SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
CENTRO DE EDUCAÇÃO
NÚCLEO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA DO
ESPÍRITO SANTO
FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE ESTUDO
PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTAPACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
(PNAIC)(PNAIC)
14 de agosto de 2015
PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTAPACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA
(PNAIC)(PNAIC)
14 de agosto de 2015
Orientadora: Náysa TabodaOrientadora: Náysa Taboda
Leitura deleite;
 Vivência de atividade: diversidade linguística na
escola
Leitura deleite;
 Vivência de atividade: diversidade linguística na
escola
Leitura do conto:
“Amigos, mas não para sempre”
Autor: Rogério Andrade Barbosa
Leitura do conto:
“Amigos, mas não para sempre”
Autor: Rogério Andrade Barbosa
Este conto nos ajuda a
pensar no ditado popular
que diz: “o gato pega o
rato”? Por quê?
• Há alguma palavra diferente no texto?
Alguma palavra que vocês nunca
ouviram? Qual?
• O que essa palavra significa?
• É uma palavra que existe no português
falado no Brasil? De qual língua é essa
palavra?
• Há alguma palavra diferente no texto?
Alguma palavra que vocês nunca
ouviram? Qual?
• O que essa palavra significa?
• É uma palavra que existe no português
falado no Brasil? De qual língua é essa
palavra?
REFLEXÕESAPARTIRDOCONTOREFLEXÕESAPARTIRDOCONTO
O QUE É
GHEE ?
                        Ghee – Manteiga Clarificada
É o óleo purificado da manteiga, onde toda a
água e os elementos sólidos e toxinas da
gordura do leite e lactose são completamente
removidos. Embora seja inteiramente
preparado a partir da manteiga, suas
propriedades diferem muito da manteiga em
si. Quando o ghee é preparado através do
método tradicional de aquecimento e coação,
toda a água é evaporada e os elementos sólidos
da gordura do leite são completamente
removidos. O resultado é um óleo dourado e
brilhantemente transparente que não fica
rançoso. Este é o ouro líquido que aparece nas
antigas escrituras indianas. E este é o ghee que
encontrará um lugar em todos os alimentos
que você preparar.
• Vocês conhecem pessoas que moram no Brasil,
mas falam outras línguas, por que nasceram e
viveram em locais em que o português é a
segunda língua? Que línguas essas pessoas
falam?
• E na sua escola? Há crianças que falam outras
línguas porque aprenderam com seus familiares
antes de falar português do Brasil ou antes de ir
a escola?
• Que línguas você conhece a partir de seus
colegas de escola?
• Vocês conhecem pessoas que moram no Brasil,
mas falam outras línguas, por que nasceram e
viveram em locais em que o português é a
segunda língua? Que línguas essas pessoas
falam?
• E na sua escola? Há crianças que falam outras
línguas porque aprenderam com seus familiares
antes de falar português do Brasil ou antes de ir
a escola?
• Que línguas você conhece a partir de seus
colegas de escola?
REFLEXÕESAPARTIRDOCONTOREFLEXÕESAPARTIRDOCONTO
Vamos assistir um vídeo que traz informações sobreVamos assistir um vídeo que traz informações sobre
uma das diferentes línguas faladas nouma das diferentes línguas faladas no
Espírito Santo.Espírito Santo.
http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=3053&catid=28&Itemid=39
 No vídeo, conhecemos uma experiência de
preservação de uma língua materna pouco
comum em nosso Estado e País. Mas, o que
geralmente ocorre com essas línguas?
 Por que elas tendem a desaparecer?
 Quais as implicações do desaparecimento?
 Qual o papel da escola?
 Tem ocorrido mudanças para preservar
línguas minoritárias?
 No vídeo, conhecemos uma experiência de
preservação de uma língua materna pouco
comum em nosso Estado e País. Mas, o que
geralmente ocorre com essas línguas?
 Por que elas tendem a desaparecer?
 Quais as implicações do desaparecimento?
 Qual o papel da escola?
 Tem ocorrido mudanças para preservar
línguas minoritárias?
REFLEXÕESAPARTIRDOVÍDEOREFLEXÕESAPARTIRDOVÍDEO
Diversidade linguística no Ciclo de AlfabetizaçãoDiversidade linguística no Ciclo de Alfabetização
Carlos Rubens de Souza Costa e Mariane Carvalho B. CavalcanteCarlos Rubens de Souza Costa e Mariane Carvalho B. Cavalcante
O conto que lemos e o vídeo que assistimos
incitam o debate sobre a questão da
diversidade linguística em nossa sociedade.
Vamos aprofundar essa discussão com a
leitura das páginas 68-79 do Caderno 1:
O texto evidencia que, apesar do Português ser a
língua oficial do Brasil, não se pode negar a
existência de várias línguas (indígenas, africanas,
Libras). Portanto, podemos dizer que o Brasil é um
país monolíngue?
O texto evidencia que, apesar do Português ser a
língua oficial do Brasil, não se pode negar a
existência de várias línguas (indígenas, africanas,
Libras). Portanto, podemos dizer que o Brasil é um
país monolíngue?
Reflexões a partir do textoReflexões a partir do texto Diversidade linguística noDiversidade linguística no
Ciclo de AlfabetizaçãoCiclo de Alfabetização (Caderno 1, p. 68);(Caderno 1, p. 68);
 Discussão do texto e de suas relações com aDiscussão do texto e de suas relações com a
organização do currículo e da avaliação na perspectivaorganização do currículo e da avaliação na perspectiva
da escola inclusiva;da escola inclusiva;
Reflexões a partir do textoReflexões a partir do texto Diversidade linguística noDiversidade linguística no
Ciclo de AlfabetizaçãoCiclo de Alfabetização (Caderno 1, p. 68);(Caderno 1, p. 68);
 Discussão do texto e de suas relações com aDiscussão do texto e de suas relações com a
organização do currículo e da avaliação na perspectivaorganização do currículo e da avaliação na perspectiva
da escola inclusiva;da escola inclusiva;
DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA
Costa e Cavalcante (PNAIC, Caderno 1, 2015, p.
68) definem Diversidade Linguística como
REFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTO Conforme os autores, o Brasil é um país de
grande diversidade linguística. Há no Brasil,
cerca de dois milhões de brasileiros que não
têm o Português como língua materna.
Incluindo as línguas indígenas e a dos
imigrantes, temos mais de duzentas línguas no
país, além da Língua Brasileira de Sinais.
No entanto, o número de pessoas que têm
línguas maternas minoritárias constitui apenas
5% da população brasileira, deixando a
impressão de que o Brasil é um país monolíngue
(RODRIGUES, 2001).
IMPORTANCIADAPRESERVAÇÃO
[...] aspectos, cognitivo, cultural e das
identidades coletivas, mostram-se como fortes
argumentos para a preservação da diversidade
linguística, e têm mobilizado reflexões e ações
na sociedade brasileira, no sentido de garantir a
todos o direito de se expressar em sua língua
materna, de considerar a complexidade e a
diversidade do potencial humano, de valorizar o
aporte cultural de nosso país e de resistir as
práticas homogeneizadoras e de dominação
(p.72).
Desse modo, mesmo considerando que grande
parte da população brasileira utiliza o Português
como língua materna, sendo este o idioma oficial
do país, é necessário pensar nas diferenças
linguísticas existentes no cenário brasileiro.
Essas diferenças linguísticas trazem implicações
para o currículo, em especial, no que diz
respeito ao processo de alfabetização, uma vez
que [...] explorar a diversidade linguística na
escola é um desafio que precisamos enfrentar,
e já estamos enfrentado. Propostas de
letramento bilíngue (escolas indígenas e de
imigração), bidialetal (as variedades linguísticas
presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal
(português brasileiro escrito e língua de sinais)
precisam ser socializados para a promoção da
melhoria da educação básica nos anos iniciais
(p.79).
Essas diferenças linguísticas trazem implicações
para o currículo, em especial, no que diz
respeito ao processo de alfabetização, uma vez
que [...] explorar a diversidade linguística na
escola é um desafio que precisamos enfrentar,
e já estamos enfrentado. Propostas de
letramento bilíngue (escolas indígenas e de
imigração), bidialetal (as variedades linguísticas
presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal
(português brasileiro escrito e língua de sinais)
precisam ser socializados para a promoção da
melhoria da educação básica nos anos iniciais
(p.79).
DIVERSIDADELINGUÍSTICAEDIVERSIDADELINGUÍSTICAE
ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
De modo geral, essas propostas pedagógicas estão
organizadas com base em três situações:
a) Línguas maternas minoritárias: quando os alunos
que são monolíngues não compreendem a LP ou
quando os alunos são bilíngues insipientes, ou seja
não falam mas compreendem a língua materna, ou
alunos bilíngues ativos.
MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução
oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula);
ter professor que utilize a mesma língua materna e
tomar a língua materna dos alunos como objeto de
estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna.
MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução
oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula);
ter professor que utilize a mesma língua materna e
tomar a língua materna dos alunos como objeto de
estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna.
b) Língua Portuguesa:
Mesmo em contextos em que os falantes usam
línguas minoritárias, é necessário considerar o
direito ao aprendizado da língua oficial, no caso, a
Língua Portuguesa, para que possam estar em
condições de intervir plenamente na vida
econômica, política, jurídica e cultural do país. A
Língua Portuguesa pode aparecer de duas
maneiras:
 como primeira língua (estudantes monolíngues em
LP);
como segunda língua (estudantes monolíngues em
uma língua minoritária)
c) Língua Brasileira de Sinais:
É a língua materna minoritária das pessoas
surdas e que, portanto, deve ser ensinada na
escola. Como dificilmente o professor é surdo, é
necessário a presença do intérprete em Libras.
No AEE um efetivo ensino e acompanhamento
em Libras, uma vez que muitos estudantes se
apropriam da própria língua apenas na escola.
LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002: Dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais - Libras .
Art. 1o
É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua
Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002: Dispõe sobre a Língua Brasileira de
Sinais - Libras .
Art. 1o
É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua
Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
Além da grande diversidade de línguas usadas
em seu território, o Brasil também se
caracteriza por abrigar muitas variedades
linguísticas.
A variedade linguística expressa a cultura, os
conhecimentos construídos e valorizados
coletivamente e as características de
diferentes grupos sociais e, podemos verificar
esse efeito de transbordamento das diferentes
culturas, também, por meio das diferentes
manifestações artísticas e culturais como
podemos verificar a seguir:
Além da grande diversidade de línguas usadas
em seu território, o Brasil também se
caracteriza por abrigar muitas variedades
linguísticas.
A variedade linguística expressa a cultura, os
conhecimentos construídos e valorizados
coletivamente e as características de
diferentes grupos sociais e, podemos verificar
esse efeito de transbordamento das diferentes
culturas, também, por meio das diferentes
manifestações artísticas e culturais como
podemos verificar a seguir:
a) Que outras variedades linguísticasa) Que outras variedades linguísticas
você consegue identificar na suavocê consegue identificar na sua
escola?escola?
b) Das que você conhece, qual delasb) Das que você conhece, qual delas
você considera ser mais valorizadavocê considera ser mais valorizada
socialmente?socialmente?
c) Qual o papel da escola diante dac) Qual o papel da escola diante da
variedade linguística?variedade linguística?
PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:
Gontijo e Schwartz (2009) pontuam que por falta de
conhecimentos sobre o funcionamento da
linguagem costuma-se considerar algumas
características da oralidade como formas “erradas”
de se expressar e, que apenas a escrita convencional
é considerada correta.
Assim, tendo em vista um aprofundamento
conceitual e prático sobre a temática da variedade
linguística, vamos ao livro Nada na língua é por
acaso: por uma pedagogia da variação linguística de
Marcos Bagno (2007).
Com base nos estudos do campo da Sociolinguística,
Bagno apresenta algumas razões para trazer o
tema da variação linguística ao cenário pedagógico:
 Ocorreram mudanças na concepção de ensino da
língua e a variação linguística, como objeto de
ensino, precisa acompanhar essas mudanças, uma
vez que esse conhecimento é, por vezes, deixado a
segundo plano ou tratado de modo superficial;
 Com a democratização do acesso à Educação
Básica no Brasil, ocorre uma transformação no
perfil socioeconônimo e cultural da população que
frequenta as escolas públicas;
 Mudança também no perfil perfil socioeconônimo e
cultural das professoras e professores.
Com base nos estudos do campo da Sociolinguística,
Bagno apresenta algumas razões para trazer o
tema da variação linguística ao cenário pedagógico:
 Ocorreram mudanças na concepção de ensino da
língua e a variação linguística, como objeto de
ensino, precisa acompanhar essas mudanças, uma
vez que esse conhecimento é, por vezes, deixado a
segundo plano ou tratado de modo superficial;
 Com a democratização do acesso à Educação
Básica no Brasil, ocorre uma transformação no
perfil socioeconônimo e cultural da população que
frequenta as escolas públicas;
 Mudança também no perfil perfil socioeconônimo e
cultural das professoras e professores.
Porquetratardavariaçãolinguística?Porquetratardavariaçãolinguística?
De acordo com o autor, “[...] não existe
problema algum no fato da escola passar a ser
ocupada por falantes do genuíno vernáculo
brasileiro e não mais por defensores de um
padrão obsoleto inspirado na norma de Portugal,
apegados a um modelo rançoso de língua
literária que nossos melhores escritores e
escritoras têm abandonado nos últimos 100
anos.
O problema verdadeiro é não oferecer para as
professoras [e professores] uma formação que
permita que elas [eles] lidem adequadamente
com uma série de questões que,
inevitavelmente, surgem no dia a dia da sala de
aula” (BAGNO, 2007, p. 33).
De acordo com o autor, “[...] não existe
problema algum no fato da escola passar a ser
ocupada por falantes do genuíno vernáculo
brasileiro e não mais por defensores de um
padrão obsoleto inspirado na norma de Portugal,
apegados a um modelo rançoso de língua
literária que nossos melhores escritores e
escritoras têm abandonado nos últimos 100
anos.
O problema verdadeiro é não oferecer para as
professoras [e professores] uma formação que
permita que elas [eles] lidem adequadamente
com uma série de questões que,
inevitavelmente, surgem no dia a dia da sala de
aula” (BAGNO, 2007, p. 33).
Fatores extralinguísticosFatores extralinguísticosFatores extralinguísticosFatores extralinguísticos
Origem geográfica:Origem geográfica: a fala característica de diferentes
regiões brasileiras, estados, zona rural ou urbana.
Origem geográfica:Origem geográfica: a fala característica de diferentes
regiões brasileiras, estados, zona rural ou urbana.
Status socioeconômico:Status socioeconômico: nível de rendaStatus socioeconômico:Status socioeconômico: nível de renda
Grau de escolarização:Grau de escolarização: ligado aos usos da escrita, práticas
de leitura e outras práticas culturais
Grau de escolarização:Grau de escolarização: ligado aos usos da escrita, práticas
de leitura e outras práticas culturais
Idade: modo de falar dos adolescentes, adultos e jovens
podem ser diferente.
Idade: modo de falar dos adolescentes, adultos e jovens
podem ser diferente.
Sexo: há situações em que homens e mulheres fazem usos
diferenciados dos recursos que a língua oferece.
Sexo: há situações em que homens e mulheres fazem usos
diferenciados dos recursos que a língua oferece.
Mercado de trabalho: vínculo com determinadas profissões
e ofícios
Mercado de trabalho: vínculo com determinadas profissões
e ofícios
Existem três respostas possíveis a esse
questionamento:
a) Desconsiderar as contribuições da ciência
linguística e levar adiante a noção de erro,
insistindo no ensino da gramática normativa e
da lingua-padrão como a única forma certa de
uso da lingua;
b)Aceitar as contribuições da ciência linguística e
desprezar totalmente a antiga noção de erro,
substituindo-o pelos conceitos de variação e
mudança;
c) Reconhecer que a escola é o lugar de
interseção entre o saber científico e o senso
comum, reconhecendo que não existe “erro”,
mas fenômeno linguístico passível de ser
explicado , compreendido e mediado no
processo formativo dos estudantes.
Existem três respostas possíveis a esse
questionamento:
a) Desconsiderar as contribuições da ciência
linguística e levar adiante a noção de erro,
insistindo no ensino da gramática normativa e
da lingua-padrão como a única forma certa de
uso da lingua;
b)Aceitar as contribuições da ciência linguística e
desprezar totalmente a antiga noção de erro,
substituindo-o pelos conceitos de variação e
mudança;
c) Reconhecer que a escola é o lugar de
interseção entre o saber científico e o senso
comum, reconhecendo que não existe “erro”,
mas fenômeno linguístico passível de ser
explicado , compreendido e mediado no
processo formativo dos estudantes.
Oquefazernaescola?Oquefazernaescola?
Se um dos objetivos da alfabetização é garantir que as
crianças façam uso de textos orais e escritos em diversas
situações sociais, é preciso que a escola fique aberta a
pluralidade de discursos existentes na sociedade. [...]
Dessa maneira, como disse Lemle (1989), estigmatizamos
aqueles que: trocam na fala o L pelo R como na palavra
planeta/praneta, não pronunciam o som i nas palavras
como salário/ salaro etc. Porém, conforme a autora, “[...]
é uma falha profissional compartilhar desses
preconceitos e dar mostras de assumir essa maneira de
valorizar e desvalorizar as características das falas das
pessoas (GONTIJO; SCHWARTZ, 2009, p. 68).
BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da
variação linguística.São Paulo: Parábola Editorial, 2007.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. 10. ed. São Paulo:
Scipione, 2007.
GARCIA, Marcus Vinícius Carvalho. A diversidade linguística como
patrimônio cultural. In: BRASIL, Instituto de pesquisa econômica
aplicada. Revista: Desafios do desenvolvimento. 2014 . Ano 10 . Edição 80
- 23/06/2014
GONTIJO, Claudia Maria Mendes; SCHWARTZ, Cleonara Maria.
Alfabetização teoria e prática. Curitiba, PR: Sol, 2009.
BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão
Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo
na perspectiva da inclusão e da diversidade: as Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação Básica e o Ciclo de Alfabetização: Caderno 1 .
Brasília: MEC, SEB, 2015.
PROJETO BURITI (Obra coletiva). Português 3º ano . Editora Moderna:
São Paulo, 2011.
BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da
variação linguística.São Paulo: Parábola Editorial, 2007.
CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. 10. ed. São Paulo:
Scipione, 2007.
GARCIA, Marcus Vinícius Carvalho. A diversidade linguística como
patrimônio cultural. In: BRASIL, Instituto de pesquisa econômica
aplicada. Revista: Desafios do desenvolvimento. 2014 . Ano 10 . Edição 80
- 23/06/2014
GONTIJO, Claudia Maria Mendes; SCHWARTZ, Cleonara Maria.
Alfabetização teoria e prática. Curitiba, PR: Sol, 2009.
BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão
Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo
na perspectiva da inclusão e da diversidade: as Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação Básica e o Ciclo de Alfabetização: Caderno 1 .
Brasília: MEC, SEB, 2015.
PROJETO BURITI (Obra coletiva). Português 3º ano . Editora Moderna:
São Paulo, 2011.
REFERÊNCIASREFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõestlfleite
 
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - PlanejamentoUnidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - PlanejamentoBete Feliciano
 
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)Naysa Taboada
 
O curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetizaçãoO curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetizaçãoFabiana Esteves
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuSoleducador1
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Bete Feliciano
 
PNAIC - Matemática - Caderno de Apresentaçao
PNAIC - Matemática - Caderno de ApresentaçaoPNAIC - Matemática - Caderno de Apresentaçao
PNAIC - Matemática - Caderno de ApresentaçaoElieneDias
 
Unidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - HeterogeneidadeUnidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - HeterogeneidadeElaine Cruz
 
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)Naysa Taboada
 
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)Naysa Taboada
 
PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7ElieneDias
 
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetizaçãoHeloiza Moura
 
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão Escolar
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão EscolarU8 - PNAIC - Avaliação e Progressão Escolar
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão EscolarElaine Cruz
 
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto juliana
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto  julianaPnaic 1ª aula apresentação do pacto  juliana
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto julianatlfleite
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliaçãoBete Feliciano
 

Mais procurados (20)

Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alteraçõesPnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
Pnaic unidade 5 sintese dos cadernos anos 1, 2 e 3 com alterações
 
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - PlanejamentoUnidade 2 - ano 2 - Planejamento
Unidade 2 - ano 2 - Planejamento
 
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)Unidade 8   ciclos de aprendizagem (1)
Unidade 8 ciclos de aprendizagem (1)
 
O curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetizaçãoO curriculo no ciclo de alfabetização
O curriculo no ciclo de alfabetização
 
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de BiguaçuEncontro do dia 8 e  10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
Encontro do dia 8 e 10 de novembro. PNAIC-2016 Município de Biguaçu
 
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
Organizacão do Trabalho Pedagógico - parte 2
 
Pnaic caderno
Pnaic cadernoPnaic caderno
Pnaic caderno
 
Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6Pnaic caderno 6
Pnaic caderno 6
 
PNAIC - Matemática - Caderno de Apresentaçao
PNAIC - Matemática - Caderno de ApresentaçaoPNAIC - Matemática - Caderno de Apresentaçao
PNAIC - Matemática - Caderno de Apresentaçao
 
1 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 20151 encontro 1 e 2 momento 2015
1 encontro 1 e 2 momento 2015
 
Trabalho eepp iv completo
Trabalho eepp iv completoTrabalho eepp iv completo
Trabalho eepp iv completo
 
Texto linguistica
Texto linguisticaTexto linguistica
Texto linguistica
 
Unidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - HeterogeneidadeUnidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
Unidade 7 - PNAIC - Heterogeneidade
 
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)Unidade 3 2º encontro   os conhecimentos sobre o sea (versão final)
Unidade 3 2º encontro os conhecimentos sobre o sea (versão final)
 
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)Unidade 7   planejando o ensino para todos (2)
Unidade 7 planejando o ensino para todos (2)
 
PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7PNAIC - Ano 01 unidade 7
PNAIC - Ano 01 unidade 7
 
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
1ª formação: Currículo no Ciclo de alfabetização
 
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão Escolar
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão EscolarU8 - PNAIC - Avaliação e Progressão Escolar
U8 - PNAIC - Avaliação e Progressão Escolar
 
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto juliana
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto  julianaPnaic 1ª aula apresentação do pacto  juliana
Pnaic 1ª aula apresentação do pacto juliana
 
2º encontro da unidade 1 avaliação
2º encontro da unidade 1   avaliação2º encontro da unidade 1   avaliação
2º encontro da unidade 1 avaliação
 

Destaque (20)

Pnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontroPnaic 2º encontro
Pnaic 2º encontro
 
Pnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubroPnaic 27 de outubro
Pnaic 27 de outubro
 
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machadoAbrindo caminho-de-ana-maria-machado
Abrindo caminho-de-ana-maria-machado
 
Pnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubroPnaic 26 de outubro
Pnaic 26 de outubro
 
Infância
InfânciaInfância
Infância
 
24 de novembro
24 de novembro24 de novembro
24 de novembro
 
Pnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembroPnaic 17 novembro
Pnaic 17 novembro
 
Quem ganhou o jogo
Quem ganhou o jogoQuem ganhou o jogo
Quem ganhou o jogo
 
5 encontro
5 encontro5 encontro
5 encontro
 
Para além da interdisciplinaridade (1)
Para além da interdisciplinaridade (1)Para além da interdisciplinaridade (1)
Para além da interdisciplinaridade (1)
 
Atividade de análise
Atividade de análiseAtividade de análise
Atividade de análise
 
Inter novaescola
Inter novaescolaInter novaescola
Inter novaescola
 
Quadro
QuadroQuadro
Quadro
 
Slidedialogado
SlidedialogadoSlidedialogado
Slidedialogado
 
O frio pode ser quente
O frio pode ser quenteO frio pode ser quente
O frio pode ser quente
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Jabuti
JabutiJabuti
Jabuti
 
Historia tangran
Historia tangranHistoria tangran
Historia tangran
 
O tempo
O tempoO tempo
O tempo
 
A ECONOMIA DE MARIA
A ECONOMIA DE MARIAA ECONOMIA DE MARIA
A ECONOMIA DE MARIA
 

Semelhante a Formação de orientadores sobre diversidade linguística

O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?
O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?
O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?Jididias Rodrigues da Silva
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULARoberto Carlos Sena
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptTiagoVeras8
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAlfabetizaoemLibras
 
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Marcos Santos
 
Didática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).pptDidática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).pptAna Karina
 
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTEAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTEjesse santana
 
Parte 4 linguística geral apresentação 2012
Parte 4   linguística geral apresentação 2012Parte 4   linguística geral apresentação 2012
Parte 4 linguística geral apresentação 2012Mariana Correia
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação LinguísticaSilmatuk
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxirmaosbatista2023
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação LinguísticaAngélica Manenti
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLene Reis
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Tânia Sampaio
 

Semelhante a Formação de orientadores sobre diversidade linguística (20)

3 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 20153 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 2015
 
O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?
O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?
O PRECONCEITO LINGUÍSTICO NO AMBIENTE ESCOLAR: COMO PREVENIR?
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Modelo de material.luc
Modelo de material.lucModelo de material.luc
Modelo de material.luc
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
 
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
 
Didática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).pptDidática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).ppt
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 
Enquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quêEnquanto educador, o quê
Enquanto educador, o quê
 
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTEAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
 
Parte 4 linguística geral apresentação 2012
Parte 4   linguística geral apresentação 2012Parte 4   linguística geral apresentação 2012
Parte 4 linguística geral apresentação 2012
 
Variação Linguística
Variação LinguísticaVariação Linguística
Variação Linguística
 
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptxsec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
sec-ii-variac387c383o-linguc38dstica.pptx
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
 

Mais de Naysa Taboada

1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentaçãoNaysa Taboada
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17Naysa Taboada
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específicoNaysa Taboada
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiNaysa Taboada
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgNaysa Taboada
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiNaysa Taboada
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Naysa Taboada
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadorasNaysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosNaysa Taboada
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosNaysa Taboada
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 anoNaysa Taboada
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoNaysa Taboada
 
Sequencia didática e projetos
Sequencia didática e projetosSequencia didática e projetos
Sequencia didática e projetosNaysa Taboada
 
Cap6 didatica libaneo
Cap6 didatica libaneoCap6 didatica libaneo
Cap6 didatica libaneoNaysa Taboada
 

Mais de Naysa Taboada (20)

Fc
FcFc
Fc
 
1º encontro apresentação
1º encontro   apresentação1º encontro   apresentação
1º encontro apresentação
 
1º encontro apresentação 28-11-17
1º encontro   apresentação 28-11-171º encontro   apresentação 28-11-17
1º encontro apresentação 28-11-17
 
Simulado tema específico
Simulado tema específicoSimulado tema específico
Simulado tema específico
 
Alfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadottiAlfab letramento 2005. gadotti
Alfab letramento 2005. gadotti
 
Alfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptgAlfabetização e letramento ptg
Alfabetização e letramento ptg
 
Alfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadottiAlfa e letramento 2005. gadotti
Alfa e letramento 2005. gadotti
 
Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?Alfa e Letra em busca de um método?
Alfa e Letra em busca de um método?
 
Associacionismo
AssociacionismoAssociacionismo
Associacionismo
 
Questões norteadoras
Questões norteadorasQuestões norteadoras
Questões norteadoras
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhosAlfabetização e letramento caminhos e descaminhos
Alfabetização e letramento caminhos e descaminhos
 
Alinhamento 1 ao 5 ano
Alinhamento   1 ao 5 anoAlinhamento   1 ao 5 ano
Alinhamento 1 ao 5 ano
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Conteúdos de ensino
Conteúdos de ensinoConteúdos de ensino
Conteúdos de ensino
 
Sequencia didática e projetos
Sequencia didática e projetosSequencia didática e projetos
Sequencia didática e projetos
 
Atividade objetivos
Atividade objetivosAtividade objetivos
Atividade objetivos
 
Objetivos de ensino
Objetivos de ensinoObjetivos de ensino
Objetivos de ensino
 
Cap6 didatica libaneo
Cap6 didatica libaneoCap6 didatica libaneo
Cap6 didatica libaneo
 
Texto4
Texto4Texto4
Texto4
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfManuais Formação
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdfUFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
UFCD_10392_Intervenção em populações de risco_índice .pdf
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Formação de orientadores sobre diversidade linguística

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO NÚCLEO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA DO ESPÍRITO SANTO FORMAÇÃO DE ORIENTADORES DE ESTUDO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTAPACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC)(PNAIC) 14 de agosto de 2015 PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTAPACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA (PNAIC)(PNAIC) 14 de agosto de 2015 Orientadora: Náysa TabodaOrientadora: Náysa Taboda
  • 2. Leitura deleite;  Vivência de atividade: diversidade linguística na escola Leitura deleite;  Vivência de atividade: diversidade linguística na escola
  • 3. Leitura do conto: “Amigos, mas não para sempre” Autor: Rogério Andrade Barbosa Leitura do conto: “Amigos, mas não para sempre” Autor: Rogério Andrade Barbosa
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Este conto nos ajuda a pensar no ditado popular que diz: “o gato pega o rato”? Por quê?
  • 9. • Há alguma palavra diferente no texto? Alguma palavra que vocês nunca ouviram? Qual? • O que essa palavra significa? • É uma palavra que existe no português falado no Brasil? De qual língua é essa palavra? • Há alguma palavra diferente no texto? Alguma palavra que vocês nunca ouviram? Qual? • O que essa palavra significa? • É uma palavra que existe no português falado no Brasil? De qual língua é essa palavra? REFLEXÕESAPARTIRDOCONTOREFLEXÕESAPARTIRDOCONTO
  • 10. O QUE É GHEE ?                         Ghee – Manteiga Clarificada É o óleo purificado da manteiga, onde toda a água e os elementos sólidos e toxinas da gordura do leite e lactose são completamente removidos. Embora seja inteiramente preparado a partir da manteiga, suas propriedades diferem muito da manteiga em si. Quando o ghee é preparado através do método tradicional de aquecimento e coação, toda a água é evaporada e os elementos sólidos da gordura do leite são completamente removidos. O resultado é um óleo dourado e brilhantemente transparente que não fica rançoso. Este é o ouro líquido que aparece nas antigas escrituras indianas. E este é o ghee que encontrará um lugar em todos os alimentos que você preparar.
  • 11. • Vocês conhecem pessoas que moram no Brasil, mas falam outras línguas, por que nasceram e viveram em locais em que o português é a segunda língua? Que línguas essas pessoas falam? • E na sua escola? Há crianças que falam outras línguas porque aprenderam com seus familiares antes de falar português do Brasil ou antes de ir a escola? • Que línguas você conhece a partir de seus colegas de escola? • Vocês conhecem pessoas que moram no Brasil, mas falam outras línguas, por que nasceram e viveram em locais em que o português é a segunda língua? Que línguas essas pessoas falam? • E na sua escola? Há crianças que falam outras línguas porque aprenderam com seus familiares antes de falar português do Brasil ou antes de ir a escola? • Que línguas você conhece a partir de seus colegas de escola? REFLEXÕESAPARTIRDOCONTOREFLEXÕESAPARTIRDOCONTO
  • 12. Vamos assistir um vídeo que traz informações sobreVamos assistir um vídeo que traz informações sobre uma das diferentes línguas faladas nouma das diferentes línguas faladas no Espírito Santo.Espírito Santo. http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=3053&catid=28&Itemid=39
  • 13.  No vídeo, conhecemos uma experiência de preservação de uma língua materna pouco comum em nosso Estado e País. Mas, o que geralmente ocorre com essas línguas?  Por que elas tendem a desaparecer?  Quais as implicações do desaparecimento?  Qual o papel da escola?  Tem ocorrido mudanças para preservar línguas minoritárias?  No vídeo, conhecemos uma experiência de preservação de uma língua materna pouco comum em nosso Estado e País. Mas, o que geralmente ocorre com essas línguas?  Por que elas tendem a desaparecer?  Quais as implicações do desaparecimento?  Qual o papel da escola?  Tem ocorrido mudanças para preservar línguas minoritárias? REFLEXÕESAPARTIRDOVÍDEOREFLEXÕESAPARTIRDOVÍDEO
  • 14. Diversidade linguística no Ciclo de AlfabetizaçãoDiversidade linguística no Ciclo de Alfabetização Carlos Rubens de Souza Costa e Mariane Carvalho B. CavalcanteCarlos Rubens de Souza Costa e Mariane Carvalho B. Cavalcante O conto que lemos e o vídeo que assistimos incitam o debate sobre a questão da diversidade linguística em nossa sociedade. Vamos aprofundar essa discussão com a leitura das páginas 68-79 do Caderno 1: O texto evidencia que, apesar do Português ser a língua oficial do Brasil, não se pode negar a existência de várias línguas (indígenas, africanas, Libras). Portanto, podemos dizer que o Brasil é um país monolíngue? O texto evidencia que, apesar do Português ser a língua oficial do Brasil, não se pode negar a existência de várias línguas (indígenas, africanas, Libras). Portanto, podemos dizer que o Brasil é um país monolíngue?
  • 15. Reflexões a partir do textoReflexões a partir do texto Diversidade linguística noDiversidade linguística no Ciclo de AlfabetizaçãoCiclo de Alfabetização (Caderno 1, p. 68);(Caderno 1, p. 68);  Discussão do texto e de suas relações com aDiscussão do texto e de suas relações com a organização do currículo e da avaliação na perspectivaorganização do currículo e da avaliação na perspectiva da escola inclusiva;da escola inclusiva; Reflexões a partir do textoReflexões a partir do texto Diversidade linguística noDiversidade linguística no Ciclo de AlfabetizaçãoCiclo de Alfabetização (Caderno 1, p. 68);(Caderno 1, p. 68);  Discussão do texto e de suas relações com aDiscussão do texto e de suas relações com a organização do currículo e da avaliação na perspectivaorganização do currículo e da avaliação na perspectiva da escola inclusiva;da escola inclusiva;
  • 16. DIVERSIDADE LINGUÍSTICADIVERSIDADE LINGUÍSTICA Costa e Cavalcante (PNAIC, Caderno 1, 2015, p. 68) definem Diversidade Linguística como
  • 17. REFLEXÕESAPARTIRDOTEXTOREFLEXÕESAPARTIRDOTEXTO Conforme os autores, o Brasil é um país de grande diversidade linguística. Há no Brasil, cerca de dois milhões de brasileiros que não têm o Português como língua materna. Incluindo as línguas indígenas e a dos imigrantes, temos mais de duzentas línguas no país, além da Língua Brasileira de Sinais. No entanto, o número de pessoas que têm línguas maternas minoritárias constitui apenas 5% da população brasileira, deixando a impressão de que o Brasil é um país monolíngue (RODRIGUES, 2001).
  • 18. IMPORTANCIADAPRESERVAÇÃO [...] aspectos, cognitivo, cultural e das identidades coletivas, mostram-se como fortes argumentos para a preservação da diversidade linguística, e têm mobilizado reflexões e ações na sociedade brasileira, no sentido de garantir a todos o direito de se expressar em sua língua materna, de considerar a complexidade e a diversidade do potencial humano, de valorizar o aporte cultural de nosso país e de resistir as práticas homogeneizadoras e de dominação (p.72).
  • 19. Desse modo, mesmo considerando que grande parte da população brasileira utiliza o Português como língua materna, sendo este o idioma oficial do país, é necessário pensar nas diferenças linguísticas existentes no cenário brasileiro.
  • 20. Essas diferenças linguísticas trazem implicações para o currículo, em especial, no que diz respeito ao processo de alfabetização, uma vez que [...] explorar a diversidade linguística na escola é um desafio que precisamos enfrentar, e já estamos enfrentado. Propostas de letramento bilíngue (escolas indígenas e de imigração), bidialetal (as variedades linguísticas presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal (português brasileiro escrito e língua de sinais) precisam ser socializados para a promoção da melhoria da educação básica nos anos iniciais (p.79). Essas diferenças linguísticas trazem implicações para o currículo, em especial, no que diz respeito ao processo de alfabetização, uma vez que [...] explorar a diversidade linguística na escola é um desafio que precisamos enfrentar, e já estamos enfrentado. Propostas de letramento bilíngue (escolas indígenas e de imigração), bidialetal (as variedades linguísticas presentes em sala de aula) e bilíngue bimodal (português brasileiro escrito e língua de sinais) precisam ser socializados para a promoção da melhoria da educação básica nos anos iniciais (p.79). DIVERSIDADELINGUÍSTICAEDIVERSIDADELINGUÍSTICAE ALFABETIZAÇÃOALFABETIZAÇÃO
  • 21. De modo geral, essas propostas pedagógicas estão organizadas com base em três situações: a) Línguas maternas minoritárias: quando os alunos que são monolíngues não compreendem a LP ou quando os alunos são bilíngues insipientes, ou seja não falam mas compreendem a língua materna, ou alunos bilíngues ativos. MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula); ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar a língua materna dos alunos como objeto de estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna. MEDIDAS: Fazer da língua materna a língua de instrução oral e escrita (instrumento de interação na sala de aula); ter professor que utilize a mesma língua materna e tomar a língua materna dos alunos como objeto de estudo e reflexão, alfabetizando em língua materna.
  • 22. b) Língua Portuguesa: Mesmo em contextos em que os falantes usam línguas minoritárias, é necessário considerar o direito ao aprendizado da língua oficial, no caso, a Língua Portuguesa, para que possam estar em condições de intervir plenamente na vida econômica, política, jurídica e cultural do país. A Língua Portuguesa pode aparecer de duas maneiras:  como primeira língua (estudantes monolíngues em LP); como segunda língua (estudantes monolíngues em uma língua minoritária)
  • 23. c) Língua Brasileira de Sinais: É a língua materna minoritária das pessoas surdas e que, portanto, deve ser ensinada na escola. Como dificilmente o professor é surdo, é necessário a presença do intérprete em Libras. No AEE um efetivo ensino e acompanhamento em Libras, uma vez que muitos estudantes se apropriam da própria língua apenas na escola. LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002: Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras . Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados. LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002:LEI Nº 10.436, DE 24 DE ABRIL DE 2002: Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras . Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
  • 24. Além da grande diversidade de línguas usadas em seu território, o Brasil também se caracteriza por abrigar muitas variedades linguísticas. A variedade linguística expressa a cultura, os conhecimentos construídos e valorizados coletivamente e as características de diferentes grupos sociais e, podemos verificar esse efeito de transbordamento das diferentes culturas, também, por meio das diferentes manifestações artísticas e culturais como podemos verificar a seguir: Além da grande diversidade de línguas usadas em seu território, o Brasil também se caracteriza por abrigar muitas variedades linguísticas. A variedade linguística expressa a cultura, os conhecimentos construídos e valorizados coletivamente e as características de diferentes grupos sociais e, podemos verificar esse efeito de transbordamento das diferentes culturas, também, por meio das diferentes manifestações artísticas e culturais como podemos verificar a seguir:
  • 25. a) Que outras variedades linguísticasa) Que outras variedades linguísticas você consegue identificar na suavocê consegue identificar na sua escola?escola? b) Das que você conhece, qual delasb) Das que você conhece, qual delas você considera ser mais valorizadavocê considera ser mais valorizada socialmente?socialmente? c) Qual o papel da escola diante dac) Qual o papel da escola diante da variedade linguística?variedade linguística? PARAREFLETIR:PARAREFLETIR:
  • 26. Gontijo e Schwartz (2009) pontuam que por falta de conhecimentos sobre o funcionamento da linguagem costuma-se considerar algumas características da oralidade como formas “erradas” de se expressar e, que apenas a escrita convencional é considerada correta. Assim, tendo em vista um aprofundamento conceitual e prático sobre a temática da variedade linguística, vamos ao livro Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística de Marcos Bagno (2007).
  • 27. Com base nos estudos do campo da Sociolinguística, Bagno apresenta algumas razões para trazer o tema da variação linguística ao cenário pedagógico:  Ocorreram mudanças na concepção de ensino da língua e a variação linguística, como objeto de ensino, precisa acompanhar essas mudanças, uma vez que esse conhecimento é, por vezes, deixado a segundo plano ou tratado de modo superficial;  Com a democratização do acesso à Educação Básica no Brasil, ocorre uma transformação no perfil socioeconônimo e cultural da população que frequenta as escolas públicas;  Mudança também no perfil perfil socioeconônimo e cultural das professoras e professores. Com base nos estudos do campo da Sociolinguística, Bagno apresenta algumas razões para trazer o tema da variação linguística ao cenário pedagógico:  Ocorreram mudanças na concepção de ensino da língua e a variação linguística, como objeto de ensino, precisa acompanhar essas mudanças, uma vez que esse conhecimento é, por vezes, deixado a segundo plano ou tratado de modo superficial;  Com a democratização do acesso à Educação Básica no Brasil, ocorre uma transformação no perfil socioeconônimo e cultural da população que frequenta as escolas públicas;  Mudança também no perfil perfil socioeconônimo e cultural das professoras e professores. Porquetratardavariaçãolinguística?Porquetratardavariaçãolinguística?
  • 28. De acordo com o autor, “[...] não existe problema algum no fato da escola passar a ser ocupada por falantes do genuíno vernáculo brasileiro e não mais por defensores de um padrão obsoleto inspirado na norma de Portugal, apegados a um modelo rançoso de língua literária que nossos melhores escritores e escritoras têm abandonado nos últimos 100 anos. O problema verdadeiro é não oferecer para as professoras [e professores] uma formação que permita que elas [eles] lidem adequadamente com uma série de questões que, inevitavelmente, surgem no dia a dia da sala de aula” (BAGNO, 2007, p. 33). De acordo com o autor, “[...] não existe problema algum no fato da escola passar a ser ocupada por falantes do genuíno vernáculo brasileiro e não mais por defensores de um padrão obsoleto inspirado na norma de Portugal, apegados a um modelo rançoso de língua literária que nossos melhores escritores e escritoras têm abandonado nos últimos 100 anos. O problema verdadeiro é não oferecer para as professoras [e professores] uma formação que permita que elas [eles] lidem adequadamente com uma série de questões que, inevitavelmente, surgem no dia a dia da sala de aula” (BAGNO, 2007, p. 33).
  • 29. Fatores extralinguísticosFatores extralinguísticosFatores extralinguísticosFatores extralinguísticos Origem geográfica:Origem geográfica: a fala característica de diferentes regiões brasileiras, estados, zona rural ou urbana. Origem geográfica:Origem geográfica: a fala característica de diferentes regiões brasileiras, estados, zona rural ou urbana. Status socioeconômico:Status socioeconômico: nível de rendaStatus socioeconômico:Status socioeconômico: nível de renda Grau de escolarização:Grau de escolarização: ligado aos usos da escrita, práticas de leitura e outras práticas culturais Grau de escolarização:Grau de escolarização: ligado aos usos da escrita, práticas de leitura e outras práticas culturais
  • 30. Idade: modo de falar dos adolescentes, adultos e jovens podem ser diferente. Idade: modo de falar dos adolescentes, adultos e jovens podem ser diferente. Sexo: há situações em que homens e mulheres fazem usos diferenciados dos recursos que a língua oferece. Sexo: há situações em que homens e mulheres fazem usos diferenciados dos recursos que a língua oferece. Mercado de trabalho: vínculo com determinadas profissões e ofícios Mercado de trabalho: vínculo com determinadas profissões e ofícios
  • 31. Existem três respostas possíveis a esse questionamento: a) Desconsiderar as contribuições da ciência linguística e levar adiante a noção de erro, insistindo no ensino da gramática normativa e da lingua-padrão como a única forma certa de uso da lingua; b)Aceitar as contribuições da ciência linguística e desprezar totalmente a antiga noção de erro, substituindo-o pelos conceitos de variação e mudança; c) Reconhecer que a escola é o lugar de interseção entre o saber científico e o senso comum, reconhecendo que não existe “erro”, mas fenômeno linguístico passível de ser explicado , compreendido e mediado no processo formativo dos estudantes. Existem três respostas possíveis a esse questionamento: a) Desconsiderar as contribuições da ciência linguística e levar adiante a noção de erro, insistindo no ensino da gramática normativa e da lingua-padrão como a única forma certa de uso da lingua; b)Aceitar as contribuições da ciência linguística e desprezar totalmente a antiga noção de erro, substituindo-o pelos conceitos de variação e mudança; c) Reconhecer que a escola é o lugar de interseção entre o saber científico e o senso comum, reconhecendo que não existe “erro”, mas fenômeno linguístico passível de ser explicado , compreendido e mediado no processo formativo dos estudantes. Oquefazernaescola?Oquefazernaescola?
  • 32. Se um dos objetivos da alfabetização é garantir que as crianças façam uso de textos orais e escritos em diversas situações sociais, é preciso que a escola fique aberta a pluralidade de discursos existentes na sociedade. [...] Dessa maneira, como disse Lemle (1989), estigmatizamos aqueles que: trocam na fala o L pelo R como na palavra planeta/praneta, não pronunciam o som i nas palavras como salário/ salaro etc. Porém, conforme a autora, “[...] é uma falha profissional compartilhar desses preconceitos e dar mostras de assumir essa maneira de valorizar e desvalorizar as características das falas das pessoas (GONTIJO; SCHWARTZ, 2009, p. 68).
  • 33. BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística.São Paulo: Parábola Editorial, 2007. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. 10. ed. São Paulo: Scipione, 2007. GARCIA, Marcus Vinícius Carvalho. A diversidade linguística como patrimônio cultural. In: BRASIL, Instituto de pesquisa econômica aplicada. Revista: Desafios do desenvolvimento. 2014 . Ano 10 . Edição 80 - 23/06/2014 GONTIJO, Claudia Maria Mendes; SCHWARTZ, Cleonara Maria. Alfabetização teoria e prática. Curitiba, PR: Sol, 2009. BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade: as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica e o Ciclo de Alfabetização: Caderno 1 . Brasília: MEC, SEB, 2015. PROJETO BURITI (Obra coletiva). Português 3º ano . Editora Moderna: São Paulo, 2011. BAGNO, Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da variação linguística.São Paulo: Parábola Editorial, 2007. CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. 10. ed. São Paulo: Scipione, 2007. GARCIA, Marcus Vinícius Carvalho. A diversidade linguística como patrimônio cultural. In: BRASIL, Instituto de pesquisa econômica aplicada. Revista: Desafios do desenvolvimento. 2014 . Ano 10 . Edição 80 - 23/06/2014 GONTIJO, Claudia Maria Mendes; SCHWARTZ, Cleonara Maria. Alfabetização teoria e prática. Curitiba, PR: Sol, 2009. BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade: as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica e o Ciclo de Alfabetização: Caderno 1 . Brasília: MEC, SEB, 2015. PROJETO BURITI (Obra coletiva). Português 3º ano . Editora Moderna: São Paulo, 2011. REFERÊNCIASREFERÊNCIAS

Notas do Editor

  1. Destacar que na formação 2015, trabalharemos os Cadernos 1, 2 e 3, e que alguns textos de outros cadernos serão utilizados.
  2. Destacar que na formação 2015, trabalharemos os Cadernos 1, 2 e 3, e que alguns textos de outros cadernos serão utilizados.
  3. NESSE MOMENTO, PROPOR A LEITURA EM DUPLAS DAS PÁGINAS INDICADAS. SUGERIR QUE TENTEM REPONDER A QUESTÃO COLOCADA, COM BASE NO TEXTO LIDO PARA APROFUNDARMOS AS DISCUSSÕES APÓS O ALMOÇO.
  4. A sociolinguistica surgiu nos Estados Unidos, em meados dos anos 1960, quando observou-se que não era possível estudar a língua sem levar em conta a sociedade em que é falada. As mudanças conceituais de que fala o autor começam a surgir na década de 90 com os PCNS se ampliam/aprofundam com os estudos nos campos da epilinguagem, intertextualidade, discursividade, etc...