SlideShare uma empresa Scribd logo

Simulado manejo de plantas daninhas

Banco de questões para estudar para a prova de plantas daninhas.

1 de 22
Baixar para ler offline
SIMULADO MANEJO DE PLANTAS DANINHAS
01. (Secretaria De Desenvolvimento Agrário (SDA) Ceará/ 2013). Em relação às
plantas daninhas (infestantes ou invasoras), sabe-se que estas podem ser classificadas
em dois grupos, as de folha larga e as de folha estreita. Assinale a alternativa que
contempla uma destas, pertencentes ao grupo de folha estreita.
a) Beldroega.
b) Tiririca.
c) Fedegoso.
d) Picão preto.
02. As plantas daninhas podem prejudicar as plantas cultivadas por:
I. Competirem por água, luz e nutrientes.
II. Inibirem o crescimento, por meio da alelopatia.
III. Hospedarem pragas e doenças.
Logo, verifica-se que
a) apenas a I está correta.
b) apenas a II está correta.
c) apenas a III está correta.
d) todas estão corretas.
03. Dadas as assertivas sobre a planta daninha, pode ser considerada:
I. Plantas tóxica ou venenosa a seres humanos ou animais herbívoros.
II. Qualquer vegetal que cresce onde não é desejado.
III. Qualquer vegetal que absorve os nutrientes de que precisa de outro vegetal.
Verifica-se que:
a) apenas a I está correta.
b) apenas a II está correta.
c) apenas a III está correta.
d) todas estão corretas.
04. A interferência das plantas daninhas sobre o desenvolvimento e produção das
plantas cultivadas, através do fenômeno chamado alelopatia, caracteriza-se por um
efeito:
a) físico, de impedimento da germinação das sementes das plantas cultivadas através da
luz;
b) de associação dos efeitos físicos e químicos;
c) biológico, de microorganismos predadores das plântulas durante seu
desenvolvimento inicial;
d) químico, pela liberação de compostos orgânicos no ambiente a partir de uma planta
doadora para uma planta receptora;
e) de associação dos efeitos biológicos e físicos.
05. O grau de interferência que a infestação de plantas daninhas exerce sobre a
produção das culturas, quando em convivência é afetado por fatores ligados à cultura e
às plantas daninhas, entre outros, destacando-se dentre os fatores ligados à planta
daninha a espécie, densidade e sua distribuição. Com relação ao período de convivência
é correto afirmar que:
a) apenas as plantas daninhas que emergem ao mesmo tempo das plantas cultivadas
interferem na cultura;
b) as plantas daninhas que emergem durante as fases iniciais do ciclo fenológico de
desenvolvimento das plantas cultivadas exercem maior interferência sobre a cultura;
c) as plantas daninhas que emergem durante as fases finais do ciclo da cultura exercem
maior interferência sobre a cultura;
d) as plantas daninhas que emergem durante as fases do ciclo da cultura exercem
igualmente interferência sobre a cultura;
e) o grau de interferência das plantas daninhas sobre as culturas independe das
condições climáticas.
06. Sobre a dinâmica de populações é possível afirmar que:
I - espécies invasoras com um alto nível de injúria econômica (NIE) são as mais
prejudiciais, pois provocam grandes reduções de rendimento;
II - é difícil de estabelecer o NIE, já que ele refere-se a uma única espécie infestando
uma cultura, em uma determinada época, e em certas condições ambientais;
III - métodos culturais e biológicos de controle são mais adequados para espécies
invasoras com baixo NIE.
a) Somente a afirmação I está correta;
b) Somente a afirmação II está correta;
c) Somente a afirmação III está correta;
d) Somente a I e a II estão corretas;
e) Somente a I e a III estão corretas.
07. Em função do tempo e do método de manejo, as populações de plantas daninhas
variam de forma mais rápida sob condições tropicais e, menos rápida, sob condições de
clima temperado, dentro de uma mesma área. Associados a esses fatores (tempo e
métodos de manejo), outros estão envolvidos na capacidade e velocidade de mudança
da flora. De acordo com o texto, analise os itens abaixo:
I. Uma característica bastante curiosa das espécies de plantas daninhas é a capacidade
de germinação escalonada, tanto em termos anuais, como dentro de uma mesma estação
no ano.
II. Banco de sementes no solo pode ser definido como o número de sementes viáveis
por metro quadrado de uma espécie também dita a dinâmica de população. Esses
números apresentam variações enormes e são influenciados por características de solo,
da espécie, do clima, do manejo, etc.
III. Dormência e banco de sementes, juntos, determinam a dinâmica de população de
plantas daninhas.
IV. Alelopatia é outro fator muito importante, que contribui sobremaneira para a
dinâmica de população de plantas daninhas.
Assinale a alternativa correta:
a) Estão corretos apenas os itens I e III;
b) Estão corretos apenas os itens I, III, e IV;
c) Estão corretos os itens I, II, III e IV;
d) Estão corretos apenas os itens III e IV;
e) Estão corretos apenas os itens I, II e III.
08. (ENADE – AGRONOMIA/ 2000). Duas ou mais plantas competem entre si quando
pelo menos uma delas apresenta redução no crescimento ou modificações no padrão de
desenvolvimento, em comparação com plantas que vegetam isoladas, por ação de uma
planta em relação à outra. Um exemplo típico dessa competição ocorre devido à
presença de plantas daninhas na área cultivada. A esse respeito é correto afirmar que:
a) a utilização de sementes melhoradas, a escolha de cultivares com desenvolvimento
rápido e a época de semeadura pouco contribuem para atenuar o problema.
b) o uso crescente de herbicidas no Brasil está associado à sua eficiência, à redução dos
gastos com mão-de-obra e ao controle seletivo de plantas daninhas.
c) o cultivo manual apresenta vantagens significativas para a maioria das espécies
cultivadas, independentemente da região agrícola do País e do nível de infestação de
plantas daninhas.
d) o cultivo mecânico profundo favorece o desenvolvimento do sistema radicular,
principalmente quando este é superficial, além de promover a escarificação do solo.
e) o cultivo mecânico tem se revelado mais eficiente quando as culturas são instaladas
por semeadura a lanço
09. (PREFEITURA MUNICIPAL DE BANDEIRANTES – Agronomia/ 2007). O grau
de interferência negativa (competição) que a infestação de plantas daninhas exerce
sobre a produção das culturas, quando em convivência, é afetado por fatores ligados à
cultura e à planta daninha, destacando-se dentre os fatores ligados à planta daninha:
espécie, densidade, distribuição e duração da convivência (período de competição).
Com relação ao período de competição, é correto afirmar que:
a) apenas as plantas daninhas que emergem ao mesmo tempo das plantas cultivadas
competem com a cultura.
b) as plantas daninhas que emergem durante as fases iniciais do ciclo fenológico de
desenvolvimento das plantas cultivadas exercem maior competição com a cultura.
c) as plantas daninhas que emergem durante as fases finais do ciclo fenológico de
desenvolvimento da cultura exercem maior competição com a cultura.
d) as plantas daninhas que emergem durante as fases do ciclo fenológico de
desenvolvimento das plantas cultivadas exercem igualmente competição com a cultura.
e) o grau de competição entre plantas daninhas e a cultura independe das condições
climáticas.
10. (SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE –
Engenheiro Agrônomo/ 2013). Entre os principais problemas que ocorrem na cultura do
feijoeiro estão plantas daninhas que causam diversos prejuízos.
A competição exercida afeta diretamente o custo de produção, face aos prejuízos
provocados pela competição. A esse respeito, assinale a afirmativa correta:
a) O agricultor deve esperar o mato se desenvolver para iniciar o cultivo correto e assim,
eliminar as plantas daninhas.
b) A medida correta é o espaçamento adequado entre linhas, o que promove o rápido
fechamento entre linhas, diminuindo a incidência de luz nas plantas daninhas.
c) A rotação de culturas é o método mais eficiente a ser utilizado no controle das plantas
daninhas.
d) A adubação verde é o método natural mais eficiente a ser utilizado no controle das
plantas daninhas.
e) O plantio de outra leguminosa, na rotação de culturas, é essencial para o sucesso da
cultura do feijoeiro.
11. O controle de plantas daninhas é uma das principais medidas de manejo adotada na
maioria das culturas. Isso porque sua presença pode implicar em diversos problemas na
agricultura. Dentre os principais impactos negativos causados pelas plantas daninhas, o
que é incorreto afirmar:
a) As plantas daninhas reduzem a produção da lavoura pelo fato de competirem por
luz, água e nutrientes com as culturas.
b) As plantas daninhas podem prejudicar a colheita mecanizada em algumas situações.
c) As plantas daninhas podem ser hospedeiras de pragas e patógenos, que afetam as
culturas.
d) As plantas daninhas são de difícil controle, por apresentarem baixo grau de adaptação
a diferentes condições de ambiente.
e) As plantas daninhas causam a desvalorização da terra em alguns casos.
12. (ENADE – AGRONOMIA/ 2003). Nos programas de manejo integrado de plantas
daninhas na agricultura, normalmente destaca-se que a identificação e levantamento da
infestação dessas plantas em uma área constituem a etapa inicial para a elaboração
desses programas. Dessa forma, destaque a essencialidade dessa etapa e como deveria
ser feito este levantamento em condições de campo, caso necessária.
a) É necessária e deve ser avaliada quantitativa e qualitativamente através de
amostragens representativas da área e podem ser avaliadas através de contagem das
plantas ou visualmente pela cobertura do solo;
b) É necessária, porém a representatividade da área é obtida através de um
sensoriamento da infestação de plantas daninhas em toda a área;
c) E condição de campo não é possível fazer este levantamento de forma confiável,
devendo basear-se apenas em informações do histórico da área;
d) Não é necessário fazer um levantamento, pois os padrões de futuras infestações de
plantas daninhas não se correlacionam com as infestações atuais;
e) No manejo integrado de plantas daninhas, quando usada a alternativa do controle
químico, não é necessário o levantamento da infestação de plantas daninhas, pois as
combinações de herbicidas controlam a maioria delas.
13. (ENADE – AGRONOMIA/ 2003). Sob o ponto de vista ecológico, a ocorrência da
vegetação espontânea (plantas daninhas) nas culturas agrícolas é o resultado da
aceleração do processo de sucessão secundária por espécies oportunistas em habitats
perturbados pelas práticas de manejo. Embora interferindo na produção agrícola, a
vegetação espontânea pode desempenhar funções ecológicas importantes e, dessa
forma, o seu manejo, em contraste com a erradicação completa, pode contribuir para a
busca da agricultura sustentável. Uma prática de manejo ambiental da vegetação
espontânea deve considerar que:
a) o plantio de culturas de sombreamento ou de cobertura de solo aumenta o poder de
competição com a cultura em relação à vegetação espontânea;
b) o controle com herbicidas específicos garante a permanência das espécies desejáveis,
pois não ocorre a substituição por espécies mais resistentes ao produto aplicado;
c) a aração do solo reduz o crescimento da vegetação espontânea e inibe sua capacidade
de ocupar espaço;
d) o favorecimento da ocorrência da vegetação espontânea pode intensificar o ataque de
pragas e patógenos às plantas cultivadas e diminuir a população de alguns insetos
benéficos;
e) em solos de baixa fertilidade a competição da vegetação espontânea é menos eficaz
em reduzir a população agrícola do que em solos mais férteis.
14. Na agricultura orgânica, as ervas pioneiras que ocorrem no terreno não são
consideradas daninhas, porém invasoras. Elas podem ser manejadas para que protejam o
solo contra erosão e excesso de erosão e não afetem o crescimento das plantas
comerciais. De acordo com o enunciado, marque V para as afirmativas verdadeiras e F
para as falsas:
( ) Mudanças na época de plantio, fazendo a semeadura mais cedo, para promover a
germinação da cultura antes das invasoras é uma medida de controle eficaz para
controlar plantas invasoras.
( ) Erradicar ou roçar as ervas invasoras antes que elas produzam sementes.
( ) Em áreas pequenas, a erradicação manual é a prática mais eficaz para o controle de
ervas invasoras.
( ) O capim marmelada quando roçado e coberto com a palha, tem um controle eficaz.
( ) A cobertura plástica na área com material inerte é um procedimento aceito e tolerado
pela agricultura orgânica.
A seqüência está correta em:
a) V, V, F, F, V
b) F, F, F, F, F
c) F, F, F, V, V
d) V, V, V, V, V
e) V, F, V, F, F
15. O arroz-vermelho é a principal erva daninha de nossa orizicultura.
É uma planta anual, pertencente à família Gramineae, espécie:
a) Leersia hexandra.
b) Sorghum halepense.
c) Orizophagus oryzae.
d) Oryza sativa.
e) Oebalus poecilus.
16. (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAUCAIA CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO
AGRÍCOLA – EDITAL 001/2009) Com relação às plantas daninhas, é CORRETO
afirmar que:
I. As espécies daninhas podem germinar, crescer, desenvolver-se e reproduzir em
condições ambientais pouco favoráveis, como em estresse hídrico, umidade excessiva,
temperaturas pouco propícias, fertilidade desfavorável, elevada salinidade, acidez ou
alcalinidade.
II. Se as condições edafoclimáticas são propícias à lavoura, o são também para as
espécies daninhas, mas, se as condições ambientais são antagônicas às espécies
cultivadas, as espécies daninhas, por apresentarem elevado grau de adaptação, podem aí
sobreviver e se perpetuar muito mais facilmente.
III. As plantas daninhas reduzem a produção das lavouras e aumentam seus custos de
produção, mas podem, também, causar problemas de ordem social afetando a saúde, as
residências, as áreas de recreação e a manutenção de áreas não cultivadas.
IV. Denomina-se período crítico de competição o período no qual a presença de plantas
daninhas reduz expressivamente o rendimento das plantas cultivadas.
Assinale a opção em que estão CORRETAS as afirmativas acima relacionadas:
a) I – II.
b) I – III.
c) I – IV.
d) I – II – III – IV.
e) I – III – IV.
17. O método de manejo e controle de plantas daninhas, normalmente utilizado pelos
agricultores sem que estes tenham a noção de estar utilizando mais uma técnica de
manejo de plantas daninhas, consiste na utilização das características da cultura e do
meio ambiente que aumentem a capacidade competitiva das plantas, favorecendo seu
crescimento e desenvolvimento. Entre as medidas culturais adotadas nesse método
encontram-se: o uso de variedades adaptadas às regiões, o espaçamento da cultura,
densidade de semeadura, época de semeadura adequada, uso de cobertura morta, rotação
de culturas e adubações adequadas. Este método é conhecido como:
a) pré-emergência;
b) preventivo;
c) mecânico;
d) cultural;
e) químico.
18. (IFF PARÁ – AGRONOMIA. Edital 01/2013). Na cultura do milho, é
INCORRETO afirmar sobre plantas daninhas:
a) o dano promovido pelas plantas daninhas depende do número de invasoras por área,
do período de competição e do estágio de desenvolvimento da cultura.
b) as plantas daninhas podem reduzir a qualidade do grão, promover maturação
desuniforme, dificultar a operação de colheita, mas elas têm pouco efeito como
hospedeiro alternativo para pragas e doenças.
c) os métodos de controle de plantas daninhas visam suprimir o crescimento e/ou
reduzir o número de plantas daninhas por área, até níveis aceitáveis para convivência.

Recomendados

Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Manejo de plantio do algodão.
Manejo de plantio do algodão.Geagra UFG
 
Identificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasIdentificação de plantas daninhas
Identificação de plantas daninhasGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaFenologia e Fisiologia da soja
Fenologia e Fisiologia da sojaGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROGeagra UFG
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAGeagra UFG
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasGeagra UFG
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGeagra UFG
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxGeagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoGeagra UFG
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de MandiocaÍtalo Arrais
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológicounesp
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula. CETEP, FTC, FASA..
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJAGeagra UFG
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoGeagra UFG
 

Mais procurados (20)

Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de CultivaresGrupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
Grupo de Maturação e Posicionamento de Cultivares
 
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptxMECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
MECANISMOS DE AÇÃO DE INSETICIDAS.pptx
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no ArrozManejo Integrado de Pragas no Arroz
Manejo Integrado de Pragas no Arroz
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIROMANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE DOENÇAS NO ALGODOEIRO
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Produção de Mandioca
Produção de MandiocaProdução de Mandioca
Produção de Mandioca
 
Cultura da Soja
Cultura da SojaCultura da Soja
Cultura da Soja
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRONUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DO ALGODOEIRO
 
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJANUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
NUTRIÇÃO MINERAL DA SOJA
 
Morfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodãoMorfologia e fisiologia algodão
Morfologia e fisiologia algodão
 

Destaque

Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapagizelebaldo
 
Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasRômulo Magno
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasRosinalldo Santos
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroGeagra UFG
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozGeagra UFG
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOGeagra UFG
 
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosQuestões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosAndré Fontana Weber
 
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulProva de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulAndré Fontana Weber
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2UERGS
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasGilberto Fugimoto
 
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...Gilberto Fugimoto
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...Carol Castro
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaLcfsouza
 
Combate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhasCombate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhasTaís Leandro
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima CETEP, FTC, FASA..
 

Destaque (20)

Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
 
Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhas
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasoras
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosQuestões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulProva de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
 
Buva
BuvaBuva
Buva
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das LeguminosasZoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
Zoneamento Agroecológico uma Abordagem das Leguminosas
 
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
Experiências com uso da adubação verde na recuperação dos espaços produtivos ...
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
Sementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantesSementes recalcitrantes
Sementes recalcitrantes
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aula
 
Combate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhasCombate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhas
 
Herbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safraHerbicidas - 2ª safra
Herbicidas - 2ª safra
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
 

Semelhante a Simulado manejo de plantas daninhas

Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAgricultura Sao Paulo
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteedsondecristo3
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaJoão Siqueira da Mata
 
Livro ecologiaagroecossistemas
Livro ecologiaagroecossistemasLivro ecologiaagroecossistemas
Livro ecologiaagroecossistemasCácia Viana
 
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdfAula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdfSimoneBragaTerra
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Portal Canal Rural
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfJudite Silva
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolamvezzone
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaCarlos Polos
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Fonte Comunicação
 
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptxSlides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptxCRISTIANNE BURGO MORAES
 
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptx
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptxAULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptx
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptxRenatoFerrazdeArruda1
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaIFRO
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaRodrigo Caetano
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle BiológicoJoão Felix
 

Semelhante a Simulado manejo de plantas daninhas (20)

Mi ppragas goiaba
Mi ppragas goiabaMi ppragas goiaba
Mi ppragas goiaba
 
Cultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptxCultura do feijoeiro II.pptx
Cultura do feijoeiro II.pptx
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
 
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivoAplicação de herbicidas em caráter preventivo
Aplicação de herbicidas em caráter preventivo
 
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambienteIno impacto das pragas exoticas no ambiente
Ino impacto das pragas exoticas no ambiente
 
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológicaManejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
Manejo de pragas em hortaliças durante a transição agroecológica
 
Livro ecologiaagroecossistemas
Livro ecologiaagroecossistemasLivro ecologiaagroecossistemas
Livro ecologiaagroecossistemas
 
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdfAula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
Aula 3 - NDE e implantação MIP.pdf
 
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
Relatório Técnico Projeto Soja Brasil 2014/2015
 
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdfI.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
I.2 Meios de Proteção das culturas.pdf
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
Circulartecnica 73
Circulartecnica 73Circulartecnica 73
Circulartecnica 73
 
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
Ações emergenciais propostas pela embrapa para o manejo integrado de helicove...
 
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptxSlides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
Slides_Unidade_2__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas.pptx
 
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptx
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptxAULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptx
AULA 3 O mundo da FUNDAG 2023 por quê.pptx
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
 
Doenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufaDoenças do tomate em estufa
Doenças do tomate em estufa
 
Controle Biológico
Controle BiológicoControle Biológico
Controle Biológico
 

Último

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...excellenceeducaciona
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...azulassessoriaacadem3
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 

Último (20)

5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
Atividade Proposta: A empresa Lótus Indústria e Comércio de Móveis Ltda., ini...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO         _
SANTO AMARO NO LAR VALE FORMOSO _
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
Tendo em vista estes aspectos, a proposta dessa atividade é a elaboração de u...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 

Simulado manejo de plantas daninhas

  • 1. SIMULADO MANEJO DE PLANTAS DANINHAS 01. (Secretaria De Desenvolvimento Agrário (SDA) Ceará/ 2013). Em relação às plantas daninhas (infestantes ou invasoras), sabe-se que estas podem ser classificadas em dois grupos, as de folha larga e as de folha estreita. Assinale a alternativa que contempla uma destas, pertencentes ao grupo de folha estreita. a) Beldroega. b) Tiririca. c) Fedegoso. d) Picão preto. 02. As plantas daninhas podem prejudicar as plantas cultivadas por: I. Competirem por água, luz e nutrientes. II. Inibirem o crescimento, por meio da alelopatia. III. Hospedarem pragas e doenças. Logo, verifica-se que a) apenas a I está correta. b) apenas a II está correta. c) apenas a III está correta. d) todas estão corretas. 03. Dadas as assertivas sobre a planta daninha, pode ser considerada: I. Plantas tóxica ou venenosa a seres humanos ou animais herbívoros. II. Qualquer vegetal que cresce onde não é desejado. III. Qualquer vegetal que absorve os nutrientes de que precisa de outro vegetal. Verifica-se que: a) apenas a I está correta. b) apenas a II está correta. c) apenas a III está correta. d) todas estão corretas. 04. A interferência das plantas daninhas sobre o desenvolvimento e produção das plantas cultivadas, através do fenômeno chamado alelopatia, caracteriza-se por um efeito: a) físico, de impedimento da germinação das sementes das plantas cultivadas através da luz; b) de associação dos efeitos físicos e químicos; c) biológico, de microorganismos predadores das plântulas durante seu desenvolvimento inicial; d) químico, pela liberação de compostos orgânicos no ambiente a partir de uma planta doadora para uma planta receptora; e) de associação dos efeitos biológicos e físicos.
  • 2. 05. O grau de interferência que a infestação de plantas daninhas exerce sobre a produção das culturas, quando em convivência é afetado por fatores ligados à cultura e às plantas daninhas, entre outros, destacando-se dentre os fatores ligados à planta daninha a espécie, densidade e sua distribuição. Com relação ao período de convivência é correto afirmar que: a) apenas as plantas daninhas que emergem ao mesmo tempo das plantas cultivadas interferem na cultura; b) as plantas daninhas que emergem durante as fases iniciais do ciclo fenológico de desenvolvimento das plantas cultivadas exercem maior interferência sobre a cultura; c) as plantas daninhas que emergem durante as fases finais do ciclo da cultura exercem maior interferência sobre a cultura; d) as plantas daninhas que emergem durante as fases do ciclo da cultura exercem igualmente interferência sobre a cultura; e) o grau de interferência das plantas daninhas sobre as culturas independe das condições climáticas. 06. Sobre a dinâmica de populações é possível afirmar que: I - espécies invasoras com um alto nível de injúria econômica (NIE) são as mais prejudiciais, pois provocam grandes reduções de rendimento; II - é difícil de estabelecer o NIE, já que ele refere-se a uma única espécie infestando uma cultura, em uma determinada época, e em certas condições ambientais; III - métodos culturais e biológicos de controle são mais adequados para espécies invasoras com baixo NIE. a) Somente a afirmação I está correta; b) Somente a afirmação II está correta; c) Somente a afirmação III está correta; d) Somente a I e a II estão corretas; e) Somente a I e a III estão corretas. 07. Em função do tempo e do método de manejo, as populações de plantas daninhas variam de forma mais rápida sob condições tropicais e, menos rápida, sob condições de clima temperado, dentro de uma mesma área. Associados a esses fatores (tempo e métodos de manejo), outros estão envolvidos na capacidade e velocidade de mudança da flora. De acordo com o texto, analise os itens abaixo: I. Uma característica bastante curiosa das espécies de plantas daninhas é a capacidade de germinação escalonada, tanto em termos anuais, como dentro de uma mesma estação no ano. II. Banco de sementes no solo pode ser definido como o número de sementes viáveis por metro quadrado de uma espécie também dita a dinâmica de população. Esses números apresentam variações enormes e são influenciados por características de solo, da espécie, do clima, do manejo, etc. III. Dormência e banco de sementes, juntos, determinam a dinâmica de população de plantas daninhas. IV. Alelopatia é outro fator muito importante, que contribui sobremaneira para a dinâmica de população de plantas daninhas.
  • 3. Assinale a alternativa correta: a) Estão corretos apenas os itens I e III; b) Estão corretos apenas os itens I, III, e IV; c) Estão corretos os itens I, II, III e IV; d) Estão corretos apenas os itens III e IV; e) Estão corretos apenas os itens I, II e III. 08. (ENADE – AGRONOMIA/ 2000). Duas ou mais plantas competem entre si quando pelo menos uma delas apresenta redução no crescimento ou modificações no padrão de desenvolvimento, em comparação com plantas que vegetam isoladas, por ação de uma planta em relação à outra. Um exemplo típico dessa competição ocorre devido à presença de plantas daninhas na área cultivada. A esse respeito é correto afirmar que: a) a utilização de sementes melhoradas, a escolha de cultivares com desenvolvimento rápido e a época de semeadura pouco contribuem para atenuar o problema. b) o uso crescente de herbicidas no Brasil está associado à sua eficiência, à redução dos gastos com mão-de-obra e ao controle seletivo de plantas daninhas. c) o cultivo manual apresenta vantagens significativas para a maioria das espécies cultivadas, independentemente da região agrícola do País e do nível de infestação de plantas daninhas. d) o cultivo mecânico profundo favorece o desenvolvimento do sistema radicular, principalmente quando este é superficial, além de promover a escarificação do solo. e) o cultivo mecânico tem se revelado mais eficiente quando as culturas são instaladas por semeadura a lanço 09. (PREFEITURA MUNICIPAL DE BANDEIRANTES – Agronomia/ 2007). O grau de interferência negativa (competição) que a infestação de plantas daninhas exerce sobre a produção das culturas, quando em convivência, é afetado por fatores ligados à cultura e à planta daninha, destacando-se dentre os fatores ligados à planta daninha: espécie, densidade, distribuição e duração da convivência (período de competição). Com relação ao período de competição, é correto afirmar que: a) apenas as plantas daninhas que emergem ao mesmo tempo das plantas cultivadas competem com a cultura. b) as plantas daninhas que emergem durante as fases iniciais do ciclo fenológico de desenvolvimento das plantas cultivadas exercem maior competição com a cultura. c) as plantas daninhas que emergem durante as fases finais do ciclo fenológico de desenvolvimento da cultura exercem maior competição com a cultura. d) as plantas daninhas que emergem durante as fases do ciclo fenológico de desenvolvimento das plantas cultivadas exercem igualmente competição com a cultura. e) o grau de competição entre plantas daninhas e a cultura independe das condições climáticas. 10. (SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE – Engenheiro Agrônomo/ 2013). Entre os principais problemas que ocorrem na cultura do feijoeiro estão plantas daninhas que causam diversos prejuízos. A competição exercida afeta diretamente o custo de produção, face aos prejuízos provocados pela competição. A esse respeito, assinale a afirmativa correta:
  • 4. a) O agricultor deve esperar o mato se desenvolver para iniciar o cultivo correto e assim, eliminar as plantas daninhas. b) A medida correta é o espaçamento adequado entre linhas, o que promove o rápido fechamento entre linhas, diminuindo a incidência de luz nas plantas daninhas. c) A rotação de culturas é o método mais eficiente a ser utilizado no controle das plantas daninhas. d) A adubação verde é o método natural mais eficiente a ser utilizado no controle das plantas daninhas. e) O plantio de outra leguminosa, na rotação de culturas, é essencial para o sucesso da cultura do feijoeiro. 11. O controle de plantas daninhas é uma das principais medidas de manejo adotada na maioria das culturas. Isso porque sua presença pode implicar em diversos problemas na agricultura. Dentre os principais impactos negativos causados pelas plantas daninhas, o que é incorreto afirmar: a) As plantas daninhas reduzem a produção da lavoura pelo fato de competirem por luz, água e nutrientes com as culturas. b) As plantas daninhas podem prejudicar a colheita mecanizada em algumas situações. c) As plantas daninhas podem ser hospedeiras de pragas e patógenos, que afetam as culturas. d) As plantas daninhas são de difícil controle, por apresentarem baixo grau de adaptação a diferentes condições de ambiente. e) As plantas daninhas causam a desvalorização da terra em alguns casos. 12. (ENADE – AGRONOMIA/ 2003). Nos programas de manejo integrado de plantas daninhas na agricultura, normalmente destaca-se que a identificação e levantamento da infestação dessas plantas em uma área constituem a etapa inicial para a elaboração desses programas. Dessa forma, destaque a essencialidade dessa etapa e como deveria ser feito este levantamento em condições de campo, caso necessária. a) É necessária e deve ser avaliada quantitativa e qualitativamente através de amostragens representativas da área e podem ser avaliadas através de contagem das plantas ou visualmente pela cobertura do solo; b) É necessária, porém a representatividade da área é obtida através de um sensoriamento da infestação de plantas daninhas em toda a área; c) E condição de campo não é possível fazer este levantamento de forma confiável, devendo basear-se apenas em informações do histórico da área; d) Não é necessário fazer um levantamento, pois os padrões de futuras infestações de plantas daninhas não se correlacionam com as infestações atuais; e) No manejo integrado de plantas daninhas, quando usada a alternativa do controle químico, não é necessário o levantamento da infestação de plantas daninhas, pois as combinações de herbicidas controlam a maioria delas. 13. (ENADE – AGRONOMIA/ 2003). Sob o ponto de vista ecológico, a ocorrência da vegetação espontânea (plantas daninhas) nas culturas agrícolas é o resultado da aceleração do processo de sucessão secundária por espécies oportunistas em habitats perturbados pelas práticas de manejo. Embora interferindo na produção agrícola, a vegetação espontânea pode desempenhar funções ecológicas importantes e, dessa forma, o seu manejo, em contraste com a erradicação completa, pode contribuir para a
  • 5. busca da agricultura sustentável. Uma prática de manejo ambiental da vegetação espontânea deve considerar que: a) o plantio de culturas de sombreamento ou de cobertura de solo aumenta o poder de competição com a cultura em relação à vegetação espontânea; b) o controle com herbicidas específicos garante a permanência das espécies desejáveis, pois não ocorre a substituição por espécies mais resistentes ao produto aplicado; c) a aração do solo reduz o crescimento da vegetação espontânea e inibe sua capacidade de ocupar espaço; d) o favorecimento da ocorrência da vegetação espontânea pode intensificar o ataque de pragas e patógenos às plantas cultivadas e diminuir a população de alguns insetos benéficos; e) em solos de baixa fertilidade a competição da vegetação espontânea é menos eficaz em reduzir a população agrícola do que em solos mais férteis. 14. Na agricultura orgânica, as ervas pioneiras que ocorrem no terreno não são consideradas daninhas, porém invasoras. Elas podem ser manejadas para que protejam o solo contra erosão e excesso de erosão e não afetem o crescimento das plantas comerciais. De acordo com o enunciado, marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as falsas: ( ) Mudanças na época de plantio, fazendo a semeadura mais cedo, para promover a germinação da cultura antes das invasoras é uma medida de controle eficaz para controlar plantas invasoras. ( ) Erradicar ou roçar as ervas invasoras antes que elas produzam sementes. ( ) Em áreas pequenas, a erradicação manual é a prática mais eficaz para o controle de ervas invasoras. ( ) O capim marmelada quando roçado e coberto com a palha, tem um controle eficaz. ( ) A cobertura plástica na área com material inerte é um procedimento aceito e tolerado pela agricultura orgânica. A seqüência está correta em: a) V, V, F, F, V b) F, F, F, F, F c) F, F, F, V, V d) V, V, V, V, V e) V, F, V, F, F 15. O arroz-vermelho é a principal erva daninha de nossa orizicultura. É uma planta anual, pertencente à família Gramineae, espécie: a) Leersia hexandra. b) Sorghum halepense. c) Orizophagus oryzae. d) Oryza sativa. e) Oebalus poecilus.
  • 6. 16. (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAUCAIA CONCURSO PÚBLICO TÉCNICO AGRÍCOLA – EDITAL 001/2009) Com relação às plantas daninhas, é CORRETO afirmar que: I. As espécies daninhas podem germinar, crescer, desenvolver-se e reproduzir em condições ambientais pouco favoráveis, como em estresse hídrico, umidade excessiva, temperaturas pouco propícias, fertilidade desfavorável, elevada salinidade, acidez ou alcalinidade. II. Se as condições edafoclimáticas são propícias à lavoura, o são também para as espécies daninhas, mas, se as condições ambientais são antagônicas às espécies cultivadas, as espécies daninhas, por apresentarem elevado grau de adaptação, podem aí sobreviver e se perpetuar muito mais facilmente. III. As plantas daninhas reduzem a produção das lavouras e aumentam seus custos de produção, mas podem, também, causar problemas de ordem social afetando a saúde, as residências, as áreas de recreação e a manutenção de áreas não cultivadas. IV. Denomina-se período crítico de competição o período no qual a presença de plantas daninhas reduz expressivamente o rendimento das plantas cultivadas. Assinale a opção em que estão CORRETAS as afirmativas acima relacionadas: a) I – II. b) I – III. c) I – IV. d) I – II – III – IV. e) I – III – IV. 17. O método de manejo e controle de plantas daninhas, normalmente utilizado pelos agricultores sem que estes tenham a noção de estar utilizando mais uma técnica de manejo de plantas daninhas, consiste na utilização das características da cultura e do meio ambiente que aumentem a capacidade competitiva das plantas, favorecendo seu crescimento e desenvolvimento. Entre as medidas culturais adotadas nesse método encontram-se: o uso de variedades adaptadas às regiões, o espaçamento da cultura, densidade de semeadura, época de semeadura adequada, uso de cobertura morta, rotação de culturas e adubações adequadas. Este método é conhecido como: a) pré-emergência; b) preventivo; c) mecânico; d) cultural; e) químico. 18. (IFF PARÁ – AGRONOMIA. Edital 01/2013). Na cultura do milho, é INCORRETO afirmar sobre plantas daninhas: a) o dano promovido pelas plantas daninhas depende do número de invasoras por área, do período de competição e do estágio de desenvolvimento da cultura. b) as plantas daninhas podem reduzir a qualidade do grão, promover maturação desuniforme, dificultar a operação de colheita, mas elas têm pouco efeito como hospedeiro alternativo para pragas e doenças. c) os métodos de controle de plantas daninhas visam suprimir o crescimento e/ou reduzir o número de plantas daninhas por área, até níveis aceitáveis para convivência.
  • 7. d) os herbicidas Acetochlor; Atrazine; 2,4-D; Metolachlor são usualmente recomendados para controle químico de plantas daninhas. e) o período crítico de competição é quando o controle das plantas daninhas deve ocorrer com eficiência a fim de evitar perdas significativas da produção. 19. (AGÊNCIA DE DEFEZA AGROPECUÁRIA DO PIAUÍ - AGENTE SUPERIOR DE SERVIÇOS/ 2010). Sobre o controle de plantas daninhas, é CORRETO afirmar que: a) deve ser feito sempre após a germinação das ervas; b) o herbicida biológico, contendo propágulos do fungo Lewia chlamidosporiformans, controla algumas espécies como Euphorbia heterophylla (leiteiro ou amendoim-bravo), que é uma das plantas invasoras mais nocivas na agricultura brasileira, além de outras plantas daninhas; c) o controle mecânico pode ser feito com o uso de roçadeiras; d) no plantio direto não há a necessidade de controle, pois como o solo permanece coberto a incidência de ervas é mínima; e) no controle cultural devem ser utilizadas plantas resistentes ao aparecimento das ervas. 20. (IFF Mato Grosso – AGRONOMIA/ Edital 22. 2012). Em qualquer tipo de sistema de semeadura e a região em que se está cultivando a soja, cuidados especiais devem ser tomados quanto à disseminação das plantas daninhas. Tem-se observado aumento de infestação de algumas espécies de difícil controle químico, como o balãozinho (Cardiospermum halicacabum). Quais as práticas para evitar a disseminação de plantas daninhas? a) Limpeza rigorosa de máquinas e implementos agrícolas uso de quebra-ventos, aração e subsolagem. b) Uso de sementes de boa procedência, limpeza rigorosa de máquinas e implementos e eliminação dos primeiros focos de infestação. c) Eliminação dos primeiros focos de infestação, aração e gradagem, tratamento de sementes. d) Controle físico, eliminação dos focos de infestação, rotação e escolha de local de plantio dentro da área. 21. (IFF - AGRONOMIA/FITOTECNIA/ Edital 304. 2013). Os termos “plantas invasoras”, “plantas daninhas” e “ervas daninhas” têm sido empregados indistintamente na literatura brasileira. Essas plantas são também designadas como plantas ruderais, plantas silvestres, mato ou inço. Entretanto, esses conceitos baseiam-se na sua indesejabilidade em relação a uma atividade humana. Um conceito amplo de planta daninha é: a) planta daninha é somente a planta que concorre por luz. b) planta daninha é toda e qualquer planta que apresenta simbiose com a cultura. c) planta daninha é somente a planta que não prejudica a produção. d) planta daninha é toda e qualquer planta que ocorre no interior da cultura, sem competir por nutrientes. e) planta daninha é toda e qualquer planta que ocorre onde não é desejada.
  • 8. 22. (IFF - AGRONOMIA/FITOTECNIA/ Edital 304. 2013). A escolha do método de controle de plantas daninhas deve levar em consideração desde as condições locais de mão-de-obra e equipamentos até aspectos ambientais e econômicos. Práticas como rotação de culturas, variação do espaçamento da cultura e uso de coberturas verdes são enquadradas em que método de controle de plantas daninhas? a) Controle biológico. b) Controle químico. c) Controle cultural. d) Controle mecânico. e) Controle físico. 23. (PETROBRÁS – ENGENHEIRO AGRÔNOMO JÚNIOR - 2010). As plantas daninhas podem ser classificadas quanto ao seu ciclo vegetativo em espécies anuais, bienais e perenes. No grupo das espécies perenes, constata-se que as: a) herbáceas simples se reproduzem por sementes ou vegetativamente, se injuriadas, sendo normalmente de difícil controle. b) herbáceas complexas multiplicam-se apenas por mecanismos vegetativos. c) estoloníferas são disseminadas basicamente por tubérculos que emitiram novas raízes e originarão novas plantas. d) rizomatosas produzem caule subterrâneo que se propaga e se reproduz a certa distância da planta que o originou. e) lenhosas são mais bem controladas por herbicidas de contato. 24. (IFF Mato Grosso/ Edital 22.2012). O método mais utilizado para controlar as plantas daninhas é o uso de herbicidas. Sobre as recomendações para esse uso, analise as afirmativas. I- Podem-se aplicar herbicidas pós-emergentes na presença de muito orvalho e/ou imediatamente após chuva. II- Pode-se utilizar baixo volume de calda (mínimo de 100 L ha-1 ) quando as condições climáticas forem favoráveis e desde que sejam observadas as indicações do fabricante. III- Não aplicar quando as plantas daninhas estiverem sob estresse hídrico. IV- Para facilitar a mistura do herbicida trifluralin com o solo e evitar perdas por volatização e fotodecomposição, o solo pode apresentar torrões e alta umidade. Estão corretas as afirmativas a) III e IV, apenas. b) II e III, apenas. c) I, II e IV, apenas. d) I, II, III e IV. 25. (IFF Mato Grosso – AGRONOMIA/ Edital 22. 2012). O método mais utilizado para controlar plantas daninhas é o químico, com o uso de herbicidas. Sobre o assunto, analise as afirmativas. I- Não se devem aplicar herbicidas pós-emergentes na presença de muito orvalho e/ou imediatamente após chuva. II- Pode-se utilizar baixo volume de calda (mínimo de 100 Lha-1) quando as condições climáticas forem favoráveis e desde que sejam observadas as indicações do fabricante.
  • 9. III- A aplicação de herbicidas deve ser realizada em ambiente com umidade relativa superior a 60%, e utilizar água limpa. IV- Aplicar herbicidas quando as plantas daninhas estiverem sob estresse hídrico. Estão corretas as afirmativas a) I, II e IV, apenas. b) II, III e IV, apenas. c) I e IV, apenas. d) I, II e III, apenas. e) II e III, apenas. 26. (ENADE AGRONOMIA/ 2010). O controle de plantas daninhas tem por objetivos evitar perdas na quantidade e na qualidade dos produtos vegetais, facilitar a colheita e reduzir a infestação de um ano para o outro. Para tanto, podem ser utilizados os métodos de controle preventivo, cultural, mecânico, físico, biológico e químico. Nessa perspectiva, analise as asserções a seguir. No que se refere ao controle químico, o aparecimento da resistência é definido como uma mudança no comportamento desenvolvida em uma população de plantas daninhas à capacidade letal de um determinado herbicida, induzida pela ação do homem. PORQUE: O uso repetitivo de um mesmo herbicida, ou de herbicidas diferentes que apresentam o mesmo mecanismo de ação, atua na seleção de plantas de biótipos resistentes já existentes na população. A esse respeito, assinale a opção correta. a) As duas asserções são proposições verdadeiras e a segunda é uma justificativa da primeira; b) As duas asserções são proposições verdadeiras, mas a segunda não é uma justificativa da primeira; c) A primeira asserção é uma proposição verdadeira, e a segunda é uma proposição falsa. d) A primeira asserção é uma proposição falsa, e a segunda é uma proposição verdadeira. e) As duas asserções são proposições falsas. 27. (Brasil Concurso/ 2014) O conhecimento dos mecanismos de penetração dos herbicidas nos tecidos vegetais é fundamental para o sucesso do controle químico das plantas daninhas. Dessa forma, pode-se dizer que: A eficiência de um determinado herbicida é diretamente proporcional à densidade de tricomas nas folhas. Isto porque: Os tricomas presentes na superfície foliar podem interceptar as gotas pulverizadas, favorecendo assim sua absorção pela epiderme propriamente dita. A esse respeito, pode-se concluir que: a) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda justifica a primeira.
  • 10. b) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda não justifica a primeira. c) a primeira afirmativa é verdadeira e a segunda é falsa. d) a primeira afirmativa é falsa e a segunda é verdadeira. e) as duas afirmativas são falsas. 28. (ENADE AGRONOMIA/ 2002). A seleção de um biótipo de planta daninha resistente a herbicidas, em uma área cultivada: a) depende da aplicação de herbicidas de efeito residual curto ou sem residual; baixa freqüência de aplicação do herbicida na área. b) depende dos sistemas de cultivo caracterizados por rotação de culturas; adoção do sistema de plantio direto. c) depende de planta daninha com sementes de dormência curta, adaptabilidade do biótipo resistente semelhante ao biótipo suscetível, freqüência inicial elevada do biótipo resistente. d) independe de fatores ligados ao herbicida, à planta daninha e ao sistema de cultivo adotado. e) depende dos sistemas de cultivo caracterizados por rotação de culturas; adoção do sistema de plantio direto versus plantio convencional. 29. (IFF - AGRONOMIA/FITOTECNIA/ Edital 304. 2013). O uso repetido de herbicida exerce uma pressão de seleção que leva ao aumento de indivíduos resistentes na população de plantas daninhas. Assinale a alternativa que descreve corretamente uma das práticas de manejo recomendadas para diminuir os riscos de resistência de plantas daninhas a herbicidas: a) usar herbicidas com maior pressão de seleção. b) não alterar o método de preparo do solo. c) realizar aplicações sequenciais com diferentes mecanismos de ação e detoxificação. d) realizar aplicações sequenciais de um mesmo princípio ativo. e) utilizar dosagens abaixo das recomendadas. 29. (ENADE AGRONOMIA/ 2002). Adjuvante é um composto químico adicionado a uma formulação de agroquímico ou em mistura de agroquímicos. Para herbicidas, uma das funções deste adjuvante é: a) aumentar a pressão de vapor do herbicida na calda de pulverização e assim reduzir as perdas por deriva. b) reduzir a capacidade de adsorção de um herbicida aos colóides do solo (argila e matéria orgânica). c) diminuir a tensão superficial das gotas da calda de pulverização para maior espalhamento e contato desta com a folha. d) facilitar a translocação apoplástica dos herbicidas aplicados ao solo. e) reduzir a toxicidade de um herbicida ao homem, aumentando a DL50 da formulação. 30. (IBGE – Análise Agrícola/ Jan. 2010). Uma planta daninha pode ser classificada como sensível, tolerante ou resistente a um determinado herbicida. Nessa perspectiva, considere as afirmativas abaixo, relacionadas à resistência das plantas daninhas a herbicidas.
  • 11. I - A compartimentalização é um mecanismo de resistência no qual a molécula do herbicida é removida da parte metabolicamente ativada da célula e armazenada em locais inativos, ou a molécula é conjugada com metabólitos da planta, tornando-os inativos. II - A resistência é denominada cruzada quando um biótipo apresenta dois ou mais mecanismos de resistência distintos, sendo, assim, resistente a herbicidas de diferentes grupos químicos ou de um mesmo grupo químico, mas de diferentes mecanismos de ação. III - Biótipos com resistência múltipla mostram resistência a herbicidas caracterizados por apresentarem mesmo local e mecanismo de ação, independente do grupo químico a que pertençam. É (São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s): a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III. 31. (AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PIAUÍ - AGENTE SUPERIOR DE SERVIÇOS/ 2010). No controle de plantas daninhas pode-se utilizar produtos químicos denominados de herbicidas, os quais são aplicados sobre o dossel das ervas para o seu controle. A(s) forma(s) de atuação do produto aplicado, após a emergência das ervas, podem ser: a) apenas por contato; b) apenas por ingestão; c) apenas sistêmica; d) por condução estomática e difusão; e) por contato ou sistêmica. 32. (AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PIAUÍ - AGENTE SUPERIOR DE SERVIÇOS/ 2010). O paraquat é um dos herbicidas mais utilizados no mundo, usado em cerca de 100 países para o controle de ervas daninhas em mais de 100 tipos de lavouras, inclusive as principais lavouras alimentares. Este produto é: a) não seletivo; b) sistêmico; c) adjuvante; d) seletivo para a maioria das culturas; e) biodegradável. 33. (COPEVE-UFAL - AGRONOMIA/ 2011). O conhecimento dos mecanismos de penetração dos herbicidas nos tecidos vegetais é fundamental para o sucesso do controle químico das plantas daninhas. Dessa forma, pode-se dizer que: A eficiência de um determinado herbicida é diretamente proporcional à densidade de tricomas nas folhas. Isso por que: Os tricomas presentes na superfície foliar podem interceptar as gotas pulverizadas, favorecendo assim sua absorção pela epiderme propriamente dita. A esse respeito conclui-se que: a) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda justifica a primeira.
  • 12. b) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda não justifica a primeira. c) a primeira afirmativa é verdadeira e a segunda é falsa. d) a primeira afirmativa é falsa e a segunda é verdadeira. e) as duas afirmativas são falsas. DESCRITIVA 01. As plantas daninhas verdadeiras têm vantagens competitivas sobre as plantas cultivadas, caracterizando assim a agressividade dessas plantas. Quais são as vantagens competitivas dessas plantas em relação às plantas cultivadas? E, qual a medida de controle mais eficiente para reduzir esta competição? Capacidade de dispersão de propágulos, desuniformidade no processo germinativo, elevada produção de sementes, germinação em profundidade elevada, viabilidade de germinação em condições desfavoráveis. A redução da competição se dá pela adoção de um sistema integrado de manejo de plantas daninhas, de acordo com o sistema de plantio (convencional e direto), o efeito do herbicida e o hábito de reprodução e ciclo de vida da planta daninha. DESCRITIVA 02. Em relação à competitividade dessas plantas, qual a contribuição do melhoramento genético no processo de dominância das plantas daninhas sobre as plantas cultivadas? De que forma o melhoramento genético influencia no sistema de plantio de plantas cutivadas? Desenvolveu-se cultivares de pequeno porte, pouco crescimento vegetativo e grande acúmulo de material em partes da planta de interesse econômico resultando em, com isso, ocorre um decréscimo no potencial competitivo. Necessita-se, então, aumentar a densidade de semeadura para aumentar a competição das plantas cultivadas com as plantas daninhas. DESCRITIVA 03. Considere um metro quadrado de uma área de lavoura, de infestação média, que vem sendo cultivada com culturas anuais nos últimos anos, próxima à colheita do cultivo de estação fria (trigo): o que pode ser esperado em termos de população ativa e população passiva? Após quatro anos de cultivo, adotando-se as melhores práticas de prevenção, o que pode ser esperado em termos de população passiva? A população ativa pode ser hipoteticamente, poaea, azevém, braquiária e aveia. No final do ciclo podemos encontrar as primeiras plântulas de buva. No que se refere à população passiva não se pode mensurar o banco de sementes, assim pode-se esperar uma diminuição da variabilidade dos propágulos no solo. DESCRITIVA 04. Sobre seletividade, descreva como funciona a seletividade e quais as condições que interferem na seletividade. Indica o espectro de plantas que são eventualmente controladas, ou quais são menos sensíveis ao herbicida. Os fatores são: a espécie de planta, fatores ambientais e características físico-químicas do herbicida. DESCRITIVA 05. De que forma a rotação de culturas afeta a dinâmica do banco de sementes de plantas daninhas na agricultura? Rotação de culturas, principalmente a rotação de princípios ativos, o que dificulta a emergência de plantas daninhas dominantes e resistentes a determinados herbicidas, além da liberação de exudados, ou seja, efeitos alelopáticos sobre o banco de sementes. DESCRITIVA 06. Defina Banco de Sementes e cite as principais formas de “entrada” e “saída” de sementes no banco de sementes. É a reserva de sementes presente no solo. O banco de semente pode ser transitório (viabilidade inferior a um ano) ou persistente (apresentam dormência induzida).
  • 13. As formas de entrada são: chuva de sementes, sementes recém introduzidas por animais, máquinas e o próprio homem. As formas de saída são: deterioração e predação, por insetos, microorganismos, animais e outros. O manejo se dá através do conhecimento da forma de reprodução das plantas daninhas, sendo que a germinação das sementes não ocorre na presença de palhada no solo, a palhada do solo exerce efeitos alelopáticos sobre o solo. DESCRITIVA 07. Qual a importância da dormência de sementes de plantas daninhas em relação aos mecanismos de sobrevivência das plantas daninhas na agricultura? Como a dormência influencia no manejo das plantas daninhas? A dormência contribui decisivamente para a longevidade das espécies de plantas daninhas propagadas por sementes, uma vez que, apresentam sementes com algum tipo de dormência. Este fato contribui de maneira decisiva para a manutenção do banco de semente destas espécies no solo, criando dificuldades acentuadas para o seu controle, no entanto, torna-se praticamente impossível a erradicação total destas plantas de uma determinada área de cultivo, em virtude da dormência apresentada por determinadas espécies de invasoras. A distribuição da capacidade de germinação no tempo não é equitativa e o vegetal manifestará essa característica dotando suas sementes de diferentes intensidades de dormência. DESCRITIVA 08. Descreva as principais etapas do ciclo de vida de uma planta daninha anual (reprodução por sementes) destacando em quais fases do ciclo o controle é recomendado na agricultura. Germinação, emergência, crescimento, frutificação, produção de sementes e morte. As plantas daninhas anuais completam o seu ciclo de vida em um período inferior a um ano. As plantas daninhas de verão iniciam o seu ciclo na primavera e terminam no verão (dormência no inverno). As plantas daninhas de inverno iniciam o seu ciclo no outono e florescem e frutificam no inverno (dormência no verão). As fases do ciclo mais recomendadas para o controle são na germinação e antes da formação da semente, considerando o hábito de reprodução. DESCRITIVA 09. De que forma as medidas mecânicas de manejo de plantas daninhas através de cultivadores controlam as plantas daninhas? Descreva algumas vantagens e desvantagens desta medida de controle em relação aos demais métodos de controle. É um controle mecânico, eliminam as plantas daninhas através do efeito físico. As principais vantagens do método mecânico são: economicidade, eficiência em solos secos e quebra crostas que eventualmente se formam na superfície do solo, aumentando a aeração e a infiltração da água, principalmente em pequenas áreas. Já as desvantagens são: não controla as plantas daninhas existentes na linha da cultura; danifica o sistema radicular da cultura; pode reduzir o estande; em período chuvoso, é inoperante e ineficiente e favorece a erosão.
  • 14. DESCRITIVA 10. Dentre os tipos de dormência de sementes de plantas daninhas diferencie a dormência primária da dormência secundária. Destaque também como é o mecanismo de quebra de dormência das sementes fotoblásticas positivas. Dormência primária: maturação da semente, as sementes se encontram fisiologicamente ligadas à planta mãe, por um curto período de tempo (semanas a meses). Dormência secundária: induzida quando não há condições favoráveis a sua germinação. A quebra de dormência de sementes fotoblásticas positivas (sementes que necessitam de luz para germinar) ocorre quando há estratificação ou pré-resfriamento (submeter à baixas temperaturas), ou ainda aplicação de ácido giberélico. DESCRITIVA 11. Explique o que você entende por manejo, controle e erradicação de plantas daninhas. Apresente um exemplo de erradicação de plantas daninhas. Manejo: é a combinação de diferentes métodos de controle, tem como metas a redução de custos, o controle eficaz, aproveitando os recursos disponíveis. Controle: é a utilização de medidas diretas que tem como objetivos reduzir suficientemente o número ou o desenvolvimento das plantas daninhas, a fim de impedir a interferência sobre as plantas cultivadas. Erradicação: consiste em eliminar todas as plantas daninhas da área, destruindo as estruturas reprodutivas. Exemplo: tiririca: destruição das suas sementes (tubérculos, rizomas e bulbos). DESCRITIVA 12. Quais os principais benefícios de uso de culturas de cobertura na agricultura e no manejo de plantas daninhas? Além da adubação verde as plantas de cobertura do solo proporcionam uma barreira física impedindo a chegada da luz até o banco de sementes, variação de temperatura e modificação no teor de umidade do solo. Algumas plantas possuem efeitos alelopáticos, através da liberação de substâncias tóxicas que inibem a germinação das plantas daninhas. DESCRITIVA 13. Qual o efeito dos sistemas de cultivos, preparo de solo e níveis de adubação sobre a composição florística do banco de sementes no solo em áreas submetidas a três sistemas de cultivo? Reduzem a variabilidade do banco de sementes e permitem um melhor controle das plantas daninhas. O preparo primário trás as sementes das camadas mais profundas do solo para a superfície, permitindo-as germinarem. A adubação de correção permite o surgimento de novas espécies de plantas daninhas. DESCRITIVA 14. Descreva qual a relação entre densidade das plantas daninhas e a competição intra e interespecífica. Além da densidade destaque mais dois fatores que afetam o grau de interferência entre plantas daninhas e plantas cultivadas. Competição intra-específica (entre plantas cultivadas e também entre plantas daninhas); o arranjo eqüidistante de plantas minimiza o auto-sombreamento e retarda o início da competição intra-específica (plantas cultivadas) por recursos do solo, levando a uma eficiência máxima na captura e uso de recursos por uma cultura livre de invasoras. Durante as fases iniciais da cultura ocorre uma redução da disponibilidade de recursos gerando uma competição interespecífica (entre as plantas cultivadas e as plantas daninhas). Um aumento na densidade de semeadura para reduzir os efeitos das plantas daninhas, pode vir a comprometer o arranjo eqüidistante, logo aumenta a competição intra-específica. Competição, alelopatia, duração do período de convivência, época em que este período ocorre, sendo modificada pelas condições edafoclimáticas e pelos tratos culturais e espaçamento entre linhas e plantas.
  • 15. DESCRITIVA 15. Apresente as vantagens e desvantagens da aplicação de um herbicida em Sistema de Plantio Convencional e no Sistema de Plantio Direto. No sistema de plantio convencional apresenta as seguintes vantagens: alta eficiência quando incorporado ao solo ou através da irrigação. No sistema de plantio direto as plantas daninhas devem ser identificadas e receber o controle específico, havendo um alto custo em aplicação de herbicidas. DESCRITIVA 16. O manejo integrado de plantas daninhas consiste na adoção de um conjunto de métodos e técnicas para prevenção e controle dessas espécies. Explique a diferença entre prevenção e controle de plantas daninhas. Quais os métodos possíveis de serem empregados no controle das plantas daninhas? Descreva-os. Prevenção: prática que evita a introdução, estabelecimento e disseminação. Controle: práticas que visam manter a área livre de plantas daninhas, ou monitorar a convivência de plantas daninhas com plantas cultivadas. Os métodos de controle são: erradicação (eliminação completa das plantas daninhas e suas estruturas reprodutivas), métodos de manejo cultural (através das características da própria planta cultivada ou seu processo de cultivo), mecânicos (arranque manual, plantio mecanizado, capinas e roçadas), biológicos (uso de inimigos naturais), físicos (solarização, queimadas, cobertura de solo e eletrificação) e químicos (uso de substâncias alelopáticas e herbicidas). DESCRITIVA 17. Devido à agressividade das plantas daninhas, a cultura principal deve ocupar o espaço disponível e, com isso, reduzir a intensidade de prejuízos ocasionados por essa indesejável competição. A adoção de medidas eficazes para o controle de plantas daninhas somente é possível quando há informações consistentes sobre o período crítico de competição entre as plantas daninhas e a cultura. Diante do exposto é solicitada a condução de um ensaio com o objetivo de determinar o período crítico de competição na cultura do milho. Quais os parâmetros determinados para avaliar o grau de competição. E como seria a identificação do período critico de competição na cultura do milho. Perda de produção em função do tempo de convivência. Deduz-se que quanto maior o período de convivência da cultura com as plantas daninhas no início do ciclo, menor a produtividade e índice de área foliar. Os períodos críticos de interferência são descritos como: período anterior à interferência (PAI), período total de prevenção à interferência (PTPI) e período crítico de prevenção à interferência (PCPI), através dos quais é possível determinar o tempo em que efetivamente o controle das plantas daninhas deve ser efetuado. DESCRITIVA 18. Qual a relação entre a rotação das culturas milho e soja durante o verão com a competição entre plantas daninhas? A troca no sistema de gestão dos recursos de produção e manejo são os principais fatores responsáveis pela mudança no banco de semente e, consequente redução das espécies de plantas daninhas no solo. Entre os efeitos estão incluídos os tratos com o solo, alterações no uso de máquinas, aplicações de herbicidas com diferentes mecanismos de ação, além da presença de exudados liberados pela outra cultura (milho). DESCRITIVA 19. Apresente medidas a serem adotadas que visem ampliar o efeito residual dos defensivos pré-emergentes e o retardamento da germinação de sementes de plantas daninhas. Uso de palhada no solo (cobertura verde), adubação e adição de
  • 16. matéria orgânica no solo (aumento da CTC do solo – aumento da aderência dos colóides do solo com as moléculas do herbicida), microbiologia do solo. DESCRITIVA 20. Faça as considerações sobre o manejo das plantas daninhas conforme observados o período de interferência nas culturas nos gráficos abaixo, visando reduzir as perdas de produtividade, bem como indicar o manejo correto Diferenças no potencial de redução de produtividade das comunidades infestantes estão ligadas à composição específica da comunidade, à densidade de infestação da área, ao histórico de manejo da cultura e das plantas daninhas, além das condições edafoclimáticas e da época de cultivo. O PAI pode ser ampliado pela dose correta de herbicidas pré-emrgentes conforme o tipo de solo, na presença de umidade deste, presença de cobertura de solo, bem como o uso de plantas melhoradas geneticamente. Fatores preventivos são importantes, assim como rotação de cultura e princípios ativos. O controle exercido pelas plantas de arroz após os 40 DAE pode ser facilmente atendido pela aplicação de métodos de controle mecânicos ou satisfeito pelo efeito residual de um herbicida pré-emergente, que depende das características do solo (umidade, pH e MO).
  • 17. DESCRITIVA 21. Complete a tabela abaixo escolhendo culturas agrícolas, uma planta daninha, suas característica, como forma de reprodução, ciclo (anual, bianual e/ ou perene), formas de dispersão, período em que a cultura deve crescer livre da presença da planta daninha, período de convivência, período de interferência e o manejo integrado e químico para a planta daninha escolhida:
  • 18. Cultura Planta Daninha Ambiente; Reprodução e ciclo da P.D; Dispersão; Prevenção a Interferência; Pré Interferência; Período de Interferência; Manejo Integrado; Manejo Químico FEIJÃO Cyperus rotundus L. Instala-se em todos os ambientes onde ocorrem atividades agropecuárias, ao longo das margens de rodovias e terrenos baldios. Encontrada com facilidade em hortas, pomares, viveiros, casas de vegetação e jardins. Propagação por meio de sementes (bulbos), Herbácea anual. O controle deve ser feito antes da formação da semente. Em plantio convencional, ressalta-se o manejo mecânico no período de entressafra, seguido de uma aplicação de herbicida pós-emergente, ou pós-emergente quando houver brotações. Em plantio direto, rotação de culturas e o não revolvimento da cobertura do solo, para não ativar a germinação dos bulbos. No feijão há alta infestação. ARROZ Arroz Vermelho Em arroz irrigado, o período crítico de competição inicia-se a partir do 10º dia e prolonga-se até o 45º dia após a emergência (DAE) do arroz, período em que o arroz deve ser mantido livre de competição com as plantas daninhas. Uma maneira de promover o atraso na emergência ou crescimento das plantas daninhas é estimular a germinação do primeiro fluxo de plantas daninhas antes do plantio e fazer seu controle. A aplicação sequencial de herbicidas (sistêmico e de contato) no manejo da área para o plantio direto do arroz resulta na eliminação do primeiro fluxo de germinação de plantas daninhas antes do plantio, possibilitando a redução das doses dos herbicidas pós-emergentes. ARROZ IRRIGADO Sagittaria guyanensis, Bruziula Peruviana Perene, reprodução vegetativa e apresenta baixa translocação, visto que possui vários pontos de crescimento. O procedimento consiste em uma aplicação de herbicida, seguido por um manejo mecânico, visando reduzir o tamanho da planta. Caso a planta emitir novas brotações, aplicar um herbicida pós-emergente. TRIGO Lolium multiflorum Reprodução por sementes,o manejo constitui-se em estimular a germinação e evitar a produção de sementes, realizar o controle mecânicos ou dessecações antes da germinação das sementes e manejo físico, mecânico ou químico (alterando mecanismos de ação) em caso de aparecimento de biótipos de plantas resistentes,os quais devem ser monitorados e destruídos.As aplicações químicas devem ser seqüenciais,com um período de 15 a 20 dias antes do plantio. MILHO Lolium multiflorum Reprodução por sementes,o manejo constitui-se em estimular a germinação e evitar a produção de sementes, realizar o controle mecânicos ou dessecações antes da germinação das sementes e manejo físico, mecânico ou químico (alterando mecanismos de ação) em caso de aparecimento de biótipos de plantas resistentes,os quais devem ser monitorados e destruídos.As aplicações químicas devem ser seqüenciais,com um período de 15 a 20 dias antes do plantio. SOJA Digitaria ciliaris Planta anual, com reprodução por semente ou por enraizamento, a partir dos nós em contato com o solo úmido. SOJA Conyza bonariensis Planta anual, reprodução por sementes, o controle químico é realizado na dessecação pré-semeadura. O manejo exige rotação de cultura, para, da mesma forma, aplicar sequencialmente os mecanismos de ação diferentes aos do glifosato.
  • 19. DESCRITIVA 22. Dentre os conhecimentos adquiridos sobre herbicidas pré-emergentes, cite três fatores negativos e três fatores positivos referente ao uso dessa tecnologia. Fatores positivos: baixo custo de aplicação, aplicação antes do período de interferência (otimização da produção), janela de aplicação mais ampla (maior intervalo de tempo), controla uma ampla variabilidade de plantas e efeito residual sobre o banco de sementes. Fatores negativos: Eficácia imprevisível, e dependente da umidade do solo, identificar as plantas infestantes, deve-se respeitar o período indicado sendo que neste, a área não pode receber qualquer cultivo e dificuldade de alguns herbicidas em transpor a palhada. DESCRITIVA 23. É muito comum observarmos a aplicação de herbicidas pós-emergentes como forma de corrigir escapes resultantes da emergência de plantas daninhas. Quais são os principais problemas citados por esse manejo. As plantas daninhas encontram-se emergidas. Já ocorreu a interferência das plantas daninhas sobre as plantas cultivadas, resultando em uma queda na produtividade. DESCRITIVA 24. Em relação à ação dos herbicidas, qual o efeito destes no solo quanto à presença de ésteres e amina na formulação da molécula? Efeito residual baixo, pois são suscetíveis a degradação microbiana, volatilização e cristalização (quando misturado com outros produtos, super dosagem, devido à presença de anéis aromáticos na estrutura da molécula). DESCRITIVA 25. O Glyphosate é um dos herbicidas de grande importância, utilizado para o controle de plantas daninhas anuais ou perenes em variados sistemas de produção. A forma inovadora de uso de herbicida na agricultura é aplicação em culturas geneticamente modificadas (transgênicos). Cite pelo menos três fatores que contribuem para a resistência da planta daninha ao herbicida Glyphosate. Uso repetido e continuado de Glyphosate, chuva após a aplicação, má regulagem do pulverizador e dose insuficiente. DESCRITIVA 26. Sabe-se que o arroz-vermelho (Oryza sativa) é a principal planta daninha infestante na lavoura arrozeira, elabore um programa de manejo integrado para esta planta daninha. Monitoramento da área e limpeza de maquinários, adoção ao sistema de plantio direto com rotação de princípios ativos, rotação de cultura, sistema pré-germinado, pousio em caso de sistema de plantio convencional e controle mecânico e uso de cultivares com genes resistentes ao grupo de herbicidas imidazolinonas (Sistema Clearfield), com duas aplicações de herbicidas (pré e pós-emergência). DESCRITIVA 27. Quando utilizamos um herbicida pós-emergente na cultura do arroz- irrigado qual manejo complementar tem-se que ser realizado o mais breve possível após a aplicação? A inundação pode ser feita logo após a aplicação, para manter o efeito residual no solo. DESCRITIVA 28. Em uma área com problemas de azevém resistente ao herbicida glifosato e nessa está programada a semeadura da cultura do trigo daqui a 30 dias, elabore um programa de manejo para controle do azevém antes da semeadura do trigo e após a semeadura do trigo, visando uma redução do banco de sementes dessa planta daninha. Estimular a germinação e evitar a produção de sementes das plantas daninhas, realizar: controles mecânicos ou dessecações antes da germinação das sementes e manejo físico, mecânico ou químico (alterando mecanismos de ação) em caso de aparecimento de biótipos de plantas resistentes, os quais devem ser monitorados e destruídos. As aplicações químicas devem ser seqüenciais.
  • 20. DESCRTIVA 29. Um orizicultor implanta suas lavouras de arroz no sistema pré-germinado, emprega sementes certificadas das cultivares recomendadas para sua região, semeia dentro da época de semeadura, espaçamento e densidade recomendados, e controla as plantas daninhas com os herbicidas recomendados para o controle das mesmas. Quais os sistemas de combate de plantas daninhas empregados por este orizicultor? Relacione as atividades descritas com os sistemas de combate/métodos de controle que você entende estar o orizicultor empregando. Adoção ao sistema de plantio direto com rotação de princípios ativos, rotação de cultura, duas aplicações de herbicidas (pré e pós-emergência). DESCRITIVA 30. Quando qualquer tipo de material orgânico é adicionado a um solo em que foi aplicado um determinado herbicida, este material pode influenciar de duas maneiras no comportamento da molécula: aumentando a sorção do herbicida, indisponibilizando-o, ou ativando a microbiota do solo e, assim, promovendo um aumento de sua degradação. a) dentro deste contexto qual é o principal mecanismo de ligação entre o glifosato e as substâncias húmicas? As moléculas orgânicas carbono, fósforo, nitrogênio e hidrogênio. b) de que depende a sorção do glifosato no solo? Umidade do solo e teor de matéria orgânica (CTC). c) Sobre a microbiologia do solo, a decomposição das moléculas de herbicidas pode ser dificultada em função de diversas características químicas da molécula. Quais seriam essas características químicas? Presença de íons aniônicos, aneis benzênicos, moléculas com coeficiente de partição ácido-base e pouca presença de moléculas orgânicas. d) Na prática, qual a importância em conhecer a forma de degradação das moléculas de herbicida? Porque pode vir a impossibilitar cultivos posteriores. DESCRITIVA 31. A aplicação de herbicidas como forma de manejo de plantas daninhas implicam nos cultivos posteriores, impedindo a germinação de culturas principais como arroz irrigado. Qual a explicação para o fenômeno, considerando a germinação da mesma cultura em regiões próximas? Herbicidas com residual no solo mais longo que o intervalo entre cultivos podem proporcionar efeitos negativos nas culturas subsequentes, devido à presença de resíduos com atividade biológica permaneceste no solo em concentrações suficientes para promover injúrias. DESCRITIVA 32. Uma das grandes preocupações com o uso indiscriminado de herbicidas é a poluição dos cursos de água. Sobre o cenário de herbicidas no meio ambiente: a) Qual a importância da chuva no efeito residual dos herbicidas pré-emergentes sobre o banco de sementes? Realiza a desorção das moléculas do herbicida que estavam presas aos colóides do solo, impede a volatilização e a degradação microbiana das moléculas orgânicas do herbicida. b) Em relação à chuva quais os fatores se devem considerar para tomada de decisão em relação à aplicação de herbicidas pré-emergentes e pós-emergentes no cultivo agrícola? A aplicação deve ser posterior a chuva, visando impedir a lixiviação. c) Qual a interação desses fatores sobre a eficácia de aplicação dos herbicidas no banco de sementes? d) Quimicamente, como ocorre a lixiviação do herbicida? A água refaz as pontes de hidrogênio e forças de Wan-der-Walls das moléculas do herbicida, tornando-as livres na solução do solo. e) Qual o efeito da palhada na dinâmica dos herbicidas no solo? Herbicidas com menos solubilidade em água podem ficar retidos na palhada do solo, não exercendo seu efeito sobre
  • 21. o banco de sementes, observado pela emergência das plantas daninhas, podendo causar fitotoxidade nos cultivos posteriores, sendo liberado na solução do solo na presença de chuva. DESCRITIVA 33. Um dos problemas na agricultura moderna é o resíduo de herbicidas na sucessão de culturas, principalmente a cultura do milho em seqüência à cultura da soja, mais conhecido como cultura do milho safrinha. Nessa sucessão, ocorre em determinadas épocas, problemas de fitotoxicidade a herbicidas, em função de resíduos encontrados no solo, provenientes de aplicações das culturas antecessoras. Essa condição é dependente de fatores ambientais e das características físico-químicas dos herbicidas. Quais seriam os fatores ambientais e as características físico-químicas dos herbicidas? Poucos microorganismos no solo que degradam os herbicidas, baixa umidade do solo o que reduz a desorção, presença de íons eletronegativos na molécula causam fitotoxidade ao cultivo safrinha. DESCRITIVA 34. Qual a relação entre as moléculas de herbicidas abaixo e o período residual? 2,4 – D Clomazone 2,4-D: residual baixo, devido à presença de anel benzênico e moléculas de cloro, altamente iônicas. Clomazone: em solos arenosos o residual é mais alto que em solos argilosos, na presença de água. Imazapic e Imazapir: residual baixo, devido à presença de Pka e sua composição orgânica. Ally: residual baixo, devido à presença de moléculas orgânicas e anel benzênico. Ally
  • 22. DESCRITIVA 35. Descreva um programa de manejo para a buva resistente ao glifosato. A Conyza bonariensis adaptada inicialmente à região sul, com o passar do tempo passou a aparecer a conyza sumatrensis, a qual se adaptou ao frio do Rio Grande do Sul, pssando a germinar também no outono/inverno. Biótipos resistentes apresentam-se, igualmente ao biótipo sensível, altamente suscetível aos herbicidas com mecanismo de ação distinto daquele do glyphosate. Entretanto, os biótipos resistentes mostram baixas respostas ao herbicida glyphosate, mesmo se este for empregado em doses elevadas, evidenciando ter adquirido resistência a esse produto. O manejo exige rotação de cultura, para, da mesma forma, aplicar sequencialmente os mecanismos de ação diferentes aos do glifosato. Bem como, destruir os restos culturais da buva e monitorar a emergência das sementes desta invasora. DESCRITIVA 36. A planta daninha Bruziula Peruviana (grama boiadeira) apresenta um modo de propagação vegetativa. Neste sentido indique um método de controle eficiente para esta planta daninha na cultura do arroz irrigado. A planta é perene, apresenta baixa translocação, visto que possui vários pontos de crescimento. O procedimento consiste em uma aplicação de herbicida, seguido por um manejo mecânico, visando reduzir o tamanho da planta. Caso a planta emitir novas brotações, aplicar um herbicida pós-emergente. DESCRITIVA 37. O herbicida GAMIT (clomazone) é um herbicida pré-emergente, recomendado para o controle de gramíneas nas culturas de arroz, soja, feijao, etc. Neste sentido sua dose esta associada a quais condições ambientais? Teor de umidade de solo. Em condições de solo arenoso, sua dose deve ser aplicada, preferencialmente em capacidade de campo, com volume de soluto inferior, tendo em vista sua afinidade com a água, sendo muito solúvel, podendo causar toxidez. DESCRITIVA 38. Qual a fórmula estrutural do herbicida 2,4-D e do Glifosato, quais as formas de degradação e quais manejos para reduzir suas perdas? Éster e amina. As formas de degradação são: microbiana, volatilização, ligações iônicas (considerando a eletronegatividade do cloro) e cristalização (quando misturado com outros produtos, super dosagem devido à presença de anéis aromáticos na estrutura da molécula). As formas de reduzir as perdas são: aplicação do produto isoladamente com temperaturas inferiores a 30ºC, umidade elevada, horários de baixa incidência solar e ventos com velocidade inferior a 10 Km.h-1. A fórmula química do glifosato é composta, apenas por moléculas orgânicas, sendo a principal forma de decomposição a microbiana. DESCRITIVA 39. Porque o Glyphosate apresenta sítio de ação competitivo? Porque sua conformação é semelhante a alguns nutrientes que a planta necessita, como o manganês. Nesse caso, a aplicação de manganês favorece a absorção do herbicida.