SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 50
Baixar para ler offline
Larissa Gonçalves Silva
Inseticidas
Inseticidas são compostos químicos que aplicados
direta ou indiretamente sobre os insetos, em
concentrações adequadas provocam a sua morte.
INSETICIDAS
CLASSIFICAÇÃO DOS
INSETICIDAS
Sistêmicos: Transloca-se através do sistema vascular
das plantas.
Profundidade: Ação translaminar, capaz de atravessar
superfície vegetal e atingir a praga do lado oposto.
TRANSLOCAÇÃO
Contato - Via exoesqueleto.
Fumigação - Via espiráculos.
Ingestão - Via aparelho bucal.
PENETRAÇÃO
Inorgânicos - arsênico, enxofre.
Orgânicos:
- Origem vegetal (Nicotina).
- Origem microbiana (Bacillus,
Metarhizium, Baculuvírus ).
- Sintéticos (clorados, carbamatos, fosforados,
piretróides).
ORIGEM QUÍMICA
TOXICOLÓGICA
Fonte: Apostila Inseticidas, UFRP - 2010
Texto ou subtópicos.
Modo e Mecanismo de Ação
Fonte: CNPSOEmbrapa, inseticidas -
Helicoverpa armigera.
NEUROTÓXICOS
Fonte: Apostila Proteção UFG - 2015
REGULADORES DE
CRESCIMENTO
Atuam na fase jovem dos insetos (Ecdise).
Bloqueio na síntese de quitina, através das
membranas das células epidérmicas.
Quando o produto atua o inseto muda sem ter
formado o novo tegumento.
Inibidores da Síntese de Quitina
Benzoiluréia
Processo de muda: cutícula mal formada não resiste a
pressão.
Fonte: Folhetim BASF, 1988.
Imitam a ação do hormônio ecdisona,
desencadeando processo de ecdise imatura.
 Mudança de instar sem estar preparado, cutícula
deformada é produzida debaixo da velha.
Agonistas de receptores de
ecdisteróides
Inseto que não conseguiu se desprender da cutícula velha durante a muda.
Fonte: Folhetim técnico, Applaud 1989.
Diacilhidrazinas
Os juvenóides imitam a ação do Hormônio Juvenil (HJ).
 Impede que o inseto passe para fase adulta, afetando o
processo de metamorfose dos insetos imaturos.
Agonista do hormônio Juvenil
Fonte: Folhetim BASF (1988)
BIOLÓGICOS
BT’s
FORMULAÇÕES
 Formulações para aplicação direta
Pó seco
Granulado
Granulado encapsulado
Líquido para pulverização .
 Formulações para tratamento de sementes
Emulsão
Suspensão concentrada
Solução
Pó solúvel
Formulações para diluição em água
Concentrado emulsionável
Concentrado dispersivo
Concentrado solúvel
Pó molhável
Pó solúvel
Suspensão concentrada.
SELETIVIDADE
Seletividade de um inseticida é a propriedade de
controlar uma praga, com o menor impacto sobre
outros organismos presentes.
Seletividade
Fonte: Revista eletronica Cultivar – 2015
Fonte: CNPSOEmbrapa, inseticidas -
Helicoverpa armigera.
 Ação rápida – Em situações de emergência.
 Ação curativa - Em caso de insucesso, ou sucesso parcial
de outras medidas.
 Adaptáveis a diferentes situações - fase da praga, tamanho
da população, local de ataque, método de aplicação, etc.
Custo/benefício.
Vantagens dos Inseticidas
 Seleção de pragas resistentes
 Ressurgência de pragas
 Surgimento de pragas secundárias
Efeito sobre polinizadores
Desvantagens
São muitas vezes os responsáveis por manter as
populações de pragas abaixo do nível de dano
econômico.
Representado, especialmente, por entomopatógenos,
parasitoides e predadores.
Inimigos Naturais
Predadores
Fonte: Guia para o reconhecimento de inimigos
naturais de pragas agrícolas – EMBRAPA 2013
Parasitoides
Fonte: Guia para o reconhecimento de inimigos
naturais de pragas agrícolas – EMBRAPA 2013
Vírus
Entomopatógenos
Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU
MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
Fungos
Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU
MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
FAZENDA GEAGRA
Chrysodeixis includens
Fonte: Manual de pragas da soja, milho e
algodão – Monsanto 2013
Época de Incidência
Fonte: Manual de pragas da soja, milho e
algodão – Monsanto 2013
 20 lagartas por m²
A desfolha média de 64 a 200 cm2
40 Lagartas grandes por pano de batida, em 10
amostragens, com talhões de até 100 ha.
Nível de Controle
C. includens é desfavorecida em condições de chuva.
Devido a presença de um fungo, Nomuraea rileyi.
Controle Biológico
Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU
MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
GM - chegada das plantas geneticamente
modificadas, resistentes a insetos.
Soja GM expressa proteína Cry1AC, provenientes da
bactéria Bacilus thuringiensis (Bt).
 Poder inseticida para C. includens.
Soja GM
ESCOLHA DO INSETICIDA
PRODUTO COMERCIAL I.A G.Q CONC. MO. A CLASSE
ACEFATO
Acefato Organofosforado 750 g/L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO 1 e 2
CURYOM
Ufenurom e
Profenofós
Benzoiluréia e
Organofosforado
50 - 500 g/L CONTATO E INGESTÃO
1 e 2
GALIL Imidacloprido e
Bifentrina
Neonicotinóide e
Piretróide
250 - 50 g/L CONTATO E SISTÊMICO
2 e 2
IMIDAGOLD Imidacloprido Neonicotinóide 700 g/Kg SISTÊMICO 3 e 3
LANNATE Metomil Metilcarbamato 215 g/L CONTATO E INGESTÃO 1 e 2
METHOMEX Metomil Metilcarbamato 215 g/L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO 1 e 2
INSETICIDAS NO ESTOQUE
Fonte: Agrofit-Mapa
Área: 247,03 ha.
Até 3 aplicações.
PRODUTO COMERCIAL G.Q DOSE MODO DE AÇÃO VALOR
ACEFATO Organofosforado 0,75 kg SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO R$ 28,08
CURYOM
Benzoiluréia e
Organofosforado
300 ml CONTATO E INGESTÃO
R$ 83,43
GALIL Neonicotinóide e
Piretróide
- CONTATO E SISTÊMICO
R$ 114,40
IMIDAGOLD Neonicotinóide - SISTÊMICO R$ 97,40
LANNATE Metilcarbamato 0,5 L CONTATO E INGESTÃO R$ 17,00
METHOMEX Metilcarbamato 1L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO R$ 19,63
Larissa Gonçalves Silva
(62) 8255 5291
Laririzzie@gmail.com
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controleGeagra UFG
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOGeagra UFG
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1 Geagra UFG
 
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)Geagra UFG
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoGeagra UFG
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Geagra UFG
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasAndré Fontana Weber
 
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Geagra UFG
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoÍtalo Arrais
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaGeagra UFG
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoGeagra UFG
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROGeagra UFG
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃOMANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
MANEJO DE HERBICIDAS NO FEIJÃO
 
Inseticidas 1
Inseticidas 1 Inseticidas 1
Inseticidas 1
 
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
HERBICIDAS (INIBIDORES DE ACCase, FOTOSSISTEMA I e FOTOSSISTEMA II)
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Herbicidas
HerbicidasHerbicidas
Herbicidas
 
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
Caracterização de Produtos Químicos - Fungicidas
 
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJAMANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA SOJA
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
Classificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNewClassificação de doenças de McNew
Classificação de doenças de McNew
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
Adubação Foliar - Nutrição/Fitormônios
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIROMORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
MORFOLOGIA E FISIOLOGIA DO ALGODOEIRO
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja Fenologia e fisiologia da cultura da soja
Fenologia e fisiologia da cultura da soja
 

Semelhante a Inseticidas

Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosobecresforte
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Joannedream
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolamvezzone
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaCarlos Polos
 
Daskor 440 catálogo
Daskor 440 catálogoDaskor 440 catálogo
Daskor 440 catálogoarysta123
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfGiovaniGigio3
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasRita Rainho
 
Apresentacao koppert - Rsh Agricola
Apresentacao koppert - Rsh AgricolaApresentacao koppert - Rsh Agricola
Apresentacao koppert - Rsh Agricolaweversonlima
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozGeagra UFG
 
Pragas do eucalipto
Pragas do eucaliptoPragas do eucalipto
Pragas do eucaliptoDarioSousa10
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozGeagra UFG
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragasrita51096
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroGeagra UFG
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Juliana Queiroz
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De PragasNuno Correia
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaJuan Rodríguez
 

Semelhante a Inseticidas (20)

Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardosoControlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
Controlo de pragas 12ect-mariana graca e catia cardoso
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12Controlo de pragas bio 12
Controlo de pragas bio 12
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
Apostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricolaApostila entomologia agricola
Apostila entomologia agricola
 
Daskor 440 catálogo
Daskor 440 catálogoDaskor 440 catálogo
Daskor 440 catálogo
 
pragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdfpragas agricolas.pdf
pragas agricolas.pdf
 
Bio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragasBio12-Controlo de pragas
Bio12-Controlo de pragas
 
Apresentacao koppert - Rsh Agricola
Apresentacao koppert - Rsh AgricolaApresentacao koppert - Rsh Agricola
Apresentacao koppert - Rsh Agricola
 
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do ArrozManejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
Manejo de Plantas Daninhas na Cultura do Arroz
 
MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131 MIP algodão Circular técnica 131
MIP algodão Circular técnica 131
 
Pragas do eucalipto
Pragas do eucaliptoPragas do eucalipto
Pragas do eucalipto
 
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no ArrozManejo Integrado de Doenças no Arroz
Manejo Integrado de Doenças no Arroz
 
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
Powerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasPowerpoint 8   ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
Powerpoint 8 ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
cigarrinha.pdf
cigarrinha.pdfcigarrinha.pdf
cigarrinha.pdf
 
Controlo de pragas
Controlo de pragasControlo de pragas
Controlo de pragas
 
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do AlgodoeiroPlantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
Plantas Daninhas na cultura do Algodoeiro
 
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
Entomologia aplicada controle microbiano de pragas 2016
 
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De PragasExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera   Controlo De Pragas
ExploraçãO Das Potencialidades Da Biosfera Controlo De Pragas
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 

Mais de Geagra UFG

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Geagra UFG
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Geagra UFG
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Geagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxGeagra UFG
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfGeagra UFG
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxGeagra UFG
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoGeagra UFG
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaGeagra UFG
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxGeagra UFG
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaGeagra UFG
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxGeagra UFG
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA Geagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxGeagra UFG
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Geagra UFG
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoGeagra UFG
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasGeagra UFG
 

Mais de Geagra UFG (20)

Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........Colheita e armazenamento da soja........
Colheita e armazenamento da soja........
 
Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............Manejo de doenças da soja...............
Manejo de doenças da soja...............
 
Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........Mecanismo de ação de fungicidas.........
Mecanismo de ação de fungicidas.........
 
Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........Mecanismo de ação de inseticidas........
Mecanismo de ação de inseticidas........
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pptx
 
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdfCópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
Cópia de SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1).pdf
 
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptxSLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
SLIDE OFICIAL GEAGRA 2023.2 (2).pptx (1) (1).pptx
 
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptxMANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
MANEJO DE PLANTAS DANINHAS DA SOJA. .pptx
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicaçãoTecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de sojaManejo do solo e plantio de soja
Manejo do solo e plantio de soja
 
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptxinoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
inoculantes_coinoculantes_e_adubaASSAPSo_foliar.pptx
 
Correção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na sojaCorreção do solo e adubação na soja
Correção do solo e adubação na soja
 
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptxSLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
SLIDE DINÂMICA DOS NUTRIENTES OF.pptx
 
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
BIOTECNOLOGIA E RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptxFENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
FENOLOGIA E FISIOLOGIA DA SOJA.pptx
 
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil. Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
Produção de milho-doce, milho-pipoca e milho-verde no Brasil.
 
Colheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milhoColheita e armazenamento do milho
Colheita e armazenamento do milho
 
Mecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidasMecanismo de ação de fungicidas
Mecanismo de ação de fungicidas
 

Último

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (7)

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Inseticidas

  • 2. Inseticidas são compostos químicos que aplicados direta ou indiretamente sobre os insetos, em concentrações adequadas provocam a sua morte. INSETICIDAS
  • 4. Sistêmicos: Transloca-se através do sistema vascular das plantas. Profundidade: Ação translaminar, capaz de atravessar superfície vegetal e atingir a praga do lado oposto. TRANSLOCAÇÃO
  • 5. Contato - Via exoesqueleto. Fumigação - Via espiráculos. Ingestão - Via aparelho bucal. PENETRAÇÃO
  • 6. Inorgânicos - arsênico, enxofre. Orgânicos: - Origem vegetal (Nicotina). - Origem microbiana (Bacillus, Metarhizium, Baculuvírus ). - Sintéticos (clorados, carbamatos, fosforados, piretróides). ORIGEM QUÍMICA
  • 8. Texto ou subtópicos. Modo e Mecanismo de Ação Fonte: CNPSOEmbrapa, inseticidas - Helicoverpa armigera.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 17.
  • 18.
  • 19. Atuam na fase jovem dos insetos (Ecdise). Bloqueio na síntese de quitina, através das membranas das células epidérmicas. Quando o produto atua o inseto muda sem ter formado o novo tegumento. Inibidores da Síntese de Quitina
  • 20. Benzoiluréia Processo de muda: cutícula mal formada não resiste a pressão. Fonte: Folhetim BASF, 1988.
  • 21. Imitam a ação do hormônio ecdisona, desencadeando processo de ecdise imatura.  Mudança de instar sem estar preparado, cutícula deformada é produzida debaixo da velha. Agonistas de receptores de ecdisteróides
  • 22. Inseto que não conseguiu se desprender da cutícula velha durante a muda. Fonte: Folhetim técnico, Applaud 1989. Diacilhidrazinas
  • 23. Os juvenóides imitam a ação do Hormônio Juvenil (HJ).  Impede que o inseto passe para fase adulta, afetando o processo de metamorfose dos insetos imaturos. Agonista do hormônio Juvenil
  • 28.  Formulações para aplicação direta Pó seco Granulado Granulado encapsulado Líquido para pulverização .  Formulações para tratamento de sementes Emulsão Suspensão concentrada Solução Pó solúvel
  • 29. Formulações para diluição em água Concentrado emulsionável Concentrado dispersivo Concentrado solúvel Pó molhável Pó solúvel Suspensão concentrada.
  • 31. Seletividade de um inseticida é a propriedade de controlar uma praga, com o menor impacto sobre outros organismos presentes. Seletividade
  • 32. Fonte: Revista eletronica Cultivar – 2015
  • 33. Fonte: CNPSOEmbrapa, inseticidas - Helicoverpa armigera.
  • 34.  Ação rápida – Em situações de emergência.  Ação curativa - Em caso de insucesso, ou sucesso parcial de outras medidas.  Adaptáveis a diferentes situações - fase da praga, tamanho da população, local de ataque, método de aplicação, etc. Custo/benefício. Vantagens dos Inseticidas
  • 35.  Seleção de pragas resistentes  Ressurgência de pragas  Surgimento de pragas secundárias Efeito sobre polinizadores Desvantagens
  • 36. São muitas vezes os responsáveis por manter as populações de pragas abaixo do nível de dano econômico. Representado, especialmente, por entomopatógenos, parasitoides e predadores. Inimigos Naturais
  • 37. Predadores Fonte: Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas – EMBRAPA 2013
  • 38. Parasitoides Fonte: Guia para o reconhecimento de inimigos naturais de pragas agrícolas – EMBRAPA 2013
  • 39. Vírus Entomopatógenos Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
  • 40. Fungos Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
  • 42. Chrysodeixis includens Fonte: Manual de pragas da soja, milho e algodão – Monsanto 2013
  • 43. Época de Incidência Fonte: Manual de pragas da soja, milho e algodão – Monsanto 2013
  • 44.  20 lagartas por m² A desfolha média de 64 a 200 cm2 40 Lagartas grandes por pano de batida, em 10 amostragens, com talhões de até 100 ha. Nível de Controle
  • 45. C. includens é desfavorecida em condições de chuva. Devido a presença de um fungo, Nomuraea rileyi. Controle Biológico Fonte: PRAGAS DA SOJA NO BRASIL E SEU MANEJO INTEGRADO – EMBRAPA 2000
  • 46. GM - chegada das plantas geneticamente modificadas, resistentes a insetos. Soja GM expressa proteína Cry1AC, provenientes da bactéria Bacilus thuringiensis (Bt).  Poder inseticida para C. includens. Soja GM
  • 48. PRODUTO COMERCIAL I.A G.Q CONC. MO. A CLASSE ACEFATO Acefato Organofosforado 750 g/L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO 1 e 2 CURYOM Ufenurom e Profenofós Benzoiluréia e Organofosforado 50 - 500 g/L CONTATO E INGESTÃO 1 e 2 GALIL Imidacloprido e Bifentrina Neonicotinóide e Piretróide 250 - 50 g/L CONTATO E SISTÊMICO 2 e 2 IMIDAGOLD Imidacloprido Neonicotinóide 700 g/Kg SISTÊMICO 3 e 3 LANNATE Metomil Metilcarbamato 215 g/L CONTATO E INGESTÃO 1 e 2 METHOMEX Metomil Metilcarbamato 215 g/L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO 1 e 2 INSETICIDAS NO ESTOQUE Fonte: Agrofit-Mapa
  • 49. Área: 247,03 ha. Até 3 aplicações. PRODUTO COMERCIAL G.Q DOSE MODO DE AÇÃO VALOR ACEFATO Organofosforado 0,75 kg SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO R$ 28,08 CURYOM Benzoiluréia e Organofosforado 300 ml CONTATO E INGESTÃO R$ 83,43 GALIL Neonicotinóide e Piretróide - CONTATO E SISTÊMICO R$ 114,40 IMIDAGOLD Neonicotinóide - SISTÊMICO R$ 97,40 LANNATE Metilcarbamato 0,5 L CONTATO E INGESTÃO R$ 17,00 METHOMEX Metilcarbamato 1L SISTÊMICO DE CONTATO E INGESTÃO R$ 19,63
  • 50. Larissa Gonçalves Silva (62) 8255 5291 Laririzzie@gmail.com Obrigado!