SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
O Que é Isso?
a) Ausência de políticas
 lingüísticas;

b) Implantação de turmas de 5ª a
 8ª Séries e ensino médio nas
 escolas indígenas.(VI ELESI – 15º
 COLE )
o uso equilibrado de duas línguas, em todos
 os domínios, sem interferência de uma
 língua na outra;
o controle de duas línguas tal como tem o
 falante nativo dessas línguas;
habilidade de uma pessoa de usar duas
 línguas como meio de comunicação na
 maior parte das situações e de mudar de
 uma língua pra outra se necessário. (Maher,
 2005)
fenômeno multidimencional;
capacidade fazer uso de mais de uma
 língua. (Maher, 2005)
a escola indígena, desde que não
 sendo monolíngue e faça uso de duas
 línguas – a indígena e a portuguesa –
 é bilíngue e possui alunos com
 diferentes níveis de proficiência em
 língua indígena e em língua
 portuguesa.
se o ensino bilíngue das escolas
 indígenas tem contribuído ou não
 para o fortalecimento e
 manutenção das línguas
 indígenas?
O terceiro período da história da
 educação escolar indígena no Brasil
 (D’Angelis, 2005) é o do “Ensino
 Bilíngue” que vai dos anos 1970 até o
 século 21, cuja primeira fase
 caracteriza-se pela presença
 hegemônica da FUNAI, do SIL com a
 “educação bilíngue de transição”.
a) "Bilinguismo de Transição” onde a língua
 minoritária é usada apenas inicialmente para
 depois ser completamente substituída pela
 língua majoritária;
b) "Bilinguismo de Manutenção ou de
 Resistência", onde a língua minoritária é
 estimulada e empregada efetivamente em todo
 o ensino escolar;
c) "Bilinguismo de Imersão", onde o convívio
 total com a língua majoritária (ou a língua
 alvo) leva ao desuso da língua minoritária.
 (D’Angelis, 2001)
Adotar medidas planejadas para revigorar,
 fortalecer, dinamizar e atualizar a lingua
 indígena para que ela possa fazer frente à força
 da lingua portuguesa:
1) pela ocupação de espaços ainda não
 ocupados pela leitura e escrita em Português;
2) pela tomada de "lugares" hoje ocupados pela
 escrita do Português para a escrita em língua
 indígena;
3) pela tomada ou criação de lugares "nobres"
 de veiculação da língua indígena falada.
 (D’Angelis, 2001)

Carências profissionais dos professores;
Estado de atrofia e empobrecimento das
 línguas vernáculas;
Atitudes desfavoráveis das comunidades;
Dificuldades institucionais e
 burocráticas dos projetos;
Corte temporal mais amplo da EBI;
Problemas gerais dos sistemas
 educativos nacionais. (Chiodi, 1993)
Métodos bilingues eficazes e
 criativos (pedagógica);

Compromisso com a promoção e
 revitalização das línguas e culturas
 indígenas (político-cultural).
Política de formação de professores bilingues;
Planejamento linguístico que conduza à atualização e
 modernização das línguas indígenas;
Planificação de corpus de línguas indígenas como condição
 prévia e indissociável para que possam atuar no plano
 escolar;
Falta de estandardização (alfabeto, normas ortográficas,
 normalização de léxico supradialetal)
Linguagem pedagógica;
Tratamento dos empréstimos, correção do processo de
 sobreposição e mistura L1 e L2 a nível morfossintático
 (Chiodi, 1993)
Planificando o corpus e o status da língua
 (Monserrat, 2001)
Se a escola sozinha, não consegue, infelizmente,
 reverter tendências sociolingüísticas (Maher,
 2005), o que a escola tem feito com o corpus e com
 o status da língua indígena? De que bilinguismo
 falamos?
A Linguística sozinha não dá conta de responder
 aos desafios do bilinguismo. Para alguns deles, a
 Pedagogia pode ajudar. Para outros, nem a escola
 ajuda muito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Educação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade MidiáticaEducação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade Midiática
AlexandreMagnum
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
1ª aula de redação 9° ano 2015
1ª aula de redação 9° ano 20151ª aula de redação 9° ano 2015
1ª aula de redação 9° ano 2015
Vania Valva
 
1 variedades linguisticas[1]
1  variedades linguisticas[1]1  variedades linguisticas[1]
1 variedades linguisticas[1]
Sadrak Silva
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
Atitude Digital
 

Mais procurados (20)

Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
Plano de Ensino de Filosofia - Ensino Médio - 3º ano
 
Educação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade MidiáticaEducação e Sociedadade Midiática
Educação e Sociedadade Midiática
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Enem aulao
Enem aulaoEnem aulao
Enem aulao
 
fake news no cotidiano escolar
fake news no cotidiano escolarfake news no cotidiano escolar
fake news no cotidiano escolar
 
"Amor Líquido" nas Músicas Contemporâneas.
"Amor Líquido" nas Músicas Contemporâneas."Amor Líquido" nas Músicas Contemporâneas.
"Amor Líquido" nas Músicas Contemporâneas.
 
Texto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-VerbalTexto Verbal e Não-Verbal
Texto Verbal e Não-Verbal
 
O Uso da Linguagem Neutra de Gênero na Prática
O Uso da Linguagem Neutra de Gênero na PráticaO Uso da Linguagem Neutra de Gênero na Prática
O Uso da Linguagem Neutra de Gênero na Prática
 
O que é podcast?
O que é podcast?O que é podcast?
O que é podcast?
 
Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?Pos verdade: e a informação?
Pos verdade: e a informação?
 
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticPower point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 tic
 
1ª aula de redação 9° ano 2015
1ª aula de redação 9° ano 20151ª aula de redação 9° ano 2015
1ª aula de redação 9° ano 2015
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
1 variedades linguisticas[1]
1  variedades linguisticas[1]1  variedades linguisticas[1]
1 variedades linguisticas[1]
 
Linguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação ILinguagem e comunicação I
Linguagem e comunicação I
 
Descritores spaece - língua portuguesa
Descritores   spaece - língua portuguesaDescritores   spaece - língua portuguesa
Descritores spaece - língua portuguesa
 
Teclas de atalho
Teclas de atalhoTeclas de atalho
Teclas de atalho
 
Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianasO banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
O banner como gênero discursivo uma leitura a luz das teorias bakhtinianas
 
Informática na educação infantil
Informática na educação infantilInformática na educação infantil
Informática na educação infantil
 

Destaque

5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 

Destaque (20)

Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
Os movimentos e as políticas educacionais: Por uma inclusão educacional bi…
 
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue? Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
Quem será o modelo da Educação Bilíngue?
 
Apresentação das escolas selecionadas no seminário
Apresentação das escolas selecionadas no seminárioApresentação das escolas selecionadas no seminário
Apresentação das escolas selecionadas no seminário
 
4.12.20123 Apresentação de Abertura sobre a TV INES por Joana Peregrino (ACERP)
4.12.20123 Apresentação de Abertura sobre a TV INES por  Joana Peregrino (ACERP)4.12.20123 Apresentação de Abertura sobre a TV INES por  Joana Peregrino (ACERP)
4.12.20123 Apresentação de Abertura sobre a TV INES por Joana Peregrino (ACERP)
 
Apresentação IHA Planejamento 2012
Apresentação IHA Planejamento 2012Apresentação IHA Planejamento 2012
Apresentação IHA Planejamento 2012
 
Planejamento IHA 2011
Planejamento IHA 2011Planejamento IHA 2011
Planejamento IHA 2011
 
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
5.12.2013 "Oficina Poesia Surda - Entre dois Mundos: O processo de criação do...
 
Sobre o IHA
Sobre o IHASobre o IHA
Sobre o IHA
 
Educação de Surdos Indígenas e Não-Indígenas
Educação de Surdos Indígenas e Não-IndígenasEducação de Surdos Indígenas e Não-Indígenas
Educação de Surdos Indígenas e Não-Indígenas
 
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
Apresentação vi congresso brasileiro de educação multidisciplinar 2011
 
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
Convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência por Luis Fernando Ast...
 
Políticas públicas IHA Capacitação 2011
Políticas públicas IHA Capacitação 2011Políticas públicas IHA Capacitação 2011
Políticas públicas IHA Capacitação 2011
 
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
Breve histórico dos usos de terminologias integração, inclusão, pessoas com d...
 
Apresentação de objetivos, metas, estratégias e projetos IHA
Apresentação de objetivos, metas, estratégias e projetos IHAApresentação de objetivos, metas, estratégias e projetos IHA
Apresentação de objetivos, metas, estratégias e projetos IHA
 
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
Ensino de português para surdos: O que a linguística aplicada tem a nos ensinar?
 
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidadeSlides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
 
Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
4.12.2013 Oficina Literatura surda: o sumiço de Laurinha por Laura Jane (IHA ...
4.12.2013 Oficina Literatura surda: o sumiço de Laurinha por Laura Jane (IHA ...4.12.2013 Oficina Literatura surda: o sumiço de Laurinha por Laura Jane (IHA ...
4.12.2013 Oficina Literatura surda: o sumiço de Laurinha por Laura Jane (IHA ...
 
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
 
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
4.12.2013 Oficina Linguagem Digital: "Olhar de Surdo pela Arte, ciência e míd...
 

Semelhante a De que bilinguismo falamos na formação de professores?

Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
Jefferson Ferreira
 
Jose antonio ( para resumo)
Jose antonio ( para resumo)Jose antonio ( para resumo)
Jose antonio ( para resumo)
José Antônio
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Ana Paula Santos
 

Semelhante a De que bilinguismo falamos na formação de professores? (20)

3 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 20153 encontro - Pnaic 2015
3 encontro - Pnaic 2015
 
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
Língua estrangeira na escola pública – é possível ensiná la...
 
Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
Doc orador c_12474_k-comissao-permanente-ce-20131105_ext059_parte2715_resulta...
 
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptxSlides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
Slides_-_Bilinguiiiiiiismo_e_Libras.pptx
 
O Português São Dois
O Português São DoisO Português São Dois
O Português São Dois
 
Texto linguistica
Texto linguisticaTexto linguistica
Texto linguistica
 
Jose antonio ( para resumo)
Jose antonio ( para resumo)Jose antonio ( para resumo)
Jose antonio ( para resumo)
 
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTEAS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
AS VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRÁTICA DOCENTE
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
 
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.pptAula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
Aula 2_Didática e Educação de Surdos.ppt
 
Didática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).pptDidática e Educação de Surdos (1).ppt
Didática e Educação de Surdos (1).ppt
 
Educação Escolar Indígena
Educação Escolar IndígenaEducação Escolar Indígena
Educação Escolar Indígena
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
 
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
Pnaic 30 de julho matutino e vespertino atual (1)
 
The communicative aprouch
The communicative aprouchThe communicative aprouch
The communicative aprouch
 
Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)Sociedade, ideologia e língua(s)
Sociedade, ideologia e língua(s)
 
23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt23-03-2020_16_33_51_.ppt
23-03-2020_16_33_51_.ppt
 
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)Textos de apoio linguagem comunicação (2)
Textos de apoio linguagem comunicação (2)
 
Linguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infanciaLinguagem comunicacao jardim_infancia
Linguagem comunicacao jardim_infancia
 
Tipos de linguagens
Tipos de linguagensTipos de linguagens
Tipos de linguagens
 

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda

Mais de Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda (20)

Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surdaFrancielle Cantarelli - Pedagogia surda
Francielle Cantarelli - Pedagogia surda
 
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em LibrasSueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
Sueli Fernandes - Educação bilíngue e cultura letrada em Libras
 
Janie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestraJanie Amaral - Slides da palestra
Janie Amaral - Slides da palestra
 
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitosPADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
PADEBS PPGEB Síntese Texto 1 Taveira e Rosado 2013 conceitos
 
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
Conto de historias - Comunicação para o COINES 2019
 
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
Apresentação Senac - Dia do Surdo 26/09/2019
 
Aula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INESAula de alfabetismo visual INES
Aula de alfabetismo visual INES
 
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
Apresentação COINES 2017 (Cristiane Taveira e Alexandre Rosado)
 
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeoSlides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
Slides do Módulo 3 sobre Roteiro e Edição de vídeo
 
O professor e as tecnologias
O professor e as tecnologiasO professor e as tecnologias
O professor e as tecnologias
 
Políticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologiasPolíticas públicas e novas tecnologias
Políticas públicas e novas tecnologias
 
Mídia-educação
Mídia-educaçãoMídia-educação
Mídia-educação
 
Educação aberta
Educação abertaEducação aberta
Educação aberta
 
Cultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideárioCultura hacker: origem e ideário
Cultura hacker: origem e ideário
 
Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"Filme "Piratas do vale do silício"
Filme "Piratas do vale do silício"
 
Futuros imaginários
Futuros imagináriosFuturos imaginários
Futuros imaginários
 
Introdução à disciplina
Introdução à disciplinaIntrodução à disciplina
Introdução à disciplina
 
A cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leisA cibercultura e suas leis
A cibercultura e suas leis
 
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digitalLetramentos? A oralidade, a escrita e o digital
Letramentos? A oralidade, a escrita e o digital
 
As tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fasesAs tecnologias e suas fases
As tecnologias e suas fases
 

De que bilinguismo falamos na formação de professores?

  • 1.
  • 2. O Que é Isso?
  • 3. a) Ausência de políticas lingüísticas; b) Implantação de turmas de 5ª a 8ª Séries e ensino médio nas escolas indígenas.(VI ELESI – 15º COLE )
  • 4. o uso equilibrado de duas línguas, em todos os domínios, sem interferência de uma língua na outra; o controle de duas línguas tal como tem o falante nativo dessas línguas; habilidade de uma pessoa de usar duas línguas como meio de comunicação na maior parte das situações e de mudar de uma língua pra outra se necessário. (Maher, 2005)
  • 5. fenômeno multidimencional; capacidade fazer uso de mais de uma língua. (Maher, 2005) a escola indígena, desde que não sendo monolíngue e faça uso de duas línguas – a indígena e a portuguesa – é bilíngue e possui alunos com diferentes níveis de proficiência em língua indígena e em língua portuguesa.
  • 6. se o ensino bilíngue das escolas indígenas tem contribuído ou não para o fortalecimento e manutenção das línguas indígenas?
  • 7. O terceiro período da história da educação escolar indígena no Brasil (D’Angelis, 2005) é o do “Ensino Bilíngue” que vai dos anos 1970 até o século 21, cuja primeira fase caracteriza-se pela presença hegemônica da FUNAI, do SIL com a “educação bilíngue de transição”.
  • 8. a) "Bilinguismo de Transição” onde a língua minoritária é usada apenas inicialmente para depois ser completamente substituída pela língua majoritária; b) "Bilinguismo de Manutenção ou de Resistência", onde a língua minoritária é estimulada e empregada efetivamente em todo o ensino escolar; c) "Bilinguismo de Imersão", onde o convívio total com a língua majoritária (ou a língua alvo) leva ao desuso da língua minoritária. (D’Angelis, 2001)
  • 9. Adotar medidas planejadas para revigorar, fortalecer, dinamizar e atualizar a lingua indígena para que ela possa fazer frente à força da lingua portuguesa: 1) pela ocupação de espaços ainda não ocupados pela leitura e escrita em Português; 2) pela tomada de "lugares" hoje ocupados pela escrita do Português para a escrita em língua indígena; 3) pela tomada ou criação de lugares "nobres" de veiculação da língua indígena falada. (D’Angelis, 2001) 
  • 10. Carências profissionais dos professores; Estado de atrofia e empobrecimento das línguas vernáculas; Atitudes desfavoráveis das comunidades; Dificuldades institucionais e burocráticas dos projetos; Corte temporal mais amplo da EBI; Problemas gerais dos sistemas educativos nacionais. (Chiodi, 1993)
  • 11. Métodos bilingues eficazes e criativos (pedagógica); Compromisso com a promoção e revitalização das línguas e culturas indígenas (político-cultural).
  • 12. Política de formação de professores bilingues; Planejamento linguístico que conduza à atualização e modernização das línguas indígenas; Planificação de corpus de línguas indígenas como condição prévia e indissociável para que possam atuar no plano escolar; Falta de estandardização (alfabeto, normas ortográficas, normalização de léxico supradialetal) Linguagem pedagógica; Tratamento dos empréstimos, correção do processo de sobreposição e mistura L1 e L2 a nível morfossintático (Chiodi, 1993)
  • 13. Planificando o corpus e o status da língua (Monserrat, 2001) Se a escola sozinha, não consegue, infelizmente, reverter tendências sociolingüísticas (Maher, 2005), o que a escola tem feito com o corpus e com o status da língua indígena? De que bilinguismo falamos? A Linguística sozinha não dá conta de responder aos desafios do bilinguismo. Para alguns deles, a Pedagogia pode ajudar. Para outros, nem a escola ajuda muito.