SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 73
Plantas daninhas:
Biologia, importância e controle
Prof. Ednei Pires
Especialista em Educação Ambiental
Engenheiro agrônomo
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
Conceitos
- Planta que ocorre onde não é desejada (SHOW, 1956);
- Plantas cujas vantagens ainda não foram descobertas;
- Interferem com os objetivos do homem ,em determinada
situação, (FISHER, 1973).
Conceito geral
Plantas que interferem no desenvolvimento e manejo de outras
plantas desejáveis, num determinado período, reduzindo a
produção e qualidade de seus produtos.
Nomenclaturas
- Plantas silvestres ?
- Espontâneas ?
- Ervas daninhas ? – 20% não são herbáceas
(LORENZI,1991)
- Plantas invasoras ?
- Mato
Foto: UESB, 2012 (Cyperus rotundus)
Foto: KISSMANN, 1997 (Cynodon dactiylon)
Matologia
 Nenhuma espécie de planta, “isolada”, pode ser
considerada daninha
 Conhecimento da flora infestante
 Aproveitamento de características desejáveis das
plantas daninhas
 Manejo de um banco de sementes
Origem das plantas daninhas
 O homem é, provavelmente, o responsável pela
evolução das plantas daninhas, assim como é também
pelas plantas cultivadas (MUSICK, 1970).
 Plantas daninhas comuns não possuem habilidade de
sobreviver em condições adversas.
 Verdadeiras apresentam características especiais de
reprodução, além de uma ampla diversidade genética.
Importância das plantas espontâneas
 Proteção e enriquecimento do solo
 Reduz a germinação de novas espécies daninhas
 Fixação de N através de bactérias em simbiose
 Espécies que apresentam valor culinário -Beldroega (Portulaca oleracea),
serralha (Sanchus oleracea) e o carurú (Amaranthus retroflexus).
Fotos: Escola Superior Agrícola de Coimbra
• Espécies que produzem óleos essenciais - patchouli
(Pogostemon pacthouli) e a lavanda (Lavandula spp).
• Espécies de valores cosméticos ou farmacêuticos-
quebra-pedra (Phyllanthus niruri).
• Plantas de uso forrageiro etc.
Importância das plantas espontâneas
Espécies indicadoras de fertilidade
Amendoim bravo ou leiteiro (Euphorbia heterophylla)
Desequilíbrio entre nitrogênio (N) e micronutrientes, sobretudo molibdênio (Mo)
e cobre (Cu).
Azedinha (Oxalis oxyptera)
Solo argiloso, pH baixo, falta de cálcio (Ca), falta de
molibdênio
Barba de bode (Aristilla pallens)
Terra de queimadas, pobre em fósforo (P), cálcio e potássio (K), solos
com pouca água
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
Picão branco (Galinsoga parviflora)
Solo com excesso de nitrogênio e deficiente em
micronutrientes. É beneficiado pela deficiência de cobre
Tiririca (Cyperus rotundus)
Solo ácido, com
carência de magnésio
Urtiga (Urtica urens)
Carência em cobre
Carrapicho-de-carneiro
(Acanthosperum hispidum)
Deficiência em cálcio
Guanxuma (Sida spp.)
• Quando tem um bom crescimento, indica que
o solo é fértil
Beldroega (Portulaca oleracea)
• Solo fértil
Chirca (Euppatorium sp)
Solo Fértil
Dente-de-leão (Taraxum oficialis)
Solo Fértil
Prejuízos causados pelas plantas daninhas
• Competição com a cultura
• Redução de 30 a 40% na produção agrícola mundial
(LORENZI, 1991)
• Causam danos às plantas cultivadas, muito maiores
que as pragas e doenças (MUZIK, 1970)
KISSMANN, 1997 (Cyperus rotundus) - tiririca
 Alergias – grama-seda (Cynodon dactylon) e capim-gordura
(Melinis minutiflora).
 Dermatites e irritações da pele - urtiga (Jathopha urens).
Prejuízos causados pelas plantas daninhas
 Aumento do custo de controle ou inviabilização da atividade
agrícola - grama-seda (Cynodon dactylon), tiririca (Cyperus
rotundus).
 Na pecuária - competem com o pasto, provocam danos aos
animais, conferem gosto ao leite e podem provocar a morte de
animais.
Prejuízos causados pelas plantas daninhas
Plantas de duplo aspecto Mamona
(Ricinus communis)
 Intoxicações alimentares
 Produção de biodisel
Classificação das plantas daninhas
Quanto ao hábito de crescimento
Herbáceas – plantas tenras de baixo porte
Arbustivas – ramificações desde a base
Arbóreas – ramificações bem definidas
Trepadeiras – utilizam outras plantas como
suporte
Blainvillea acmela (L.) canela-de-urubu, erva-palha
 Quanto ao desenvolvimento
 Hemieptífitas – inicia seu desenvolvimento como trepadeira e,
posteriormente emite sistema radicular. Ex: Philodendron sp.
 Epífitas - crescem sobre outras sem a utilização de fotoassimilados da
hospedeira. Ex: Bromélias e orquídeas
 Parasitas – cresce sobre outra, beneficiando-se dos fotoassimilados.
Classificação das plantas daninhas
Philodendron sp
Características que conferem
agressividade às plantas daninhas
Elevada capacidade de produção de disséminulos
Amaranthus retroflexus 117.400 sementes por planta.
Cyperus rotundus – um tubérculo em 60 dias produz
126, e cada possui em média 10 gemas. Produz
centenas de sementes viáveis (SILVA et al., 2009).
 Manutenção da viabilidade - mesmo em condições desfavoráveis
 Capacidade de emergir a grandes profundidades
- Avena fatua (Aveia branca), até 17 cm de profundidade
- Ipomea sp. (Corda de viola), até 12 cm
- Euphorbia heterophylla (Amendoin bravo), até 20 cm
Características que conferem
agressividade às plantas daninhas
 Desuniformidade no processo germinativo e grande longevidade dos
dissemínulos
 Sementes de 107 espécies daninhas foram enterradas em cápsulas porosas,
de 20 a 100 cm de profundidade.
- Um ano depois observou-se que 71 estavam viáveis;
- após 10 anos 68;
- após 20 anos 57;
- 30 anos 44
- 38 anos 36 espécies.
(KLINGMAN et al.,1982).
Características que conferem
agressividade às plantas daninhas
1- Capim-arroz, 2 – Raspa-saias 3- Capim-colchão, 4- Carrapicho-bravo 5-
Trombeta, 6- Carurú, 7- Língua-de-vaca, 8- Dente-de-leão
 Mecanismos alternativos de reprodução – além das sementes,
rizomas, estolões, tubérculos etc.
Características que conferem
agressividade às plantas daninhas
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
 Rápido crescimento inicial –
muitas crescem e se desenvolvem
mais rápido que as culturas
Facilidade de dispersão de
propágulos a grandes distâncias -
água, vento, animais, máquinas etc.
Características que conferem
agressividade às plantas daninhas
ALELOPATIA
Alelopatia
• Fenômeno de produção de compostos químicos em
comunidades vegetais (aleloquímicos).
– Liberados diretamente para o ambiente:
• Por lixiviação,
• Exsudação radicular,
• Volatilização e
• Decomposição dos resíduos vegetais;
– Indiretamente – por meio da decomposição da microbiota.
(PIRES et al., 2001)
Efeito dos aleloquímicos
 Compostos secundários que, lançados no ambiente, afetam:
 o crescimento, o estado sanitário, o comportamento ou a biologia da
produção de organismos de outras espécies (SILVA et al.,2009)
 Os aleloquímicos atuam contra a ação de microorganismos,
vírus, insetos e predadores;
 Inibindo as suas atividades, seja estimulando o crescimento e
desenvolvimento das plantas (WALLER, 1999).
Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
 O extrato de plantas verdes
do capim-marmelada
(Brachiaria plantaginea),
afeta o desenvolvimento da
soja tanto no crescimento,
quanto na capacidade de
nodulação (ALMEIDA, 1988).
 Soluções da parte subterrânea de grama-seda (Cynodon dactylon), tiririca
(Cyperus rotundus) e (Sorghum halepense), inibiram a germinação e o
desenvolvimento do tomateiro (CASTRO et al., 1983) e o desenvolvimento
inicial de plântulas de arroz (CASTRO et al.,1984).
Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
• Café – produz a xantina cafeína (substância com mecanismo de
defesa contra plantas daninhas). (FERREIRA e ÁQUILA, 2000)
Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
Extratos de casca de café (Coffea arabica L.) inibe a germinação e crescimento de pepino
(Cucumis sativus L.)
• Na silvicultura, o gênero Eucalyptus, tem
várias espécies consideradas alelopáticas.
(FERREIRA e ÁQUILA, 2000)
Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
Alelopatia entre culturas
 Importante na consorciação e rotação de culturas.
– A colza reduz estande da cultura da soja plantada em sucessão.
– O exsudado radicular de sorgo, reduziu a área foliar de alface em 68,4%
(BARBOSA, 1996)
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
Alelopatia das coberturas mortas
No plantio direto (cobertura morta):
-pode reduzir a germinação,
-reduzir o vigor vegetativo,
-provocar o amarelecimento e clorose das folhas,
-redução do perfilhamento,
-morte de plantas daninhas na fase inicial de
desenvolvimento
Competição entre plantas daninhas e culturas
• Locatelly e Doll (1977), definem competição como a luta
que se estabelece entre cultura e plantas daninhas por
água, luz, nutrientes e dióxido de carbono.
Terminologias para períodos de
convivência entre plantas
daninhas e culturas
(PITELLI e DURIGAN, 1984)
 PAI – período anterior à interferência – espaço de tempo, após a semeadura
ou plantio, em que a cultura pode conviver com a comunidade de plantas
daninhas.
 PCPI – período crítico de prevenção da interferência – período em que a
cultura deve ser mantida livre de plantas daninhas, até o momento em que
elas não mais interfiram na produtividade da cultura.
 PTPI – período total de prevenção da interferência – este deve ser o período
de capinas.
Fonte: Silva e Silva, 2009
Cultivo de repolho em cobertura de
adubos verdes (aveia)
Cultivo mínimo de tomate em cobertura de
aveia + ervilhaca + nabo forrageiro
Métodos de controle de
plantas daninhas
Métodos de controle de plantas
daninhas
 Desde o arranque manual de plantas até o uso de
equipamentos de microondas para exterminar as sementes
no solo (DEUBER, 1992)
 Contrlole – deve ser feito até o nível, em que, o incremento
de produtividade justifique a operação (SILVA et al.,2009)
Controle preventivo de plantas daninhas Práticas que
evitam a introdução, o estabelecimento e a
disseminação de plantas daninhas:
 Utilizar sementes de elevada pureza
 Limpar cuidadosamente máquinas, grades e
colheitadeiras
 Inspecionar mudas adquiridas com torrão, estercos e
compostos de outras áreas
 Limpeza de canais de irrigação
 Colocar animais comprados em quarentena
Exemplos de disseminação de plantas daninhas
• Tiririca (Cyperus rotundus) – estercos, mudas
de torrões, ferramentas, implementos
agrícolas etc.
Picão-preto (Bidens pilosa) e o capim-carrapicho
(Cenchrus echimatus), por meio de roupas e
sapatos de operadores, pêlos de animais etc.
Exemplos de disseminação de plantas daninhas
Controle cultural
 Rotação de culturas – cada cultura geralmente é infestada por espécies
daninhas que apresentam exigências ou hábito de crescimento idênticos aos
seus.
 Variação no espaçamento – entre linhas ou na densidade de plantas na linha.
 Cobertura verde – promove a redução do banco de sementes e melhoria das
condições fisico-químicas do solo.
 Cobertura morta – favorece a microbiota do solo, responsável pela eliminação
de sementes, por meio da deterioração e perda de viabilidade.
Controle mecânico
• Arranque manual ou monda
• Capina manual
• Roçagem
• Cultivo mecanizado
- Dificuldade de limpa nas linhas das culturas
- Baixa eficiência sob chuva
- Ineficiente no controle de plantas que se desenvolve por
partes vegetativas
Controle físico
• Inundação
• Cobertura do solo com palhada espessa
• Solarização (filme de polietileno)
• Queima das plantas daninhas jovens com lança-
chamas
• Queima da vegetação infestante
Controle biológico
Uso de inimigos naturais (fungos, bactérias, vírus,
insetos, aves etc.), capazes de reduzir a
população de plantas daninhas.
O parasita deve ser específico, pois, uma vez
eliminado o hospedeiro, ele não deve parasitar
outras espécies.
 Nos EUA, o fungo Coletrotrichum gloeosporeoides pode ser
usado para controlar o anjiquinho (Aeschynomene virginica) em
soja e milho, o herbicida natural recebe o nome de Collego.
 Em pomares de citros, para controlar Morremia odorata, tem
sido usado o Phythophthora palmívora, com o nome de Devine.
 Carneiros tem sido usados para controlar ervas em cafezais e
pomares.
(SILVA et al., 2009)
Manejo de Plantas
espontâneas em Hortaliças
Técnicas de redução no inicio do cultivo
 Manejo em pré- semeadura ou transplante da mudas.
 Planejar o uso de glebas associado a um programa de
solarização dos talhões no período de altas temperaturas;
 Antecipado aos plantios.
Uso de papel em canteiros de mudas de cebola
• O sistema é capaz de reduzir a infestação de
daninhas nos canteiros em 95%;
• Reduzindo, consequentemente, a mão de
obra para arranque manual das espontâneas;
Disponível em: http://cultivehortaorganica.blogspot.com.br/2013/01/uso-de-papel-
em-canteiros-de-mudas-de.html
 Com gramatura de 80g/m², que é colocado sobre o canteiro.
 Em seguida é feita a aplicação do composto, um tipo de adubo
orgânico com cerca de 15 kg/m² que deve ser espalhado
uniformemente sobre o papel, formando uma camada de 3 a 4
cm de altura.
 Só depois é feita a semeadura da cebola, e para isto são utilizados
2,5 g/m² de sementes viáveis cobertas com uma camada de 1 cm
de serragem e irrigadas
É utilizado um papel kraft pardo
Colocação do papel nos canteiros e
posteriormente o composto orgânico
Canteiros com mudas prontas para o
transplante
Recomendações no preparo do solo
 Fazer o preparo do solo três semanas antes do plantio;
 Permitir a germinação, o crescimento inicial das plantas
espontâneas;
 Realizar o controle pós-emergente por meio de capina
manual, gradagem ou encanteiramento, todos de forma
superficial;
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
Controle pelo fogo
Usa se bicos aplicadores a gás;
Reduz a presença das plantas espontâneas
emergidas ou em processo de germinação;
 Link: Uso_de_fogo_no_controle_de_plantas_invasoras.mp4
Capina seletiva
 Arrancar aquelas plantas espontâneas que vêm
amadurecendo;
 Manter apenas as plantas jovens.
 Eliminar somente as espécies mais agressivas e/ou que
estejam interferindo biologicamente.
 A matéria orgânica capinada é deixada sobre o solo.
 A análise do período crítico de interferência
Fontes de sementes de plantas espontâneas
• Esterco de gado
Em 1 kg de esterco foram
contadas 42 sementes viáveis.
Ançarinha-branca (Chenopodium album)
O uso de compostagem pode aliviar esse problema, pois, as temperaturas normalmente
alcançadas durante o processo são suficientes para matar a maioria das sementes.
• Água da irrigação
Fontes de sementes de plantas espontâneas
• Implementos, ferramentas e entrada de pessoas
Fontes de sementes de plantas espontâneas
Banco de Sementes do Solo (BSS)
• Reserva de sementes e propágulos presentes no solo;
• É influenciado pelas práticas culturais;
• É um fator potencial da infestação no futuro;
• Apenas 1 a 9% das sementes germinam no mesmo ano;
– Depende do nível de dormência
– Distribuição no perfil do solo
– Estímulos para germinar
IN nº 007 do MAPA, de 17 de maio de 1999
• Recomenda adotar mais de uma medida:
– Emprego de cobertura vegetal, viva ou morta, no solo;
– Meios mecânicos de controle;
– Rotação de culturas;
– Alelopatia;
– Controle biológico;
– Cobertura inerte, que não cause contaminação e
poluição, a critério da certificadora;
– Solarização;
– Sementes e mudas isentas de plantas invasoras.
Considerações finais
 A necessidade do manejo sustentável em sistemas agrícolas,
impõe restrições ao uso exclusivo dos modelos convencionais
de controle de plantas daninhas;
 Neste contexto, o conhecimento da biologia e da importância
das plantas daninhas, permite a elaboração de um plano de
manejo racional;
 Ao uso de herbicidas, podem ser associados, com sucesso,
métodos que proporcionem à cultura, máxima vantagem sobre
a espécie daninha e com menor impacto ambiental.
M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
Geagra UFG
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Plantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapaPlantas daninhas definicao_embrapa
Plantas daninhas definicao_embrapa
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Mecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidasMecanismos de ação de herbicidas
Mecanismos de ação de herbicidas
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DA SOJA
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - MilhoTratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
Tratos culturais: Aplicação de herbicidas - Milho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do AlgodãoUso de Herbicidas na cultura do Algodão
Uso de Herbicidas na cultura do Algodão
 
Brassicaceae
BrassicaceaeBrassicaceae
Brassicaceae
 
Nutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiroNutrição e adubação do algodoeiro
Nutrição e adubação do algodoeiro
 
apostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdfapostila-de-olericultura-nad-pdf
apostila-de-olericultura-nad-pdf
 
Nutrição mineral da soja
Nutrição mineral da sojaNutrição mineral da soja
Nutrição mineral da soja
 
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIROMANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NO ALGODOEIRO
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Introdução à cultura e aspectos econômicos da soja
Introdução à cultura e aspectos econômicos da sojaIntrodução à cultura e aspectos econômicos da soja
Introdução à cultura e aspectos econômicos da soja
 
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiroManejo de plantas daninhas no algodoeiro
Manejo de plantas daninhas no algodoeiro
 

Destaque

Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Ítalo Arrais
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasoras
Rosinalldo Santos
 
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidasControle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
Marcelo Venturi
 
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
Fouad Paracat
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Lcfsouza
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
Ediney Dias
 

Destaque (20)

Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiroManejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
Manejo de plantas daninhas na cultura do mamoeiro
 
Estudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasorasEstudo das plantas invasoras
Estudo das plantas invasoras
 
Plantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijãoPlantas daninhas no feijão
Plantas daninhas no feijão
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidasControle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
Controle de Plantas Espontâneas em Plantio direto sem herbicidas
 
Albicia
AlbiciaAlbicia
Albicia
 
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
10 controlde de plantas daninhas na cultura da soja
 
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do SulProva de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
Prova de trigo II e aveia - Culturas agrícolas do Rio Grande do Sul
 
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauraçãoFlavio Monteiro Santos dissertação restauração
Flavio Monteiro Santos dissertação restauração
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
 
Mamão - Curando Doenças Nelson J Comegnio
Mamão - Curando Doenças Nelson J ComegnioMamão - Curando Doenças Nelson J Comegnio
Mamão - Curando Doenças Nelson J Comegnio
 
PapoAgro - Plantas Daninhas nas Culturas de Soja e Milho
PapoAgro - Plantas Daninhas nas Culturas de Soja e Milho PapoAgro - Plantas Daninhas nas Culturas de Soja e Milho
PapoAgro - Plantas Daninhas nas Culturas de Soja e Milho
 
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta... Ctrl aula 2   gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
Ctrl aula 2 gabarito avaliação de nivelamento e revisão de anatomia vegeta...
 
Aula 1.pedologia
Aula 1.pedologiaAula 1.pedologia
Aula 1.pedologia
 
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do soloNematoides bioindicadores da qualidade do solo
Nematoides bioindicadores da qualidade do solo
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
Integração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aulaIntegração lavoura pecuária -2ª aula
Integração lavoura pecuária -2ª aula
 
Combate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhasCombate a ervas daninhas
Combate a ervas daninhas
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
 

Semelhante a Manejo de plantas daninhas

Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhas
Rômulo Magno
 
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdfAula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
GilsonRibeiroNachtig
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Inês Afonso
 

Semelhante a Manejo de plantas daninhas (20)

Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para florestaPopula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
Popula+ç+òes e din+émica de popula+ç+òes para floresta
 
Apostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhasApostila de plantas daninhas
Apostila de plantas daninhas
 
Iv.1 protecao
Iv.1 protecao Iv.1 protecao
Iv.1 protecao
 
Ciperaceas.pptx
Ciperaceas.pptxCiperaceas.pptx
Ciperaceas.pptx
 
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdfAula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas  pdf (1).pdf
Aula 01 - Importancia e biologia de plantas daninhas pdf (1).pdf
 
1 4 1
1 4 11 4 1
1 4 1
 
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do AmendoimConhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
Conhecimentos Gerais da Cultura do Amendoim
 
Slides_Unidade_1__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas novo.pdf
Slides_Unidade_1__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas novo.pdfSlides_Unidade_1__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas novo.pdf
Slides_Unidade_1__Biol._e_Cont._de_Plantas_Daninhas novo.pdf
 
Colchonilhas e Pragas derivadas.pdf
Colchonilhas e Pragas derivadas.pdfColchonilhas e Pragas derivadas.pdf
Colchonilhas e Pragas derivadas.pdf
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Relacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdfRelacao inseto-planta.pdf
Relacao inseto-planta.pdf
 
Aula soja
Aula sojaAula soja
Aula soja
 
7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb7027 27183-1-pb
7027 27183-1-pb
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
Manejo de herbicidas: posicionamento de herbicidas com foco em Armagoso, Buva...
 
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
Fórum jf mar 15 v2 [modo de compatibilidade]
 
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
Guia jardim ao_natural_46984714252b1b2c54cfc5
 
Mollusca para floresta
Mollusca para florestaMollusca para floresta
Mollusca para floresta
 
Produção de Rosas
Produção de RosasProdução de Rosas
Produção de Rosas
 

Mais de CETEP, FTC, FASA..

Mais de CETEP, FTC, FASA.. (13)

Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
Substrato
SubstratoSubstrato
Substrato
 
Palestra água -
Palestra   água -Palestra   água -
Palestra água -
 
Informática Sustentável
Informática SustentávelInformática Sustentável
Informática Sustentável
 
Palestra potencial da cultura do morango
Palestra   potencial da cultura do morangoPalestra   potencial da cultura do morango
Palestra potencial da cultura do morango
 
Cultivo de bananeiras notas de aula.
Cultivo de bananeiras   notas de aula. Cultivo de bananeiras   notas de aula.
Cultivo de bananeiras notas de aula.
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (13)

ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdf
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 

Manejo de plantas daninhas

  • 1. Plantas daninhas: Biologia, importância e controle Prof. Ednei Pires Especialista em Educação Ambiental Engenheiro agrônomo M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
  • 2. Conceitos - Planta que ocorre onde não é desejada (SHOW, 1956); - Plantas cujas vantagens ainda não foram descobertas; - Interferem com os objetivos do homem ,em determinada situação, (FISHER, 1973). Conceito geral Plantas que interferem no desenvolvimento e manejo de outras plantas desejáveis, num determinado período, reduzindo a produção e qualidade de seus produtos.
  • 3. Nomenclaturas - Plantas silvestres ? - Espontâneas ? - Ervas daninhas ? – 20% não são herbáceas (LORENZI,1991) - Plantas invasoras ? - Mato Foto: UESB, 2012 (Cyperus rotundus) Foto: KISSMANN, 1997 (Cynodon dactiylon)
  • 4. Matologia  Nenhuma espécie de planta, “isolada”, pode ser considerada daninha  Conhecimento da flora infestante  Aproveitamento de características desejáveis das plantas daninhas  Manejo de um banco de sementes
  • 5. Origem das plantas daninhas  O homem é, provavelmente, o responsável pela evolução das plantas daninhas, assim como é também pelas plantas cultivadas (MUSICK, 1970).  Plantas daninhas comuns não possuem habilidade de sobreviver em condições adversas.  Verdadeiras apresentam características especiais de reprodução, além de uma ampla diversidade genética.
  • 6. Importância das plantas espontâneas  Proteção e enriquecimento do solo  Reduz a germinação de novas espécies daninhas  Fixação de N através de bactérias em simbiose  Espécies que apresentam valor culinário -Beldroega (Portulaca oleracea), serralha (Sanchus oleracea) e o carurú (Amaranthus retroflexus). Fotos: Escola Superior Agrícola de Coimbra
  • 7. • Espécies que produzem óleos essenciais - patchouli (Pogostemon pacthouli) e a lavanda (Lavandula spp). • Espécies de valores cosméticos ou farmacêuticos- quebra-pedra (Phyllanthus niruri). • Plantas de uso forrageiro etc. Importância das plantas espontâneas
  • 9.
  • 10. Amendoim bravo ou leiteiro (Euphorbia heterophylla) Desequilíbrio entre nitrogênio (N) e micronutrientes, sobretudo molibdênio (Mo) e cobre (Cu).
  • 11. Azedinha (Oxalis oxyptera) Solo argiloso, pH baixo, falta de cálcio (Ca), falta de molibdênio
  • 12. Barba de bode (Aristilla pallens) Terra de queimadas, pobre em fósforo (P), cálcio e potássio (K), solos com pouca água M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
  • 13. Picão branco (Galinsoga parviflora) Solo com excesso de nitrogênio e deficiente em micronutrientes. É beneficiado pela deficiência de cobre
  • 14. Tiririca (Cyperus rotundus) Solo ácido, com carência de magnésio
  • 17. Guanxuma (Sida spp.) • Quando tem um bom crescimento, indica que o solo é fértil
  • 21. Prejuízos causados pelas plantas daninhas • Competição com a cultura • Redução de 30 a 40% na produção agrícola mundial (LORENZI, 1991) • Causam danos às plantas cultivadas, muito maiores que as pragas e doenças (MUZIK, 1970) KISSMANN, 1997 (Cyperus rotundus) - tiririca
  • 22.  Alergias – grama-seda (Cynodon dactylon) e capim-gordura (Melinis minutiflora).  Dermatites e irritações da pele - urtiga (Jathopha urens). Prejuízos causados pelas plantas daninhas
  • 23.  Aumento do custo de controle ou inviabilização da atividade agrícola - grama-seda (Cynodon dactylon), tiririca (Cyperus rotundus).  Na pecuária - competem com o pasto, provocam danos aos animais, conferem gosto ao leite e podem provocar a morte de animais. Prejuízos causados pelas plantas daninhas
  • 24. Plantas de duplo aspecto Mamona (Ricinus communis)  Intoxicações alimentares  Produção de biodisel
  • 25. Classificação das plantas daninhas Quanto ao hábito de crescimento Herbáceas – plantas tenras de baixo porte Arbustivas – ramificações desde a base Arbóreas – ramificações bem definidas Trepadeiras – utilizam outras plantas como suporte Blainvillea acmela (L.) canela-de-urubu, erva-palha
  • 26.  Quanto ao desenvolvimento  Hemieptífitas – inicia seu desenvolvimento como trepadeira e, posteriormente emite sistema radicular. Ex: Philodendron sp.  Epífitas - crescem sobre outras sem a utilização de fotoassimilados da hospedeira. Ex: Bromélias e orquídeas  Parasitas – cresce sobre outra, beneficiando-se dos fotoassimilados. Classificação das plantas daninhas Philodendron sp
  • 27. Características que conferem agressividade às plantas daninhas Elevada capacidade de produção de disséminulos Amaranthus retroflexus 117.400 sementes por planta. Cyperus rotundus – um tubérculo em 60 dias produz 126, e cada possui em média 10 gemas. Produz centenas de sementes viáveis (SILVA et al., 2009).
  • 28.  Manutenção da viabilidade - mesmo em condições desfavoráveis  Capacidade de emergir a grandes profundidades - Avena fatua (Aveia branca), até 17 cm de profundidade - Ipomea sp. (Corda de viola), até 12 cm - Euphorbia heterophylla (Amendoin bravo), até 20 cm Características que conferem agressividade às plantas daninhas
  • 29.  Desuniformidade no processo germinativo e grande longevidade dos dissemínulos  Sementes de 107 espécies daninhas foram enterradas em cápsulas porosas, de 20 a 100 cm de profundidade. - Um ano depois observou-se que 71 estavam viáveis; - após 10 anos 68; - após 20 anos 57; - 30 anos 44 - 38 anos 36 espécies. (KLINGMAN et al.,1982). Características que conferem agressividade às plantas daninhas
  • 30. 1- Capim-arroz, 2 – Raspa-saias 3- Capim-colchão, 4- Carrapicho-bravo 5- Trombeta, 6- Carurú, 7- Língua-de-vaca, 8- Dente-de-leão
  • 31.  Mecanismos alternativos de reprodução – além das sementes, rizomas, estolões, tubérculos etc. Características que conferem agressividade às plantas daninhas M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
  • 32.  Rápido crescimento inicial – muitas crescem e se desenvolvem mais rápido que as culturas Facilidade de dispersão de propágulos a grandes distâncias - água, vento, animais, máquinas etc. Características que conferem agressividade às plantas daninhas
  • 34. Alelopatia • Fenômeno de produção de compostos químicos em comunidades vegetais (aleloquímicos). – Liberados diretamente para o ambiente: • Por lixiviação, • Exsudação radicular, • Volatilização e • Decomposição dos resíduos vegetais; – Indiretamente – por meio da decomposição da microbiota. (PIRES et al., 2001)
  • 35. Efeito dos aleloquímicos  Compostos secundários que, lançados no ambiente, afetam:  o crescimento, o estado sanitário, o comportamento ou a biologia da produção de organismos de outras espécies (SILVA et al.,2009)  Os aleloquímicos atuam contra a ação de microorganismos, vírus, insetos e predadores;  Inibindo as suas atividades, seja estimulando o crescimento e desenvolvimento das plantas (WALLER, 1999).
  • 36. Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas  O extrato de plantas verdes do capim-marmelada (Brachiaria plantaginea), afeta o desenvolvimento da soja tanto no crescimento, quanto na capacidade de nodulação (ALMEIDA, 1988).
  • 37.  Soluções da parte subterrânea de grama-seda (Cynodon dactylon), tiririca (Cyperus rotundus) e (Sorghum halepense), inibiram a germinação e o desenvolvimento do tomateiro (CASTRO et al., 1983) e o desenvolvimento inicial de plântulas de arroz (CASTRO et al.,1984). Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
  • 38. • Café – produz a xantina cafeína (substância com mecanismo de defesa contra plantas daninhas). (FERREIRA e ÁQUILA, 2000) Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas Extratos de casca de café (Coffea arabica L.) inibe a germinação e crescimento de pepino (Cucumis sativus L.)
  • 39. • Na silvicultura, o gênero Eucalyptus, tem várias espécies consideradas alelopáticas. (FERREIRA e ÁQUILA, 2000) Alelopatia das plantas daninhas sobre as culturas
  • 40.
  • 41. Alelopatia entre culturas  Importante na consorciação e rotação de culturas. – A colza reduz estande da cultura da soja plantada em sucessão. – O exsudado radicular de sorgo, reduziu a área foliar de alface em 68,4% (BARBOSA, 1996) M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
  • 42. Alelopatia das coberturas mortas No plantio direto (cobertura morta): -pode reduzir a germinação, -reduzir o vigor vegetativo, -provocar o amarelecimento e clorose das folhas, -redução do perfilhamento, -morte de plantas daninhas na fase inicial de desenvolvimento
  • 43. Competição entre plantas daninhas e culturas • Locatelly e Doll (1977), definem competição como a luta que se estabelece entre cultura e plantas daninhas por água, luz, nutrientes e dióxido de carbono.
  • 44. Terminologias para períodos de convivência entre plantas daninhas e culturas (PITELLI e DURIGAN, 1984)
  • 45.  PAI – período anterior à interferência – espaço de tempo, após a semeadura ou plantio, em que a cultura pode conviver com a comunidade de plantas daninhas.  PCPI – período crítico de prevenção da interferência – período em que a cultura deve ser mantida livre de plantas daninhas, até o momento em que elas não mais interfiram na produtividade da cultura.  PTPI – período total de prevenção da interferência – este deve ser o período de capinas.
  • 46. Fonte: Silva e Silva, 2009
  • 47. Cultivo de repolho em cobertura de adubos verdes (aveia)
  • 48. Cultivo mínimo de tomate em cobertura de aveia + ervilhaca + nabo forrageiro
  • 49. Métodos de controle de plantas daninhas
  • 50. Métodos de controle de plantas daninhas  Desde o arranque manual de plantas até o uso de equipamentos de microondas para exterminar as sementes no solo (DEUBER, 1992)  Contrlole – deve ser feito até o nível, em que, o incremento de produtividade justifique a operação (SILVA et al.,2009)
  • 51. Controle preventivo de plantas daninhas Práticas que evitam a introdução, o estabelecimento e a disseminação de plantas daninhas:  Utilizar sementes de elevada pureza  Limpar cuidadosamente máquinas, grades e colheitadeiras  Inspecionar mudas adquiridas com torrão, estercos e compostos de outras áreas  Limpeza de canais de irrigação  Colocar animais comprados em quarentena
  • 52. Exemplos de disseminação de plantas daninhas • Tiririca (Cyperus rotundus) – estercos, mudas de torrões, ferramentas, implementos agrícolas etc.
  • 53. Picão-preto (Bidens pilosa) e o capim-carrapicho (Cenchrus echimatus), por meio de roupas e sapatos de operadores, pêlos de animais etc. Exemplos de disseminação de plantas daninhas
  • 54. Controle cultural  Rotação de culturas – cada cultura geralmente é infestada por espécies daninhas que apresentam exigências ou hábito de crescimento idênticos aos seus.  Variação no espaçamento – entre linhas ou na densidade de plantas na linha.  Cobertura verde – promove a redução do banco de sementes e melhoria das condições fisico-químicas do solo.  Cobertura morta – favorece a microbiota do solo, responsável pela eliminação de sementes, por meio da deterioração e perda de viabilidade.
  • 55. Controle mecânico • Arranque manual ou monda • Capina manual • Roçagem • Cultivo mecanizado - Dificuldade de limpa nas linhas das culturas - Baixa eficiência sob chuva - Ineficiente no controle de plantas que se desenvolve por partes vegetativas
  • 56. Controle físico • Inundação • Cobertura do solo com palhada espessa • Solarização (filme de polietileno) • Queima das plantas daninhas jovens com lança- chamas • Queima da vegetação infestante
  • 57. Controle biológico Uso de inimigos naturais (fungos, bactérias, vírus, insetos, aves etc.), capazes de reduzir a população de plantas daninhas. O parasita deve ser específico, pois, uma vez eliminado o hospedeiro, ele não deve parasitar outras espécies.
  • 58.  Nos EUA, o fungo Coletrotrichum gloeosporeoides pode ser usado para controlar o anjiquinho (Aeschynomene virginica) em soja e milho, o herbicida natural recebe o nome de Collego.  Em pomares de citros, para controlar Morremia odorata, tem sido usado o Phythophthora palmívora, com o nome de Devine.  Carneiros tem sido usados para controlar ervas em cafezais e pomares. (SILVA et al., 2009)
  • 60. Técnicas de redução no inicio do cultivo  Manejo em pré- semeadura ou transplante da mudas.  Planejar o uso de glebas associado a um programa de solarização dos talhões no período de altas temperaturas;  Antecipado aos plantios.
  • 61. Uso de papel em canteiros de mudas de cebola • O sistema é capaz de reduzir a infestação de daninhas nos canteiros em 95%; • Reduzindo, consequentemente, a mão de obra para arranque manual das espontâneas; Disponível em: http://cultivehortaorganica.blogspot.com.br/2013/01/uso-de-papel- em-canteiros-de-mudas-de.html
  • 62.  Com gramatura de 80g/m², que é colocado sobre o canteiro.  Em seguida é feita a aplicação do composto, um tipo de adubo orgânico com cerca de 15 kg/m² que deve ser espalhado uniformemente sobre o papel, formando uma camada de 3 a 4 cm de altura.  Só depois é feita a semeadura da cebola, e para isto são utilizados 2,5 g/m² de sementes viáveis cobertas com uma camada de 1 cm de serragem e irrigadas É utilizado um papel kraft pardo
  • 63. Colocação do papel nos canteiros e posteriormente o composto orgânico
  • 64. Canteiros com mudas prontas para o transplante
  • 65. Recomendações no preparo do solo  Fazer o preparo do solo três semanas antes do plantio;  Permitir a germinação, o crescimento inicial das plantas espontâneas;  Realizar o controle pós-emergente por meio de capina manual, gradagem ou encanteiramento, todos de forma superficial; M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7
  • 66. Controle pelo fogo Usa se bicos aplicadores a gás; Reduz a presença das plantas espontâneas emergidas ou em processo de germinação;  Link: Uso_de_fogo_no_controle_de_plantas_invasoras.mp4
  • 67. Capina seletiva  Arrancar aquelas plantas espontâneas que vêm amadurecendo;  Manter apenas as plantas jovens.  Eliminar somente as espécies mais agressivas e/ou que estejam interferindo biologicamente.  A matéria orgânica capinada é deixada sobre o solo.  A análise do período crítico de interferência
  • 68. Fontes de sementes de plantas espontâneas • Esterco de gado Em 1 kg de esterco foram contadas 42 sementes viáveis. Ançarinha-branca (Chenopodium album) O uso de compostagem pode aliviar esse problema, pois, as temperaturas normalmente alcançadas durante o processo são suficientes para matar a maioria das sementes.
  • 69. • Água da irrigação Fontes de sementes de plantas espontâneas
  • 70. • Implementos, ferramentas e entrada de pessoas Fontes de sementes de plantas espontâneas
  • 71. Banco de Sementes do Solo (BSS) • Reserva de sementes e propágulos presentes no solo; • É influenciado pelas práticas culturais; • É um fator potencial da infestação no futuro; • Apenas 1 a 9% das sementes germinam no mesmo ano; – Depende do nível de dormência – Distribuição no perfil do solo – Estímulos para germinar
  • 72. IN nº 007 do MAPA, de 17 de maio de 1999 • Recomenda adotar mais de uma medida: – Emprego de cobertura vegetal, viva ou morta, no solo; – Meios mecânicos de controle; – Rotação de culturas; – Alelopatia; – Controle biológico; – Cobertura inerte, que não cause contaminação e poluição, a critério da certificadora; – Solarização; – Sementes e mudas isentas de plantas invasoras.
  • 73. Considerações finais  A necessidade do manejo sustentável em sistemas agrícolas, impõe restrições ao uso exclusivo dos modelos convencionais de controle de plantas daninhas;  Neste contexto, o conhecimento da biologia e da importância das plantas daninhas, permite a elaboração de um plano de manejo racional;  Ao uso de herbicidas, podem ser associados, com sucesso, métodos que proporcionem à cultura, máxima vantagem sobre a espécie daninha e com menor impacto ambiental. M I P – P r o f . E d n e i P i r e s . C o n t a t o : ( 7 7 ) 9 1 0 3 - 3 8 0 7