SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 90
Baixar para ler offline
Cultura da Bananeira
Importância econômica e recomendações técnicas
Prof. Ednei Pires
Vitória da Conquista - Bahia
Principais culturas agrícolas no mundo
Produção em toneladas, 2011
Em área colhida a banana e plantains ocupa a 20º posição com mais de 10 milhões
de hectares
Fonte: FAOSTAT, 2011,.
Principais culturas agrícolas no Brasil
Posição Culturas Ano Toneladas
1º Sugar cane 2011 734.006.000
2º Soybeans 2011 74.815.400
3º Maize 2011 55.660.400
4º Cassava 2011 25.441.700
5º Oranges 2011 19.811.100
6º Rice, paddy 2011 13.477.000
7º Bananas 2011 7.329.470
Em área colhida no Brasil a banana ocupa a 15ª posição
Fonte: FAOSTAT, 2011,.
Área colhida em 1.000 ha em 2011 e percentual
Total de área colhida em 2011, foi de 5.157.466 hectares. 31º cultura
agrícola mais cultivada em área do mundo.
Fonte: FAOSTAT, 2011,.
Maiores produtores mundiais de Banana em
milhões de toneladas em 2011
Fonte: FAOSTAT, 2011,.
Produtividade em Toneladas por Hectares
Fonte: FAOSTAT, 2011,.
C
Rendimento no Brasil em t.ha-1
FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
C
Área colhida de Banana em Hectares
FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
Contribuição dos estados na produção nacional
FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
C
Preço médio pago por kg de banana em 12/04/2013
FONTE: CEAGESP/COTAÇÕES, 2013
Versatilidade na utilização
Cenário nacional
Por que a produtividade
brasileira é muito baixa?
A Região Nordeste apresenta excelentes condições de
clima e solo;
Entretanto, ainda é baixa a eficiência na produção e
no manejo pós-colheita.
As exceções estão nos polos de fruticultura irrigada.
Atividade de fixação
1. Sabe-se que a bananicultura é praticada em vários países, no cenário mundial
qual aquele que mais se destaca em:
a) área plantada
b) Produção
c) Produtividade
2. Em acordo com a questão 1 faça um levantamento para a situação do Brasil e
para o estado da Bahia:
3. Da bananeira tudo se aproveita, talvez esse seja um dos fatores que retratam
a importância dessa cultura, neste contexto cite dois derivados dessa cultura:
4. Como técnico em agricultura e em sua percepção o que deve ser
recomendado para um produtor maximizar sua produtividade:
Sistema de produção
Exigências de clima é solo
Escolha da área e da região
Correção e preparo de solo e adubação
Escolha da cultivar
Plantio
Irrigação
Tratos culturais
Desbaste, desfolha, eliminação do coração, ensacamento do
cacho, corte do pseudocaule, escoronamento...
Plantas daninhas
Doenças e pragas
Colheita e pós-colheita
Mercado e comercialização.
É O estudo científico da vida das plantas
Origem:Ásia (Norte da Austrália)
Classe: Monocotyledoneae
Ordem: Zingiberales
Família: Musaceae
Gênero: Musa
Espécie: Musa acuminata.
Cultivares: grupo AAA (Nanica, Nanicão E
Grande Naine); grupo AAB (Prata, Pacovan, Prata
Anã, Maçã, Terra.
Cultivar Grande Naine
• Tipo cavendish, porte baixo, ciclo 290 dias, peso
do cacho 25 kg, redimento 25 t/ha, susceptível
a Sigatoka e resistente ao Mal-do-Panamá.
Cultivar prata
• Porte alto, ciclo 400 dias, peso do cacho 14 kg,
rendimento 13 a 25 t/ha, susceptível a Sigatoka
e tolerante ao Mal-do-Panamá.
Cultivar ‘Maçã’
• Porte alto, ciclo 300 dias, peso do cacho 15 kg,
rendimento 10 a 25 t/ha, tolerante a Sigatoka e
susceptível ao Mal-do-Panamá.
Descrição da planta
Vegetal
herbáceo
completo, pois
apresenta caule,
raízes, folhas,
flores, frutos e
sementes.
Ciclo vital e Ciclo de produção
Unidade de produção
Condução
Atividade de Fixação
1. Já vimos que a bananeira é um vegetal completo, com base nesses
conhecimentos apresente os principais órgãos que constitui essa planta:
2. Como projetar um ciclo de produção para um pomar de bananeiras que
será implantado em Janeiro de 2016?
Escolha da área
Solo – férteis com profundidade mínima 75 cm
Topografia – ideal ate 8%
Altitude - É cultivada de 0 a 1000 m acima do nível do mar.
Acréscimo de 100 m na altitude implica aumento de 30 a 45
dias no ciclo de produção.
Ventos - velocidades superior a 40 km/h podem provocar
danos, como quebra do pseudocaule.
UR - Ideal entre 60% e 80% promove melhoras fisiológicas
Continua...
Temperatura
• Ótima em torno de 28ºC.
• Limitantes de 15 a 35ºC
• < do que 15º afeta o sistema radicular e provoca
distúrbios fisiológicos como a coagulação de seiva
na casa (chilling).
• > do que 35ºC desidrata o tecido inibindo o
desenvolvimento da planta.
Estudos buscam variedades resistentes ao frio
Disponível em: http://banana-networks.org/bapnet/2012/12/06/research-seeks-to-develop-cold-tolerant-bananas/
Precipitação e luz
• Necessidade semanal 40 mm
• Fase crítica diferenciação floral e inicio da
frutificação atrofiamento da roseta foliar
• A bananeira requer alta luminosidade
Ciclo vegetativo de 8,5 a 14 meses
Atividade de fixação
1. Imagine que você, foi contratado para prestar assistência
técnica para um produtor que deseja implantar 5 hectares de
banana prata anã, em relação a escolha da área quais o
requisitos a serem seguidos, se tratando de localização:
Correção do Solo
• Correção do solo: pH ideal 6,5
• Tipo de calcário
• Época de aplicação
• Adubação: absorção em ordem decrescente
• Macro: K N Ca Mg S P
• Micro: Cl Mn Fe Zn B Cu.
Em média, um bananal absorve por hectare/ano 1300 kg de K, 350 kg de
N, 200 kg de Ca, 100 kg de Mg, 60 kg de S e 50 kg de P
Exercícios
1. Recomendar correção se necessária para
o seguinte solo:
pH (mg/dm3) cmol/dm3 de solo %
(H2O) P K+ Ca2+ Mg2+ Al3+ H+ SB t T V
5,1 1 0,07 1,7 1,3 0,8 9,0 3,1 3,9 12,9 24
• Teor ideal de P >15;
P = déficit x 2,29 x 2 = kg/ha de P2O5
• Teor ideal de K+ = 0,25 - 0,35.
K = déficit x 390 x 2 = Kg/ha de K+ x 1,205 = kg/ha de K2O
Sintomas visuais de deficiências de nutrientes em
folhas da bananeira (Borges e Oliveira, 2000)
Macronutrientes secundários
Espaçamento
Espaç. em fileiras duplas
Plantio
• Sulcamento 30 cm de profundidade
• Covas de 40x40x40
• Direção nascente – poente
Tipos de mudas
Chifrão, chifre e chifrinho – importante uniformizar.
Micropropagação
• Micropropagação – aclimatar por 60 dias
Plantio por micropropagação
Mudas de viveiros
Cultura sensível
Nutrientes
Água
• Os cinco primeiros meses do ciclo
Ciclo vegetativo
Ciclo reprodutivo
Maior
tolerância
Possível
conviver com
o mato
Principais P.D de ocorrência na cultura
trapoeraba (Commelina difusa) Capim marmelada (Brachiaria plantaginea)
guanxuma (Sida rhombifolia azedinho (Oxalis)
• Tomada de decisão
- Severidade da competição
- plantas que abrigam pragas
- plantas que abrigam inimigos naturais
- plantas que reduz a perda de água e solo
- pode atuar na ciclagem de nutrientes
• Escolha do método de controle
Por que conhecer as P.D de ocorrência?
(SOUZA & NETO, 2005; CORDEIRO, 2005; BORGES, 2005)
Estratégias de controle
• Coroamento
• Cobertura morta ou verde
Estratégias de controle
• Plantio consorciado
Estratégias de controle
• Espaçamento/nutrição
Estratégias de controle
• Manejo da irrigação
Estratégias de controle
Capina manual
• Utilização de enxadas ou roçadoras manuais
• Baixo rendimento, alto custo.
• Pode ferir o sistema radicular
• P.D se reestabelece com rapidez
(ALVES & OLIVEIRA, 1997).
Controle mecânico
• Grade de disco / enxada rotativa
– Pode cortar o sistema radicular
– Compactar o solo
– Maior rendimento
• Roçadora acoplada
– Evito o revolvimento do solo
Controle químico
• Maior rendimento e menor custo
• É importante a escolha do herbicida
• A tecnologia de aplicação
• Época de aplicação
• Herbicidas
– pré ou pós emergente, sistêmico ou de contato
(DURIGAN, 1988).
Herbicidas registrados para utilização na cultura da banana.
Rodrigues e Almeida (2005).
Atividade de fixação
1. Qual o melhor método de controle de
plantas daninhas para a cultura da Bananeira?
Irrigação
• Escolha do método
• Manejo
• Topografia
• Qualidade da água
• Viabilidade
Manejo da irrigação
• Calcular a demanda hídrica
• Calcular a vazão necessária
• Irrigação é feita com base na evapotranspiração e é
monitorada pelos tensiômetros instalados no solo
 Tanque Classe A
 Local de instalação
 Anemômetro
 Pluviométrico
Atividade de fixação
1. Calcule a vazão necessária para irrigar uma
área de 8 ha de banana sistema microaspersão:
Dados:
• Vasão do micro 45 L . h-1
• Espaçamento da cultura 2,5 x 2,0
Demanda de água pela bananeira
• 45% da evapotranspiração potencial nos
primeiros 70 dias;
• Elevando-se para 85% da
evapotranspiração potencial aos 210 dias
(fase de formação dos frutos) e
• Atingindo um máximo de 110% da
evapotranspiração potencial aos 300 dias.
(EMBRAPA SEMIÁRIDO, 2010)
Desbaste
• Consiste na eliminação do filhos com 20 cm e 30
cm, sendo normalmente feito três vezes por ano.
Os filhos podem surgir a partir dos 45 à 60 dias após o plantio
Desfolha
• É a eliminação de folhas secas e verdes
quebradas.
Escoronamento
• Evita perdas de cacho por quebra e tombamento
da planta (primeiros 30 dias).
Eliminação do coração
• Acelera e aumenta o
desenvolvimento dos
frutos, e o peso do
cacho. realizá-la duas
semanas após a emissão
do cacho, deixando 15
cm de engaço.
Despistilagem
• Consiste na retirada dos restos florais
• Favorece produção de frutos de melhor qualidade
• Controle cultural de traças e tripes
Ensacamento do cacho
• Crescimento mais rápido dos frutos, antecipa a
colheita, antecipa a colheita, evita ataques de
abelhas, tripes e ouras pragas.
Corte do pseudocaule
• Aumenta a entrada de luz
• Acelera a decomposição do material vegetal
• Promove a reciclagem de nutrientes
7373
Destaque para: A broca-da-bananeira Cosmopolites sordidus
(Coleoptera: Curculionidae).
Adulto da broca-da-bananeira da bananeira.
Fonte: Cordeiro (2003).
Queda de bananeira provocada pela broca.
Fonte: Alves (2005).
Ocorrência Severidade Susceptibilidade
7474
Sintomas da broca-da-bananeira
Fonte: Embrapa (2009).Fonte: Embrapa (2009).
Ataque nos bananais ocasiona redução no tamanho dos cachos,
comprometendo até 50% da produção, provoca enfraquecimento
das plantas e a lesão favorece o ataque de fungos. (GOLD e outros, 2004)
7575
Controle da broca-da-bananeira
Método de controle
(NANKINGA e outros, 1999).
Controle cultural – uso de mudas idôneas e eliminação dos
restos de cultura .
Monitoramento
Controle químico – uso de inseticidas na base das plantas ou
em iscas.
Porém, o controle químico pode acarretar sérios problemas
ambientais e risco à saúde dos consumidores e inviabilizar a
exportação desta fruta devido à presença de resíduos tóxicos.
Controle Biológico da broca-da-bananeira
Vantagens: não deixa resíduos tóxicos, pode atuar por longo
período de tempo e ocasiona baixo impacto ambiental. (ALVES e outros, 1998).
Uso do fungo entomopatogênico -
vários trabalhos como os de
(ALVES, 2001; FANCELLI e outros,
2004), citam a eficiência de
Beauveria bassiana no controle do
C. sordidus.
Uso permitido desde que autorizados pelo OAC ou OCS e em
conformidade com os anexos I e VIII da IN 46 (MAPA, 2011).
Foto: Nicolle de Carvalho Ribeiro
V - Organismo de Avaliação da Conformidade Orgânica - OAC:
VII - Organização de Controle Social - OCS:
Outras pragas
• Broca-do-pseudocaule (Castnia spp. )
• Traça da bananeira (Opogona sacchari)
• Lagartas desfolhadoras - (Caliga spp.)
• Tripes da flor – (Frankliniella spp.)
• Tripes da erupção dos frutos (Frankliniella spp.)
• T. da ferrugem dos frutos (Chaetanaphothrips spp.)
Mal-do-panamá
(Fusarium oxysporium f. sp. Cubense)
Sintomas: amarelecimento progressivo das
folhas velhas para as novas  as folhas
murcham e se quebra junto ao pseudocaule.
Medidas de controle:
• Evitar áreas com alta incidência da doença;
• Utilizar mudas sadias;
• Manter a planta bem nutrida.
Mal-do-panamá
Sigatoka amarela x negra
Sintomas foliares
Sigatoka amarela
Mycosphaerella musicola
Sigatoka negra
Mycosphaerella fijiensis
Outras doenças
• Moko ou "Murcha Bacteriana (Ralstonia
solanacearum Smith (Pseudomonas
• solanacearum), raça 2.
• Podridão da coroa
• Antracnose
• Nematóide (Meloidogyne javanica)
• Nematóide Cavernícola (Radopholus similis).
Atividade de Fixação
1. Como profissional da agriculta quais a
medidas a serem recomendadas para evitar
o mal-do-panamá em um cultivo de
banana?
2. Recomende um controle para a broca do
rizoma é em pomar de banana já
estabelecido:
Colheita
• Critérios: Idade do cacho a partir da emissão do
coração, em algumas cultivares desaparecimento das
quinas.
Varia de 100 a 120 dias Procedimentos
Pós-colheita
• Deve se evitar ferimentos no transporte
• Frigoconservação
• Conservação em atmosferas controlada e modificada
Classificação
Mercado
• Produção voltada para mercado interno
• Bananas de baixa qualidade e sem padronização.
• Baixa tecnologia de produção e pós-colheita.
• Dificuldade em firmar compromissos
internacionais devido a incerteza da oferta.
• Baixa competitividade.
• Algumas imagens estão sem a fonte, por
falta de informações sobre seus respectivos
verdadeiros autores. Foram retiradas do
Google Imagens. Caso o autor as identifique
entrar em contato para a inserção da devida
referência.
Email: ednei.agro@hotmail.com / Fone: (77)9103-3807

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOGeagra UFG
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesGeraldo Henrique
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na sojaGeagra UFG
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoSavio Marinho
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoKiller Max
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasgustavo_ruffeil
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoGeagra UFG
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)Killer Max
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaSophie Gris
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Geagra UFG
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoGeagra UFG
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTEScarlinhosmatos
 

Mais procurados (20)

INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Fiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementesFiscalização em campo de produção de sementes
Fiscalização em campo de produção de sementes
 
Manejo de plantas daninhas na soja
 Manejo de plantas daninhas na soja Manejo de plantas daninhas na soja
Manejo de plantas daninhas na soja
 
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de CultivoBanana Cultivares e Práticas de Cultivo
Banana Cultivares e Práticas de Cultivo
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Morfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do FeijãoMorfologia e Fenologia do Feijão
Morfologia e Fenologia do Feijão
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
Pragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiroPragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiro
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Manejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da sojaManejo integrado de doenças da soja
Manejo integrado de doenças da soja
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Adubacao goiaba
Adubacao goiabaAdubacao goiaba
Adubacao goiaba
 
Sigatoka amarela
Sigatoka amarelaSigatoka amarela
Sigatoka amarela
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
 
Colheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de BananaColheita e Pós Colheita de Banana
Colheita e Pós Colheita de Banana
 
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no AlgodãoManejo Integrado de Doenças no Algodão
Manejo Integrado de Doenças no Algodão
 
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milhoFenologia e fisiologia da cultura do milho
Fenologia e fisiologia da cultura do milho
 
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTESGERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
GERMINAÇÃO E DORMÊNCIA DE SEMENTES
 

Destaque

Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Oxya Agro e Biociências
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaAlexandre Panerai
 
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaAnderson Santos
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaorelopes10
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Ediney Dias
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da canaCristóvão Lopes
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e FertirrigaçãoSistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e FertirrigaçãoRobson de Aguiar
 
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticulturaAndre Moraes Costa
 
Sol
SolSol
SolUSP
 
Climatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do climaClimatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do climaIvanilson Lima
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperaturaabarros
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaRafaelBorges3
 

Destaque (19)

Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Banana cultura
 
Revista slide
Revista slideRevista slide
Revista slide
 
Banana características
Banana característicasBanana características
Banana características
 
Inflorescencias
InflorescenciasInflorescencias
Inflorescencias
 
Banana Doenças
Banana DoençasBanana Doenças
Banana Doenças
 
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
Dra. Gisele Grilli - Situação atual da Produção Integrada de Frutas e Hortali...
 
Cultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapaCultivo organico banana embrapa
Cultivo organico banana embrapa
 
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de bananaApresentaçã adubação do cultivo de banana
Apresentaçã adubação do cultivo de banana
 
Aspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacaoAspersores tipos e_classificacao
Aspersores tipos e_classificacao
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
 
5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana5 botânica e morfologia da cana
5 botânica e morfologia da cana
 
Caule 2012 aula
Caule 2012 aulaCaule 2012 aula
Caule 2012 aula
 
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e FertirrigaçãoSistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
Sistemas de Irrigação por Gotejamento, microaspersão e Fertirrigação
 
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura31929444 primeira-aula-de-fruticultura
31929444 primeira-aula-de-fruticultura
 
Sol
SolSol
Sol
 
Inflorescencias
InflorescenciasInflorescencias
Inflorescencias
 
Climatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do climaClimatologia: fatores e elementos do clima
Climatologia: fatores e elementos do clima
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperatura
 
Slides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmicaSlides para Apresentação acadêmica
Slides para Apresentação acadêmica
 

Semelhante a Cultivo de bananeiras notas de aula.

7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013Fattore
 
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdfcultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdfFabrizioAranha2
 
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...Antonio Inácio Ferraz
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasEpfr De Estaquinha
 
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaCultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaRural Pecuária
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPRomario Gomes
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxMilenaAlmeida74
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigadahelrijesus
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaReichard Felipe Kampmann
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaDufrrj
 

Semelhante a Cultivo de bananeiras notas de aula. (20)

7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-20137ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
7ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 22 5-2013
 
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto finalLaranja   beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
Laranja beterraba - cajá, da matéria-prima ao produto final
 
A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
 
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdfcultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
cultivodoalgodoalgodoeiro-170114231609.pdf
 
Olericultura 1
Olericultura 1Olericultura 1
Olericultura 1
 
CULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptxCULTURA DO TRIGO.pptx
CULTURA DO TRIGO.pptx
 
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
CANA-DE-AÇÚCAR-CULTIVO-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECU...
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
Práticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolasPráticas culturais nas hortícolas
Práticas culturais nas hortícolas
 
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da culturaCultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
Cultivo do maracujá: Aspectos a serem observados antes da implantação da cultura
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
 
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RPCultura da bananeira sistema GOMES RP
Cultura da bananeira sistema GOMES RP
 
Soja
SojaSoja
Soja
 
Slide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptxSlide Cultura do Algodao.pptx
Slide Cultura do Algodao.pptx
 
Fruticultura irrigada
Fruticultura irrigadaFruticultura irrigada
Fruticultura irrigada
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 
Cultivo banana
Cultivo bananaCultivo banana
Cultivo banana
 
Cadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandiocaCadeia produtiva da mandioca
Cadeia produtiva da mandioca
 
Tomate e cenoura
Tomate e cenouraTomate e cenoura
Tomate e cenoura
 

Mais de CETEP, FTC, FASA..

Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) edneiCETEP, FTC, FASA..
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copiaCETEP, FTC, FASA..
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentaisCETEP, FTC, FASA..
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima CETEP, FTC, FASA..
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRACETEP, FTC, FASA..
 
Palestra potencial da cultura do morango
Palestra   potencial da cultura do morangoPalestra   potencial da cultura do morango
Palestra potencial da cultura do morangoCETEP, FTC, FASA..
 

Mais de CETEP, FTC, FASA.. (12)

Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa)   edneiUmbuzeiro (spondias tuberosa)   ednei
Umbuzeiro (spondias tuberosa) ednei
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
 
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02   propagação e implantação de plantas ornamentaisAula 02   propagação e implantação de plantas ornamentais
Aula 02 propagação e implantação de plantas ornamentais
 
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima Aula 01   escolha dos vegetais - solo e clima
Aula 01 escolha dos vegetais - solo e clima
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
Substrato
SubstratoSubstrato
Substrato
 
Palestra água -
Palestra   água -Palestra   água -
Palestra água -
 
Informática Sustentável
Informática SustentávelInformática Sustentável
Informática Sustentável
 
Palestra potencial da cultura do morango
Palestra   potencial da cultura do morangoPalestra   potencial da cultura do morango
Palestra potencial da cultura do morango
 
Solo planta - atmosfera
Solo planta - atmosferaSolo planta - atmosfera
Solo planta - atmosfera
 

Último

FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfAroldoMenezes1
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (11)

FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdfPLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
PLANO DE EMERGÊNCIA E COMBATE A INCENDIO.pdf
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Cultivo de bananeiras notas de aula.

  • 1. Cultura da Bananeira Importância econômica e recomendações técnicas Prof. Ednei Pires Vitória da Conquista - Bahia
  • 2.
  • 3. Principais culturas agrícolas no mundo Produção em toneladas, 2011 Em área colhida a banana e plantains ocupa a 20º posição com mais de 10 milhões de hectares Fonte: FAOSTAT, 2011,.
  • 4. Principais culturas agrícolas no Brasil Posição Culturas Ano Toneladas 1º Sugar cane 2011 734.006.000 2º Soybeans 2011 74.815.400 3º Maize 2011 55.660.400 4º Cassava 2011 25.441.700 5º Oranges 2011 19.811.100 6º Rice, paddy 2011 13.477.000 7º Bananas 2011 7.329.470 Em área colhida no Brasil a banana ocupa a 15ª posição Fonte: FAOSTAT, 2011,.
  • 5. Área colhida em 1.000 ha em 2011 e percentual Total de área colhida em 2011, foi de 5.157.466 hectares. 31º cultura agrícola mais cultivada em área do mundo. Fonte: FAOSTAT, 2011,.
  • 6. Maiores produtores mundiais de Banana em milhões de toneladas em 2011 Fonte: FAOSTAT, 2011,.
  • 7. Produtividade em Toneladas por Hectares Fonte: FAOSTAT, 2011,.
  • 8. C Rendimento no Brasil em t.ha-1 FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
  • 9. C Área colhida de Banana em Hectares FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
  • 10. Contribuição dos estados na produção nacional FONTE: IBGE/CEPAGRO 2010
  • 11. C Preço médio pago por kg de banana em 12/04/2013 FONTE: CEAGESP/COTAÇÕES, 2013
  • 13.
  • 14. Cenário nacional Por que a produtividade brasileira é muito baixa? A Região Nordeste apresenta excelentes condições de clima e solo; Entretanto, ainda é baixa a eficiência na produção e no manejo pós-colheita. As exceções estão nos polos de fruticultura irrigada.
  • 15. Atividade de fixação 1. Sabe-se que a bananicultura é praticada em vários países, no cenário mundial qual aquele que mais se destaca em: a) área plantada b) Produção c) Produtividade 2. Em acordo com a questão 1 faça um levantamento para a situação do Brasil e para o estado da Bahia: 3. Da bananeira tudo se aproveita, talvez esse seja um dos fatores que retratam a importância dessa cultura, neste contexto cite dois derivados dessa cultura: 4. Como técnico em agricultura e em sua percepção o que deve ser recomendado para um produtor maximizar sua produtividade:
  • 16. Sistema de produção Exigências de clima é solo Escolha da área e da região Correção e preparo de solo e adubação Escolha da cultivar Plantio Irrigação Tratos culturais Desbaste, desfolha, eliminação do coração, ensacamento do cacho, corte do pseudocaule, escoronamento... Plantas daninhas Doenças e pragas Colheita e pós-colheita Mercado e comercialização.
  • 17. É O estudo científico da vida das plantas
  • 18. Origem:Ásia (Norte da Austrália) Classe: Monocotyledoneae Ordem: Zingiberales Família: Musaceae Gênero: Musa Espécie: Musa acuminata. Cultivares: grupo AAA (Nanica, Nanicão E Grande Naine); grupo AAB (Prata, Pacovan, Prata Anã, Maçã, Terra.
  • 19. Cultivar Grande Naine • Tipo cavendish, porte baixo, ciclo 290 dias, peso do cacho 25 kg, redimento 25 t/ha, susceptível a Sigatoka e resistente ao Mal-do-Panamá.
  • 20. Cultivar prata • Porte alto, ciclo 400 dias, peso do cacho 14 kg, rendimento 13 a 25 t/ha, susceptível a Sigatoka e tolerante ao Mal-do-Panamá.
  • 21. Cultivar ‘Maçã’ • Porte alto, ciclo 300 dias, peso do cacho 15 kg, rendimento 10 a 25 t/ha, tolerante a Sigatoka e susceptível ao Mal-do-Panamá.
  • 22. Descrição da planta Vegetal herbáceo completo, pois apresenta caule, raízes, folhas, flores, frutos e sementes.
  • 23. Ciclo vital e Ciclo de produção
  • 26. Atividade de Fixação 1. Já vimos que a bananeira é um vegetal completo, com base nesses conhecimentos apresente os principais órgãos que constitui essa planta: 2. Como projetar um ciclo de produção para um pomar de bananeiras que será implantado em Janeiro de 2016?
  • 27.
  • 28. Escolha da área Solo – férteis com profundidade mínima 75 cm Topografia – ideal ate 8% Altitude - É cultivada de 0 a 1000 m acima do nível do mar. Acréscimo de 100 m na altitude implica aumento de 30 a 45 dias no ciclo de produção. Ventos - velocidades superior a 40 km/h podem provocar danos, como quebra do pseudocaule. UR - Ideal entre 60% e 80% promove melhoras fisiológicas Continua...
  • 29. Temperatura • Ótima em torno de 28ºC. • Limitantes de 15 a 35ºC • < do que 15º afeta o sistema radicular e provoca distúrbios fisiológicos como a coagulação de seiva na casa (chilling). • > do que 35ºC desidrata o tecido inibindo o desenvolvimento da planta.
  • 30. Estudos buscam variedades resistentes ao frio Disponível em: http://banana-networks.org/bapnet/2012/12/06/research-seeks-to-develop-cold-tolerant-bananas/
  • 31. Precipitação e luz • Necessidade semanal 40 mm • Fase crítica diferenciação floral e inicio da frutificação atrofiamento da roseta foliar • A bananeira requer alta luminosidade Ciclo vegetativo de 8,5 a 14 meses
  • 32. Atividade de fixação 1. Imagine que você, foi contratado para prestar assistência técnica para um produtor que deseja implantar 5 hectares de banana prata anã, em relação a escolha da área quais o requisitos a serem seguidos, se tratando de localização:
  • 33. Correção do Solo • Correção do solo: pH ideal 6,5 • Tipo de calcário • Época de aplicação • Adubação: absorção em ordem decrescente • Macro: K N Ca Mg S P • Micro: Cl Mn Fe Zn B Cu. Em média, um bananal absorve por hectare/ano 1300 kg de K, 350 kg de N, 200 kg de Ca, 100 kg de Mg, 60 kg de S e 50 kg de P
  • 34. Exercícios 1. Recomendar correção se necessária para o seguinte solo: pH (mg/dm3) cmol/dm3 de solo % (H2O) P K+ Ca2+ Mg2+ Al3+ H+ SB t T V 5,1 1 0,07 1,7 1,3 0,8 9,0 3,1 3,9 12,9 24 • Teor ideal de P >15; P = déficit x 2,29 x 2 = kg/ha de P2O5 • Teor ideal de K+ = 0,25 - 0,35. K = déficit x 390 x 2 = Kg/ha de K+ x 1,205 = kg/ha de K2O
  • 35. Sintomas visuais de deficiências de nutrientes em folhas da bananeira (Borges e Oliveira, 2000)
  • 39. Plantio • Sulcamento 30 cm de profundidade • Covas de 40x40x40 • Direção nascente – poente
  • 40. Tipos de mudas Chifrão, chifre e chifrinho – importante uniformizar.
  • 44.
  • 46. • Os cinco primeiros meses do ciclo
  • 49. Principais P.D de ocorrência na cultura trapoeraba (Commelina difusa) Capim marmelada (Brachiaria plantaginea) guanxuma (Sida rhombifolia azedinho (Oxalis)
  • 50. • Tomada de decisão - Severidade da competição - plantas que abrigam pragas - plantas que abrigam inimigos naturais - plantas que reduz a perda de água e solo - pode atuar na ciclagem de nutrientes • Escolha do método de controle Por que conhecer as P.D de ocorrência? (SOUZA & NETO, 2005; CORDEIRO, 2005; BORGES, 2005)
  • 52. • Cobertura morta ou verde Estratégias de controle
  • 55. • Manejo da irrigação Estratégias de controle
  • 56. Capina manual • Utilização de enxadas ou roçadoras manuais • Baixo rendimento, alto custo. • Pode ferir o sistema radicular • P.D se reestabelece com rapidez (ALVES & OLIVEIRA, 1997).
  • 57. Controle mecânico • Grade de disco / enxada rotativa – Pode cortar o sistema radicular – Compactar o solo – Maior rendimento • Roçadora acoplada – Evito o revolvimento do solo
  • 58. Controle químico • Maior rendimento e menor custo • É importante a escolha do herbicida • A tecnologia de aplicação • Época de aplicação • Herbicidas – pré ou pós emergente, sistêmico ou de contato (DURIGAN, 1988).
  • 59. Herbicidas registrados para utilização na cultura da banana. Rodrigues e Almeida (2005).
  • 60. Atividade de fixação 1. Qual o melhor método de controle de plantas daninhas para a cultura da Bananeira?
  • 61. Irrigação • Escolha do método • Manejo • Topografia • Qualidade da água • Viabilidade
  • 62. Manejo da irrigação • Calcular a demanda hídrica • Calcular a vazão necessária • Irrigação é feita com base na evapotranspiração e é monitorada pelos tensiômetros instalados no solo  Tanque Classe A  Local de instalação  Anemômetro  Pluviométrico
  • 63. Atividade de fixação 1. Calcule a vazão necessária para irrigar uma área de 8 ha de banana sistema microaspersão: Dados: • Vasão do micro 45 L . h-1 • Espaçamento da cultura 2,5 x 2,0
  • 64. Demanda de água pela bananeira • 45% da evapotranspiração potencial nos primeiros 70 dias; • Elevando-se para 85% da evapotranspiração potencial aos 210 dias (fase de formação dos frutos) e • Atingindo um máximo de 110% da evapotranspiração potencial aos 300 dias. (EMBRAPA SEMIÁRIDO, 2010)
  • 65. Desbaste • Consiste na eliminação do filhos com 20 cm e 30 cm, sendo normalmente feito três vezes por ano. Os filhos podem surgir a partir dos 45 à 60 dias após o plantio
  • 66. Desfolha • É a eliminação de folhas secas e verdes quebradas.
  • 67. Escoronamento • Evita perdas de cacho por quebra e tombamento da planta (primeiros 30 dias).
  • 68. Eliminação do coração • Acelera e aumenta o desenvolvimento dos frutos, e o peso do cacho. realizá-la duas semanas após a emissão do cacho, deixando 15 cm de engaço.
  • 69. Despistilagem • Consiste na retirada dos restos florais • Favorece produção de frutos de melhor qualidade • Controle cultural de traças e tripes
  • 70. Ensacamento do cacho • Crescimento mais rápido dos frutos, antecipa a colheita, antecipa a colheita, evita ataques de abelhas, tripes e ouras pragas.
  • 71. Corte do pseudocaule • Aumenta a entrada de luz • Acelera a decomposição do material vegetal • Promove a reciclagem de nutrientes
  • 72.
  • 73. 7373 Destaque para: A broca-da-bananeira Cosmopolites sordidus (Coleoptera: Curculionidae). Adulto da broca-da-bananeira da bananeira. Fonte: Cordeiro (2003). Queda de bananeira provocada pela broca. Fonte: Alves (2005). Ocorrência Severidade Susceptibilidade
  • 74. 7474 Sintomas da broca-da-bananeira Fonte: Embrapa (2009).Fonte: Embrapa (2009). Ataque nos bananais ocasiona redução no tamanho dos cachos, comprometendo até 50% da produção, provoca enfraquecimento das plantas e a lesão favorece o ataque de fungos. (GOLD e outros, 2004)
  • 75. 7575 Controle da broca-da-bananeira Método de controle (NANKINGA e outros, 1999). Controle cultural – uso de mudas idôneas e eliminação dos restos de cultura . Monitoramento Controle químico – uso de inseticidas na base das plantas ou em iscas. Porém, o controle químico pode acarretar sérios problemas ambientais e risco à saúde dos consumidores e inviabilizar a exportação desta fruta devido à presença de resíduos tóxicos.
  • 76. Controle Biológico da broca-da-bananeira Vantagens: não deixa resíduos tóxicos, pode atuar por longo período de tempo e ocasiona baixo impacto ambiental. (ALVES e outros, 1998). Uso do fungo entomopatogênico - vários trabalhos como os de (ALVES, 2001; FANCELLI e outros, 2004), citam a eficiência de Beauveria bassiana no controle do C. sordidus. Uso permitido desde que autorizados pelo OAC ou OCS e em conformidade com os anexos I e VIII da IN 46 (MAPA, 2011). Foto: Nicolle de Carvalho Ribeiro V - Organismo de Avaliação da Conformidade Orgânica - OAC: VII - Organização de Controle Social - OCS:
  • 77. Outras pragas • Broca-do-pseudocaule (Castnia spp. ) • Traça da bananeira (Opogona sacchari) • Lagartas desfolhadoras - (Caliga spp.) • Tripes da flor – (Frankliniella spp.) • Tripes da erupção dos frutos (Frankliniella spp.) • T. da ferrugem dos frutos (Chaetanaphothrips spp.)
  • 78.
  • 79. Mal-do-panamá (Fusarium oxysporium f. sp. Cubense) Sintomas: amarelecimento progressivo das folhas velhas para as novas  as folhas murcham e se quebra junto ao pseudocaule. Medidas de controle: • Evitar áreas com alta incidência da doença; • Utilizar mudas sadias; • Manter a planta bem nutrida.
  • 82. Sintomas foliares Sigatoka amarela Mycosphaerella musicola Sigatoka negra Mycosphaerella fijiensis
  • 83. Outras doenças • Moko ou "Murcha Bacteriana (Ralstonia solanacearum Smith (Pseudomonas • solanacearum), raça 2. • Podridão da coroa • Antracnose • Nematóide (Meloidogyne javanica) • Nematóide Cavernícola (Radopholus similis).
  • 84. Atividade de Fixação 1. Como profissional da agriculta quais a medidas a serem recomendadas para evitar o mal-do-panamá em um cultivo de banana? 2. Recomende um controle para a broca do rizoma é em pomar de banana já estabelecido:
  • 85. Colheita • Critérios: Idade do cacho a partir da emissão do coração, em algumas cultivares desaparecimento das quinas. Varia de 100 a 120 dias Procedimentos
  • 86. Pós-colheita • Deve se evitar ferimentos no transporte • Frigoconservação • Conservação em atmosferas controlada e modificada
  • 88. Mercado • Produção voltada para mercado interno • Bananas de baixa qualidade e sem padronização. • Baixa tecnologia de produção e pós-colheita. • Dificuldade em firmar compromissos internacionais devido a incerteza da oferta. • Baixa competitividade.
  • 89. • Algumas imagens estão sem a fonte, por falta de informações sobre seus respectivos verdadeiros autores. Foram retiradas do Google Imagens. Caso o autor as identifique entrar em contato para a inserção da devida referência.
  • 90. Email: ednei.agro@hotmail.com / Fone: (77)9103-3807