SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Dr. Carlos Germano F. Costa
Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Especialista em Gestão de Riscos de Desastres
The Inter-American Institute for Cooperation on Agriculture (IICA) – Brazil
UEMS
Dourados, MS. Brasil
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL
ÁREA DE CONHECIMENTO: GESTÃO AMBIENTAL / ENGENHARIA AMBIENTAL / ENGENHARIA
SANITÁRIA / ENGENHARIA AGRONÔMICA / QUÍMICA / ENGENHARIA QUÍMICA
MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO
Introdução
Objetivos de aprendizagem: Ao final deste módulo,
você terá:
• Conhecimento sobre conceitos e ações voltadas
para o uso racional e manejo dos recursos naturais,
principalmente do solo:
• Compreensão dos conceitos básicos de Práticas de
Manejo do Solo.
• Compreensão dos conceitos básicos de
Conservação do Solo.
• Breve comentários sobre Formação, Perda e Uso
do Solo.
Roteiro da apresentação
I - Introdução
• As terras agrícolas, em geral, estão compartimentadas de
formas diferentes, com vários tipos de solos e cada tipo
apresentando características e vocações próprias,
necessitando, para serem utilizados, de um estudo ou
levantamento sobre a capacidade potencial e de uso dos
mesmos, adequando os modelos de explorações às suas
exigências naturais e adotando medidas de manejo, conforme
o tipo de solo, para dar sustentabilidade a essas explorações
sem causar nenhum prejuízo aos recursos naturais.
• Na atualidade, observa-se, frequentemente, a presença de
solos com alto grau de erosão, perdendo seu potencial
produtivo devido, em especial, ao uso de práticas agrícolas
inadequadas ou de implementos agrícolas pouco apropriados
ao tipo de solo que, aos poucos, acelera o processo de
degradação, facilmente identificada, quando se verifica a
redução dos índices de produtividade das lavouras,
especialmente aquelas cultivadas em regime de sequeiro no
âmbito da agricultura familiar.
• Essa aula vislumbra a apresentação conceitos sobre práticas
de natureza conservacionistas, com a finalidade de fornecer
alternativas para o controle dos processos erosivos e
promover a conservação do solo e da água. são abordadas, de
forma sucinta, as principais características dos solos e suas
relações com as propriedades e limitações de uso, e que
conduzem à conceituação das categorias de capacidade de
uso das terras. O uso adequado das terras é o primeiro passo
para uma agricultura sustentável
Conservação do Solo e Água
• Ações voltadas para o uso racional e manejo dos recursos
naturais, principalmente do solo, da água e da
biodiversidade visam a promover agricultura sustentável,
aumentar a oferta de alimentos e melhorar os níveis de
emprego e renda no meio rural.
• A adoção das microbacias hidrográficas para o
planejamento, monitoramento e avaliação do uso dos
recursos naturais é o primeiro passo para projetos de
conservação do solo e da água. A adoção das
microbacias são unidades geográficas naturais, em que
fatores ambientais, econômicos e sociais se encontram
assemelhados ou em condições homogêneas e, por isso,
mais apropriadas para o estabelecimento de um plano
unificado para o controle das interferências das atividades
agropecuárias no meio ambiente.
• O segundo passo é a organização dos produtores como
estratégia para promover a melhoria da produtividade
agrícola e o uso de tecnologias adequadas sob o ponto de
vista ambiental, econômico e social.
• O Ministério da Agricultura atua como indutor e
catalisador das práticas de uso dos recursos naturais,
auxiliando na definição de diretrizes, objetivos e metas. Os
programas oficiais, conduzidos pela Coordenação de
Manejo Sustentável dos Sistemas Produtivos (CMSP), da
Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e
Cooperativismo (SDC), contribuem para o controle da
erosão, recomposição das matas ciliares e proteção de
encostas e nascentes.
Marco Legal •Capacitação de pessoal técnico e agricultores em Planejamento de
Bacias Hidrográficas e Conservação de Solo e Água;
•Validação e difusão de tecnologias apropriadas em manejo e
conservação de solo;
•Introdução de práticas de cobertura de solo;
•Práticas de agricultura orgânica e agroflorestais;
•Implantação de viveiros de plantas;
•Recomposição de matas ciliares e proteção de áreas frágeis;
•Práticas de preservação e uso sustentável dos recursos hídricos;
•Adequação de estradas vicinais de terra;
•Calagem e gessagem do solo agrícola;
•Práticas de contenção e controle de voçorocas;
•Demarcação de curvas de nível e construção de sistemas de
terraceamento;
•Implantação de projetos demonstrativos de manejo integrado de
pragas (MIP);
•Produção e difusão de material técnico/educativo; Apoio e
realização de eventos técnicos (dias-de-campo, seminários, reuniões
de trabalho);
•Recuperação de áreas degradadas; Introdução do Sistema Plantio
Direto.
O Programa Nacional de Microbacias Hidrográficas e
Conservação de Solos na Agricultura – Decreto N° 94.076, de
05 de Março de 1987 - busca promover o desenvolvimento
de forma integrada e sustentável. Com o uso racional dos
recursos naturais, aumenta-se a produção de alimentos e a
geração de emprego e renda no meio rural.
Desenvolvido pelo Ministério da Agricultura em parceria
com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária
(Embrapa), prefeituras municipais, instituições de pesquisa
agrícola, serviços de assistência técnica e extensão rural e
organizações não governamentais (ONGs). O programa tem
como ações prioritárias:
Bacia sem Planejamento
Bacia com Planejamento
Levantamento de Solos
• Inventário de informações ambientais que estabelecem uma
base científica para o planejamento do uso da terra
• Visa à subdivisão de áreas heterogêneas em parcelas com
solos mais homogêneos, que apresentem a menor
variabilidade possível
• = mapa de solos + texto explicativo.
• Mapa de solos: localização da área, identificação do solo.
• Texto explicativo: caracterização dos solos, associações com
a paisagem; potenciais e limitações.
• Publicação: relatório técnico, boletim, etc.
• Unidade de mapeamento:: grupamento de área de solos,
estabelecido para possibilitar a representação em bases
cartográficas e mostrar a distribuição espacial, extensão e
limites dos solos.
• Informam, entre outros aspectos:Permeabilidade do solo;
Espessura Até a rocha; Substrato; Consistência; Presença de
materiais expansíveis ou corrosivos, etc.
• Aplicações: agropecuária, engenharia (civil, sanitária,
ambiental), urbanismo, manejo florestal, etc.
São reconhecidos 5 tipos principais de
levantamentos:
• Exploratório
• Reconhecimento
• Semidetalhado
• Detalhado
• Ultradetalhado
Outros mapas são denominados :
• Esquemáticos ou genéricos (base em
compilação de dados): interesse político-
administrativos.
Levantamento e Classificação de Solos
O manejo inadequado do solo tende a
alterar as características químicas,físicas e
biológicas, e acelerar o processo de
degradação deste e do meio ambiente.
Para que o solo seja usado de forma
adequada é importante caracterizá-lo
quanto às suas propriedades morfológicas,
físicas e químicas, que normalmente é feito
através dos levantamentos pedológicos.
Estes levantamentos têm por objetivo
sistematizar o conhecimento dos solos,
possibilitando a sua identificação,
mapeamento e recomendação de uso
As informações sobre classificação dos
solos geralmente disponíveis, com
exceção de algumas áreas restritas onde
foram feitos levantamentos mais
detalhados, restringem-se a relatórios de
levantamentos feitos ao nível de
reconhecimento.
Nestes, o mapeamento é pouco preciso e
inadequado para o planejamento
conservacionista em propriedades
agrícolas ou em microbacias hidrográficas.
Esta forma de planejamento requer
levantamentos detalhados dos tipos de
solos e das características do meio físico,
como profundidade, fases de declive,
pedregosidade, grau de erosão e
condições de drenagem.
O levantamento de solos é importante
para a realização de zoneamentos
agroecológicos e previsões quanto a
utilização e produtividade das terras de
uma região, sob determinadas condições
de manejo.
Para isso, é essencial dispor-se de
conhecimentos sobre a formação do solo,
ambiente onde ele se desenvolve e sobre
as alterações que,eventualmente, venham
ocorrer em consequência do uso.
Capacidade e Uso do Solo
Fatores Associados à Formação do Solo
A erosão hídrica é, em grande parte do
nosso planeta, a mais importante forma de
erosão e é causada pela chuva e pelo
escoamento superficial , sendo afetada por
um grande número de agentes naturais e
antropogênicos
Pode ser expressa como a relação existente
entre a erosividade da chuva (fator ativo) e a
erodibilidade do solo (fator passivo).
Clima: chuvas, ventos – distribuição,
quantidade e intensidade
Topografia: declividade do terreno,
comprimento de rampa.
Cobertura vegetal.
Microrganismos.
Solo: natureza (textura, permeabilidade e
profundidade) e manejo
Tempo. Terras férteis em Madagascar: ecossistemas saudáveis são a base da
segurança alimentar.
Formas de Manejo e Perda de Solos
Para cada quilo de grãos produzido,
perdem- se de 6 a 10 quilos de solo por erosão. O país
como um todo desperdiça cerca de 1 bilhão de toneladas
de solo fértil por ano. A perda da fertilidade causada por
esse processo aumenta a demanda por produtos
químicos, não somente por fertilizantes, mas também por
herbicidas e pesticidas, uma vez que plantas malnutridas
são mais vulneráveis às doenças. Essa erosão não para por
aí tem os cursos de água como seu destino final,
assoreando os leitos dos rios.
Almanaque Brasil socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004.
p. 106 e 275.
Erosão do Solo
Solo: um dos recursos naturais mais
Instáveis quando modificado.
Erosão é o processo de desprendimento
e arraste acelerado das partículas do
solo causado pela água e pelo vento
Principal causa do depauperamento
acelerado das terras: queda quantitativa
e qualitativa na produção
.
Efeitos na paisagem.
Desenvolvimento (agrícola) sustentável.
Agentes Causadores:
• Retirada da cobertura florestal.
• Manejo intensivo e/ou inadequado do
solo.
• Cultivo “morro abaixo”.
• Queimadas intensas.
• Superpastejo.
Etc
Formas de Erosão:
• Erosão geológica: tão antiga quanto a Terra; Formação de solos.
• Erosão eólica:
Regiões planas, pouca chuva, vegetação natural escassa,ventos fortes- mais
séria em regiões áridas e semiáridas.
Movimentação de partículas de solo mais erodíveis (0,1mm diâmetro): ventos
de 15 km/h a 30 cm da superfície.
Artigo 3° da Lei 12305/2010
• Erosão hídrica:
Três tipos principais: Laminar(ou lavagem superficial ou
entre sulcos): remoção uniforme de uma camada
superior de todo o terreno.
Classes: Ligeira (< 25% hor. A); Moderada (25 a 75%);
Severa (> 75% A; ap. B); Muito severa (25 a 75% B);
Extremamente severa (ap. C). Difícil identificação
• Em sulcos:
resulta de irregularidades na superfície do solo devido
à concentração da enxurrada em determinados locais.
Frequência: ocasionais; frequentes;muito frequentes.
Profundidade: superficiais; rasos; profundos; muito
profundos (voçorocas).
• Voçorocas (boçorocas ou ravinas) = terra rasgada:
“forma espetacular da erosão”:
Vales de erosão onde a remoção é rápida a ponto de
não permitir o desenvolvimento da vegetação.
Ravina: processos erosivos de origem geomorfológica,
constituindo a rede natural de drenagem das águas
Voçoroca:processos erosivos acelerados.
Sulcos e voçorocas dificultam ou impedem o trabalho
das máquinas agrícolas.
Relatório da FAO (agência da ONU
responsável pela agricultura e
segurança alimentar no mundo)
divulgado em 28/nov/2011 aponta
um cenário pessimista para a SAN
mundial. Segundo ele, 25% dos solos
do planeta estão degradados.
Isso representa um maior desafio
para alimentar a população mundial
no futuro. A FAO estima que, até
2050, a agricultura precisará produzir
70% a mais de alimentos do que
produz hoje. Atualmente a produção
agrícola cresce num ritmo cada vez
menor e, em algumas áreas, o ritmo
de crescimento é apenas metade do
que era na época da Revolução Verde,
há mais de cinquenta anos atrás.
Assim como os solos, os recursos
hídricos mundiais também estão em
processo de esgotamento. A poluição
dos lençóis subterrâneos aumentou,
enquanto que em regiões de
produção intensiva de cereais as
reservas subterrâneas estão secando.
A FAO alerta que a competição por
recursos hídricos entre cidades,
indústrias e agricultura tende a
aumentar no futuro.
A FAO indica que a solução pode estar
numa melhor gestão da água e numa
agricultura sustentável. De qualquer
modo, ajustes deverão ser feitos no
percentual de consumo mundial.
Práticas Conservacionistas
Técnicas utilizadas para aumentar a
resistência do solo ou diminuir as forças do
processo erosivo.
Podem ser vegetativas, edáficas ou
mecânicas - associação das práticas.
Conservação do solo: é todo sistema de
manejo - Conhecer o solo para poder
conservá-lo.
Planejamento conservacionista:
Estabelecimento de um esquema de
trabalhos para a propriedade agrícola que
assegure a conservação do solo junto à
sua exploração lucrativa, renovando os
sistemas de trabalho, as práticas agrícolas
e a organização da propriedade.
F {condições físicas, econômicas e
sociais}.
Capacidade de uso do solo, Aptidão
agrícola.
Manejo Ecológico do Solo
O porquê do Manejo Ecológico do Solo?
É essencial para a obtenção de produtividade sustentável, permitindo
rendimento econômico satisfatório e manutenção do potencial produtivo do
solo.
Práticas de Manejo e Conservação de Solo
Práticas de caráter vegetativo
Visam controlar a erosão pelo aumento
da cobertura vegetal do solo e
incorporação de resíduos.
Proteção contra as gotas de chuva;
Diminuição da velocidade de
escoamento das enxurradas.
Florestamento e Reflorestamento:
• Topos de morros
• Margens de rios e lagos
• Terrenos acidentados
• Recuperação de áreas degradadas
Pastagens
Áreas de risco: onde as culturas não são
indicadas – livres de ervas daninhas;
mistura de leguminosas e gramíneas;
correção da acidez e da fertilidade do
solo; tempo para estabelecimento da
vegetação; árvores e abrigos nas partes
altas; atentar para superpastejo ;
construção de sulcos e camalhões, se
necessário.
-RAD
Plantas de cobertura(↓erosão, melhora
solo)
Cultura em faixas- Retenção (cordões de
vegetação permanente) – Rotação.
Alternância de capinas
Cobertura morta
Faixas de bordadura: Faixa estreita (3 a 5
m), vegetação porte baixo (capim gordura,
crotalárias etc.)
Quebra-ventos
Consórcio de Lavouras/Criação/Florestas:
A integração Lavorua-Pecuária-Floresta
(ILPF) promove a recuperação de áreas de
pastagens degradadas e busca melhorar a
fertilidade do solo com a aplicação de
técnicas e sistemas de plantio adequados
para a otimização e a intensificação de
seu uso.
Permite a diversificação de atividades
econômicas na propriedade e minimiza os
riscos de frustração de renda por eventos
climáticos ou por condições desfavoráveis
de mercado.
Vantagens: Reduz o uso de agroquímicos;
Evita desmatamento;
Permite aumento de biodiversidade e do
controle de processos erosivos com a
manutenção da cobertura do solo;
Práticas de Caráter Edáfico
Manutenção e melhoria do solo,
principalmente quanto à disponibilidade de
nutrientes.
• Eliminação ou controle das queimadas.
• Calagem.
• Adubação química, orgânica, verde.
• Rotação de culturas.
• Quebra-ventos.
(criam um microclima favorável).
Rotação de Culturas:
Consistem em alternar ciclos, espécies
vegetais, numa mesma área agrícola. As
espécies escolhidas devem ter, ao mesmo
tempo, própósito comercial e de
recuperação/proteção do solo.
Vantagens:
Proporciona a produção diversificada de
alimentos e outros produtos agrícolas;
Melhora as características físicas,
químicas e biológicas do solo;
Auxilia no controle de plantas daninhas,
doenças e pragas;
Repõem matéria orgânica e protege o
solo de agentes climáticos.
Plantio Direto.
Práticas de Caráter Mecânico
Geralmente, requerem maior dispêndio de
recursos financeiros.
• Distribuição racional dos caminhos
• Conservação de estradas rurais
• Plantio em nível
• Bacias de captação
• Controle de voçorocas
Terraceamento:
• cordões em nível
• terraços em nível
• terraços em gradiente
• canais divergentes
• canais escoadouros
• terraços tipo patamar
• banquetas individuais
• banquetas contínuas
Sistema de Plantio Direto na Palha em em Curvas
Sistema de plantio direto na palha:
Semeadura ou plantio de mudas sem
realizar o preparo do solo com aração e
gradagem, mantendo a palha da cultura
anterior.
.
A presença da palha protege a terra
contra o impacto da gota da chuva ou da
irrigação por aspersão, favorece o
controle de plantas daninhas e cria um
ambiente favorável ao bom
desenvolvimento do sistema radicular.
Sistema de plantio em Curvas de Nível:
Realizar cultivos em Curva de Nível, significa
executar operações de preparo do solo, plantio
e todas as operações de cultivo no sentido
transversal e pendente, cortando o declive no
sentido do nível do terreno, linhas em
contorno (todos os pontos da linha na mesma
altura do terreno).
Objetivo:
Reduzir a erosão;
Facilitar os tratos na lavoura;
Em uma área cultivada em nível:
As operações são feitas respeitando a
altura do terreno;
Fileiras de plantas, pequenos sulcos e leiras
e restos culturais: Formam uma barreira
contra a enxurrada diminuindo a sua
velocidade e energia, aumentando a
infiltração da água.
Considerações Finais
BIBLIOGRAFIA:
FISCHMANN, A. A.; ALMEIDA, M. I. R. de. Planejamento estratégico na prática. 2.ed. 20ª reimpressão. São
Paulo: Atlas, 2011.JACOBI, P. (org.) Gestão compartilhada dos resíduos no Brasil: inovação com inclusão social. São Paulo:Annablume, 2006.
MANO, E. B. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2.ed. São Paulo: Blucher, 2010.
MAY, P. H. (org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2. ed. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro:Elsevier, 2010.
MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. 2. ed. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2003.
PRIMAVESI. A. Manejo ecológico do solo. São Paulo: Nobel, 2004.
PRIMAVESI. A. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2004.
ROBLES JR., A.; BONELLI, V. V. Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque financeiro e patrimonial.6ª reimpressão. São Paulo: Atlas,
2011.
ROCHA, J. C. Introdução à química ambiental. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.
SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental. Oficina de Textos, 2004.
ZYLBERSZTAJN, D. (org.) Sustentabilidade e geração de valor: a transição para o século XXI. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2010.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do soloWillian Passos
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3UERGS
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva CBH Rio das Velhas
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoGeagra UFG
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do soloFabíola Mello
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Ediney Dias
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solosdela28
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoGETA - UFG
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasilArtur Lara
 
Histórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agriculturaHistórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agriculturaAlex Samuel Rodrigues
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxALEXANDREDECASTROSAL
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentávelKelwin Souza
 
Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e ConsequênciasMecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e ConsequênciasBruno Anacleto
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Samanta Lacerda
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoGeagra UFG
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Leandro Araujo
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisCarlos Priante
 

Mais procurados (20)

10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula10 Propriedades Físicas do Solo-aula
10 Propriedades Físicas do Solo-aula
 
Aula 04 preparo do solo
Aula 04   preparo do soloAula 04   preparo do solo
Aula 04 preparo do solo
 
Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3Evolução da agricultura aula 3
Evolução da agricultura aula 3
 
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
Práticas conservacionistas do solo e de água - Demetrius David da Silva
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento Manejo e conservação do solo - Terraceamento
Manejo e conservação do solo - Terraceamento
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Sistemas de irrigação
Sistemas de irrigaçãoSistemas de irrigação
Sistemas de irrigação
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
Histórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agriculturaHistórico sobre o início da agricultura
Histórico sobre o início da agricultura
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e ConsequênciasMecanização Agrícola - Entraves e Consequências
Mecanização Agrícola - Entraves e Consequências
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentável Agricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
Sistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio DiretoSistema de Plantio Direto
Sistema de Plantio Direto
 
Educação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidadeEducação ambiental e sustentabilidade
Educação ambiental e sustentabilidade
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Aula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos AmbientaisAula 2 Impactos Ambientais
Aula 2 Impactos Ambientais
 
Slides compostagem
Slides compostagemSlides compostagem
Slides compostagem
 

Destaque

Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013Agroecologia
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadasFernando Assis
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaBruno Anacleto
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosJoão Felix
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloVALDECIR QUEIROZ
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiRita de Cássia Freitas
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaSérgio Amaral
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...Marcelo Venturi
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeMarcelo Venturi
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaMarcelo Venturi
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloMarcelo Venturi
 

Destaque (15)

Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013Apresentação Irene Cardoso   cba agroecologia 2013
Apresentação Irene Cardoso cba agroecologia 2013
 
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadasPraticas de conservação  do solo e recuperação de áreas degradadas
Praticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadas
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
Solo - manejo do solo
Solo -  manejo do soloSolo -  manejo do solo
Solo - manejo do solo
 
Mas
MasMas
Mas
 
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínosUma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
Uma abordagem sobre a produção agroecológica de suínos
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
 
Adubação Verde
Adubação VerdeAdubação Verde
Adubação Verde
 
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iiiManejo e conservação do solo e da água modulo iii
Manejo e conservação do solo e da água modulo iii
 
Manual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da ÁguaManual de Conservação do Solo e da Água
Manual de Conservação do Solo e da Água
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
2016 leguminosas no ambiente: solo, horta, agrofloresta, diversidade e educaç...
 
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividadeIndicadores de qualidade ambiental e produtividade
Indicadores de qualidade ambiental e produtividade
 
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa ParticipativaSeminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
Seminario Agroecossistemas Pesquisa Participativa
 
Manejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do SoloManejo Ecologico Do Solo
Manejo Ecologico Do Solo
 

Semelhante a Gestão do solo e conservação de recursos naturais

Cartilha quebra vento
Cartilha quebra ventoCartilha quebra vento
Cartilha quebra ventocaslemos24
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Karlla Costa
 
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011simoninhavargas
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloRoberto Santos
 
Impactos da agropecuária no ambiente
Impactos da agropecuária no ambienteImpactos da agropecuária no ambiente
Impactos da agropecuária no ambientejess rios
 
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...Rafael Oliveira
 
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcsJHONATA LEMOS
 
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptx
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptxAULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptx
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptxssuser6b433b
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaMaurício Coelho
 
Levantamento do potencial de uso agrícola do solo
Levantamento do potencial de uso agrícola do soloLevantamento do potencial de uso agrícola do solo
Levantamento do potencial de uso agrícola do soloIF Baiano - Campus Catu
 
Solos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiroSolos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileirobarretopab
 
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade II
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade IIGestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade II
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade IIHarutchy
 
Causas da Degradacao do Solo em Mocambique
Causas da Degradacao do Solo em MocambiqueCausas da Degradacao do Solo em Mocambique
Causas da Degradacao do Solo em MocambiqueCredencio Maunze
 
01 erosão no plantio direto
01   erosão no plantio direto01   erosão no plantio direto
01 erosão no plantio diretoWilza Santos
 

Semelhante a Gestão do solo e conservação de recursos naturais (20)

Escolha de uma propriedade agricola
Escolha de uma propriedade agricolaEscolha de uma propriedade agricola
Escolha de uma propriedade agricola
 
Cartilha quebra vento
Cartilha quebra ventoCartilha quebra vento
Cartilha quebra vento
 
Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2Agricultura de precisao modulo 2
Agricultura de precisao modulo 2
 
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
 
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do SoloProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
ProtecçãO E ConservaçãO Do Solo
 
Revista
RevistaRevista
Revista
 
Impactos da agropecuária no ambiente
Impactos da agropecuária no ambienteImpactos da agropecuária no ambiente
Impactos da agropecuária no ambiente
 
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...Apresentação  projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
Apresentação projeto de revitalização ambiental na bacia hidrográfica dos có...
 
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
09 02-49-apostilaparaadisciplinamcs
 
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptx
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptxAULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptx
AULA 1º ANO Capítulo 9 Erosão e contaminação dos solos.pptx
 
1 2
1 21 2
1 2
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Levantamento do potencial de uso agrícola do solo
Levantamento do potencial de uso agrícola do soloLevantamento do potencial de uso agrícola do solo
Levantamento do potencial de uso agrícola do solo
 
Degradacao pastagens
Degradacao pastagensDegradacao pastagens
Degradacao pastagens
 
O solo e a agricultura
O solo e a agriculturaO solo e a agricultura
O solo e a agricultura
 
Solos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiroSolos no contexto florestal brasileiro
Solos no contexto florestal brasileiro
 
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade II
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade IIGestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade II
Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Unidade II
 
Teorico
TeoricoTeorico
Teorico
 
Causas da Degradacao do Solo em Mocambique
Causas da Degradacao do Solo em MocambiqueCausas da Degradacao do Solo em Mocambique
Causas da Degradacao do Solo em Mocambique
 
01 erosão no plantio direto
01   erosão no plantio direto01   erosão no plantio direto
01 erosão no plantio direto
 

Mais de UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit)

Mais de UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit) (20)

Arquiteturas 5G
Arquiteturas 5GArquiteturas 5G
Arquiteturas 5G
 
5G Architectures
5G Architectures5G Architectures
5G Architectures
 
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo VerdeEstratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
Estratégia Nacional de Redução de Riscos de Desastres de Cabo Verde
 
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDRPraia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
Praia´s Disaster Risk Reduction Plan UNISDR
 
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 AgendaReducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
Reducao de Riscos Inclusiva - The Post 2015 Agenda
 
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreamingProposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
Proposal 3 development_calendar_drr_mainstreaming
 
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER ProjectField Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
Field Visit - Preparedness and Resilient RECOVER Project
 
Workshop Preparedness and Resilient Recovery
Workshop Preparedness and Resilient RecoveryWorkshop Preparedness and Resilient Recovery
Workshop Preparedness and Resilient Recovery
 
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDELIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
LIÇÕES APRENDIDAS DOS PROCESSOS DE RECUPERAÇÃO PÓS-DESASTRE EM CABO VERDE
 
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastreWorkshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
Workshop metodologia da avaliação das necessidades pós desastre
 
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de GovernoIntegração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
Integração de Governança de Risco de Desastres em Programas de Governo
 
Mobilização de recursos
Mobilização de recursosMobilização de recursos
Mobilização de recursos
 
Desastres naturais conceitos basicos
Desastres naturais conceitos basicosDesastres naturais conceitos basicos
Desastres naturais conceitos basicos
 
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
Redução de RISCO DE DESASTRES, governança & MAINSTREAMING
 
Career Trends Transferring Skills
Career Trends Transferring SkillsCareer Trends Transferring Skills
Career Trends Transferring Skills
 
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
Riesgo, Innovación y Desarrollo en un Clima Cambiante: El Papel de las Políti...
 
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable DevelopmentChallenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
Challenging Instruments and Capacities to Engage in Sustainable Development
 
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought MonitorMonitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
Monitor de Sequías Monitor de Secas Drought Monitor
 
Fairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
Fairness and Equity Implications for New Governance MechanismsFairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
Fairness and Equity Implications for New Governance Mechanisms
 
2016 berlin-conference-programme
2016 berlin-conference-programme2016 berlin-conference-programme
2016 berlin-conference-programme
 

Último

Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 

Gestão do solo e conservação de recursos naturais

  • 1. Dr. Carlos Germano F. Costa Doutor em Desenvolvimento e Meio Ambiente – Especialista em Gestão de Riscos de Desastres The Inter-American Institute for Cooperation on Agriculture (IICA) – Brazil UEMS Dourados, MS. Brasil UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ÁREA DE CONHECIMENTO: GESTÃO AMBIENTAL / ENGENHARIA AMBIENTAL / ENGENHARIA SANITÁRIA / ENGENHARIA AGRONÔMICA / QUÍMICA / ENGENHARIA QUÍMICA MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO
  • 2. Introdução Objetivos de aprendizagem: Ao final deste módulo, você terá: • Conhecimento sobre conceitos e ações voltadas para o uso racional e manejo dos recursos naturais, principalmente do solo: • Compreensão dos conceitos básicos de Práticas de Manejo do Solo. • Compreensão dos conceitos básicos de Conservação do Solo. • Breve comentários sobre Formação, Perda e Uso do Solo. Roteiro da apresentação
  • 3.
  • 4. I - Introdução • As terras agrícolas, em geral, estão compartimentadas de formas diferentes, com vários tipos de solos e cada tipo apresentando características e vocações próprias, necessitando, para serem utilizados, de um estudo ou levantamento sobre a capacidade potencial e de uso dos mesmos, adequando os modelos de explorações às suas exigências naturais e adotando medidas de manejo, conforme o tipo de solo, para dar sustentabilidade a essas explorações sem causar nenhum prejuízo aos recursos naturais. • Na atualidade, observa-se, frequentemente, a presença de solos com alto grau de erosão, perdendo seu potencial produtivo devido, em especial, ao uso de práticas agrícolas inadequadas ou de implementos agrícolas pouco apropriados ao tipo de solo que, aos poucos, acelera o processo de degradação, facilmente identificada, quando se verifica a redução dos índices de produtividade das lavouras, especialmente aquelas cultivadas em regime de sequeiro no âmbito da agricultura familiar. • Essa aula vislumbra a apresentação conceitos sobre práticas de natureza conservacionistas, com a finalidade de fornecer alternativas para o controle dos processos erosivos e promover a conservação do solo e da água. são abordadas, de forma sucinta, as principais características dos solos e suas relações com as propriedades e limitações de uso, e que conduzem à conceituação das categorias de capacidade de uso das terras. O uso adequado das terras é o primeiro passo para uma agricultura sustentável
  • 5. Conservação do Solo e Água • Ações voltadas para o uso racional e manejo dos recursos naturais, principalmente do solo, da água e da biodiversidade visam a promover agricultura sustentável, aumentar a oferta de alimentos e melhorar os níveis de emprego e renda no meio rural. • A adoção das microbacias hidrográficas para o planejamento, monitoramento e avaliação do uso dos recursos naturais é o primeiro passo para projetos de conservação do solo e da água. A adoção das microbacias são unidades geográficas naturais, em que fatores ambientais, econômicos e sociais se encontram assemelhados ou em condições homogêneas e, por isso, mais apropriadas para o estabelecimento de um plano unificado para o controle das interferências das atividades agropecuárias no meio ambiente. • O segundo passo é a organização dos produtores como estratégia para promover a melhoria da produtividade agrícola e o uso de tecnologias adequadas sob o ponto de vista ambiental, econômico e social. • O Ministério da Agricultura atua como indutor e catalisador das práticas de uso dos recursos naturais, auxiliando na definição de diretrizes, objetivos e metas. Os programas oficiais, conduzidos pela Coordenação de Manejo Sustentável dos Sistemas Produtivos (CMSP), da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (SDC), contribuem para o controle da erosão, recomposição das matas ciliares e proteção de encostas e nascentes.
  • 6. Marco Legal •Capacitação de pessoal técnico e agricultores em Planejamento de Bacias Hidrográficas e Conservação de Solo e Água; •Validação e difusão de tecnologias apropriadas em manejo e conservação de solo; •Introdução de práticas de cobertura de solo; •Práticas de agricultura orgânica e agroflorestais; •Implantação de viveiros de plantas; •Recomposição de matas ciliares e proteção de áreas frágeis; •Práticas de preservação e uso sustentável dos recursos hídricos; •Adequação de estradas vicinais de terra; •Calagem e gessagem do solo agrícola; •Práticas de contenção e controle de voçorocas; •Demarcação de curvas de nível e construção de sistemas de terraceamento; •Implantação de projetos demonstrativos de manejo integrado de pragas (MIP); •Produção e difusão de material técnico/educativo; Apoio e realização de eventos técnicos (dias-de-campo, seminários, reuniões de trabalho); •Recuperação de áreas degradadas; Introdução do Sistema Plantio Direto. O Programa Nacional de Microbacias Hidrográficas e Conservação de Solos na Agricultura – Decreto N° 94.076, de 05 de Março de 1987 - busca promover o desenvolvimento de forma integrada e sustentável. Com o uso racional dos recursos naturais, aumenta-se a produção de alimentos e a geração de emprego e renda no meio rural. Desenvolvido pelo Ministério da Agricultura em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), prefeituras municipais, instituições de pesquisa agrícola, serviços de assistência técnica e extensão rural e organizações não governamentais (ONGs). O programa tem como ações prioritárias:
  • 9. Levantamento de Solos • Inventário de informações ambientais que estabelecem uma base científica para o planejamento do uso da terra • Visa à subdivisão de áreas heterogêneas em parcelas com solos mais homogêneos, que apresentem a menor variabilidade possível • = mapa de solos + texto explicativo. • Mapa de solos: localização da área, identificação do solo. • Texto explicativo: caracterização dos solos, associações com a paisagem; potenciais e limitações. • Publicação: relatório técnico, boletim, etc. • Unidade de mapeamento:: grupamento de área de solos, estabelecido para possibilitar a representação em bases cartográficas e mostrar a distribuição espacial, extensão e limites dos solos. • Informam, entre outros aspectos:Permeabilidade do solo; Espessura Até a rocha; Substrato; Consistência; Presença de materiais expansíveis ou corrosivos, etc. • Aplicações: agropecuária, engenharia (civil, sanitária, ambiental), urbanismo, manejo florestal, etc.
  • 10. São reconhecidos 5 tipos principais de levantamentos: • Exploratório • Reconhecimento • Semidetalhado • Detalhado • Ultradetalhado Outros mapas são denominados : • Esquemáticos ou genéricos (base em compilação de dados): interesse político- administrativos. Levantamento e Classificação de Solos O manejo inadequado do solo tende a alterar as características químicas,físicas e biológicas, e acelerar o processo de degradação deste e do meio ambiente. Para que o solo seja usado de forma adequada é importante caracterizá-lo quanto às suas propriedades morfológicas, físicas e químicas, que normalmente é feito através dos levantamentos pedológicos. Estes levantamentos têm por objetivo sistematizar o conhecimento dos solos, possibilitando a sua identificação, mapeamento e recomendação de uso As informações sobre classificação dos solos geralmente disponíveis, com exceção de algumas áreas restritas onde foram feitos levantamentos mais detalhados, restringem-se a relatórios de levantamentos feitos ao nível de reconhecimento. Nestes, o mapeamento é pouco preciso e inadequado para o planejamento conservacionista em propriedades agrícolas ou em microbacias hidrográficas. Esta forma de planejamento requer levantamentos detalhados dos tipos de solos e das características do meio físico, como profundidade, fases de declive, pedregosidade, grau de erosão e condições de drenagem. O levantamento de solos é importante para a realização de zoneamentos agroecológicos e previsões quanto a utilização e produtividade das terras de uma região, sob determinadas condições de manejo. Para isso, é essencial dispor-se de conhecimentos sobre a formação do solo, ambiente onde ele se desenvolve e sobre as alterações que,eventualmente, venham ocorrer em consequência do uso.
  • 11.
  • 12. Capacidade e Uso do Solo
  • 13.
  • 14. Fatores Associados à Formação do Solo A erosão hídrica é, em grande parte do nosso planeta, a mais importante forma de erosão e é causada pela chuva e pelo escoamento superficial , sendo afetada por um grande número de agentes naturais e antropogênicos Pode ser expressa como a relação existente entre a erosividade da chuva (fator ativo) e a erodibilidade do solo (fator passivo). Clima: chuvas, ventos – distribuição, quantidade e intensidade Topografia: declividade do terreno, comprimento de rampa. Cobertura vegetal. Microrganismos. Solo: natureza (textura, permeabilidade e profundidade) e manejo Tempo. Terras férteis em Madagascar: ecossistemas saudáveis são a base da segurança alimentar.
  • 15. Formas de Manejo e Perda de Solos Para cada quilo de grãos produzido, perdem- se de 6 a 10 quilos de solo por erosão. O país como um todo desperdiça cerca de 1 bilhão de toneladas de solo fértil por ano. A perda da fertilidade causada por esse processo aumenta a demanda por produtos químicos, não somente por fertilizantes, mas também por herbicidas e pesticidas, uma vez que plantas malnutridas são mais vulneráveis às doenças. Essa erosão não para por aí tem os cursos de água como seu destino final, assoreando os leitos dos rios. Almanaque Brasil socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2004. p. 106 e 275.
  • 16. Erosão do Solo Solo: um dos recursos naturais mais Instáveis quando modificado. Erosão é o processo de desprendimento e arraste acelerado das partículas do solo causado pela água e pelo vento Principal causa do depauperamento acelerado das terras: queda quantitativa e qualitativa na produção . Efeitos na paisagem. Desenvolvimento (agrícola) sustentável. Agentes Causadores: • Retirada da cobertura florestal. • Manejo intensivo e/ou inadequado do solo. • Cultivo “morro abaixo”. • Queimadas intensas. • Superpastejo. Etc Formas de Erosão: • Erosão geológica: tão antiga quanto a Terra; Formação de solos. • Erosão eólica: Regiões planas, pouca chuva, vegetação natural escassa,ventos fortes- mais séria em regiões áridas e semiáridas. Movimentação de partículas de solo mais erodíveis (0,1mm diâmetro): ventos de 15 km/h a 30 cm da superfície.
  • 17. Artigo 3° da Lei 12305/2010 • Erosão hídrica: Três tipos principais: Laminar(ou lavagem superficial ou entre sulcos): remoção uniforme de uma camada superior de todo o terreno. Classes: Ligeira (< 25% hor. A); Moderada (25 a 75%); Severa (> 75% A; ap. B); Muito severa (25 a 75% B); Extremamente severa (ap. C). Difícil identificação • Em sulcos: resulta de irregularidades na superfície do solo devido à concentração da enxurrada em determinados locais. Frequência: ocasionais; frequentes;muito frequentes. Profundidade: superficiais; rasos; profundos; muito profundos (voçorocas). • Voçorocas (boçorocas ou ravinas) = terra rasgada: “forma espetacular da erosão”: Vales de erosão onde a remoção é rápida a ponto de não permitir o desenvolvimento da vegetação. Ravina: processos erosivos de origem geomorfológica, constituindo a rede natural de drenagem das águas Voçoroca:processos erosivos acelerados. Sulcos e voçorocas dificultam ou impedem o trabalho das máquinas agrícolas.
  • 18. Relatório da FAO (agência da ONU responsável pela agricultura e segurança alimentar no mundo) divulgado em 28/nov/2011 aponta um cenário pessimista para a SAN mundial. Segundo ele, 25% dos solos do planeta estão degradados. Isso representa um maior desafio para alimentar a população mundial no futuro. A FAO estima que, até 2050, a agricultura precisará produzir 70% a mais de alimentos do que produz hoje. Atualmente a produção agrícola cresce num ritmo cada vez menor e, em algumas áreas, o ritmo de crescimento é apenas metade do que era na época da Revolução Verde, há mais de cinquenta anos atrás. Assim como os solos, os recursos hídricos mundiais também estão em processo de esgotamento. A poluição dos lençóis subterrâneos aumentou, enquanto que em regiões de produção intensiva de cereais as reservas subterrâneas estão secando. A FAO alerta que a competição por recursos hídricos entre cidades, indústrias e agricultura tende a aumentar no futuro. A FAO indica que a solução pode estar numa melhor gestão da água e numa agricultura sustentável. De qualquer modo, ajustes deverão ser feitos no percentual de consumo mundial.
  • 19. Práticas Conservacionistas Técnicas utilizadas para aumentar a resistência do solo ou diminuir as forças do processo erosivo. Podem ser vegetativas, edáficas ou mecânicas - associação das práticas. Conservação do solo: é todo sistema de manejo - Conhecer o solo para poder conservá-lo. Planejamento conservacionista: Estabelecimento de um esquema de trabalhos para a propriedade agrícola que assegure a conservação do solo junto à sua exploração lucrativa, renovando os sistemas de trabalho, as práticas agrícolas e a organização da propriedade. F {condições físicas, econômicas e sociais}. Capacidade de uso do solo, Aptidão agrícola. Manejo Ecológico do Solo O porquê do Manejo Ecológico do Solo? É essencial para a obtenção de produtividade sustentável, permitindo rendimento econômico satisfatório e manutenção do potencial produtivo do solo.
  • 20.
  • 21. Práticas de Manejo e Conservação de Solo
  • 22. Práticas de caráter vegetativo Visam controlar a erosão pelo aumento da cobertura vegetal do solo e incorporação de resíduos. Proteção contra as gotas de chuva; Diminuição da velocidade de escoamento das enxurradas. Florestamento e Reflorestamento: • Topos de morros • Margens de rios e lagos • Terrenos acidentados • Recuperação de áreas degradadas Pastagens Áreas de risco: onde as culturas não são indicadas – livres de ervas daninhas; mistura de leguminosas e gramíneas; correção da acidez e da fertilidade do solo; tempo para estabelecimento da vegetação; árvores e abrigos nas partes altas; atentar para superpastejo ; construção de sulcos e camalhões, se necessário. -RAD Plantas de cobertura(↓erosão, melhora solo) Cultura em faixas- Retenção (cordões de vegetação permanente) – Rotação. Alternância de capinas Cobertura morta Faixas de bordadura: Faixa estreita (3 a 5 m), vegetação porte baixo (capim gordura, crotalárias etc.) Quebra-ventos Consórcio de Lavouras/Criação/Florestas: A integração Lavorua-Pecuária-Floresta (ILPF) promove a recuperação de áreas de pastagens degradadas e busca melhorar a fertilidade do solo com a aplicação de técnicas e sistemas de plantio adequados para a otimização e a intensificação de seu uso. Permite a diversificação de atividades econômicas na propriedade e minimiza os riscos de frustração de renda por eventos climáticos ou por condições desfavoráveis de mercado. Vantagens: Reduz o uso de agroquímicos; Evita desmatamento; Permite aumento de biodiversidade e do controle de processos erosivos com a manutenção da cobertura do solo;
  • 23. Práticas de Caráter Edáfico Manutenção e melhoria do solo, principalmente quanto à disponibilidade de nutrientes. • Eliminação ou controle das queimadas. • Calagem. • Adubação química, orgânica, verde. • Rotação de culturas. • Quebra-ventos. (criam um microclima favorável). Rotação de Culturas: Consistem em alternar ciclos, espécies vegetais, numa mesma área agrícola. As espécies escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, própósito comercial e de recuperação/proteção do solo. Vantagens: Proporciona a produção diversificada de alimentos e outros produtos agrícolas; Melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo; Auxilia no controle de plantas daninhas, doenças e pragas; Repõem matéria orgânica e protege o solo de agentes climáticos. Plantio Direto.
  • 24. Práticas de Caráter Mecânico Geralmente, requerem maior dispêndio de recursos financeiros. • Distribuição racional dos caminhos • Conservação de estradas rurais • Plantio em nível • Bacias de captação • Controle de voçorocas Terraceamento: • cordões em nível • terraços em nível • terraços em gradiente • canais divergentes • canais escoadouros • terraços tipo patamar • banquetas individuais • banquetas contínuas
  • 25. Sistema de Plantio Direto na Palha em em Curvas Sistema de plantio direto na palha: Semeadura ou plantio de mudas sem realizar o preparo do solo com aração e gradagem, mantendo a palha da cultura anterior. . A presença da palha protege a terra contra o impacto da gota da chuva ou da irrigação por aspersão, favorece o controle de plantas daninhas e cria um ambiente favorável ao bom desenvolvimento do sistema radicular. Sistema de plantio em Curvas de Nível: Realizar cultivos em Curva de Nível, significa executar operações de preparo do solo, plantio e todas as operações de cultivo no sentido transversal e pendente, cortando o declive no sentido do nível do terreno, linhas em contorno (todos os pontos da linha na mesma altura do terreno). Objetivo: Reduzir a erosão; Facilitar os tratos na lavoura; Em uma área cultivada em nível: As operações são feitas respeitando a altura do terreno; Fileiras de plantas, pequenos sulcos e leiras e restos culturais: Formam uma barreira contra a enxurrada diminuindo a sua velocidade e energia, aumentando a infiltração da água.
  • 27. BIBLIOGRAFIA: FISCHMANN, A. A.; ALMEIDA, M. I. R. de. Planejamento estratégico na prática. 2.ed. 20ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2011.JACOBI, P. (org.) Gestão compartilhada dos resíduos no Brasil: inovação com inclusão social. São Paulo:Annablume, 2006. MANO, E. B. Meio ambiente, poluição e reciclagem. 2.ed. São Paulo: Blucher, 2010. MAY, P. H. (org.) Economia do meio ambiente: teoria e prática. 2. ed. 4ª reimpressão. Rio de Janeiro:Elsevier, 2010. MOURA, L. A. A. Economia ambiental: gestão de custos e investimentos. 2. ed. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2003. PRIMAVESI. A. Manejo ecológico do solo. São Paulo: Nobel, 2004. PRIMAVESI. A. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2004. ROBLES JR., A.; BONELLI, V. V. Gestão da qualidade e do meio ambiente: enfoque financeiro e patrimonial.6ª reimpressão. São Paulo: Atlas, 2011. ROCHA, J. C. Introdução à química ambiental. 2.ed. Porto Alegre: Bookman, 2010. SANTOS, R. F. dos. Planejamento ambiental. Oficina de Textos, 2004. ZYLBERSZTAJN, D. (org.) Sustentabilidade e geração de valor: a transição para o século XXI. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.