SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Alunas: Josiane Costa
Kelen
Núbia Santos
Diamantina,2014
Ministério da Educação
Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Departamento de Ciências Agrárias - FCA
 Brasil colônia- florestas - barreira à expansão das fronteiras e ocupação
territorial
 desmatada com os mais diversos objetivos
 Resultado: a 90% da Mata Atlântica- Floresta Amazônica caso
os atuais modelos de desenvolvimento sejam mantidos.
 Tal processo tem se dado às custas da tecnologia agropecuária
importada de regiões temperadas e países desenvolvidos, muitas
vezes inadequada às regiões tropicais.
 Sistemas Agroflorestais (SAFs)- desenvolvimento sustentável.
 Esse sistema não constitui, a melhor forma de uso da terra, -busca aliar
produção com conservação ambiental.
 Os sistemas agroflorestais podem contribuir para a solução de problemas no
uso dos recursos naturais, por causa das funções biológicas, e
socioeconômicos que podem cumprir.
 árvores -benefícios diretos e indiretos- controle da erosão e manutenção da
fertilidade do solo, o aumento da biodiversidade, a diversificação da
produção e o alongamento do ciclo de manejo de uma área
são formas de uso ou manejo da terra, nos quais se combinam espécies
arbóreas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas com ou sem
presença de animais, de forma simultânea ou em seqüência temporal e que
promovem benefícios econômicos e ecológicos
Fonte:google imagens
silvipastoris
agrossilvipastoris
agrossilviculturais
 Social- função: a de fixação do homem ao campo devido à demanda de
mão-de-obra e da melhoria das condições de vida, promovida pela
diversidade de produção
 Econômica: a alternância da produção ao longo do ano e a diversificação de
produtos confere aos SAF’s fluxo de caixa mais favorável.
 Ecológica: A característica mais importante dos SAF’s parece ser a
estabilidade ou sustentabilidade ecológica
 Sustentabilidade: ocorre em decorrência das interações
interespecíficas, manejadas pelo produtor de acordo com seus
recursos financeiros,
Contribuem para a proteção e
conservação do meio ambiente
Os conhecimentos dos agricultores e
ate dos técnicos e pesquisadores sobre
SAF’s são, ainda, muito limitados
Utilização de espécies que permite melhor
exploração dos recursos naturais
disponíveis
A falta de tradição dos agricultores pode
tornar difícil a extensão e implantação
desses sistemas na maioria das regiões
Permitem manter ou melhorar a
capacidade produtiva da terra
O custo de implantação pode ser mais
elevado
Provável redução de pragas e doenças Diminuição da produção por componentes
do consorcio em comparação com o cultivo
solteiro da espécie na mesma área
Maior produtividade global A recuperação econômica dos
investimentos pode demorar mais tempo
Podem desempenhar um papel importante
na recuperação de áreas em vias de
degradação
Pode ocorrer excessiva exportação de
nutrientes com as colheita
 compostos - arbóreos e culturais
 função principal a produção e/ou proteção e serviços
 Outras :barreiras vivas, cercas vivas, quebra-ventos,
revegetação de áreas degradadas, fonte de proteína para
animais, adubação verde...etc.
 Brasil - fruteiras arbustivas ou semi-arbustivas e palmeiras, todas com
função agrícola .
 MAY et al. (1985) citado por Lima (1988 ) -agrossilviculturais em uso no
Nordeste como o babaçu (Orbignya martiana) associado ao arroz (Oryza
sativa), ao milho (Zea mays L.), à mandioca (Manihot esculenta) e a
diversos tipos de feijão
 Implantação- cara
 Retorno - a longo prazo
 desvantagens -restrição do uso de técnicas agrícolas eficientes e capaz de
conduzir a autos rendimentos culturais.
 Á medida em que o uso de o nível tecnológico da agricultura é
modernizada com os cultivares melhorado, acaba por torna o manejo das
culturas consorciadas mais difícil principalmente referente ao uso de
mecanização na área
 cultivos mistos
 cultivos intercalados

 cultivos em faixas
 cultivos de substituição.
 Para condições ambientais
 Na fertilidade do solo
 Sobre os Cultivos Associados
 Recuperação de Áreas Degradadas
 Principal- a escolha da espécie arbórea
Danos:
 alelopatia ,
 competição por espaço, intensidade e tipo de manejo,
 a finalidade do plantio,competição por água , nutrientes ,
 tipo de solo, o sombreamento
Ciprestes (Cupressus
lusitanica)
Pupunha (Bactris gasipaes)
Fonte:google imagens
Fonte:Vitor Diniz Machado
Fonte: Marcelle Nardele e Igor Conde
Fonte:google imagens
Depende:
 ponto de vista agronômico
 do componente florestal
 proprietário da terra
É fundamental atentar :
 com plantio (preparo do solo, mudas ou sementes de alta qualidade),
 adubação, controle de pragas (controle de formigas, plantas daninhas,
pragas e doenças) e
 o manejo adequado (desrama e desbaste das árvores, manejo da pastagem e
dos animais),
 Antes de qualquer atividade, é necessário o planejamento do sistema, com a
escolha das espécies mais apropriadas a serem consorciadas e do destino da
sua produção.
Ernst Göestch (Piraí do Norte - BA)
 É pioneiro nos estudos das agroflorestas
 começou a pesquisar a agrofloresta em uma fazenda
 zona rural no sul da Bahia
 Com esse trabalho –a Fazenda Fugidos,
 transformando-em uma reserva particular do patrimônio natural de quase
500 hectares,
 promovendo a recuperação das áreas degradadas com base na sucessão
natural de espécies, unindo a agricultura à formação de florestas
 criada em 1994
 por agricultores e organizada a partir do sindicato dos trabalhadores rurais
de Turmalina
 o CAV que é referencia no vale do Jequitinhonha pelo seu trabalhos.
 Onde em seu fazenda experimental vem sendo trabalhado a recuperação de
sua área degradada por pastagem com o sistema agroflorestal
 Tem sido o repassado para os pequenos agricultores -aplicarem em suas
propriedades - alavancar o avanço da agricultura familiar com técnicas
conservacionista e que possa gera renda
O SAF’s são uma alternativa viável e ecológica por trazer traz benefícios
ambientais, como maior proteção do solo, regulação do regime hídrico e
aumento da diversidade de espécies, capaz de gerar renda por possibilitar o
cultivo de espécies agrícolas durante o período de crescimento da floresta
na mesma unidade de área aos médios e pequenos produtores atentando
apenas que antes de qualquer tomada de decisão de sua implantação ,
primeiramente o produtor deve se interar do assunto, visitar áreas já
instaladas, consultar técnicos da pesquisa e extensão sobre o tema e planejar
a instalação dos sistemas frente às características de cada propriedade e
região.
Obrigada!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentávelKelwin Souza
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Adubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPAdubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPRomario Gomes
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floriculturasiterra
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasAgriculturaSustentavel
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologiaelisandraca
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeigor-oliveira
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROsionara14
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarCris Godoy
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2UERGS
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxMateusGonalves85
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do MilhoKiller Max
 

Mais procurados (20)

Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Aula 7 olericultura
Aula 7 olericulturaAula 7 olericultura
Aula 7 olericultura
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Adubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RPAdubação verde GOMES RP
Adubação verde GOMES RP
 
Aula 2 introdução floricultura
Aula 2   introdução floriculturaAula 2   introdução floricultura
Aula 2 introdução floricultura
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Introducao agroecologia
Introducao agroecologiaIntroducao agroecologia
Introducao agroecologia
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
 
Aula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiarAula politicas publicas na agricultura familiar
Aula politicas publicas na agricultura familiar
 
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
Origem, evolução e domesticação das plantas aula 2
 
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptxAULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
AULA 1 INTRODUÇÃO A OLERICULTURA.pptx
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 

Semelhante a Sistemas Agroflorestais Sustentáveis para Pequenos Produtores

Sist agroflorest areas degradadas
Sist agroflorest areas degradadasSist agroflorest areas degradadas
Sist agroflorest areas degradadasAulas Abel
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroBruno Da Montanha
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloRoberto Santos
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosGeraldo Henrique
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosGeraldo Henrique
 
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e AgricultoresManual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e AgricultoresSérgio Amaral
 
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14Carlos Alberto Monteiro
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasJulyane Sued Castro de Alencar
 
Solos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiroSolos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileirobarretopab
 
manejo de gramaines de clima temperado.pdf
manejo de gramaines de clima temperado.pdfmanejo de gramaines de clima temperado.pdf
manejo de gramaines de clima temperado.pdfssuseree6f78
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorIdesam
 
2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivosthaisssmendonca
 

Semelhante a Sistemas Agroflorestais Sustentáveis para Pequenos Produtores (20)

Trabalhoafonso
TrabalhoafonsoTrabalhoafonso
Trabalhoafonso
 
Sist agroflorest areas degradadas
Sist agroflorest areas degradadasSist agroflorest areas degradadas
Sist agroflorest areas degradadas
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
 
[IIAM] Fernanda Gomes - Investigação Agrária e Mudanças Climáticas
[IIAM] Fernanda Gomes - Investigação Agrária e Mudanças Climáticas[IIAM] Fernanda Gomes - Investigação Agrária e Mudanças Climáticas
[IIAM] Fernanda Gomes - Investigação Agrária e Mudanças Climáticas
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPFIntegração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
Integração Lavoura Pecuaria Floresta ILPF
 
6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais
 
Degradacao pastagens
Degradacao pastagensDegradacao pastagens
Degradacao pastagens
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
 
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e AgricultoresManual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
 
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14
Manual de procedimentos-gerais-para-restauração-florestal-no-estado-do-es-_abr14
 
Controle ecológico de formigas
Controle ecológico de formigasControle ecológico de formigas
Controle ecológico de formigas
 
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadasUtilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
Utilização de Saf´s na recuperação de áres dedradadas
 
Solos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiroSolos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiro
 
manejo de gramaines de clima temperado.pdf
manejo de gramaines de clima temperado.pdfmanejo de gramaines de clima temperado.pdf
manejo de gramaines de clima temperado.pdf
 
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o ProdutorAgricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
Agricultura Orgânica e Certificação - Canal com o Produtor
 
Pastos egas 11
Pastos egas 11Pastos egas 11
Pastos egas 11
 
2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos2° col rotação de solo e cultivos
2° col rotação de solo e cultivos
 

Mais de UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Mais de UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (12)

Poluiçao
PoluiçaoPoluiçao
Poluiçao
 
Pessegueiro
PessegueiroPessegueiro
Pessegueiro
 
Blackcurrant
BlackcurrantBlackcurrant
Blackcurrant
 
Propagação de plantas ornamentais
Propagação  de plantas ornamentaisPropagação  de plantas ornamentais
Propagação de plantas ornamentais
 
Instalações para eqüinos
Instalações para eqüinosInstalações para eqüinos
Instalações para eqüinos
 
Podridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reservaPodridões de órgãos de reserva
Podridões de órgãos de reserva
 
Produção de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milhoProdução de sementes hibridas de milho
Produção de sementes hibridas de milho
 
Trabalho Brassinosteroides
Trabalho BrassinosteroidesTrabalho Brassinosteroides
Trabalho Brassinosteroides
 
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
Aplicativo android –cálculo de  fim de escalaAplicativo android –cálculo de  fim de escala
Aplicativo android –cálculo de fim de escala
 
Lutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasilLutas e desafios quilombolas no brasil
Lutas e desafios quilombolas no brasil
 
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuroAnalise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado  futuro
Analise do mercado de citrus no utimos 4 anos e mercado futuro
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Propagação de rosas
 

Último

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humanajosecavalcante88019
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfVctorJuliao
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfLeandroDoValle2
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAugustoCsar653220
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Último (14)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
84723012-ACIDENTES- ósseos anatomia humana
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdfSíndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
Síndrome de obstrução brônquica 2020.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdfGuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
GuiadeinjriasdeherbicidasemSojaConhecimentoAgronmico.pdf
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.pptAula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
Aula capitulo 10 - Recombinacao Genica.ppt
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Sistemas Agroflorestais Sustentáveis para Pequenos Produtores

  • 1. Alunas: Josiane Costa Kelen Núbia Santos Diamantina,2014 Ministério da Educação Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Departamento de Ciências Agrárias - FCA
  • 2.  Brasil colônia- florestas - barreira à expansão das fronteiras e ocupação territorial  desmatada com os mais diversos objetivos  Resultado: a 90% da Mata Atlântica- Floresta Amazônica caso os atuais modelos de desenvolvimento sejam mantidos.  Tal processo tem se dado às custas da tecnologia agropecuária importada de regiões temperadas e países desenvolvidos, muitas vezes inadequada às regiões tropicais.
  • 3.  Sistemas Agroflorestais (SAFs)- desenvolvimento sustentável.  Esse sistema não constitui, a melhor forma de uso da terra, -busca aliar produção com conservação ambiental.  Os sistemas agroflorestais podem contribuir para a solução de problemas no uso dos recursos naturais, por causa das funções biológicas, e socioeconômicos que podem cumprir.  árvores -benefícios diretos e indiretos- controle da erosão e manutenção da fertilidade do solo, o aumento da biodiversidade, a diversificação da produção e o alongamento do ciclo de manejo de uma área
  • 4. são formas de uso ou manejo da terra, nos quais se combinam espécies arbóreas (frutíferas e/ou madeireiras) com cultivos agrícolas com ou sem presença de animais, de forma simultânea ou em seqüência temporal e que promovem benefícios econômicos e ecológicos
  • 6.  Social- função: a de fixação do homem ao campo devido à demanda de mão-de-obra e da melhoria das condições de vida, promovida pela diversidade de produção  Econômica: a alternância da produção ao longo do ano e a diversificação de produtos confere aos SAF’s fluxo de caixa mais favorável.  Ecológica: A característica mais importante dos SAF’s parece ser a estabilidade ou sustentabilidade ecológica  Sustentabilidade: ocorre em decorrência das interações interespecíficas, manejadas pelo produtor de acordo com seus recursos financeiros,
  • 7. Contribuem para a proteção e conservação do meio ambiente Os conhecimentos dos agricultores e ate dos técnicos e pesquisadores sobre SAF’s são, ainda, muito limitados Utilização de espécies que permite melhor exploração dos recursos naturais disponíveis A falta de tradição dos agricultores pode tornar difícil a extensão e implantação desses sistemas na maioria das regiões Permitem manter ou melhorar a capacidade produtiva da terra O custo de implantação pode ser mais elevado Provável redução de pragas e doenças Diminuição da produção por componentes do consorcio em comparação com o cultivo solteiro da espécie na mesma área Maior produtividade global A recuperação econômica dos investimentos pode demorar mais tempo Podem desempenhar um papel importante na recuperação de áreas em vias de degradação Pode ocorrer excessiva exportação de nutrientes com as colheita
  • 8.  compostos - arbóreos e culturais  função principal a produção e/ou proteção e serviços  Outras :barreiras vivas, cercas vivas, quebra-ventos, revegetação de áreas degradadas, fonte de proteína para animais, adubação verde...etc.
  • 9.  Brasil - fruteiras arbustivas ou semi-arbustivas e palmeiras, todas com função agrícola .  MAY et al. (1985) citado por Lima (1988 ) -agrossilviculturais em uso no Nordeste como o babaçu (Orbignya martiana) associado ao arroz (Oryza sativa), ao milho (Zea mays L.), à mandioca (Manihot esculenta) e a diversos tipos de feijão
  • 10.  Implantação- cara  Retorno - a longo prazo  desvantagens -restrição do uso de técnicas agrícolas eficientes e capaz de conduzir a autos rendimentos culturais.  Á medida em que o uso de o nível tecnológico da agricultura é modernizada com os cultivares melhorado, acaba por torna o manejo das culturas consorciadas mais difícil principalmente referente ao uso de mecanização na área
  • 11.  cultivos mistos  cultivos intercalados   cultivos em faixas  cultivos de substituição.
  • 12.  Para condições ambientais  Na fertilidade do solo  Sobre os Cultivos Associados  Recuperação de Áreas Degradadas
  • 13.  Principal- a escolha da espécie arbórea Danos:  alelopatia ,  competição por espaço, intensidade e tipo de manejo,  a finalidade do plantio,competição por água , nutrientes ,  tipo de solo, o sombreamento
  • 14. Ciprestes (Cupressus lusitanica) Pupunha (Bactris gasipaes) Fonte:google imagens
  • 16. Fonte: Marcelle Nardele e Igor Conde
  • 18. Depende:  ponto de vista agronômico  do componente florestal  proprietário da terra
  • 19. É fundamental atentar :  com plantio (preparo do solo, mudas ou sementes de alta qualidade),  adubação, controle de pragas (controle de formigas, plantas daninhas, pragas e doenças) e  o manejo adequado (desrama e desbaste das árvores, manejo da pastagem e dos animais),
  • 20.  Antes de qualquer atividade, é necessário o planejamento do sistema, com a escolha das espécies mais apropriadas a serem consorciadas e do destino da sua produção.
  • 21. Ernst Göestch (Piraí do Norte - BA)  É pioneiro nos estudos das agroflorestas  começou a pesquisar a agrofloresta em uma fazenda  zona rural no sul da Bahia  Com esse trabalho –a Fazenda Fugidos,  transformando-em uma reserva particular do patrimônio natural de quase 500 hectares,  promovendo a recuperação das áreas degradadas com base na sucessão natural de espécies, unindo a agricultura à formação de florestas
  • 22.  criada em 1994  por agricultores e organizada a partir do sindicato dos trabalhadores rurais de Turmalina  o CAV que é referencia no vale do Jequitinhonha pelo seu trabalhos.  Onde em seu fazenda experimental vem sendo trabalhado a recuperação de sua área degradada por pastagem com o sistema agroflorestal  Tem sido o repassado para os pequenos agricultores -aplicarem em suas propriedades - alavancar o avanço da agricultura familiar com técnicas conservacionista e que possa gera renda
  • 23. O SAF’s são uma alternativa viável e ecológica por trazer traz benefícios ambientais, como maior proteção do solo, regulação do regime hídrico e aumento da diversidade de espécies, capaz de gerar renda por possibilitar o cultivo de espécies agrícolas durante o período de crescimento da floresta na mesma unidade de área aos médios e pequenos produtores atentando apenas que antes de qualquer tomada de decisão de sua implantação , primeiramente o produtor deve se interar do assunto, visitar áreas já instaladas, consultar técnicos da pesquisa e extensão sobre o tema e planejar a instalação dos sistemas frente às características de cada propriedade e região.

Notas do Editor

  1. Na (FIG.1), tem-se um exemplo de disposição de espécies em um Sistema Agroflorestal com eucalipto espaçado de 2 m entre plantas e 12 m entre fileiras. Entre as fileiras de árvores, está o milho espaçado de 0,80 m entre linhas e população de plantas de 65.000 plantas ha-1, e forrageiras, com duas linhas dispostas na entrelinha do milho