colagens de pintura em seda para compor o visual colorido.
O livro ensina muito sobre a valorização da cultura como legado
de um povo.
Vídeo: Você sabe quem é Daniel
Munduruku?
Tarefas
•Socialização da Seção
Compartilhando e situação-
problema.
Retomada do Caderno 1
Texto: “Diversidade
linguística no ciclo de
alfabetização”
O texto evidencia que, apesar do Português ser
a língua oficial do Brasil, não se pode negar a
existência de várias línguas (indígenas, africanas,
Libras).
Portanto, podemos dizer que o Brasil é um país
monolíngue?
DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA
Costa e Cavalcante (PNAIC, Caderno 1, 2015, p.
68) definem Diversidade Linguística como
REFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTO Conforme os autores, o Brasil é um país de
grande diversidade linguística. Há no Brasil,
cerca de dois milhões de brasileiros que não
têm o Português como língua materna.
Incluindo as línguas indígenas e a dos
imigrantes, temos mais de duzentas línguas
no país, além da Língua Brasileira de Sinais.
No entanto, o número de pessoas que têm
línguas maternas minoritárias constitui
apenas 5% da população brasileira, deixando
a impressão de que o Brasil é um país
monolíngue (RODRIGUES, 2001).
IMPORTANCIADAPRESERVAÇÃOIMPORTANCIADAPRESERVAÇÃO
[...] aspectos, cognitivo, cultural e das
identidades coletivas, mostram-se como
fortes argumentos para a preservação da
diversidade linguística, e têm mobilizado
reflexões e ações na sociedade brasileira,
no sentido de garantir a todos o direito de
se expressar em sua língua materna, de
considerar a complexidade e a diversidade
do potencial humano, de valorizar o aporte
cultural de nosso país e de resistir as
práticas homogeneizadoras e de
dominação (p.72).
Desse modo, mesmo considerando que
grande parte da população brasileira utiliza o
Português como língua materna, sendo este
o idioma oficial do país, é necessário pensar
nas diferenças linguísticas existentes no
cenário brasileiro.
Essas diferenças linguísticas trazem implicações
para o currículo, em especial, no que diz
respeito ao processo de alfabetização, uma vez
que [...] explorar a diversidade linguística na
escola é um desafio que precisamos enfrentar,
e já estamos enfrentado. Propostas de
letramento bilíngue (escolas indígenas e de
imigração), bidialetal (as variedades linguísticas
presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal
(português brasileiro escrito e língua de sinais)
precisam ser socializados para a promoção da
melhoria da educação básica nos anos iniciais
(p.79).
Essas diferenças linguísticas trazem implicações
para o currículo, em especial, no que diz
respeito ao processo de alfabetização, uma vez
que [...] explorar a diversidade linguística na
escola é um desafio que precisamos enfrentar,
e já estamos enfrentado. Propostas de
letramento bilíngue (escolas indígenas e de
imigração), bidialetal (as variedades linguísticas
presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal
(português brasileiro escrito e língua de sinais)
precisam ser socializados para a promoção da
melhoria da educação básica nos anos iniciais
(p.79).
DIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃO
De modo geral, essas propostas pedagógicas estão
organizadas com base em três situações:
a) Línguas maternas minoritárias: quando os alunos
que são monolíngues não compreendem a LP ou
quando os alunos são bilíngues insipientes, ou seja
não falam mas compreendem a língua materna, ou
alunos bilíngues ativos.
MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução
oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula);
ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar
a língua materna dos alunos como objeto de estudo e
reflexão, alfabetizando em língua materna.
MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução
oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula);
ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar
a língua materna dos alunos como objeto de estudo e
reflexão, alfabetizando em língua materna.
b) Língua Portuguesa:
Mesmo em contextos em que os falantes usam
línguas minoritárias, é necessário considerar o
direito ao aprendizado da língua oficial, no caso, a
Língua Portuguesa, para que possam estar em
condições de intervir plenamente na vida
econômica, política, jurídica e cultural do país. A
Língua Portuguesa pode aparecer de duas
maneiras:
 como primeira língua (estudantes monolíngues
em LP);
como segunda língua (estudantes monolíngues
em uma língua minoritária)
c) Língua Brasileira de Sinais:
É a língua materna minoritária das pessoas surdas e
que, portanto, deve ser ensinada na escola. Como
dificilmente o professor é surdo, é necessário a
presença do intérprete em Libras.
No AEE um efetivo ensino e acompanhamento em
Libras, uma vez que muitos estudantes se
apropriam da própria língua apenas na escola.
LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:: Dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais - Libras .
Art. 1o
É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua
Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:: Dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais - Libras .
Art. 1o
É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua
Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
Além da grande diversidade de línguas usadas
em seu território, o Brasil também se caracteriza
por abrigar muitas variedades linguísticas.
A variedade linguística expressa a cultura, os
conhecimentos construídos e valorizados
coletivamente e as características de diferentes
grupos sociais e, podemos verificar esse
efeito de transbordamento das diferentes
culturas, também, por meio das
diferentes manifestações artísticas e
culturais como podemos verificar a seguir:
Além da grande diversidade de línguas usadas
em seu território, o Brasil também se caracteriza
por abrigar muitas variedades linguísticas.
A variedade linguística expressa a cultura, os
conhecimentos construídos e valorizados
coletivamente e as características de diferentes
grupos sociais e, podemos verificar esse
efeito de transbordamento das diferentes
culturas, também, por meio das
diferentes manifestações artísticas e
culturais como podemos verificar a seguir:
a) Que outras variedades linguísticas
você consegue identificar na sua
escola?
b) Das que você conhece, qual delas
você considera ser mais valorizada
socialmente?
c) Qual o papel da escola diante da
variedade linguística?
PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:
Vício da fala
Para dizerem milho dizem mio
Para melhor dizem mió
Para pior pió
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
E vão fazendo telhados.
(Oswald de Andrade. Poesias reunidas. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.)
Gontijo e Schwartz (2009) pontuam que por falta de
conhecimentos sobre o funcionamento da
linguagem costuma-se considerar algumas
características da oralidade como formas “erradas”
de se expressar e, que apenas a escrita convencional
é considerada correta.
Assim, tendo em vista um aprofundamento
conceitual e prático sobre a temática da variedade
linguística, vamos ao livro Nada na língua é por
acaso: por uma pedagogia da variação linguística de
Marcos Bagno (2007).
Se um dos objetivos da alfabetização é garantir que
as crianças façam uso de textos orais e escritos em
diversas situações sociais, é preciso que a escola fique
aberta a pluralidade de discursos existentes na
sociedade. [...] Dessa maneira, como disse Lemle
(1989), estigmatizamos aqueles que: trocam na fala o L
pelo R como na palavra planeta/praneta, não
pronunciam o som i nas palavras como salário/ salaro
etc. Porém, conforme a autora, “[...] é uma falha
profissional compartilhar desses preconceitos e dar
mostras de assumir essa maneira de valorizar e
desvalorizar as características das falas das pessoas
(GONTIJO; SCHWARTZ, 2009, p. 68).
Vídeo: Norma culta e variedade
linguística
O respeito à diversidade
linguística e o preconceito
Preconceito: “qualquer opinião ou
sentimento, quer favorável quer desfavorável,
concebido sem exame crítico”; ideia, opinião
ou sentimento desfavorável formado a priori,
sem maior conhecimento, ponderação ou
razão”. (Dicionário Houaiss, 2010)
“Para combater esse preconceito, basta um
pouco de informação”. (POSSENTI, 2011)
• As placas mais engraçadas com os erros de
português mais ridículos e impensados estão
aqui, o coitado do portuga foi terrivelmente
assassinado nesse post...
• PLACAS-ERROS DE PORTUGUÊS PRA MORRER DE R
• A gente fala português! Quer dizer... Veja os
erros de placas mais bizarros já vistos
• Erros de português podem comprometer a
imagem do profissional e da empresa
http://cloacanews.blogspot.com.br/2013/03/encontramos-
explicacao-para-os-erros.html
Mas os próprios preconceituosos cometem os
tais “erros grosseiros”....
http://cloacanews.blogspot.com.br/2013/03/encontramos-
explicacao-para-os-erros.html
O jornalista William Bonner, apresentador do Jornal
Nacional, provavelmente se confundiu com o
espanhol e colocou um acento onde não devia.
http://www.livrosepessoas.com/tag/jornal-nacional/
Vídeo
O Teatro Mágico – Zaluzejo
Preconceito em línguas minoritárias?
• Entrevistas com Daniel Munduruku
Preconceito com surdos?
Surdez é mais do que uma condição médica. Para os
indivíduos que são surdos, a surdez não é apenas ter "ouvidos
doentes". Eles pertencem a uma comunidade, uma cultura.
Neste sentido, a surdez é única entre os tipos de deficiência.
O sentido da cultura é mais forte entre aqueles que a
linguagem gestual é o seu idioma principal. É este vínculo
linguístico, talvez mais do que outros fatores, que liga os
membros desta comunidade. Em muitos aspectos, o caráter
social da cultura surda pode ser comparado à da cultura Afro-
americana. Da mesma forma que existe um forte sentimento
de orgulho entre os Afro-americanos em respeito ao seu
patrimônio cultural e da sociedade, existe um sentimento de
orgulho entre os surdos, e eles gozam do estatuto de minoria
cultural e linguística. Surdez é muito mais do que um
fenômeno fisiológico. É um modo de vida. (Disponível e
http://www.brasilmedia.com/cultura.html)
• Para lutar contra o preconceito: a compreensão da cultura
dos surdos
Documentário “Sou surda e não sabia” (Igor Ochronowicz)
3º Encontro – 2º momento
11/11/15 (4 horas)
Pauta:
• Leitura deleite: “As tranças de Bintou” de Sylviane A. Diouf;
• Introdução do tema central da formação que é “A criança no ciclo de
Alfabetização”.
• Vídeo: Poema – “Infância”, de Carlos Drummond de Andrade;
• Música: “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit);
• Discussão sobre o poema e a música;
• Produção escrita;
• Apresentação do Caderno 2:
- Seção “Iniciando a Conversa”;
- Objetivos do caderno 2;
• Vídeo: A invenção da infância;
• Aprofundando o tema – Leitura dos Textos 1 e 2 (em grupos);
• Discutir as questões elaboradas sobre os textos lidos;
• Considerações sobre o texto 1.
Leitura deleite
I - Introdução do tema central da formação que é
“A criança no ciclo de Alfabetização”.
II – Apresentação do Caderno 2
III- Documentário “A invenção da Infância”
IV – Considerações sobre os textos lidos.
Para iniciar a discussão da temática desse
encontro realizaremos a leitura do poema
InfânciaInfância de Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade.
a)Leituradeleitea)Leituradeleite
 Conhecem esse poema?
Conhecem outros poemas de
Drummond? Quais?
 O poema que vamos ler tem como
temática a Infância. Você acha que esse
poema pode retratar infâncias atuais
e/ou infâncias do passado? Explique.
Infância
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo
Minha mãe ficava sentada cosendo
Meu irmão pequeno dormia
Eu sozinho menino entre mangueiras
Lia a história de Robinson Crusoé,
comprida historia que não acaba mais
No meio dia-branco de luz uma voz que aprendeu
A ninar nos longes da senzala- nunca se esqueceu
Chamava para o café
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom
Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando pra mim:
-Psiu...não acorde o menino
Para o berço onde pousou um mosquito
E dava um suspiro...que fundo!
La longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda
E eu não sabia que minha historia
Era mais bonita que a de Robinson Crusoé
Carlos Drummond de Andrade
Infância
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo
Minha mãe ficava sentada cosendo
Meu irmão pequeno dormia
Eu sozinho menino entre mangueiras
Lia a história de Robinson Crusoé,
comprida historia que não acaba mais
No meio dia-branco de luz uma voz que aprendeu
A ninar nos longes da senzala- nunca se esqueceu
Chamava para o café
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom
Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando pra mim:
-Psiu...não acorde o menino
Para o berço onde pousou um mosquito
E dava um suspiro...que fundo!
La longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda
E eu não sabia que minha historia
Era mais bonita que a de Robinson Crusoé
Carlos Drummond de Andrade
Leitura do Poema...
O texto escrito:
Música: “Criança não trabalha”
(Arnaldo Antunes e Paulo Tatit)
Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim,
confusão
Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga
no pão
Giz, merthiolate, band-aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega,
papel, papelão
Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...
Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim,
confusão
Música “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit)Música “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit)
Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão
Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...
Giz, merthiolate, band-aid, sabão
Tênis, cadarço, almofada, colchão
Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega, papel, papelão
Criança não trabalha, criança dá trabalho
Criança não trabalha...
1, 2 feijão com arroz
3, 4 feijão no prato
5, 6 tudo outra vez...
Lápis, caderno, chiclete, pião
Sol, bicicleta, skate, calção
Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão
Bola, pelúcia, merenda, crayon
Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom
Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão
c)Discussãosobreopoemaea
música: 1. O poema de Drummond retrata o que? De que
forma? O que faz ele lembrar o tempo de
criança?
2. Pela poesia, é possível afirmar que a infância
de Drummond retrata a infância da maioria das
crianças de sua época e também da atualidade?
3. E a música de Arnaldo Antunes e Paulo Tatit? Ela
tematiza o quê?
4. E possível traçar aproximações entre a poesia
de Drummond e a música de Antunes e Tati?
1. O poema de Drummond retrata o que? De que
forma? O que faz ele lembrar o tempo de
criança?
2. Pela poesia, é possível afirmar que a infância
de Drummond retrata a infância da maioria das
crianças de sua época e também da atualidade?
3. E a música de Arnaldo Antunes e Paulo Tatit? Ela
tematiza o quê?
4. E possível traçar aproximações entre a poesia
de Drummond e a música de Antunes e Tati?
d)Produçãoescrita:
Imagine que você tenha sido convidado para
apresentar um texto sobre a sua infância para ser
publicado em um jornal local.
O jornal esta fazendo uma divulgação das lembranças
de infância das professoras alfabetizadoras como
pauta para as comemorações do dia das crianças.
Elabore o texto, a partir das seguintes questões:
Que criança fui e que infância vivenciei?
Como a escola me transformou em aluno?
Imagine que você tenha sido convidado para
apresentar um texto sobre a sua infância para ser
publicado em um jornal local.
O jornal esta fazendo uma divulgação das lembranças
de infância das professoras alfabetizadoras como
pauta para as comemorações do dia das crianças.
Elabore o texto, a partir das seguintes questões:
Que criança fui e que infância vivenciei?
Como a escola me transformou em aluno?
Apresentação do Caderno 2Apresentação do Caderno 2
Leitura : Iniciando a Conversa
Página 07
• Refletir sobre os conceitos de “criança” e “infância” e sua
pluralidade, compreendendo-os enquanto produtos das relações
socioculturais;
• Compreender a importância do lúdico no desenvolvimento infantil,
valorizando a sua presença no processo educativo da criança;
• Analisar o processo de inclusão da criança de seis anos no ensino
fundamental e a transição dela da educação infantil para essa
segunda etapa da educação básica;
• Compreender a escrita e a infância como construções sociais e
como conceitos complementares e inter- relacionados;
• Refletir sobre infância e educação inclusiva como direito de todos;
• Discutir alguns pressupostos sobre a educação do campo e as
identidades sociais das crianças do campo;
• Reconhecer a importância da afetividade na sala de aula e na
escola, compreendendo a necessidade de um olhar integral sobre
a infância.
• Refletir sobre os conceitos de “criança” e “infância” e sua
pluralidade, compreendendo-os enquanto produtos das relações
socioculturais;
• Compreender a importância do lúdico no desenvolvimento infantil,
valorizando a sua presença no processo educativo da criança;
• Analisar o processo de inclusão da criança de seis anos no ensino
fundamental e a transição dela da educação infantil para essa
segunda etapa da educação básica;
• Compreender a escrita e a infância como construções sociais e
como conceitos complementares e inter- relacionados;
• Refletir sobre infância e educação inclusiva como direito de todos;
• Discutir alguns pressupostos sobre a educação do campo e as
identidades sociais das crianças do campo;
• Reconhecer a importância da afetividade na sala de aula e na
escola, compreendendo a necessidade de um olhar integral sobre
a infância.
ObjetivosdoCaderno2
TextosdoCaderno2
Documentário - “A Invenção da Infância”Documentário - “A Invenção da Infância”
DiscussãosobreoVídeo...DiscussãosobreoVídeo... Nossas lembranças de infância apresentam
semelhanças e/ou diferenças em relação ao que
o documentário tematiza sobre infância das
crianças?
Em grupos:
Leitura, em pequenos grupos, dos
textos 1 (“Concepção de infância,
criança e educação”) e 2 (“A criança
no Ciclo de Alfabetização: ludicidade
nos espaços/tempos escolares”).
Cada grupo deve ler um texto e
elaborar uma questão para discussão
com a turma; discussão em grande
grupo sobre as questões elaboradas
(uma questão de cada grupo).
O que é ser criança?
O que é infância?
Completar: ( no máximo em uma frase)
Criança é um ser...
Criança precisa de...
Criança aprende...
Infância é ...
Educar é...
( Atividade individual 5’)
Completar: ( no máximo em uma frase)
Criança é um ser...
Criança precisa de...
Criança aprende...
Infância é ...
Educar é...
( Atividade individual 5’)
Concepção de Infância, Criança e EducaçãoConcepção de Infância, Criança e Educação
Claudinéia Maria Vischi Avanzini
Lisandra Ogg Gomes
Considerações sobre o texto 1
A criança, enquanto um ser genérico; a infância, como uma
geração ou fase da vida, ou seja, ela não termina quando as
crianças crescem. Essa geração continua a existir e a receber
novas crianças;
Não podemos idealizar uma única infância ou criança, pois
são diversas as infâncias que as crianças vivem.
A infância passou a ser reconhecida como uma geração que é
parte da estrutura social, e as crianças, como atores sociais.
Compreensão histórica das ideias
acerca da Infância e da Criança
IDADE MÉDIA
Diante de determinados contextos e
circunstâncias, era grande a mortalidade infantil;
A escola, de responsabilidade da Igreja, era
extremamente dual, seletiva e excludente;
As relações sociais eram fundadas em uma
hierarquia por grupos de idade e as crianças, na
medida das suas capacidades, participavam da vida
social misturadas aos adultos, expostas aos perigos e
às violências da época .
Compreensão histórica das ideias
acerca da Infância e da Criança
SÉCULO XV
Passou a existir na sociedade uma crescente
vontade de salvar as crianças;
Inicia um processo de grandes transformações na
sociedade, com a moralização dos comportamentos, o
nascimento da família moderna e a ampliação nas
formas de comunicação;
Começa a se concretizar e difundir a ideia de uma
escola para todos, um corpo de professores –
formados nas ordens religiosas, por uma disciplina
rígida, classes numerosas e normas que são diversas
daquelas dos adultos;
Compreensão histórica das ideias acerca
da Infância e da Criança
...SÉCULO XV
Alguns conceitos – denominados de “pré-
sociológicos” – a respeito da criança, com influências
em mitos e filosofias a cerca do homem;
Uma dessas concepções é a da criança má, ou seja,
tem disposição para a maldade, corrupção e
mesquinharia, devido a sua natureza pecaminosa;
Com isso, a criança, precisa ser educada e
controlada, para isso, são efetivadas práticas
pedagógicas de correção, adestramento, controle e
aprimoramento do corpo e da mente infantis.
Compreensão histórica das ideias acerca da
Infância e da Criança
...SÉCULO XVII e XVIII
A Criança começa a ser vista como diferente dos
adultos em suas peculiaridades, segundo a visão de
Locke (1632-1704) e Jean-Jacques Rousseau (1712-
1778);
A educação deve ser de estímulo, cuidado, segurança
e simplicidade, através de jogos, objetos e ambientes
que permitam uma formação por meio da experiência,
manipulação e ação.
Para Jean-Jacques Rousseau, as crianças não são
adultos em miniatura, são naturalmente boas,
inocentes e puras;
Jean-Jacques Rousseau
defende que a criança é
um ser com
características próprias,
ao contrario das ideias
comuns no seu tempo
que defendiam que a
educação da criança
deveria ser voltada para
os interesses do adulto
e da vida adulta.
Adnilson José da Silva
A obra Jean-Jacques Rousseau influencia o pensamento
pedagógico até os dias atuais, sobretudo as correntes que
valorizam a autonomia e a liberdade dos sujeito
aprendentes, sem descuidar dos necessários limites
impostos pela convivência social. Do ponto de vista de
Rousseau, o homem educado seria caracterizado pela
vontade consciente que o manteria autônomo, tanto
frente aos determinismos naturais quanto às imposições
sociais.
INFÂNCIA E EDUCAÇÃO NA OBRA DE
ROUSSEAU
Compreensão histórica das ideias acerca da
Infância e da Criança
...SÉCULOS XVII e XVIII
Para Locke (1632-1704) , as crianças são seres
passivos e que a aprendizagem ocorre pelas vivências
adquiridas com os objetos;
A Educação teria uma papel fundamental de moldá-
la para o bem ou para o mal;
A Criança seria por natureza diferente em
comparação ao adulto, tendo sua mente como uma
carta branca, que deveria ser preenchida a partir das
experiências;
Compreensão histórica das ideias acerca da
Infância e da Criança
SÉCULOS XX
Os estudos realizados no campo da Psicologia
transformam o modo de compreender a criança e
influenciam a constituição da infância como uma fase
da vida;
Jean Piaget (1896-1980), o começo do conhecimento
é a ação do sujeito sobre o objeto, ou seja, o
conhecimento humano se constrói na interação
homem-meio, sujeito-objeto. As formas de conhecer
são construídas nas trocas com os objetos, tendo uma
melhor organização em momentos sucessivos de
adaptação ao objeto.
Lev Vygotsky (1896-1934), a criança é um indivíduo
que aprende a se desenvolver na interação com outros
mais experientes do seu meio sociocultural;
Sigmund Freud (1856-1939) A infância é o passado do
adulto. É a criança inconsciente, um recurso para
compreender os desvios, delitos e as anormalidades do
adulto.
SÉCULO XX
Compreensão histórica das ideias acerca da
Infância e da Criança
Compreensão histórica das ideias acerca da
Infância e da Criança
É apenas no século XX que a infância se torna uma
realidade de fato – um fenômeno social;
As novas concepções desse período questionam o
modelo de criança universal, pois se reconhece que
as crianças são plurais e pertencem a diferentes
culturas.
As crianças são construtoras ativas em
seus mundo sociais (CORSARO, 2003; QVORTRUP,
2011);
SÉCULO XX
Esse apanhado histórico nos mostra a
diversidade e as dimensões de sentimentos,
valores, práticas e das ideias construídas a
respeito das crianças e da infância ao longo do
tempo, os quais, de modos diferentes ainda se
fazem presentes. O que temos, por certo, é que
em todas as épocas as crianças foram cuidadas,
educadas, participaram, atuaram e se
pronunciaram nos seus espaços sociais, mas de
maneiras diversas, as quais se relacionam à
estrutura e às ações sociais de cada período
histórico.
As crianças como atores sociais,
agentes em seus processos de
aprendizagem; e a infância é reconhecida
como uma categoria geracional essencial
para a estrutura da sociedade, que
influência e é influenciado por ela.
As teorias interacionais são críticas em relação à concepção tradicional de ensino,
de cunho epistemológico empirista. Piaget e Vygotsky, ambos interacionista
buscaram em suas teorias um caminho a explicar o processo de conhecer, sendo
este, um processo de construção através da relação sujeito e meio.
JEAN PIAGET VYGOTYSK
VÍDEO: Piaget X Vygotsky

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Valeria de Oliveira
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 
Alfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdoAlfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdo
Priscila Macedo
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Sinal de Acesso
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
Silmatuk
 
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz 'Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Danielle Galvão
 
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
Vanessa Dagostim
 
Estados e Capitais (LIBRAS)
Estados e Capitais (LIBRAS)Estados e Capitais (LIBRAS)
Estados e Capitais (LIBRAS)
Leonardo Lima
 
Marcos bagno
Marcos bagnoMarcos bagno
Marcos bagno
IvanMendes21
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinais
Colegio Éthicos
 
Libras
LibrasLibras
Preconceito Linguístico - Marta Scherre
Preconceito Linguístico - Marta ScherrePreconceito Linguístico - Marta Scherre
Preconceito Linguístico - Marta Scherre
Israel Lima
 
Congresso Letramento
Congresso   LetramentoCongresso   Letramento
Tcc 2010
Tcc 2010Tcc 2010
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
profamiriamnavarro
 
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
Alexandre António Timbane
 
Mídia e Preconceito Linguístico
Mídia e Preconceito LinguísticoMídia e Preconceito Linguístico
Mídia e Preconceito Linguístico
vivalinguaviva
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
Letras .
 

Mais procurados (20)

Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
 
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua PortuguesaVariação e Ensino de Língua Portuguesa
Variação e Ensino de Língua Portuguesa
 
Alfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdoAlfabetização dos surdo
Alfabetização dos surdo
 
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
Apostila SURDOS DE MALAS PRONTAS
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz 'Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
Slides 'Preconceito Linguístico o que é, como se faz '
 
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
Mini Oficina Fapa - O que é ensino de Língua Portuguesa para surdos?
 
Estados e Capitais (LIBRAS)
Estados e Capitais (LIBRAS)Estados e Capitais (LIBRAS)
Estados e Capitais (LIBRAS)
 
Marcos bagno
Marcos bagnoMarcos bagno
Marcos bagno
 
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdoPráticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
Práticas pedagógicas no letramento do aluno surdo
 
Lingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinaisLingua brasileira de sinais
Lingua brasileira de sinais
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Preconceito Linguístico - Marta Scherre
Preconceito Linguístico - Marta ScherrePreconceito Linguístico - Marta Scherre
Preconceito Linguístico - Marta Scherre
 
Congresso Letramento
Congresso   LetramentoCongresso   Letramento
Congresso Letramento
 
Tcc 2010
Tcc 2010Tcc 2010
Tcc 2010
 
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de LibrasLIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
LIBRAS AULA 5: Tradutor Intérprete de Libras
 
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
A problemática do ensino da escrita do português em Moçambique: da teoria à p...
 
Mídia e Preconceito Linguístico
Mídia e Preconceito LinguísticoMídia e Preconceito Linguístico
Mídia e Preconceito Linguístico
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 

Destaque

1º cap bem do seu tamanho
1º cap bem do seu tamanho1º cap bem do seu tamanho
1º cap bem do seu tamanhoFabiana Esteves
 
5º encontro pnaic Vânia 2015 caderno 2
5º encontro pnaic  Vânia 2015 caderno 25º encontro pnaic  Vânia 2015 caderno 2
5º encontro pnaic Vânia 2015 caderno 2
Wanya Castro
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
Wanya Castro
 
PNAIC 9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
PNAIC  9º encontro 27 de novembro - Claudia e FabianaPNAIC  9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
PNAIC 9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
Fabiana Esteves
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
Naysa Taboada
 
Roteiro para trabalho pessoal
Roteiro para trabalho pessoalRoteiro para trabalho pessoal
Roteiro para trabalho pessoal
Fabiana Esteves
 
Uma história com mil macacos tarefas
Uma história com mil macacos   tarefasUma história com mil macacos   tarefas
Uma história com mil macacos tarefas
Fabiana Esteves
 
Fugindo das garras do gato
Fugindo das garras do gatoFugindo das garras do gato
Fugindo das garras do gatoFabiana Esteves
 
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana EstevesEncontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
Fabiana Esteves
 
Jogo dos canudos
Jogo dos canudosJogo dos canudos
Jogo dos canudos
Fabiana Esteves
 
3º encontro pnaic vânia 2015
3º encontro pnaic  vânia 20153º encontro pnaic  vânia 2015
3º encontro pnaic vânia 2015
Wanya Castro
 
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
Fabiana Esteves
 
Pnaic 6º encontro 13 de setembro - Claudia e Fabiana
Pnaic 6º encontro  13 de setembro - Claudia e FabianaPnaic 6º encontro  13 de setembro - Claudia e Fabiana
Pnaic 6º encontro 13 de setembro - Claudia e Fabiana
Fabiana Esteves
 
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
reny marcia
 
Pnaic Apresentando os livros de matematica.
Pnaic Apresentando os livros de matematica.Pnaic Apresentando os livros de matematica.
Pnaic Apresentando os livros de matematica.
Prefeitura Municipal de Ponta Grossa
 
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentaçãoPNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
Everaldo Gomes
 
Quem vai ficar com o pêssego?
Quem vai ficar com o pêssego?Quem vai ficar com o pêssego?
Quem vai ficar com o pêssego?Fabiana Esteves
 
Irmãos gêmeos
Irmãos gêmeosIrmãos gêmeos
Irmãos gêmeos
Fabiana Esteves
 
Pnaic Matemática e outros campos do saber
Pnaic  Matemática e outros campos do saberPnaic  Matemática e outros campos do saber
Pnaic Matemática e outros campos do saber
Fabiana Esteves
 
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
miesbella
 

Destaque (20)

1º cap bem do seu tamanho
1º cap bem do seu tamanho1º cap bem do seu tamanho
1º cap bem do seu tamanho
 
5º encontro pnaic Vânia 2015 caderno 2
5º encontro pnaic  Vânia 2015 caderno 25º encontro pnaic  Vânia 2015 caderno 2
5º encontro pnaic Vânia 2015 caderno 2
 
4º encontro pnaic vânia 2015
4º encontro pnaic  vânia 20154º encontro pnaic  vânia 2015
4º encontro pnaic vânia 2015
 
PNAIC 9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
PNAIC  9º encontro 27 de novembro - Claudia e FabianaPNAIC  9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
PNAIC 9º encontro 27 de novembro - Claudia e Fabiana
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
 
Roteiro para trabalho pessoal
Roteiro para trabalho pessoalRoteiro para trabalho pessoal
Roteiro para trabalho pessoal
 
Uma história com mil macacos tarefas
Uma história com mil macacos   tarefasUma história com mil macacos   tarefas
Uma história com mil macacos tarefas
 
Fugindo das garras do gato
Fugindo das garras do gatoFugindo das garras do gato
Fugindo das garras do gato
 
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana EstevesEncontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
Encontro PNAIC 12 de setembro 2015 Fabiana Esteves
 
Jogo dos canudos
Jogo dos canudosJogo dos canudos
Jogo dos canudos
 
3º encontro pnaic vânia 2015
3º encontro pnaic  vânia 20153º encontro pnaic  vânia 2015
3º encontro pnaic vânia 2015
 
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
Slides 4º encontro PNAIC 26 jul Fabiana e Claudia Parte 2
 
Pnaic 6º encontro 13 de setembro - Claudia e Fabiana
Pnaic 6º encontro  13 de setembro - Claudia e FabianaPnaic 6º encontro  13 de setembro - Claudia e Fabiana
Pnaic 6º encontro 13 de setembro - Claudia e Fabiana
 
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
pauta do encontro do pacto 2° encontro do caderno 1
 
Pnaic Apresentando os livros de matematica.
Pnaic Apresentando os livros de matematica.Pnaic Apresentando os livros de matematica.
Pnaic Apresentando os livros de matematica.
 
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentaçãoPNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
PNAIC 2015 - Informações do Caderno de apresentação
 
Quem vai ficar com o pêssego?
Quem vai ficar com o pêssego?Quem vai ficar com o pêssego?
Quem vai ficar com o pêssego?
 
Irmãos gêmeos
Irmãos gêmeosIrmãos gêmeos
Irmãos gêmeos
 
Pnaic Matemática e outros campos do saber
Pnaic  Matemática e outros campos do saberPnaic  Matemática e outros campos do saber
Pnaic Matemática e outros campos do saber
 
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)1 encontro PA rio preto PNAIC  2015 (1)
1 encontro PA rio preto PNAIC 2015 (1)
 

Semelhante a 3 encontro - Pnaic 2015

Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Naysa Taboada
 
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptxSlides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
LucasBrando77
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Enquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quêEnquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quê
raquelsilvagomes
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
FernandoSilvaMoraes1
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
Maria Izabel Chaves
 
Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7
Patikaka
 
Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
mdseducopedia
 
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptxSLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
jhonathansantos15
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas Prontas
Sinalacesso
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
profamiriamnavarro
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
Cristiane Trindade
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
Cristiane Trindade
 
23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt
AssisTeixeira2
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
irmaosbatista2023
 
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
UENP
 
Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2
Erica Aparecida Garrutti
 

Semelhante a 3 encontro - Pnaic 2015 (20)

Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
 
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptxSlides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
Enquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quêEnquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quê
 
Aula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdfAula 04 - Libras.pdf
Aula 04 - Libras.pdf
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
 
Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7Capi¦ütulo 7
Capi¦ütulo 7
 
Bilinguismo
BilinguismoBilinguismo
Bilinguismo
 
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptxSLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
SLIDE APRESENTAÇÃO especial.pptx
 
Surdos de Malas Prontas
Surdos de Malas ProntasSurdos de Malas Prontas
Surdos de Malas Prontas
 
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplinaLIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
LIBRAS AULA 1: Apresentação da disciplina
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística1ª série E. M. - Variação Linguística
1ª série E. M. - Variação Linguística
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
 
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
Variação linguística e preconceito na fala do ex-presidente Lula.
 
Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2Programa educação bilingue2
Programa educação bilingue2
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
TathyLopes1
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdfConcurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
Concurso FEMAR Resultado Final Etapa1-EmpregoscomEtapaII.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 

3 encontro - Pnaic 2015

  • 1. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Américo de Campos
  • 2. 3º Encontro – 1º momento 10/11/15(4 horas) Pauta: • Leitura deleite: Kabá Darebu de Daniel Munduruku; • Vídeo: Você sabe quem é Daniel Munduruku? • Socialização da Seção Compartilhando e da tarefa( situação-problema); • Retomada do Caderno 1, Texto: Diversidade linguística no ciclo de alfabetização; • Vídeo: Norma culta e variedade linguística; • Vídeo: Poema – “Infância”, de Carlos Drummond de Andrade; • Música: “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit); • Discussão sobre o poema e a música; • Produção escrita;
  • 4. Sobre o livro: Cultura é o conjunto de manifestações de um povo, nos âmbitos artístico, social e linguístico. Conhecer outras culturas é ampliar horizontes e descobrir que outros povos se comportam de forma diversa, sob o efeito de outras perspectivas. E no livro de Daniel Munduruku, o indiozinho Kabá Darebu, da tribo Munduruku, tem 7 anos e nos ensina um pouco sobre sua cultura. O pequeno relata seu dia-a-dia, os costumes herdados de seus ancestrais, o amor de seus pais, e de como os índios lidam com as interferências do “homem branco”, como as roupas e as doenças. Ele explica, também, como as crianças vivem na aldeia, aprendendo sempre e se divertindo prá valer. As ilustrações são lindas. Maté utilizou aquarela, guache e colagens de pintura em seda para compor o visual colorido. O livro ensina muito sobre a valorização da cultura como legado de um povo.
  • 5. Vídeo: Você sabe quem é Daniel Munduruku?
  • 7. Retomada do Caderno 1 Texto: “Diversidade linguística no ciclo de alfabetização”
  • 8. O texto evidencia que, apesar do Português ser a língua oficial do Brasil, não se pode negar a existência de várias línguas (indígenas, africanas, Libras). Portanto, podemos dizer que o Brasil é um país monolíngue?
  • 9. DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA Costa e Cavalcante (PNAIC, Caderno 1, 2015, p. 68) definem Diversidade Linguística como
  • 10. REFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTO Conforme os autores, o Brasil é um país de grande diversidade linguística. Há no Brasil, cerca de dois milhões de brasileiros que não têm o Português como língua materna. Incluindo as línguas indígenas e a dos imigrantes, temos mais de duzentas línguas no país, além da Língua Brasileira de Sinais. No entanto, o número de pessoas que têm línguas maternas minoritárias constitui apenas 5% da população brasileira, deixando a impressão de que o Brasil é um país monolíngue (RODRIGUES, 2001).
  • 11. IMPORTANCIADAPRESERVAÇÃOIMPORTANCIADAPRESERVAÇÃO [...] aspectos, cognitivo, cultural e das identidades coletivas, mostram-se como fortes argumentos para a preservação da diversidade linguística, e têm mobilizado reflexões e ações na sociedade brasileira, no sentido de garantir a todos o direito de se expressar em sua língua materna, de considerar a complexidade e a diversidade do potencial humano, de valorizar o aporte cultural de nosso país e de resistir as práticas homogeneizadoras e de dominação (p.72).
  • 12. Desse modo, mesmo considerando que grande parte da população brasileira utiliza o Português como língua materna, sendo este o idioma oficial do país, é necessário pensar nas diferenças linguísticas existentes no cenário brasileiro.
  • 13. Essas diferenças linguísticas trazem implicações para o currículo, em especial, no que diz respeito ao processo de alfabetização, uma vez que [...] explorar a diversidade linguística na escola é um desafio que precisamos enfrentar, e já estamos enfrentado. Propostas de letramento bilíngue (escolas indígenas e de imigração), bidialetal (as variedades linguísticas presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal (português brasileiro escrito e língua de sinais) precisam ser socializados para a promoção da melhoria da educação básica nos anos iniciais (p.79). Essas diferenças linguísticas trazem implicações para o currículo, em especial, no que diz respeito ao processo de alfabetização, uma vez que [...] explorar a diversidade linguística na escola é um desafio que precisamos enfrentar, e já estamos enfrentado. Propostas de letramento bilíngue (escolas indígenas e de imigração), bidialetal (as variedades linguísticas presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal (português brasileiro escrito e língua de sinais) precisam ser socializados para a promoção da melhoria da educação básica nos anos iniciais (p.79). DIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃODIVERSIDADELINGUÍSTICAEALFABETIZAÇÃO
  • 14. De modo geral, essas propostas pedagógicas estão organizadas com base em três situações: a) Línguas maternas minoritárias: quando os alunos que são monolíngues não compreendem a LP ou quando os alunos são bilíngues insipientes, ou seja não falam mas compreendem a língua materna, ou alunos bilíngues ativos. MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula); ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar a língua materna dos alunos como objeto de estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna. MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula); ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar a língua materna dos alunos como objeto de estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna.
  • 15. b) Língua Portuguesa: Mesmo em contextos em que os falantes usam línguas minoritárias, é necessário considerar o direito ao aprendizado da língua oficial, no caso, a Língua Portuguesa, para que possam estar em condições de intervir plenamente na vida econômica, política, jurídica e cultural do país. A Língua Portuguesa pode aparecer de duas maneiras:  como primeira língua (estudantes monolíngues em LP); como segunda língua (estudantes monolíngues em uma língua minoritária)
  • 16. c) Língua Brasileira de Sinais: É a língua materna minoritária das pessoas surdas e que, portanto, deve ser ensinada na escola. Como dificilmente o professor é surdo, é necessário a presença do intérprete em Libras. No AEE um efetivo ensino e acompanhamento em Libras, uma vez que muitos estudantes se apropriam da própria língua apenas na escola. LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:: Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras . Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados. LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:: Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras . Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
  • 17. Além da grande diversidade de línguas usadas em seu território, o Brasil também se caracteriza por abrigar muitas variedades linguísticas. A variedade linguística expressa a cultura, os conhecimentos construídos e valorizados coletivamente e as características de diferentes grupos sociais e, podemos verificar esse efeito de transbordamento das diferentes culturas, também, por meio das diferentes manifestações artísticas e culturais como podemos verificar a seguir: Além da grande diversidade de línguas usadas em seu território, o Brasil também se caracteriza por abrigar muitas variedades linguísticas. A variedade linguística expressa a cultura, os conhecimentos construídos e valorizados coletivamente e as características de diferentes grupos sociais e, podemos verificar esse efeito de transbordamento das diferentes culturas, também, por meio das diferentes manifestações artísticas e culturais como podemos verificar a seguir:
  • 18. a) Que outras variedades linguísticas você consegue identificar na sua escola? b) Das que você conhece, qual delas você considera ser mais valorizada socialmente? c) Qual o papel da escola diante da variedade linguística? PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:
  • 19. Vício da fala Para dizerem milho dizem mio Para melhor dizem mió Para pior pió Para telha dizem teia Para telhado dizem teiado E vão fazendo telhados. (Oswald de Andrade. Poesias reunidas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1971.)
  • 20. Gontijo e Schwartz (2009) pontuam que por falta de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem costuma-se considerar algumas características da oralidade como formas “erradas” de se expressar e, que apenas a escrita convencional é considerada correta. Assim, tendo em vista um aprofundamento conceitual e prático sobre a temática da variedade linguística, vamos ao livro Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística de Marcos Bagno (2007).
  • 21. Se um dos objetivos da alfabetização é garantir que as crianças façam uso de textos orais e escritos em diversas situações sociais, é preciso que a escola fique aberta a pluralidade de discursos existentes na sociedade. [...] Dessa maneira, como disse Lemle (1989), estigmatizamos aqueles que: trocam na fala o L pelo R como na palavra planeta/praneta, não pronunciam o som i nas palavras como salário/ salaro etc. Porém, conforme a autora, “[...] é uma falha profissional compartilhar desses preconceitos e dar mostras de assumir essa maneira de valorizar e desvalorizar as características das falas das pessoas (GONTIJO; SCHWARTZ, 2009, p. 68).
  • 22. Vídeo: Norma culta e variedade linguística
  • 23. O respeito à diversidade linguística e o preconceito Preconceito: “qualquer opinião ou sentimento, quer favorável quer desfavorável, concebido sem exame crítico”; ideia, opinião ou sentimento desfavorável formado a priori, sem maior conhecimento, ponderação ou razão”. (Dicionário Houaiss, 2010) “Para combater esse preconceito, basta um pouco de informação”. (POSSENTI, 2011)
  • 24. • As placas mais engraçadas com os erros de português mais ridículos e impensados estão aqui, o coitado do portuga foi terrivelmente assassinado nesse post... • PLACAS-ERROS DE PORTUGUÊS PRA MORRER DE R • A gente fala português! Quer dizer... Veja os erros de placas mais bizarros já vistos • Erros de português podem comprometer a imagem do profissional e da empresa
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 31. O jornalista William Bonner, apresentador do Jornal Nacional, provavelmente se confundiu com o espanhol e colocou um acento onde não devia. http://www.livrosepessoas.com/tag/jornal-nacional/
  • 32. Vídeo O Teatro Mágico – Zaluzejo
  • 33. Preconceito em línguas minoritárias? • Entrevistas com Daniel Munduruku
  • 34. Preconceito com surdos? Surdez é mais do que uma condição médica. Para os indivíduos que são surdos, a surdez não é apenas ter "ouvidos doentes". Eles pertencem a uma comunidade, uma cultura. Neste sentido, a surdez é única entre os tipos de deficiência. O sentido da cultura é mais forte entre aqueles que a linguagem gestual é o seu idioma principal. É este vínculo linguístico, talvez mais do que outros fatores, que liga os membros desta comunidade. Em muitos aspectos, o caráter social da cultura surda pode ser comparado à da cultura Afro- americana. Da mesma forma que existe um forte sentimento de orgulho entre os Afro-americanos em respeito ao seu patrimônio cultural e da sociedade, existe um sentimento de orgulho entre os surdos, e eles gozam do estatuto de minoria cultural e linguística. Surdez é muito mais do que um fenômeno fisiológico. É um modo de vida. (Disponível e http://www.brasilmedia.com/cultura.html)
  • 35. • Para lutar contra o preconceito: a compreensão da cultura dos surdos Documentário “Sou surda e não sabia” (Igor Ochronowicz)
  • 36. 3º Encontro – 2º momento 11/11/15 (4 horas) Pauta: • Leitura deleite: “As tranças de Bintou” de Sylviane A. Diouf; • Introdução do tema central da formação que é “A criança no ciclo de Alfabetização”. • Vídeo: Poema – “Infância”, de Carlos Drummond de Andrade; • Música: “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit); • Discussão sobre o poema e a música; • Produção escrita; • Apresentação do Caderno 2: - Seção “Iniciando a Conversa”; - Objetivos do caderno 2; • Vídeo: A invenção da infância; • Aprofundando o tema – Leitura dos Textos 1 e 2 (em grupos); • Discutir as questões elaboradas sobre os textos lidos; • Considerações sobre o texto 1.
  • 38. I - Introdução do tema central da formação que é “A criança no ciclo de Alfabetização”. II – Apresentação do Caderno 2 III- Documentário “A invenção da Infância” IV – Considerações sobre os textos lidos.
  • 39. Para iniciar a discussão da temática desse encontro realizaremos a leitura do poema InfânciaInfância de Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade. a)Leituradeleitea)Leituradeleite  Conhecem esse poema? Conhecem outros poemas de Drummond? Quais?  O poema que vamos ler tem como temática a Infância. Você acha que esse poema pode retratar infâncias atuais e/ou infâncias do passado? Explique.
  • 40. Infância Meu pai montava a cavalo, ia para o campo Minha mãe ficava sentada cosendo Meu irmão pequeno dormia Eu sozinho menino entre mangueiras Lia a história de Robinson Crusoé, comprida historia que não acaba mais No meio dia-branco de luz uma voz que aprendeu A ninar nos longes da senzala- nunca se esqueceu Chamava para o café Café preto que nem a preta velha café gostoso café bom Minha mãe ficava sentada cosendo olhando pra mim: -Psiu...não acorde o menino Para o berço onde pousou um mosquito E dava um suspiro...que fundo! La longe meu pai campeava no mato sem fim da fazenda E eu não sabia que minha historia Era mais bonita que a de Robinson Crusoé Carlos Drummond de Andrade Infância Meu pai montava a cavalo, ia para o campo Minha mãe ficava sentada cosendo Meu irmão pequeno dormia Eu sozinho menino entre mangueiras Lia a história de Robinson Crusoé, comprida historia que não acaba mais No meio dia-branco de luz uma voz que aprendeu A ninar nos longes da senzala- nunca se esqueceu Chamava para o café Café preto que nem a preta velha café gostoso café bom Minha mãe ficava sentada cosendo olhando pra mim: -Psiu...não acorde o menino Para o berço onde pousou um mosquito E dava um suspiro...que fundo! La longe meu pai campeava no mato sem fim da fazenda E eu não sabia que minha historia Era mais bonita que a de Robinson Crusoé Carlos Drummond de Andrade Leitura do Poema... O texto escrito:
  • 41. Música: “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit)
  • 42. Lápis, caderno, chiclete, pião Sol, bicicleta, skate, calção Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão Bola, pelúcia, merenda, crayon Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão Giz, merthiolate, band-aid, sabão Tênis, cadarço, almofada, colchão Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega, papel, papelão Criança não trabalha, criança dá trabalho Criança não trabalha... Lápis, caderno, chiclete, pião Sol, bicicleta, skate, calção Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão Música “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit)Música “Criança não trabalha” (Arnaldo Antunes e Paulo Tatit) Bola, pelúcia, merenda, crayon Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão Criança não trabalha, criança dá trabalho Criança não trabalha... Giz, merthiolate, band-aid, sabão Tênis, cadarço, almofada, colchão Quebra-cabeça, boneca, peteca, botão, pega-pega, papel, papelão Criança não trabalha, criança dá trabalho Criança não trabalha... 1, 2 feijão com arroz 3, 4 feijão no prato 5, 6 tudo outra vez... Lápis, caderno, chiclete, pião Sol, bicicleta, skate, calção Esconderijo, avião, correria, tambor, gritaria, jardim, confusão Bola, pelúcia, merenda, crayon Banho de rio, banho de mar, pula cela, bombom Tanque de areia, gnomo, sereia, pirata, baleia, manteiga no pão
  • 43. c)Discussãosobreopoemaea música: 1. O poema de Drummond retrata o que? De que forma? O que faz ele lembrar o tempo de criança? 2. Pela poesia, é possível afirmar que a infância de Drummond retrata a infância da maioria das crianças de sua época e também da atualidade? 3. E a música de Arnaldo Antunes e Paulo Tatit? Ela tematiza o quê? 4. E possível traçar aproximações entre a poesia de Drummond e a música de Antunes e Tati? 1. O poema de Drummond retrata o que? De que forma? O que faz ele lembrar o tempo de criança? 2. Pela poesia, é possível afirmar que a infância de Drummond retrata a infância da maioria das crianças de sua época e também da atualidade? 3. E a música de Arnaldo Antunes e Paulo Tatit? Ela tematiza o quê? 4. E possível traçar aproximações entre a poesia de Drummond e a música de Antunes e Tati?
  • 44. d)Produçãoescrita: Imagine que você tenha sido convidado para apresentar um texto sobre a sua infância para ser publicado em um jornal local. O jornal esta fazendo uma divulgação das lembranças de infância das professoras alfabetizadoras como pauta para as comemorações do dia das crianças. Elabore o texto, a partir das seguintes questões: Que criança fui e que infância vivenciei? Como a escola me transformou em aluno? Imagine que você tenha sido convidado para apresentar um texto sobre a sua infância para ser publicado em um jornal local. O jornal esta fazendo uma divulgação das lembranças de infância das professoras alfabetizadoras como pauta para as comemorações do dia das crianças. Elabore o texto, a partir das seguintes questões: Que criança fui e que infância vivenciei? Como a escola me transformou em aluno?
  • 45. Apresentação do Caderno 2Apresentação do Caderno 2
  • 46. Leitura : Iniciando a Conversa Página 07
  • 47. • Refletir sobre os conceitos de “criança” e “infância” e sua pluralidade, compreendendo-os enquanto produtos das relações socioculturais; • Compreender a importância do lúdico no desenvolvimento infantil, valorizando a sua presença no processo educativo da criança; • Analisar o processo de inclusão da criança de seis anos no ensino fundamental e a transição dela da educação infantil para essa segunda etapa da educação básica; • Compreender a escrita e a infância como construções sociais e como conceitos complementares e inter- relacionados; • Refletir sobre infância e educação inclusiva como direito de todos; • Discutir alguns pressupostos sobre a educação do campo e as identidades sociais das crianças do campo; • Reconhecer a importância da afetividade na sala de aula e na escola, compreendendo a necessidade de um olhar integral sobre a infância. • Refletir sobre os conceitos de “criança” e “infância” e sua pluralidade, compreendendo-os enquanto produtos das relações socioculturais; • Compreender a importância do lúdico no desenvolvimento infantil, valorizando a sua presença no processo educativo da criança; • Analisar o processo de inclusão da criança de seis anos no ensino fundamental e a transição dela da educação infantil para essa segunda etapa da educação básica; • Compreender a escrita e a infância como construções sociais e como conceitos complementares e inter- relacionados; • Refletir sobre infância e educação inclusiva como direito de todos; • Discutir alguns pressupostos sobre a educação do campo e as identidades sociais das crianças do campo; • Reconhecer a importância da afetividade na sala de aula e na escola, compreendendo a necessidade de um olhar integral sobre a infância. ObjetivosdoCaderno2
  • 49. Documentário - “A Invenção da Infância”Documentário - “A Invenção da Infância”
  • 50. DiscussãosobreoVídeo...DiscussãosobreoVídeo... Nossas lembranças de infância apresentam semelhanças e/ou diferenças em relação ao que o documentário tematiza sobre infância das crianças?
  • 51. Em grupos: Leitura, em pequenos grupos, dos textos 1 (“Concepção de infância, criança e educação”) e 2 (“A criança no Ciclo de Alfabetização: ludicidade nos espaços/tempos escolares”). Cada grupo deve ler um texto e elaborar uma questão para discussão com a turma; discussão em grande grupo sobre as questões elaboradas (uma questão de cada grupo).
  • 52. O que é ser criança? O que é infância?
  • 53. Completar: ( no máximo em uma frase) Criança é um ser... Criança precisa de... Criança aprende... Infância é ... Educar é... ( Atividade individual 5’) Completar: ( no máximo em uma frase) Criança é um ser... Criança precisa de... Criança aprende... Infância é ... Educar é... ( Atividade individual 5’)
  • 54. Concepção de Infância, Criança e EducaçãoConcepção de Infância, Criança e Educação Claudinéia Maria Vischi Avanzini Lisandra Ogg Gomes Considerações sobre o texto 1
  • 55. A criança, enquanto um ser genérico; a infância, como uma geração ou fase da vida, ou seja, ela não termina quando as crianças crescem. Essa geração continua a existir e a receber novas crianças; Não podemos idealizar uma única infância ou criança, pois são diversas as infâncias que as crianças vivem. A infância passou a ser reconhecida como uma geração que é parte da estrutura social, e as crianças, como atores sociais.
  • 56. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança IDADE MÉDIA Diante de determinados contextos e circunstâncias, era grande a mortalidade infantil; A escola, de responsabilidade da Igreja, era extremamente dual, seletiva e excludente; As relações sociais eram fundadas em uma hierarquia por grupos de idade e as crianças, na medida das suas capacidades, participavam da vida social misturadas aos adultos, expostas aos perigos e às violências da época .
  • 57. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança SÉCULO XV Passou a existir na sociedade uma crescente vontade de salvar as crianças; Inicia um processo de grandes transformações na sociedade, com a moralização dos comportamentos, o nascimento da família moderna e a ampliação nas formas de comunicação; Começa a se concretizar e difundir a ideia de uma escola para todos, um corpo de professores – formados nas ordens religiosas, por uma disciplina rígida, classes numerosas e normas que são diversas daquelas dos adultos;
  • 58. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança ...SÉCULO XV Alguns conceitos – denominados de “pré- sociológicos” – a respeito da criança, com influências em mitos e filosofias a cerca do homem; Uma dessas concepções é a da criança má, ou seja, tem disposição para a maldade, corrupção e mesquinharia, devido a sua natureza pecaminosa; Com isso, a criança, precisa ser educada e controlada, para isso, são efetivadas práticas pedagógicas de correção, adestramento, controle e aprimoramento do corpo e da mente infantis.
  • 59. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança ...SÉCULO XVII e XVIII A Criança começa a ser vista como diferente dos adultos em suas peculiaridades, segundo a visão de Locke (1632-1704) e Jean-Jacques Rousseau (1712- 1778); A educação deve ser de estímulo, cuidado, segurança e simplicidade, através de jogos, objetos e ambientes que permitam uma formação por meio da experiência, manipulação e ação. Para Jean-Jacques Rousseau, as crianças não são adultos em miniatura, são naturalmente boas, inocentes e puras;
  • 60. Jean-Jacques Rousseau defende que a criança é um ser com características próprias, ao contrario das ideias comuns no seu tempo que defendiam que a educação da criança deveria ser voltada para os interesses do adulto e da vida adulta.
  • 61. Adnilson José da Silva A obra Jean-Jacques Rousseau influencia o pensamento pedagógico até os dias atuais, sobretudo as correntes que valorizam a autonomia e a liberdade dos sujeito aprendentes, sem descuidar dos necessários limites impostos pela convivência social. Do ponto de vista de Rousseau, o homem educado seria caracterizado pela vontade consciente que o manteria autônomo, tanto frente aos determinismos naturais quanto às imposições sociais. INFÂNCIA E EDUCAÇÃO NA OBRA DE ROUSSEAU
  • 62. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança ...SÉCULOS XVII e XVIII Para Locke (1632-1704) , as crianças são seres passivos e que a aprendizagem ocorre pelas vivências adquiridas com os objetos; A Educação teria uma papel fundamental de moldá- la para o bem ou para o mal; A Criança seria por natureza diferente em comparação ao adulto, tendo sua mente como uma carta branca, que deveria ser preenchida a partir das experiências;
  • 63. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança SÉCULOS XX Os estudos realizados no campo da Psicologia transformam o modo de compreender a criança e influenciam a constituição da infância como uma fase da vida; Jean Piaget (1896-1980), o começo do conhecimento é a ação do sujeito sobre o objeto, ou seja, o conhecimento humano se constrói na interação homem-meio, sujeito-objeto. As formas de conhecer são construídas nas trocas com os objetos, tendo uma melhor organização em momentos sucessivos de adaptação ao objeto.
  • 64. Lev Vygotsky (1896-1934), a criança é um indivíduo que aprende a se desenvolver na interação com outros mais experientes do seu meio sociocultural; Sigmund Freud (1856-1939) A infância é o passado do adulto. É a criança inconsciente, um recurso para compreender os desvios, delitos e as anormalidades do adulto. SÉCULO XX Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança
  • 65. Compreensão histórica das ideias acerca da Infância e da Criança É apenas no século XX que a infância se torna uma realidade de fato – um fenômeno social; As novas concepções desse período questionam o modelo de criança universal, pois se reconhece que as crianças são plurais e pertencem a diferentes culturas. As crianças são construtoras ativas em seus mundo sociais (CORSARO, 2003; QVORTRUP, 2011); SÉCULO XX
  • 66. Esse apanhado histórico nos mostra a diversidade e as dimensões de sentimentos, valores, práticas e das ideias construídas a respeito das crianças e da infância ao longo do tempo, os quais, de modos diferentes ainda se fazem presentes. O que temos, por certo, é que em todas as épocas as crianças foram cuidadas, educadas, participaram, atuaram e se pronunciaram nos seus espaços sociais, mas de maneiras diversas, as quais se relacionam à estrutura e às ações sociais de cada período histórico.
  • 67. As crianças como atores sociais, agentes em seus processos de aprendizagem; e a infância é reconhecida como uma categoria geracional essencial para a estrutura da sociedade, que influência e é influenciado por ela.
  • 68. As teorias interacionais são críticas em relação à concepção tradicional de ensino, de cunho epistemológico empirista. Piaget e Vygotsky, ambos interacionista buscaram em suas teorias um caminho a explicar o processo de conhecer, sendo este, um processo de construção através da relação sujeito e meio. JEAN PIAGET VYGOTYSK
  • 69. VÍDEO: Piaget X Vygotsky

Notas do Editor

  1. Os textos serão recolhidos pelo Formador e dois Orientadores de Estudos serão sorteados para apresentarem suas lembranças.